Version classiqueVersion mobile

Obra etnográfica (I)

 | 
Adolfo Coelho

V. Programas Etnológicos e Antropológicos

Exposição Etnográfica Portuguesa. Portugal e Ilhas Adjacentes1

Texte intégral

Observações prévias

  • 1 Originalmente publicado em 1896, em Lisboa, pela Imprensa Nacional.

1Apesar de existirem várias publicações que têm por objecto o estudo do povo português sob diversos aspectos, pode afirmar-se resolutamente que a nossa etnografia se acha na infância, já porque muitos desses aspectos, entre os quais alguns da maior importância, têm sido apenas levemente tocados, já porque a muitas daquelas publicações falta a precisão científica. Carecemos nós, sobretudo, de um trabalho de conjunto suficientemente completo, impossível de organizar pela ausência de numerosos dados que a diligência de um só investigador ou até de um pequeno grupo de investigadores associados não teria capacidade de reunir.

2O estudo do povo português sob o aspecto físico está apenas iniciado : o que falta fazer, ainda dentro dos limites do estritamente indispensável, é quase tudo!

3Não foi ainda realizada nenhuma investigação séria, baseada, portanto, sobre dados suficientemente numerosos e seguros, acerca da alimentação das classes populares.

4A habitação portuguesa, cujos tipos são variados e interessantes, apesar da estreiteza do nosso território, é um objecto, por assim dizer, intacto. A alfaia e o mobiliário domésticos esperam ainda um estudo que não seja um fragmento.

5O vestuário das classes populares não foi ainda descrito e desenhado no seu conjunto, comparativamente, na sua distribuição geográfica: tem sido apenas objecto de notas destacadas, de reproduções de curiosos de momento. Algumas publicações destinadas a figurá-los pela estampa (fotografia, gravura, aguarela, etc.) ficaram incompletas, e apenas nalgumas exposições, nalguns museus (industrial do Porto, agrícola de Lisboa) figuram uns raros manequins representando exemplares avulsos.

6Artigos de publicações periódicas, memórias e notas soltas, inquéritos agrícolas e industriais têm acumulado numerosas observações sobre o trabalho popular nas suas diversas formas; mas ainda quando tudo isso se conglobasse num só livro, ficaria muito incompleto e inconsistente. Carecemos de conhecer esse trabalho, sobretudo no que ele tem de característico, de tradicional, em todas as suas minudências, em todas as suas aplicações, em todas as suas condições, para apreciação justa e completa do nosso povo.

7Um capítulo do trabalho nacional, dos mais interessantes sem dúvida, começou a ser estudado nos últimos tempos com carinho – a pesca; mas apesar de valiosas publicações, entre as quais avulta a do Sr. Baldaque da Silva, não pouco resta ainda que fazer.

8Os meios de transporte tradicionais, carros, embarcações marítimas e fluviais, etc., esperam ainda um estudo compreensivo, assim como o comércio nas suas formas populares.

9As belas-artes populares, propriamente ditas, salvo a poesia, não foram ainda estudadas a sério. A música tem sido objecto de várias publicações destinadas, ao que parece, a darem dela ideia falsíssima.

10Não é nessas publicações anticientíficas, em que o genuinamente popular, transcrito sob o império de preocupações pedantes, se envolve com composições de origem não popular evidente, não é nas rapsódias dos compositores que iremos estudar a música do nosso povo, que espera ainda quem saiba fixá-la em notas verídicas e perscrutá-la na sua história e correlações étnicas. E que diremos da escultura, da pintura popular, que não equivalha ao que enunciámos ao referirmo-nos à habitação portuguesa, que nos interessa por variados aspectos, e entre eles também pelo pensamento artístico?

11É no domínio da poesia popular, dos contos, das superstições, dos jogos, das festas e outros actos solenes do nosso povo que mais se tem feito; mas ainda assim bastante resta averiguar para conhecimento completo dessas tradições e de outras.

12É mister estudar de modo mais sério do que se tem feito até hoje o temperamento, o tipo moral e o carácter do nosso povo nas suas variantes; o conjunto de sentimentos que nele se revelam; as ideias que o agitam relativamente ao mundo sobrenatural, à natureza, à sociedade; fazer um inquérito completo acerca do que ele sente, do que ele sabe, do que ele pensa e do modo por que ele sente, sabe e pensa e apreciar ainda sobre dados seguros o grau da sua energia volitiva, fazer enfim a sua psicologia étnica (não receamos empregar essa expressão, embora objecto de ardentes críticas).

13Para tornar possíveis esses estudos, cujo prograna completo está sendo preparado, é necessário, entre outros elementos, o conhecimento cabal de todos os dados materiais da vida do nosso povo, dos que lhe ministra imediatamente a natureza em cujo seio se move e dos que são produto da sua apropriação, do seu trabalho. A colecção desses dados é um primeiro e grande passo a dar para a realização do estudo etnológico do nosso povo. Dois meios se nos oferecem para a levar a efeito: a organização de um museu de etnografia nacional e as exposições. A existência de um semelhante museu está decretado; mas não torna inútil as exposições, onde poderão aparecer elementos de difícil aquisição que os estudiosos tenham, durante tempo suficiente, ao seu alcance. De outro lado essas exposições facilitarão o enriquecimento do museu.

14A antiga filosofia punha acima de todos os preceitos o expresso nas palavras γνώθι σεαµτὸν, conhece-te a ti mesmo. O pensamento moderno declarou que o objecto de estudo mais digno do homem é o próprio homem. Qual poderá, pois, ser o estudo mais digno de um povo senão o estudo de si próprio?

15Se nele há evidentemente para nós aspectos profundamente desconsoladores, há-os porventura também fortificantes.

16Viajantes que têm percorrido o nosso território puseram em relevo as boas qualidades nativas do nosso povo em contraste com a corrupção das classes dirigentes e basearam sobre essas qualidades a esperança da nossa futura regeneração. Mas ao povo falta a fé, falta a firmeza da resolução que só nasce do espírito suficientemente esclarecido acerca dos seus deveres e dos seus direitos ; falta-lhe portanto a vontade colectiva : ele agita-se apenas dentro do círculo dos interesses individuais, familiares e locais; é a matéria-prima de um povo e não verdadeiramente um povo como a complexidade da vida moderna exige que seja. Daí o indiferentismo pela política, a venalidade do voto, a emigração, a falta da ideia nítida e do sentimento firme da pátria e da humanidade, que um vago patriotismo não pode substituir.

17No momento histórico actual da nossa nacionalidade achamo-nos numa alternativa que não pode prolongar-se muito tempo: ou continuamos a aceitar o sistema de governação espoliativa que levou o país ao fundo abismo em que se acha, para favorecer indivíduos, ou tratamos de elevar pela educação o povo à noção da vida colectiva, dos interesses gerais e ideais, de salvar para uma vida histórica um povo que mostrou, pelos factos que vamos comemorar em 1897, ser digno de ocupar lugar proeminente no convívio das nações.

18Que todos os que têm em si uma partícula do fogo sagrado, que se chama dedicação pelas nobres causas, se reúnam e dêem as mãos e consagrem à obra do renascimento nacional, pela educação do povo.

19Estudar o povo é já elevá-lo, é preparar o caminho para acudir às suas necessidades morais, intelectuais, técnicas e económicas.

20Eis porque propomos como elemento da celebração do centenário da primeira viagem de Vasco da Gama à Índia, uma exposição etnográfica portuguesa cujo programa vamos esboçar.

Ideia geral da Exposição Etnográfica Portuguesa

21Esta exposição compreenderá sobretudo objectos materiais próprios para dar ideia da vida do povo português (Portugal e ilhas adjacentes) no que ele tem de próprio, de característico e tradicional, embora resultado de assimilações realizadas há mais ou menos tempo. Excluem-se em geral portanto todos os materiais e produtos de introdução ou imitação recente, todos os tipos modernos de construção, de vestuário, de ferramentas e maquinismos.

22Trata-se principalmente de fazer representar os elementos da vida do povo, das classes trabalhadoras, em especial das regiões rurais.

23A lado de objectos materiais, tais como o povo os emprega, têm cabimento os modelos de dimensões reduzidas e as representações pelas artes gráficas, e não se excluem as descrições pela palavra, antes se deseja que a exposição compreenda o maior número possível de obras, estudos, simples notas de que o povo português tenha sido objecto.

24Não deve esquecer-se também o meio geográfico, este belo Portugal, que em vão se quer culpar de vícios que só derivam dos homens, e os «paraísos desprezados» das ilhas adjacentes.

25Enfim será o mais apreciável ornamento da exposição uma série de tipos vivos, humanos, dos nossos diversos distritos, com as suas vestes características, em construções representando as suas casas, com o seu mobiliário, os instrumentos e produtos de suas indústrias – uma imagem, em resumo, do povo português.

