Version classiqueVersion mobile

Festividades cíclicas em Portugal

 | 
Ernesto Veiga de Oliveira

II. Romarias e festas

21. A romaria de S. Bartolomeu do Mar1

Résumé

S. Bartolomeu do Mar est une très vieille paroisse au bord de la mer, dans le NW du Portugal, à mi-chemin entre Viana do Castelo et Esposende. Son économie et sa population sont exclusivement rurales ; mais – comme il arrive d’ailleurs dans toute la région au N. du Douro – les gens, hommes et femmes. y vont à la plage pour la cueillette des algues, qui constituent un engrais supplémentaire très important. Il y a là le sanctuaire de St. Barthélemy, oú se tient une des plus curieuses « romarias » (fêtes réligieuses patronales) du N. du Portugal, le jour du Saint, le 24 aoút. Cette célebration fut très minutieusement étudiée par Mme. Callier-Boisvert. Outre ses aspects réligieux et profanes généraux – dévotions et promesses typiques, procéssion (laquelle, ici, va à la plage), amusements, musique. foire, feux d’artifice, etc. –. S. Bartolomeu do Mar présente quelques traits très importants et sugestifs : elle constitue un pelerinage spécifique contre la «peur» ou la « goute » (c’est à dire l’epilepsie ou les convulsions), comme formes de la possession démoniaque ; la promesse caracteristique. en rapport avec ce fait. est l’offrande de poulets noirs; et la fête comprend en outre un « bain sacré » dans la mer, administré par les gens du pays (dans leur costume de la cueillette des algues). et qui consiste dans trois, cinq ou sept immersions (nombre impair) dans autants de vagues. D’accord avec les descriptions du xix siècle, ces pratiques concemaient enfants et adultes ; aujourd’hui elles concement seulement les enfants, qu’on voit par centaines, dans l’église avec les poulets (qui sont ensuite gardés dans un poulailler – il y a quelques années encore à l’intérieur même du temple, à présent à l’extérieur – et qui seront. vers la fin de l’après-midi, vendus aux enchères). et aussi passant sous le brancard de St. Barthélemy. qui a la forme d’un bateau (et qui est une pratique commune contre le begayment, conséquence ou manifestation de la «peur» également). et dans la plage, pour le bain. Comme réminiscence de ce fait, il n’y a pas encore beaucoup d’années que les vrais ou faux epileptiques mendiants accouraient à cette fête, et s’exhibaient le long du chemin qui mène de l’église à la plage, et par où passe la procéssion.
D’accord avec la croyance populaire, à la St. Barthélemy le diable est en liberté. Cette célébration se présente donc comme un combat victorieux contre le démon, selon la légende du Saint, connue en Portugal depuis au moins le xv siècle. et oú tous ses composants s’enchainent ou s’articulent : l’offrande de poulets noirs (à portée démonologique), le « bain sacré » prophyl actique et purificateur, et même le passage sous le brancard du Saint – toutes en rapport avec l’action du démon. Reste à signaler l’origine conjecturale de ces pratiques, dans cette fête : le « bain sacré » vraissemblablement pré-chrétien, l’offrande de poulets noirs peut-être du Moyen-Age, la procéssion du
xviii siècle. Ajoutons finalement que des « bains sacrés » de ce même type existaient jusque tout recémment dans beaucoup d’endroits en Portugal, dans la mer, les fleuves ou des sources, à la St. Barthélemy, à la St. Jean, etc. ; dans le W. de l’Algarve, à la décolation de St. Jean (29 août), il y avait des « bains sacrés » dans la mer pour gens et animaux (chèvres et brebis).

Texte intégral

  • 1 « Geographica », 26. Lisboa. 1971. págs. 42-59.
    Este texto, em versão alemã (trad. de Heidemarie Fra (...)

1São Bartolomeu do Mar é uma povoação do litoral da província do Minho – no Noroeste do País, portanto, que corresponde ao Portugal atlântico mais característico, com o seu clima fresco e húmido, um povoamento extremamente disseminado e uma elevada densidade populacional –, a cerca de 20 km ao sul de Viana do Castelo, capital do distrito, na foz do rio Lima, e a cerca de 5 km ao norte de Esposende, sede do concelho, na foz do rio Cávado.

