Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Vozes do Povo

 | 
Salwa El-Shawan Castelo-Branco
, 
Jorge Freitas Branco

Parte VII. Lugares folclóricos

Capítulo 24. Alte: um lugar de tradição

Carla Sousa

Texte intégral

1A tradicionalização da aldeia de Alte constrói-se no tempo e no espaço, por processos de apropriação social selectiva, de que resulta uma dada construção do lugar. Um lugar tanto mais particularizado, quanto ele se associa a contextos alargados em que não só se integra, como se individualiza. Serão aqui considerados alguns acontecimentos sociais que implicam o processo de construção de uma identidade cultural própria, bem como o forjar de memórias.

Uma aldeia do futuro

2Do ponto de vista regional, Alte tem uma identificação particular, quer do ponto de vista institucional, quer social, que se consubstancia em discursos e práticas que a distinguem como local “tradicional”, “rural”, “típico”. As práticas sociais “espontâneas” de circulação — um local onde se vai em passeio, em peregrinação no Primeiro de Maio, ver o folclore, refrescar-se e merendar nas fontes, às festas — denotam a sua imagem na região. No quadro dos programas de ordenamento do território turístico e municipal, a par de um discurso em que se reifica o mundo rural — êxodo rural, envelhecimento da população, ausência de ruralidade activa — Alte, apesar de partilhar destas características socioeconómicas, afasta-se contudo deste modelo, ao ser tomada como “aldeia de características rurais,” onde as actividades turísticas podem ser potenciadas.

3O município de Loulé, no qual a freguesia de Alte se insere, consubstancia esta ideia de diferenciação da aldeia através de um programa de “revitalização de Alte”, em que sustenta:

A aldeia de Alte tem características e uma identidade muito particular no contexto das aldeias do interior; é uma das aldeias mais típicas pelo que importará realçar e valorizar o seu conjunto; a manutenção da sua arquitectura tradicional, da beleza da sua paisagem natural e da aldeia no seu todo (CML 1997).

  • 1 Paralelamente, uma série de medidas sobre o património construído — manutenção de fachadas, cobertu (...)

4O extenso Plano de Revitalização de Alte (mais de 20 medidas) converte a aldeia essencialmente num espaço de lazer, sobretudo através de três vectores: apropriação de espaços naturais de valor paisagístico, monumentalização da aldeia e musealização das suas memórias, e abertura ao exterior com o desenvolvimento de infra-estruturas de acolhimento. Não sendo aqui o espaço para debater as várias medidas tomadas, digamos que no seu conjunto Alte passa a ser um espaço museu, onde a sua vocação agrícola se substitui por uma vocação paisagística “natural”, que de um modo geral traça o limite urbanístico da aldeia. Tornada modelo de rusticidade, o item desenvolvimento prevê, por exemplo, que as antenas, signos da modernidade, sejam excluídas da paisagem.1

  • 2 A própria noção de revitalização implica a procura de autenticidade (Bendix 1997) ou o (re)inventar (...)

5Alte representa na esfera regional um pólo rural/rústico, em contraponto com o pólo urbano/sofisticado, uma dualidade que alimenta a formação da identidade regional e constrói a identidade do local. A identidade social da região Algarve tem sido enquadrada, por oposição ou complementaridade, entre o espaço urbano/litoral e o rural/interior, ocupando, contudo, o último, um persistente lugar negativo (Bastos, C. 1993). A relação histórica, em que uma constelação urbana, litoral, se apropria do espaço rural (Magalhães 1988), interior, tem, nas últimas décadas, sido reconstruída, reflectindo uma nova conjuntura: uma explosão urbana, cosmopolita, associada ao turismo, acompanhada pela regressão dos circuitos de interdependência regional entre os dois pólos. O interior da região, que de início (a partir dos anos 60) parece desligado do novo modelo urbano e socioeconómico regional, é agora (a partir dos anos 80) sujeito a um reinvestimento, de residentes e turistas, tomado como região “autêntica”, “rústica”, numa nova relação complementar do novo modelo de crescimento do litoral. O Plano de Revitalização de Alte,2 criando um centro de lazer no interior (no discurso político como resposta às assimetrias regionais), constitui a criação de uma oferta para a nova procura.

