Version classiqueVersion mobile

Obra etnográfica (I)

 | 
Adolfo Coelho

II. Tradições populares

Tradições Populares Portuguesas. O Quebranto1

Texte intégral

  • 1 Originalmente publicado na Revista de Ciências Naturais e Sociais, 1895, vol. iii, pp. 117- 124 e 1 (...)

I

1Um dicionário português define quebranto: «doença, desfalecimento do corpo ou mal que, segundo a crendice popular, se comunica pelo olhar de certas pessoas e especialmente dos feiticeiros às crianças e animais»; e os outros livros da mesma categoria dão definições similares.

2Em verdade, o povo distingue duas espécices de quebranto : o que resulta do mau olhado ou mau olho e o que resulta das palavras de louvor ou elogio, dirigidas principalmente a uma criança, conquanto nem sempre se aplique à segunda a designação de quebranto. Começarei a minha exposição das crenças populares relativa ao quebranto por esta segunda espécie.

31. Quando, ainda com muito boas intenções, se dirige a uma criança ou se pronunciam diante dela (ou mesmo na ausência) palavras de louvor como: está muito crescida ! é muito bonita! é muito esperta ! é uma rosa!, etc., a criança fica embruxada ou com quebranto.

42. O meio para evitar que esse mal suceda à criança consiste em juntar ao louvor as palavras: «benza-a Deus» ou outras equivalentes.

5Esta crença está muito espalhada no País, mas é sobretudo vivaz nas províncias do Norte.

6Há todavia, entre o povo, espíritos fortes que zombam da crença, alterando a fórmula na seguinte:

Benza-a Deus, não a lamba o gato;
Se a lamber, fica farto.

7Afirmam-me, não obstante, que no Algarve essa fórmula é empregada a sério.

8«Quando se vê uma criança a primeira vez, diz-se:

Benza-te Deus,
Bons olhos te vejam
E os maus quebrados sejam.»
(J. Leite de Vasconcelos, Era Nova, i, p. 5461.)

93. As palavras elogiosas a um objecto inanimado podem também ser causa da sua destruição. Assim contaram-me que tendo uma dama um belo espelho na sua sala, este lhe foi muito gabado por uma outra que a visitou e claramente revelou a inveja de possuir um igual; e que mal a visita saiu, o espelho estalara, fazendo-se em mil pedaços.

104. Há pessoas cujo olhar tem a propriedade de fazer mal às outras pessoas ou aos animais em que se fita: e as últimas adoecem (sobretudo as crianças) e morrem, se não se lhe acode; o mesmo sucede aos animais. Algumas vezes o mau olhado não só faz adoecer as pessoas, mas ainda lhe acarreta toda a espécie de infelicidade.

115. Há pessoas que têm o mau olhado sem saber que o têm e que portanto produzem involuntariamente o mal; outras fazem propositadamente o mal com o olhado, sobretudo por inveja.

12Essas crenças estão muito espalhadas entre nós.

136. O mau olhado pode incidir também sobre as coisas inanimadas, sobre as propriedades rurais, por exemplo.

147. «Quebranto: – é o estado de abatimento em que alguém se acha. Há-o bom e mau; o primeiro quando se louvam dotes da pessoa quebrantada, sem os abençoar; o segundo quando é dado por olho invejoso.» (J. de Torres, no Almanaque do Arquipélago Açoriano para 1868, p. 113.)

158. O quebranto dado por olho invejoso distingue-se por suscitar bocejos repetidos. (Idem, Ibid.)

16Vejamos agora quais são os meios profilácticos e curativo contra o quebranto, conhecidos do nosso povo.

  • 2 Nos mastros das embarcações do Tejo, chamadas fragatas, vê-se esse apêndice, a que os zombeteiros c (...)

179. As figas, que se fazem de metal, marfim, osso e sobretudo de azeviche (variedade de linhite), são os meios profilácticos mais usados contra o quebranto; vêm depois as moedas furadas que se trazem ao pescoço, os chavelhos que se penduram às portas das casas, do curral, no carro de bois, nos mastros do barco2 e outros amuletos.

1810. «Azeviche e cominhos pendurados ao pescoço ou à cintura preservam de quebranto ou mal de olhado.» (Fr. João Pacheco, Divertimento Erudito, t. iii, p. 172. Lisboa, 1741.)

1911. «Quando há algum nascimento de racional, ou irracional, deve ao pescoço do recém-nascido pôr-se uma figa para o livrar do quebranto.» (Almanaque do Arquipélago Açoriano para 1868, p. 113.)

2012. «É bom pregar uma ferradura nas portas das casas, pela parte de fora, para livrar de quebranto.» (Consiglieri Pedroso, Superstições Pop. Port. in Positivismo, t. iii, p. 13, n.° 108.)

2113. «Doença em criança do berço ou mesmo adulta é quebranto. Tira-se juntando as mães quatro pedaços de chita, quatro de algodão, quatro de panos de lã, quatro de sapatos velhos, quatro de pão do ar, quatro raminhos de aroeira, quatro de rosmaninho, quatro de alecrim e deitam tudo nas brasas. Pelo fumo passa-se o doente para se curar.» (Freguesia de Amiães de Baixo, concelho de Santarém, in Almanaque de Lembranças para 1871, p. 233.)

2214. «Para curar as crianças de quebranto passam-se por uma meada de linho.» (Pedrógão, in Almanaque de Lembranças para 1869, p. 317.)

2315. «Para livrar de quebranto as crianças pequenas é bom pôr-lhes ao pescoço um cordão de seda preta com os seguintes objectos enfiados: um sino saimão, três vinténs em prata furados, uma argola, um dente de lobo, uma meia lua e uma figa.» (Cons. Pedroso, Ibid., p. 154, n.° 314.)

2416. «Dizem que contra o quebranto há algumas pessoas (que quase sempre são mulheres, suposto que eu já vi um homem que o fazia) que benzem; e que este é o único remédio que há. Para este efeito é preciso que a pessoa quebrantada esteja na presença da que há-de benzer; ou que pelo menos esta tenha à sua vista alguma coisa pertencente à pessoa que tem o quebranto, v. g. um colete, camisa, véstia, ou pelo menos um lenço. Estando então qualquer destes trastes na presença da benzedeira, começa esta a dizer secretamente muitas palavras, que não pode deixar de ser uma enfiada de parvoíces e despropósitos, e entra juntamente a abrir a boca, e a afeitar uns espreguiçamentos, cuspindo, e com outras ridículas visagens acaba, dizendo que tinha um grande quebranto, e que bem lhe custava tirar-lho, mas que tenha fé, que fica livre dele; que se defume em tantos bocadinhos de mecha, tantos de azeviche, tantas folhas de louro, e outras ridicularias, assinando número certo aos bocadinhos de cada coisa.» (Invectiva Crítica contra as Bruxas, Ciganas e Benzedeiras, etc., Exposto tudo Numa Carta Que Escreveu***. Lisboa, 1763. Na ofic. de Inácio Nogueira Xisto. Folha volante).

2517. «A cura (do quebranto) é empregar uma cruz de rosário, ou ramo de alecrim verde, como hissope, aspergindo em cruz sobre o quebrantado; tudo acompanhado de algumas orações. Destas têm as pessoas críticas mais desabusadas feito como sátira a seguinte fórmula compendiosa: eu te tiro o quebrantocom três pães no ventrecom três palhas alhase três maravalhase três cabeças d’alhoque eu tinha para semente... e da origem de tal fórmula contam certa história muito comprida da mulher quebrantada, que ante o marido tinha fastio de morte, mas que na sua ausência lhe papava os pães e os alhos nas açordas !» (J. de Torres, in Almanaque do Arquipélago Açoriano para 1868, p. 113.)

2618. «O dedo polegar tem a virtude de talhar a má olhadura, fazendo três cruzes na testa, dizendo em três noites sucessivas:

Dois t’o escantam
Três t’o tiram,
Que são Padre, Filho
Espírito Santo.»
(Bragança. – Teófilo Braga,
O Povo Português, t. ii, p. 93, Lisboa, 1886.)

2719. «Para se tirar mau olhado deve rezar-se a seguinte oração:

Deus te fez,
Deus te criou;
Deus te desolhe
De quem mal te olhou;
Se é torto ou excomungado,
Deus te desolhe do seu mau olhado.»
(Consiglieri Pedroso, Ibid., t. iv, p. 215, n.° 540.)

2820. Para talhar a má olhadura faz-se o seguinte: «Molha-se o dedo polegar no azeite de uma lamparina, por exemplo, fazem-se três cruzes na testa e diz-se:

De dois t’o deu
Três t’o tiram que são
Padre, Filho e Espírio Santo.

29O operante defuma-se então com alecrim e há-de repetir a mesma coisa três noites.» (Idem, Ibid., p. 282, n.° 634.)

3021. Para talhar o quebranto (fórmula inédita?):

Tu, fulano, tens quebranto,
Quem t’o deu, quem t’o daria;
Talhe-t’o Deus e a Virgem Maria.

31Reza-se um P. N. e uma A. M. Bota-se água numa tijela e lança-se nela uma brasa e dizem-se aquelas palavras. Se for quebranto, a brasa vai ao fundo, senão sobrenada. Indo ao fundo, repetem-se as orações e as palavras nove vezes e o doente fica curado. (Minho.)

22. Para talhar o quebranto:
Deus me deu, Deus mariou,

Deus me desdê de quem dada me botou.
As pessoas da Trindade são três,
Têm poder e pode.
D’onde este mal vem para lá torne.
Jesus, nome de Jesus m’ajude,
Que é o santo de virtude.
Eu te talho bicharia e bruxaria.
(Minho.)

32No Douro e Minho diz-se das crianças que têm cameras verdes que estão com o bichoco (ou bicho) e levam-se a quem saiba talhar o bichoco. O bichoco é atribuído à influência da Lua, a uma espécie de quebranto influído por aquele planeta, mas também a quebranto de outras origens. Para essa perturbação digestiva das crianças há na língua o termo afito. Curvo Semedo, falando dele, diz: «Ainda que as velhas e a gente ignorante atribuam as tais cameras ou vómitos verdes a efeitos da Lua a que chamam afito.» (Polyanthea medicinal, i, 15, 58.) E noutro lugar: «Costumam cair as crianças facilmente na doença do afito pelas indigestões e cruezas do estômago.» (Atalaia da vida, 4.) A palavra afito deriva de afitar (composto de fitar ) e mostra portanto a correlação com o quebranto pelos olhos, ou porque a criança fite a Lua ou seja fitada por alguém que tenha o poder de quebrantar.

3323. Mandam-se os quebrantos para o mar coalhado.

34O povo tem uma certa noção vaga da existência do oceano glacial que liga talvez às regiões infernais.

II

35Conquanto quase não sejam necessárias provas de que a crença do quebranto é velha em Portugal, indicarei algumas das alusões que a ela se encontram na literatura.

Fernand’Escalho leixey mal doente
con olho mao tão coitad’assy
que non guarrá, cuyd eu, tan mal se sente,
per quant’oj’eu de don Fernando vi;
ca lhi vi grand’olho mao aver
e non cuydo que possa guarecer
d’est’olho mao, tant’é mal doente.
(Cancioneiro da Vaticana, ed. Monaci, n.° 984.)

  • 3 Publicada por José Soares da Silva, Colleçam de documentos com que se authorisam as Memorias para a (...)

36Na postura sobre superstições da Câmara Municipal de Lisboa de 1385 lê-se: «Nem escante olhado.»3

Querey dar-lh’ algum conforto
poys jsto nam vem d’olhado,
mas d’oulharem
meus olhos quem me tem morto.
(Cancioneiro de Resende, t. i, p. 119, ed. Estugarda.)
Como ahi houve bõos olhos,
houve-os maos para mim.
(Anónimo, pub. por Birckman, na ed. da Menina e Moça. Colónia, 1559.)

Math. Porem trazeis algum pato?
T
es. E quanto dareis por ele?
Hui ! e elle revolve o fato:
Olho mao se metta nelle.
(Gil Vicente,
Auto da Feira, t. i, p. 181, ed. Hamb.)

«Como é bonito e dourado, temem não lhe dê quebranto.» (Jorge Ferreira de Vasconcelos, Eufrosina, act. v, sc. 2.

37Gil Vicente traz um ensalmo contra o quebranto, de carácter verdadeiramente popular:

Estava Santa Ana ó pé do loureiro;
Veio o Anjo por mensageiro.
Vai-te à porta do ouro,
Acharás teu parceiro;
Tira a roca e abraça-o primeiro,
Vai Joaquim após o carneiro,
E naquela hora que Deus verdadeiro
Concebeu Ana em limpo celeiro,
A Santa Maria rezam o salteiro,
Que já o quebranto caiu no ribeiro.
(
Comédia de Rubena, t. ii, p. 13, ed. Hamb.)

  • 4 Apologos dialogaes (Lisboa, 1721), p. 98. Em vez de aflicto a edição tem afflicto, onde, creio que (...)

38No Escriptorio avarento de D. Francisco Manuel de Melo diz um vintém: «Eu furado campey ao outro dia por Vintém de S. Luis, bom para o ar, para enxaqueca, quartans, afficto, mal de olhos, quebranto e mulheres de parto».4

III

  • 5 Os mais importantes são, para a antiguidade clássica, o de Otto Jahn, Ueber den Aberglauben des boe (...)

39Em verdade a crença de que nos ocupamos aqui pertence ao número daquelas de que temos muito antigos testemunhos e provas de que se acham muito espalhadas pelo mundo. Isso explica facilmente o facto de ter sido já objecto de vários estudos especiais5.

40Seja qual for a origem remota dessa crença, é altamente provável que para nós ela derive da tradição clássica, em particular da romana, fundida com a celto-ibérica. Compare-se o que nos diz sobre essa tradição um arqueólogo com o que fica coleccionado acima:

41«A palavra grega e a palavra latina (βασχανία, fascinum, fascinus), que têm provavelmente a mesma raiz, designam em particular a influência perniciosa que uma pessoa pode exercer sobre tudo o que a rodeia sem recorrer a nenhuma cerimónia, a nenhuma fórmula mágica, algumas vezes até sem a sua vontade ter nisso a menor parte. É o carácter próprio dessa acção funesta, o que a distingue de todos os outros malefícios (devotio, imprecatio, magia).

42Por isso a crença na fascinação, ou, como se diz na Itália, na jettatura, foi para os antigos causa de receios contínuos; abundam nos museus objectos de toda a espécie a que eles atribuíam a virtude de preservar contra esse perigo...

43No espírito dos antigos o género de malefício chamado fascinum podia produzir-se pela intervenção da palavra, ainda quando o autor do dano não tinha vontade de fazer mal. Desde tempos imemoriais supunham os Gregos que uma felicidade excessiva excitava a inveja dos deuses (Nemesis); devia haver todo o cuidado em não dar lugar a ela por palavras imprudentes, que teriam manifestado demasiada confiança em si mesmo ou simplesmente grande satisfação do presente. Por isso os elogios imoderados eram capazes de atrair a malevolência dos deuses contra o que é o objecto deles; as crianças, em primeiro lugar, que seus pais estremeciam a toda a hora, podiam ser prejudicadas na saúde, na existência até, por louvores hiperbólicos que aqueles lhes prodigalizavam; era mister proceder nisso com moderação !

44Chegou-se, por consequência, a considerar um louvor imoderado como um artifício empregado pela inveja ou o ódio para atrair sobre outrém a cólera celeste; era o que se chamava fascinare lingua...

45Mas era sobretudo pelo olhar que podia exercer-se a influência maligna; por isso, de ordinário, a palavra fascinum designa mais particularmente o mau olhoo (οφθάλμός πονηρός φθονερός oculus malignus, invidus). Imaginava-se que o olhar de certas pessoas tinha a propriedade de consumir como a chama (urere) os corpos a que se dirigia... Essa crença estava tão fundamente arreigada nos espíritos que até passavam por ter mau olhado crianças de peito, incapazes de proferir uma só palavra.

46De modo geral, o mau olhado destruía toda a felicidade da vítima; podia atingi-la não só na sua pessoa, mas nos seus bens e em tudo o que lhe era querido. Matava de doença o gado e as aves de capoeira...

47Todos os meios que se tinham imaginado para se preservar do mau olhado (praefascinandis rebus) tinham sido inspirados pela mesma ideia: obrigar o olhar fascinador a voltar-se, opondo-lhe um objecto indecente (ἄτοπον, turpe), ou ridículo ( γελοτον, ridiculum ). Pensava-se que esse sinal de desprezo neutralizava os efeitos dos sentimentos de que se estava carregado. Tratava-se de mostrar que se estava pronto a pagar o mal com o mal. É o que explica que as palavras βασχανία e fascinum, que designam a fascinação, foram empregadas num sentido absolutamente contrário para designar o remédio.»

48Fazia-se, para evitar a fascinação a figa com a mão ou trazia-se uma figa esculpida em marfim, metal, etc. A figa representa a união dos órgãos genitais dos dois sexos.

49Parece também que se simulavam, para o mesmo fim, com os dedos as chaves de um animal.

50Havia ainda outros meios, entre os quais a figura de um falo, os quais parece não terem hoje eco na nossa tradição, e todos eles podiam ser reforçados com palavras consagradas, entre as quais só lembrarei a expressão grega e ppe, vai-te à desgraça, por lembrar o nosso arre, porventura sem ligação etimológica com aquela.

  • 6 G. Lafaye, Dictionnaire des antiquités grecques et romaines, s. v. fascinum. Veja-se também o art. (...)

51O uso dos amuletos contra o mau olhado (além dos que figuravam figas), como moedas furadas, e outros com um olho esculpido era muito vulgar.6

52Lembrarei ainda que os Gregos e os Romanos tinham palavras para desviar o quebranto quando cumprimentavam alguém pela sua saúde, beleza, etc. : πφὸς χυνῷ τήν νέµεσιν (vá para o cão a vingança); absit invidia verbo.

53Não é meu intento estender as comparações além da antiguidade clássica. O trabalho, como já indiquei, acha-se feito de modo muito competente por Tuchmann, que indica a existência da crença na fascinação já entre os Caldeus, os Assírios, os antigos Egípcios.

54Parece-me inaceitável que essa tradição, encontrada em quase todos os povos da terra, partisse de um só ponto, de um só centro étnico, da Caldeia, por exemplo. Como tantas outras, nasceu muito mais provavelmente de modo independente em diversos povos e em diversos tempos, graças a motivos psicológicos comuns, de um lado a ideia da nemesis, já acima exposta, de outro a ideia de que o olhar, que impressiona e atemoriza até, quando incendiado pelo ódio, pela cólera, pode produzir mal mais ou menos considerável naquele sobre quem incide. A ideia de emanações partindo do olhar devia também concorrer para a formação da crença. Pelo olhar crê-se penetrar na alma alheia e a alma é considerada, nos estados primitivos do espírito humano como material, ou quase material, como tendo cheiro, forma, podendo ser saboreada, comida. Pelos olhos, pois, poder-se-iam comunicar exalações maléficas da alma. Dados os dois pontos de partida, muito gerais, todas as outras particularidades se derivavam deles facilmente pela mecânica psicológica.

  • 7 Vid. H. Cohen, in Zeitschrift für Völkerpsychologie, t. vi, pp. 113 e segs.

55A ideia de que os objectos obscenos, como tais, são bons profilácticos contra o mau olhado, conforme indica Lafaye, tem base sem dúvida; mas não deve esquecer-se que o falo é um símbolo primitivo da fecundidade, da vida e como tal se oporia a acção de agentes destruidores, e que o acto de cópula e de geração subsequente, figurado na figa, está muito longe de ter tido no começo o carácter obsceno que mais tarde se lhe atribuiu; ao contrário, a geração identificada à produção do fogo pela fricção de duas peças de madeira7, é como ela um acto sagrado.

56As figas vieram a servir como expressão de repulsão, de reprovação, de desprezo. É nesse sentido que se serviu delas D. João de Castro, como se lê na seguinte passagem de Gaspar Correia, que se refere a guerras em Bardez e Salsete, a que não acudiram o capitão e moradores de Goa, dizendo fazê-lo por acatamento do governador que esperavam:

  • 8 Lendas da Índia, t. iv, p. 616, ed. R. Felner.

57«Chegado este catur a Baçaim com este recado, ouve o governador (D. João de Castro) muita paixão porque não passaram além a dar nos mouros; ao que lhe logo mandou resposta em que lhe muito estranhou não fazer o primeiro conselho; e escreveu carta à câmara, muito se queixando consentirem passar tais injúrias em suas barbas, e que se deixaram de o fazer por acatamento de seu mandado, que por isso lhe dava muitas figas para todos que tomaram tal achaque, por não passarem a deitar os mouros fora da terra. E que pois eram meninos que o não sabiam fazer, sem mandado de seu pai, que estivessem assim até que lhe viesse dar a mama; que ele logo viria acudir aos seus meninos e às mulheres que estavam em Goa, onde cuidara que tinha homens. E na carta lhe mandou muitas figas pintadas.»8

IV

58A crença do quebranto não é exclusivamente popular como muitas outras; foi compartilhada por numerosos espíritos, mais ou menos cultos, de diversos tempos.

59No século v antes da nossa era, procurou Demócrito provar com argumentos racionais a realidade do quebranto. O bom Plutarco, no século i da nossa era, volta à carga num capítulo especial dos Symposiaka, e, partindo do ponto de vista em que hoje se colocam muitos homens de ciência para não rejeitarem in limine certos fenómenos reais ou pretendidos reais, não quer que a priori se elimine do círculo da investigação o maravilhoso.

60As explicações de Plutarco apresentam o mesmo carácter fundamental que os motivos populares primitivos do quebranto, apenas desenvolvidos pela reflexão. Segundo ele, dos olhos dos que fascinam saem imagens que são inteiramente privadas de sentimento e de acção e que levando todos os carácteres da maldade e da inveja daqueles de que emanam, os imprimem e transmitem àqueles que pretendam encantar e vão produzir no seu corpo e na sua alma funesta perturbação. Essas concepções ligam-se à teoria da visão dos antigos, segundo a qual sairiam dos olhos como que irradaiações que iriam palpar os objectos. Eis por que Plutarco nos diz que o órgão da vista, naturalmente muito móvel, exala, com o espírito luminoso que dele sai, uma virtude ígnia de maravilhosa actividade que faz que o homem experimenta e opera muitos efeitos sensíveis. Se as paixões se incendeiam em nós e por vezes de súbito sob a impressão dos sentidos, porque não crer que inversamente o olhar possa servir de agente à nossa vontade e realizar exteriormente, por uma virtude secreta, o que sentimos no fundo da alma?

61A discussão mesma de Plutarco revela a existência de espíritos fortes, no seu tempo, que se riam do quebranto.

62Na Idade Média a crença é acolhida, por assim dizer, universalmente. Vejamos o que sobre ela nos diz uma grande autoridade da igreja.

63«Super illud ad Galat. 3 Quis vos fascinavit veritati non obedire? dicit Gloss. (Ordinário) quod quidam habent oculos urentes, qui solo aspectu inficiunt alios, et maxime pueros : Sed hoc non esset nisi virtus animae posset materiam corporalem immutare. Ergo homo per virtutem suae animae potest materiam corporalem immutare.

64... Ad secundum dicendum, quod fascinationis causam assignavit Avic, ex hoc, quod matéria corporalis nata est obedire spirituali substantiae magis, quam contrariis agentibus in natura. Et ideo quando anima fuerit fortis in sua imaginatione, corporalis matéria immatatur secundum eam: Et hanc dicit esse causam oculi fascinantis. Sed sup. ostentum est (I quaest. 110, art. 2) quod materia corporalis non obedit substantiae spirituali ad nutum, nisi soli Creatori.

  • 9 S. Thomae Aquinatis, Summa totius theologiae, i part. Questio cxvii art. iii.

65Et ideo melius dicendum est, quod ex forti imaginatione animae immutantur spiritus corpori conjuncti : Quae quidem immutatio spirituum maxime fit in oculis, ad quos subtiliores spiritus perveniunt. Oculi autem inficiunt aerem continuum usque ad determinatum spatium: Per quem modum specula, si fuerint nova, et pura contrahunt quamdam impuritatem ex aspectu mulieris menstruatae, ut Arist. dicit in lib. de som. et. vig. (seu liber de insomniis, qui illi annectitur, cap. 2, tom. 2). Sic igitur cum aliqua anima fuerit vehementer commota ad malitiam, sicut maxime in vetulis contingit, efficitur secundum modum praedictum aspectus ejus venenosus, et noxius, maxime pueris, qui habent corpus tenerum, et de facili receptivum impressionis. Possibile est etiam, quod ex Dei permimissione, vel etiam ex aliquo pacto occulto cooperetur ad hoc malignitas daemonum, cum quibus vetulae sortilegae aliquod foedus habent9

66Os nossos velhos médicos dissertam gravemente sobre o quebranto.

67Zacuto Lusitano discute os seguintes pontos: 1.°, se há fascinação natural, o que admite; 2.°, que seja; 3.° quais as suas qualidades (qualis sit) ; 4.°, quais as suas diferenças; 5.°, se alguns nascem fascinadores por natureza, o que também admite; 6.°, quais os seres mais sujeitos à fascinação ; 7.°, se há remédios contrários à fascinação; 8.°, se há fascinação por pacto demoníaco, do que não duvida.

68«Fascinatio», diz ele, «duobus modis contingit, animali virtute uno; cacodaemonis maleficio altero. Illam dari, recentiorum communis ferè comprobavit opinio; non enim Graeci solum, sed Latini, et Arabes, dari fascinum in rerum natura, argumentis evidentissimis coacti constanter asseruere…

  • 10 Zacuti Lusitani, Mediei et Philosophi praestantissimi Operum Tomus primus. Lugduni, 1667, pp. 509-5 (...)

69Oculis autem maximè fascinatio fit, quod quae venenum habent, magna ex parte in extremis gestant, quae morsu feriunt, in capite, ut chersydrus, haemorrhois, muraena, vipera, etc. quae ictu in cauda, ut scorpius. Deinde quia facilius conceptum venenum intenti ad nocendum ex oculis eiaculantur, quod sine cute sint.»10

70Vejamos agora o que nos diz sobre a matéria o bom Fr. Manuel de Azevedo:

71«Fascinação, ou olhado, he hũ mal produsido do espirito do fascinante, saindo pelas porosidades do corpo, & principalmente dos olhos, que corrompe o temperamento daquelle sujeyto, a que foy dirigido o tal espirito visivo, imprimindo-lhe hua qualidade maligna, & peçonhenta, & mortífera, porèm naturalmente, & principalmente se for acompanhada com inveja. Esta definição, ainda que não seja absoluta, explica contudo a natureza da fascinação, e se poderá chamar quase descritiva: pois diz que é causada de espírito que sai da boca ou dos olhos. E assim fascinar propriamente é olhar com um aspecto melancólico, turvo e carrancudo por meio de alguma inveja; e assim este espírito malévolo misturando-se com os espíritos, e humores do corpo aonde entra, os altera, destempera e corrompe de sorte, que de súbito o corpo cai, e mostra o mal e dano que recebeu.

72E ainda que a definição diga que é espírito saído do corpo, e olhos, é só porque compreenda a fascinação natural, e não a diabólica, que esta se fará só pela virtude do diabo, permitindo-o Deus, como abaixo se provará.»

73Esse autor diz-nos que as mulheres e principalmente as velhas donzelas e viúvas são mais certas no dar olhado e fascinação que os homens, o que procura explicar à sua maneira.

  • 11 Doutor Fr. Manuel de Azevedo, Correçam de abusos introduzidos contra o verdadeiro methodo da medici (...)

74«Que haja natural virtude de fascinar, e dar olhado não se pode negar; porquanto se têm visto muitos homens que sem saberem o que faziam fascinavam a quantos encontravam ; para verificação desta verdade sirva a história que relata o doutor Mestre André de Resende no seu livro manuscrito, como grandíssimo indagador das antiguidades de Portugal; o qual diz que um certo fidalgo português, importando-lhe um despacho de el-rei e lho não dava logo, por querer ir à caça aquele dia, determinou o fidalgo estorvar-lhe a dita jornada, e o fez assim: vestiu-se em diferentes trajes, e se pôs detrás de uma porta do paço, por onde el-rei havia de sair, e saindo os fidalgos pouco e pouco, com os falcões, açores e nebris nas mãos, com grande alegria e regozijo, o dito fidalgo escondido lhe ia fitando os olhos a todos os pássaros, e lhos ia matando nas mãos; e olhando uns para os outros, vendo as aves de rapina todas mortas, disseram: Recolhamo-nos, e não consintamos que el-rei saia a caçar, porque lhe há-de acontecer algum grande desastre, como nos está prognosticando este sucesso. Assim se recolheram; el-rei não foi a caçar, e não indo despachou aquele fidalgo que tinha o requerimento; e depois se averiguou que tinha nos olhos virtude para matar todo o animal que com olhos fitasse.»11

75Ouçamos o famoso Fonseca Henriques:

76«É pois a fascinação : Comunicação de uma oculta qualidade inocente, que pela vista, contacto e cooperação da pessoa fascinante se introduz na pessoa fascinada, cujos humores altera, dissipando os espíritos, e causando uma universal extenuação do corpo. Não falamos da fascinação diabólica, que é um género de encanto, ou feitiço com que por virtude de certas palavras ficam muitas pessoas ligadas, sem liberdade nem juízo, secando-se extremosamente, como diz Calepino (v. Fascinum) ; falamos somente da fascinação natural, cuja natureza melhor constará das suas causas.

77A causa do quebranto é uma oculta qualidade benéfica, que da pessoa que dá o olhado se transfunde no menino ou em outra qualquer pessoa que o recebe; a qual qualidade sem embargo de se comunicar pelo hálito, ou respiração, por contacto e pelos ocultos eflúvios, que há de corpo a corpo, como aqueles com que os cães conhecem os vestígios das feras, tem de mais a particularidade de se comunicar comummente pela vista; porque parece que pela força com que se olha, sai com mais veemência aquele benéfico eflúvio pelos olhos, e que com maior ímpeto se introduz na pessoa fascinada; e por esta razão se entende vulgarmente que dão olhado os invejosos, pondo os olhos com grande raiva, ira e inveja naquela pessoa a que chegam a invejar a fortuna, ou alguma coisa que trazem para ornato do corpo. Por isto as pessoas que não têm filhos, quando vêem um menino de agradável presença, lhe dão muitas vezes olhado, ainda que o louvem e gostem de vê-lo; porque sempre o invejam, posto que não ponham nele os olhos com a vista carrancuda.

78E esta qualidade que de corpo a corpo se comunica, regularmente se acha em naturezas de depravada e nervosa constituição ; porque da corrupção dos humores expira uma aura inocentíssima, que comovida das paixões do ânimo, ou por inveja, ou por ira, pondo os olhos em algum objecto, o inquinam e ofendem, como sucede nas mulheres, que no tempo da menstruação mancham e contaminam os espelhos em que põem os olhos, segundo escreve Aristóteles, e a experiência confirma. Por isto é mais certo darem quebranto as velhas, nas quais há ordinariamente humores corruptos, e como invejam qualquer alheia formosura, pondo os olhos nela, lhe dão olhado. O mesmo sucede nas pessoas de horrível aspecto, e de má inclinação, que sempre olham com paixão e com enfado, mostrando uma viciosa constituição do corpo, da qual emana esta inocentíssima qualidade, que é causa do quebranto. E qual seja esta viciosa constituição, confessa Senerto, ingenuamente, que o não sabe, porque nem a todos é concedido chegar a Corinto.

79Logo que entendermos que os meninos, ou qualquer pessoa adulta, tem quebranto, os faremos perfumar com a erva hipericão, que vulgarmente se diz erva de S. João, ou com a sua semente, porque tem esta erva singular virtude para livrar do quebranto, ainda que seja diabólico, e por isto lhe chamam os latinos fuga Daemonum, segundo escreve Hierónimo Mengo. A mesma virtude disse S. Agostinho que havia no azeviche, cujos fumos se usaram logo, repetindo-os várias vezes. E quando não haja hipericão, nem azeviche, perfumem-se com salva, manjerona, alecrim, raiz de junça, a que alguns chamam albafor ; pão de aguila, canela e incenso. Porque têm estes fumos virtude de modificar a qualidade fascinante. Depois destes fumos se deitaram em cama branda, bem cheirosa, cuja roupa se perfumará com as ditas coisas; e na casa ficará uma caçoila com brasas, em que se lance o hipericão, ou qualquer outra erva das que temos dito, para que haja na casa em que estiver o doente sempre o fumo delas.»

80Fonseca aconselha, como Manuel de Azevedo, a que se recorra às pessoas que sabem curar de quebranto, principalmente sendo os doentes meninos, aos quais sempre se ofende com medicamentos, e trata depois largamente dos que se devem aplicar para o caso.

81Do que diz dos meios profilácticos notarei só o seguinte que se refere à tradição popular portuguesa;

  • 12 Francisco da Fonseca Henriques, Medicina Lusitana, 3.a impressão, Porto, 1750, foi. liv. ii, cap. i(...)

82«Para preservar do quebranto é vulgar costume antigo quando se louva algum menino, acudir logo a dizer que Deus o guarde e outras coisas com que cuidam que o defendem; sendo que as palavras, só por razão de palavras, nenhuma virtude têm para fascinar; nem para preservar da fascinação, como diz Senerto. Alguns cuidam que em dar uma figa se livram do olhado, e porque não podem fazê-lo para todas as pessoas que virem, trazem consigo figas de azeviche, e de outras coisas com que carregam os meninos.»12

83Bernardo Pereira distingue também a fascinação natural e a diabólica:

  • 13 Bernardo Pereira, Anacephaleosis, medico-theologica, juridica e politica sobre a cura das doenças d (...)

84«Digo natural (fascinação), que é a que chamam quebranto ou mal de olho (em diferença da demoníaca, que são os feitiços, de que tratamos), que não é outra coisa mais que a comunicação de uma qualidade oculta, perniciosa e maligna introduzida pela vista, vaporação, ou contacto em qualquer pessoa, cujos humores e espíritos altera de tal sorte, e com tal excesso, que faz suscitar grandes febres, dores agudas, extenuações do corpo, etc., a qual já hoje não negam os escritores, entre os quais houve nervosíssimas controvérsias, que decidiu e fez cessar a quotidiana experiência.»13

  • 14 Portugal medico, parte i, pp. 624 e segs. Coimbra, 1726.

85Outras vozes poderiam juntar-se a esse coro, como a de Brás Luís de Abreu14, todas de acordo nos pontos fundamentais.

86Não se pense que só os nossos médicos dos séculos xvii e xviii estavam inquinados de semelhantes crendices. Na Alemanha, por exemplo, defendia-se no século xvii uma dissertação sobre a mesma matéria e na mesma corrente de conceitos do tratado, que extraímos de Manuel de Azevedo, na qual lemos, entre outras coisas:

87«Sunt nonnulli, hanc sententiam foventes, non solum infantes, qui optime valent, sed et alios in tabem et pestem statum conjici, immò et res alias posse laesioni esse expositas et quidem tribus modis. Primo, visu; deinde voce. Tertio, contactu et contetractione.

  • 15 Disputatio medica inauguralis de Fascinatione puerorum et adultorum quam... eruditorum disquisitoni (...)

88Non rarò pueris et adultis accidit, ut adeo emacrescant et maciè corripiantur universi corporis, cum febre, vigiliis, inappetentia, et aliquando sine febre, quod Mediei quando que sententiam ferant, fascinatione esse affectos.»15

89E que pensam os espíritos fortes do nosso tempo relativamente ao quebranto?

90Quando vemos asseverados os fenómenos chamados de telepatia, a sugestão a distancia no espaço e no tempo; quando voltam as práticas divinatórias, apenas modificadas no aparato e nos meios; quando a assistência de espíritos dos mortos, vagueando entre nós e manifestando-se graças ao emprego de certos processos muito mais cómodos que os da nekuia de Ulisses, se pretende demonstrar indutivamente, há toda a razão de perguntar se não é justo que as revistas científicas e as sociedades psicológicas discutam a realidade do quebranto.

91Onde começa o natural? Onde acaba?

92Depois de se negar o supernatural, tende-se a aceitar-lhe a existência, baptizando-o simplesmente com o nome de natural. A superstição assim chama-se ciência. Os incultos, os primitivos ficam pois a uma distância muito menor dos cultos, dos que estão ou supõem estar no ponto culminante do progresso intelectual ; reduzem-se as diferenças a uma questão de terminologia.

  • 16 Marc Monnier, Les Contes populaires en Italie. Paris, 1880.

93Há alguns anos publicaram-se, na Revue des Deux-Mondes, uns artigos sobre os Contos Populares na Itália, reunidos depois em volume16, cujo autor, como Plutarco, defende, pelo menos na aparência, a crença no quebranto, acerca do qual reúne dados curiosos. Ele cita entre os que creram na fascinação natural nem mais nem menos do que o grande demolidor Diderot. O nosso autor conclui:

94«A fisiologia, a anatomia, a química, a física, que fizeram tão grandes progressos, deveriam também dirigir as suas investigações para o mau olhado, que é na essência uma doença como muitas outras, aquela de que falara candidamente Inês a seu tutor.

Mes yeux ont ils du mal pour en donner au monde ?

95Conviria submeter esses fenómenos a um inquérito sério, torná-los de certo modo naturais, porque eles só repugnam a certos espíritos fortes por terem a aparência de serem sobrenaturais ou contra a natureza...

96O século último minava pela base todas as crenças que tratava orgulhosamente como superstições, o nosso acolhe-as todas indiferentemente e busca explicá-las todas...

97A crença verdadeira é a do maior número. Sob esse aspecto, é a jettatura que deveria estar à frente de todas as religiões. Contai seus sectários (a estatística faria bem em pensar neles): os que temem a sexta-feira, o número treze, o sal entornado, os espelhos quebrados, etc., etc., etc.; eles são ainda mais numerosos que os budistas.»

98Felizmente há ainda no mundo um resto daquela ironia que nele introduziu Sócrates.

99(Lisboa, 24 de Março de 1894.)

Notes

1 Originalmente publicado na Revista de Ciências Naturais e Sociais, 1895, vol. iii, pp. 117- 124 e 169-185.

2 Nos mastros das embarcações do Tejo, chamadas fragatas, vê-se esse apêndice, a que os zombeteiros chamam barrete do arrais, suscitando assim as iras dos tripulantes.

3 Publicada por José Soares da Silva, Colleçam de documentos com que se authorisam as Memorias para a vida del-rey D. João I. Lisboa, 1734, doc. 37.

4 Apologos dialogaes (Lisboa, 1721), p. 98. Em vez de aflicto a edição tem afflicto, onde, creio que com pouca razão, se leu afflato.

5 Os mais importantes são, para a antiguidade clássica, o de Otto Jahn, Ueber den Aberglauben des boesen Blicks bei den Alten in Bericht ueber die verhandlungen der Leipziger Gesellschaft der Wissenschaften, 1855, e o de J. Tuchmann, La fascination, publ. na Mélusine a partir do n.° 8 do vol. ii, de que infelizmente não tenho presentes todos os artigos, e que estuda a crença em todo o mundo e em todos os tempos de que há memória. Ignoro se o autor colheu alguns testemunhos portugueses, além dos lexicológicos que cita no primeiro artigo. Das obras que tenho presentes ocupa-se ainda, com desenvolvimento, do assunto H. Ploss Das Kind, 2.a ed. vol. i, 139-143. Vi ainda um bom artigo no Dictionnaire des antiquités grecques et romaines de Saglio e Daremberg, infra citado.
Depois de compostas estas notas, tive ocasião de examinar alguns artigos mais de Tuchmann e verificar que de Portugal só cita Rodericus à Castro, Meticus Politicus, 205 – 10. Hamburgo, 1603. In Mélusine, t. ii, 1884-85, col. 411-413.

6 G. Lafaye, Dictionnaire des antiquités grecques et romaines, s. v. fascinum. Veja-se também o art. fascinum no Dictionary of Greek, and Roman Antiquities de W. Smith. (London, 1870.)

7 Vid. H. Cohen, in Zeitschrift für Völkerpsychologie, t. vi, pp. 113 e segs.

8 Lendas da Índia, t. iv, p. 616, ed. R. Felner.

9 S. Thomae Aquinatis, Summa totius theologiae, i part. Questio cxvii art. iii.

10 Zacuti Lusitani, Mediei et Philosophi praestantissimi Operum Tomus primus. Lugduni, 1667, pp. 509-512.

11 Doutor Fr. Manuel de Azevedo, Correçam de abusos introduzidos contra o verdadeiro methodo da medicina. Primeira parte. Em três tratados, etc., Lisboa, 4.°, 1690. II parte. Lisboa, 1705. Tratado I, Da Fascinaçam, Olhado, ou Quebranto, etc., pp. 9 e seg.

12 Francisco da Fonseca Henriques, Medicina Lusitana, 3.a impressão, Porto, 1750, foi. liv. ii, cap. i, pp. 123-127.

13 Bernardo Pereira, Anacephaleosis, medico-theologica, juridica e politica sobre a cura das doenças dos feitiços e seu conhecimento, p. 23. – Coimbra, 1734.

14 Portugal medico, parte i, pp. 624 e segs. Coimbra, 1726.

15 Disputatio medica inauguralis de Fascinatione puerorum et adultorum quam... eruditorum disquisitoni submittit Johannes Sebastianus Otto Ulmeus. Ad. diem Mens. Mart. 1654 f. Argentorati.

16 Marc Monnier, Les Contes populaires en Italie. Paris, 1880.

© Etnográfica Press, 1993

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search