Version classiqueVersion mobile

Festividades cíclicas em Portugal

 | 
Ernesto Veiga de Oliveira

I. Festividades cíclicas

13. Formas alimentares do S. João1

Texte intégral

  • 1 «Cultura e Arte » – página cultural de « 0 Comércio do Porto », 8.7.1958. pág. 5.

1O S. João em Portugal é sem dúvida uma das celebrações cíclicas populares e tradicionais mais importantes e festivas, com aspectos e significados muito variados, e uma problemática extraordinariamente complexa, nomeadamente no que se refere à virtude das ervas, do fogo e das águas nessa noite, às fogueiras e banhos rituais, às abluções e práticas divinatórias, relacionadas sobretudo com o casamento, a saúde e a felicidade. Sob o ponto de vista alimentar, porém, pelo contrário, é uma quadra pobre e pouco caracterizada, sendo mesmo raras as áreas em que se assinala qualquer manjar específico.

2Na região do Porto, com obrigatoriedade atenuada, o prato do dia é o carneiro ou anho assado, umas vezes com arroz de forno, outras com batatas, outras ainda sem acompanhamento especificado; e o costume estende-se até terras de Arouca. No Minho, encontramos o mesmo prato neste dia em certos lugares, como, por exemplo, em Fafe; e noutros, o cabrito em vez do carneiro.

  • 2 A. Santos Graça. « O Poveiro ». Póvoa de Varzim, 1932.

3Na Póvoa de Varzim, na véspera do dia, usam-se caldeiradas de peixe: as lanchas fazem enviadas ao profundo, à pesca das melhores qualidades: as mestras, nessa noite, distribuem à discrição o agasalho, que se compõe de vinho e rosca, a todos aqueles que bailam e brincam no recinto embandeirado que se arma na rua em frente à porta de suas casas, em roda da fogueira que arde ao lado do Pinheiro do S. João2 – essa árvore, ornamentada de flores, grinaldas e papéis de cores, que na faixa litoral a norte do Porto marca o local da festa de cada lugar.

4Estas práticas, mais do que um manjar especial, parecem apontar um preceito de abundância e euforia, com que se pretende celebrar o dia: e este significado é particularmente sensível no costume transmontano. Aí, de facto, a festa carateriza-se verdadeiramente por um excesso alimentar, com refeições de viandas de toda a espécie, na glorificação festiva do prazer da fartura. Na região de Chaves, em Meiros e aldeias vizinhas, o Abade de Baçal viu nos festejos deste dia de 1889 a 1896, quando ali se encontrava, assarem-se na rua, em frente às casas, cabritos, cordeiros e leitões, que se destinavam ao jantar festivo dos respectivos moradores. Mas é em Rio de Onor, no relato de Jorge Dias, que essas características se apresentam com maior evidência e intensidade: o S. João é ali a festa máxima, e a actividade lúdica maior da terra. Já de véspera «os homens, junto às portas e nos largos, matam e esfolam carneiros, cordeiros, cabritos, leitões e mesmo vitelas, quando alguns mais abastados se juntam e repartem a carne entre si: reina por toda a parte uma alegria esfuziante, nessa gente «que só conhece a fartura em poucos dias do ano». As refeições sucedem-se ininterruptas: um convida para comer o úbere da vitela, petisco apreciado, o outro oferece o sangue de carneiro preparado de uma maneira especial – e o vinho corre em torrentes. As mulheres, pela noite fora, fazem a comida para o dia seguinte, que será todo preenchido com os festejos. Logo de manhã «leitões e carneiros, já assados ou para assar, passam pelas ruas enfiados em grandes espetos»; faz-se uma pescaria no poço grande do rio que atravessa a aldeia, que todo o ano está coutado pelo conselho para neste dia ter peixe suficiente: trutas, escalos, enguias, etc. Depois da procissão, tem lugar o jantar, que «é a refeição mais lauta do ano», e «um autêntico festim pantagruélico ». Ninguém olha a despesas, e as portas estão abertas para todo o conhecido que passa, e conhecido é afinal praticamente toda a gente. Os pratos sucedem-se em quantidades desmedidas: carne estufada, carne assada, carne de porco, cabrito, vitela, leitão no espeto, batatas, arroz, etc., e por fim, arroz-doce. O vinho é a rodos. Em quase todas as casas se come assim, com excepção da vitela e dos peixes. Prolongando a euforia que decorre deste repasto monumental, segue-se-lhe o baile, que dura a noite inteira, e que arrasta, no desvario da dança, homens e mulheres, velhos e novos, crianças e namorados, ricos e pobres, mendigos e ciganos, e que só acaba de manhã, quando as pessoas caem de esgotamento. O dia seguinte «é ainda de festa: as sobras da véspera dão ainda para este dia. Há fartura de pão, de carne e de vinho, e as belas alfaces da faceira dão saladas magníficas...».

  • 3 Jaime Lopes Dias, «O S. João de Monforte da Beira», in «Terra Lusa». n.° 2. Lisboa. 1952.

5Na Beira Baixa, em Monforte da Beira, encontramos também, nos festejos de S. João, o mesmo preceito alimentar de abundância, que se traduz em lautas refeições cerimoniais: aí, na véspera do dia, depois da volta que toda a gente, a cavalo, deu, que termina à porta do «alferes» ou festeiro, que leva a bandeira, este oferece vinho a todos os presentes e dá três vivas ao S. João. Nem o alferes, nem os padrinhos, nem os mais componentes da volta bebem todo o vinho dos copos: deixam sempre uma pinga, que despejam sobre a cabeça das montadas, para que estas não tenham «aguamento». No dia seguinte, após a missa, o alferes oferece um banquete aos padrinhos, ao alferes velho e a muitos convidados: para essa farta refeição deu a povoação ovos, galos, galinhas, açúcar, azeite, etc. De tarde, há nova volta, que vai até ao grande baldio local a que chamam a Deveza, onde se realizarão as corridas a cavalo, para a disputa de galos que ali estão, guardados em cestos, e que o povo oferece ao alferes. Ganha o galo o primeiro que chegar e as corridas duram enquanto houver galos: estes, depois de disputados, são oferecidos pelos solteiros às suas noivas, pelos casados às esposas e pelos solteiros que não tenham noiva à esposa do alferes3.

6Em certos lugares do Alentejo, como por exemplo em Bencatel (Vila Viçosa), fazem-se para o dia de S. João uns bolos especiais, a que se dá o nome de «Capelas do S. João ». Finalmente, no Algarve, na véspera do dia, armam-se, nas ruas ou largos públicos amplos, mastros engrinaldados e revestidos com murta, alecrim e outras verduras, encimados por bandeirolas, às vezes com outros mastros mais pequenos dispostos à volta, ligados entre si por festões também de verduras e papéis de cor, formando um recinto quadrado onde se baila e brinca: em Odesseixe e em Alfombra (Aljezur), esses mastros, a partir de meia altura, são ornamentados com «arcos» em forma de gaiolas feitas de tiras de madeira ou cana encurvadas, com fitas, flores, biscoitos ou outras coisas penduradas, e, dentro, um boneco em massa de farinha triga, cozida no forno, figurando o santo: em Luz de Tavira, essa imagem é colocada no topo do mastro.

7E, como já referimos, cabe perguntar se existirá qualquer relação (de resto difícil de precisar) entre estes S. Joões, e bem assim os bonecos antropomórficos de alfemim com que na ilha Terceira se pagam as promessas feitas ao santo, de que fala Silva Ribeiro, e as figuras de massa – e mais tarde pano – que se colocavam nos vasos de trigo, do costume são-joanino de Ozieri (Sardenha), relatado por Frazer.

Notes

1 «Cultura e Arte » – página cultural de « 0 Comércio do Porto », 8.7.1958. pág. 5.

2 A. Santos Graça. « O Poveiro ». Póvoa de Varzim, 1932.

3 Jaime Lopes Dias, «O S. João de Monforte da Beira», in «Terra Lusa». n.° 2. Lisboa. 1952.

© Etnográfica Press, 1995

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search