Version classiqueVersion mobile

Festividades cíclicas em Portugal

 | 
Ernesto Veiga de Oliveira

III. Jogos

27. O jogo da péla na póvoa de Varzim e na póvoa de Atalaia1

Texte intégral

  • 1 «Trabalhos de Antropologia e Etnologia ». XIII. 3-4. Porto. 1952.

1É bem conhecido daqueles que se dedicam ao estudo dos nossos costumes o notável jogo de perícia e força que. com o nome de Péla, se pratica na Póvoa de Varzim, e de que Santos Graça dá a descrição que a seguir transcrevemos por excerto:

  • 2 A. Santos Graça. O Poveiro. Póvoa de Varzim, 1932, págs. 172-174, e também 170. Ver também adiante, (...)

2«Dois partidos em número igual de raparigas e rapazes. Para que sejam o mais possível equilibrados, os partidos iniciam-se pela nomeação de dois chefes, no geral os melhores jogadores dos presentes, e os dois escolhem, ora um, ora outro, e um a um, os seus jogadores, começando pelas raparigas... Finda a escolha do pessoal, os chefes começam mutuamente o oferecer pontos para estabelecer a igualdade entre o que fica de cima, a jogar, e o de baixo, a defender, visto ser este último o que tem de início menos vantagem... A Cachola (banco, cadeira, pedra ou utensílio que sirva de ponto de mira para ser tocado pela Péla e a que dão sempre o nome de Cachola) está do lado de cima. O rancho de baixo espalha-se, sendo a sua missão evitar que a Péla se distancie da Cachola, esforçando-se por a apanhar à mão, pois que assim inutiliza o jogador que a impulsiona. Se a Péla cai no chão, o mais hábil do rancho atira-a em direcção à Cachola. Se lhe toca, inutiliza o jogador; se não lhe toca, conta o que joga um ponto para o seu grupo. O jogo inicia-se por esta forma: o jogador avança três passos adiante da Cachola, e... espreita os espaços que há entre os adversários, para ver se por entre eles pode enviar a bola para longe – e joga-a no ar... As Pélas eram, de ordinário, grandes, feitas de farrapos cobertas de pano de lona e de vela de lancha. O seu jogo dependia de pulso forte e de certa habilidade para que a Péla se escapasse pelos intervalos do pessoal do rancho adversário e fosse longe, dando assim mais probabilidade de se marcar os pontos» (fig. 36)2.

  • 3 aime Lopes Dias, Etnografia da Beira, vol. VI. Lisboa. 1942. págs. 165-166.
  • 4 A este respeito, ver, noutro capítulo, o nosso estudo sobre as diversões de carácter periódico.
  • 5 A péla – que é nome genérico beirão para qualquer bola – é feita de pano, às vezes em meios gomos t (...)

3Por outro lado, no seu trabalho sobre a Etnografia da Beira. Lopes Dias3 fala-nos do jogo feminino da Péla que. nas três modalidades de ao comprido, às custas, ou ao tira, se joga em Idanha-a-Nova. A Péla ao comprido é um mero atirar da péla entre dois grupos de jogadoras, em que não se ganha nem se perde: trata-se menos de um jogo do que de um divertimento, o qual, por se jogar apenas durante o período que vai do domingo de Páscoa ao Pentecostes, se pode considerar de carácter especial4. A Péla às custas é um concurso a que se liga uma ideia augurai, a ver qual das jogadoras acerta com a bola numa parede: o número de vezes que falhar será o número de anos que lhe dá de solteira. A Péla ao tira, em que entram só duas pessoas, é uma sequência alternada de jogadas, em que cada jogadora atira a péla três vezes contra uma parede, sendo a seguir, e à voz de « Tira! », substituída pela outra, que encadeia o jogo sem interrupção do lançamento – e assim sucessivamente, até que qualquer delas perca5.

4Em todas estas três formas, trata-se de um jogo de actuações idênticas de ambos os grupos, que se seguem alternadamente, e que não realiza qualquer unidade de movimentos simultâneos e diferentes de grupos contrários : portanto, a Péla de Idanha-a-Nova nada pode ter que ver com a curiosa forga da Póvoa de Varzim que leva o mesmo nome, e que o autor citado em primeiro lugar considera caracterizadamente poveira.

