Version classiqueVersion mobile

Festividades cíclicas em Portugal

 | 
Ernesto Veiga de Oliveira

II. Romarias e festas

25. Figuras gigantescas processionais em Portugal1

Texte intégral

  • 1 Este texto está entregue para publicação, em versão francesa, sob o título de Figures Gigantesques (...)
  • 2 Padre Francisco da Fonseca, Évora Gloriosa – Epílogo dos quatro tomos da Évora Illustrada que compo (...)
  • 3 « ... como miudamente se lê 2. Reg. 6.§.8.l. Paral. 13.§.2. Paralip. 5. versículos bíblicos (II – R (...)

1A existência de figuras gigantescas processionais em Portugal é atestada desde épocas recuadas, nomeadamente em numerosos «Regimentos» das procissões integradas nas festas do Corpus Christi (ou de outras a que se aplicou a regulamentação daquelas). A festa do Corpus Christi, ou Corpo de Deus – isto é, a celebração do triunfo do amor de Cristo pelo Santíssimo Sacramento da Eucaristia–, criada no Sínodo diocesano de Liège, de 1264, e decretada por breve de Urbano IV, expedido nesse mesmo ano (e seguidamente organizada na sua forma definitiva por uma bula de João XXII em 1316), foi, segundo o padre Francisco da Fonseca, na sua obra « Évora Gloriosa », escrita em 1728, instituída nessa cidade logo em 12652 – ano em que aí chegou o referido diploma – pelo bispo D. Martinho, grande devoto de tal mistério, que, por isso «aceitou com júbilo a bula pontifícia, e ordenou a procissão com toda a solenidade». E o autor acrescenta: «Tomou o método das três procissões com que foi transladada a Arca do Testamento, símbolo de Deus Sacramentado, em que concorreram os dois Reis David e Salomão, os Sacerdotes, e Levitas, a Nobreza e o Povo, com festas, músicas e danças3 e introduziu o mesmo na sua Procissão, acrescentando os Gigantes, o Demónio, a Serpe e o Dragão, para mostrar com estes símbolos que Cristo Sacramentado tinha vencido o Demónio, a Idolatr(i)a e os Vícios, representados nesses símbolos. Depois no ano de 1387 se introduziu levar na procissão a S. Jorge, a quem desde o tempo del Rei D. Fernando tinham apelidado nas batalhas como General das nossas armas, e que como a tal o fossem acompanhando os melhores e mais bem ajaezados cavalos que nas cidades se achavam; estilo que se observou inviolavelmente até ao ano de 1610...»

2De acordo com este historiador, portanto, logo em 1265 teriam aparecido, na procissão do Corpus em Évora, os Gigantes, o Demónio, a Serpe e o Dragão. A informação não é porém utilizável, porque não indica nem localiza as fontes de que se serviu; e, em qualquer caso, não parece provável que o autor se tenha apoiado em qualquer texto de 1265.

  • 4 Femão Lopes, Chronica de D. João 1. 2.a parte, págs. 132-133 (ap. Gama Barros, História da Administ (...)

3Há referências à procissão do Corpo de Deus em Guimarães em 1318, e em Alenquer em 1440, mas nada se diz acerca da maneira como se apresentavam, e nomeadamente se nelas apareciam ou não figuras gigantescas. A menção concreta mais antiga que conhecemos a tais figuras parece encontrar-se em três textos, datados dos princípios do reinado de D. João II (1481-1495) : a «Carta» deste rei, datada de 11 de Março de 1482, escrita em Viana (do Alentejo) e dirigida aos «Juízes, Vereadores, Procuradores e Homens Bons» da cidade do Porto, que institui as procissões «em louvor de Nosso Senhor e da Bem-Aventurada Virgem Maria, e de S. Jorge e de S. Cristóvão» (que se organizariam segundo o modelo da do Corpo de Deus), a realizar no dia 2 de Março de cada ano, agradecendo a vitória de Toro, verificada nesse dia, em que aquelas invocações e santos se traziam por padroeiros; o «Regimento das Procissões da Cidade de Évora», sem data precisa mas igualmente dos princípios do reinado de D. João II, que indica com toda a minúcia a composição da procissão do Corpus Christi, e a aplica à que tinha lugar no dia do «milagre da cera», «em que também vai o Corpo de Deus», e às atrás mencionadas, que comemoram o «vencimento» nas batalhas de Toro (2 de Março) e de Aljubarrota, na véspera de Nossa Senhora de Agosto (14 de Agosto), em que figurava a Serpe, o Dragão e, verosimilmente, um S. Cristóvão (que, de acordo com a regra, seria monumental); e a «Ordenança do dia do Corpo de Deus», da ilha da Madeira, de 17 de Maio de 1483, estabelecida segundo o regulamento da festa de Lisboa, que é portanto anterior àquela data4.

  • 5 Alexandre Herculano (História de Portugal, VII. pág. 156), menciona o termo sagitarii (no foral de (...)
  • 6 No Porto, a Dança do Rei David, com o rei e os seus doze pagens ricamente vestidos, era dada pelos (...)
  • 7 H. da Gama Barros – op. e loc. cit.

4A festa e procissão do Corpus Christi era a mais importante, mais vultosa e mais solene de quantas tinham lugar em Portugal, e realizava-se em todas as cidades ou localidades de alguma importância. Ela mostrava duas facetas distintas: religiosa e profana. A parte religiosa, sobre a qual superintendia a Igreja, consistia fundamentalmente no desfile das pessoas e autoridades religiosas, seculares e regulares, e sobretudo, a final, no transporte da Sagrada Eucaristia; e era um testemunho de fé, tendo em vista incentivar a devoção pública. A parte profana, sobre a qual superintendia a Câmara, por intermédio das corporações e mesteres, consistia fundamentalmente, por seu turno, numa longa sequência de números, com acentuado carácter popular e cunho medieval, para diversão das gentes: por compromisso geralmente especificado nos respectivos estatutos, e cujo devido cumprimento a Câmara impunha, a cada ofício ou grupo de ofícios afins competia apresentar um conjunto, de tema e simbólica fixados, mas que deixava margem à invenção dos interessados no que respeita à sua execução e indumentária, e que incluíam ou consistiam em pantominas e entremezes, danças, folias e chacotas, alegorias, cantos, andores com imagens de santos, etc., figurando as mais das vezes personagens ou cenas históricas, mitológicas ou religiosas, segundo a concepção popular, mas que, em certos casos, representavam possivelmente a assimilação e corporização, e a ritualização, pela religião oficial, de personagens, crenças ou mitos anteriores ao cristianismo, que sobreviviam na memória das gentes: as danças da Judenga, com seu rabi levando a Toura nas mãos, composta de seis homens, «com boas capas e vestidos» (Coimbra, 1517); das Espadas, composta de dez homens, bem industriados, com rei coroado, pagem e música de tamboril ou gaita (Coimbra, 1517); das Ciganas; dos Mourisqueiros, composta de quarenta homens «à mourisca», com seu rei mouro e alfaqui (Porto, 1621); dos Bugios, composta de quinze figurantes bem trajados, dotados dos «novos instrumentos de música que lhe são próprios» (Porto, 1621); dos Ferreiros, a quem competia dar o sagitário 5; do rei David, com coroa, ceptro e seus pagens (Castelo Branco, 1680)6; dos Anciãos, composta de um bando de velhos e velhas com rosários de bugalhos (Setúbal); dos Paus, como a da Lousa da Beira Baixa (Castelo Branco, 1680); da Retorta; dos Instrumentos, composta de dezoito figuras ricamente vestidas, «com suas cabeças de volantes»; dos Pastores, em número de doze, «bem trajados e com boa música»; dos Volantes e Tosadores, a enquadrar a dança de doze figuras representando mulheres de idade vestidas a preceito, com arcos de flores ou boninas (Porto, 1621); a Caçada, que era um verdadeiro auto, compreendendo urso e monteiros armados com chuços, o rei, o imperador, e um carro, tudo «ao antigo» (Setúbal); S. Jorge a cavalo, com seus pagens e escudeiros, lutando contra a Serpe; o Dragão e a dama que o combatia, dançando à frente dele com um folião ; S. Cristóvão, personagem gigantesco, com o Menino ao ombro sentado sobre o mundo, nos termos da sua lendária parábola, que em muitos casos, por exemplo em Coimbra, competia – de direito próprio – aos barqueiros; diversas pélas, em que uma moça dançava em equilíbrio sobre os ombros de outra que a transportava, ao som de adufes e pandeiros tocados por outras mulheres; todo um florilégio de imagens, ao natural ou «em charola», acompanhadas por danças, música, tochas, etc: Santo Estêvão, S. Crispim, S. Gens, Santo Amaro, S. Bartolomeu, levando o Diabo preso por uma corrente; S. Miguel Arcanjo, expulsando os diabos; S. Sebastião, « homem bem disposto e alvo», seguido por frecheiros «bem corregidos» (Coimbra, 1577); S. João, com surrão e cajado, com doze pastores e doze macacos», «de rabos muito compridos» (Setúbal); Santa Clara e suas duas companheiras; Santa Catarina – que devia ser uma « moça honesta » –, com a roda de navalhas; e enfim as figuras evangélicas: a Virgem e S. José, Santa Maria da Asninha, e Joaquim, na fuga para o Egipto; os Reis Magos, Apóstolos, Evangelistas com seus símbolos, anjinhos (possíveis antecessores dessas figurações que hoje, a cargo de crianças, aparecem nas procissões do Norte do País); alegorias diversas, tais como as que se viram em Braga, em 1627: os gigantes escalando o Olimpo, com Júpiter sobre uma águia enorme, Apolo, Mercúrio, Baco, Juno, Diana e Vénus, e o gigante Encélado vomitando chamas, e um carro com gigantes suportando o mundo; o Triunfo Eucarístico, drama bailado, em que figurava Apoio ou Cristo, Latona ou a Virgem Maria, Títeres e Galanes ; a Folia Preta, com o rei, a rainha, seis negros e quatro negras, acompanhados com música de instrumentos africanos; etc. E também Judite com sua aia; o baile de Ismael e Agar (Braga, 1627); o sacrifício de Isaac, com Abraão envergando vestes talares (Setúbal); Baco, gordo e rubro, sentado numa pipa no meio dos seus sequazes; diabos; gigantes mascarados; sátiros e ninfas, foliões e jograis, vestidos de desvairadas maneiras, fazendo momices e indecências; imperadores e imperatrizes, com suas damas, que seriam moças honestas, gentis e bem ataviadas (Coimbra, 1577); reis mouros de coroa e ceptro, com seus homens armados de alfanges; o Boi Bento e o Carro das Ervas; por vezes uma nau – a nau de S. Pedro – (sobre rodas), dada por embarcadiços (Porto, 1621); ou mesmo uma almoinha com seus alfobres, canteiros, nora, canaviais e hortaliça (Regimento de D. João II), etc.; e em certos casos –em Coimbra e no Porto, por exemplo –, a fechar esta parte da procissão, as padeiras levando uma enorme fogaça, que era, no fim, repartida pelos presos – e em pausas entre estes números, figurantes e danças avulsas – dos Escarramanados ou Pataratas, «vestidos à cortesã»; dos Romeiros, composta de oito homens e outras tantas mulheres, de bordão e esclavinas ; do Ponto, composta de doze figuras (Braga, 1627); bandeiras, estandartes e guiões dos ofícios, tochas, cavalos à rédea, as bandeiras da cidade empunhadas pelos alferes e almotacés a cavalo; alabardeiros e homens de armas, espingardeiros e besteiros da câmara real e de cavalo, etc. Os mesteres, além disso, deviam também fornecer o pessoal que integrava esses números, e concorrer com as despesas da organização7.