Divisões principais do programa

26Um estudo completo do povo português compreenderia os seguintes elementos :

27I. A terra.

281. A constituição geológica do solo.

292. A riqueza mineralógica do solo.

303. A geografia física.

314. A meteorologia.

325. A flora.

336. A fauna.

34II. O homem.

351. Caracteres somáticos.

362. Caracteres físicos.

37III. A história.

381. Origens étnicas (migrações, invasões, etc.).

392. Influências externas, sem mistura étnica.

403. Factos históricos reveladores do carácter do povo ou que sobre ele actuaram.

IV. A vida hodierna.

41A. Formas da vida prática.

421. Formas individuais.

43a) A alimentação.

44b) A habitação.

45c) O vestuário e as armas.

46d) O trabalho (processos, produtos, etc.).

472. Formas individuais-sociais.

48a) A organização económica do trabalho.

49b) O comércio.

50c) Associações, companhias, confrarias (antigas corporações

51de ofícios, como apêndice).

52d) A linguagem, os gestos, a escrita (tentativas, independentes da grafia corrente, etc.).

53e) O decoro, o porte pessoal.

54f) As formas de polidez e de respeito (cumprimentos, saudações, etc.).

55g) O jogo (passagem para as formas artísticas).

563. Formas sociais.

57a) A família (casamento, criação e educação dos filhos, organização doméstica, relações parentais; em especial vestígios de antigas formas de casamento, etc.).

58b) Os laços da sociedade.

59c) Sentimento da comunidade nacional e política.

604. Formas humanas.

61a) Sentimentos de humanidade em geral.

62b) A amizade.

63c) A hospitalidade.

64d) A beneficência.

65e) Relações internacionais.

66B. Formas da vida artística (estética).

671. Danças.

682. Música.

693. Literatura.

704. Desenho, pintura.

715. Escultura.

726. Arquitectura.

73C. Formas da vida religiosa.

741. Crença no sobrenatural, em geral.

752. Vestígios de crenças míticas, de práticas que se referem aos cultos pagãos.

763. A crença nos espíritos. Aparições.

774. Superstições diversas.

785. Conceito de Deus, dos anjos e dos santos.

796. O diabo na crença popular.

807. O céu na crença popular.

818. O inferno.

829 Orações.

8310. Oferendas.

8411. Festas religiosas.

8512. Objectos materiais empregados no culto, nessas festas, ou que de qualquer modo se ligam às crenças religiosas.

86D. Formas da vida especulativa (saber popular propriamente dito).

871. Quanto às fontes.

88a) Observação, experiência.

89b) Conversação, tradição.

90c) Reflexão.

912. Quanto ao objecto.

92a) A natureza.

93b) O homem.

94c) As causas últimas.

95Não é aqui o lugar de defender essa classificação, naturalmente sujeita a críticas, nem de indicarmos como fomos levados a estabelecê-la, o que tencionamos fazer noutra parte. Observaremos que, como noutras classificações, pode nessa um mesmo objecto entrar em mais de uma divisão, segundo o modo por que é considerado. As formas individuais da vida, possíveis ao homem isolado, como a um Robinson na sua ilha, desenvolvem-se sob a acção social por certo e é dentro do meio social que aqui são introduzidas, mas a classificação não deixa por isso de ter base.

96Muitas das divisões do programa não podem ser representadas na exposição senão por descrições, análises, estudos, isto é, literariamente, por não se referirem a objectos materiais; das que o podem ser pelos próprios objectos materiais, ou modelos, entendemos que a exposição deve atender principalmente às subdivisões da classe iv, A vida hodierna, que estão nesse último caso. O que entra nas divisões i a iii, com excepção dos tipos populares vivos, será representado sobretudo por livros, memórias, notas, impressos ou manuscritos e reproduções gráficas, mapas e objectos análogos.

97No desenvolvimento que segue não nos cingimos com todo o rigor à classificação apresentada acima, por vantagem prática.

Desenvolvimento do programa

98Nas indicações que vamos apresentar não pretendemos de modo nenhum ser completos, mas sim dar ideia suficientemente clara do que se deseja fazer. Ficamos longe de mencionar todos os objectos que podem figurar na exposição.

99A terminologia popular reclama especial atenção. Os objectos de uso ou produtos do povo devem trazer todos os seus nomes locais, assim como indicados neles próprios ou em desenho separado os termos que designam cada uma das suas partes, quando esses termos existam.

100Nos exemplos que reunimos não indicamos em geral as localidades ou províncias em que os termos respectivos se empregam, por nos ser difícil fazê-lo sempre com rigor. Ouvimos, v. g. em Trás-os-Montes empregar carpins ou crepins pelo que noutras partes se chama piúgas, miotes, pealhos, coturnos : podíamos ser inclinados a tomar tal termo como especial transmontano, mas ouvimos depois esse mesmo termo na boca de beirões e hoje não sabemos ainda bem qual a sua extensão geográfica. Em trabalhos dialectológicos temos visto dar como especiais a uma certa província, até a uma certa localidade, termos que se encontram muito espalhados no País. A nossa exposição contribuirá consideravelmente para o conhecimento da terminologia popular.

Grupo I. A terra e o homem

101Livros, memórias, artigos, simples notas, impressos ou manuscritos, mapas, volumes contendo apenas partes, que se refiram aos seguintes assuntos :

102Poder-se-á completar este grupo com o seguinte:

103a) Uma colecção estratigráfica típica, como a que a comissão geológica apresentou na exposição nacional das indústrias fabris de 1888;

104b) Uma pequena colecção mineralógica típica;

105c) Alguns modelos de ervários de flora local.

Grupo II. A alimentação

1061. Amostras de matérias-primas mais empregadas na alimentação popular, com a indicação da proveniência, preço, uso, lugares em que as empregam.

  • 2 As plantas de raízes bolbosas, tuberosas, os frutos carnudos podem conservar-se em frascos de álcoo (...)

107Plantas alimentares em ervário ou conservadas por outros processos. Frutos.2

1082. Condimentos, especiarias de uso popular.

1093. Pães de diversas formas e natureza, tais como pão de trigo, sêmea, pão chapado da raia, pão de calo, pão de bico ou de maminhas, regueifas, cornichos, poias, padas, roscas, pão segundo, pão ralo ou minheiro, pão de leite, broa. Pães de uso particular em certas festas, como o santoro (pão de Todos-os-Santos da Beira). Vid. grupo x.

1104. Carnes ensacadas (palaios, paios, farinheiras, bufeira da Beira, murcelas, linguiças, salsichas, etc.). Carnes de salmoura.

1115. Conservas e preparados culinários diversos que sejam susceptíveis de expor-se, tais como frigideiras de Braga, lampreia de Coimbra, mexilhão de Aveiro.

1126. Lacticínios, tais como manteigas, queijos, requeijões, travia (requeijão com soro da Beira).

1137. Doces característicos de localidades, tais como arrufadas de Coimbra, biscoitos de Valongo, biscoitos leves de Coimbra, bolo de folhas de Olhão, bolo podre do Alentejo, celestes de Santarém, falachas (bolos de castanhas) da Beira, frutos doces de Coimbra, Elvas, Évora, etc., manjar branco de Celas (Coimbra), marmelada de Odivelas, morgado de Beja e Faro, murcelas de Arouca, ovos moles de Aveiro, palitos e biscoitos de Oeiras, pão-de-ló de Margaride, pastéis de Coimbra, de Tentugal, etc., queijadas de Tomar, de Sintra, do Funchal, rolos de Olhão, suspiros e ais de Paços de Arcos, toucinho do céu de Murça, trutas de Olhão, pastéis de feijão de Torres Vedras, presunto de ovos do Alentejo, areias de Cascais, sardinhas de Viana do Alentejo, alcamonia de Lisboa, figos de ovos de Portalegre, fartes de diversas localidades (Coimbra, etc.), bolos de mel do Funchal, nabada de Semide.

114Doces próprios de certas festividades: broas (Lisboa, etc.), rabanadas (Porto, etc.) do Natal, amêndoas da semana santa, folares (com ou sem ovos) da Páscoa; figuras de farinha representando homens, animais (o galo com penas tendo no ventre uma noz) do Domingo de Paixão; fogaças de romaria. Vid. grupo X.

1158. Bebidas mais usadas.

1169. Literatura da alimentação popular portuguesa, compreendendo o estudo dos usos e superstições que se lhe ligam.

Grupo III. A habitação e em especial a habitação rural e suas dependências

1171. Planos topográficos de aldeias indicando:

118a) A sua situação geográfica, os acidentes do solo, ribeiros, rios, lagoas, pântanos, colinas, montes da vizinhança, caso os haja, etc.;

119b) A posição dos pátios, saguões, estrumeiras (montureiras), currais, cavalariças, ovis, estábulos, cabris, apriscos, bardos, furdas, abegoarias, arribanas, pocilgas (cortelhos), cortinhos, cortes, chiqueiros, enxurdeiros, quintãs, quinteiros, cabanais, ruas, eidos, hortas, quinchosos (quinchorros), enxidos, soutos, sequeiros (vardiás); – direcção e frontaria de cada construção, posição da igreja, capela ou ermida, dos moinhos, azenhas, caminhos, lameiros, devesas, etc.

