Version classiqueVersion mobile

Festividades cíclicas em Portugal

 | 
Ernesto Veiga de Oliveira

I. Festividades cíclicas

3. Os «compadres» e as «comadres» do carnaval1

Texte intégral

  • 1 «Cultura e Arte» – página cultural de «O Comércio do Porto». 13.9.1960 e 13.12.1960.
  • 1 Em relação aos dois primeiros casos – Castelo (Sertã) e Cinfães –. é de notar que. correspondenteme (...)

1De entre todas as celebrações cíclicas anuais, o Carnaval, o Natal e o S. João são as que maior riqueza de aspectos, variedade de elementos e complexidade de significações apresentam. O ciclo do Carnaval não corresponde apenas aos três dias que vão do Domingo Gordo à terça-feira: por todo o País, certas manifestações características da quadra, tais como mascaradas, bailes festivos, etc., têm lugar antes desse período, que delimita contudo a ocasião das grandes licenciosidades autorizadas pelo costume. De um modo geral, o início do ciclo é impreciso, mas, em certos lugares, a tradição indica para ele uma data certa: no Castelo (Sertã), por exemplo, ele começa logo depois dos Reis; em Cinfães, no dia de S. Sebastião, a 20 de Janeiro1 no Marco de Canaveses, no dia de S. Brás, a 3 de Fevereiro, etc.

2Precisamente, as celebrações dos dias dos «Compadres» e das «Comadres», de que a seguir nos ocuparemos, e que constituem uma das mais importantes manifestações carnavalescas que antecedem o Carnaval propriamente dito, assinalam muitas vezes a chegada do Entrudo com as suas folias e liberdades.

  • 2 Temos notícia da costumeira dos «Compadres» e «Comadres» do Carnaval em: Trás-os-Montes (Abade de B (...)
  • 3 As celebrações das Quintas-Feiras de Amigos e de Amigas, que consistem apenas em «súcias animadas» (...)

3Integradas no ciclo do Carnaval e relacionadas com essa festividade, conhecem-se em quase toda a área continental portuguesa, e também nas Ilhas, certas datas festivas, a que correspondem celebrações específicas, possuindo alguns dos traços fundamentais dos elementos carnavalescos característicos, e que são conhecidas pela designação de «Dia dos Compadres» e «Dia das Comadres»2. Como regra, o dia dos «Compadres» é a quinta-feira a seguir ao domingo da Septuagésima, e o das «Comadres», a quinta-feira a seguir ao domingo da Sexagésima, que é o Domingo Magro – ou sejam, as duas quintas-feiras – penúltima e última – que antecedem o domingo de Carnaval. Em certos sítios porém esta ordem inverte-se, e a quinta-feira das Comadres antecede, na segunda semana antes do Carnaval, a quinta-feira dos Compadres; é o que sucede, por exemplo, em Cinfães, em Albergaria-a-Velha, em várias localidades do Alto Alentejo, etc.; em Arouca e em Baião, por seu turno, as duas festividades desligam-se das suas datas habituais, e os «Compadres» e as «Comadres» aparecem-nos no mesmo dia de Domingo Gordo, como folguedos próprios dessa ocasião. Em vários pontos da área alentejana, cada uma das celebrações dos «Compadres» e das «Comadres» festeja-se a partir da véspera e nos seus dias respectivos. Finalmente, por vezes, como é o caso na ilha Terceira (Açores) e em alguns raros lugares do continente, designadamente na Beira Alta, em Terras do Alto Paiva e em Monchique, e numa forma que corresponde porventura à cerimónia originária completa, a celebração compreende, além das quintas-feiras dos «Compadres» e das «Comadres», mais duas quintas-feiras, que antecedem aquelas, e que se chamam, por ordem de datas, a quinta-feira de «Amigos», e a quinta-feira de «Amigas»3.

