Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Vozes do Povo

 | 
Salwa El-Shawan Castelo-Branco
, 
Jorge Freitas Branco

Parte VI. Patrimonialização

Capítulo 21. O barrete verde

Maria João Mota

Texte intégral

  • 1 Esta investigação foi feita no âmbito da dissertação de mestrado intitulada “Análise da organização (...)

1No presente artigo são analisados elementos de cultura material, que representam e veiculam identidades. Compreender como se processam e gerem as formas de pertença, organização e dinâmica social de uma associação local, o Aposento do Barrete Verde e das Salinas, constituiu a problemática central duma pesquisa anterior.1

  • 2 Categoria e actividades definidas na fundação da associação em 1945, com alvará do Governo Civil de (...)
  • 3 Área administrativa definida pelo decreto-lei n.° 44/91.

2No trabalho de campo logo se evidenciaram as referências distintivas, tanto nas actividades desenvolvidas, como dos elementos materiais exibidos. A escolha desta agremiação regionalista justifica-se por:2 ser das que tem mais associados do concelho (terceira a seguir às de futebol); desenvolver actividades e redes informais de sociabilidade e poder; ter associados e dirigentes de ambos os sexos (apesar do predomínio do masculino); organizar uma importante festividade concelhia; e representar a(s) identidade(s) local. A opção por esta região deve-se à sua localização na Área Metropolitana de Lisboa e às influências urbanas e industriais,3 mas paralelamente pelo interconhecimento dos residentes do centro da vila de Alcochete, para o qual o associativismo contribui.

  • 4 "O processo de folclorização caracteriza-se por uma acção coordenada de definição de diferenciações (...)

3Partindo do enfoque nas relações associativas, neste artigo atende-se primeiro às formas de determinação e de utilização da peça da indumentária tradicional e ícone que denomina a associação, além de outros relacionados: salinas, forcado, aposento, etc. Estes destacam-se por serem bens patrimoniais que reflectem identidades individuais ou colectivas, de pertença e de diferenciação. Seleccionados como representativos da região e de certas actividades que a caracterizaram, tornam tangíveis as identidades locais e os processos identitários mais gerais e abrangentes, tais como os da folclorização, que fazem com que algumas práticas culturais consideradas tradicionais sejam reinterpretadas, reconstruídas ou reinventadas no presente.4

4Para se aceder à compreensão da cultura material, e em particular dos emblemas da tradição, torna-se, então, necessário considerá-los nos contextos social, histórico e político em que são usados. No entanto, uma das dificuldades e um dos desafios da abordagem dos objectos, e do nosso relacionamento com eles, é a de terem vários significados e usos, ou seja, de serem promíscuos e instáveis, dependendo da historicidade, mas também da falta de constrangimento histórico, como no caso das inovações ou das (re)invenções das tradições (Thomas 1991: 208). Assim, a objectificação das identidades não deve ser entendida de forma essencialista, visto as suas características não serem imutáveis e definitivamente estabelecidas (Miller 1987: 214). Pelo contrário, é porque os objectos apresentam uma maior ambiguidade e instabilidade semiológicas, sendo acompanhados de uma plasticidade formal e funcional, que possibilitam um leque de apropriações, expressando e ajudando a construir identidades multifacetadas.

  • 5 "In recent anthropological work, sex is generally taken to refer to the anatomical, biological and (...)
  • 6 ”… é um modelo cultural ideal que, não sendo atingível por praticamente nenhum homem, exerce sobre (...)

5Por se tratar de uma associação tauromáquica, ligada à sociabilidade masculina, a questão do género não pôde ser ignorada.5 Daí o segundo grande eixo analítico deste estudo, o do modelo de masculinidade hegemónica estar implicado;6 não só na organização do Barrete Verde, como na determinação das configurações e utilizações significantes de certos objectos. Mas, tal como os processos de folclorização, as relações assimétricas entre géneros não estão isentas de transformações e pressupõem as acções dos indivíduos.

Fabricação de emblemas

  • 7 Com repertórios tradicionais das regiões de origem (Beiras, Alentejo, etc.) dos migrantes, que até (...)

6No concelho de Alcochete a maioria das (22) associações lúdicas são desportivas (de futebol). Porém, as (3) de tauromaquia (tertúlias e grupos de forcados) são as consideradas mais tradicionais daquela região. Neste sentido, as (2) bandas filarmónicas articularam-se com estas práticas, ao se especializarem (repertório e actuações) em espectáculos tauromáquicos. Dos três grupos folclóricos e etnográficos, todos com sedes afastadas do centro da vila, um surgiu em 1953, os outros apenas na década de 1980. Deste modo, os processos de folclorização e de fabricação de emblemas encontram-se também relacionados com as associações locais. Primeiro, num contexto regenerador, com as bandas filarmónicas representativas da pertença e/ou distinção administrativa-territorial (do concelho). Depois, no Estado Novo, com as tradições regionais, sobretudo desportivas e tauromáquicas, e, posteriormente, com os grupos folclóricos,7 que continuaram a surgir num contexto de mudanças políticas, integrando o movimento da (re) folclorização (Branco 1995: 169).

  • 8 "Sol e Moscas" A Voz de Alcochete, n.° 25-26, 1950, p. 3.

7Os moços de forcado, inicialmente, faziam parte do pessoal que lidava com o gado, ao serviço dos proprietários rurais. A sua denominação está relacionada com as varas, que terminam numa espécie de forquilhas bifurcadas, usadas para se protegerem e limitarem o acesso do touro. Foi sobretudo a partir do séc. XIX que este tipo de actividade começou a ser integrada nas touradas, institucionalizadas como espectáculos. Seguindo a transformação do meio tauromáquico, a partir da década de 1920, em Alcochete existiu um primeiro grupo de moços de forcado (não institucional), que se dispersavam por grupos de outras localidades. Facto que, nos anos 50, origina um apelo para a organização formal de um grupo que representasse a vila.8

8Os forcados de Alcochete eram profissionais e auferiam salários fixos. Estatuto que não foi mantido depois da sua associação formal, a partir de 1965, como secção do Aposento do Barrete Verde, altura em que todos os forcados passam a praticantes de uma modalidade amadora. Consequentemente, hoje têm uma remuneração inferior e actuam sem agentes profissionais, seguros de saúde ou outros. No entanto, os aspirantes desta prática são ainda numerosos em Alcochete, maioritariamente ali residentes e assalariados na indústria e nos serviços, e raramente pequenos proprietários e negociantes. Não constituem um grupo etário ou de estado civil, pois integram elementos de várias idades (dos 16 aos 40 anos), grande parte solteiros, alguns casados e poucos divorciados. Se bem que alguns já tenham cumprido o serviço militar, sejam casados e tenham filhos menores, constituíram o seu próprio agregado familiar recentemente, estando sujeitos a intensas pressões familiares para fazerem a despedida do grupo. Têm uma certa relutância em abandoná-lo, mas o dilema pode resultar na sua saída ou na diminuição gradual daquela actividade. A afirmação ritual da masculinidade é, por conseguinte, a característica comum dos moços de forcado, sendo vários os elementos simbólicos desta identidade.

  • 9 Elemento (fixo) representante e responsável da organização, formação e actuações.

9O orgulho e empenho dos forcados é expresso materialmente, através do uso e cuidados com a sua farda. É relevante que a farda e o título de cabo do grupo sejam designações análogas às usadas nas instituições militares.9 Ambas implicam uma hierarquização específica, mas também uma uniformização e despersonalização dos indivíduos. À semelhança do serviço militar, a pertença a um grupo de forcados, sobretudo a actuação em touradas, pelo menos durante alguns anos, pode ser entendida como um rito de passagem da masculinidade. Porém, os forcados distinguem-se pelo voluntariado, bem como, por o seu desempenho se prolongar por mais tempo. O corporativismo do grupo é outras das características da situação liminar dos seus membros, expressa, por exemplo, no fardamento próprio que os distingue dos outros pelas cores e/ ou padrões dos tecidos.

  • 10 "A análise simbólica de Pitt-Rivers da tourada espanhola mostra que o matador simboliza um papel fe (...)
  • 11 E tenham conflitos com colegas, empresários, etc., razões para a espanhola Cristina Sánchez deixar (...)
  • 12 Ver lei sobre touradas (decretos-lei n.° 306/91, Diário da República, n.° 188 série I-A de 17/8/199 (...)

10A dimensão simbólica das performances tauromáquicas, ligada à construção de identidades (exclusivas e/ ou cumulativas) do género, através das práticas ritualizadas e das emoções experimentadas, foram analisadas em estudos antropológicos.10 Os moços de forcado têm também uma actuação ambígua nas touradas, pois se os seus trajes se aproximam das fardas militares, por serem justos ao corpo revelam a feminilidade sugerida pelo toureiro sem capa. A masculinidade deste grupo ritual depende, então, das suas performances conjuntas para pegarem o touro, nunca integrando elementos femininos. Contrariamente, o toureio a cavalo e a pé, por serem práticas individuais, incluem figuras de cartaz femininas, ainda que sejam em menor número.11 Os aspectos gerais do campo da tauromaquia, dependentes do contexto histórico e empresarial (nacional e internacional), não serão aprofundados, por ultrapassarem o âmbito deste estudo. Resta relembrar que as tradições tauromáquicas apropriadas como locais e regionais, simultaneamente são “(…) parte integrante do património da cultura portuguesa”, cujos intervenientes e eventos se enquadram em disposições legais específicas.12

  • 13 Exemplo: com a colecta de dinheiro, venda de rifas para tômbola, etc., o que ainda acontece.
  • 14 Órgãos dirigentes: 3 directivos — assembleia geral, direcção, conselho fiscal; 1 consultivo — conse (...)
  • 15 "o calção de cor verde azeitona e a jaqueta de cor uniforme carmesim escuro" (Rodrigues 1989: 43).
  • 16 Estatutos aprovados em 1947, tendo desde aí sofrido apenas pequenas alterações.
  • 17 A maioria reside em Alcochete, é solteira, estudante e com idades dos 13 aos 26 anos.

11Para além do Grupo de Forcados do Aposento, formaram-se outras secções de modalidade, compostas por sócios considerados de mérito, que representam o Aposento. A das Meninas do Barrete Verde é pré-existente à associação, e no início da década de 1940 já promovia as festividades das quais recebeu o nome.13 As meninas, presentemente um conjunto de (12) adolescentes, têm funções protocolares e colaboram na organização das festas. Envergam t-shirts emblemáticas da associação e o barrete verde ao ombro, apoiam o grupo de forcados entre a assistência das touradas, e integram a procissão à Senhora da Vida. Desde os anos 40, o barrete verde é usado por elas sempre daquela forma e raramente colocado na cabeça. As diferentes utilizações do mesmo objecto, reafirmam as distinções sociais; baseadas no género mas, também, na idade, no estado civil, na territorialidade e no parentesco. Assim, grande parte são: de Alcochete, solteiras, estudantes, namoradas dos forcados, e/ ou familiares de sócios (dirigentes) do Aposento. Apesar da sua longa existência como grupo, não têm representante nos órgãos dirigentes,14 nem são especificados nos estatutos ou no regulamento interno, contrastando com os forcados, cuja farda tradicional é inclusivamente descrita.15 A composição numérica é controlada pela direcção, para que este grupo feminino seja selectivo e organizado, ainda que, nos anos 40, tenha sido composto por cerca de 20 elementos. Outro grupo igualmente omisso nos estatutos é o de Danças Sevilhanas,16 criado no ano de 1992 e composto por sete elementos femininos e dois masculinos.17 Apesar de duas dançarinas terem cargos directivos, este é o grupo com menos visibilidade e apoio, sendo o único que tem de dar à associação 50% do lucro dos espectáculos em que participa.