120Fotografias ou desenhos de aldeias e outros lugares pequenos.

1212. Planos, fotografias ou desenhos de granjas, casais, herdades (montes), com todas as suas dependências.

1223. Plantas e alçados de casas rústicas e das populares em geral, com suas dependências.

123Modelos de casas feitos com a máxima fidelidade, de modo que se possam apreciar os processos de construção – a forma dos prumos, vigamentos, asnas (madres, fileiras, aguieiras, frechais), varedo, telhado, algeroz, chaminé, lareiras, clarabóias, paredes mestras, frontais, tabiques, empenas, alicerces, sótãos, fumeiros, cunhais, umbreiras, soleiras, vergas, peitoris, portas, janelas, taramelas, trancas, tranquetas, ferrolhos, argolas, trincos, fechaduras, rótulas, gelosias, empanadas das janelas, vidraças, balcão, sacadas, grades, pavimentos diversos, soalhos, forros, alçapões, escadas interiores e exteriores, corrimões, patins ou patamares, divisões interiores (salas, quartos, alcovas, cozinhas, dispensa, etc.); terraços, açoteias, alegretes; ramadas ou latadas encostadas às casas.

124Os modelos devem apresentar as formas típicas das diversas regiões e compreender as construções anexas ou próximas que existam como pátios, saguões, currais, cavalariças, arribanas, celeiros, lagares, coelheiras, galinheiros, muros, valados, alpendres, etc.

125Fotografias ou desenhos dos mesmos objectos.

1264. Modelos de simples choças, cabanas, choupanas, tugúrios, enramadas, furdas, bardos, bargas, palhoças, palheiros, palhotes, palhais, malhas, malhadas, casolas, barracas-de-só-chão.

127Fotografias ou desenhos desses mesmos objectos.

1285. Ornamentos das empenas, beirais, etc., tais como pombas de barro, cataventos (grempas, veletas), cabeças de animais. Ornamentos das paredes. Azulejos.

1296. Plantas e alçados, modelos, fotografias ou desenhos de tabernas e estalagens de aldeia.

1307. Tabuletas de tabernas, estalagens e outros estabelecimentos aldeãos (originais ou modelos).

1318. Amostras de materiais de construção, empregados nas aldeias (com a indicação exacta da sua proveniência, preço, processo de extracção, fabrico e transporte), tais como madeiras, pedras, tijolos (de alvenaria, burro, meia, adobe, adobinho, lambaz, barrote, tabique, abobadilha), formigão, telha, cal, etc.

1329. Literatura da habitação popular portuguesa, compreendendo os usos e superstições que se lhe ligam.

Grupo IV. Mobiliário e utensílios domésticos

133Os próprios objectos ou modelos, ou, em último caso, desenhos.

1341. Biombos.

1352. Armários, arcas, baús, caixas, bocetas, malas, cofres, burras; sacos, sacas, sacolas, bolsas, taleigas, surrão.

1363. Estrados, taburnos, degraus, bancos, cadeiras, sofás, marquesas, camapés, escano ou preguiceiro, cadeiras de palmatória, de tesoura, ripanço, tanhos, escabelos, tripós ou tripés, tripeços, trepeços, mochos, tamboretes, genuflexórios.

1374. Capachos, esteiras, esteirões, tapetes, alcatifas.

1385. Bancas, mesas, bancadas de dobradiça, contadores, mesas de costura, jardineiras, secretárias, donzelas, cómodas, credencias, tremós.

1396. Guarda-roupa, cabides.

1407. Camas (leitos), tarimas, catres, rabecas, barras, berços (canastras).

141Docel, sobrecéu, armação da cama.

142Cortinas, bambinelas.

143Almofadas, travesseirinhas (chemelas), travesseiros, enxergas, enxergões, colchões ; lençóis, cobertores, cobertas, mantas, colchas.

1448. Aparelhos para as crianças aprenderem a andar.

1459. Carteiras, secretárias, tinteiros.

14610. Urinóis, bacios, comadres.

14711. Prateleiras, consolos, baralhas, caniços, louceiro (galheiro).

14812. Espelhos. Relógios de parede, de areia, do sol.

14913. Redomas para peixes, etc.; gaiolas.

15014. Veladores, candeeiros, candeias, lanternas, lampiões, lamparinas, grisetas, palmatórias, tocheiros, castiçais, placas, serpentinas; apagadores, espevitadores, arandelas.

15115. Defumadores, esquentadores, braseiros (bruxas).

15216. Lavatórios, bacias, tijelão, jarros, regadores, baldes, toalhas de mãos, saboneteiras.

15317. Bandejas, tabuleiros, cestos, canastros, canastras, canistréis, balaios, gigas, gigos, cabazes, cabanejos, escrinhos, alcofas, golpelhas, ceiras, ceirões, condessas, açafates.

15418. Sarilhos, dobadouras (irgadilhos); rocas (com o siso), fusos.

15519. Guarda-louça. Aparadores.

15620. Toalhas de mesa, guardanapos. Pratos (covos, ladeiros, lisos, de guardanapo ou de puxar), travessas, cochos, saladeiras, covilhetes, boiões, saleiros, mostardeiras, pimenteiras, azeitoneiras, malgas, molheiras, tijelas, púcaros, púcaras, púcharas, pichéis, garrafas, gorgoletas, gumis, cangirões, copos, cornas, cálices, cuias; chávenas, chícaras, bules, cafeteiras, chocolateiras, chaleiras, leiteiras, almotolia, vinagreira. Açucareiros.

157Facas, garfos, colheres, cocharras.

15821. Frasqueira, fruteira.

15922. Fogões, fogareiro, transfogueiro, trempes, grelhas, torradeiras, assadeiras, caldeiras, caldeiros, caldeirões, caldeiras para ferver na lareira (de Guimarães, etc.), marmitas, tachos, caços, caçarolas, caçoilas, pélas, frigideiras, palanganas, pingadeiras, alguidares, barrunchões (alguidares grandes da Beira), escudelas, cochos, gamelas, escalfadores, escumadeiras, lardeadeiras, funis, formas, tabuleiros de ir ao forno, raladores, crivos, coadores, peneiros, peneiras, cutelos, cepos, espetos, machados, limpa-facas, vassouras, mandis, abanos, cinzeiros, tenazes, estufas, foles, almofarizes, grais. Pote, asado, cântaro, cântara, celhas, talhas, barris, botijas, canecos, canecas, cabaças, poial dos potes, talha das azeitonas, pia do azeite, moinho de mão, pás, carvoeira, ratoeira, pedra de lavar louça (loisa), esfregão, rodilha, tábua, pia de lavar roupa, tanque, tijela da casa.

16023. Literatura do mobiliário e das alfaias populares, compreendendo o estudo dos usos e superstições que se lhe ligam.

Grupo V. Vestuário e armas

1611. Vestuário das criancinhas: cueiros, tiras umbilicais, fachas, cintas, mantéus (mantilhas), papagaios, envoltas, vestidos, mandriões, batas, bifes, babadouros, camisolas, calças, calções, meias, peúgas (carpins, meotes, pealhos, coturnos, calcetas). Sapatos, botinhas (botinas), chinelos. Lenços de cabeça, etc. Toucas, barretes, garruço (carapuço), chapéus, bonés, boinas, cachuchas. Fatos de baptizado.

1622. Vestuário das crianças crescidas e de adultos. Trajos do sexo masculino, do sexo feminino, de viúvo, de viúva, ordinários, domingueiros, de festa, de casamento, de luto.

163Vestuário do homem: Peúgas (carpins, etc.), sapatos (ferrados, etc.), tamancos (samancos, socos, chalocas), cloques, chiolas, abarcas (alpargatas ou alparcatas), botas, chinelas, chinelos. Polainas, safões. Calças (pantalonas), calças de boca de sino e calções (de alçapão, etc.), ceroulas, bragas. Suspensórios (alças). Jaquetas, jaquetão, nisa, rabona, jaleco, colete, camisa, camisola, gabão (varino, gabinardo), capa, capote e em especial capote à alentejana, capote de honras ou de honricas de Miranda, capa de palha (coroça), mantas, carapuça, carapuço, capucha, barrete, chapéu (desabado, braguês, etc.), gorro, boné com chavelhos (S. Miguel). Lenços de algibeira, do pescoço, cintas.

164Vestuário de mulher: Meias, etc., ligas. Sapatos, chinelas, chinelinha, tamanquinhas, socos. Calças, saias, anágoas e saiotes, coletes, roupinhas, chambres, casaveques, bajús, batas, algibeira (patrona). Lenço do peito, da cabeça, capas, capuchas, salpim (ou susalpim, capote de grande cabeção de S. Miguel), touca (coca). Lenços de algibeira, véu, bioco, chapéu, penteador.

