Version classiqueVersion mobile

Festividades cíclicas em Portugal

 | 
Ernesto Veiga de Oliveira

Prólogo

Ernesto Veiga de Oliveira

Texte intégral

1Logo nos princípios da vida do Centro de Estudos de Etnologia, fundado em 1947 (sob a designaçāo de Centro de Estudos de Etnologia Peninsular, então – e durante longos anos – único organismo de investigação entre nós nos domínios da Etnologia com nível universitário e infra-estruturas adequadas) se viu claramente a impossibilidade de, com a exiguidade de meios humanos e orçamentais de que era dotado – de entrada apenas Jorge Dias e Margot Dias, a quem pouco depois se junta Fernando Galhano e seguidamente o autor destas linhas, e enfim Benjamim Pereira –. se poder cumprir o programa basilar que se havia delineado : praticamente a cobertura etnográfica integral do País, no que se refere à recolha de dados, seu registo, ordenação e elaboração, sob os pontos de vista temático e geográfico. Por isso se foi tacitamente definindo uma esfera de pesquisa mais circunscrita – as manifestações materiais da nossa cultura (numa perspectiva etnológica universalista) –, que veio finalmente a constituir a sua vocação fundamental. É nessa linha que se situam os trabalhos sobre os arados, os aparelhos de elevar água de rega, as alfaias agrícolas, os espigueiros, os carros de bois e os jugos, as actividades agro-marítimas, as construções primitivas, as tecnologias tradicionais, o linho, os pisões, os sistemas de moagem – as obras mais consequentes do Centro e a marca da sua especialização –. Esta opção baseou-se na convicção, que as circunstâncias de momento justificavam, de que o equipamento material, directamente relacionado com as leis fundamentais da produção e do trabalho e com os progressos da tecnologia mecanicista, acompanhava a evolução das ciências e da própria economia, e as suas formas arcaicas estavam condenadas a desaparecer sem retorno: mais do que quaisquer outros, esses aspectos encontravam-se já num processo de extinção definitiva, e o seu estudo imediato impunha-se para que não desaparecesse para sempre a possibilidade de se saber e compreender o que haviam sido as maneiras primordiais de viver e trabalhar da nossa gente.

2Esta atitude não significou porém, de modo nenhum, que se ignorassem outras categorias de natureza diferente, dentro do complexo global da nossa cultura. Assim é que surgem os trabalhos de Jorge Dias sobre comunidades rurais, mormente aquelas em que subsistiam vestígios de remotas organizações comunitárias de natureza agro-pastoril, Vilarinho da Furna e Rio de Onor, que inauguraram entre nós este tipo de estudos, e que se revelaram de uma importância fundamental para o conhecimento do mundo português campesino ; sobre a sua conceptualização das ciências da cultura, que coroa o ciclo do que chamamos a escola portuguesa de Etnologia, e que, proclamada no Congresso de Arnhem de 1955, tão profunda influência exerceu na formulação do sistema dessas ciências no plano universal ; mais tarde, o nosso próprio estudo sobre os instrumentos musicais populares portugueses, etc. E, além disso, aproveitamos todas as ocasiões para recolher o que se nos ia deparando, que, paralelamente àqueles domínios fulcrais da actividade do Centro, interessasse ao conhecimento da gente portuguesa: quando, no decurso dos trabalhos de campo que levávamos a efeito pelo País, para o estudo dos moinhos, das construções primitivas, das enxadas, dos pisões, dos espigueiros, etc., regressávamos, ao fim da tarde, a qualquer casa ou pensão onde pernoitaríamos, e enquanto esperávamos a ceia, sentados na cozinha, à volta da lareira, soava a hora das conversas, o longo desfiar das histórias e dos relatos, dos costumes e festas, das formas de pensar e de estar no mundo, do universo invisível das dimensões simbólicas. É tudo isso íamos registando e arquivando, em vista a um trabalho de conjunto sobre o Folclore Português que pensávamos levar a cabo (segundo o modelo do grande livro de van Gennep sobre o assunto referido à França, cuja organização e metodologia utilizamos profusamente), mas que, pelas razões apontadas, não se veio a escrever.

3Dado o carácter de pequenos capítulos monográficos sobre um tema considerado na totalidade da área geográfica nacional e nas suas conexões históricas e etnológicas gerais, que pretendíamos dar àquelas achegas, a esses informes colhidos por inquérito directo juntávamos os dados da nossa própria experiência dos fenómenos em causa, obtida pela vivência participante das situações : longas estadas nas aldeias, comparência a romarias, acompanhamento de círios, assistência a trabalhos rurais, a festas, a serões, a casamentos ou enterros, etc., que persistiam então aindã, as mais das vezes, com o seu pleno sentido, no fluir natural e espontâneo da vida regional ; e, além disso, tudo o que se podia aproveitar de uma busca bibliográfica que se pretendia exaustiva, e que era facilitada pela existência, já então, de uma bibliografia geral de etnografia portuguesa, da autoria de Jorge Dias, numa versão que ampliara e actualizara, no essencial, a senda inaugurada por Leite de Vasconcelos – uma das tarefas a realizar que figuravam logo no programa inicial do Centro de Etnologia –; e sobretudo pelos materiais destinados à Bibliografia Analítica de Etnografia Portuguesa, que Benjamim Pereira tinha em preparação – ou seja: tudo o que de válido já havia sido escrito pelos estudiosos que nos antecederam.

4Os textos que seguem são o resultado dessas investigações: uma série de artigos que publicámos a partir dos primeiros anos da década de 50 – logo, portanto, aquando do nosso ingresso no Centro, em vários periódicos da época, em geral de consulta pouco fácil: na página cultural do jornal « O Comércio do Porto », « Cultura e Arte », que, nas datas das várias festividades cíclicas, incluía breves estudos que compúnhamos, a pedido de Costa Barreto, sobre essas celebrações; nos primeiros números dos «Trabalhos de Antropologia e Etnologia », nova série da revista da Sociedade Portuguesa de Antropologia e Etnologia e do Instituto de Antropologia, da Faculdade de Ciências do Porto, e que passará a ser também o órgão do Centro recém-criado ; nas revistas «Douro Litoral», « Céltica » e « Revista de Etnografia»; na «Terra Lusa», de D. Sebastião Pessanha, e ainda em outros.

5Na interpretação dos factos etnográficos que constituem o seu objecto, ao mesmo tempo que uma tonalidade geral funcionalista, sofríamos, como se verá, o poderoso influxo do cientismo das orientações mitográficas e comparativistas que ainda não haviam sido finalmente ultrapassadas e conheciam uma aceitação apreciável, especialmente entre nós. A cada passo soam ecos da teoria das sobrevivências e das hipóteses de Frazer, Westermarck e Manhardt (para não falar mesmo dos irmãos Grimm e das « Antiquitates Vulgaris » dos ingleses), e se apela para conceitos tais como « cultos naturalísticos », « espíritos da vegetação» e «sacrifícios de deuses anuais», «lutas de Verão e Inverno » e « ritos de fertilidade», etc.; mas sujeitávamos este ponto de vista, de caso para caso, a uma severa crítica, apoiada não raro na prudência e estrita objectividade de von Sydow e van Gennep, que escreve algures : « a ideia que o Homem deve auxiliar o renascer da Natureza é universal », e « em toda a Ásia, do Mediterrâneo ao Japão, se festeja o retorno da Primavera»; mas «quando se estudam de perto os pormenores, não se constatam identidades de molde a sugerirem parentesco ou derivação ». São também visíveis ressaibos dispersos de outras posições teóricas já delineadas, nesse modo de ser característico de Jorge Dias, que não se confinava a nenhuma escola como tal, mas vivia a parte de verdade que todas podem encerrar. Enfim, na análise dos factos desta natureza – e aliás também nos estudos da cultura material –. a dimensão histórico-cultural está sempre presente, como componente que, na maioria dos casos, reputamos imprescindível para a sua explicação.

6Os pequenos estudos que agora de novo se dão à estampa são. assim, singelas descrições de índole predominantemente folclorística, que entre nós se podem situar como um último eco daquelas concepções, no final de uma onda nascida com Adolfo Coelho. Teófilo Braga e Consiglieri Pedroso, e passando ainda por Rocha Peixoto e Leite de Vasconcelos, a abrir-se porém, nos nossos dias, a novos horizontes. Na sua revisão, entendemos manter o carácter e a estrutura fundamental, teórica e formal, que lhes demos quando os escrevemos, refundindo-os apenas ligeiramente em alguns dos seus pormenores, e, deliberadamente, sem procurar completar o tema total com a inclusão de novos aspectos. que preencheriam certas omissões evidentes que existem, mas que contrariariam a unidade de visão em que assenta a principal razão de ser do livro. Pareceu-nos que eles poderiam ajudar as novas gerações a construir a imagem de um mundo que viveu até então isolado e fechado no sistema ainda integrado da sua ruralidade, com as suas festas e jogos, crenças e símbolos, os seus valores e formas de pensar, de estar e de trabalhar próprias e peculiares e que, contrariamente ao que supuséramos de entrada, se encontra em vias de mutação essencial, para não falar mesmo, talvez, de extinção, mas que é indispensável conhecer para se compreender cabalmente o momento presente.

7Essa seria, para nós, a consideração que lhes conferiria o interesse da sua publicação nesta época – isso, e também o facto de eles dizerem a essas gerações um pouco de algumas das linhas de força a que obedeceu a nossa investigação etnológica nas distantes décadas de 40 e 50 – ou seja: como se trabalhou nesses tempos pioneiros em que se iniciou em Portugal a reformulação desses estudos como matéria de uma ciência organizada, com o seu método específico, a sua sistemática e as suas estruturas.

© Etnográfica Press, 1995

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search