Version classiqueVersion mobile

Obra etnográfica (I)

 | 
Adolfo Coelho

IV. Recensões críticas

Tomás Pires como Folclorista1

Texte intégral

  • 1 Originariamente publicado no volume António Tomás Pires (1850-1913), Eivas, pp. 3-6.

1Doença que nos últimos três meses me obrigou a ausentar dos meus trabalhos escolares e a pôr pausa temporária tão completa quanto possível nos meus estudos particulares não me permite dar no momento, como desejaria, notícia comemorativa condigna dos trabalhos e méritos de António Tomás Pires. Limitar-me-ei a indicar a natureza do papel que ele representou como investigador das tradições populares.

2Pires foi um infatigável, apaixonado, inteligente e consciencioso coleccionador dessas tradições e muito especialmente da poesia popular, sobretudo dos curtos cantos que formam principalmente o nosso Cancioneiro Popular, do que deixou largo testemunho nos quatro volumes dos seus Cantos Populares Portugueses, que todavia não encerram tudo o que ele colhera no domínio das rimas do povo: é preciso juntar variantes e romances, jogos, rimas várias, sobretudo infantis, ensalmos, etc., parte do que eu dei a lume em tempo no Boletim da Sociedade de Geografia. Em verdade, raro foi o domínio do folclore nacional que escapasse à sua atenção. E não só explorou a tradição oral, mas ainda sacou de obras impressas, documentos de arquivo, etc., notícias interessantes e variadas, não só para o folclore propriamente dito, mas ainda para vários capítulos da história nacional.

3Tomás Pires ministrou-me materiais valiosos para o meu livro sobre os Ciganos de Portugal, onde figuram, como devia ser, com a rubrica do meu prestimoso colaborador. Ainda noutras publicações minhas figuram notícias inéditas que por ele me foram comunicadas, por exemplo, no artigo De algumas tradições da Espanha e Portugal em Revue hispanique (Paris, 1900). Ainda há pouco tempo, na Revista Lusitana, vol. 15 (1912) aproveitei para o estudo de uma questão importante (a poesia paraielística) vários dos seus Cantos Populares Portugueses.

4A propósito da Caprificação, acerca da qual Tomás Pires me enviou algumas notas que não pude aproveitar, tentei, num artigo da Revista de Ciências Naturais e Sociais (n.° 15, vol. iv, 1896), uma classificação da matéria do folclore, a que faria hoje modificações, e que em parte serviu para o projecto de uma classificação dos Cantos Populares, que Tomás Pires aproveitou para a sua obra principal, alargando-o e completando-o. Naquele artigo de 1896, distinguia eu no folclore os seguintes graus:

1.° – Grau descritivo (simples coleccionação de dados com ou sem classificação imediata, isto é puramente empírica);
2.° – Grau comparativo (coleccionação de paralelos da tradição do mesmo e de diferentes povos, no presente e no passado, quando possível);
3.° – Grau histórico (determinação da origem étnica da tradição, sua imigração, se a houver, e transformações) ;
4. ° – Grau genético (estudo da formação da tradição).

5Em estudos diversos, espalhados em publicações periódicas, nacionais e estrangeiras, dei exemplos dos diversos graus dos estudos folclóricos. Tomás Pires cultivou principalmente o 1.° grau, e tentou algumas vezes o 2.° «O 1.° grau», dissera eu no citado artigo de 1896, «está, por assim dizer, ao alcance de toda a gente; para se desempenhar com mérito a tarefa que impõe exige, porém, perfeita probidade, tacto e talento de observação que nem todos possuem.» Essas qualidades distinguiam Tomás Pires. «O segundo grau depende da erudição ; exige o conhecimento de línguas que, quanto mais extenso for, mais profícuo será naturalmente, e excelente memória; e, se os paralelos não são feitos em globo, mas descem às particularidades, buscam as razões das diferenças e têm em vista a solução dos problemas dos graus seguintes, impõe verdadeiro espírito científico.»

6Para as investigações do 2.° grau faltava a Tomás Pires, em geral, uma condição indispensável – o ter ao seu fácil alcance uma biblioteca suficientemente rica em obras folclóricas; ora aqui mesmo em Lisboa, as bibliotecas públicas, completadas com os recursos particulares, são insuficientes em muitos, na maior parte dos casos, para a investigação séria; eu tenho numerosos materiais acumulados que não posso completar pela escassez dos recursos bibliográficos de que disponho e todavia explorei várias bibliotecas públicas e aproveitei algumas particulares, além de ter feito sacrifícios pecuniários, sem compensação no nosso país, para aquisição de livros.

7«O terceiro grau, escrevi eu ainda em 1906, que muitas vezes se confunde com o 4.°, oferece já graves dificuldades, de que são prova, por exemplo, as discussões pendentes sobre a origem ou antes origens dos contos populares, exemplo, ao mesmo tempo, nalguns autores, daquela confusão. Ainda que se tenha conseguido demonstrar (o que é empresa árdua) que tal conto é de origem búdica ou assíria, ou egípcia, ou grega, ou remonta ao passado selvagem do homem europeu, etc., fica ainda para resolver a questão de como ele se originou.»

8O grau genético depende em grande parte do progresso da psicologia aplicada e da vulgarização dessa ciência entre os folcloristas.

9Quatro anos depois de publicado o artigo de que tiro esses extratos, isto é, em 1900 começou o célebre filósofo Wilhelm Wundt, o criador da psicologia experimental, a dar a lume a sua grande obras Wölkerpsychologie (Psicologia dos Povos), em que estuda do ponto de vista superior dessa ciência a linguagem, o mito e a religião, a arte, o costume, a matéria principal do folclore, portanto constituindo como que uma filosofia do folclore, e ultimamente sintetizou esses trabalhos, de que resta publicar a última parte especial sobre O Costume, num livro intitulado Elementos da Psicologia dos Povos, com o subtítulo Lineamentos Fundamentais de Uma História do Desenvolvimento Psicológico da Humanidade, que em tempos anteriores se seria tentado a classificar como uma filosofia da história.

10Essa obra capital, que dá lugar a largas discussões, tem o seu ponto de partida nas investigações folclóricas e etnográficas.

11As condições do meio em que viveu, não só as do meio particular Elvense, mas ainda as do meio geral português, não permitiam que Tomás Pires ultrapassasse legitimamente o 1.° grau das investigações folclóricas, em que tantos serviços prestou. Outros, que vivendo em Lisboa ou Porto, foram mais longe, caíram por falta de método e de estudos sérios em profundos, ou melhor, grosseiros erros, de que eu apontei exemplos em diversas publicações minhas. Tomás Pires, que teve a modéstia e a prudência de não tentar essa via perigosa, achou todavia boas um momento as investigações do género, de certo inventor, aliás afamado, mas fantástico.

12Dizia Voltaire que aos vivos se devia o respeito e aos mortos a verdade. Eu entendo que a todos se deve a verdade, e o respeito segundo os seus méritos, segundo os méritos de cada um.

13Que o nobre extinto que comemoramos não tivesse chegado ao mais alto grau das investigações a que consagrou uma boa parte de sua vida explica-se perfeitamente num país em que presentemente não se encontram ainda três pessoas (creio não errar) que tenham lido e compreendido a Wölkerpsychologie de Wundt.

14(Lisboa, 31 de Agosto de 1913.)

Notes

1 Originariamente publicado no volume António Tomás Pires (1850-1913), Eivas, pp. 3-6.

© Etnográfica Press, 1993

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search