Version classiqueVersion mobile

Festividades cíclicas em Portugal

 | 
Ernesto Veiga de Oliveira

II. Romarias e festas

22. A romaria do salvador do mundo (Barroso)1

Texte intégral

  • 1 Este texto, em versão alemã (trad. de Jeanne Adler), acompanha o filme realizado em 1970 pelo Insti (...)

1O Barroso é uma região planáltica e serrana do Norte de Portugal, situada no rebordo norte-ocidental da província de Trás-os-Montes, ligada a todas as ramificações minhotas e transmontanas do sistema montanhoso galaico-duriense, e que se apresenta como uma massa compacta de terras altas de formação certamente muito antiga, um aglomerado de picos e serras separados por largas depressões e planaltos. A sua altitude média oscila entre 700 e 1000 m, e o seu ponto mais elevado atinge cerca dos 1300 m; o seu clima é particularmente agreste, com Invernos rigorosos e severos, e com um dos maiores índices de pluviosidade de todo o território português. O solo é de natureza granítica e pobre.

2A vertente da montanha que volta para a região minhota de Basto, a sudoeste, constitui, desse lado, o pedestal do planalto do Nordeste português, onde vem morrer a Meseta Ibérica, de encontro às terras baixas ocidentais.

3O Barroso separa assim o Minho interior de Trás-os-Montes ; e a sua paisagem vai progressivamente acentuando os contrastes entre as duas províncias nortenhas: as aldeias concentradas, as grandes extensões de bravios, a sobriedade da cultura do centeio, em amplos terrenos abertos e secos, os prados permanentes. o forte cunho pastoril, do lado transmontano; a dispersão extrema, a pequena propriedade delimitada, a profusão da policultura de regadio, à base do milho, a vinha alta, os matos onde predomina o pinheiro atlântico, do lado minhoto. E certos aspectos materiais das culturas regionais – o carro de bois, o espigueiro do milho, etc. – sublinham de modo muito expressivo essa situação de transição e contraste.

4Mas o Barroso, para lá do seu parentesco provincial, possui características próprias que o relacionam, acima de tudo, com as demais áreas montanhosas nortenhas em geral, e nomeadamente com a serra minhota.

5As aldeias barrosãs são pequenas – o Barroso é, e foi sempre, uma região com uma densidade de população muito baixa – e estritamente aglomeradas: e localizam-se, distantes umas das outras, nos vales ou nas encostas, protegidas desse modo contra as ventanias; o seu grande primitivismo traz até nós a imagem dos povoados pré-históricos castrejos, de que em muitos casos elas são sem dúvida as continuadoras. As casas, alinhadas ao longo de ruelas tortuosas, em regra toscamente calcetadas, por onde correm as águas, são ajustadas a uma economia pobre e de pequena propriedade; extremamente rudes e primitivas – já no século XVI Frei Bartolomeu dos Mártires notara a rudeza extrema das povoações barrosãs –, de granito, pequenas, quase sempre em blocos apenas talhados à medida e sem qualquer reboco exterior, elas são de dois pisos, com escassas e toscas aberturas, e com cobertura de duas águas, de colmo, amparado pelo sistema das cápeas e guarda-ventos ; e abrigam simultaneamente as pessoas (no andar sobradado), e os animais e os produtos da terra (no térreo).

6Rodeando o casario das aldeias com as pequenas hortas familiares ao lado, estendem-se as terras de cultura, os pastos do gado grosso (que aqui são permanentes). e. nos terrenos mais altos, secos e pobres, que se alargam entre as povoações, os bravios – o monte –. que são locais também de pastagem, do gado miúdo, sobretudo ovino.

7A agricultura barrosã tradicional repousava fundamentalmente no cultivo do centeio – e hoje, além dele, do milho e sobretudo da batata, que nos finais do século XIX veio substituir a castanha –. de que se fazia o pão da região; e também, com importância muito menor, o milho miúdo. Mas a magreza dos solos e a aspereza do clima faziam desta agricultura uma actividade pouco remuneradora; e o centeio produzia-se apenas para o pão que se consumia na aldeia.

8Dispondo de estradas internas só desde épocas muito recentes – o Barroso comunicava com o mundo exterior unicamente pela estrada de Braga a Chaves, que o circundava pelo sopé norte sem o penetrar –. a região manteve-se até aos nossos dias isolada no seu mundo primitivo.

9Como todas as comunidades de natureza primordialmente pastoril das montanhas do Norte de Portugal em geral, as aldeias do Barroso possuíam uma organização e determinadas instituições de tipo comunitário pré-romano (que porém alguns autores consideram de implantação relativamente recente ali): em muitos casos, existiam os rebanhos colectivos de ovinos – as vezeiras – que cada casa levava, à vez. para os pastos do monte; o touro de cobrição (que garantia a qualidade da raça barrosã) era comum, ou do povo, e tinha estábulo e pastagem próprias – as lamas do touro –, a cargo de todos; a aldeia dispunha de um conselho, adjunto ou couto, onde em conjunto se deliberava acerca das questões que respeitavam à comunidade, utilização de baldios ou comunais, a vezeira, o touro do povo, etc.: diversas instalações de interesse geral eram igualmente do povo – o moinho, a forja (ambos estes muito raros) e, sobretudo, o forno do pão, que todas as aldeias possuíam, e onde cada casa cozia a sua fornada, etc.

10De economia ainda hoje exclusivamente rural, agrícola e pastoril (apenas as estações hidroeléctricas do Cávado diversificam um pouco a paisagem que descrevemos), essa circunstância e o isolamento em que o Barroso viveu até há poucos decénios (e em que grande medida continua a viver) dão a razão de uma atmosfera muito especial, de um grande arcaismo e cariz comunitário, que se respirava nestas aldeias, e da sobrevivência, ali. de algumas dessas remotas formas, respeitantes às actividades pastoris e à criação de gado, e também a determinados aspectos da vida do grupo, em especial aqueles em que se evidencia um forte sentido de unidade e coesão vicinal; estão neste último caso os trabalhos agrícolas que requerem muita gente e animais ao mesmo tempo, em que se observava (e continua a observar, embora já de modo crítico) o sistema da gratuitidade e reciprocidade, que, além dos seus pressupostos afectivos, era o único possível numa época em que, no mundo rural, a economia era unicamente qualitativa e o numerário escasso (e que aliás é ainda a regra – embora em declínio – em todas as regiões de pequena propriedade, mormente no Norte do País). E cabe ainda mencionar as próprias aldeias, as casas, o mobiliário, o vestuário, em que transparece igualmente essa atmosfera e carácter arcaico, rude e primitivo, do Barroso.

11Esses vestígios de velhas instituições colectivistas, que se integram orgânica e funcionalmente no contexto económico-social presente, e todos os outros arcaísmos em geral, vão porém agora, acompanhando a evolução da região, que se abriu ao convívio do resto do mundo, progressivamente desaparecendo. As vezeiras de ovinos e os adjuntos acabaram por toda a parte; em muitas aldeias, o forno do povo já não se utiliza, etc.; essa velha atmosfera cedeu, em grande medida, perante novas concepções. E, a par dessa mutação, e com ela estreitamente relacionada, a economia quantifica-se e ingressa num novo estádio, os recursos locais deixam de se aproveitar, adquire-se equipamento urbano, e os hábitos antigos extinguem-se pouco a pouco.

