Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Vozes do Povo

 | 
Salwa El-Shawan Castelo-Branco
, 
Jorge Freitas Branco

Parte V. Modos de reagir

Capítulo 14. Repentismo e folclorização no Baixo Alentejo

O cante ao baldão

Maria José Barriga

Texte intégral

  • 1 Este artigo foi redigido a partir dos materiais de um trabalho de campo realizado para uma disserta (...)

1O cante ao baldão é uma das práticas de desafio cultivadas em algumas freguesias rurais dos concelhos de Almodôvar, Castro Verde, Odemira e Ourique.1 Terá começado a ser praticado a partir de finais do século XIX no concelho de Odemira, estendendo-se entre os anos 40 e 60 do século XX a algumas freguesias dos concelhos vizinhos (Ourique, Castro Verde). Nos anos de 60 a 80 esta prática reduz-se devido à emigração (Fonseca, H. 1996). Porém, em locais dispersos na serra de São Barnabé (concelho de Odemira), manteve-se graças aos cantadores que permaneceram, subsistindo pela autoprodução agrícola.

  • 2 Trata-se de um canto polifónico formado por um repertório de versos com rima, conhecido como modas (...)

2Tal como o cante ao baldão outros géneros existiram durante os anos de 40 a60 (cante a vozes, moda campaniça, balho acompanhado à harmónica, ao harmónio, ao banjo ou à viola campaniça, reza à chuva, encomendação das almas, desafio; ainda, o cante a despique, o cante das gralhas, o cante do ladrão do Sado); e ainda, práticas instrumentais da viola campaniça, do banjo ou da flauta e tamboril. O cante ao baldão e os outros géneros não seriam objecto de folclorização durante o Estado Novo, privilegiando-se o cante alentejano.2

3O cante alentejano foi promovido por instituições governamentais, como o SPN e a FNAT, passando a ser um emblema de identidade alentejana, um bem cultural. No período que se seguiu ao 25 de Abril continuou a fomentar-se a organização formal de grupos de cante alentejano sem dar relevo aos outros géneros performativos. Entre estes géneros, alguns desapareceram e outros mantiveram-se em contextos isolados através da iniciativa local. No final dos anos 80 o cante ao baldão entra em processo de revitalização.

O que é o cante ao baldão

4O desafio é um género poético-musical oral de carácter repentista muito difundido em todo o país. No Baixo Alentejo sobressai o cante ao baldão como uma das expressões de desafio.

5Um desempenho de baldão (“um cante ao baldão”) envolve quatro a dez cantadores e um público conhecedor das regras de construção poética e do contexto social dos intérpretes. Reúnem-se em locais e ocasiões determinados, como tascas, cafés, festas, romarias e feiras. O elemento central no desempenho é o afundamento, um assunto em torno do qual se desenvolve uma disputa poética cantada, utilizando uma melodia fixa e um acompanhamento harmónico realizado por um tocador de viola campaniça. Numa ocasião performativa, os cantadores sentam-se à volta de uma mesa, com bebidas e petiscos para as pausas.

6A componente poética (cantiga) corresponde a um texto versificado, criado no momento do desempenho. Nos textos ocorrem dois tipos de discurso: a “discussão de um afundamento”, debate sobre um assunto seleccionado pelos cantadores; “fazer cantigas uns aos outros”, crítica recíproca entre cantadores. É uma prática essencialmente masculina, dado que a presença de mulheres nos locais tradicionais do baldão não é socialmente aceite. Contudo, com o alargamento do público e dos contextos de performação, tem havido uma crescente participação de mulheres. A maioria dos cantadores e cantadoras situa-se numa faixa etária entre os 40 e 65 anos, sendo a faixa dos 19 aos 39 anos a menos representada. Com a revitalização do baldão surgiram novos contextos de performação, tais como os “encontros de baldão”, que trouxeram várias mudanças: limitação do tempo da performação, aplausos, apresentação e despedida dos cantadores, convites a cantadores, etc. Por outro lado estimulou novos cantadores e cantadoras, sendo de 80 o seu número actual aproximado.