  • 6 A marra é uma pedra regular, de dimensões medianas, servindo de alvo.
  • 7 Note-se que Santos Graça, pelo CONTRÁRIO, chama «de cima» ao campo junto à cachola e « de baixo» ao (...)

5O mesmo já, porém, não acontece com outro jogo da Péla, também beirão, que é conhecido e praticado na Póvoa de Atalaia, no concelho do Fundão. Este é. na verdade, um jogo de interacção recíproca, em que dois partidos adversos se enfrentam com objectivos opostos e correlacionados, alternando igualmente as suas posições junto de um alvo unilateral, aí chamado a marra 6. no qual um deles se esforça por acertar com a péla. Ambos esses partidos, que também incluem rapazes e raparigas simultaneamente, são formados pelo mesmo número de jogadores; e a sua escolha é feita um por um. à vez para cada grupo, pelos seus respectivos chefes, a partir de uma primeira sorte, tirada pelo processo usual da moeda, a «cara ou cruz». O mesmo processo fixa seguidamente os campos em que cada grupo se situa de entrada: o « de baixo », junto à marra, que abre o jogo: e o «de cima», que se lhe opõe7.

Fig. 36 – Póvoa de Varzim. Jogo da péla.

Fig. 36 – Póvoa de Varzim. Jogo da péla.

6Só em baixo se contam tentos, por cada jogada de cima que não acerta na marra; por isso, o que os jogadores do grupo que está em baixo pretendem é dificultar a jogada dos adversários, para que esta falhe o alvo; pelo contrário, os jogadores do grupo que está em cima esforçam-se por eliminar sucessivamente todos os jogadores que estão em baixo, porque, quando o conseguirem, invertem-se as posições dos dois grupos, passando o que até aí estava em cima a contar tentos por seu turno.

7Em baixo, é sempre o mesmo jogador quem joga enquanto não for eliminado. e só então entra em jogo outro do seu grupo: em cima, os jogadores estão todos em jogo ao mesmo tempo, e qualquer deles indiferentemente intervém na jogada.

  • 8 Devemos a descrição da Péla da Póvoa de Atalaia, como tantas outras respeitantes a costumes da mesm (...)

8O jogo inicia-se por uma jogada do primeiro jogador do grupo que vem para baixo, junto à marra, ao qual se sucederão os demais, à medida que cada um for sendo eliminado: o jogador em jogo lança com a mão a péla para o campo de cima, sem a agarrar, procurando atirá-la o mais longe possível: como ela deve, em seguida, ser, por um jogador do grupo de cima, devolvida contra a marra do próprio sítio onde foi apanhada, quanto mais distante este estiver, menos provável será que acerte no alvo. Os jogadores do grupo de cima, pelo seu lado, têm todo o interesse em agarrar a péla o mais a jeito que puderem, para com maior facilidade a atirarem para baixo certeiramente, a bater na marra. Se isto sucede, ou se qualquer jogador de cima consegue, antes de ela tocar no chão, agarrar no ar a péla lançada de baixo pelo jogador que está em jogo, este é «invalidado» e eliminado, e entra em jogo outro do seu grupo; e dissemos que, quando todos os jogadores do grupo de baixo forem assim eliminados, os dois partidos trocam as suas posições junto à marra. Se, pelo contrário, o jogador do grupo que se encontra em cima, ao devolver a péla, não acerta na marra, conta-se um tento a favor do grupo que se encontra em baixo, continuando em jogo o jogador deste grupo que fez o lançamento. Entende-se que os jogadores de baixo não podem alterar a trajectória da péla que vem devolvida de cima em direcção à marra 8(fig. 37).

  • 9 Na Póvoa de Varzim, como na Póvoa de Atalaia, a péla é lançada com a mão espalmada, pelas raparigas (...)
  • 10 Apesar desta conta, o final do jogo poveiro é pitorescamente anunciado com a seguinte frase: «Seis, (...)

9Comparando agora este jogo com a forga poveira, vê-se claramente que, ao contrário do que se passa com a Péla de Idanha-a-Nova, a identidade aqui não é apenas de designação: o jogo é de facto igual nas duas localidades, compondo-se de elementos semelhantes – a péla, e a marra, que é a cachola poveira –, obedecendo às mesmas regras e requerendo uma técnica única e apropriada9. É certo que na Póvoa de Atalaia a partida compõe-se de dois meios jogos, de 10 tentos cada, terminando por isso aos 20 tentos, ao passo que na Póvoa de Varzim ela consta de 2 eis e meio, de 12 pontos cada el, sendo portanto necessários 30 pontos para se acabar10; além disso, não temos conhecimento da existência, no jogo da Póvoa de Atalaia, do leilão inicial de pontos a atribuir ao rancho que de entrada vai para o campo oposto à cachola, que tem lugar na Póvoa de Varzim como contrapartida da vantagem de que desfruta o grupo adverso, único que então pode contar pontos a ganhar. Mas esses pormenores têm carácter secundário e extrínseco, e de forma nenhuma podem estabelecer diferenças fundamentais de natureza: pelo contrário, a identidade de estrutura dos dois jogos autoriza-nos a afirmar, sem dúvida possível, que a Péla poveira e a Péla da Póvoa de Atalaia são um só e mesmo jogo, postulando decisiva e necessariamente a unidade da sua origem.

  • 11 Referimo-nos ao velho costume que só autoriza os namorados a falarem três dias na semana, e que se (...)
  • 12 A Santos Graça. O Poveiro. Póvoa de Varzim. 1932. págs. 170-171. Informam-nos de que o mesmo jogo é (...)

10É especialmente digno de nota o facto de, nos dois lugares, o jogo se jogar numa época própria, embora para cada qual deles esta se situe em momentos diferentes do ano: na Póvoa de Atalaia, a Péla parece ser um jogo da Quaresma, passatempo dominical favorito da gente nova, como substituto de cantares e outros folguedos então proibidos, e ocasião suplementar de namoricos11; ao passo que. na Póvoa de Varzim, ela joga-se apenas durante o período compreendido entre o sábado de Aleluia e a festa da Ascensão, sendo portanto proibido durante aquela quadra, aparentemente em vista do ruidoso ensusiasmo que suscita entre a exuberante população piscatória12.

Fig. 37 – Fundão, Póvoa de Atalaia. Jogo da péla.

Fig. 37 – Fundão, Póvoa de Atalaia. Jogo da péla.

11Esta diversidade, porém, longe de prejudicar a unidade e identidade essenciais que atrás referimos, acentua uma nota comum aos jogos de ambas as Póvoas. que de resto se verifica na Péla ao comprido de Idanha-a-Nova, e que. por nos parecer da maior importância, passaremos seguidamente a analisar: em todas essas localidades, a Péla é um jogo periódico, que está em relação com determinadas solenidades anuais, nomeadamente a Quaresma e a Páscoa.

  • 13 A soule era uma grande bola de couro, reforçada com chapa, com mais de 30 cm de diâmetro. e rechead (...)
  • 14 A pelote ou éteuf é uma bola pequena, ornamentada com fitas, cheia com estopa ou farelo, que leva d (...)
  • 15 Robert Herz. Contes et dictons recueillis sur le front parmi les poilus de la Mavenne et d’ailleurs (...)

