Version classiqueVersion mobile

Obra etnográfica (I)

 | 
Adolfo Coelho

V. Programas Etnológicos e Antropológicos

Esboço de Um Programa de Estudos de Etnologia Peninsular1

Texte intégral

  • 1 Originalmente publicado na Revista de Etnologia e Glotologia, 1880, vol. i, pp. 1-4.

1A etnologia peninsular tem sido quase exclusivamente até hoje um campo em que se tem exercido um diletantismo mais ou menos erudito; são muito raros os trabalhos especiais tendo por objecto uma ou outra de suas numerosas questões em que se reconheça um seguro método científico que lhes dê o carácter de material sólido para edificar futuras conclusões. A causa disto está na falta dessa abnegação científica, sem a qual não há verdadeiro progresso, e que consiste em estudar paciente e metodicamente os factos primeiro que tudo: quer-se chegar sem grande ou mesmo sem nenhum esforço a teorias, a conclusões que se olham hoje vaidosamente como definitivas para as abandonar amanhã por outras não menos efémeras. Hoje, que os métodos científicos estão criados, um semelhante estado de coisas não deve continuar; os homens que têm amor sincero pela verdade e não se deixam dominar por fantasmagorias devem por meio de uma crítica inexorável buscar pôr cobro a esse diletantismo e tentar a formação de uma escola de trabalhadores que sem preocupações ataquem de frente e isoladamente cada um dos problemas da etnologia peninsular, de modo que pela sintetização dos resultados adquiridos se passe depois às conclusões gerais. Sem essa divisão prévia do trabalho pouco ou nada se conseguirá duradouro.

2Enunciadas na sua generalidade as questões da etnologia peninsular reduzem-se ao seguinte quadro:

  1. Quais os povos que desde os tempos pré-históricos habitaram a península, definidos nas suas relações múltiplas com os outros povos do universo?

  2. ° Quais os elementos com que cada um desses povos contribuiu para a civilização peninsular, nas suas diversas épocas, e para a formação do génio nacional ?

  3. ° Quais de entre eles tiveram a preponderância já sob o ponto de vista físico, já sob o ponto de vista moral e intelectual?

  4. ° Quais as relações entre os povos antigos e os povos modernos da península sob o ponto de vista dessa preponderância?

  5. ° Até que ponto o meio, considerado sob todos os seus aspectos, tem influído nesses povos?

  6. Qual a capacidade dos povos peninsulares sob o ponto de vista do progresso?

  7. Quais foram desde a mais alta antiguidade as correntes de civilização que, sem mistura ou com mistura de sangue, vieram actuar sobre os povos peninsulares e quais os caracteres gerais das modificações que estes imprimiram aos produtos das civilizações estrangeiras?

3Para resolver essas questões é mister proceder aos estudos que vamos indicar.

4I. Estudo dos caracteres físicos das populações antigas e modernas, baseado sobre os restos humanos, os monumentos artísticos e numismáticos (estátuas, moedas, etc.), as notícias dos antigos escritores e o exame directo das populações modernas, segundo os melhores métodos antropológicos.

5II. Estudo de todos os vestígios das línguas faladas na península, com maior ou menor extensão, desde os tempos mais remotos, além do latim, que se acham:

6a) no onomástico antigo e moderno;

7b) nos autores antigos, que citam um certo número de vocábulos espanhóis, com sua significação ;

8c) nas línguas modernas da península;

9d) nas inscrições e legendas de moedas.

10Esses vestígios são explicáveis por alguma das línguas seguintes:

11a) basco;

12b) línguas célticas ;

13c) línguas germânicas;

14d) grego;

15e) línguas semíticas: fenício para o período antigo, hebreu (raros elementos populares, se os há) e árabe para o medieval e moderno;

16f) línguas diversas, tais como cigano, berbere, etc.

17III. Estudo dos costumes, superstições e festas populares dos povos peninsulares, comparadas com as dos outros povos do mundo.

18IV. Estudo das indústrias de carácter popular e antigo, por exemplo:

19a) navegação e pesca fluvial e costeira (forma dos barcos, dos remos, aparelhos de pesca, usos especiais, etc.);

20b) usos agrícolas particulares; forma dos carros e aparelhos de lavoura, etc.;

21c) construção das casas, cabanas;

22c) cerâmica;

23e) vestuário;

24f) produtos de ourivesaria para uso do povo;

25g) armas, aparelhos de guerra.

26V. Estudo da literatura popular:

27a) poesia;

28b) contos;

29c) provérbios;

30d) enigmas, versos usados nos jogos (com a descrição destes), etc.

31A parte comparativa dá a este estudo o seu verdadeiro valor.

32VI. Estudo da arte popular:

33a) música;

34b) pintura e escultura.

35VII. Estudos dos caracteres do espírito peninsular, nas suas variantes, principalmente sob os pontos de vista:

36a) das tendências religiosas;

37b) das tendências políticas;

38c) das tendências afectivas ;

39d) das maiores ou menores tendências práticas (subordinação à realidade);

40e) do procedimento na guerra;

41f) das feições particulares na arte, na poesia, etc.

42Tais são, expostos ao correr da pena, os objectos de que particularmente se ocupará a nossa revista, quer em artigos de carácter especial, quer em artigos de generalização ou em notícias bibliográficas e críticas.

Notes

1 Originalmente publicado na Revista de Etnologia e Glotologia, 1880, vol. i, pp. 1-4.

© Etnográfica Press, 1993

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search