12O elemento fundamental da vida e da economia rurais do Barroso, a verdadeira e central actividade do lavrador dessa área, era a pecuária, e sobretudo a criação de gado bovino, de que se definiu mesmo uma raça autóctone – a raça barrosã –, que se apoia na abundância e excelência dos pastos característicos da região – os lameiros ou lamas, por sua vez relacionados com as suas condições ecológicas basilares. Os lameiros – que constituem o traço mais marcante da paisagem barrosã – são prados naturais regados, bordados de carvalhos e cercados de muros baixos de pedra seca, ocupando os fundos e encostas dos vales, as margens dos ribeiros, e de um modo geral os terrenos mais frescos e húmidos. A raça barrosã é pequena e extremamente bem proporcionada, sóbria e resistente, segura e rápida no trabalho, excelente para a reprodução e a carne, e produzindo ainda leite.

13O Barroso é. assim, acima de tudo, uma região produtora e exportadora de gado: vizinha das regiões minhotas de Basto e de Vieira, de policultura intensiva, primordialmente à base de milho, e em que o boi é o complemento animal necessário ao ciclo agrário, os vitelos nascidos e criados no Barroso são vendidos nas feiras daquelas regiões, e seguidamente enviados para todo o Noroeste, onde recriam e engordam com os subprodutos dessa policultura; e é então que eles dão toda a medida das suas qualidades. A diferença das condições naturais entre essas duas regiões confinantes origina assim uma divisão de trabalho fundamental na criação bovina. O seu ciclo terminava nas feiras da Maia, onde os marchantes os vinham comprar para revender aos matadouros de Lisboa e Porto, e outrora para exportação, designadamente para Inglaterra.

14Os touros, que asseguram a conservação da raça na sua pureza, são, como dissemos, quase sempre propriedade comunal, dos vizinhos de cada aldeia – o touro do povo. O seu sustento é estritamente regulado por normas costumeiras: ora é pensado à vez por cada interessado, junto com o gado deste último, ora tem um pensador único, um vizinho (que colhe benefícios específicos desse encargo) ou um assalariado pago por todos os interessados, ora ainda por divisão, na época do corte dos fenos, da forragem necessária para o Inverno, que se armazena no palheiro do touro, etc.

15Em inúmeras aldeias o touro do povo tem as suas pastagens próprias – as lamas do touro –. tratadas segundo regras idênticas às que indicamos para o sustento do animal; e possui estábulo privativo, que é igualmente comunal – a corte do boi –.

16A importância do boi nesta área transparece ainda em certas manifestações sociais e simbólicas, características da sua cultura, designadamente nas «chegas» de touros, que constituem o espectáculo favorito do barrosão e são um acto pleno de significação. As «chegas», que podem ter lugar em qualquer ocasião festiva – aos domingos, nas romarias, celebrações oficiais, etc. –, e às quais acorre gente de todas as redondezas, são lutas de dois touros entre si, à marrada, extremamente violentas, em que vence aquele que vira ou põe em fuga o adversário. Os touros que intervêm nas chegas são os touros de cobrição – o touro do povo –; mas a luta só existe verdadeiramente e tem o sentido empolgante que a define, porque cada touro é de uma aldeia diferente; as vitórias ou as derrotas são vividas como actos em que todos os habitantes da aldeia estão comprometidos. O touro das «chegas» identifica-se pois, de um modo pouco menos do que expresso, à aldeia a que pertence – o touro do povo é o próprio povo –. e a «chega» é uma luta entre as duas aldeias, para honra ou vergonha de uma e da outra. O touro vencido é um animal destinado ao talho; o vencedor é um herói que regressa à aldeia em triunfo, com bandeirolas e flores nos chifres. Em Travassos do Rio, a corte do boi mostra uma espécie de campanário onde insculpiram em relevo a cabeca de um campeão famoso, que foi a glória da aldeia.

17Em Portugal, na religião popular, é muito usual as pessoas solicitarem a protecção ou a cura dos males dos seus gados aos santos ou a quaisquer invocações divinas da sua devoção. Esses pedidos fazem-se sob a forma de orações ou promessas – voltas em tomo do templo, muitas vezes de joelhos; imagens do animal em cera (ex-votos); cereal; ouro; dinheiro; flores; etc. – e a sua satisfação agradece-se pelo cumprimento do que foi prometido.