12Existem de facto inúmeros jogos, ocorrendo em diversos países, que são próprios de um ciclo festivo ou estacionai definido, e que ora são exclusivos e se integram por natureza nas celebrações típicas das épocas a que respeitam, ora são comuns, cerimonializando-se apenas, nesse momento, pela sua obrigatoriedade em tais épocas. Assim, por exemplo, na Inglaterra, em Terça-Feira Gorda, realizavam-se em certas cidades grandes lutas à corda, procurando os representantes de bairros diferentes dominar os adversários e levá-los de vencida até determinados locais regulamentares, onde a vitória se consumava. Na França, por sua vez, tinha lugar, em várias localidades da Normandia e da Bretanha, e também em Terça-Feira Gorda, a disputa brutal da Soule 13, que. para o efeito, devia ser fornecida já pelo homem já pela mulher casados em data mais recente, e que centenas de jogadores em campo se esforçavam por levar a pontapé para lá dos limites das freguesias a que pertenciam; na Picardia, e, nuns lugares, igualmente em Terça-Feira Gorda, noutros, no domingo de Carnaval, noutros ainda, no primeiro domingo de Quaresma, jogava-se do mesmo modo a Choule entre os representantes da montanha e do vale, com uma finalidade mágica ou augural manifesta, referida à colheita anual de maçãs, sendo a bola destruída quando o jogo terminava: em algumas aldeias, este jogo fazia parte dos festejos carnavalescos. servindo a bola para com ela se enlamearem propositadamente os espectadores: na Mancha normanda, era costume, e sempre na Terça-Feira Gorda, todos os homens casados depois do anterior Carnaval – ou. noutros pontos, apenas o homem casado na data mais recente – atirarem numa festa pública as pelotes ou éteufs14 aos rapazes solteiros, que deviam apanhá-las e fugir com elas, defendendo-as dos que os perseguiam, até penetrarem dentro das suas freguesias ; noutros sítios o jogo era próprio de casamentos e baptizados, sendo então o éteuf lançado pelos próprios nubentes ou padrinhos: na região de Compiègne, e, como com a Choule picarda, em diferentes datas conforme a sua localização, joga-se uma outra Choule, que se assemelha notavelmente ao desporto americano do basquetebol, e que utiliza, como a nossa Péla de Idanha-a-Nova. uma bola mediana, de várias cores, cheia com musgo ou farelo; no Vivarais. jogava-se. no primeiro domingo da Quaresma, a Sourle, que por sua vez lembra o moderno futebol, em que o objectivo fosse atirar a bola a um rio. em vez de encaixá-la nas balizas: na Touraine. jogava-se no dia de Carnaval o Tricotage de la mariée. em que a gente nova solteira procurava levar uma bola de pau até debaixo da cama dos pares casados depois do Camaval anterior : em muitas províncias – na Champagne, na Vendeia, na Vienne, na Lorena, etc. – e em dias diferentes e próprios a cada uma delas – no Carnaval. no Pentecostes. nas festas da Ascensão, da Anunciação, ou patronais, na Senhora de Agosto, no dia 1 de Janeiro ou no dia S. S. Trindade, etc. – os homens recém-casados, num local e festa públicos, procedem à bille cerimonial dos éteufs. isto é. no lançamento dos éteufs por meio de uma pancada aplicada numa régua posta em equilíbrio instável sobre o tampo de um tonel, num dos extremos da qual os pousaram, e que os rapazes solteiros procuram apanhar : finalmente – e além de muitos mais –, em várias comunas da Mayenne e de Ile-et-Vilaine, a leste da Bretanha, joga-se a Téque. de que. pelas afinidades que apresenta com a nossa Péla, transcrevemos a descrição que segue: «Todos os domingos da Quaresma, e na Terça-Feira Gorda, jogava-se à Téque, pequena bola de couro, cheia de farelo. Separavam-se dois campos, por aldeias. Uns, armados de paus achatados no topo, procuravam impedir que a Téque atingisse a barreira (e os outros procuravam consegui-lo). Se a Téque ultrapassava a barreira, eles ficavam ‘grelhados’ ou ‘queimados’ (perdiam), e iam para baixo, vindo os outros para cima (trocando-se. portanto, de campos). Se os que estavam em baixo conseguiam apanhar a Téque no ar. com as mãos, ganhavam. »15

13Além destes, existem ainda, noutras localidades, mais jogos que. embora igualmente periódicos, são contudo de géneros diferentes ; assim, por exemplo, a Malha, que na Haute-Mame se deve jogar em Terça-Feira Gorda, e que nessa ocasião tem como prémio um ganso ou um carneiro oferecido pelos rapazes que aguardam o serviço militar ; a Filipina. entre duas crianças, na quarta-feira de Cinzas; o tiro ao alvo, em muitas festas patronais: os combates e decapitações de galos, também praticados na Inglaterra e na Escócia; o Jeu de pou. em que se rebolam pedras, ou rodas, por encostas abaixo; os diversos jogos de azar, da época carnavalesca, efectuados por bandos mascarados, etc.; e ainda os baloiços de Terça-Feira Gorda, em certas aldeias da Sabóia francesa, e as inúmeras farsas carnavalescas, das quais destacaremos, pelo interesse especial que nos merecem, a Farsa do Barri, no Mame, e a da Toupiole, no Béam, de que adiante nos ocuparemos.

  • 16 Em Vilarinho, no concelho de Vila do Conde, existe o jogo infantil da «Casinha do Senhor», em que o (...)

