Version classiqueVersion mobile

Festividades cíclicas em Portugal

 | 
Ernesto Veiga de Oliveira

I. Festividades cíclicas

10 A quinta-feira de ascensão em Portugal1

Texte intégral

  • 1 «Trabalhos de Antropologia e Etnologia». XV, 3/4, Porto, 1955-1957, págs. 288-293.

1A Quinta-Feira de Ascensão, que marca o final do ciclo dos Quarenta Dias inaugurado com a Páscoa, compreende, em Portugal, além das cerimónias religiosas da liturgia cristã – e por vezes com elas relacionadas por determinados elementos –, certas práticas específicas e tradicionais, que parecem constituir fragmentos de complexos mágico-religiosos, cuja textura completa e significado preciso aparecem apenas em alguns casos raros.

  • 2 Almanach Auxiliar, 2, Coimbra, 1898, págs. 123-124.
  • 3 Por excepção, temos notícia, em Vila Real de Trás-os-Montes – portanto no Norte –, do costume da ap (...)

2No Sul do País, a data é conhecida pela designação de «Dia da Espiga»; as pessoas saem para os campos, para apanharem a «espiga», isto é, arranjarem um raminho, que enquadra fundamentalmente uma espiga de trigo e um ranco de oliveira, e que se compõe, além destas espécies, de espigas, a preceito, de outros cereais – centeio, cevada, aveia, etc. –, e também rosas, papoilas, malmequeres, margaridas, pampilhos, ou outras flores campestres, em número e combinações variáveis conforme as localidades, mas certas em relação a cada uma, que se pendura dentro de casa, na parede da cozinha ou da sala, e aí se conserva um ano, até ser substituído pela «espiga» do ano seguinte, e a que, colhida nesse dia, se associa uma ideia expressa de virtude benfazeja. Em Bencatel (Vila Viçosa), por exemplo, o ramo consta de três espigas de trigo, e outras tantas de centeio, de cevada e de aveia, um ranquinho de oliveira e outro de fava, às vezes com rosas, papoilas, etc., que se guarda com a ideia de que traz fortuna à casa; em Santa Luzia (Ourique), ele consta de três espigas de trigo, três ranquinhos de oliveira e três papoilas, e crê-se do mesmo modo que ele tem «virtude»; em Beja e Almodóvar, o ramo leva cinco espigas de trigo, cinco de cevada, um ranquinho de oliveira e cinco papoilas vermelhas; em Lisboa, outrora, o povo da cidade ia em grande número aos campos dos arredores colher o raminho da «espiga», que se entendia que assegurava pão à casa todo o ano2. Ainda hoje, neste dia, vendem-se pelas ruas estes ramos, que as pessoas penduram na cozinha, para dar «sorte». Etc.3

  • 4 Cfr. A. Thomás Pires, Investigações Ethnográphicas. in « Revista Lusitana », vol. XI, Lisboa, 1908, (...)
  • 5 Cfr. José Maria Adrião, Tradições Populares colhidas no concelho de Cadaval. «Revista Lusitana », v (...)
  • 6 Cfr. M. Cardoso Martha e Augusto Pinto. Folclore da Figueira da Foz. Esposende. 1912. torno II, pág (...)

