Version classiqueVersion mobile

Festividades cíclicas em Portugal

 | 
Ernesto Veiga de Oliveira

I. Festividades cíclicas

18. A palha do natal no concelho de Vila do Conde1

Texte intégral

  • 1 «Trabalhos de Antropologia e Etnologia », XV, 1-2, Porto, 1954, págs. 107-110.
  • 2 Acerca do roubo como elemento ritual obrigatório e processo específico de aquisição em relação com (...)
  • 3 A ceia tradicional compõe-se ali, como em muitos outros casos portugueses, de bacalhau cozido com b (...)

1No lugar de Vilarinho, do concelho de Vila do Conde, é costume na noite de Natal estender-se palha no chão em redor da lareira, onde arde um grande toro de carvalho, geralmente roubado em qualquer noite anterior2 É sentadas sobre ela que as pessoas comem a ceia da consoada familiar, servida num alguidar que se pousa no meio dos convivas3.

2Finda esta, canta-se, brinca-se, salta-se, dá-se largas à alegria de toda a maneira: os moços, enfarruscados com «surrascas» do lume, algum deles vestidos, por exemplo, com um camisão branco por cima do fato, divertem a assistência e metem sustos às crianças; outras vezes, fazem o «bicho da manta», em que uma pessoa, coberta de um pano, a imitar um animal, com os braços de fora em ar de chifres, investe contra os presentes. Em geral, correm a vizinhança com as mesmas travessuras e musicatas, e assim, enfarpelados ou simplesmente nessa disposição de brincadeira, andam de casa em casa em visitas cómicas, a espalhar o folguedo.

3No fim da festa, e quando o frio não é demasiado, é frequente rapazes e raparigas dormirem ali mesmo na palha, cobertos com mantas.

4No Mindelo, de modo semelhante, agarrava-se um colmeiro de palha, espalhava-se esta no chão, no meio da cozinha, cobria-se com mantas, e ali se dormia toda a noite até à missa do dia seguinte, de manhã; a palha por vezes ficava assim durante todo o dia 25, e só se retirava à noite. E na Póvoa de Varzim, na noite da Consoada, sobre o soalho da casa onde se vai cear, espalha-se do mesmo modo grande quantidade de feno e palha, lembrando que «não havia na cabana senão feno e mais palha que cobria o Deus Menino, e era a sua mortalha». Em cima do feno estende-se a toalha, e sobre esta pousam-se as bacias com o peixe; sentam-se todos à volta, e começa assim a ceia; no final, cantam-se os versos ao Menino, ao som das violas e ferrinhos, para em seguida se deitarem todos no feno, até à hora da Missa do Galo.

  • 4 Maria Peregrina de Sousa – Costumes Populares da Maia, I – O Natal, « Anuário para o estudo das tra (...)

5Já Maria Peregrina de Sousa, a propósito do Natal em terras da Maia, alude a esta prática, embora em termos um pouco diferentes dos que apontamos, dizendo que «antigamente se usava (o que ainda hoje alguns usam) deitar depois da ceia palha em toda a cozinha (ou sala em que estão reunidos) para as crianças saltarem à vontade sem se magoarem. No lar arde um grande toco de carvalho, que só se apaga no fim da noite...»4.

  • 5 Yule log é a designação inglesa para o grande toro de carvalho que se queima na noite de Natal, e c (...)
  • 6 C. W. v. Sidow – The Mannhardtian theories about the last sheaf and the Fertility demons from a mod (...)

6Sidow, pelo seu lado, mencionando os sinais visíveis que anunciam a chegada do Natal – entende-se que na Suécia –, fala no Yule log 5e na palha que nessa noite se espalha no chão, dando a explicação de que tal se faz «porque Cristo nasceu nas palhas»6.

7Na Dinamarca, porém, onde o costume de se dormir sobre a palha na noite de Natal é também conhecido, informam-nos de que ele tem lugar a fim de que os mortos, que nessa noite comparecem, se possam deitar e dormir nas suas camas, daquela forma desocupadas. E a associação das celebrações do Natal com o culto dos mortos encontra eco entre nós em muitos costumes – por exemplo naquele que ainda há pouco se verificava em algumas casas, no Porto, de, numa sala à parte, se dispor, na noite da Consoada, uma duplicação da ceia, que era destinada aos mortos familiares, nessa ocasião especialmente evocados. A seguinte quadra, ouvida na nossa infância, traduz em forma lírica, se não popular, a mesma ideia, que é pois viva no espírito da gente:

  • 7 Ou: «Os que amamos e já foram.»

Nesta noite ninguém cuide
Encontrar-se à mesa a sós,
Porque os nossos queridos mortos7
Vêm sentar-se junto a nós.

8Vemos assim, em Portugal, as celebrações do Natal associadas também, em certos casos, ao culto dos mortos, sob a forma da evocação da sua presença. É portanto possível que o costume de Vilarinho represente o que resta de mais uma manifestação dessa natureza, com o sentido que lhe é dado na versão dinamarquesa, que aqui já se teria esquecido.

Notes

1 «Trabalhos de Antropologia e Etnologia », XV, 1-2, Porto, 1954, págs. 107-110.

2 Acerca do roubo como elemento ritual obrigatório e processo específico de aquisição em relação com determinadas celebrações, veja-se o capítulo «Roubo Ritual».

3 A ceia tradicional compõe-se ali, como em muitos outros casos portugueses, de bacalhau cozido com batatas e couves, rabanadas e vinho; as crianças, as mais das vezes, servem-se directamente do alguidar que mencionámos.

4 Maria Peregrina de Sousa – Costumes Populares da Maia, I – O Natal, « Anuário para o estudo das tradições populares portuguesas », Porto, 1882, pág. 33.

5 Yule log é a designação inglesa para o grande toro de carvalho que se queima na noite de Natal, e cujo sentido mítico originário, a despeito da crítica de Sidow, não parece duvidoso.

6 C. W. v. Sidow – The Mannhardtian theories about the last sheaf and the Fertility demons from a modern criticai point of view. « Selected Papers on Folklore », Copenhague, 1948, pág. 99 e nota 23. pág. 244.

7 Ou: «Os que amamos e já foram.»

© Etnográfica Press, 1995

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search