2A aldeia tem o aspecto e o carácter geral das demais desta zona, que vivem de uma economia exclusivamente agrícola.

3Assente num terraço compreendido entre o mar e a escarpa granítica do monte do Faro, paralelo à costa, o seu casario dispõe-se no sopé dessa escarpa, bordando, a nascente, os pinheirais do lugar (onde cresce o mato que, curtido pelo gado, constitui o adubo fundamental da terra), e, a poente, as terras de lavoura, campos e montes, que se estendem daí até às dunas da praia. O aglomerado é cortado pela velha estrada do Porto a Viana do Castelo, que faz o lado nascente do largo onde se ergue, voltando a frente para ela, a igreja nova da freguesia, construída entre 1909 e 1912, e dedicada a S. Bartolomeu. Um pouco a norte desta, no topo de um caminho que parte desse largo, encontra-se a capela primitiva, também da invocação do santo, que, abandonada depois da edificação da actual igreja, e praticamente desertada, foi recentemente restaurada e arranjada; e, um pouco adiante dela, na orla dos campos, uma velha fonte de mergulho ao raso do solo.

4A população compõe-se apenas de gente da terra, pequenos lavradores e cabaneiros, que, uns e outros – e como sucede em toda esta costa a norte do Douro – vão porém ao mar, mas unicamente para a apanha do sargaço, que constitui um adubo suplementar. A agricultura, praticamente de subsistência (com pequenos excedentes que entram num circuito comercial rudimentar), é uma policultura de tipo arcaico e intensivo – o ciclo agrário do milho, com o seu rotativismo de cereal e pastos, e uma produção hortícola considerável, para consumo e venda – à base de um trabalho assíduo, minucioso, absorvente e engenhoso, e, até há pouco, de carácter apenas familiar.

5Como nota Mme. Boisvert «a comuna, ultrapassando o estádio de autoconsumo, com venda do excedente – nomeadamente os produtos hortícolas, a cebola e o leite –, participa do desenvolvimento económico da região do Porto». Mas a produção daqueles excedentes «mantém-se à escala da pequena exploração, ao mesmo tempo que se integra no conjunto regional. O desenvolvimento, por isso, não implica mudança de estrutura».

6A praia, para lá da linha das dunas, e aonde se acede por um outro caminho que parte das traseiras do largo da igreja e termina, a uns centos de metros a poente, já do lado do mar, num cruzeiro singelo, hoje de pedra, mas, há ainda poucos anos, de madeira, é constituída por uma larga faixa arenosa, extensa e rectilínea, franjada de penedia rasa.

7Durante todo o ano, ela fica deserta, apenas com o reduzido movimento da apanha do sargaço, aqui feita por essa gente da terra, homens ou mulheres, sem barcos nem jangadas. A meia altura da duna erguem-se alguns barracos de abrigo, em pedra solta, onde os sargaceiros recolhem as suas alfaias; e, a par deles, uma ou outra casa de habitação permanente.

8Nesta localidade, não apenas a economia mas também as técnicas, o nível material e o ambiente social e moral, estruturam-se em moldes de velha tradição. A vida das pessoas é simples e modesta, os seus costumes são brandos, as suas crenças ingénuas: as casas e o traje são pobres, e todo o seu tempo é gasto no trabalho; o numerário é escasso e os serviços que exigem muita gente ao mesmo tempo realizam-se pelo sistema de permuta vicinal, como trabalhos colectivos gratuitos e recíprocos.

9Aqui, como em toda a Província – e mesmo, actualmente, todo o País – verifica-se um forte movimento de emigração para fora, especialmente por parte dos homens. As mulheres têm por isso um papel importante na família, e exercem todas as actividades agrícolas, incluso, como dissemos, a apanha do sargaço.