6A naturalização do espaço rural (em vez das marcas da sua ruralidade activa ou não) projectada para Alte corresponde, como nos diz Urry (1995), aos valores e práticas de consumo urbanos da pós-modernidade. E, deste ponto de vista, a recriação de Alte como destino turístico é apenas uma nova forma de apropriação do rural pelo urbano, uma reactualização da antiga dicotomia regional, ou como diria Bourdieu, uma nova forma de “di-visão” (Bourdieu 1989: 108) que através de processos políticos e económicos viabiliza uma nova identificação social local dominada pela imagem idílica, uma nova forma de orientalismo produzida pela hegemonia urbana (Ching & Creed 1997: 22).

7Contudo, se tomarmos o processo de formação do Plano de Revitalização, encontramos em seu redor, fortemente empenhados, agentes sociais locais, ou na linguagem técnica, as “forças vivas” da aldeia. Desenvolvendo estratégias de contestação, exigindo uma participação activa na definição do plano, ele é também, em grande parte, do seu protagonismo e participação. Como resultado e apesar de algumas clivagens internas, a contestação do plano inicial abriu o leque de formas de revitalização propostas inicialmente. O cômputo final do diálogo foi no sentido de uma maior intervenção.

  • 3 Esta burguesia domina diversas instituições locais: junta de freguesia, casa do povo, instituições (...)
  • 4 O uso do termo “(re)imaginado” segue a proposta de Sharon MacDonald evocando quer o sentido de reto (...)
  • 5 No sentido de Ching & Creed (1997: 15), os espaços urbanos contêm em si elementos de ruralidade, de (...)
  • 6 A particularização do lugar através do processo de folclorização que aí ocorre, resulta de sucessiv (...)

8As “forças vivas” são em grande medida uma burguesia apostada num lugar de centralidade da aldeia,3 tornando-a num local de monumentalidade onde se cruzam percursos (Augé 1994), com referência à tradição local. A tradição em Alte é fonte de um (re)imaginado lugar que alimenta uma particular identidade cultural.4 Uma identidade que se constrói na aposta numa constante recriação de actividades festivas cíclicas, na promoção do grupo de folclore, e numa vigilância sobre os aspectos urbanísticos da aldeia. A imaginada tradição local exercita-se e reforça-se nestes acontecimentos, que numa aldeia com cerca de 500 habitantes envolve quase todos os grupos domésticos, criando redes sociais que se relacionam com outras formas de sociabilidade locais. Não se trata aqui tão-só da “comunidade rural” versus “urbanidade”. Não existem nem “lugares puros” nem “identidades absolutas” mas sim relacionais e hierárquicas.5 A tradição em Alte pode bem ser a metáfora necessária para a diferenciação interna, pois ela está longe de ser vivida ou reflectida do mesmo modo por todos os seus habitantes. E é também, no confronto externo, um capital cultural através do qual se desencadeiam — como aconteceu em redor do Plano de Revitalização — formas de contestação à ordem dominante exterior, protagonizada por agentes sociais da estrutura dominante interna. Deste modo, o seu sentido não se esgota na unidade “idílica”, na imagem da rusticidade, mas através dos processos sociais de manipulação local inerentes à construção do lugar.6

Uma aldeia com passado

  • 7 A saber: “Valorização do percurso entre as duas fontes; criação de um anfiteatro ao ar livre na Fon (...)
  • 8 Cândido Guerreiro (1871-1953) foi um “poeta lírico-regionalista… numa linha passadista” (Rodrigues, (...)

