Version classiqueVersion mobile

Festividades cíclicas em Portugal

 | 
Ernesto Veiga de Oliveira

I. Festividades cíclicas

12. O S. João e o fogo1

Texte intégral

  • 1 «Cultura e Arte». «O Comércio do Porto». 14.7.1959.

1Os festejos estivais, que, em terras portuguesas e em muitos outros países, têm lugar na véspera e no dia de S. João, a 24 de Junho, em honra do Santo Precursor, fazem-se na freguesia de Leça da Palmeira, no concelho de Matosinhos. em tomo do motivo central do pinheiro, que leva entre o povo o nome do «Pinheiro de S. João». Em qualquer local um pouco mais amplo, de forma a permitir o ajuntamento dos vizinhos e os folguedos da mocidade, os mordomos e organizadores da festa erguem uma dessas árvores, que tanto abundam na região, com uns sete a oito metros de altura, cortada para o efeito e previamente ornamentada pelas mulheres do sítio, e que se fixa ao solo por meio de grossas pedras e espias, geralmente disfarçadas sob verduras, palmas ou outras guarnições. Assim, vimos há poucos anos ainda os pinheiros da Travessa das Icas e da Rua Nova, ambos no alto da Amorosa, o de Roldão, junto à estrada do Cabo do Mundo, e. para os lados da Boa Nova, nessa paisagem recolhida e clara, aberta ao vento do mar e para sempre entranhada da nostalgia do Só. o do Sardoal e o de Pedras de Novais, no seu rústico largo – todos eles com os troncos pintados ou decorados com entalhes e cingidos de folhagens verdes recamadas de gerânios. pampilhos e mais flores garridas que nelas se encastoam, e com as suas copas escuras, encimadas por uma bandeirola de fantasia, ostentando idênticos enfeites ou ramalhetes nos galhos festonados.

2Em todos estes lugares, o arranjo do recinto era semelhante: o pinheiro ao lado ou ao centro de um modesto redondel de grinaldas, bandeiras e lampiões, presos a postes decorados com folhagens e montagens guarnecidas: adiante do pinheiro, os preparos para a fogueira, à volta da qual se brinca, se baila e se conversa: a animação é feita do vaivém das gentes e dos pares, no meio da algazarra dos altifalantes que. com o seu repertório revisteiro. atroam os ares, onde estrelejam foguetes, acima das iluminações coloridas. Na Amorosa, de população mais numerosa e tradições menos arreigadas, as arruamentos que conduziam ao redondel estavam ornamentados no mesmo estilo deste último: na Travessa das Icas, faltava a fogueira, certamente considerada pueril: em Roldão, pelo contrário, o entusiasmo das gentes pelo fogo fora tão grande que incendiaram o próprio pinheiro, queimando-lhe o revestimento do tronco, que ficou despido e chamuscado. No Sardoal. a função desenrolava-se à tarde, no pátio de uma pequena venda, pobremente adornada: sob um coberto, duas violas e dois cantadores, encadeando improvisos de métrica falível, enquanto quatro rapariguitas, ao sol. davam, silenciosas e ligeiras, as voltas do vira: e fora, junto do cinzeiro extinto da véspera, à beira do caminho, o velho pinheiro, solitário e esquecido... Uma senhora idosa, do sítio, diz-me: – «No meu tempo, isto era uma lindeza! O Pinheiro cobria-se de flores, vinha gente com violas, cavaquinhos e harmónios, cantava-se e dançava-se. o vira, a chula, o malhão!...»

3Informam-me que. acima destes todos, avultavam em concorrência e animação os festejos que. na tarde do dia 24. se realizavam no airoso terreiro da Boa Nova, e que hoje já se não fazem. Existe de facto nessa capela, à direita do altar, que é dedicado à Senhora da Boa Nova, uma imagem do Baptista. que outra, à esquerda, de S. Clemente, equilibra. E é fácil imaginar o pitoresco da cena que se perdeu: o tremular das grinaldas e decorações, açoutadas pela nortada rumorosa: a capela, tosca e singela, muito caiada, deixando entrever, pela porta aberta, as velas acesas e os altares floridos: os romeiros, deambulando entre bailaricos e descantes, tendinhas de vinho e doces, louças, miudezas e tremoços, e dispersos pelo alcantilado e pelo areal, misturando a sua vozearia ao estoiro dos foguetes e à música dos tocadores e das bandas, sobre o baixo poderoso e surdo da vaga batendo de encontro aos rochedos. E no alto, dominando a agitação, o pinheiro...

4O mesmo motivo encontra-se. em termos idênticos, em terras da Maia, em Moreira, onde parece ser um costume antigo, no Mindelo. etc. Na Póvoa de Varzim. à porta das casas dos «mestres», via-se também, há poucos anos ainda, juntamente com as fogueiras, um pinheiro alto, à roda do qual se dançava, e, de um lado ao outro da rua. filas de lenços embandeiravam o local: o «mestre» mandava vir da tenda o «agasalho» – vinho e rosca – que servia à discrição aos presentes.

5Noutras regiões, de modo parecido, encontramos também uma árvore festiva – que por vezes é mesmo um pinheiro – nas celebrações do S. João local: mas ela figura aí especificamente como material da fogueira cerimonial dessa festa, tendo por isso uma natureza essencialmente diversa da dos pinheiros de Leca; assim, nas Beiras, em Silgueiros (Viseu), para o S. João, prepara-se – e também juntamente com as fogueiras–. um pinheiro, com maçanetas de pano nas pontas dos ramos, ligadas entre si por fitas, tudo embebido em petróleo, e a que se pega fogo na noite da festa: na serra de Montemuro, em Campo Benfeito. por exemplo, celebra-se o S. João com o «tênchoeiro» – um tronco de amieiro com uns quatro metros de altura, revestido até meio com giesta seca, que se ergue num alto próximo da povoação, à volta do qual se canta e dança, e a que depois se deita fogo: na Póvoa da Atalaia (Fundão), para a noite de 23 de Junho, fazem-se «mastros» festivos, que são paus envoltos em mato, que mais tarde se queimam, enquanto se dança e se extinguem as fogueiras que ardiam por toda a vila. etc. Por seu turno, em Montedor, ao norte de Viana do Castelo, usava-se também um pinheiro nas celebrações do S. João, que levava aí. como em Leça, o nome de «Pinheiro de S. João», mas que também se queimava: nos terceiro e segundo domingos anteriores ao dia 24. os mordomos e mordomas – praticamente toda a gente moça e solteira da terra – faziam um peditório pelos diferentes lugares da freguesia: de regresso, no local onde é costume realizar-se o arraial, organizavam um bailarico, com a música que os acompanhara na tarde: na véspera do último domingo, iam ao monte com um carro de bois, buscar um pinheiro, de preferência manso: pelo caminho abaixo, este vinha de qualquer maneira: mas chegado à povoação, o carro era preparado: montava-se sobre ele um estrado largo, a árvore era posta ao alto, decorada com verduras e cercada de balaústres, etc. No dia seguinte, o carro, assim ornamentado e puxado por uma ou mais juntas de bois, com cangas de luxo enfeitadas com flores, transportava o pinheiro até ao terreiro da festa, levando as mordomas no estrado, e acompanhado pelos mordomos e pela música, que o seguiam: aí. ele era apeado e espetado no chão, marcando o sítio do baile: levava-se para lá pruma. geralmente arranjada em cordões, e na noite de 23 de Junho pegava-se-lhe fogo, enquanto à sua volta se dançava e se brincava.

6No Sul do País, tal como em Leça, aparecem «mastros» de S. João marcando de modo idêntico o lugar da festa: vemo-los em Odivelas (Ferreira do Alentejo). no Torrão (Alcácer do Sal), etc., e sobretudo no Algarve: mas aqui eles apresentam aspectos novos e originais, que também parecem indicar uma natureza especial e diferente dos demais. Em Odesseixe. Alfombra. Loulé. Tavira. Olhão, etc., por exemplo, para a noitada de 23 de Junho arranja-se um de tais «mastros» – um poste decorado até meia altura com verduras, e daí para cima com «arcos», que são pequenas gaiolas feitas de tiras de cana ou de madeira, que encerram uma pequena imagem do santo em massa de pão. e com fitas, flores e biscoitos pendurados, e encimada por uma bandeira. Este «mastro» fixa-se num lugar público amplo, e à sua volta dispõem-se quatro outros «mastros» mais pequenos, limitando um espaço dentro do qual se faz a festa, cantando-se e dançando-se em redor do «mastro» maior.

7O costume das fogueiras do S. João pode igualmente considerar-se geral em todo o País. mas. como as árvores festivas, apresenta-se nas diversas regiões sob formas diferentes. Em terras da Maia, no Mindelo. em Lousada. e mesmo na área do «Pinheiro», as fogueiras são geralmente grandes, colectivas. mas com freguência vêem-se outras, pequenas, particulares, à porta das casas, na via pública, sobre as quais se salta. Em Trás-os-Montes, encontram-se as fogueiras feitas com ervas aromáticas, que fazem muito fumo, que nessa noite tem virtudes profilácticas: em Freixo de Espada à Cinta, elas são de arreção e rosmaninho. e perfumam toda a vila: em Quintanilha, cada «bárrio» da aldeia tem a sua. que é pequena e feita com erva de «salpurros»; novos e velhos saltam-na em cruz para se defumarem contra a sarna e o sarampo, dores de cabeca e bexigas, dizendo enquanto saltam:

« Sarna e sarampelo.
Para o Padre de Arcozelo.»

8No Sul. as fogueiras mostram este mesmo carácter, e, além disso, têm virtudes propiciatórias relacionadas sobretudo com o casamento. No Torrão (Alcácer do Sal), em Sesimbra, em Palmeia, etc., fazem fogueiras de alecrim e rosmaninho às portas das casas, e os rapazes e raparigas saltam sobre elas; em Palmeia, dizem que quanto mais alto as raparigas pularem, mais certo é o casamento; e é também costume ali fazerem rodinhas à volta dela. Em Odivelas (Ferreira do Alentejo), fazem igualmente fogueiras de alecrim e rosmaninho, que saltam para se defumarem, entendendo que esse fumo é um «ar sadio»; além disso, utilizam-na para previsão do tempo, passando sobre ela uma tábua com doze mãos cheias de sal. figurando os doze meses seguintes: a quantidade de água que ressoar de cada monte, indica a chuva no mês correspondente. Em Santa Clara-a-Nova (Almodôvar). Barranco do Velho. Santa Luzia (Cercal), etc., vêem-se do mesmo modo fogueiras de alecrim e rosmaninho, às vezes também erva do monte, às portas das casas, associadas a práticas profilácticas ou divinatórias; em Santa Clara, saltam-nas quatro vezes em cruz, atirando dinheiro para o fogo: no dia seguinte, recolhe-se esse dinheiro, que se destina aos ceguinhos; no Cercal e no Barranco do Velho, saltam-nas três ou sete vezes em cruz, levando na mão três papelinhos, cada um com seu nome; atiram dois ao acaso para o fogo, e o que fica indica o nome do futuro noivo ou noiva. Em Odesseixe, além desta, conhecem-se outras práticas divinatórias ainda, relacionadas com a fogueira do S. João e o casamento: salta-se a fogueira três vezes em cruz com um bochecho de água na boca, que se conserva até se ouvir alguém proferir o nome duma pessoa do outro sexo, que será o nome do futuro noivo ou noiva: o costume dos três papelinhos comporta variantes: pode-se. depois de saltar a fogueira como indicamos, deitá-los num copo de água, deixá-los «serenar» (apanhar o sereno), e ver na manhã do dia 24 qual o que está mais aberto: ou. então, deitar um ao fogo (que é o que se «queima»), pôr outro atrás da porta, e ver qual o que ficou nas mãos, etc. Salta-se também a fogueira em cruz três vezes com três favas secas na mão. uma das quais sem casca, outra com metade da casca e a terceira com a casca toda: põe-se depois debaixo do travesseiro, e a que se tirar de manhã, indica a riqueza que se virá a ter: grande, se é a fava com toda a casca, mediana, se é a outra: se sai a que não tem casca nenhuma, ser-se-á pobre, etc. Na área dos «mastros» algarvios, fazem também fogueiras ao lado deles, mas aí as divinaçôes e defumações parecem desconhecidas ou esquecidas. E é desnecessário mencionar as fogueiras festivas que ainda hoje se vêem no Porto, em Coimbra e em Lisboa.

Notes

1 «Cultura e Arte». «O Comércio do Porto». 14.7.1959.

© Etnográfica Press, 1995

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search