Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Vozes do Povo

 | 
Salwa El-Shawan Castelo-Branco
, 
Jorge Freitas Branco

Parte VI. Patrimonialização

Capítulo 22. A figura do campino

Paulo Maximino

Texte intégral

1O presente ensaio tem por objectivo demonstrar como a tradição que envolve a figura do campino, enquanto representante e ideal simbólico da região do Ribatejo, se encontra associada a um processo construtivo de identidades sociais específicas que se lhe apresenta como intrínseco. Neste prisma, procurando servir de mola propulsora de uma situação que permita e origine todo um processo de reprodução social, esta figura, no entanto, não é mais do que uma simples transposição para o presente de uma imagem que corresponde a uma forma e ideal de vida, pertencente a um passado cultural local, um tanto ou quanto distante e desfasada no contexto temporal.

2Mas antes de entrarmos propriamente neste caso concreto, que possui muitas outras particularidades específicas a ele inerentes, como mais tarde teremos oportunidade de constatar, gostaríamos de abordar algumas questões teóricas que achamos por demais pertinentes, no sentido de procurarmos compreender não só o porquê da necessidade de apreensão daquilo que é tradicional como algo que deverá obrigatoriamente, ou quase, fazer parte de uma denominada cultura local, mas também o facto de como todo este processo de “reapropriação cultural” é construído e efectivado.

3A construção de identidades sociais específicas, quer sejam elas regionais quer num plano superior nacionais, fundamenta-se frequentemente por um invocar de tradições remotas, reais ou imaginadas que, se por um lado abarcam e expressam de alguma forma as posições e os interesses distintos dos diversos grupos sociais que compõem determinada cultura, por outro lado, e acima de tudo, demarcam a sua diferença estrutural em relação às restantes (Gellner 1983, Löfgren 1989, Smith 1991).

4A procura de valores identitários determina o recurso à evocação da tradição, e isto se passa tanto nas ditas sociedades tradicionais como nas próprias sociedades modernas ou em processo de modernização. Nestas, devido às significativas transformações estruturais que o próprio processo implica, assiste-se a uma gradual perda de valores de identidade cultural e social, o que implica, no sentido de procurar retroceder esse facto e dar consequentemente uma substância válida a essas comunidades, que se proceda a uma mobilização do seu mecanismo discursivo, enfatizando o valor do passado e a necessidade de o cultuar e patrimonializar (Branco 1999, Brito & Leal 1997, Silva, A. S. 1994).

5O culto da tradição, assim, longe de ser um processo anacrónico, encontra-se por sua vez articulado com a modernidade e o progresso, de maneira que a sua evocação e manifestação, esteja ela relacionada com um passado real ou forjado, quer ela corresponda ou não às condições e modos de vida actuais, torna-se mais frequente em épocas de mudança.

6Tudo isto quase nos faz transparecer a ideia de que quem não tiver tradições que as invente. É precisamente sobre o conceito de “tradição inventada”, elemento distintivo entre as tradições das sociedades modernas e os costumes das sociedades tradicionais, que Eric Hobsbawm se debruça (Hobsbawm & Ranger 1984). Estas tradições inventadas, que estabelecem com um passado histórico uma continuidade relativamente artificial, procuram estruturar de uma forma imutável e invariável certos aspectos da vida social, contrastando claramente com as constantes mudanças e inovações do mundo moderno. Mas este processo de invenção de tradições, embora utilize por vezes em sua criação antigos elementos simbólicos do passado, nunca poderá desenvolver nem preservar, por mais que queira, um sentimento de passado vivo e real, destinando-se única e exclusivamente a manter o seu estatuto de simples representação imaginária de um remoto passado cultural, pois ela não corresponde ao que foi de facto conservado na memória popular, mas àquilo que foi seleccionado, popularizado e institucionalizado, numa palavra “construído”, por quem se encontrava socialmente encarregado de o fazer. Assim, e no seguimento deste pensamento, Hobsbawm considera que,

… apesar de todas as invenções, as novas tradições não preencheram mais do que uma pequena parte do espaço cedido pela decadência secular das velhas tradições e antigos costumes; aliás, isso já poderia ser esperado em sociedades nas quais o passado torna-se cada vez menos importante como modelo ou precedente para a maioria das formas de comportamento humano (Hobsbawm 1984: 20).

