Version classiqueVersion mobile

Festividades cíclicas em Portugal

 | 
Ernesto Veiga de Oliveira

I. Festividades cíclicas

4. Manjares cerimoniais do entrudo em Portugal1

Texte intégral

  • 1 Actas do XXIII Congresso Luso-Espanhol para o Progresso das Ciências. Coimbra. 1956, viii. Coimbra. (...)

1O alimento, como resultante das condições mesológicas gerais das diversas regiões, varia naturalmente de terra para terra, determinando, em cada uma, formas próprias de cultura; e esta variabilidade verifica-se também no tempo, em relação a uma mesma região. Além de factor de cultura, o alimento é-o igualmente, portanto, de diferenciação regional e histórica de culturas.

2Mas, embora assim o seja primordialmente, ele é, por outro lado, numa fase mais adiantada da sua evolução, ele próprio um produto de natureza cultural, em cuja elaboração intervêm todos os demais factores culturais do grupo; e os seus particularismos locais só poderão ser compreendidos se no seu estudo se tomarem em conta, a par com os elementos biológicos e as condições naturais que os determinaram, o ambiente cultural do meio a que dizem respeito, que por sua vez ele exprime.

3A procura do alimento foi sem dúvida a preocupação principal do homem primitivo; o alimento, sustentáculo da vida, identificava-se com ela, e devia aparecer-lhe revestido do prestígio das forças superiores e misteriosas de que dependia o ser humano. Pode por isso supor-se que ele não se esgotasse na sua função nutritiva fundamental, e que, confundindo-se os aspectos utilitário e místico, se lhe atribuísse um valor superalimentar – e que, fundado neste, ele fosse, em certas ocasiões e sob determinadas espécies, objecto de sacrifícios, oferendas ou manducações especiais, com o carácter de práticas propiciatórias ou de purificação, de magia imitativa ou profiláctica, tendo em vista a fertilidade e a abundância.

4Actualmente, compreendidos no cenário cerimonial da maioria das festividades cíclicas anuais, encontram-se certos manjares, pratos ou refeições, que, embora por vezes de composição muito simples, se apresentam normalmente como prescrições quase obrigatórias, de fundo rigorosamente tradicional e aceitação geral, bem definidas em relação a cada caso, mas variáveis de região para região, segundo as correspondentes condições culturais.

5Algumas destas festividades foram, por diversos autores (e mormente na esteira das teorias mítico-religiosas), consideradas conjecturalmente como sobrevivências de remotíssimas cerimónias que se integravam nos complexos rituais dos velhos cultos naturalísticos, tendo igualmente em vista a fertilidade, às quais se teriam vindo naturalmente sobrepor as mais variadas espécies de outras motivações; e, assim, os actuais manjares cerimoniais beberiam, nos mesmos termos, a sua origem naquelas práticas alimentares, e é natural que a obrigatoriedade de carácter especial com que agora se apresentam, que lhes confere, aqui também, um valor superalimentar, seja o prolongamento do sentido religioso que outrora andava ligado a tais consagrações.

6Contudo, se em certos casos a filiação de uns nas outras se pode admitir, não é porém possível precisar em que termos ela há-de ser entendida. Parece evidente, por um lado, que a relação entre as oferendas de outrora e os manjares actuais tem de se considerar muito atenuada e que, na elaboração histórica destes últimos, se deram múltiplas interferências e sobreposições traduzindo movimentos culturais, por vezes também difíceis de concretizar; e por outro, que o seu conteúdo conceptual e a natureza do papel que desempenham devem definir-se em função do próprio significado, primitivo ou actual, das comemorações em que ocorrem.

7Neste trabalho, indicaremos alguns manjares com este carácter, que aparecem nas celebrações do Entrudo em várias localidades portuguesas, procurando delimitar as suas áreas respectivas e interpretá-los de acordo com os factores atrás referidos e com o sentido que lhes é atribuído em outros fenómenos ou dados etnográficos disponíveis.

