Version classiqueVersion mobile

Festividades cíclicas em Portugal

 | 
Ernesto Veiga de Oliveira

I. Festividades cíclicas

15. O S. Martinho em Portugal1

Texte intégral

  • 1 Le culte de Saint Martin en Portugal. «Revista de Etnografia », 20. Porto. 1963 (em francês): e O S (...)
  • 2 Denominamos «cerimoniais» os manjares, pratos ou refeições que sob formas definidas e tradicionalme (...)

1A definição de manjares cerimoniais será por nós dada noutro lugar2 Neste trabalho ocupar-nos-emos de manjares dessa natureza referidos às comemorações do dia de S. Martinho (11 de Novembro) em algumas localidades portuguesas, uma vez que são precisamente as celebrações alimentares que constituem a essência dessas comemorações.

  • 3 Cfr. Luís Chaves. Páginas Folclóricas, in «Revista Lusitana », vol. 37. Lisboa. 1939. pág. 37. Veja (...)

2Em Portugal, e sobretudo no Norte e Centro do País, o dia 11 de Novembro é de um modo geral festejado com «magustos» de vinho e castanhas em todas as partes onde estes ocorrem no dia de Todos os Santos, tomando assim o aspecto de um prolongamento especial dessas celebrações, a ponto de se falar em «Magustos dos Santos» e «Magustos de S. Martinho » (fig. 14)3.

  • 4 Cfr. José Crespo. O Minho, região de beleza eterna. Viana do Castelo, s. d., págs. 112-113.
  • 5 Cfr. Cláudio Basto, op. e loc. cit.
  • 6 Note-se que nessas províncias, de clima do tipo mediterrâneo, o castanheiro, corrente no Norte do P (...)

3Os «magustos» aparecem sob esta forma em todo o Minho, em casa ou nos campos4, em Trás-os-Montes, nas Beiras e no Douro, em terras de Arouca, e na região e na própria cidade do Porto5. Em Vilarinho (Vila do Conde), as castanhas comem-se com roscas de pão de trigo e nozes. Em Fafe, eles começam de tarde e duram até à noite; as castanhas assam-se em fogueiras que se acendem no meio da rua, e o vinho circula em cântaros; nessa noite, geralmente, joga-se o pau, etc. Nas províncias do Sul o costume não apresenta este carácter de generalidade, mas assinala-se em várias partes6.

  • 7 Cfr. José Crespo, op. e loc. cit.

4Em muitas regiões rurais do País, nomeadamente no Noroeste, a festa anda associada à matança do porco, e é influenciada, sob certos aspectos, pela euforia e pelo sentido de plenitude que decorre desse acontecimento que possui a natureza de uma verdadeira festa doméstica, muitas vezes mesmo a mais importante do calendário privado. No Minho, o dia situa-se na época das primeiras matanças, como o de S. Tomé na das segundas, que têm já em vista o Natal7; em Gandra (Esposende), ele é dia de feira festiva de porcos. Na Mourisca (Palmeia), onde há muita gente do Norte a trabalhar nas salinas que por ali abundam, faz-se igualmente a matança no dia de S. Martinho, e convida-se a família e amigos para uma grande jantarada, etc.

5Contudo, o significado mais fundo e original do S. Martinho deve procurar-se nas suas relações com o vinho. No Minho diz-se correntemente:

«No dia de S. Martinho,
Mata o teu porco
E prova o teu vinho.»

  • 8 Por exemplo o Código de «Posturas» de 1793, as leis municipais do Cadaval de 1859 a 1891, etc. Cfr. (...)

6Com efeito, é tradicionalmente no dia de S. Martinho que se inaugura o vinho novo, que este se prova e se atestam as pipas; de acordo com a nossa velha legislação municipal, era mesmo proibido, em muitas partes, vender o vinho novo antes do S. Martinho, sob pena de multa8.

Fig. 14 – Semancelhe. Ponte do Abade. Um magusto em dia de S. Martinho.

Fig. 14 – Semancelhe. Ponte do Abade. Um magusto em dia de S. Martinho.

7Esse acto é celebrado, em todas as zonas vinícolas do País, com cerimónias características, que representam a sua consagração festiva, e que tomam o aspecto daquilo que é genericamente conhecido pela designação de «Procissões de Bêbados». Essas procissões parodiam os cortejos religiosos, em versão báquica, e têm muitas vezes na sua base uma irmandade burlesca mais ou menos consistente – a «Ordem» ou «Confraria» de S. Martinho –, cujos membros se recrutam entre os elementos mais afamados na bebedice, segundo a hierarquia das suas proezas anuais: o maior bêbado da terra será o «Juiz», «Mordomo» ou «Presidente», e a seguir escalam-se o «Secretário», o «Tesoureiro», os «Vogais», etc.

8O costume destas «Procissões» é geral no Norte. No Minho, em Fafe, elas vão em rusgas pelas ruas, com música de harmónios, cavaquinhos, pandeiretas e ferrinhos. Em terras de Barroso, no concelho de Montalegre, os homens, nesse dia, levam para o monte castanhas e vinho, e fazem brincadeiras ruidosas; aquele que apanha a maior borracheira é nomeado «Juiz de S. Martinho», e todos o ovacionam, berrando:

  • 9 Cfr. Fernando Braga Barreiros, Tradições Populares de Barroso, in «Revista Lusitana», Vol. XIX, Lis (...)

«Viva S. Martinho,
A cabaça e “ó” vinho!»9

  • 10 Cfr. Francisco Manuel Alves (Abade de Baçal), op. cit., págs. 241-242.

9Em Trás-os-Montes, no distrito de Chaves, o Abade de Baçal viu, em Paradela de Monforte, durante os anos que aí paroquiou, um «devoto» de S. Martinho que, no seu dia, jungia os bois ao carro com campainhas, coleiras vistosas e ornatos, e, assentado numa pipa, sob um dossel de festões de hera e vides, com colgaduras de cabaças, pichéis, borrachas e outros vasicalhos vináceos, percorria seis povoações vizinhas, acompanhado pelos seus amigos, à cata de sócios para a eleição do «Juiz da borracheira». Em Soeira, no distrito de Bragança, o santo é patrono da povoação; terminada a cerimónia religiosa que por isso tem lugar em sua honra neste dia, e o jantar que se lhe segue, organiza-se o cortejo, composto de homens e mulheres, à guisa de procissão, e vão todos pelas tabernas a beber, dia e noite, e o último a cair é proclamado «Juiz»10. Em Parada (Alfândega da Fé), os borrachos da terra arranjam uns « gamões » (abrótegas), e nomeiam depois a «irmandade» que deverá fazer a festa no ano seguinte, distribuindo velas aos membros da nova confraria. Em Bemposta (Mogadouro), nesta noite, os amigos juntam-se e correm as ruas a beber vinho, no meio de brincadeiras; e em Tó, na mesma região, levam um pipo de vinho, e, chegados ao largo em frente à «casa grande» da povoação, dão desse vinho a quem o quiser; geralmente apanham uma borracheira, e o que mais bêbado fica é nomeado «Presidente».

10Ao sul do Douro ocorrem costumes semelhantes. Nas Beiras, um pouco por toda a parte, os rapazes, no dia de S. Martinho, andam em fila pela aldeia a «furar as adegas», para provarem o vinho novo; e também aí se conhecem as procissões dos bêbados, e a nomeação dos «Juízes» e «Presidentes» faz-se segundo as regras que vimos no Norte: ora são eleitos pela «Confraria», ora são designados para o ano próximo pelos do ano cessante, ora são os últimos ou os primeiros a cair; em Telhadela (Ribeira de Fráguas, Albergaria-a-Velha), por exemplo, o «Mordomo» ou «Juiz» da festa é o primeiro a cair com a borracheira, seguindo-se-lhe, por ordem, o «Secretário», o «Tesoureiro», etc. Em S. Miguel de Urrô e em Cela (Arouca), o S. Martinho é o dia de «sapar o vinho», em que se rolham as pias e vasilhas; fazem-se procissões de bêbados, e o «Juiz» do ano é quem indica o seu sucessor para o ano seguinte. E é também nesta data que, na região, se enchem e abatocam os tonéis.

11Na Beira Alta, na vila de Ucanha, um «irmão» da «Confraria dos Bêbados», na véspera do dia, fazia uma colecta pelas portas dos seus «confrades», levando uma ponta de boi que fingia de tinteiro; e na própria data, à noite, organizava-se a procissão, armando-se um pálio com um lençol suspenso de quatro varas, sob o qual ia um bêbado com saia branca pelos ombros, servindo de sobrepeliz; adiante seguia um odre sobre uma padiola, à maneira dos santos nos andores, e em volta o resto da companhia, empunhando archotes, alternava dizeres chistosos, contrafazendo a ladainha:

  • 11 Cfr. J. Leite de Vasconcelos. Ensaios Ethnographicos, vol. III. Lisboa. 1906, págs. 296- -297.

«Viva... o São... Martinho...
«Vinho... para... nós...»11

  • 12 Cfr. M. Cardozo Martha e Augusto Pinto. Folclore da Figueira da Foz. Segundo Tomo. Esposende. 1912, (...)
  • 13 Cfr. Jaime Lopes Dias. Etnografia da Beira, vol. III, Lisboa, 1929, págs. 95-98.

12Na Figueira da Foz, na mesma ordem de ideias, o dia é celebrado com orgias de vinho e castanhas12. Na Beira Baixa, em Idanha-a-Nova, na véspera do dia, faz-se a eleição das «confrarias», com o «Juiz» à cabeça, que será o maior bêbado das redondezas, e a seguir o «Secretário» e os «Mordomos»; afixam-se editais com os resultados dessas eleições, e a rapaziada vai então fazer «chocalhadas» às portas dos que foram eleitos; em Oleiros, arranja-se uma padiola com um pipo vazio em cima, e sobre ela um boneco com uma borracha cheia de vinho e um copo; as pessoas vão assim pelas casas, discursando em verso, a pedirem aos lavradores que lhes encham a borracha, e agradecendo também em verso13.

13Na Madeira e em quase todas as ilhas dos Açores as celebrações do S. Martinho mostram este mesmo carácter de paródia de festa religiosa. Na Madeira, na «procissão», um rapaz faz mesmo de «bispo».

  • 14 Cfr. Luís da Silva Ribeiro. Notas sobre a vida rural na Ilha Terceira (Açores), in «Revista Lusitan (...)
  • 15 S/nome (Luís da Silva Ribeiro?). Festas de S. Martinho. « Boletim do Instituto Histórico da Ilha Te (...)

14Na ilha Terceira (Açores), como no continente, o S. Martinho é em geral o dia da prova do vinho novo; na véspera à noite a gente anda pelas ruas a buzinar com um chifre, e, na própria data, também à noite, fazem uma procissão com lenções brancos simulando o pálio, lanternas, campainhas, uma paródia de pendão, etc., que, à luz de archotes, percorre as tabernas, no meio de chistes em forma de sermão, novenas, vésperas e oitavas, e para a qual se organiza a costumada «irmandade»14. Relativamente a S. Jorge, encontramos um «diploma» destas «irmandades» que reza como segue: «F..., venerável da muito notável e insigne irmandade de S. Martinho, grão-mestre da muito respeitável ordem da Pipa, comendador da nobre Ordem do Garrafão, e cavaleiro de todas as demais ordens Bachicas havidas e por haver», faz saber a um «caríssimo e respeitável irmão» que «em consistório lhe foi conferido o grau de Juiz da Irmandade» pela perícia com que sabeis devorar os leitões e atacar os cangirões». Menciona as insígnias, e é selado com um selo cor-de-rosa com uma pipa, que serve também de timbre no alto do «diploma»15.

  • 16 Cfr. M. Cardozo Martha e Augusto Pinto, op. e loc. cit.
  • 17 Cfr Jaime Lopes Dias. op. e loc. cit.

15Em certos casos, a celebração fracciona-se : no dia 11 são festejados os bêbados, e noutro dia as mulheres que se distinguiram por iguais proezas. Assim sucede, por exemplo, na Figueira da Foz, onde o santo, em relação aos homens, é celebrado no dia 11, e, em relação às mulheres, no dia 1216. Na Beira Baixa, esta divisão toma um aspecto mais nítido: o advogado dos bêbados é S. Martinho, com a sua festa no dia 11 de Novembro, de acordo com o costume geral: mas, para as mulheres bêbadas, a patrona é Santa Bebiana, com a sua festa no dia 2 de Dezembro. Em Tinalhas e em Idanha-a-Nova, e de forma paralela à festa de S. Martinho nesta última localidade, no dia 1 de Dezembro, ao começo da noite, homens e rapazes, com chocalhos e campainhas, reúnem-se no largo da aldeia, e em seguida, com o pregador, fazem a eleição das «irmãs» da «confraria» das bêbadas, e da «Juíza» do ano, com discursos em verso, que as «chocalhadas» interrompem a cada passo17. Vemos aqui que, em relação às mulheres, não só não têm verdadeiramente lugar «procissões» de bêbadas, mas mesmo que a iniciativa dos folguedos é tomada pelos homens, e de certo modo contra elas.

  • 18 Acerca destes aspectos, cfr. F. Adolpho Coelho. «Revista de Ethnologia e de Glotologia». fase. II-I (...)

16O como usava-se por vezes nestas bebedices e procissões, como símbolo vínico específico ; e ora era levado triunfalmente, ora se pendurava à porta do mais bêbado18.

  • 19 J. A. G. Gascon, op. e loc. cit.

17Falámos já das barulheiras desta noite, com chocalhos e campainhas, e também das travessuras e partidas que se fazem em várias partes, sublinhando as facécias e manifestações típicas da bebedice, e que sem dúvida se relacionam com esse ritual de licenciosidade geral. E é seguramente num espírito semelhante que se organizam as voltas nocturnas com o estrondo de instrumentos ruidosos, conduzidas nesta noite pela juventude ao longo das ruas e por vezes mesmo diante das casas de certos vizinhos pacíficos, por simples espírito de liberdade irreverente. Contudo, em alguns casos, aliás muito raros, actos aparentemente semelhantes apresentam elementos mais complexos, que não parece poderem-se explicar apenas pela licenciosidade discricionária da data: assim, por exemplo, a corrida que tinha lugar nas noites de 11, 12 e 13 de Novembro em Monchique, no Algarve, por homens vestidos com peles de bode ou de carneiro, tocando chocalhos e búzios, e que eram seguidos por rapazes levando velhos trapos a arder19.

  • 20 Cfr. J. Leite de Vasconcelos, op. e loc. cit.
  • 21 Cfr. Amold van Gennep, Manuel de Folklore Français Contemporain, Tome Premier, III, « Cérémonies Pé (...)
  • 22 Cfr. Fernando Braga Barreiros, op. e loc. cit., pág. 79, e A. Thomás Pires, Investigações Etnográph (...)

18Sejam quais forem as suas origens históricas, antigas bacanais ou outras20, a celebração caracteriza-se pois fundamentalmente por uma licenciosidade festiva e autorizada – diríamos mesmo glorificada e consagrada – decorrendo provavelmente dessa natureza originária e em relação com o vinho. Por essa razão, o S. Martinho, salvo raras excepções, não é ocasião de ofertas nem de peditórios: o processo normal de obtenção gratuita daquilo que constitui precisamente a celebração – o vinho – deve repousar no direito, também de fundamento licencioso, que nesse dia têm os bêbados e bebedores, como autênticos e legítimos representantes dos «sacerdotes» originários, de entrar nas adegas e de provar o vinho novo que aí se está a trasfegar; tal direito, e paralelamente as borracheiras do dia, parecem representar um primitivo carácter ritual. E esta hipótese é singularmente reforçada pela consideração das « irmandades » e « procissões » de bêbados, que sugerem a natureza específica que possuíram possivelmente os grupos de que os actuais representam a sobrevivência21. Embora o costume não o assinale, pode-se supor, dentro do sentido geral das concepções mágico-religiosas, que o exercício destes direitos licenciosos tenha um poder profiláctico, como acto de purificação, que aqui podia entender-se como trazendo felicidade ou prosperidade ao grupo social e aos donos do vinho. Assim, a colecta prévia que se faz em Ucanha, os pedidos chistosos e dádivas de vinho, em Oleiros, atrás referidos, e as ofertas de vinho e castanhas às pessoas de amizade, em terras de Barroso e em Elvas22, devem considerar-se práticas excepcionais, adulterações de outras que tinham primitivamente um sentido diferente; a fórmula, nesses casos, apenas disfarça um velho direito, que a brandura dos costumes actuais atenuou ou a que deu uma versão moderada.

  • 23 O Abade de Baçal relata o costume transmontano de. durante a feitura do vinho novo, os homens, de n (...)

19Numa categoria de factos afins, conhecemos no Pocinho, em Vila Nova de Foz Côa, o costume de, na noite de 11 de Novembro, os rapazes percorrerem todas as ruas da povoação com campainhas e chocalhos das cabras e ovelhas, acordando toda a gente com o barulho que fazem23. Por outro lado, em Palmela, na véspera, à noite, as pessoas fazem cruzes com cal nas portas das casas alheias, atestando o carácter especial atribuído à data.

  • 24 Geralmente, a «Festa dos Rapazes» estende-se por vários dias seguidos, a partir do dia de Santo Est (...)
  • 25 Cfr. Francisco Manuel Alves, op. cit., pág. 293.

20Não cabe aqui analisar pormenorizadamente as celebrações transmontanas conhecidas pelo nome genérico de «Festas dos Rapazes», que o Abade de Baçal considera sobrevivência das Festas das Calendas e dos Loucos medievais, e Jorge Dias classifica como ritos de puberdade ou de iniciação, semelhantes aos que existem em relação a certas sociedades iniciáticas masculinas; tais celebrações, que comportam, além de pantominas, «colóquios» ou comédias, servindo de ocasião de loas e chocalhadas satíricas, mascaradas e danças, «com o fim de amedrontar as mulheres», e várias outras práticas de carácter ritual, distribuições alimentares, refeições em comum e importantes colações cerimoniais, têm normalmente lugar no dia de Santo Estêvão, a 26 de Dezembro, mas por vezes deslocam-se, total ou parcialmente, para datas diferentes24. Na verdade, em certas terras do distrito de Bragança, o mordomo de Santo Estêvão, no dia 11 de Novembro, depois da missa, distribui aos assistèntes pão, vinho, queijo, e tremoços25, o que parece portanto relacionar de certa maneira as duas festividades.

21Muitos dos costumes que acabamos de descrever exprimem-se no adagiário popular (aliás com correspondência mais ou menos directa noutros países europeus). Assinalaremos, por exemplo:

No dia de S. Martinho
Mata o teu porco
E prova o teu vinho.

Em dia de S. Martinho
Faz magusto e prova o teu vinho.

Em dia de S. Martinho
Lume, castanhas e vinho.

Dia de S. Martinho
Prova o teu vinho.

Em dia de S. Martinho
Na adega prova o teu vinho.

Pelo S. Martinho
Encerta-se o pipinho.
(Vilarinho – Vila do Conde)

Pelo S. Martinho
Fura o teu pipinho.

  • 26 In «Mensário das Casas do Povo», ano I, 3, Lisboa. Setembro. 1946, pág. 6 (sem indicação de proveni (...)

Em dia de S. Martinho
Atesta e abatoca o teu vinho26.

Pelo S. Martinho
Prova o teu vinho:
Ao cabo de um ano
já te não faz dano.

Martinho bebe o vinho.
E deixa a água para o moinho.

O Sete-Estrelo pelo S. Martinho
Vai de bordo a bordinho,
Á meia-noite está a pino.

22Enfim, assinalaremos que em alguns casos, muito raros, S. Martinho apresenta-se como o patrono contra o paludismo, com promessas específicas de telhas.

Notes

1 Le culte de Saint Martin en Portugal. «Revista de Etnografia », 20. Porto. 1963 (em francês): e O S. Martinho em Portugal. « Actas do 1,° Congresso de Etnografia e Folclore ». Braga. 1956. II. Lisboa. Biblioteca Social e Corporativa. 1963, págs. 165-173.

2 Denominamos «cerimoniais» os manjares, pratos ou refeições que sob formas definidas e tradicionalmente estabelecidas, ocorrem, com carácter obrigatório especial e mais ou menos acentuado. em certos dias festivos do ano. parecendo assim representar a sobrevivência de consagrações ou manducações de algumas espécies de qualquer modo representativas das culturas locais, outrora verosimilmente integradas nos complexos rituais de velhos cultos anteriores, e que sofreram, ao longo dos séculos, a influência de factores de diversa ordem.

3 Cfr. Luís Chaves. Páginas Folclóricas, in «Revista Lusitana », vol. 37. Lisboa. 1939. pág. 37. Veja-se também Francisco Manuel Alves (Abade de Baçal). Memórias Arqueológico-Históricas do Distrito de Bragança, tomo IX. Porto. 1934, págs. 310-311. que considera o dia dos «Santos» relacionado com o de S. Martinho ; e Cláudio Basto. Panorama Etnográfico, in « 7 de Maio» de 1939. 1.° Centenário dos Bombeiros Municipais de Gaia. Porto. 1939. pág. 15,

4 Cfr. José Crespo. O Minho, região de beleza eterna. Viana do Castelo, s. d., págs. 112-113.

5 Cfr. Cláudio Basto, op. e loc. cit.

6 Note-se que nessas províncias, de clima do tipo mediterrâneo, o castanheiro, corrente no Norte do País, não existe. Por outro lado, conhecem-se em Monchique magustos de batatas, em que estas, segundo um processo que se encontra também noutras partes, são assadas numa cova cavada no solo e recoberta seguidamente de terra, sobre a qual se acende uma fogueira (cfr. José António Guerreiro Gascon, Subsídios para a monografia de Portimão, Portimão, 1955, pág. 363). É interessante acentuar que em muitas regiões a batata se apresenta como um substituto da castanha, que está em vias de desaparecimento, conservando nomes que recordam essa relação, tais como «castanhas da terra». por exemplo (cfr. Ernesto Veiga de Oliveira. Todos os Santos e Fiéis Defuntos, nota 3.).

7 Cfr. José Crespo, op. e loc. cit.

8 Por exemplo o Código de «Posturas» de 1793, as leis municipais do Cadaval de 1859 a 1891, etc. Cfr. J. A G. Gascon. op. e loc. cit., e José Maria Adrião. Retalhos de um Adagiãrio. « Revista Lusitana ». 21. Lisboa. 1918. pág. 33. Este último autor transcreve a passagem de um conto de António de Trueba que menciona o mesmo costume legal em Espanha. Note-se que na ilha do Porto Santo prova-se o vinho novo em dia de Todos os Santos.

9 Cfr. Fernando Braga Barreiros, Tradições Populares de Barroso, in «Revista Lusitana», Vol. XIX, Lisboa, 1916, pág. 87.

10 Cfr. Francisco Manuel Alves (Abade de Baçal), op. cit., págs. 241-242.

11 Cfr. J. Leite de Vasconcelos. Ensaios Ethnographicos, vol. III. Lisboa. 1906, págs. 296- -297.

12 Cfr. M. Cardozo Martha e Augusto Pinto. Folclore da Figueira da Foz. Segundo Tomo. Esposende. 1912, pág. 97.

13 Cfr. Jaime Lopes Dias. Etnografia da Beira, vol. III, Lisboa, 1929, págs. 95-98.

14 Cfr. Luís da Silva Ribeiro. Notas sobre a vida rural na Ilha Terceira (Açores), in «Revista Lusitana». Vol. 33. Lisboa. 1935, págs. 82-83 : e também mesmo autor, Festas de S. Martinho. in «Boletim Histórico da Ilha Terceira », vol. X. Angra do Heroísmo, 1952, pág. 277.

15 S/nome (Luís da Silva Ribeiro?). Festas de S. Martinho. « Boletim do Instituto Histórico da Ilha Terceira ». X, Angra do Heroísmo, 1952, pág. 277.

16 Cfr. M. Cardozo Martha e Augusto Pinto, op. e loc. cit.

17 Cfr Jaime Lopes Dias. op. e loc. cit.

18 Acerca destes aspectos, cfr. F. Adolpho Coelho. «Revista de Ethnologia e de Glotologia». fase. II-III, Lisboa. 1881. págs. 86-87 : Jaime Lopes Dias. Etnografia da Beira, vol. III, V.a N.a de Famalicão, 1929, págs. 95-98 : José Germano da Cunha. Apontamentos para a história do Concelho do Fundão, Lisboa. 1892, pág. 157: Manuel Ramos de Oliveira. Celorico da Beira e o seu concelho. Celorico da Beira. 1939. pág. 146 ; Tavares da Silva, Esboço dum vocabulário agrícola regional. Lisboa. 1944. págs. 295-306 ; Eduardo C. N. Pereira. Ilhas de zargo. II. Funchal. 1957. págs. 1097-1098 : Luís da Silva Ribeiro. Notas sobre a vida rural na Ilha Terceira, in « Revista Lusitana ». XXXIII. Lisboa. 1935. págs. 71-93 (esp. 82-83). Em especial, ver Cecília Schmidt Branco. Das origens de um symbolo popular na festa de S. Martinho. in « Revista Lusitana». I. Porto. 1889. págs. 291-297. com a menção do mesmo costume na Alemanha.

19 J. A. G. Gascon, op. e loc. cit.

20 Cfr. J. Leite de Vasconcelos, op. e loc. cit.

21 Cfr. Amold van Gennep, Manuel de Folklore Français Contemporain, Tome Premier, III, « Cérémonies Périodiques Cycliques – 1 –Carnaval – Carême – Pâques ». Paris, 1947, pág. 974, nota 4. Este autor reforça a sua hipótese que recusa o carácter sagrado essencial dos manequins carnavalescos, pela consideração da ausência geral de paródias de procissões religiosas ou cortejos fúnebres para o seu transporte; a existência normal de tais paródias parece, pois, ser paralelamente um argumento a favor da hipótese contrária.

22 Cfr. Fernando Braga Barreiros, op. e loc. cit., pág. 79, e A. Thomás Pires, Investigações Etnográphicas, « Revista Lusitana », vol. XI, Lisboa, 1908. pág. 264.

23 O Abade de Baçal relata o costume transmontano de. durante a feitura do vinho novo, os homens, de noite, correrem o povoado, tocando gaita, ferrinhos, tambor e guitarras, e «pincharem» os carros, trancarem as ruas com paus e traves, e. principalmente, as fontes, para indicar que não se deve beber água nessa ocasião (cfr. Francisco Manuel. Alves, op. e loc. cit., pág. 241). Este costume. de uma licenciosidade nitidamente cerimonial, e que é normalmente próprio da noite de S. João, e. em casos menos frequentes entre nós, das noites de Carnaval (por exemplo, em Bensafrim), ou de Todos os Santos (em Moimenta e Seixas. no concelho de Vinhais), aparece aqui condicionado pela feitura do vinho novo, e portanto em relação com o facto central das celebrações do S. Maninho. Veja-se acerca do assunto Ernesto Veiga de Oliveira. Os “Bombos” de Fafe e outras diversões de carácter periódico, in « Trabalhos de Antropologia e Etnologia», vol. III, fasc.° 3-4, Porto, 1952. págs. 266 e 267-270. É neste mesmo sentido que nos parece sem dúvida que se deve interpretar o costume do Pocinho indicado no texto. Vemos assim, na noite de S. Martinho, cortejos cujo carácter cerimonial não oferece dúvidas; e isto vem em reforço da hipótese que formulámos acerca da natureza das «Procissões de bêbados» que têm lugar nessa mesma noite.

24 Geralmente, a «Festa dos Rapazes» estende-se por vários dias seguidos, a partir do dia de Santo Estêvão, a 26 de Dezembro. Por vezes, contudo, a sua data é diversa, e, outras vezes ainda, as celebrações correspondem a festividades diferentes. É o que sucede, por exemplo, além do caso indicado no texto, com o da aldeia de S. Julião, também no distrito de Bragança, onde as comemorações principais se realizam no dia de Reis, mas foram precedidas de uma refeição em comum dos mancebos, no dia 1 de Novembro, a qual consta de dois chibos, um, fornecido pelos rapazes, e o outro pelas raparigas. Em Rio de Onor, a festa é também nos Reis, tendo-se aí verificado a sua absorção, por sobreposição e sincretismo fundado no uso comum de máscaras, por uma outra cerimónia que correspondia a essa data, e que parece relacionar-se com o culto dos mortos, a qual aparece com este carácter, mas de forma autónoma, em diversas localidades transmontanas. A este respeito, cfr. Jorge Dias. Rio de Onor, Comunitarismo Agro-Pastoril, Porto, 1953, págs. 317 e 319, e 342- -343; e Francisco Manuel Alves (Abade de Baçal), op. cit., págs. 289-293, e também «Ilustração Transmontana », 3.° ano, Porto, 1910, págs. 178-181. Veja-se ainda Ernesto Veiga de Oliveira. Manjares e Refeições Cerimoniais em Portugal, in «Estudos e Ensaios Folclóricos em Homenagem a Renato Almeida», Rio de Janeiro, 1960, págs. 345-365.

25 Cfr. Francisco Manuel Alves, op. cit., pág. 293.

26 In «Mensário das Casas do Povo», ano I, 3, Lisboa. Setembro. 1946, pág. 6 (sem indicação de proveniência).

Table des illustrations

Titre Fig. 14 – Semancelhe. Ponte do Abade. Um magusto em dia de S. Martinho.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/5988/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 123k

© Etnográfica Press, 1995

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search