7De qualquer das formas, é de sublinhar que as tradições, sejam elas de que tipo forem, reais ou inventadas, são recortes da realidade, categorias de classificação de pessoas e, por conseguinte, formas de demarcar fronteiras e estabelecer limites, funcionando assim como pontos de referência em torno dos quais se constroem identidades específicas distintas das restantes. Estas identidades, enquanto construções sociais abstractas, apesar de se formularem a partir de propriedades distintivas que diferenciam e especificam grupos sociais, necessitam determinantemente, no entanto, de ser moldadas na vivência quotidiana, de forma a criarem um conjunto de representações e de significações culturais no seio das regiões ou nações nas quais se desenvolvem (Anderson 1993, Oliven 1992, Wagner 1981).

8O Ribatejo é uma das regiões mais folclorizadas do país. Uma trilogia define bem esta região: a lezíria, o campino e o touro. Sua paisagem, sua história e seu orgulho patriótico são resultantes do fecundo trabalho de uma das mais ricas e características parcelas da terra portuguesa, qual postal ilustrado de garridas cores, salientada pela alegria contagiosa do ribatejano em festas e romarias vistosas onde se baila o fandango, ou então na festa brava “pegando” um touro com a galhardia e a coragem próprias desses homens da “borda d’água”.

9O campino não resume porventura o Ribatejo, mas é por excelência o seu símbolo. É ele quem sem dúvida mais exalta o homem do Ribatejo. Vincado pelo chão exigente, curtido pelos climas que a arbitrariedade do tempo e a imposição das tarefas o obrigam a suportar, ele é o monumento vivo da lezíria tejana (Câncio 1946, Picciochi 1941).

10É o campino o rei da campina ribatejana, num reino formado por uma indiscutível trindade: o homem, o cavalo e o touro. No entanto é ele o rei. É ele quem, acima de tudo e de todos, põe e dispõe. É ele quem enfreia, cavalga, subjuga, domestica e adoça o potro que lhe irá servir de veículo. É ele quem desmama, aparta e congrega em nova comunidade os novilhos ou garraios que mais tarde se submeterão às “ferras” da obrigação do respectivo ganadeiro. É ele quem conduz o “colégio” à prova complementar da “tenta”, em que os campinos e populares lidam a capote e bandarilhas os examinandos: os incapazes para a lide, cingidos daí a pouco à grilheta dos trabalhos forçados; os apurados para a festa brava, obtendo o prémio dos melhores pastos até atingirem a maioridade que os habilite à faina da praça pública. É ele ainda quem comanda o troço das reses que por fim, entre alaridos do povo febril e o bimbalhar dos chocalhos dos cabrestos, vão ser corridas, aplaudidas, assobiadas, consoante suas prestações em redondel de rumoroso anfiteatro que lhes servirá de derradeiro altar sacrificial para o qual involuntariamente desde sua nascença se encontram destinadas num julgamento que, decerto, ao homem não lhe compete presidir.

11Desta forma, é enquadrado neste grandioso panorama que o campino impõe a sua figura de símbolo representativo da região do Ribatejo. Figura essa que é anualmente honrada e consagrada na Festa do Colete Encarnado em Vila Franca de Xira.

  • 1 A alteração que nos parece mais significativa advém da perda gradual e acentuada de importância de (...)

12O Colete Encarnado constitui, na actualidade, o momento central do calendário festivo do concelho de Vila Franca de Xira, e um dos mais salientes de toda a região do Ribatejo. Impulsionada por José Van-Zeller Pereira Palha (1895-1978), um dos homens mais influentes e carismáticos desta região, esta festa ocorreu pela primeira vez nos dias 16 e 17 de Julho de 1932, e embora tenha sofrido ao longo dos tempos algumas alterações estruturais, nem sempre bem vistas pelos mais conservadores, ela continua a constituir, acima de tudo, uma permanente homenagem popular à figura do campino ou, o que equivale a dizer, ao homem do Ribatejo.1 Assim, se foi de um elemento característico de seu traje tradicional, mais propriamente da cor de seu colete, que surgiu o nome desta festa, é também ele, e sempre o foi, o elemento central de toda a festa, marcada pelo seu cortejo, que dá início à contenda, às paradas e desfiles que realizam, aos diversos jogos de destreza e corridas que disputam, ao habitual jantar organizado em sua honra e louvor, e particularmente pela homenagem pública a si destinada durante a entrega do “pampilho de honra”, que congrega os guardadores de gado na festa que lhes está intrinsecamente ligada, atingindo aqui nesta ocasião o seu momento apoteótico:

