Version classiqueVersion mobile

Festividades cíclicas em Portugal

 | 
Ernesto Veiga de Oliveira

I. Festividades cíclicas

17. O culto dos mortos no natal1

Texte intégral

  • 1 «Céltica», Porto, 1960, págs. 73-74.
  • 2 Ou: «Os que amamos e já foram.»

«Nesta noite ninguém cuide
Encontrar-se à mesa a sós,
Porque os nossos queridos mortos2
Vêm sentar-se junto de nós.»

  • 3 Cfr. Consiglieri Pedroso, Tradições Populares Portuguesas, XVI – Almas do outro mundo. « O Positivi (...)
  • 4 Cfr. Alberto V. Braga. Guimarães: Tradições e Usanças Populares, I, Col. Silva Vieira, págs. 166-16 (...)

1Esta quadra, ouvida na nossa infância, parece traduzir apenas, na modéstia do seu lirismo despretensioso, o significado corrente do Natal, como festa que consagra, em volta da mesa da ceia, o próprio espírito da casa e da família, presente nos vivos e na evocação dos mortos queridos. Na realidade, porém, ela exprime uma ideia mais geral e obscura, que, para lá desse sentimento imediato, bebe talvez a sua origem em qualquer cerimónia primitivamente relacionada com o culto dos mortos, que teria lugar na mesma quadra do ano, e que a celebração cristã do nascimento de Jesus absorveu, com um novo conteúdo. Com efeito, são – ou eram até há ainda poucos anos – muito numerosos e significativos os costumes e práticas próprias do Natal, que aparecem associadas à evocação dos defuntos, designadamente sob a forma de crença na sua comparência, nessa noite, na casa onde viveram. Assim, por exemplo, no Alto Minho, para a ceia da consoada, punha-se um talher a mais na mesa, que se destinava à pessoa de família falecida em data mais recente3; mesmo na cidade do Porto, em certas casas, dispõe-se numa sala à parte uma duplicação da ceia, destinada aos mortos familiares, especialmente evocados nessa ocasião; em terras de Guimarães, em Santa Leocádia, coloca-se fora da porta, à meia-noite da véspera e da noite de Natal, um prato com pedaços de tudo aquilo de que se compôs a ceia, que é para as almas; mas é preciso que, ao pôr esse prato, se leve uma luz para que elas – que vêm sob a forma de borboletas, brancas ou pretas conforme estão em bom ou mau lugar – possam ver o que lhes é destinado4.

  • 5 Em Guimarães, entende-se que as migalhas que ficam da ceia, depois de aproveitadas pelas almas, dev (...)
  • 6 Consiglieri Pedroso e J. Leite de Vasconcelos, op. e loc. cit. No Barroso, antes de começar a ceia, (...)

2Em várias localidades, como Guimarães, terras do Barroso, Rio Tinto, nos arredores do Porto, etc., a mesa da ceia da consoada, na véspera do Natal, não se levanta, para que os mortos, ou as «alminhas», que nessa data comparecem, por vezes a altas horas, encontrem de comer. Por vezes, nestes ou noutros casos, a ceia das «almas» – as «almas errantes» – são as migalhas da ceia dos vivos5; dentro desta ordem de ideias, a reza pelas almas familiares que em Briteiros, segundo o relato de Martins Sarmento, se fazia na noite de Natal, tinha como fim expresso impedir que elas viessem comer essas migalhas, perturbando dessa maneira os vivos6.

3Entre os manjares cerimoniais do dia dos Fiéis, encontramos em Oliveirinha (Aveiro) as papas de abóbora-menina. Nesta celebração, a abóbora é sem dúvida excepcional; mas em Coimbra vemos, também neste dia, a abóbora associada a práticas respeitantes ao culto dos mortos, personalizando, em sugestiva figuração, a ideia que ali preside ao peditório dos bolos que constituem a oferta para os que estão «debaixo da cruz». Uma das sobremesas tradicionais da ceia da consoada, na véspera do Natal, no Norte do País, são os bolos de bolina ou de gerimum – isto é, de abóbora-menina –, que, portanto, à luz de todos estes costumes, parece constituir, em certas ocasiões, um alimento relacionado com aquele culto.

4Sobre os resíduos da velha crença obscura e tenaz, o homem vai tecendo formas novas, que a ela se adaptam. É hoje normal a visita aos cemitérios da cidade no dia da consoada; e divulgado entre nós o uso do azevinho como flor específica do Natal, logo ele se ajustou ao sentimento profundo que liga tradicionalmente essa festa aos mortos, e vêem-se então as campas guarnecidas com a mesma flor que, à noite, personifica o espírito da celebração sobre a mesa da ceia familiar.

  • 7 Cfr. Ernesto Veiga de Oliveira. A palha do Natal no Concelho de Vila do Conde. «Trabalhos de Antrop (...)
  • 8 Cfr. Maria Peregrina de Sousa. Costumes Populares da Maia – O Natal, « Anuário para o estudo das tr (...)

5Mas não é só em relação à ceia propriamente dita que o Natal se qualifica, em alguns dos seus aspectos, como herdeiro de uma festa dos mortos. Veremos a seguir que o costume de se estender palha no chão, em redor da lareira, na noite da consoada, que se observa em vários pontos do Norte do País – em terras da Maia, na Póvoa de Varzim, em Vilarinho, no concelho de Vila do Conde, etc. –, pode talvez ser interpretado como uma prática relacionada também com o culto dos mortos, e como uma manifestação da crença na sua comparência na casa onde viveram, nessa data7. A propósito da Maia, Maria Peregrina de Sousa, depois de descrever o acto, entende que a palha se estende no chão para que as crianças possam saltar à vontade sem se magoarem8; pelo seu tumo, Santos Graça, falando da Póvoa de Varzim, explica o mesmo costume como sendo a comemoração do nascimento de Jesus sobre as palhas do estábulo de Belém, dizendo que, finda a ceia e enquanto se espera a Missa do Galo, as pessoas cantam versos ao menino com música de violas e ferrinhos, e deitam-se no feno ou palha, «lembrando-se que

  • 9 A. Santos Graça. O Poveiro. Póvoa de Varzim, 1932, pág. 118. C. W. v. Sidow. no trabalho intitulado (...)

«Não havia na cabana
Senão feno e mais palha
Que cobria o Deus Menino
E era a sua mortalha»9.

6Na Dinamarca, porém, onde o costume de se dormir sobre a palha na noite de Natal é também conhecido, informaram-nos de que tem lugar a fim de que os mortos, que nessa noite comparecem, se possam deitar e dormir nas suas camas, daquela forma desocupadas; e parece-nos legítimo interpretar o costume português neste sentido, já porque a sua forma material é idêntica nos dois casos, já porque, como vimos, a associação das celebrações do Natal com a ideia da comparência dos mortos nessa noite se documenta entre nós pelos demais exemplos, tão significativos, que apontamos.

  • 10 Cfr. António Fraguas Fraguas. Aportatión al estúdio folklórico del castano. la castaña e el magosto (...)
  • 11 Informação de Josefa Martinez, 64 anos, Monterrey. 1957.
  • 12 Informação de Manuel Gonzalez, 35 anos, San Millán, 1957.
  • 13 Jesus Taboada Chivite, EI Tizón de Navidad, 1958.

7A crença na visita das almas na noite de Natal existe também na Galiza, onde parece ter um carácter geral10; e, a este respeito, Jesus Taboada, em 1958, escreveu: «É costume em muitas partes (daquela província) deixar-se na noite de Natal o fogo aceso e um lugar e guardanapo à mesa, para que o Menino Jesus desça a cear11. E em San Millán (Cualadro) deixam para as almas a oferta de leite ou cera12 parecendo assim que se honraram primeiro os mortos com estes banquetes familiares, e por influência cristã se estendeu o costume ao Menino Jesus em lugar dos antepassados, para se santificar a festa pagã.»13

8Enfim, lembramos que em Inglaterra a noite de Natal é por excelência a ocasião em que se manifestam os fantasmas, tanto da tradição daquele país, que podem representar um eco dessa remota crença, ainda vigente na Península na sua forma primitiva.

Notes

1 «Céltica», Porto, 1960, págs. 73-74.

2 Ou: «Os que amamos e já foram.»

3 Cfr. Consiglieri Pedroso, Tradições Populares Portuguesas, XVI – Almas do outro mundo. « O Positivismo », 4.° Ano, Porto, 1882, pág. 366 ; e também José Leite de Vasconcelos, Ensaios Ethnographicos, II, Esposende, 1903, pág. 92.

4 Cfr. Alberto V. Braga. Guimarães: Tradições e Usanças Populares, I, Col. Silva Vieira, págs. 166-167. Segundo o autor, naquela cidade coloca-se comida nos beirais das casas, para não faltar alimento às almas (que ficam na terra) (id., pág. 299).

5 Em Guimarães, entende-se que as migalhas que ficam da ceia, depois de aproveitadas pelas almas, devem guardar-se e deitar-se no campo onde se semeia o painço, se se quiser que os pardais o não comam; porque eles comem-nas, e não voltam mais ao campo (Alberto V. Braga, op. e loc. cit., pág. 169).

6 Consiglieri Pedroso e J. Leite de Vasconcelos, op. e loc. cit. No Barroso, antes de começar a ceia, é costume evocar expressamente os familiares falecidos; mas não temos qualquer indicação, ali. das razões de que fala Martins Sarmento.

7 Cfr. Ernesto Veiga de Oliveira. A palha do Natal no Concelho de Vila do Conde. «Trabalhos de Antropologia e Etnologia », vol. XV. fase. 1-2, Porto, 1954, págs. 107-110.

8 Cfr. Maria Peregrina de Sousa. Costumes Populares da Maia – O Natal, « Anuário para o estudo das tradições populares portuguesas». Porto. 1882. pág. 33.

9 A. Santos Graça. O Poveiro. Póvoa de Varzim, 1932, pág. 118. C. W. v. Sidow. no trabalho intitulado: The Mannhardtian theories about the last sheaf and the Fertility demons from a modern critical point of view. « Selected Papers on Folklore ». Copenhague. 1948, pág. 99 e nota 23. pág. 243. mencionando os sinais visíveis que anunciam a chegada do Natal – entende-se que na Suécia –, fala, além do Yule Log. na palha que também ali se estende no chão, dando, de acordo com a sua crítica geral às hipóteses mítico-religiosas e como Santos Graça, a explicação de que tal se faz «porque Cristo nasceu nas palhas».

10 Cfr. António Fraguas Fraguas. Aportatión al estúdio folklórico del castano. la castaña e el magosto. «Revista de Guimarães », LXVII, pág. 13 (separata).

11 Informação de Josefa Martinez, 64 anos, Monterrey. 1957.

12 Informação de Manuel Gonzalez, 35 anos, San Millán, 1957.

13 Jesus Taboada Chivite, EI Tizón de Navidad, 1958.

© Etnográfica Press, 1995

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search