Version classiqueVersion mobile

Festividades cíclicas em Portugal

 | 
Ernesto Veiga de Oliveira

I. Festividades cíclicas

6. A queima do Judas1

Texte intégral

  • 1 «Terra Lusa». 3. págs. 83-88.
  • 2 Em Seara (Ponte de Lima) esclarecem-nos que. actualmente. esta celebração, acompanhando a mudança d (...)

1A tradicional «queima do Judas», em sábado de Aleluia2, oferece, no concelho de Vila do Conde e sobre o geral dos casos, a particularidade de se realizar à noite.

  • 3 Vide Douro Litoral, n ° IX da quarta série

2Pendentes de paus de uns cinco a seis metros de altura, erguidos para tal efeito, abundavam ali os «Judas». Vimos o primeiro deles em Vilarinho, do lado direito do vasto largo aonde, simetricamente, à esquerda, teve lugar em Terça-Feira Gorda, a «Queima do Galheiro»3: pendurado do pau. oscilava ao vento, lá no alto, vestido de papel de seda, gabão vermelho e calça verde com ornatos vermelhos colados, capacete aguçado também verde; a cara era chata e grotesca, com grandes bigodes pretos pintados: as mãos, espalmadas, eram simplesmente recortadas em cartão, e uns sapatos velhos, autênticos, acentuavam o realismo da representação; da mão esquerda pendia o saco, também de papel, com as trinta moedas.

3Um pouco adiante, em Árvore, junto à estrada de Azurara, estava outro, de tipo idêntico: pendurado da mesma forma, ostentava casaco azul e calça branca, em papel lustroso, uma máscara carnavalesca e compridas farripas negras, fazendo do cabelo, a saírem de um chapéu de papel, de sugestão militar ; as mãos eram como as do «Judas» de Vilarinho, e os pés também calçavam velhos sapatos verdadeiros; à esquerda estava o saco das moedas, descomunal.

4Vimos a seguir outro, em Touguinha. semelhante aos anteriores: mas este pendia de um arame passado entre um poste e um plátano que se ergue no pequeno largo, junto à estrada, onde se encontra o cruzeiro da aldeia. Trajava calças claras e uma comprida véstia militar cor de laranja, presa por um cinto, com um esboço de dragonas nos ombros: um alto chapéu de fantasia cobria-lhe metade da cabeça, e as mãos, de luvas, seguravam uma bengala à direita, e o saco das moedas à esquerda; os pés eram, como nos demais, sapatos velhos.

5Na vila, vimos o primeiro em frente à Igreja da Senhora da Lapa, pendurado. como o de Touguinha. de um arame enfeitado com bandeirolas de papel, que atravessava a estrada; tosco e contrafeito, com os braços flectidos. tinha um chapelinho redondo na cabeça, e um cigarro na boca.

6A seguir, junto ao rio. no Cais das Lavadeiras, ao lado dos estaleiros, vimos outro, aguardando também a sua hora. De vistosa e longa labita colorida, mangas e calças claras, colarinho alto, cartola e sapatos, deixava pender os braços num jeito perfeito de abandono prazenteiro. Era. segundo nos informaram, o «Judas» do «Grupo dos Tesos», que se reúne na Casa Patarata, sita naquele local. O «testamento» deste «Judas», que nos foi dado transcrever a final, é um exemplo característico desse género de composições.

7Um pouco mais adiante, finalmente, porque o lusco-fusco adiantava, não nos permitindo a busca de outros, vimos o «Judas» do lugar do Carmo, esgalgado e caricatural, de blusão vermelho e calça branca, um saco de senhora, actual, com as trinta moedas, na mão esquerda, e o nome escrito a negro no sítio do corpo que menos o prestigia...

8Como se vê. todos estes bonecos têm um aspecto grotesco e apresentam detalhes burlescos, que porventura se adaptam aos «legados» que fazem nos respectivos «testamentos» e traduzem a animosidade vingativa do povo contra a nefanda traição do Iscariote.

9À noite, terminada a volta, regressamos a Vilarinho. A queima propriamente dita teria lugar ali. no fim de um espectáculo de circo ambulante por ali parado, cujo alto-falante, de resto, foi aproveitado para a leitura do «testamento». onde o «Judas», em verso chistoso, fez. como é costume, legado a cada personagem da terra daquilo que. por seu mal ou bem. lhe compete. Ouviam-se ao longe estourar morteiros, indicando outros «Judas» que se queimavam nas freguesias vizinhas. A aldeia em peso, apesar da hora tardia, enchia aquela parte do largo, ouvindo e comentando as alusões do «testamento», que entretanto chegava ao fim. Ultimaram-se então os preparativos para a queima. A rapaziada, parodiando uma despedida fúnebre, dirige-se ao «Judas», em voz lamentosa: «Adeus, que não te tomo a ver!», «Anda, que já pouco tens para gozar este mundo!», etc. O « carrasco », entretanto, trepando por uma escada em equilíbrio, rega o «Judas» com gasolina, e deita-lhe fogo; o alarido da gente mistura-se ao fragor da labareda, que o lambe instantaneamente, queimando a corda que o segurava ao pau: o boneco vem estatelar-se no chão, desfeito numa nuvem de faúlhas. ao mesmo tempo que dois morteiros, que encerrava na cabeça, atroavam nos ares, anunciando o final da cerimónia.

  • 4 Jorge Dias – A Queima do Judas. Porto. 1948. pág. 12.

10Estas práticas têm hoje um carácter de mero divertimento, levado geralmente a efeito pela rapaziada nova. O castigo burlesco do bíblico traidor, que atrai ao logradoiro mais amplo da localidade todos os seus vizinhos, ao mesmo tempo que é uma manifestação de desagravo ao verdadeiro Deus, é pretexto para uma festa popular, a que a comicidade do boneco e as alusões do «testamento» conferem um interesse especial. É contudo lícito supor-se que a origem, a razão profunda e os elementos constitutivos desta cerimónia, como de tantas outras, sejam muito diferentes daquilo que a sua designação e o seu aspecto actual parecem indicar. Com efeito, se se considerar que o Judas evangélico não foi queimado, não se podendo portanto falar, aqui, da celebração de um facto acontecido. e que. além disso, o personagem que nesta altura do ano se queima em efígie não é, como ensina Jorge Dias4. o mesmo por toda a parte a sofrer o mesmo destino – noutros países o boneco leva, por exemplo, o nome de Inverno. de Lutero. de uma bruxa. etc. – somos levados a concluir que, no plano das verdadeiras significações, ele não representa realmente o Iscariote,e a cerimónia. para lá do seu sentido presente, não é apenas a figuração popular do castigo pelo seu crime.

11A efígie representa verosimilmente alguém que. nas suas origens, era outro personagem, e a sua queima é a celebração doutro facto. Se pensarmos que a quadra da Páscoa coincide aproximadamente com as manifestações do ressurgimento da Primavera, que é um dos momentos cruciais do ciclo anual, celebrado desde sempre por todos os povos primitivos com sacrifícios diversos, poderemos admitir que a actual cerimónia é o que resta de certos ritos proto-históricos, que foram evoluindo com o decorrer dos tempos, e que o cristianismo alcançou, absorveu e depurou – como fez com tantas outras práticas –. encabeçando-os. por ingénua deformação, no Judas, cujo castigo pelo fogo representa assim, sob a nova luz. o prolongamento conceptual doutra queima, que. como imolação ritual, se praticava anteriormente.

  • 5 Jorge Dias. op. cit., págs. 7-10.

12É certo que o motivo, patente à consciência, que hoje em dia. em muitos casos, leva à confecção do boneco e em seguida atrai o público ao local onde se desenrola a paródia deste drama ritual, é o «testamento». Mas a verdade é que. agora como dantes, o povo acorre para assistir a uma cerimónia ligada a esta data: e se o que o ocupa agora, fundamentalmente, é ouvir a leitura desse «testamento». o facto primário, que subsiste e que provocou o aparecimento daquela diversão, nela enxertada posteriormente. é a existência de uma cerimónia, que ocasiona a reunião dos habitantes do lugar nesta ocasião do ano. De facto, o citado autor, diz-nos a seguir5: «A queima do Judas não é mais do que a sobrevivência de um rito da vegetação praticado pelos nossos antepassados no advento da Primavera» e «...a imolação simbólica relaciona-se também com verdadeiros sacrifícios humanos, praticados em épocas remotas».

13Desta forma, os grotescos bonecos de papel que vimos naquelas diferentes localidades, representam talvez, afinal, a efígie de homens que ali foram queimados. milénios atrás, num dia como este, no limiar da Primavera, e que vão ser destruídos em nome de qualquer obscuro e misterioso sentimento, e em cumprimento de um rito já esquecido.