A Festa do Colete Encarnado é a festa do Campino. E porque é dia de festa, é no seu trajo de gala de coloridos vibrantes que ele surgirá, coloridos que são símbolos de toda a sua alma, que o torna um dos homens mais valentes deste Portugal. E todos, que ali se deslocarem nesses dias, não deixarão também de vibrar, quando o virem envolvido no encarnado de seu colete, no azul de seu calção, no branco rendado das suas meias, no prateado brilhante das esporas sobre os sapatos pretos e no verde bem verde do seu barrete. É assim que ele virá, garbosamente montado no seu cavalo amigo, para receber a homenagem de todo um povo ribeirinho que o admira… (Programa 1986: 16).

  • 2 Aqui há que referir essencialmente o importante esforço desenvolvido pelo denominado “movimento ter (...)

13A Festa do Colete Encarnado, atraindo anualmente à cidade que a acolhe milhares de forasteiros, é actualmente organizada pela própria entidade camarária local que, conjuntamente com outras instituições da região,2 procura manter vivo este acontecimento que pretende ser representativo de toda uma identidade cultural e social específica da região do Ribatejo.

14Proporcionando à região toda a expressão das suas actividades e múltiplas manifestações típicas de seu povo, o Colete Encarnado assume o cariz de uma festa que se quer inteiramente e autenticamente popular, onde os participantes são eles próprios actores da mesma, evocando na estética festiva os motivos característicos da região, e em que sua função integradora de símbolos que identificam as tradições locais se confunde com a própria ideia de tradição (Camacho 1993, J. L. R. 1941).

15Mas atentemos num pormenor: quem de uma forma geral constrói, promove e mantém vivo este discurso de cultura popular ou tradicional? Será o próprio “povo”? De forma alguma. Em todo este processo o “povo” possui um papel um tanto ou quanto ambíguo, pois se por um lado é ele quem quase sempre serve de matéria-prima na construção dessas culturas tradicionais, por outro, ele por si próprio não consegue normalmente manter tais construções para além do seu prazo normal de validade, ou seja, enquanto vê nelas alguma utilidade para superar suas necessidades imediatas (Connerton 1993, Sobral 1999).

16O “povo” geralmente tem tendência a esquecer depressa e, neste panorama, torna-se estritamente necessária a actuação de uma classe devidamente sensibilizada e esclarecida para a conservação de alguns ruralismos arcaicos populares e de um discurso de identidade cultural baseada na sobrevivência de um denominado passado histórico. É assim pois de uma classe dominante, intelectual e socialmente activa que parte geralmente a iniciativa do incentivo e mesmo do subsídio da manutenção de certos e determinados padrões culturais tradicionais e da valorização do próprio passado que, de outra forma, muito provavelmente morreriam rapidamente. Esta actuação nunca poderá ser efectuada se não houver, por parte dos outros grupos sociais, uma adesão significativa que permita a necessária correlação entre o discurso ideológico que se pretende transmitir e os seus interesses individuais e colectivos (Medeiros 1995, Vasconcelos 1997).

17Ao longo dos séculos XIX e XX, o conceito ideológico e moral popular formulado pelo romantismo determinou a ruralidade como fonte de regeneração de identidades individuais e colectivas específicas, dando consequência a um modelo de folclorização (França 1993). De um momento para o outro, o “povo” camponês e sua forma de vida, situada à margem do progresso, torna-se um puro guardião do arcaísmo e da tradição que se pretende manter, símbolo de um passado comum. O discurso corrente procura agora especificar essa cultura rural, apresentando seus costumes, a sua variedade e sua riqueza, num estilo marcadamente regionalista, onde o espaço para as notas negativas ou menos boas sobre a cultura em questão é evitado e escamoteado.

  • 3 Como nos afirma Gérard Collomb confirmando a nossa ideia: “Les discours contemporains sur la sociét (...)

