Version classiqueVersion mobile

Obra etnográfica (I)

 | 
Adolfo Coelho

I. Literatura popular

Notas e Paralelos Folclóricos1

Texte intégral

I – Tradições relativas a S. Cipriano

1. Lenda minhota de S. Cipriano

  • 1 Originalmente publicado na Revista Lusitana, 1887, vol. i, pp. 166-174, 246-259 e 320-331.

1«S. Cipriano era feiticeiro e depois morreu-lhe o pai que tinha um dinheiro e não o deixou a nenhum dos filhos. O pai era muito amigo com o tal Cipriano, e eles cuidavam que o irmão ficara com o dinheiro todo e por isso ralhavam com ele todos os dias.

2– Tu é que tens o dinheiro.

3– Sois vós; eu cá não tenho dinheiro nenhum.

4Cipriano foi ao inferno. Pelo pauto que tinha com o diabo ia lá quando queria. Chegou lá; o pai estava muito desesperado e estava deitado numa cama muito asseada. Quando viu o filho, disse:

5– Então já para cá vens? Para cá venham vós todos, que à vossa conta é que eu aqui estou.

6Ele disse-lhe:

7– Ó meu pai, está aí numa cama tão asseada e tão preparada e está assim tão zangado?

8– Estou, estou bonito. Chega aqui um dedo.

9Cipriano chegou um dedo e ele ficou-lhe lá, porque o pai estava em fogo. Diz:

10– Ó meu pai! Eu venho saber onde vocemecê deixou o dinheiro, que andamos lá numa guerra uns com os outros.

11– Olha, o dinheiro... vai à adega, atrás da cuba grande, que ele lá está enterrado, e a troco desse dinheiro é que eu aqui estou.

12Cipriano foi-se embora e foi à adega com os irmãos e acharam lá o dinheiro, e ele então disse:

13– Tomai lá; eu não quero nenhum, que a troco desse dinheiro não quero ir para o inferno.

14Pegaram os irmãos no dinheiro e ele foi-se embora fazer penitência e foi para o céu.»

15(Minho – Ourilhe. Recolhido em 1883.)

2

16Um clérigo nigromante diz na tragicomédia de Gil Vicente, Exortação da Guerra, representada em 1513:

Farei por mágicas rasas
Chuvas tão desatinadas,
Que estem as telhas deitadas
Pelos telhados das casas;
E farei a torre da Sé,
Assi grande como é,
Per graça de sua clima
Que tenha o alicerce ao pé
E as ameias em cima.
Não me quero mais gabar,
Nome de São Cebrian,
Esconjuro-te Satã,
Senhores não espantar.
Zet zeberet zerregud zebet
Ó filui soter
Rehe zezegot relinzet.
Ó filui soter.

3

17Nas sentenças da inquisição alude-se frequentes vezes à oração de S. Cipriano (vid. por ex. a minha Etnografia Portuguesa. Costumes e Crenças Populares, n.° 325).

18As doze palavras repetem-se algumas vezes em Portugal com o nome de Oração de S. Cipriano (vid. o n.° ii destas Notas e Paralelos).

4

19«S. Cipriano, segundo a crença popular, foi o primeiro feiticeiro que houve. Ler o livro dele é pecado; mas, quem o ler, assobe ás nubes (nuvens) sem asas (Gundifelos). Em Guimarães diz-se a seguinte oração a S. Cipriano:

Meu Sã Supriano,
Meu Sã Suprianinho,
Meu feiticeiro,
Meu feiticeirinho,
No mar andaste,
Onze virges encontrastes
Com elas falastes,
Comestes e bubestes;
Vossa sorte botastes,
Milhor a tirastes:
Dizei-me agora a minha
P’ra saber se casarei.»

20(J. Leite de Vasconcelos, Tradições Populares de Portugal, § 379.)

5

21«No Auto de Fé de 23 de Novembro de 1621 saiu condenado a sambenito perpétuo Luísa de Sousa, porque rezava esta oração:

Deus diante e eu detrás
Deus detrás e eu diante...

22O cristão velho Pedro Afonso foi também condenado, além de ter comunicação com o diabo em forma de menino de dez annos, porque ‘Tinha um livro intitulado de S. Cyprião’, e nele se diziam as curas que se haviam de fazer. Querendo curar alguns doentes, os levava ao longo de um rio, e ali os sangrava na testa com um alfinete, e lhes fazia dizer estas palavras:

Estou picado e enfeitiçado,
Jesus, nome de Jesus,
Despicai-me e desenfeitiçai-me.

23Não curava senão ao domingo, dizendo que assim lho mandava o livro de S. Cipriano. Aconteceu que uma vez lhe achou este livro um clérigo e, vendo as torpezas e parvoíces que nele estavam escritas, o rompeu e deitou debaixo dos seus pés, e o pisou com eles, e, por fazer isto, fez com que os diabos tomassem o clérigo e o levassem a um monte, onde estava um mato e o trataram ali muito mal, e tanto que o não puderam dali trazer senão num carro. Outra vez fez com que os mesmos diabos fossem a casa do mesmo clérigo e lhe quebrassem toda a louça que tinha.» (Ribeiro Guimarães, Summario de Varia Historia, tom. iv, p. 88. Cit. no jornal A Volta do Mundo, tom. ii, p. 291.)

6. Lendas setentrionais de S. Cipriano

24a. «Cyprianus was a student, and by nature a gentle and ordely person, but he had passed through the Black School in Norway, and was therefore engaged to the devil to apply his learning and extraordinary faculties to the perpretation of evil. This grieved him in his later years, his heart being good and pious; so to make the evil good gain, he wrote a book wherein he first shows how evil to be done, and then how it may be remedied. The book begins by explaining what sorcery is, and with a warning against it. It is divided into three heds, viz. Cyprianns, Dr. Faustus, and Jacob Ramel. The last two parts are writen in characteres which are said to be Persian or Arabic, and also in ordinary caracters. In this book are taught exorcising, laying and raising of spirits, and all that of which mention is made in the 5th book of Moses, xviii, 10, 11, 12. Whether this book as been printed is uncertain, but manuscript copies of it are concealed here and there among the common people, who regard it has something sacred. Those who possess the book of Cyprianus need never want money, they can read the devil to them and from them, and no one can harm them, not even the evil himself. But whoever possesses the book cannot get rid of it; for whether he sells, burns or buries it, it will come back ; and if a person cannot dispose of it before his death, it will go badly with him. The only method is, to write his name in it his own blood, and lay it in a secret place in the church, together with four shillings clerk’s fee.» B. Thorpe, Northern Mythology. London, 1851, 8.°, ii, 186-7. (De J. M. Thiele, Danmarks’ Folkesagn.)

25b. «Two miles from Horseus (Jutland) there dwelt a miller, who was a master in the black art and possessed the book of Cyprianus. A peasant having once stolen an axe from him, was obliged to bring it black at midnight, and was, moreover, borne so high in the air that his feet rattled among the tops of the trees in Bierre forest. This miller in fact performed so many wonderful things that all his neighbours were astonished at his feats. Impelled by curiosity, a journeyman miller once split into his master’s private room, where having found an old quaint-looking volume, he began to read in it, when the horrible Satan appeared before him and asked his commands. The man, who was not aware that it was necessary to give to the fiend some stiff job to execute, fell down in terror deprived of speech, and it would, no doubt, have been all over with him, had not his master entered at the moment and seen how matters stood. Snatching up the book, the miller instantly began to read it in another place, in order, if possible, to drive the fiend away; but things had already gone to far, and nothing remained to be done but to give him something to do, so taking a sieve, he commanded him to bale water with it from the mill pond; but being unable to do so, he was obliged to take his departure through the air, and left behind him a most loathsome stench.» Ob. cit., p. 188.

26c. «In ancient times there lived in one of the Danish isles a man named Cyprianus, who was worse than the devil; consequently, ofter he was dead and gone to hell, he was again cast forth by the devil and replaced on his isle. There he wrote nine books, in the old Danish tongue, witchraft and magical spells. Whosoever has read all these nine books through becomes the property of the devil. From the original work three (or nine) copies are said to have been dispersed over the world. A count, who rended in the castle of Ploen, is said to have possessed a perfect copy, which he caused to be fastened with chains and buried under the castle; because in reading through eight books he was so troubled and terrified that he resolved on concealing it from the sight of the world. One of this books still exists in Flensborg. Some spells from the nine book are still known among aged people. Whoever wishes to be initiated there in must first renounce to christianity.» Ob. cit., 187.

27Creio que estas duas últimas lendas são tiradas de K. Müllenhoff, Sagen, Märchen und Lieder der Herzogthümer Schleswig-Holstein und Lassenbarg (Kiel, 1845), nr. 263.566, mas não posso agora fazer a verificação.

7. Um livro «autêntico» de S. Cipriano

28Há alguns anos mostrou-me o falecido conservador da Biblioteca Nacional de Lisboa, António da Silva Túlio, um livro de S. Cipriano tão autêntico que cada fólio tinha a rubrica do mágico! Não pude proceder então senão a um rápido exame do livro, reservando-me para fazer dele um estudo mais detido e até uma cópia completa, mas a doença do prestimoso bibliotecário, a quem o livro pertencia, obstou à realização do meu projecto. Eis as notas que eu tirei quando vi essa preciosidade bibliográfica.

29Titulo: «Cypriani Magjcj septem horae Magicae (Rubrica: Cyprianus). Editae ab ipso Bernae anno 154...» Um caderno formado de 33 meios quartos com uma tira. Impresso à mão (pelo processo por que as tipografias tiram as provas de granel), com tipo preto e vermelho. Cada fólio tem numeração manuscrita no alto, e por baixo do número Cyprianus.

30E tudo em latim, mas que latim! Um latim próprio dos diabos e seus inspirados. A péssima impressão e o mau estado do exemplar, dobrado ao meio, quebrado e em parte roto, por andar na algibeira ou no seio dos feiticeiros e feiticeiras, por cujas mãos foi passando, tornam difícil a leitura.

31A fol. 32 v. lê-se:

«Ne Opuz hoc contrafial & falso meo NOMine currant Hoc Subscripsi & Rubricavi Mea propria Littera.
Cyprianus Magnus primus.»

32Na fol. 2, depois do frontispício:

33«Cyprianus gratia [Belse]buth Locifuge Resoce et ejusdem omnium potestatum Universi Magust primust, cui tantunmodo cognosscere Magiae arcana principalia, et tolere de sinu Terrae unica et generali methodo Thesaura omnia invenire concessum fuit; nunc pro viribus meis atenuatis Magicandi... et párvulos inopiam suam perdere voleus; aurient [arg]entumom ne et aurum, sicut alia pretioza in terra jandudum Magiae virtute detenta; has septem horas Magiae didico sequentibus notiz. primo; De antiquiz solum. Adami, Maegi, quae vera est [fama]. De paradiso omni Boni ac Mali Cientia expulsus est. Secundo: Nemo Thezaura haurire deziderans v... fican (?) quaerat... Mulieres, illac raro pacto suficiens debent: Querit egenun (?) vel CI.oRICVIV, qui pro interin Locifuge Thezaurorum custode pactum faciat, et fide legat vel a sacerdote audiens pronuncied omnia infra scrripta:

34Magiae artes abjudicate manu; quis in illis aliquod deficiet, et tantum mea propria manu subscripta, et Typis edita valent, ed solum in ipsis data; potente pactum Verum facienti.»

  • 2 Voltarei a falar dessa vela num próximo artigo relativo aos Mitos dos dedos e da mão.

35Além das quadras das horas mágicas que formam a parte mais importante do livro há nele a receita para fabricar uns certos telarios de grande importância para descobrir os tesouros e que eram preparados com pau de cipreste infrutífero, colhido na Canícula, nas noites de Saturno, sujeito aos rocios das noites dos reis Magos, pelo tempo de Joves e Venns, e aplicando-lhe depois complicados ingredientes. Não menos complicada era a fabricação de uma vela mágica, empregada para descobrir os tesouros, cujo fio devia ser fiado por uma Maria de 67 anos, que tivesse 5 filhos solteiros; os ingredientes terríficos dessa vela eram, entre outros, unto humano, olho de gato negro, dentes laniares de lobo macho, enxofre; era também preciso para a fabricação um crânio humano2.

8. Os livros modernos de S. Cipriano

  • 3 Nesse número entram muitos sujeitos que aliás se distinguem por conhecimentos mais ou menos variado (...)

36Como todas as outras velhas superstições, a do livro de S. Cipriano vive ainda hoje na tradição popular. O povo, que não é constituído pelos proletários e analfabetos, mas por todos os que são avessos à concepção científica do mundo, e que portanto se conservam num estado intelectual que os coloca ao nível do selvagem3, o povo sonha sempre com tesouros e meios mágicos de os descobrir, isto é, com a emancipação do trabalho rude. A superstição mantém-se pela ignorância, pela falsa educação e pela miséria.

37Numerosas vezes ouvi falar a pessoas do nosso povo no famoso livro de S. Cipriano, de que, segundo me afirmavam, corriam numerosas cópias manuscritas, até que um criado de servir do Porto mandou imprimir uma dessas cópias com o título seguinte:

38«Livro de S. Cypriano, tirado d’um manuscripto feito pelo mesmo santo, que ensina a desencantar todos os encantos, feitos pelos mouros neste reino de Portugal, indicando os logares onde se encontram os encantos. Ensina a desfazer toda a qualidade de feitiçaria e ensina algumas magicas tal qual as fazia S. Cypriano; ensina como se hão de curar muitas doenças, que se suppõem causadas pelo demonio. Copiado fielmente pelo dito manuscripto», mandado publicar por Joaquim José Simões. Porto, Imprensa Portuense, 1875, 8.°, 110 pp. Preço 600 réis.

39Essa edição esgotou-se em pouco tempo; fez-se outra, que tenho à mão, e o negócio tentou um livreiro de Lisboa, que publica com grande frequência o anúncio no Diário de Notícias desta cidade:

O grande livro de S. Cipriano: em 3 volumes

  1. Volume: Vida de S. Cipriano – Orações e esconjurações – Desencanto dos tesouros – Mágicas de S. Cipriano – Arte de deitar as cartas e de ler as sinas. – Preço 500 réis.

  2. Volume: Verdadeiro tesouro da mágica preta e branca – Segredos da feitiçaria para ligar e desligar namorados – Orações do Anjo Custódio – Explicação dos sonhos, etc. – Preço 500 réis.

  3. Volume: Os prodígios do diabo – Os tesouros da Galiza – Remédio contra os espíritos diabólicos – Segredos para não ter filhos – Receitas várias para aumentar e diminuir amizades – Poderes ocultos do ódio e do amor, etc. – Preço 500 réis.

40Os 3 volumes juntos 1$200 réis.

41Livraria Económica, Travessa de S. Domingos, 9 e 11.

42E somos nós quem pretende civilizar a África! Há pouco um jornal mostrava-se indignado por se apresentarem no Museu de South Kensington produtos com a indicação que eram dos selvagens do Algarve! Mas a arte africana é cem vezes mais perfeita do que a arte algarvia representada nesse Museu, e os manipansos cem vezes mais dignos de veneração do que certas estatuetas de barro e conchas, feitas nas costas do Algarve, representando santos e o general Saldanha, uma espécie de herói solar daquela pobre gente!

43O Livro de S. Cipriano, edição do Porto (só conheço pelo anúncio a de Lisboa) não oferece quase nenhum interesse particular. Um extracto do index dará ideia do seu conteúdo, I. Como S. Cipriano tomou pacto com o Demónio, ii. Como S. Cipriano fez a escritura do pacto. iii. Cipriano depois de ser santo, iv. Modo como se hão-de desencantar os tesouros. v. Os lugares onde se encontram os encantos, vi. Como S. Cipriano desfazia tudo quanto era feitiço. VII. Como é que Deus permite que o Demónio atormente as criaturas. viii. Oração geral para desfazer toda a qualidade de feitiçarias. ix. Remédio espiritual para benzer as casas que se sentem perturbadas pelo Demónio. x. Remédio espiritual como se há-de benzer uma criança que se desconfia que o Demónio a atormenta. xi. Remédio espiritual para atalhar a erisipela (no texto zirpella). XII. Remédios espirituais como se há-de conhecer se a criatura tem feitiço, xiii. Como S. Cipriano assistia aos enfermos, xiv. Modo de votar (sic) uma peneira para adivinhar como fazia S. Cipriano depois que era santo, xv. Para adivinhar com 6 paus de alecrim, xvi. Como se há-de votar as cartas, xvii. Responso de S. Cipriano para votar as cartas, xviii. Remédio espiritual para curar todos os temores que a medicina não puder curar. XIX. Remédio espiritual que usava S. Cipriano para curar os temores, dores de cabeça, etc. xx. Como S. Cipriano curava tudo quanto era causado pelo Demónio.

44O livro não tem o carácter terrífico de outros do seu género; oferece algumas formas e termos populares interessantes, como galinhaço, azango, etc. No cap. xiv encontra-se o seguinte ensalmo da peneira:

Peneira que peneirais
Todo pão da cristandade,
Peço-vos eu, Senhor,
Das três pessoas distintas
Da Santíssima Trindade
Que não me faltes à verdade.
Para gelão (?) traga matão (?),
Raiz do pauto achião (?);
O molitão (?) possa esperar
Para entregar
Ao infernal Lúcifer.

9. Le Dragon rouge

45Consolemo-nos com o mal alheio. Não é só no nosso país que circulam e são lidos com avidez livros semelhantes. Entre outras publicações do mesmo género citarei a seguinte de que possuo um exemplar:

46«Le Dragon rouge, ou l’art de commander les esprits célestes, aéríens, terrestres, infernaux, avec le vrai secret de faire parler les Morts, de gagner toutes les fois qu’on met aux Loteries, de découvrir les Trésors cachés», etc. Imprimé sur un manuscript de 1522. Paris. Chez tous les Libraires, 1838, 105 pp., in-12.°

47Charles Nisard na sua Histoire de la littérature de colportage, t.i, p. 159 e segs., ocupa-se de diversas publicações francesas do mesmo género, tais como o Grand Grimoire, p. 159 e segs., e Le Véritable dragon rouge, p. 174 e segs. Tendo adquirido Le Dragon rouge tempo depois de lido o livro de Nisard, que agora não tenho à mão, não posso verificar que relações mais próximas há entre as publicações de que ele se ocupa e aquela de que transcrevi acima o título.

48Le Dragon rouge, como outros livros similares franceses, oferece relações com Cypriani magi septem horae magicae. Assim no cap. III daquele achamos «la véritable composition de la baguette mystérieuse, ou verge foudroyante», que é feita com uma «baguette ou verge de noisetier sauvage» e vários ingredientes, o que é muito semelhante aos telários de Cipriano. Também Le Dragon rouge dá o nome do diabo «Lucifuge Rofocale» (em Cipriano Resocele).

49«Deitar varas para achar thesouros ou descobrir nascentes d’agua» é processo mágico que anda na nossa tradição popular: «nem lance sortes para adevinhar: nem varas para achar aver». (Constituições synodaes d’Evora, de 1534.)

50Sobre a vara divinatoria pode ver-se por exemplo Louis Figuier, Histoire du merveilleux dans les temps modernes, 2.a ed., t. ii, pp. 253-426.

II – As doze palavras retornadas

1

51a) Na Romania, iii, 269-273 (Paris, 1874), coligi diversas versões da oração chamada de S. Cipriano ou de S. Custódio, a que o nosso povo atribui tantas virtudes e que é vulgar em toda a Europa com outros nomes.

52b) Mais tarde dei na Renascença, i, 47, a seguinte versão colhida na Foz do Douro:

– Simão amigo meu.
– Simão sim, amigo teu, não.
– Das doze palavras
Ditas e retornadas
Dize-me a primeira.

– A primeira é a casa de Jerusalém,
Donde Nosso Senhor Jesus Cristo
Morreu por nós, ámen.
Simão, etc.
Dize-me as duas.
– As duas são as duas tábuas de Moisés
Onde Nosso Senhor Jesus Cristo
Botou seus divinos pés.
– Simão, etc.
Dize-me as três.
– As três são as três pessoas
Da Santíssima Trindade.
– Simão, etc.
Dize-me as quatro.
– As duas são os quatro evangelistas.
– Simão, etc.
Dize-me as cinco.
– As cincõ são as cinco chagas
De Nosso Senhor Jesus Cristo.
– Simão, etc.
Dize-me as seis.
– As seis são os seis círios bentos.
– Simão, etc.
Dize-me as sete.
– As sete são os sete sacramentos.
– Simão, etc.
Dize-me as oito.
– As oito são as oito bem-aventuranças.
– Simão, etc.
Dize-me as nove.
– As nove são os nove meses.
– Simão, etc.
Dize-me as dez.
– As dez são os dez mandamentos.
– Simão, etc.
Dize-me as onze.
– As onze são as onze mil virgens.
– Simão, etc.
Dize-me as doze.
– As doze são os doze apóstolos.

Doze raios tem o Sol,
Doze raios tem a Lua;
Estoira daí, diabo,
A alma é minha, não é tua.

2

53A seguinte versão, do lugar dos Trovões, bispado de Coimbra, foi-me oferecida pelo meu amigo e colega G. de Vasconcelos Abreu, professor de sânscrito no Curso Superior de Letras:

Custódio, amigo meu, dize-me lá uma.
Custódio sim, amigo teu não; a uma eu ta direi.
A uma é a Santa Casa de Jerusalém, onde Jesu-Cristo nasceu e morreu por nós, ámen!
Custódio, amigo meu, dize-me as duas.
Custódio sim, amigo não, as duas eu tas direi.
As duas são as tabuinhas de Moisés, onde J. C. pôs os seus SS. pés.
Custódio, etc.
As três são as três pessoas da Santíssima Trindade, Padre, Filho e Espírito Santo.
Custódio, etc.
As quatro são os quatro novíssimos do Homem.
Custódio, etc.
As cinco são as cinco chagas de Cristo.
Custódio, etc.
As seis são os seis círios bentos.
Custódio, etc.
As sete são os sete Sacramentos.
Custódio, etc.
As oito são as oito bem-aventuranças.
Custódio, etc.
As nove são os nove templos da Santíssima Trindade.
Custódio, etc.
As dez são os dez mandamentos.
Custódio, etc.
As onze são as onze mil virgens.
Custódio, etc.
As doze são os doze Apóstolos.
Custódio, amigo meu, dize-me lá as treze.
Custódio sim, amigo não; as treze eu tas direi.

Quatro quartos tem a Lua,
Nove raios tem o Sol.
Arrebenta, diabos e diabas!
Que esta alma não é tua.

54Esta oração, rezada à meia-noite todas as noites, converte um insensato à hora da morte.

3

55Eis outra versão portuguesa, que foi recolhida em Vila Nova de Gaia, pelo Sr. João Vieira de Andrade:

– Custódio, amigo!
– Custódio sim, mas amigo não.
– Queres-te salvar?
– Sim, senhor, quero.
– Diz-me lá o primeiro.
– É o padre.
– Custódio, amigo!
– Custódio sim, mas amigo não.
– Queres-te salvar?
– Sim, senhor, quero.
– Diz-me lá as duas.
– As duas são as duas tábuas de Moisés.
– E o primeiro é o padre.
Etc.
– Diz-me lá as três.
– As três são os três profetas.
Etc.
– Diz-me lá as quatro.
– As quatro são os quatro patriarcas.
Etc.
– Diz-me lá as cinco.
– As cinco são as cinco chagas.
Etc.
– Diz-me lá as seis.
– As seis são os seis círios bentos.
Etc.
– Diz-me lá as sete.
– As sete são os sete salmos (psalmos).
Etc.
– Diz-me lá as oito.
– As oito são os oito corpos santos.
Etc.
– Diz-me lá as nove.
– As nove são os nove coros de anjos.
Etc.
– Diz-me lá as dez.
– As dez são os dez mandamentos.
Etc.
– Diz-me lá as onze.
– As onze são as onze mil virgens.
Etc.
– Diz-me lá as doze.

Doze restes tem o Sol
E doze restes tem a Lua.
Arrebenta para aí diabo
Que esta alma não é tua.

56Quando se diz esta oração rebenta um diabo no inferno.

4

57O Sr. A. Tomás Pires publicou outra versão portuguesa no Archivio per lo studio delle trad. pop., t. i, pp. 100-103, e uma andaluza, ibid. pp. 104-106.

58Deram ainda versões portuguesas J. Leite de Vasconcelos na Vanguarda, n.° 68 (22 de Agosto, 1881), Z. C. Pedroso, Tradições Populares Portuguesas, n.° xi, pp. 12-14.

5

59Há uma versão da Estremadura espanhola, em forma de jogo infantil, na Biblioteca de las tradiciones populares españolas, t. II, pp. 180-182.

60Encontram-se versões italianas no Archivio per lo studio delle trad. pop., t. i, pp. 98-99 (Abruzzi), pp. 416-423 (Messina).

61A seguinte versão alemã acha-se num livro que teve pouca circulação.

Lieber Vater, sage mir:
Wast ist Eins?
Eins ist Gott allein.
Liebe Vater mir:
r,sage
Was ist Zwei?
Zwei Tafeln Mosis,
Eins is Gott allein.
Lieber Vater, sage mir:
Was ist drei?
Drei Patriarchen
Abraham und Isaac
Undder kleine Jacob
Mit dem ledern Schnappsack,
Wo er Käs und Brod stak
Und ein Pfeifchen Tabak.
Zwei Tafeln Mosis,
Eins ist Gott allein.
Lieber Vater, sage mir:
Was ist Vier?
Vier Evangelisten
Frei Patriarchen
Abraham und Isaac
Und der kleine Jacob,
etc.
Lieber Vater, sage mir:
Was ist Fünf?
Fünt Bücher Mosis,
Vier Evangelisten,
etc.
Lieber Vater, sage mir:
Was ist Sechs?
Sechs Krüge mit rothen Wein
Schenkt der Herr zu Kana ein,
Kan’in Galilaea;
Fünf Bücher Mosis,
Vier Evangelisten,
etc.
Lieber Vater, sage mir:
Was ist Sieben?
Sieben Sacramente,
Sechs Krüge mit rothem Wein,
etc.
Lieber Vater, sage mir:
Was ist Acht?
Acht Chöre der Heiligen,
Sieben Sacramente,
etc.
Lieber Vater, sage mir:
Was ist Neun?
Neun Chöre der Engel.
Acht Chöre der Heiligen,
etc.
Lieber Vater sage mir:
Was ist Zehn?
Zehn Gebote Gottes,
Neun Chöre der Engel,
etc.1

62Há duas versões tirolesas em I. v. Zingerle Sitten, Bräuche und Meinungen des tiroler Volkes, p. 236.

63Num conto grego da colecção de Hahn, Griechische und Albanesische Märchen, ii, 210, o herói tem de adivinhar dez enigmas que lhe há-de propor um dragão, sob pena de ser devorado por ele. Uma velha sabedora compadece-se do herói e responde de dentro de um castelo, imitando a voz dele. Eis as perguntas enigmáticas e as respostas:

O que é uma palavra?
– Deus é um.
– O que são as duas palavras?
– Duas palavras são os justos.
– O que são as três palavras?
– Três pés tem a tripeça.
– O que são as quatro palavras?
– Quatro tetas tem a vaca.
– O que são as cinco palavras?
– Cinco dedos tem a mão.
– O que são as seis palavras?
– Seis estrelas tem o setestrelo.
– O que são as sete palavras?
– A dança das sete virgens.
– O que são as oito palavras?
– Oito pés tem o polvo.
– O que são as nove palavras?
– Nove meses te trouxe a tua mãe.
– O que são as dez palavras?
– Essa é a tua própria palavra e agora
rebenta, Drago.

64Um episódio semelhante se encontra em contos alemães de colecções que não tenho à mão.

65Em Portugal achamos já a fórmula no século xvii, mas a sua introdução é provavelmente muito anterior. Tanto a versão alemã como as portuguesas e outras mais ou menos semelhantes de outros países, têm necessariamente uma fonte comum.

66Segundo a Romania, i, 223, na obra rabínica Sepher Haggadah encontra-se uma versão da mesma peça que compreende: um Deus, duas tábuas da lei, três patriarcas, quatro matriarcas (Sara, Rebeca, Raquel, Lia), cinco livros de Moisés, seis livros de Michna, sete dias da semana, oito dias que precedem a circuncisão, nove meses de gravidez, dez mandamentos de Deus, onze estrelas de José, doze tribos de Jacob e treze tribos de Deus. Mas nenhum dos antigos manuscritos do Sepher Haggadah contém o canto dos números; é mister pois considerá-lo como de origem não judaica.

  • 4 Ueber Volks-und Kinderdichtung, etc. von Dr. Sachse, no Jahresbericht äber die köhere Knaben-Schule (...)

67A tradição é, segundo as maiores probabilidades, de origem persa, como mostram os factos reunidos por R. Köhler em Zeitschrift der Deutschen Morgenl. Gesellschaft, xxix, pp. 633-36.4 O sábio alemão cita: uma versão pehlevi no Book of Arda-Viraf, ed. M. Haug (Bombay und London, 1872); uma kirgisa em W. Radloff, Die Sprachen der türkischen Stämme Süd-Sibiriens, i Abtheil. iii Theil, pp. 693 e segs. Tradução iii Theil, pp. 780 e segs.; Literarisches Centralblatt, 1870, n.° 52 (art. de Kõhler), Hahn, Griech und albanes. Märchen, ii, p. 210 (vid. supra); Haltrich, Deutsche Volksmärchen aus den Sachsenlande in Siebenbürgen, n.° 32; Müllenhoff, Sagen Märchen und Lieder der Herzogthüme Schleswig, Holstein und Lauenberg, p. 303, n.° cdxv. Nessas colecções de contos de que só tenho à mão a de Hahn, de que fiz o extracto dado acima, a tradição das palavras da verdade anda envolvida num conto.

68Resumirei a investigação de Kõhler.

69Numa narração em pehlevi publicada com tradução de E. W. West na edição do Book of Ardâ-Vîrâf de M. Haug diz-se que o feiticeiro Akht, que empreendera destruir a cidade dos adivinhadores de enigmas e destruir os seus habitantes, mandou a Ghôst-i-Fryânô, um piedoso habitante dessa cidade, a mensagem seguinte: «Vem ter comigo para que eu te diga trinta e três enigmas, e se tu não deres resposta alguma ou disseres ‘não sei’, matar-te-ei imediatamente.» Ghôst-i-Fryânô acedeu ao que se exigia e adivinhou todos os enigmas. Então do seu lado disse três enigmas ao feiticeiro, e como este não soube responder, destruiu-o empregando uma certa fórmula sagrada.

70A décima terceira das perguntas enigmáticas (ou antes as perguntas enigmáticas 13.a a 23.a) consiste no seguinte:

71«O que é um? E o que é dois? E o que é três? E o que é quatro? E o que é cinco? E o que é seis? E o que é sete? E o que é oito? E o que é nove? E o que é dez?»

72A resposta é:

73«Um é o bom sol que alumia todo o mundo; e dois são o inspirar e o expirar; e três são os bons pensamentos e boas palavras e boas acções; e quatro são a água e a terra e as árvores e os animais; e cinco são os cinco bons Kaianides (Kai-Kabâd, Kai-Kahûs, Kai-Khûsrôv, Kai-Lôrâsp, Kai-Gushtâsp); e seis são os tempos de Gâhaubâr; e sete são os arcanjos; e oito são as oito boas famas; e nove são as nove aberturas do corpo do homem; e dez são os dez dedos da mão do homem.»

74A matéria do conto de Ghôst-i-Fryânô é já mencionada nos textos zend; West pensa que muito tempo antes do período sassânico, talvez já no fim do período aqueménico, existia um livro com os enigmas de Akht, o feiticeiro, e os do seu adversário, Ghôst-i-Fryânô; e que, seja qual for a idade da obra que traduziu, ela é, no principal, certamente baseada sobre fontes ante-sassânicas.

  • 5 Vid. ainda R. Köhler in Orient und Occident, t. n, pp. 558-559, e F. Liebrecht Zur Volkeskunde, pp. (...)

75W. Radloff publicou e traduziu um canto kirgis em que se conta como o profeta Aesrät Ali, que tinha prometido pagar a dívida de um pobre crente e vai procurar dinheiro para isso, é levado por uma calhandra a uma cidade habitada por infiéis. Tendo-se dado lá a conhecer como um profeta, vai ser morto se não responder a dez perguntas de Mulla, o infiel. Ali responde às dez perguntas e dirige perguntas e dirige do seu lado três perguntas a Mulla. Este responde bem a elas e abraça o Islão e com ele fazem-se crentes todos os habitantes. Ali, rico de ouro e prata com que eles o presentearam, é trazido pela calhandra e paga a dívida do pobre.5

76As perguntas enigmáticas de Mulla são:

  1. O que é um e não é dois? Que quero eu dizer?

  2. O que são só dois e não três? Que quero eu dizer?

  3. O que são três e não quatro? Que quero eu dizer?

  4. O que são quatro e não cinco? Que quero eu dizer?

  5. O que são cinco e não seis? Que quero eu dizer?

  6. O que são seis e não sete? Que quero eu dizer?

  7. O que são sete e não oito? Que quero eu dizer?

  8. O que são oito e não nove? Que quero eu dizer?

  9. O que são nove e não dez? Que quero eu dizer?

  10. O que são dez e não onze? Que quero eu dizer?

77As respostas de Ali, que se acham expressas cada uma em quatro versos são: 1) Deus; 2) Sol e Lua; 3) o Oturashyp; 4) os quatro califas Ornar, Osman, Hasret Ali e Abu Bekr; 5) as orações com as oblações; 6) as seis palavras do imã de Deus; 7) os sete infernos; 8) os oito paraísos; 9) os nove filhos do profeta Ibrahim; 10) os dez meses da gravidez.

78Os kirgises são há muitos séculos maometanos; essa versão pode pois ser entre eles assaz antiga. Kõhler, pensa que ela se baseia sobre uma antiga versão maometana, derivada da história de Ghôst-i-Fryânô e o feiticeiro Akht.

79É evidente que as versões europeias também partem de uma fonte oriental; mas os materiais à nossa disposição são insuficientes para traçar a história do canto dos números. Na Europa ele não foi provavelmente conhecido antes da Idade Média. Veio-nos provavelmente pelos judeus, apesar da suposição que se fez de que só na Europa é que os judeus o conheceram. Tê-lo-iam aproveitado de uma fonte muçulmana, a qual a seu turno derivaria da Pérsia.

80A popularização da fórmula não é difícil de explicar pela fácil adaptação dela às ideias cristãs e pela sua facílima mnemonização.

81Sobre as nove aberturas do corpo, de que se fala na versão pehlevi, vid. W. L. Holland em Orient und Occident, i, p. 196. A expressão encontra-se entre os índios e iranianos. Um poeta alemão da Idade Média (Freidank), diz:

Niun venster iesliche hât,
von den lützel reines gât.
diu venster ob und unde
miient mich zaller stunde.

O Sr. Stanislau Prato tencionava fazer um estudo especial sobre as Doze Palavras Retornadas; ignoro se levou a efeito o projecto. Vid. ainda sobre o canto dos números um artigo de G. de Vasconcelos Abreu na Renascença, publicada por Joaquim de Araújo.

III – Cavalinhos fuscos

82Em Coimbra, na minha infância, ouvi muitas vezes a expressão «ir ver os cavalinhos fuscos» no sentido de – ir vadiar, ir passear à busca de qualquer espectáculo que se ofereça pelas ruas, flaner. Ninguém me soube dizer o que eram os tais cavalinhos fuscos, a que depois encontrei alusões em diferentes autores.

83Na Feira dos Anexins de D. Francisco Manuel de Melo (séc. xvii), ed. de I. Francisco da Silva 2, 2, 1 lê-se: «Está sempre no cavalinho da alegria; mas vigie-se dos cavalinhos fuscos.»

84O autor das Enfermidades da Língua (séc. xviii), s. letra C, condena a expressão cavalinhos fuscos.

85Soropita (séc. xvi) fala na sua prosa burlesca e embrulhada, de cavalinhos fustes, o que parece ser a mesma coisa que cavalinhos fuscos. «E depois se levaram de presente ao sogro do grão Turco, juntamente com umas beringelas e uns cavalinhos fustes, que lá comem esparregados pelo Inverno, que são maravilhosos para dor de madre; e nós somos tão malhadeiros que os temos aqui todos os anos e nunca sabemos aproveitar deles.» Poesias e Prosas Inéditas, publ. por C. Castelo Branco, p. 38.

86No século xviii António Dinis da Cruz alude também aos cavalinhos fuscos:

E por dar mais prazer aos convidados
De cavalinhos fuscos, depois dele
Na vaga sala, com soberba pompa,
O galante espectáculo prepara.
(O Hissope, canto vi.)

87Destas passagens não se conclui ainda o que eram os tais cavalinhos fuscos; sabemo-lo, porém, claramente de dois documentos publicados por João Pedro Ribeiro nas Dissertações Cronológicas e Críticas, tomo iv, parte n, pp. 201-207 e 226-230. No segundo desses documentos, que é o regimento da festa do Corpo de Deus feito pela Câmara de Coimbra, em 1517 (segundo Ribeiro), lê-se:

88«Os cordoeiros, e albardeiros, e odreiros e tintureiros, que todos andam em ofício, são obrigados a darem quatro cavalinhos fuscos bem feitos e pintados, e se os eles tais não fizerem a cidade os mande fazer, como lhe parecer que devem de ser, e eles os paguem, e terão uma boa bandeira, e irão em Procissão.» No outro documento, que é o regimento da mesma festa feito pela Câmara do Porto, em 1621, estatui-se: «Item. Irão os Celeiros, e Cutileiros, Bainheiros, Espadeiros, Caeiros, e Asteireiros, e Correeiros, com sua bandeira e castelos bem ornados de bandeirinhas, boninas, e flores, e sua cera com os cavalinhos, e Anjo armado no meio, etc.»

89Vê-se dessas passagens que os cavalinhos fuscos deviam ser umas figuras de cavalos, feitas de madeira ou pasta, semelhantes às que na minha infância vi numerosas vezes pelo carnaval, movidas por homens que figuravam ir a cavalo. Esses cavalinhos constituíam uma parte necessária da procissão do Corpo Cristi, como hoje os cavalos de carne e osso, enfeitados e levados pela rédea por lacaios, atrás da imagem de S. Jorge, feita de madeira e montada num cavalo escolhido, seguido do pajem que é de carne e osso como os cavalos. Em Lisboa o pajem leva uma armadura de ferro, noutras partes substituída por uma armadura de papelão.

90Donde vem a expressão cavalinhos fuscos para designar esse divertimento popular, da qual Soropita nos dá a variante cavalinhos fustes? São essas designações igualmente legítimas ou uma é alteração da outra e neste caso qual a mais antiga? Em Ducange, ed. Henschel s. v. Cavalletus, citam-se documentos pelos quais se vê que chevel-fust designava o cavalete da tortura; cheval-feust (forma apenas distinta foneticamente), o móvel do qual «utuntur mercatores, ut merces suas venales exponant, ponderent vel metiantur pro vario mercimoniorum genere... Cujus modi instrumentum plurimis artificibus in usu est, quod quatuor velut pedibus sustinentur, sic dictum.»

91O cavalinho fuste era pois a forma primeira, sendo a designação tirada do facto de a figura ser armada sobre um com quatro fustes. Cavalinho fusco é uma forma de etimologia popular.

  • 6 Esta nota sobre os cavalinhos fuscos foi ministrada por mim com pequenas diferenças à edição do His (...)

92O cavalinho fusco é evidentemente o mesmo que o algodon dos espanhóis, caball coloner dos catalães, o godon de Orleães, o chevalgodin de Namur, o bidoche do departamento de l’Orne, o cheval-mallet da Loire inferior, o Hobby-horse dos ingleses, o Schimmel, Theaterpferd, Pferd von Pappe, Schlitten-Pferd dos alemães. É um divertimento de que há reflexos até na China. Vid. E’delestand du Méril, Histoire de la comédie. Période primitive. Appendix, i, pp. 421-423; Brand, Popular antiquities, t. i, pp. 267-270; 492-493 (ed. George Bell and Sons, 1877). Sobre as relações do cavalinho e do cavalo do sacrifício e o costume na Alemanha, vid. J. Grimm, Deutsche Mythologie (3.a ed.), pp. 621-629, A. Kuhn und W. Schwartz, Norddeutsche Sagen, Märchen und Gebräuche, pp. 369, 381, 402, 510, K. Simrok, Deutsche Mythologie (2.a ed.), p. 5596

IV – Sete alfaiates para matar uma aranha

93Este provérbio que se emprega quando vai muita gente para fazer um acto que não exige nem força, nem valor, nem coragem, é o eco de uma tradição portuguesa, perdida hoje ao que parece na sua integridade, mas que tem paralelos noutros países da Europa, paralelos em todos os quais se trata de ridicularizar a cobardia de um indivíduo, de uma classe, dos habitantes de um lugar, de um povo.

94Na Alemanha encontramos o conto dos Sete suabos (Die sieben Schwaben, n.° 119 da colecção Kinder-und Hausmärchen, dos Gebrüd. Grimm). Os sete valentes vão pelo mundo com uma lança, uma única lança, empunhada por todos eles conjuntamente; depois de um grande susto causado pelo zumbido de um besouro ou bicho semelhante, viram num campo uma lebre que dormia com os olhos abertos e as orelhas erguidas. Os sete depois de se terem animado mutuamente e de terem pensado que estava ali o diabo em pessoa, ou sua mãe ou o seu cunhado, avançam; o da frente, ao aproximar-se do monstro, solta um grito, o animal foge, e os valentes reconhecem que era uma lebre. A redacção dos K. u. H. M. foi feita sobre a versão no Wendenmuth de Kirchhof (séc. xvi), de um Meistergesang e de uma folha volante. W. Grimm indica uma versão antiga inglesa no poema The hunting of the hase em Weber, Metrical Romances, iii, pp. 277-290, e uma holandesa no livro popular dos «.três westfalenses fanfarrões ».

  • 7 Sobre a lebre (lepus timidus) como tipo da cobardia, vid. E. Rolland, Faune populaire de la France, (...)

95Em parte das versões figura como o animal contra o qual se dirige o ataque um afamado pela sua cobardia, como a lebre – o caracol.7

96G. Baist e A. Tobler reuniram em Zeitscrift für romanische Philologie, ii, pp. 303-306, e iii, pp. 98-102 numerosas alusões à forma da tradição em que figura o caracol. Num canto alemão narra-se o combate dos alfaiates contra o caracol; este estende os cornos, e os heróis da agulha foge. Não conhecemos infelizmente esse canto senão pelas indicações dadas pelos dois citados romanistas e R. Köhler, ob. cit., ii, 513.

97A tradição existiu em Espanha, como parece indicar uma obra satírica do século xv, Libro de cetrería de Evangelista publicado por A. Paz y Melia no mesmo periódico, i, pp. 222 e segs. A p. 235 diz-se que os esmerilhões «son grandes caracoleros y andan syenpre dos juntos por se ayudar y ponen tanta fuerça y descargan sobre el caracolar dando surtes al çielo y descendiendo a los abismos que como los caracoles tengan los cuernos feroses con el desatyno que trahen e lançan el vno por el vn cuerno y el otro por el otro. Asy acaban los mas y los que quedan no tyenen ley con nadie, y luego se van».

98Charles Nisard (Histoire de la littérature de colportage, i, pp. 145-147) extrai de Le grand Calendrier et Compost des Bergers (1633, Lyon, in-4.’) um Débat des gens d’armes et d’une femme contre un lymasson, dizendo dessa composição: «Elle est plaisante, encore qu’elle soit, au fond, une énigme pour moi. Elle est précédée de cette planche.» A gravura representa o caracol numa torre no acto de ser acometido pelos homens de armas com a mulher atrevida.

La femme à Hardy courage

Vvide ce lieu, très-orde beste,
Qui des vignes les bourgeons mange,
Soit arbre, ou soit buisson,
Tu as mangé iusques aux branches.
De ma quenouille, si tu t’auances,
le te donrray tel horion,
Qu’on l’entendra d’ici à Nantes.

Les gens-d’armes

Lymasson pour tes grandes cornes,
Le chasteau ne lairrons d’assaillir,
Et si pouuons te ferons fuyr
De ce beau lieu où tu reposes;
Oncques Lombard ne te mangea,
A telle sauce que nous ferous.
Nous te mettrons dans un beau plat
Au poyure et aux oignons:
Serres tes cornes, nous te prions,
Et nous laisse entrer dedans.
Autrement nous t’assandrons
De nos bastons qui sont tranchans.

Le lymasson

Je suis de terrible façon,
Et si ne suis qu’un lymasson.
Ma maison porte sur mon dos,
Et si ne suis de chayr ny d’os.
J’ay deux cornes dessus ma teste,
Comm’un boeuf qui est grosse beste;
De ma maison je suis armé,
Et de mes cornes embastonné;
Si ces gens-d’armes là s’approchent,
Ils en auront sur leurs caboches:
Mais ie pense en bonne foy
Qu’ils tremblent de grand’peur de moy.

99Na versão holandesa citada por W. Grimm, os heróis ouviram um besouro que julgaram ser o tambor do inimigo (como na versão Die Sieben Schwaben) e deitaram a fugir; o que ia atrás tocou com a ponta da orelha numa vara plantada no caminho e gritou: «Rendo-me»; os que iam adiante ouvindo-o gritaram também: «Quartel, quartel!»

100Em Portugal conta-se que no tempo dos franceses, em que se usava rabicho de cabelo, um valente da Idanha fugira, e como o rabicho lhe batesse nas costas julgou serem os franceses às voltas com ele e exclamou também: «Rendo-me, rendo-me.»

101A substituição que apresenta o nosso provérbio de um animal cobarde, como a lebre ou o caracol, por um animal belicoso, como a aranha, produziu uma alteração considerável na ideia fundamental do conto.

102Na colecção real da Ajuda há uma salva de prata em que se representa a luta contra o caracol, de modo que lembra a versão do Grande Calendrier des Bergers.

103O Sr. J. Leite de Vasconcelos coligiu os seguintes versos populares alusivos à tradição:

Setecentos alfaiates
A matar uma aranha.
Fortes são os alfaiates
Que nem isso apanha!
(Vouzela.)

700 alfaiates
É tudo: farei, farei...
Para matar uma aranha
Gritam «áque d’elrei !»
2500 alfaiates
Todos postos em campanha,
Com as tesouras abertas
Para matar uma aranha.
(Minho.)

104No Fundão havia um divertimento popular em que uma aranha de arame era levada num andor, avançando contra ela os 7 alfaiates armados de tesouras. Diziam uns versos que me não foi possível obter.

105Diversas quadras populares aludem à cobardia dos alfaiates; por exemplo:

Alfaiates não são homens,
Nem se lhe podem chamar;
Em perdendo uma agulha,
Põem-se logo a chorar.
Semeei no meu quintal
O brio dos alfaiates;
Nasceu-me uma parreirinha
Rodeada de bonifrates.
A’que d’el-rei quem acode
Ao fogo de Santarém!
Acudam os alfaiates
Enquanto os homens não vêm!
(Coimbra.)

V – Atar as cardas

106Esta frase, como é sabido, significa – morrer.

  • 8 Dialectos Estremenhos, i, p. 34, Porto, 1885, 8.°

107Segundo o Sr. J. Leite de Vasconcelos8 na Estremadura andam cardadores de lã de terra em terra, a que dão o nome de mindericos. Há também cardadores ambulantes noutras províncias; a eles alude a seguinte cantiga popular:

Sou cardador de lã,
Meu ofício é cardar,
Andar de terra em terra
– Há alguma lã p’ra cardar?

108Segundo informação de pessoa bastante idosa, costumavam os cardadores quando iam sair de uma terra gritar para chamar algum freguês moroso: – «Ata as cardas!» Virá daí atar as cardas no sentido primeiro de partir, acabar e depois no usual de morrer?

VI – Romance de D. Gato

1. Versões de Elvas

a. Estando lo sinhor D. Gato,
Na sua cadêra sentau,
Com sua mêa de seda,
Seu sapatinho virau,
Recebeu uma notícia,
Que estava para casau,
C’uma gatinha morena,
Que nam tinha dom nem rabo.
b. Estando o senhor D. Gato,
Na sua cadeira sentau,
Calçando meia de seda,
E seu sapatinho virau,
Sua casaca vestida,
Seu chapézinho embicau,
Cartas novas lhe vieram,
Que havia de ser casau,
C’uma gatinha morena,
Que tinha o dote no rabo.

109Coligidas por A. Tomás Pires, F. Adolfo Coelho, Os Jogos e as Rimas Infantis de Portugal. Extraído do Boletim da Sociedade de Geografia de Lisboa, série 4.a, n.° 12, p. 26.

2. Versão galega

Estando o Sinor don Gato
En silla d’ouro sentado,
Poñendo media de seda
Y o seu zapato picado,
Mandáronlle cartas novas
Se queria ser casado,
C’unha gatiña morena
D’unha pintiña no rabo
O gato co’a alegria
Subiu-se logo á un tellado,
Unha pulga deull’un couce
É caiu o gato embaixo,
Partindo catro costellas
E a metade d’o espinazo.
Mandou logo chamar curas
Pra dar conta d’o robado:
Sete varas de chorizo,
Outro tanto d’adubado,
Unha zerriña d’aceite
Pra facer millor guisado.

110Milá y Fontanals, in Romania, vi, p. 71: «Una mujer de Menargues (pueblo catalan fronterizo de Aragon) nos dijo haberlo aprendido de los gallegos que pasaban por alli.»

3. Versão galego-castelhana

Estando el señor jato (=gato)
Sentado na sua silla,
Calsando médias de seda,
Sapatos de óro picado
Con el sombrero á los tres bentos,
Parecia un escribano,
Le llegó una noticia
Que habia de ser casado,
E el jato con la risa
Cayó de la silla en bajo;
Quebró las siete costillas
Tambiên la punta del rabo;
Mandó á llarnar lus médicos
Y tambien un surjano,
Para hacier testamiento
De lo qui habia rôbado,
Binte libras de tôcino,
Siete jallinas y un jallo.
Ah! pobrecito jato!
Que no si entierra in sagrado!
Intierra-se en num campo bêrde,
D’onde paseia el janado,
Con la cabezita fuera
Y en cabello bien peinado,
Para quien pase por alli
Dija: «Aqui murió un disdichado.»
Mico jato meu!

111Colhido da boca de um galego por J. Leite de Vasconcelos. El Folk-Lore betico-extremeño, ano i, n.° 1, pp. 99-100. Frejenal, 1883.

4. Versão andaluza

Estaba señor don gato
en silla de oro sentado
calzando media de seda
y zapati picado
Llegó su compadre y dijo
si queria ser casado
con una gata morisca
que andaba por los tejados.
El gato por verla pronto,
cayó del tejado abajo
se ha rompido tres costillas,
se ha descoyuntado un brazo;
venga, venga presto el médico,
sangrador y cirurjano,
y sobre todo que venga
el doctor señor don Carlos.
El señor don Carlos manda,
despues de haberle pulsado,
que maten á una gallina
y que le den buenos caldos.
Al otro dia de mañana,
amaneció muerto el gato:
los ratones de alegria
se visten de colorado;
las gatas se ponen de luto,
los gatos capotes largos,
y los gatitos chiquitos
dicen miau, miau, miau.

112Ferd. Wolf, Beiträge zur spanischen Volkspoesie aus den Werken Fernan Caballern’s. Sitzb. d. K. Akad. d. Wissenschaften, phil. hist. Classe, xxxi Bd. i. Hft., pp. 155,156. (Do romance Cosa cumplida.)

5. Outra versão andaluza

Estandu señor dun gatu
Sentadu en sillon de palu,
Haciendu media de puntu,
Zapatitos encarnadus;
Vinu una jata rabona,
Chiquetita y de este barriu,
Y un dia por darle un besu,
S’ha caidu d’un tejadu;
S’ha quebrau siete costillas
Y un brazu descoyuntadu.
Llaman al cura.
Birlura,
Para hacer el testamentu
Birlentu
Que lu entierren en sagradu,
Birladu
Dunde nun pase janadu,
Yálacabecerapongan
Un Christu crucificadu,
Y à lus pies una bandera
De tafetan encarnadu,
Cun un letrero que diga:
«Aqui murió el desgraciadu;
Nun murió de calentura,
Niu dulor de custadu,
Que murió de mal d’amores,
Que’s dulor desesperadu.

113Atribúyesele un origen gallego y de aqui el lenguaje usado en la alicantina copiada, lenguaje que el pueblo andaluz supone imitación perfecta del de los asturianos, gallegos, etc.; que, como de los moros y franceses, dicen que todos son unos. Sirva en descargo de my paisanos el saber que cuando los españoles del norte quieren imitar el lenguaje andaluz, suelen decir: «Soy de Guerez; eche usted fierro compadre» et sic de cetteris. Comparese el final de la alicantiña con el del .° de los Juegos de rueda que publiqué en el num. 3.° de esta Revista. Recuerdo incompleta una relación muy parecida que empieza de este modo:

Estando un gato sentado
En su gran sillón de palo,
Le ha venido la noticia
Que si quiere ser casado
Con una gata morisca,
Hija de un gatillo pardo, etc.

114El Folk-Lore andaluz, año I, 1882, pp. 371-372.

  • 9 Teófilo Braga, Romanceiro Geral, n.os 1 e 2, etc. Cf. p. ex.: «Sentado está el señor Rey – en su si (...)
  • 10 Proben portagiesischer und catalanischer Volksromanzen: Mit einer literarhistorischen Einleitung üb (...)

115As versões que reuni do Romance de D. Gato têm interesse por nos apresentarem ao vivo o facto da sua transmissão. O romance é uma paródia, cujo começo lembra o dos RR. da Dona Infanta9 e de outros ainda e que pelo seu carácter não deve ser antigo. A Galiza, Portugal e a Catalunha foram estranhos à elaboração original dos romances antigos e verdadeiramente populares que nestas regiões têm sido encontrados: receberam-nos de Castela, como já Ferdinand Wolf mostrara relativamente a Portugal e Catalunha, num escrito em que caracteriza perfeitamente a literatura desses dois países.10 Os povos, falhos de originalidade literária, pendem para a paródia. Notou-se esse facto em relação à Itália, onde todavia aparece o génio compensador de Dante. Na literatura portuguesa abunda a paródia. Já no Cancioneiro do Vaticano há uma paródia de Canção de Gesta. No nosso teatro contemporâneo o género é cultivado com afinco. Não se esqueça todavia que a própria Grécia teve a Batracomiomaquia e que a França medieval nos apresenta paródias épicas como Audigier e Le siège de Neuville. São sobretudo os factos especiais relativos ao R. de D. Gato que tornam muito provável a sua origem galega.

116As versões (incompletas) coligidas por A. Tomás Pires mostram-nos o R. a passar da forma espanhola (estremenha) para a portuguesa; do mesmo modo, em muitos dos antigos romances populares da tradição portuguesa, as formas castelhanas revelam a origem estranha.

  • 11 Teófilo Braga, ob. cit., n.° 6 e nota correspondente.
  • 12 Idem, ob. cit, n.° 23; Cantos Populares do Arquipélago Açoriano, RR. n.os 37, 38, 39 e 40 e nota co (...)
  • 13 Sobre o ciclo de RR. a que pertence a Nau Catrineta, vid. R. Kõheler em Literaturzeitung (Jena), 18 (...)

117É assim que o R. de Gerinaldo (Versão de Trás-os-Montes), que se pretendeu não nos ter vindo através de Espanha,11 revela a sua origem castelhana na forma castillo, conservada por causa da rima. Não é esse o único critério da origem dos nossos romances. Acima de tudo está em primeiro lugar a comparação directa com os RR. espanhóis, e em seguimento com os das nações de além dos Pirenéus. Na Espanha pode ter-se perdido o protótipo de um romance português, que todavia de lá viesse: aqui a crítica deve dispor de todos os elementos combinatórios existentes para a solução do do problema. P. ex., atribuiu-se origem portuguesa ao R. da Nau Catrineta e foi-se na alucinação até a achar os elementos dele numa relação portuguesa de naufrágio12; mas a comparação com os romances extra-peninsulares do mesmo ciclo, desconhecidos de Garrett e do continuador deste, Teófilo Braga, tornam evidente a sua origem não portuguesa e provável a sua passagem pela Espanha antes de chegar a Portugal, e tanto mais quanto é certo que nas Astúrias se achou um R. incompleto do ciclo, com versos que se reproduzem nas versões portuguesas.13

  • 14 História da Poesia Popular Portuguesa. Porto, 1867, 8.° peq.; Epopeias da Raça Moçárabe. Porto, 187 (...)
  • 15 Cf. as críticas de A. Morel-Fatio na Romania, ii (1873), pp. 124-134 e pp. 369-370. Para exemplo da (...)

118A história da poesia popular portuguesa está por fazer. Os livros do Sr. Teófilo Braga sobre o assunto14 contêm alguns materiais aproveitáveis ao lado de muita coisa estranha; mas são apenas compilações desordenadas, muito falhas de crítica, feitas com ignorância até do que seja o verdadeiro sentido da expressão poesia popular, recheadas de teorias absurdas, revelando conhecimentos muito limitados, pela menor parte de segunda mão, da literatura dos outros países sobre a poesia popular.15

VII – Oração dos anjos da guarda

1. Versões portuguesas

119Na Romania, iii, p. 267, publiquei a seguinte oração que o nosso povo reza ao deitar-se na cama (versão de Celorico de Basto).

a. Graças a Deus
Que já me deitei,
Com sete anjos
Me encontrei;
Três aos pés,
Quatro à cabeceira,
E Nossa Senhora
Na dianteira;
E ela me disse
– «Dorme e repousa;
Não te temas
De nenhuma cousa.»
Persina-te
E persino-m’eu.
Benta é a hora
Em que Cristo nasceu;
Bento o altar,
Benta a hora
Que me eu fui deitar.
Tange a hora;
O Cristo a tange
A virgem a adora.
Ditosa a alma
Que se deita
Nesta hora.

120Posteriormente publiquei a seguinte versão colhida da boca de uma mulher do Carregai (Beira):

b. Nesta cama me deitei
Sete anjinhos nela achei;
Três aos pés quatro à cabeceira;
Nossa Senhora na dianteira
Cristo a adora
Bem-dita seja a alma
Que se deita nesta hora.
A cruz se deite comigo,
A cruz da divindade,
A cruz se deite comigo
Da Santíssima Trindade.
Desça Deus do céu à terra
E se meta entre mim
E Jesus crucificado
Fale e responda por mim.
Nem meu corpo seja preso,
Nem minha alma perdida,
Nem meu sangue derramado.
Padre Nosso e Avé-Maria.

121A seguinte versão de Tabuaço foi colhida pelo meu amigo J. Leite de Vasconcelos:

Nesta cama me venho deitar,
Quatro anjos hei-de achar;
Dois aos pés, dois à cabeceira,
Nossa Senhora na dianteira,
Ela me disse: «Dorme e repousa;
Num tenhas medo nem temor,
Nem de noite, nem de dia,
Nem no pino do meio-dia.»

2. Versões estrangeiras

122Encontram-se espalhadas por toda a Europa cristã versões desta oração, ou antes da primeira parte, relativa aos anjos protectores; há versões que correspondem de modo mais ou menos perfeito às nossas portuguesas. Indicarei algumas.

123a. Dinamarquesa, publicada por Lyngby, p. viii, do seu prefácio ao livro de E. Hagerup, Om det danske sprogi Angel, citado por Reinhold Kõhler no Jahrbuch für der romanische und englische Literatur, viii, p. 416.

Om Aytne ven æ i Seng gær,
Sa manne Gujs Engle fò mè staer:
To ve mit Hôj,
To ve min För,
To ve min hŷr Si,
To ve min vinster Sî,
To te â dae mè
To te å væ mè,
To, dé mè æ Vej vis
Uri den himmelsk Paradis.

124b. Alemã, publicada por Dr. Sachse no seu escrito Ueber Volksund Kinderdichtung, no Jahresbericht über die höhere Knaben-Schule Postdamer-Strasse, n.° 3, etc. Berlim, 1869.

Abends, wenn ich zu Bette geh,
Vierzehn Engelchen um mich stehn:
Zwei zu Häupten
Zweie zu Füssen,
Zwei zu Rechten.
Zwei zu Linken,
Zwei, die mich decken,
Zwei, die mich wecken,
Zwei, die mich weisen
Zu dem himmlischen Paradeize.

125Como se vê, esta versão é perfeitamente correspondente à dinamarquesa acima transcrita.

126c. Inglesa, reproduzida no art. citado de R. Köhler no Jahrbuch, de J. Harland and T. T. Wilkinson, Lancashire Folk-Lore, London, 1867, p. 69.

Mathew, Mark, Luke, and John,
Bless the bed that I lie on;
There are four corners to my bed,
And four angels overspread,
Two at the feet, two at the head.
It any ill thing me betide,
Beneath your vings my body hide.
Mathew, Mark, Luke, and John,
Bless the bed that I lie on. Amen.

127d. Francesas (Melusine, 1, pp. 308, 190; cf. 390).

Petite Patenôtre blanche
Que Dieu fit,
Que Dieu dit,
Que Dieu mit en paradis.
Au soir m’allant coucher,
Je trouvai trois anges à mon lit couchés,
Un aux piés, deux au chevet,
La bonne Vierge Marie au milieu,
Qui me dit
Que je m’y couchis
Que rien ne doutis;
Le bon Dieu est mon père,
La bonne vierge est ma mère,
Les trois apótres sont mes frères,
Les trois Vierges sont mes soeurs
La chemise où Dieu fut né,
Mon corps en est enveloppé;
La croix Sainte Marguerite
A ma poitrine est écrite.
Madame s’en va sur les champs
A Dieu pleurant,
Rencontrit monsfeur saint Jean.
Monsieur saint Jean, d’où venez?
Je viens d’Ave salus.
Vous n’avez point vu le bon Dieu?
Si est, dans l’arbre de la croix,
Les pieds pendans
Les mains clouans,
Un petit chapean d’épine blanche sur la tête.
Qui la dira trois fois au soir,
Trois fois au matin,
Gagnera le paradis à la fin.
(Thiers, Traité des Superstions, i, p. 97.)

Dieu l’a faite, je la dis;
J’ai trouvé quatre anges couchés dans mon lit,
Deux à la tête, deux aux pieds
Et le bon Dieu au milieu.
De quoi puis-je avoir peur?
Le bon Dieu est mon père,
La Vierge, ma mère,
Les saints sont mes frères,
Les saintes, mes soeurs
Le bon Dieu m’a dit:
Lève-toi, couche-toi,
Ne crains rien; le feu, l’orage et la tempête,
Ne peuvent rien contre toi!
Saint Jean, saint Mare, Saint Luc et saint Mathieu
Qui mettez les âmes en repos
Mettez-y la mienne, si Dieu le veut.
(Charente.)

Je me suis couché dans un bon lit;
Il y avait moult anges.
Jésus-Christ est mon père,
La sainte Vierge, ma mère,
Saint Pierre est mon parrain,
Saint Jean-Baptiste, mon cousin.
Je puis bien passer la nuit,
J’ai quatre bons amis,
Qui gardent ma place dans le Paradis.
(Warloy-Baillon, Amiénois.)

128e. Venezianas em Bernoni, Preghiere Popolari Veneziane. Venezia, 1873 (reproduzidas em Ausland, 1876, p. 303):

a. In leto me ne vago
La mia vita ghe la dago;
Ghe la dago a San Zuane,
Chè el mondo no me ingane,
Nè de di,c nè de note,
Fin al punto de la mia morte:
Segna ti,
Segna mi,
Segna el leto e el cavezal
Segna mi che só mortal.

129In nome del Padre del Figliuolo, e de lo Spirito Santo Ame.

b. Me ne vago in leto
Co l’Anzolo perfeto
Co l’Anzolo di Dio,
Co San Bartholomo,
Co la Madre benedeta,
Co Santa Elisabeta,
Co i quatro Evangelista
Co San Giovani Batista;
Che i me porta la so santa benedeta benedizion:
Gesu, Giusepe e Maria
Benedi’l cuor e l’anema mia.

130f. Versão italiana de Pontelagoscuro, província de Ferrara, publicada na Revista de Filologia romana, ii, p. 208, por G. Ferraro:

Mi na vaghia lett,
Cun Ranzol perfett,
Cun Ranzol de Dio
Vi ricumand l’anima mia.
Vu, Signor, ch’al savî,
Bona uardia mi fam,
Tre cos vi dumand,
Gunsion comunion,
Benedission del Spirit Sant.

131Não é meu intento estudar agora as relações dessas versões, em que há combinações de diversos elementos que ora faltam numas ora noutras; semelhante trabalho poderia dar resultados interessantes estendendo-se a um maior número de versões do que conhecemos. Kõhler no artigo citado do Jahrbuch f. rom. und engl. Lit., viii, pp. 409-417, apresenta um espécimen de investigação comparativa sobre as versões que ali reúne e cita um trabalho seu sobre a mesma oração na Germania de Pfeiffer v, pp. 448-56; XI, pp. 135-45 e adições de Maurer na mesma publicação xii, pp. 234-36.

132Como se vê, a oração acha-se espalhada nos países germânicos e românicos. Qual é a sua pátria primitiva, de que irradiou?

133Kõehler cita as observações do professor Paganini que tornam verosímil que a oração tivesse sido composta por um franciscano de Pistoia e que franciscanos a tornassem conhecida fora da Itália (Jahrbuch, viii, p. 417).

134A história da nossa oração oferece pois interesse para a questão das migrações das composições poéticas e sua assimilação pelos diversos povos, questão cujos termos são mal conhecidos ou vistos sem clareza por certos pseudo-etnólogos.

135A nota precedente, como outras do mesmo género, materiais para um estudo sobre a transmissão das tradições populares, estava já em manuscrito há cerca de nove anos. Depois disso tive ocasião de notar mais algumas versões da mesma oração.

  1. Duas versões catalãs em Francisco Maspons y Labrós, Jochs de la Infanda, Barcelona, 1874, pp. 61-62.

  2. Três versões de Gasconha em Jean-François Bladé, Poésies populaires de la Gascogne, Paris, 1882, vol. 1, pp. 27-35.

  3. Duas do Tirol em Ignaz v. Zingerle, Sitten, Bräuche und Meinungen des Tiroler Volkes, Innsbruck, 1871, p. 235, n.os 44 e 45.

  4. O mesmo Zingerle no seu escrito Das deutsche Kinderspiel un Mittelalter (Sitzb. d. K. Akad. d. Wissenschaften zu Wien. Phil, hist. Cl. lvii Bd. i. Heft), p. 166, cita uma antiga versão alemã colhida por Johannes Agrícola (n. 1:492) nos seus Sprichuörter.

  5. Versão suíça em Basterische Kinder-und Volksreime (Basel s. d.), n.os 6 e 7, pp. 2 e 3.

  6. Versão bretã publicada por L. F. Sauvé in Revue celtique v, pp. 180-181.

  7. Versões andaluzas, em F. Rodriguez Marin, Cantos populares espanoles, vol. i, n.os 1029-1033.

Notes

1 Originalmente publicado na Revista Lusitana, 1887, vol. i, pp. 166-174, 246-259 e 320-331.

2 Voltarei a falar dessa vela num próximo artigo relativo aos Mitos dos dedos e da mão.

3 Nesse número entram muitos sujeitos que aliás se distinguem por conhecimentos mais ou menos variados e até por descobrimentos em tal ou tal ramo de ciência: são selvagens aparentemente civilizados. A publicação inglesa Journal for psychical Science revela claramente esse estado singular de muitos espíritos do nosso tempo.

4 Ueber Volks-und Kinderdichtung, etc. von Dr. Sachse, no Jahresbericht äber die köhere Knaben-Schule Potsdamer-Strasse n.° 3, etc. Berlim, 1869, p. 48.

5 Vid. ainda R. Köhler in Orient und Occident, t. n, pp. 558-559, e F. Liebrecht Zur Volkeskunde, pp. 164-165.

6 Esta nota sobre os cavalinhos fuscos foi ministrada por mim com pequenas diferenças à edição do Hissope de António Dinis da Cruz, dada pelo Sr. José Ramos Coelho, Lisboa, Tipografia Castro & Irmão, 1879, 8°, pp. 441-443. Posteriormente aproveitou-se da nossa explicação de cavalinhos fuscos, escondendo a fonte, um escritor que frequentes vezes põe a saco as nossas investigações, como as de outros, sem aviso. Vid. o jornal À Volta do Mundo, ii, p. 142.

7 Sobre a lebre (lepus timidus) como tipo da cobardia, vid. E. Rolland, Faune populaire de la France, i, pp. 83 e segs.; sobre o caracol fanfarrão, ibid., iii, p. 208.

8 Dialectos Estremenhos, i, p. 34, Porto, 1885, 8.°

9 Teófilo Braga, Romanceiro Geral, n.os 1 e 2, etc. Cf. p. ex.: «Sentado está el señor Rey – en su silla de respaldo», Romancero general.

10 Proben portagiesischer und catalanischer Volksromanzen: Mit einer literarhistorischen Einleitung über die Volkspoesie in Portugal und Catalonieu. Wien, 1856, 8.° (Aus dem Märzhefte des Jahrganges 1856 der Sitzungsberichte der phil.-hist. Classe der kais. Akademie der Wissenschaften [xx. Bd., S. 17] besonders abgedruekt.)
Sobre as origens espanholas dos RR. populares portugueses vid. também Teófilo Braga,
História da Poesia Popular (Porto, 1867), pp. 137 e segs. O autor desse livro não soube tirar as consequências dos factos reunidos no l. c. e esqueceu-se muitas vezes deles, que em verdade tinham na maior parte sido já notados por Ferd. Wolf.
Sobre as mesmas origens, vid. ainda algumas observações sensatas de J. Leite de Vasconcelos, Romanceiro Português (Biblioteca do Povo e das Escolas), Introdução. Discordo deste autor quando, seguindo Teófilo Braga, admite que nos tivessem vindo romances pelos cruzados e os galo-francos, que se estabeleceram em território português, ao Sul. A história inteira do romanceiro espanhol e os factos seguros que respeitam aos RR. portugueses testemunham contra a hipótese da transmissão pelos cruzados e galo-francos. Vid. D. Manuel Milá y Fontanals, De la poesia heróico-popular castellana (Barcelona, 1874) livro não lido dos citados autores portugueses; vid. nele especialmente para o caso as investigações sobre o ciclo carolíngio, pp. 327-379. Cf. Gaston Paris, Histoire poétique de Charlemagne, pp. 203-217.
De Puymaigre, Romanceiro, p. xi, diz: «Almeida Garret, dont l’opinion a été sanctionnée par Wolf, faisait remonter un vieux romance aux compagnons d’Henri de Bourgogne» e cita p. 54 do escrito aludido de Ferd. Wolf, onde este não sanciona a tal opinião de Garret, mas diz simplesmente que o R. A Enfeitiçada está mais próximo da versão francesa, verosimilmente original, que a castelhana De Francia partió la nina (Primavera y Flor de romances, n.° 154).
Mais avisado anda o autor francês quando diz, p. xlix: «Les romances portugais les plus anciens ne semblent pas dépasser le xve siècle.»

11 Teófilo Braga, ob. cit., n.° 6 e nota correspondente.

12 Idem, ob. cit, n.° 23; Cantos Populares do Arquipélago Açoriano, RR. n.os 37, 38, 39 e 40 e nota correspondente. Numa versão açoriana aparece a forma esp. chiquito, trocada ininteligentemente por p’riquito noutra dessas versões.

13 Sobre o ciclo de RR. a que pertence a Nau Catrineta, vid. R. Kõheler em Literaturzeitung (Jena), 1874, artigo 301; A wonderfull ballad of the seafaring men. By Professor Grundtvig em The Folk-Lore Record, vol. iii, part. ii, 7 a (versão dinamarquesa); Le Comte de Puymagre, Romanceiro, Choix de vieux Chante portugais (Paris, 1881), pp. 173-174.
Como já Ferd. Wolf notou (Prohen, etc., pp. 89 e segs.), o elemento demoníaco, que se nota no R. da Nau Catrineta, é em extremo raro nos RR. peninsulares. De Puymagre diz também: «L’intervention du diáble, lequel n’a que rarement um rôle dans les fictions méridionales, ne se produit pas dans toutes les leçons de la Nef Catherinete.»

14 História da Poesia Popular Portuguesa. Porto, 1867, 8.° peq.; Epopeias da Raça Moçárabe. Porto, 1871, 8.° peq. Os erros destas obras repetem-se em livros posteriores do mesmo autor. Vid. a nota seguinte.

15 Cf. as críticas de A. Morel-Fatio na Romania, ii (1873), pp. 124-134 e pp. 369-370. Para exemplo da paixão do Sr. Teófilo Braga pelos seus erros, notarei que depois de Morel-Fatio e G. Paris terem posto ao ar as raízes do disparate, repetido de Garrett, por aquele autor, sobre o malato do R. da Infantina, palavra que significa doente, leproso e nada tem que ver com o malado do Elucidário de Viterbo, o Sr. Braga repete o erro no seu livro O Povo Português nos Seus Costumes, Crenças e Tradições, i, p. 84 (Lisboa, 1886). Em referência às obras sobre poesia popular do mesmo escritor português, disse Milá y Fontanals, que conheceu a fundo a história da poesia popular da nossa península: «AI citar las coleciones ,de este autor, mas fieles e copiosas que la de Almeida Garrett, debemos advertir que estamos muy distantes de admitir ciertas ideas que con especial insistencia en ellas se exponen.» Romania, vi (1877), p. 52, n. 2.

© Etnográfica Press, 1993

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search