Version classiqueVersion mobile

Obra etnográfica (I)

 | 
Adolfo Coelho

II. Tradições populares

A Morte e o Inverno1

Texte intégral

  • 1 Originalmente publicado na Revista Renascença, 1878, vol. i, p. 10.

1Em 1867, o Sr. Furtado, hoje farmacêutico em Bragança, descreveu-me em Coimbra o seguinte uso que havia e há ainda, segundo creio, na primeira dessas cidades: «A Misericórdia de Bragança aluga em Quarta-Feira de Cinzas um fato que tem pintado um esqueleto com uma máscara figurando a caveira; há sempre muitos alugadores, cada um dos quais não pode trazê-lo mais de uma hora; durante ela entra em todas as casas que lhe agrada e percorre as ruas perseguindo os rapazes com a foice e um tirapé; estes vão atrás dele, correndo-o à pedrada e gritando:

Ó morte
Ó piela
Sete costelas e meia
Nariz de canela.»

2O Sr. J. A. de Almeida no seu Diccionario abreviado de Corografia refere este costume, com uma variante nos versos:

Ó morte
Ó piela,
Tira a chicha
Da panela.

3O Sr. Teófilo Braga no seu livro Epopeias da Raça Moçárabe reproduz a notícia do coreógrafo e interpreta da seguinte maneira aquele costume: «O resultado desta luta do catolicismo e do despotismo contra a poesia e liberdade dos moçárabes, vê-se na mudez e falta de festas nacionais do povo português. Quando a burguesia da Europa trabalha e ri, sentindo-se forte, produtora, com a consciência dos seus direitos, em Portugal ainda se obedece ao pesadelo da Dança da Morte que aterrou na Idade Média (p. 325).» «Com isto divertem a alma popular (p. 326).»

4A dança macabra ou dança da morte pertence ao domínio da literatura e da iconografia; conquanto se fizessem representações mímicas dela (uma, por exemplo, em Paris, em 1434, no cemitério dos Inocentes), nunca entrou no domínio dos costumes populares; demais a morte percorrendo as ruas e sendo perseguida e perseguidora dos rapazes não dá ideia da morte, dançando com os representantes dos três estados ou das diversas classes sociais. Esse assunto parece ter tido muito pouca voga em Portugal. É a mitologia que nos dá a explicação daquele costume de Bragança, última transformação de uma cerimónia alguns milhares de anos mais antiga do que a dança da morte.

5Nos antigos cultos naturalísticos ocupavam um grande lugar as cerimónicas que simbolizavam o giro das estações, em que a imaginação mitoépica das nações indo-europeias via um drama, que reproduzia em ponto grande o drama quotidiano da luta do dia e da noite, da luz e das trevas; a divindade solar um momento vencida saía por fim triunfante da luta. O Inverno era um paralelo da noite, como o Verão (as estações primitivas eram essas duas) do dia. Como a noite era identificada à morte, assim o Inverno foi considerado como a morte. Não é o Inverno a morte da natureza, da qual ela há-de ressuscitar sempre com novo vigor e beleza? Que imensa alegria quando vinha a primeira ave da Primavera, quando no prado desabrochava a primeira flor! O Inverno, a morte, estava vencida e na sua alegria os nossos antepassados não se contentavam com meter ao campo o arado e pensar e curar das coisas positivas da vida: haviam de vingar-se do Inverno pelas suas próprias mãos, vingança bem inocente, mas que por certo lhe dava imenso júbilo. Um homem, uma figura mesmo, simbolizando o Inverno era perseguido pelas povoações, com cantos adequados ou então um combate entre o Inverno e o Verão era representado por dois contendores escolhidos.

6Quase todos os costumes populares têm as suas raízes nos velhos cultos naturalísticos. O singular costume de Bragança explica-se com toda a clareza pela cerimónia de expulsar o Inverno.

7Jacob Grimm, que mostra com evidência a identificação do Inverno e da morte (Deutsche Mythologie, 3 Ausg, pp. 726 e segs), depois de referir o costume da luta do Inverno e do Verão, ainda hoje muito em voga na Alemanha, diz-nos que nos contos francónios desapareceu inteiramente a menção do Verão, subsistindo apenas com mais força a ideia da morte expulsa. Raparigas do campo de 7 a 18 anos percorrem as ruas das cidades, levando debaixo do braço esquerdo um pequeno féretro aberto, de que pende um pano de linho que cobre uma boneca. O seu canto uníssono começa:

Heut ist mitfasten,
Wir tragen den Tod ins wasser, wol ist das.

8«Hoje é o meio da quaresma; nós vamos deitar a morte ao rio; bom é isto.» Não desejando dar mais do que uma sucinta explicação do costume de Bragança, omito a menção das variantes da cerimónia, como a acho descrita nos mitólogos alemães; contentar-me-ei com mais uma notícia. Os Sorbos no Oberlausitz (refere Grimm o. c. p. 731) fazem uma figura de palha e farrapos; a pessoa em cuja casa se deu o último falecimento deve dar a camisa; a última noiva deve dar o véu e os farrapos necessários; o espantalho é espetado em cima de um barrote alto e levado a correr pelas mais fortes raparigas do campo, que cantam todas:

lecz hore, lecz hore!
jatabate woko
pan dele, pan dele!

«Voa alto, voa alto, anda de roda, cai para baixo, cai para baixo.» A figura é corrida à pedrada; quem lhe acerta não morre nesse ano.

9O dia da luta do Verão e do Inverno ou da expulsão da morte varia segundo as localidades, mas a quarta dominga de quaresma (dominica laetare) ou meio da quaresma são os dias mais escolhidos; nos arredores de Boitzenburg no Ukermark a festa acha-se inteiramente deslocada, porque a luta do Verão e do Inverno se representa pelo Natal (A. Kuhn und W. Schwartz, Norddeutsche Sagen, Märchen und Gebräuche. 1848, p. 403); não é pois de estranhar que em Bragança a Morte percorra as ruas em Quarta-Feira de Cinzas, e tanto menos quanto provavelmente se quis dar um sentido cristão a um costume de origem puramente pagã. A Serração da Velha, o Enterro do Bacalhau, os Judas de Sábado de Aleluia, têm a mesma fonte que a expulsão da morte; mas o exame desses costumes ficará para outra ocasião.

10(Piedade, 26 de Novembro de 1877.)

Notes

1 Originalmente publicado na Revista Renascença, 1878, vol. i, p. 10.

© Etnográfica Press, 1993

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search