A celebração de artefactos emblemáticos

12O Festival Tauromáquico do Barrete Verde e das Salinas, realizado desde o início dos anos 40, é hoje a festividade anual mais importante, tanto pela quantidade de público que atrai ao centro da vila, como pelos participantes que mobiliza nos sete dias de festejos. No programa festivo, idêntico há vários anos, destaca-se como principal atracção a Festa Brava composta por: largadas de touros nas ruas, concurso de condução de jogos de cabrestos e picaria à vara larga, touradas ou corridas de toiros, novilhada, e cortejo e homenagem ao salineiro, ao forcado e ao campino.

  • 18 Imagem do século XVIII da capela daquela evocação, anteriormente devotada ao Espírito Santo, no bai (...)

13Em 1941 organizou-se a primeira festa denominada das Salinas e do Barrete Verde. Esta nova festividade foi-se enredando na anterior, em honra de Nossa Senhora da Vida,18 realizada até à década de 1930, onde a celebração religiosa era central, mas já integrava espectáculos tauromáquicos. O culto mariano à Senhora da Vida, celebradoa8deSetembro, ter-se-á desenvolvido em Alcochete, sobretudo a partir do terceiro quartel do século XVI, quando a capela foi legada à Misericórdia pelos seus fundadores (Valladas 1958: 11). A sua transformação em Festas das Salinas e do Barrete Verde, com organização exclusivamente laica, a partir dos anos 40, envolveu uma maior participação e competição entre os grupos locais com poder e relacionamentos estratégicos. A componente religiosa manteve-se sob forma de missa, seguida de procissão em honra da santa, no dia 15 de Agosto e logo após a tourada. Contudo, deixou de ser o motivo da festividade, lugar ocupado pelas celebrações e referências tauromáquicas. Devido a este facto, na década de 1940, “… os amantes da Igreja começaram a achar que esta [procissão] devia ser à cabeça do cartaz, e como resultado nunca mais houve procissão nas Festas do Barrete Verde…” (Valladas 1958: 107-108). Somente a partir dos anos 60 se tornou a efectuar a referida procissão, por iniciativa dos então dirigentes do Barrete Verde.

14As primeiras Festas das Salinas e do Barrete Verde estiveram a cargo da comissão de proprietários da praça de touros de Alcochete (alguns dos futuros fundadores do Aposento). Em 1942, um conjunto de instituições locais e de particulares organizaram os festejos (Misericórdia, Câmara Municipal, Sociedade Imparcial 15 de Janeiro, latifundiário-cavaleiro, e jornalista de semanário nacional, futuro fundador do Aposento). No ano seguinte foi promovida pela Sociedade Imparcial, com o apoio da câmara municipal. Autarquia que, em 1944, entregou a sua organização à comissão de festas, constituída por grande parte dos 16 membros que, alguns meses mais tarde, iriam fundar o Barrete Verde. A partir desta data, a associação constituída para esse fim ficou sempre responsável pela festividade (Rodrigues 1989: 38). Ainda nesse mesmo ano, altera a ordem dos vocábulos das festas, salientando a peça de indumentária como emblema local, relativamente às salinas, outra das actividades características da região até à década de 1960.

  • 19 Apesar dos donativos que angariam para esse fim, entre os habitantes de Alcochete.

15As Festas do Barrete Verde sofreram algumas interrupções por dificuldades de financiamento dos espectáculos tauromáquicos e falta de colaboração dos intervenientes (figuras de cartaz, proprietários de terra e ganadeiros, entidades autárquicas, empresários locais, etc.).19 Factores que explicam a especialização e a necessidade de cooperação dos organizadores e participantes nas festividades. Actualmente, ainda que não sejam obrigados a garantir o orçamento das festas, o seu poder e prestígio sociais podem ser postos em causa, nomeadamente nas eleições dos dirigentes associativos e autárquicos.

  • 20 Expressas nos discursos dos alcochetanos, que evitam deslocar-se ali (ex.: em 1991 apenas 6 pessoas (...)
  • 21 Presentemente a sua organização depende da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira.
  • 22 Emblema reproduzido em itens de divulgação (programa das festas, cartazes, autocolantes, estandarte (...)

16As Festas do Barrete Verde assemelham-se às Festas do Colete Encarnado, existentes desde 1932 em Vila Franca de Xira, apesar das relações de evitamento e de diferenciação mantidas com aquele concelho.20 As Festas do Colete Encarnado, inicialmente organizadas por um latifundiário, visavam homenagear os campinos que trabalhavam nas suas herdades e promover as tradições ribatejanas.21 Em ambas as localidades, o principal referencial e ícone festivo é do mesmo tipo; uma peça de traje festivo local, cujas cores remetem também para a identidade nacional. O colete encarnado é usado apenas pelos campinos e o barrete verde por campinos e forcados, sendo este último que figura no emblema do Aposento, com “… um forcado, sobre o qual assenta, dobrado para o exterior, um barrete de cor verde, com a barra vermelha, com a inscrição da palavra Alcochete” (Rodrigues 1989: 43).22

  • 23 Situação determinada pelo seu mérito profissional, parentesco com certos campinos e relações de com (...)
  • 24 Onde residiram e estão sepultados fundadores do Aposento; bem como o fundador do Lar de Samora Corr (...)
  • 25 Ex-Forcados Amadores de Alcochete, 2.° grupo fundado em 1971 por dissidentes do Aposento; Sociedade (...)

17Os campinos formam um grupo heterogéneo, ao nível da sua organização profissional, e o maioral é o intermediário entre o proprietário-ganadeiro e o Barrete Verde.23 Vêm das herdades de Samora Correia,24 freguesia vizinha do concelho de Benavente, pois as de Alcochete não os empregam em grande número, devido à conversão da criação de gado em produções agrícolas mecanizadas (horticultura, flores, madeira, etc.). A sua colaboração nas Festas do Barrete Verde é compensada e assegurada com os títulos de sócios beneméritos que lhes são concedidos, e no caso do maioral por ser dirigente daquela associação. Estes tributos são complementados por cerimoniais de homenagem; jantares e almoços com sessões de fado no Salão Nobre do Aposento, uns meses antes e depois das festas. Assim, ainda que regionalista, o Barrete Verde tem associados de outras localidades, entre os quais se destacam figuras públicas da actualidade e do passado, distinguidas aquando da sua visita (prestigiante) à sede da associação. Esta é uma das estratégias fundamentais para o estabelecimento de redes de relações sociais que possibilitem o seu acesso ao campo tauromáquico e empresarial. Porém, evita-se o controle interno por parte dos representantes dos sócios colectivos, que não podem ocupar qualquer cargo dirigente ou consultivo, bem como ingerências de associações e entidades com as quais têm relações de conflito e de competição.25

O Aposento: património de sociabilidade

  • 26 Reformados, trabalhadores da indústria e serviços, funcionários públicos, campinos, proprietários r (...)

18O termo aposento significa em geral “Casa, morada, albergue, hospedagem e quarto, compartimento ou divisão da casa” (Morais s. d.: 217). Localmente, era uma casa em madeira, habitada sazonalmente pelos jornaleiros e trabalhadores da propriedade rural, sendo hoje sinónimo de local de convívio essencialmente masculino. A maioria dos frequentadores do Aposento desloca-se à sede nas ocasiões festivas, caracterizando-se pela sua heterogeneidade social.26 A sede funciona como espaço diário de sociabilidade, sobretudo para dirigentes e elementos das secções de modalidade. Situa-se num edifício próprio, no centro da vila, alugado aos seus primeiros proprietários (donos de salinas), que, por serem membros do Aposento, o venderam à associação em 1954.

  • 27 Trajes tauromáquicos, fotografias, pinturas, bustos, placas toponímicas, etc.

19Quotidianamente o primeiro andar e o bar são muito frequentados. As restantes salas são usadas em ocasiões festivas ou por menos associados. Na Sala dos Fundadores decorrem algumas reuniões e encontram-se os objectos que lhes são alusivos.27 O Museu Tauromáquico Engenheiro Samuel Lupi, com três salas de exposição, apresenta itens (fotografias, objectos, etc.) sobre: aquele cavaleiro tauromáquico (sócio e latifundiário), o grupo dos forcados e as salinas. Estes objectos ilustram as actividades tauromáquicas e económicas locais, relacionadas com as da associação. Deste modo, ao elaborarem um discurso sobre as colecções expostas, reconstroem as memórias dos associados e dos visitantes. É significante que o grupo das Meninas e o de Danças Sevilhanas não sejam representados, apenas existindo do primeiro uma fotografia dos anos 40, na sala de exposição dos forcados.

  • 28 Bebidas alcoólicas pagas à vez pelos elementos do grupo.

20Além dos associados servirem e consumirem bebidas no bar, asseguram a sua limpeza. O Aposento como espaço de sociabilidade masculina parece justificar a flexibilidade de certos aspectos da divisão sexual das tarefas. Os jogos de cartas são disputados com pontuações, convertidas em dinheiro, que acaba por ser gasto no pagamento de rodadas,28 apesar de nos regulamentos ser expressamente proibida nas instalações a prática de jogos ilícitos (Rodrigues 1989: 64). O tom das conversas é jocoso, sobre assuntos que versam a sexualidade, o desporto, a tauromaquia, etc. As poucas jovens presentes, habitualmente, consomem bebidas não alcoólicas e têm conversas e comportamentos mais coibidos. A noite é um período de sociabilidade masculina, apesar de ali permanecerem algumas associadas. Os jovens ou celibatários (a maioria forcados) continuam o convívio, depois de a sede fechar (às 0h), noutros cafés, bares e discotecas de Alcochete. A capacidade de ingestão de bebidas alcoólicas constitui também uma forma de afirmação de masculinidade, envolvendo competição.

21O trabalho de campo foi dificultado pela hegemonia masculina na tauromaquia e no associativismo local. No entanto, como investigadora exterior a Alcochete foi-me possibilitada uma maior participação nos momentos de sociabilidade.

  • 29 Actualmente, sobretudo os mais velhos, pequenos proprietários rurais e de serviços, ou que se encon (...)

22No escritório da direcção, perto da sala de jogo, os dirigentes administram a associação (actividades, arquivos documentais, reuniões, etc.).29 Ao lado do bar, numa pequena sala, há um oratório com a imagem de São João (padroeiro de Alcochete). Tal como notou o vice-presidente, este espaço ligado à religiosidade vai contra os estatutos da associação, que estipulam que são expressamente proibidas nas instalações, quaisquer manifestações de carácter político ou religioso (Rodrigues 1989: 64). De acordo com este informante, corresponde à devoção dos alcochetanos e em particular dos moços de forcado, que antes das suas corridas de touros fazem ali as suas orações. Sempre que questionados sobre o assunto os forcados assumem um discurso desinteressado e/ ou de desconhecimento, sendo antes das touradas que alguns ali vão individualmente. As práticas religiosas são consideradas mais femininas, ainda que aqueles participem nelas em situações rituais (ex.: procissões, transporte de andores, etc.) ou em privado. Daí a sua relutância em assumirem publicamente a sua devoção religiosa.

Conclusões

23Os processos de folclorização manifestam-se através do associativismo e das celebrações festivas tidas por tradicionais, ainda que reinterpretadas e reinventadas ao longo do tempo. Envolvem referências e protagonistas transculturais, grupos locais (elites socioprofissionais, burguesia e assalariados) e de outras regiões (nacionais e estrangeiras). A fabricação de emblemas implicou a articulação entre promotores e celebrações (de cariz religioso, lúdico, político, económico-profissional) de diversos meios sociais e territórios (Setúbal, Alcochete, Ribatejo, Vila Franca de Xira, Samora Correia, Lisboa, Espanha, etc.). No entanto, os vários elementos foram secularizados e tidos como locais, ainda que relacionados com outros contextos (associativismo, tauromaquia, etc.). Neste sentido, grupos como o de campinos e o de danças sevilhanas fazem parte das tradições locais, apesar da sua pertença a outras regiões ou da influência directa do folclore ribatejano e espanhol, respectivamente. Se bem que os campinos, até aos anos 90, viessem das herdades de Alcochete, desde então continuam a representar as actividades locais, apesar de serem do concelho vizinho.

24Presentemente, não só as salinas quase não produzem ou empregam trabalhadores, como nas propriedades agrícolas não se cria gado para os eventos tauromáquicos. Contudo, os respectivos emblemas continuaram a ser entendidos como referências locais, embora a partir dos anos 60 o concelho se tenha industrializado e, actualmente, terciarizado. Prevaleceram enquanto símbolos de uma ruralidade, perpetuada como autenticamente local, apesar de heterogénea e transformada, na medida em que reflectiam formas culturais populares, ideologicamente promovidas sobretudo no Estado Novo (Raposo 1998: 199). A instabilidade dos significados destes objectos, e os processos de fixação históricos e políticos a que foram sujeitos, permitiram intercruzar várias acções de apropriação, socialmente cada vez mais diversificadas, mas cuja consensualidade nacional imaginada pelos detentores do poder promoveu os seus gostos e actividades de lazer (Branco 1999: 44). Assim, os ícones foram escolhidos pelo seu carácter tipificador do popular e do regional, atributos da sua definição como objectos folclóricos. Porém, uma vez transmitidos e reconhecidos noutros contextos, tornam-se referentes transculturais que institucionalizam outras identidades, como no caso dos grupos folclóricos locais e de danças sevilhanas. Similarmente, o Barrete Verde pôde, até à actualidade, continuar a ser expressão e condição de identidades hierarquizadas e imbricadas.

Festas do Barrete Verde e das Salinas, Alcochete, 1996
Fonte: foto de Maria João Mota

Os campinos são sempre espectáculo” 1972. Fundo Revista Flama
Fonte: Arquivo de Fotografia de Lisboa

Notes

1 Esta investigação foi feita no âmbito da dissertação de mestrado intitulada “Análise da organização de uma associação local de práticas lúdicas”, defendida em 1998, na Universidade Nova de Lisboa, sob orientação do prof. dr. Armindo dos Santos.

2 Categoria e actividades definidas na fundação da associação em 1945, com alvará do Governo Civil de Setúbal em 1947.

3 Área administrativa definida pelo decreto-lei n.° 44/91.

4 "O processo de folclorização caracteriza-se por uma acção coordenada de definição de diferenciações regionais concertadas na unidade nacional (…)" (Branco 1995: 169).

5 "In recent anthropological work, sex is generally taken to refer to the anatomical, biological and physiological characteristics of female and male bodies, and gender to the culturally specific symbolic articulation and elaboration of these differences. “(Barnard 1996: 253)

6 ”… é um modelo cultural ideal que, não sendo atingível por praticamente nenhum homem, exerce sobre todos os homens um efeito controlador, através da incorporação, da ritualização das práticas da sociabilidade quotidiana e de uma discursividade que exclui todo um campo emotivo considerado feminino; e que a masculinidade não é simétrica da feminilidade, na medida em que as duas se relacionam de forma assimétrica, por vezes hierárquica e desigual. A masculinidade é um processo construído, frágil, vigiado, como forma de ascendência social que pretende ser.“ (Almeida 1995: 17)

7 Com repertórios tradicionais das regiões de origem (Beiras, Alentejo, etc.) dos migrantes, que até aos anos 70, trabalhavam em propriedades agrícolas do concelho.

8 "Sol e Moscas" A Voz de Alcochete, n.° 25-26, 1950, p. 3.

9 Elemento (fixo) representante e responsável da organização, formação e actuações.

10 "A análise simbólica de Pitt-Rivers da tourada espanhola mostra que o matador simboliza um papel feminino no primeiro tércio, ao passo que no terceiro tércio (o da morte) atinge uma incorporação hipermasculina, apropriando-se dos valores fálicos do touro que então transfere para o público (…). Isto relaciona-se com o facto de os sexos, no contexto religioso, poderem ser ou mutuamente exclusivos, como na vida quotidiana, ou cumulativos. (…) A sua ambiguidade sexual está ligada ao seu papel de sacrificador: primeiro é sacerdote, com o seu capote, depois uma mulher bonita na primeira sorte, e no fim acaba varão, homem transformado em touro; quando através do sangue feminiza o touro (…)" (Almeida 1995: 203-204).

11 E tenham conflitos com colegas, empresários, etc., razões para a espanhola Cristina Sánchez deixar a carreira de “matadora” em 1999.

12 Ver lei sobre touradas (decretos-lei n.° 306/91, Diário da República, n.° 188 série I-A de 17/8/1991; declaração da rectificação n.° 201/91, D. R. n.° 225 série I-A, de 30/9/1991; e aprovação n.° 62/91, Diário da República n.° 275 série I-B, de 29/11/1991).

13 Exemplo: com a colecta de dinheiro, venda de rifas para tômbola, etc., o que ainda acontece.

14 Órgãos dirigentes: 3 directivos — assembleia geral, direcção, conselho fiscal; 1 consultivo — conselho geral, num total de 28 sócios, onde apenas duas eram mulheres. Amaioria residente em Alcochete com situações profissionais diversas: pequenos proprietários, comerciantes, reformados da indústria local com indemnizações, quadros técnicos, etc.

15 "o calção de cor verde azeitona e a jaqueta de cor uniforme carmesim escuro" (Rodrigues 1989: 43).

16 Estatutos aprovados em 1947, tendo desde aí sofrido apenas pequenas alterações.

17 A maioria reside em Alcochete, é solteira, estudante e com idades dos 13 aos 26 anos.

18 Imagem do século XVIII da capela daquela evocação, anteriormente devotada ao Espírito Santo, no bairro ribeirinho da vila de Alcochete, onde habitam os salineiros e marítimos (reformados) e as suas famílias. A réplica da imagem foi exposta na sede da Sociedade Imparcial 15 de Janeiro de 1898, que colaborava na organização desta festa.

19 Apesar dos donativos que angariam para esse fim, entre os habitantes de Alcochete.

20 Expressas nos discursos dos alcochetanos, que evitam deslocar-se ali (ex.: em 1991 apenas 6 pessoas ali trabalhavam) (Censos 91: quadros 3.4.1 e 3.4.2).

21 Presentemente a sua organização depende da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira.

22 Emblema reproduzido em itens de divulgação (programa das festas, cartazes, autocolantes, estandartes, bandeiras, t-shirts, etc.).

23 Situação determinada pelo seu mérito profissional, parentesco com certos campinos e relações de compadrio.

24 Onde residiram e estão sepultados fundadores do Aposento; bem como o fundador do Lar de Samora Correia e da Misericórdia de Alcochete, 3.° Barão de Samora Correia (Azevedo 1994: 25-26 e 157).

25 Ex-Forcados Amadores de Alcochete, 2.° grupo fundado em 1971 por dissidentes do Aposento; Sociedade Imparcial 15 de Janeiro; Câmara Municipal de Alcochete, etc.

26 Reformados, trabalhadores da indústria e serviços, funcionários públicos, campinos, proprietários rurais, comerciantes, estudantes, etc.

27 Trajes tauromáquicos, fotografias, pinturas, bustos, placas toponímicas, etc.

28 Bebidas alcoólicas pagas à vez pelos elementos do grupo.

29 Actualmente, sobretudo os mais velhos, pequenos proprietários rurais e de serviços, ou que se encontram reformados da indústria local (com indemnizações), que são os que têm cargos de maior importância.

Table des illustrations

Légende Festas do Barrete Verde e das Salinas, Alcochete, 1996Fonte: foto de Maria João Mota
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/592/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 140k
Légende “Os campinos são sempre espectáculo” 1972. Fundo Revista FlamaFonte: Arquivo de Fotografia de Lisboa
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/592/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 104k

Auteur

Licenciada em antropologia social (ISCTE), mestrado em Culturas Regionais Portuguesas (UNL), assistente convidada no ISCTE, Lisboa. Participou como investigadora em projectos sobre museologia etnográfica. Prepara doutoramento sobre artistas africanos em Portugal. Publicou (co-autoria): Roteiro de Museus Colecções Etnográficas. Volume III. Região Centro Beiras (Olhapim, 1999), Volume IV. Região Norte (Olhapim, 2000), Volume V. Açores e Madeira (Olhapim, 1999).

© Etnográfica Press, 2003

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540