14Entre os povos de estrutura social arcaica, os jogos periódicos – especialmente as lutas à corda, à vara e à bola – têm geralmente significado ritual e finalidade mágica ou augurai expressas, respeitantes à fertilidade do solo e à felicidade humana, representando cada um dos grupos, muitas vezes, a personificação respectiva das potências do bem e do mal16; tal é o caso das lutas cujo fim é desencadear os ventos favoráveis à agricultura, que os espíritos adversos retêm, ou que fazem parte de cortejos fúnebres: em Marrocos, por exemplo, nas grandes festas anuais do Outono e dos sacrifícios, elas realizam-se à corda, entre homens e mulheres, e correspondem a uma cerimónia ritual de expulsão pública de espíritos malfazejos, «para que o ano seja bom e os povos vivam em paz». Por vezes, nessas lutas, opõem-se os habitantes de aldeias vizinhas, e acredita-se então que o grupo vitorioso levará, com a vitória, a abundância à comunidade a que pertence.

  • 17 James George Frazer. Le cycle du Rameau d’Or. vol. IX. Le Bou Émissaire (Tradução francesa de The G (...)

15O estudo destas manifestações levou Frazer à conclusão de que todos os jogos e combates que têm lugar anual ou regularmente, em ocasiões especiais ou épocas próprias, e em especial nos fins de ano. e nos quais dois grupos opostos procuram vencer-se um ao outro e desbaratar-se reciprocamente, ou apropriar-se de qualquer bola ou objecto material, têm sempre carácter ritual ou mágico, afirmando que nessas condições eles representam a sobrevivência de práticas originariamente daquela natureza, que revestiam uma forma particular, quer esse carácter perdure sob a forma de qualquer crença ou superstição ligada ao jogo, quer dele tenham mesmo desaparecido todos os vestígios: o próprio futebol – e. pela mesma razão, a nosso ver. muitas outras modalidades desportivas actuais – teria talvez na sua remota origem sido um combate ritual da mesma espécie, no qual cada equipa em campo procurava apenas assegurar, com o seu triunfo, boas colheitas e outras vantagens ao agregado local que representava17.

16De facto, alguns dos jogos periódicos que mencionamos obedecem àquelas condições, justificando a tese da sua origem ou significado mágicos. Na Soule normanda e bretã, por exemplo, e no lançamento da pelote, a disputa que se desenrolava entre grupos sociais distintos visava a apropriação, por parte de um deles, de uma bola ou objecto correspondente, e a sua conservação dentro dos limites territoriais da sua freguesia; nas lutas à corda inglesas, os dois partidos procuram levar-se reciprocamente de vencida até um ponto que se situa, para cada um deles, também em território próprio. Além disso, em quase todos eles, é patente a associação com elementos de natureza peculiar, sob a forma aparente de convenções que sugerem ideias de fecundidade, e se traduzem pela intervenção obrigatória de pessoas casadas e em situação simbolicamente significante – seja em conexão com o conceito de «último», seja, outras vezes, com o de «os casados do ano» – a quem competem funções eminentes: a soule é. na Normandia, atirada para o campo do jogo pelo homem ou mulher casados em último lugar; a pelote ou éteuf, do mesmo modo, ou, no jogo colectivo, pelos homens casados desde o Carnaval anterior; em certos casos, o jogo tinha mesmo lugar nos casamentos ou baptizados, e o lançamento era feito pelos próprios nubentes ou padrinhos da criança; são os recém-casados do ano quem «bille» os éteufs, para os solteiros, e a natureza especial do jogo ressalta do facto de ele operar a mudança da categoria social desses casais, pondo fim ao período intermediário que é o prolongamento das bodas; e no Tricotage de la mariée, a bola devia ser alojada debaixo do leito conjugal dos casais do ano, mas a mulher a quem tivesse já nascido um filho ficava dispensada do jogo.

  • 18 Arnold van Gennep, Manuel de Folklore Français Contemporain. Tome Premier, III, Paris. 1947. págs. (...)
  • 19 Ihid., pág. 1092.
  • 20 A este respeito, vide A. van Gennep, ihid, pág. 1097. que considera que a destruição final da choul (...)

17É certo que estas disputas entre aldeias limítrofes, ou, dentro da mesma aldeia, entre casados e solteiros, simbolizando lutas de grupos sociais – «rivalidades territoriais, de categorias de idades ou de estatuto matrimonial» – podem entender-se como «manifestações do velho espírito de clã territorial, se não familiar, que é um facto psíquico e social universa »18; e, por outro lado, a obrigação de se levar a bola até dentro dos limites territoriais da freguesia a que pertencem os disputantes, pode ter em vista simplesmente «afastar a meta o mais possível, como em todos os jogos de corrida, a fim de pôr fortemente à prova o fôlego dos concorrentes»19. Mas estas considerações não invalidam a hipótese da sua natureza ritual originária, e de que o seu objectivo informulado era estimularem magicamente a fecundidade, aos quais aquelas razões se podem ter acrescentado ou sobreposto. Em qualquer caso, porém, na Choule picarda, o jogo tem essa natureza e finalidade expressas, entendendo-se que assegura ao partido vencedor a melhor colheita de maçãs do ano20, o mesmo sucedendo, de um modo geral, e embora sem por vezes se poder precisar em que sentido concreto e definido, com os jogos de azar privativos do Carnaval e, como veremos, com os baloiços periódicos e as farsas da Toupiole e do Barri.

18Terá a Péla sido também um jogo desta categoria – queremos dizer, um jogo cerimonial, praticado com quaisquer fins mágico-rituais –, que, perdido o seu sentido primitivo, conserva apenas o traço característico da sua periodicidade? Ou – visto não nos parecer que exista qualquer outra razão para ela – será esta periodicidade um acidente sem significado?

  • 21 A periodicidade da Péla é de resto do mesmo tipo da do jogo francês da Téque. que respeita aproxima (...)

19Notaremos desde já que. enquanto que na maioria dos jogos que atrás analisamos tal periodicidade é bem definida, concretizando-se as mais das vezes num dia certo, na Péla ela apresenta-se como uma proibição ou permissão difusas e de ordem geral, mais do que como uma afectação específica ; e isto atenua o valor da sua interpretação como jogo cerimonial. Além disso, não existe nela combate efectivo entre os dois grupos contrários, ou luta pela apropriação da bola como objecto talismânico, que. a par com a referida periodicidade, constituem os elementos essenciais dos jogos praticados com fins mágicos, ou que se podem entender como suas sobrevivências: tais aspectos, neste caso – como, de resto, em alguns dos mencionados –, só podem existir implícitos sob a forma transposta da competição e da vitória final, simbolizando o combate e a apropriação. O certo, porém, é que a limitação periódica da Péla é um facto, inexplicável como mero acaso gratuito, que como tal não se poderia verificar nas mesmas circunstâncias em duas localidades independentes e distantes como o são a Póvoa de Varzim e a Póvoa de Atalaia, aparecendo ainda na Péla ao comprido de Idanha-a-Nova21. E, além disso, o carácter augurai do jogo às custas desta última povoação, que associa a péla à ideia de poderes divinatórios em relação com o casamento, parece acentuar um traço próprio de quase todos os jogos periódicos franceses, e apoiar a hipótese mágica acerca do sentido da Péla em geral, atestando, num caso particular em que ele sobrevive, a virtude misteriosa que é atribuída ao seu elemento basilar – a péla.

Notes

1 «Trabalhos de Antropologia e Etnologia ». XIII. 3-4. Porto. 1952.

2 A. Santos Graça. O Poveiro. Póvoa de Varzim, 1932, págs. 172-174, e também 170. Ver também adiante, nota 11.

3 aime Lopes Dias, Etnografia da Beira, vol. VI. Lisboa. 1942. págs. 165-166.

4 A este respeito, ver, noutro capítulo, o nosso estudo sobre as diversões de carácter periódico.

5 A péla – que é nome genérico beirão para qualquer bola – é feita de pano, às vezes em meios gomos triangulares de cores diversas, e cheia com musgo. Note-se que na descrição da péla às custas. Lopes Dias, certamente por engano, escreve que o augúrio é ditado pelo número de vezes que a jogadora acerta na parede.

6 A marra é uma pedra regular, de dimensões medianas, servindo de alvo.

7 Note-se que Santos Graça, pelo CONTRÁRIO, chama «de cima» ao campo junto à cachola e « de baixo» ao que se lhe opõe.

8 Devemos a descrição da Péla da Póvoa de Atalaia, como tantas outras respeitantes a costumes da mesma região, à preciosa informadora que é a Senhora D. Maria dos Anjos Fontinhas. que tão perfeita consciência tem do valor, interesse e beleza das tradições em que foi criada.

9 Na Póvoa de Varzim, como na Póvoa de Atalaia, a péla é lançada com a mão espalmada, pelas raparigas, e com o punho fechado, pelos rapazes, no grupo de cima.

10 Apesar desta conta, o final do jogo poveiro é pitorescamente anunciado com a seguinte frase: «Seis, a acabar os quarenta eis!». que não tem significado exacto.

11 Referimo-nos ao velho costume que só autoriza os namorados a falarem três dias na semana, e que se conserva na região.
A Péla da Póvoa de Atalaia é um jogo próprio da Quaresma, mas não podemos afirmar que seja proibido fora desse período

12 A Santos Graça. O Poveiro. Póvoa de Varzim. 1932. págs. 170-171. Informam-nos de que o mesmo jogo é ainda conhecido em Buarcos. como jogo de rua. dos domingos, sem qualquer atribuição especial de datas: e esta circunstância faz supor que ele aí representa o resultado deturpado de uma difusão a partir da Póvoa de Varzim, com base em relações de gente piscatória. Por outro lado, parece que se conheceu outrora em Nisa também um jogo da péla, que se jogava contra um banco, no meio da rua

13 A soule era uma grande bola de couro, reforçada com chapa, com mais de 30 cm de diâmetro. e recheada com farelo. Para a descrição deste jogo. cfr. Le Viking. Printemps. 1954. « Revue des Pays Normands ». 28. rue Vanneau. Paris. VIIeme.

14 A pelote ou éteuf é uma bola pequena, ornamentada com fitas, cheia com estopa ou farelo, que leva dentro o dinheiro do prémio para o vencedor.

15 Robert Herz. Contes et dictons recueillis sur le front parmi les poilus de la Mavenne et d’ailleurs. « Mélanges de Sociologie réligieuse et folklore ». Paris. 1928, págs. 195/228. esp. 212 – cit. : Amold van Gennep, Manuel de Folklore Français Contemporain – Tome Premier. III. Paris. 1947, pág. 1089. Como na Péla de ambas as Póvoas, é a Téque um jogo de actuaçóes opostas e alternadas, em que os partidos invertem as suas posições quando, por destreza, o adversário apanha a bola no ar. ou realiza o seu objectivo junto de um alvo ou barreira.

16 Em Vilarinho, no concelho de Vila do Conde, existe o jogo infantil da «Casinha do Senhor», em que os partidos adversos levam os nomes de os anjos e os diabos. Os diabos jogam junto a um risco, que faz de barreira, procurando impedir que os anjos a atravessem : estes, de mais longe, esforçam-se por consegui-lo. dizendo-se nesse caso que entraram na «Casinha do Senhor». Um anjo agarrado fica diabo: se atravessa o risco, salva-se: passa do Purgatório para o Céu. e volta para o outro lado livremente, continuando a jogar como anjo. O jogo acaba quando todos os anjos são agarrados e ficam diabos; ou então, se qualquer deles, mais destro e rápido, resiste aos diabos invencivelmente, acaba quando assim o resolverem.
Não se trata aqui, de modo nenhum, de um jogo periódico nem cerimonial: mas a designação dos grupos, se não representa qualquer reminiscência, ainda que verbal, de antinomias rituais, é pelo menos sugestiva.

17 James George Frazer. Le cycle du Rameau d’Or. vol. IX. Le Bou Émissaire (Tradução francesa de The Golden Bough}. Paris. 1926. págs. 157-165. especialmente 164.

18 Arnold van Gennep, Manuel de Folklore Français Contemporain. Tome Premier, III, Paris. 1947. págs. 1097-1098.

19 Ihid., pág. 1092.

20 A este respeito, vide A. van Gennep, ihid, pág. 1097. que considera que a destruição final da choule. atrás referida, tinha primitivamente um significado ritual, e a compara às destruições rituais dos objectos de culto de certas cerimónias totémicas.

21 A periodicidade da Péla é de resto do mesmo tipo da do jogo francês da Téque. que respeita aproximadamente ao mesmo período que a Péla da Póvoa de Atalaia.

Table des illustrations

Titre Fig. 36 – Póvoa de Varzim. Jogo da péla.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6058/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 112k
Titre Fig. 37 – Fundão, Póvoa de Atalaia. Jogo da péla.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6058/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 64k

© Etnográfica Press, 1995

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search