Version classiqueVersion mobile

Festividades cíclicas em Portugal

 | 
Ernesto Veiga de Oliveira

II. Romarias e festas

26. Roubo ritual1

Texte intégral

  • 1 «Boletin de la Comision Provincial de Monumentos Históricos y Artísticos de Orense». XX. 1/4, Orens (...)

1O roubo ritual, como processo específico de obtenção de objectos ou espécies definidas, destinadas a determinadas celebrações ou práticas costumeiras, aparece com relativa frequência em Portugal e em outros países.

2Por vezes, e designadamente nos vários exemplos que conhecemos em que é referido ao material destinado às fogueiras públicas e festivas da colectividade. ele apresenta-se como um elemento cerimonial que se justifica por si mesmo, sem outras consequências: articula-se então num acontecimento que a todos interessa e de que todos participam, e exprime por isso talvez a necessária impersonalidade do objecto sobre que incide, que. na altura da sua utilização, não deve ser propriedade de ninguém. Entre nós. por exemplo, conhecemos, nesta categoria. e em relação às fogueiras do Natal, os roubos do «Madeiro» na Póvoa da Atalaia (Beira Baixa) e do castanheiro para a «Fogueira ao Menino» na Aldeia da Rata (Celorico da Beira), que. em ambos os casos, devem ter lugar à noite, alguns dias antes do Natal, e implicam o roubo provisório e prévio de um carro de bois – que deve ser puxado pela própria juventude participante, e que os animais não devem tocar, numa expressiva manifestação do carácter sagrado dos factos em causa –. para o seu transporte até ao adro da igreja, onde são queimados. Do mesmo modo, a lenha para a enorme fogueira que. em Castelo Branco, se faz. no Natal, no largo da Sé, e que dura até aos Reis, deve ser roubada ao longo do ano.

3Na Póvoa da Atalaia, se. no momento em que os rapazes procedem ao «roubo» do carro, o dono aparece, um deles dá mesmo tiros para o ar. obrigando o lavrador a recolher-se. e garantindo assim o anonimato da empresa. Por outro lado, em Paradinha do Outeiro, na raia transmontana perto de Quintanilha, encontramos o roubo desta espécie referido ao tronco para a fogueira pública que aí se faz no dia de Todos os Santos, e que. como o «Madeiro» beirão, é transportado num carro puxado pela rapaziada, e que os animais não podem tocar, por ser dia santo.

  • 2 « Van Gennep explica o costume de pedir e receber generos alimentícios como vestígios de primitivos (...)

4Numa ordem de ideias semelhante, van Gennep fala no direito ao roubo. reconhecido pelo costume francês à juventude local, que completa o direito ao peditório, tendo ambos eles em vista essas espécies combustíveis2 Em Vilarinho (Vila do Conde), o grande toro de carvalho que. na noite de Natal, arde na lareira de cada casa, é também geralmente roubado; mas. aqui, a fogueira é apenas familiar, e esse roubo não possui carácter cerimonial aparente, não se podendo mesmo afirmar com segurança que tenha verdadeira obrigatoriedade. Apesar disto, porém, a indicação do costume parece-nos relevante, porque, se não outra coisa, ele é uma manifestação das liberdades licenciosas características de certos períodos cíclicos do ano. que sem dúvida nos podem auxiliar na interpretação desta instituição.

5Numa segunda categoria, vemos o roubo ritual referido a objectos determinados. como modo obrigatório de lhes conferir virtudes sobrenaturais, necessárias para o devido cumprimento de promessas específicas de certas romarias. Assim, integrado no cerimonial de celebrações diferentes, encontramos o roubo ritual referido por exemplo às telhas oferecidas em cumprimento de promessas feitas a S. Lourenço de Vila Chã (Esposende), advogado das dores de dentes, e que lhe são levadas na ocasião da sua romaria; nessa data, podem-se ver homens, mulheres e crianças, transportando duas, três, quatro ou mais telhas para o santo, elas à cabeça, eles nos braços, já pelos caminhos, e, depois, nas voltas prometidas em tomo da capelinha branca que do alto da escarpa granítica de Faro domina o oceano. Do mesmo modo, é por roubo que se devem adquirir os objectos – telhas e outros – oferecidos igualmente em pagamento das promessas a S. Mateus, perto de Soure (Coimbra), que no dia da respectiva festa enchem o adro da sua capela (e de passo, notamos que eram típicas, nesta festividade. as promessas escatológicas e até obscenas), e a lenha oferecida a determinada imagem de S. Pedro, que livra de sezões; por sua vez. a S. Roque, advogado de cravos e verrugas, em Ribeira de Fráguas (Albergaria-a-Velha) e Pinheiro da Bemposta (Oliveira de Azeméis), ofereciam-se telhas ou tamancos, que. embora próprios, deviam ser cheios de milho roubado, etc. E desde já se observa a frequência da associação do roubo ritual desta espécie com a telha, que parece indigitar a esta um misterioso significado peculiar, que escapa à investigação actual.

  • 3 Luís Chaves. Páginas Folclóricas. Porto. 1942, pág. 39.

6Finalmente, dentro do mesmo processo, mas numa terceira categoria, existe o roubo ritual como maneira também obrigatória de conferir virtudes sobrenaturais aos objectos especiais sobre que incide, mas que aqui são de natureza mágica, por vezes dependentes do ensalmo que completam, mas independentes de quaisquer datas ou celebrações calendárias. Estão neste caso, por exemplo, as couves, pelo roubo virtuosas, que na Branca (Albergaria-a-Velha) se devem dar às vacas para elas se livrarem ou com que, em certas partes do Minho e do Douro, correm a «pensá-las» antes que alguém as veja após terem parido; e é este princípio que está na base da crença de que «as melhores sementes são as roubadas», de que, para que sementes, plantas e estacas peguem e floresçam bem hão-de ser roubadas, de que as cabras medram com ervas roubadas, e de que «gato roubado é bom rateiro»3.

7Na mencionada povoação transmontana de Paradinha do Outeiro, em frente de terras de Espanha de Alcañices, encontramos ainda um exemplo de outra forma de roubo, que não tem carácter ritual nem cerimonial, mas que exprime certos sentimentos e a feição sociocêntrica das pequenas comunidades, especialmente fronteiriças, e que por isso cremos digna de registo. Trata-se aí do roubo do choupo que se usa na ornamentação dos locais das diferentes festividades daquela aldeia, como «mastro de festa», e que deve ser roubado em Espanha, ou pelo menos a um espanhol; é natural que o recíproco tenha também lugar em relação a quaisquer elementos que se usem nas festas das aldeias espanholas vizinhas. E adivinha-se a intenção de despique, ao mesmo tempo amistoso, trocista e provocante, que dita essa prática, que de resto não possui qualquer obrigatoriedade costumeira e se funda apenas nessa tão corrente rivalidade competitiva local, aqui acentuada pela diferença de nacionalidades.

Notes

1 «Boletin de la Comision Provincial de Monumentos Históricos y Artísticos de Orense». XX. 1/4, Orense. 1959/60.

2 « Van Gennep explica o costume de pedir e receber generos alimentícios como vestígios de primitivos banquetes de vizinhança, comunidade e família: esses actos rituais tinham merecimento se os alimentos utilizados eram oferecidos. » (Luís Chaves. Folclore religioso. Porto. 1945. págs. 47- -48.)

3 Luís Chaves. Páginas Folclóricas. Porto. 1942, pág. 39.

© Etnográfica Press, 1995

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search