4Como já noutro lugar tivemos ocasião de dizer, as razões expressas ou obscuras do cerimonial que motivam estas duas celebrações complementares, nas suas formas mais típicas, que estão presentes ao longo de todo o seu desenvolvimento e se concretizam nos sentimentos que animam quem nelas participa, parecem residir por um lado na glorificação do próprio grupo sexual no seu dia respectivo – os homens na quinta-feira dos «Compadres» e as mulheres na das «Comadres» –, e ao mesmo tempo na oposição para com o grupo contrário, traduzindo-se em troças, perseguições ou lutas jocosas, simbólicas ou mesmo por vezes efectivas, e na solidariedade operante entre todos os indivíduos do mesmo sexo em contraposição aos do outro sexo.

  • 4 José da Silva. Picão, Através dos Campos, 1947, págs. 188-189 ; e A. Tomás Pires, Investigações Eth (...)

5As troças, sob a forma de assuadas ou chocalhadas, são feitas pelos «Compadres» às «Comadres» e vice-versa, nos seus respectivos dias, ou, em certos lugares, nos dias contrários; e muitas vezes, designadamente em determinados casos alentejanos, na noitada das vésperas daqueles dias4.

  • 5 Na serra de Montemuro, um boneco semelhante a estes, e a que chamavam a «Comadre», acompanhava o pe (...)

6Nos exemplos em que o significado dos «Compadres» e «Comadres» se apresenta mais expressivo, com elementos que podem constituir resíduos de velhos conceitos de participação, e que de resto são a maioria dos casos, a celebração consiste essencialmente na confecção e exibição de bonecos, de palha e papel de cores ou roupas velhas – os «Compadres» – e bonecas – as «Comadres» – pelos rapazes e raparigas da terra, respectivamente (que são também, por vezes, consideradas elas e eles próprios «Comadres» e « Compadres »), e que o grupo oposto, em luta aberta manifesta, se esforça por raptar. Na quinta-feira dos «Compadres» os homens comandam as operações, e as mulheres são troçadas e perseguidas, designadamente na sua efígie de «Comadres»; o boneco do dia é a «Comadre», feita pelos homens, que estes mostram acintosamente às mulheres, e de que estas, pelo seu turno, tentam apoderar-se por todos os meios; e dos quais, nessa mesma noite ou, mais vulgarmente, no final do Entrudo, eles fazem a queima espectacular, precedida da leitura do «testamento» que é de tradição nas cerimónias deste tipo. Na quinta-feira das «Comadres», os papéis invertem-se: imperam as mulheres, e os homens são, do mesmo modo que elas o haviam sido, troçados e maltratados na sua figuração do «Compadre», feito por elas e que eles se esforçam por lhes roubar, e que, como a Comadre, será queimado no final5.

7Em Cinfães, num exemplo particularmente rico, ao aproximar-se a época carnavalesca, os dois campos estremam-se tácita e radicalmente; as raparigas da terra, com absoluta exclusão do elemento masculino, e os rapazes com idêntica exclusão do elemento feminino, confeccionam secretamente grandes bonecos e bonecas de palha, vestidos de papel de seda, e com os braços abertos; os das raparigas são os «Compadres», e os dos rapazes, as «Comadres». A vez, de entrada, cabe às raparigas: nos dias que precedem a penúltima quinta-feira antes do Domingo Gordo, as detentoras de «Compadres» exibem-nos furtivamente, e durante breves minutos apenas, a uma janela das suas casas; há sempre rapazes de vigia, e o facto é imediatamente assinalado e divulgado entre os demais: «F.a tem um ‘compadre’!»

8A partir desse momento, o objectivo dos rapazes é apoderarem-se desses «Compadres» que estão nas mãos das raparigas; e, certamente, pela força mágica das representações, são os próprios rapazes que se encontram cativos, em poder e à mercê das raparigas, e que são objecto das suas sevícias e atentados simbólicos.

9Pelo contrário, o objectivo das raparigas, relativamente aos «Compadres», é impedir que os rapazes lhos roubem. Por isso, uma vez revelada a existência dos «Compadres» em certas casas, são estes imediatamente escondidos o melhor e o mais astuciosamente possível.

10Por parte dos rapazes, inicia-se então a busca dos «Compadres» escondidos. Essa busca é completamente livre e total: eles podem entrar em todas as casas, abrir todas as portas, revolver todas as arcas e móveis; ninguém se opõe ou protesta contra essas actividades. Deitam escadas às janelas, vão pelos telhados, utilizam, enfim, todos os meios e ardis para tentarem surpreender o segredo do paradeiro do «Compadre» que as raparigas lhes escondem, e deitarem-lhe a mão. As mães são contra os filhos, os pais são contra as filhas, os irmãos contra as irmãs, os maridos contra as mulheres. A solidariedade entre os elementos de cada sexo e a luta contra os elementos do sexo oposto são perfeitas; há verdadeiras conjuras entre homens e mulheres, tentativas de suborno, etc., sempre com o fim de descobrir onde se escondem «Compadres» e «Comadres». As raparigas procuram o apoio cúmplice das mulheres mais respeitáveis e insuspeitas, para iludirem a perspicácia dos rapazes e escamotearem um boneco prestes a ser descoberto, que levam disfarçadamente para outra casa, e escondem novamente; às vezes, nesse novo paradeiro, e para acinte dos rapazes, exibem-no novamente a uma janela, mostrando assim que o «Compadre» «ainda está vivo», isto é, ainda não foi apanhado.

11E desta maneira, uns «Compadres» descobertos e em poder dos rapazes, e outros que as raparigas conseguiram conservar, chega-se à mencionada penúltima quinta-feira antes de Domingo Gordo, que leva, para o efeito, o nome de «Quinta-Feira de Compadres», e em que estes «se correm»; as raparigas mais ligeiras, agarrando os bonecos, que os rapazes não puderam encontrar, no largo da vila, fogem dos rapazes que as perseguem com barulheiras e algazarras, para lhos arrancarem, defendendo-se deles, e passando-os de umas para outras, quando assim é preciso para melhor tentarem conservá-los.

12E afinal, de uma forma ou de outra, parte dos «Compadres» cai em poder dos rapazes, e a outra parte, provavelmente muito diminuta, continua na posse das raparigas.

13Seguidamente, e com desfecho paralelo na quinta-feira seguinte (a última antes do Domingo Gordo), que leva o nome de «Quinta-Feira de Comadres», e em que estas são «corridas», tem lugar idêntica exibição e escondimento das «Comadres» por parte dos rapazes e a perseguição por parte das raparigas, presumivelmente com sucesso inferior ao que se verifica quando os perseguidores são os rapazes...

14Na Terça-Feira de Carnaval, em vistoso auto-de-fé, são queimados os «Compadres» «Comadres» do ano. Os «Compadres» que os rapazes não conseguiram apanhar, e as «Comadres» de que as raparigas se conseguiram apoderar, pertencem-lhes, e são queimados por elas; e ao arderem os «Compadres», sobre os quais conservam o poder, elas acirram os rapazes, dizendo-lhes: – «Olha a figura que fazes!», «Olha o teu irmão!», «Olha como ele arde!». – Semelhantemente, os «Compadres» que os rapazes conseguiram encontrar e a que deitaram mão, e as «Comadres» de que as raparigas não se puderam apossar são, na mesma fogueira, todos queimados.

  • 6 Ernesto Veiga de Oliveira. O Entrudo, « Douro Litoral ». 4.a S., IX.

15A festa prolonga-se ainda com o enterro das «Comadres», que se faz em relação a uma das bonecas que ficaram em poder dos rapazes: esta é colocada num caixão, e o enterro realiza-se, com cova e sermão. Proclama-se aí o testamento da «Comadre», que depois é lido em ocasião e local onde todos se encontrem reunidos festivamente, geralmente um baile; a «Comadre» «deixa» às diferentes raparigas o que a cada uma compete, e isso é o pretexto para que a elas e delas se diga livremente e com mais ou menos espírito, conforme o autor, o que só no Carnaval se diz...6.