18Assistimos, assim, a uma manipulação de signos, no sentido de apreender certos e determinados aspectos da vida social local, e particularmente aqueles relacionados com uma ruralidade arcaica e com um passado remoto, como elementos culturais, tradicionais e folcloristas, valorizando-os consequentemente enquanto patrimónios. Esta apropriação contemporânea dos modelos tradicionais locais tem tido particularmente o condão de recuperar e conservar tais modelos, que de outra forma muito provavelmente seriam esquecidos.3

19A construção da figura do campino no Ribatejo enquadra-se perfeitamente naquilo que acabámos de descrever. O campino, personagem tipicamente rural, popular e arcaica das lezírias ribatejanas, tinha assim todos os condimentos, conhecendo a ideologia romântica marcante na época, para se tornar um símbolo identificativo da região e de seu povo. A construção de sua imagem, embora não se esgote nelas, desenvolve-se muito por influência de duas alas distintas, radicais mesmo, mas que, no entanto, neste caso concreto talvez por mero acaso complementavam uma mesma ideia.

20A primeira ala, que se desenvolve a partir dos ideais políticos vigentes na época, próprios da doutrina do Estado Novo, procurava, na essência da ruralidade, demarcar um projecto conservador e nacionalista que pretendia colmatar a suposta falta de valores sociais e repor a pureza cultural do passado.

  • 4 Como são os exemplos de A. Alves Redol (1911-1969), A. Dias Lourenço (1915-), A. Garcez da Silva (1 (...)

21Uma segunda ala desenvolve-se precisamente a partir de um projecto político-ideológico radicalmente distinto do anterior, o neo-realismo. Formado nos anos 30 deste século, em sua grande parte por uma elite literata e intelectual de esquerda, a facção neo-realista terá na região do Ribatejo e mais propriamente na cidade de Vila Franca de Xira, onde a contestação ao poder político vigente sempre foi forte, uma grande adesão. Individualidades da cultura e da política nacional pertenceram a este núcleo neo-realista vilafranquense, que tinha como principal objectivo espicaçar social e culturalmente a política que o Estado Novo tinha implantado.4 A constante defesa e incentivo, em seus escritos, de uma cultura popular e tradicional tornou-se um factor importante na construção da figura do campino (Silva, A. G. 1990).

22A implantação da Festa do Colete Encarnado em 1932, como a manifestação popular que definitivamente iria homenagear e consagrar a figura do campino, vinca não só materialmente a sua imagem na vida cíclica da região, como completa consequentemente todo este processo construtivo.

23Desta forma, a figura do campino representa simbolicamente uma região, o Ribatejo, e um povo, o ribatejano. Encontra-se aqui, neste caso, presente a afirmação de uma identidade regional muito particular e distinta das restantes, e esta ideia encontra-se explícita no discurso que a este nível é produzido, como é disso exemplo o seguinte excerto, significativo por ter sido elaborado por José Van-Zeller Pereira Palha, o mentor da Festa do Colete Encarnado:

Há uma série de coisas lindas que são nossas, que precisam de ser vistas, gozadas e admiradas no conjunto. Deste conceito nasceu a “Festa do Colete Encarnado”. A nossa campina, o sol que a ilumina, o homem do barrete verde que sobre ela cavalga empunhando a vara e dominando o touro… mas ela tem de ser, acima de tudo, uma festa imposta pelo espírito conservador de todos quantos amem com paixão os costumes populares e tradicionais da região, e que é preciso manter através dos tempos… que pena seria ver desaparecerem de entre nós certos costumes e certas figuras que imprimem carácter inconfundível a este rincão português… hoje não tenho outro objectivo senão lançar o meu apelo a todos para que este espírito conservador se mantenha entre nós, e para que todos vejam na existência dos nossos costumes populares e tradicionais um motivo para nos orgulharmos (Palha 1941: 34).