14Resumindo, pois, a cerimónia do sacrifício de alguém nesta época do ano vem certamente de época remotíssima, muito anterior àquela em que viveu Judas. e a vítima era então uma pessoa anónima: a sua morte ritual, provavelmente mesmo a sua queima ritual, tinham lugar para satisfação das exigências da mentalidade primitiva perante o mistério das forças naturais, que a Primavera acorda, e que seria preciso dispor favoravelmente, por meio de sacrifícios apropriados. E compreende-se que os homens, por sobreposição de datas – o advento da Primavera coincidindo com a época da Páscoa – e por transposição de um conceito de imolação ritual, banido do seu mundo mental, para o de punição compreensível de personagens odiosos seus conhecidos, e sempre movidos por razões extraídas do seu sentimento religioso fundamental, tenham transformado o que originariamente fora um sacrifício propiciatório dedicado àquelas forças, próprio de sociedades primitivas, na nossa actual inocente e inofensiva «Queima do Judas».

15Para terminar, transcrevemos, como se disse, o «testamento» do «Judas» do «Grupo dos Tesos», de Vila do Conde, que para esse fim nos foi amavelmente enviado por um dos componentes da recreativa associação.

16« Testamento » do « Judas », do « Grupo dos Tesos », de Vila do Conde

1712 de Abril de 1952

18Legado por Judas Iscariote aos trinta e dois tesos desta Caixa vou deixar no meu testamento o que abaixo ides ouvir.

19Desculpai ser pouco, mas também sou um teso:

Ao Pacheco, que é o primeiro
A esse eu vou deixar
Minha forte dentadura
Para ele terrincar.

Ao Job. que é o segundo
E um amigo do pagode
A esse deixo ficar
O meu ferro para frisar o bigode.

Ao Flosa, o terceiro
A esse eu vou deixar
Deixo-lhe a minha fábrica
Para ele a consertar.

Ao Máximo, que é o quarto
Por ser um amigo meu
A esse deixo ficar
Todo que Deus me deu.

Ao Patarata (Filho), que é o cinco
Que é um bebedor de estalo
Deixo-lhe a minha língua
Para ele aproveitar o sarro.

Ao Adelino Paulo, que é o seis
Que é um grande chorão
Deixo-lhe o meu sobretudo
Para fazer um casacão.

Ao António Paulo, que é o sete
Deixo-lhe ferro e acessórios mais
Para um pingo me deitar
Na minha linha de Cascais.

Ao Costa Trolha, que é o oito
Por ser um teso dos bonzinhos
Um garrafão lhe deixo ficar
E muitos pães com bolinhos.

Ao Vinhal, que é o nove
Que é dos tesos o menor
Deixo-lhe as minhas botas
Para ele ficar maior.

Ao Justo, que é o dez
E pertence à Direcção
Deixo o meu livro de discursos
Porque para isso é campeão.

Ao Chico Graça, o onze
Que é um bom rapazinho
Deixo-lhe um forte paio
Porque é um fraquinho.

Ao José Andrade, o doze
Que é rapaz da brincadeira
Dei xo-lhe a cabeça de porco
Porque gosta da orelheira.

Ao Almiro Quintela. o treze
Por ser um número azarento
Deixo-lhe a minha saca
Para trazer a féria dentro.

Ao Caniçadas. o catorze
Que morre por fazer nada
Deixo-lhe o sebo que trago
Para fazer uma caldeirada.

Ao Adelino Guarda, o quinze
Veja lá com quem se mete
Mas para se defender
Deixo-lhe o meu cacetete.

Ao Renato, o dezasseis
Que tanta tesura encerra
E deixo-lhe todo o vinho
Que existe na nossa Terra.

Ao Alfredo Lapa, o dezassete
Por ser um amigo meu
Deixo-lhe a minha guitarra
Para recordar o que esqueceu.

Ao Alfredo Bastos, o dezoito
Que não é nada esquisito
Deixo-lhe a minha cabeleira
Para ele ficar mais bonito.

Ao José de Sousa, o dezanove
Fogueiro por profissão
Deixo-lhe a minha saca
E ele que arranje o carvão.

Ao Anselmo, que é o vinte
Que na sueca é um ás
Deixo-lhe um baralho novo
Porque é um bom rapaz.

Ao Guilherme Chadão. o vinte e um
Que é um excelente rapaz
Deixo-lhe umas pastilhinhas
Para acabar a tosse que traz.

Ao Gomes, o vinte e dois
Um gordo de pouca lata
Deixo-lhe um garrafão de vinho
P’ra ele cantar a molata.

Ao Palma, o vinte e três
Que não é lá muito alto
Deixo-lhe os meus sapatos
Para dar melhor o salto.

Ao Joaquim Braga, o vinte e quatro
Que é um grande amiguinho
Peco-lhe para não mais dormir
Amarrado ao cavaquinho.

Ao Abílio Gavina, o vinte e cinco
Amigo dos companheiros
Deixo-lhe os trinta dinheiros
P’ra dividir por os parceiros.

E por ser o Presidente
E valente às das suecas
Também lhe deixo ficar
As minhas fracas cuecas.

Ao Alívio Sade. o vinte e seis
Senhor de uns contos de réis
A esse deixo ficar
Meia dúzia de pincéis.

Ao António Machado, o vinte e sete
Forte que nem um malho
Também lhe deixo ficar
Umas calças p’ró trabalho.

Ao António Santos, o vinte e oito
Bombeiro de grande valor
Também lhe deixo ficar
Navalha e assentador.

Ao Adolfo Barros, o vinte e nove
Que a mim tem grande amor
Também lhe deixo ficar
Uma bicicleta a motor.

Ao David, esse é o trinta
Mas que grande amigo é
A esse deixo ficar
Umas meias, a camisa e o boné.

Ao Carlos Agonia, o trinta e um
Eu nesse tenho firmeza
Peço p’ra quando jogar o garujo
Não dar sinais à inglesa.

Ao José Silva, o trinta e dois
Que tem sorte a valer
Peco-lhe para quando jogar
Não se pôr tanto a tremer.

Ao nosso velho Patarata
Que é um tasqueiro de bem
Deixo-lhe a minha manha
P’ra juntar à que ele tem.

Depois disto terminar
De vós me vou despedir
Adeus queridos amigos
Depois de bêbados, ide dormir.

O Judas Iscarjote

  • 6 Ulteriormente. os «testamentos» em geral deixaram de se fazer, porque era obrigatório apresentá-los (...)

20É este um expressivo exemplo dos demais textos da mesma natureza, em que o Judas se atribui a si próprio aquilo que aos legatários melhor convém, para que as alusões sejam possíveis e os legados se integrem no ambiente geral do meio a que se destinam. A um cabeçalho em que o «Judas» incorpora a qualidade característica do grupo, seguem-se. como se vê. trinta e três quadras dedicadas aos seus trinta e dois sócios, por ordem dos seus números, à razão de uma por sócio e duas para o presidente, que tem o número vinte e cinco: destas duas, a primeira lega-lhe os trinta dinheiros – únicos bens que, por direito próprio, pertencem ao Judas –; vem a final uma dedicada ao velho tasqueiro, em cuja casa o grupo se reúne, e onde, ao domingo, como consta, se disputam à «sueca» saborosos chouriços; e. para terminar, uma quadra de despedida. O tom geral é naturalmente jocoso e satírico, cheio de alusões e sugestões báquicas. O texto vem escrito numa lauda de papel com cerca de um metro de comprido por dez centímetros de largo, e termina assinado por: – «O Judas Iscariote»6.

Fig. 4 – Ponte de Lima. Seara. Figuração do Judas montado no caminho que o compasso pascal percorre.

Fig. 4 – Ponte de Lima. Seara. Figuração do Judas montado no caminho que o compasso pascal percorre.

21Porto. Abril de 1952.

Notes

1 «Terra Lusa». 3. págs. 83-88.

2 Em Seara (Ponte de Lima) esclarecem-nos que. actualmente. esta celebração, acompanhando a mudança de data da Aleluia, foi deslocada para o domingo de Páscoa, e a queima do boneco tem lugar quando passa a cruz do «compasso» pascal.

3 Vide Douro Litoral, n ° IX da quarta série

4 Jorge Dias – A Queima do Judas. Porto. 1948. pág. 12.

5 Jorge Dias. op. cit., págs. 7-10.

6 Ulteriormente. os «testamentos» em geral deixaram de se fazer, porque era obrigatório apresentá-los para visar, o que obrigava a diligências burocráticas embaraçosas e onerosas (informação colhida em Seara, Ponte de Lima, em 1960).

Table des illustrations

Titre Fig. 4 – Ponte de Lima. Seara. Figuração do Judas montado no caminho que o compasso pascal percorre.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/5943/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 291k

© Etnográfica Press, 1995

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search