9Entre todas as actividades previstas pelo Plano de Revitalização, as fontes de Alte e o seu espaço circundante têm um lugar de destaque.7 Sítios de lazer, de peregrinações para residentes e turistas, as fontes são a “sala de visitas”, o lugar de paragem obrigatória para quem visita a aldeia. Situadas na margem da ribeira, a uma distância de cerca de 500 metros, são dois recintos distintos onde se condensam memórias e rituais. Na Fonte Pequena destaca-se a sua água pura, muito requisitada, a que se junta, em painéis de azulejos, a “pureza” da poesia romântica de Cândido Guerreiro, filho da terra, sobre Alte.8 Na Fonte Grande, por excelência o local de peregrinações no Primeiro de Maio, ergue-se, na exuberância de uma encenação rústica, o palco, montado sobre a ribeira, onde, nesta e noutras ocasiões, se exibe o grupo de folclore local.

  • 9 Em 1998, a junta de freguesia investiu aí uma avultada quantia no melhoramento dos espaços ajardina (...)

10Estes dois espaços periféricos, cénicos e emblemáticos, reflectem os vectores complementares da fundação da aldeia “tradicional” — a sua representação romântica e as ritualizações do Primeiro de Maio e do folclore. Em conjunto, um espaço de monumentalização que corresponde a um constante investimento por parte do poder local, uma atitude institucional que, de resto, atravessou este século.9 Neste sentido, a monumentalização poderá ser vista como forma “simbólica política”, como expressão da sua autoridade (Augé 1994: 68).

  • 10 Na leitura das actas da junta de freguesia, as medidas de reconversão — construção de muros e norma (...)

11Na construção das fontes, enquanto espaço simbólico do poder, podem ser identificadas, primeiro, as práticas do início do século passado (anos 20), em que a burguesia republicana local inicia a sua conversão em espaço público de lazer — passeio — um lugar inspirado pelo poeta, a que correspondem as primeiras medidas de transformação paisagística e de coerção sobre os usos populares do local.10 Segue-se o poder local do Estado Novo, que herdará estes princípios, para os materializar, a partir dos anos 1950 na criação de um espaço idílico, onde se reflecte a tradição burguesa recuperada e a tradição folclorizada do regime. A sua associação permitirá recriar uma dimensão histórica e uma alternativa identidade cultural.

12José Vieira (n. 1903), filho de um republicano, será o “arquitecto” desta híbrida monumentalização. Herdeiro dos valores culturais da geração anterior, organizador local, enquanto presidente da junta de freguesia, da participação de Alte no concurso A Aldeia Mais Portuguesa de Portugal (1938) e, posteriormente, dirigente do grupo de folclore, será o construtor da imagem “mágica” da aldeia: “Tudo o que fiz foi para o embelezamento de Alte, para o bem de Alte” (entrevista, 1998). O fundador da tradição iniciou as suas buscas de origens através da exibição, no concurso, de Alte. Só as recolhas, junto dos mais velhos, lhe permitiram recuperar tradições que “andavam muito esquecidas”. A projecção de Alte depois deste acontecimento, sobretudo através do grupo de folclore, pela sua posterior constituição e rápida participação em acontecimentos nacionais (Exposição do Mundo Português, 1940), permitiu que a aldeia ganhasse centralidade regional e projecção nacional. Localmente, a gestão desta imagem articulou duas redes de investimento económico transformado em capital simbólico na aldeia. Por um lado, os emigrantes de prestígio, “amigos de Alte”, que para aí canalizaram as suas poupanças no sentido de subsidiarem diversas obras de reconstrução da fachada das Fontes; por outro, o poder regional e nacional, a que se recorria frequentemente, alegando as particularidades de Alte, para o seu auxílio económico.

13A oportunidade da reconversão do capital económico em capital simbólico é pontuada por acontecimentos sociais de relevo em cada um dos espaços. A morte do poeta Cândido Guerreiro, em 1953, dará origem a que na Fonte Pequena, onde já tinham sido colocados os painéis alegóricos a Alte, se lhe erga um monumento, em 1955, inaugurado no dia Primeiro de Maio. Em 1957, Alte apropria-se, através de um processo jurídico contra os maiores proprietários locais, do espaço da Fonte Grande, e no seu “embelezamento” faz-se a construção do palco onde o grupo de folclore, nos dias Primeiro de Maio, irá receber diversas “ilustres visitas”, em que se incluiu o presidente da República (1966).

14O Primeiro de Maio em Alte, que durante este período passa a ser organizado pela junta de freguesia, é uma “festa de folclore”, a que ocorrem diversos forasteiros, criando uma imagem que tanto serve a sua projecção, como os interesses do regime — em 1969, o evento é integrado nas Festas da Primavera e transmitido pela televisão.

15É a esta herança que o Plano de Revitalização e uma nova geração de intervenientes, de um outro tempo social e político, num processo com diversas ambiguidades, procura caucionar. Apoiando-se no testemunho recebido da geração anterior, que paradoxalmente os últimos contestam, procuram também eles fazer um novo “regresso às origens.”

  • 11 O Plano de Revitalização não abrange a freguesia, mas apenas a aldeia, seu centro, uma estratégia q (...)

16Para tal ocupam-se os lugares de liderança, recriam-se as cadeias sociais de suporte ritualístico (sobretudo através do grupo de folclore e da festa do Primeiro de Maio), inventam-se novos acontecimentos, de modo a re-imaginar a aldeia. Recolocar o passado e projectá-lo no futuro é uma tarefa necessária ao estabelecimento da individualidade dos actores sociais implicados, bem como à manutenção de fronteiras simbólicas ameaçadas pela concorrência de outras aldeias ou locais regionais, apostados também em processos de (re)tradicionalização.11 Neste contexto, o reforço da monumentalização da aldeia e nela das fontes, prevista pelo Plano de Revitalização, vem corresponder a aspirações locais. Por um lado, autentica uma identidade cultural herdada e, por outro, legitima os defensores de uma nova face de representação.

17O sentido das novas materializações da tradição está sujeito a disputas internas, quanto ao controle social da construção das imagens de uma nova rusticidade da aldeia, como objecto cultural potencialmente mais consumível e desejável. Uma luta que pressupõe não só as relações de poder internas, mas também a capacidade de a determinados autores ser reconhecido o papel de elemento mediador, entre as representações internas, marcadas pelas memórias sociais, e as representações externas, marcadas por visões idílicas do espaço rural.

18Esta nova alteridade identitária, numa aldeia com pouco mais de 400 residentes, assenta numa estratégia de superabundância de signos e de formas de ocupação e representação territoriais e sociais, uma nova forma de reconhecimento, mas também uma nova forma de relacionamento com o outro, urbano, do qual como figura de excesso se aproxima. Uma passagem da modernidade à sobremodernidade (Augé 1994).

Bibliographie

Documentos e entrevistas

Actas da Junta de Freguesia de Alte, 1914-1988.

CML (1997) Brochura do Plano de Revitalização de Alte

CML (1998) Plano de Revitalização de Alte

CML (1994) Plano Director Municipal

Comissão de Coordenação da Região Algarve (1990) Plano Regional de Turismo do Algarve

Entrevista a José Vieira (1998)

Peroguarda, Beja: Aspecto de uma festa
Fonte: Fotografia de Salgado Diniz. Arquivo de Fotografia de Lisboa

Notes

1 Paralelamente, uma série de medidas sobre o património construído — manutenção de fachadas, cobertura de telhados, pintura das casas no branco “tradicional” — fazem da aldeia um património a preservar.

2 A própria noção de revitalização implica a procura de autenticidade (Bendix 1997) ou o (re)inventar de tradições (Hobsbawm 1984).

3 Esta burguesia domina diversas instituições locais: junta de freguesia, casa do povo, instituições de recreio e solidariedade social. Embora possa estar refractada quanto aos seus interesses e posições e relativos da estrutura social da aldeia, onde se distingue mais pelos seus papéis técnicos, burocráticos ou culturais, é esta burguesia legitimada pelas instituições a que mais se associa à defesa de uma identidade “tradicional” do lugar.

4 O uso do termo “(re)imaginado” segue a proposta de Sharon MacDonald evocando quer o sentido de retorno, de revivalismo cultural, bem como o de criatividade da produção cultural — uma forma de negociar com o novo o antigo — em que a cultura e identidade se submetem a particulares modos de ver (1997: XVI).

5 No sentido de Ching & Creed (1997: 15), os espaços urbanos contêm em si elementos de ruralidade, de resto, construtivos da sua identidade cultural, bem como os espaços rurais contêm em si, elementos de urbanidade, relacionando-se na construção da identidade cultural em detrimento do mundo rural.

6 A particularização do lugar através do processo de folclorização que aí ocorre, resulta de sucessivas estratégias sociais que relacionam interior e exterior como campos dinâmicos, pelo que, nem o lugar é uma totalidade plena (Augé 1994: 41), nem a tradição um elemento construtivo estático (MacDonald 1997). Deste modo Alte “tradicional” não é apenas um mostruário (Appadurai 1996) de folclorização, mas uma porta de acesso à sua natureza particular, uma dimensão vital no processo.

7 A saber: “Valorização do percurso entre as duas fontes; criação de um anfiteatro ao ar livre na Fonte Grande; criação de um parque biológico; recinto de ar livre para jogos tradicionais; criação de um parque infantil” (Plano de Revitalização de Alte 1998).

8 Cândido Guerreiro (1871-1953) foi um “poeta lírico-regionalista… numa linha passadista” (Rodrigues, U. 1999: 566), em cuja poesia Alte ocupou o lugar de um idílico “regresso às origens”. Hoje a Fonte Pequena reproduz os seus sonetos, recriando no sentido inverso o lugar: “Porque nasci ao pé de quatro montes/ Por onde as águas passam a cantar/ As canções dos moinhos e das pontes/Ensinaram-me as águas a falar…” A sua importância na memória local, traduz-se quer na toponímia local em 1920 — dá-se o seu nome a uma rua — quer na denominação das instituições; a recente Escola Profissional de Alte também tem o seu nome.

9 Em 1998, a junta de freguesia investiu aí uma avultada quantia no melhoramento dos espaços ajardinados e na sua iluminação, apesar da escassez dos recursos e das necessidades da freguesia no respeitante ao saneamento básico. Mas, desde o início do século, que o recinto das Fontes é uma área de investimento para a sua reconversão num espaço de lazer; primeiro, por parte da burguesia republicana, e depois, durante o Estado Novo, na sua conversão em local rústico.

10 Na leitura das actas da junta de freguesia, as medidas de reconversão — construção de muros e normalização das margens e leito da ribeira, plantio de árvores decorativas — são tomadas a par do seu esvaziamento como espaço rural: retirar as estrumeiras e pocilgas junto ao Passeio das Fontes, em alguns casos com intimidação do proprietário (Acta da junta 02/01/1926). Entre 1926 e o concurso A Aldeia Mais Portuguesa de Portugal, este tipo de cuidados urbanísticos, muitas vezes associados à realização da festa do Primeiro de Maio, mantém-se. Já no fim dos anos 40, a Fonte Pequena era um parque de merendas.

11 O Plano de Revitalização não abrange a freguesia, mas apenas a aldeia, seu centro, uma estratégia que ocorreu também na monumentalização da aldeia durante o Estado Novo. Este processo de diferenciação mascara a aldeia ao olhar externo, como centro de crescimento administrativo, para a converter num centro “tradicional.” Este processo tem sido reproduzido noutras aldeias: reprodução de centro de socialização com referência ao mito de origem (Benafim), recuperação do castelo (Salir).

Table des illustrations

URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/599/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 333k

Auteur

Mestre em antropologia pela UNL, doutoranda (ISCTE), professora adjunta da Escola Superior de Gestão, Hotelaria e Turismo (Universidade do Algarve). Pesquisas sobre processos de retradicionalização. Publicações: “Açudes entre a identidade local e a contemplação turística” (Dos Algarves, 4: 18-24, 1999), “The Inventions of Alte: The Most Traditional Village in Algarve, Portugal” (Folk Journal of the Dansk Ethnographic Society, 42: 101-119, 2000).

© Etnográfica Press, 2003

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr