Version classiqueVersion mobile

Obra etnográfica (I)

 | 
Adolfo Coelho

I. Literatura popular

Jogos e Rimas Infantis de Portugal1

Texte intégral

  • 1 Originalmente publicado no Boletim da Sociedade de Geografia de Lisboa , 1883, 4.a Série, n.° 12, p (...)

1Os jogos e rimas infantis constituem uma das secções das tradições populares que têm mais profundas raízes no passado. O interesse que despertam, sob o ponto de vista da sua transmissão, da pedagogia e da psicologia, justifica por completo o trabalho da sua colecção. Considero por isso, como uma boa fortuna, que, depois de ter dado a lume uma colecção por mim reunida, me fossem confiadas pelos seus zelosos colectores as séries de jogos e rimas que hoje publico.

2Tendo ante mim uma já larga base de materiais portugueses e de colecções estrangeiras, penso desta vez juntar a essas tradições estudos de que, espero, saia, para quem é estranho às investigações folclóricas, a evidência do alto valor dessas tradições.

3Esta publicação compreende as seguintes partes:

  • 2 As notas que acompanham as rimas coligidas pelo Sr. Pires pertencem a este colector; serão completa (...)

41a Colecção de jogos e rimas infantis do Alentejo (concelho de Elvas), coligidos pelo Sr. A. Tomás Pires2;

52a Jogos infantis do Porto e Carrazeda de Ansiães, coligidos pelo Sr. A. de Sequeira Ferraz;

63a Colecção de jogos e rimas reunidos por mim, já imediatamente da tradição, já de publicações diversas, que serão indicadas;

74a Lista alfabética dos jogos tradicionais a que há alusões nos documentos e monumentos da língua, desde o século xiii até ao século xviii;

85.a Bibliografia dos jogos e rimas infantis;

96.a Notas históricas e comparativas sobre os jogos e rimas infantis de Portugal de mim conhecidas;

107.a Os jogos infantis sob o ponto de vista psicológico e pedagógico;

118.a Conclusões gerais.

12Na publicação dos textos sigo os preceitos fundamentais que se recomendam cientificamente: não modifico os textos, nem mesmo quando eles podem ofender os que não entendem que para a ciência não há obscenidade, e dou todas as variantes que pude alcançar. As notas comparativas provarão o valor das variantes.

13Não se trata aqui de uma obra de curiosidade ociosa, mas sim de reunir dados para a solução de problemas de ordem muito elevada.

Rimas e jogos coligidos no concelho de Eivas por António Tomás Pires

Cantos do berço

  • 3 Cantam, embalando as crianças. Cf. Leite de Vasconcelos, Trad. Pop. de Port., pp. 207-208.

1.
a.Papa ratos já morreu,
Tem na cova por fazer,
As velas por acender,
Pomos o manto e vamos a ver.
Ó papão foge do telhado,
Deixa dormir o menino,
Um soninho descansado.
Tocando num pandêro,
Encontrê uns alforgêres,
Carregados d’avelãs,
Mêas podres, mêas sãs,
Brádê p’los mês amigos,
Acudiram-m’os ladrões,
Despiram-m’os calções,
Dêtaram-me num poço,b.
C’um chocalho ó pescoço.
As velhinhas a cantarem,
As meninas a chorarem,
Calai-vos minhas meninas,
Que amanhã será domingo.
Cantará o pintassilgo;
Pintassilgo derrabado,
Sem ter sela nem cavalo,
Tinha só ’ma barra velha,
P’ra correr toda a Castela,
De Castela a Marçagão,
A buscar pregos d’ouro,
P’ra trocar por assabão.
O sabão era ranhoso,
Coitadinho do velho tinhoso,
Fez a cama no telhado,
Encontrou um gafanhoto,
Mandou-o dêtar ó forno,
Com três postas de toucinho,
Dava-lh’o vento dava-lh’o frio,
Cantava como um bugio;
Dava-lhe o vento, dava-lhe o sol,
Cantava como um rouxinol.
Rouxinol que tão bem cantas,
Quem t’ensinou a cantar,
Foi a rainha na varanda,
E o rê no laranjal,
Jogando à laranjinha,
O rê mais a rainha3.

b. Pintassilgo derrabado,
Não tem sela nem cavalo,
Foi buscar um moio de pão,
P’ra ele, mais p’ró seu cão,
O seu cão não está em casa,
Está debaixo do navio,
Dá-lhe o vento, dá-lhe o frio,
Faz cantá-lo comoumassobio.

  • 4 Cf. Trad. Pop. de Port., de J. L. de Vasconcelos, p. 298.

2.
Cabra, cabriola,
Corre montes e vales,
Come meninos a pares,
Também te comerê a ti.
Se cá chigares4.

Fórmulas e jogos para os pequeninos

  • 5 Fazem olhar a criancinha para cima e batem-lhe levemente na barba. Cf. Rodrigues Marin, Cant. pop. (...)

3.
Olh’ó rato,
Pica no papo
5

  • 6 A criancinha deve bater com o índex da mão direita no côncavo da esquerda. Cf. os quatro primeiros (...)

4.
Ponde, ponde,
Ponde na moça,
Trigo no saco,
Dinhêro na bolsa
6.

  • 7 Fazendo cavalgar a criancinha. Cf. Cant. de Marin, n.os 48 e 49.

5.
Arre burriquito,
Vamos a Belém,
A ver o chiquito,
Q’a senhora tem7.

  • 8 Acariciando o rosto da criancinha. Cf. os mesmos Cant. n.os 44, 45 e 46 e respectiva nota.

6.
Palminhas e mais palminhas,
P’rá mãe dar as maminhas,
E o pai quando vier,
Dará sopinhas de mel.8

  • 9 Ensinando a criancinha a andar. Cf. os mesmos Cant., n.° 58, e Trad. Pop. de Port., de J. Leite de (...)

7.
a.– Bichinha de gato,
Que comeste hoje?
– Sopinhas de leite.
– Não guardaste p’ra mim?
– Guardei sim.
– Com qu’as cobriste?
– C’o o rabo do gato.
– Sape, sape, sape9.
b.Bichinha gata,
Comeste hoje?
– Sopinhas de lête.
– Não me guardaste?
Sim, guardê.
– Ond’as guardaste?a.
– Debáxo da arca.
– Com qu’as tapaste?
– C’o rabo do gato.
– Sape, sape, sape,
Que vás pró mato.

  • 10 Cf. os quatro últimos versos do n.° 50 dos Cant. ref.

8.
Andar, andar,
Patinha no ar.10

9.
Este achou um ovo,
Este pôze-o ássar,
Este dêto-lhe sal,
Este provou-o,
E este mamou-o.
E aqui pôs a galinh’ó ovo (Apontando
sucessivamente os dedos e por fim o côn-
cavo da mão.)2

  • 11 Cf. os mesmos Cant., n.° 60 e respectiva nota.

10.
Dedo mêdinho,
Sê vezinho,
Pai de todos,
Fura-bolos,
Mata-piolhos.11

  • 12 Nomes dos dedos. Cf. ibidem.
  • 13 Baloiçando a criancinha sobre os joelhos. Cf. os n.os 52, 53 e 54 dos refridos Cant. Também cantam (...)

11.
– Pai Zé.
– Quem é?
– Está cá o sê pai12
– Está sim senhor.
– Diga-lhe lá,
Que s’tá cá um home,
Que le quer falar.
– Mê pai.
– Que queres tu?
– Está aqui um homem,b.
Que le quer falar.
– Diz-lhe que entre.
– Mê pai,
Que entre vossemecê.
– Então co’a sua licença.13
b.– Pá Zéc.
– Quem é?
– Pá Zé,
Que quer hablar com osté.
– Ó senhô minh’ama,
É o sê Pá Zé,
Que quer hablar com usté.
– Diz-lhe que entre.
– Entre senhô Pá Zé.
– Com licença,
Deu graças.d.
– Ó Mari’Teodora,
Vai buscar um prato
De chicarola.
– Chicarola,
Mê bem, chicarola.
– Nan me repliques,
Mari’Teodora.a.
– Replico e replicarê,
Qu’em vindo mê amo
Tudo lhe contarê.
– Cala-te Maria’Teodora,
Que t’ê-de dar uma saia
De tod’as modas.b.
– Antes ê saia andar,
C’o meu cúcláire (cu al aire)
Que ser alcagoita
De nenhum fraile.

  • 14 Diálogo dos dedos. Cf. o n.° 62 dos Cant. ref. e respectiva nota.

12.
a.Serra madêra.
Da ponte da Bêra,a.
Sarrar e marrar,
Cadêrinha de latar,
São João pede pão,
E os presos pedem quêjo,
Tlin tin tin,
Tlin tin tão,
Vamos embora
Desta prisão.14
Serra madêra,
Da c’rapintêra,
Serrar e andar,
Lá vem a velhinha,
Trazer o jantar,
P’rá menina papar.
Serra madêra,
Da ponte da Bêra,
Sarrar e andar,
Lá vem a velhinha,
C’o nosso jantar
P’rá menina papar,
Três p… p’ra ti,
Três p… p’ra mim,
E três p… p’rá velha rabugenta,
Que tem-no rabo azedo.
Serra vilão,
Serra vilão,
Tu co’a serra
Eu c’o serrão.

  • 15 Dizem as crianças, dando as mãos, firmando os pés e baloiçando-se.

13.
Tambolarão,
Cabeça de cão,
Orelhas de gato,
Nan tem coração,
Tamboralão,
Eles lá vão.
Tambolarão,
Cabeça de cão,
Orelhas de gato,
Nan tem coração,
Tambolarão,
Eles lá vão15.

  • 16 Cf. Teófilo Braga, Jog. Pop. e Inf., in Era Nova, p. 354.

14.
Vassourinha, vassourinha,
Varre aquela casinha,
Vassourão, vassourão,
Varre aquele casarão.16
b.Vassourinha, vassourinha,
Varre aquela casinha,
S’a varreres bem,
Ganharás um vintém,
S’a varreres mal,a.
Ganharás um real.
c.Lico, lico,
Tamanho bico,
Dá-me noras,
De madêra,
Come sopas,
De cavalo.
Barre, barre, bassourinha,
Barre aquela casinha,
Barre, barre, bassourão,
Barre aquele casarão.
d.Pico, tico, maçarico,
Quem te deu tamanho bico,
Deu-me Deus Nosso Senhor,
Tenho novas de Mateus,
O Mateus está em Faro,
Fazendo sopas de cavalo,
P’rá filha da rainha,
Qu’está morta na cozinha.b.
Barre, barre, bassourinha,
Barre, barre, bassourão,
Manda dizer ao rei,
Que recolh’á sua mão.

  • 17 As fórmulas 14 e 15 são eliminativas. As crianças sentam-se em roda, juntando as mãos estendidas, s (...)

15.
Belisco,
Celerisco,
Nosso Senhor
Jesu Cristo,
Vaca chocalhêra,
Põe os ovos à ribêra,
Ponde uns,
Pone dois,
Pone três,
Pone quatro,
Pone cinco,
Pone seis,
Pone sete,
Pone oito
E recolhe o tê biscoito.17

  • 18 Ampliação do jogo antecedente. Quando a directora diz: «Teu-biscoito», encolhem as mãos no seio. Te (...)

16.
– Trás, trás.
– Quem é?
– Já penêrou?
– Ainda nan amassê.
– Já fintou?
– Mesm’agora’ámassei.
– Já meteu o pão p’ró forno?
– Mesm’agora fintê.
– Já tirou o pão do forno?
– Mesm’agor’ó meti.
– Já tirou o pão p’ró tabulêro?
– Mesm’agor’ó tirei;
Tirar pão, tirar pão
Tirar pão, tirar pão,
– Dêxe ver se está quente:
– Este nan tem sal,
Este está azedo,
Este está cru,
Este está quêmado,
Este está bom.18
– Trás, trás
– Quem é?
– Já penêrou?
– Sim senhor.
– Já tendeu?
– Sim senhor.
– Já foi o pão p’ró forno?
– Sim senhor.
Fiz um bolo p’ró meu gatinho,
Outro p’ró meu canzinho?
Var. dos dois últimos versos:
Façam uma merendinha
Do tamanho da pá do forno,
Sem côida, nem miolo,
– Sim senhor.
Dêxe-mos lá provar?
(Pelos dedos):
Este nan tem sal,
Este está azedo,
Este está cru,
Este está quêmado,
Este está bom.

  • 19 Cf. Adolfo Coelho, Zeitschr. f. rom. Philog., p. 197; Teófilo Braga, Jog. Pop. e Inf, in Era Nova, (...)

17.
a.Belerisco,
Celerisco,
Nosso Senhor
Jesu Cristo,
Ó de oiro,
Ó de prata,
Mand’á velha (ou Mand’el-rê)
Que vás à mata.19
Belerisco,
Celerisco,
Nosso Senhor
Jesu Cristo,
Ó de oiro,
Ó de prata,
Mand’á velha,
Que vás à mata,
Salt’á pulga (ou Mat’á pulga)
Na balança,
Mand’el-rê.
Que vás à França.

  • 20 As crianças põem-se de cócoras e começam o diálogo; quando dizem o final da rima mudam de lugar. Cf (...)

18.
– Ó vezinha,
Ó vezinha,
Tem lá
Os mês patinhos?
– Tenho sim senhor.
– Que lhe dá de comer?
– Trigo miúdo
– E de beber?
– Água do rio.
– Então passe p’ra cá,
Qu’eu passo p’ra lá.20

  • 21 A mão em que coincide orelhinha vai segurar a orelha da criança que fica ao lado, e depois de todas (...)

19.
Pinto,
Jogar ó pinto,
Vend’a vaca
A trint’ é cinco,
Unhanhá,
Cá p’ra lá,
Pux’à sua
Orelhinha.21

  • 22 No Jogo dos Cantinhos. Cf. o n.° 238 dos Cant. de Marin.

20.
– Ó tiazinha, dá-m’uma brasinha
– Vá além àquela vizinha.22

Ginástica de língua

21.
Pinga a pipa, pia a pinta,
Pinga a pipa, pia a pinta.

22.
Se a paldra pap’ à poldra,
E a poldra pap’ à paldra,
Etc., etc.

23.
Eu comi um rim rim,
De melra velha gorda assada,
Eu comi um rim rim,
De melra velha gorda assada, etc.

24.
Estra casa está ladrilhada,
Quem a desaladrilhará?
O desaladrilhador.
Quem a desaladrilhar,
Bom desaladrilhador será.

25.
Um homem desnarigado
Quem o desnarigaria.
Um homem desnarigado,
Quem o desnarigaria, etc.

26.
Tenho um ninho nafagafa,
Com trinta nafagafinhos,
Quando o nafagafa vai fora,
Ficam os nafagafinhos,
Fazendo uma nafagafarra,
Uma nafagafarra, uma nafagararra, etc.

27.
As freiras de Santa Clara têm um gralho,
que salta:
Do coro ó cano,
Do cano ó coro,
Do coro ó cano,
Do cano ó coro, etc.

28.
Acolá naquele outêro
Vai um frade,
A estender cordões,
A encolher cordões,
A estender cordões,
A encolher cordões;
Quanto mais o frade corre
Mais os cordões se lh’encolhem,
Quanto mais o frade corre,
Mais os cordões se lh’encolhem, etc.

29.
Por aquela serra acima,
Vai um velho calvo,
Que lhe luz o carão,
E o carado,
E a rabixa do arado.

30.
Debaixo d’um coxo mandôxo,
Foge um bode e um mocho.
Que diabo faria o bode
Que tanto foge.

Jogos numerativos

  • 23 Cf. n.° 163 dos Cant. referidos.

31.
Una, una, una,
Una, dois e três
Cantavam a dever.
Contavam que contavam,
Contavam vinte três.23

  • 24 Cf. Teófilo Braga, in Era Nova, p. 349.

32.
Um, dois, três,
Além vem o inglês,
Com a ’spada americana,
C’uma barra à castelhana,
Pum, pum, pum,
Além fazem os vinte e três.24

Jogos diversos

  • 25 Fórmula eliminativa do Jogo das Escondidas. Cf. Teófilo Braga, obra citada, p. 354.

33.
Sola, sapato,
Rê, rainha,
Foi ao mar
Buscar sardinha,
P’rá mulher
Do juiz,

Qu’está presa
P’lo nariz;
Os cavalos
A correrem,
As meninas
A aprenderem,
C’al será
A mais bonita,
Que se possa
Esconder.25

  • 26 No Jogo da Cabra Cega. Cf. o n.° 229 dos referidos Cant. e respectiva nota, e J. Leite de Vasconcel (...)

34.
– Cabra cega, d’onde vens?
– De Castela.
– Que vens comendo?
– Pão e canela.
– O que perguntas?
– Um’águlha.
– Fin’ó grossa?
– Fina.
– Busc’á.26

35 Jogo do Padre Cruz

14«Todos os que jogam tomam o nome de uma fruta. Vem o padre-cura, com o seu criado atrás, e diz: ‘Indo eu p’la minha quint’abaixo deu-me vontade de comer (por exemplo) um pêssego.’ Responde o pêssego: ‘Mente vossa senhoria.’ ‘Então onde ’stavas tu?’ ‘Estava em casa da maçã.’ Diz a maçã: ‘Mentes tu.’ ‘Então onde ’stavas tu?’ ‘Estava em casa do padre-cura.’ ‘Mentes tu’ (diz o padre-Cura). ‘Então onde ’stavas tu?’ (Aqui perde a maçã uma prenda por ter tratado o padre-cura por tu. Também se perde prenda quando assim se trata o criado do padre-cura, pois se deve tratar por vossemecê). Renova-se o jogo havendo prenda perdida, e quando elas chegam a certo número passam a julgá-las. A primeira é julgada pelo padre-cura e as outras por aqueles que sucessivamente vão cumprindo as sentenças. As sentenças são beijar a parede; dar abraços nas pessoas presentes; pôr quatro pés na parede (salvam-se da dificuldade pegando numa cadeira e pondo-a com os pés contra a parede); ir apregoar: ‘Quem tem farelos que venda p’ró burro qu’os encomenda’; ou ir p’rá berlinda. Ir p’rá berlinda é sentar-se no meio da casa. Depois vai o julgador perguntar a todos os que jogam porque está aquela pessoa na berlinda. Todos lhe dão resposta em segredo. Estas respostas são depois publicadas, no meio de grandes gargalhadas. ‘Está na berlinda porque é parvo. Está na berlinda porque não lava os dentes. Está na berlinda porque não corta as unhas, etc., etc.’ O dito que mais ofende tem como resposta: ‘pois a pessoa que diz isso que venha p’rá berlinda.’ É apontada pelo julgador e vai p’rá berlinda. E assim se continua.»

  • 27 Cf. Cant. de Marin n.os 226 e 227 e nota; Teófilo Braga, in Era Nova, p. 351.

36.
a.– O senhor Fernão Quêmado,
Quantos pães tem lá na minha arca?
– Vinte e um quêmados.
– Quem os quêmou?
– Fernão das Cabras.
– Velhaco, velhaco, velhaco, etc.27
b.Ó senhor Ferrê Quêmado,
Quantos paẽs tem lá na minha arca?
– Vinte e um quêmados.
– Quem os quêmou?
– O diabo que aqui passou
– Velhaco, velhaco, velhaco, etc.

  • 28 As crianças vão passando a chavinha de mão em mão e dizendo a rima. A que ri perde prenda.
  • 29 Teófilo Braga, obra citada, p. 360, e R. Marin, Cant, n.° 75 e nota.

37.
a.Pom penête,a
Pom penête,
Cabecinha
D’alfinete,
– Que ’stá por dentro?
– Pão bolorento.
– Que ’stá por fora?
– Cordas de viola.
– Que ’stá nas ruas?
– Espadas nuas.b
– Que ’stá nas janelas?
– Fitas amarelas.
– Que ’stá nos telhados?
– Gatos assanhados.
– Puf, puf, puf.28
b.Pom punhête,
Pom punhête,c.
Pom punhête,
Cordas de viola,
Quem se rir
Vai fora.29
c.Pumonête (ou Pamponête),
Pumonête,
Cabecinha
D’alfinete.
– Qu’stá nas portas?
– Moscas mortas.a.
– Que ’stá na chaminé?
– Um burro d’em pé.
– Que ’stá nas sacadas?
– Fitas encarnadas.
– Que ’stá nos telhados?
– Gatos assanhados.
– Sape, sape, sape.

  • 30 Cf. Teófilo Braga, in Era Nova, p. 253.

38.
Aqui está esta chavinha,
Que vem do Castelo
De Chuchurumelo,
O ferreiro que a fez,
Disse que dissesse eu,
Três vezes,
Pis trom, sem me rir,
Pis trom, sem me rir,
Pis trom, sem me rir.30

  • 31 Cf. o n.° 81 dos Cant. de Marin.

39.
Só viuvinha,
Das bandas d’além,
Quero casar,
Nan acho com quem,
Nem contigo,
Nem contigo,
Só contigo,
Mê querido bem.31
daqui
.... madrinha,
Queres-me tu,
O mê lindo bem.
de fora,
Mas neja por ora
Só contigo,
Mê querido bem.

  • 32 No jogo do Esconde-Esconde. Reunido qualquer número de rapazes, o director do jogo diz a primeira p (...)

40.
Aqui passou el-rê,
Que sab’andar à caça,
De pão e mel,
Que se foi ’sconder,
Detrás da porta,
De São Miguel,
Ri, ron,
Da casa redonda,
Felipe-te
’Sconde-te.
Riguidin, riguidon,
Pela mão da fi-guidon,
(ou Por amor das fresquidões)
Tiro, teiro, marinheiro,
Como estão as mãos.32
b.Riguidin, riguidon,
Por amor dos cordovões,
Tiro, teiro, marinheiro,
Com’ estão os dedos.b.

  • 33 As crianças sentam-se em roda com as mãos aproximadas. Quando têm as mãos recolhidas dá a directora (...)

41.
– Ó tizinho,
Dá-m’um grilo?
– Vá lá atrás,
E tire-o.33

  • 34 No Jogo do Grilo. «Os rapazes colocam-se em cordão. Fica um de fora e diz ao primeiro os primeiros (...)

42.
a.Uma duas argolinha,
,,
Põe o pé na pampolinha,
O rapaz que jogo faz,a.
Faz o jogo do Japão.
Conta bem Manuel João,
Cantos dias são.
Diz a velha do cordão,
Que recolh’ à sua mão.
– O que levas aí?
– Roupa.b.
– E aí?
– Sabão.
– Onde a vais lavar?
– Ó periquito.
– Que levas p’ra m’rendar?
– Pão e passinhas.
– Não me dás a mim?
– Não.
Quer’s bolo ou maçã?34
Um e dois argolinha,
Assent’ó pé na pampolinha,
O rapaz que jogo faz,
Faz o jogo do gamão,
Conta bem, Manuel João,
Conta bem, que vinte são,
Diz a velha do cordão,
Que recolh’ó sê pezinho,
Está coxinha d’um dedinho.

  • 35 Jogo de meninas, que têm todas um raminho na mão; a primeira diz a rima, e, em segredo, o nome de u (...)

43.
Aqui tem este raminho,
Florido, Florado,
Que lhe manda uma pessoa,
Muito do seu agrado,
Se quer saber quem é,
Chegue-se cá p’ró pé.35
Aqui ’stá este raminho,
Que vem da casa do seu amor,
Se quer saber quem é,
Chegue aqui ó pé.

  • 36 Os rapazes formam roda, dando as mãos. O director anda de fora com o barrete na mão e dizendo a par (...)

44.
Palácio contra palácio,
Come carne do espinhaço,
Da caldêra da cucharra,
Que morreu em Portugal,
Pão, sal,
Deita-te à lás bimbas.36.

  • 37 No Jogo do Luar. O director apanha uma pedrinha e apresenta as mãos fechadas. O rapaz que acerta na (...)

45.
Bel barrete,
Lá fic’atrás,
Fica, nan fica,
Lá vai p’rá botica.
– Qu’é dela a murcela?
– Está no fundo da panela.
– Qu’é dele o chouriço?
– Está no fundo do cortiço.
– Qu’é dele o toucinho?
– Merd… p’ró teu focinho.37

  • 38 Todos os rapazes em roda, e o presidente vai apontando cada um a cada palavra, e eles vão-se embora (...)

46.
– Ó senhor Dom Barqueiro,
Dêxe-me passar,
Tenho muitos filhinhos,
Nan-nos posso sustentar.
– Passará, passará,
Mas alguns dêxará.
– Passarê, passarê,
Mas nenhum dêxarê.38

  • 39 Os dois rapazes mais altos do bando formam arco com os braços. Os outros vêm em cordão, dando as mã (...)

47.
– Sô São Martinho,
Tem lá bom vinho?
– Rinch’ó diabo.
Mê cavalinho.39

  • 40 Quatro rapazes, dois a cavalo nos outros dois e a certa distância. Um, dos que está a cavalo, diz o (...)

48.
Luar luar nan m’apanhas,
,,
Nem de nôte, nem de dia,
Nem às horas do mê-dia.40

  • 41 No jogo do gamão.

49.
Ás e três, casa fez.
Cinco e três, casa fez.
Duque e ás, casa faz.
Terno e ás, casa faz.
Ás e seis, casa fez.
Cinco e ás é um seis.41

  • 42 No jogo de vasa.

50.
– Copas.
– De cóc’ras estava Enêas.42

  • 43 No jogo de vasa.

51.
– Paus,
E os dias maus;
E as penas em que vivo,
Paus digo.43

  • 44 Jogo do Chica la fava. Quatro rapazes, um com a cabeça arrumada à parede e curvado, e outro com a c (...)

52.
– Aonde ’stás?
– Nas canastrinhas.
– O que comes lá?
– Pão e sardinhas.
– Dás-me um bocadinho?
– Um corninho.44

  • 45 No Jogo do Apanha Galegos. Um apanha uma pedrinha e faz como no Jogo do Luar (n.° 48): o que acerta (...)

53.
– Além vêm os mouros,
– P’ra quê?
– P’ra matar.
– Com quê?
– C’uma faca de cana.
– Morram os Mouros!45

  • 46 No Jogo das Cavalheiritas.

54.
Chica la fava,
Monta-te nas ancas,
Do mê camarada.46

  • 47 Uma das crianças põe-se a cavalo na outra, e esta segura-a pelos braços, e, concluído o diálogo, la (...)

55.
– Ó São Bartolomeu,
Adivinhe lá quem lhe deu?47

  • 48 No Jogo dos Mouros. Os rapazes estão em fileira, com as mãos dadas, ficando os dois mais velhos nas (...)

56.
P’ra mim chá,
P’ra ti café.48

  • 49 Os rapazes estão em volta de uma parede, fazendo semicírculo. O que faz de São Bartolomeu está enco (...)

57.
– Ó sê cessor,
– El-rê mê senhor.
– Em que cavalinho quer ir?
No melhor que houver,
Quero ir em cavalinho d’ouro…49

  • 50 No Jogo do Pé-Coxinho. Todos os rapazes põem os chapéus em correnteza, de distância em distância, e (...)

58.
Quente, quente,
Com’ aguardente.
Frio, frio,
Com’ água do rio.50

  • 51 Um dos rapazes coloca a cabeça entre as pernas do director, e este diz os versos. Quando diz o segu (...)

59.
Santa Batuta,
Dá-l’à bruta,
A mim não dá,
Toc’á rir,
Toc’á chorar,
Pica no c...
Dêta-t’aboar.51

  • 52 No Jogo do Ala Mula. Cf. os n.os 243, 244 e 245 dos Cant. de Marin e respectiva nota.

60.
Encho,
Rebaldencho,
Tramela (ou Caramelo)
Ó pau do encho.
Uma d’ala mula,
Duas das amêjoas cruas (ou bembas)
Três, três,
Pulinho holandês (ou: Um punhalinho além três)
Um, dois, três,
Quatro,
Belo arroz faz um pato,
Cinco Maridobrinco (Maria do brinco)
Seis Maridorréis (Maria dos Reis)
Sete carrapaxete,
Dêxa ou leva,
Oito,
Da boa farinha se faz o biscoito,
Nove,
Ajuda’á tê pai qu’é pobre,
Dez,
Tir’ás carrapaxinhas dos pés (ou carraspinhas).
Onze,
Sinos de Mafra são de bronze,
Doze e redoze,
Com vinte e quatro são catorze,
Palmadas,
No chão ou no ar,
Elas muito bem dadas,
Elas muito bem repimpadas (ou finfadas)
Ó Lemos, diz o Lemos,
E guzolemos,
E é de nôte e é de dia,
É as horas do mêo-dia.52

  • 53 Quando os rapazes estão a brincar, e diz um (por ex.:): Dou-te um murro, responde o outro a rir: Al (...)

61.
Almas santas!
Almas santas!53

  • 54 No Jogo do Barquinho (ou do Navio). As meninas sentam-se, fazendo roda, e a directora atira com um (...)

62.
– Aí vai o barquinho,
Carregado de...
– Amores.54

63. Jogo da Munchica

15«O presidente: – Há uma árv’re, nem num chica, nem num grande, que dêta um fruto que tem (por ex. :) uns filhos encarnados?

16Um dos rapazes: – É a romã.

17O presidente: – Dá-lhe co’a romã.

18O que adivinha lança-se aos outros rapazes e é cachação que ferve, até que o presidente diz:

19– Ronda!

20Foge o que adivinhou, porque chegou o momento dele, que está dando, levar.»

64. Jogo das galinhas

21«Os rapazes estão todos em fileira, sentados entre as pernas uns dos outros. Um faz de Maria que é o primeiro, e outro faz de pai e anda de fora. O pai chega ao pé da Maria e pede-lhe dez réis para rapé; a Maria faz que lhos dá e ele vai para o largo e faz que bebe dois decilitros (sic) e depois vem dizer à Maria que dê os dez réis ao homem e que ele depois disse que era mentira, e a Maria torna-lha a dar outros dez réis. Bebe outros dois decilitros e vem; ao pé de umas pedras finge que deixa cair o dinheiro e começa a dizer: ‘Olha Maria, p’raqui caíram os dez réis.’ Depois finge-se bêbado e pede-lhe outros dez réis, e vai comprar dez réis de rapé. Depois dá a cheirar à Maria e às galinhas todas, e diz: ‘Maria vou exprimentar os galos a ver se cantam’; e bate na cabeça de cada um e eles fazem: ‘Quiquiriqui’, conforme lhes parece. O que canta grosso, dá-lhe uma punhada na cabeça e diz: ‘Este é bom p’r’arroz.’ E depois diz: ‘Maria, toma sentido nas galinhas, que’eu vou à missa que ’stá o padre sem gente.’ Ou de outra maneira:

Maria eu vou à missa,
Às três portas ao cantinho,
Onde teu pai
Quebrou o focinho.

22A Maria diz-lhe: ‘O teu.’

23E depois vai para a missa e põe-se a dizer, de joelhos:

Pelo sinal
Da mão do gral,
Comi toucinho
E fez-me mal,
Se mais me dessem
Mais comia,
Seja por alma
Da amotolia.

24Depois volta e não encontra já as galinhas, e diz então: ‘Maria aonde estão as galinhas?’ Ela responde: ‘Veio buscá-las o senhor padre-cura.’ Ele finge que vai bater à porta do senhor padre-cura e que o senhor padre-cura lhe diz: ‘As suas galinhas não estão cá.’ Depois repete: ‘Maria aonde estão as galinhas?’ Ela responde que não sabe. Depois vai comprar cevada e diz: ‘Pi, pi, pi, pi, pi’, e aparecem as galinhas e fazem um círculo à roda da Maria e ele põe-se a perguntar: ‘Aonde foi a minha Maria?’ Diz-lhe um: ‘Foi fazer limpeza e caiu para dentro da comua.’ E ele faz que acende um fósforo e mete-o por baixo das pernas de um, e a Maria lá de dentro arranha-lhe as mãos e ele diz: ‘O que está aí dentro?’ ‘É uma ratazana.’ E depois ele diz: ‘Deixem-me cá ver.’ E eles abrem o círculo e a Maria começa a fugir e ele a correr atrás dela e os mais a correrem e a dizerem ‘Pai não bata na Maria, Pai não bata na Maria’, etc., etc.

25(Descrito por um rapaz de oito anos.)

65. Penas de jogos

  • 55 Põem-se dois rapazes, um de cada lado, dizendo a rima; jogam murros no ar para apanharem com algum (...)
  • 56 O que tem de ser castigado coloca-se no meio dos outros rapazes, e estes dão grandes gritos, aproxi (...)
  • 57 Repelões nas cabeças.
  • 58 Ao passar o rapaz que é castigado, urinam-lhe em cima.

Pedrinhas d’amolar
P’ra quem quiser passar.55
Gritos ós ouvidos.56
Passinhas dec Alicante.57
Passar por baixo das pernas.58
Deu-lhe um soco no nariz,
Foi fazer queixa ao tenente,
Deu-lhe um soco num dente,
Foi fazer queixa ao capitão,
Deu-lhe um soco na mão.

Anfiguris

  • 59 Cf. Trad. Pop. de Port. de J. Leite de Vasconcelos, p. 186, e Teófilo Braga, in Era Nova, p. 358.

66.
a.São Sermão,
C’o barrete na mão,
E uma espada de cortiça,
P’ra matar a carriça,
A carriça dê um berro,
Tod’a gente s’assombrou,
Só uma velhinha ficou,
Embrulhada num sapato;
Pari uma ninhada de ratos,
Foi levá-los a São Vicente,
São Vicente nan-nos quis,
Foi levá-los a São Luís,
E São Luís
Dê-lhe um p... no nariz.59
b.São Sermão,
Com seu barrete na mão,
Sua espada de cortiça,
Para matar a carriça,
A carriça deu um berro,
Toda a gente se assombrou,
Só uma velha ficou,
Embrulhada num chinelo,
Foi fazer queixa ao juiz,

  • 60 Cf. o n.° 100 dos Cant. de Marin.

67.
Amanhã é domingo,
Pé de pingo (ou Pede),
Galo francês,
Pica na rês,
A rês é miúda,
Pica na tumba,
A tumba é de barro,
Pica no aro (ou no tarro),
O aro é fino,
Pica no sino,
O sino é d’ouro,
Pica no touro,
O touro é bravo,
Mat’ó fidalgo,
O fidalgo é ladrão,
Roubou um cordão (ou a c’rôa)
A Nossa Senhora,
Da Conceição.60

68. O Sarilho do Algarve

  • 61 Incompleto. [Estes versos pertencem a uma dança, que será descrita nas notas finais; conquanto seja (...)

a.Bate uma,
Sôr Verruma,
Outra mais,
Sôr Cascais,
Mais outra.
Adiante,
Atrás tudo,
Perfilou,
Gingou,
Alto frente,
Sôr Tenente,
Vir’ó lado,
Sôr Soldado,
Aqui passou.
Uma velha,
Com mijar,
Três moinhos,
Fez andar,
E sobrou,
Uma mijadela,
E fez andar
Um barc’à vela.
Virou,
E vire ao centro,
Cu p’ra fora,
Cu p’ra dentro.
Cana verde,
Pau ferrado.
E ó menina
Dê-me um beijo,
P’ra matar,
O seu desejo.
E a faca,
Cort’ó queijo.
Gingou.
Brincou.
Ind’a velha
Nam mijou,
Já três frades,
Afogou.
Bate as palmas,
Gingou tudo,
Ó mesmo tempo.
Arre diabo,
Arre diabo,
Quem tem mosca,
Dá ó rabo,
Quem nem tem,
Faz também.
Sôra velha,
Alcoviteira,
Foi à fêra,
Vêo da fêra,
Sem dinhêro
Na algibêra.
Larga um,
Pega noutro,
Gingou tudo,
Inté ó chão.
Gingou tudo,
Ferragudo,
Se nam foss’eu
Morria tudo.
Sacatrapos,
Martelinho,
A mulher
Do Zé Coxinho,
A cavalo
Num burrinho.
Ó vezinha
Tem lá lume
Que m’acenda
Este paninho,
P’ra fazer
A minha cama,
P’ra pensar
0 mê menino.
Dôs d’emboque.
Acert’ó toque.
Ferra’á unha,
Met’á unha,
Dá de prancha,
Vê s’engancha.
Rapariga,
Fech’a meia,
Apert’á liga.
Estou contigo,
Da janela
P’ró bostigo,
Estou com ela,
Do bostigo
P’rá janela.
Faz frente,
Batalhão.
’Stá chovendo,
Caldêrão,
Ó biquêra,
Ó biqueira,
Para lêgo
Nam tem c’roa,
A culp’é
Do guardião,
Dêxa caçar
A furoa,
Qu’é mais lesta
Qu’ó furão.
Faz frente.
Sôr Inês,
Trinta dias.
Tem no mês,
La ’stá fora
Quem no fez,
Lev’o diabo
A todos três.b.
Vá de rijo.
Mulher velha
Fed’a mijo,
E faz frente,
Minha gente,
Pisc’ó olho.
Arrilh’ó dente.
E torn’atrás,
Truco à sota,
E mais ó ás,
E pela dirêta
Rodou.
Tripa de vaca,
Cachola de grou.
E atrás dobra,
Cu d’abóbra.
A minha burra
É tua sogra.
E puladinhos.
Tenh’um. burro
Qu’é tê primo,
Albardado
Tê cunhado,
E em osso
É tê moço.
E alto frente,
Mês soldados,
Stô zangado.
Todo certo,
Pateado.61

b.
de roda,
Pela esquerda;
Outra vez,
Pela dirêta.
Aldrabas,
Fechaduras,
E outras
Côzinhas mais,
Qu’os burros deixam
Os atafais.
Vira e revira,
Casimira,
E dobr’ainda
Cara linda;
Uma e duas,
Chegadinho,
Unidinho,
Passo curto,
Miudinho.
Mês senhores,
Carrapatos
Sam doutores.
Vá de leve,
Pateado;
Canta Manel
Canta diabo.

Paródias de orações

  • 62 Cf. nota 52 das Rim. Inf. dos Cont. de Marin.

69.
Padre nosso,a.
Comer nam posso,
Avé Maria,
Tigela vazia,
Chêa de graça,
Comi uma passa,
O Senhor é convosco,
Comi entregosto,
Benta sôs vós,
Comi uma filhó (ou uma noz),
Entr’as mulheres,
Comi com colher’s,
Bento é o fruto,
Comi com’um bruto (ou Comi pão e conduto),
Do vosso ventre,
Jesus tão impertinente.62

70.
Avé Maria,
Dá cá a bacia,
Chêa de graça,
Dá cá a cabaça,
O Senhor é convosco,
Dá cá o gosto,
Benta sôs vós,
Dá cá as noz,
Entr’as mulheres,
Dá cá as mulheres,
Bendito é o fruto,
Dá cá o fruto,
Do vosso ventre,
Dá cá a navalha,
P’ra cortar o rabo,
Ó Zé Clemente.
b.Avé Maria,
Chêa de graça,
A sua filha
Tem tanta graça!

  • 63 Cf. R. Marin, Rim. e Jog. Inf., nota 52.

71.
Salvé Rainha,
Salta na vinha,
Lá vem o Padre,
Co’a caxêrinha.63

  • 64 Cf. nota 52 das Rim. Inf. dos Cant. de Marin.

72.
Pelo sinal
Da mão do gral,
Comi toucinho
E fez-me mal,
Se más me dessem
Más comia,
Seja por alma
D’amotolia.64

  • 65 Cf. nota 52 das Rim. Inf. dos Cant. de Marin.

73.
Dominus óbisco,
Tê pai é marisco,
Tua mãe é uma vaca,
Dá marradas numa estaca,
Quando lhe puxam pelo pé,
Faz mé.65.

74.
– Dormes no esterco (Dominus tecum)
– Ê durmo na caminha,
Co’a minha mãezinha.

75.
Passas com nozes,
Miserere nobis.

Interpretação de ruídos e vozes de animais

  • 66 Imitação do toque do tambor. Cf. Teófilo Braga, in Era Nova, p. 361.

76.
a.Réu, catapleu,
Mat’aquele jacaréu,
Rana cataplana,
Mat’aquela ratazana,
Rão cataplão,
Mat’aquele canzarrão.66
b.Réu,
Catrapléu,
Quem tem penas
Vai ó céu,
Mand’ó nosso
Comandante,
Acert’ó passo
Botaréu.

  • 67 Cf. o n.° 121 dos Cant. de R. Marin.

77.
a.
– Hê-de comprar-te uma saia.
– De que cor?
– Amarela.b.
– Puf, puf, puf.67

  • 68 Diálogo dos gatos nos telhados, «no tempo do aluio».

78.
– Maria dos matos,
Dá-m’os sapatos.
– De que são?
– De cordovão.
– Dá-mos.
– Não.68

  • 69 Diálogo dos gatos nos telhados.
  • 70 Diz a galinha quando cacareja.

79.
– Sempre ponendo (ou Sempre a pôr),
Sempre ponendo (ou Sempre a pôr),
Sempre descalça.69
– Cala-te cala-te,
Mulher,
– Que tudo se gasta.70

  • 71 Responde o galo.
  • 72 As rãs vêm ao cimo da água e estabelecem aquele diálogo.

80.
Quiquiriqui,
Jasus é Cristo.71
Quiquiriqui,
Cristo nasceu,
– Aonde?
Em Belém.
81.
– Réu.

– Está lá o piquéu (pica-peixe)
– Néu.
– Réu, réu, réu, etc., etc.72

Fórmulas relativas a animais

  • 73 Cf. Teófilo Braga, in Era Nova, p. 351, e R. Marin, Cont. n.° 119.

82.
Romêrinha, aboa aboa,
Que tê pai ’stá em Lis-
boa,
E tua mãe no pelourinho,
Comendo pão e toucinho,
E tua avó em Castela,
Comendo pão e canela.73

  • 74 Diz-se à mantis religiosa. Cf. J. Leite de Vasconcelos, Trad. Pop. de Port., p. 135.

83.
Caracol, caracol,
Põe os cominhos ó sol.74

  • 75 Cf. Trad. Pop. de Port. de J. Leite de Vasconcelos, p. 189.

84.
Louva-a-deus,
Louva-a-deus,
Põe as mãos a Deus.75

  • 76 Dizem os rapazes: «em encontrando algum escaravelho numa posta (bosta) de boi, e eles os escaravelh (...)

85.
Morcego,
Morcego,
Vem à cana,
Que tem cebo.76

  • 77 Diz-se à coccinella septempunctata. Cf. o n.° 106 dos Cant. de Marin, e Trad. Pop. de Port. de L. d (...)

86.
– Escaravelho,
Ali vem-no rendêro,
Ali vem-no rendêro.77

87.
Chôr’aqui,
Chôr’aqui,
Com’ó cachapim.
(Cachapim: «um pássaro que, quando
canta diz chôr’aqui.)

88.
Ailé,
Diz o cartaxo
P’rá cotovia:
– Pôs-s’o sol,
Acabou-s’o dia.
– Ailé.
Respond’o morcego:
– Trabalha,
Qu’ind’é cedo.