18Contam-se porém vários santos que são especificamente protectores do gado, conforme os diferentes locais – Santo António, S. Marcos, S. Mamede, Santa Susana, Santa Brígida, etc. –, e, em certos casos, existem mesmo romarias a esses santos, com promessas também específicas (que por vezes se acrescentam ou enxertam em processos comuns), e até, embora muito raramente, com ritual próprio, em que o gado desempenha um papel relevante; voltas do gado – geralmente em número de 9 (a novena) – em tomo do adro da respectiva capela, levando ele próprio entre os chifres o cereal prometido ao santo, ou adornado com fitas de cor, que a final se depõem no altar do santo; bênção e aspersão com água benta do gado num certo momento da festa; sua incorporação na procissão; em casos menos frequentes, entrada do boi no templo após as voltas da promessa ou sua presença ali durante os ofícios; etc.

19Descrevemos a seguir uma romaria específica de gado, no pequeno santuário dedicado ao Salvador do Mundo (Salvator Mundi), junto à aldeia de Viveiros. nas faldas orientais da serra do Barroso, a que nos foi dado assistir em 1970 ; e notamos, numa notícia da festa de 1925, a curiosa promessa de uma vaca «amortalhada» que tomou parte na procissão, atrás do andor do Salvador do Mundo.

20A capela do Salvador do Mundo, de Viveiros, vira a entrada aproximadamente ao sul. A porta é precedida de um pórtico alpendrado, com bancos do lado nascente e poente. Na fachada nascente, uma escada exterior de pedra leva ao coro. Ao fundo dessa escada, encostada à parede da capela, está uma sepultura de pedra enterrada ao raso do solo. Atrás da capela, no adro, um pouco a nascente, há uma coluna de pedra, monolítica, com cerca de 1,20 m de altura e 25/30 cm de diâmetro.

21Á volta da capela, um muro baixo de pedra delimita o adro, onde há carvalhos frondosos de um lado e do outro. Esse muro tem uma entrada à frente (sul) e outra a nascente, ambas com cancela de ferro; e outra ainda atrás (norte), aberta. A confraria fica fora do adro, a poente. Atrás, a norte, de cada lado da entrada, no adro, junto ao muro, vêem-se dois palanques altos, de cantaria, com guardas também de cantaria, onde tocam as bandas de música: ascende-se a eles por meia dúzia de degraus de pedra. No do lado poente, o padre faz a alocução aos lavradores e dá a bênção ao gado.

22Fora do adro, para lá do trilho que os gados seguem nas promessas, vêem-se as costumadas barracas de quinquilharias, refrescos, comes e bebes, etc., e mais para nascente, um morro com o caminho por onde, mais tarde, segue a procissão. Nesse morro situam-se uns edículos de construção recente, onde durante o ano ficam as imagens de Santo Adrião e Santo Isidro, e que hoje estão vazios porque essas imagens serão levadas na procissão.

23Na fachada frontal da capela, virada a sul, sob o alpendre, a cada lado da porta, há duas bocas de pedra, em forma de mísulas ou cachorros, para deitar o cereal – uma para o milho (a nascente), outra para o centeio (a poente), que comunicam com o interior da capela. A seguir à do milho, a nascente, há outro cachorro ou pouso de pedra, onde as pessoas põem as pedrinhas com que contam as voltas que dão a pé, de promessa, à volta da capela.

24Dentro da capela, à esquerda de quem entra, estão as duas arcas para o cereal, milho e centeio, correspondendo àquelas bocas. À direita há outra, para o milho. A carne de porco, presuntos e sobretudo pés e mãos, fica à direita da entrada da porta da capela, dentro, no chão. Será leiloada ao fim da tarde.