10A localidade parece ser muito antiga. Nos fins do século XI já o lugar se chama S. Bartolomeu e corresponde a uma paróquia, o que atesta uma certa densidade de população. Ela é assim uma das duas mais antigas paróquias portuguesas com o nome do santo. Nas inquirições de 1220 ela é designada pelo nome de S. Bartolomeu de Vila d’Atam, e é vigairaria da apresentação do mosteiro beneditino de Palme – o que, como nota Mme. Boisvert, se deve situar na origem da difusão do culto desse apóstolo-mártir na região. Em 1527, o seu nome é S. Bartolomeu das Marinhas, que finalmente se muda para S. Bartolomeu do Mar.

11As romarias são festas religiosas em honra de um santo ou uma invocação divina, patronos de um santuário. Essa festa, que é numa data certa – geralmente a noitada da véspera e o dia do santo –, compreende, além dos actos litúrgicos propriamente ditos – missa de festa com sermão, e as mais das vezes procissão –, outros elementos de natureza diversa e de igual importância, religiosos e profanos, cristãos e mágico-supersticiosos, cerimoniais e lúdicos, numa mistura característica extremamente variada e complexa – devoções especiais, cumprimento de promessas típicas gerais ou, em certos casos, específicas (estas então relacionadas com poderes especiais delas próprias ou do santo), ornamentações, fogos-de-artifício, diversões, música, danças, merendas, feira regional, tendinhas de comes e bebes, doces, louças, bugigangas, fruta, etc.

12As romarias têm sempre atrás de si uma comissão de festeiros ou mordomos anuais, que se ocupam do arranjo do santuário e da organização da festa, e que, no próprio dia, envergando opa branca ou de cor, e ajudados por auxiliares por eles escolhidos, têm a seu cargo a recepção de óbulos e oferendas e seguidamente o leilão destas últimas, policiamento do recinto, etc.; e que acompanham depois a procissão. Esses festeiros são em regra designados pela comissão ou mordomia cessantes; mas em certos casos existe uma confraria ligada ao santo patrono, e é então essa quem, cada ano, nomeia os festeiros escolhidos entre os seus membros. Em casos mais raros – e é o que sucede em S. Bartolomeu do Mar – é o pároco quem escolhe os festeiros e preside à comissão, e os mordomos são voluntários seus conhecidos.

13O recinto onde tem lugar a festa, quase sempre em tomo da igreja – o arraial –, e as imediações que lhe dão acesso são em regra ornamentados caracteristicamente com arcos e luminárias coloridas, de fantasia; e é aí que se dispõe geralmente a feira e as diversões.

14Dentro do templo, ao lado dos altares floridos e iluminados, vêem-se, pousados no chão, os andores para a procissão, com os santos no alto, emergindo de torres de flores de papel, fitas, emblemas e outros elementos decorativos. Geralmente, os romeiros, logo que chegam, dão três ou mais voltas em redor do templo, antes de entrarem. Na casa da confraria, ou, mais frequentemente, na própria igreja, num recanto ao lado da porta, numa mesa a que assistem festeiros, encontram-se uma ou mais imagens pequenas do santo, em madeira, «registos» também do santo e uma salva para os óbulos; os romeiros beijam, dão a beijar aos filhos, pousam ou esfregam na cabeça, própria e dos filhos, uma dessas imagens do santo que está sobre a mesa, e deixam o seu óbulo; outros, também contra um óbulo, levam uma dessas imagens para darem, com ela nos braços ou à cabeça, fora, as voltas prometidas à igreja, entregando-a depois outra vez na mesa; outros, ainda, compram um ou mais «registos», que às vezes colocam seguidamente no chapéu.

15Entre as promessas típicas gerais, que tomam a mesma forma em todos os casos e se dirigem indistintamente a qualquer santo, as mais correntes são, além de ofertas variadas – em dinheiro, ouro, tranças, ex-votos de cera (círios ou figuras do órgão ou animal curado) ou quadros que celebram o milagre (estes, hoje, muito raros) –, sobretudo as voltas em tomo do santuário, de joelhos, com o rosário nas mãos; por vezes, a promessa consiste em se ir vestido com uma mortalha e assim seguem depois na procissão ; outrora, havia amortalhados que prometiam mesmo dar as voltas à igreja deitados num caixão de defunto (que para esse efeito se alugava à confraria).