7A prática do cante ao baldão localiza-se actualmente em algumas freguesias rurais dos concelhos de Almodôvar, Odemira, Castro Verde e Ourique. Os cantadores A. J. Bernardo (entrevista de 12/07/96), Manuel Lagoa (entrevista de 12/07/96), Mariana Maria (entrevista de 29/07/96) remetem para finais do século XIX a origem do cante ao baldão em Odemira (São Martinho das Amoreiras, Corte Malhão e Aldeia das Amoreiras). Nos concelhos de Castro Verde e de Ourique terá começado a ser praticado apenas em meados dos anos 60 do século XX (“o cante ao baldão nasceu na serra, só mais tarde, há aí uns trinta e tal anos é que se canta aqui nas planícies de Ourique e Castro Verde” [cantador Placas em 31/07/96]). Será uma variante do cante a despique, cuja dificuldade nas regras de construção poética conduzia a desavenças entre os cantadores. Estes criaram uma forma de despicar com regras “mais baldas” (A. J. Bernardo, em 12/07/96).

8Trata-se de uma prática onde as fronteiras entre canto e discurso falado se esbatem: “é um falar cantando através do qual se pode comunicar, criticar ou debater qualquer assunto apenas com uma regra — tudo o que se disser tem de ser a cantar e o que dá gozo é o falar cantando durante horas a fio” (A. J. Bernardo em 12/07/96).

9A melodia (estilo) é representada por um modelo fixo que nos desempenhos actuais do cante ao baldão corresponde à estrutura rítmico-melódica da moda campaniça “Marianita és baixinha”, conhecida nos concelhos referidos. A componente verbal (cantiga) corresponde a um texto versificado, elaborado no momento do desempenho e constituído por três frases ou voltas repetidas de forma a criar uma estrutura de três quadras com o esquema rimático abab/cb’cb’/da’ba.

Sou alentejano bem sei
E com isso tenho prazere
Sou alentejano bem sei
E com isso tenho prazere.

E mas os homens cá do campo
Têm outro procedere
Mas os homens cá do campo
Têm outro procedere.
Ó amigo Sapateiro
E vou responder a vocêi
Com isso tenho prazere
Sou alentejano bem sei.
(
A. J. Bernardo, 01/02/96)

10A construção do texto deverá terminar sempre com os dois primeiros versos (completar a cantiga), embora em posição inversa:

Sou alentejano bem sei
E com isso tenho prazere
(1.ª volta)
Com isso tenho prazere
Sou alentejano bem sei
(3.ª volta)

11O cantador deverá, por um lado, memorizar os dois primeiros versos, e por outro, escolher uma palavra para o final do segundo verso da última estrofe, que forme rima cruzada com o quarto verso.

12Os textos são constituídos por afundamentos ou por fazer cantigas uns aos outros. No primeiro caso, os cantadores seleccionam um assunto. Alguns afundamentos surgem com maior frequência, como as diferenças entre a “serra e o campo”, “os serrenhos e os campaniços”, “o valor do ouro e do ferro”. Outros estão relacionados directamente com o local e a ocasião de performação. Por exemplo, na feira de Castro Verde discutem-se as diferenças entre o passado e o presente da feira; na romaria da Senhora da Cola fala-se de promessas à senhora e do seu modo de pagamento. Há ainda outros, ocasionais, como as origens do cante ao baldão e a sua relação com a Bíblia, ou acontecimentos da actualidade política (por exemplo, a situação em Timor no período pós-referendo, em Setembro de 1999). O segundo tipo de textos consiste na crítica entre cantadores o que ocasiona por vezes contenda. Os pormenores da vida de cada um poderão ser alvo de assunto do cante; e cada cantador toma partido e expressa a sua opinião através das cantigas que cria. A cantadora Mariana Maria é, por exemplo, um dos alvos preferenciais neste tipo de contendas discursivas. Assume-se como mulher, embora revele comportamentos masculinos, como no vestir, no fumar, nas actividades de pesca e de caça e na frequência de locais de convívio masculino.

