Version classiqueVersion mobile

Obra etnográfica (I)

 | 
Adolfo Coelho

II. Tradições populares

Etnologia. As Superstições Portuguesas1

Texte intégral

  • 1 Originalmente publicado na Revista Científica, 1883, vol. i, pp. 512-528 e 561-578.

1Na nossa Revista de Etnologia e de Glotologia começámos a ordenar e a estudar comparativa e (quando possível) geneticamente as crenças e costumes do povo português que mais ou menos claramente se ligam a antigas concepções da natureza, considerada sob o ponto de vista fetichista ou mítico, e a formas culturais determinadas por essas concepções. Publicámos dois capítulos, susceptíveis de numerosas adições, num dos quais coordenámos os costumes e crenças que se referem a dias e épocas determinadas do ano e que pela maior parte são derivados das festas do paganismo; outro em que reunimos numerosos factos da tradição relativos a entidades míticas e pessoas dotadas de poder sobrenatural; faltava-nos dar a parte comparativa de uma parte do calendário e de todo o segundo capítulo e publicar e estudar comparativamente também as crenças e costumes populares que não entram naqueles capítulos, conquanto fossem do mesmo género. Entretanto as notas avulsas, mais ou menos extensas, sobre as tradições populares foram-se multiplicando, conquanto de um modo um tanto indisciplinado e o tempo ia-nos faltando para uma coordenação que era, como a experiência nos provou, muito mais difícil do que a colheita. O nosso amigo Sr. Consiglieri Pedroso publicou, além de outros materiais, no Positivismo, com o título de Superstições Populares, 531 números, incluindo variantes, de costumes e crenças que em grande parte correspondem ao que devia ser o nosso terceiro capítulo. O Sr. Pedroso não deu ordem nenhuma a esses materiais e exprimiu-se em palavras genéricas de modo até que faz supor que eles não sejam susceptíveis de coordenação. Esse trabalho não nos pareceu dispensar outro em que se tentasse uma classificação e em que se reunisse maior número de dados; resolvemos logo copiar em cartões distintos aqueles 531 números e distribuí-los segundo as divisões que tínhamos dado aos nossos próprios materiais; não nos foi, porém, possível realizar até hoje essa intenção. Ultimamente publicou o Sr. J. Leite de Vasconcelos o seu livro Tradições Populares de Portugal, cujos materiais, pondo de lado uma parte assaz considerável que ficava melhor noutros volumes que o autor tenciona publicar, correspondem ainda ao que devia ser o nosso terceiro capítulo ou terceira secção. O que o Sr. Pedroso não fizera e julgara, ao que parece, até impossível fazer, acha-se aqui feito: no livro do Sr. Vasconcelos há uma classificação, uma coordenação dos materiais, conquanto discutível nalguns pontos, em geral aceitável no estado actual da ciência e, o que é mais, assemelhando-se de perto a classificações que se encontram em excelentes livros do mesmo género. A base da classificação é natural: começa-se pelas superstições que respeitam aos astros, e percorrendo o mundo inorgânico, o reino vegetal e o animal inferior ao homem, sob esse ponto de vista, chega-se ao criador mesmo de todas essas concepções e estuda-se a rede de crenças que a observação, a indução, a assimilação incompletas tornaram erróneas e em que ele envolve todas as relações de sua vida.

  • 2 No Jornal do Comércio de Lisboa, de Novembro, 27, 1882, damos uma apreciação crítica do livro, que (...)

2Entendendo que nada há mais vicioso do que fazer de novo o que outros já fizeram, quando há tanto que fazer que ainda ninguém tentou, sacrificamos a nossa terceira secção perante o livro do Sr. J. L. de Vasconcelos: eliminámos das nossas pastas tudo quanto o livro tinha de comum com os nossos materiais, e achámos assim um pequeno resíduo, que é extremamente fácil publicar. O trabalho a que procedemos convenceu-nos da veracidade e riqueza da informação do Sr. Leite de Vasconcelos2 ; por isso o que convém já, para não duplicar inutilmente trabalhos, é completar essa obra na parte portuguesa. Vamos dar o exemplo, publicando o resíduo a que aludimos e seguindo as divisões adoptadas pelo autor, apenas com algumas subdivisões a mais.

3Ficarão para mais tarde a parte comparativa e as considerações histórico-genéticas. Apenas acidentalmente introduzimos algumas notícias bibliográficas e alguns dados comparativos, consistindo quase sempre em extractos de livros que em regra os folcloristas não citam, ou que são menos acessíveis. Compreende-se o interesse particular desses extractos. As nossas adições são quase exclusivamente do domínio do que geralmente se denomina, se bem que muito vagamente, superstições, usanças, isto é, do que tem o carácter de concepção fetichista ou mítica, de eco de uso cultural, e ainda de costume jurídico.

4Capítulo i. Os astros. 3. [Sobre o homem na lua há numerosas indicações em J. Grimm, Deutsche Mythologie, 3.te A. pp. 680-683; Simrocke, Deutsche Mythologie, 2.te A. pp. 23-24 : O. Peschel, Abhandlungen zur Erd-und Völkerkunde, Neue Folge, pp. 327-337; R. Koehler em Bladé, Contes populaires agenais, pp. 158-159; Stanislao Prato, em Preludio (Ancona-Bologna), v, n.° 2; Brand, Popular antiquilies (ed. 1877), iii, 153-154. Vid. além disso Otto Suttermeister, Kinder-und Hausmärchen aus der Schweiz (Aarau, 1873, 8.°), n.° 57 e nota pp. 230-231; J. P. Hebel, Alemannische Gedichte (Aarau, 8.°), pp. 36-38; Guastella, Vestru (Ragusa, 1882, 8.°), n.° xiv ; P. Sébillot, Contes des paysans et des pêcheurs (Paris, 1881, 18.°), n.° 64.]

5«Mr. Hudson Turner submitted to the Committee a drawing of an impression of a very remarquable seal, here represented of the full size. It is appended to a deed (preserved in the Public Record Office) dated in the ninth year of Edward the Third, whereby Walter de Grendene, clerk, sold to Margaret his mother, one messuage, a barn and four acres of ground in the parish of Kingston-on-Thames. The device appears to be founded on the ancient popular legend that a husbandman who had stolen a bundle of thorns from a hedge was, in punishment of his theft, carried up to the moon. Alexander Necham, a writer of the twelfth centuru, in commenting on the dispersed shadow in the moon, thus alludes to the vulgar belief; ‘nonne novisti quid vulgus vocet rusticum in luna portantem spinas. Unde quidam vulgariter loquens ait:

  • 3 «De Natura Rerum», Ms. Harl., 3737, f. 20 b.

Rusticus in Luna, quem sarcina deprimit una,
Monstrat per spinas nulli prodesse rapinas.’3

6The legend reading – Te Waltere docebo cvr spinas Phebo gero – ‘I will teach you, Walter, why I carry thorns in the moon’, seems to be an enigmatical mode of expressing the maxim that ‘honesty is the best policy’.» The Archoelogical Journal, vol. v, pp. 66-67, London, 1848, 8.°

724. Quando chove e faz sol, diz-se em Coimbra:

Quando chove e faz sol
Andam as bruxas em Antanhol,
Embrulhadas num lençol,
A dançar ao caracol.

831. Os rapazes gritam ao luar (Coimbra):

Ó luar, ó luar,
Dá-me cá o meu folar,
Para mim mais p’ró meu cão.
O meu cão não está aqui,
Está debaixo do navio.
Dá-lhe o vento, dá-lhe o frio,

Fá-lo andar num corropio.

9«Todos os sábados se há-de ver sol ainda que seja um só minuto, por ser dia consagrado a Nossa Senhora.» Alm. do Arq. Açor. para 1868, p. 114.

1033. «O dinheiro mostrado à lua nova, na primeira vez que ela se vê, acrescenta os haveres.» Alm. do Arq. Açor. para 1868, p. 108. É grande a influência atribuída à Lua sobre as coisas animadas e inanimadas. A ideia do seu crescimento alia-se à ideia de crescimento das coisas. As ostras, os mexilhões e outros mariscos estão mais gordos, segundo se crê, no crescente e na lua cheia que no decurso da Lua. [«Cette remarque est fort ancienne. On la trouve déjà dans le poëte Lucilius, dans Aulu-gelle, etc.» François Arago, OEuvres completes, viii, 80. Paris, 1854-1862. 8.°] Deve matar-se o porco durante a lua cheia porque a carne está então mais crescida. [«On trouve plus ou moins de moelle dans les os des animaux, suivant que ces animaux sont tués dans telle ou telle phase de la lune.» Tous les bouchers avaient jadis cette croyance. Je ne sais s’ils la conservent aujourd’hui. Au reste, des observations de Rohault, continuées pendant plus de vingt années, ont prouvé qu’elle n’a aucun fondement. – «Il existe une opinion de Sanctorius qui se rattache à la précédente. Ce médecin prétendait que l’homme en santé gagne une ou deux livres en poids au commencement du mois lunaire, et qu’il les perd à la fin. Sanctorius fit les expériences sur lui-même. Peutétre ne les continua-t-il pas assez longtemps pour avoir de droit d’en tirer une conclusion aussi générale et aussi tranchée que celle à laquelle il s’arrêta.» François Arago, OEuvres completes, viii, 80-81]. – Andar com a lua, diz-se dos lunáticos.

1157. «Quando se vê uma estrela cadente é bom dizer-lhe: Deus te guie ! ou abaixar-se e pegar na primeira coisa que se achar e metê-la na algibeira, o que dá fortuna.» Alm. do Arq. Açor., p. 109.

