Version classiqueVersion mobile

Obra etnográfica (I)

 | 
Adolfo Coelho

IV. Recensões críticas

Obras de Giuseppe Pitré

Texte intégral

Antichi usi e tradizioni popolari siciliane nella festa di S. Giovanni Battista – Lettera II.’ di Giuseppe Pitré. Palermo, Tipografia del Giornale di Sicilia. 1873. 8.° peq. 20 pp.1

  • 1 Originalmente publicada na Bibliografia Crítica de História e Literatura, 1875, vol. i, pp. 302-304

1A baronesa Ida de Reinsberg-Düringsfeld prepara com o seu marido uma obra sobre os usos e crenças relativas ao dia de S. João; o incansável e sábio colector da poesia e tradições populares sicilianas, o Sr. Pitré extraiu das matérias para uma sua obra futura, que deve ser do mais alto interesse, Biblioteca delle Tradizioni popolari siciliane, a parte relativa ao S. João, que se tornou o assunto de duas cartas dirigidas à baronesa Ida; não conhecemos a primeira dessas cartas, mas graças à benevolência do autor temos a segunda à vista e o interesse que nos inspira fazem-nos desejar que o seu autor possa publicar o mais depressa possível a sua Biblioteca delle Tradizioni siciliane.

2Alguns dos usos e crenças mencionadas no opúsculo encontram-se em Portugal. As raparigas do nosso povo crestam ao fogo alcachofras na noite de S. João para se certificarem do amor dos seus namorados ou ficarem convencidas da sua falsidade, segundo as alcachofras crestadas aparecem ou não floridas no dia seguinte; o uso correspondente siciliano é bem pouco diferente. Referindo-se à sua primeira carta diz o Sr. Pitré: «In essa avevo io detto che per S. Giovanni le ragazze che cercano sapere la lor sorte avvenire nascondono in un buco un fiore abbruciachiato alie estremità delia corolla, il quale la mattina di S. G. deve tovarsi ravvivato e fresco. Avevo anche detto del piombo fuso, della cera o d’altro, che riversati nell’acqua dà indizio del mestiere del futuro sposo, se pure questo sarà concesso da S. Giovanni. Ora posso aggiungere che entrambi questi usi e molti di quelli da me annunziati erano in vigore qual che secolo fa (p. 7).» O autor em seguida apresenta um texto que comprova a antiquidade desses usos; mas sem esses textos mesmo se poderia afirmar que esses usos vêm de antigos tempos, como todos os usos e crenças de semelhante natureza; o que neles pode haver é apenas modificações, mas nunca são de invenção moderna, pois são, por assim dizer, fragmentos de um sistema de crenças partido há muito na sua unidade.

3O nosso povo crê também como o siciliano que o sol dança na madrugada do S. João. São muitas as superstições portuguesas relativas ao S. João e algumas não as vimos ainda mencionar em outros povos, onde todavia talvez existam. Uma muito curiosa e pouco conhecida é a relativa à cura das hérnias. No Minho e Trás-os-Montes na noite de S. João serra-se ao meio o tronco de um carvalho cerquinho e passa-se entre a abertura assim feita uma criança que padece de uma hérnia (quebradura, na linguagem popular); depois unem-se de novo as duas partes separadas do tronco e liga-se bem em torno; é crença que se as partes ligam e o tronco continua verde a criança está curada, se o contrário se dá a criança não tem cura. Esta crença está profundamente inveterada. Na Beira (pelo menos nas proximidades de Coimbra), o uso tem uma variante. Vão duas crianças, uma do sexo masculino, cujo nome de baptismo seja João, outra do sexo feminino, cujo nome seja Maria, e que possam pela sua idade tomar em seus braços a criança que tem quebradura ; coloca-se João de um lado e Maria do outro e trava-se o seguinte curto diálogo:

João: Toma lá Maria
Maria: Que me dás João?
João : Um corpo quebrado
Para m’o pôres são.

4E João passa a criança quebrada pela abertura feita no carvalho para Maria.

5Quando haverá entre nós um homem tão hábil e dedicado como o Dr. Pitré que faça a Biblioteca das Tradições e Superstições Populares Portuguesas ?

Os Contos Populares Sicilianos, coligidos por Pitré2

  • 2 Originalmente publicada na revista Cenáculo, 1875, vol. i, pp. 193-200.

6A Itália prossegue no estudo da sua literatura popular com uma actividade que nenhum outro país românico iguala; a poesia, as lendas, os contos, os jogos populares acham colectores numerosos e inteligentes que as tiram das minas inexploradas e até há poucos anos quase ignoradas da tradição viva. As publicações desse género são já tão numerosas e, deixai-me dizer assim, tão indisciplinadas, espalhadas como andam pela maior parte em publicações periódicas, folhetos tirados a pequeno número de exemplares e muitas vezes inacessíveis pelo intermédio do comércio, que raros serão os que se possam gabar de possuir uma colecção assaz completa dessas publicações. É pois com verdadeiro prazer que manuseamos um corpo bem organizado de literatura popular italiana como o que publicam os dois sábios eminentes Domenico Comparetti e Alessandro d’Ancona ou a Biblioteca delle Tradizioni Popolari Siciliane do infatigável Dr. Giuseppe Pitré. A primeira dessas colecções conta já seis volumes (Canti e racconti dalpopolo italiano) ; a segunda foi no curto espaço de um ano enriquecida com quatro grossos volumes de contos e lendas, que tinham sido precedidos por três consagrados à poesia. No nosso artigo sobre o Belfegor demos um espécimen de colecção de Pitré; hoje vamos tratar desta colecção um tanto detidamente. Devêmo-lo à bondade do douto siciliano, que nos permitiu estudá-la desde que começou a impressão por fascículos e à importância da colecção, a mais rica de todas as publicadas nos países românicos e com a qual poucas de outros países podem competir em riqueza e interesse.

  • 3 Esses volumes tinham sido precedidos da publicação de alguns contos em diferentes periódicos ou em (...)

7Uma senhora de origem alemã, nascida na Sicília, Laura Gonzenbach, foi a primeira colectora de contos populares sicilianos ; a sua colecção de 92 contos traduzida em alemão, apenas com dois espécimens no dialecto original, foi publicada em 1870 em Leipzig por Otto Hartwig, com o título Sicilianische Märchen aus dem Volksmund gesammelt (2 volumes). Foi um bom exemplo que Pitré, auxiliado pelos seus amigos, pôde, não só seguir, mas exceder consideravelmente, como nos mostram os quatro volumes das Fiabe Novelle e Racconti.3

8Precedem os textos dois estudos valiosos: um sobre os contos populares, sua origem e difusão, em que achamos particularmente interessantes as notícias bibliográficas sobre os contos populares italianos, outro sobre a gramática do dialecto siciliano e seus subdialectos. Levar-nos-ia longe um exame das ideias adoptadas pelo autor no primeiro estudo; ele demais declara modestamente que quis apenas vulgarizar o que pensa da importância, da história e do conteúdo das tradições que colige, e é inegável que o seu estudo é próprio para excitar o interesse pelos contos populares. É curiosa a lista dos nomes que têm essas narrações nas diversas províncias italianas: ao sul chamam-lhes conti, como nós, os espanhóis (que também dizem consejas) e os franceses ; a denominação latina fabula é reflectida na de favuli, fràuli em Catânia e nalgumas comunas de Messina ; o dialecto messinês tem também a forma fiõv, que Pitré não cita; em Roma também lhes chamam favole ou contafavole; foe na Ligúria, fole no bolonhês, fiabe no Veneto, esempi no milanês e storie no Piemonte.

  • 4 No meu exemplar falta infelizmente a folha 11, pp. clxxiii-clxxx.

9O estudo gramatical é uma reprodução do conhecido trabalho de Fr. Wentrup publicado em 1859 no Archiv für das Studium der nenern Sprachen de Herrig, com adições numerosas do tradutor, principalmente relativas aos subdialectos. Esse estudo é muito útil, apesar das suas pequenas dimensões4; seriam de desejar algumas observações sobre a sintaxe, em geral esquecida nestes estudos dialectais.

10São sobretudo os textos o que atrai a nossa atenção ; o colector, sem dúvida, levado pelo amor de cifra arredondada, numera 300, não contando seis contos (pugaré) em dialecto albanês da Sicília, que rematam de um modo interessante a colecção. Pitré seguiu os preceitos da crítica, como nos afirma e os textos testemunham: reproduziu sem modificações os textos como os ouviu narrar à gente do povo ou os amigos lhe escreviam, nos subdialectos locais (parlaté), e acompanha cada conto das versões de que teve conhecimento, ou por inteiro ou em extracto. Numerosas notas, além do glossário final, auxiliam a leitura do texto. Sem ter à mão nenhum dicionário, só com o auxílio dessas notas e do glossário, podemos ler a colecção toda, restando-nos apenas dúvidas sobre um relativamente pequeno número de expressões. Este facto pessoal é um pequeno testemunho a favor do fino tacto com que Pitré andou nesta parte. A escolha de tal ou tal versão para texto principal, a separação de diferentes versões em diferentes números, a união debaixo de um mesmo número de contos diferentes, em que por acaso se acham episódios comuns, ou que se acham pelos caprichos da tradição unidas numa versão à versão principal, são pontos em que a colecção se presta bastante à crítica; mas para fazer essas divisões e classificações de um modo sempre satisfatório é mister possuir um conhecimento completo dos vários tipos dos contos populares, sem o qual é impossível distinguir nestes o principal do acessório; ora a crítica não tem direito de exigir semelhante conhecimento do colector local; a ela cumpre estabelecer a classificação definitiva, demais muitas vezes difícil, porque não é raro ver dois contos tão intimamente fundidos, que nenhum pode ser considerado como a base principal. Darei só um exemplo desses embaraços que surgem frequentes vezes ante o colector de contos populares. O n.° 10 de Pitré contém uma versão de um conto popular que tem o mesmo estofo que a lenda do rei Lear; Pitré condensa como variante uma versão de outro conto, cujo motivo é muito distinto: é o conto do filho que sonha ou conhece pelos astros que o pai o servirá ou será seu vassalo ; mas as versões sicilianas dos dois contos têm, em virtude da influência da primeira sobre a segunda, um desenvolvimento semelhante. No mesmo ciclo de ideias do segundo desses contos se move o n.° 100, idêntico pelo fundo ao livro popular Historia di Florindo e Chiarastella. Em Portugal é muito conhecido um conto que se aproxima muito do n.° 100, com a designação de Madre Silva ou Maria Silva.

11A crítica pode também achar motivos para muitos reparos na classificação que Pitré faz das tradições que coligiu em cinco séries; a primeira série compreende principalmente narrativas que encerram particularidades mais ou menos maravilhosas; a segunda série, narrações de um carácter anedótico; a terceira, lendas históricas e locais; a quarta, contos que explicam provérbios ou concluem com um provérbio ; a série quinta, fabulosa no sentido literário. Sob diversos pontos de vista, nada há que censurar em tal divisão de um carácter tão geral; desce-se aos casos particulares e surgem as dificuldades. Onde começa o conto, onde acaba a lenda? Onde começa o apólogo, onde acaba o conto de animais? Os limites são difíceis de traçar; o espírito do classificador deixa-se levar a ilusões às vezes curiosas. Um homem de fino tacto como Pitré pôde supor a existência de um fundo histórico ao seu n.° 192, e em consequência pô-lo na série das lendas; mas esse conto é uma versão muito próxima do conto de que Grimm nos oferece a forma alemã no número 16. Inbriani, na sua carta a Pitré, publicada por este no volume iv, reconhece na pretendida lenda o conto muito espalhado, sobre o qual cita um estudo de Köhler que não temos à mão. O episódio da erva vital, conteúdo da antiguidade na lenda de Glaucos e Polidos, da Idade Média no Lai d’Eliduc de Marie de France, no Novellino (vid. d’Ancona, Le fonti del Novellino, na Romania, ii), etc., encontra-se depois no Pentamerone e, em Pitré, n.° 11, etc. De Ancona não cita o conto de Grisman nem a lenda de Glaucos e o Lai de Marie de France ; Pitré, cujas notas comparativas se limitam em regra ao domínio italiano, não conheceu a forma da tradição no Novellino.

12Essas notas comparativas de Pitré são uma das partes por que a sua grande colecção mais nos interessa; formam elas uma valiosa contribuição para a novelística comparada. Pitré mostra que da maior parte dos contos que publica se acham versões na tradição popular das outras províncias da Itália, ou existem delas redacções literárias ou semiliterárias italianas. A literatura de cordel italiana, tão rica e tão interessante, figura muito nessas notas, e não raro se encontra nelas a menção de publicações inacessíveis fora da Itália. O colector não se preocupou com a ideia de achar as relações de dependência das versões literárias para com as versões populares ou vice-versa ; todavia há nesse campo matéria para estudos de muito interesse e importância. É verdade que a solução dessas questões só pode basear-se muitas vezes sobre um estudo muito completo das diversas versões de um conto, fornecidas pelos povos diversos; em todo o caso, Pitré parece-nos ter podido nalguns pontos sair da simples menção bibliográfica ou dos meros dados comparativos. Outra questão emergente poder-se-ia ter apresentado ao espírito: são as diversas versões de um conto baseado sobre um tipo italiano comum? Essa questão equivale a outra: introduziu-se na Itália cada conto por um só ponto, de modo que as diferentes versões que dele encontramos se desenvolvessem na Itália? É de conjecturar que para um certo número de contos fosse esse o caso, e achar-se-iam no estudo da questão elementos interessantes para a história da transmissão dos contos. Tencionamos em breve estudar alguns contos italianos sob esse ponto de vista.

13Indicando muito, era impossível todavia que Pitré indicasse tudo. A novelística de fundo tradicional é o ramo mais rico da literatura italiana, que tem um carácter naturalmente paródico ; nessa floresta de novelas é fácil escaparem algumas árvores a quem quer que busca reduzir os indivíduos à espécie. Nós mesmos, que pouco podemos estudar da novelística italiana, facilmente indicaríamos lacunas nas notas de Pitré, preenchidas até às vezes com obra que ele cita, mas escasseia-nos o espaço para essas indicações.

14Pitré põe com razão em relevo as relações dos contos sicilianos com os contos orientais. Sob este ponto de vista, no conto do papagaio (n.° 1), de que uma versão fora já publicada por E. Teza, no escrito La Tradicioni dé Sette savi nelle novelline magiare (Bolonha, 1804), condensada por Köhler (no Jahrbuch fur. rom. lit., viii, 260), é muito interessante, pois nós achamos nela uma versão da narração que serve de quadro ao Çukasaptati, cujas narrações particulares se sabia já terem pela maior passado para a Europa. Uma versão piemontesa, citada por Pitré (iv, 419), foi publicado por De Gubernatis Zoolog. Myth, ii, 3221, e Compareti dá-nos duas versões, uma de Pisa, outra de Monferrato, nas Novelline pop. ital. n.os 1 e 2. Os contos ou conto (nalgumas versões os episódios acham-se unidos num só conto), que narra o papagaio, não provêm do Çukasaptati ; Köhler na sua nota sobre a versão dada por Teza não lhes conhece paralelos; hoje o sábio mitógrafo por certo poderia indicar algumas versões não italianas; é impossível, por exemplo, negar as afinidades dos contos do papagaio com uma skazska resumida em Ralston, R. F. Tales, p. 283. O que parece particular à Itália entre os países europeus é a existência do quadro do Çukasaptati. É um dos numerosos factos que dão base à ideia de que a Itália foi um dos pontos de apoio na transmissão dos contos orientais para a Europa. Encontramos entre os contos sicilianos alguns dos nossos velhos conhecidos das Mil e Uma Noites, cuja existência na Europa é anterior à época da tradução de Galand, mesmo ainda à época em que se conjectura que a célebre colecção árabe seria redigida. Tal é, por exemplo, a versão do conto do Carcundinha no n.° 165 de Pitré: Frá Ghiniperu. A Pitré, e a Imbriani na aludida carta, escapou a novela i de Massucio, que tem o mesmo fundo. Esse conto singular em que o objecto cómico é um cadáver que forma o assunto no fabliau do Prêtre qu’on porte ou la Longue nuit, e a sua popularidade na Idade Média em França, é-nos atestada pelas suas numerosas redacções. Vid. Hist. lit. de la France, xxiii, 141 ; não menor é a sua popularidade ainda hoje em Portugal, onde temos coligido umas cinco versões, em parte decaídas no obsceno. É notável como a forma que o conto adquiriu na Europa se mantém com fixidez nas versões populares; o conto siciliano coincide muito proximamente com a versão portuguesa mais perfeita que colhi.

15Nada mais interessante do que prosseguir nestes paralelos entre os contos sicilianos e os contos populares das outras nações da Europa, entre esses contos e os contos orientais; os velhos fableaux franceses levam o português a insistir nos numerosos pontos de contacto com os contos populares portugueses; ver-se-ia um tipo que julgamos nosso, como o padre José Pedro, com a sua grande série de anedotas, achar-se reproduzido no Firrazzunu siciliano, que pode disputar ao Bocage da nossa tradição popular um bom número de anedotas; Ermelo, a Lourinhã e ouras terras de lorpa reputação parecer-nos-iam tansportadas para as proximidades do Etna ou do estreito de Messina ; as mouras encantadas, guardas dos tesouros escondidos deixados pelos sarracenos, encontrá-las-íamos em Casteltermini, Borgetto, Salaparuta e muitos lugares da Sicília; mas é curto o espaço que temos à nossa disposição, e além disso teremos ocasião de tocar numerosas vezes, em estudos posteriores, nas variadas questões que anunciamos e outras conexas, de um modo mais geral, ou mais especial, segundo as circunstâncias. Cumpria-nos dar a conhecer aos estudiosos portugueses a importante publicação de Giusepe Pitré, em que o encanto das narrações, muitas vezes extremamente belas, quase sempre interessantes, se alia à solidez e riqueza do material científico.

16Possam as empresas desta natureza, como os outros tão belos frutos científicos que a Itália nestes últimos anos tem oferecido à nossa admiração, ter uma significação mais que individual e ser o indício de um progresso nacional.

17Desgraçadamente, receamos bem que os esforços generosos dos sábios italianos só daqui a longo tempo possam produzir os grandes resultados nacionais a que miram. Cá e lá mais fadas há.

18(Porto, Junho, 1875.)

Notes

1 Originalmente publicada na Bibliografia Crítica de História e Literatura, 1875, vol. i, pp. 302-304.

2 Originalmente publicada na revista Cenáculo, 1875, vol. i, pp. 193-200.

3 Esses volumes tinham sido precedidos da publicação de alguns contos em diferentes periódicos ou em folheto especial pelo mesmo colector, a cuja benevolência devemos podê-los estudar. São em geral variantes dos contos da grande colecção.

4 No meu exemplar falta infelizmente a folha 11, pp. clxxiii-clxxx.

© Etnográfica Press, 1993

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search