25O gado começou a afluir pelas 9 horas da manhã, e essa afluência atingiu o auge pelas 11 horas, formando então um anel quase ininterrupto (embora não denso) em volta do muro do adro, pelo lado exterior. Apenas três bois carregavam cereal à cabeça, amarrado entre os chifres; mais frequentemente, este vinha em burros, ou às costas, à cabeça ou debaixo dos braços das pessoas, seguindo os bois atrás. Como dissemos, geralemente dão nove voltas (novena), no sentido contrário ao dos ponteiros do relógio; mas podem dar mais ou menos, conforme as promessas que fizeram (fig. 25).

26Todo o gado trazia coleiras ao pescoço. Por vezes, as juntas iam jungidas, para não fugirem nem saltarem. Algumas pessoas, quando passam com o gado em frente à porta sul do muro do adro (as voltas do gado são pelo lado exterior do muro que circunda o adro; a pessoa que conduz os bois vai à frente, ao lado ou atrás dos animais, conforme calha), fazem o sinal-da-cruz e esboçam uma genuflexão. Cumpridas as voltas da promessa, algum gado fica por ali, para a bênção; outro vai para os lameiros próximos. Também aparecem ovelhas, misturadas com os bois, a andar nas voltas.

27Fora da capela, as promessas das pessoas (sem gado) consistem sobretudo em voltas a pé dentro do adro em tomo da capela, muitas vezes com cereal em sacos à cabeça ou às costas, que depois irão despejar nas arcas que estão dentro da capela. Uma ou outra pessoa traz cravos ou outras flores. Em frente à porta, aberta, da capela, esboçam uma genuflexão. Vê-se também uma ou outra dando voltas de joelhos. Por vezes, de cada volta a pé, põem uma pedra no cachorro que há na fachada, sob o alpendre, à esquerda.

28Mais para dentro da capela, estão pousados no chão os sete andores, aguardando a procissão: Santa Quitéria, Santo Isidoro, S. Bento, Salvador do Mundo (nascente), Nossa Senhora, Santo Adrião e Nun’Álvares (poente) ; o andor de Nun’Álvares fica um pouco atrás dos outros, encostado ao arco do transepto. Santo Isidoro é o protector dos lavradores, e a imagem tem aos pés um touro; Santo Antão é dado como «abade protector dos animais»; S. Bento é protector das doenças, e Nun’Álvares protector dos Portugueses. As pessoas que trazem cereal como promessa, depois das voltas (ou directamente, se não prometeram voltas) entram na capela e despejam os sacos nas arcas respectivas. Às vezes, antes de despejarem os sacos, vão rezar em frente do altar do Salvador, e então com frequência fazem-no com o saco do cereal à cabeça ou nos braços.

Fig. 25 – Boticas. Viveiros. As voltas do gado em torno da capela do Salvador do Mundo.

Fig. 26 – Boticas. Viveiros. A bênção do gado.

29Dentro da capela prosseguem as devoções e cumprimento de promessas. Uma mulher, de joelhos, dá volta ao andor do Salvador; outra ofereceu-lhe o seu cordão de oiro, que pôs à volta de um braço da imagem, ficando dependurado; à frente do andor estava um banco, para onde ela subiu para pendurar o cordão (mais tarde retiraram esse banco). As pessoas tocam, com um lenço, a imagem, e depois passam o lenço pela testa; algumas fazem isso limpando a cara de duas figuras de anjo, decorativas, que estão em frente do andor, em baixo, cada uma de seu lado. Outros oferecem notas de 20 ou 50 escudos, que pregam com alfinetes no pano que reveste a peanha em que está montada a imagem.

30Debaixo do altar-mor, exactamente sob o sacrário, há, ao raso do solo, um nicho quadrangular arqueado em cima (com cerca de 1,20 m de lado), baixo e escuro, normalmente tapado pelo frontão do altar, que as pessoas retiram para cumprirem a sua promessa: a meio tem uma coluna baixa de pedra, monolítica (semelhante, mas mais baixa do que a atrás descrita, que se vê no adro, um pouco atrás da capela), de cerca de 60 cm de altura e 25 cm de diâmetro, com uma pequena cova na face superior – é a Santa Cabeça. As pessoas entram nesse nicho já de joelhos (nem teriam altura para entrarem de pé), dão voltas de joelhos em redor da coluna, com uma mão sobre ela. É contra dores e doenças de cabeça.

  • 1 Discurso do pároco, antes da bênção do gado (1970) : « Atenção! Pede-se uns minutos de silêncio, po (...)

31As orações são feitas ora ajoelhando-se nos degraus do altar-mor, ora em frente dos andores, sobretudo no do Salvador1

32Cerca do meio-dia, antes da missa, o padre, paramentado, de sobrepeliz e estola, do cimo do palanque do lado poente, no muro das traseiras que limita o adro, dá a bênção ao gado. Faz uma alocução aos lavradores, uma prédica alusiva à devoção ao Salvador pelos donos dos gados, seguida de uma breve oração – o oremus – em latim; e finalmente abençoa o gado (só com palavras) e asperge-o com o hissope, uma vez para cada lado (fig. 26). O gado não estava junto nem concentrado, mas espalhado pelas imediações, ou nas elevações e lameiros à volta do local da capela. O padre era acolitado por mais dois padres, e ladeado pela cruz paroquial, as duas lanternas e a caldeirinha da água benta.

33Por volta do meio dia, depois da bênção do gado, teve lugar a missa, com altifalantes para se ouvir fora; mesmo durante a missa, havia gado que continuava a dar voltas.

34Depois da missa, por volta das duas horas, organizou-se a procissão. Os andores saíam da capela deitados, para caberem pela porta, por ordem: Santo Antão, N.a Senhora; S. Bento; um pendão, com o Divino Salvador numa face e a Sr.a de Fátima na outra (um foguete); Santo Isidoro, Santa Quitéria, Nun’Álvares (foguetes), e, na retaguarda, o Divino Salvador, que custou muito a sair, porque era muito alto; nessa altura tocou só a tarola. À frente deste vinham anjos, centuriões, figuras simbólicas; depois, lanternas e cruz. Já fora, ordenou-se a procissão: Santo Antão; anjos com símbolos, N.a Senhora, anjos com símbolos, S. Bento, anjos, Santo Isidoro; anjos; Santa Quitéria, anjos com símbolos (cruz, palmas), e figuras (a Rainha do Céu, etc.); Nun’Álvares ; figuras (Cristo entre quatro centuriões; S. Caetano, etc.); lanternas; e, a final, o Divino Salvador, os três padres, e os penitentes amortalhados e amortalhadas (alguns com o saco de cereal prometido à cabeça), a banda de música de Braga; o público (fig. 27, 28). As mortalhas eram uns simples camisões brancos; as das mulheres tinham apenas uma renda no decote, e compreendiam também uma touca igualmente branca à cabeça; as dos homens eram mais curtas; e umas e outras ficam guardadas na confraria, e são usadas por promessa, mediante não pagamento mas uma esmola. Neste dia, vimo-las ainda na sacristia. A procissão deu a volta pelo outeiro e a nascente, passou junto aos edículos de Santo Antão e Santo Isidoro, desceu pelo norte; entrou no adro pela porta desse lado, e terminou com duas voltas em redor da capela, no adro, de poente para nascente. Os andores a final recolheram à capela entrando, outra vez deitados, pelo pórtico e porta principal da capela; e atrás deles, os «amortalhados» e o resto do povo. Depois de entrar, o padre deu a bênção aos fiéis, e os andores ficaram arrumados no chão, como antes. Ao fim da tarde, o armador começou já a desfazê-los.

35Durante a procissão, o gado andava pelo morro e redondezas, e olhava, quieto, o cortejo; mas não se incorporou nele.

36Depois da procissão, merenda-se sob as árvores do adro: frango, pão de centeio, presunto, omeletas, bolos de bacalhau, rabanadas, vinho, cerveja, melão, fruta. Agora vêem-se já muitos farnéis com cervejas.

37As oferendas de carne de porco ao Salvador do Mundo são feitas no próprio dia da festa; mas, ao longo do ano, o mordomo vai-as já recebendo – pemas e metades de cabeça de porco, que armazena e guarda, trazendo-as no dia da festa para serem leiloadas.

38O leilão foi à tarde, pelas quatro horas; um rapaz apregoava do alto da escada exterior do lado nascente, de pe; as pessoas estavam apinhadas, em baixo, no adro, desse lado.

39De acordo com a regra, a festa, muitas vezes, remata com uma «chega» entre o touro da própria aldeia e outro de uma localidade vizinha: nesta festa a que assistimos, porém, um dos animais fugiu, recusando-se ao combate, e o espectáculo não teve lugar.

Fig. 27 – Boticas. Viveiros. A procissão.

Fig. 28 – Boticas, Viveiros. « Amortalhados » na procissão, atrás dos andores.

Notes

1 Discurso do pároco, antes da bênção do gado (1970) : « Atenção! Pede-se uns minutos de silêncio, porque vai seguir-se a bênção do gado. Interrompam as voltas, porque vai benzer-se o gado. Atenção! Antes de se principiar a bênção do gado, eu quero dirigir umas breves palavras aos lavradores da nossa região, aos lavradores e à boa gente transmontana, à boa gente do Barroso! Lavradores do Barroso! Já há muitos anos que tendes vindo aqui a este santuário, cumprir as vossas promessas. É grande a vossa fé. o vosso entusiasmo, para com o Divino Salvador do Mundo. Há gente que vem da raia de Espanha, de muito longe, aqui a este santuário, cumprir as promessas, porque o Divino Salvador do Mundo, nos momentos de perigo, cura os seus animais. Por isso, é com fé que vós viestes a este santuário, cumprir as vossas promessas. O Divino Salvador do Mundo abençoe os vossos gados, que o Divino Salvador do Mundo afaste para longe das vossas casas as pestes, que o Divino Salvador do Mundo interceda por vós, abençoe os vossos trabalhos, as vossas canseiras, os vossos campos, os vossos animais. Com fé. com amor, dizei ao Divino Salvador do Mundo o ’muito obrigado’! Ele é o Senhor de tudo. Ele dá-nos tudo, é o nosso Pai. por isso confiai nele. Que o Divino Salvador do Mundo nos salve a todos E que hoje, neste dia. conceda muitas graças e muitas bênçãos para todos vós, abençoe as vossas famílias, abençoe os vossos gados. São os votos do pároco desta freguesia. Agora vai seguir-se a bênção do gado. » (Segue-se o Oremus em latim.)

Notes de fin

1 Este texto, em versão alemã (trad. de Jeanne Adler), acompanha o filme realizado em 1970 pelo Instituto do Filme Científico de Göttingen, em colaboração com o Centro de Estudos de Etnologia. N.° E 1877. intitulado Kirchfest « Romaria » von Salvador do Mundo, e publicado em Institut für den Wissenschaftlichen Film, Sektion Ethnologie, Série 9. n.° 9. Göttingen. 1979.

Table des illustrations

Légende Fig. 25 – Boticas. Viveiros. As voltas do gado em torno da capela do Salvador do Mundo.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6028/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 124k
Légende Fig. 26 – Boticas. Viveiros. A bênção do gado.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6028/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 112k
Légende Fig. 27 – Boticas. Viveiros. A procissão.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6028/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 84k
Légende Fig. 28 – Boticas, Viveiros. « Amortalhados » na procissão, atrás dos andores.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6028/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 83k

© Etnográfica Press, 1995

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search