  • 4 Em consequência de um extravio de algumas notas, que não nos será difícil reconstruir, deixamos de (...)

12Capítulo II.4 Fogo, luz e sombra. 92. Cf. «A luz que estala e expele parte do morrão prognostica presente aos donos da casa.» Alm. do Arq. Açor. para 1868, p. 111. «Quando casualmente se juntam três luzes no mesmo quarto, é sinal de casamento.» Ibid. 93. A mão de finado que ardendo faz adormecer as pessoas da casa e que os ladrões empregam é chamada por alteração de etimologia popular mão refinada. Temos um estudo especial sobre este assunto para publicar. A passagem de Cox não devia ser citada pelo Sr. Leite de Vasconcelos; a explicação dada pelo superficialíssimo mitólogo inglês não tem valor algum.

13Capítulo III. A atmosfera. 104-110. Quando o vento abre uma porta ou janela não se deve dizer, como algumas pessoas costumam por gracejo, «pode entrar»; porque pode entrar o diabo que anda no vento. (Coimbra, etc.) 128. Cf. a adição a n.° 24. Os rapazes dizem em Lisboa:

Chove, chove
Auguinha mole
Que Deus dará pão mole.

14129. Quando há grande tempestade diz-se: «Parece o dia do juízo.» O mesmo se diz em relação a uma desordem, etc. 146. Cf. para as fórmulas as versões publicadas por nós na Romania, iii, 268-9 (1874).

  • 5 Não damos, por motivo de rapidez, a indicação completa dos lugares dos nossos trabalhos ou de outro (...)

15Capítulo IV. A água. 151. O A. dá-nos aqui uma facécia, que como outras devia reservar para os volumes da literatura popular, e de que vamos publicar uma versão nos Jogos e Rimas Infantis (no prelo, vol. ii da nossa Biblioteca de Educação Nacional). 159. Pertence à secção dos jogos; é o célebre ricochete ou chapeleta, que remonta à antiguidade grega. O A. dá ainda outros jogos no seu volume, que devia reservar para outra obra. 160. Fontes e Poços. Vid. Revista de Etnologia n.os 161 e 1625. 166. No Alandroal (Alentejo) há uma lenda semelhante à da Torre-de-Dona-Chama. A mulher de um lavrador viu no fundo de uma cisterna uma mulher terminando inferiormente em serpente; não se atreveu a falar-lhe nem a dizer coisa alguma ao marido e, com o terror que aquela vista lhe produziu, definhou e morreu. O lavrador casou segunda vez e a segunda mulher viu um dia penteando os cabelos de ouro a mulher-serpente; como era corajosa falou-lhe e ela disse-lhe o meio de quebrar o seu encanto e deu-lhe muitos haveres. Reproduzimos de memória, não nos recordando de outras particularidades da lenda.

16Capítulo V. A terra. Este capítulo contém coisas que estavam melhor noutras secções.

17196. Em Lisboa há também uma Cova da Moura. – Praticava-se ainda há pouco (e talvez ainda hoje com alguma modificação) uma prática de divinação em que entrava uma porção de terra como símbolo de morte. As raparigas colocavam em cada um dos quatro cantos da casa uma chave, um livro, e um punhado de terra e umas contas de rezar; a que queria saber o seu futuro tapava os olhos, dava voltas sobre si para perder a orientação da casa, depois buscava um dos cantos da casa e via o que lá estava: se ia ter ao canto que tinha a chave casaria, se ia ter ao que tinha o livro seria freira, se ia ter àquele onde estava a terra morreria na mocidade sem casar, se ia ter ao canto onde estavam as contas ficaria para tia, isto é, morreria velha sem casar. [O mesmo na Alemanha, etc.]

18Capítulo VI. As pedras. [Em relação ao costume de deitar pedras sobre certas sepulturas, vid. os trabalhos de F. Liebrecht, Zur Volkskunde, pp. 267-84, e Karl Haberland, Die Sitte des Steinwerfens und der Bildung vem Steinhaufen em Zeitschrift für Völkerpsychologie und Sprachwissenschaft, xii, 289-309, em que o assunto se acha tratado de modo muito completo. Vid. ainda Revue d’anthropologie, v, 437 ss. (1876). Numa inscrição, em parte céltica, achada em Todi, na Úmbria, lê-se:

Ategnati Drutioni
carnidu logan
Coisis Druticnos
Ategnati Drutioni
carnidu artuaf
coisis Druticnos;

o que foi traduzido assim por W. Stokes :

Ategnati Druti filii
congessit sepulchrum
Coisis Druti filius
Ategnati Druti filii
congessit lapides (sepulchrales)
Coisis Druti filius.

19Stokes cita para esclarecer a inscrição a seguinte passagem de um dos mais antigos monumentos literários de Irlanda, o livro de Armagh, f. 13 b. 1 – 13 b. 2:

«Defunctus est auriga illius (scil. Patricii) hi Muirise Aigli, hoc est campum (sic) inter mare et Aigleum, et sepelivit illum aurigam, Totum Calvum (i. totmáel), et congregavit lapides erga sepulchrum, et dixit sic sit in aeternum et vissitabitur a me in novissimis diebus.»

20Beiträge zur vergleichende Sprachforschung III, 73.

21Seria erróneo atribuir uma origem especial céltica ao costume da nossa península, porque ele se acha espalhado por todo o mundo.]

22218. [«Et dient plusor que cist oiselez (arondelle, hirondelle) devine, car il deguerpit les maisons qui doivent fondre. E quant si fil perdent la veue par ancune achoison, il aporte une herbe que on apele celidoine, qui les garit et lor rent la veue, selonc se que li plusor le tesmoignent, qui esprové Pont aucune fois.» Brunetto Latini, Li livres dou tresor publié par P. Chabaille. Paris, 1864, 4.°, p. 217. A tradição remonta à antiguidade clássica.] 219. Ao lado de fazer rir as pedras falta a frase fazer chorar as pedras. [Alguém poderia ser tentado de ver nessa locução não um simples facto de linguagem, mas um eco mítico; por exemplo, na morte de Baldr choram todas as coisas criadas, homens, animais, plantas e pedras. Snorr 68. J. Grimm D. Mythol., p. 613, n.]

23Capítulo VII. Os metais. 224. [A crença no valor preservativo da ferradura contra feitiços e maus espíritos tem um extenso domínio. «The peculiar custom existing in this place (castle of Oakham) of compelling every peer of parliament the first time he passes through the town to give a horse-shoe to be nailed upon te castle gate, and if he refuse the bailiff of the manor has power to arrest him in his progress and take one from his horse’s foot, is a custom of ancient standing, since it is mentioned by Camden as existing in his tome’. The power of a horse-shoe nailed against a door to drive away witchcraft is often described in the dramatists; nay, the credulity might lately have been witnessed in Monmout-street. But this practice, which the author of Hudibras speaks of in these lines,

Chase evil spirits away by dint
Of sickle, horse-shoe, hollow flint,

is undoubtedly established on the presumption of some early privilege.» The Archoeological Journal. Vol. V, 137. London, 1848. 8.°] [Tem um interesse particular a crença que o Sr. Leite de Vasconcelos colheu de que atirando um canivete aberto ao turbilhão (burburinho) sobe uma bruxa. Há uma crença semelhante na Alemanha, etc. Em geral, a faca atirada vai ferir o espírito do redemoinho ou turbilhão. O ponto essencial é o poder santo do ferro, como mostra muito bem a moderna forma egípcia da tradição. Quando o fellah vê levantar-se um turbilhão ou uma tromba de areia grita para o dchin que crê estar assentado nesse turbilhão ou tromba: «Ferro, o malévolo» e julga ficar seguro. Vid. Mannhardt, Der Baumkultus der Gernanen, p. 132, n. Há a mesma ideia fundamental na superstição da ferradura.

24Capítulo VIII. Os vegetais. 232. Quando uma mulher está de parto põe-se uma rosa de Jericó (planta higroscópica da família das crucíferas) num vaso com água: ao passo que ela vai abrindo, vai-se o útero dilatando; quando está toda aberta, conclui o parto; mas é mister tirá-la logo da água, de outro modo a mulher fica aberta. (Almada, etc.) [A superstição acha-se muito espalhada; parece ter vindo do Oriente.] 234. «Dizem alguns que o touro atado ao pé de uma figueira se faz manso; e que a carne especialmente da galinha e peru pendurada de uma figueira se faz tenra.» Fr. João Pacheco, Divertimento Erudito, i, 355. 238. Sobre o alecrim vid. Revista de Etnologia, p. 60, n.os 50 e 51. 239. Sobre as ervas de S. João, Revista de Etnologia, pp. 77 e segs. 247. Cf. Revista de Etnologia, p. 81, n.° 128. 248. Sobre o trovisqueiro achamos o seguinte no Alm. de Lemb. para 1868, pp. 214 e 215 : «É remédio eficaz contra as sezões o chegar ao pé de um trovisco macho e dizer-lhe:

Senhor compadre capitão,
Empresta-me a sua camisa
P’ra eu ir a uma função?

25Em seguida descasca-se o trovisco e lança-se a tona ao pescoço do enfermo. Cumpre notar que chamam ‘trovisco macho’ a um pé deste arbusto que se acha isolado e sem companheiro. Com o mesmo se costumam apegar, como um santo, muitas pessoas, e principalmente mulheres, quando levam aos povoados frutos e outros comestíveis, para ele as ajudar a vender bem (cf. n.° 247), e então dirigem-se-lhe nestes termos:

Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo;
Venha daí comigo
Ajudar-me a vender isto.

