Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Vozes do Povo

 | 
Salwa El-Shawan Castelo-Branco
, 
Jorge Freitas Branco

Parte IV. Regulação

Capítulo 8. O SNI e os ranchos folclóricos

Vera Marques Alves

Texte intégral

O Sr. António Ferro discursando na Exposição do Mundo Português (1940/06/23)
Fonte: Arquivo de Fotografia de Lisboa

Práticas e discursos etnográficos no Estado Novo

  • 1 António Ferro dirigiu o SPN/SNI até 1949, sendo depois nomeado ministro de Portugal em Berna.
  • 2 Designação utilizada em 1948 pelo próprio secretariado para definir o conjunto de acções desenvolvi (...)

1Com a criação do SPN (Secretariado de Propaganda Nacional, mais tarde Secretariado Nacional de Informação — SNI), logo em 1933, o Estado Novo dá um impulso decisivo à sua política folclorista. Tendo como director o jornalista e escritor António Ferro,1 o secretariado promoveu uma série de iniciativas na área da “etnografia e folclore”:2 organizou exposições em Portugal e no estrangeiro, lançou edições várias, patrocinou espectáculos e concursos. Tratou-se de uma política eminentemente esteticizante, que privilegiou aquilo a que se chamava a arte popular. Encenou-a em palcos de vária natureza e, até, em conferências, propondo-a, também, como motivo inspirador das artes plásticas eruditas, das artes decorativas, do bailado e da indústria turística. Apesar da importância de outras instituições, como a Junta Central das Casas do Povo (JCCP) ou a Fundação Nacional para a Alegria no Trabalho (FNAT), na promoção de práticas e discursos etnográficos no contexto do Estado Novo, o SPN/SNI terá sido o organismo que ocupou o lugar central na produção de uma imagem da cultura popular no seio do mesmo regime.

  • 3 Um dos aspectos que sobressai no quadro geral de iniciativas folcloristas do secretariado é, justam (...)

2A análise historiográfica das práticas e discursos etnográficos promovidos pelo secretariado, algumas vezes assimilados à acção das instituições acima assinaladas — FNAT e a JCCP —, tem servido para confirmar dados adquiridos sobre a ideologia e a prática do Estado Novo, sendo interpretados, sobretudo, como instrumentos de legitimação do regime através do enquadramento ideológico das massas populares. Deste quadro tem resultado um evidente empobrecimento da análise das iniciativas folcloristas do SPN/SNI, uma vez que não se aprofunda o estudo das representações “etnográficas” propriamente ditas, patentes na propaganda então levada a cabo. E, neste contexto, têm também passado ao lado de muitos historiadores factos tão importantes como a presença constante da elite (nacional e internacional) como público-alvo das iniciativas folcloristas do SPN/SNI, aspecto que impõe óbvios limites à ideia de que tais iniciativas são essencialmente uma política para o povo. Se analisarmos cuidadosamente os dados relativos à acção deste organismo, verificamos que a forma como a propaganda se exercia, os seus objectivos e audiências, nem sempre correspondem à ideia simples da propaganda enquanto criação de consensos a nível doméstico. A imagem de Portugal no estrangeiro era uma peça essencial de todo o sistema.3 Mas uma análise preocupada com a propaganda enquanto suporte do aparelho de repressão do regime, diluiu este traço das práticas etnográficas do secretariado, que raramente mereceu a atenção dos estudiosos, os quais não se questionam sobre as razões que levariam o SPN a levar tantas vezes a arte popular portuguesa ao estrangeiro. E, todavia, na resposta a esta questão, está a identificação de uma das grandes motivações do investimento folclorista do Estado Novo: o uso da cultura popular como idioma de afirmação da identidade nacional. Um processo que se alimenta não apenas da exaltação da pátria entre os nacionais, mas também das ideias produzidas a partir do estrangeiro.

3Na análise dos fenómenos de construção da nação, é obrigatório reportarmo-nos ao célebre conceito de nação como “comunidade imaginada”, proposto por Benedict Anderson (1993 [1983]). Imaginada porque os indivíduos que formam uma nação não se conhecem todos entre si, mas imaginam-se em comunhão. Alguns autores julgaram, entretanto, que esta definição não distingue suficientemente a identidade nacional de outras formas de identidade social, como por exemplo, a religiosa. Michael Harbmeier, nomeadamente, afirma que a identidade nacional está totalmente dependente da aceitação real ou imaginada de tal identidade enquanto alteridade nacional por parte das outras nações (Löfgren 1989: 11). Tais ressalvas em relação ao modelo proposto por Anderson são essenciais para compreender os usos nacionalistas dos dados etnográficos no contexto da acção do SPN/SNI: a criação de um olhar sobre Portugal a partir de fora constitui, de facto, um vector essencial da política folclorista de Ferro.

4António Ferro é, desde logo, alguém cujo percurso a partir do final dos anos 20 pode ser caracterizado como o de um “cosmopolita enraizado” (Leal, E. 1993: 128) — ou, se quisermos, um cidadão do mundo obcecado com Portugal. Defende diversas vezes que o país deveria afirmar-se junto das restantes nações —, ultrapassando uma suposta reputação de terra da desordem e das revoluções permanentes, e ao mesmo tempo projectando-se através do seu presente e não apenas pelo seu passado glorioso. Por isso o director do secretariado tenta constantemente traçar uma imagem de Portugal não só para os portugueses, mas também para o estrangeiro. As iniciativas de promoção da arte popular no exterior explicar-se-ão também neste contexto.

5Cuidemos agora do caso específico da relação do SPN/SNI com os chamados ranchos folclóricos, relação que procuraremos retratar, ainda que parcialmente, e sobre a qual lançaremos algumas hipóteses que relevam de um quadro de problematização mais vasto e, em particular, das observações acima enunciadas.

O SPN/SNI, a música e a dança populares: primeiras notas

(…) as tradições — Estão vivas ainda? Se estiverem é porque a nação não morrerá. (Panorama, 1941)

6Há alguns anos, e comungando de uma visão aceite por muitos, Mário Dionísio falava da degradação do folclore musical e do artesanato durante o Estado Novo (1992: 224-25). E, no entanto, uma incursão geral na documentação e nos textos do SPN/SNI relativos à sua acção folclorista, dá-nos a ver a preocupação constante com a defesa dos traços “tradicionais” deste objecto ou daquele tipo de trajo, desta dança ou daquela canção. Podemos vê-lo, nomeadamente, na correspondência que, ao longo dos anos, este organismo mantém com encenadores e promotores de ranchos folclóricos. Vejamos alguns exemplos: em 1949, dirigindo-se ao presidente da direcção da Casa do Povo de Caldas da Saúde, Francisco Lage — responsável pela secção do SPN/SNI dedicada à etnografia — aconselha:

  • 4 Ofício n.° 1134-3.a sec. de 17 de Setembro de 1949 (pasta 321-1 do arquivo histórico do SPN/SNI). À (...)

O repertório de um Grupo folclórico, composto de números de canto e dança, deve ser recolhido e organizado dentro das tradições locais, ou seja, no âmbito compreensível da região a que pertence essa casa do Povo, no caso presente.
O mesmo nunca deve ser fornecido nem imposto, o que, a suceder, dará sempre lugar a deturpações, contrárias à fidelidade folclórica.
4

7Já em 1953, em resposta ao director do grupo folclórico Andorinhas de Cruz de Légua, de Porto de Mós, Lage afirma:

  • 5 Ofício n.° 718-3.a sec. de 12 de Maio de 1953.

Em assuntos destes, quem tem e pode realizar com verdade e fidelidade está certo que se abalance a tais iniciativas, mas quem não tem é melhor resignar-se a não enveredar pelo caminho da invenção e da fantasia, porque isso nenhum valor terá e só servirá para estabelecer confusões. Não é forçoso que haja grupos folclóricos por todo o país, basta que eles existam e se conservem onde se justifica.5

8Lage é, com efeito, incansável em relação à definição estrita do que é tradicional e, embora sem usar tal expressão, à defesa da autenticidade na cultura popular. Denuncia-se aquilo que, nas expressões deste funcionário, é considerado “inventado” e verbera-se a “contrafacção”. A transformação da arte popular em idioma de afirmação da comunidade nacional assim o exige. O rascunho de uma nota de imprensa, escrita pelo SNI em 1947, não podia deixar mais clara a presença desta relação no espírito que orienta a acção do secretariado. Diz essa nota que

  • 6 Cf. rascunho inserto em “informação ao chefe da 2.a repartição”, de 11 de Novembro de 1947.

É pelo folclore que um povo reencontra o potencial poético característico da sua raça, na sua forma mais cristalina e pura, e as facetas do seu temperamento de independência e virilidade, razão porque o (seu abastardamento (…) resulta numa perda irreparável).6

  • 7 Conforme refere Regina Bendix, uma das características dos movimentos e ideais nacionalistas é a as (...)

9A tentativa de garantir a autenticidade dos trajos que um grupo folclórico apresenta, por exemplo, visará, assim, manter a eficácia simbólica desse projecto nacionalista. São requisitos para que o público identifique tais objectos com a nação e veja neles a emanação da própria alma do povo português.7

10A apropriação da arte popular, garantido o seu alegado cariz genuíno, não visa, contudo, a (re)criação de um universo camponês tal qual ele existe na realidade, mas, antes, a criação de cenários onde está em jogo a emblematização da nação para um público citadino, ou mesmo estrangeiro. Em A Sociedade de Corte, Norbert Elias faz alusão a um romance de muito êxito na corte de Henrique IV, cujo autor, apesar de ter eleito pastores como os personagens centrais da sua obra e desenvolvido a acção da mesma em ambiente rural, afirmava não estar minimamente interessado em viver rodeado de cheiro a cabras. Ora, tal como, segundo Elias, Maria Antonieta e as suas aias se disfarçavam de queijeiras e pastorinhas, mas nunca se contentariam com a modesta vida dos camponeses e pastores, assim o SPN/SNI não faz dos camponeses mais do que um símbolo, neste caso ao serviço da afirmação da nação, junto de uma audiência que não é rural nem camponesa, mas pertencente antes às classes médias e altas. O que, como veremos, condiciona a forma como a ideia de tradicional é gerida no âmbito dos eventos promovidos pelo mesmo secretariado.

11Está, aliás, recenseado na documentação deste organismo, o desprezo pelo comportamento dos indivíduos de extracção rural, nomeadamente os dos ranchos folclóricos. É assim que o director da Casa de Portugal em Londres escreve ao SNI, criticando os modos dos membros do Rancho do Douro Litoral durante a sua participação num festival organizado no País de Gales em 1955. Os termos são duros, recaindo sobre o comportamento do grupo numa estação londrina:

  • 8 Transcrição apresentada no ofício n.° 243-3.a sec., de 24 de Fevereiro de 1956.

O grupo do Douro Litoral que acidentalmente vi na estação de caminho de ferro de Paddington (Londres), esperando ligação para Llangollen, apresentava um aspecto deplorável. Os homens desgrenhados coma barba por fazer, com fatos-macacos de ganga sujos e remendados e bonés de palha à Jockey, e as raparigas também de aspecto porco, com os cabelos meio oxigenados e muito mal vestidas. Na sua maioria sentados no chão da gare, rodeados de garrafões velhos, tintos de vinho, e de outros embrulhos sujos sem graça, os componentes do grupo ofereciam um aspecto vergonhoso.8

  • 9 Ofício n.° 243-3.a sec., de 24 de Fevereiro de 1956.

12A estas palavras juntam-se as asserções de Lage, que conclui: “as pessoas podem vestir modestamente mas cuidando cada uma de si de modo a revelar que tem hábitos civilizados e não se conduzindo como se fossem a caminho de qualquer arraial de aldeola portuguesa”.9 No âmbito de acção do SPN/SNI outros momentos há em que Lage exprime o seu desagrado em relação à visibilidade das más condições de vida do trabalhador rural ou ao seu comportamento no seio das iniciativas do secretariado. Num estudo anterior tivemos oportunidade de mostrar como numa exposição sobre a muito celebrada aldeia de Monsanto, realizada pelo SPN em 1942, Lage evitou apresentar elementos que assinalassem a pobreza dos trabalhadores rurais que aí viviam. Toda a evocação idílica de Monsanto dá-se, aliás, num período em que aquela povoação vivia numa profunda depressão económica (Alves 1997). Tal como o entusiasmo pelo popular da nobreza de corte dos séculos XVI e XVII convivia com um genuíno desprezo pelas formas de vida rural que existiam na realidade, assim o entusiasmo do SPN/SNI não é pelo popular que está por detrás dos seus quadros de encenação, mas por uma idealização através da qual pretende traçar um retrato de Portugal. Talvez não seja por acaso que António Ferro, num discurso pronunciado em 1949, exprima a sua atracção pela província, não das aldeias e dos camponeses, mas pela província das quintas. Dizia ele:

  • 10 Em Anónimo (1949), “A homenagem a António Ferro no ‘Círculo Eça de Queirós’”, Diário da Manhã, 26 d (...)

Por mim sofri toda a vida, sofro ainda deste complexo. Não ser da província, não poder abrigar-me um vez ao ano, ao menos, no seio dessa terra materna, numa casa com velhos e polidos móveis, velhas gravuras, rodeada de árvores com muita vegetação, algumas vacas no curral, cães amigos que nos esperam na cancela ou nos portões enferrujados, raparigas e água a cantar.10

  • 11 A propósito da desvalorização da investigação científica no quadro da acção folclorista do SNI, ver (...)

13Com efeito, ao mesmo tempo que o SPN/SNI defende uma ideia de tradição, onde o popular estaria divorciado do erudito, desenvolve toda uma actividade de encenação da cultura popular orientada para um público de elite. Promove-se, assim, uma profunda selecção e depuração dos dados etnográficos, nomeadamente através de concursos que constituíram uma iniciativa especialmente cara àquele organismo. A acção do secretariado é, pois, sobretudo uma forma de transformar a cultura popular em matéria passível de ser exibida e apresentada em espectáculo. Por isso as iniciativas do secretariado não constituem, sequer, formas de incrementar o conhecimento das tradições populares mas, antes, tentativas de criação de um quadro global e fixo da cultura popular de modo a encenar o povo português.11 O objectivo é seleccionar para exibir, transformando a cultura popular num cenário de agradável contemplação e, por essa via, emblemático de Portugal. Há, aliás, uma frase de Fernanda de Castro — mulher de António Ferro, colaboradora de algumas das suas iniciativas folcloristas e sua continuadora —, frase essa escrita já nos anos 80, que não podia espelhar melhor este processo, e onde ela se questiona, entristecida:

Onde estão as nossas aldeias com as suas telhas mouriscas, os seus alpendres, os seus cruzeiros? Onde estão aquelas estradas cujo movimento, ainda há dez, vinte anos, “parecia regulado como um ballet” — disse-me um dia Émile Vuillermoz —, um ballet cujo décor, cujo guarda roupa, cujos acessórios—bois com as suas hastes em forma de lira, com as suas cangas rendilhadas; burros e cavalos com seus arreios, os seus enfeites policromos; viaturas de toda a espécie, charrettes, carrinhas, carros de bois — fariam a inveja ao mais exigente encenador do mundo? (Castro 1986: 248)

O SPN/SNI, a música e a dança populares: segundo andamento

14A documentação que cobre a política do SPN/SNI em relação aos chamados grupos folclóricos realça mais uma vez este quadro. Veremos através da análise do discurso do secretariado e de documentos vários, que o SPN/SNI utiliza a música e a dança populares como matéria-prima a partir da qual tentará formar um retrato de Portugal. São, aliás, as representações da música folclórica portuguesa além fronteiras que mais preocupam o secretariado, o que mais uma vez sublinha a função identitária desta política. Considere-se, a propósito, um ofício de Lage de 1954, muito claro em relação à sobrevalorização que é dada à apresentação dos ranchos no estrangeiro:

  • 12 Ofício n.° 1083-3.a sec., de 18 de Maio de 1954.

(…) este Secretariado, pela sua orgânica, tem responsabilidades muito especiais em assuntos de folclore e não pode, por isso mesmo, dar a sua colaboração a ideias que, embora se reputem muito bem intencionadas, não deixam de ser fantasias sem vislumbres verdadeiramente representativos do folclore português. Estes problemas dentro do País já são de gravidade e, projectados no exterior mais graves se tornam ainda.12

15Vejamos agora como é que se conjugam, no seio das práticas e discursos do SPN/SNI sobre a música e a dança populares, a preocupação com a afirmação da nação, a defesa do tradicional e a espectacularização dos materiais da cultura popular. Um ofício de 1944, redigido por Lage, dá-nos precisamente o quadro da conjugação destas preocupações, fornecendo o tom do discurso do SNI sobre os ranchos folclóricos portugueses nos anos que se seguem. Lage afirma, então, que

  • 13 Ofício n.° 604-E, de 29 de Abril de 1944. O SNI acaba por aconselhar o Grupo Folclórico Dr. Gonçalo (...)

(…) são pouquíssimos, mesmo raros, os ranchos ou grupos regionais que merecem confiança a este secretariado para uma representação portuguesa em qualquer parte, muito menos fora de fronteiras.
A grande maioria pelos trajos que usam, danças e cantares que exibem, não passam de fantasias de mau gosto, com deturpações horríveis e absolutamente influenciadas pelas revistas e teatros populares de Lisboa.
13

16Assim, podemos observar uma série de momentos em que o SPN/SNI surge a criticar os desvios à tradição, tendo em conta estar em causa a representação de Portugal, em particular no estrangeiro. Em 1946, por exemplo, Lage desaconselha a ida do Rancho das Rendilheiras da Praça de Vila do Conde a Salamanca, devido aos seguintes aspectos que este organismo descreve como:

(…) repertório de canto, música e danças, pura fantasia de autores e ensaiadores locais, sem qualquer categoria representativa do folclore português da região; trajos inspirados no trajo regional de Maia, mas bastante deturpados e fantasiados; como nota absolutamente estranha e condenável o uso de pandeireta nos acompanhamentos e marcações.

  • 14 Ofício n.° 1208, de 22 de Agosto de 1946.
  • 15 Ofícios da 3.a Repartição (1951), ofício n.° 663, de 12 de Abril de 1951.

17No ofício em causa afirma-se ainda que “Entre nós, até certo ponto isso pode ser tolerável, mas enviado e aconselhado a um país estrangeiro, como organização representativa do folclore e etnografia do país de origem é delicado e grave”.14 Noutro caso, já em 1951, o SNI, depois de pedir um parecer à FNAT, apresenta reservas em relação ao Rancho de Águeda, que iria actuar na Semana Portuguesa em Tânger. Francisco Avilez, funcionário superior do secretariado, seguindo o parecer daquela federação, afirma que este grupo não poderia “ser apresentado como uma representação do folclore nacional, visto nem os trajos nem o reportório serem puros”, só podendo “ser exibido como uma autêntica fantasia”.15 Apesar desta opinião, o rancho apresenta-se em público e o caso assume proporções de conflito institucional entre o secretariado e o Ministério dos Negócios Estrangeiros. É assim que um funcionário indignado do MNE, transcrevendo parte de um ofício enviado pelo Consulado Geral de Portugal em Tânger, oferece ao SNI o relato do que terá sido a apresentação do referido grupo:

Vestia à maneira das revistas baratas do Maria Vitória e, com marcações de dança idênticas, exibindo fracos exemplares da raça, músicas de uns tais Joco Lé e Soares Costa, e tudo de mau gosto, desde o título do grupo, “Tricanas da Rua d’Além”, até aos bilhetes postais que os seus componentes vieram vender à assistência durante o intervalo.

  • 16 Ofício n.° 113, de 8 de Agosto de 1951.

18Afirmava, depois, o MNE que, contrastando com tal espectáculo, exibiu-se ao mesmo tempo um grupo espanhol que “caprichou em bem apresentar o seu país”, contribuindo para “uma demonstração de propaganda do carácter e da cultura do povo espanhol”, que terá acentuado ainda mais o mau impacte do espectáculo português.16

  • 17 Mesmo nesses casos baseava-se sobretudo em informações requisitadas a outros organismos. AFNAT é um (...)
  • 18 Há também alusões à actuação deste grupo na Casa de Portugal em Paris, em 1934, na mesma ocasião em (...)

19O SPN/SNI utilizou e encenou quadros vivos da vida rural em alguns dos eventos que organizou ao longo dos anos. É nomeadamente o caso do Centro Regional, na Exposição do Mundo Português de 1940, onde surgem vários artesãos a trabalhar ao vivo. No entanto, e contrariamente ao que é muitas vezes pensado, o envolvimento do SPN/SNI com os ranchos folclóricos é tardio. A desconfiança do secretariado em relação a estes agrupamentos está bem espelhada nas citações que já fizemos. Até 1947 o SPN/SNI não terá feito muito mais do que gerir alguns contactos e pedidos de informações ou subsídios, exercendo pontualmente a sua autoridade quando certos grupos pretendiam ir ao estrangeiro.17 Que tenhamos conhecimento, antes dessa data, apenas um grupo de Pauliteiros de Miranda foi utilizado pelo SPN. Os aspectos que envolvem a apresentação deste grupo em Lisboa, em 1933, por parte do secretariado fazem, aliás, da actuação em causa uma excepção que confirma a regra.18 Veremos mais adiante porquê.

  • 19 Cf. reprodução do programa do espectáculo em Portugal 1937, n.° 6, 1937, s. p.
  • 20 Cf. citações de jornais franceses, em Ibid., s. p.

20Contudo, o SPN não despreza de modo algum o potencial propagandístico da música e dança populares, utilizando-o sobejamente no seu projecto de forjar um retrato de Portugal, o que acentua, ainda mais, a percepção de um distanciamento em relação aos ranchos folclóricos. Em 1937, no contexto da presença portuguesa na Exposição Internacional de Paris, realiza uma gala portuguesa no Teatro dos Campos Elísios, onde oferece uma representação da música popular de cada província. A cantar e a dançar tais músicas estão, contudo, profissionais da música clássica e actores. Cantores líricos, como Fernando Pereira e Paulo Amorim, apresentaram canções representativas do Alentejo. A ainda jovem actriz Mirita Casimiro, por esta altura já conhecida como atracção de três revistas, cantou músicas da Beira Alta. E Eugénio Salvador, actor que também já participara, pelo menos, numa peça no Teatro Maria Vitória e escrevera uma revista, dançou o fandango e um bailado varino, em representação respectivamente do Ribatejo e da Estremadura.19 O espectáculo que, como noticiou a imprensa de Paris, beneficiou de uma “elegante assistência”, terá, na expressão de um crítico francês, transportado o público ao próprio coração de Portugal, mostrando-nos a sua beleza pitoresca e grandeza ancestral. Outro artigo dedicado a esta gala afirma que as actuações levaram os espectadores até aos campinos do Ribatejo e aos estudantes de Coimbra. O seu autor conclui, exclamando: “Eis um dos países mais belos do mundo! Nunca penso nele sem que o meu coração se encha de ternura.”20 Através de uma encenação cuidada e ao mesmo tempo emocionante de canções e danças inspiradas no folclore português era, assim, Portugal que se exaltava. Este espectáculo surge, na continuação de outros pensados nos mesmos moldes, entre os quais uma actuação promovida em 1934 pela Casa de Portugal em Paris com a colaboração do SPN. Nesta exibição são apresentados cantares e danças populares executados pelos bailarinos Francis e Ruth Walden, e pela cantora Corina Freire, actriz e cantora de nome feito também nos palcos da revista. Vítor Pavão dos Santos, escrevendo sobre a exibição deste trio em Paris desde 1933, sublinha que, através dela, “António Ferro procurava mostrar o folclore português à Europa culta” (1999: 27).

21Continuando na via da recriação erudita da cultura popular, o SPN cria em 1940 o Verde Gaio. Mais uma vez a música e a dança populares são exploradas com fins propagandísticos, ainda que não através dos ranchos. O Verde Gaio foi um grupo de bailado que, desde o início, assumiu como fonte principal de inspiração o folclore nacional, que (re)criou nas suas coreografias. E, embora tenha tido no seu repertório peças baseadas em temas da história nacional, é como um mostrador do folclore português que ele foi encarado pelos jornais estrangeiros. A extrema submissão deste projecto de dança à afirmação da nação através do folclore está bem marcada nos discursos de Ferro e na imprensa estrangeira da época. No discurso de apresentação do grupo o director do SPN afirma:

Atravessamos uma época de confusão em que os países só têm a ganhar, só podem ganhar, agitando cada vez mais a sua alma. Ora nesta época triste, em que as nações mais fortes desaparecem como cenários de mágica, ou como sonhos que a manhã desfaz, todos os pretextos são bons para demonstrar ao mundo que Portugal, na carta do globo tem a sua cor e o seu desenho próprios, cor e desenho eternos. (Ferro 1950: 23)

22Nas suas digressões, nomeadamente em Espanha no ano de 1943, o Verde Gaio foi celebrado como a revelação não só do folclore nacional, como da alma portuguesa. Um jornal de Barcelona, por exemplo, afirma que o mérito dos espectáculos do Verde Gaio está na “fidelidade de expressão que oferece à alma de todo o português”, salientando que essa fiel expressão consegue-se, nomeadamente, através da “interpretação da harmonia e plástica populares” (Ferro 1950: 70-71).

23Os ranchos folclóricos mantêm-se, entretanto, afastados da política folclorista de Ferro. O discurso já citado, proferido na estreia do Verde Gaio, não deixa de mostrar o seu desagrado com tais agrupamentos:

Houve quem discordasse (…) do nome com que baptizámos o modesto agrupamento que se estreia hoje. Tinha-se receio (…) de que a expressão “Verde Gaio” fosse deturpada, que desclassificasse imediatamente a nossa tentativa, que poderia ser confundida com certos ranchos folclóricos que são, muitas vezes, os maiores inimigos do folclore. (1950: 18)

24E numa entrevista dada ao Diário Popular em 1949, afirma o ainda Secretário Nacional da Informação: “o Verde Gaio não é um simples ranchozinho folclórico, mas, com as suas possíveis deficiências e fraquezas, um autêntico ballet”. (Ferro 1950: 57)

25A questão que se coloca é saber o porquê do distanciamento do secretariado em relação aos ranchos folclóricos, um distanciamento patente tanto no discurso como na acção. O SPN/SNI fala continuamente na falta de pureza destes grupos. Mas, por outro lado, solicita a colaboração de actores ligados ao teatro de revista, e de cantores líricos, para apresentarem músicas e danças populares, aquando da gala portuguesa apresentada em Paris em 1937. Deste modo, o SPN/SNI defende o tradicional a um nível, prescindindo da sua presença noutras ocasiões. Critica o desrespeito pelo genuíno entre certos grupos folclóricos, mas nas suas iniciativas reelabora os materiais etnográficos sem a preocupação de apresentar as manifestações populares tal como elas existem no mundo rural. Ou seja, a recriação erudita, como acontece no Verde Gaio, é permitida, enquanto a recriação popular só o é mediante condições de controlo bem definidas. Consequentemente, a introdução de elementos da cultura popular do desagrado dos funcionários superiores deste organismo — como é o caso das “revistas baratas” —, não é vista com bons olhos.

  • 21 Cf. Diário da Manhã, 30 de Dezembro de 1930.
  • 22 Cf. Anónimo (1933) “Folclore nacional: os pauliteiros mirandeses”, Diário da Manhã, 30 de Dezembro, (...)

26O alegado desrespeito pela tradição não é, pois, um factor que, só por si justifique o relativo afastamento do secretariado em relação aos ranchos. Como patenteiam alguns documentos supracitados, a defesa da tradição nunca surge desligada das exigências de bom gosto, venham elas da elite que trabalha no SPN/SNI ou daquela para quem o SPN/SNI trabalha — o seu público alvo. Desta forma, não é por acaso que a crítica que o secretariado faz aos grupos folclóricos evoca, não apenas uma suposta desconsideração generalizada pelo tradicional, mas, também, o mau gosto revisteiro. É raro que as duas acusações não apareçam em simultâneo. É que, se a vontade de afirmar a nação através da música e dança populares não deixa de estar subjacente ao espectáculo dos Campos Elísios, este objectivo não depende apenas da apresentação de formas genuínas, mas também de uma exibição que apele à emoção de um público selecto, cujos cânones de gosto possivelmente não se compatibilizariam com mostras de ranchos folclóricos, tal como estes se apresentavam durante os anos 30. Se em 1937 já havia agrupamentos de música popular organizados em função de espectáculos e cortejos, possivelmente eram ainda incipientes e por isso de difícil encenação com vista a espectáculos deste tipo, correspondendo, à época, talvez mais a um gosto popular e de elite de província do que ao erudito e cosmopolita. A utilização de um grupo de Pauliteiros de Miranda logo em 1933 não vem desmentir esta ideia. Nesse ano, este grupo actua em Lisboa sob o patrocínio do SPN. O espectáculo é dedicado essencialmente a artistas, escritores e alunos das escolas superiores e secundárias. Mas o grupo não vem de propósito à capital. Dirige-se a Londres, onde vai actuar no Albert Hall “perante uma assistência brilhante, numerosa, culta e europeia”.21 E o responsável pela ida dos pauliteiros à capital inglesa é Rodney Gallop, o diplomata britânico que nas suas digressões “etnográficas” por Portugal assiste, em 1932, a uma exibição da dança dos paulitos.22 Estava assim sancionada a qualidade do grupo enquanto objecto passível de encenação junto de públicos “de prestígio”.

  • 23 Cf. Anónimo (1941), “Os bailados portugueses”, Panorama: Revista Portuguesa de Arte e Turismo, n.° (...)

27Para o SPN era crucial encenar a nação tendo em conta as exigências estéticas de uma audiência particularmente selecta, audiência que este organismo procurava preferencialmente para as suas iniciativas de cariz folclorista, quer no país, quer no estrangeiro. A própria revista Panorama (criada pelo SPN), evocando a temporada do Verde Gaio de 1941, fala de “um pitoresco friso de temas populares e regionais que um público restrito pôde apreciar”.23 E no entanto, segundo António Ferro, o Verde Gaio deve o seu relativo declínio em Portugal ao facto de, pelo próprio nome, ser associado a um rancho folclórico: numa entrevista ao Diário Popular, em 1949, não mostrando esperança no êxito do espectáculo que em pouco tempo será lançado no São Carlos, afirma: “Êxito? Não lhe sei dizer (…) Não, não tenho muitas esperanças. Os clichés, acrescenta Ferro, vão aparecer todos: (…)” parece impossível deixar dançar em S. Carlos este grupinho folclórico"" (1950: 66). O peso da elite enquanto audiência privilegiada pelo SNI é, com efeito, muito importante para explicar os modos de apropriação da música popular por parte do SPN/SNI, nomeadamente a preferência pela recriação erudita. É assim que, num balanço sobre a política cultural do Estado Novo editado pelo SNI em 1946, escreve-se a propósito do Verde Gaio:

A arte popular, quer seja música, quer seja movimento, quer, até, seja realização plástica, não basta, só pela frescura, pela originalidade, ou pela tradição, para atingir a quinta essência da Arte que é o sentido da universalidade (…). É preciso que espírito superior se apodere da música, da coreografia, da poesia do povo, que lhes dê forma plena, para que elas possam transpor as barreiras duras e altas da simples curiosidade etnográfica ou da reminiscência arqueológica e se integrem no património geral da arte humana e, assim, passem a ser sentidas, em forma total, pelos homens de todos os climas e de todas as raças.
O SNI interveio como animador e proporcionador de condições para o aparecimento da coreografia nacional de acabada expressão artística. (SNI 1946: 83-84)

28Quando o SNI dirige a sua atenção para os ranchos folclóricos, já em 1947, é para tentar formar aquilo a que chama um “mapa da música popular portuguesa” (SNI 1948: s. p.), lançando concursos no Porto e em Castelo Branco. Com o concurso da Aldeia Mais Portuguesa de Portugal, em 1938, teria havido uma primeira tentativa de criar um quadro fixo de ranchos folclóricos, consentâneos com os padrões de gosto do SPN/SNI. As frases acima citadas sobre o descontentamento do secretariado com o desempenho dos grupos em Portugal, revelam, contudo, que esse objectivo não foi conseguido. Em 1947, envereda-se, pois, por uma política para os ranchos que inclui, não só estes concursos, mas também uma prática selectiva de contactos e ajudas várias. O objectivo subjacente continua a ser o de seleccionar para exibir, nomeadamente para audiências restritas. Por isso o SPN/SNI só começa a organizar espectáculos de ranchos folclóricos depois de um trabalho de selecção e definição dos agrupamentos que deveriam merecer a sua atenção.

  • 24 Ofício n.° 1355-3.a sec., de 4 de Setembro de 1947, enviado ao presidente da Junta de Província da (...)
  • 25 Ofício 279-3.a sec., de 23 de Fevereiro de 1948.
  • 26 Cf. ofício n.° 458-3.a sec., de 4 de Abril de 1949, dirigido a Sales Viana.
  • 27 Cf. ofício n.° 1025-3.a sec., de 19 de Agosto de 1949.
  • 28 Cf. ofício n.° 1338, de 29 de Julho de 1954, enviado ao director do Grupo Folclórico “Tá-Mar”.

29Desde logo, os concursos de ranchos folclóricos da Beira Baixa e do Norte foram eles próprios espectáculos ensaiados ao pormenor. O concurso da Beira Baixa, por exemplo, tem Eurico Sales Viana como principal organizador,24 cujo percurso folclorista apresenta como traço mais evidente, a estrita associação entre o interesse etnográfico e o apelo ao estético e ao decorativo (Alves 1997). A aproximação que o SNI faz aos grupos limita-se, no seguimento desta política, a convites para exibições organizadas pelo secretariado, mais uma vez pensadas para públicos selectos. Logo em 1948, tenta organizar-se um espectáculo em que participariam quatro dos ranchos que foram premiados no concurso de grupos folclóricos da Beira Baixa. A importância dada à boa apresentação e ao impacte estético da sua exibição, está bem patente nos conselhos que Lage dá a Sales Viana, encarregue de preparar os grupos para a actuação. Previa-se um ensaio geral para acertar movimentos e entradas e saídas do palco, devendo organizar-se um programa onde os números de dança alternassem com os de canto. Devia, por outro lado, evitar-se o uso de estandartes ou insígnias, para evitar o aspecto de parada.25 Frustrada a tentativa de organizar este espectáculo em Lisboa, o SNI pede a Sales Viana que organize um em Castelo Branco. A ocasião prendia-se com a ida à Beira Baixa, já em 1949, de delegados do Congresso Internacional de Geografia.26 No mesmo ano organiza-se um outro espectáculo folclórico no teatro D. Maria II, para um Congresso Internacional de Navegação, seleccionando-se alguns dos grupos que venceram os concursos do Norte e da Beira Baixa, a que se junta o Grupo Coral da Amareleja (Moura) e o Grupo Folclórico de Alte (Loulé).27 Já em 1954, a propósito do Congresso Internacional de Cinema de Amadores, o SNI solicita a colaboração de um agrupamento da Nazaré.28 Como vemos, o SNI escolhia audiências não populares, como as dos congressos internacionais, como ocasiões privilegiadas para exibir ranchos folclóricos. Em 1955, o secretariado organiza um festival de grupos folclóricos no Castelo de S. Jorge, para o presidente do Brasil, então em visita oficial a Portugal. A partir de meados da década de 1950, este organismo passou também a financiar a participação destes agrupamentos em alguns festivais de folclore internacionais. Em conclusão, o contacto com os grupos folclóricos tem subjacente, como objectivo quase único, o pedido de colaboração para espectáculos organizados pelo SPN/SNI, tendo em vista certas elites ou a participação em eventos organizados no estrangeiro. Num ofício de 1956, Lage esclarece os termos em que o SNI fornece subsídios a grupos, ficando mais uma vez explícitos tais objectivos.

  • 29 Cf. ofício n.° 2029-3.a sec., de 27 de Agosto de 1956, enviado ao presidente da direcção do rancho (...)

Quando o Secretariado utiliza a cooperação dos Ranchos Folclóricos, ou quando estes desejam participar em certames internacionais de reconhecido interesse para Portugal, para esse efeito lhe solicitam ajuda para despesas de deslocação, em tais circunstâncias, depois de se verificar se o Rancho obedece na sua constituição a determinadas regras e características, nesses casos é que poderá haver lugar para apoio financeiro.29

  • 30 Cf. ofício n.° 415-3.a sec., enviado ao director do Grupo Coral de Serpa, de 6 de Abril de 1955.

30Este organismo está, assim, sobretudo interessado no estabelecimento de um quadro fixo a partir do qual possa exibir a cultura popular dentro dos seus padrões estéticos. A ênfase dada à exibição cuidada e depurada da cultura popular surge, aliás, em alguns ofícios enviados aos ranchos onde se pede “a melhor apresentação dos componentes no que diz respeito ao porte físico e ao trajo” e o cuidado com “o repertório de canções, que deve ser muito seleccionado e da melhor categoria”. Aquando da vista do presidente do Brasil, estes pedidos são feitos mais uma vez, explicando tratar-se de um caso nacional.30

Conclusão

31Idealmente, os ranchos folclóricos surgem como um bom instrumento para a acção folclorista do SPN/SNI, uma vez que constituem em si mesmos uma encenação do povo — própria do espectáculo folclorista que guia toda a acção do SPN/SNI — mantendo, ainda assim, a ideia de autenticidade que decorre de serem execuções, pelo menos na sua forma ideal, protagonizadas por indivíduos do mundo rural, usando vestes que vêm de tradições remotas e formas de dança e música igualmente antigas. No entanto, e como vimos, existe por parte do secretariado um grande distanciamento em relação a estes agrupamentos, pelo menos até 1947. É que em Portugal, este tipo de grupos, tendo aparecido bem antes da instauração do Estado Novo, já tinha sido apropriado pelas elites locais, e mesmo em Lisboa, antes de o secretariado ter começado a desenvolver a sua acção. Seriam assim de difícil manipulação, adquirindo um lugar marginal num projecto de encenação dos dados da cultura popular desenvolvido pelo SPN/SNI.

32Sabemos que António Ferro gostava de decorar a sua casa com arte popular e o SPN terá sido bem sucedido, através da revista Panorama, em promover esse gosto junto das classes altas e médias. Fica a questão de saber se, em Portugal, não seria mais difícil promover os ranchos folclóricos junto das elites, que provavelmente gostariam da música popular já arranjada para piano de modo a tocá-la em salões. Talvez houvesse qualquer coisa no rancho folclórico que o tornava — à luz dos padrões da classe dominante da época — menos distinto do que uma colcha de Castelo Branco ou mesmo do que um boneco de Barcelos. A chave da questão pode estar no facto de, como dissemos acima, os ranchos folclóricos eventualmente já serem de gosto popular (ou revisteiro, nas palavras de Ferro e dos seus colaboradores) quando o SPN começa a desenvolver a sua política folclorista. Nomeadamente de gosto popular urbano, através de acontecimentos como as Marchas Populares de Lisboa, que começam a ser organizadas em 1932.

  • 31 As reflexões aqui expostas sobre a concepção da tradição no seio das práticas e dos discursos etnog (...)

33Seria assim um material de difícil integração por parte de um organismo que pretendia controlar a cultura popular, moldando-a através dos seus critérios estéticos de modo a transformá-la num idioma eficaz de afirmação do Portugal de Salazar junto das elites nacionais e estrangeiras. A forma como ao espectáculo organizado pelo SPN no Teatro dos Campos Elísios e a exibições do Verde Gaio no estrangeiro foram recebidos mostra que, aí, o secretariado foi eficaz nos seus objectivos. Quanto aos ranchos, o SPN/SNI só começou a utilizá-los quando conseguiu criar um quadro de grupos folclóricos, seleccionados por si, que passou a usar repetidamente, para um público escolhido português e estrangeiro. Para finalizar, podemos rever o confronto entre as percepções de Mário Dionísio sobre a falsificação do folclore no Estado Novo e a defesa da tradição por parte do SPN/SNI, agora à luz dos dados e reflexões apresentados. Embora seja bastante claro que Francisco Lage é incansável na defesa das formas tradicionais da música e dança populares, o que está em causa é uma determinada visão da tradição que, ao mesmo tempo que rejeita certas alterações nos materiais etnográficos, aceita e promove outras em função de certos padrões estéticos e ideológicos. Aquilo a que nós assistimos na relação do SPN/SNI com os ranchos folclóricos é, assim, não a um conflito entre a defesa da tradição e a sua falsificação, mas a uma luta entre diferentes formas de folclorização, uma das quais — a do secretariado — visa a criação de um retrato integrado de Portugal, susceptível de criar adesão à nação (não só a nível doméstico, mas também enquanto alteridade nacional), e consequentemente ao próprio Estado Novo.31

O Galo de Prata, o Símbolo de Monsanto. As comemorações do cinquentenário do concurso (1988). Foto: António Filino de Almeida

Notes

1 António Ferro dirigiu o SPN/SNI até 1949, sendo depois nomeado ministro de Portugal em Berna.

2 Designação utilizada em 1948 pelo próprio secretariado para definir o conjunto de acções desenvolvidas no âmbito da arte popular. (cf. SNI 1948)

3 Um dos aspectos que sobressai no quadro geral de iniciativas folcloristas do secretariado é, justamente, o peso do exterior. Repare-se, por exemplo, na proporção de exposições de síntese da arte popular portuguesa enviadas ao estrangeiro perante aquelas apresentadas intramuros. Enquanto que fora das nossas fronteiras são realizadas seis destas mostras (Genebra, 1935; Paris, 1937; Nova Iorque e São Francisco, 1939; Madrid 1943; e Sevilha, 1944), em Portugal, são apresentadas apenas duas — ambas em Lisboa — uma em 1936, por ocasião do “X Aniversário da Revolução Nacional”, outra no contexto da Exposição do Mundo Português (onde ocupa vários pavilhões englobados no que se chamou Centro Regional). Mesmo que associemos a estas duas mostras o Museu de Arte Popular, fundado em 1948, continua a destacar-se a importância que conferia ao envio da arte popular ao exterior.

4 Ofício n.° 1134-3.a sec. de 17 de Setembro de 1949 (pasta 321-1 do arquivo histórico do SPN/SNI). À excepção do ofício referido na nota 16, todos os documentos abaixo assinalados têm esta proveniência.

5 Ofício n.° 718-3.a sec. de 12 de Maio de 1953.

6 Cf. rascunho inserto em “informação ao chefe da 2.a repartição”, de 11 de Novembro de 1947.

7 Conforme refere Regina Bendix, uma das características dos movimentos e ideais nacionalistas é a associação entre a ideia de nação única e os valores de pureza e autenticidade nacional (1997: 8). Teses centrais da historiografia e da antropologia tentaram, precisamente, mostrar como os nacionalismos se alimentam do culto da tradição (mesmo se inventada) e da ideia de continuidade com o passado (Hobsbawm 1983). Segundo Ernest Gellner, a doutrina nacionalista caracteriza-se ela própria por uma alegada defesa da cultura popular antiga, pregando a continuidade com os tempos remotos (1993: 183-84). Através do nacionalismo, defende o mesmo autor, a sociedade industrial, ainda que sustentada por uma cultura erudita moderna, “celebra-se a si própria com canções e danças que pede emprestadas (…) a uma cultura popular que crê, ingenuamente, estar a perpetuar, defender e reafirmar” (p. 92). A ligação entre etnografia e nacionalismo, identificada e analisada em múltiplos estudos, explica-se em função de tal contexto.

8 Transcrição apresentada no ofício n.° 243-3.a sec., de 24 de Fevereiro de 1956.

9 Ofício n.° 243-3.a sec., de 24 de Fevereiro de 1956.

10 Em Anónimo (1949), “A homenagem a António Ferro no ‘Círculo Eça de Queirós’”, Diário da Manhã, 26 de Novembro.

11 A propósito da desvalorização da investigação científica no quadro da acção folclorista do SNI, ver reflexões de Jorge Freitas Branco sobre o Museu de Arte Popular (1995: 169).

12 Ofício n.° 1083-3.a sec., de 18 de Maio de 1954.

13 Ofício n.° 604-E, de 29 de Abril de 1944. O SNI acaba por aconselhar o Grupo Folclórico Dr. Gonçalo Sampaio, indicando também a Câmara Municipal de Viana do Castelo como interlocutor alternativo.

14 Ofício n.° 1208, de 22 de Agosto de 1946.

15 Ofícios da 3.a Repartição (1951), ofício n.° 663, de 12 de Abril de 1951.

16 Ofício n.° 113, de 8 de Agosto de 1951.

17 Mesmo nesses casos baseava-se sobretudo em informações requisitadas a outros organismos. AFNAT é um dos organismos em causa, como nos mostra o caso acima exposto a propósito da participação do Rancho de Águeda na semana portuguesa em Tânger.

18 Há também alusões à actuação deste grupo na Casa de Portugal em Paris, em 1934, na mesma ocasião em que Francis, Ruth e Corina Freire se exibem (cf. Santos 1999: 29).

19 Cf. reprodução do programa do espectáculo em Portugal 1937, n.° 6, 1937, s. p.

20 Cf. citações de jornais franceses, em Ibid., s. p.

21 Cf. Diário da Manhã, 30 de Dezembro de 1930.

22 Cf. Anónimo (1933) “Folclore nacional: os pauliteiros mirandeses”, Diário da Manhã, 30 de Dezembro, e Gallop (1961: 170). A ida do grupo a Londres foi subsidiada pela Casa de Portugal em Londres, pelo SPN, pelo Instituto do Vinho do Porto e pelo próprio Gallop.

23 Cf. Anónimo (1941), “Os bailados portugueses”, Panorama: Revista Portuguesa de Arte e Turismo, n.° 1, ano I, Setembro, pp. 18-19.

24 Ofício n.° 1355-3.a sec., de 4 de Setembro de 1947, enviado ao presidente da Junta de Província da Beira Baixa.

25 Ofício 279-3.a sec., de 23 de Fevereiro de 1948.

26 Cf. ofício n.° 458-3.a sec., de 4 de Abril de 1949, dirigido a Sales Viana.

27 Cf. ofício n.° 1025-3.a sec., de 19 de Agosto de 1949.

28 Cf. ofício n.° 1338, de 29 de Julho de 1954, enviado ao director do Grupo Folclórico “Tá-Mar”.

29 Cf. ofício n.° 2029-3.a sec., de 27 de Agosto de 1956, enviado ao presidente da direcção do rancho folclórico do bairro de S. Vicente de Paula, Porto.

30 Cf. ofício n.° 415-3.a sec., enviado ao director do Grupo Coral de Serpa, de 6 de Abril de 1955.

31 As reflexões aqui expostas sobre a concepção da tradição no seio das práticas e dos discursos etnográficos do SPN/SNI beneficiam do confronto entre o conceito de “invenção da tradição” (cf. e. g. Hobsbawm 1983), o conceito de folclorismo, tal como ele foi abordado por Bausinger (1990) e as críticas à noção de autenticidade e aos seus usos na antropologia (v. e. g. Bendix 1997).

Table des illustrations

Légende O Sr. António Ferro discursando na Exposição do Mundo Português (1940/06/23)Fonte: Arquivo de Fotografia de Lisboa
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/567/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 832k
Légende O Galo de Prata, o Símbolo de Monsanto. As comemorações do cinquentenário do concurso (1988). Foto: António Filino de Almeida
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/567/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 931k

Auteur

Licenciada em antropologia (ISCTE), prepara doutoramento sobre o folclorismo em Portugal, docente convidada na Universidade de Coimbra. Publicou “Os Etnógrafos Locais e o Secretariado da Propaganda Nacional” Etnográfica Revista do Centro de Estudos de Antropologia Social, 1, 2: 237-257.

© Etnográfica Press, 2003

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr