Version classiqueVersion mobile

Festividades cíclicas em Portugal

 | 
Ernesto Veiga de Oliveira

I. Festividades cíclicas

16. Manjares e refeições cerimoniais1

Texte intégral

  • 1 Estudos e ensaios folclóricos em homenagem a Renato Almeida. Rio de Janeiro. 1960, págs. 345-365.
  • 2 Haja em vista toda a aparelhagem e mobiliário primitivos, pontas de flecha, arpões, picos, e mesmo (...)
  • 3 Vide Bronislaw Malinowski. A Scientific Theorx of Culture, Chapel Hill, 1944.

1É desnecessário acentuar a importância do alimento como factor primordial de cultura: grande parte dos instrumentos das mais antigas idades líticas, e de um modo geral as primeiras manifestações do « homo sapiens »2, dizem respeito à sua procura e preparação, e pode dizer-se que foi a partir dessas actividades, prolongando a função biológica3, que surgiu o homem como ser cultural.

  • 4 A estabilidade das espécies alimentares naturais, vegetais e animais, é de facto bastante relativa: (...)

2Mas não se comem por toda a parte as mesmas coisas, nem um mesmo alimento se prepara sempre de igual maneira: como resultante das características mesológicas das diversas regiões, e expressão das relações do homem com o meio, variável de caso para caso conforme uma muito vasta diversidade de condições naturais, especialmente fito e zoogeográficas, próprias de cada área, o alimento apresenta-se correspondentemente com uma enorme multiplicidade de formas, entre as quais se constituíram, logo de início, os particularismos alimentares fundamentais de cada grupo humano. Desse modo, e embora assim seja primordialmente, aqueles particularismos, numa fase evoluída da cultura em que se integram, não derivam nem exprimem já unicamente diferenças de caracteres mesológicos: com base neles, o grupo local foi criando, adaptando e aperfeiçoando técnicas e instrumentos apropriados, desenhando formas de vida pessoal e colectiva, elementos económicos, sociais e psicológicos, modos de agir e pensar específicos, que, estruturados conjuntamente num todo orgânico complexo, constituíram a sua cultura própria; esta cultura mais elaborada, que deriva da acção e interacção de todas as actividades do grupo, que a todas abrange e todas influencia, e que contém os princípios dinâmicos da sua própria evolução, afasta-se das formas elementares iniciais, e vem mais tarde, por sua vez, enformar e reflectir-se nos hábitos e gostos alimentares dos componentes desse grupo, sob a forma aparente de um sentido natural que se modelou ao longo dos tempos, passando a aceitar e a recusar as diversas categorias de alimentos diferentemente do que acontece com outros grupos; e essa variabilidade verifica-se também no tempo, em relação a uma mesma região4. Além de factor activo da cultura, humana em geral, o alimento, deste modo, é igualmente factor de diferenciação regional e histórica de culturas.

  • 5 De certo modo e em certa medida, pode na verdade dizer-se que o alimento particularizado – isto é, (...)

3Tal sentido, em que se funda a actual selecção alimentar de cada grupo, parece pois ser não de natureza exclusivamente biológica, como pura exigência orgânica5, mas também cultural: de facto, as preferências, conceitos, e, de um modo geral, os particularismos alimentares de cada grupo e região, representam a elaboração cultural das formas originariamente impostas pelo meio físico, transmitidas seguidamente de pais e filhos, insinuadas desde as mais tenras idades na estrutura psicossomática do indivíduo: de funda raiz tradicional, eles são ao mesmo tempo condicionados pelo meio natural, e resultantes das características culturais desse grupo, um aspecto e um elemento da sua cultura global, sujeitos aos princípios e leis gerais que regem o seu desenvolvimento e evolução.

4E assim, o alimento, no seu estado presente, não é apenas, em relação a cada grupo, uma mera expressão do meio geográfico regional que corresponde a esse grupo: ele é também em larga medida um elemento de natureza cultural, manifestação da cultura mais geral do mesmo grupo, para cuja formação ele contribui de entrada decisivamente, mas que agora exerce a sua acção selectiva em relação a todas as actividades do indivíduo que dele faz parte. Por isso, o estudo da sua diversidade regional deverá tomar em conta, a par com os elementos biogeográficos que o determinam, a cultura dos diferentes grupos em que ele ocorre.

5Esses particularismos constituem hoje a cozinha nacional ou regional, e as especialidades locais, em que intervêm elementos próprios e estranhos da mais variada espécie – inclusivamente a invenção pessoal e uma certa teorização sensorial –, já só indirecta e incidentalmente relacionados com os primitivos produtos espontâneos do solo; a sua natureza cultural autoriza que o seu estudo se faça à luz e segundo os métodos das ciências da cultura, e que, com base nos tipos alimentares comuns, se procure o estabelecimento de grupos e áreas culturais afins.