3Em certas localidades, o costume ocorre sob formas mais complexas, com novos elementos, que aparecem ora isolados ora agrupados diversamente, ora mesmo referidos geralmente a celebrações diferentes. Assim, em Odesseixe, a «espiga» consta de três espigas de trigo, um ranquinho de oliveira, pampilhos e papoilas, que se amarram com uma fita e se dependuram assim na parede; quando há trovoadas, queima-se, para as abrandar, uma folha de oliveira deste ramo, o que parece representar a absorção por sobreposição de uma prática que normalmente diz respeito à oliveira do dia de Ramos; em Palmeia, a «espiga», que se compõe de três espigas de trigo, três papoilas, três malmequeres e três pampilhos, e do ranquinho de oliveira, espeta-se numa fatia de pão, e deixa-se assim ficar até ao Dia da Espiga do ano seguinte, em que cada pessoa come um pedaço desse pão, que se conserva incorrupto; na região de Eivas, nesta data, do meio-dia para a uma hora – isto é, durante a reza da hora, que tem lugar na festa da igreja – deve-se apanhar cinco espigas de trigo, cinco folhas de oliveira, e as flores amarelas e brancas que se puder, rezando-se, ao fazê-lo, cinco padre-nossos, cinco ave-marias, e cinco Gloria patris, para que se não acabe em casa, nesse ano, o trigo, o azeite, o ouro e a prata4. No concelho do Cadaval, de modo semelhante, colhe-se à uma hora da tarde deste dia uma espiga de trigo – que significa abundância de pão –, um ranquinho de oliveira – que afirma a paz –, e um malmequer e um pampilho – que prometem fartura de prata e ouro, respectivamente, durante o ano; ao mesmo tempo, naquele período propício – do meio-dia para a uma hora –, corta-se uma fatia de pão macio, que se conserva sem ganhar bolor até igual data do ano próximo, em que, à mesma hora, se come, cortando-se nova fatia igual para o ano a seguir; e entende-se igualmente que da sua conservação resulta abundância de pão para todo o ano5. Na Figueira da Foz, entende-se também que, neste dia, ao meio-dia, é bom guardar um bocado de pão, que ficará incorrupto até ao ano seguinte, e que trará fartura à casa6. Etc.

  • 7 Cfr. Alberto Vieira Braga. Curiosidades de Guimarães. XLIV, pág. 226 (extraído de Tradições Popular (...)
  • 8 José da Silva Picão, Através dos Campos.
  • 9 José Maria Adrião, op. e loc. cit., pág. 124 : Alexandre de Carvalho Costa. Expressões Populares do (...)
  • 10 Por exemplo, em Vilarinho (Vila do Conde),

4Noutras regiões, relativamente raras, as celebrações deste dia, sem perderem o seu carácter propiciatório genérico, tomam um aspecto diverso, em que se afirma o significado mágico-cerimonial do leite. Assim, na Esperança (Arronches), a data leva mesmo o nome de «Dia do Leite»; os lavradores, que normalmente fazem queijo com o leite das suas vacas, ovelhas e cabras, nesse dia ordenham-nas e dão-no a qualquer pessoa que vá ao bardo. Em Guimarães e em diversas freguesias do concelho de Pinhel, de modo parecido, o leite das vacas, ovelhas e cabras dos diferentes vizinhos, ordenhado nesse dia, é por eles oferecido ao pároco7. E em Santa Eulália, no concelho de Eivas, esse leite é dado aos pobres, entendendo-se que isso livra a cabrada da sarna8. Em certos lugares, por exemplo, no Cadaval, crê-se que este leite não coalha; e ali, e na Beira, o queijo que com ele se fabrica é mezinha contra sezões9. Conhecemos, por outro lado, o uso, em alguns lugares10, do leite de mãe e filha (que tanto pode ser humano como animal), como terapêutica preventiva contra o mal de gota – ou seja, a epilepsia, o grande mal ou mal sagrado dos antigos.

  • 11 A hora litúrgica da «Noa» (cfr. José Diogo Ribeiro. Turquel Folclórico. «Revista Lusitana». XXI, pá (...)
  • 12 A este respeito lembramos a conhecida romaria da Senhora da Hora, em Matosinhos, na quinta-feira de (...)

5De um modo geral, na Quinta-Feira de Ascensão destaca-se o período que vai do meio-dia à uma hora – a Hora11 –, em que tem lugar, na igreja, um serviço religioso de Adoração, findo o qual toca o sino, e que é a hora em que se manifestam mais precisamente os poderes incantatótios e sagrados concretos deste dia12. Em S. Lourenço da Montaria, na serra de Arga, no Alto Minho, o costume local integra elementos que mencionamos, articulando-os na Hora, que lhes confere todo o seu valor e precisa certamente o seu sentido: quando termina a Hora, pessoas com porta-vozes, postadas nos montes próximos, anunciam às freguesias circunvizinhas o toque do sino – isto é, a Hora –; nesse momento preciso, as crianças que, desde manhã, se reuniram em casa de qualquer lavrador que tenha uma vaca e uma vitela filha desta, ambas a darem leite, bebem o leite da mãe e da filha, que previamente se misturaram – e isto para se livrarem do perigo de virem a sofrer do mal de gota.

  • 13 Em França. A. van Gennep, op. e loc. cit., fala também no preceito geral de que não se deve trabalh (...)
  • 14 Cfr. José Diogo Ribeiro. Turquel Folclórico, pág. 75. Numa versão diferente, dizia-se também que ne (...)
  • 15 Cfr. A. Thomás Pires, op. e loc. cit., pág. 266.
  • 16 Carlos A. Monteiro do Amaral, op. e loc. cit.

6Um outro aspecto das celebrações deste dia, que afirma o seu carácter sagrado e eminentemente festivo, é o das proibições rigorosas de trabalho, que nele atingem o nível do maravilhoso13; em algumas partes, por exemplo, não se coze o pão; em Lousada (Penafiel), não se cose nem se remenda, e muitas vezes deixa-se mesmo a comida feita de véspera, para não se cozinhar; e diz-se que no dia da Ascensão «nem os passarinhos bolem nos ninhos»; na mesma ordem de ideias, em Turquel diz-se que as aves suspendem nesta data a construção dos ninhos14; em Eivas, completando esta crença, e pondo-a em relação de sincretismo com o motivo anterior, entende-se que os pássaros não vão aos ninhos, mas apenas durante o período da Hora15, explicando-se, na Atalaia, que assim sucede por tão alegres estarem então16.

  • 17 Cfr. Ernesto Veiga de Oliveira. Os Bombos de Fafe. e outras diversões de carácter periódico. e O Je (...)

7Finalmente, conhecemos em Quintanilha, na raia transmontana a leste de Bragança, o costume do jogo da «cantarinha», que ali é próprio do dia da Ascensão: rapazes e raparigas andam em grupo pelas casas a pedir cântaros velhos, que juntam e enfiam pela asa numa vara, que dois homens transportam; no largo maior da aldeia, põem-se as pessoas todas em roda, e vão jogando os cântaros de umas para as outras; quando um cai e se escaca, há grande risada, faz-se troça de quem o deixou cair, e recomeça-se com outro cântaro, até se destruírem todos. Noutro capítulo estudamos este jogo, entre nós habitualmente próprio do Carnaval, que ocorre em vários lugares e países, e cujo carácter de prática mágica profiláctica e de purificação parece fora de dúvida, exprimindo-se no sentido de «porte-bonheur» que lhe é atribuído em França17.

  • 18 Van Gennep, op cit., págs. 1650/51, dá noticia de vários costumes em França – cortejos e outros –. (...)

8A quinta-feira de Ascensão parece pois ser de um modo geral considerada um dia fasto, em que se não trabalha, porque sobrelevam os elementos sacros e festivos, e cuja virtude se manifesta através de determinadas práticas e em certas espécies consagradas, que aparecem nessa ocasião investidas de poderes benéficos. Na maioria dos exemplos do Sul. em que as celebrações deste dia se reduzem à apanha da «espiga», essas espécies não constituem propriamente alimentos. e a sua acção não se opera por manducação; mas elas dizem evidentemente respeito à vida agrícola e à economia alimentar18, e a sua natureza talismânica expressa, concretizada por vezes com toda a precisão de acordo com os princípios gerais do imitativismo, incide confessadamente sobre a fortuna e a fartura. Em alguns casos, vimos a «espiga» associada ao pão. cuja incorruptibilidade se justifica pela sua própria virtude, e que no exemplo da Figueira da Foz mostra um sentido que legitimamente se pode generalizar aos demais casos em que o mesmo motivo aparece sob formas idênticas, embora sem menção de benefícios. Existem portanto duas práticas diversas e possivelmente independentes, tendo ambas em vista a prosperidade e a fartura, que parecem por isso exprimir a ideia fundamental que se associa a este dia. e que. por convergência de intenções, às vezes se justapõem.

  • 19 Cfr. A. Thomás Pires, op. e loc. cit., pág. 266.
  • 20 Carlos A. Monteiro do Amaral, op. e loc. cit.
  • 21 José Diogo Ribeiro, op. e loc. cit.

9O leite, pelo seu lado, beneficia do mesmo modo das virtudes do dia, assumindo em certos casos uma natureza apotropaica concisa, ou pelo menos um valor cerimonial significativo, que cremos explicar a verdadeira estrutura das crenças dispersas em que ele intervém, independentemente de datas calendárias. O que porém se nos afigura mais digno de reparo é a articulação destes vários motivos – a «espiga», o pão incorruptível, o leite e as proibições maravilhosas de trabalho –, nesse outro da Hora – o período propício compreendido entre o meio-dia e a uma hora, em que os poderes mágicos se manifestam e adquirem, que coincide com a hora sagrada da liturgia cristã, e que constitui a particularidade mais original e o sentido mais exacto destas celebrações. Note-se ainda, a este respeito, que, na região de Eivas, finda, na igreja, a reza da hora que atrás referimos, durante a qual os pássaros não vão aos ninhos, soltam-se. do coro e das tribunas, passarinhos, ao mesmo tempo que sobre os fiéis se espalham flores desfolhadas19; e em várias partes, terminada a missa – a missa da Senhora –. enquanto os padres dizem as rezas finais, andam certas pessoas com açafates de flores ou pétalas, que atiram ao povo. Na Branca (Albergaria-a-Velha), são os mordomos quem o faz. e os fiéis levam essas pétalas para casa, e enterram-nas nos batatais, para os livrarem do «arejo»; na Atalaia, fazem-no rapazitos novos, que para tal se postam no coro, tocando assobios de cana20; enfim, em Turquel, fazem-no igualmente crianças, mas durante a hora 21. Etc.

  • 22 Acerca de Eivas, Thomás Pires, op. e loc. cit., pág. 262, fala na crença de que, «em chovendo na ta (...)

10Estamos aqui perante um caso de apropriação e adaptação de um motivo religioso, por parte do pensamento mágico, que o incluiu numa construção dessa categoria, deformando-lhe o seu sentido específico. Finalmente, na prática de Odesseixe e no jogo de Quintanilha, vemos igualmente a absorção de elementos estranhos, que aqui são também mágicos, mas normalmente próprios de outras datas, e que esta festividade polariza e assimila pela força do seu poder de atracção sobre todos os elementos favoráveis daquela natureza, com que entra em relação22.

Notes

1 «Trabalhos de Antropologia e Etnologia». XV, 3/4, Porto, 1955-1957, págs. 288-293.

2 Almanach Auxiliar, 2, Coimbra, 1898, págs. 123-124.

3 Por excepção, temos notícia, em Vila Real de Trás-os-Montes – portanto no Norte –, do costume da apanha de um raminho de oliveira neste dia, «o que às vezes origina pendências graves com os donos das propriedades» (Cfr. A. Gomes Pereira, Tradições Populares e Linguagem de Villa Real, que relaciona o facto com o costume da «espiga» lisboeta; in «Revista Lusitana», vol. X, n.os 3-4, Lisboa, 1907/1908, pág. 215). Este costume parece-nos ter sido influenciado simultaneamente por aquele que é geralmente próprio do dia de Ramos, e pelo da «espiga» do Sul do País. A este respeito, veja-se ainda a prática de Odesseixe, que parece também representar um caso de sincretismo e confusão de práticas e crenças, próprias do dia de Ramos e do da Ascensão, pela unidade do objecto: o ranquinho de oliveira, que figura em ambos os casos.

4 Cfr. A. Thomás Pires, Investigações Ethnográphicas. in « Revista Lusitana », vol. XI, Lisboa, 1908, pág. 263.

5 Cfr. José Maria Adrião, Tradições Populares colhidas no concelho de Cadaval. «Revista Lusitana », vol. VI, Lisboa, 1899, pág. 99.