1653. Ornamentos diversos, pela maior parte feminis: Anéis, xorcas, pulseiras, braceletes, manilhas, colares, gargantilhas (afogadores), alfinetes, broches, cordões, corações, cadeias, brincos das orelhas, arrecadas (ciganas, pendengues, cabaças), cintos. Pentes. Alamares.

1664. Mortalhas.

1675. Guarda-sol (barraca), sombrinha.

1686. Varapau, pampilho, cajado, fingueira, cacheira, moca, cacete, bordão, cachamorra, ladra, bengala. "Muletas.

169Chuço, navalha, faca de mato, funda, clavina, bacamarte, arcabuz.

1707. Caixas de rapé. Bolsas de tabaco.

1718. Manequins com os vestuários completos característicos das diversas localidades.

1729. Literatura do vestuário popular português, compreendendo os usos e superstições que se lhe ligam. Representações gráficas.

Grupo VI. O trabalho (indústrias, comércio, ocupações diversas)

1731. Desenhos, pinturas ou fotografias, que representem indivíduos isolados ou em grupos, nas indústrias ou ocupações que se têm em vista, com os trajos respectivos, suas ferramentas, utensílios, aparelhos, engenhos, máquinas, no lugar (campo, oficina, etc.), em que trabalham. Representações gráficas de oficinas aldeãs, casas e barracas de venda, feiras, mercados.

1742. Exemplares, modelos ou reproduções gráficas, à parte, das ferramentas, utensílios, aparelhos, engenhos, máquinas, etc., empregados nas diferentes indústrias ou ocupações populares, com a nomenclatura exacta de cada uma das suas diversas partes, escrita nos próprios objectos ou em desenhos ou simples notas que os acompanhem, com a indicação do uso e proveniência.

1753. Desenhos, pinturas ou fotografias dos animais que auxiliam o homem nas suas diversas indústrias e profissões ou cuja captação ou criação seja objecto dessas indústrias, com a indicação do uso e proveniência.

176Quando seja possível, exemplares dos próprios animais, vivos ou empalhados ou conservados por qualquer outro processo.

1774. Amostras ou exemplares dos produtos mais característicos das diferentes indústrias (além dos que entram nos grupos ii, iii, iv e v ou nos seguintes).

1785. Notícias mais ou menos circunstanciadas acerca das diversas indústrias, comércio e outras ocupações populares, compreendendo o estudo de sua história, processos, ferramentas, utensílios, aparelhos, engenhos, máquinas, etc., indivíduos que nelas se ocupam, importância económica, características profissionais, usos, costumes, superstições respectivas.

179Damos uma lista, incompleta em verdade, das indústrias e profissões populares, para auxiliar os coleccionadores :

180Abridor
Acendedor
Adelo
Aguadeiro
Albardeiro
Alcatroeiro
Alfaiate
Algebrista (endireita)
Algibebe
Almocreve
Alqueireiro
Alveitar
Alvenel
Alviçareiro
Amolador
Andador de irmandade
Aparelhador
Apicultor
Apontador
Arameiro
Archoteiro
Armador
Armeiro
Arqueiro
Arrais
Arrieiro
Asfaltador
Assadeira
Assedadeira
Assentador de carris
Azeiteiro
Azulejador
Bainheiro
Bandarilheiro (capinha)
Bandeireiro
Barqueiro
Bate-folha
Bauleiro
Belforinheiro (bofarinheiro)
Bengaleiro
Benzedeira
Betumeiro
Boceteiro
Boieiro
Bolacheira
Bonifrateiro
Botequineiro
Botoeiro
Britador
Brochante
Brunidor
Bunheiro
Burriqueiro
Cabeleireiro
Cabreiro
Cabresteiro
Caçador
Cadeireiro
Caiador
Caieiro
Caixoteiro
Calafate
Calceteiro
Caldeireiro
Calista
Camiseiro
Camisoleiro
Canastreiro
Canteiro
Cantoneiro
Cantor ambulante
Capacheiro
Capador
Capataz
Capelista
Cardador
Cardeiro
Carniceiro
Carpinteiro (de machado,
Carregador
Carreiro
Carrejão
Carroceiro
Carteiro
Cartonagens (fabricante de)
Carvoeiro
Caseiro
Casqueiro
Castrador (capador)
Catraeiro
Cavador (cavão)
Cavouqueiro
Ceifeiro
Cerieiro
Cervejeiro
Cesteiro
Chamiceiro
Chapeleiro
Chegador
Chineleiro
Chocolateiro
Cinzelador
Clarificador
Cobrador
Cocheiro
Colador de papel
Colchoeiro
Colhereiro
Colmeeiro
Compositor
Concerta-louça
Condutor de carros, etc.
Confeiteiro
Conserveiro
Conteiro
Contrabandista
Copeiro
Cordoeiro
Corista
Coronheiro
Cortador
Corticeiro
Costureira
Couteiro
Coveiro
Cozinheiro
Cravador
Criado
Criador de gado
Curandeiro
Curtidor
Cuteleiro
Decorador
Dentista
Destilador
Dobadeira
Doceiro
Dourador
Embalsamador
Embutidor
Encadernador
Encerador
Engomadeira
Entalhador
Enxertador
Escoveiro
Esmerilador
Esparteiro
Espartilheira
Espelheiro
Espingardeiro
Estafeta
Estalajadeiro
Estampador
Estanceiro
Estofador
Estrumeiro
Estucador
Farinheiro
Faroleiro
Fazedor
Faz-tudo
Feitor
Ferrador
Ferreiro
Fiadeira, fiandeira
Florista
Fogueiro
Fogueteiro
Forjador
Formador
Formeiro
Forneiro
Fosforeiro
Fressureira
Fruteiro
Fulista
Fundidor
Funileiro
Furoeiro
Futriqueiro
Gaioleiro
Gaiteiro
Galinheiro
Galocheiro
Gameleiro
Gandaieiro
Ganhão
Gomeiro
Gravador
Gravateiro
Guarda-mato
Guarda-nocturno
Guarda-soleiro
Horticultor (hortelão)
Impressor
Inculcador
Instrumentista
Jardineiro
Joalheiro
Lacaio
Ladrilheiro
Lagareiro
Lampista
Lanifícios (fabricante de)
Lapidário
Lapiseiro
Latoeiro (de amarelo, de branco)
Lavadeira (lavandeira)
Lavador
Lavradeira
Lavrador
Lavrante
Leiloeiro
Leiteiro
Licorista
Limonadeira
Limpa-chaminés
Linheira
Louceiro
Louseiro
Luvista
Macarroeiro
Maltês
Manteigueiro
Maquinista
Marceneiro
Marchetador
Marinheiro
Marmoreiro
Marnoteiro (marroteiro)
Mecheiro
Melaceiro
Melancieira
Mercador
Merceeiro
Mergulhador
Mineiro
Moageiro
Moço de recados, fretes, etc.
Modista
Moeiro
Moldador
Moleiro
Moliceiro (sargaceiro)
Montante
Moural
Músico ambulante
Obreiro
Odreiro
Oleeiro
Oleiro
Olheiro
Ourives
Ovelheiro
Padeiro
Pahnilhadeira
Palheireiro
Palhoceiro
Paliteiro
Papeleiro
Paramenteira
Parteira
Passarinheiro
Pasteleiro
Pastor
Pedreiro
Pegureiro
Peixeiro
Peleiro
Peneireiro
Penteeiro
Perfumista
Pescador
Picador
Picheleiro
Piloto
Pinceleiro
Pintor
Pisoeiro
Poceiro
Podador
Poleeiro
Polidor
Pregoeiro
Prensista
Queijadeira
Queijeiro
Quinteiro
Ramalheteira
Recortador
Recoveiro
Redes (fabricante de)
Refinador
Regateira
Relojoeiro
Remador
Remolar
Rendeira
Retroseiro
Rodeiro
Rolheiro
Roqueiro (fabricante de rocas)
Roupeiro (pastor queijeiro)
Roupeiro (que faz, guarda roupa)
Saboeiro
Sachador
Sacristão
Salgador
Salsicheiro
Sangrador
Santeiro
Sapateiro
Sardinheira
Sebeiro
Segador
Segeiro
Seleiro (correeiro)
Semblador
Serigueiro (sirgueiro, passamaneiro)
Serrador
Serralheiro
Serzideira
Sineiro
Singeleiro
Soldador
Sombreireiro
Sopeira
Sota
Sumagreiro
Surrador
Taberneiro
Tábua (fabricante de objectos de)
Tamborileiro
Tamiceiro
Tanoeiro
Tecedeira
Tecelão (de lã, de algodão, de ourelo, de fitas de elástico, etc.)
Telheiro
Tendeiro
Tintureiro
Tipógrafo
Torneiro
Toscano (carpinteiro)
toscano, de branco, etc.)
Tosquiador
Toucinheiro
Toureiro
Trabalhador
Trapeiro
Trintanário
Tripeiro
Trolha (côdea)
Valador
Vaqueiro
Varapoeiro
Varredor
Vassoureiro
Vedor
Vendedor
Vendeiro
Vestimenteira
Vidraceiro
Vidreiro
Vinagreiro
Vindimeiro
Violeiro
Zagal, zageleto
Deve atender-se em primeiro lugar às seguintes indústrias:

  1. Caça.

  2. Pesca

  3. Pastoreio.

  4. Agricultura com todas as indústrias que se lhe ligam.

  5. Indústrias do ferro.

  6. Indústria da madeira.

  7. Indústrias da pedra.

  8. Cerâmica.

  9. Indústrias na sua fase simples, puramente caseira.

181Vamos dar indicações relativas a essas e a outras indústrias, sem pretender apresentar uma classificação delas, por enquanto.