A folclorização do cante ao baldão

13Desde finais dos anos 80, a promoção do cante ao baldão tem sido incrementada por instâncias oficiais (juntas de freguesia, câmaras municipais, associações de festas, associações regionais e/ ou locais) e por grupos informais (em cafés, por rodas de amigos), introduzindo mudanças no seu desempenho e no processo da sua construção musical e poética. Foi criado o encontro de baldão, que se desenrola em palcos ou salões, com amplificação sonora, nunca antes utilizada pelos cantadores. Aumenta e diversifica-se a assistência, constituída por pessoas versadas na prática e outras dela desconhecedoras. A maioria dos encontros de baldão é gravada e divulgada pela rádio local A Castrense, o que estimulou o aparecimento de um número crescente de cantadores que pretendem participar nos encontros para “se fazerem ouvir na rádio” e serem reconhecidos como cantadores.

14As alterações no contexto da performação tiveram repercussões nas componentes poética e musical do cante: a introdução de uma cantiga de apresentação do cantador e de despedida, o condicionamento da estrutura da ocasião de performação a uma duração pré-determinada. Grande parte dos encontros de baldão é transmitida pela rádio local e presenciada por um público heterogéneo, que não possui um conhecimento prévio dos cantadores. Por isso, foi proposto pelos organizadores que a primeira cantiga fosse uma auto-apresentação individual (com o nome, local de origem e/ ou local de residência) e a última a despedida (agradecimento à instituição organizadora e saudação de despedida aos participantes). Em ocasiões informais, todos os participantes se conhecem, e quando surge um cantador desconhecido, ele é interrogado pelos outros no contexto do cante, não sendo necessária a formalização da apresentação e da despedida. Nestas situações, o cante ao baldão não tem um início e um final determinado previamente; poderá durar várias horas ou mesmo dias, com a entrada e saída de cantadores. A necessidade da realização de uma gravação com uma duração estabelecida para ser transmitida pela rádio, determinou a estrutura do cante, com início e final.

15Outra mudança está relacionada com o papel dos ouvintes. São eles que atribuem o estatuto de bom ou mau cantador e emitem as críticas que são essenciais para a continuação do cante ao longo de horas. Nos encontros de baldão, a maioria do público desconhece os critérios para a avaliação dos cantadores, não podendo emitir a crítica por estes aguardada e que os motiva a prosseguir o cante. A maior parte dos ouvintes forma uma assistência passiva.

16Estas mudanças conduziram a uma alteração na forma de interacção entre os participantes. Num encontro de baldão os cantadores são convidados por uma entidade e são escolhidos por representarem os serrenhos e os campaniços e não só pela competência como cantadores. As actuações passaram a integrar um calendário anual programado por diversos agentes.

17Um encontro de baldão é uma reinterpretação ou reformulação de um conjunto de representações culturais, ou seja, um processo semiótico, fragmentário e descontínuo no tempo, compartilhado por um colectivo de indivíduos e com referentes históricos na tradição. Poderá constituir, por isso, um exemplo de cultura objectificada, na acepção dada por R. Handler (1984, 1988). Trata-se de uma ocasião performativa criada no presente para reconstituir uma matriz ritualizada, conjugando traços tradicionais com outros inovadores: a decoração dos recintos com fardos de palha e mantas de lã, as cantigas de apresentação e de despedida, a escolha sistemática de determinados afundamentos (“a serra e o campo”, “os campaniços e os serrenhos”), a gravação áudio das ocasiões performativas, o desempenho em palco, a utilização de aparelhagem sonora, a oferta de um almoço ou jantar aos cantadores, a entrega de diplomas de participação.

18A procura da diversidade e a tentativa de revitalização, valorização e preservação das práticas locais são objectivos comuns a um conjunto de agentes culturais locais, que intervieram no cante ao baldão: instâncias autárquicas (Câmara Municipal de Castro Verde), particulares (Cooperativa Cortiçol, Rádio Castrense), associações privadas locais (Comissão de Festas de Amoreiras-Gare, Associação de Festas da Aldeia das Amoreiras, Comissão de Festas da Ponte do Guilherme, Comissão Organizadora da Festa da Aldeia Nova) e ainda personalidades locais (José Francisco Colaço Guerreiro).

19Contudo através dos seus discursos constata-se que os princípios e estratégias de acção não são idênticos. Por exemplo, Colaço Guerreiro, presidente da Cooperativa Cortiçol e produtor de um programa na Rádio Castrense, acentua a memória do passado como princípio de transmissão às gerações vindouras. Considera que a reposição do passado no contexto e configuração anteriores é inviável. As formas de “garantir o amanhã” passarão pela criação de grupos corais e pela organização de espectáculos que tenham uma aproximação com a tradição. Fernando Caeiros, presidente da Câmara Municipal de Castro Verde, tem opinião diferente: as práticas performativas deverão ter um papel preponderante nos processos de socialização, sob pena de se descontextualizarem, perdendo o seu significado local.

20O contexto tradicional do cante ao baldão permanece nas tabernas, romarias e algumas feiras, tendo-se mesmo acentuado nos últimos anos (Mariana Maria, 29/07/96; Placas, 31/07/96). Segundo os próprios, isto deve-se ao aumento do número de participantes que surgiram com os encontros de baldão.

21O cante ao baldão assiste, assim, a partir dos anos 90, a um processo de folclorização que o elege como elemento identitário. No caso específico do espaço em que se praticava o cante ao baldão, a consciência local sempre existiu no discurso émico, como se depreende da distinção feita entre os campaniços dos concelhos de Castro Verde e Ourique e os serrenhos dos concelhos de Odemira e Almodôvar. Os cantadores situam o cante ao baldão na serra, entre São Martinho das Amoreiras e Corte Malhão. Nos últimos anos os campaniços começaram a reclamá-lo como da sua zona, pelo contributo dado para a sua revivificação. O processo de folclorização dos anos 90 veio desta forma estimular a apropriação do cante ao baldão pelos campaniços.

  • 3 Em Amoreiras-Gare (Odemira) foi recriada há cerca de oito anos uma antiga festividade local (Festa (...)

22O cante ao baldão é agora uma prática representativa de um espaço geográfico maior, envolvendo freguesias serrenhas e campaniças, que é alvo da atenção de entidades locais e regionais.3

Notes

1 Este artigo foi redigido a partir dos materiais de um trabalho de campo realizado para uma dissertação de mestrado (Barriga 2000), orientada pela professora doutora Salwa El-Shawan Castelo-Branco no âmbito do curso de mestrado em ciências musicais (Etnomusicologia) da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.

2 Trata-se de um canto polifónico formado por um repertório de versos com rima, conhecido como modas e que é desempenhado sem acompanhamento instrumental, na maioria dos casos por um grupo masculino (Castelo-Branco 1992: 551).

3 Em Amoreiras-Gare (Odemira) foi recriada há cerca de oito anos uma antiga festividade local (Festa de Maio), com a finalidade de chamar a atenção do poder autárquico concelhio para a aldeia. Os objectivos imediatos são elevar a aldeia a freguesia e reverter as receitas das festas para melhoramentos na localidade. É uma festa que actualmente faz parte do cartaz de festas e romarias do concelho de Odemira, mobilizando algumas centenas de pessoas em actividades desportivas, grupos corais, artesãos locais, cantadores ao baldão, poetas populares e público, na ordem dos milhares de pessoas.

Auteur

Mestre em etnomusicologia pela UNL, docente na Escola Superior de Educação de Beja e no Conservatório Regional do Baixo Alentejo, investigadora no Instituto de Etnomusicologia, UNL. Pesquisas sobre os géneros performativos do Alentejo. Publicou O Cante ao Baldão: Uma Prática de Desafio no Alentejo (Edições Colibri, 2003) e de cinco entradas na Enciclopédia da Música em Portugal no Século XX (Círculo de Leitores, no prelo).

© Etnográfica Press, 2003

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr