Version classiqueVersion mobile

Festividades cíclicas em Portugal

 | 
Ernesto Veiga de Oliveira

II. Romarias e festas

24. Feira e tourada em Cuba1

Texte intégral

  • 1 Este texto, em versão alemã (trad. de Jeanne Adler), acompanha o filme realizado em 1970 pelo Insti (...)

1Cuba é uma pequena vila situada no centro da planície alentejana, de nítido carácter mediterrâneo, em plena região da grande propriedade latifundiária, hoje, em grande medida, administrada por cooperativas. Como em toda a Província, o seu suporte económico funda-se essencialmente na monocultura do trigo, cuja exploração é de tipo empresarial.

2Nas cidades e vilas alentejanas a grande festa patronal aparece em regra associada a uma feira anual, em que o gado é o elemento de maior relevo, e que compreende uma tourada. Na Cuba, essa feira, que decorre nos três primeiros dias de Setembro, é a maior festa do ano, que atrai milhares de forasteiros; o comércio local prepara-se para essa afluência; vêm pessoas que estão fora da terra propositadamente assistir a ela; estreiam-se fatos, etc; e o manjar tradicional do dia é o borrego guisado. A festa tem lugar num amplo terreno vago na periferia do aglomerado, e compreende actos religiosos, a feira propriamente dita e a tourada; e pode ser organizada seja pela Câmara Municipal (que por vezes, no que se refere à tourada, cede essa incumbência aos Bombeiros ou a certos clubes locais), seja por uma comissão de festeiros, seja por ambas estas entidades conjuntamente – a comissão, para a festa, e a Câmara para a tourada –. A festa religiosa é dedicada à Senhora da Rocha, cuja imagem, levada em procissão, dá a volta à vila, recolhendo, a final, à Igreja Matriz.

3Bancadas e carros de tracção animal, alinhados uns a seguir aos outros, definem e delimitam, naquele terreno vago, o redondel que servirá de arena; e fazem ainda de barreira e de lugar para espectadores. A um lado, a abrir para a praça, constrói-se um touril de madeira onde os touros serão encurralados, aguardando a sua actuação na corrida.

4Os preparativos da festa começam no dia de Santa Maria, a 15 de Agosto; nessa data ergue-se, no meio da arena, um mastro, encimado por uma bandeira com um touro recortado sobre fundo vermelho; e, ao seu lado, coloca-se uma pipa – hoje um bidão vazio –, pousada no solo. Sai a música, e os festeiros fazem, pela vila e aldeias das redondezas, o peditório, cujo produto ajuda às despesas da celebração: os foguetes, a banda de música, o aluguer dos touros, etc. No final da festa, os festeiros vão entregar a posse à nova comissão. Os touros são sempre alugados e vêm de localidades próximas, geralmente de Vila Nova da Baronia, outrora a pé, agora em transportes motorizados. Quando vinham a pé, a mocidade fazia-lhes «esperas», para o excitar, em vista à corrida. No dia 1, inaugura-se a feira do gado – a corredoura –, cavalar (com larga intervenção dos ciganos), bovino, ovino, caprino, etc. Da parte da manhã, corre-se um touro nas ruas, cerrando-se algumas entradas. No segundo dia inaugura-se a feira geral, logo de manhã, com tendas de produtos artesanais e de quinquilharias, ferramentas e maquinaria agrícola, vestuário e roupas, utensilagem de casa, etc., jogos, «comes e bebes», carrocéis, rodas aéreas e outras diversões, e altifalantes atroando os ares com a sua vozearia, que se mistura ao burburinho da multidão que circula.

5Entretanto, chegam os touros, que são levados directamente para o curro, onde ficam presos e onde são «embolados». A tourada é a maior atracção da feira. Outrora, a entrada era grátis para aqueles que levavam para lá os seus carros; apenas os lugares nas bancadas, ou camarotes, eram pagos.

6A tourada inicia-se a meio da tarde. Faz-se ouvir a música, enquanto as pessoas vão chegando e ocupando bancadas e carros. São corridos vários touros. De cada vez, a começar, o dirigente da corrida dá o sinal, o cornetim toca, a porta do touril abre-se, e sai o touro, que carrega sobre os homens que estão na arena, e que o provocam passando, a correr, de través, na sua frente, a cautelosa distância. Quando o touro os persegue, eles fogem, e saltam para cima dos carros que bordam o recinto, ajudados pelos que já lá se encontram. De acordo com uma velha tradição de passes humorísticos e burlescos nas «garraiadas», um homem, dentro da pipa ou bidão, desafia o touro, brandindo um molho de palha, e desaparece quando este investe para o colher; outro, empoleirado no mastro, trepa por este mais ou menos, conforme o comportamento do touro; outro, ainda. arremeda os matadores qualificados, escapando-se logo que o touro o encara, etc. (fig. 32). Quando o dirigente entende, faz soar o toque para a pega: os homens tomam posição, em linha, e o da frente avança uns passos em direcção ao touro e incita-o; o touro arremete contra ele. que apara o choque encaixando-se entre os chifres, e os demais acorrem para dominar o animal. Por vezes, um destes homens pode ficar mais ou menos gravemente ferido. Enfim, depois de algum tempo, liberta-se o touro, e, com mais uns passes, acaba este número da corrida. A música toca, sai a choca do touril, e o touro, levado por ela, recolhe ao curro; passados momentos, a música toca de novo, e começa o número que segue, com outro touro. E desta maneira se lidam todos os demais touros escolhidos para esse dia.

Fig. 32 – Cuba. A corrida de touros.

Fig. 32 – Cuba. A corrida de touros.

Notes de fin

1 Este texto, em versão alemã (trad. de Jeanne Adler), acompanha o filme realizado em 1970 pelo Institut den Wissenschaftlichen Film, de Göttingen, em colaboração com o Centro de Estudos de Etnologia, de Lisboa, N.° E 1925, intitulado Jahrmarkt und Stierkampf in Cuba, e publicado em Institut für den Wissenschaftlichen Film, Sektion Ethnologie, Göttingen

Table des illustrations

Titre Fig. 32 – Cuba. A corrida de touros.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6038/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 123k

© Etnográfica Press, 1995

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search