182A. Caça.

183Aboizes, inxozes, armadilhas, tombo, taralhoeira, alçapões, certilhas, caixão, castelão, caniços (naças), fios, laços, redes, costelas. Armelos. Ratoeiras. Visgo. Reclamo, apito. Fundas. Sacos de caça. Polvorinhos. Espingardas. Furoeiras. Troféus de caça. Agachis (cabanas de mato para esperar a caça – Beira).

184B. Pesca.

1851. Planos, desenhos ou fotografias de lugares habitados por pescadores (grupo iii), de portos de pesca.

1862. Todos os elementos dos grupos II a v, que dêem ideia das condições de vida da classe piscatória.

1873. Fotografias de tipos de pescadores das diversas localidades.

1884. Amostras de materiais empregados na fabricação das redes.

189Instrumentos usados na fabricação das redes: o muro ou malheiro, a agulha.

190Matérias-primas empregadas na breagem ou tintura das redes.

191Mó para moer a aroeira.

192Casqueiro (tanque ou vasilha em que se tingem as redes).

193Tendais ou varais em que se põem as redes a secar.

  • 3 Seguimos a classificação do Sr. Baldaque da Silva.

1945. Aparelhos de rede e outros (ou modelos) empregados3:

195I. Na pesca longínqua.

196II. Na pesca do alto:

197III. Na pesca costeira:

198Bicheiro (espécie de croque para apanhar o polvo); navalha (vara com caranguejo para o mesmo fim).

199IV. Na pesca fluvial:

200Auxiliares da pesca: arame de longueirão, cavadeira (enxada), garrafas, rasco.

201V. Na pesca lacustre:

202Carro ou polé para levantar as redes para os barcos.

203Padiolas para transportar as redes.

2046. Modelos, representações gráficas de embarcações de pesca marítima longínqua, do alto, costeira, fluvial e lacustre, com a indicação da terminologia.

205Utensílios diversos usados a bordo dessas embarcações.

206Instrumentos para puxar os barcos para terra (encalhar, varar), rolos, panais, carrão, varas, muletas, etc.

  • 4 Inédito, como outras particularidades que reunimos acerca das pescarias.

2077. Representações gráficas das diversas operações da pesca, saída e entrada do barco no porto, varar deste, lançar as redes, disposição destas, levantar das redes, com a indicação dos termos que designam cada um dos pescadores que trabalham de cada vez (boga) nessa operação, que são (na Ericeira) : proa, contra, passeador, levadoira, empanas, couceiro, contracouceiro4.

2088. Cópias de roteiros dos pescadores, isto é, das listas dos enfiamentos que os guiam ao procurar os mares de pesca.

2099. Literatura da pesca em Portugal. Notícias sobre os usos, costumes, psicologia do pescador português.

210C. Pastoreio.

211Tipos profissionais : Pastor, pegureiro, zagal, zagaia, zagaleto, zagalejo. Ajuda, maioral (moural). Ovelheiro, boieiro, cabreiro, porqueiro, etc.

212Armas e utensílios, etc. : Cajado (cachado), bordão, cachamorra, moca, cacheira.

213Tarro, ferrado, asado, corna (colher de ponta de cabra), canado (S. Miguel).

214Coleiras de cães (com ou sem puas).

215Carranca dos rafeiros.

216Tendal (onde se tosquia).

217Barbilho (barbeto) para os bois. Chocalhos.

218Capador (instrumento músico), buzina, corneta.

219Samarra (pelote), surrão.

220Parruma (pão de farelo para os cães).

221Tipos de cães de gado : Exemplares vivos, ou empalhados, representações gráficas.

222D. Agricultura e indústrias conexas.

2231. Correcção do solo, irrigação. Modelos, plantas, desenhos de obras tendo por fim a correcção do solo, como desaguadouros, margens, camaIhões, valas ou sanjas, gaivagem, drenagem.

224Instrumentos e materiais empregadas nessas obras.

225Amostras de matérias-primas empregadas na correcção física e clínica do solo.

226Modelos, plantas, desenhos de canais, encanamentos, comportas, pontes, motas, quebra-mares, açudes, caleiras, noras, rodas de tirar água, cegonhas (burras, Beira), bombas (formas antigas).

2272. Cultura do solo e das plantas, colheita e conservação dos produtos agrícolas.

228a) Representações gráficas (desenho, pintura, fotografia) da lavra, sementeira, gradadura, ceifa, medas, debulha, joeiramento, etc.

229b) Instrumentos, aparelhos, máquinas diversas (ou modelos):

230Alavancas
Alvião
Ancinho
Arado (timão ou tomão, chave Iha, teiró, pescazes, rabiça, aiveca, mexilho, ferro, coice)
Atacadores de vinha
Bisarma para limpar arvoredo
Boicheiro (alvião para arrancar boichas, mato, na Beira)
Carros diversos
Ceifoura
Cestos vários
Charrua (partes: dente, relha, aiveca, apo, teirós, aravelas, rodado ou jogo dianteiro, rabiças, têmpera)
Coleta
Coleta de enxertia
Coleta de poda
Crivo
Cutela
Engaço
Enxada
Enxada de ganchos
Enxada rasa
Enxadão
Enxertador
Enxofradores
Espantalhos para as aves
Foice
Foicinha
Forcados
Forquilha
Gadanha
Gadanha com safra e martelo
Grade
Gravanço
Joeira
Machada
Machado
Maço para enxertia
Malhadeiro
Malho (vide Mangoal)
Mangoal (partes: carula, meã, mangueira, pirtigo ou prito)
Navalhas
Padiolas
Pás
Pedra de afiar
Picão
Picareta
Plantadores
Podão
Podoa
Rachadeira (para enxertia da vide)
Raspadeiras
Roçadeira de maça
Roçadeiras ou roçadouras
Rodo
Rojão
Rolo
Sacho
Sacho de pá e bico
Sachola
Serras
Serrote (para limpeza das árvores)
Tesouras
Trilho
3. Vindima. Representação gráfica da vindima.

231Instrumentos e utensílios empregados.

232Navalha podadora ou tesoura. Cestos chatos, cabazes para receber a uva ao passo que se corta. Cesto vindimo (recebe a uva dos cabazes). Dornas em carros de bois ou carros gargaleiros. Cubos (cestos vindimos grandes do Alentejo). Carros com caixa (Alentejo meridional). Estrados ou esteiras para estender a uva.

2334. Lagaragem do vinho, etc. Modelos, planos, desenhos de lagares de vinho, adegas, frasqueiras.

234Aparelhos, instrumentos e utensílios diversos (ou modelos desses objectos).

235Desengaçador (ripadeira), tridente em barril, sarilho de tremonha. Lagariça.

236Recipientes para as fermentações : pia, lagariça (tabuleiro de lagar), balseiros, dornas, dornachos. Cavanejo.

237Engenhos de espremer (de vara e fuso, de fuso e peso, de tesoura); prensas de fuso móvel ou de fuso fixo (de cincho, de gaiola, de aranha), de sarilho.

238Vasos para transporte e baldeação dos mostos: almudes, cântaros. Outros meios para o mesmo fim (calhas, etc.).

239Cisterna ou tina do Alentejo. Talhas de barro, talhas pesgadas. Canecos.

240Vasilhame para guardar o vinho: Tonéis, cascos, pipas, cubas, botas, talhas, quartos, quartolas. Canteiros para assentarem as vasilhas.

241Batoques, torneiras. Chupeta (frade). Espicho. Argal (argau). Tira-flor. Bombas de transfega. Filtros. Batedores de cola. Mechas. Sulfuradores.

242Garrafas. Rolhas.

243Mãe-vinagreira.

244Alambique (alquitara).

2455. Preparação do azeite. Planos e modelos de tulhas, lagares e suas partes. Utensílios.

246Moinho (tanque, pia), galga, eixo, fuso, méscia. Motor de água: roda de cubos, roda de pás.

247Ceiras.

248Prensas: de vara (fuso, chave, peso, virgem, adufas); de parafuso (cabeça do parafuso, chave, adufa).

249Tanques de baganha. Ancinhos para a separação da baganha. Canecos de colher.

250Caldeiras. Fornalha.

251Tarefa. Inferno. Pilão.

252Talhas para a conservação do azeite. Odres para transporte.

2536. Fabricação de lacticínios. Representações gráficas das operações. Utensílios, engenhos ou modelos. Vasadeiras. Ferrados. Asados. Coadeiras (sedaços). Terrinas para a formação da nata. Batedeiras vulgares da manteiga.

254Gamela, usada para a coagulação do leite. Cintel. Moinho para desfazer a coalhada. Barrileira (francelho). Cinchos. Prateleiras para a seca dos queijos.

255Picheiro.

2567. Conservação dos cereais, moagem, panificação. Modelos, representações gráficas das construções, aparelhos empregados nessas operações. Utensílios diversos. Vide n.° 2.

257Medas de colmo e canas de milho.

258Eiras

259Tulhas (silos, tulhas a monte padejado, tercenas, etc.). Espigueiros (canastros, cobertos). Cafuão (S. Miguel).

260Moinhos:

261a) Atafona: trave, porca, ferrão, pião, almanjarra, arrojadoura, emparamentos, dormentes, segurelha, alevadouro, carrote, veio, cachorro, etc.

262b) Azenha : roda de pás ou colheres ou roda de cubos (entrós, carrete, lanternim), penas, pouso, corredoura, aguilhão, segurelha, lobeto, rela, vielas, quelha (calha, etc.).

263c) Moinho de vento (fixo com chapéu, móvel com leme ou cauda); árvore (eixo), asas (aspas, varas, mastros), velas, cabaças, rodas, dentes, cercos, lanternas, canais, pás, rodísios, tulhas, tramoia (tremóia), tremonha (canoura), puxavante, pedras (mós – pé e andadora ou corredora), cambeiral, etc.

264Padaria (fornos). Peneiros, masseira, banqueta (tendedeira). Forno: peitoril, boca, porta, lar, lados, centro, abóbada, capela, respiro, chaminé. Pá de esborralhar, de enformar, de tirar a cinza. Atiçador, rodo. Varredoura (enxovalho). Vistas.

2658. Preparação do linho. Ripador (sedeiro de esbaganhar). Crivo, joeira para limpar as sementes. Aguadouros do linho. Pente. Maço e cepo. Pisão. Espadela. Sedeiro.

2669. Criação das abelhas. Colmeia ou cortiço. Máscara do entroviscador (destroçador). Defumador. Sedaço e gamela (tacho) para receber o mel virgem. Coadores ou escumadores do segundo mel. Batedor do mel. Depurador da cera.

26710. Criação do bicho de seda. Utensílios nela usados. Colecção serícola, com o bicho nas suas diversas fases de desenvolvimento, o casulo, etc.

26811. Criação de gado. Modelos, desenhos de construções para abrigo de gado, dos animais que servem na lavoura. Vide grupo iii.

269Estábulo com palheiro, mangedoura, caixão de ração, armário para arreios, serrote ou corta-palha, baldes, etc. Cevadeira.

270Chiqueiro (cortelho, corte, etc.), pias, gamelas.

271Arribana dos bois.

272Curral das vacas.

273Redil das ovelhas, etc. Tesoura de tosquiar.

274E. Indústrias do ferro.

275Indicaremos, como exemplos, algumas ferramentas e utensílios usados pelos forjadores, serralheiros e torneiros de metais (terminologia de Lisboa):

276Alfeças
Alicates
Almotolias
Assentadores
Bancadas
Bigorna (de chifre redondo e chifre quadrado)
Brocas
Brocha
Brunidor
Buris
Cabedais (desempenos)
Caixas para limas, etc.
Cantoneiras para riscar escatéis
Cassonetes
Cavaletes de forja (safra, chifre redondo, pena, assento)
Chanfrador
Chaves de parafusos
Chaves de porcas
Chegadeiras
Compassos direitos
Compassos direitos de corrediça
Compassos direitos de furos
Compassos direitos de mola
Compassos direitos de sector
Compassos direitos de volta
Corta-frio
Craveiras
Degoladores
Desandadores
Desenchavetadeiras
Embutideira
Encalcadeira
Engenho de furar (tipo antigo)
Entre-dois
Escantilhões diversos
Escareador
Escopro
Espetões
Espichas
Esquadrias
Ferramentais
Forja e fole (fole: três tampos, ventaneiras nos dois inferiores, cabeça do fole, funil, tirante; forja: algaraviz, placa ou parede de trás, fogo, tina da água, placas ou paredes dos lados e frente, cúpula, chaminé)
Frautas
Fusis para apertar tenazes
Graminho
Limas diversas
Limatões
Machos de rosca
Maços
Malhos
Marretas
Martelos diversos
Massacotes
Mó de amolar
Moldes
Mordentes
Níveis
Palancas
Pás
Pedra de afiar
Pentes para roscas
Poncetas
Preguiça
Puchadora de rebite
Punções
Rebeca para furar
Réguas diversas
Riscadores
Roca
Rompedeiras
Safra
Sutas
Tais
Talhadeiras
Talha-frio (corta-frio)
Tarrachas
Tenazes várias
Tesouras
Tornos de bancada
Tornos de mão
Tornos de marcha
Tufo
Unheta
Virador de chapa

277F. Indústrias da madeira

2781. Serrador

279Cavalete ou vareiro (com dois espeques), serra de braços (com dois braços ou testinos, dois vanzos, folha, fusis). Cabedais, cordel, pontais.

2802. Carpinteiro e marceneiro.

281Almotolia
Arcos de pua
Bancos
Barrilete
Bedames
Berbequim
Bico de pato
Bradais (furadores)
Brocas
Brochas para grude
Burro
Cabedais
Cabides para trados
Caldeira para grude
Cantis diversos
Cavaletes
Cepos de cola
Cepos diversos de moldar
Chaves de parafusos
Cintel
Colchete
Compassos diversos
Corta-chefe
Corta-mão
Debastadores
Desandadores
Enchós
Escareador
Escopro
Esgaravatil
Esquadros
Estaleiros
Ferramentais
Ferros de pua
Filerete
Formas para folhar
Formões diversos
Garlopas
Gastalhos
Goivas diversas
Govete (bovete)
Graminhos
Grampos (de ferro, de madeira)
Grosas
Guilhermes
Gulas
Junteiras
Limas diversas
Limatões
Lixa
Machos (cepos)
Machos para tarrachas
Maços
Martelos diversos
Meia-cana
Meias-esquadrias
Mó de amolar
Moços
Níveis
Parelhas de dois e mais fios
Partilhas
Pedra de assentar fio
Plainas diversas
Prensas (volantes ou de mão, etc.)
Prumo
Raspadores
Rebotes
Réguas diversas
Replainos
Repuxo (tufo)
Rincão
Sargento (cingente)
Serras diversas
Serrotes
Sutas
Tarrachas
Torno de marcha para madeira
Tornos de grampos, etc.
Trados
Travadeiras
Trincha de aço
Turqueses
Verrumas
Viradores

G. Indústrias da pedra

1. Instrumentos, aparelhos empregados na lavra das pedreiras. 2. Modelos de fornos de cal.

3. Ferramentas de canteiro

4. Ferramentas e aparelhos de pedreiro.

Alavanca
Andaime
Calabre
Camartelo
Ciranda
Colher
Escoda
Escopro
Guindaste
Maço
Marra
Mascoto

Moutão
Onível (nível)
Picadeira
Picão
Picareta
Polé
Ponteiro
Prumo
Roldana
Trolha
H. Indústrias caseiras

282Nesta secção alargam-se os limites em que geralmente devemos conter-nos relativamente ao carácter popular e tradicional dos objectos expostos.

283Constará a secção de produtos das pequenas indústrias puramente familiares, destinados ao uso e consumo próprio, ainda que representem tipos de introdução recente, imitações de objectos modernos e estrangeiros e sejam proveniente de famílias não propriamente populares, isto é, que não vivam do trabalho manual. O fim que se tem em vista é conhecer as condições do trabalho manual nas famílias portuguesas, consideradas no seu conjunto, para se poder apreciar o valor económico e estético desse trabalho.

284A secção faz naturalmente concorrência a outras pela natureza dos produtos, mas legitima-se pelo seu fim especial.

2851. Produtos destinados à alimentação (alguns exemplares): salsicharia, culinária, confeitaria, padaria caseira.

2862. Trabalhos de carpintaria e marcenaria, serralharia, torno de madeira e de metais, marfim, osso, marchetaria.

2873. Pintura propriamente dita e pintura decorativa em barro, madeira, faiança, porcelama, vidro, couro, seda, folhas. Mosaico, ladrilhagem. Desenho decorativo. Modelos e padrões para objectos diversos das indústrias familiares. Gravura.

2884. Escultura propriamente dita; modelação. Moldagem, formação.

289Escultura decorativa em madeira, pedra, barro, cortiça, etc.

290Bonecos de pano, etc. (bonifrataria).

291Flores e frutos artificiais de pano, papel, cera, lã, penas, couro, escamas, conchas, cortiça, pita, frutos naturais, massa de pão, madeira (aparas, etc.), miolo de figueira, cascas de alhos, casulo de bicho de seda, canutilho, borracha, etc.

2925. Tecidos de linho, lã, algodão, etc., palma, palha, vime, crina, cabelo, corda, cordel e mistos. Peças de farrapos, tomentos, oirelo, pano torcido, trapos e malha de meia. Meia, liga, frioleiras, ponto-lavrado, crochet, rede-nó, franjas, obras diversas de malha, macramé, etc.

2936. Bordados a ouro, a prata, a escomilha, a cabelo, a fio de seda, a branco, a pó de lã, a froco, a matiz, a crochet, a relevo, a missanga, a escama, a aplicação, a ponto de espinha, a ponto russo, a ponto de cadeia, a ponto alto, a ponto de crivo, a ponto de renda, a ponto de marca, a chenille, a canutilho, a codornilho, a fitilha, em cera, em cartão, em vidro, em estofo, em palma, etc.

294Rendas de bilro, de aplicação, de crochet, etc.

295Fitas. Tapeçarias.

2967. Costura e alfaiataria. Modelos, padrões, etc. Remendagens, franzidos. Vieses. Botões.

2978. Cartonagens.

2989. Diversos.

299G. Indústrias de transporte

3001. Por terra.

301Tipos profissionais: carreiro, carroceiro, guia, boieiro, candeeiro (na Madeira, guia da corsa ou corsão), liteireiro, moço de cadeirinha (no Porto comicamente, burro sem rabo), almocreve, recoveiro, carrejão, carregador, moço de fretes, etc.; cocheiro, condutor.

302Meios de transporte: carro, carroça, carro de mão, carro-mato, galera (Estremadura), carrinha (Algarve), carreta, carroção, caleça, sege, coche, diligência, liteira, cadeirinha. Zorra. Padiolas. Especiais da ilha da Madeira: corsa, corsão, carro de monte, rede, palanquim, carro de campo.

303Aduas (quadrilhas de carretas).

304Terminologia do carro ordinário de bois :

305Aguilhada
Apeiro
Arreata
Arrelhada
Brochas
Cabeçalha
Cadeias
Caibros
Cambão (savica)
Canga
Caniços
Canzis (cangalhos, pinhocas, pinholas)
Cavalete
Chavelha
Chazeiros
Corneira
Cubo
Eixo
Estadulho (fueiro, berjoeira)
Gatos do eixo
Jugo
Leito (aberto, fechado)
Meão
Molhelha
Oca
Pampilho
Pega
Pernas
Piaços
Pirtiga, pirtigo
Porcimeira
Raios das rodas
Relhas
Rodas
Rodeiros
Sogas
Tamiça
Tamiceiras
Tiro
Varal
Xalmas (xaimas)

306Terminologia do carro alenteiano :

307Apeiro
Arrasta
Arreata
Barrigueiro
Burnil
Canga
Cangalho
Caniço
Castelos
Chavelhão
Espartões
Ponte
Suador
Taleira
Tendais
Tiradeira
Toldo

308Terminologia do carro rural da ilha de S. Miguel :

309O leito compõe-se de mesa e seve é rodeado da cadeia (atrás) e dos sedeiros (aos lados); prolonga a sua parte central o cabeçalho. O jogo das rodas com o eixo é o rodeiro. Na roda há três partes, dois segmentos laterais, cãimbas, a parte do meio, meião, as três ligadas por duas relhas. As peças fixas no leito que assentam sobre o eixo e em que este volve são as meias; as peças laterais delas cocões. No eixo distinguem-se a parte grossa central, rolete, as partes mais delgadas que entram nas meias, cantadeiras, e as cabeças, que entram no furo da roda chamado alqueire.

310Animais de tiro e cavalaria. Cavalos, muares, burros, bois. Representações gráficas dos tipos mais frequentes.

311Cavalaria. Sela, albarda, albardão, enxalmo, cilha, retranca, atafal, almatrixa, estribos (de metal, de pau), cabeção, cabeçada, freio barbicacho, rédeas, cabresto. Alforges. Trajos para cavalaria.

3122. Transporte por água.

313Embarcações, jangadas.

314Por exemplo:

315No Douro, barcos rabelos (com apegada, espadela).

316No Mondego, barcos serranos.

317No Tejo: barcos de Alcochete. Azambuja, Salvaterra, de conduzir farinha do sul, do pinho da Amora, do sal de Alcochete, de carregar sal.

318Bote de catraiar do Seixal, de Lisboa, de Cacilhas ; de passageiros do Barreiro, de Benavente, do Carregado; de carga da Amora, do rio de Coina, de Aldeia Galega.

319Canoa de Benavente para passageiros, de fretes da Trafaria.

320Falua de Aldeia Galega, de Santarém, de Valada.

321Fragata de carga, de barra-fora.

322Lancha de Salvaterra, de Santarém, do rio de Santarém, do rio da Cardiga.

323Muleta de carregar de Alhandra.

324Varino de carga, fragateiro de carga, de carga de água acima, do rio de Santarém, da Alhandra.

325Em diversos portos da costa marítima:

326Barcos de carregar pedra, de Cascais.

327Cachique de carga, de S. Martinho.

328Canoa de carregar; de Sesimbra.

329Carregador de Sesimbra.

330Fragata de carga, de S. Martinho.

331Iate da Figueira da Foz, de Peniche.

332Poveiro de Ovar.

333Rasca da Figueira, etc.

Grupo VII. Relações diversas dos indivíduos

3341. Estatutos, compromissos, história, estatística de associações, companhas, confrarias, antigas corporações de ofícios.

3352. Estudos sobre o decoro, o porte pessoal, as formas de polidez e respeito entre o povo.

Grupo VIII. Jogos e belas-artes populares e infantis. A escrita

3361. Aparelhos e utensílios empregados nos jogos e danças populares e infantis.

3372. Descrição desses jogos e danças, coleccionação de palavras ou versos neles usados, música correspondente.

338Eis a lista dos jogos tradicionais portugueses de que temos notícia:

339A colinho
Adivinha quem te deu
Agulhinhas
A-la-una
Alfinete
Alguergue (Arriós)
Anel
Apanha-galegos
Argolinha
Barbeiro
Barquinho (navio)
Barra
Bicho
Bilharda
Bola
Bombarqueiro (Dom Barqueiro)
Botão
Burraca
Busca-três
Cá, cá
Cabra-cega
Caçador-viajante
Canas
Canastrinha
Cantinhos
Carreira
Castelos
Castelos de Chuchurumel
Cavalheiritas
Chapas
Chica-la-fava
Chiclopé
Chinquilho
Ciranda
Conca
Corneta
Correia
Corriola
Covinha
Cucarne
Dados
Dedais
Dedos (adivinhar o número)
Dona Maria Alonsa
Eixo
Esconde, esconde
Escondidas
Espeta
Estopinhas
Eu te rogo, barqueiro
Farinha, farelo
Fito
Florão
Galinha-cega
Galinhas
Ganiços (cucarne)
Golfim e baleia
Gralhas
Grilo
Guardinvão
Homem
Inferno e paraíso
João da Cadeneta
La Condessa (Condessinha ou Embaixador)
Laborinha
lão-badalão
Laranjinha
Lencinho
Lobo
Luar
Malha
Malhão
Martim Garvato
Meadinha de ouro
Minha ponte derreada (Ponte)
Monte
Mosquem-se
Mouro ou mouros
Mudos
Mulher
Mun-chica
Oca
Ofícios
Padre-cura (Abade)
Pampolinha (Argolinha)
Papagaio
Par ou per-não
Passarinho a olhar (ou à orelha)
Pássaro voa
Patinhas (Pombinhos)
Paus mandados
Pé coxinho
Pedrinha na boca
Pedrinhas
Pela
Pelouros
Penhor
Petisca
Pião
Pino
Pintainho
Pitorra
Ponte
Porca
Pucarinha
Punho-punhete
Queimado
Quem-te-pesa
Rabia
Raminho
Rapa
Raposa
Roda-dos-altos-coices
Rosca
Rou-rou
Rua dos Salgados
Saca-la-mano
Sant’Ana ou Santa Batuta
Sapatadinha
Sapato (Sapatinho)
Sardinha
Sarilho
Segredos
Semana
Serra-madeira
Sino (Vigenel)
Sisudo
Talinhos
Tocadilho
Topa
Toque-in-boque
Trabalhos
Traquinote
Trinca-cevada
Truques
Urso
Vai-te a ele
Vassourinha
Violar
Viuvinha
Xafarraz

3403. Fotografias instantâneas representando as diversas fases dos jogos e danças, os ranchos de romarias.

3414. Pinturas, desenhos populares e infantis (ou suas reproduções) em papel, cartão, madeira, metal, nas paredes, armários e outros móveis, em carros, barcos, bandeiras, oleados e retábulos.

3425. Escultura em barro, pedra, metal, madeira; figuras de trapos, etc.

3436. Quaisquer construções arquitectónicos que não entrem nos grupos III e iv ou sua representação gráfica; p. ex., igrejas, capelas, ermidas, pontes e fontes rústicas.

3447. Instrumentos músicos e especialmente: gaita de fole, tambores, tamboris, bombos, atabales, pandeiros (soalhas), adufes, ferrinhos, castanholas, sistros, marimbas, salteiros, berimbaus, sanfonas, guitarras, guitarréus, violas, bandurras, alaúdes, machetes, cavaquinhos, rebecas, pifaus, flautas, gaitinhas, baixões, doçainas.

3458. Elementos populares de escrita; ideografia popular. Sinais lagareiros de Alcobaça, etc. Mnemónica gráfica. Tatuagens. Escritos, na grafia usual, de pessoas indoutas que apenas aprenderam a escrever. Estudos dos gestos populares.

3469. Literatura popular: poesia lírica e épica, dramática; contos, provérbios, enigmas. Literatura de cordel. Almanaques e folhinhas populares.

Grupo IX. Formas sociais e humanas

3471. Estudos sobre a família popular. O conceito dos laços sociais, sentimento de comunidade social e política entre o povo.

3482. Estudos sobre os sentimentos de humanidade, a amizade, a hospitalidade, a beneficência, os conceitos e proceder em relação a outros povos e raças.

Grupo X. Formas da vida religiosa

3491. Estudos sobre o conceito do sobrenatural, os vestígios das crenças míticas, das práticas de origem pagã, da crença nos espíritos e aparições, das superstições que melhor caibam neste grupo, do conceito de Deus, dos anjos e dos santos, do diabo, do céu, do inferno, e em geral do modo como o povo compreende o cristianismo.

3502. Colecções de orações e lendas religiosas populares.

3513. Descrição de festas religiosas ou ligadas a solenidades religiosas, procissões, romarias, arraiais, círios e representações gráficas das mesmas.

352Lembram-se especialmente as seguintes festas: Natal, Ano Novo, Reis, Carnaval, Cinzas, Serração da Velha, Semana Santa e Páscoa (enterro do bacalhau, etc.), Primeiro de Maio, Quinta-feira de Ascensão (festa da espiga, etc.), Pentecostes (Imperador do Espírito Santo), S. João (fogueiras, danças, apanha da água santa, do feto real, orvalhadas, passagem dos quebrados pela árvore fendida, etc.), S. Pedro, enterro das sestas (Setembro), magusto (1 de Novembro).

3534. Objectos que se referem às crenças permitidas pela igreja (originais, modelos ou desenhos).

354a) Oratórios, nichos para imagens de santos. Imagens de santos, de arte popular; registos. Andores.

355b) Cruzes, crucifixos.

356c) Relíquias de santos; ossos, unhas e outras partes do corpo de um santo. Fragmentos das vestes de um santo ou objectos que se dizem ter sido do uso do santo. Fragmentos do santo lenho. Outras quaisquer relíquias. Bentinhos, escapulários.

357d) Rosários e coroas.

358e) Objectos bentos (palmas, velas, peças do vestuário, etc.). Pão bento de Santa Quitéria de Meca, etc.

359f) Medidas (de fita) do corpo de um santo ou de Jesus Cristo, ou de uma parte do corpo, como braço, perna, cintura, circunferência da cabeça, pescoço.

360g) Oferendas diversas (principalmente por promessas): animais, plantas, frutos. Velas da altura do corpo do oferente ou do tamanho de uma parte doente (braço, perna). Medidas de fita, cordões nas mesmas condições. Outras peças de ouro ou prata (coroas, broches, pulseiras, gargantilhas, anéis, etc.), vestes oferecidas a santos e santas. Objectos representando o doente por que se faz a promessa ou uma parte doente; corpos de cera (representando crianças, adultos ou animais), mãos, pés, pernas, peitos, cabeças, olhos, pernas, etc., de cera ou de metal. Ex-votos (quadros representando um milagre, com ou sem inscrição). Fogaças, etc. Telhas furtadas (para S. Pedro), etc.

3615. Objectos que se referem às festas tradicionais, como:

362a) Preparações culinárias e de confeitaria particulares às festas do Natal aos Reis. Presépios. Cearas, cepo do Natal.

363b̴) Pães de S. Gonçalo (10 de Janeiro).

364c) Pernas e braços doces para Santo Amaro (15 de Janeiro).

365d) Modelos de máscaras mais características e tradicionais e do cavalhinho fusco do Carnaval.

366c) Modelo ou representação gráfica do Morte-piela de Bragança, do anjo da Calhorra do Fundão (Quarta-Feira de Cinza).

367f) Bonecos de massa de S. Lázaro.

368g) Amêndoas, folares, ovos da Semana Santa e Páscoa. Modelos de Judas.

369h) Modelos ou representação gráfica de maios e maias. Ramos de maias (giestas).

370i) Rolo de cera da festa do imperador do Espírito Santo (Alenquer). Fofa (pãozinho do Espírito Santo, da ilha de S. Miguel).

371j) Queijo da Ascensão.

372k) Facho de lenha, ceira do azeite de S. João.

373l) Oferendas particulares a S. Pedro.

3746. Objectos empregados nos três actos religiosos – baptismo, casamento, enterro.

375«) Objectos de que se faz uso especial nos baptizados. Samagaio (pão do baptizado em Guimarães). Representações gráficas dos baptizados populares.

376b) Modelos dos arcos (talanqueira T. M.) sob os quais passam os noivos com os símbolos usados na ocasião. Objectos que é costume atirar aos noivos. Representação gráfica das festas dos casamentos populares.

377c) Modelos de caixões de defuntos, tumbas, ataúdes, campas, objectos que se põem sobre a sepultura. Bandeira das almas. Alminhas. Representações gráficas de cerimónias e préstitos de enterros populares, de cemitérios rurais. Modelos de cruzes que se põem em lugares onde morreu alguém, fiéis de Deus. Cruzeiros.

3787. Amuletos.

Grupo XI. O saber popular

3791. Estudos, notas sobre os conceitos do povo relativos à natureza, ao homem, à sociedade, às causas últimas; por exemplo, a explicação popular do movimento do mar pelo conceito de que ele é um fôlego vivo ; o conceito da maldade ingénita da mulher expresso pela correlação de mulher, mula e muleta; as inúmeras sentenças em que se manifesta o pessimismo popular acerca do mundo e em especial da política.

3802. Astronomia popular.

3813. Terminologia topográfica popular.

3824. Vocabulários de nomes populares de minerais, vegetais e animais, com a súmula dos conhecimentos do povo a respeito delas.

3835. Medicina humana e veterinária populares. Amostras de medicamentos, aparelhos, etc., empregados numa e noutra.

Grupo XII. Colecções – Diversos

3841. Colecções compreendendo objectos dos diversos grupos, os quais, pela sua importância ou por desejo expresso dos expositores, sejam apresentadas no seu conjunto.

3852. Obras colectivas sobre a vida do povo, as tradições populares.

3863. Colecções de periódicos em que haja numerosos artigos sobre a vida do povo, como O Panorama, O Arquivo Pitoresco, O Ocidente.

3874. Exposição de tipos vivos populares. Vide p. 11.

3885. Diversos.

Observação final

389Os elementos deste programa derivam principalmente do nosso estudo e observação própria; devemos também bastante à informação de algumas pessoas por nós consultadas e aos escritos dos folcloristas e dialectólogos portugueses, ao livro de Ferreira Lapa sobre Tecnologia Rural ; ao do Sr. Baldaque da Silva sobre o Estudo Actual das Pescas em Portugal, fomos buscar a classificação dos aparelhos de pesca. Diversas publicações estrangeiras deram-nos importantes indicações.

Notes

1 Originalmente publicado em 1896, em Lisboa, pela Imprensa Nacional.

2 As plantas de raízes bolbosas, tuberosas, os frutos carnudos podem conservar-se em frascos de álcool. As plantas de folhas não gordas e raízes não dilatadas conservam-se bem em frascos em que se meteu um bocado de esponja ou de algodão embebido em álcool e se fecharam hermeticamente.

3 Seguimos a classificação do Sr. Baldaque da Silva.

4 Inédito, como outras particularidades que reunimos acerca das pescarias.

© Etnográfica Press, 1993

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search