16Há também promessas de se ir à romaria sem falar (com uma flor na boca como sinal), em «novena», etc. Não raro estas penitências ou mortificações iniciam-se longe do santuário, do ponto donde este se avista pela primeira vez, ou de qualquer cruzeiro do caminho.

17Por seu turno, as promessas específicas são próprias ora de certos males, ora de determinados santos, em geral, ou invocações locais – os chamados «santos advogados». A lista dessas promessas ou advocacias é extremamente longa e fantasista; em regra, elas são estabelecidas de acordo com os princípios gerais da magia imitativa ou simpatizante, ou com a origem e interpretação, históricas ou lendárias, dos elementos em causa, certamente como sobrevivência de práticas ou conceitos muito remotos. Aliás, verifica-se uma grande mistura de conceitos entrecruzados, em que, para cada caso, esses elementos – a entidade divina, o mal e a promessa – são indissociáveis: o mesmo santo aparece como advogado contra um certo mal numas regiões, e contra mal diferente noutras, correspondendo-lhe, em ambos os casos, promessas específicas iguais ou não; a mesma promessa corresponde a um santo determinado numa região, e a um santo diferente noutra, sejam eles advogados do mesmo ou de diferentes males, etc.

  • 2 Deve-se notar que, até há muito poucos anos, subsistiam em muitas partes de Portugal «banhos santos (...)

18Todos aqueles aspectos gerais ocorrem, nos termos indicados, na romaria de S. Bartolomeu do Mar. Contudo, nela se destacam certas particularidades que lhe são exclusivas ou específicas: o S. Bartolomeu, aqui, é advogado contra a epilepsia – o «mal da gota», ou o «mal sagrado», dos antigos; ou seja, no conceito popular, a possessão pelo Diabo, e o «medo» e a gaguez (que, por princípio, é uma consequência do «medo»), que são também formas atenuadas daquela possessão – por outras palavras, advogado contra o mais típico malefício do Diabo; e, relacionados com a natureza do santo, têm aqui lugar, nesse dia, o banho santo, na praia2, e as promessas específicas – os frangos pretos –, ambos hoje respeitantes apenas às crianças, como práticas profilácticas contra o «medo», exprimindo o sentido fundamental da própria celebração, verosimilmente herdeira de outra, decerto muito remota.

19Como sucede também em todas as romarias nortenhas, ao S. Bartolomeu do Mar acorrem não só os devotos locais, mas romeiros de toda a espécie e de perto ou de longe, fiéis e vendedores, atraídos pelas diversões e a feira, pelo espectáculo da procissão, das ornamentações e do fogo, pelo gosto da convivência; e mendigos, estropeados e ciganos, pedindo esmola ao longo dos caminhos. Vimos assim romeiros do Alto e Baixo Minho, da beira-mar e da serra, de Trás-os-Montes e do Porto; já nos princípios do século xviii, Carvalho da Costa registou a comparência, ali, de gente dos Arcos, Ponte da Barca, Ponte de Lima e Paredes de Coura. Outrora, eles vinham em carrocinhas ou a pé, as mulheres com os cestos da merenda à cabeça; mais tarde, em bicicletas, às centenas, e os de terras mais distantes, em autocarros. Hoje, aos romeiros juntam-se veraneantes, forasteiros e turistas, por curiosidade e para o banho de mar; e os automóveis, que atravancam o recinto, as imediações e os caminhos, suplantam esses antigos meios de transporte. Mas também uma particularidade aqui se nota, igualmente relacionada com o sentido mais fundo da celebração: a frequência enorme de crianças, a quem as cerimónias específicas da festa – os frangos pretos e o «banho santo» –, pelo menos actualmente, respeitam fundamentalmente. O S. Bartolomeu é a 24 de Agosto, mas as manifestações de festa começam já no dia 22, com a feira do linho, no largo da igreja, decorada com arcos e florões, como de costume. A feira do linho, que durava os três dias (como já o padre Carvalho notara em 1706, acrescentando que ela rendia aos frades 120 mil réis), é a única feira anual local, outrora ocasião de trocas dos produtos da região, sobretudo o linho, contra utensilagem manufacturada. Hoje, ela é um vulgar mercado, onde a gente da terra se abastece, e que termina no fim desse dia.

