Version classiqueVersion mobile

Festividades cíclicas em Portugal

 | 
Ernesto Veiga de Oliveira

II. Romarias e festas

23. Tourada em Forcalhos1

Texte intégral

  • 1 Este texto, em versão alemã (trad. de Jeanne Adler), acompanha o filme realizado pelo Instituto do (...)

1A região de Riba-Côa. que corresponde aproximadamente ao concelho do Sabugal, faz fronteira com a faixa ocidental da província espanhola de Salamanca, e prolonga, em Portugal, essa parte da Meseta castelhana.

2O contraste é marcado entre a paisagem portuguesa, dividida em pequenos campos, caminhos murados e montados pobres, e a espanhola, com as terras abertas em amplas ondulações a perder de vista e as vastas devezas onde se cria gado taurino em grande escala.

3Nas aldeias dessa zona, as respectivas festas patronais compreendem em geral, além das cerimónias religiosas próprias, uma tourada de género especial, que constitui o seu grande atractivo; a vê-la ou a nela participarem, acorrem não só as gentes locais e das povoações da região, de um lado e do outro da fronteira. mas também as pessoas da terra que trabalham fora, mesmo em países estrangeiros, que escolhem essa ocasião para as suas férias, e forasteiros, aficionados. etc.

4Para tal acontecimento, essas aldeias possuem um amplo largo, que no dia da tourada é fechado com bancadas de tabuado e, nas entradas das ruas, carros de tracção animal carregados com troncos de árvores e dispostos a seguir uns aos outros, fazendo de barreira e de local para espectadores; em frente às casas, armam-se refúgios com toros postos ao alto, entre os quais pode passar um homem mas não o touro; e, num extremo, improvisa-se um curro, para os touros que serão corridos.

5Com grande antecedência, a mocidade prepara o forcão, que constitui a verdadeira originalidade destas touradas: um enorme triângulo feito de três longas pernadas de carvalho, os lados medindo cerca de 5 m, e um longo pau atravessado na base, com cerca de 7,5 m, que ficam com as pontas e as extremidades salientes – as galhas –; um outro pau, perpendicular à base, a meio desta, e com cerca de 6 m, tem a ponta, no vértice formado pelos lados do triângulo, também saliente – o rabicho –, servindo de leme a um homem que, nessa ponta, o empunha – o rabicheiro – para conduzir a actuação do forcão.

6Por costume antigo, ou touros vêm de Espanha, das aldeias vizinhas, cedidos gratuitamente em. contrapartida da renúncia, por parte dos lavradores portugueses proprietários de terras na raia, a quaisquer reclamações contra os estragos que os gados espanhóis ali fazem nas suas searas.

7Em Forcalhos a festa é dedicada ao Santíssimo Sacramento e tem lugar no terceiro domingo de Agosto; mas o seu início é, conforme o uso geral, anunciado já na véspera ao pôr do Sol, com foguetes e o rufar do tamborileiro. No domingo, o dia começa com a alvorada, dada pelo tamborileiro, que, mais tarde, abre o cortejo dos moços, armados com espingardas e alabardas ornamentadas, que correm as ruas em duas filas, encabeçadas pelos dois mordomos do ano, um com a bandeira do Menino, e outro com uma espada desembainhada. Seguidamente, tem lugar a missa, a que a mocidade assiste disposta igualmente em duas filas, e finalmente a procissão, com a imagem do Santíssimo e os andores levados pelos mordomos, entre cânticos, música e foguetes. E, a findar o dia, dança-se no largo da povoação, com música do tamborileiro e de um acordeonista.

8A segunda-feira é consagrada à tourada. Ao romper do Sol, o tamborileiro dá a alvorada, sublinhada pelo estrelejar dos foguetes. E logo começam a comparecer as pessoas: os homens mais velhos ultimam o arranjo do redondel, arrumando devidamente os carros e vedando as saídas, enquanto os moços se preparam para ir buscar o gado a um ponto da fronteira (combinado previamente com o montaraz da deveza da Genestosa, em Espanha, que é o local onde ele pasta).

