Version classiqueVersion mobile

Obra etnográfica (I)

 | 
Adolfo Coelho

I. Literatura popular

A Oliveira de Guimarães1

Texte intégral

  • 1 Originalmente publicado no Anuário para o Estudo das Tradições Populares Portuguesas, 1883, vol. i, (...)

1O padre Carvalho na sua Corografia (i, 1, 13) diz-nos que a célebre oliveira que se achava no Largo de Nossa Senhora da Oliveira, em Guimarães, viera, havia séculos, segundo uma tradição, para ali junto ao Mosteiro de S. Torcato e que a lâmpada do santo era alumiada do azeite dela; que, quando no padrão da mesma praça fora posta em 1380 uma cruz mandada fazer por Pêro Esteves, a oliveira reverdecera, conservando-se sempre depois. Os soldados que iam para a guerra, e os que embarcavam, levavam ramos da oliveira, crendo que eles os livravam de perigo.

2O nosso amigo, o Sr. F. Martins Sarmento, diz-nos que a oliveira já não existe, tendo sido arrancada em nome da utilidade pública, essa moderna bicha de sete cabeças. Pensa o douto explorador da citânia que a árvore foi talvez roubada pelos cónegos da Colegiada de Guimarães aos de S. Torcato, do mesmo modo que quiseram subtrair a própria múmia do santo. Há uma tradição de que a oliveira primitiva fora a aguilhada do rei Wamba e uma outra de que perto do local da colegiada, onde fica a Capela de Santiago, houvera um Templo de Ceres.

3Cremos que a oliveira de Guimarães, ou antes a linha dos seus ascendentes, remonta mais alto do que se julga.

4A nossa presunção funda-se no seguinte:

5Havia na Acrópole de Atenas, no santuário do herói local Erecteu e da deusa protectora da cidade (Atena Polias), junto de um poço de água salgada, chamado mar, uma oliveira sagrada, denominada astê sc. elaia, oliveira da cidade, ou moriâ, oliveira do destino, e pretendia-se que estava ligada a ela a sorte de Atenas.

6Heródoto (liv. VIII, 55) diz-nos correr na tradição ateniense que Atena e Poséidon tinham plantado a árvore em memória da sua disputa sobre a posse da Ática e refere que os bárbaros ao invadirem Atenas lançaram fogo à oliveira, assim como a tudo mais que havia no recinto, mas que no dia seguinte do tronco saía já um ramo novo da altura de um covado. W. Mannhardt (Wald-und Feldkulte, ii, pp. 25 e segs.) tratou de modo completo dessa tradição e mostrou com toda a clareza a significação mítica da oliveira. O mesmo mitólogo indica a existência de árvores semelhantes junto de templos na Gália, Pomerânia e Suécia (ob. cit., I, 57).

7Junto do Céfiso, no lugar da Academia, havia um olivedo que descendia da oliveira da Acrópole de Atenas. Na festa das Panateneias eram dadas como prémio aos vencedores bilhas, artisticamente pintadas, com azeite desse olivedo.

8Não teremos pois razões para crer que as raízes da oliveira de Guimarães descem ao subsolo do puro paganismo?

9(Lisboa, Setembro de 1882.)

Notes

1 Originalmente publicado no Anuário para o Estudo das Tradições Populares Portuguesas, 1883, vol. i, pp. 17-18.

© Etnográfica Press, 1993

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search