6Não é esse, porém, o regionalismo alimentar que aqui nos ocupa. O alimento é o sustentáculo da vida; e, por isso, identificava-se com ela, e devia aparecer ao homem primitivo revestido do prestígio das forças superiores e misteriosas de que dependia o ser humano. Pode-se assim supor que nessas épocas remotas ele não se esgotasse na sua função nutritiva fundamental nem no seu significado social, e que, confundindo-se aspectos utilitários e místicos, se lhe atribuísse, para lá dessas funções, um valor e uma natureza superalimentar ; e que, fundado nestes, ele fosse, em certas ocasiões, e sob determinadas espécies, objecto de sacrifícios, oferendas ou manducações especiais, efectivas ou simbólicas, com o carácter de práticas propiciatórias ou de purificação, de magia imitativa ou profiláctica, associadas a celebrações culturais em vista a promover a fertilidade e a abundância.

7Muitas das festividades actuais, de carácter cíclico ou calendário, religiosas ou profanas, ritos de passagem, e ainda certos acontecimentos particulares relacionados com a economia rural, foram, por diversos autores, na esteira das hipóteses mítico-religiosas, considerados conjecturalmente como sobrevivências de celebrações rituais ou mágicas, que de um modo geral se integravam em remotos cultos naturalísticos, de deuses ou espíritos da vegetação, tendo em vista a fertilidade, às quais se teriam vindo naturalmente sobrepor vários outros géneros de motivações.

8Compreendidos no complexo cerimonial da maioria de tais festividades, encontram-se, quase sempre, manjares, pratos ou refeições especiais, de composição que pode ser muito singela, mas que revestem o aspecto de uma prescrição obrigatória de fundo rigorosamente tradicional (referida até, em alguns exemplos, a espécies ou técnicas de preparação já postos de parte na zona em causa, e por outro lado, hoje, muitas vezes, feitas mesmo com produtos de introdução relativamente recente na região), e de aceitação geral, bem definidos dentro da área em que ocorrem, mas variáveis de caso para caso, de acordo com a própria diversidade regional. E parece-nos de admitir que esses manjares actuais terão bebido a sua origem naquelas práticas alimentares, e que a obrigatoriedade de carácter peculiar com que elas agora se apresentam, que lhes confere, aqui também, um valor superalimentar, seja o prolongamento do sentido que outrora andava ligado a tais consagrações.

9Contudo, se em certos casos a filiação de uns nas outras se pode admitir, não é porém possível precisar em que termos ela há-de ser entendida, nem estabelecer com rigor a razão de ser dessas formas actuais. É fora de dúvida que a relação entre as oferendas e manducações de outrora e os manjares actuais tem de se considerar muito atenuada, e que, na elaboração destes últimos, se deram múltiplas interferências e sobreposições, traduzindo movimentos culturais, por vezes também difíceis de concretizar. Mas parece legítimo procurar definir o seu conteúdo conceptual, o seu significado e a natureza do papel que desempenham em função do próprio significado das celebrações em que ocorreu.

10Seja como for, a sua obrigatoriedade de carácter peculiar confere-lhes aqui também um valor superalimentar, que prolonga verosimilmente o sentido mítico que outrora era atribuído aos primitivos manjares rituais, e em que se fundava a sua obrigatoriedade originária; e, em qualquer caso, eles traduzem sempre, de um modo particular e significativo, certas condições históricas, vigentes ou passadas, da cultura local.

Notes

1 Estudos e ensaios folclóricos em homenagem a Renato Almeida. Rio de Janeiro. 1960, págs. 345-365.

2 Haja em vista toda a aparelhagem e mobiliário primitivos, pontas de flecha, arpões, picos, e mesmo as pinturas rupestres como manifestações de ritos de caça, etc. ; e principalmente a descoberta do fogo, de importância decisiva, que modificou as condições fisiológico-somáticas do homem, e que se pode considerar relacionada com o alimento.

3 Vide Bronislaw Malinowski. A Scientific Theorx of Culture, Chapel Hill, 1944.

4 A estabilidade das espécies alimentares naturais, vegetais e animais, é de facto bastante relativa: assistimos, no decurso dos tempos históricos e até modernos – para não falar na pré e proto-história – a mutações radicais da flora alimentar e dos correspondentes tipos de cultura: produtos de importação recente – o milho, a batata, o arroz, etc. – constituem hoje a base da alimentação de vastos sectores do nosso país, tendo desaparecido as culturas alimentares relacionadas com produtos do solo outrora generalizados. Veremos que. por vezes, estes últimos se mantêm apenas com fins superai intentares. A este respeito, cfr. Orlando Ribeiro. Cultura do milho, economia agrária e povoamento, in « BibloS ». Revista da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, vol. XVII, tomo II. 1941. págs. 645-665. em especial 649.

5 De certo modo e em certa medida, pode na verdade dizer-se que o alimento particularizado – isto é, elaborado culturalmente, e portanto como manifestação dependente de uma cultura global – é quem modela o paladar, e não este quem escolhe ou recusa imperativamente uma ou outra categoria de alimentos, em nome de factores fisiológicos constitutivos. Assistimos a inúmeros casos de adaptação a certas espécies, por parte de descendentes de primitivos imigrantes que as recusavam, que é de natureza cultural.

© Etnográfica Press, 1995

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search