9Outrora procediam deste modo para escapar à vigilância dos guardas de ambos os países; hoje, esta operação faz-se na presença dessas autoridades. Só a cavalo se pode participar nesta operação, por causa dos perigos que ela apresenta, exigindo grande mobilidade. Chegados à fronteira, os moços portugueses encontram-se com os vaqueiros espanhóis, que trazem já consigo o gado que foi apartado, de acordo com as indicações dos organizadores da festa. Põem-se então em marcha: à frente, conduzindo os animais, o montaraz e os outros vaqueiros espanhóis; a seguir os animais, precedidos por uma vaca mansa – o cabresto – que leva um enorme chocalho, e que ajuda a manter os touros em ordem; e aos lados e atrás, a fechar a cavalgada, os portugueses.

  • 1 No encerro a que assistimos, em 1970, esse foguete foi lançado antes da entrada da praça se fechar, (...)

10Entretanto, o caminho que os cavaleiros e o gado deverão tomar para regressar à aldeia foi-se enchendo de gente, que trepa para os muros ou outros pontos elevados, para sem risco verem a cavalgada passar. Ao fim de algum tempo, começam a vir emissários que informam do número e qualidade dos touros, e do tempo que devem ainda demorar. Já perto, o montaraz parte à desfilada, seguido pelos animais e, atrás, pelos demais cavaleiros a galope, para que aqueles, assim arrastados, não fujam ou se tresmalhem. Enfim, uma nuvem de poeira, ao longe, anuncia que a cavalgada já vem perto; e, enfim, ei-la à vista: os touros, atrás do cabresto, na ordem que indicamos, entram, em violento tropel, na aldeia (fig. 29), e são encaminhados para a praça e fechados no curro. É o encerro, um dos grandes momentos do dia. O repicar dos sinos e um foguete anunciam que o gado já está encurralado e que as pessoas podem circular de novo livremente1.

Fig. 29 – Sabugal, Forcalhos. A chegada dos touros à aldeia, vindos de Espanha.

Fig. 29 – Sabugal, Forcalhos. A chegada dos touros à aldeia, vindos de Espanha.

11Da parte da tarde tem lugar a corrida propriamente dita. Logo após a refeição do meio-dia, as pessoas começam a afluir à praça e as bancadas, janelas e varandas, telhados e carros, vão-se enchendo. Todos, de cima do curro, querem ver e acirrar os touros encerrados; e os que já os viram, descem para dar lugar aos outros. Encostado à parede de uma casa, o rabicho ao alto, está o forcão. O tamborileiro rufa.

Fig. 30 – Sabugal, Forcalhos. Os cumprimentos dos Mordomos, a cavalo, antes da corrida de touros com forcão.

Fig. 30 – Sabugal, Forcalhos. Os cumprimentos dos Mordomos, a cavalo, antes da corrida de touros com forcão.

12Perto da hora, chegam as pessoas da família mais importante da aldeia, com os seus convidados, e tomam lugar num palanque, a meio da bancada central.

13A mocidade participante, então, na praça, com canas de milho nas mãos. forma em duas filas, a pé, atrás dos dois mordomos empunhando a bandeira, a cavalo, de fato novo e luvas brancas, e com as montadas engalanadas (fig. 30). O cortejo, precedido pelo tamborileiro, abeira-se da bancada, e um dos mordomos, num curto discurso cerimonioso, solicita ao «dono da praça» licença para se realizar a capeia; esta pessoa responde, e o cortejo dá então duas voltas à praça, e os mordomos, sozinhos, mais uma terceira. Enfim, soa mais uma vez o tamboril, a gente que está na praça debanda, procurando locais protegidos, atrás das barreiras ou debaixo dos carros – os burladeros –; ficam na arena apenas os mais animosos: os capinhas espanhóis, e a mocidade, no centro do redondel, sustentando o forcão, de frente voltada para o curro.

