Version classiqueVersion mobile

Festividades cíclicas em Portugal

 | 
Ernesto Veiga de Oliveira

III. Jogos

28. Alguns jogos populares poveiros1

Texte intégral

  • 1 « Douro Litoral », Sétima Série, I-II, Porto, 1956.
  • 2 A. Santos Graça. O Poveiro. Póvoa de Varzim. 1932. págs. 171-173.
  • 3 A. Santos Graça, ibid., pág. 170. Veja-se também nas págs. 174-175 a nota curiosa relativa ao dia d (...)

1Em relação à Póvoa de Varzim, e além da Péla e da Boiada, que, por considerar « forgas » caracterizadamente locais, Santos Graça descreve com minúcia2, e também da Zocha (pião), da Forma (botão), das Vascas ou «escondidelas » (« escondidas », em que o que «fica» conta até vinte, de olhos fechados), da Covinha (prego), da Roda ou Escoço (variantes da « macaca »), e da Barra, com ou sem « descanso », que, juntamente com a Entola, de que adiante nos ocuparemos, e certamente por serem comuns a outras regiões do País e oferecerem somente a particularidade do seu nome poveiro, o citado autor apenas menciona3, recolhemos ali ainda o jogo do Ó Á, em que cada jogador, à vez, atira uma pequena bola elástica contra qualquer parede, recebendo-a no seu retomo sem a deixar tocar no chão, e nas condições indicadas em cada um dos doze versículos da seguinte lengalenga, que vai enunciando em voz alta:

Ó Á – O jogador atira a bola, e recebe-a simplesmente nas duas mãos;

Sem mexer – Atira a bola, não se podendo mexer até a receber, também nas duas mãos;

Sem falar – Atira a bola, não proferindo uma única palavra até a receber, do mesmo modo;

Sem rir – E todos os presentes se esforçam por fazê-lo rir:

Com um pé – Atira a bola, e fica num pé só até a receber nas duas mãos;

Com o outro pé – Idem, mas com o outro pé;

Com uma mão – Atira a bola, e recebe-a numa só mão;

Com a outra – Idem, mas com a outra mão;

Bate palmas – Atira a bola, bate palmas, e recebe-a a tempo, nas duas mãos;

Novelar – Idem, mas, em vez de bater palmas, faz o gesto de enovelar as mãos;

Cruzar – Idem, mas, em vez de enovelar as mãos, cruza-as sobre o peito;

Óventuar – Idem, mas cruzando-as atrás das costas.

2A partida compõe-se de um número de pontos previamente combinado, e cada série completa e impecável constitui um ponto a favor do jogador. Quando este falha qualquer jogada, entra outro jogador a seguir, e assim sucessivamente, até recomeçar o primeiro, que continua a sua contagem; ganha afinal aquele que mais depressa completar o número de pontos estipulado.

3O jogo, que na sua estrutura geral é muito vulgar, pertence à categoria daqueles em que todos os partidos – aqui individuais – repetem à vez a mesma coisa, numa sequência de actuações idênticas por parte de cada um deles, e exige apenas rapidez e certeza de movimentos, a par com golpe de vista apurado.

4Na mesma terra, as crianças jogam ainda o Montinho, atirando pequenos seixos contra um monte de areia onde esconderam «notinhas» de rebuçados, que para esse fim todos coleccionam, tentando dessa maneira pô-las a descoberto, e ganhando-as para si à medida que o vão conseguindo. O jogo, que de resto nos parece de invenção recente, tem as características de um brinquedo infantil, com o estímulo da colheita dos papelinhos coloridos, e pelo seu lado pertence à categoria dos jogos em que ganhar se traduz pela apropriação efectiva daquilo que se disputa.

5A Entola, a que atrás aludimos e de que a seguir damos a descrição, obedece a um conceito especial de jogo, inteiramente diferente daquele a que correspondem os outros que indicámos, que se pode considerar bastante original, e de que não abundam os exemplos.

6Junto a um muro ou parede, fazem-se tantas covas quanto o número de jogadores – que devem ser um mínimo de cinco –, dispostas em linha, e com a profundidade necessária para cobrir a bola, geralmente de trapo, com que se joga; um vasto semicírculo, cujo diâmetro se situa no alinhamento das covas, faz de lugar de refúgio, e leva o nome de «asilo». O jogo começa por uma tiragem à sorte, para ver quem fica como «entolado», que, em seguida, os companheiros viram de costas para as covas; e então, sem, portanto, ele ver, escondem a bola numa das covas, recobrindo-a de terra, e enchem as demais igualmente com terra, de modo a não se distinguir em qual destas ela se encontra. Quando é dado o sinal de «pronto», o «entolado» procura a bola de cova em cova, e, enquanto o faz, os outros jogadores vão-lhe batendo nas costas com as suas boinas e bonés. A procura não pode incidir em duas covas ao mesmo tempo, nem fazer-se salteadamente: se o «entolado» começou por uma das pontas. tem de correr todas as covas seguidas até encontrar a bola; se começou por uma cova a meio, tem de procurar primeiro para um dos lados, e só depois para o outro, até encontrar.

  • 4 Damos esta descrição do jogo da «Entola». que nos foi muito amavelmente fornecida pelo nosso amigo (...)

7Assim que o «entolado» chega à cova onde está a bola, os outros jogadores fogem e põem-se ao largo, pois, se aquele acerta em qualquer deles com o lançamento que em seguida faz da bola, toma-o por seu turno «entolado» para a próxima jogada. Contudo, depois de a encontrar, o «entolado» não deve atirar a bola precipitadamente: se o fizer, arrisca-se a não acertar em nenhum jogador; e como, se assim suceder, tem de a ir buscar ao ponto onde ela tiver caído, os outros tém tempo de se acolher ao «asilo» junto às covas, sem perigo de ser atingidos, e ele fica outra vez «entolado»4.

  • 5 A. Santos Graça, ibid., pág. 170.
  • 6 Em Trás-os-Montes (Quintanilha). conhecemos um outro jogo do «Gavião», que difere totalmente do «Ga (...)

8A Entola parece ser um jogo antigo, de que já pouca gente se recorda. Santos Graça considera-o, com os demais que indicámos no princípio, comum a todo o Minho, mas não concretiza localizações5. Pela nossa parte, não o temos encontrado em nenhuma das regiões daquela Província que percorremos; conhecemos, com traços semelhantes, um jogo que na Trofa e Santo Tirso leva o nome de Gavião, e se joga da seguinte forma: dentro de um círculo que se faz no chão, «fica» o Gavião, com as duas mãos dadas e fechadas, de dedos entrelaçados, que a seguir pede aos demais licença para sair: – «Pode sair Gavião?» –; estes, que entretanto tomaram posições convenientes, respondem que sim. e ele, então, fora do círculo, procura dar com as mãos, sem as poder soltar ou abrir, em qualquer deles; se acerta em algum – o que não é fácil, dada a posição incómoda das mãos – esse fica Gavião: mas enquanto não acerta, os outros têm o direito de lhe bater como quiserem, e o seu único meio de evitar a pancadaria é refugiar-se no círculo6.

9Como vemos, a Entola e o Gavião cabem no mesmo conceito de jogo; não existe neles qualquer luta efectiva ou simbólica pela apropriação de objectos. nem contagem convencional de pontos; o que os caracteriza é a acentuação marcada da inferioridade de posição em que se encontra o jogador que «fica» – «Entolado» ou «Gavião» –, que, num e noutro, é submetido a pancada, e de que só se liberta acertando com a bola ou com as mãos em qualquer outro jogador, isto é, transmitindo-lhe por esses meios a sua qualidade, que aquele por seu turno incorpora, com todas as suas implicações; em ambas há igualmente um local de refúgio, «asilo» ou «círculo» mágico, que, este, funciona em benefício do jogador que «fica», e o primeiro, em benefício dos outros, etc. Apesar disto, porém, não podemos afirmar que se trate de um único e mesmo jogo cujas diferenças representem apenas variantes locais dos seus elementos constitutivos, a partir de uma origem comum.

10Porto. Agosto de 1954.

Notes

1 « Douro Litoral », Sétima Série, I-II, Porto, 1956.

2 A. Santos Graça. O Poveiro. Póvoa de Varzim. 1932. págs. 171-173.

3 A. Santos Graça, ibid., pág. 170. Veja-se também nas págs. 174-175 a nota curiosa relativa ao dia de S. Simão, em que, na Póvoa de Varzim, as « zochas » ou piões só podem aparecer em público sem o espigão de cima, sob pena de. caso isto se não respeite, poderem ser escacados pelas outras. Na verdade, as limitações de datas, relativamente a certos jogos, são correntes, e podem ter fundamentos de vária ordem : naturais, convencionais, cerimoniais, etc. Mas na « Zocha » da Póvoa, elas implicam uma sanção a quem não as acate.

4 Damos esta descrição do jogo da «Entola». que nos foi muito amavelmente fornecida pelo nosso amigo Ex.mo Senhor Francisco de Oliveira, comandante do posto da Guarda Fiscal das Caxinas, em Vila do Conde, porque se trata de um jogo muito pouco conhecido, e visto que Santos Graça, pelas razões que dissemos, a considerou dispensável e a omitiu no seu livro.

5 A. Santos Graça, ibid., pág. 170.

6 Em Trás-os-Montes (Quintanilha). conhecemos um outro jogo do «Gavião», que difere totalmente do «Gavião» minhoto que descrevemos: por outro lado, joga-se aí o jogo do Pirogalo. que apresenta alguns traços que o aproximam desse último «Gavião»: como neste. há nele também um círculo mágico, o «pombal», onde o Pirogalo se encontra, de mãos postas fechadas, e donde sai para ver se dá com elas, desse modo, nos demais jogadores: estes, porém, não lhe podem bater, ao contrário do que sucede com o «Gavião» minhoto: e. após esta primeira fase, o jogo transmontano toma uma feição própria, sem mais nada de comum com o outro.

© Etnográfica Press, 1995

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search