Version classiqueVersion mobile

Obra etnográfica (I)

 | 
Adolfo Coelho

I. Literatura popular

O Médico Aprendiz (facécia popular)1

Texte intégral

  • 1 Originalmente publicado na Revista do Minho, 1885, vol. i, p. 21.

1Havia numa terra dois médicos que tinham andado a estudar em Coimbra: um deles era muito procurado, o outro ninguém o mandava chamar. Um dia o médico infeliz perguntou ao seu companheiro: «Não sei como tu, que não estudaste mais do que eu, sejas tão chamado e tenhas tanta nomeada, enquanto eu não ganho vintém!» – Disse o outro: «Habilidades, amigo! Não é com o que se lá aprende em Coimbra que se faz fortuna; o segredo do negócio está em a gente saber valer-se das ocasiões.» – «Mas explica-me lá isso; aconselha-me como hei-de ganhar ao menos para o meu sustento.» – «Olha, vou contar-te um caso. Ontem fui ver um doente que ando a tratar e vi debaixo da cama dele uns caroços de azeitona. Apalpei o pulso ao doente, vi-lhe a língua e disse depois: ‘Homem, pelos sinais que dá, você comeu azeitonas.’ O doente e família ficaram pasmados da minha sabedoria. Estas coisas custam e assim um homem ganha fortuna.» O médico infeliz jurou nunca mais tornar a casa de doente que não lhe olhasse para debaixo da cama. Um dia chamaram-no para um homem que estava mal; ele entra, olha para debaixo da cama, vê lá palha que tinha caído do enxergão, e depois de apalpar o pulso ao doente e lhe ver a língua disse: «Você comeu palha, por isso é que está tão mal.» O homem e a família chamaram malcriado e atrevido ao médico, que foi posto na rua a pontapés.

2(Coimbra.)

3Esta facécia encontra-se em diversas colecções literárias, vid. Dunlop – Liebrecht, 284 a e Revue critique d’hist. et litt., 1881, art. 176 (C. Defrémery), Pitré (Fiabe, etc., n.° 180) dá uma versão popular siciliana em que, como na portuguesa, o segundo médico diz ao doente que ele comeu palha; mas o primeiro diz ao doente que ele comeu uvas, cujos engaços viu debaixo da cama. Em Straparola, viii, 5 (reproduzida no pref. da trad. fr. ed. Xannet, p. xxxiii e segs.), e em Morlini Nov. 32 (ed. Jannet), o primeiro médico diz que o doente comeu maçãs; o segundo, vendo debaixo da cama a pele de um burro, diz que o doente comeu burro, ao que o doente replica: «Perdão, há já dez dias que não vejo outro burro senão V. S.a» As versões dos Contes a rire e de Les facétienses journées divergem muito pouco dessas duas; em vez de pele de burro há debaixo da cama uma albarda. Não pude examinar as versões de Paggio, Chitella, Roger Bon-temps en Belle, Humeur, p. 29, Sérées de Bouchet, citadas por Darloy-Liebrecht. A facécia que se repete com frequência em Portugal tem muito provavelmente origem literária.

4(Lisboa, Abril de 1885.)

Notes

1 Originalmente publicado na Revista do Minho, 1885, vol. i, p. 21.

© Etnográfica Press, 1993

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search