14Da porta deste anunciam então a saída do touro; e logo ela se abre, e o animal irrompe e arremete contra o forcão. marrando nas galhas. e perseguindo em seguida, desorientado, pela arena, os que o provocam com correrias, passando-lhe à frente, ao lado, ou por trás, gritando, dando-lhe pauladas, aguilhoando-o. O animal investe, os perseguidos fogem, saltando para os carros, refugiando-se nas barreiras.

15Umas vezes por outras os capinhas espanhóis entram em acção, e fazem os seus passes com mais ou menos perícia, merecendo não raro aplausos da assistência.

16Chega então a vez de o forcão entrar em acção. Guiado pelo rabicheiro, que o ergue pelo rabicho, e conduzido pela gente nova que o leva seguro pelas duas pernadas laterais, procura-se. rodando com ele, levantando-o ou abaixando-o. conforme as investidas do touro, mantê-lo com o pau frontal sempre voltado para este, que marra furiosamente contra as galhas. e assim impedi-lo de atingir as pessoas (fig. 31).

17Por vezes o animal consegue meter a cabeça por baixo das galhas e levantar esse lado; e então passa para trás do forcão e obriga os moços a largá-lo e fugir para os carros e abrigos.

18Se a gente nova não maneja devidamente ou não aguenta o forcão, a assistência pede que intervenham os casados, os quais acedem sempre de bom grado.

19Nestas diversas actuações, abundam os lances humorísticos e burlescos, nem sempre planeados. Com frequência, as pessoas são colhidas, e então todos saltam para cima do touro, imobilizando-o como numa pega. Quando aparecem animais particularmente bravos, estes lances são verdadeiramente perigosos, e a história local refere dramáticas capeias em que aconteceram ferimentos graves e até mortes.

20Nesses casos, e de um modo geral quando a gente de Forcalhos não foi capaz de dominar o touro, os moços das aldeias próximas da mesma área (que também têm esta tradição de touradas com o forcão), pedem para que os deixem correr esse touro no dia da sua festa, numa manifestação de emulação sociocêntrica, habitual entre grupos vizinhos.

21Enfim, o touro está corrido; ouve-se e respectivo toque, a porta do curro abre-se, sai o cabresto que vai ao seu encontro, e o touro, atrás deste, recolhe, para dar lugar, passados uns breves minutos, ao que se lhe segue. Correm-se deste modo todos os animais escolhidos para a tarde, geralmente em número de seis ou mais, com um intervalo a meio para descanso e arranjo da arena, e que as pessoas aproveitam para beberem um refresco, e os capinhas espanhóis para efectuarem um peditório pela assistência. Finalmente, corrido o último touro, e depois da praça ficar vazia, os touros, de novo conduzidos pelo montaraz, voltam para Espanha.

Fig. 31 – Sabugal, Forcalhos. A corrida com o forcão.

Fig. 31 – Sabugal, Forcalhos. A corrida com o forcão.

22Lisboa, Março de 1982

Notes

1 No encerro a que assistimos, em 1970, esse foguete foi lançado antes da entrada da praça se fechar, e um touro, especialmente bravo, conseguiu escapar-se e tomar, em furiosa corrida, o caminho da fronteira, para voltar ao seu território: nào encontrou nenhuma pessoa, mas arremeteu contra uma vaca que regressava à aldeia, e esventrou-a mortalmente.

Notes de fin

1 Este texto, em versão alemã (trad. de Jeanne Adler), acompanha o filme realizado pelo Instituto do Filme Científico, de Göttingen, em colaboração com o Centro de Estudos de Etnologia, de Lisboa, N.° E 1869. intitulado Stierkampf in Forcalhos, e publicado em Institut für den Wissenschaftlichen Film, Sektion Ethnologie, Série 12, n.° 29, Göttingen, 1982.

Table des illustrations

Titre Fig. 29 – Sabugal, Forcalhos. A chegada dos touros à aldeia, vindos de Espanha.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6033/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 112k
Titre Fig. 30 – Sabugal, Forcalhos. Os cumprimentos dos Mordomos, a cavalo, antes da corrida de touros com forcão.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6033/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 168k
Titre Fig. 31 – Sabugal, Forcalhos. A corrida com o forcão.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6033/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 135k

© Etnográfica Press, 1995

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search