Version classiqueVersion mobile

Obra etnográfica (I)

 | 
Adolfo Coelho

I. Literatura popular

João Pateta1

Texte intégral

  • 1 Originalmente publicado em 1918, em Lisboa, pela Tipografia Eduardo Ferreira, com ilustrações de Al (...)

1«Era uma vez uma mulher que casou com um homem que era muito atolado; se ficava em casa deitava tudo a perder; se ia para a feira não sabia comprar, nem vender. A mulher mandou-o um dia à feira vender uma teia e disse-lhe:

2– Não a vendas nem a homem, nem a mulher que fale muito, senão eles enganam-te.

3Foi ele para a feira; todos falavam muito e ele dizia:

4– Não é para você que fala muito.

5E assim não vendia a teia. Vinha para casa com ela; chegou ao pé de uma capela e foi rezar ao santinho dela. Ouviu tocar a uma festa fora; deixou ficar o pano e foi ver a festa; quando voltou para dentro tinham-lho furtado. Ele virou-se para o santo e disse-lhe:

6– Ai tu compraste-me a teia e não quiseste ir à feira molhar os pés! Pois agora dá-me cá o dinheiro.

7Como o santo não lhe botava o dinheiro, o homem desaveio-se com ele e deu-lhe uma mocada e botou-o do altar abaixo. Ao mesmo tempo caíram cinco réis das esmolas do santo e o homem disse:

8– Está bom!, é a paga da teia.

9Tomou os cinco réis, deixou ficar o santo e foi-se embora.

10Chegou a casa e entregou os cinco réis à mulher e contou-lhe o transe.

11Depois, pela outra feira, mandou-lhe a mulher buscar um vintém de agulhas. Voltou o homem da feira e a mulher perguntou-lhe pelas agulhas:

12– Olha, as agulhas... encontrei um carro de estrume e amuaram os bois; peguei eu à chêda do carro e como não podia trazer as agulhas, botei-as ao carro e depois não as achei no estrume.

13– Valha-te Deus, homem! Tu és tolo; espetavam-se no jalequinho.

14– Pois sim, pois sim; assim farei para as outras vezes.

15Mandou-o a mulher ao ferreiro fazer umas agulhas para o jugo dos bois. Ele pegou nelas e espetou-as no jaleco e rompeu-o todo. A mulher ralhou-lhe:

16– Ó homem! Tu és tolo! Pois tu foste rasgar o jalequinho?

17– Pois como é que eu havia de fazer?

18– Olha, isso... prendiam-se com um baracinho e trazia-las às costas.

19– Pois sim, pois sim; para a outra vez assim hei-de fazer.

20Mandou-o a mulher comprar um bacorinho e ele comprou o bácoro; prendeu-o pelo pescoço e deitou-o às costas; chegou a casa com ele esganado.

21Disse-lhe a mulher:

22– Ó homem! Santo nome de Jesus! O que tu fizeste! Mataste o bacorinho.

23– Pois como é que se fazia?

24– Olha, trazia-se preso por uma cordinha pelo chão e batia-se-lhe com uma varinha.

25– Pois sim, pois sim; para a outra vez assim hei-de fazer.

26Mandou-o a mulher outra vez buscar um cântaro à feira. Ele pegou nele, atou-lhe uma cordinha e trouxe-o de rastos pelo chão; chegou a casa só com a asa dele pendurada na corda. A mulher viu-lhe a asa do cântaro e disse:

27– Ai Jesus! Estou perdida; não tornas à feira.

28– Pois sim, sim; vai tu; eu cá ficarei.

29Foi a mulher à feira e recomendou-lhe quando saiu:

30– Olha, homem, tu não deixes ir as cabras ao milho da bouça: não vás à adega que deixas a cuba a deitar; não vás ali àquela malga que tem rosalgar (mas era açúcar o que lá estava), e, se comes, morres; repara a galinha dos pintos que não tenha perigo.

31Foi a mulher para a feira: ele assim que ela saiu, foi buscar um bocadinho de carne ao presunto e fritou-a (coitadinho, para comer, está visto); foi buscar um pouco de vinho numa enfusa e perdeu a rolha da cuba; meteu-lhe um dedo e deixou-se lá estar ao pé da cuba; nisto apareceu-lhe lá uma canzinha e ele chamou-a para o pé e meteu o rabo dela no furo da cuba para o tapar. Estava a comer a carne e a beber a pinguita do vinho; chamaram por ele que lhe andavam as cabras no milho; ele caminha à adega e chama pela cadela; ela correu e deixou a cuba a verter. Voltou ele a casa e viu o vinho a correr pela adega e levou os foles da farinha da fornada e despejou a farinha no chão para a mulher nao ver o vinho. Nisto a raposa tinha vindo e comido a galinha; ele começou a chorar.

32– Ai Jesus! Que desgraça a minha! Que hei-de eu fazer?!

33E foi à malga do açúcar e comeu-o para morrer, julgando que a outra banda. Por fim, como viu que não morria foi para o ninheiro da galinha chocar os ovos e estava lá:

34– Crós, crós...

35Nisto veio a mulher:

36– Ó fulano!

37– Crós, crós...

38Ela enfim foi dar com ele a chocar os ovos; ralhou-lhe muito e disse-lhe:

39– Sai daí, meu toleirão.

40Enfim, lá fizeram as pazes e ela perdoou-lhe.»

Notes

1 Originalmente publicado em 1918, em Lisboa, pela Tipografia Eduardo Ferreira, com ilustrações de Alice Rey Colaço.

© Etnográfica Press, 1993

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search