  • 8 L. Quintas Neves – A Coca Monsanense (sua origem e evolução), « Arquivo do Alto Minho, V, págs. 38 (...)
  • 9 Rebelo Bonito. A Procissão de Corpus Christi no primeiro quartel do século xviii, «O Tripeiro». V. (...)
  • 10 Gama Barros. op. e loc. cit.

5As autoridades seculares com carácter oficial eram obrigadas a tomar parte na procissão8; e igualmente os eclesiásticos e irmandades e confrarias sediados numa área de 8 km a contar do centro da localidade onde se realizava a procissão – aqueles, envergando as suas vestimentas solenes, sobrepelizes e insígnias, e de qualquer idade ou categoria que fossem, incorrendo, se faltassem ou se ausentassem, nas penas canónicas prescritas pelo direito ou constituições episcopais. De facto, porém, o elemento profano da procissão sobrelevava decididamente o elemento propriamente religioso, pela quantidade e qualidade daquelas representações (e também pelas personalidades oficiais que nela tomavam parte). Nas palavras de Rebelo Bonito, toda a gente participava directa ou indirectamente na procissão do Corpo de Deus, com o seu trabalho, com a sua presença ou com o seu dinheiro9. Como nota Gama Barros «não existindo teatros e na falta de quaisquer espectáculos públicos, o culto da religião ministrava ao povo ensejo também para folgar, como acontece ainda hoje em muitas terras»10.

6Qualquer festa particular que por determinação calendária houvesse de ser feita nesse dia dentro do perímetro da respectiva municipalidade, tinha de ceder o passo e ser transferida para o domingo infra-octavam.

  • 11 Em Elvas, esta tarefa competia aos hortelãos (Luís Chaves, op. e loc. cit.). pags. 351 e segs.
  • 12 A. de Lucena Vale. Viseu do século xviii nos Livros de actas da Câmara. Viseu (Junta Distrital de V (...)

7Já na véspera do dia da procissão tinham lugar certos actos que diziam respeito à festividade. Os juízes dos ofícios deviam apresentar-se nos paços do concelho e mostrar as suas danças e folias, como que num ensaio geral, para apreciação pública dos respectivos números; e aqueles que não tivessem bem cumprido o seu dever eram multados, pagando a multa da cadeia. Em várias partes, os oficiais do mester que dava a Serpe deviam correr as ruas da localidade, a mostrá-la. No Porto, os almocreves dos arredores eram encarregados de trazer para a cidade cada qual seu molho de juncos, espadanas e canas verdes, para se alcatifarem as ruas do percurso11; e um grupo de doze moças, cantando em coro ao som de pandeiros e adufes, andava pela cidade (incorporando-se no dia seguinte na procissão, a par das padeiras). E por toda a parte em geral, prescrevia-se que as ruas deviam estar limpas12 e juncadas de verduras, e as janelas decoradas com colgaduras.

  • 13 No Porto, por exemplo, no adro da Sé (Rebelo Bonito, op. e loc. cit.).

8No dia da festa, os mordomos, com as suas figurações e danças, apresentavam-se de manhã no local donde partia a procissão13, para que esta se organizasse e saísse antes do calor apertar.

9No Porto, o sino da Sé tocava já desde a véspera, amiudando depois os repiques quando a procissão andava na rua.

  • 14 Sousa Viterbo, Fastos Religiosos – Festas e Procissão do Corpo de Deus. .Revista Lusitana». V. Lisb (...)

10De entrada, vinha a parte profana – os mesteres com as suas bandeiras e figurações, como dissemos, segundo a ordem indicada nos respectivos «Regimentos» –, que se alongava por centenas de metros, de modo a permitir a apresentação dos numerosos grupos e as marcações das danças; seguidamente, e de modo variável de terra para terra, o clero secular – a crellezia – comunidades e pessoas de relevo social, o funcionalismo judicial – tabeliães, escrivães e inquiridores –, e camarário – o procurador do concelho (do ano anterior), com o guião, os vereadores, custodiados pelos cidadãos e os letrados, com a bandeira da localidade, doze homens dos mais honrados com as varas que o porteiro da Câmara levara a casa de cada um na véspera –, etc. E. a fechar, a gaiola – a guayolla –. espécie de maquineta em que ia a hóstia, e que assentava sobre um andor ou charola, levada aos ombors de alguns clérigos, acompanhada de quatro anjos com boas capas alvas e sapatos; mais tarde, a pedido do bispo do Porto, a hóstia passou a ir não em charola, como em Coimbra, mas em custódia, sob o pálio, tal como fazia o arcebispo de Lisboa14.

11Em muitos lugares, nesta como em outras festas reais, na frente de todas as cruzes processionais, seguia o estandarte real empunhado pelo alferes. Em Setúbal, a pouca distância atrás da hóstia, seguia mesmo o rei em pessoa, acompanhado pelos fidalgos da sua corte, empunhando bastões.

  • 15 Para este estudo, utilizámos os seguintes textos: 1) João Pedro Ribeiro. Dissertações Chronologicas(...)

12Do século xvi em diante os «Regimentos» das procissões do Corpo de Deus em que se definem com precisão figuras gigantescas que nelas tomavam parte regularmente, e se indica a sua actuação, são muito numerosos15. Segundo todos estes textos, tais personagens eram: a Serpe, o Dragão, S. Cristóvão, por vezes diabos, e gigantes não especificados.

13A Serpe, além do «Regimento» de Évora (1481), é mencionada na «Ordenança» da ilha da Madeira (1483), e no «Regimento» de Coimbra (1517), do Porto (1621), de Guimarães (do século xvii), de Viseu (1736), etc.; e vem referida em Vila do Conde no século xviii. Como veremos adiante, ela devia ocorrer também em Monção e em qualquer localidade nas proximidades do Porto, visto que subsiste ainda em nossos dias na «Santa Coca» monçanense, e no monstro da cena final dos Bugios do S. João em Sobrado (Valongo). E vemo-la, com S. Jorge a cavalo, numa pintura de Amadeo de Sousa Cardoso, representando a procissão do Corpus Christi em Amarante, datada em 1913. Em Évora, Castelo Branco e Serpa, ela competia aos alfaiates; em Coimbra e no Porto, aos carpinteiros; em Coimbra, ela ia com «hum selvagem bem corregido», correndo à frente do «sagitário» e tomando atrás quando este se voltava; e em Castelo Branco ela devia ir «bem vestida» e com guarda de quatro homens armados de chuços.

14Em Guimarães, no século xvii ela era em madeira, com vestido e coroa, e competia aos sapateiros, sendo acompanhada por cavalinhos em carne e osso levados pelos pescadeiros, e, depois de 1672, pelos alquiladores. Em alguns casos – em Coimbra e em Castelo Branco, por exemplo – ela saía já na véspera da celebração.

15O Dragão – ou Drago – figura nos Regimentos de Évora, do Porto, de Serpa e de Braga. Mostra-se geralmente acompanhado por uma Dama que combate com ele, e que às vezes – em Évora, no Porto (1621) e em Braga – tem par, que com ela dança em certos momentos. Em Évora, ele competia aos homens de armas; no Porto, aos taberneiros; e em Serpa (onde figurava ao mesmo tempo que um «diabrete»), aos sapateiros.

16Como ficou dito, é verosímil que, como nas procissões instituídas pela Carta de D. João II de 1482, figurasse a imagem de S. Cristóvão, e que esta fosse gigantesca. Nos «Regimentos» de Coimbra, Porto e Braga, menciona-se porém expressamente essa personagem, com o Menino Jesus ao ombro, sentado sobre o mundo; e podemos supor que ela aparecia em muitas outras partes, onde, como veremos adiante, ainda em nossos dias ou há apenas escassos decénios, ela se via integrada em determinadas festividades locais. Em Coimbra, como vimos, ele competia aos barqueiros.

17Os diabos figuram, com a indicação de «grandes», e em número de dois, no Regimento de Coimbra, a par com S. Miguel, que os combate, levados pelos ataqueiros e boticários. Vimos também que, em Serpa, um «diabrete» acompanhava o Dragão que ali levavam os sapateiros; e na procissão de S. Julião que se fez em Lisboa por volta de 1582, segundo um programa dessa data impresso por Manuel Lira, figurou um grupo de diabos que Filipe II viu e descreve em carta dirigida às suas filhas; mas, em ambos os casos, não consta que fossem gigantescos.

  • 16 Nas Redondilhas, de Jerónimo Bahia, publicadas no século xvii no tomo IV da Fenix Renascida sob o t (...)

18Enfim, encontramos a indicação de «gigantes», sem outra especificação, nas procissões do voto a S. Tiago, no Funchal (ilha da Madeira), em 1632; e em Coimbra, os pescadeiros, que, como vimos, depois de 1671, deixaram de dar os cavalinhos que acompanhavam a Serpe, passaram, a partir de 1681, a dar «gigantes»16.

  • 17 Cfr. A. Thomaz Pires. Investigações Ethnographicas. « Revista Lusitana». XIV, Lisboa, 1911, págs. 8 (...)

19Na carta de Évora e em alguns destes regimentos, como por exemplo os de Coimbra e de Serpa, são mencionados cavalinhos fuscos, dados pelos trapeiros de panos de linho e merceeiros (Évora), pelos cordoeiros, albardeiros, odreiros e tintureiros (Coimbra), e pelos mercadores (Serpa)17.

  • 18 No Porto, em 1560, foram proibidas certas figuras (para serem aliás de novo autorizadas logo a segu (...)

20Como é de supor, as danças e folias que faziam parte da procissão permitiam liberdades que tomavam por vezes aspecto de actos licenciosos, e suscitavam reparos ou censuras. Por isso, no Porto, no primeiro quartel do século xvii, os oficiais da Câmara propuseram um novo programa da festa, eliminando ou alterando certos jogos e danças, que não julgavam decentes; e a procissão do Corpus Christi, nessa cidade, passou a regular-se por um alvará régio de 1621, que aprovou aquela proposta. Mas o seu carácter espectacular e popular de auto medieval manteve-se ainda18.

  • 19 Luís Chaves, op. e loc. cit., pág. 363 ; A. de Lucena Vale, op. cit., pág. 13 : em Viseu, no século (...)
  • 20 Rebelo Bonito, op. e loc. cit.
  • 21 Este, pelas suas dimensões, que brigavam com os fios eléctricos que cruzavam já o ar nos locais e r (...)

21Em 1732, porém, as concepções e gostos eram já outros, e esse medievalismo estava ultrapassado e fora de época; e segundo uma provisão de D. João V endereçada ao juiz de fora de Eivas, «foi o rei servido mandar tirar nesta corte as ditas figuras e usos antigos para maior solenidade e devoção da mesma procissão»; e a 4 de Março desse ano o rei sanciona a substituição das folias por andores, que prescrevera o corregedor de Guimarães, a pedido da nobreza e do povo19. E, assim, o que subsistia do primitivo carácter destas festividades foi-se pouco a pouco extinguindo, em certos casos por motivos aparentemente de somenos importância, mas que traduziam a lei dos novos tempos. No Porto, por exemplo, por decisão camarária de 14 de Abril de 1830, as somas que se gastavam com numerosas danças, alegorias e figurações da procissão do Corpus Christi passaram a ser aplicadas à cobertura das ruas do percurso com toldos, como protecção contra os ardores do sol20. Enfim, nos princípios do século xx, de toda esta inumerável galeria, além dos andores de uso geral em todas as procissões, perduravam praticamente apenas em algumas localidades na procissão do Corpo de Deus o S. Jorge a cavalo e o S. Cristóvão gigantesco, na sua armação de vimes21. Actualmente, a data do Corpo de Deus é comemorada com solenidade, pela Igreja; mas a procissão, mesmo reduzida aos seus aspectos puramente religiosos, extinguiu-se inteiramente.