26Cortam-no e colocam-no sobre cestos, ou outros quaisquer vasos, onde levam os géneros que pretendem vender. Ao trovisco atribuem-se-lhe grandes virtudes e livra em geral das coisas más. As feiticeiras fogem-lhe. Uma velha foi vista ajoelhada a um rezando uma oração e disse que ele livra das bruxas, demónios e todas as coisas más (Minho).» – [Sobre o valor do alho contra feitiços vid. H. Ploss, Das Kind, i, 121. Os habitantes das Molucas põem debaixo do travesseiro dos doentes alho e outras ervas. Cerémonies et coutumes religieuses, etc., i, 65], 251. Variante da fórmula do sabugueiro, de uma lavadeira de S. Mamede de Infesta: «Para talhar o fogo, toma-se uma folha de sabugueiro e pós de goma, que se põem sobre a parte doente e diz-se fazendo cruzes:

Sempre verde,
Bem-aventurado,
Foste nascido
Sem ser semeado;
Tirai o fogo
A este roborado,
Pelo S. Pedro
E o milagroso Silvestre,
Tudo o que eu faço preste.
N. S. Jesus Cristo
Seja o divino mestre.
Ámen.»

27Uma mulher de Celorico de Basto disse-nos: «Quem tem maleitas, se encontra um mantastro, sem o procurar, vai buscar sal e depois deita-o nas folhas do mantastro e diz:

Deus te salve, mantastro,
Se tens saúde e eu tenho maleitaço,
Da-me a tua saúde que eu dou-te o meu maleitaço.»

28Arruda. «O seu fumo preserva de quebranto, e o cura; e por isso com ele se devem perfumar os berços das crianças, e casas. Pendurados nas portas os ramos defendem da peste e feitiços.» Fr. João Pacheco, i, 287. «A arruda dá flor no dia de S. João, mas o diabo vem buscá-la na hora em que desabrocha e por isso é que ela se não acha.» (Brasil), Alm. de Lembr. para 1864, p. 284. «Se a mulher soubesse a virtude da arruda, buscá-la-ia de noite à lua.» Delicado. Vid. Rev. Etnol., p. 153, n.° 191. «Quem poderá crer que arruda, e erva de S. João, verbena fêmea, o peucedeno, a que chamam erva tom, os cascos da cebola albarrã, e muitas outras ervas fáceis e conhecidas, aplicadas como convém, sejam contra peçonha aos enfeitiçados, ligados e fascinados, como adiante se dirá?» Fr. Manuel de Azevedo, Correcção d’abusos, ii, 40. – Fava de Santo Ignacio (fava de Manilha). «Dizem que é remédio contra as bruxas e feiticeiras, trazendo-a consigo; contra os feitiços, e embruxados, amarrando-a em qualquer parte do corpo; contra o veneno, bebida; contra o espasmo, moída em vinho; contra febres e frios, em água ou em vinho; contra o mal contagioso, trazendo-a consigo; contra a tosse do estômago, moída em água; para as mulheres que não podem parir, com vinho; para conhecer que uma mulher é bruxa ou feiticeira, tendo-a na mão, e pondo-a em cima das pessoas, em que há suspeita, etc.» Fr. J. Pacheco, ii, 759. – Orgevão. «A raiz do orgevão (verbena) trazida ao pescoço, e renovada cada oito dias, cura as alporcas por virtude oculta.» Ibid., i, 365. – Peonia. «Ao pescoço dos meninos os preserva de gota coral.» Ibid., i, 373. – Morrião. «É opinião dos símplices que o diabo a roi (a erva morrião), invejoso das notáveis virtudes que tem, porém, os mais peritos dizem que é diferente do Morrião o Morsus.» Ibid., i, 355. 257. «As mulheres de Leça da Palmeira e Matosinhos quando o mar está bravo e os maridos mareantes, se aproximam da costa acendem uma luz de azeite diante de um santo e vão depois lançar o resto do azeite ao mar na convicção de que aplacará as ondas.» Alm. de Lembr. para 1857, p. 376. – Babosa. «A babosa, planta da família das nopálias, mesmo depois de cortada reverdece e brota novas folhas; querendo saber o estado de uma pessoa ausente observa-se essa planta cortada: se continua viçosa, saúde; se vive, mas com pouco viço, doença; se fenece e seca, morte.» Alm. do Arq. Açor. para 1868, p. 107. – «Quem tiver algum parente ou amigo embarcado deve, para saber se a saúde dele não tem sofrido alteração, dependurar no tecto da cozinha a erva babosa: se a erva vegetar é sinal de que logra saúde, se emurchecer de que está doente, e se secar de que o indivíduo já não vive.» (Cabo Verde.) Alm. de Lembr. para 1872, p. 196. Zimbro livra do mau ar.

29Capítulo IX. Os animais. 262. Falaremos em artigo especial dos alfaiates e da aranha. Quando se vê uma aranha, para a afugentar diz-se: «S. Bento, forte aranha!» (Coimbra.) Conta-se que quando o santo ia para beber o vinho consagrado um dia à missa lhe caiu no cálice uma aranha, que foi guardada como coisa sagrada. «A aranha teceu as cordas com que prenderam o Salvador; quem matar todas as que puder às sextas-feiras e principalmente em sexta-feira da Paixão, terá remissão plena de seus pecados.» (Cabo Verde.) Alm. de Lembr. para 1872, p. 195. 263. «No Porto mais de uma vez ouvimos dizer à aranha, não à centopeia: ‘S. Bento te tolha, S. Bento te tolha’», o que está de acordo com a precedente tradição. 268. Fórmula contra as moscas em Etnog. Port. (JBolet. Soc. Geog.), n.° 320. – Baratas, são chamadas também carouchas ou carochas, nome dado igualmente às bruxas. Chupado das carochas (encontra-se em A. Ferreira, Cioso ii, 2.) «Casa em que haja muitas baratas tem dinheiro enterrado.» Alm. do Arq. Açor. para 1868, p. 106. – Pirilampo. Diz-se às crianças que metendo pirilampos debaixo de tigelas, no dia seguinte os acham transformados em dinheiro. (Coimbra, etc.) Os rapazes dizem, estendendo um lenço no chão, quando vêem os pirilampos voando:

S. Lourenço, S. Lourenço,
Vem abaixo e enche o lenço.

(Lisboa.) 280. Os sapos são pessoas que andam cumprindo fado antes de entrarem no purgatório; não se devem matar esses animais, mas sim falar-Ihes para que eles digam o que é preciso fazer para livrar do fadário as almas que neles andam. São muito empregados em feitiços. (Coimbra.) O sapo chupa o hálito das pessoas e fá-las morrer secas. Uma rapariga de perto do Marão deitou-se a dormir num campo e aproximou-se dela um sapo que lhe sugou o hálito; daí em diante a rapariga teve fome canina, que nada fartava. Andava de campo em campo, pedindo que lhe dessem alguma coisa para comer. Chegou um dia a um campo, e os lavradores disseram-lhe que só tinham o caldo que estava numa panela debaixo de um carvalho, mas que dentro tinha caído uma grande cobra que tinha morrido. A rapariga com fome não lhe fez nojo o caldo; tomou-o e ficou inteiramente boa. A cobra é inimiga do sapo; encanta-o. (Contado por uma mulher de OuriIhe, Celorico de Basto.) 282. Cobras são muitas vezes mouras encantadas. Vid. Rev. de Etnol., p. 166 ss., p. 81, n.° 123. Um rapaz quando ia para a escola costumava dar migalhas a uma cobra, que vinha quando ele a chamava. Fez-se o rapaz homem e, passado muito tempo, indo pelo lugar onde costumava encontrar a cobra, com um amigo, contou o caso a este, e disse-Ihe : «Vou chamá-la; talvez ainda por aqui esteja.» Chamou a cobra e apareceu-lhe uma grande serpente de comprida cabeleira. O companheiro do rapaz fugiu e a cobra atirou-se a este e matou-o. (Ourilhe.) «Virgem que se chamar Maria, se puser o pé ao de leve sobre cabeça de serpente matá-la-á imediatamente sem que esta lhe faça mal. (Minho.) Alm. de Lemb. para 1859, p. 114. 284. Sobre o Conto do Cuco, vid. Contos Populares Portugueses (Lisboa, 1879), n.° 12. De uma pessoa que recebe um presente diz-se que o cuco cucou por ela. (Coimbra, etc.) Em Coimbra os estudantes perseguiam os barqueiros serranos dizendo-lhes: Cu-cu. Isto significava que enquanto eles andavam ganhando a sua vida as mulheres os estavam traindo. Os barqueiros esgotavam então o seu vocabulário de injúrias, quando não recorriam à pedrada e ao tiro. 285. O animal que sai do ovo que o galo põe ao fim de sete anos é o basilisco. «No Minho, entre as freguesias de Barcelos, a que chamam S. Salvador do Campo, segundo a tradição dos naturais foi mosteiro de freiras, as quais todas morreram de ver um basilisco.» Carvalho, Corografia, i, 308, Fr. J. Pacheco, i, 577. [Superstição muito espalhada. Na Dinamarca crê-se que cada sete anos o galo põe um ovo de que sai o basilisco; quem vê este morre. Thorpe, Northern Mythology, ii, 212, 276. «Quand on trouve dans le nid des poules un petit oeuf rond, on croit qu’il a été pondu par un coq, et alors on se garde bien de le faire couver, car il en sortirait un serpent.» Beaulieu, Archéologie de Lorraine, i, 262. «Hinc etiam est, quod quandoque inuratur speculo labes a menstruata, menstruum diutius justo retinente, ubi speculum ejus tetigere effluvia : hinc morbus et traducitur : hinc etian est quod Basilisci adspectus mortem statim inducat, quod effluvia talismodi sint pure venenata.» M. J. Michaelis Schwimmer, Ex physica secretiori curiositates non minus utiles quam jucundæ (Jenæ, 1672, 4.°), p. 52. «Exempla foeminarum et basilisci nil probant, nec laesiones istae à visu, quatenis talis, sed effluviis, a foeminarum ore et naribus potius, quam oculis, exhalantibus, proveniunt.» Johannes Sebastianus Otto Ulm, Disputado medica inauguralis de Fascinadone puerorum et adultorum (Argentorati, 1664, 4.°, p. 5). «Baseliques est li rois des serpens, et est si très plains de venin qu’il en reluit touz par dehors ; neis li veoirs et li flairiers de lui porte venin et loing et près, porquoi il corront l’air et si estaint les arbres ; et ce est cil qui de son odor ocist les oisiaus volanz, et de sa veue tue les homes quant il les voit; jà soit se que li ancien dient que il ne nuist pas à celui qui voit primes le baselique que li baseliques lui. Et sa grandor est de vj. piez, et a blanches taches et creste comme coc; et va droit contremont la moitié devant et l’autre moitié comme autre serpent. Et tout soit li fiers, toutes voies les beletes l’ocient : ce est une beste plus longue que soriz et a blanc le ventre. Et sachiez que Alixandres trova et fist faire granz ampoles de verre, et entrerent home dedanz qui veoient les basiliques, mais cil ne les veoient pas ; liquex les fit ocirre, et ainsi en delivra son ost.» Brunetto Latini Li livres dou tresor, publ. par P. Chabaille, pp. 192-193]. Cf. F. Rodrigues Marin, Contos populares espanoles, i, p. 213, n.° 397, e p. 355. Vid. ainda Gesta romanorum, ed. Osterley, n.° 139, esp. 735; Brand, Popular andquides, iii, 374 ; E. Rolland, Faune populaire, vi, 89-80. «Morto um galo todo preto, e pondo-se a cozer com penas e tripas, em três canadas de água, até à primeira fervura, ou que esteja meio cozido, metendo os pés na dita água, juntamente com o tal galo, quanto se possa sofrer, aquele, que principia o frio da sezão, ou esta se não acaba, ou não terá outra. É provadíssimo em quase todas as pessoas, e eu o experimentei.» Fr. J. Pacheco, i, 537. 286. A carne da galinha preta tem virtudes salutíferas especiais. Em Coimbra promete-se uma galinha branca à Rainha Santa pela cura de uma doença. P. 197. Galinha no choco não deve ser levada por cima de rio, aliás não saem os pintos; há, porém, um fácil remédio contra, que consiste em pôr um ferro por cima dos ovos. (Porto.) 287. O respeito pelas andorinhas é geral no País, ao que parece. [Muitas passagens em livros relativas à Europa. «A Chinaman never wilfully kills swallows. The French of the Mediterranean term them âmes damnées and have also a superstitious regard for them – a queer coincidence, to say the least of it.» Dennys, The folk-lore of China, p. 34], 293. «A codorniz não pousa em árvore alguma, porque fora amaldiçoada por Nossa Senhora quando ia de Belém para Nazaré.» (Cabo Verde.) Alm. de Lembr. para 1872, p. 195. «Quando a codorniz faz ouvir o seu canto nos centeios, quantas vezes repetir este canto, quantos tostões há-de custar o alqueire de milho naquele ano.» (Minho.) Alm. de Lembr. para 1863, p. 228. «Quando a Virgem fugiu para o Egipto, como a codorniz, levando o voo dianteiro, com o seu grito cá vai a denunciasse, foi essa ave condenada a andar rasteira, e não poder jamais erguer o voo alto e sorrir ao sol.» (Alm. do Arq. Açor. para 1868, p. 115). 296. «Se a primeira coisa que se vê ao amanhecer, fora de casa, é uma alvéola, é sinal de próspero dia.» Ibid., p. 106. «Quando a Virgem fugiu para o Egipto, a arvelinha com a larga cauda apagava as pegadas dos fugitivos; a Virgem bendisse-a e fortaleceu-a, dando-lhe ousadia contra adversários maiores.» (Ibidem, p. 115.) 299. «O coração do mocho posto debaixo do peito esquerdo da mulher estando dormindo, lhe faz revelar todos os segredos.» Fr. J. Pacheco, i, 545.

Eu ben vi estar o moucho
En riba daquel penedo.
Non te tenho medo moucho,
Moucho non te tenho medo.

30(Cantiga popular galega em Rosalia Murguia, Cantares gallegos ; citamos de memória.) – Morcego (vid. p. 189.) Gosta de beber o azeite da lâmpada da igreja. É de mau agoiro. 317. «Quem mata um gato pode contar com sete anos de vida enredada e trabalhosa.» (Alm. do Arq. Açor. para 1868, p. 111.) «Nas casas em que houver um gato preto não há que recear os maus espíritos, que eles não aparecerão lá.» (Minho.) Alm. de Lembr. para 1870, p. 140. 318. Diz-se de quem quebra muita louça que comeu focinho de porco. (Comeu focinho de porco. Enfermidades da língua, p. 114.) «Não se deve passar de noite junto das pocilgas, onde haja porcos pretos, porque se expõe ao risco de ser atacado pelos demónios.» (Cabo Verde.) Alm. de Lembr. para 1872, p. 19. 322. Os dorminhocos devem abraçar-se com um burro recém-nascido para não dormirem tanto. (Minho.) «Os miolos de burro com outras misturas são famoso filtro amoroso. (Alm. do Arq. Açor. para 1868, p. 112.) 223. Em muitas aldeias do Minho amarra-se uma fita encarnada na cauda das vacas para lhes não secar o leite.» Alm. de Lembr. para 1857, p. 376. Não se deve pôr leite de vaca a ferver sem lhe deitar uma gota de água, porque se faz secar o leite que a vaca ainda tem. (Moita do Ribatejo.) 327. O A. cita a fórmula bretã:

Si taupe voyait,
Si sourd (salamandre) entendait,
Le monde finirait.

31A seguinte portuguesa compara-se com maior razão que a quadra de Coimbra que o A. transcreve:

Se a víbora visse
E a osga ouvisse,
Não havia ningém
Que vivesse.

32O povo crê (Coimbra) que a víbora, apesar dos seus olhos brilhantes, é cega. 330. Cf. «Enrouquecer perto de um monte é sinal de que os lobos andam perto; enrouquecer na planície é sinal de que a raposa anda perto e viu sem ser vista a pessoa que enrouquece.» (Alm. de Lembr. para 1856, p. 271. [«Et sachiez que quand il voit (le loup) .i. home premiers que il lui, li hom ne puet pas crier ; mais si hom le voit ancois, il depose toute sa fierté, et ne puet corre.» Brunetti Latini, Li livres dou tresor, p. 247. Cf. Liebrecht, Zur Volkskunde, p. 334, n.° 180].

33(Lisboa, 14 de Novembro de 1882.)

34O capítulo X O homem e a mulher tem 11 subdivisões além de um apêndice; talvez com vantagem pudessem aumentar-se as subdivisões. A dificuldade de classificação é aqui grande em muitos casos.

  • 6 Superstição muito generalizada. Vid. por exemplo Ploss, Das Kind, i, 10, 14. «Quand une femme nouve (...)

35335. II. Antes do parto e no parto. – Infância. Em Coimbra ouvi muitas vezes dar nove badaladas nas torres das igrejas quando havia mulher em parto laborioso; mas era, creio, o sineiro, e não nove Marias, como em Escalhão, quem as dava. – Se o feto no ventre se move mais para o lado direito, é varão, se para o lado esquerdo, é fêmea. – Para saber se a criança que há-de nascer será macho ou fêmea, emprega-se (Lisboa, etc.) o seguinte processo: Trata-se de saber o mês da concepção ; calcula-se o mês em que deve ser o parto; toma-se um fio de contas e passam-se tantas contas quantas são as letras daqueles dois meses (sendo por exemplo Janeiro e Outubro – 14 contas); passam-se depois tantas contas quantas são as letras dos nomes de baptismo dos pais; depois juntam-se todas as contas e vão-se passando uma a uma, dizendo-se até ao fim: Adão – Eva ; se acaba em Adão, será varão, se acaba em Eva, menina. Este cálculo, afirmou-me quem mo descreveu, nunca falha, se for bem feito; quando falha é porque houve algum erro relativo ao mês, conta de mais ou de menos. [Superstições semelhantes em muitos países da Europa. A própria China dá-nos um bom pararelo, como vamos ver. «The formula for ascertaining sex of a coming child is not very far removed from the children’s amusement of prophesying by buttons, commencing ‘Tinker, Tailor, Soldier, Sailor, etc.’ The mother adds to the number of her age in years that of the month, day and hour she was born: thus if twenty years old and she was born in the sixth hour of the third day of the second month, she would have total of thirty-one. She then takes a series of pictures of the thirty six assistants of the Goddess of Children, sold for fortune telling purposes, and according to the sex of the child in the arms of the thirty-first concludes that her own child will be a boy or a girl. If the number of her age, etc., exceed thirty-six, she comences to count the first picture from number thirty-seven. Childlers women also resort to a similar process to ascertain whether they will or will not have children.» Dennys, The Folk-lore of China, p. 11]. Outro processo usado em Lisboa consiste em atirar à mãe um chinelo por uma escada abaixo; se foi parar em degrau par, a contar de baixo, é varão, se num ímpar é rapariga. – Pergunta-se à mulher grávida, sem que ela perceba a intenção, o que tem na mão, se ela mostra a mão direita, terá menino; se mostra a esquerda, menina. (Porto.) Criança que chora no ventre da mãe será feliz; mas é preciso que a mãe guarde segredo absoluto. (Passim.) – Para facilitar o parto põem algumas mulheres na cabeça o fato do marido e vestem um casaco deste, sem que ele o saiba. Li, mas perdi a indicação da fonte, que numa terra do Brasil, a um sujeito que passava numa rua, vieram de uma casa tirar-lhe subitamente o chapéu, sem explicação alguma, trazendo-lho depois; averiguado o caso soube o dono do chapéu que ele fora servir para ajudar a um parto difícil. – Uma mulher grávida não deve ser madrinha de baptizado, aliás, ou o filho que ela traz no ventre não vinga, ou o afilhado6. «Nenhuma mulher neste estado (gravidez) deve ser madrinha de noiva, para que esta ou aquela não passe vida amargurada e faleça prematuramente.» Alm. do Arq. Açor para 1868, p. 111. – O pão leveda muito facilmente quando uma mulher grávida mete as mãos na massa. (Minho.) – Quem nega alguma coisa a uma mulher grávida nasce-lhe um terçol. (Alm. do Arq. Açor para 1868, p. 115.) – As secundinas devem ser enterradas, de outro modo podem advir males à criança recém-nascida ou à mãe. [De secundina mulieris perhibetur quod mulieri damna adferat, ipsa indemnis non servata, unde et sepeliri, vel aut aquis injici, solet. Certum est eam pulverisatam dari pro parto promovendo], Schwimmer, Curiositates, p. 78. – Quando a mulher grávida tem o desejo de certa comida, deve-se satisfazê-lo logo, aliás o feto morre do desejo, ou nasce com a boca aberta. [Superstição universal. Vid. Ploss, Das Kind., I, 16. J. Grimm, Deutsche Rechtsalterthuemer, pp. 408, 445, etc.] – As mulheres grávidas não devem chegar a si um animal qualquer, aliás as crianças nascem com as feições dos animais. É muito vulgar a história de uma mulher que teve um filho preto por olhar para o retrato de um preto. – A mulher grávida deve sempre negar que o está para que a criança seja muito linda. – Entre outras superstições menciona Vale de Moura: «benedicere circulus Beatae Virginis pro parturientibus.» De incantationibus, 1, 6, 7. – Se uma mulher grávida imita um gago ou ridiculariza o seu defeito, o seu filho será gago. – Em Lisboa deita-se dinheiro na primeira água em que se lava o recém-nascido, para que ele tenha abundância ; o dinheiro fica pertencendo à parteira. – Para fazer secar o leite basta amassar um pouco de barro com o leite e deitá-lo atrás de uma porta; ao passo que o barro seca, seca o leite. (Foz do Douro.) – O Sr. L. de Vasconcelos traz uma variante da seguinte crença: Se uma mulher que amamenta bebe água deixada por outra que também tem leite e que dela bebeu, o leite da segunda passa para a primeira; para voltarem as coisas ao seu estado normal, basta fazer com a água uma operação contrária. – Se uma mulher que tem leite não amamenta criança, pode amamentar um cão; mas logo que amamente criança é necessário matar o cão; de outro modo o leite não aproveita à criança e esta morrerá. (Foz do Douro.) – Enquanto as crianças estão por baptizar é preciso, para que lhes não suceda mal, sobretudo para não serem embruxadas, que lhes chamem Custodinho ou Custodinha (no Algarve chamam-lhe Inácio ou Inácia), segundo o sexo (Porto), que não vá à rua (por causa do mau ar principalmente), que tenha luz acesa no quarto, que não se passe da janela para a rua. – Quando se muda a criança no berço de uma casa para outra nunca deve de ir com os pés para diante, mas com a cabeça. – Criança que se beijar a um espelho antes de falar, fica muda. – Levam-se as crianças a Santa Clara para terem a fala clara (Porto). – Se ao baptizar uma criança deixam de ser ditas algumas palavras do ritual ou alguma das pessoas presentes não diz o Credo, a criança fica sujeita a ver coisas de noite. – A criança em que se distingue uma veia atravessada no nariz morre antes de ter cinco anos. – No Pedrógão dão a beber ao recém-nascido a água em que são lavados para os tornar mansinhos; o mesmo resultado se alcança dando-lhe sobre um altar três palmadinhas. (Alm. de Lembr. para 1870, p. 317.) – Devem guardar-se os primeiros sapatos que a criança calçou. – Não devem cortar-se as unhas às crianças de mama com tesouras, mas sim com os dentes. – Não devem cortar-se as unhas às crianças aos sábados; há a mesma superstição em relação aos adultos; diz-se que o sábado é o dia dos judeus cortarem as unhas. – No dia em que se chamar macaco a uma criança ela não cresce. – Não se deve tomar o peso às crianças, porque se lhes impede o crescimento; anula-se o efeito dessa imprudência pesando-as a sal. (Alm. do Arq. Açor. para 1868, p. 113.) – «Aos sábados, ao varrer-se a casa, varrem-se os pés das crianças que ainda não andam, para andarem mais depressa.» (Brasil.) Alm. de Lembr. para 1864, p. 283. – É bom para que as crianças sejam mansas fazê-las dormir um sono sossegado com o fato do baptismo. – Quando se diz de uma criança que é bonita, gorda, crescida, forte, etc., e não se acrescenta «benza-a Deus», ela fica com o mal de olhado. (Passim, Brasil, Alm. de Lembr. para 1865, p. 261). Acredita-se que, se a pessoa não chama a bênção de Deus à criança, lhe fez mal ou lhe deita o mau olhado. – É terrível a influência da Lua sobre as crianças recém-nascidas. Nos Açores, para desviar essa influência esperam que a lua penetre no aposento, e com uma faca simulam cortar onde pousa o ciarão. Alm. do Arq. Açor. para 1868, p. 112. – O melhor dia para apartar (desmamar) as crianças é sábado de Aleluia; as crianças desmamadas nesse dia não se lembram mais do leite. – Mencionaremos por último a locução – nascer num fole ou num folezinho que se diz das pessoas felizes, e que é um eco da velha crença de que a felicidade acompanhava quem nascia com a cabeça envolta no amnios.

36III. Sonhos. Sonhar com bois é sinal de riqueza. – «Sonhar com figos brancos é esperar cartas com motivo para alegria; com pretos pressagia cartas de desgosto.» Alm. do Arq. Açor. para 1868, p. 110. – «Sonhar com galinhas ou outros animais plumosos, prognostica graves dissabores.» Ibid. – Também se acha nos Açores o adágio colhido por L. de Vasconcelos «Sonhar que cai um dente é morte de parente.» (Ibid., p. 108), assim como a superstição do sonho com dinheiro enterrado. (Ibid., p. 108.) [«Enfin, que de s’imaginer que qualqu’un de nos proches parens est mort, ou qu’il mourra bientôt, lorsque nous avons songé la nuit qu’il nous étoit tombé un dent.» Thiers, Traité des superstitions. L. de Vasconcelos indica a mesma superstição em Veneza. Conhecêmo-la ainda de outras partes.]

37337. IV. Amores. Para o amante se reconciliar e humilhar diz-se a seguinte fórmula: «Eu te vejo e venero em cruz. Vem para mim manso e cordeiro assim como Jesus foi ao santo lenho da cruz. Pax tecum. A paz do Senhor se meta entre mim e ti. – Abranda, leão duro, humilha-te a mim; assim como Jesus se humilhou à cruz. Com o segredo dos Magos, com as forças de Sansão e ciências de Salomão, tudo hei-de acabar. (Almada.) – O presente de um alfinete significa amor de um ano. – Símbolo de contrato de casamento – meterem um rapaz e uma rapariga ambos ao mesmo tempo um pé num meio alqueire. Eis uma quadra alusiva, de Coimbra:

Se me queres, eu te quero,
Meu amor, porque perguntas?
Mete o pé no meio alqueire,
Ficarão as almas juntas.

38Se duas crianças de dois sexos casualmente metem ao mesmo tempo um pé num meio alqueire, casarão. – Os rapazes não devem consentir que lhes varram os pés, aliás não casam. No Brasil isso vale para os viúvos. (Alm. de Lembr para 1864, p. 284.)

39333. V. Casamento. Eis uma comunicação que reproduzo sem modificação, a respeito do casamento em Palaçoilo (Trás-os-Montes) : «Depois do casamento tratado ajustam o dia em que se ha de fazer os banhos, que he no sabbado immediato ao domingo em que elles se hom prencipiar a ler na igreija; e nesse dia á noute reune-ce a fetura noiva e mais o noivo, numa das casas delle, ou della, e convidão hum seu conhecido que saiba ler e escrever, que he para escrever os banhos, e convidão alguns parentes, e amigos, chamam elles para ir aos cachos; escritos os banhos comem tremoços, e vebem vinho, e algumas vezes tombem ha doces; conversão e brincam jugando e rindo; isto é o que chamam cachos. No segundo domingo em que se lem os pregons ou banhos, reune-ce outra vez o noivo, e mais a noiva em huma das casas delle ou della, na que for maior, e se ninhuma dellas serve vão para casa de hum parente que tenha milhor casa, e vão receber os parabens nesse domingo á tarde. Estão os dous sentados a par hum do outro, cada hum na sua cadeira, para receber os parabéns, e vão então todos os conhecidos hum por hum dar-lhe os parabens do ceu novo estado. E já tem em sima de huma mesa tremoços, e vinho; finda a serimonia e que ja estom todos rionidos, comem os tremoços e vebem vinho; e as vezes também ha doces, e toca a dançar o resto da tarde até alta noute. Se o casamento se faz (porque muitas vezes arrepende-ce hum delles e ficom com os parabens) no dia em que se vão receber vão as raparigas amigas esperala, duas a duas, em distancia humas das outras, com um arco enfeitado de fitas e rosas; chamom-lhe deitar os laços. E pega cada huma das duas pela sua ponta, assim que ella chega ao pé dellas, para e mais o acompanhamento, e ellas prencipião a dizer louas assim:

Aqui te estou esperando
Á sombra deste tilhado,
Que te quero procurar
Se esse no já foi dado.
Se esse no já foi dado
Pelas mons do padre cura
He no que não desdá
So se for na sepoltura.
Amiga da minha vida,
Minha felor de laranjeira,
Bem me custa neste dia
Tu casada e eu solteira.
Ó senhor F.
Pesso-lhe por favor
Que me trate a minha amiga
Com carinho e amor.
Ó senhor F...
Da cazaca comprida,
Pesso-lhe que a sustente
A pom leve toda a vida.

E outras mais. Depois entregam ao padrinho e á madrinha hum ramo que levam na mam, e estes dam-lhe huma moeda de dous testons ou sinco, conforme o brio; os noivos depois seguem até encontrar outras que fazem o mesmo, até chegar a casa.» – Na freguesia de Campelo, ao norte de Figueiró dos Vinhos, depois de efectuada a cerimónia do casamento, os convidados todos e o pároco comem na sacristia pão e queijo e bebem uma gota de vinho. À volta estão familiares dos convidados no caminho com borrachas de vinho; a noiva paga esse serviço com um pão de trigo a que se chama amostra. Enquanto uns vão bebendo, outros dão tiros de pólvora seca, no caminho para casa. No jantar abundante que segue, os noivos comem num só prato. (Alm. de Lembr. para 1865, p. 294.) – Na Bairrada quando se tem de ir fazer o casamento a uma igreja distante vai uma cavalgada, maior ou menor segundo o valimento dos noivos, e que às vezes é considerável. À volta, acham-se postados em diferentes pontos da estrada várias pessoas com mesas cobertas de toalhas lavadas e sobre elas pratos cobertos. Os noivos têm de se apear e a noiva deve descobrir o que está nos pratos, que contêm um lagarto, uma rã, um pássaro ou outro animal pequeno. Os noivos têm que dar alguma coisa às pessoas que preparam essa surpresa. – «Na freguesia das Lages e Vila Nova (Angra do Heroísmo) é costume antiquíssimo, e escrupulosamente observado, serem os noivos presenteados pelos padrinhos com um, ou dois carros de lenha da mais grossa e quase sempre de cedro. Esta oferta é colocada fora da casa dos noivos, à beira da estrada, mas dentro da sua propriedade, quase sempre nos pátios, a que vulgarmente chamam ruas; e ali se conservam anos e anos.» {Alm. Insulano para 1874, p. 161). – «Os casamentos no Cadaval ordinariamente fazem-se à segunda-feira. No adro da igreja estão duas raparigas com um arco de canas verdes adornado de fitas e lenços de seda de diferentes cores, com emblemas alusivos ao mister do noivo. No fim do serão recebe a consorte um ramo de flores secas, chamado ramo matrimonial, que existia na mão da que ultimamente havia casado e que desde esse momento perde o título de noiva.» Alm. de Lembr. para 1863, p. 223. – «Em Arrifes (S. Miguel) o noivo oferece à comitiva que o vai buscar a sua casa um bocado de bolo ou biscoito, a que chamam argola, e um copo de vinho; a recusa é considerada como uma grande ofensa. A noiva é esperada pelas amigas e parentes, tendo nas mãos bandejas de trigo, açafates com ovos, feijões e outros presentes, enfeitados com flores do campo; ao jantar o pai da noiva oferece outra argola; mas os pedaços dela não se comem ali, mas são levados para casa pelos convidados.» Alm. de Lembr. para 1872, p. 158. – Em Coimbra também era costume deitar confeitos aos noivos, que o rapazio apanhava. Soropita (século xvi) alude ao costume: «Passar a vida sem amar é picado sem azedo, pão sem sal, Inverno sem fogo, salada sem cebolinha, murrião sem plumagem, boda sem confeitos para os rapazes.» (Poesias e Prosas, p. 5.) – Quando o noivo tenha traído alguma rapariga, se esta for no dia da boda dar três aldravadas na porta da casa onde estão os noivos, ou lhes atirar feijões pretos em vez de confeitos, um dos noivos morre dentro em pouco tempo. (Lisboa, Foz do Douro.) – Em Coimbra a festa da boda durava três dias. – É bom agoiro chover durante a boda ou quando voltam da igreja. – Se na noite do noivado se quebra algum vaso é um bom prognóstico para os noivos. (Alm. do Arq. Açor. para 1868, p. 116.) – Na reunião de família na noite da boda havia em Coimbra muitos jogos entre os quais o seguinte em que tomavam parte os rapazes e raparigas solteiras. Dobravam-se tantas linhas de igual comprimento quantos os pares solteiros; a noiva (ou outra pessoa, mas geralmente a noiva) apertava na mão a parte por onde as linhas e os rapazes e as raparigas tomavam à sorte as extremidades; quando as extremidades estavam tomadas, a noiva soltava as linhas e os que tinham as extremidades das mesmas linhas abraçavam-se. Se ficavam com as extremidades da mesma linha pessoas do mesmo sexo, era prenúncio de ficarem solteiras; se de diferente sexo, casariam, isto era mesmo prenúncio de casarem um com outro. Fosse como fosse, o que havia de positivo eram os amplexos, às vezes em extremo cómicos. – Provérbio: «À terça-feira não cases a filha, nem urdas a teia». – «A mulher cujo nome tem número de letras par, se casar com homem que tenha no nome também um número de letras par, morre ela primeiro; se o número das letras do nome de um for par e o do outro ímpar, morre o mais velho.» (Vila Alva, Alentejo.) Alm. de Lembr. para 1866, p. 313.

  • 7 That, «Matches are made in heaven» is a confirmed belief in China. Dennys, p. 19.

O casamento e a mortalha
No céu se talha7.

40No Algarve (não sei em que parte) quando casa uma viúva vão-lhe bater com tachos, bacias, etc., à porta (charivari).

41339. VI. Vida doméstica. Muitas pessoas não querem habitar as casas que mandam construir, porque receiam morrer lá em breve. O adágio (§. 306) : Ninho feito – Pega morta é a expressão dessa superstição. – É bom ter aves em casa, porque muitas doenças que deviam atacar as pessoas de casa atacam essas aves. (Lisboa, etc.) – No Porto, Minho, etc., julga-se que uma criança é quem deve deitar os ovos para a galinha chocar. – Não se deve nunca deitar fora o pão; o que já se não possa comer deve-se aproveitar para qualquer uso ou dá-lo a comer a um animal; as bruxas poderiam fazer mal às pessoas sobre os restos de pão que deixaram. – Não se deve cheirar o pão; a múmia da rainha Santa Isabel tem uma falta no nariz por ter cheirado o pão. (Coimbra.) – Não se deve espetar o pão. – Muitas pessoas beijam o pão que dão aos pobres; os pobres beijam também o pão e as esmolas de dinheiro; mais de uma vez ouvimos dizer que esse beijo destrói o malefício que se pudesse fazer no pão ou na esmola. – «Quando se efectua mudança de casa, devem ir adiante dos inquilinos – sal, fermento e azeite.» (Alm. do Arq. Açor. para 1868, p. 112.) – Não se deve pisar o sal; o sal é sagrado e pisá-lo causará grandes males a quem o faz. Não é, porém, a esta superstição que se liga a de deitar sal à porta de uma casa para fazer mal a quem lá mora. Há uma fórmula para a salgação, cuja influência é destruída pela seguinte para dessalgar : «O ente supremo vele por esta casa. Jesus Nazaré, Cristo crucificado, que esta salgação e mal que a minha casa me fizeram não tenha poder nem para arruinar a minha casa, nem para empatar os meus negócios. Tudo me adiante; tudo quanto eu tentar me vá avante. O Santíssimo Sacramento e S. Silvestre ; quem tal me fez, nada lhe preste; nem tenha fortuna, nem coisa nenhuma. Deus tudo pode fazer, querendo; tem todo o seu santo poder para mim, para os meus filhos e parentes. Jesus. Jesus. Jesus.» (Almada.) – Quem dorme estendido e de costas vive pouco. (Coimbra.) – Quem varre a casa à noite varre a fortuna. (Passim.) – Quem conta dinheiro sobre a mesa do jantar mete-se em trabalhos ou nunca terá bastante dinheiro. – É mau estar com as mãos cruzadas sobre a cabeça. – Se duas pessoas lavarem as mãos na mesma água, têm nesse dia ralhos e brigas. – Quando se boceja, é bom fazer uma cruz na boca, para que não entre no corpo algum espírito mau. Cf. §. 344, l. – Quem levanta alfinetes que vê na rua prepara-se para trabalhos. (Alm. do Arq. Açor. para 1868, p. 106.) – «Se uma cama foi feita por mais de duas pessoas não espere ser muito feliz quem dorme nela.» (Jbid.) – Se três pessoas fazem a cama, morre primeiro a do meio. (Ibid.) – «Quem não dá esmola a viúva que a vem pedir espere desgosto próximo.» (Ibid., p. 109.) – «A perfeição do fabrico de pão depende de certos requisitos muito profícuos. Para que ele levede, há a fórmula sacramental:

São Mamede
Te levede,
São Vicente
Te acrescente.

42Para que no forno levante, lançar sal na borralheira, levantar o tabuleiro em que foi tendido, ou sacudir à boca do forno a toalha, com o estribilho : «Assim cresças, como Deus cresceu pelo mundo.» (Ibid.) – Muitas pessoas não comem nem bebem sem primeiro benzer a comida ou o vinho, isto é, fazer uma cruz sobre eles. Antigamente em muitas famílias não se comia sem dizer primeiro o salmo Benedicite. – Dar ferro-cortante entre conhecidos corta o amor ou amizade. (Alm. do Arq. Açor para 1868, p. 110.) – Adágio:

Não está fora de canseira
Quem os pés muda p’rá cabeceira.

43– Geralmente (no campo) o fato novo veste-se pela primeira vez para ir à igreja ou a festa ou a romaria, assim como se guarda o melhor fato para a igreja; daí as expressões de fato domingueiro, fato de ver a Deus. – Para saber os segredos de uma pessoa tira-se-lhe o travesseiro quando está dormindo, põe-se-lhe a mão sobre o coração e dirigem-se-lhe interrogações a que ele responde com verdade, se não acordar. (Coimbra.) – «Pentear o cabelo à noite faz morrer o parente mais próximo.» (Brasil, Alm. de Lembr. para 1864, p. 283.) – Quando alguém está comendo em casa alheia e lhe cai a comida é porque quem lha dá a chora; os donos da casa para desviar essa ideia dizem logo que a não choram. (Passim.) – «Quem depois de jantar em qualquer casa estranha, dobre o guardanapo, indica não querer mais jantar na casa em que isto fez.» (Alm. do Arq. Açor. para 1868, p. 110.) – Muitos dos usos que se consideram como de boa educação são eco de antigas superstições, por exemplo, o de não cruzar a faca e o garfo sobre o prato, prenúncio de luta. – «Para fazer sair as visitas importunas volta-se um sapato com a sola para o ar.» (Ibid., p. 114.) – «É mau ter abertas as janelas do quarto onde haja luz quando fazem relâmpagos.» (Ibid., p. 111.) – Festeja-se a colocação do pau de fileira nas casas em construção, que se adornam com ramos, bandeiras, flores, etc. – «O que se não descobre ante alguém que bebe água fica em perigo.» (Ibid., p. 106.) – «Beber água entre portas é mau.» (Ibid.) – Quando se mata algum animal doméstico, se alguém está com pena ou lhe vem as lágrimas aos olhos, o animal não sangra e morre com grande dificuldade. (Foz do Douro.) – «Quem principia a criar pombos em casa, deve conservá-los sempre para evitar que lhe sucedam desgraças.» (Ibid., p. 113.) – Para conseguir que as galinhas não deixem de vir para casa esfregam-se-Ihes os pés com a cinza do lar. (Foz do Douro.) Esfregam-se três vezes na lareira as patas de uma galinha e diz-se outras três vezes: «para casa às horas» para elas se recolherem cedo. (Alm. de Lembr. para 1869, p. 317.) Cf. §. 286 c.

44340. VII. Vida agrícola e pastoral. Quem tem cortiço de abelhas para fazer ir a eles o enxame novo, bate-lhes no fundo e grita: «Casa nova, casa nova!» (Coimbra, etc.) – Quando as porcas não parem ou parem pouco ou quando elas e outros animais quadrúpedes têm doença e que se crê que ela é produzida por mau olhado ou quebranto, fazem-se entrar no curral ou corte aos recuões, isto é, com a cabeça para o lado de fora. (Minho.) – «Para curar a bicheira aos animais põe-se-lhe um homem na frente, agarra uma palha, faz uma laçada que abranja todo o lugar ocupado pelos bichos, aperta a laçada, atira-a para trás das costas e devem ficar mortos todos os bichos.» {Alm. de Lembr. para 1859, p. 271.)

45341. VIII. Doenças (e defeitos físicos) e remédios. «Mulher atacada de erisipela (não homem), busca-se toupeira, corta-se-lhe a cabeça e pendura-se em bolsinha de chita ao pescoço da padecente.» (Amiaes de Baixo, concelho de Santarém.) Alm. de Lembr. para 1871, p. 233. (Cf. § 327.) «Contra a erisipela no Minho, reúnem-se sapatos velhos, cabelos, farrapos de pano e palhassalhas, etc.; fazem uma fogueira e saltam três vezes por cima, dizendo: ‘Espírito mau, eu te esconjuro.’» Quem tem essa doença tem o diabo no corpo (Ibid. para 1870, p. 139.) Contra a mesma doença em Braga: «Toma-se uma chávena e lançam-se-lhe dentro nove gotas de água, outras tantas de azeite, e nove pedras de sal. Feita esta mistura, tomam-se nove rebentões de sabugueiro, que se mergulham naquele líquido, e enquanto com isto se vai besuntando a cara do paciente, diz-se o seguinte:

Pedro Paulo foi a Roma,
Jesus Cristo encontrou,
E ele lhe perguntou :
– Pedro Paulo, que vai lá?
– Muita maligna e erisipela.
– Pedro Paulo, torna lá,
Talha-a com ervinha do monte,
Água da fonte,
Azeite bento,
Que alumie ao Santíssimo Sacramento.

46Esta oração é dita nove vezes, rezando-se no fim de cada uma um Pater Noster em voz alta.» (Ibid. para 1868, p. 92.) Cf. n.° 251. «Carne quebrada – dizem qualquer dor de membros. O remédio é ferver até cachão um púcaro de água, emborcá-lo numa taça, ficando a vasilha sobre ela, e no entretanto passar e repassar uma agulha desenfiada por um novelo de linhas, com oração ad hoc. Se o púraco a chiar absorve toda a água emborcada, é certa a melhora e o bom êxito !» (Alm. do Arq. Açor. para 1878, p. 107.) – O sangue menstrual é excelente para curar cravos. – «O espinho de ouriço (marisco) não sai do pé ou mão senão com a maré cheia do outro dia.» (Província do Espírito Santo, Brasil. Alm. de Lembr. para 1865, p. 261.) – «Uma grande dor de cabeça desaparece com tirar-lhe o sol. É um benzimento feito com certas ervas por três dias antes do meio-dia, livrando-se o doente durante esse tempo de apanhar sol, e deitando-se ao mar as ervas, depois do toque de Avé-Maria.» (Província do Espírito Santo, Brasil. Ibid., p. 261.) – «A mordedura da cobra venenosa tem curandeiros próprios, os quais, se pela distância em que moram ou outro qualquer motivo não podem vir rezar ao doente, basta que este lhes mande um chapéu, camisa, colete, etc., porque a reza feita sobre ele tem a mesma virtude.» (Ibid.) – «Se um gago estiver falando, custando-lhe muito a explicar-se, lance-se no chão sem ele ver um sapato ou chinela com a sola virada para cima e aponte-se-lhe com um dedo para ela, que, vendo-a, o gago falará desembaraçadamente.» (Ibid.) – «Quem tem um filho com ozagre leva-o à Ermida de S. Roque, próximo de Loures, despe-o, faz uma cova no chão onde enterra o fato, e dá-lhe uma lavagem num poço para obter a cura.» (Ibid. para 1859, p. 219.) – «Na mesma ermida há um S. Diogo a que se tiram lascas que feitas em infusão dão apetite a quem o não tem.» (Ibid.) – «Em Sobrena, concelho do Cadaval, raspam as costas de uma imagem de Santo Estêvão, o que de infusão em bom vinho bebem em nove doses, em jejum, para curar de sezões.» (Ibid. para 1863, p. 60.) – Não se deve deixar ver uma ferida a pessoa estranha, sem que esta declare que tem bons olhos; de outro modo agrava-se a ferida. (Província do Espírito Santo, Brasil, Ibid. para 1865, p. 261.) – A corda do enforcado livra de sezões. «Para se curar das febres intermitentes pendura-se ao pescoço uma escaravelha ou uma lagartixa; logo que o bicho morre desaparecem as intermitentes. (Vila Alva, Alentejo. Alm. de Lembr. para 1866, p. 311.) – «Abre-se uma noz de que se tira o gomo; enche-se com a maior aranha que se encontrar, coze-se a noz num bocado de pano e pendura-se ao pescoço do doente (de febres intermitentes).» (Aldeias do Campo, concelho das Caídas da Rainha. Ibid. para 1865, p. 277.) Também ali se servem de um guizo ou de um pepino chocho pendurado ao pescoço. (Ibid.) – «Para curar uma quebradura vai-se a um monte de terra que terá cinco palmos de alto, fabricado pelo capim; enche-se um saquinho dela e conserva-se uma noite inteira sobre a hérnia ; no dia seguinte vai-se ao monte de noite, atira-se com o saquinho, sem olhar para trás, para o mesmo ponto em que a terra fora apanhada.» {Alm. de Lembr. para 1859, p. 271.) – Quando vai a comunhão a um enfermo, o préstito não deve voltar por onde foi, de outro modo o doente não escapa. (Porto.) – «Quem tem verrugas para se ver livre delas bate à porta de algum desconhecido ou pouco afeiçoado e perguntando-lhe de dentro quem é, responde:

Verrugas trago,
Verrugas vendo;
Aqui as deixo
E vou correndo.

47Foge, aliás leva pancada do dono da casa que fica com as verrugas.» (Minho. Ibid. para 1868, p. 114.) [Esta superstição pertence a uma espécie muito interessante – transporte de uma doença de uma pessoa para outra, sobre a qual poderia fazer-se um dos mais curiosos estudos comparativos e psicológicos. Na conversação familiar diz-se ainda muitas vezes: passou-me a dor, a doença. Devemos observar que em relação às verrugas são frequentes os paralelos. Um médico francês do século xvi refere os seguintes erros populares: «Touches an la robbe d’un que vous sachiès bien étre cocu ; an quelque androit de son abilhement que vous le touchies, sans qu’il s’an avise, voz verrues se perdront. – Item, pour perdre les verrues, faites les conter a une personne qui soit plus jeune que vous : elle les prandra, et les pourra aussi donner a un autre plus jeunes par semblable moyen. – Item, faites les toucher avec autant de pois, a qui que ce soit, et il les vous prandra. – Item, prenes une poignee de sel, et alies tout courant le jetter dans un four, et les verrues s’evanouiront.» Laur. Joubert, Erreurs populaires et propes vulgaires touchant la medecine, ii, 227-228. «...die Warze wird mit einein Geldstück berührt und dieses zun Fenster hinausgeworfen, derjenige, welcher das Geldstück aufhebt, bekomnt die Warzen, der Andere verliert sie. Hier will man also die Krankheit auf andere Menschen übertragen. Aehnliche, in Oldenburg heimische Methoden der Warzen-Uebertragung auf Menschen findet man bei Strackerjan. (Aberglaube, etc., in Oldenburg. I. Bd., 1867, p. 71.)» Ploss, Das Kind., ii, 154. – «Um dente de cão macho, furando-o e trazendo-o, que toque na carne, dizem que preserva de dores de dente; o queixo de um ouriço cacheiro, trazido ao pescoço tira as tais dores de dentes, procedendo de corrimentos; as bisnagas trazidas nas algibeiras, por tempo de seis meses, secam e desincham as almorreimas.»] Fr. João Pacheco, iii, 112.

48342. IX. Morte e funerais (e assassínio.) «Na casa onde falecer alguma pessoa de úlceras é mister, logo que o doente exale o último suspiro, deitar fora toda a água que houver em casa, porque a alma, apenas separada do corpo, vai purificar-se nela.» (Cabo Verde. Alm. de Lembr. para 1872, p. 195.) «Quando há uma morte em casa, deita-se para fora toda a água para se não levar nela a alma do finado.» (Alm. do Arq. Açor. para 1868, p. 106.) Vid. n.° 157. – Na freguesia de S. Sebastião (Angra do Heroísmo) são os parentes do morto que o enterram. (Alm. Insulano para 1874, p. 161.) – Na freguesia de Ribeirinha (Angra do Heroísmo) quando há um óbito, a família da casa toma lugar na lareira, com as cabeças cobertas, as mulheres com as jaquetas dos homens, e os homens com as saias das mulheres e ali recebem as pessoas que as procuram. (Ibid., p. 161.) – Em S. Miguel crê-se que quando algum padre morre dois ou seis se lhe hão-de seguir em breves dias. (Alm. do Arq. Açor. para 1868, p. 113.) – «Quando morre alguma pessoa que em vida inquietou outra, a que foi inquietada torra tremoço, cevada e sal, mói tudo junto, e acompanha o préstito do defunto lançando na terra, durante o caminho, à maneira de quem semeia, alguns dos pós, dizendo:

Quando este tremoço nascer,
Esta cevada enrelvar,
Este sal temperar,
Seja quando me volte a inquietar.»

  • 8 Do lat. votum. Viterbo pensa até em Wotan !

(Ibid., p. 108.) – «Não é bom estar dormindo quando passa defunto na rua, em préstito.» (Ibid., p. 108.) – Se se praticar roubo ou assassínio, etc., sem se saber quem o praticou, fazem-se certas rezas e sortes com uma chave do ofendido e desgraçado daquele em que cair a sorte. (Brasil. Alm. de Lembr. para 1865, p. 261.) – «Para deter o assassino quando foge do teatro do crime, basta pôr a vítima com a boca para baixo.» (Alm. do Arq. Açor. para 1868, p. 106.) – Para saber se a pessoa que morreu foi para o céu ou para o inferno faz-se uma sorte com um pauzinho que se embrulha numa tira de papel dobrada ao meio de certo modo, desembrulha-se depois e se o pau fica dentro da dobra, é que a pessoa foi para o inferno. – No Minho e Trás-os-Montes quando morre o membro de uma família, os amigos mandam a essa família comestíveis em abundância para o jantar que é lauto (se os haveres o permitem) e concorrido por todos os que acompanharam o defunto à última morada; fazem-se saúdes e a família agradece a quem mais serviços prestou na doença e últimos deveres para com o falecido. Esse jantar chama-se colação. – Em Castro de Avelãs, perto de Bragança, vi em 1874 o enterro de um homem de poucas posses; do lado da cabeça do cadáver havia dois meios alqueires de trigo com uma vela enterrada, e outro aos pés também com vela. À porta da igreja distribuiu-se vinho em cântaros a quem acompanhou o defunto e a quem queria recebê-lo. Os pobres da freguesia concorriam todos com tigelas, etc. – O costume mencionado por Viterbo, Eluc. s. v. Trusquiar, de rapaz a barba e o cabelo aos defuntos ainda não desapareceu inteiramente; em muitas partes o defunto só vai para a cova de barba rapada e cabelo cortado. – É crença que a algumas pessoas, principalmente santos ou pessoas virtuosas, cresce o cabelo na sepultura, chegando a sair para fora da terra. – «Nas províncias do Minho, Beira e Trás-os-Montes ainda se não esqueceu inteiramente a disciplina das ceras, e obradas (assim chamam hoje as oblações e ofertas), pois não só quando morre alguém levam da casa do defunto suas ofertas de cera, pão, vinho e outras coisas, aos párocos, segundo os costumes das igrejas; mas também durante o ano, nos domingos, e dias festivos se oferecem por devoção pichéis, ou frascos de vinho, e certos pães, que põe numa toalha estendida sobre a sepultura do defunto, e uma vela acesa. Então reza o pároco um responso pelo tal defunto, e faz recolher a obrada. A esta cerimónia chamam ementar... Noutras partes há diversos estilos.» Viterbo, Eluc. s. v. Bodivo. – O bodo ou bodivo8 a que aludem antigos documentos portugueses era «refeição, jantar ou comedoria, que aos pobres se dava pelas almas dos defuntos. Esse bodivo era recomendado nos testamentos; hoje acha-se geralmente substituído por esmola de dinheiro.» V. Viterbo, 1. c.

49Num testamento de 1364 citado por Viterbo s. v. Escadam : «Item : mando, que no dito dia (da sua sepultura) levem dous alqueires de farinha amassados, e dous cantaros de vinho, e dous escadaens da Eygreja commigo.» Noutro documento de 1348 citado pelo mesmo s. v. Missa dos pobres : «Pitanças do vinho, da carne, e do pescado, que levam aa dicta nossa Eigreja polos passados, qui hi soterrarom (quando por elles dam as Missas aos pobres) as partam antre si os presentes, que logo fforem fazer oraçom pelo passado sobello moymento, quando hi levarem essas pitanças.» V. também o artigo Dobrado de cera.

50A extensão que este artigo tomou obriga-nos a reservar para outro lugar alguns materiais e a restringir ainda mais que no anterior a parte comparativa. Raríssimos são os costumes ou superstições mencionados de que não conhecemos indiscutíveis paralelos na tradição de outros povos; à maior parte dos reunidos por nós e pelo Sr. Leite de Vasconcelos poderíamos juntar largas notas comparativas, se tal fosse já o nosso fim; as que demos servem de exemplos, para mostrar a unidade que neste domínio prevalece entre os diversos povos do mundo. Uma parte dessas tradições pode ter nascido independentemente e com a mesma forma em diversos povos; mas para uma parte considerável a transmissão, a migração é demonstrável; é o que se dá, por exemplo, com os ensalmos, como provaremos num estudo especial, em que daremos algumas fórmulas portuguesas inéditas e em que encetaremos o estudo científico das nossas superstições, visto que destas se acha já reunido mais do que o suficiente para servir de base a esse estudo.

51(Lisboa, 28 de Dezembro de 1882.)

Notes

1 Originalmente publicado na Revista Científica, 1883, vol. i, pp. 512-528 e 561-578.

2 No Jornal do Comércio de Lisboa, de Novembro, 27, 1882, damos uma apreciação crítica do livro, que aqui temos em vista apenas completar.

3 «De Natura Rerum», Ms. Harl., 3737, f. 20 b.

4 Em consequência de um extravio de algumas notas, que não nos será difícil reconstruir, deixamos de fazer mais algumas adições aos capítulos ii a vii. Observaremos que outras notas que poderiam entrar aqui entrarão nas adições a outros capítulos; esta observação vale em relação a todos os capítulos, pois muitas superstições se referem simultaneamente a vários objectos.

5 Não damos, por motivo de rapidez, a indicação completa dos lugares dos nossos trabalhos ou de outros investigadores portugueses onde se acham já variantes dos factos reunidos, aqui e noutros lugares, pelo Sr. Leite de Vasconcelos.

6 Superstição muito generalizada. Vid. por exemplo Ploss, Das Kind, i, 10, 14. «Quand une femme nouvellement acouché prend pour marraine de son enfant une femme grosse, l’un ou l’autre des enfants, c’est à dire ou celui qui est venu au monde, ou celui qui y viendra, mourra en peu de temps.» Thiers, Traité des superstitions, i, 210.

7 That, «Matches are made in heaven» is a confirmed belief in China. Dennys, p. 19.

8 Do lat. votum. Viterbo pensa até em Wotan !

© Etnográfica Press, 1993

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search