6 Cfr. M. Cardoso Martha e Augusto Pinto. Folclore da Figueira da Foz. Esposende. 1912. torno II, pág. 48. Em França, cfr. Amold van Gennep, Manuel de Folklore Français Contemporain. tome premier, IV, Cérémonies Périodiques Cycliques, 2 « Cycle de Mai – La Saint-Jean ». Paris. 1949, pág. 1451: «O carácter fasto ou sagrado (desta data), faz com que... os ovos postos neste dia sejam considerados incorruptíveis e possuidores de virtudes mágicas »; e pág. 1652, indicam-se algumas dessas virtudes, referidas ao cantão de Sartène. na Córsega: tais ovos são «aptos para afastar as chamas das casas, das oliveiras e das searas, para abrandar os ventos e ciclones, para acalmar as ondas, para conter as inundações, e, postos à cabeceira de um doente, para assegurar a sua cura».

7 Cfr. Alberto Vieira Braga. Curiosidades de Guimarães. XLIV, pág. 226 (extraído de Tradições Populares da Atalaia, por Carlos M. do Amaral, «Revista Lusitana». 12. pág. 293). Manuel Joaquim Delgado, Crendices, superstições e adágios do nosso Povo, « Mensários das Casas do Povo», ano X, n.° 104, Lisboa, Fevereiro de 1955. págs. 16/17.

8 José da Silva Picão, Através dos Campos.

9 José Maria Adrião, op. e loc. cit., pág. 124 : Alexandre de Carvalho Costa. Expressões Populares do Alto Alentejo, «Revista Lusitana», vol. 36, Lisboa, 1938, pág. 284. Em Nisa, depois dos esponsais, a «mãe do noivo tem por hábito levar à noiva (no dia da Ascensão, denominado também Dia da Maia do Coração) um requeijão de canado. A noiva parte o requeijão ao meio, dá metade à futura sogra e a outra metade é distribuída por todas as pessoas das suas relações», e. se alguém é esquecido, o facto «será levado em desconsideração ». Parece-nos que se deve entender este costume como mais uma afirmação do carácter cerimonial do leite ou seus derivados, neste dia, e numa região de economia pastoril.

10 Por exemplo, em Vilarinho (Vila do Conde),

11 A hora litúrgica da «Noa» (cfr. José Diogo Ribeiro. Turquel Folclórico. «Revista Lusitana». XXI, pág. 281).

12 A este respeito lembramos a conhecida romaria da Senhora da Hora, em Matosinhos, na quinta-feira de Ascensão.

13 Em França. A. van Gennep, op. e loc. cit., fala também no preceito geral de que não se deve trabalhar nos dias feriados, referindo-se ao dia da Ascensão; e menciona a excepção. que ocorre no cantão de Gorron, na Mayenne. em que. neste dia. se entende que se devem tosquiar os carneiros.

14 Cfr. José Diogo Ribeiro. Turquel Folclórico, pág. 75. Numa versão diferente, dizia-se também que neste dia. em todo o mundo, os pássaros rompem a cantar em louvor da Virgem Maria (Almanach Auxiliar, 2, 1898).

15 Cfr. A. Thomás Pires, op. e loc. cit., pág. 266.

16 Carlos A. Monteiro do Amaral, op. e loc. cit.

17 Cfr. Ernesto Veiga de Oliveira. Os Bombos de Fafe. e outras diversões de carácter periódico. e O Jeu de Toupiole em Portugal. «Trabalhos de Antropologia e Etnologia », vol. XIII, fase. 3-4. Porto. 1952, págs. 267 e 269/270 3 XV, fase. 1-2, Porto. 1954. págs 110/111.

18 Van Gennep, op cit., págs. 1650/51, dá noticia de vários costumes em França – cortejos e outros –. que parecem representar cerimónias de carácter agrário.

19 Cfr. A. Thomás Pires, op. e loc. cit., pág. 266.

20 Carlos A. Monteiro do Amaral, op. e loc. cit.

21 José Diogo Ribeiro, op. e loc. cit.

22 Acerca de Eivas, Thomás Pires, op. e loc. cit., pág. 262, fala na crença de que, «em chovendo na tarde do dia de Ascensão, as nozes apodrecem e todos os frutos sairão pecos». Representará isto uma excepção, sem outra explicação, ao princípio do carácter geral fasto do dia?

© Etnográfica Press, 1995

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search