  • 7 J. Leite de Vasconcellos. Ensaios etnográficos. III. Lisboa. 1906. págs. 136-137; C. Manuel Fonseca (...)

16Em certas outras localidades, o cenário da cerimónia, embora idêntico àquele que descrevemos nos seus traços fundamentais e no seu significado essencial, simplifica-se em alguns dos seus pormenores. Assim, em diversas aldeias da Beira Alta, e nomeadamente em terras do Alto Paiva, a exibição e perseguição movida aos bonecos que figuram as «Comadres» e os «Compadres», tem apenas lugar nos dias dos «Compadres» e das «Comadres» respectivamente, nas duas quintas-feiras antes do Entrudo, fazendo-se ainda, a final, a sua queima: a das «Comadres», pelos homens, no dia dos «Compadres», no meio da rua, espetadas em paus altos, entre gente mascarada que se diverte; a dos «Compadres» pelas mulheres, no dia das «Comadres», em qualquer janela ou varanda, porque os homens não as deixam sair à rua; e em alguns casos, a final, com grandes algazarras, lêem-se os «testamentos» de umas e dos outros7. Em Baião, tudo se passa mesmo no próprio dia de Carnaval; e. no fim da festa, os bonecos que cada grupo conseguiu conservar são queimados, num lugar onde os oponentes não possam chegar, varanda, janela ou coisa semelhante, após a leitura do «testamento». No Marco de Canaveses, no dia dos «Compadres», tem lugar um baile organizado pelos rapazes, e presidido por uma «Comadre» feita por eles e que as raparigas se esforçam por raptar, passando-se fenómeno inverso no dia dos «Compadres», na semana a seguir.

17No Alto Alentejo, de um modo geral, os «Compadres» e as «Comadres» são respectivamente os próprios rapazes e raparigas da povoação. Aí, em muitas aldeias, o rapazio, para a Quarta e Quinta-Feira dos «Compadres» mune-se de quantos chocalhos, búzios, mangas, etc., pode arranjar, e, em bandos, percorre, até altas horas da noite, a povoação e redondezas, fazendo uma barulheira atroadora e entoando cantigas dirigidas às «Comadres», numa demonstração provocadora contra o elemento feminino, que sai à rua atirando água aos manifestantes; e na Quinta-Feira «das Comadres», na semana seguinte, ao alvorecer, repetem a algazarra que haviam feito na semana anterior, igualmente contra as mulheres.

18A par dessas manifestações, porém, a ideia subjacente de exaltação do grupo social próprio no respectivo dia e de oposição e luta entre os dois grupos contrários personalizados nos «Compadres» e nas «Comadres» toma por vezes um aspecto diferente do que acima dissemos. Nesses casos, na Quinta-Feira de «Compadres», estes, empunhando bandeiras vistosas, de lenços de seda adornados de fitas e flores, assinalando festivamente a solenidade dos seus dias, e alardeando prazer e fartura, passeiam pelas ruas; pelo seu lado, as raparigas, em resposta, põem às janelas, a mostrarem aos rapazes, outras bandeiras, pendões de troça e menosprezo, feitos de esteirões ou pincéis velhos dependurados, talos de couves, cascas de laranja, ortigas ou ossos, ou bonecos de palha a roerem ossos, arremedando os rapazes e significando miséria, a indicar que a semana dos Compadres é tempo de fome e não de festa. Na região de Eivas, este pendão de miséria, à janela das raparigas, leva um chocalho, que elas fazem tanger por meio de um cordel, e com o qual respondem à referida chocalhada dos «Compadres». Na véspera da Quinta-Feira das Comadres, na semana seguinte, as mulheres colocam nas varandas pequenos alguidares com borras de azeite a que deitam fogo, a que dão o nome de «luminárias», e aí fazem ouvir o toque de almofarizes, a mostrar o seu regozijo, enquanto que os compadres se esforçam por escalar as varandas e apagar esses fogaréus. Durante a tarde, as raparigas, por sua vez, ostentam as bandeiras de luxo, e os rapazes as de miséria e troça, umas e outras com os significados e intenções que lhes correspondem. De parte a parte trocam-se ditos e chalaças, e procura-se roubar as bandeiras dos grupos rivais, em retoiças, balbúrdias e lutas corpo a corpo; quando o conseguem, celebram o feito com ruidosa zombaria e os vencidos esforçam-se então por tirar a desforra. Em Arronches, a bandeira rica dos «Compadres» sai num carro, e as «Comadres» esforçam-se por roubá-la, assaltando esse carro, por meio de cordas, etc.; e, se o conseguem, os rapazes esforçam-se por reavê-la por todas as maneiras possíveis. Por vezes, ali, as raparigas, no fim, mandam o «jantar da fome», de lagartas, ratos, ossos, etc., aos rapazes, pelo correio; estes. por seu turno, em vez do habitual pendão de troça, tentam ofuscar o significado da bandeira rica das «Comadres», confeccionando uma «Comadre» de palha e roupas velhas, que, segundo o costume, as raparigas se esforçam por agarrar.