*

8Nesta ordem de ideias, o Carnaval, situado no início do ano agrário, no limiar da Primavera, aparece como resíduo das remotas cerimónias de purificação e expulsão das forças malignas do Inverno, em vista do renovo da vegetação, que tiveram a sua última forma expressa nas Satumais romanas. Elas comportavam originariamente o sacrifício anual do rei, que transparece nos actuais enterros do Entrudo nas suas várias personalizações burlescas, nas lutas do Verão e do Inverno, Expulsões da Morte, etc., e caracterizavam-se pela sua absoluta licenciosidade, prenunciando magicamente a alegria derivada da abundância que assim se prometia e exteriorizando a própria alegria natural que decorria dessa perspectiva.

9Actualmente, o Carnaval é do mesmo modo uma época de grande liberdade licenciosa, em que todos os excessos são autorizados e que, no capítulo que nos interessa, se traduz, entre nós, na expressão:

«No Entrudo,
Come-se tudo», ou

«O Entrudo,
Leva tudo»,

significando a ausência completa de restrições alimentares, quantitativas e qualitativas, característica da quadra e indicando que, por isso, no Entrudo se esgotam todas as provisões.

10De facto, o Entrudo em Portugal é celebrado alimentarmente com uma comida farta e francamente melhorada, compreendendo carnes de toda a espécie e em particular de porco. Na cidade do Porto, o prato da ocasião é a orelheira de porco, que se vê à venda em todas as tendas e montras de talhos e casas de comestíveis, e que se come com feijão branco ou acrescentada ao «cozido»; come-se também, na mesma altura, focinho, rabo e pé de porco, presunto, toucinho e salpicão, e ainda, se o há, sarrabulho, isto é, sangue cozido, muito condimentado ou à mistura com papas de milho. A orelheira de porco é do mesmo modo o prato do dia de Carnaval nos arredores do Porto, em Lousada (Penafiel), cozida com feijão, em Vilarinho (Vila do Conde), a par com chouriço e outras carnes, em Entre-os-Rios, de maneira semelhante, etc. Em Paços de Ferreira, a refeição de Terça-Feira Gorda é uma merenda de arroz com orelheira e chouriço; as raparigas novas armam de manhã o lar à beira da estrada e pedem pela vizinhança bocados de carne para o caldo do Entrudo, que ferve ao lado do tacho de arroz; os rapazes, pelo seu lado, na freguesia vizinha de Codeços, tratam de ver se «pilham» a panela da orelheira ou da arrozada, de qualquer casa onde tenham iludido a vigilância da cozinheira, e vão comê-las por sua conta num lugar combinado.

11No Minho, a refeição carnavalesca é do mesmo modo farta e gorda, compreendendo carnes variadas; mas o prato específico, que aparece na maioria das regiões, é também a orelheira. Na área de Esposende, ela serve-se com presunto, chouriço e hortaliça, no domingo e na terça-feira de Entrudo; em Fafe, reserva-se tal bocado especialmente para o último destes dias, e, com ele, come-se também o «bucho», que é o estômago do porco recheado de sarrabulho com mel, que se guarda igualmente para a ocasião e se assa nesse dia; em S. Lourenço da Montaria, na serra de Arga, o almoço de terça-feira de Entrudo consta de orelheira, acompanhada de salpicão, com arroz, e em seguida frango e o mais que calhar; alguns dias antes do Domingo Gordo, o «mordomo das almas» faz pela freguesia um peditório, em que as pessoas, em cumprimento de promessas, ou por devoção às almas ou estima pelo mordomo, oferecem unicamente unhas, «marmeleira» ou orelheira de porco; no domingo, depois da missa, as raparigas levam para o adro, em cestos à cabeça, essas carnes, que são leiloadas, revertendo o produto para missas pelas almas; quem não matou e não tem por isso orelheira de casa, compra-a ali, porque ela não se dispensa no almoço de terça-feira.

  • 1 Jorge Dias. Rio de Onor. Comunitarismo Agro-Pastoril. Porto. 1953. pág. 344. Ai se fala também do t (...)

12No Noroeste transmontano, em terras barrosãs do concelho de Montalegre, é costume oferecer-se às pessoas de amizade, pelo Entrudo, orelheiras e pés de porco, pernicos e chouriços; e os pastores, no Domingo Gordo, levam para o monte merendas mais escolhidas, que comem em conjunto. Na zona planáltica a nordeste da mesma província, em Quintanilha, na raia a leste de Bragança, a refeição de Entrudo é um almoço muito melhorado, que consta de orelheira e pé de porco, galinha, vitela e todas as demais carnes que se possam obter; em Paradinha do Outeiro, a euforia carnavalesca criou uma refeição de excepção – a sobreceia – que tem lugar apenas na Terça-Feira Gorda e que cada um vai comer a sua casa depois de assistir ao «Enterro do Entrudo». Do mesmo modo, no concelho de Vinhais, tem lugar, na noite de Entrudo, uma «lauta ceia, regada com o bom verdasco da serra»; e mais tarde, depois de se ter «botado o Entrudo fora» e feitos os casamentos, cada um regressa a sua casa, «enterrar as sobras do jantar» na mesma refeição da sobreceia. No Mogadouro, come-se igualmente, nesta altura, orelheira, chouriço e outras carnes de porco; nesta região, em Bemposta, observa-se o mesmo preceito, e, além disso, suprime-se a sopa na refeição do Entrudo, para acentuar a sua excelência. Em Rio de Onor, as celebrações carnavalescas compreendem a «fiêsta dos butiêlus» como prato obrigatório da ocasião, composta em geral exclusivamente do «butiêlu», que é o bucho do porco recheado de ossos de porco com carne, « custiêlu », espinhaço e «couratcha» (couro da barriga, adubado com vinho, água e sal, e curado no fumeiro)1.

13Ao sul do Douro, encontramos na Beira, de um modo geral, o mesmo preceito de esmero e abundância, especialmente em carnes, para o jantar do dia do Entrudo. Na Murtosa (Estarreja), a refeição consta de orelheira. chouriço e unhas de porco, que se reservaram para essa data; e o mesmo sucede em S. Miguel de Urrô (Arouca), na Aldeia da Rata (Celorico da Beira), e na Ermida (Mira), a par com focinheira e sopas gordas, de feijão, arroz, batata, etc. Nesta zona, porém, a orelheira parece ter uma obrigatoriedade um pouco menos evidente. e, por exemplo, na Branca (Albergaria-a-Velha), o prato do dia é o arroz de forno, que se quer «com muitos Padre-Nossos», isto é. com muitos pedaços de carne.

14Em Lisboa, a carne de porco, sem especificação determinada, parece igualmente ter sido manjar próprio do Carnaval. Já no século xvii assim sucedia. como se depreende do estribilho de uma das «Novas Cantigas que o celebérrimo Manuel de Alfama mandou à sua Maria para cantar este Entrudo » (folheto que, embora publicado sem indicação de data, é manifestamente de cerca de 1750):

«Ay lé de borco.
Para passar este Entrudo
Falta-me a carne de porco.»

15Ao sul do Tejo, o Carnaval é do mesmo modo assinalado por uma refeição melhorada e gorda, com fartura de carnes várias e também com certo predomínio do porco.

16Um segundo prato gordo obrigatório, que aparece no Carnaval de algumas localidades, é o galo, associado de resto ao ciclo, às vezes, por outras formas além da alimentar: em Rio de Onor, a par com o «butiêlu», come-se também galo com arroz ou outro acompanhamento, e, além disso, tem lugar o tiro ao galo, como diversão carnavalesca específica. Em Barranco do Velho, na serra algarvia a norte de S. Brás de Alportel, reserva-se para a data o melhor galo da criação, a que se dá o nome de «galo do Entrudo»; e o costume é tão rigoroso, que a expressão passou a rifão, e quando se quer designar uma coisa que o dono nunca mais se decide a gastar, diz-se que a guarda para «galo de Entrudo».

17Um outro aspecto alimentar do Carnaval em Portugal está nas sobremesas específicas, entre as quais se destacam., pela sua grande difusão, as filhoses. Encontramo-las em Vilarinho (Vila do Conde), ao mesmo tempo que rabanadas, e, já no Minho, em S. Bartolomeu do Mar e S. Lourenço da Montaria, também com rabanadas; nesta última localidade, o namorado, com um grupo de outros rapazes, no dia de Entrudo, enche de «fitas» a árvore que pertença e que mais próxima fique da casa da sua rapariga; esta, em seguida, oferece-lhes, em sua casa, filhoses e vinho, que eles bebem por malgas. As filhoses aparecem-nos igualmente em Gemezes (Esposende), com formas de animais, flores e outras; em Fafe, com o pitoresco nome de orelhas-de-abade ; etc. Já ao sul do Douro, vemo-las na Murtosa, fritas com farinha, água, ovos e açúcar.

18Em Lisboa, temos notícia das filhoses carnavalescas pelo menos a partir do século xviii – o mesmo Manuel de Alfama já a elas também se refere:

«Para jogar o Entrudo,
Ambos teremos ventura.
Tu dando-te, eu as filhoses (sic),
Eu dando, tu a fadura.»

19e, no Carnaval fidalgo, grande variedade de outros doces, na sua maioria conventuais. Elas aparecem igualmente no Alentejo, em Santa Luzia (Cercal do Alentejo), em Bencatel (Vila Viçosa), juntamente com «azúvias», em massa de filhoses com recheio de doce de «gila» (chila) ou de batata; em Santa Clara Nova (Almodôvar), além das filhoses, usa-se também, na mesma ocasião, a «pinhoada», que é um bolo de massa frita com mel; em Eivas, identicamente, comem-se filhoses e arroz-doce, cericá, fatias de ovos, sonhos e nogados; em Serpa, as filhoses, os coscorões, bolinhos e arroz-doce, são a sobremesa duma refeição que consta das melhores iguarias; etc.

20O fenómeno, porém, mais significativo a respeito das filhoses carnavalescas tem lugar, entre nós, na região serrana do Barroso, na vasta zona intermédia entre o Minho e Trás-os-Montes : em Capeludos de Aguiar (Vila Pouca), o sábado de Carnaval leva o nome de « Sábado fiolheiro », por ser o dia em que se comem as filhoses; estas são feitas de farinha de milho miúdo – que actualmente ali se produz apenas para este manjar – moído nos arcaicos pios de piar, de pedra (que também só nessa ocasião se usam), e fritas em manteiga de porco. O milho miúdo, na região, representa a cultura arcaica, agora desaparecida perante a recente expansão do milho e que se mantém apenas em pequeníssima escala, com vista às filhoses do Entrudo.

21Na ilha Terceira (Açores), temos notícia das «filós» fritas com mel de cana, como doces específicos do Carnaval, juntamente com sopas fritas com açúcar e canela, e coscorões; de resto, o conceito alimentar – profuso e exuberante – característico do ciclo, encontra-se claramente expresso no exemplo que o P. Inocêncio Enes dá, referido à freguesia dos Altares, daquela ilha, dos versos que ali se cantam, em rancho, às portas, nos dias de Carnaval, em nome do «velho santo Entrudo»;

« ……………………………
Sou um santo comilão.
Se o quereis saber ao certo,
Poisai-me carne, vinho e pão.
As sopas que nos puseres
Num alguidar de amassar.
Vinte e quatro pães de mesa,
Cinco moças a migar.
P’ra sobremesa nos tragam
Três varas de linguiça.
Um picado de perum.
ou
Um picado de cabrito.
As filóses
e
Um copinho de aguardente.»

22O costume das filhoses no Camaval não é, porém, absolutamente geral no País. Assim, por exemplo, em Arronches. em vez delas, a sobremesa da refeição carnavalesca é o arroz-doce; em S. Miguel de Urrô (Arouca), por seu turno, tal sobremesa é sopa-seca, e, na ilha da Madeira, o doce da época são as mal-assadas.

23Por outro lado, conhecemos, além das filhoses, certos doces que. sós ou juntamente com elas, aparecem com relativa frequência no Carnaval português. Falámos já do arroz-doce, que é a sobremesa específica em Arronches e que vimos, a par das filhoses e de mais doçaria, em Eivas e Serpa; e também das rabanadas que, do mesmo modo a par das filhoses, vimos em Vilarinho (Vila do Conde), em S. Bartolomeu do Mar (Esposende). de vinho e cobertas com açúcar de cana, e em S. Lourenço da Montaria, igualmente de vinho, com ovo e canela; e ainda das fatias de ovos, de Elvas, e das sopas fritas com açúcar e canela, da ilha Terceira (Açores).

24É o Carnaval normalmente uma época característica de peditórios cerimoniais, que têm lugar as mais das vezes por parte da juventude local, para ajuda das despesas efectuadas com formas mais elaboradas das suas celebrações, ou como recompensa das saudações festivas feitas às pessoas. Aludimos já aos versos que se dizem na freguesia dos Altares, da ilha Terceira, em que. a propósito, se enumeram os manjares próprios da ocasião; numa ordem de factos afim, em certas localidades da Beira Baixa, os rapazes e raparigas da terra, no dia de Entrudo, correm as ruas com «arcos» que seguram eles de um lado e elas do outro, cantando versos às portas, a saudar os moradores:

«Olha a laranjinha,
Caiu do laranjal.
Vimos dar as Boas-Festas
As festas do Carnaval».

(Escalos de Baixo – Castelo Branco),

25e as pessoas dão-lhes, em paga, bolos e vinho. Contudo, temos algumas indicações de presentes que se enviam tradicionalmente às pessoas de amizade, como sejam a orelheira, pés de porco, pemicos e chouriços, em Terras de Barroso, e de filhoses, arroz-doce, cericá, fatias de ovos, sonhos e nogados. em Eivas, que atrás referimos.

26Além destas formas, conhecemos ainda o costume dos «esposados», que tem lugar em Tó (Mogadouro),na noite de Terça-Feira Gorda, segundo a qual as raparigas são «leiloadas» pelos rapazes solteiros, que pagam o lance mais alto para se verem atribuídas as suas preferidas. No fim, com o resultado desse leilão. fazem uma festança de vinho e bolos; e. no dia seguinte, cada rapariga sabe finalmente quem ficou o seu «esposado», e quanto este pagou por ela; ela dá-lhe um abraço, ele presenteia-a com uma roca. e ela retribui com um par de meias.

27Vemos assim que. em Portugal, o Entrudo se caracteriza alimentarmente por um preceito geral de abundância festiva, que se traduz por uma refeição farta e melhorada, compreendendo carnes variadas, nomeadamente de porco – que, na região do Porto e de Entre Douro e Minho, se concretiza num prato específico, que integra este conceito – a orelheira de porco – e com uma sobremesa de filhoses, na maioria dos casos, e muito vinho.

  • 2 Aqui, o carácter ritual do prato parece evidente; mas não nos sentimos autorizados a generalizá-lo (...)

28Esta ementa – e principalmente o seu sentido festivo de abundância – não é de modo nenhum privativa do Carnaval português; ela representa, de facto, no aspecto alimentar, a manifestação do significado fundamental da própria celebração, que por toda a parte glorifica apetites excessivos e tendências primárias desenfreadas, e ocorre em termos muito semelhantes aos que atrás descrevemos em vários outros países da Europa. Em muitos casos franceses, por exemplo, a refeição de Terça-Feira Gorda distingue-se geralmente pela sua profusão, especialmente de carnes de talho e de porco, do qual se reservam certos bocados para esse dia; no Béam, o Carnaval propriamente dito começa pela festa do Saint-Porqui ou Grécherie. isto é, o sacrifício do porco, cujos pedaços constituirão a peça principal da refeição carnavalesca2; em alguns pontos do Ardéche, o prato do dia é mesmo, como no Noroeste português, a orelheira; etc. Noutras regiões, come-se frango, vitela, coelho e mais qualidades ainda de carne; e em certas zonas da Picardia, o manjar específico é, como também sucede em alguns casos portugueses, o galo. É de notar que, neste país, as cames de porco, vitela e aves constituem o costume antigo, sendo as cames de talho, na maioria das vezes, de aparição mais recente.

29O que portanto é característico da quadra e a que o consenso público confere uma obrigatoriedade que parece afirmá-lo como cerimonial, é sem dúvida, entre nós como nos demais países, a existência, no dia de Entrudo, de uma refeição de excepção, copiosa e gorda, em que predomina a carne de porco. Esta liberdade alimentar geral representa uma sobrevivência da licenciosidade ritual de outros tempos que acima referimos, propiciando magicamente a abundância pelo próprio exercício da abundância, no momento em que recomeça o ciclo anual dos trabalhos da terra, ou talvez, mais concretamente, a institucionalização de uma necessidade vital de expansão lúdica momentânea, e de liberalização de instintos primários. Contudo, a sua localização e a acentuação que se verifica por toda a parte do seu carácter gordo fazem dela principalmente um intróito, por oposição, ao longo período de jejum e abstinência da Quaresma que se lhe segue – ele próprio, de resto, susceptível de interpretação ritual.

30Dentro deste espírito, o uso da carne de porco no festim carnavalesco afigura-se óbvio. A came de porco é a carne gorda, rica e sápida por excelência, e a que melhor traduz a ideia do prazer ventral. O porco é o elemento animal das nossas culturas agrárias mais representativo do alimento, e não apenas nas regiões onde a criação de suínos se faz em larga escala e constitui uma forma económica fundamental. Em Portugal, é precisamente onde ele aparece mais disperso, onde, por assim dizer, todo o lavrador tem um porco e raros têm mais do que um e onde o papel que ele representa na economia rural é mais subsidiário, que se situa a área em que. como manjar específico do Carnaval, a carne de porco aparece numa forma obrigatória concreta: a orelheira.

31A orelheira, ou seja, a cabeça, é sem dúvida a parte mais significativa do animal, e o prato cerimonial da orelheira, no Noroeste do País, pode na verdade constituir a sobrevivência duma manducação ritual e simbólica do próprio animal, na celebração que correspondia ao actual Carnaval; mas é evidente que, na falta de outros dados, a hipótese tem que ser posta com toda a reserva e sem se perder de vista que a escolha de um tal manjar se pode fundar em razões de vária natureza, que nada têm que ver com motivações histórico-religiosas.

32As filhoses, de que existem muitas pequenas variantes, ocorrem, como manjar geral e obrigatório do Carnaval e tal como sucede com a carne de porco, em diversos outros países, nomeadamente no Norte da França e na Inglaterra, sob os nomes respectivos de crêpes e pancakes. Elas constituem um manjar singelo e discreto, que, se não integra o sentido de pletora do Entrudo nem o carácter gordo da sua ementa específica, é contudo eminentemente representativo da economia agrícola, pela sua composição elementar – farinha, ovos e, nalgumas terras, leite – e, como tal, susceptível de utilização ritual, como símbolo de abundância: de facto, elas aparecem em certos casos como garantias talismânicas de prosperidade e abundância. Van Gennep, geralmente tão prudente e reservado em matéria de interpretações míticas e mágico-religiosas, não hesita em dizer que «comer delas o maior número possível (pormenor muitas vezes afirmado) hum dia mais ou menos sagrado, é assegurar à casa e à lavoura a abundância não só dessas três matérias-primas, mas de todo o conjunto económico familiar e territorial», e cita a seguinte frase popular regional a seu respeito: « C’est notre réligion. »

33Nestas condições, e admitindo que o Carnaval mergulha a sua raiz mais funda numa cerimónia de carácter religioso, em vista da fertilidade, pode-se supor que as filhoses, que nessa ocasião são de preceito, constituem sobrevivências de remotas consagrações das espécies alimentares fundamentais e que a sua actual obrigatoriedade representa a natureza ritual que então possuíam.

  • 3 Neste exemplo, é também patente o carácter mágico que se atribui ao manjar.

34O Carnaval actual compreende também celebrações que têm a natureza indubitável de práticas mágico-rituais de purificação; referimo-nos concretamente às diversas formas do jogo cerimonial do «Pucarinho», próprio normalmente desta festividade, de que conhecemos numerosos casos entre nós e noutros países e onde o significado que apontamos transparece na virtude de «porte-bonheur» que, por exemplo em França, lhe é atribuída. E, pelo seu lado, os fritos cerimoniais, em especial as filhoses, encerram ainda hoje, em vários lugares, uma ideia expressa de purificação. Na Macedónia, na véspera de Ano Novo, fazem-se crepitar filhoses no fogão, para dessa maneira se grelharem os «karkantzari», demónios e monstros medonhos que durante os «Doze dias» infestam a Terra, entrando pelas chaminés e atormentando as pessoas3; em França, no dia da festa da Candelária, comem-se filhoses, que cada pessoa deve ela própria fritar, salteando-as na sertã. Entre nós, dentro do mesmo espírito, existe em Turquel a crença de que, naquela data – que leva o nome de «dia de Nossa Senhora das Candeias» –, se devem frigir em azeite filhoses, ou, na sua falta, qualquer outra coisa, ainda que apenas umas folhinhas de oliveira, para que as oliveiras «encandeiem», isto é, floresçam favoravalmente. Parece, assim, que o acto de frigir, em certos dias festivos, é também cerimonial em si mesmo e representa uma prática mágica de expulsão de demónios ou forças anímicas nocivas.

35Vimos já que a teoria clássica coloca, nas origens mais remotas do Carnaval, além do mais, uma cerimónia de purificação de fim do Inverno, também em vista da fertilidade. A ser assim, tudo parece indicar que, de facto, as filhoses do Entrudo representariam, pela sua composição, a consagração de certas espécies alimentares fundamentais; e. pela sua natureza de fritos, a sobrevivência de uma prática mágica de purificação referida àquelas espécies, enlaçada na primitiva cerimónia, tendo, em ambas as formas, em vista a fertilidade. Nelas aflora, portanto, o significado complexo na remota celebração donde provém o nosso Carnaval, transformado, com o andar dos tempos, num vago mas poderoso sentimento de obrigatoriedade, de fundo tradicional e ligeiramente supersticioso.

36Um aspecto digno de nota, a que já aludimos, é a associação, que em certos casos se verifica, de pratos cerimoniais e produtos de culturas actualmente desaparecidas da região – que, por vezes, para aquele efeito, devem até preparar-se segundo técnicas especiais, implicando também utensilagem normalmente desaparecida – representando formas arcaicas. Falámos nas filhoses do Entrudo em Capeludos de Aguiar, feitas com milho miúdo, que é o produto primitivo da região, hoje destronado pelo milho e cultivado apenas em vista àquele manjar. Mas muitos outros casos da mesma natureza se conhecem, referidos a outras celebrações cíclicas, que parecem confirmar este princípio. O facto parece indicar que a ideia de ancestralidade beneficiava do prestígio do sentimento religioso que presidia às manducações sacramentais de outrora. de que as espécies e manjares cerimoniais constituem resíduos. Tendo havido mudanças na fauna e flora alimentares duma certa região, é. pois, natural que as espécies destinadas a cerimónias rituais, ou aquelas que as vieram substituir tenham, por vezes, continuado a ser as que constituíam as culturas ancestrais, que participavam da ideia de divindade.

Notes

1 Jorge Dias. Rio de Onor. Comunitarismo Agro-Pastoril. Porto. 1953. pág. 344. Ai se fala também do tiro ao galo, próprio da quadra, que tem paralelo noutros países da Europa, nomeadamente a França e a Inglaterra (Cf. A. van Gennep, Manuel de Folklore Français Contemporain. Tome Premier, III, Paris. 1947, págs. 958-960),

2 Aqui, o carácter ritual do prato parece evidente; mas não nos sentimos autorizados a generalizá-lo aos demais casos em. que. a seu respeito, não se verifica o mesmo cerimonial.

3 Neste exemplo, é também patente o carácter mágico que se atribui ao manjar.

Notes de fin

1 Actas do XXIII Congresso Luso-Espanhol para o Progresso das Ciências. Coimbra. 1956, viii. Coimbra. 1957.

© Etnográfica Press, 1995

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search