22Destas figurações das velhas procissões extintas do Corpus Christi, algumas, raras porém, chegaram aos nossos dias em uso, em certos casos integradas em celebrações alheias àquela que lhes dera origem. Assim, ainda hoje se encontra, nas festas do Corpo de Deus de Monção, a Serpe, ali conhecida pelo nome de Santa Coca, que luta e é vencida por S. Jorge, a cavalo. A Santa Coca de Monção (medindo cerca de cinco metros de comprimento e dois de altura), tem o aspecto de um dragão, montado em armação de arcos de pipa, recoberta de lona pintada de verde, imitando escamas; a cabeça é articulada, de folha-de-flandres, a boca de molas, para abrir e fechar, a cauda enroscada, e tem grandes asas fechadas. Durante o ano, ela permanece arrumada num desvão qualquer pertencente à Municipalidade; e sai só no dia da festa, repintada e alindada. Erguida sobre um estrado, desloca-se por meio de quatro rodas, no lugar das patas, com um ou dois homens escondidos no ventre, que a empurram, espreitando por um grande orifício aberto no meio do peito, ao mesmo tempo que, por meio de um cordel, a fazem mexer os olhos e a língua (fig. 33).

  • 22 Para a descrição da festa do Corpo de Deus em Monção, onde figurava ainda o Dragão – a «Santa Coca» (...)

23No dia da festa, de manhã, a Coca percorre as ruas do burgo, parando à porta de todas as tabernas, onde cada taberneiro «lhe» oferece vinho. Ao mesmo tempo que ela, anda o S. Jorge (que dantes era o ferrador) a cavalo, de capa cor de púrpura ao vento, calção e botas de charol, e capacete com um pequeno lagarto como timbre, empunhando escudo e lança, e as rédeas da montada que conseguiu arranjar. Ao declinar da tarde, as duas figuras encaminham-se para o Largo da Feira, tomando a Coca lugar a meio da praça. Em arremedos de ferocidade, mexe a cabeça de um lado para o outro, deitando fumo pela boca e pelos olhos, e fazendo ouvir uma buzina tocada pelo homem que a conduz. Pouco depois entra S. Jorge na praça, e o combate começa: o santo investe, de lança em riste; a Coca ora recua ora avança; o cavaleiro, em repetidos ataques, procura bater na cabeça do monstro, com a lança, vencendo quando a final lhe trespassa o costado22.

24A Serpe ocorre, igualmente, ainda hoje, nas celebrações do S. João em Sobrado (Valongo), perto do Porto, aparecendo no final da festividade, após a vitória dos «Mouriscos» sobre os «Bugios», aterrorizando aqueles e permitindo desse modo a fuga do rei cristão, que eles levavam para o cativeiro. De facto, a celebração do S. João em Sobrado inclui fundamentalmente a pantomina dos « mourisqueiros » e «bugios» (cristãos), uns e outros trajando belas vestimentas coloridas sugerindo trajos dos séculos xvi e xvii, e consta de desfiles e danças de uns e outros, que se desenrolam durante todo o dia, e termina, ao fim da tarde, por um combate entre os dois grupos, cada qual de seu castelo. Vencem os mourisqueiros, que assaltam o castelo dos Bugios e aprisionam e levam cativo o rei destes, que é. no último momento, liberto pelo aparecimento de uma Serpe, pondo em fuga os mourisqueiros aterrorizados.

  • 23 Acerca das celebrações do S João em Sobrado, ver António Rangel. Dança dos Bugios e Mourisqueiros, (...)

25Benjamim Pereira, analisando os «Regimentos» da procissão do Corpus Christi em várias localidades portuguesas, nota que, em muitas delas, ocorriam grupos e danças de mouriscos e de bugios, por vezes em termos muito semelhantes aos que hoje se vêem no S. João de Sobrado; e conclui que estes devem certamente constituir um vestígio disperso daquelas outras figurações incluídas numa de tais procissões, que outrora teria lugar em qualquer localidade próxima23.

Fig. 33 – A Serpe da procissão do Corpus Cristi.

Fig. 33 – A Serpe da procissão do Corpus Cristi.

Fig. 34 – Boticas. Figura de S. Cristóvão, no rio.

Fig. 34 – Boticas. Figura de S. Cristóvão, no rio.
  • 24 José Augusto Vieira, op. cit., pág. 149.
  • 25 Para a festa dos «Mareantes do Rio Douro», ver Cláudio Basto. Panorama etnográfico, «7 de Maio», de (...)

26Do mesmo modo, o S. Cristóvão gigantesco, com o Menino Jesus ao ombro, sentado sobre o globo, e por vezes com uma vara – a vara de barqueiro – nas mãos, perdurou até aos nossos dias, ou até um passado muito próximo, integrado em determinadas festas, como atrás dissemos. Segundo José Augusto Vieira, «a existência de S. Cristóvão está reconhecida por bolandistas e por outros críticos», e «o seu culto espalhou-se no Oriente e no Ocidente, e principalmente na Península Hispânica». «O seu nome em grego significa porta Christo, e daí vem que em muitas igrejas o representam... de grande estatura...» «Erguem-no à entrada dos templos» («em estátua ou em pintura»), para que os fiéis o possam ver distintamente, visto que havia a crença de que não morreriam de morte súbita, nem perderiam a vida por qualquer acidente no dia em que o vissem. Encontramo-lo em Monção, Valença, Vila Nova de Cerveira e Caminha, em Ponte de Lima e Viana do Castelo, Barcelos e Vila do Conde24 – e também em Boticas, na Senhora da Livração (fig. 34); em Arcoçô (Vidago), na festa de Santa Bárbara, em Chaves, em Tentúgal, etc. –, muitas vezes como figura processional qualificada, uma estrutura de vime recoberta de uma túnica, as mais das vezes vermelha, com um homem escondido dentro, que a transporta e donde emerge a cabeça e as mãos esculpidas em madeira; outras como imagem «de roca» para ser colocada sobre um andor. E é também a cabeça gigantesca de S. Cristóvão que os mareantes do rio Douro, de Vila Nova de Gaia, levam nas mãos no dia da festa de S. Gonçalo25.

  • 26 Flávio Gonçalves. As imagens de S. Cristóvão, e Ainda as Imagens de S. Cristóvão. «Cultura e Arte», (...)

27Flávio Gonçalves, atentando na grande difusão da devoção a S. Cristóvão em Portugal, ainda no século xviii (atestada por numerosa iconografia), a despeito da denúncia do seu carácter supersticioso feita pelos teólogos da Contra-Reforma, relaciona-a com as peregrinações a Santiago de Compostela, notando o grande número de capelas ou altares a ele dedicados escalados ao longo dos caminhos que levam a esse santuário26. E pode-se admitir que a abundância de imagens deste Santo que encontramos junto aos rios Minho – Monção, Valença, Vila Nova de Cerveira, Caminha –, Lima – Ponte de Lima, Viana do Castelo –, Mondego – Tentúgal –, e possivelmente outros ainda, resulta da sua articulação com a lenda popular que o descreve atravessando o rio Jordão com o Menino Jesus ao ombro.

Fig. 35 – Esposende. Gigantones e cabeçudos em dia de festa local.

Fig. 35 – Esposende. Gigantones e cabeçudos em dia de festa local.

28Actualmente, além destas sobrevivências, os gigantes processionais em Portugal, sob a designação de Gigantones, e continuando embora a aparecer em cortejos associados a outras festas civis ou religiosas importantes, tomaram a forma de personagens do quotidiano, sem qualquer dimensão histórica ou lendária, e mostrando mesmo carácter eminentemente burlesco e caricatural, popular e rústico, muito grosseiros e pobres de feitura e de indumentária, concebidos segundo a fantasia e o gosto dos construtores: o par de noivos, o tocador de guitarra, o toureiro, etc. Os Gigantones já só se confeccionam no Noroeste do País, de onde irradiam para toda a província minhota (e, hoje, para outras regiões mais afastadas, para figurarem em desfiles públicos, carnavais, etc.); mas, ali, eles são ainda muito correntes.

29Os Gigantones são, do mesmo modo, montados numa estrutura de vimes, desmedidamente altos, e, nos exemplos mais elaborados, articulados de maneira a fazerem certos movimentos: o Noivo, que leva à boca o charuto; a Noiva, que cheira o ramo de flores, etc.; e são geralmente precedidos pelo grupo dos Cabeçudos – rapazes novos vestidos com qualquer balandrau e com enormes máscaras –, e seguidos por um conjunto instrumental característico – os zés-Pereiras –, composto de gaita-de-foles, bombo e caixa (e por vezes outros instrumentos ainda), próprio também desses cortejos e solenidades. Os Gigantones e Cabeçudos fazem muitas vezes parte de um grupo de zés-Pereiras, com o qual se exibem; outras vezes pertencem a construtores independentes que funcionam como empresários ou que os alugam a pretendentes, que vêm frequentemente de zonas muito afastadas, onde figurarão também com grupos de zés-Pereiras igualmente contratados (fig. 35).

  • 27 Coronel Pereira Viana. Arquivo de Viana do Castelo. 10. Outubro 1934. pág. 307 (ap. Luís Chaves, op (...)

30Os Gigantones e Cabeçudos conhecem-se em termos semelhantes na vizinha Espanha, onde mostram grande relevo; e, sob o ponto de vista linguístico, a designação de gigantones possui uma clara ressonância espanhola. Pode-se pensar que após o desaparecimento dos desfiles profanos da procissão do Corpus Christi, um novo costume se formou a partir de quaisquer elementos vindos de Espanha, os quais teriam vindo sobrepor-se ou substituir as personagens gigantescas, gigantes ou outros, da velha tradição nacional do Corpus, sem porém tomarem a sua forma nem o seu significado. E, a apoiar esta suposição, temos a notícia de um Gigantone vindo da Galiza que. em Viana do Castelo, fazia o papel de S. Cristóvão, levado num andor27.

  • 28 Sousa Viterbo, Artes e Artistas em Portugal. Lisboa. 1892, págs. 246-249.

31Em Portugal conheciam-se outros tipos de figurantes gigantescos, que apareciam em certas festas e comemorações principescas – por exemplo as que tiveram lugar em Évora em 1490, por ocasião do casamento do príncipe D. Afonso, filho de D. João II, com a infanta D. Isabel de Castela, em que aparecia «um gigante»; ou as que se realizaram em Lisboa em 1500, pelo Natal, no palácio do rei D. Manuel, onde, num estrado, se encontrava «um formidável dragão com três cabeças e seis grandes mãos», um momo com um gigante agrilhoado e outro com diabos, etc. – sem falar na procissão a que atrás aludimos, em que se viam também diabos, que Filipe II muito apreciou –, as quais, pelo seu requinte, parecem, seguidamente, ter servido de modelo a certas festividades de outras cortes da Europa28. Não nos ocuparemos porém delas aqui em pormenor, porque constituem casos atípicos e excepcionais, de natureza sobretudo teatral, sem raízes específicas nem carácter popular ou regional.

Notes

1 Este texto está entregue para publicação, em versão francesa, sob o título de Figures Gigantesques Procéssionnelles, no « Bulletin du Musée International du Carnaval et du Masque» de Binche (Bélgica).

2 Padre Francisco da Fonseca, Évora Gloriosa – Epílogo dos quatro tomos da Évora Illustrada que compoz o R.P.M. Manuel Fialho da Companhia de Jesus – Escrita, acrescentada e amplificada pello P. Francisco da Fonseca da mesma Companhia. Roma, 1728, pág. 274. A data de 1265 corresponde ao reinado de D. Afonso III; Oliveira Marques, A Sociedade Medieval Portuguesa, Lisboa (Sá da Costa), 1964, pág. 173, indica «pelos fins do reinado» desse mesmo rei, falecido em 1279.

3 « ... como miudamente se lê 2. Reg. 6.§.8.l. Paral. 13.§.2. Paralip. 5. versículos bíblicos (II – Reis IV; e III – Reis VIII; e I. Paralipomenos, XIII 2/14), que descrevem o transporte da Arca da Aliança até à casa de David, e daí até ao templo de Salomão.

4 Femão Lopes, Chronica de D. João 1. 2.a parte, págs. 132-133 (ap. Gama Barros, História da Administração Pública em Portugal, IX, pág. 109). João Pedro Ribeiro. Dissertações Chronologicas, IV, 2.a parte. Appendix de documentos, págs. 163-165. Ver também A. H. de Oliveira Marques, op. cit., pág. 174; José Gomes, Monografia das Festas de S. João em Portugal; e Arquivo Histórico do Funchal, XV, Funchal, 1972.

5 Alexandre Herculano (História de Portugal, VII. pág. 156), menciona o termo sagitarii (no foral de Miranda de 1136), significando um guerreiro armado de flechas; Viterbo, Elucidário, II, pág. 310, supõe que o sagitário fosse «huma figura armada de setta (quando não fosse o andor de S. Sebastião, a quem pelas setas dariam aquele nome». Luís Chaves admite que se trate de um atirador de setas, que se defendia com elas ou pretendia matar a Serpe que corre «por diante a polo sagitário». Numa suposta crónica do século xv – Mestre Gil ou o Barbeiro de D. João II (Rio de Janeiro, 1839, págs. 33 e segs.) –, transcrita por Pires de Lima (« Douro Litoral », Terceira Série, III, Porto, 1948, págs. 41-44) assim se descreve e caracteriza o sagitário ou sugistório (do latim sagitarius, frecheiro): « Um homem vestido de cores, fitas, ouropéis e guizos, fazendo visagens e momices, com arco e flecha na mão.» «Fazia este um grande terreiro, ora fugindo com ademanes e gestos de medroso, ora parando e voltando-se com a postura e modos ameaçadores de capitão Horriblicriblifax da velha comédia alemã. Corria adiante quando ele corria, e recuava e com ele dava a volta, uma serpe gigante». Os ofícios ligados aos metais, serralheiros e ferreiros, levavam a bandeira e o segitório – os mestres à volta da bandeira, e os «trabalhadores» junto e após o sagitário (Cfr. Luís Chaves. Os oficiais mecânicos de Coimbra na Procissão do Corpo de Deus. «O Instituto». 89. 1953, págs. 356-375.

6 No Porto, a Dança do Rei David, com o rei e os seus doze pagens ricamente vestidos, era dada pelos mercadores do Brasil. E em Braga, nas festas do S. João, apresentava-se ainda a Dança do Rei David, com este personagem do mesmo modo ricamente vestido, e ostentando a coroa.

7 H. da Gama Barros – op. e loc. cit.

8 L. Quintas Neves – A Coca Monsanense (sua origem e evolução), « Arquivo do Alto Minho, V, págs. 38 e segs.

9 Rebelo Bonito. A Procissão de Corpus Christi no primeiro quartel do século xviii, «O Tripeiro». V. 3.° Ano. II. Porto. 1946. págs. 57 e segs.

10 Gama Barros. op. e loc. cit.

11 Em Elvas, esta tarefa competia aos hortelãos (Luís Chaves, op. e loc. cit.). pags. 351 e segs.

12 A. de Lucena Vale. Viseu do século xviii nos Livros de actas da Câmara. Viseu (Junta Distrital de Viseu), 1963; numa acta de 1736 prescreve-se. além disso, a proibição de se deixar os porcos andarem nas ruas por onde passaria a procissão do Corpo de Deus, sob pena de se matarem no caso de infracção.

13 No Porto, por exemplo, no adro da Sé (Rebelo Bonito, op. e loc. cit.).

14 Sousa Viterbo, Fastos Religiosos – Festas e Procissão do Corpo de Deus. .Revista Lusitana». V. Lisboa. 1897-1899. pág. 189.

15 Para este estudo, utilizámos os seguintes textos: 1) João Pedro Ribeiro. Dissertações Chronologicas, IV – 2. a parte: 2) Sousa Viterbo, Artes e Artistas em Portugal. Lisboa. 1892: 3) Sousa Viterbo, Festa e Procissão do Corpo de Deus. «Revista Lusitana». V. Lisboa. 1897/1899; 4) M. Dias Nunes, Danças Populares do Baixo Alentejo. «A Tradição ». I. 1899 : 5) A. Thomaz Pires. Investigações Ethnographicas – A Procissão do Corpus Christi, no século xvii, « Revista Lusitana». XI. Lisboa. 1908; 6) A. Thomaz Pires. Investigações Ethnographicas – A Procissão do Corpus Christi, no século XVII. «Revista Lusitana». XII. Lisboa. 1909 7) J. Leite de Vasconcelos. Mês de Sonho. Lisboa. 1926; 8) Rebelo Bonito. Uma preciosa peça etnográfica – A procissão do Corpus Christi no primeiro quartel do século xvii. « O Tripeiro », V. 3. Ano II. Porto. 1946: 9) S/a, A Procissão do Corpus Christi em Setúbal. « Douro Litoral » ; 10) Luís Chaves, Os oficiais mecânicos de Coimbra. «O Instituto». 89. Coimbra. 1953: 11) Femando Barbosa. A Procissão do Corpo de Deus. «Póvoa de Varzim» – Boletim Cultural. 1-1, Póvoa de Varzim, 1958; 12) A. H. de Oliveira Marques. A Sociedade Medieval Portuguesa. Lisboa (Sá da Costa). 1964; 13) Camilo Castelo Branco. O Santo da Montanha. Lisboa (Parceria A. M Pereira. Lda.). 1972; 14) Arquivo Histórico do Funchal, XV, Funchal, 1972.

16 Nas Redondilhas, de Jerónimo Bahia, publicadas no século xvii no tomo IV da Fenix Renascida sob o título Pedindo a cada huma das Freyras de Villa do Conde danças para a Procissão do Corpus, diz-se que as «Madres da porta galantes – podem dar feros gigantes...» (in Thomaz Pires. Investigações Ethnographicas – A Procissão do Corpus Christi no século XVII. «Revista Lusitana». XI. Lisboa. 1908. págs. 63-64.

17 Cfr. A. Thomaz Pires. Investigações Ethnographicas. « Revista Lusitana». XIV, Lisboa, 1911, págs. 88-91 (citando A. Adolfo Coelho, nota ao Hyssope – ed de Ramos Coelho –. Lisboa. 1879, págs. 441-442). Ver também M. Dias Nunes. Danças Populares do Baixo Alentejo. «A Tradição ». I. 1899. pág. 21.

18 No Porto, em 1560, foram proibidas certas figuras (para serem aliás de novo autorizadas logo a seguir), entre as quais a Dama do Dragão (o que prova que ela – e ele – apareciam já nessa época).

19 Luís Chaves, op. e loc. cit., pág. 363 ; A. de Lucena Vale, op. cit., pág. 13 : em Viseu, no século xviii, já os juízes dos ofícios haviam perdido o sentido e alcance da sua participação na gerência municipal, de tal modo que a incorporação das bandeiras na procissão do Corpus Christi, afirmação solene do seu direito na gerência da cidade, parece só era aceite com constrangimento ».

20 Rebelo Bonito, op. e loc. cit.

21 Este, pelas suas dimensões, que brigavam com os fios eléctricos que cruzavam já o ar nos locais e ruas de percurso da procissão, foi também posto de parte em quase todas as localidades onde ainda persistia (Luís Chaves, op e loc. cit., pág. 358). Aliás, a Igreja não concordava com o culto deste Santo, que é de carácter eminentemente popular.

22 Para a descrição da festa do Corpo de Deus em Monção, onde figurava ainda o Dragão – a «Santa Coca» – cfr. Pinho Leal, Portugal Antigo e Moderno, 5, Lisboa, 1875, s.v. Monsão ; José Augusto Vieira, O Minho Pitoresco, I, Lisboa, 1886 ; João Verde, A Cóca, «Limia», Viana do Castelo, 1910-1911, págs. 62-63, 93-94; L. Quintas Neves, A Cóca Monsanense (sua origem e evolução), « Arquivo do Alto Minho», V; S/a, Singularidades do Alto Minho – A Santa Coca da tradição. « Diário de Lisboa», Agosto de 1956, Segundo José Augusto Vieira, op e loc. cit., terminada a luta, e «depois de despida a armadura de guerreiro, vai o ferrador celebrá-la (a vitória) n’alguma taberna, com os 2500 réis que o município lhe deu por este serviço (em 1886). D’antes era obrigado a confessar-se e comungar, e tinha também almoço dado pela Câmara...»

23 Acerca das celebrações do S João em Sobrado, ver António Rangel. Dança dos Bugios e Mourisqueiros, «Praça Nova». Setembro, 1963, págs. 8-10 ; Benjamim Pereira. Les Maures et les Bugios à Sobrado (Valongo) : Rodney Gallop, Portugal, a book of Folk Ways Cambridge (U. P.), 1961, págs. 171-176.

24 José Augusto Vieira, op. cit., pág. 149.

25 Para a festa dos «Mareantes do Rio Douro», ver Cláudio Basto. Panorama etnográfico, «7 de Maio», de 1939. 1.° Centenário dos Bombeiros Municipais de Gaia. págs. 15-16: Armando Leça, O Santo é Nosso. «O Tripeiro». V Série. X. Porto. 1955.

26 Flávio Gonçalves. As imagens de S. Cristóvão, e Ainda as Imagens de S. Cristóvão. «Cultura e Arte», página cultural de «O Comércio do Porto», 21.IX.1961 e 24.X.1961. respectivamente.

27 Coronel Pereira Viana. Arquivo de Viana do Castelo. 10. Outubro 1934. pág. 307 (ap. Luís Chaves, op. e loc. cit., pág. 363.)

28 Sousa Viterbo, Artes e Artistas em Portugal. Lisboa. 1892, págs. 246-249.

Table des illustrations

Titre Fig. 33 – A Serpe da procissão do Corpus Cristi.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6043/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 100k
Titre Fig. 34 – Boticas. Figura de S. Cristóvão, no rio.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6043/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 112k
Titre Fig. 35 – Esposende. Gigantones e cabeçudos em dia de festa local.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6043/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 93k

© Etnográfica Press, 1995

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search