24Como ficou pressuposto em tudo aquilo que acima foi indicado, este processo de patrimonialização de tradições desenvolve-se num mecanismo que se subdivide em três fases distintas mas complementares e inerentes. Uma primeira fase que nasce da necessidade emergente de identificar social e culturalmente algo, através de figuras ou actos simbólicos que representem seus ideais e seus valores em sua mais pura essência; uma segunda fase que conduz à construção e à determinação do próprio objecto simbólico que se pretende representativo e identificativo, o que nem sempre acontece, de todo um conjunto de condições reais; e por fim, uma terceira e última fase que consiste na elaboração ou no aproveitamento de uma actividade cíclica que permita uma constante reiteração e reprodução dos motivos sociais e culturais que a produziram. Este esquema processual encontra-se presente e é demonstrativo de boa parte das construções de tradições realizadas durante os séculos XIX e XX, às quais poderemos muito bem associar a do exemplo concreto que aqui temos vindo a explicitar. Assim desta forma, e transpondo para a prática a ideia: a região do Ribatejo e o próprio povo ribatejano são as unidades sobre as quais se pretende criar um elo identificativo; a figura do campino, o símbolo que pretende funcionar como o emblema da estrutura de identidade criada; a Festa do Colete Encarnado, a manifestação cíclica que pretende manter viva, através da participação popular, essa mesma estrutura.

25Existe uma tendência natural para se procurar nas raízes de um passado cultural específico a valorização e a autenticidade de uma determinada região. A conservação desses valores regionais e tradicionais no presente implica uma produção de signos de uma ruralidade firmemente conotada com um passado remoto que por vezes em pouco ou nada correspondem à realidade quotidiana actual. No entanto, é essa cultura popular e regional que equivale àquilo que é considerado como tradicional e autêntico em contraposição à cultura cosmopolita e global que equivale ao modernismo e à exterioridade (Cohen 1985).

26A construção da figura do campino como símbolo representativo de uma cultura que se quer popular e regional advém da sua imagem e do seu passado arcaico e rural, e por isso mesmo “tradicional e autêntico”. O campino representa o “povo”, mas ele próprio nasce e é do povo. A sua figura é vista como sendo o expoente da honra e bravura ribatejana, e consequentemente como ideal identificativo de toda uma cultura particular. Envolvido por um conjunto de características muito próprias, advindas principalmente da sua forma arcaica e rural, da sua personalidade, valorosa e destemida, moldada pelas condições em que se encontra e pelo simbolismo de seu trajo típico. O campino apresenta-se para muitos locais como uma figura respeitada, amada e idolatrada. No entanto, temos perante nós uma situação em que a imagem que a comunidade em geral tem sobre o campino e seu modo de vida, em complementaridade com todos os outros discursos que perversamente produz sobre figuras da mesma natureza, é precisamente inversa da imagem negativa que o próprio se sente tentado a dar de si mesmo.

27Este discurso que é então produzido sobre o campino apresenta-se como elemento crucial pela sua ambiguidade, pois se sabemos à partida que, e como já por algumas vezes afirmámos, por um lado, a invenção desta tradição e desta imagem específica implica e baseia-se assim, tal como em muitos outros casos, numa certa ruralidade popular e arcaica própria de um passado remoto, entretanto perdido, como factor de identidade cultural, por outro lado, este ideal que insistentemente persiste em perdurar na actualidade para além de sua real dimensão como uma sobrevivência cultural do passado, não nos parece, porém, ser hoje em dia mais do que uma simples construção imaginária de algo que já não corresponde totalmente à realidade da vivência quotidiana local nitidamente industrializada e modernizada. Desta forma, e recorrendo ao discurso corrente de algumas pessoas da região sobre a figura do campino, e que em nada duvidamos seja muito diferente da grande maioria, temos a ideia generalizada de que tanto sua imagem como seu modo de ser e de viver se associam directa e inevitavelmente ao belo, à natureza, ao respeito, à honra, à pureza, etc., tal qual um ideal de vida que, apesar de teoricamente idílico, no entanto, não se procura no presente alcançar. E mesmo os próprios campinos sabe-se que, apesar do orgulho que todos têm em sua função e em sua imagem, alguns deles não se importariam em nada de trocar sua actividade por outra talvez menos tradicional ou simbólica, mas porventura mais ligeira e compensativa.

28Assistimos assim a uma separação entre dois mundos ideais deveras sensíveis e de fronteiras pouco delineadas: o ideal imaginário e o ideal real. Por um lado, a figura do campino como ideal imaginário, idolatrada por alguns, respeitada por todos e que a própria Festa do Colete Encarnado faz menção de anualmente consagrar como símbolo representativo de toda uma região e um povo; e por outro lado, a própria actividade do campino que, na realidade presente, embora não sendo esquecida nem desrespeitada, não se torna de forma alguma um ideal ou um objectivo a concretizar, particularmente por parte daqueles que não nasceram nem descendem directamente do campo. Quem actualmente, habituado a um modo de vida citadino, gostaria de ver seu filho como campino a não ser talvez numa fantasia de Carnaval? Toda a gente faz a apologia do campino, mas conhecendo as suas reais condições de vida, quem gostaria ou se “sacrificaria” a sê-lo?

29Parece então que, no presente, a figura do campino, tal como outras entidades culturalmente reconhecidas como tradicionais, não é mais do que isso mesmo, uma figura simbólica e representativa de um passado longínquo demonstrativo de uma certa situação de ruralidade que em tempos marcou socialmente a região. Algo em que se pensa de quando em vez, mais precisamente por ocasião da Festa do Colete Encarnado, onde, como forma de descompressão da azáfama quotidiana da vida urbano-industrial, até se torna caricato ver aquelas figuras arcaicas trajadas a rigor.

30E é assim nesta ambiguidade conjuntural que vive o campino no panorama regional do Ribatejo. Por um lado, sendo considerado símbolo representativo de uma identidade cultural específica, alvo de manifestações organizadas em seu louvor nas quais se procura apresentar no presente uma condição de ruralidade pertencente a um passado histórico local; e por outro lado, uma realidade que se vai tornando cada vez mais distante, não só no tempo como também no espaço, e que na actualidade, devido às condições da vida moderna, não é mais do que um ideal imaginário.

Notes

1 A alteração que nos parece mais significativa advém da perda gradual e acentuada de importância de um estilo musical popular e tradicional identificativo da região e consequentemente desta festa, que a serve, e dos próprios campinos enquanto elementos intrinsecamente relacionados com ela. De facto, assiste-se a uma situação em que o fandango se encontra cada vez menos presente nas actividades públicas que decorrem durante a festividade em causa e mesmo em outros acontecimentos locais, dando primazia essencialmente ao fado, que goza particularmente desde o início do século de grande popularidade em todo o país e por todas as classes sociais, e mais recentemente a géneros musicais de origem espanhola (sobretudo a sevilhana e o flamenco), e que parece terem surgido pela relação que esta região mantém com o universo tauromáquico, fortemente influenciado pelas raízes culturais vindas de Espanha.

2 Aqui há que referir essencialmente o importante esforço desenvolvido pelo denominado “movimento tertúliano vilafranquense” que, como movimento quase unidireccionado numa vertente que privilegia a cultura tauromáquica, de grande expressão na região, acaba por consequentemente fazer a apologia da figura do campino, enquanto parte integrante e fulcral de toda a festa, e que é demonstrada na exposição de inúmeros objectos e imagens com ele relacionados no interior desses espaços, e isto quando não é o seu próprio nome ou o de algum dos seus mais consagrados representantes a servir de designação deles mesmos (Capucha 1988, Ramalho 1999).

3 Como nos afirma Gérard Collomb confirmando a nossa ideia: “Les discours contemporains sur la société rurale, et sur la culture ‘traditionnelle’ qui en serait l’expression, tendent ainsi à s’organiser en de véritables systèmes de mythes qui s’articulent autour de quelques thèmes s’attachant au passé, parmi lesquels ceux de l’âge d’or et du paradis perdu tiennent sans doute une place essentielle. Les actualisations de ces thèmes sont aujourd’hui nombreuses et variées dans la littérature écrite et dans le texte oral, et plus généralement à travers le rapport des sociétés contemporaines à ce que l’on perçoit comme un héritage culturel légué par un monde rural qui parait aujourd’hui changer de nature irrémédiablement.” (Collomb 1980: 81).

4 Como são os exemplos de A. Alves Redol (1911-1969), A. Dias Lourenço (1915-), A. Garcez da Silva (1915-), G. Bona da Silva (1913-1983), Arquimedes da Silva Santos (1921-), Carlos Pato (1920-1950), entre outros.

Auteur

Licenciado em antropologia (ISCTE), estágio no Museu Nacional de Etnologia. Pesquisa de terreno centrada em aspectos da cultura tauromática.

© Etnográfica Press, 2003

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr