Version classiqueVersion mobile

Obra etnográfica (I)

 | 
Adolfo Coelho

III. Tecnologias tradicionais

Tradições Populares Portuguesas. A Caprificação1

Texte intégral

  • 1 Originalmente publicado na Revista de Ciências Naturais e Sociais, 1896, vol. iv, pp. 113-128.

I

1O estudo das tradições populares é vasto e complexo. Não se trata simplesmente de nele coligir poesias, lendas, contos, provérbios, enigmas, o que constitui a literatura popular, as superstições, as crenças religiosas, de descrever e reproduzir graficamente as danças, os vestidos, as habitações, a música, a pintura, a escultura, a linguagem, os gestos, os símbolos gráficos; é necessário estudar também as indústrias do povo no que elas têm de tradicional, os conceitos não supersticiosos sobre a natureza, o homem, a sociedade, enfim o saber popular em todas as suas ramificações, justificando a expressão com que os Ingleses designam o folklore ; ou, se se prefere, estudar a vida do povo sob todos os seus aspectos.

2Pouco satisfeitos com as classificações que até hoje chegaram ao nosso conhecimento das divisões do folklore, tentamos uma nova, cujas bases fomos buscar à psicologia e à ética.

  • 2 H. Spencer, Principes de psychologie, trad. fr., § 513 e segs.

3Spencer classificou os sentimentos em: sentimentos egoístas, ego-altruístas e altruístas e sentimentos estéticos.2

4Sergi modificou essa classificação na terminologia dividindo os sentimentos em:

  • 3 G. Sergi, La psychologie physiologique, trad. fr., p. 327.

5Os últimos constituem uma classe à parte.3

  • 4 W. Wundt, Psychologie physiologique, trad. fr., ii, pp. 293-299.

6Poderá completar-se esse quadro juntando mais duas classes de sentimentos – os religiosos, e os que se referem ao domínio da verdade, da ciência, porque não pode ser negada a existência de tais sentimentos que acompanham o processo do espírito no descobrimento da verdade, determinam a formação da convicção, da certeza e atingem o carácter de emoções, por exemplo, na contemplação das leis astronómicas e até na das verdades da matemática pura. Para esses sentimentos pode adoptar-se a expressão de sentimentos lógicos, empregada por Wundt, que os coloca entre os sentimentos intelectuais, junto com os sentimentos estéticos, éticos e religiosos.4 Acima os sentimentos éticos acham-se já representados nas três classes dos sentimentos individuais, indivíduo-sociais e sociais.

  • 5 A. Bain, Les émotions et la volonté, trad. fr. Append. B. apresenta classificações dos sentimentos (...)

7Deixando aqui de lado muitas questões que se ligam à classificação dos sentimentos, às emoções5, assentaremos pois a seguinte:

8É evidente que classificação análoga pode aplicar-se a todas as formas da actividade humana (formas da vida); e alcançamos assim uma base, que se nos afigura excelente, de classificação para os factos que o folklore e a etnografia se propõe estudar.

  • 6 W. Wundt, Ethik. Eine Untersuchung der Thatsachen und Gesetze des sittlichen Lebens, Leipzig, 1886, (...)

9Wundt dá a seguinte classificação das formas da vida moral: 1. Formas individuais: a) a alimentação ; b) a habitação ; c) o vestuário; d) o trabalho. 2. As formas de relação entre os indivíduos (verkehrformen) : a) a organização do trabalho; b) o jogo; c) o decoro, o porte pessoal; d) as formas de polidez, a saudação. 3. As formas sociais: a) a família e os laços de sociedade; b) o direito matriarcal e patriarcal; c) a família como comunidade moral de vida; d) o desenvolvimento dos sentimentos de simpatia e piedade; e) o estado e os laços de tribo; f) o desenvolvimento das formas do estado; g) o sentimento da comunidade nacional e política; h) o estabelecimento da ordem jurídica; i) o poder penal do estado, etc. 4. As formas humanas da vida: a) o desenvolvimento geral dos sentimentos de humanidade; b) a amizade; c) a hospitalidade; d) a beneficência.6

10Partindo desses dados estabelecemos a seguinte classificação em que temos em vista não só a vida do povo entre as nações cultas, mas ainda nos grupos chamados incultos ou selvagens:

11Formas da vida étnica.

12I. Formas da vida prática.

131. Formas individuais.

14a) A alimentação (matérias empregadas, instrumentos e utensílios respectivos, processos de preparação ; costumes e crenças que se lhe referem).

15b) A habitação (a casa e o seu mobiliário, a casa isolada e os agrupamentos de casas, do lugarejo à cidade, etc.).

16c) O vestuário e as armas.

17d) O trabalho (a agricultura e indústrias anexas, as outras indústrias; matérias-primas, instrumentos, processos; costumes e crenças respectivas).

182. Formas indivíduo-sociais.

19a) A organização do trabalho [senhor, patrão, empresário, mestre e operário (oficial, aprendiz); relações diversas].

20b) O comércio, formas diversas, costumes, crenças, etc.

21c) Associações, companhias, confrarias, corporações de ofícios.

22d) A linguagem, a escrita.

23e) O decoro, o porte pessoal.

24f) As formas de polidez e de respeito.

25g) O jogo (passagem para as formas da vida artística).

263. As formas sociais.

27a) A família (a vida da família: o casamento, a gravidez, o nascimento, a educação dos filhos, as diversas idades; a posição social da mulher, a morte, etc.).

28b) O direito matriarcal e patriarcal.

29c) Os laços da sociedade. A tribo e o estado.

30d) As formas do estado.

31e) O sentimento da comunidade nacional e política.

32f) A organização jurídica (sistema penal, etc.)

334. As formas humanas.

34a) Os sentimentos de humanidade em geral.

35b) A amizade.

36c) A hospitalidade.

37d) A beneficência.

38e) As relações internacionais.

39aa) pacíficas

40bb) belicosas.

41II. Formas da vida artística (estética).

421. Dança.

432. Música.

443. Literatura.

454. Desenho, pintura.

465. Escultura.

476. Arquitectura.

48III. Formas da vida religiosa.

49IV. Formas da vida especulativa (saber popular, propriamente dito).

501. Quanto às fontes:

51d) Observação, experiência.

52b) Conversação, tradição.

53c) Reflexão.

542. Quanto ao objecto :

55a) A natureza.

56b) O homem.

57c) As causas últimas.

  • 7 Vid., por exemplo, o meu artigo anterior nesta Revista.

58A ciência e a filosofia têm as suas raízes na actividade mental do povo, da qual as separam a reflexão sistemática com mira no descobrimento das leis, característica da ciência, e a elaboração consequente das hipóteses, relativas às causas últimas, característica da filosofia. Mas nem a ciência nem a filosofia têm direito de olhar com desprezo para os produtos da mente popular, que muitas vezes se acham nelas, apenas decorados com nomes pomposos.7 A ciência tem também a sua superstição. A filosofia não pôde ainda, em geral, produzir senão ou negações a respeito de uma causa última ou concepções dessa causa numa forma mais ou menos eivada de antropomorfismo, o que tem igualmente as suas raízes em conceitos populares.

59Deixo para um trabalho especial desenvolver e fundamentar a classificação apresentada, assim como incluir o estudo das tradições populares no quadro de uma classificação geral do saber humano. Indicarei agora os graus desse estudo. São eles:

601. ° Grau descritivo (simples coleccionação de dados, com ou sem classificação imediata).

612. ° Grau comparativo (coleccionação de paralelos da tradição do mesmo e de diferentes povos, no presente e no passado, quando possível).

623. ° Grau histórico (determinação da origem étnica da tradição, sua migração, se a houver, e transformações).

634. ° Grau genético (estudo da formação da tradição).

64O primeiro grau está, por assim dizer, ao alcance de toda a gente; para desempenhar-se com mérito a tarefa que impõe exige, porém, perfeita probidade, tacto e talento de observação que nem todos possuem.

65O segundo grau depende da erudição ; exige o conhecimento de línguas que, quando mais extenso for mais profícuo será naturalmente, e excelente memória; e, se os paralelos não são feitos em globo, mas descem às particularidades, buscam as razões das diferenças e têm em vista a solução dos problemas dos graus seguintes, supõe verdadeiro espírito científico.

66O terceiro grau, que muitas vezes se confunde com o quarto, oferece já graves dificuldades, de que são prova, por exemplo, as discussões pendentes sobre a origem ou antes origens dos contos populares, exemplo, ao mesmo tempo, nalguns autores daquela confusão. Ainda que se tenha conseguido demonstrar (o que é empresa árdua) que tal conto é de origem búdica ou assíria, ou egípcia, ou grega, ou remonta ao passado selvagem do homem europeu, etc., fica ainda para resolver a questão de como ele se originou.

67O grau genético depende em grande parte do progresso da psicologia aplicada e da vulgarização dessa ciência entre os folcloristas.

  • 8 Revista de Ciências Naturais e Sociais, tomo iii, pp. 117-124, 169-185.

68Propomo-nos reunir aqui alguns exemplos para mostrar a extensão do domínio do folklore e aplicar os seus métodos de investigação. O meu artigo anterior8 tem já esse ponto de mira; hoje darei um exemplo simples, mas que se me afigura instrutivo.

II

  • 9 João Baptista da Silva Lopes, Corografia ou Memória Económica, Estatística e Topográfica do Reino d (...)

69Silva Lopes fala na sua Corografia do Algarve de diversas qualidades de figos ali cultivados como cóteos (pop. coitos), enxários brancos, enxários pretos, marchaxotes (pop. barsajotes), sofeiros, e diz: «O figo enxário precisa de ser tocado para amadurecer... figos há que sem esse adjutório caem pecos das figueiras em pequenos, como os enxários, víndimos e outros; e ainda mesmo os cóteos, que, se amadurecem sem toque, são mais fartos de miolo porém, posto que tomem um sabor mais acre e picante sendo tocados. Faz-se esta singular operação pendurando nas figueiras enfiadas de outros figos de figueiras bravas (Caprificus). Produzem estas figueiras o fruto três vezes no ano: os primeiros vêm em Abril e caem sem amadurecer em Setembro e Outubro: os segundos aparecem no fim de Setembro e ficam na árvore até ao fim de Maio: neste tempo se descobrem os terceiros. Nenhum destes figos são bons para comer: a natureza os destinou só para fazer amadurecer os de algumas figueiras cultivadas. Certos mosquitos depõem os ovos nos figos do Outono, ali se geram uns vermes que, tornando-se em outros mosquitos, picam em Outubro os figos do Inverno, e então caem aqueles: contêm estes do Inverno os ovos ali depostos, os quais desenvolvendo-se em novos mosquitos, quando os figos estão nascidos, chegam a certa grossura, os picam no olho, e lá introduzem seus ovos; de que nascem ainda outros mosquitos em Junho e Julho. Neste tempo é que se apanham estes figos do Verão, enfiam-se aos dois ou três em palmas, juncos, ou espartos, e penduram-se nas figueiras que precisam ser tocadas: destes figos saem os mosquitos que vão tocar no olho os outros, que então são do tamanho de amêndoas sem casca, depondo ali seus ovos com a vida para a darem a esses figos, que sem isso não medram. No Algarve é tão antigo este conhecimento como na Grécia e Malta, onde também está em uso desde tempo imemorial.»9

70«No Sul da França e em Itália, desde tempos muito remotos que se conhece e usa uma prática curiosa que dá em resultado apressar consideravelmente a maturação dos figos, concorrendo ainda a aumentar-lhes o volume: consiste na aplicação de uma gota de azeite, com uma palha fina ao olho do figo, quando ele começa a inchar; imediatamente toma grande desenvolvimento, aumenta muito de volume e amadurece dentro em poucos dias. Esta prática é sem dúvida muito útil, mas muito trabalhosa e inaplicável na cultura em ponto grande.

71Também no Algarve é ela desnecessária, porque aqui obtém-se o mesmo resultado da caprificação natural que se opera do seguinte modo:

72É conhecida e muito vulgar a variedade de figueiras chamadas de toque: produzem figos pequenos rugosos que nunca chegam a amadurecer; há um pequeno insecto que persegue esta casta, perfurando o figo no olho e depositando no seu interior uma grande quantidade de ovos; estes no começo do Estio desenvolvem-se e do interior do figo sai então um enxame de insectos que se expande pelo figueiral e vai perfurar os olhos aos figos que encontram isto justamente na época que convém ao seu rápido desenvolvimento e maturação. É pois este insecto que se encarrega de realizar uma operação tão útil e que se fosse operada por mão de homem daria imenso trabalho. Há muitas variedades que não sendo caprificadas nunca dão fruto que preste.

73Hoje todos reconhecem não só a vantagem, mas mesmo a necessidade da caprificação e por isso quem planta um figueiral planta sempre algumas figueiras de toque, de permeio com as que destinam à produção de frutos.

  • 10 Alexandre de Sousa Figueiredo, Manual de Arboricultura, Porto, 1875, p. 296.

74Quando nas circunvizinhanças não há figueira daquela casta, na época própria, procuram-se alguns figos de toque se enfiam numa linha, fazendo-se um pequeno rosário e dependuram-se nas figueiras; a seu tempo produzem os insectos necessários para a caprificação.»10

75Estes testemunhos escritos são confirmados por notícias havidas de diversas pessoas naturais ou residentes no Algarve. De uma delas até é que tivemos o primeiro conhecimento da existência daquela prática na referida província; depois achamos, procedendo a outras investigações, as passagens citadas. Não sabemos em que textos ou documentos Silva Lopes se fundamentou para asseverar que a caprificação é antiga no Algarve; porventura uma simples tradição. Em todo o caso não parece existir nenhum testemunho em contrário. A existência do processo no arquipélago grego é, porém, certa nos tempos modernos. Em relação a Malta não encontramos trecho comprovativo.

76« ... Pline a remarqué que l’on cultivoit dans Zia (Cea) les figuiers avec beaucoup de soin; on y continue encore aujourd’hui la caprification. Pour bien comprendre cette manufacture de figues, il faut remarquer que l’on cultive dans la plûpart des Isles de l’Archipel deux sortes de figuiers ; la premiere espéce s’appelle Ornos du Grec litteral Ermos Figuier sauvage, ou le Caprificus des Latins ; sa seconde espèce est le Figuier domestique: le sauvage porte trois sortes de fruits, Fornites, Cratitires, Orni, absolument necessaires pour faire meurir ceux des figuiers domestiques.

77Ceux qu’on appelle Fornites paroissent dans le mois d’Aoút et durent jusques en Novenbre sans meurir; il s’y engendre de petits vers, d’oú sortent certains moucherons que l’on ne voit voltiger qu’autor de ces arbres : dans les mois d’Octobre et de Novembre ces moucherons piquent d’eux-mêmes les seconds fruits des mêmes pieds de figuier ; ces fruits que l’on nomme Cratitires ne se montrent qu’à la fin de Septembre ; et les Fornites tombent peu à peu après la sortie de leurs moucherons : les Cratitires au contraire restent sur l’arbre jusques au mois de May, et renferment les œufs que les moucherons des Fornites y on déposé en les piquant : dans le moi de May la troisième espèce de fruit commence à pousser sur les mêmes pieds de figuiers sauvages, qui ont produit les deux autres ; ce fruit est beaucoup plus gros et se nomme Orni : lorqu’il est parvenu à une certaine grosseur, et que son œil commence à s’entrouvrir, il est piqué dans cette partie par les moucherons des Cratitires qui se trouvent en état de passer d’un fruit à l’autre pour y décharger leurs œufs.

78Il arrive quelquefois que les moucherons des Cratitires, tardent à sortir dans certains quartiers, tandis que les Orni de ces mêmes quartiers sont dispôs à les recevoir : on est obligé dans ce cas-là d’aller chercher les Cratitires dans un autre quartier et de les ficher à l’extremité des branches des figuiers dont les Orni sont en bonne disposition, à fin que les moucherons les piquent: si l’on manque ce temps, les Orni tombent, et les moucherons des Cratitires s’envolent ; il n’y a que les paysans appliquez à la culture des figuiers qui connoissent les moments, pour ainsi dire, ausquels il faut y pourvoir, et pour cela ils observent avec soin l’oeil de la figue ; non seulement cette partie marque le temps oú les piqueurs doivent sortir, mais aussi celui où la figue doit être piquée avec succès ; si l’œil est trop dur et trop serré, le moucheron n’y scauroit déposer ses oeufs, et la figue tombe quand cet œil est trop ouvert.

79Ces trois sortes de fruits ne sont pas bons à manger ; ils sont destinez à faire meurir les fruits des figuiers domestiques; voici l’usage qu’on en fait. Pendant les mois de Juin et de Juillet, les paysans prennent les Orni dans le temps que leurs moucherons sont prêts a sortir, et les vont porter tous enfilez dans de fêtus sur les figuiers domestiques; si l’on manque ce temps favorable, les Orni tombent, et les fruits du figuier domestique ne meurissont pas, tombent aussi dans peu de temps ; les paysans connoissent si bien ces précieux moments que tous les matins en faisant leur revûë, ils ne transportent sur les figuiers domestiques que les Orni bien conditionez, autrement ils perdroient leur recolte: il est vrai qu’ils ont encore une ressource quoique legère, c’est de répandre sur les figuiers domestiques l’Arcolimbros plante très commune dans les Isles, et dans les fruits de laquelle il se trouve des moucherons propres à piquer; peut-être que ce sont les moucherons des Orni qui vont picorer sur les fleurs de cette plante: enfim les paysans ménagent si bien les Orni que leurs moucherons font meurir les fruits du figuier domestique dans l’espace de quarante jours.

80Ces figues fraiches sont fort bonnes : pour les sécher on les expose au soleil pendant quelque temps, puis on les passe au four afin de les conserver le reste de l’année; le pain d’orge et les figues sèches sont la principale nourriture des paysans et des moines de l’Archipel; mais il s’en faut bien que ces figues soient aussi bonnes que celles que l’on sèche en Provence, en Italie, et en Espagne ; la chaleur du four leur fait perdre toute leur délicatesse et leur bon goût : d’un autre côté elle fait périr les oeufs que les piqueurs de l’Orni y ont déchargez, et ces œufs ne manqueroient pas de produire de petits vers dont ces fruit seroient endommagez.

  • 11 Pitton de Tournefort, Relation d’un voyage du Levant. Lion, 1727, t. ii, pp. 23-26.

81Voilà bien de peine et du temps pour n’avoir que de mauvaises figues ? Je ne pouvois assez admirer la patience des Grecs occupez pendant plus de deux mois à porter ces piqueurs d’un figuier a l’autre ; j’en appris bientôt la raison : un de leurs arbres raporte ordinairement jusques à deux cens quatre-vingts livres de figues, au lieu que les nôtres n’en rendent pas vingt-cinq livres... nos figues en Provence et à Paris même meurissent bien plutôt sion pique eurs yeux avec une paille graissée d’huile d’olive...»11

82O processo era já conhecido na antiguidade e estava exactamente em uso entre os Gregos, com efeito.

  • 12 Plínio, Historiae naturalis, lib. xv, cap. 21.

83«É admirável a pressa deste fruto (da figueira), único como tal entre muitos, para a maturação, em virtude de um artifício da natureza. Chama-se caprifico certa variedade de figueira-brava que nunca amadurece, mas dá às outras o que não tem, por isso que é natural a transmissão das forças (causarum) naturais e da putrefacção se gera alguma coisa. Essa figueira dá à luz pois mosquitos (culices) ; estes, faltando-lhes alimento na mãe, pela putrefacção dela, voam para a árvore parente e por meio de frequente mordedura dos figos, isto é, abrindo-lhes, ávidos de pasto, os poros (ora), e penetrando neles fazem entrar consigo o sol e introduzem por essas portas abertas o ar fecundante (ceriales auras). Em breve consomem o humor leitoso, isto é, a infância do figo, o que também se pode dar espontaneamente; por isso nos figueirais põe-se um caprifico contra o vento, de modo que o sopro leve os mosquitos ao voarem para os figos. Daí resultou inventar-se a prática de atar ramos de caprifico, cortados noutro lugar, e lançá-los sobre a figueira doméstica. O que não é necessário nos terrenos magros e expostos ao aguião; porque neles secam os figos espontaneamente pela posição do lugar e as fendas produzem o mesmo efeito que o trabalho dos mosquitos. O mesmo se dá onde há muito pó, como acontece nas figueiras colocadas ao lado de uma estrada; pois a poeira tem a propriedade de secar os figos e absorver o humor leitoso.12

84Já antes de Plínio (m. 79 d. C.), Teofrasto, o discípulo de Aristóteles e fundador da botânica (m. 286 a. C.) falara da caprificação, mas com menos minudência relativamente a esse processo ; dá porém a notícia de que não se praticava na Itália. (Historiae plantarum, lib. ii, cap. 9.)

III

85A tradição que nos ocupa entra no domínio dos processos agrícolas, portanto na divisão da classificação apresentada. I. Formas da vida prática. 1. Formas individuais, d) O trabalho. Não consegui saber se no Algarve o povo dava alguma explicação do fenómeno do amadurecimento dos figos pela caprificação ; se ela existe, entra em IV. Formas da vida especulativa. 2. a) (op. a explicação de Plínio, que todavia não pode dizer-se popular e que do teor de muitas outras contidas nos antigos naturalistas). É natural que o povo algarvio conheça o processo apenas como coisa da prática tradicional, sem se importar com explicações. A verdadeira só a fisiologia botânica dos nossos dias podia dá-la.

  • 13 A. Hovelacqueet Jules Vinson, Études de linguistique et d’éthnographie, Paris, 1878, pp. 197-209.

86Buscámos comprovar a existência da tradição por testemunhos seguros, o que é sempre necessário, porquanto muitas vezes se atribuem a povos tradições que ou são pura invenção dos que as notificam ou pertencem a outros povos, como se deu, por exemplo, com a couvade pretendida dos Bascos13, como mais de uma vez se deu connosco, chegando até um coleccionador a dar-nos contos que lhe foram enviados e eram simplesmente traduzidos de Perrault.

87Passamos a investigar os paralelos e achámo-los só, comprovados por testemunho seguro, nas ilhas do mar Egeu. Se investigação mais extensa no-los descobriria noutras partes a não ser nos países circunvizinhos, é o que os testemunhos negativos de vários escritores de botânica e arboricultura que consultámos nos permitem pôr em dúvida: a caprificação não existe nem na Itália nem na França, nem no resto da península ibérica, fora do Algarve; não parece existir também na África Setentrional.

88De outro lado vemos na antiguidade clássica o processo em voga entre os Gregos, mas desconhecido na Itália, segundo Teofrasto.

  • 14 Victor Hehn, Kulturflanzen and Hausthiere in ihrem Uebergang aus Asien, etc., 5.a ed., Berlim, 1887 (...)

89A pátria da figueira cultivada (Ficus carica, L.) é a Ásia anterior semítica, a Síria e a Palestina. Na Frígia e na Lídia era o seu fruto também muito prezado. Na época a que a remontam as diversas partes da Ilíada parece ser ele ainda desconhecido nas costas e ilhas próximas da Ásia Menor, pois não é mencionado naquele poema, e com maior razão o seria na Grécia europeia. Na Odisseia acha-se a menção da figueira em lugares que a crítica considera como dos mais recentes do poema; na Nekuia, na descrição de Tantalo no suplício (xi, 588 n.), acrescendo evidente, nuns versos que se repetem na descrição do Palácio de Alcinoo (vii, 103-131), com perturbação da continuidade e ainda no episódio de Laertes, acrescento no canto xxiv. Nos poemas hesiódicos não há menção do fruto, que aparece já em Arquiloco (c. 650 a. C.) como produto da ilha de Paros, sua pátria; depois passou a figueira doméstica para a Ática e Peleponeso e outras partes da Grécia e pelas colónias gregas estendeu-se o seu habitat por toda a costa setentrional mediterrânea ao ocidente da Grécia.14

90É impossível determinar se a figueira doméstica nos chegou directamente por colónias gregas ou indirectamente. A sua cultura achava-se florescente na África Setentrional, em Cartago, no tempo das guerras púnicas; não sabemos também se a caprificus precedeu a espécie de fruto comestível no nosso território; mas é natural a hipótese de que o processo da caprificação seja de origem grega; conquanto se possa também pensar que os habitantes do Algarve achassem por si esse processo pela observação da influência dos insectos nascidos nos figos bravos sobre a maturação dos comestíveis. O grau histórico na investigação das tradições populares leva-nos muitas vezes a dupla hipótese análoga, sobretudo quando se trata de tradições simples de natureza, a que falta clara característica de tempo, lugar ou povo. Mas a verdade é que o facto de se encontrar, tanto quanto a investigação no-lo permite afirmar, a tradição de que se trata só entre gregos e no Algarve dá à hipótese da origem helénica grande probabilidade.

  • 15 E. Hübner, Monumentos de Balsa na Revista Arqueológica, publ. por Borges de Figueiredo, vol. i, 188 (...)

91Não podemos duvidar da existência de colonização grega no Algarve. Referindo-se a nomes contidos em inscrições de Balsa (cerca de Tavira) diz o Sr. Emilio Hübner : «Se a estes nomes se juntarem os que se acham em algumas das outras inscrições... observar-se-á, embora a estatística seja muito incompleta, uma certa preponderância do elemento grego na classe inferior dos habitantes. Esta observação é plenamente confirmada pela nomenclatura dos habitantes de Faro (Ossonoba), e de outras cidades de comércio marítimo no resto da península.»15

92O grau genético no estudo da caprificação reduz-se a pouco: não estamos aqui em frente de um problema como o que oferecem os mitos, os contos populares. Trata-se de um facto de observação convertido em experiência e englobado no tesouro do saber prático de um povo. Mas essa observação exige espírito fino, muito atento à natureza; essa experiência iniciativa firme, capaz de se emancipar de uma rotina e tentar novos processos: eram dotes que os Gregos possuíam em alto grau, mas que não nos achamos com direito de negar por completo aos antigos habitantes do Algarve. Quanto aos modernos algarvios não nos parece que no domínio da agricultura e da arboricultura seja notável o seu espírito inventivo.

93(Lisboa, 6 de Janeiro de 1896.)

Notes

1 Originalmente publicado na Revista de Ciências Naturais e Sociais, 1896, vol. iv, pp. 113-128.

2 H. Spencer, Principes de psychologie, trad. fr., § 513 e segs.

3 G. Sergi, La psychologie physiologique, trad. fr., p. 327.

4 W. Wundt, Psychologie physiologique, trad. fr., ii, pp. 293-299.

5 A. Bain, Les émotions et la volonté, trad. fr. Append. B. apresenta classificações dos sentimentos dadas por diferentes autores.

6 W. Wundt, Ethik. Eine Untersuchung der Thatsachen und Gesetze des sittlichen Lebens, Leipzig, 1886, pp. 318-203.

7 Vid., por exemplo, o meu artigo anterior nesta Revista.

8 Revista de Ciências Naturais e Sociais, tomo iii, pp. 117-124, 169-185.

9 João Baptista da Silva Lopes, Corografia ou Memória Económica, Estatística e Topográfica do Reino do Algarve, Lisboa, 1841, pp. 141-2.

10 Alexandre de Sousa Figueiredo, Manual de Arboricultura, Porto, 1875, p. 296.

11 Pitton de Tournefort, Relation d’un voyage du Levant. Lion, 1727, t. ii, pp. 23-26.

12 Plínio, Historiae naturalis, lib. xv, cap. 21.

13 A. Hovelacqueet Jules Vinson, Études de linguistique et d’éthnographie, Paris, 1878, pp. 197-209.

14 Victor Hehn, Kulturflanzen and Hausthiere in ihrem Uebergang aus Asien, etc., 5.a ed., Berlim, 1887, pp. 79-82.

15 E. Hübner, Monumentos de Balsa na Revista Arqueológica, publ. por Borges de Figueiredo, vol. i, 1887, pp. 33-38.

© Etnográfica Press, 1993

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search