Version classiqueVersion mobile

Obra etnográfica (I)

 | 
Adolfo Coelho

III. Tecnologias tradicionais

Alfaia Agrícola Portuguesa (Exposição da Tapada da Ajuda em 1898)1

Texte intégral

  • 1 Originalmente publicado na revista Portugalia, 1901, vol. i, pp. 633-649.

1No programa das festas do centenário da viagem de Vasco da Gama de Lisboa a Calecut (1498-1898), festas celebradas em Lisboa em Maio de 1898, havia indicadas exposições de etnografia portuguesa, de pescarias nacionais, de agricultura e pecuária, as duas últimas das quais deviam compreender uma parte etnográfica. Nenhuma dessas exposições se realizou, convergindo as atenções da comissão executiva do centenário para a construção de um aquário, que parece ter um destino tão infeliz como o Jardim Zoológico de Lisboa, e de uma feira franca que nada deu, apesar do que se anunciou, para o estudo da vida do povo português, além do que dão as vulgares feiras de Alcântara e Belém. Mas a Real Associação Central da Agricultura Portuguesa pensou em realizar uma exposição parcial, compreendendo apenas a alfaia agrícola, e redigiu o respectivo programa, cuja secção iv se inscrevia, sem nenhuma outra indicação – Revista da Alfaia Característica de Diferentes Regiões do País.

2Já porque aquela corporação dispunha apenas de limitadíssimos meios pecuniários, já porque só bastante tarde se tratou de organizar essa exposição, foram muito pouco numerosos os exemplares da alfaia agrícola regional a ela enviados e esses desacompanhados de indicações indispensáveis aos estudiosos, a que eles particularmente interessavam. A exposição inaugurou-se no dia 20 de Maio de 1898, na Tapada da Ajuda. Ali examinei aqueles exemplares, tendo sido auxiliado no seu estudo por um dos membros da comissão organizadora, Álvaro Coelho, que tirou as fotografias a fim de se fazerem as reproduções pela gravura, que acompanham esta notícia. Não foram reproduzidos todos os objectos, por causas várias. A digna direcção desta revista resolveu, para poupar espaço para o texto, que alguns exemplares não fossem representados por inteiro, o que se deu particularmente com respeito aos cabos de vários instrumentos. Parece-me todavia conveniente evitar no futuro esse processo, porque convém que os objectos que interessam à etnografia sejam figurados sem alteração de suas feições e porque demais, no caso especial de que se trata, têm valor regional as dimensões diversas dos cabos de enxadas, etc. Felizmente posso indicar as dimensões de quase todos esses exemplares, que foram medidos, como convém fazer-se neste género de investigações.

3Passo, sem considerações prévias, ao exame dos objectos que foram reproduzidos pela gravura, dos pontos de vista do uso, nomenclatura, correlações de forma, históricas e etnológicas ; farei depois algumas considerações gerais.

4Começarei pelos instrumentos da cultura do solo e dentre estes pelos que, dos figurados, têm maior antiguidade e mais extenso uso à superfície do globo.

5Enxada. – É bem conhecido o uso deste instrumento para que seja necessário indicá-lo. As gravuras 1 a 7 representam 7 tipos diversos.

6Fig. 1: enxada de peto (Bragança), cujo cabo é de 0,75 m de comprimento, de lâmina dupla, dirigindo-se cada ramo em sentido oposto para um e outro lado do olho ou alvado (a abertura em que entra o cabo); um dos ramos tem forma de machado e serve secundariamente para partir lenha; daí outro nome do instrumento: enxada de partir lenha.

7Fig. 2: enxada de picareta (Bragança), que diverge da precedente em que a parte do ferro correspondente ao machado daquela tem a forma de picareta, cujas funções usurpa; é com pouca diferença o que se chama alvião, a qual se nota sobretudo na parte mais alargada do ferro. O comprimento do cabo é 0,80 m.

8Fig. 3: enxada larga (Bragança), cujo cabo tem de comprimento 1 m.

9Figs. 4 a 6: enxadões (Évora), cujo cabo tem de comprimento 0,75m.

10Estas quatro últimas figuras representam formas muito mais generalizadas. O enxadão reproduzido na fig. 5 tem um curto prolongamento em direcção oposta à lâmina larga, com funções análogas, ao que parece, às da ponta em forma de picareta da fig. 2.

11Fig. 7: enxada de ganchos (Bragança), cujo cabo tem de comprimento 1 m.

  • 2 Fr. Diez, Etymol. Wörterbuch 13 5-6; W. Fõrster, in Gröbers Zeitschrift für romanische Philologie, (...)

12A palavra enxada reflecte uma forma latina hipotética asciata, derivada de ascia e tem como correspondente em espanhol antigo axada, no moderno azada ; o italiano conserva o primitivo na forma ascia, o provençal na forma aissa2; ao aumentativo português enxadão corresponde o espanhol azadon. A expressão enxada de peto parece tomada do espanhol azadon de peto, cuja definição corresponde aliás melhor ao alvião e à enxada da picareta n.° 2. A proximidade em que fica Bragança da fronteira explicaria facilmente a passagem da expressão. Em espanhol peto significa a parte oposta ao corte em vários instrumentos. Em português, peta, segundo Bento Pereira, é a machadinha do podão.

  • 3 Paládio, de re rustica, i, 43. Antony Rich, Dictionnaire des antiquités romaines et grecques, trad. (...)

13Em latim, à palavra ascia dava-se um sentido muito geral: designava diversos instrumentos que tinham de comum serem munidos de cabo pouco comprido, a que se adaptava um ferro com alvado e dois lados ou ramos desiguais: uma, pelo menos, cortante e levemente curvo, o outro mais curto, que terminava algumas vezes em ponta, outras tinha cabeça chata. Havia assim asciae para cortar, desbastar, aplanar a madeira, como o machado de carpinteiro, a enchó; os pedreiros tinham ascias para partir pedra, desbastá-la, poli-la, cortar a cal, misturar a argamassa. Paladio tala de uma ascia empregada pelos agricultores, que foi considerada como análoga à serfouette dos franceses, a nossa sachola de dois dentes ou simplesmente sachola, isto é, um instrumento que tem de um lado uma lâmina inteira de sacho, de outro uma lâmina fendida, formando dois dentes: «Secures simplices vel dolabratas, sarculos vel simplices vel bicornes, et ascias in aversa parte referentes rastros.»3

14Em Portugal há ainda outras formas de enxada, além das acima figuradas que convém reproduzir, se representam formas tradicionais nossas.

  • 4 Littré, Dict. de la langue française, s. v. houe.
  • 5 Diez, ob. cit., i, 5-6. Förster, ob. cit., iii, 264.

15O termo francês que corresponde ao nosso enxada pela significação é houe, inglês hoe, alemão Haue (antigo houwa): formas todas provenientes do radical do alemao hauen, cortar, e que significaram primeiramente machado, caso que se deu também, ao que parece, com ascia.4 Tem também o sentido de enxada o alemão Hacke, antigo alemão hacco, gancho, croque, anglo-saxão haccan, inglês hack cortar (a machado), de que, segundo Diez, viria o francês hache, espanhol hacha, português facha, acha, machado; mas Förster mostrou que o étimo desta série é um germânico hapja5.

16Dois termos que designam partes da enxada – o cabo e o alvado (que significa também qualquer outra abertura num instrumento a que se adapta o cabo) são: o primeiro de origem certamente latina: capulum (antigo português caboo) ; o segundo de origem provavelmente latina; alveatus, que em Catão de re rustica 43,1 significa «cavado em forma de canal», e deriva de alveus, alveo.

17É-me desconhecida a origem do espanhol peto, português peta, no sentido indicado. Os dicionários espanhóis em geral identificam peto nesse sentido com peto, peitilho (do latim pectus).

  • 6 Thurneysen, Keltoromanisches, Halle, 1884, pp. 72-73.

18A palavra picareta è um derivado de picar, análogo a beberete de beber, extenderete de extender, voltarete de voltar (há também a forma picarete); correspondem-lhe pelo sentido e radical o espanhol pico, o francês pic, italiano piccone, em que Diez e Littré supuseram haver uma base céltica: mas Rudolf Thurneysen olha como verosímil que as palavras dos dialectos neocélticos que serviram de base a essa suposição tenham passado para eles dos românicos, cujos termos respectivos se ligariam ao latino picus, o picanço.6

  • 7 Veja-se uma figura da tournée por ex. em Dictionnaire général des Sciences de Privat-Deschanel et A (...)

19O instrumento de agricultura francês chamado tournée corresponde bem pela forma e uso à enxada de picareta de Bragança.7

20Os nossos lexicólogos dão ainda como sinónimos de picareta o derivado da mesma raiz pic, picadeira, e a palavra alfece, de origem árabe (al fe’s, alvião).

21O latim securis, de que proveio o nosso termo segure, machado, parece ter designado também uma espécie de alvião.

  • 8 Daremberg et Saglio, ob. cit., s. v. bidens.

22A enxada de ganchos n.° 7 lembra o bidens dos autores romanos, que Saglio define: nome geral de um instrumento de dois dentes e mais particularmente do raster bidens, enxada de dois dentes de forcado (houe à deux fourchons), grego δίχελλα e σμίνύη, para calcar e cavar o chão, quebrar os torrões que a charrua levantou ou juntar a terra em volta das estacas de árvores, bacelos, etc.8 O hoyau dos franceses é instrumento análogo.

23Virgílio fala do bidens:

  • 9 Virgílio, Georg., ii, 397-401 (ed. Ladewig).

Est enim ille labor curandis vitibus alter,
Cui numquam exhausti satis est : namque omne quot annis
Terque quaterque solum scindendum glaebaque versis
Aeternum frangenda bidentibus, omne levandum
Fronde nemus.
9

  • 10 Idem, Ibid., ii, 354-6.

Seminibus positis, superest diducere terram
Saepius ad capita, et duros jactare bidentis ;
Aut presso exercere solum sub vomere...
10

  • 11 Cat., de re rust., 10-3.

24O bidens era, como se disse, uma variedade do rastrum, instrumento que tem dado lugar a diversas suposições, sendo traduzido de modos variados dos textos em que se encontra. Catão menciona: «rastros quadridentes duo»11 e não consta que os houvesse de mais dentes. Virgílio indica o seu uso para quebrar os torrões e atribui-lhe grande peso:

  • 12 Virgílio, Georg., i, 94-5.
  • 13 Id., Ibid., v. 164.

Multum adeo, rastris glaebas qui frangit inertis
Vimineasque trahit crates, iuvat arva...12
... et iniquo pondere rastri13.

  • 14 Etimologicamente, rãteau vem de lat. rastellum, dem. de raster.
  • 15 Félix Pereira, As Georgicas de Virgílio, Lisboa, 1875, nota a p. 6.

25Os tradutores portugueses das Georgicas propendem para dar à palavra o sentido de ancinho, o que fazem também tradutores franceses, interpretando pelo termo rãteau14. Nos sete passos em que raster ocorre na obra do poeta latino, Castilho pôs duas vezes «ensinho», duas rastro, dois enxadão e uma vez não traduziu. João Félix Pereira, que era latinista, agrónomo e agricultor, mas falho de crítica, pensou que o raster era grade, fundamentando-se no peso que lhe atribui Virgílio; mas não atendeu aos lugares dos outros escritores romanos de que resulta que o bidens era variedade do raster e que este podia ser quadridens15. No passo de Paládio, acima citado, fala-se de ascias que na parte oposta (a lâmina usual da enxada ou sacho) têm rastros, isto é, uma parte dividida em pontas, o que fez identificar, como vimos, essas ascias com a serfouette dos franceses, a nossa sachola, não sendo, pois, tais rastros confundíveis com a crates, nem ainda com o ancinho, de que aliás se aproximava o raster quadridens.

26Os rastros bidentes representados no Dict. de Cagnat, s. vv. bidens e rastrum, são mais semelhantes à nossa enxada de ganchos que os bidens das figuras n.os 854 e 855 do Dict. de Daremberg e Saglio, que dizem que o bidens tinha pontas agudas ou cortantes; o bidens do Dict. de Smith é semelhante ao de Cagnat, mas deriva da mesma figura de um monumento, dada por Fabretti, que a n.° 854 de Daremberg e Saglio.

27Não temos enxada que se designe pelo termo bidente, na linguagem do povo, se não me engano.

  • 16 «Occa, rastrum». Gloss. apud Freund-Theil, Dict. lat.-francês.
  • 17 P. Vegec., Ars veterinaria, i, 56.
  • 18 Plínio, Hist. nat., xviii, 20 (3), ed. Janus.

28Não deve deixar de mencionar-se que no período pós-clássico aparece o termo occa na qualidade de sinónimo de raster16 e que P. Vegecio diz: «Crates, quae occa vocatur a vulgo»17; mas o termo occatio, que designa a operação de quebrar os torrões depois da arada, ocorre já em Cícero e Plínio diz: «Aratione per traversum iterata occatio sequitur, ubi res poscit, crate vel rastro...»18 A occatio fazia-se, pois, com um de dois instrumentos diferentes, a crates ou o raster, e daí viria que um e outro se chamassem occa (porventura em lugares diversos). Os termos occa, occatio não se reproduzem nas línguas românicas.

  • 19 Vid. a figura no Dict. de Cagnat, s. v.

29O ligo dos Romanos era outro instrumento um tanto análogo ao rastro; definem-no «enxadão com dois dentes curvos e cabo comprido, para abrir a terra, revolvê-la, arrancar as raízes»19. Horácio alude a ele de modo que parece indicar o seu manejo como prova de força viril:

  • 20 Horat., Odes, iii, 6, 37-39, ed. Nauck.

Sed rusticorum mascula militum
Proles, Sabellis docta ligonibus
Versare glaebas...20

30Columela menciona o ligo conjuntamente com outro instrumento chamado marra, palavra em que aliás se quis ver apenas um sinónimo de ligo, posterior a Augusto:

  • 21 Colum., de re rust., x, 88-89.

Mox bene cum glaebis vivacem cespitis herbam
Contundat marrae vel fracti dente ligonis.21

  • 22 Plínio, Hist. nat., xvii, 21 (35).
  • 23 Id., Ibid., ix, 15 (17).

31Mas desse lugar conclui-se mais facilmente que a marra e o ligo, conquanto de uso análogo, divergiam na forma. Como o adjectivo fracti se refere a ligonis, parece que o autor teve intenção de distinguir por essa particularidade este instrumento da marra. Temos em português o termo marra e os seus derivados marrão e marreta, para designar uma espécie de martelo sem orelhas, ou pequeno malho, empregado pelos pedreiros para quebrar pedra, derruir paredes, etc., pelos ferreiros para malhar ferro. No espanhol a palavra tem a mesma significação que em português; mas alguns dicionários atribuem-lhe ainda a de «sacho de monda»; será esta uma mera interpretação do sentido latino da palavra? Em francês marre e em italiano marra significam uma espécie de pá larga e curva de cavar, e nalgumas partes da França marre designa também uma espécie de enxada dos vinhateiros. Plínio, falando dos trabalhos da vinha, diz: «Solum apricum et quam amplissimum in seminário sive in vinea bidente pastinari debet ternos pedes bipalio alto, marra reici quaternum pedum fermento, ita ut in pedes binos fossa procedat.»22 O mesmo autor dá o nome de marra a uma espécie de fisga para pescar o siluro: «(Silurus) in Moeno Germaniae amne protelis boum et in Danuvio marris extrahitur porculo marino simillimus.»23 Esses dados são mais a favor da suposição de que a marra dos Romanos não era um instrumento dentado do que da suposição da identidade da mesma com o ligo, termo que não se reflecte nas línguas românicas.

  • 24 Plínio, Hist. nat., xix, 6 (33).
  • 25 Columella, de re rústica, ii, 11.
  • 26 Plínio, ibid., xviii, 19 (49).
  • 27 Rich., Dict., traz figura de um sarculum.

32O sarculum latino, a que corresponde etimologicamente o nosso termo sacho, designava o mesmo instrumento que essa palavra portuguesa, o qual servia aos Romanos para os mesmos usos, como provam numerosos passos dos escritores; por ex., Plínio diz: «nunc sarculo leviter convelluntur radices»24; e Columella : «Peracta sementi, sequens cura est sarritionis ; de qua non convenit inter auctores. Quidam negant eam quidquam proficere, quod frumenti radices sarculo detegantur, aliquae etiam succidantur, etc.»25 Nas regiões montanhosas o sacho substituía o arado: «certe sine hoc animali (bove) montanae gentes sarculis arant».26 O sacho tinha naturalmente entre os Romanos formas e tamanhos diversos.27 Os gregos chamavam-no αχαλίς ou σχαλιστήριον.

33O capreolus era uma variedade do sarculum, um sacho de duas pontas pequenas (daí o nome). Esse termo não se encontra no vocabulário românico.

  • 28 Daremberg et Saglio, Dict. s. v. ascia, figs. 561 e 562, reproduzem monumentos em que figuram enxós
  • 29 Colum., ibid., ii, 24, x, 2. Daremberg et Saglio, Dict., t. ii, p. 329, que trazem figuras dos inst (...)

34Da palavra latina ascia tirou-se, no latim vulgar da península, ao que parece, um diminutivo asciola, representado pelo português enxó (como ficariola por Figueiró, Ecclesiola por Grijó, etc.) e em espanhol azuela: esse instrumento não aratório era designado em latim, como se vê da definição de ascia dada acima, por este primitivo.28 Os Franceses designam a enxó do tanoeiro pela palavra doloire, a do carpinteiro por erminette. O primeiro termo doloire deriva, como indica Littré, de latim hyp. dolatoria, de cujo tema dola vem o documentado dolabra, que significava ao mesmo tempo machado e martelo ou picareta, formado de um cabo comprido, que entrava no alvado do ferro de dois ramos, sendo um uma lâmina cortante, formando o outro ponta curva. Servia aos lenheiros e cultivadores para cortar e mondar árvores, aos mineiros, cavadores, etc. Havia um diminutivo dolabella.29 Esses termos não se acham representados em português.

35Seria erróneo concluir da origem da palavra enxada, assim como do nome de qualquer objecto em geral, para a origem do objecto mesmo, sem mais averiguações. Nem sequer a coincidência de forma do objecto e do nome autoriza a fazer tal conclusão. A agricultura existia na península desde longos séculos quando os Romanos a conquistaram. Ao sul, sob a influência hamito-semítica e helénica, estava – temos fundamentos para o crer – notavelmente adiantada antes dessa conquista. Ora a enxada é o instrumento por excelência da cultura, o mais antigo, se abstrairmos do simples pau de cavar, e o mais espalhado.

  • 30 Vid. especialmente sobre este ponto Eduard Hahn, Die Hausthiere und ihre Beziehung zur Wirthschaft (...)

36É bem sabido que há povos que não agricultam: povos caçadores ou pescadores, povos pastores. O dogma de que eles representam estádios forçados de evolução, que portanto todos os ramos da humanidade percorreram, começando pelo estádio da caça, para chegar ao estádio da cultura da terra e da sedentariedade, está hoje bastante abalado30 ; se não sempre, pelo menos em geral o pastoreio deve ter-se ramificado da agricultura e até povos que, como os esquimós, vemos na vida piscatória exclusiva, fazem supor uma fase diversa anterior.

  • 31 Friedrich Ratzel, Völkerkunde, Leipzig, 1887-88, 1, 63.
  • 32 Idem, ibid., ii, 47.
  • 33 Idem, ibid., ii, 56-57. «É tudo», diz o autor citado, isto é, nada mais se descobriu de uma agricul (...)
  • 34 Mouhot, Voyage dans les royaumes de Siam, de Cambodja, etc., in Le Tour du Monde, t. viii, p. 285.
  • 35 Ratzel, ob. cit., ii, 416.
  • 36 Idem, ibid., ii, 606.
  • 37 Idem, ibid.
  • 38 Ratzel, ob. cit., ii, 604.

37Nalguns grupos humanos a agricultura é tão rudimentar ainda hoje que nos está indicando os primeiros passos da marcha seguida desde o início. O bosquímano31, que ainda não é agricultor, usa, para cavar no chão, a fim de arrancar raízes ou fazer de lá sair animais ou ainda para armar ratoeiras, de um pau aguçado de um lado, que a certa altura atravessa uma pedra arredondada, furada ao meio, que tem por fim dar mais força à pancada. Na Austrália as mulheres servem-se de um pau aguçado e endurecido ao fogo para cavarem as raízes.32 Na sua viagem nessa mesma parte do mundo, de Gantheaumebai a Hutt River, encontrou Grey um território de mais de três milhas inglesas de largura com uma plantação exclusiva de dioscoreia, literalmente coberto de buracos em que se tinham metido as sementes.33 Os selvagens «stieng» da Indochina têm como único instrumento de cavar dois bambus, com que abrem buracos no chão, entre outros dois bambus dispostos neste paralelamente para servirem de guia, na falta de sulcos; esses buracos têm de fundo polegada a polegada e meia e neles se lança a semente do arroz.34 Ratzel traz uma figura do pau de cavar dos igorrotes de Luzon.35 Os índios digger (América) usavam um pau de cavar que atravessava uma pedra furada, como o dos bosquímanos.36 O simples pau, esse instrumento oferecido imediatamente pela natureza, bastou a outros grupos americanos para início da cultura.37 Mas há vestígios de um estádio ainda mais baixo da cultura da terra entre os índios do vale de Coiote, na Califórnia, onde as mulheres, sem se auxiliarem sequer do pau de cavar, gastavam 15 minutos a abrir cada buraco para a semente.38

  • 39 Oscar Peschel, Völkerkunde, pp. 417 e seg. Segundo Alph. de Candolle, Origine des plantes cultivées(...)
  • 40 Daniel Brinton, The American Race, Nova Iorque, 1891, p. 50.
  • 41 Ratzel, ob. cit., ii, 6, 57.

38A América ministra-nos provas da falta de fundamento com que muitas vezes se tem traçado linha divisória entre o estádio caçador e o estádio agrícola, entre povos caçadores e pescadores e povos agricultores; Peschel, por exemplo, na sua obra, tornada justamente clássica, sobre etnografia, insiste demasiado nessa distinção relativamente aos indígenas daquele continente.39 Os Americanos, diz-nos uma autoridade especial no assunto, inclinaram-se à agricultura em quase todas as regiões em que ela era proveitosa. O milho foi cultivado, tanto ao norte como ao sul, na extensão geográfica da sua cultura; a fava, a abóbora, a batata foram amiudadamente plantadas nas latitudes convenientes; a banana foi rapidamente aceita depois da sua introdução, até por tribos que nunca tinham visto um homem branco; o algodão para o vestuário e o tabaco como artigo de luxo eram objecto fixo de colheitas em grupos muito diversos. Os Iroqueses, os Algonquinos e Muscoquis da costa do Atlântico cavavam largos campos e estavam sob a dependência das suas ceifas para as provisões de Inverno. A diferença entre eles e os mexicanos sedentários, a este respeito, não era tão larga como se representou.40 Todavia ainda Ratzel41 afirma que entre os índios do noroeste a agricultura não foi primitivamente conhecida, que Durnn é o primeiro a dar notícia (em 1844) de que às casas dos haidah está junto usualmente um campo de batatas e que mais recentemente Krause fez uma observação semelhante a respeito dos tlinkit, e acrescenta que em ambos os casos parece tratar-se de uma cultura pouco considerável.

  • 42 Ratzel, ibid., ii, 606.
  • 43 Idem, ibid., iii, 672.

39É certo que o homem americano não se elevou acima de uma fase bastante rudimentar da alfaia agrícola, mas que é muito interessante para o estudo da evolução desta. Ao simples pau de cavar, segue no uso uma vara que se cortou de modo que numa extremidade fica um resto de ramo, formando ângulo, se a vara simples não é curvada numa extremidade em ângulo mais ou menos recto: obtinha-se assim uma espécie de enxada de pau com que se revolvia a terra a pequena profundidade e em pequena massa. Um passo mais adiante, fizeram-se enxadas, atando a um pau uma omoplata de cabrito, um pedaço de casca de tartaruga, uma costela de peixe. Rau descreveu instrumentos agrícolas da América do Norte, feitos de uma grande pedra de sílex, como as pontas de flecha e lança das mesmas estações. Uma lâmina de sílex de 1/3 de metro de comprido e 1/7 de metro de largura, de bom trabalho e forma oval, servia de pá e outros pedaços de pedra, de trabalho semelhante, com um corte transverso de um lado, empregavam-se como enxadas. Por mais variado, observa Ratzel, que fosse o apertado tema do pau de cavar, da enxada de madeira, osso ou pedra, ficava sempre um instrumento pouco eficaz.42 Os povos cultos do Peru e México não foram muito além dessas condições do trabalho agrícola: faziam uso de um pau afiado e endurecido ao fogo ou, mais raro, com ponta reforçada de cobre; de uma espécie de pá de carvalho, que servia trabalhando-se com os pés e mãos; da chamada cobra (coatl ou Coá), uma fraca enxada de cobre com cabo de pau, comparável a um instrumento análogo dos africanos, a que se refere Ratzel no col. i, pp. 59 e 199 da obra citada, e de uma espécie de foice, a que aludirei em seu lugar.43 A América pré-colombina foi estranha ao arado.

  • 44 Idem, ibid., i, 203.

40O instrumento aratório por excelência dos negros de África é a enxada; eles ficaram até hoje essencialmente desconhecedores do arado. Segundo Barth, este último instrumento deixa de ser empregado ao sul de Agades e já os Galas ao sul da Abissínia não fazem uso dele, que deve ser considerado portanto como originalmente estranho ao negro de África. «Mas, acrescenta Ratzel, de cuja Etnografia, extraio essa observação, concluir-se-ia falsamente de tal facto a inferioridade do negro como lavrador. Muitos negros cultivam as suas terras sem arado melhor que os abexins com esse instrumento. A lavoura regular, de grande estilo, portanto com o arado, encontra muitas vezes nos países tropicais, por causa da opulência da vegetação, obstáculos difíceis, a cuja remoção não impele nenhuma necessidade. As famílias tiram do solo suficientes provisões, contentando-se com cavá-lo à enxada.»44

  • 45 H. A. Dias de Carvalho, Etnografia e Hist. Tradicional dos Povos da Lunda, Lisboa, 1890, pp. 311-31 (...)

41No Museu Etnográfico da Sociedade de Geografia de Lisboa há vários exemplares de enxadas africanas. Infelizmente faltam relativamente a eles, como a muitos outros das numerosas colecções ali reunidas, indicações de proveniência e outras indispensáveis para o seu estudo; falta um catálogo para guiar o estudioso, o qual de cada vez se torna mais difícil fazer. As lâminas de ferro dessas enxadas africanas variam de forma, havendo-as com o bordo anterior recto ou curvo, em ponta, ovais, etc. Em regra a enxada do negro africano carece de alvado, fixando-se no cabo por meio de um espigão inteiriço com a lâmina. Típica e muito generalizada é a enxada de cabo duplo, em forma de V, o qual se obtém cortando um pedaço de tronco de árvore ou de arbusto com dois ramos dirigidos do modo indicado, e fixando na parte mais grossa que os liga e que para isso se furou e muitas vezes endureceu ao fogo, o espigão do ferro. Machados que servem de armas são sempre empregados também nas cavas.45 Empregam-se em várias partes da África negra, e ainda fora dela, lâminas de enxadas, fora de uso, como moeda.

  • 46 Id., ibid., ii, 417.

42Os povos insulares do Pacífico têm, em grande parte, apenas instrumentos de cavar muito rudimentares até à enxada em pleno uso entre os malaios. Referir-me-ei a alguns desses instrumentos quando falar do arado. Os malaios de Singapura usam enxada de lâmina arqueada com alvado, ou de forma de machado atado ao cabo, ou com um espigão que entra no cabo, três tipos diversos na evolução do instrumento.46 Uma arma que, entre outros nomes, tem o de mandau e serve para cortar mato e erva, a enxada de lâmina de ferro atada com tendões cruzados a um pau duro são os instrumentos de cultura mais frequentes no arquipélago malaio. Falarei mais abaixo de algumas formas de arado que já ali aparecem.

  • 47 Vierkandt, in Globus, Bd. lxix, 1896, n.° 10.

43Pode dizer-se que a enxada triunfa na cultura intensiva, hortícola, dos mongolóides do Japão e da China, que aliás também possuem o arado. Como Eduard Hahn pôs em relevo na obra citada, o oriental, pelo desenvolvimento da irrigação artificial combinada com essa cultura intensiva, está acima do agricultor europeu, não só pelo mais completo aproveitamento do solo, mas principalmente por ter-se emancipado dos caprichos do tempo. O europeu adiantado representa aqui os baixos graus de cultura com a sentença que provoca muitas vezes à indolência: «Tude depende da graça de Deus» («Deus super omnia», diz o Borda-d’água, tão estimado do nosso povo). Vierkandt objecta a Hahn que os povos orientais semicultos puseram o ponto de gravitação do seu desenvolvimento no lado económico (agrícola) e pagaram caro aquela vantagem com a sua imobilidade espiritual.47 Devem ler-se em Hahn as importantes observações sobre o valor social da horticultura, da cultura à enxada, e ver-se-á como o modesto instrumento de que me estou ocupando sugere ponderosas observações.

44Os habitantes das estações lacustres cultivavam à enxada o milho miúdo. Uma época do milho miúdo precedeu a do trigo. Ainda hoje, segundo Hahn, a cultura desse cereal (Panicum miliaceum, L.) se estende num domínio imenso, além do domínio actual da cultura do trigo (p. ex. entre os Ainos e na Formosa).

45Os povos hamito-semitas e indo-europeus, os povos por excelência do arado, começaram muito provavelmente também pela enxada, de que, como já vimos, faziam uso os Romanos, e de que faziam uso os Gregos.

  • 48 Federico Hottenroth, Historia del Traje, Barcelona, 1893, t. i, lam. vii, fig. 22, lam. xiv, figs. (...)

46Acharam-se antigas enxadas egípcias e babilónicas.48

47A falta de um nome comum da enxada nas línguas indo-europeias não prova contra a grande antiguidade que se deve atribuir a esse instrumento : basta lembrar que nas línguas românicas ele tem nomes muito diversos, apesar de estar em vulgaríssimo uso no Império Romano. Notou-se no sânscrito védico a palavra vrka, arado, e comparou-se com ela o grego evXáxa (por * e-vlaca), forma que se supõe lacónia e ocorre uma vez só, num oráculo transmitido por Tucídides, e com o mesmo sentido de arado; consideram-se essas formas como derivadas de uma raiz vark, que significaria rasgar ; concluiu-se que os indo-europeus possuíam antes da sua separação um instrumento de lavoura, sem se afirmar que fosse o arado.

48A enxada é do número desses instrumentos que segundo todas as probabilidades foram inventados separadamente por diversos grupos humanos, e para os quais só pode admitir-se origem étnica comum quando haja tais correspondências de forma e de emprego que a mera coincidência se torne inaceitável.

49É muito de supor que influências estranhas determinassem modificações nas formas da enxada dos habitantes pré-romanos da região que veio a constituir Portugal, mas os factos que conheço não permitem conclusão segura sobre o assunto. A palavra mesma prova só, como a maior parte dos termos do nosso vocabulário, que o latim penetrou fundamente nas populações dessa região, fazendo-lhes esquecer até nomes dos objectos de uso mais vulgar entre eles, antes de o nome de Roma ter ecoado pelas suas montanhas.

50Fica acima mencionada a pá de cavar entre os instrumentos de agricultura dos indígenas da América. Não havia nenhum exemplar desse instrumento entre os objectos aqui reproduzidos pela gravura; farei por isso apenas algumas observações rápidas sobre ele.

51A pá de cavar é, como a enxada, uma combinação da cunha e da alavanca; mas enquanto a segunda actua por percussão, em virtude do movimento que se lhe imprime, fazendo que o ferro descreva uma curva, a pá actua pela pressão, que o trabalhador exerce com o seu corpo pondo um pé no bordo superior da lâmina; enquanto a enxada quebra e desloca a terra, sem a voltar perfeitamente, a pá entra na terra e, empregando-se o seu cabo como alavanca, levanta-a, revolvendo-a por completo, e lança-a adiante no espaço aberto pelo corte anterior. O trabalhador que se serve da enxada vai deixando atrás de si a terra que cava, ao contrário do que se serve da pá, pois este recua, tendo ante si o chão cavado.

  • 49 Plínio, Hist. nat., xviii, 6 (8), ed. Janus.
  • 50 Tit. Liv., iii, 26, ed. Weissenborn.
  • 51 Daremberg et Saglio, ob. cit., i, 711, fig. 859, que se encontra também em Smith, Dict. of Greck an (...)
  • 52 Paládio, de re rust., i, 43, 3.

52Os Romanos faziam uso da pá de cavar, que chamavam pala, palavra que é o «etymon» da nossa pá. Plínio diz: «iuncosus ager verti pala debet, aut in saxoso bidentibus».49 Tito Lívio pinta-nos Cincinato, quando lhe vão oferecer a toga «fossam fodiens palae innixus».50 Havia uma forma particular da pala chamada bipalium, mencionada por Catão, Varrão, etc. Segundo Saglio era «uma pá munida de uma barra transversal (no cabo) um pouco acima do ferro, em que se punha o pé, em vez de o pôr sobre o ferro mesmo, como se faz ordinariamente cavando a terra»; e no seu Dict. traz uma figura representando o instrumento descrito.51 Segundo Smith, o bipalium é ainda hoje usado na Itália, com o nome de vanga, palavra que ocorre já em Paládio.52 N. Theil, na sua tradução do Dict. latino de Freund pretendeu que o bipalium era outro instrumento que, com o nome de palo-beço, se usa ainda no Sul da França, segundo ele, e define-o: pá de dois ramos, sem lâmina. Creio que esse autor tomou o bidens pelo bipalium, que figura no mesmo monumento reproduzido por Saglio e Smith de Fabretti, ao lado de outro que é inegavelmente uma pá, com a barra acima descrita. Tenho ante os olhos uma figura de uma pá de cavar, pá fendida ou com forma de forcado, a que convém a definição de Theil, e que se usa no Auvergne, com o nome de bìdent.

53Arado e charrua. – A fig. 8 representa um arado de Bragança, inclinado sobre um dos lados, para melhor se verem as peças ou órgãos de que se compõe. Pela imaginação colocará facilmente o leitor no seu lugar a parte que se figura cortada e separada acima do corpo do arado. Não conheço a nomenclatura deste instrumento usada em Bragança; mas é de crer que não divirja muito da que vou indicar e que é bastante geral no país, com pequenas variantes.

  • 53 Fr. João Pacheco, Divertimento Erudito, Lisboa, 1738, t. ii, pp. 210 e 213.

54A peça curva que termina na parte súpero-posterior num manipulo (punho) de abertura rectangular e na extremidade inferior serve de base a uma peça convexa (de ferro) que termina em ponta, é a rabiça, que serve para dirigir o instrumento ; a peça de ferro é a relha, ferrão ou simplesmente ferro. Noutros tipos de arado em vez dessa peça inteira, a rabiça, há duas ou três ligadas: uma inferior, que se chama dente ou coice e em que assenta a relha, outra que é propriamente a rabiça, e termina por vezes numa parte distinta súpero-posterior, ou punho, que se chama rabelo. Também em casos em que o arado tem, em vez de rabiça inteira, duas peças, tenho ouvido chamar à inferior rabiça e à superior, compreendendo mais do que o punho, rabelo, e ao ferro é que se dá então o nome de dente. De cada lado da parte inferior da rabiça (ou do dente, quando este é a parte em que se fixa a relha) há uma peça um tanto curva, que se levanta um pouco para trás: as duas peças, que são usualmente dois paus adaptados ao fim, chamam-se aivecas e têm por fim sustentar e deitar de lado a leiva levantada pela relha. Fr. João Pacheco traz mais duas formas do termo: aivacas e avecas.53

55As aivecas são conservadas a distância fixa da rabiça (ou dente) por uma travessa metida num furo aberto naquela travessa, que se chama mexilho e é usualmente de madeira, no arado tradicional, segundo a minha observação. Acima do mexilho há um furo mais largo em que entra a extremidade posterior do órgão mais comprido do arado, o qual acima se figura cortado e a que se jungem os animais de tiro: esse órgão chama-se apo (o povo diz também aipo no mesmo sentido); mas tenho ouvido chamar-lhe também temão, no arado simples. Do dente ou parte inferior da rabiça ao apo vai uma travessa que, no exemplar figurado, tem uma série de furos: é a teiró e serve para fazer variar o ângulo do apo com o dente ou rabiça, com o auxílio de uma cravelha, fazendo as funções de regulador. Noutro tipo de arado tradicional, que tenho visto no termo de Lisboa, etc., o apo (temão) em vez de atravessar com a sua extremidade posterior a rabiça, encosta-se simplesmente a esta ou a um chanfro praticado nela, contra que se fixa com uma cunha que atravessa a rabiça e se chama tempera ; a teiró não tem furos; o corte interior do apo que ela atravessa tem a largura necessária para entrar nele uma outra cunha chamada pescaz, com que se fixa o apo contra a teiró na altura conveniente. A tempera chama-se também pescaz nalgumas partes.

56A fig. 9 representa um labrego (de Tomar), que é uma charrua ou arado com rodado (jogo dianteiro). Esse tipo, com variantes, é muito usado na Estremadura e tem geralmente o mesmo nome, alterado por vezes em lamego ou lavego. A aiveca, à esquerda do guia, é formada por uma tábua. O apo, a que se prende o jogo dianteiro, e que neste caso nunca se chama temão, forma um ângulo, e insere-se nele uma espécie de faca que desce ao nível da ponta da relha, a qual se chama sega e serve para ir cortando a terra verticalmente, separando da parte do campo não lavrada a leiva que, cortada pela relha inferiormente, é levantada por esta. Numa variante do termo de Lisboa, o rodado tem rodas cheias, de madeira, como as de muitos carros rústicos, de que falarei mais abaixo; em vez de rabiça há duas barras de ferro ou madeira, inclinadas para trás, que vão do dente ao apo, subindo acima dele, mais afastadas em cima do que em baixo, sendo mantidas nessa disposição por duas travessas horizontais: essa barra chama-se pegas ou orelhas, e servem, como a rabiça, para dirigir o instrumento. Do rodado parte (fig. 9) o temão (timão ou tomão), o cabeçalho a que se jungem os bois.

  • 54 Diez, ob. cit., 13, 28-29. G. Körting, Lateinisch-romanisches Wõrterbuch, Paderborn, 1891, n.° 673. (...)
  • 55 Vid. Diez, l. c., G. Körting, l. c., o reto-romano adoptou o termo alemão Pflug.

57A palavra arado vem do latim aratrum, que designava exactamente o mesmo instrumento. O grupo tr mudou-se em dr, em que o r foi suprimido por influência do r anterior (comparem-se frade de fratrem, rodo de rutrum). É esse termo que, modificado foneticamente, significa o instrumento nas outras línguas românicas: espanhol arado, catalão arada, valenciano aladre, provençal araire, antigo francês arère, italiano arátro, arátolo, valáchio meridional aratru, aratu ; mas o termo hoje usado exclusivamente em francês é charrue, cujo mais antigo exemplo, em texto dessa língua, para designar o instrumento aratório, é, segundo o Dict. de Littré, do século xii. Em latim carruca, que é o étimo do francês charrue, designava uma certa carruagem de luxo, e derivava de carrus, de que me ocuparei mais abaixo. Diez cita um documento da colecção de Bréquigny, do ano 700, em que a palavra carruca designa ainda uma carruagem, mas lembra que nas leis bárbaras (p. ex. na L. salica) vem já no sentido de aratrum54. Como em português cantes de a não se muda em ch, e c medial não é sincopado, enquanto esses fenómenos são normais em francês, é evidente que o nosso termo charrua vem do francês charrue, e serviu-nos para designar o arado com jogo dianteiro, enquanto o velho termo ficou designando o instrumento simples, sem rodas. Ignoro em que época a palavra foi introduzida na nossa língua. Nas línguas românicas há ainda alguns outros termos raros.55 Os termos que designam os diversos órgãos do arado divergem em geral muito do latim para o português: assim como para as outras línguas românicas e destas para o português.

58Os principais termos latinos relativos ao arado (aratrum significava tanto o arado simples, como o arado com rodas, a que chamamos charrua) encontram-se num passo de Virgílio (Georg., i, 160-3; 169-75), que tem dado bastante que fazer aos intérpretes:

Dicendum et, quae sint duris agrestibus arma,
Quis sine nec potuere seri nec surgere messes:
Vomis et inflexi primum grave robur aratri...
...............................................
Continuo in silvis magna vi flexa domatur
In burim et curvi formam accipit ulmus aratri.
Huic a stirpe pedes temo portentus in octo,
Binae aures, dúplice aptantur dentalia dorso.
Caeditur et tilia ante iugo levis altaque fagus,

Stivaque, quae currus a tergo torqueat imos,
Et suspensa focis explorat robora fumus.

59Castilho traduziu esses versos do seguinte modo:

Cabe agora ementar qual seja a ferramenta
que aos rústicos granjeia o pão que os alimenta:
o primeiro lugar pertence ao curvo arado
co’o seu rompente ferro e o seu temão pesado.
...............................................
Na mata logo e já, olmo à força dobrado
finja, até à rabiça, um tortuoso arado.
Oito pés ao temão desde a raiz estende;

d’aivecas põe-lhe um par, e seus dentais lhe prende
de dúplice espinhaço. A canga há-de ser leve:
para isso antecipada a til cortar-se deve,
ou a faia alterosa, igualmente prestante
para a esteva que rege a máquina rodante,
como o leme ao baixel. Mas estes paus primeiro

impendam sobre o lar, endurem-se ao fumeiro.

60O tradutor português não venceu todas as dificuldades que o metro e o sentido ofereciam. Traduziu vomis por ferro, o que é exacto, pois, como já disse ferro é sinónimo de relha; no quarto verso transcrito introduziu-se o temão, que não está no lugar correspondente de Virgílio. A palavra buris quer dizer apo : os versos 169 e 170 do original querem dizer:

  • 56 Daremberg et Saglio, ob. cit., t. i, fig. 434.
  • 57 Basile Vereschaguine, Voyage dans les provinces du Caucase, in Le Tour du monde, t. xix, p. 330.

61«Na mata, enquanto novo dobre-se o olmo para fazer dele um apo, dando-se-lhe a forma do curvo arado.» O apo representa aqui para Virgílio o órgão fundamental na construção do arado; a convexidade ficava voltada para trás; um dos lados da peça descia a fixar-se nos dentais (dente) e o outro corria acima para nele se articular o temão, ou antes o rodado (eixo e rodas) de que parte o temão. Tenho visto representados vários arados em que a forma do apo lembra mais ou menos a do de Virgílio. Nas moedas da antiga Obulco (Espanha) vê-se representado um arado56, cujo apo arqueado assenta posteriormente no dental, que se estende para trás formando a rabiça; ao braço superior do apo, que se estende quase horizontalmente, adaptou-se o temão por meio de cavilhas. Num arado da Transcaucásia, em que o apo faz corpo inteiriço com o dental, liga-se do mesmo modo o temão ao apo.57 Muitas vezes o apo prolongado servia de temão.

62A expressão a stirpe, que foi traduzida por Castilho «desde a raiz», refere-se ao tronco, ao apo, ou mais determinadamente à parte súpero-anterior deste, em que se articulava o temão de oito pés de comprido.

  • 58 Paládio, de re rustica, i, 43:43 «aratra simplicia, vel, si plana regio permittit, aurita».
  • 59 Vid. Daremberg et Saglio, ob. cit., t. i, fig. 435, reproduzida também em Cagnat, Dict., etc.

63As binae aures foram bem traduzidas por um «par d’aivecas» ; mas aures, orelhas não tem nada que ver etimologicamente com aivecas, como buris o não tem com apo. Paládio fala dos arados com aivecas como sendo empregados nas terras planas.58 Ginzrot, numa obra que só conheço de citações, sobre os carros dos antigos, traz a figura de um arado que diz achar-se representado num baixo relevo de uma estátua de Ceres, da península de Magnésia, e cuja forma seria ainda hoje ali usada, no qual instrumento o dente (dentale), formado de pedaço de tábua com as maiores superfícies (a inferior e a superior) em forma de triângulo, com a relha sagitiforme inserta no vértice, tem de cada lado, um pouco atrás dessa relha, uma pequena aiveca ou auris. A autenticidade do monumento não é porém certa.59

  • 60 Daremberg et Saglio, ob. cit. ; Smith, ob. cit. ; Rich, ob. cit., s. v. aratrum.
  • 61 Smith, l. c.

64Às palavras suplici aptantur dentalia dorso, que Castilho traduziu bastante à letra, têm-se dado interpretações diversas. Note-se que dentalia ocorre sempre no plural antes de Sérvio, comentador de Virgílio, o qual traz a forma dentale (sing.) ; mas de várias representações e descrições do arado antigo conclui-se antes que o dente era singelo; foi provavelmente por isso que se pensou que talvez Virgílio tivesse querido dizer que o dente (dentalia) se fixava ao apo (buri) por travessa ou teiró, como se vê representado; mas é preferível a interpretação segundo a qual com efeito o dente era formado de duas peças, fixadas na extremidade inferior do apo curvo, formando uma só ponta adiante, sob a relha, e levantando-se para trás de cada lado: o dente teria assim aproximadamente a figura de um A, que se observa, segundo Rich, no arado em uso no golfo de Tarento.60 Conjecturou-se também, não sei com que fundamento, que pelo braço esquerdo o dente fosse fixado ao apo, e à rabiça (stiva) pelo direito.61

  • 62 Na sua edição de Virgílio, Porto, 1885, traduz o Sr. Júlio Moreira, numa nota fundamentada em Ladew (...)

65Castilho, que parece não ter entendido o que era a buris, traduziu stiva por esteva, que figura com efeito nos nossos dicionários como sinónimo de rabiça, mas de que não posso afirmar o carácter popular, tradicional em tal sentido.62

66Em edições antiquadas lê-se v. 174-5: «altaque fagus Stivae, quae»; na de Ladewig e outros: «Stivaque, quæ...», de modo que, seguindo essa lição deve traduzir-se: De antemão se corta para o jugo o leve til e a elevada faia. E a rabiça (sc. corta-se), que faça volver por de trás as baixas (pequenas) rodas, isto é, o rodado (currus em vez de rotas, sinedoque).

67Na descrição de Virgílio não entra o termo manicula ou manibula, que alguns confundem com stiva, traduzindo-o em francês, por exemplo, manche ; Rich diz que era uma barra transversal no alto da estiva, que se vê figurada num vaso etrusco; era antes o nome geral do cabo ou punho da rabiça, o qual variava, como varia hoje, de forma, e que, como foi indicado, entre nós se chama rabelo.

68O verso 175 não foi bem interpretado por Castilho e outros tradutores portugueses. Félix Pereira verte-o, de acordo com aquele escritor:

Estas madeiras estarão suspensas
No lar, para enrijarem com o fumo.

69O Sr. Moreira, na sua edição de Virgílio, reproduziu de Ladewig a verdadeira interpretação: «explorat, prova-se, experimenta-se a madeira expondo-a ao fumo, porque se fende ao secar, se não for boa».

70Virgílio fala noutro lugar do dente da relha, isto é, da ponta ou do gume da relha, sentido em que também se emprega ainda hoje entre nós a palavra dente:

  • 63 Virgílio, Georg., i, 261-262.

durum procudit arator
Vomeris obtusi dentem.63

71Noutro sentido emprega todavia o poeta também a palavra dente como termo técnico de agricultura:

  • 64 Id., ibid., ii, 423-424.

Ipsa satis tellus, cum dente recluditur unco,
Sufficit humorem et gravidas, cum vomere, fruges.
64

72Neste passo refere-se Virgílio ao bidente, de que se falou acima.

  • 65 Diez, ob. cit., 13, 346.
  • 66 Aravelas ligar-se-á ao termo náutico arvelas, definido por Morais: argolas que se metem nas cavilha (...)
  • 67 Em francês há happe que tem variadas significações, como termo técnico, tais como meio aro de ferro (...)

73Assim dos termos latinos relativos aos órgãos diversos do arado e da charrua só conservamos em português o primitivo dentem (dente) de dentale, temonem (temão) e jugum (jugo); mas o latim ministrou, senão os elementos de todos, pelo menos os de quase todos os termos que na nossa língua designam os outros órgãos do mesmo instrumento. A palavra relha (comparem-se provençal relha, antigo francês reille, espanhol reja) reproduz foneticamente a latina regula65 ; rabiça, rabelo derivam de rabo, a que se deram étimos latinos, mas duvidosos; aiveca que se diz ou dizia também aveca, como já se indicou, parece derivar de ave : ter-se-ia chamado assim primeiramente ao órgão par, que lembra as asas estendidas de uma ave e vai terminar no bico do ferro; como algumas vezes se punha só uma dessas asas, usar-se-ia o plural para indicar os casos em que se empregavam as duas; mexilho deriva de mexer, do lat. miscere; apo é de origem para mim desconhecida; e o mesmo se dá com as palavras teiró, pescaz e aravelas66 ; enquanto à etimologia de coice e tempera, é óbvia. Aquelas palavras, de que ignoro os étimos, não as acho nas outras línguas românicas. Em espanhol apo traduz-se por cama (del arado), em francês por êge, que não pode porvir de um hipotético * apio, que daria ache. Littré apresenta como idêntica pelo sentido e origem haie (haye) e faz referência à expressão haia carrucae, de um texto latino medieval, citado no Glossarium de Ducange-Henschel, no qual se lhe atribui o sentido de ridelle «pars carri forte lateralis, sic dicta quod res carro impositas contineat», o que é coisa muito diferente do apo, pois se trata do que chamamos xalmas do carro. A identificação de êge, por intermédio de haie, no sentido indicado, com haie sebe (baixo latim haga) proposta por Littré, fica assim muito problemática.67

74Ignoro igualmente a origem da palavra araveca definida por Bluteau ; «arado que abre os regos mais largos que o arado ordinário, com uma só aiveca».

75O termo labrego, que designa também o homem do campo, vem de labrar, lavrar, lat. laborare, com o sufixo ego que se encontra em borrego, manchego, etc.

76Repetir-se-ia aqui o que foi dito, a propósito da enxada, sobre a impossibilidade de concluir, sem outros dados, da origem de um nome de um objecto para a origem desse objecto: o arado existia muito provavelmente na Espanha antes de Roma estabelecer aqui a sua influência civilizadora. Chamando «romano» ao tosco arado tradicional dos nossos agricultores, vão alguns agrónomos talvez mais longe do que pode legitimamente ir-se.

77O arado é por excelência o instrumento de cultivo do solo dos povos dos grupos hamito-semítico e indo-europeu, que de longa data se veio juntar entre eles à enxada, conquanto não seja desconhecido a outros grupos.

  • 68 Vid., por ex., Fed. Hottenroth, ob. cit., t. i, Iam. vii, fig. 50, lam. xviii, fig. 25, Champollion (...)

78Nos monumentos do Egipto e da Babilónia acham-se representados exemplares do arado, em que se distinguem os órgãos essenciais do nosso.68 O arado egípcio, que era puxado por homens ou por animais, parece-se tanto com o nosso que abre a porta à hipótese de que nos viesse do lado de lá do estreito; todavia, o mais provável é uma origem combinada, hamitico-ária. Nas reproduções de Hottenroth e Maspero vê-se a teiró ligando o temão (apo) à parte inferior da rabiça (ou dente) e esta ramificando-se em duas aravelas separadas por uma travessa horizontal.

  • 69 Adolphe Pictet, Les origines indo-européennes, 112, 118-119; G. Curtius, Grundzüge der griechischen (...)
  • 70 H. d’Arbois de Jubainvile, Les primitifs habitants de l’Europe, 12, 209.

79O termo aratrum encontra-se apenas foneticamente modificado, segundo as leis particulares de cada um, nos diversos grupos das línguas áricas da Europa: grego ἄροτρον, céltico (kymrico aradr, antigo córnico aradar, armoricano arar, irlandês arathar), escandinavo (antigo nórdico ardhr), alemão antigo erida, eslavo litúrgico oralo por oradlo, polaco radlo, russo ralo, etc.69 Concluiu-se deste paralelo que os árias europeus conheciam já o arado quando constituíam uma unidade étnica (problemática) intermediária entre a unidade geral indo-europeia e a unidade parcial dos grupos que nos são conhecidos pela história70 ; mas do mesmo modo que as línguas germânicas acabaram por esquecer o velho termo e por adoptar um outro (alemão pflug, escandinavo plogr, inglês plough), a que se atribui origem eslava (eslavão litúrgico e russo plugu, polaco plug, etc.), assim as línguas áricas da Ásia poderiam ter esquecido o termo comum primitivo para o substituir por outros, caso análogo ao que parece ter-se dado com o nome da enxada, mais antiga que o arado. Os argumentos negativos com que se tem pretendido restituir o estado de cultura dos indo-europeus primitivos são muito insuficientes em geral. Seja o que for, o arado deve ser muito antigo entre estes povos, embora neles a lavoura começasse, como se é levado a crer, pela enxada e que num período mais ou menos largo tivesse domínio exclusivo esse instrumento, como o tem ainda em muitos povos da terra, segundo já disse.

80Nos mais antigos monumentos literários da Europa, nas epopeias homéricas faz-se menção frequente do arado (ἄροτρον). Têm-se boas razões para crer que as partes mais antigas desses poemas são anteriores ao século viii antes da nossa era. Num outro poema, provavelmente do fim desse século, os Trabalhos e os Dias, atribuído a Hesíodo, há um passo muito interessante relativo àquele instrumento. A literatura, os monumentos figurativos, a etnografia moderna permitem seguir as fases da evolução do arado, o que vou fazer sucintamente.

  • 71 Ed. Hahn quis explicar a invenção do arado pelas influências de conceitos religiosos e práticas rit (...)

81Vimos já na enxada e na pá aplicação de princípios mecânicos diferentes para a cultura do solo, princípios que o homem primitivo não viu em abstracto, mas sim em concreto. Com a enxada e a pá é por uma série de actos sucessivos, em que se repetem numa certa ordem vários movimentos, que se quebra e revolve a terra; com o arado consegue-se esse resultado por meio de um movimento contínuo e uniforme, de um extremo do rego ao outro extremo, e o homem pode auxiliar-se de animais, aliviando assim notavelmente o seu trabalho, enquanto a superfície lavrada se multiplica. Esta invenção parecia tão extraordinária aos antigos que julgavam (como outras) excedia a capacidade do espírito humano e viram nela um dom divino, ou o produto de algum herói de dotes sobrenaturais.71

82Hoje vê-se nela o resultado de multissecular colaboração de gentes, que se iniciou por algum rudíssimo ensaio, sem ser de nenhum modo acompanhado de previsão do fim a que se chegou. Um pau curvado numa extremidade, com uma saliência, uma parte de um ramo, formando ângulo com ele, pode (já o vimos) servir de enxada para alguns povos; se em vez de se bater com ele na terra para que lá entre a parte mais curva e a revolva no ponto em que entrou, para se levantar e repetir a operação até ter dado uma mísera lavra à superfície de que se precisa para a sementeira, se arrasta o pau pelo chão, de modo que a parte mais curta entre nele, está dado o primeiro passo para a invenção do arado. Pode-se ainda seguir outro caminho: em vez de arrastar um pau atrás de si, o lavrador empurra-o adiante contra o solo; por este caminho há grande perigo de se ficar imobilizado em tão rudimentar processo, como é fácil de julgar, e como mostram os factos.

  • 72 Ratzel, ob. cit., ii, 255.

83O instrumento principal da lavoura dos melanésios é o pau aguçado numa extremidade, com um corte oblíquo nela, como o de uma pena de escrever, e com o comprimento de um forcado de estender o feno. Os homens impelem-no adiante de si para revolver o chão, enquanto os rapazes os seguem e com paus quebram os torrões levantados e os acabam de desfazer com as mãos, fazendo com a terra montinhos em que se lança a semente ou põem as plantas novas. Entre os motu da Nova Guiné, seis ou sete homens, postos uns atrás dos outros, empurram uma trave leve, de ponta dianteira aguçada, introduzem-na na terra, e, a compasso e a mando, levantam uma grande gleba, repetindo a operação até que o solo esteja tão convenientemente revolvido quanto permite tal processo.72

84Monumentos figurativos da antiguidade greco-romana apresentam-nos formas muito primitivas do arado, em que este é constituído por um tronco de árvore com uma ou duas ramificações, servindo a parte maior de apo ou apo-temão ; quando havia só uma menor era esta o dente quer se lhe adaptasse uma relha ou não; e quando havia ainda outro ramo menor, servia este de rabiça.

  • 73 Daremberg et Saglio, ob. cit., t. i, fig. 429. Pausanias, i, 15, 3, ed. Didot.
  • 74 Daremberg et Saglio, ibid., t. I, figs. 430 e 436.
  • 75 Idem, ibid., t. i, fig. 433.
  • 76 Idem, ibid., t. 1, figs. 431 e 432.
  • 77 Elias, x, 353.

85Em urnas funerárias da Etrúria vê-se representado o herói grego ’Σχε- τλαο (literalmente – o da rabiça, do grego έχέτλη, a rabiça do arado) com um pau de arado inteiriço, formando o apo e o dental, pau com que, conta-se, ele matara em Maratona grande número de bárbaros.73 Numa pedra gravada da galeria de Florença representa-se um arado puxado a bois, o qual é formado igualmente de um só pau ou tronco ramificado de modo que deu o apo, o dental e a rabiça. De forma diversa, mas constituído também de uma só peça com essas partes fundamentais e ainda um maniculum na rabiça, é um arado etrusco.74 Num copo do Louvre acha-se figurado um arado em que o apo e o dental são de uma só peça, com um prolongamento atrás em que se fixou a rabiça75, apresentando um aspecto muito semelhante ao do arado da Transcaucásia a que se fez referência acima. Noutros momentos figuram-se arados com os três órgãos principais artificialmente ligados.76 Na Ilíada fala-se de um arado de peças ensambladas ou pregadas (πηχτόν ἄροτρον), isto é, de um arado composto77, que se distinguia do simples chamado αύτόγυον ἄροτρον, isto é, aquele que tem um apo (γὐης) próprio, um apo que naturalmente faz um só corpo ou peça com o dental. Hesíodo dá interessantes particularidades sobre o assunto:

  • 78 Hesíodo, Opera et Dies, vv. 427-435, ed. Lehrs-Didot.

86«Há muitos lenhos curvos; mas quando, procurando no monte ou no campo, achares um apo de azinheiro leva-o para casa: é madeira muito resistente aos bois arando: o servo de Minerva (o artífice), com pregos pregá-lo-á ao dental e adaptar-lhe-á o temão. Porém, deves fazer dois arados, no fabrico caseiro: um de apo inteiriço com o dental (αύτόγυον), outro de partes pregadas (πηχτόν) ; porque é muito melhor assim; pois se quebra um, jungirás os bois ao outro. E os temões mais livres do caruncho são os feitos de loureiro ou olmo; o dental, de carvalho; o apo, de azinheiro.»78

87Em grego ι΄στοβοεύς é o temão (literalmente – mastro de bois); é sinónimo desse termo ρύμος: mas esta palavra parece ter designado particularmente o conjunto do apo e do temão propriamente dito. Hesychio define γυη «a parte inferior do temão (τό χατώτατον τοῦ ϊστοβοέως)». O grego ἔλνμα significa o dente ou dental, a que se adaptava a ὔννις (ou ὐννἠ) a relha, literalmente, como se explicou, «focinho de porco» (de íơ, porco).

88Como mostram os monumentos figurativos, o arado itálico começou, como o helénico, pela forma simples. Algumas particularidades da nomenclatura são documentos da evolução. A buris, o pau curvado, devia ter constituído primitivamente o arado itálico, como com razão nota Saglio, do mesmo modo que a γύη constituiu o arado helénico. Em Varrão encontra-se um vocábulo urvum, que, segundo indicação de Festo, designa o conjunto do apo e do dente a que se fixava a relha (curvatione buris et dentis cui praefigitur vomer). O termo dens significa para Varro e Columela o conjunto da relha (vomis) e do dental. Segundo Saglio, essa denominação provinha do tempo em que não havia relha metálica acrescentada ao croque de madeira endurecido ao fogo para cortar a terra. A relha foi primeiro de cobre, depois de ferro.

89Nos progressos sucessivos do arado juntou-se a teiró, já figurada em monumentos egípcios, a rabiça dupla, a sega e o rodado.

  • 79 Daremberg et Saglio, ob. cit., t. i, fig. 438.

90A rabiça dupla aparece figurada num monumento; a sega e o rodado; pelo menos o último, aparecem apenas nesse mesmo monumento, um jaspe que se julga ter servido de amuleto.79 A palavra sega deriva de segar, do latim secare.

  • 80 Plínio, Hist. nat., xviii, 18 (48).
  • 81 Roget de Belloguet, Ethnogénie gauloise, iii, 459-60.
  • 82 Plínio, Hist. nat., iii, 19 (23).
  • 83 Fed. Hottenroth, ob. cit., t. ii, lam. v, fig. 57, representa uma charrua com sega dos anglo-saxões (...)

91Plínio fala da sega, que os Romanos chamavam culter : «Vomerum plura genera : culter vocatur inflexus praedensam priusquam proscindatur terram secans futurisque sulcis vestigia praescribens incisuris quas resupinus in arando mordeat vomer.»80 Depois de ter falado da segunda e terceira espécie de relha continua: «latior haec quarto generi et acutior in mucronem fastigata eodemque gladio scindens solum et acie laterum radices herbarum secans. non pridem inventum in Raetia Galliae ut duas adderent tali rotulas, quod genus vocant plaumorati. cuspis effigiem palae habet, etc.» Referindo-se a esse passo, Roget de Belloguet, fala de uma charrua de quatro rodas como invenção dos galos81; mas trata-se sem dúvida de uma charrua de duas rodas, da charrua vergiliana, pois não temos notícia de outra de rodas, na Itália. Fundado nas palavras de Plínio82 : «Raetorum et Euganeorum Verona», diz Belloguet que essa Récia da Gália era o Veronês, na Gália Cisalpina, e faz honra aos galos da invenção, indo até a explicar a lição, ao que parece estropiada, do texto citado de Plínio «plaumorati», lida «planarati» como céltica. Hardouin tinha conjecturado «plaustrarati», que Saglio e outros aceitam, a meu ver, com razão. Virgílio era natural de Andes, perto de Mântua ; próxima de Verona; como o arado que ele descreve é o de rodas ou charrua, a asserção de Plínio ganha força, ficando, porém, incerto a qual dos elementos étnicos daquela região, em que se cruzaram etruscos, celtas, etc., devemos a invenção. Espalhou-se o tipo da charrua dali para os países onde mais tarde o encontramos ou foi inventado em mais de um lugar ?83 Não tenho elementos para resolver essa questão. Não posso também dizer se o arado foi invenção exclusiva dos hamito-semitas e indo-europeus e deles passou para os outros povos em que o encontramos, em regra com um uso menos frequente que entre esses mais altos promotores da civilização.

  • 84 Fr. Ratzel ob. cit., i, 61.
  • 85 Na exposição etnográfica checa, realizada em Praga, no ano de 1896, um grupo estatuário figurava um (...)
  • 86 D. Brinton, ob. cit., pp. 50-51.

92Como observa Ratzel, o arado nunca esteve em uso entre os povos de condições verdadeiramente primitivas ou povos da natureza (Naturvölker), ainda menos a grade, o emprego dos estrumes, com excepção das cinzas do mato queimado, sendo porém mais frequente a irrigação artificial.84 Ainda que o arado fosse algumas vezes, já perto do nosso tempo, até em lugares da Europa, puxado por braços humanos85, o seu uso fixou-se indubitavelmente e mostrou-se na realidade eficaz, quando se jungiram animais ao temão ou apo, o que supõe a existência de animais domesticáveis e da domesticação subsequente, isto é um grande progresso, atrás do qual pode ter havido um muito longo período de agricultura à enxada. Na América pré-colombina havia um só animal domesticado – o lama do Peru, que não foi empregado como animal de tiro nem montado, ainda que o aproveitassem para transportar cargas. Muito tempo antes do descobrimento do Novo Mundo, o cavalo americano, contemporâneo do homem post-glacial, tinha-se extinguido e o búfalo tem sido considerado como indomesticável, conquanto haja quem veja nas condições exclusivamente selváticas deste animal mais um resultado da falta de iniciativa dos indígenas daquele continente que da natureza.86

  • 87 Ferd. Hirt’s, Geogr. Bildertafeln, iii, iii, Taf. 138, e.

93Os índios da Colômbia fazem uso de um arado muito rudimentar que eles próprios puxam.87 Há talvez nesse instrumento influência europeia, apesar da sua simplicidade.

  • 88 Fr. Ratzel, ob. cit., ii, 419.
  • 89 Ferd. Hirt., ob. cit., III, ii, Taf. 98, a.

94Os malaios apresentam-nos já algumas formas de arado, que podem ser devidas, como tantos outros elementos de cultura desse grupo, a uma influência índica. No Museu Etnográfico da Sociedade de Geografia de Lisboa há um arado que pertenceu ao extinto Museu Colonial, sem indicação de origem, mas que um empregado do primeiro que já o fora do segundo desses estabelecimentos, por vaga combinação, me disse julgava ser de Timor; se tal fosse a sua proveniência, devia admitir-se influência estranha. Na parte meridional de Celebes usa-se um arado com relha de pau duro de palma. Os bata do planalto de Tobah aproveitam um arado que consta de uma rabiça formando corpo com o dente, em que assenta uma delgada chapa metálica que serve de relha; na rabiça fixa-se um temão duplo com canga de pau para um ou dois búfalos. Aqueles batas dão-se como inventores do tal arado, o que Hagen, citado por Fr. Ratzel, que não rejeita a opinião, acha verosímil, pois as condições para o trabalho com o mesmo instrumento Se reúnem naquela reunião: grandes tratos de terra plana, abundância de animais de tiro, e, vista a pequena capacidade de rendimento, a necessidade de lavrar grandes superfícies.88 Mas um arado da Índia meridional, cuja figura tenho ante os olhos89, aproxima-se tanto dos batas, à parte a forma particular do temão destes, que se reforça a suposição da influência índica. A Sociedade de Geografia de Lisboa possui um modelo de arado de Goa, com aivecas, que parece ser uma combinação de elementos do arado português com o arado da Índia meridional.

  • 90 Arados chineses em Hirt., ibid., Taf. 100, 1; Hottenroth, ob. cit., t. i, lam. cix, 17-18 (semelhan (...)

95Conquanto, como já se disse, a cultura à enxada atinja a sua máxima importância entre chineses e japoneses, não falta a estes, como a outros dos povos chamados mongoloides, o arado.90

  • 91 Fed. Hottenroth, ob. cit., i, lam. vii, 22.
  • 92 G. Maspero, ob. cit., p. 67.

96Foi indicado, a propósito da enxada, que o arado estava fora originariamente do domínio dos negros africanos. No Museu da Sociedade de Geografia há um instrumento que para ali passou do extinto Museu Colonial com a designação de «arado de Angola» e ultimamente a mesma Sociedade adquiriu dois exemplares, perfeitamente similares àquele, da colecção do comendador Gomes Ribeiro, que no catálogo dela figuram sob o n.° 435 com a indicação : «Dois arados dos balantas.» O gentio chama-lhe «rado», e serve-se dele especialmente para lavrar a terra para o cultivo do arroz e mancarra (amendoim). Dizem-me que essa colecção foi feita com muito cuidado pelo que respeita à determinação da proveniência dos objectos: estará exacta indicação desta no exemplar que foi do Museu Colonial? Parece-me legítima a dúvida à vista dos outros dois. Também a designação de «arado» não parece muito exacta. Trata-se de um instrumento manual, formado de um cabo duplo como da enxada, formando os dois ramos um ângulo bastante agudo; ao nível inferior da superfície externa aplanada, adaptou-se uma tábua em forma de pá alongada, com o bordo de diante formando curva saliente, reforçado por um pedaço de lâmina de ferro cortado em forma de ferradura. O instrumento lembra mais uma enxada sui generis, e até se compara a um outro designado como enxada, de proveniência egípcia antiga, que provavelmente era todo de pau, se a figura de Hottenroth é exacta.91 Nessa, como noutras enxadas egípcias que parecem formadas simplesmente por dois paus, está passado do cabo à parte destinada a entrar na terra, a uma certa distância do ponto de articulação, uma corda, que lembra a teiró do arado. Essa forma foi o que provavelmente fez dizer a Maspero que o arado foi apenas uma enxada de maiores dimensões, destinado a ser puxado por bois.92 No «rado» dos balantas não há a referida corda e a construção do instrumento foi sugerida muito provavelmente pela vista de algum ou alguns arados portugueses, contentando-se talvez os negros em arrastá-lo de modo que vá revolvendo a terra, à maneira de arado, tendo eles o cabo entre as mãos e recuando com o corpo curvado.

97Grade. – A nossa figura 10 representa uma grade de Bragança, com o respectivo pau, que serve para o tiro, e o cambo com que se articula o pau à grade. É um instrumento de forma, como se vê, muito simples e sem dúvida arcaica, que, com variantes, tenho encontrado noutras partes do País, assim como grades maiores, mais pesadas, sem dentes ou com dentes, de madeira ou de ferro. As grades são empregadas para desfazer os torrões, levantados pelo arado, e igualar a superfície da terra antes da sementeira, para tirar as más ervas, assim como para cobrir com a terra a semente lançada ao solo.

  • 93 Virgílio, Georg., i, 94-95 (ed. Ladewig):
    Multum adeo, rastris glebas qui frangit inertis Vimineasqu
    (...)
  • 94 Idem, ibid., i, p. 166: «Arbuteae crates...»
  • 95 O rojão é muito empregado para enterrar a semente de nabos e outras sementes miúdas. Félix Pereira, (...)
  • 96 Plínio, Hist. nat., xviii, 20: «Aratione per transversum iterata occatio sequitur, ubi res poscit c (...)
  • 97 Idem, ibid., xviii, 21: «Sunt genere terrae, quarum ubertas pectinari segetem in herba cogat – crat (...)
  • 98 Idem, ibid., xviii, 30: «Panicum et milium singulatim pectine manuale legunt Galliae.»
  • 99 Columela, ii, 20.

98A palavra grade vem do latim crates, accus. cratem, que designava, entre outras coisas, o mesmo instrumento de que se acha representado um exemplar na figura referida. Virgílio fala de « grades de vime »93, que serviam sem dúvida apenas para alisar a terra, e faz menção também de « grades de medronheiro»94 e esse tipo de grade leve supõe Félix Pereira ser o mesmo que o nosso «rojão» ou «jorrão», como se diz e ele escreve também noutro lugar (jorrão parece simples resultado de metátese tão frequente em português, como em tanchagem por chantagem, de latim plantaginem).95 As palavras do poeta romano foram já citadas a propósito do raster. A occatio, a acção de quebrar os torrões depois da arada, fazia-se, como também já ficou documentado por um passo de Plínio, com a crates ou o raster. Repetia-se a occatio depois das sementeiras, para cobrir as sementes, com uma grade dentada, ou uma tábua presa à charrua, segundo o costume. Esta operação chamava-se lirare ; daí vem a palavra delirare.96 O mesmo autor diz haver espécies de terras cuja fertilidade obriga a passar a seara em erva pelo pecten, que ele define : género de grade com dentes de ferro.97 Havia também um pente manual que nas Gálias servia para colher o painço, e o milho miúdo.98 Também Columela indica o mesmo uso do pecten para cortar as espigas: «multi mergis, alii pectinibus spicam ipsam legunt, idque in rara segete facillimum, in densa dificillimum est».99 Os dentes do pecten eram ralos:

  • 100 Ovídio, Remedium amoris, v. 192.

Et tonsam raro pectine verrit humum (sc. rusticus).100

99A occa, que como já se viu a propósito do raster, foi confundida ao que parece com este, deve ter sido realmente a velha grade de desterroar dos Romanos ou dos seus próximos vizinhos da mesma estirpe. As outras línguas europeias aparentadas ao latim têm para designar a grade ou a mesma palavra ou palavras derivadas do mesmo tema ou raiz:

100Grego δξίνη (Hesiquio); protocélico * okitā, antigo córnico ocet; antigo alto alemão egjan, egida, alemão moderno Egge, lituano akéti, akéczios.

  • 101 O. Schrader, Sprachvergleichung und Urgeschichte, 2.a ed., Jena, 1890, p. 411; H. d’Arbois de Jubai (...)

101Os investigadores que admitem que os indo-europeus primitivos se separaram primeiro em dois ramos, um o árico ou asiático, outro o europeu, vêem naquele paralelo de nomes da grade prova de que este instrumento era conhecido já na unidade europeia, em que se teriam realizado notáveis progressos agrícolas.101

  • 102 H. Thédenot, em Daremberg et Saglio, ob. cit., iv, 576-7, s. v. irpex.
  • 103 Varro, de lingua lat., v, 13-6.
  • 104 Festus, s. v. Irpices.
  • 105 Servius, ad Georg., i, 95.

102Os Romanos tinham uma espécie de grade a que davam o nome de irpex, que se acha também escrito hirpex. Era, segundo a explanação de H. P. Thédenot102, que combina um passo de Varrão103 com outro de Festo104, um instrumento composto de traves com dentes de ferro, arrastado por bois, para arrancar as más ervas. Sérvio105 diz: «Crates quam rustici irpicem vocant»; mas a crates propriamente dita, segundo o mesmo Thédenot, servia sobretudo para igualar o chão e o irpex era análogo às grades modernas que arrancam as ervas e igualam o chão.

  • 106 Friedr. Diez, Etymol. Wörterb.3, ii, 344. Como o francês herse (lat. med. herza) aparece também com (...)

103O acusativo irpicem, de irpex, tomou em francês a forma herce, herse, que traduz a nossa grade, como instrumento agrícola. O provençal tem erpi, o italiano erpice, provenientes também daquele termo latino. O português não conserva aquela palavra, pelo menos como termo de alfaia agrícola106 ; o espanhol desconhece igualmente o reflexo do vocábulo irpex, irpicem, e diz grada, mudando a declinação do latim cratem.

104Pouco sei da extensão do domínio da grade fora da Europa.

  • 107 Rich, ob. cit., s. v. occatio, p. 432.

105Rich traz uma figura representando a occatio, a gradagem, no Egipto.107

  • 108 Adolphe Pictet, ob. cit., ii, 129-30.

106Vemos a grade em uso desde alta antiguidade entre os indo-europeus da Ásia. Aqui os persas chamam-lhe kirãz, que se ligou a uma raiz que se encontra no sânscrito sob a forma kr, kar (kirati), no sentido de «spargere»; na língua do mesmo povo há ainda o sinónimo barn, de uma raiz indo-europeia bhar, com o sentido de furar, cortar, fender, dividir (cp. grego φαρόω, lavrar com arado, latim foro, etc.). Ao persa barn corresponde um termo eslavo que é em russo boronã, em ilírio brana, em polaco brona, em checo brany. O sânscrito possui vários vocábulos com o sentido de «grade», como kōtiça, lēshtugna, lēshtubhēlana.108

  • 109 Friedr Ratzel, ob. cit., ii, 419.

107No arquipélago malaio não é desconhecida a grade. Enquanto sabemos, como já vimos, que os batas do planalto de Tobah fazem uso de um arado, dizem-nos também que essa gente para desfazer os torrões se serve de um simples pau com moca. Mas na Celebes meridional viu o inglês Wallace empregar para o mesmo fim uma grosseira grade de madeira.109

  • 110 Fellow, Voyage in Asia Minor, p. 70. (Não vi esta obra.) Rich, ob. cit., s. v. cylindrus.

108Como também já vimos, os melanésios adultos rompem a terra com um pau aguçado, que impelem adiante de si, enquanto os rapazes os seguem desfazendo os torrões com paus e à mão. Foi sem dúvida esse o processo primitivo para desterroar e parece que entre ele o uso da grade se intercalou outro processo, que, da sua parte, teve um desenvolvimento próprio, ao lado da grade: refiro-me ao uso do cilindro (rolo = lat. rotulus). Rich reproduz de Fellow110 uma figura que representa um rolo ainda usado no Oriente, para calcar a terra, e que é um pedaço de tronco de árvore, ao qual se pregou um temão para atrelar animais; esse rolo não gira e em cima dele vai por vezes o guia, para aumentar o peso.

109Entre os gregos e romanos, o χύλινδρο , cylindrus, era um rolo, geralmente de pedra, usado sobretudo para aplanar a terra para a eira. Virgílio descreve em termos rápidos, mas claros, a construção da eira:

  • 111 Virgílio, Georg., i, 178-80.

Area cum primis ingenti aequanda cylindro
Et vertenda manu et creta solidanda tenaci,
Ne subeant herbae, neu pulvere victa fatiscat, etc.111

  • 112 Catão, de re rust., 129.

110Catão dissera: «Faze deste modo a eira em que hás-de bater o trigo: Cava miudamente a terra, deita-lhe em cima boa quantidade de bagaço de azeitona, de modo que fique embebida o mais possível; desfá-la e aplana-a com cilindro ou maço.»112

  • 113 Plínio, Hist. nat., xix, 8 (46).

111Não é exacto que, como alguém escreveu, os Romanos não se servissem de cilindro para desfazer torrões e assentar a terra sobre as sementes, operação a que estava, entre outras, destinada a grade (crates). Plínio diz que se calcava com o cilindro ou os pés a semente do aipo, julgando que saía de tolha mais crespa: «Ab aequinoctio verno seritur apium semine paulum in pila pulsato, crispius sic putant fieri aut si satum calcetur cylindro pedibusve.»113 Columela aconselha também o uso do cilindro, referindo-se especialmente ao mangericão :

  • 114 Colum., de re rust., x, 318-22.

Tum quoque proscisso riguoque inspersa novali
Ocima comprimite, et gravibus densate cylindris,
Excurat sata ne resoluti pulveris aestus,
Parvulus aut pulex irrepens dente lacessat,
Neu formica rapax populari semina possit.114

  • 115 Nem Diez nem Körting trazem etimologia de ancinho, mas sim a de anzol e do ital. ancino. No Minho d (...)

112Ancinho. – A nossa figura 11 representa um ansinho (diz-se também ensinho e escreve-se também com c), de Bragança, cujo cabo tem de comprimento 1,20m. Esse instrumento, que ora tem, como o representado, dentes de madeira, ora de ferro, aproveita-se na agricultura e horticultura para quebrar os torrões, para aplanar a terra cavada ou lavrada, cobrir a semente, como a grade; para arrastar a espiga que não foi debulhada, juntar palhas, folhas, etc. Desenvolveu-se sem dúvida do raster romano, que, como já disse, podia ser quadridens. Do diminutivo rastellum, de raster, vem o francês râteau, que designa o mesmo instrumento que o nosso ancinho, o qual remonta sem dúvida à antiguidade clássica. A palavra ancinho, apesar da ortografia com s, é, creio, a mesma que a italiana ancino, croque, remontando ambas a um latim vulgar * hamicinus, de latim hamus, anzol. O vocábulo anzol provém de outro diminutivo de hamus ; * hamiciolus.115

113Foice. – As nossas figuras n.os 12 a 14 representam variedades do instrumento denominado foice.

114Fig. 12, foi dentada, de Bragança, chamada ali (como noutras partes), seitoira ; o seu comprimento é de 0,50m; tem espiga que se enxere no cabo.

115Fig. 13, gadanha para secar o feno, de Bragança, cujo cabo mede l,20m de comprimento; a distância da ponta da lâmina ao cabo é de 0,45m. No cabo há um manipulo, formando com ele ângulo recto, o qual é tomado pela mão esquerda (?) do segador.

116Fig. 14, foice roçadoira ou simplesmente roçadoira, de Évora, conhecida em outras partes do País, do comprimento total, incluindo o cabo, de 1,70m; tem alvado em que se embebe o cabo; serve para cortar mato.

117A palavra foice, fouce reproduz o latim falcem ; seitoira é o latim sectoriam (adj., com sentido muito diverso na língua mãe); tem pois o mesmo radial sec, do latim secare, de que provém o port. segar. Uma foice pequena é denominada foicinha (diminutivo).

  • 116 Fr. Diez. Etymol. Wörterbuch, n3 225-6; G. Körting, Lateinisch-romanisches Wörterbuch,2 n.° 10.337. (...)

118O termo gadanha, em espanhol guadaña, foi ligado por Fr. Diez116 a gadanhar, forma que, por síncope do d e contracção subsequente das vogais aa, deu ganhar: gadanha significaria propriamente a ganhadora. O verbo gadanhar vem do germânico * waidhanjan (antigo alto alemão weidenen), propriamente pastorear, levar a pastar, daí «ganhar a vida, pastoreando», «ganhar».

  • 117 Fr. Diez, ob. cit., 112, 175; G. Körting, ob. cit.2, n.° 8149 repete ainda a mesma etimologia.
  • 118 Sobre a equação st latino=p (ss) português, que em tempo aceitei de Diez, vid. Julius Cornu, Die Po (...)

119O nome roçadora deriva de roçar, que Diez117 julgou provir do lat. * rosare, de rosus, part. de rodere, roer, ou de um iterativo * rositare, * rostare ; mas como não há exemplo seguro de ç português = s medial latino; como não se prova que st latino se ache representado em português por ç118, como o espanhol rozar oferece dificuldades análogas, creio preferível a etimologia, que propus já há anos, * ruptiare, de latim ruptus, part. de rumpere ; que satisfaz inteiramente pelo lado fonético (cp. caçar, esp. cazar, de lat. * captiare, de captus, part. de capere).

120Ao português foice, foicinha correspondem o italiano falce, falcetto, espanhol falce e hoz, provençal faus, faucilha, francês faux, faucille. Há ainda nas línguas românicas outros nomes de instrumentos de ceifar, cortar mato, ramos, folhas de árvores. Conquanto a foice seja um instrumento sem dúvida muito antigo não se encontrou para ela um nome comum indo-europeu.

  • 119 Adolphe Pictet, Les origines indo-européennes, 112, 1878, 136; Sophus Bugge em Kuhn’s Zeitschrift f (...)

121Há em sânscrito, nomes da foicinha – lavãka e lavitra, derivados da raiz , cortar, de que foram derivados outros termos como lu, lava, lavana, luni, significando corte, ceita; o grego oterece-nos ληον λατον, seara, que se ligam àquela mesma raiz, da qual parece provir o ant. nórdico liar, lé, foice, como o afghan lar, foice119; mas vemos aqui formações que têm por base a mesma raiz, sem dúvida, mas que poderiam ter-se produzido independentemente.

  • 120 A. Pictet, ob. cit., ii, 138.

122Apenas semelhança casual se dá provavelmente com os termos persas sifãlah, sufãlah, foice, irlandês, speal, foice.120

  • 121 A. Pictet, ob. cit., ii, 138-9: G. Körting, Lateinisch-romanisches Wörterbuc2, n.° 8373.
  • 122 G. Curtius, Grundzüge der griechischen Etymologie, n.° 115.

123Mais íntima concordância há no grupo europeu entre o grego e o latim de um lado, e as línguas eslavas do outro: grego αρη, foice, sem dúvida por * σαρτη, lat. sarpere, podar a vinha (propriamente coçar, arranhar?) ; antigo eslavo srupu, foice, russo serpu, ilir. sarp, polaco sierp, checo srp. Parece ter existido no latim vulgar um substantivo sarpa, tirado da mesma raiz, correspondente portanto aos substantivos grego e eslavo, do qual viria o francês serpe, podão, o esp. zarpa, garra.121 A palavra latina falx parece provir da raiz lat. flac, flec que temos em flec-tere; o instrumento teria sido denominado pela sua curvatura. Não parece haver nas línguas indo-europeias outro nome da foice derivado dessa raiz. Em grego ligam-se-lhe φαλχ-η-ς, caverna de navio, έμ-φαλχό-ω, ligo, etc.122

124A diversidade dos termos relativos à foice, como a outros instrumentos agrícolas, ao lado de uma concordância notável dos que respeitam à zootecnia, às peças do carro, não é argumento suficiente para concluir que aquele utensílio era desconhecido dos indo-europeus antes de sua separação. Consideram-se foices vários instrumentos do neolítico, como se dirá mais abaixo.

  • 123 Cat., de re rústica, xi, 4; Colum., de re rust., xii, 18, 2, etc. Virgílio fala em vários lugares d (...)

125Em latim falx, dim. falcula123 era o nome genérico dos instrumentos de cortar usados na agricultura, horticultura e viticultura, com a particularidade comum do gume, de linha contínua ou serreado, ter uma maior ou menor convexidade, que o distinguia das variedades do culter. Serviam para ceifar a palha ou as espigas, cortar os rebentos das árvores, podar a vinha, etc.; daí vinham as expressões especiais de falx foenaria (gadanha) ; falx messoria, do ceifador, falx stramentaria, a falx putatoria do lenheiro, mondador, etc. Distinguiam-se ainda a falx denticulata ; a f. veruculata, de cabo comprido; f. rostrata, curvada à maneira de bico de ave; f. adunca, etc.

126Chegaram da antiguidade greco-romana até nós várias dessas foices ou suas representações ; podem ver-se nos dicionários de antiguidades citados neste artigo e especialmente no de Daremberg e Saglio, cuja figura n.° 2863 reproduz uma falx messoria, a 2864 a lâmina de uma espécie de gadanha para trigo; a n.° 2865 uma falx vinitoria, um podão para a vinha; a n.° 2868 dá-nos a forma de outra podadora ; em Rich s. v. falx há a figura de uma falx foenaria et veruculata a comparar à nossa fig. 13 (gadanha de Bragança).

  • 124 Colum., ibid., ii, 20: «Multi falcibus veruculatis, atque iis rostratis vel denticulatis medium cul (...)

127Columela124 descreve minuciosamente a falx vinitoria, dando a nomenclatura das suas diversas partes. É um instrumento quase da mesma forma de outros que vi em tempo nas mãos dos nossos vinhateiros, e que então não descrevi, porque nem de longe pensava vir a escrever sobre o assunto de que me ocupo aqui.

128Tendo o império romano fundido na sua civilização e cultura tantos povos, é, senão impossível, pelo menos difícil determinar as origens étnicas especiais das foices diversas, como de outros instrumentos agrários. São demais muito escassos os elementos de estudo que tenho à minha disposição.

  • 125 Plínio, Hist. nat., xviii, 28 (260-1).

129Plínio traz o seguinte passo interessante: «Foi costume antigamente servirem-se para afiar a foice de pedras vindas de Creta ou de outras partes de além-mar, as quais se untavam com azeite, de modo que o ceifeiro (Jenisex) trazia um corno com azeite atado à coxa. A Itália ministrou depois pedras de afiar que se molham simplesmente com água e que mordem o ferro como uma lima... Há dois géneros de foices: a itálica mais curta e mais fácil de manejar, até no meio do mato, a das Gálias, que faz mais rápido trabalho nos vastos domínios, porque corta a erva ao meio e deixa a que é curta. O ceifeiro italiano sega só com a mão direita.»125 Parece pois que na Itália se usavam só foices de cabo curto, que por isso exigiam apenas o manejo com a mão direita; enquanto noutras partes, especificadamente nas Gálias, se empregavam grandes foices, cujo cabo comprido requeria o emprego das duas mãos. Pode pensar-se pois que os instrumentos do tipo da gadanha bragantina não nos vieram dos Romanos e em geral dos povos itálicos.

  • 126 Plínio, Hist. nat., xviii, 30 (296).
  • 127 Roget de Belloguet, ob. cit., iii, 1868, 460.

130Todavia Plínio126 fala noutro lugar de um modo diverso de ceifar nos latifúndios da Gália, que Belloguet127 reproduz, completando-o com um passo de Paládio sobre a mesma matéria. Consistia no emprego de uma espécie de carreta de duas rodas, impelida por um boi, a qual tinha forma de caixa aberta por cima, com o bordo anterior mais baixo do que os outros, e era armada de dentículos curvos, que arrancavam as espigas e as faziam cair na caixa, ao passo que o boi andava para diante. Como se vê, pois, uma verdadeira máquina, antecessora das modernas ceifeiras mecânicas, e cuja invenção parece ser uma das numerosas provas do génio industrial dos avós dos franceses.

  • 128 R. v. Virchow, Mähwerkzeuge mit abgepasstem Handgriff aus den Vierlande em Verhandlungen der Berlin (...)

131Os habitantes, de origem holandesa, dos Vierlande, no território de Hamburgo, fazem uso para ceifar os cereais de dois instrumentos ao mesmo tempo, cada um em sua mão: uma espécie de foice na direita e uma espécie de croque na esquerda. A lâmina da gadanha tem muitas vezes um gume com pequenos dentes de serra, dispostos obliquamente. Primeiramente faz-se um corte com a foice e puxa-se então o que ficou cegado, com o croque, para se juntar e formar uma paveia.128

  • 129 L. von Rau, Mãhwerkzeuge, ibid., 5 Febr., 1890, pp. 153-160.

132Esses instrumentos, descritos por R. v. Virchow, provêm, segundo L. v. Rau, dos Países Baixos, dos condados de Flandres e Hennegau, territórios que pertencem hoje parte à Bélgica e parte à França. Junto das simples foice e foicinha, estão aqueles ali geralmente em uso. Os flamengos chamam à foice especial referida pik, e ao instrumento auxiliar para a mão esquerda haak; os franceses chamam à mesma foice sape e ao que trabalha com ela sapeur. Ainda segundo L. v. Rau, os dois instrumentos estenderam-se da sua pátria em direcção oriental largamente. No Reno inferior foram até Bona, onde se fixaram no uso, e na planície da Alemanha setentrional pela Vestefália e o Hanôver até aos contrafortes do Harz. Nos séculos xii e xiii deram-se migrações neerlandeses para a Alemanha.129

133A gadanha de Bragança parece-se pelo ferro com o instrumento de Hennegau (França, departamento do Norte), fig. D, do artigo de L. v. Rau, e com o de Flandres, fig. H (p. 156); mas o cabo diverge nestes por ser curvo para trás. No instrumento da França setentrional representado na fig. J a lâmina tem 0,48 m de comprimento e o cabo c. 0,58 m ; noutro instrumento a lâmina tinha 0,246 m ; e o cabo 1,275m.

  • 130 Hirt’s, Georg. Bildertafeln, iii, 11, Taf. 59, c.

134Em Wallis (Suíça) usam-se gadanhas para segar feno semelhantes à de Bragança, também com o manipulo lateral no cabo, segurando neste a mão esquerda, e naquele a mão direita.130

  • 131 Festus, s. v. merga.
  • 132 Plauti, Poen. v., 2, 58-9:
    Palas vendundas sibi ait et mergas datas
    ut hortum fodiat, atque ut frumen (...)
  • 133 Palladius, ii, 20, 3.
  • 134 Plinii, Hist. nat., xviii, 72 (296).
  • 135 Rich, ob. cit., s. v. merga.

135Alguns escritores romanos escrevem de um instrumento chamado merga (merges em Plínio), empregado na ceifa, cujo uso parece não estar bem determinado. Festo131 diz ser um forcado com que o lavrador carregava ou levava do campo os manupuli, as gavelas. Plauto132 e Paládio133 falam dele como sendo instrumento para ceifar o trigo. Plínio134, num passo um tanto obscuro, diz que se empregavam duas mergites entre as quais as espigas eram colhidas e cortadas. Rich lembra o croque aludido dos Países Baixos, que serve na ceifa.135

136A foice dentada (serreada) foi nestes últimos tempos objecto de algumas investigações, de que vou condensar os resultados.

137A foice dentada é bem conhecida em todo o nosso país; ignoro qual é a sua propagação nas outras regiões agrícolas da península. Os bascos chamam-lhe iritaia ou itaya. A sua antiguidade na península é por certo muito grande. L. Siret reproduziu dois instrumentos de sílex do neolítico espanhol que ele pensa serem foices, como outros muitos da mesma época. Esse investigador reproduziu também duas lâminas dentadas como do terceiro período do mesmo neolítico. Serão os instrumentos metálicos posteriores transformações desses ou resultado de completa introdução nova ou novos inventos in loco? A primeira hipótese é em verdade convidativa, à vista de outros factos numerosos na Pré-História e na história das invenções.

  • 136 W. Reiss, Neue Feuersteingeräthe aus Aegypten und Hrn. Flinders Petrie’s neueste Forschungen em Ver (...)

138Flinders Petrie, feliz explorador das antiguidades egípcias, achou em 1891, nas ruínas de Kahun, com várias lascas e facas de sílex, uma foice de pau com dentes da mesma pedra. Segundo ele diz numa carta de Medum, de 18 de Março daquele ano, sobre a antiguidade do achado, Kahun foi edificada e habitada só na xii e xiii dinastia; no deserto, perto da cidade, e só na proximidade desta, encontrou ele instrumentos semelhantes, a que atribui a mesma antiguidade. Petrie diz ter achado provas do fabrico e uso de instrumentos de pedra lascada ainda mais tarde. Virchow observou que do uso não pode porém concluir-se a idade do fabrico.136

139Karutz pensa que tendo-se observado a vantagem, para o corte, de lascas de sílex que casualmente tinham saído serreadas no bordo, se passou a serreá-las intencionalmente e que mais tarde se aplicaram os dentes à foice de pau, até que os instrumentos de ferro fizeram pôr de lado os de pau e pedra. Nalguns lugares, porém, a foice dentada parece ter nascido da não dentada, ser um aperfeiçoamento dela.

  • 137 Columelia, ii, 20.
  • 138 Hesíodo, Theogon., v. 175, etc.

140Segundo o mesmo Karutz, das figuras e achados nas escavações parece que os romanos, gregos, assírios, os germanos da Idade do Bronze só tiveram a foice sem dentes. Todavia lembrarei que dos autores gregos e romanos se conclui a existência da foice dentada: falx denticulata, em Columela137 : ἄρπη χαρχαρόδους, em Hesíodo138, etc. A figura 2862, de Saglio e Daremberg, é reproduzida de um tijolo do período romano, achado em Agen (França meridional), e representa uma foice dentada.

141Da Europa achou o referido etnólogo só quatro menções de foices serreadas, além da basca: ignorou a existência da portuguesa, o que não admira, pois só agora se começa entre nós a falar destas coisas, pelo menos em publicações que cheguem às mãos dos investigadores estrangeiros.

  • 139 R. v. Virchow, Weitere Untersuchungen iiber das deutsche Haus em Verhandl. d. Berlin. Gesellschaft (...)
  • 140 Idem, acima, pág. anterior.
  • 141 E. Weckenstedt, Altertümer und Nationalgeräte aus der wendischen Lausitz em Verhandl. d. Berlin. Ge (...)

142Virchow mencionou o uso de foices dentadas em Berchtesgaden (Baviera – Obersalzberg)139; o mesmo, num passo já acima aludido, fala das foices serreadas dos Vierlande140, para onde, segundo L. v. Rau, teriam ido dos Países Baixos; enfim, os wendos possuem uma foice dentada, a que chamam srp141.

  • 142 Ludwig Krause, Zur Verbreitung der gezahnten Sichel em Globus, vol. lxxv, n.° 13, Abril, 1899.

143Depois da publicação do artigo de Karutz, em que vem essas referências por mim verificadas, Ludwig Krause, de Rostock, comunicou notícia de um livro que traz no frontispício: «Petri Laurembergi Rostochiensis Horticultura, Libris ii comprehensa, etc. Frankfurti a M. 1630.» Na figura 4, da estampa 4, dessa obra, figura-se uma foicinha de gume dentado. No texto há as seguintes referências a esse instrumento: «Falcicula putandis vitibus, resecandis fruticibus destinata», e, noutro lugar: «Instrumenta amputationi serventia sunt vel malleus ligneus, quo superne deorsum decutiantur rami; vel cultellus in effigiem faleis paratus.» Peter Lauremberg era professor de poesia na universidade de Mecklemburg, onde faleceu em 1639, e ocupava-se, nas suas horas vagas, de jardinagem. Não é possível saber se ele conhecia o instrumento daquela região da Alemanha ou de suas viagens aos Países Baixos e a França ou de sua residência em Hamburgo. L. Krause diz não ter sabido, directa nem indirectamente, da existência no presente de tais foices dentadas no Mecklemburg.142

  • 143 Karutz, Zur Verbreitung der gezahnten Sichel em Globus, vol. lxxvi, n.° 10, Set., 1899.

144Karutz acrescentou aos seus dados anteriores que de Burgwenden em Kölleda (Prússia, Merseburg) falam de uma foice serreada, originária de Einbeck, Hanôver meridional, onde se acha em uso contante e se obtém pelo comércio. Parece que a foice serreada, chamada Sichel, enquanto a de gume liso se chama Hiepe, se não erra a memória do que dá a notícia, ia primeiramente de Vestefália, especializadamente de Solingen.143

  • 144 Friedr. Ratzel, ob. cit., iii, 56.
  • 145 Karutz, ibid.

145Nada ou muito pouco se sabe da existência de foices dentadas entre hindus e malaios, e em geral nos povos da Ásia. Ratzel144 traz gravura de uma foice dentada tártara, mas faltam indicações sobre a proveniência. Karutz publicou a notícia, vinda de Macassar (Celebes) de que em Atjeh estão em uso foices serreadas, juntamente com as de gume inteiro, e que lhes chamam piso roempoei, isto é «faca de erva».145

  • 146 O. Finsch, Canoes und Canoebau in den Marshallinseln em Verhandl. der Berlin. Gesellschaft, etc., 1 (...)

146O. Finsch diz não ter jamais encontrado entre os naturais das ilhas do oceano Pacífico serras ou instrumentos serreados, e lembra, a propósito, que até os carpinteiros russos e albaneses fazem apenas uso excepcional de serras, cortando quase tudo, até tábuas em fios, com o machado.146

  • 147 Friedr. Ratzel, ob. cit., 1111, 672.
  • 148 Edouard Andrés, Reisen im nordwestlichen Südamerika em Globus, vol. xliv, 1883, p. 276.

147Segundo Ratzel147, os povos cultos da América tinham uma faca de cobre curvada à maneira de foice, com que cortavam ramos de árvores. Karutz encontrou menção de uma foice dentada na América, no limite norte da república do Equador, a qual lhe parece ter sido importada da Espanha por mãos bascas, pois «a foice espanhola tem menor curvatura e um gume liso, não dentado»; essa foice chama-se hozé (do esp. hoz)148.

  • 149 Friedr. Ratzel, ob. cit., 1111, 213.
  • 150 Idem, ibid., 1111, 236.
  • 151 M. Quedenfeldt, Nahrung-Reiz-und kosmetische Mittel bei den Marokkanern em Verhandl. der Berlin. Ge (...)
  • 152 Dr. Karutz (Lübeck), Zur Ethnographie der Basken, em Globus, vol. lxxiv, n.° 21, Dez., 1898, pp. 33 (...)

148Na África parece haver uma grande província da foice dentada, compreendendo a zona mediterrânea de Marrocos ao Egipto e estendendo-se a sueste até à Abissínia, a sudoeste até à Senegâmbia. Ratzel dá notícia do instrumento entre os berberes do oásis Dachel149 e entre os abexins150. Quedenfeldt descreve o mendjil, foice de ferro muito arqueada, com pequenos dentes, de Marrocos.151 Karutz diz ter visto nos museus de Paris e Berlim foices dentadas da Senegâmbia e que no Egipto se usa como navalha de jardineiro uma com o gume serreado. Esses instrumentos de África são muito semelhantes à foice basca e o referido etnólogo vê no facto um argumento a favor da correlação dos bascos com os berberes primitivos.152 Conquanto os factos reunidos tornem muito verosímil a ideia de que a África setentrional foi um centro (não direi «o centro») de dispersão da foice dentada, que dali passaria facilmente para a Península Ibérica, vindo até à faixa ocidental desta, onde se conserva, não se me afigura que disso possa concluir-se realmente que os bascos tivessem vindo dalém do Estreito munidos desse instrumento. Apesar dos trabalhos recentes, a questão basca está ainda cheia de obscuridades, que não é muito de esperar se dissipem todas. Noutro lugar darei conta do estado presente dessa questão.

  • 153 Dictionary of the Bible, edited by James Hastings, 1 (Edimburgo, 1898), s. v. agriculture.

149Outro facto desconhecido de Karutz é o da existência da foice dentada na Palestina. Tenho presente uma gravura que representa um instrumento desse género, usado modernamente naquele país153, onde sem dúvida remonta a longínqua antiguidade, como o resto da alfaia agrícola, que nos ministrará mais abaixo outro paralelo interessante com a nossa – o trilho, instrumento de que pode afirmar-se a antiguidade bíblica. Tais paralelos, demais, não são os únicos. Semitas, hamitas e indo-europeus têm muitos elementos comuns de cultura; já notei essa comunidade pelo que respeita ao arado. Desses elementos muitos podem ter sido achados independentemente pelos três grupos ou dois deles; outros podem ter passado de grupo para grupo; compreende-se a dificuldade de resolver o problema das origens na maioria dos casos.

150Flinders Petrie e Maspero pensam que a foice dentada foi feita à imitação da queixada de quadrúpede (burro, etc.), que foi empregada primeiro para ceifar. Esse modo de ver é a aplicação de um princípio vulgar: crê-se que, dada a dificuldade das invenções técnicas, o homem partiu, pelo menos em grande número de casos, da imitação de objectos naturais, quando não o guiou um facto puramente fortuito.

  • 154 Paládio, de re rust., i, 43.
  • 155 Isidorus Hisp., Orig., xx, 14, 15. Rich, ob. cit., s. v. runco.
  • 156 G. Körting, ob. cit., n.° 1933.

151Concluirei o que tinha que dizer a respeito da foice com a invenção de um instrumento dos Romanos, que, se pelo uso se aproxima antes dos sachos pela forma pode ser lembrado aqui: é o runco, que os dicionários traduzem geralmente por sacho, sachola, e servia para desarraigar de entre os trigos novos as más ervas, etc., operação a que se chamava runcatio. Paládio diz: «Runcones quibus vepreta persequimur.»154 O runco era formado de uma lâmina cortante e curva como a da foice.155 O vocábulo, em que se vê o grego δύγχος, focinho ou bico, não se reflecte nas línguas românicas directamente; o italiano tem roncare, sachar. Entre nós o instrumento chamado escardilho, espanhol escardillo (também no mesmo sentido escarda e escardilla) é que pelo uso e forma parece corresponder melhor ao runco. O nome escardilho deriva de escardar, limpar, mondar (em português e espanhol; em português usa-se mais escardear), prefixo es(ex) e cardar.156

152Trilho. – A nossa fig. 15 reproduz a forma do instrumento chamado trilho, como se conserva em Bragança.

153O instrumento consta de três peças principais : o trilho, propriamente dito, o peote, que é a vara fixada mais ou menos verticalmente, e a timãozela, que é o cabeçalho ou temão, a que se jungem os animais de tiro (burros ou bois). O trilho propriamente dito é formado por um tabuão, de forma quase rectangular, reforçado na parte superior por travessas, como se vê na figura; na parte inferior, que assenta no chão, ou antes sobre o cereal na eira, está armado de lascas de sílex e pregos, em parte embebidos na madeira. Para aumentar o peso, o guia dos animais, coloca-se em cima do trilho, segurando-se ao peote. Empregam-se também pedras para o mesmo fim. O instrumento passando por cima das espigas faz a debulha.

  • 157 Varro, de re rust., i, 52: «E spicis in area excuti grana. Quod fit apud alios jumentis junctis ac (...)

154A palavra trilho reflecte o latim tribulum, em virtude de processos fonéticos perfeitamente regulares. O termo peote é derivado de pé. Timãozela é diminutivo de temão. A palavra tribulum, em grego τρἰβολον, designava exactamente o mesmo instrumento representado na nossa figura. A descrição de Varrão não deixa a menor dúvida: «Os grãos separam-se das espigas na eira. Faz-se isto nalgumas partes por meio de animais de tiro jungidos a um trilho. Este é formado por uma tábua, tornada áspera por meio de pedras ou bocados de ferro, a qual, levando em cima o guia ou algum peso grande, é arrastada pelos animais jungidos, por cima das espigas para separar os grãos. Outras vezes o trilho é feito de peças de madeira, travejadas, com dentes, e que assentam em rodinhas, e chama-se então ‘carreta cartaginesa’ ; na qual vai assentado um guia que incita os animais que puxam. Vê-se essa forma na Espanha citerior e noutros lugares.»157

155A correlação entre o nosso trilho tradicional e o descrito por Varrão foi estabelecida já várias vezes.

  • 158 John Evans, The ancient Stone Implements of Great Britain, London, 1872, p. 257, trad. franc. de E. (...)
  • 159 Rich, ob. cit., s. v. tribulum, p. 666. Cf. Smith, ob. cit., s. v. tribulum, p. 1148, que cita obra (...)
  • 160 A Dictionary of the Bible, ed. by James Hastings, vol. i, s. v. agriculture.
  • 161 Ferd. Hirt’s, Geogr. Bildertafeln1, 2.te Abth. n.° 94, m.

156Esse instrumento encontra-se ou encontrava-se ainda no século passado na ilha da Madeira, em que, em vez de lascas de sílex, se fazia uso de pedaços de basalto, na ilha de Tenerife, na África setentrional, na Grécia, na Ásia Menor, na Síria, na Palestina, na Geórgia, na Arménia, na Pérsia. Segundo Evans, na colecção de Christy e no Museu de Blackstone há exemplares desse instrumento provenientes de diversos países: são quadros de madeira de cinco a seis pés de comprimento por dois a três de largo. Na superfície inferior há buracos, com forma de losango, cada um com sua lasca ou fragmento de pedra. Esse autor reproduz em gravura um trilho de Alepo, da colecção de Christy, com pedaços de sílex.158 Rich traz uma gravura que representa o instrumento segundo a sua forma geral no Oriente.159 Tenho presente outra gravura que mostra o trilho tradicional da Palestina, puxado por dois bois, guiados por um homem que vai em pé no madeiro, como em Trás-os-Montes160, e uma terceira que figura o trilho persa moderno, um tanto curvo, com um assento em que vai o guia, incitando um cavalo, que puxa por meio de tirantes161.

  • 162 Idem, ibid., n.° 91, h.

157Encontra-se ainda na Síria, na Palestina, no Egipto, um aparelho de debulhar, com rodas, análogo indubitavelmente ao plostellum poenicum, de que fala Varrão. O trilho sem rodas chamava-se em hebreu moreg ou harog ; o carro de debulhar hagalah. Consistia este de um quadro rectangular a que se fixavam dois ou três rolos paralelos, cada um dos quais estava armado de três ou quatro discos agudos, que volviam sobre os cereais. Um carro de trilhar, com sete rodas, e um assento alto para o guia, da Síria, está reproduzido numa figura que tenho ante os olhos.162

  • 163 Isaías, xli, 15, trad. do padre João Ferreira A. de Almeida. Essa tradução foi feita sobre o texto (...)
  • 164 Isaías, xxviii, 27-28, trad. de Ferreira A. de Almeida. S. Jerónimo verte: «Non enim in serris trit (...)
  • 165 Amos, 1, 3.

158Na Bíblia o trilho simples, de arrasto, morag (moreg), é chamado também morag haruts, que foi traduzido por «trilho agudo» no seguinte passo de Isaías : «Eis que te pus por um trilho agudo novo, que tem dentes agudos...»163 Emprega-se também ali haruts, agudo, simplesmente, no sentido de trilho, como noutro passo de Isaías : «Porque a ervilha não se trilha com trilho, nem sobre o caminho rodeia roda de carro; mas com vara sacode a ervilha, e o cominho com pau. – O trigo se quebranta, mas de contínuo trilhando o não trilha : nem o esmiuça com as rodas do seu carro, nem quebranta com seus cavalos.»164 O mesmo termo haruts aparece, p. ex., em Amos, no sentido indicado: «...trilharão a Gilead com trilhos de ferro.»165 A expressão hebraica traduzida por carro, nos dois últimos versículos citados de Isaías, é hagalah, o nome do carro de trilhar ou trilho de rodas ou cilindros da Palestina, como já disse.

159No Egipto, com excepção da parte mais meridional do Said, a debulha fazia-se (e faz-se talvez ainda) com o noreg, máquina cujo nome é com pequena diferença o do trilho entre os hebreus, como já vimos. Segundo uma descrição extractada dos trabalhos da Expedição do Egipto, o noreg é composto de um caixilho horizontal, formado de quatro peças ensambradas em esquadria: duas recebem, paralelamente às outras duas, dois eixos de madeira, em que estão fixadas pelo seu centro três e quatro rodas de ferro liso, de dois milímetros de grossura e quarenta centímetros de altura. Todo o aparelho fica assim móvel horizontalmente sobre as rodas, cuja disposição é tal que as atravessadas pelo mesmo eixo correspondem ao meio dos espaços compreendidos entre as que atravessa o eixo seguinte. Em cima do caixilho levanta-se uma espécie de grande cadeira, obra de carpintaria, na qual se assenta o condutor dos búfalos que tiram o noreg. Quando este não parece ainda bastante pesado, vai um outro homem agarrado à cadeira, atrás do condutor. Um anel de ferro, fixo na travessa interior do caixilho, serve para prender uma corda que vai ao temão volante, em cuja extremidade está um jugo transversal; a este se sujeitam os animais. O aparelho é muito semelhante ao já aludido da Síria.

  • 166 Le Magasin pittoresque, t. xxix, Paris, 1861, p. 174. A p. 173 gravura representando o quadro de Gé (...)

160O aspecto do noreg sobre o cereal na eira é bastante pitoresco para inspirar a reprodução artística pela pintura, como se deu com Gérôme, no seu quadro Le dépiquage du blé en Egypte, apresentado no Salon, em Paris, no ano de 1861.166

161Em autores latinos encontramos menção de um aparelho chamado traha ou trahea, sem dúvida do mesmo radical que trahere, termo que os tradutores portugueses vertem diferentemente por «grade, jorrão, carreta ou zorra», mas em que se tem visto mais geralmente a designação de uma variedade de trilho.

162Num passo em que Virgílio fala da alfaia agrícola e que já foi extractado acima, menciona:

  • 167 Virgílio, Georg., i, 164.

Tribulaque, traheaeque...167

  • 168 Smith, ob. cit., s. v. traha.
  • 169 S. Jerónimo empregou a palavra traha no passo seguinte: «Popolum autem qui erat in ea, edduxit: et (...)

Smith supôs que a traha ou trahea era uma espécie de trilho, feito inteiramente de pedra ou de um tronco de árvore.168 Não pode duvidar-se de que esse aparelho era destinado à debulha.169

163Nos Apeninos usava-se, e usa-se, talvez ainda, uma forma de carro de debulha, chamado batidore, construído de travessas de pau, com uma espécie de forquilhas, que substituíam as pedras do trilho romano e transmontano.

  • 170 Privat-Deschanel et Ad. Focillon, Dictionnaire général des Sciences, i, Paris, 1864, s. v. égrenage (...)

164Na França meridional o roudeau-batteur é uma transformação do tribulum, talvez mais directamente da traha: é um rolo de carvalho, com aro de ferro, móvel num quadro, com ganchos para os tirantes, rolo que tem de diâmetro cerca de 1,44 m e de largura 0,62 m, com um peso de cerca de mil quilos. Na mesma região emprega-se também na debulha um tronco de cone de pedra, com 1 m de largo, l,20m de diâmetro na base maior e 1,15m na menor e dois mil quilos de peso, pouco mais ou menos.170

165O uso do trilho na debulha dos cereais é muito limitado no nosso país, em que se empregam também outros processos tradicionais. São estes a marcha dos animais (cavalos, éguas, bois), em giro, por cima das espigas espalhadas na eira, e o malho ou mangoal.

  • 171 Plínio, Hist. nat., xviii, 30 (72).

166Plínio mencionou esses diversos processos: «Messis ipsa alibi tribulis in area, alibi equarum gressibus exteritur, alibi perticis flagellatur.»171

  • 172 Columela, ii, 20.

167Columela é ainda mais explícito, indicando os casos especiais em que se devia empregar cada um dos processos da debulha: «Sin autem spicae tantummodo recisae sunt, possunt in horreum, et deinde per hiemem vel baculis excuti vel exteri pecudibus. At si competit, ut in area teratur frumentum, nihil dubium est quin equis melius quam bubus ea res conficiatur : et si pauca juga sunt, adjicere tribulam et traham possis; quae res utraque culmos facillime comminuit. Ipsae autem spicae melius fustibus cuduntur, vannisque expurgantur.»172

  • 173 Ferd. Hirt’s, ob. cit., 2.te Abtheil., p. 75, g.

168A debulha por meio de animais encontra-se ainda hoje na Espanha e França, na Itália, na Sérvia173, e noutros países da Europa oriental, na Ásia ocidental, etc.

  • 174 Deuteronómio, xxv, 4, trad. F. A. de Almeida. Na Vulgata: «Non ligabis os bovis terentis in area fr (...)
  • 175 Hoseas, x, 11, trad. F. A. de Almeida. Na Vulgata : «Ephraim docta diligere trituram...»

169Num passo de Isaías citado acima, há alusão a esse processo. No Deuteronómio lê-se: «não encabrestarás ao boi, quando trilhar»174. Em Hoseas : «Porquanto Efraim bezerra é, costumada de trilhar de boamente...»175

  • 176 Rich, ob. cit., s. v. tritura, p. 673.
  • 177 Le Magasin pittoresque, t. xxix, 1861, p. 174.

170Rich traz reprodução de uma pintura egípcia, em que se vêem bois trilhando o grão.176 Nos nossos dias no Egipto, na parte mais meridional do Said, o trigo é debulhado na eira por bois e búfalos.177

  • 178 Xenofon., Oecon., xviii, 5.

171Xenofonte dá algumas particularidades acerca da debulha, na Grécia, a qual se fazia com animais de tiro, bois, mulas ou cavalos. Os debulhadores (έπαλώστη ) tinham cuidado por que a debulha se fizesse de modo igual, volvendo a palha e pondo debaixo dos pés dos animais o que não tinham calcado.178

  • 179 Rossew S.t Hilaire, Histoire d’Espagne, iii, Paris, 1844, 141, n.

172Segundo Rossew-Saint-Hilaire os árabes serviam-se de bois para a debulha.179

  • 180 Ruth, ii, 17.

173Plínio, vimos, diz que nalgumas partes se batiam os cereais ceifados com varas (perticis). Num passo, citado, de Isaías, fala-se de vara e pau com que se sacudiam a ervilha e o cominho (para os arrancar das cascas). Ao emprego da vara para a debulha alude também um versículo do livro de Ruth : «Collegit ergo in agro usque ad vesperam : et quae collegerat virga caedens et excutiens, invenit hordei quasi ephi mensuram (id est, tres modios).»180

  • 181 Friedr. Ratzel, ob. cit., iii, 236.

174Na Abissínia os homens ocupam-se da arada; as raparigas e mulheres têm a seu cargo a ceifa e a debulha, o que fazem com grande trabalho e fadiga, porque apanham à mão o trigo e o debulham na eira com um pau.181 Sem dúvida esse processo é muito primitivo, senão o mais primitivo de todos os da debulha.

175Da simples vara de debulhar desenvolveu-se o instrumento bem conhecido entre nós com o nome de malho ou mangoal, que tem como correspondente o mangoal dos espanhóis, o fléau dos franceses, o coreggiato dos italianos, o Dreschflegel ou Dreschprügel dos alemães, chamado em antigo alto alemão driskit, em anglo-saxão therscol, em inglês flail (do antigo francês flael); o molotilo dos russos, o malóid dos irlandeses, etc.

176O termo malho provém do latim malleus, martelo, o instrumento, espécie de martelo grande, chamado por nós também malho, com que se bate o ferro na bigorna ou no cavalete. A palavra mangoal, como já Diez indicara, é o latim manuale (comp. minguar de minuaré).

  • 182 No fléau, dos franceses (do latim flagellum) a parte mais comprida ou cabo é le manche (do latim ma (...)
  • 183 Revista Lusitana, iii, 68. Em Trás-os-Montes chama-se também encedouro a correia do mangoal. Ibid., (...)

177Para uma das partes do mangoal conserva-se o nome latino pertica, na forma pértigo ou pértego, a peça mais curta de pau, que bate nos cereais, e que é fixada à mais comprida, o cabo, por meio de uma ou mais correias. O cabo chama-se mango, mangoeira ou mangueira (de mango, lat. manicus).182 Todavia no Dic. de Morais lê-se que mango ou mangoeira é o pau mais curto, e pértego o maior; mas no artigo pirtigo diz-se que assim se chama na Beira «a vara mais pequena do mangoal». Em Trás-os-Montes dá-se o nome de casula a um gancho de ferro do mangoal ; e o de meã a uma das correias.183 Há também a forma feminina pértiga, que, parece, se acentua também pirtíga, no sentido de vara.

  • 184 Le Magasin pittoresque, loc. cit.

178No Egipto moderno não se conhece o uso do mangoal, o que se atribui a que seria muito fatigante para os fellahs.184

179Como os autores latinos, nos passos que conheço, só designam o pau de debulhar pelos termos gerais pertica, fustis, virga, baculus, não posso afirmar se os Romanos tinham já o mangoal composto das diversas peças que mencionei e como se encontra espalhado pela Europa, apesar do flagellum de S. Jerónimo (Jsaías, xxviii, 27).

180Forcado. – A nossa figura 16 representa um forcado de madeira, de Évora, a que se dá o nome de carregadeira.

181A figura 17 reproduz uma forquilha também de madeira, da mesma proveniência.

182A figura 18 dá-nos a forma de um instrumento que, se não é errada uma nota que tenho presente e me oferece uma certa dúvida, se chama rendo, em Bragança, donde era originário o exemplar exposto, cujo comprimento total era de 1,60m, e serve para carregar a palha trilhada e folhas secas.

183A figura 19 reproduz um forcado de carregar, de Évora, de ferro, encabado em pau, com o comprimento total de l,60m.

184Há muitas variedades desses instrumentos, que tem vános usos, como juntar na eira os cereais para serem trilhados, arremessar os cereais depois de trilhados para separar, pela acção do vento, o grão da palha, revolver, juntar e carregar palha, estrumes, etc. Há ainda forcados para a empa da vinha.

  • 185 Daremberg et Saglio, ob. cit., t. iv, p. 1400.

185A palavra forcado deriva do latim furca, que designava, entre outras coisas, o mesmo instrumento; forca conserva uma das acepções secundárias de furca ; forquilha é um diminutivo formado em português ; em latim dizia-se furcilla. Há representações de forcados romanos e etruscos com dois ou três dentes.185

  • 186 Dictionary of the Bible, s. v. agriculture.

186Tenho presente a representação gráfica de um forcado da Palestina, com cinco dentes, que se juntam na base, contra o cabo.186

  • 187 O nome osseta do forcado, sagoi, liga-se ao sânscrito çakhã, ramo; do mesmo modo que em lituano apa (...)

187O forcado, cuja forma mais simples se obtém de um ramo de árvore subramificado, é instrumento naturalmente muito espalhado e de uso muito antigo.187

188PÁ. – As figuras 20 a 22 representam diversos tipos de pá, de madeira, empregadas nos serviços da eira.

189Fig. 20: pá da eira, denominada pá de aspar ou para aspar, de Bragança, do comprimento total de 1,20m; serve para limpar o trigo contra o vento.

190Fig. 21 : pá da eira, de Bragança, do comprimento total de 1,30 m, para o mesmo fim da precedente.

191Fig. 22 : pá da eira, de Évora.

192Já me referi acima à pá, como instrumento de cavar. Catão fala de «palas lígnias», pás de pau, que sem dúvida serviam nas eiras para limpar o trigo. De pala nesse sentido, vem o francês pelle, enquanto nessa língua a pá de cavar se chama bêche, o italiano pala, o espanhol pala.

193Empregam-se na limpeza dos cereais, na eira, além do forcado e da pá, a joeira, o crivo, a ciranda.

194O nome da joeira deriva de joio (do latim lolium) ; é pois propriamente o instrumento para separar o trigo do joio; crivo provém do latim cribrum, com o mesmo sentido; a etimologia de ciranda é desconhecida.

195Não se provou a origem árabe dessa palavra.

196Ao instrumento e ao nome do crivo, correspondem o espanhol crivo, francês crible, italiano crivello (diminutivo); à ciranda o espanhol zaranda.

197O termo latino que se traduz usualmente pelo nosso joeira é vannus (fem.). Virgílio menciona-a, chamando-a mística, pelo uso que dela se fazia nas iniciações nos mistérios dionisíacos; ou por se dizer que fora o breço de Baco:

  • 188 Virgílio, Georg., i, 166.

... mística vannus lacchi188.

  • 189 Columela, ii, 20.

198Columela dá notícia do seu uso: «Ipsae autem spicae melius fustibus cudantur, vannisque expurgantur. At ubi paleis immixta sunt frumenta, vento separentur... At si compluribus diebus undique silebit aura, vannis expurgentur, ne post nimiam segnitiem vasta tempestas irritum faciat totius anni laborem.»189

  • 190 Rich, ob. cit., s. v. vannus, p. 694.

199Rich traz uma figura da vannus e diz que era uma espécie de cesta de verga, grande, mas baixa, parecida com a que se usa ainda na Itália e noutros países e de que se servem do modo seguinte: cheia de grão apanhado na eira, segura pelas asas, dá-se-lhe um movimento sacudido, com que se atira ao ar o conteúdo e apanha quando cai, até estar limpo.190 Como se vê do passo último citado de Columela, fazia-se uso da vannus quando havia calmaria; da pá, sem dúvida, quando havia vento.

  • 191 G. Körting, ob. cit., n.° 3548, s. v. * ex-ventacalum, de que provém o francês éventail, menciona o (...)
  • 192 Idem, ibid., n.° 9979.

200A palavra vannus conserva-se em francês na forma van, com o mesmo sentido. Littré define van : «Instrument d’osier pour séparer la paille et l’ordure d’avec le bon grain.» Em latim havia um verbo vannire, derivado de vannus, de que se formou no latim vulgar da Península Ibérica um *vannare, * advannare, que temos no português e espanhol antigo abanar ; daí o subst. abano, dim. abanico.191 Em italiano há vaglio, joeira, de *lat. valleus, de vallus por * vannulus, diminutivo de vannus.192

201Em latim havia ainda, no sentido de vannus, o termo, sem dúvida não popular, ventilabrum.

202Em sânscrito a joeira é chamada çurpa, çurpī, em persa sigaw, em grego λίχνον (λἰχμος, pá de joeirar), em kymrico gwytyll, em córnico guinzal, em antigo alto alemão winta, em anglo-saxão fann, fon, inglês fan, em eslavo litúrgico e russo veialo, vieialo, em polaco opalka, em lituano wetykle. No gótico havia vinthi-skauro, pá de joeirar. Um termo- comum indo-europeu ou só europeu da joeira não aparece, ainda que alguns dos mencionados tenham raízes comuns.

  • 193 Job, xxi, 18.
  • 194 Isaías, xxx, 24.

203No Antigo Testamento há alusões à limpeza do trigo na eira. Em Job lê-se (Vulgata) : «Erunt sicut paleae ante faciem venti...»193 Em Isaías : «et tauri tui et pulli asinorum, qui operantur terram, commistum migma comedent, sicut in area ventilatum est»194. O padre Ferreira A. de Almeida traduziu o último lugar: «E os bois e os poldros, que lavram a terra, comerão grão puro, que for padejado com a pá e cirandado com a ciranda.» No original há com efeito os nomes de dois instrumentos de ventilar ou joeirar o grão : rahat e mizereh, ambos traduzidos em vários dicionários por vannus ou ventilabrum. Talvez seja mais exacta a seguinte tradução do versículo de Isaías : «Os bois e os burros, que lavram a terra, comerão o grão misturado, de gosto saboroso (hamits, subácido), limpo com a pá e com a joeira.»

204Mencionarei ainda como instrumento empregado na eira (e no celeiro, etc.) para juntar os grãos, a palha (e as folhas, etc.), o rodo, de que havia três exemplares na Exposição da Tapada da Ajuda com as designações respectivas de rodo de madeira para eira (Tomar), rodo para juntar o pão (Bragança), rodo de palha (Beja). O rodo consta geralmente de um rectângulo de madeira (pode também ser de ferro), a que se adapta um cabo comprido; arrasta-se pelo chão para juntar os grãos, etc. É como um ancinho sem dentes.

205A palavra rodo é modificada foneticamente do latim rutrum, de que havia o diminutivo rutellum ; mas o rutrum romano divergia do nosso rodo.

206Segundo Smith, o rutrum era uma espécie de enxada, com o cabo fixado perpendicularmente ao meio da lâmina, divergindo do raster. Era usado antes da sementeira para nivelar o chão, quebrando torrões: seria a essa operação que Virgílio aludiria nas palavras:

  • 195 Virgílio, Georg., i, 105.

... cumulosque ruit male pinguis arenae.195

  • 196 Smith, ob. cit., s. v. rutrum Rich, ob. cit., p. 544, onde vem uma gravura representando um rutrum, (...)

O rutrum servia ainda para cavar e remover a terra, misturá-la com diversas substâncias. Rich atribui-lhe uma forma rectangular, com o ferro cortante na extremidade inferior, e um cabo como o das pás.196

207Devido a um pequeno incidente, estou em dúvida relativamente ao nome e uso de um pequeno instrumento, representado na fig. 23; mas creio ser o designado no catálogo da Exposição da Tapada da Ajuda, entre os expostos pelo Sr. Oliveira Fernandes, de Beja, com o nome de esgravata-palha, se bem que nas minhas notas aparecem também as designações de esmoinheira e ferro de esmoitar, referindo-se ao mesmo instrumento. Estimaria ser informado sobre este ponto. O instrumento tem 0,50 m de comprimento.

208Carro. – Na Exposição da Tapada da Ajuda figuravam apenas um carro e uma carreta alentejanos, expostos pelo Sr. Miguel Eduardo de Oliveira Fernandes, de Beja. Faltava o tipo do carro de rodas girando com o eixo, do carro de chiar, que, na Europa, se conserva, parece, hoje só na nossa península. Havia, porém, expostas algumas cangas: duas com apeiragem, luxuosas, de Viana do Castelo; uma de machos e uma de bois de Évora; um jugo com molidas, cornais, tamoeira e trasga de Bragança. Limito-me aqui a esta simples indicação, porque tenciono ocupar-me dos nossos carros tradicionais, jugos e cangas respectivas, assim como de outros meios de transporte, num artigo especial, no próximo fascículo de Portugália.

209Aditamentos. – Muito haverá que acrescentar à precedente investigação, para que, a todos os respeitos, fique menos incompleta. Na parte portuguesa falta a descrição de muitas variantes dos objectos descritivos, e de outros instrumentos agrícolas, a indicação e explicação de muitos termos, etc. Espero consagrar mais tarde um artigo aos meios de irrigação, cegonha, noras, rodas, etc. A parte histórica e comparativa, bastante completa na parte da antiguidade greco-romana e sobretudo romana, graças aos excelentes auxílios que existem neste domínio, é, receio, muito deficiente no resto, apesar de longo trabalho, pela escassez dos recursos. Juntarei aqui apenas algumas notas complementares de pontos tratados.

  • 197 O. Schrader, Sprachvergleichung und Urgeschichte2, p. 417.

210A p. 410, n.° 5. O. Schrader pensou que o grego γὐης, apo, fosse aparentado com γὐ-ρo-ς, curvo, e este com o latim būra, que seria propriamente um termo osco de agricultura197 ; mas a equação b osco = g grego não parece ter apoio em factos certos.

  • 198 L. Siret, La fin de l’époque néolithique em L’anthropologie, iii, 1892, p. 392.

211A p. 412, lin. 8. Segundo uma conjectura de L. Siret, o arado remontaria, na nossa península, à época neolítica. Entre objectos aqui achados, dessa época «há lâminas curtas e grossas, que apresentam na extremidade traços de pancadas e desgaste, como se, solidamente engastadas na madeira, tivessem armado a extremidade de arados... consideram-se muitas vezes semelhantes peças de sílex como lascadores ou retocadores»198.

  • 199 A. Fick, em Kuhn’s, Zeitschsift für vergleichende Sprachforschung, xxii, 156; O. Schrader, ob. cit.(...)

212A p. 414, lin. 15. A. Fick apresentou a seguinte equação que está longe de poder considerar-se provada: grego ἴννις, ὔντις = latim vōmer, vōmis (*us-ni, *ves-mi)199, e têm sido feitas ainda outras combinações.

  • 200 Baist em Wölfflirfs, Archiv für lateinische Lexikographie und Grammatik, iii, Leipzig, 1886), pp. 2 (...)

213À mesma página, lin. 42. Baist, achando inaceitáveis as diversas correcções propostas para o plaumorati de Plínio, propôs a lição : «quod genus vocant ploum Raeti» ; o que tem a vantagem de fazer sentido e ministrar um nome de arado ou charrua, ploum. No Edictus Rothari 288 (a. 643) lê-se: «Siquis plovum aut aratrum alienum iniquo animo capellaverit...» No lombardo encontramos pio, no tirolês plof, arado, modificações de um termo que se encontra nas línguas eslavas e germânicas, e a que já me referi a p. 412. Baist diz: «recearia apresentar ploum como céltico, e a charrua como invento celto-romano. Nenhuma língua céltica tem a palavra... O termo celto-francês charrue parece formação nova para o instrumento novo. A própria nacionalidade dos retos jaz ainda no círculo nebuloso das verosimilhanças, por mais perto que estejamos da solução do problema.200

214A p. 415, lin. 27. Ultimamente obtiveram melhor arrumação e foram catalogados os instrumentos agrícolas da África e da Ásia que possui a Sociedade de Geografia. O arado que em tempos me disseram ser talvez de Timor, aparece com o n.° 2929 e é atribuído a Moçambique; da mesma proveniência é, segundo o catálogo, o modelo de arado n.° 2971, que já teve a indicação de provir de Goa, e ao qual me referi a p. 416, lin. 2. Convenci-me infelizmente de que o catálogo merece pouca confiança. Há na mesma colecção um pequeno modelo de arado, ainda não catalogado, que se colou um papel em que se indica Java, como lugar de proveniência.

215A p. 416, n. 1. Na obra de Maspero, Histoire ancienne des peuples de l’Orient classique, i, 765 há a representação de um arado com bois, da Caldeia. Não vi Schuhmacher, Der arabische Pflug em Zeitschrift der deutschen Palästina-Vereins, vol. xii.

216A p. 644, lin. 2. Na Exposição da Tapada da Ajuda havia dois instrumentos designados, um pela denominação de trilho para palha, o outro pela de trilho de caixos, que entram na categoria do plostellum poenicum ou trilho com rolos. Infelizmente inutilizou-se o negativo fotográfico, que deles fora tirado, não podendo dar-se a gravura.

217Considerações Gerais. – A investigação prova que os instrumentos e aparelhos agrícolas de que nos ocupamos, no que têm de essencial, são bens comuns dos povos indo-europeus, semitas e hamitas e remontam a uma muito alta antiguidade, aos tempos pré-históricos, pelo menos os mais importantes. Os progressos realizados foram extremamente lentos: os mais consideráveis realizaram-se em virtude da transformação geral na cultura produzida pelo aparecimento da indústria metalúrgica, atingindo o ponto culminante na Idade do Ferro. Quando estudar a história do carro, completarei estas considerações, com os dados relativos à domesticação dos animais, tão importante para o progresso agrícola, e outros.

  • 201 Friedrich Diez, Grammatik der romanischen Sprachen. Anhang. Romanische Wortschöpfung, Bona, 1875, p (...)

218Pelo que respeita a alfaia agrícola portuguesa, em especial, dois factos se puseram em evidência: o carácter eminentemente arcaico das formas conservadas e a excepcional preponderância da terminologia romana. Como foi indicado este segundo facto não prova necessariamente que essa alfaia seja de origem romana: prova sim a profundidade da romanização pelo lado da língua. Diez e seus continuadores provaram que essa romanização foi tão completa pelo que respeita à gramática, como pelo que respeita ao vocabulário. Num estudo sobre as transformações deste, o fundador da filologia românica referiu-se só aos seguintes nomes latinos de instrumentos de lavoura : aratrum, ligo, ascia, falx e a seus correspondentes românicos, pela forma e sentido ou só pelo sentido.201 O presente estudo completa essa investigação, deixando margem para aditamentos.

219Pode julgar-se que não se limitou à terminologia a influência romana, na agricultura peninsular, conquanto seja difícil destrinçar os elementos que devemos a essa influência e os que devemos a outras, pelas razões etnológicas conhecidas.

220A conservação de formas muito antigas do arado, a conservação do trilho (forma transmontana), a da foice serreada, a do carro chiante bastam para mostrar o aferro à tradição da técnica agrícola nos povos peninsulares : por este aspecto excedemos todos os outros da Europa. Este característico será analisado e posto em relevo no futuro artigo sobre o carro.

221(Lisboa, 1900-1901.)

Notes

1 Originalmente publicado na revista Portugalia, 1901, vol. i, pp. 633-649.

2 Fr. Diez, Etymol. Wörterbuch 13 5-6; W. Fõrster, in Gröbers Zeitschrift für romanische Philologie, i, 560.

3 Paládio, de re rustica, i, 43. Antony Rich, Dictionnaire des antiquités romaines et grecques, trad. por M. Chéruel, Paris, 1873 ; Dictionnary of Greek and Roman Antiquities, ed. by William Smith, Londres, 1870; Dictionnaire des antiquités grecques et romaines sous la direction de MM. Ch. Daremberg et Ed. Saglio (Paris, 1877 segs. – Por enquanto só A – Labro); R. Cagnat et G. Goyau, Lexique des antiquités romaines, Paris, 1896 – todos s. v. ascia. Nenhum traz figura da ascia do agricultor.

4 Littré, Dict. de la langue française, s. v. houe.

5 Diez, ob. cit., i, 5-6. Förster, ob. cit., iii, 264.

6 Thurneysen, Keltoromanisches, Halle, 1884, pp. 72-73.

7 Veja-se uma figura da tournée por ex. em Dictionnaire général des Sciences de Privat-Deschanel et Ad. Focillon, Paris, 1867, t. ii, p. 1472.

8 Daremberg et Saglio, ob. cit., s. v. bidens.

9 Virgílio, Georg., ii, 397-401 (ed. Ladewig).

10 Idem, Ibid., ii, 354-6.

11 Cat., de re rust., 10-3.

12 Virgílio, Georg., i, 94-5.

13 Id., Ibid., v. 164.

14 Etimologicamente, rãteau vem de lat. rastellum, dem. de raster.

15 Félix Pereira, As Georgicas de Virgílio, Lisboa, 1875, nota a p. 6.

16 «Occa, rastrum». Gloss. apud Freund-Theil, Dict. lat.-francês.

17 P. Vegec., Ars veterinaria, i, 56.

18 Plínio, Hist. nat., xviii, 20 (3), ed. Janus.

19 Vid. a figura no Dict. de Cagnat, s. v.

20 Horat., Odes, iii, 6, 37-39, ed. Nauck.

21 Colum., de re rust., x, 88-89.

22 Plínio, Hist. nat., xvii, 21 (35).

23 Id., Ibid., ix, 15 (17).

24 Plínio, Hist. nat., xix, 6 (33).

25 Columella, de re rústica, ii, 11.

26 Plínio, ibid., xviii, 19 (49).

27 Rich., Dict., traz figura de um sarculum.

28 Daremberg et Saglio, Dict. s. v. ascia, figs. 561 e 562, reproduzem monumentos em que figuram enxós.

29 Colum., ibid., ii, 24, x, 2. Daremberg et Saglio, Dict., t. ii, p. 329, que trazem figuras dos instrumentos.

30 Vid. especialmente sobre este ponto Eduard Hahn, Die Hausthiere und ihre Beziehung zur Wirthschaft des Menschen, Leipzig, 1896; idem, Demeter und Baubo. Versuch einer Theorie der Entstehung unsres Ackerbaues, Berlim, 1897 ; idem, Zur Theorie der Entstehung des Ackerbaues in Globus, t. lxxv, 1899, nr. 18.

31 Friedrich Ratzel, Völkerkunde, Leipzig, 1887-88, 1, 63.

32 Idem, ibid., ii, 47.

33 Idem, ibid., ii, 56-57. «É tudo», diz o autor citado, isto é, nada mais se descobriu de uma agricultura australiana. E todavia os australianos chegaram a moer os grãos que a natureza lhe oferece e a fazer da farinha bolos e até uma espécie de pão, revelando assim que a arte do moleiro e do padeiro são mais antigas que a do agricultor. Oscar Peschel, Völkerkunde, 4lc Auflage, p. 355, em que se encontram importantes reflexões sobre o atraso agrícola.

34 Mouhot, Voyage dans les royaumes de Siam, de Cambodja, etc., in Le Tour du Monde, t. viii, p. 285.

35 Ratzel, ob. cit., ii, 416.

36 Idem, ibid., ii, 606.

37 Idem, ibid.

38 Ratzel, ob. cit., ii, 604.

39 Oscar Peschel, Völkerkunde, pp. 417 e seg. Segundo Alph. de Candolle, Origine des plantes cultivées (3.a ed.), p. 42, a cultura da batata (Solanum tuberosum) estendia-se na América pré-columbina do Chili a Nova Granada (Colômbia) e introduziu-se provavelmente na segunda metade do século xvi na Virgínia e Carolina do Norte (Estados Unidos da América do Norte).

40 Daniel Brinton, The American Race, Nova Iorque, 1891, p. 50.

41 Ratzel, ob. cit., ii, 6, 57.

42 Ratzel, ibid., ii, 606.

43 Idem, ibid., iii, 672.

44 Idem, ibid., i, 203.

45 H. A. Dias de Carvalho, Etnografia e Hist. Tradicional dos Povos da Lunda, Lisboa, 1890, pp. 311-314, figura a p. 312. Vid. também as figuras em H. Capelo e R. Ivens, De Benguela às Terras de laca, Lisboa, 1881, i, 88 (enxada dos ganguelas), p. 177 (enxada do Cuango); Ratzel, ob. cit., i, 203, 446; a p. 155 uma gravura representando uma negra de Loango cavando com uma enxada de cabo simples. As enxadas europeias têm penetrado na África.

46 Id., ibid., ii, 417.

47 Vierkandt, in Globus, Bd. lxix, 1896, n.° 10.

48 Federico Hottenroth, Historia del Traje, Barcelona, 1893, t. i, lam. vii, fig. 22, lam. xiv, figs. 26 e 27.

49 Plínio, Hist. nat., xviii, 6 (8), ed. Janus.

50 Tit. Liv., iii, 26, ed. Weissenborn.

51 Daremberg et Saglio, ob. cit., i, 711, fig. 859, que se encontra também em Smith, Dict. of Greck and Roman Antiquities.

52 Paládio, de re rust., i, 43, 3.

53 Fr. João Pacheco, Divertimento Erudito, Lisboa, 1738, t. ii, pp. 210 e 213.

54 Diez, ob. cit., 13, 28-29. G. Körting, Lateinisch-romanisches Wõrterbuch, Paderborn, 1891, n.° 673. Sobre a carruca, vid. especialmente Saglio et Daremberg, ob. cit., i, 929-930, com as figs. 1197 e 1198.

55 Vid. Diez, l. c., G. Körting, l. c., o reto-romano adoptou o termo alemão Pflug.

56 Daremberg et Saglio, ob. cit., t. i, fig. 434.

57 Basile Vereschaguine, Voyage dans les provinces du Caucase, in Le Tour du monde, t. xix, p. 330.

58 Paládio, de re rustica, i, 43:43 «aratra simplicia, vel, si plana regio permittit, aurita».

59 Vid. Daremberg et Saglio, ob. cit., t. i, fig. 435, reproduzida também em Cagnat, Dict., etc.

60 Daremberg et Saglio, ob. cit. ; Smith, ob. cit. ; Rich, ob. cit., s. v. aratrum.

61 Smith, l. c.

62 Na sua edição de Virgílio, Porto, 1885, traduz o Sr. Júlio Moreira, numa nota fundamentada em Ladewig, buris (de que há também a forma bura) pelo termo rabiça, levado talvez da etimologia não provada βοὀς ονρά rabo de boi, conquanto diga – «a rabiça, onde se encaixa o temão, quando este não é prolongamento daquela», o que só pode entender-se do apo, e não da rabiça; traduz stiva, «o rabelo» do arado; ora o rabelo, como se diz abaixo, era o maniculum. Sem dúvida vários dicionários latino-franceses traduzem buris por manche de la charrue, isto é, rabiça (Freund-Theil, Quicherat, Chatelain, etc.) ; mas não assim os Dicionários de antiguidades, aqui citados, de Daremberg et Saglio e Cagnat.

63 Virgílio, Georg., i, 261-262.

64 Id., ibid., ii, 423-424.

65 Diez, ob. cit., 13, 346.

66 Aravelas ligar-se-á ao termo náutico arvelas, definido por Morais: argolas que se metem nas cavilhas para fechar melhor as chavetas? Será uma alteração de alvela, arvela, nome de uma ave? Os nomes de aves e outros animais não são raros na terminologia técnica; lembrarei, como exemplo, cegonha, pomba, cabra, macaco, cavalete, asna, gato, cão, porca; francês chat, colombe, Chevron, etc. Como as aivecas, poderia a dupla rabiça lembrar as asas de uma ave.

67 Em francês há happe que tem variadas significações, como termo técnico, tais como meio aro de ferro do eixo, para obstar ao desgaste produzido pelas rodas, gato para ligar pedras, pedaços de madeira, etc.; asa de caldeira; grampo de violeiro; tenazes para tirar o cadinho do fogo; cavilha (chavelha, chavelhão) no temão da charrua para segurar a corrente de ferro, etc. Em todas estas significações aparece como fundamental a de «ligar, segurar». Happe significou ainda uma espécie de foice, e vem então do antigo alemão happa, com o mesmo sentido. No sentido de semicírculo de ferro, grampo, liga Littré s. v. a palavra a happer agarrar, pegar-se (à língua), aderir, que segundo ele poderia vir, como Diez indicara, daquela mesma forma alemã antiga happa, por causa da forma de crescente, ou do holandês happen morder, ou ser apenas uma onomatopeia tirada do ruído da boca que pega alguma coisa. Não se ligará o nosso apo àquele termo técnico francês happe?

68 Vid., por ex., Fed. Hottenroth, ob. cit., t. i, Iam. vii, fig. 50, lam. xviii, fig. 25, Champollion-Figeac, Égypte, Paris, 1863, p. 31; G. Maspero, Histoire ancienne des peuples de l’Orient classique. Les origines, Paris, 1895, p. 67.

69 Adolphe Pictet, Les origines indo-européennes, 112, 118-119; G. Curtius, Grundzüge der griechischen Etymologie, n.° 490.

70 H. d’Arbois de Jubainvile, Les primitifs habitants de l’Europe, 12, 209.

71 Ed. Hahn quis explicar a invenção do arado pelas influências de conceitos religiosos e práticas rituais, cuja exposição e critica me levaria para longe do assunto imediato destas modestíssimas notas, sem que com isso adiantássemos no conhecimento da matéria presente.

72 Ratzel, ob. cit., ii, 255.

73 Daremberg et Saglio, ob. cit., t. i, fig. 429. Pausanias, i, 15, 3, ed. Didot.

74 Daremberg et Saglio, ibid., t. I, figs. 430 e 436.

75 Idem, ibid., t. i, fig. 433.

76 Idem, ibid., t. 1, figs. 431 e 432.

77 Elias, x, 353.

78 Hesíodo, Opera et Dies, vv. 427-435, ed. Lehrs-Didot.

79 Daremberg et Saglio, ob. cit., t. i, fig. 438.

80 Plínio, Hist. nat., xviii, 18 (48).

81 Roget de Belloguet, Ethnogénie gauloise, iii, 459-60.

82 Plínio, Hist. nat., iii, 19 (23).

83 Fed. Hottenroth, ob. cit., t. ii, lam. v, fig. 57, representa uma charrua com sega dos anglo-saxões (Idade Média); lam. 34 uma charrua alemã, também com sega, do século xiii, etc. O instrumento aparece, ao lado do arado (sem rodas), em toda a Europa em que se agriculta: tenho notadas várias gravuras representando formas tradicionais de diversos países; por ex.: charrua alemã do Brandenburg em Ferdinand Hirt’s, Geographische Bildertafeln, iii, i, Taf. 53, 9; idem da pequena Rússia, ibidem, Taf. 78, k, com dupla rabiça, sega e um apo articulado de modo semelhante ao que se nota no temão do labrego da nossa fig. 9. Acha-se figurada uma charrua interessante da Transcaucásia em B. Vereschaguine, ob. cit., p. 331.

84 Fr. Ratzel ob. cit., i, 61.

85 Na exposição etnográfica checa, realizada em Praga, no ano de 1896, um grupo estatuário figurava um arado puxado por mulheres, confrontando com outro em que se representava o arado puxado por bois.

86 D. Brinton, ob. cit., pp. 50-51.

87 Ferd. Hirt’s, Geogr. Bildertafeln, iii, iii, Taf. 138, e.

88 Fr. Ratzel, ob. cit., ii, 419.

89 Ferd. Hirt., ob. cit., III, ii, Taf. 98, a.

90 Arados chineses em Hirt., ibid., Taf. 100, 1; Hottenroth, ob. cit., t. i, lam. cix, 17-18 (semelhantes aos antigos e populares europeus) ; um arado japonês cuidadosamente construído de madeira aparelhada e esquadriada, com os mesmos órgãos do arado europeu mais perfeito, em Ratzel, ob. cit., iii, 10; arados tibetanos, um dos quais tem o temão articulado ao apo, de modo semelhante ao dos arados de Obulco e da Transcaucásia, acima mencionados. Idem, ibid., III, 384. Nesta obra figuram-se ainda arados de outros povos; mingrélios, t. iii, 728; abexins, ibid., 235. Um arado da Síria no Dictionary of the Bible, edited by James Hastings, 1, Edimburg, 1898, s. v. agriculture. A palavra que em siríaco designa o apo é buruka. Terá alguma relação com o latim buris?

91 Fed. Hottenroth, ob. cit., i, lam. vii, 22.

92 G. Maspero, ob. cit., p. 67.

93 Virgílio, Georg., i, 94-95 (ed. Ladewig):
Multum adeo, rastris glebas qui frangit inertis Vimineasque trahit cratis, juvat arva...

94 Idem, ibid., i, p. 166: «Arbuteae crates...»

95 O rojão é muito empregado para enterrar a semente de nabos e outras sementes miúdas. Félix Pereira, As Geórgicas de Virgílio, Lisboa, 1875, p. 6, nota.

96 Plínio, Hist. nat., xviii, 20: «Aratione per transversum iterata occatio sequitur, ubi res poscit crate vel rastro; et sato semine iteratio. Haec quoque ubi consuetudo patitur, crate contenta, vel tabula aratro adnexa, quod vocant hirare, operiente semina: unde primum appellata deliratio est.»

97 Idem, ibid., xviii, 21: «Sunt genere terrae, quarum ubertas pectinari segetem in herba cogat – cratis et hoc genus dentatae stilis ferreis.»

98 Idem, ibid., xviii, 30: «Panicum et milium singulatim pectine manuale legunt Galliae.»

99 Columela, ii, 20.

100 Ovídio, Remedium amoris, v. 192.

101 O. Schrader, Sprachvergleichung und Urgeschichte, 2.a ed., Jena, 1890, p. 411; H. d’Arbois de Jubainville, Les premiers habitants de l’Europe, 2a ed., i, Paris, 1889, 215-16; Aug. Fick und Whitley Stokes, Wörterbuch der indogermanischen Sprachen, ii Urkeltischer Sprachschatz, Göttingen, 1894, p. 48; Adolphe Pictet, Les origines indo-européennes, 2.a ed., ii, Paris, 1878, 130-31.

102 H. Thédenot, em Daremberg et Saglio, ob. cit., iv, 576-7, s. v. irpex.

103 Varro, de lingua lat., v, 13-6.

104 Festus, s. v. Irpices.

105 Servius, ad Georg., i, 95.

106 Friedr. Diez, Etymol. Wörterb.3, ii, 344. Como o francês herse (lat. med. herza) aparece também com o sentido de «candelabro», pensou Diez que o português eça, «catafalco», que se rodeia de tocheiras, fosse a mesma palavra; mas acrescenta: «Pela forma e significação corresponde à palavra românica, também inglês hearse, «catafalco», anglo-saxão hersta, antigo alto alemão harsta, grade (não de lavoura), fogueira (para queimar cadáveres). D. Carolina Michaëlis de Vasconcelos, Fragmentos Etimológicos (em Revista Lusitana, iii, 144) diz: «Eça é, sem dúvida, ersa, de ergere (erigere, Cornu, § 148) scil.: tumba ersa» ; mas acrescenta que a palavra viria de Inglaterra, no tempo da rainha D. Filipa, porque a ortografia primitiva de eça é hessa = inglês hearse. Mas esta palavra inglesa, que, como vimos, Diez supôs germânica, é considerada por Walter W. Skeat, A concise etymological Dictionary of the english Language,3, Oxford, 1887, como proveniente do antigo francês herce, mod. herse, de lat. irpicem. Como concilia a ilustre romanista a equação eça = lat. ersa com a origem inglesa? Isso não se vê claramente do seu artigo.

107 Rich, ob. cit., s. v. occatio, p. 432.

108 Adolphe Pictet, ob. cit., ii, 129-30.

109 Friedr Ratzel, ob. cit., ii, 419.

110 Fellow, Voyage in Asia Minor, p. 70. (Não vi esta obra.) Rich, ob. cit., s. v. cylindrus.

111 Virgílio, Georg., i, 178-80.

112 Catão, de re rust., 129.

113 Plínio, Hist. nat., xix, 8 (46).

114 Colum., de re rust., x, 318-22.

115 Nem Diez nem Körting trazem etimologia de ancinho, mas sim a de anzol e do ital. ancino. No Minho diz-se engaço por ancinho.

116 Fr. Diez. Etymol. Wörterbuch, n3 225-6; G. Körting, Lateinisch-romanisches Wörterbuch,2 n.° 10.337. D. Carolina Michaëlis, no primeiro dos seus artigos etimológicos que conheço, publicado no Jahrbuch für romanische und englishe Sprache und Literatur, vol. xiii, Leipzig, 1874, 202-217, deu da palavra guadaña outra etimologia, que pelo lado da significação não oferece tanta dificuldade como a que se nos depara na de Diez. Em espanhol há um verbo desguazar, que significa desbastar, tirar com a enxó a grossura supérflua de um pedaço de madeira. Haveria nessas palavras uma raiz guad ou guaz, de origem germânica, a raiz hvras, que se encontra no alemão wetzen, afiar, no advérbio gótico hvassaba, de hvassa agudo, de um primitivo hvatta, hvatjan ; todavia as dificuldades fonéticas e morfológicas não tinham sido de todo vencidas pela douta romanista. A sua etimologia não é mencionada por G. Körting, que repete simplesmente a de Diez.

117 Fr. Diez, ob. cit., 112, 175; G. Körting, ob. cit.2, n.° 8149 repete ainda a mesma etimologia.

118 Sobre a equação st latino=p (ss) português, que em tempo aceitei de Diez, vid. Julius Cornu, Die Portugiesciche Sprache no Grundriss der romanischen Philologie, de G. Gröber, i, p. 771, n. 2 e os artigos, por ele citados, de H. Schuchardt na Zeitschrift für romanischen Philologie, v, 304, e de Baist, ibid., ix, 146-149.

119 Adolphe Pictet, Les origines indo-européennes, 112, 1878, 136; Sophus Bugge em Kuhn’s Zeitschrift für vergleichende Sprachforschung, xx, 10; O. Schrader, Sprachvergleichung und Urgeschichte,2, Jena, 1890, p. 411.

120 A. Pictet, ob. cit., ii, 138.

121 A. Pictet, ob. cit., ii, 138-9: G. Körting, Lateinisch-romanisches Wörterbuc2, n.° 8373.

122 G. Curtius, Grundzüge der griechischen Etymologie, n.° 115.

123 Cat., de re rústica, xi, 4; Colum., de re rust., xii, 18, 2, etc. Virgílio fala em vários lugares da falx; por ex.: no passo em que se ocupa das súplicas aos deuses e recomenda que não se meta a foice às espigas maduras, sem primeiro bailar e cantar desalinhadamente, em honra de Ceres, com as fontes ornadas de carvalho:
neque ante
Falcem maturis quisquam supponat aristis,
Quam Cereri torta redimitu tempora quercu
Det motus incompositos et carmina dicat.
(Georg., i, 347-350.)

124 Colum., ibid., ii, 20: «Multi falcibus veruculatis, atque iis rostratis vel denticulatis medium culmum secant.»

125 Plínio, Hist. nat., xviii, 28 (260-1).

126 Plínio, Hist. nat., xviii, 30 (296).

127 Roget de Belloguet, ob. cit., iii, 1868, 460.

128 R. v. Virchow, Mähwerkzeuge mit abgepasstem Handgriff aus den Vierlande em Verhandlungen der Berliner anthropol. Gesellschaft f. Anthropol., Ethnol. und Urgeschichte. 22 Juni, 1889, pp. 485-87.

129 L. von Rau, Mãhwerkzeuge, ibid., 5 Febr., 1890, pp. 153-160.

130 Hirt’s, Georg. Bildertafeln, iii, 11, Taf. 59, c.

131 Festus, s. v. merga.

132 Plauti, Poen. v., 2, 58-9:
Palas vendundas sibi ait et mergas datas
ut hortum fodiat, atque ut frumentum metat.

133 Palladius, ii, 20, 3.

134 Plinii, Hist. nat., xviii, 72 (296).

135 Rich, ob. cit., s. v. merga.

136 W. Reiss, Neue Feuersteingeräthe aus Aegypten und Hrn. Flinders Petrie’s neueste Forschungen em Verhandl. d. Berlin. Gesellschaft f. Anthropol., etc. 30 de Maio, 1891, pp. 474-78. Cf. Émile Cartailhac, L’âge de la pierre en Afrique em L’anthropologie, iii, 1892, pp. 405-25, especialmente p. 420.

137 Columelia, ii, 20.

138 Hesíodo, Theogon., v. 175, etc.

139 R. v. Virchow, Weitere Untersuchungen iiber das deutsche Haus em Verhandl. d. Berlin. Gesellschaft f. Anthropol., etc., 15 Nov., 1890, p. 573.

140 Idem, acima, pág. anterior.

141 E. Weckenstedt, Altertümer und Nationalgeräte aus der wendischen Lausitz em Verhandl. d. Berlin. Gesellschaft, etc., 1877, p. 481.

142 Ludwig Krause, Zur Verbreitung der gezahnten Sichel em Globus, vol. lxxv, n.° 13, Abril, 1899.

143 Karutz, Zur Verbreitung der gezahnten Sichel em Globus, vol. lxxvi, n.° 10, Set., 1899.

144 Friedr. Ratzel, ob. cit., iii, 56.

145 Karutz, ibid.

146 O. Finsch, Canoes und Canoebau in den Marshallinseln em Verhandl. der Berlin. Gesellschaft, etc., 15 Jan., 1887, p. 26.

147 Friedr. Ratzel, ob. cit., 1111, 672.

148 Edouard Andrés, Reisen im nordwestlichen Südamerika em Globus, vol. xliv, 1883, p. 276.

149 Friedr. Ratzel, ob. cit., 1111, 213.

150 Idem, ibid., 1111, 236.

151 M. Quedenfeldt, Nahrung-Reiz-und kosmetische Mittel bei den Marokkanern em Verhandl. der Berlin. Gesellschaft, etc., 19 Março, 1887, p. 249.

152 Dr. Karutz (Lübeck), Zur Ethnographie der Basken, em Globus, vol. lxxiv, n.° 21, Dez., 1898, pp. 333-40. Este artigo muito interessante, que citarei ainda noutros lugares, menciona a maior parte dos dados de que me servi acerca da dispersão etnográfica da foice dentada, no presente.

153 Dictionary of the Bible, edited by James Hastings, 1 (Edimburgo, 1898), s. v. agriculture.

154 Paládio, de re rust., i, 43.

155 Isidorus Hisp., Orig., xx, 14, 15. Rich, ob. cit., s. v. runco.

156 G. Körting, ob. cit., n.° 1933.

157 Varro, de re rust., i, 52: «E spicis in area excuti grana. Quod fit apud alios jumentis junctis ac tribulo. Id fit e tabula lapidibus aut ferro asperata, quo imposito auriga aut pondere grandi trahitur jumentis junctis, ut discutiat e spica grana: aut ex assibus dentalis cum orbiculis, quod vocant ‘plostellum poenicum’. In eo quis sedeat atque agited, quae trahant jumenta, ut in Hispania citeriore, et allis locis faciunt.»

158 John Evans, The ancient Stone Implements of Great Britain, London, 1872, p. 257, trad. franc. de E. Barbier, Les ãges de la pierre, Paris, 1878, p. 277. Evans pensa que muitos depósitos de lascas de sílex, encontrados em diversas partes, provêm de antigos trilhos.

159 Rich, ob. cit., s. v. tribulum, p. 666. Cf. Smith, ob. cit., s. v. tribulum, p. 1148, que cita obras de vários viajantes que não pude examinar.

160 A Dictionary of the Bible, ed. by James Hastings, vol. i, s. v. agriculture.

161 Ferd. Hirt’s, Geogr. Bildertafeln1, 2.te Abth. n.° 94, m.

162 Idem, ibid., n.° 91, h.

163 Isaías, xli, 15, trad. do padre João Ferreira A. de Almeida. Essa tradução foi feita sobre o texto hebreu. S. Jerónimo verte : «Ego posui te quasi plaustrum triturans novum, habens rostra serrantia.»

164 Isaías, xxviii, 27-28, trad. de Ferreira A. de Almeida. S. Jerónimo verte: «Non enim in serris triturabitur gith, nec rota plaustri super cyminum circumibit : sed in virga excutietur gith, et cyminum in báculo. – Panis autem comminuetur: verum non in perpetuum triturans triturabit illum, nec vexabit eum rota plaustri, nec ungulis suis comminuet eum.»

165 Amos, 1, 3.

166 Le Magasin pittoresque, t. xxix, Paris, 1861, p. 174. A p. 173 gravura representando o quadro de Gérôme.

167 Virgílio, Georg., i, 164.

168 Smith, ob. cit., s. v. traha.

169 S. Jerónimo empregou a palavra traha no passo seguinte: «Popolum autem qui erat in ea, edduxit: et fecit super eos tribulas, et trahas, et ferrata carpenta transire, ita ut dissecarentur, et contererentur.» Paralipomenon i, 20, 3. Um passo de Columela, ii, 20, que será citado um pouco mais abaixo, tira toda a dúvida sobre o emprego da traha.

170 Privat-Deschanel et Ad. Focillon, Dictionnaire général des Sciences, i, Paris, 1864, s. v. égrenage. Não consegui ver sobre o trilho da Síria: Wetzstein, Die syrische Dreschtafel em Zeitschrift für Ethnologie, 1873, pp. 272 e segs. ; sobre o trilho em Chipre: Unger und Kotschy, Die Inseln Cypern, Viena, 1865, figura a p. 440; na Alta Arménia : Strecker, Beitràge zur Kenntniss von Hocharmemien em Zeitschrift der Gesellschaft für Erdkunde zu Berlin, vol. iv, 1869, p. 150.

171 Plínio, Hist. nat., xviii, 30 (72).

172 Columela, ii, 20.

173 Ferd. Hirt’s, ob. cit., 2.te Abtheil., p. 75, g.

174 Deuteronómio, xxv, 4, trad. F. A. de Almeida. Na Vulgata: «Non ligabis os bovis terentis in area fruges tuas.»

175 Hoseas, x, 11, trad. F. A. de Almeida. Na Vulgata : «Ephraim docta diligere trituram...»

176 Rich, ob. cit., s. v. tritura, p. 673.

177 Le Magasin pittoresque, t. xxix, 1861, p. 174.

178 Xenofon., Oecon., xviii, 5.

179 Rossew S.t Hilaire, Histoire d’Espagne, iii, Paris, 1844, 141, n.

180 Ruth, ii, 17.

181 Friedr. Ratzel, ob. cit., iii, 236.

182 No fléau, dos franceses (do latim flagellum) a parte mais comprida ou cabo é le manche (do latim manicus, termo documentado: vid. Romania, xxviii, 66) e mais curta, que bate no trigo, o fléau propriamente dito. No coreggiato italiano (à letra: «correado», de coreggia, «correia», do lat. corrigia), distinguem-se o manfanile, o mango ou cabo, e a vetta, o pirtigo, o pau que bate no trigo e prende ao manfanile por uma correia (stricia de cuoio). O termo manfanile foi ligado a mamphur (Festo, ed. O. Müller, p. 132), nome de uma peça do torno (de um derivado* manfurinus, de mamphur, vem, segundo Sophus Bugge, na Romania, iii, 154-55, o francês mandrin, peça do torno, que em português se diz mandril). Vid. G. Körting, ob. cit., n.os 5860 e 5878. O termo vetta é derivado por uns do latim vitta, por outros de *vecta. Vid. Idem, ibid., n.° 10 261.

183 Revista Lusitana, iii, 68. Em Trás-os-Montes chama-se também encedouro a correia do mangoal. Ibid., iii, 327.

184 Le Magasin pittoresque, loc. cit.

185 Daremberg et Saglio, ob. cit., t. iv, p. 1400.

186 Dictionary of the Bible, s. v. agriculture.

187 O nome osseta do forcado, sagoi, liga-se ao sânscrito çakhã, ramo; do mesmo modo que em lituano aparece száke, forcado, ao lado de szakà, ramo. Um nome comum indo-europeu ou sequer europeu do forcado, não existe. Duas raízes gabh, entreabrir-se, e grbh, de sentido análogo, parecem ter ministrado a base de diversos nomes do instrumento, como antigo alto alemão kapala, gabala, nórdico gaffal, antigo irlandês gabul, moderno gabhal, erse gobhlag, kymrico gafl, armoricano gavl, polaco grabki, forcado de dois dentes. Vid. Adolphe Pictet, ob. cit., ii, 140-142.

188 Virgílio, Georg., i, 166.

189 Columela, ii, 20.

190 Rich, ob. cit., s. v. vannus, p. 694.

191 G. Körting, ob. cit., n.° 3548, s. v. * ex-ventacalum, de que provém o francês éventail, menciona o português e espanhol abano, abanico, que etimologicamente nada têm que ver com aquele termo hipotético latino, e ignora o étimo, aliás óbvio e há muito coligido, vannus, das referidas palavras peninsulares.

192 Idem, ibid., n.° 9979.

193 Job, xxi, 18.

194 Isaías, xxx, 24.

195 Virgílio, Georg., i, 105.

196 Smith, ob. cit., s. v. rutrum Rich, ob. cit., p. 544, onde vem uma gravura representando um rutrum, bastante diferente de outra que trazem R. Cagnat et G. Goyau, ob. cit., s. v. rutrum.

197 O. Schrader, Sprachvergleichung und Urgeschichte2, p. 417.

198 L. Siret, La fin de l’époque néolithique em L’anthropologie, iii, 1892, p. 392.

199 A. Fick, em Kuhn’s, Zeitschsift für vergleichende Sprachforschung, xxii, 156; O. Schrader, ob. cit., p. 417.

200 Baist em Wölfflirfs, Archiv für lateinische Lexikographie und Grammatik, iii, Leipzig, 1886), pp. 285-6; Alfred Holder, Alt-celtischer Sprachschatz, ii, Leipzig, 1897 segs., col. 1019, s. v. ploum. Holder dá este termo dubitativamente como céltico.

201 Friedrich Diez, Grammatik der romanischen Sprachen. Anhang. Romanische Wortschöpfung, Bona, 1875, pp. 65-66.

Table des illustrations

Titre Figs. 1 e 2
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/5646/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 5,4k
Titre Fig. 3
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/5646/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 2,6k
Titre Figs. 4 a 6
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/5646/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 6,8k
Titre Fig. 7
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/5646/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 2,1k
Titre Fig. 8
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/5646/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Titre Fig. 9
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/5646/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 14k
Titre Fig. 10
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/5646/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 12k
Titre Fig. 11
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/5646/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 3,5k
Titre Fig. 12
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/5646/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 23k
Titre Fig. 13
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/5646/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 5,8k
Titre Fig. 14
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/5646/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 2,0k
Titre Fig. 15
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/5646/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 41k
Titre Fig. 16
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/5646/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 5,1k
Titre Fig. 17
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/5646/img-14.jpg
Fichier image/jpeg, 6,2k
Titre Fig. 18
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/5646/img-15.jpg
Fichier image/jpeg, 7,1k
Titre Fig. 19
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/5646/img-16.jpg
Fichier image/jpeg, 2,5k
Titre Figs. 20 a 22
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/5646/img-17.jpg
Fichier image/jpeg, 11k
Titre Fig. 23
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/5646/img-18.jpg
Fichier image/jpeg, 2,7k

© Etnográfica Press, 1993

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search