19Em Bencatel (Vila Viçosa), a forma local da celebração difere consideravelmente dos costumes alentejanos que acabamos de descrever, e aproxima-se do que vimos em Cinfães, no que se refere à personificação dos «Compadres» e «Comadres» em manequins e à perseguição dos manequins de cada grupo pelo grupo oposto, que começa muito antes dos respectivos dias; e do que vimos na Beira Alta, no que se refere à sua queima, que tem lugar nesses próprios dias: as «Comadres» pelos homens, na Quinta-Feira de «Compadres», e os «Compadres» pelas mulheres, na Quinta-Feira de «Comadres».

20Numa última categoria de práticas características, a celebração dos dias dos «Compadres» e das «Comadres» apresenta-se apenas como um jogo ou sorteio de nomes, dos «Compadres» e das «Comadres», tendo em vista, expressa ou indirectamente, o estabelecimento de relações de parentesco cerimonial precário entre os que a sorte associou – de sugestão amorosa, como um género de augúrios de noivado ou casamento, ou, outras vezes, de compadrio especial. E o sentido de luta e consagração de grupos sexuais, que está na base destas celebrações, mostra-se sob formas atenuadas e como que domesticadas. Assim sucede, por exemplo, em Albergaria-a-Velha, onde, em pequenas reuniões em casa de uns e de outros, as raparigas, no dia das «Comadres», e os rapazes, no dos «Compadres», fazem «casamentos» de ocasião, que se distinguem dos habituais «casamentos» carnavalescos porque são determinados exclusivamente pelo acaso: colocam-se, num saco, bilhetes com os nomes dos rapazes disponíveis, e, noutro, bilhetes com os nomes das raparigas nas mesmas condições; duas pessoas vão tirando à vez esses bilhetes – uma, do saco dos rapazes e outra do das raparigas, que, assim acasalados, ficam sendo «Compadres» e «Comadres». Geralmente, no dia das «Comadres», «buzina-se» primeiro o nome das raparigas, e as pessoas ficam «Compadres» e «Comadres» apenas até ao dia dos «Compadres» na semana seguinte; no dia dos «Compadres», «buzina-se» primeiro o nome dos rapazes, e o sorteio anula o da semana anterior, ficando as pessoas «Compadres» e «Comadres» até ao dia das «Comadres» do ano próximo.

21A oposição entre os sexos, aqui, actualiza-se apenas numa refeição familiar, oferecida pelas mulheres aos homens, e vice-versa. No dia das «Comadres» – que em cada casa são as próprias mulheres da casa – estas apresentam um jantar cuidado, para mostrar aos homens o que são capazes de fazer no seu dia; e para terem paga semelhante, quando chegar a vez deles, costumam dizer-lhes: «Olha que agora é o nosso dia, a ver o que nos dás quando for o teu!» No dia dos «Compadres», uma semana depois, são os homens da casa quem dão as ordens e dispõem as coisas, fazendo-o o melhor que podem, para apresentar às «Comadres» um jantar que faça honra aos seus autores. E a acentuação do elemento alimentar é ali tão grande, que se costuma explicar o facto do dia das «Comadres» anteceder o dos «Compadres» pela consideração de que «as mulheres são mais gulosas do que os homens».

22Em alguns casos esta prática não parece ter quaisquer consequências, encerrando quando muito uma ideia difusa de comprometimento amoroso. Em Turquel (Alcobaça) (e também no concelho da Covilhã), nas duas quintas-feiras a seguir ao domingo de Sexagésima, os rapazes e as raparigas reúnem-se em feição galhofeira para nomearem os seus futuros «Compadres» e «Comadres»; em Eivas, nas Quintas-Feiras de «Comadres» e de «Amigas» (primeira e terceira semanas antes do Carnaval), e nas de «Compadres» e de «Amigos» (segunda e quarta), as raparigas e os rapazes respectivamente reúnem-se em casa de uma delas e de um deles, comem, bebem, cantam e, dando-se os dedos mínimos, recitam:

«Comadre, Comadre,
Comadre querida,
Fazemos Comadres
Para toda a vida»,

  • 8 J. Diogo Ribeiro. Turquel Folclórico. Esposende, 1927. págs. 79-80 ; e Ladisláu Piçarra. O Carnaval (...)

e tomam-se «Comadres» ou «Amigas», e «Compadres» ou «Amigos»8; etc.

  • 9 Matos Sequeira e Rocha Júnior, Olivença. Lisboa. 1924, págs. 244-245.

23Por vezes, contudo, o «compadrio» que assim se estabelece cria certas obrigações sociais reduzidas: em Couto de Esteves (Sever do Vouga), o «Compadre» tem de dar à «Comadre» uma prenda, e, no dia da sua entrega, ele pode conversar com ela e tem preferência mesmo sobre o namorado que ela porventura tenha; em Olivença, o jogo dos «Compadres» e «Comadres» termina em quinta-feira de Endoenças, em que os rapazes presenteiam as raparigas com amêndoas ou lenços bordados, que elas retribuem com o «folar» de Páscoa9. E enfim, em Oliveirinhas (Aveiro), conhece-se um sorteio de «Compadres» e «Comadres» a meio da Quaresma, também de efeitos anuais, que termina na quarta-feira de Cinzas do ano seguinte, em que as «Comadres» oferecem aos seus «Compadres» figos passados, que eles retribuem com as amêndoas, em sábado de Aleluia.

Notes

1 Em relação aos dois primeiros casos – Castelo (Sertã) e Cinfães –. é de notar que. correspondentemente. em certos lugares, como por exemplo Rio de Onor, cantam-se os Reis até ao dia 20 de Janeiro. Cfr. Jaime Lopes Dias. Etnografia da Beira. VII. 86/6; Manuel de C. Pinto Bravo. O Entrudo, « Douro Litoral », 2.a série, III, 57. e Bertino Daciano. Cinfães. 132/3 ; P. M. Vieira de Aguiar, Descrição Histórica, etc. do Marco de Canaveses. 426/7 ; e Jorge Dias. Rio de Onor. 343.

2 Temos notícia da costumeira dos «Compadres» e «Comadres» do Carnaval em: Trás-os-Montes (Abade de Baçal, Memórias, IX, 300); na Beira Alta em geral (Leite de Vasconcelos, Ensaios, III, 136/7), e em terras do Alto Paiva (M. Fonseca da Gama, Terras do Alto Paiva, 282); na região de Cinfães (Bertino Daciano e Manuel P. Bravo, op. cit.) e áreas limítrofes, do Montemuro, e do Douro Litoral interior, em Arouca e ao norte do rio Douro (Marco de Canaveses, Baião, Amarante, etc.) ; na Beira Litoral, em Albergaria-a-Velha, Couto de Esteves (Sever do Vouga), etc., no distrito de Aveiro; na Beira Baixa, na região da serra da Estrela, em Cortes (Covilhã); na Estremadura, em Turquel; no concelho de Alcobaça (J. Diogo Ribeiro, Turquel Folclórico. 79/80) ; no Ribatejo, a sua menção em Francisco Câncio, Ribatejo, casos e tradições, 449/51; no Alto Alentejo, em Arronches. em Bencatel (Vila Viçosa), em Eivas, e. de um modo geral, em José da Silva Picão, Através dos Campos, 188/9, e em A. Thomaz Pires. Investigações ethnográphicas, « Revista Lusitana», xi, 265; nos Açores, em Theophilo Braga, O Povo Português, 266, citando José Torres, Fastos Açoreanos ; e, finalmente, em Olivença (Matos Sequeira e Rocha Júnior, Olivença, 244/5). Costumes semelhantes a estes existem também em França (ver nota seguinte).

3 As celebrações das Quintas-Feiras de Amigos e de Amigas, que consistem apenas em «súcias animadas» (A. Fonseca da Gama, op. cit), apontam contudo o carácter de festa exclusiva de cada grupo sexual, nos seus dias respectivos. José António Guerreiro Gascão. Subsídios para a Monografia de Monchique. «Revista Lusitana», xxii, pág. 362 – «Pois se até há. na Quaresma, além das quintas-feiras de amigos e amigas, uma Quinta-Feira de Compadres e outra de Comadres». Em França, encontramos o paralelo destes costumes no Bourbonnais, por exemplo, onde se celebrava a quinta-feira anterior ao Carnaval como sendo o dia de festa dos rapazes, o domingo de Carnaval como o das raparigas, a quinta-feira seguinte como o das mulheres, e o primeiro domingo da Quaresma como o dos homens; em Mônetier-les-Bains, onde se celebram as quatro quintas-feiras anteriores ao Carnaval, tal como entre nós. como sendo as dos rapazes, raparigas, pais e mães respectivamente ; e na Alsácia. onde além da festa dos amos, em Domingo Gordo, se celebram os dois primeiros domingos da Quaresma como sendo o dos rapazes e das raparigas. Cfr. A. van Gennep, Manuel de Folklore, T. 1.°, III, 870).

4 José da Silva. Picão, Através dos Campos, 1947, págs. 188-189 ; e A. Tomás Pires, Investigações Ethnograficas, «Revista Lusitana», 11, Lisboa, 1908, pág. 265. Em Eivas, essas assuadas designam-se com a expressão : « tocar-se às mulheres» ou «aos homens». Noutras partes diz-se: «assobiar aos Compadres» ou «às Comadres».

5 Na serra de Montemuro, um boneco semelhante a estes, e a que chamavam a «Comadre», acompanhava o peditório que se fazia pelas casas, em vista aos festejos do Carnaval. E, nas Galveias, denominavam «Compadre» e «Comadre» os dois bonecos que seguiam a «chocalhada» burlesca do touro simulado, no cortejo carnavalesco da quarta-feira anterior ao Carnaval, e que, vestidos o melhor possível e amarrados no cimo de grandes paus, divertiam a assistência com as danças, abraços e movimentos cómicos que os faziam realizar (Francisco Câncio. O Ribatejo, casos e tradições).

6 Ernesto Veiga de Oliveira. O Entrudo, « Douro Litoral ». 4.a S., IX.

7 J. Leite de Vasconcellos. Ensaios etnográficos. III. Lisboa. 1906. págs. 136-137; C. Manuel Fonseca da Gama. Terras do Alto Paiva. Lamego. 1940, pág. 282.

8 J. Diogo Ribeiro. Turquel Folclórico. Esposende, 1927. págs. 79-80 ; e Ladisláu Piçarra. O Carnaval. «A Tradição », 1-2, Serpa, 1899, págs. 16-20.

9 Matos Sequeira e Rocha Júnior, Olivença. Lisboa. 1924, págs. 244-245.

Notes de fin

1 «Cultura e Arte» – página cultural de «O Comércio do Porto». 13.9.1960 e 13.12.1960.

© Etnográfica Press, 1995

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search