20O início da festa propriamente dita é porém no dia 23, depois do meio-dia, quando chegam as duas bandas de música contratadas pela comissão, e que tocam em dois coretos montados para tal no largo da igreja, um a cada lado, no meio das tendinhas dos feirantes. Nessa tarde, geralmente, vinham já muitos romeiros de regiões mais distantes, que pernoitavam nas casas ou barracos dos lavradores, ou, se o tempo estava bom, ao relento, na praia. E à noite queimava-se o primeiro fogo-de-artifício.

21No dia 24, de manhã cedo, a alvorada é dada com os costumados foguetes e morteiros. Começam então a afluir os romeiros, que logo dão as voltas prometidas à igreja, antes de entrarem para cumprirem as suas devoções, homens e mulheres, levando pela mão os filhos pequenos, estes muitas vezes com o seu frango vivo ao colo ou seguro pelas patas, que vão amarradas (fig. 21). Dantes, esses frangos eram sempre pretos; agora, há-os também de outras cores. Terminadas as voltas prometidas, as pessoas, com ou sem os frangos, entram na igreja pela porta principal (porque a afluência é tanta que se tomou necessário fixar um circuito), e aí, as crianças ou suas mães, que trazem os frangos, entregam estes a uma auxiliar dos festeiros que está junto de uma porta lateral que dá para fora, para um galinheiro improvisado, onde ela os recolhe; outrora, esse galinheiro ficava mesmo dentro da igreja, num recanto à direita da entrada principal. Quando os romeiros não trouxeram consigo frangos, mas pretendem que um seu filho dê as voltas com esse animal, compram aos festeiros um que já ali fora entregue, e que volta a entregar depois de cumpridas essas voltas. Dentro da igreja, à esquerda da entrada, está a mesa dos festeiros, com as imagens do santo para os ritos habituais, os «registos» para venda e a salva para os donativos; e, à direita, pousados no chão, os andores, resplandecentes de decorações. O andor do santo patrono, mais perto do altar-mor, representa um barco, e está pousado em andas, um pouco acima do solo; e, ao seu lado, vê-se uma caixa de esmolas. Os fiéis, com crianças às centenas, comprimem-se junto da mesa dos festeiros, beijando e dando a beijar a imagem do santo, comprando registos, etc., e seguindo depois para as suas devoções, para a praia, ou para as distracções que a festa oferece. Junto do andor de S. Bartolomeu, também se adensa a multidão com centenas de crianças, que, num desfile ininterrupto, passam sob a proa do barco que forma esse andor. Em Portugal, a passagem sob o andor de um santo constitui geralmente um rito popular profiláctico contra a gaguez. Aqui, as crianças dão uma ou, mais correntemente, três voltas em redor da caixa de esmolas que está adiante do andor (e onde depois deitam o seu óbulo), de modo a passarem de cada vez sob a proa do barco do andor. Algumas vão ainda ao colo ou pela mão da mãe ou do pai, que passam então também; uma ou outra leva o seu frango nos braços. Por vezes, é mesmo um adulto quem passa, a pé, curvado, ou de joelhos.

22Pelas 11 horas, realiza-se a missa, de festa e grande cerimonial, precedida pelo repicar dos sinos, que anunciam depois o seu final.

23Entretanto, fora, no largo, o movimento de romeiros cresce, e com ele a animação, a afluência às tendas de diversões, de comes e bebes, no meio do atroar dos altifalantes, que tocam um reportório festivo, e anunciam os actos litúrgicos, transmitem mensagens, etc. Na capela primitiva, onde outrora tinha lugar a celebração, não se passa hoje nada, a não ser as devoções normais de alguns fiéis. Na Fonte Santa, ao lado dela, há, porém, gente a dar de beber a crianças, e alguns enchem com a sua água bilhas que levam consigo.

24Pelo caminho da praia adiante, ao lado do fluxo de romeiros que, cumpridas as promessas e devoções, seguem num formigar denso e incessante da igreja para a beira-mar, exibem-se e pedincham mendigos, aleijados e doentes; entre estes, os que ainda há poucos anos avultavam – e agora desaparecidos – eram os epilépticos, verdadeiros ou falsos, que, seminus, esqueléticos e tisnados, deitados sobre mantas e com um pano amarrado na testa, espumando e batendo espasmodicamente as mãos, satisfaziam a curiosidade do público, que lhes atirava tostões para um prato.

25Na praia, cresce também a multidão, deambulando, sentada nas dunas, olhando o mar, brincando, comendo, concentrada sobretudo à beira da água, onde tem lugar o banho das crianças, que ali vão às centenas, para «perder o medo». A família vai-as despindo, entregando-as em seguida, as mais das vezes completamente nuas, aos sargaceiros ou sargaceiras que nesse dia fazem de banheiros, e que as levam, para os mergulhos rituais, em regra três – as três «ondas» –, muito raramente mais (fig. 22, 23) – sempre em número ímpar (ou pernão), de acordo com a prescrição mágica popular. As crianças, nos braços dos banheiros, debatem-se, choram, gritam; os mergulhos são dados de cabeça em primeiro lugar; o banheiro geralmente (como aliás sucede com frequência mesmo nos banhos de mar comuns) faz o sinal-da-cruz sobre a criança; e, após cada mergulho, limpa-lhe a água da cara com a mão. Findos os mergulhos da conta, o banheiro trá-la de novo aos pais, que a secam e vestem, e pagam o preço convencionado pelo banho. Entretanto a animação aumenta. O altifalante atroa os ares; as mulheres, de cântaros à cabeça, circulam, vendendo água; passa o homem das ventoinhas; ciganas lêem a sina; aqui e além, canta-se e dança-se ao som da concertina, no meio de um círculo compacto de curiosos. A excitação sobe; os moços perseguem as moças, com empurrões e rasteiras, a ver se as atiram ao chão. E, por todo o areal, as famílias em grupo atacam os merendeiras, que são um dos atractivos destas ocasiões.

Fig. 21 – Esposende, S. Bartolomeu do Mar.

Fig. 21 – Esposende, S. Bartolomeu do Mar.

26Pelas 15 horas, anunciada por foguetes, sai a procissão da igreja, com os festeiros à frente, de opa vermelha, com a cruz e os lampiões, e um deles fazendo o peditório entre a assistência, que se alinha para a ver passar, abrindo o passo aos andores – S. Sebastião, muitas vezes levado por rapazes militares, Senhora das Dores, Senhora de Fátima, Senhora dos Navegantes, Senhor dos Passos e, enfim, São Bartolomeu. Cada andor é precedido pelo pendão da imagem respectiva, e seguido por crianças vestidas de anjos, apóstolos, ou diversas figurações de pessoas divinas, ostentando os seus emblemas, e por grupos das Juventudes Católicas, com o traje uniforme. Outrora, viam-se também «amortalhados», atrás do andor da imagem da devoção dos diversos penitentes; hoje, esse género de promessas é, aqui, muito raro. Fechando o cortejo, os três padres que disseram a missa vão sob um dossel de seda amarela; depois, as duas filarmónicas, tocando alternadamente marchas solenes, e finalmente a multidão dos romeiros e curiosos.

27A procissão segue o caminho da praia e vai até ao cruzeiro que fica no pendor da duna, contomando-o e parando, voltada ao mar (fig. 24). Então o pregador escolhido sobe a um púlpito improvisado, erguido sobre os barracos do sargaço, e profere um sermão cujo tema central é geralmente o mar. Findo o sermão, a procissão retoma a sua marcha pelo mesmo caminho, em sentido contrário, entre foguetes, regressando à igreja, onde termina.

28Pelas 18 horas começa, junto à igreja, o leilão das oferendas, nomeadamente dos frangos, que prossegue pela tarde fora. À meia-noite, um grande fogo-de-artifício marca o final da celebração.

29S. Bartolomeu é um dos doze apóstolos, que S. Mateus e S. Lucas associam a S. Filipe, e S. João – aparentemente com razão – identifica com Nataniel, e que pregou na Mesopotâmia, Pérsia, Egipto, Frigia, Arménia, margens do mar Negro, etc. Fora dos Evangelhos, ele é mencionado por Eusébio, que fala em cristãos vivendo na «Índia» no século II, e que haviam sido evangelizados por S. Bartolomeu.

30Segundo a lenda (difundida pela acção dos conventos a partir do século XII, e que aparece na «Lenda Dourada», de Jacques de Voragine, de 1260), S. Bartolomeu, na «Índia», domina, acorrenta e depois solta e expulsa para o deserto o Demónio que, através dos ídolos Astaroth e Berith (e contra ofertas que lhe eram feitas), pretendia curar os possessos, mas apenas os livrava momentaneamente do seu mal; o santo começa então a curar ele próprio esses doentes; e tendo livrado a filha do rei Polémius da loucura de que sofria, este e a sua família e todo o seu povo pedem o baptismo. Numa versão (que, de resto, não goza de grande autoridade), o rei Astragés, irmão de Polémius, vinga-se depois do apóstolo, mandando-o açoitar e depois esfolar vivo. Por isso, nas representações do santo – que conhecemos em Portugal já no século xvi –, este figura com uma faca na mão, símbolo do seu martírio, e com o Demónio acorrentado aos pés.

31S. Bartolomeu, por isso, no seu dia. cura os possessos ou endemoninhados, e vence e expulsa o Diabo, sendo-lhe dedicadas ofertas específicas: e a sua acção completa-se com um banho purificador e profiláctico.

32Esta lenda parece ter sido bem conhecida em Portugal, pelo menos já no século XV. E como, em vários pontos do País, ocorrem outras festividades ou romarias em honra de S. Bartolomeu, mostrando certos elementos idênticos aos que descrevemos – nomeadamente análogos ritos de água –, pode-se entender não só que todas elas tiveram a mesma origem, mas mesmo que essa origem é aquela lenda. E entre essas romarias deve contar-se, como das mais antigas, a de S. Bartolomeu do Mar, tendo em atenção a própria antiguidade da freguesia.

Figs. 22 et 23 — Esposende, S. Bartolomeu. O banho santo, na praia.

Figs. 22 et 23 — Esposende, S. Bartolomeu. O banho santo, na praia.

33Segundo a crença popular portuguesa, no dia de S. Bartolomeu anda o Diabo à solta. O «banho santo» – que aliás, também de acordo com a crença popular, nesse dia vale por sete – é o remédio específico contra o «medo» – as crianças, com menos de sete anos, banhando-se da forma descrita três anos seguidos, ficam livres do «medo»; as que já estão «tolhidas» ou gaguejam por «medo» que sofreram, vêm também nesse dia ao banho, à procura do milagre da sua cura ou das melhoras, confiadas na «virtude» que ali então têm as águas. Mas o banho é sobretudo o remédio preventivo contra a epilepsia (que, segundo a crença, a criança pode contrair, por exemplo, se a mãe atravessa um ribeiro ou bebe um copo de água enquanto a amamenta). O «banho santo» de S. Bartolomeu do Mar é pois um remédio contra o «medo» e a epilepsia, ou seja, as formas típicas da possessão pelo Demónio. A festa actual apresenta-se assim, tal como conta a lenda, como uma luta vitoriosa do Santo contra o Demónio, um grandioso e espectacular exorcismo colectivo. E a comparência regular e deliberada dos epilépticos, que outrora se verificava, parece confirmar claramente esta relação. O quadro completa-se com a oferta característica dos frangos pretos, própria desta celebração e específica também contra o «medo» e o mal da gota – é sabido como todos os animais dessa cor desempenham um papel importante na demonologia popular –, e com a prática da passagem sob o andor do santo, contra a gaguez, que deriva do «medo». Todos os elementos e crenças subjacentes deste complexo ritual – o Diabo dominado e à solta, o «banho santo», o «medo», a gaguez, os epilépticos, os endemoninhados – aparecem assim ligados e convergentes. Actualmente, estas práticas referem-se apenas ao «medo», e às crianças, que dão ao rito o seu tom fundamental. Mas elas diziam certamente respeito também aos adultos que sofriam de epilepsia ou convulsões, podendo supor-se que a comparência dos epilépticos, que até há pouco se verificava, representava o último vestígio desse estado de coisas.

34Seja porém como for, supomos que, neste caso, não se trata meramente de uma cerimónia cristã, que como tal seria relativamente tardia: esta deve ter-se sobreposto a um rito anterior, de origem pagã, do culto das águas. Como diz Mme. Boisvert, o «banho santo», aqui, tem um significado que ultrapassa o significado cristão do baptismo e se liga ao simbolismo universal das águas, purificadoras, protectoras e regeneradoras. O «banho santo» representaria assim uma sobrevivência da antiguidade pré-cristã; as promessas de frangos, uma prática medieval; a procissão, uma criação do século xviii, O problema poderá consistir em determinar se o culto a S. Bartolomeu não terá sido instituído precisamente em alguns desses locais onde existia anteriormente um culto pagão das águas, que ele então veio recobrir e que cristianizou, embora sem poder integrar e assimilar perfeitamente todos os elementos que nele se verificavam.

Fig. 24 – Esposende. S. Bartolomeu. A procissão junto ao mar.

Fig. 24 – Esposende. S. Bartolomeu. A procissão junto ao mar.

35Numa sociedade rural imersa ainda na sua cultura tradicional de tipo arcaico, que não dispõe de noções e conhecimentos terapêuticos racionais ou sequer empíricos, as crenças e práticas do S. Bartolomeu – como aliás todo o seu sistema mágico-religioso do mesmo género – desempenham sem dúvida um papel importante no equilíbrio psíquico das gentes, como único meio de se precaverem contra males que, neste caso, são, para mais, de natureza fugidia, e que inclusive podem ser desencadeados pelo receio da não observância dos referidos preceitos.

Bibliographie

Emesto Veiga de Oliveira – A Romaria de S. Bartolomeu do Mar em Esposende, in «Cultura e Arte», página cultural de «O Comércio do Porto», IX. 1959.

Colette Callier-Boisvert – Survivances d’un bain sacré au Portugal. São Bartolomeu do Mar. in « Bulletin des Etudes Portugaises » (Institut Français au Portugal), nouvelle série, tome trente, 1969 (com ampla bibliografia).

Jorge Dias – Banhos Santos, in Actas do Colóquio de Estudos Etnográficos « Dr. José Leite de Vasconcelos », vol. III, págs. 195-200. Porto. 1960.

Padre António Carvalho da Costa – Corografia Portuguesa. I, pág. 269. Braga. 1868.

Notes

1 « Geographica », 26. Lisboa. 1971. págs. 42-59.
Este texto, em versão alemã (trad. de Heidemarie Frank). acompanha o filme realizado em 1970 pelo Instituto do Filme Científico, de Göttingen, em colaboração com o Centro de Estudos de Etnologia, de Lisboa. N.° E 1889. intitulado Kirchfest « Romaria » S. Bartolomeu do Mar. e publicado em Institui fiir den Wissenschaftlichen Film. Sektion Ethnologie, Götingen. 1974.

2 Deve-se notar que, até há muito poucos anos, subsistiam em muitas partes de Portugal «banhos santos» ou rituais deste mesmo tipo, alguns igualmente no dia de S. Bartolomeu, no mar ou em fontes ou rios, outros sobretudo na noite de S. João (24 de Junho), alguns, nomeadamente no Barlavento algarvio, no dia 29 de Agosto (Degolação de S. João), para pessoas e animais (ovinos e caprinos).

Table des illustrations

Titre Fig. 21 – Esposende, S. Bartolomeu do Mar.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6023/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 100k
Titre Figs. 22 et 23 — Esposende, S. Bartolomeu. O banho santo, na praia.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6023/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 200k
Titre Fig. 24 – Esposende. S. Bartolomeu. A procissão junto ao mar.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/6023/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 97k

© Etnográfica Press, 1995

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search