Version classiqueVersion mobile

Obra etnográfica (I)

 | 
Adolfo Coelho

I. Literatura popular

As Maravilhas do Velho 1

Texte intégral

  • 1 Originalmente publicado na Revista do Minho, 1885, vol. i, pp. 61-62.

1O romance interessante A Viúva Resignada, como se acha designado na Revista do Minho, p. 45, não é uma novidade para os folcloristas. Creio ter sido eu quem publicou as primeiras versões portuguesas (duas de Coimbra), na Zeitschrift fuer romanische Philologie, vol. iii (1879), pp. 68-69; J. Leite de Vasconcelos deu uma versão da Maia nas Tradições Populares de Portugal, pp. 245-246, onde diz ter coligido outra versão nos seus Romances Populares, n.° 2, publicação que não conheço; por último, A. Tomás Pires publicou no Elvense, n.° 459, duas versões novas, uma de Eivas, outra de Beja. Temos portanto conhecidas sete versões portuguesas do romance, que é vulgarmente conhecido pela designação de Maravilhas do Velho; é uma boa base para comparações. A hipótese do romance ter nascido em Portugal e numa certa época, prova somente a inexperiência nestes assuntos; há versões estrangeiras, e para quem conhece um pouco a história do nosso romanceiro é inadmissível a hipótese de que um tal romance saísse de Portugal. No momento citarei só as versões suíças coligidas pelo distinto romanista, profundo conhecedor da língua e literatura portuguesa, J. Cornu, que se acham insertas na Romania, vol. iv, pp. 216-217. Transcreverei, por mais inteligível, a versão em francês publicada pelo meu amigo Cornu, que me disse haver outras mais desenvolvidas:

Mon mari est bien malade
Il est en danger de mourir.
Le médecin que le soigne
M’a envoyé au Rosalet.
Quand je fus sur la montagne,
I’ entendis sonner pour lui.
Les femmes viennent me dire:
– «Femme, pleure ton mari.»
– «Que le diable prenne les femmes
Qui pleureront leur mari.»
Je ne regrette que la toile
Qu’il m’a emporté pourri.
Il m’en a emporté sept aunes
Et un pelotin de fil.
Si ce n’était que la honte,
Ma toile j’irais quérir.
Le diable soit fait de la honte,
Ma toile je vais quérir.
Il avait la gueule ouverte,
Je craignis qu’il me mordêt.
Je pris mon couteau d’évore,
Point en point le décousis.

2Da proibição das carpideiras, ou de qualquer outro costume ou superstição popular em determinada época não pode de modo algum concluir-se que esse costume, essa superstição desapareceu pouco depois: é sabido como o povo resiste a todas as proibições e como estão vivas quase todas as superstições proibidas nos concílios, posturas municipais, constituições sinodais, ordenações, etc. De facto, há ainda vestígios do costume das carpideiras e do banquete fúnebre em recantos das nossas províncias. Noutros países da Europa acha-se esse costume ainda em plena actividade. Quem não ouviu falar nas voceratrici da Córsega, nas attitadoras da Sardenha, etc.? Barssow coligiu os cantos dos mortos da Rússia Setentrional, Karadzitch os da Sérvia, Passow e Fauriel os da Grécia.

3Os folcloristas da província prestam bons serviços coligindo e publicando em boa ordem tradições novas e variantes das já conhecidas; mas não pode deixar-se de recomendar que se abstenham de todo o comentário, salvo o caso de uma informação excepcional. É facílimo errar nestas matérias, em que faltam guias seguras e sobretudo uma Enciclopédia Folclórica contendo informações de método e bibliografia que fariam pouco a pouco sair o estudo do folclore do estado de simples curiosidade ou matéria de absurdas especulações para o de ramo de investigações verdadeiramente científicas.

4(Lisboa, 6 de Setembro de 1885.)

Notes

1 Originalmente publicado na Revista do Minho, 1885, vol. i, pp. 61-62.

© Etnográfica Press, 1993

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search