Fórmulas e apodos pelos nomes e apelidos

89.
a.Ana,
Badana,
Pernasb.
De cana,
Cordas de viola,
Orelhas de gato,
Fugiu p’ró buraco.
Ana Badana,
Tem carne
P’ra tod’a semana.
c. Ana,
Bagana,
Rabeca,
Susana,d.
Lázaro,
Domingo de Ramos,
Na Páscoa estamos.
d. Ana,
Badana,
Rabeca de cana,
C’o caldo de couve,
Faz que não ouve.

  • 78 Cf. notas 101 e 102 das Rim. Inf. nos Cant. de Marin.

90.
António,
Deus te livre do demónio,
E das más atentações,
E de caldo de fêjões,
E do rabo das colheres,
E do cu das mulheres,
E da velha que dá p...78

91.
É São Benedito,
Nam come, nam bebe,
E anda gordito.

92.
Ai credo mana Benta!,
Qu’aranha tão peçonhenta!

93.
Onde irás Brás,
Que não te perderás.

94.
a. Chico, larico,
Da perna alçada
Canta nam canta,
E nam diz nada.
b Chico lariço,
Perna de nico,
Orelha de gato,
Nariz do Falcato.
c. Chico, lariço,
Perna de lico,
Orelha de gato,
Fugiu p’ró buraco,
Burro do Falcato.
Chico lariço,
Da perna alçada,
Pariu um burrico,
A nôte passada.

95.
Um vintém
Catrin’ó tem,
Se não lho tirar alguém.

96.
Ai Jesus me valha!
Quem casará,
C’a filha da Cravalha?

  • 79 Cf. notas referidas.

97.
Francisco,
Ó bem pobre,
Ó bem rico.79

98.
Francisco,
Tê pai é mourisco,
Sacude-t’os olhos,
C’um pau de travisco.

99.
Á unha,
Francisco da Cunha.

  • 80 Dizem quando alguém passeia pelas casas.

100.
Passava Dom Garcia
Da sala p’rá estrevaria.80

101.
É com’ó Gonçalo,
Nada lhe dá abalo.

102.
Senhora Helena,
Vai à missa,
Com sê lencinho lavado,
Ramela no olho,
Pescoço cag…
Diz que quer casar,
Não tem com quem,
Ó com o Catapirra,
Ó com o Camanha,
Com aquele que lhe souber
Da manha.

103.
Joana,
Batatana,
Rabeca de cana,
Rabo d’ovelha,
Fita vermelha.

104.
João,
Cagalhão,
Perna de cão,
Orelha de gato,
Fugiu p’ró buraco.

105.
Que não,
Diz João,
Que não é,
Diz José,
Que é verdade,
Diz Piedade.

  • 81 Cf. notas referidas.

106.
Joaquim
Ó bem bom,
Ó bem ruim.81

107.
José Carimbé,
À porta da sé,
Fazendo sapatos,
Ó bico do pé (ou No bico do pé).

108.
É como o Zé Cunha,
Obra fêta,
Dinhêro na unha.

109.
Zefa (Josefa)
Dá cá o caco,
P’r’á mãe mijar.

110.
Luís
Tir’á caca do nariz,
Vai lavá-l’ó chafariz,
Bem lavada, mal lavada,
Com’a merd’às colheradas.

111.
Luísa,
Lav’á fralda da camisa.

112.
Manuel,
Curripichel,
Bebe o vinho,
Dêx’ó mel,
Faz as papas
À mulher,
Mexe-as c’o rabo
Da colher.

113.
Maria do baú
Camisa lavada,
Remendo no c...

114.
Trés tria,
Disse Mart’à Maria.

115.
– Maria,
O tê gato já mia?
– E o tê já assovia?

  • 82 Cf. notas referidas.

116.
Mateus,
Diz co’a pata da burra
Adeus.82

117.
Meneses,
Falta-lh’o dinheiro às vezes.

  • 83 Cf. notas referidas.

118.
Nem Pedro,
Nem burro cego,
Nem tê-lo
Nem mantê-lo,
Nem à porta vê-lo.83

119.
Nem bom Pedro,
Nem bom burro negro.

120.
Sofia,
Pega na roca e fia,
Vai à estrevaria,
Que lá ’stá tua tia.

121.
Tanta gente,
Sôr Vicente,
Lá no povo,
Sôr Diogo,
Era assim,
Sôr Joaquim,
Inda mais,
Sôr Morais,
Nan há tal,
Sôr Pascoal.

122.
Adiante,
Violante.

Fórmulas diversas

  • 84 Cf. J. Leite de Vasconcelos, Anuário das Trad. Pop. (de 1882), p. 67.
  • 85 Cf. J. Leite de Vasconcelos, Trad. Pop. de Port., p. 206.
  • 86 Cf. J. Leite de Vasconcelos, Trad. Pop. de Port., p. 205.

123.
a.Trigueirão, trigueirão,a.
Toma lá mê dente podre
E dá cá o mê são.84
b.Telhado, telhado,
Toma lá o mê dente podre,b.
Deita cá o tê doirado.85
c.Mourão, mourão,
Toma lá mê dente podre,
E dá cá o mê são.86
d.Telhado, telhadão,
Toma lá mê dente podre,
E dá cá o tê são.
e.Cão, cão,d.
Toma lá mê dente podre,
Dá-me cá o mê são.
f.Boticão, boticão,a
Toma lá mê dente podre,.
Dá cá o mê são.

  • 87 Para se livrarem do soluço.

124.
Dente fora,b.
Ca... na toca.87

  • 88 Cf. J. Leite de Vasconcelos, Anuário para o Est. das Trad. Pop. (1882), p. 67.

125.
a. Arguêro, arguêro,
Vai p’ró tê celêro,
Que ’stá cá uma pedra de sal,
Que te quer matar.88
b. Arguêro, arguêro,
Vai p’ró tê celêro,
Q’aí vem o sôr Santana,
C’uma faca de cana;
Foge foge qu’ele aí vem.
c. Alguêro, alguêro,
Além vem o sôr coutêro
Vem duma cana,
P’ra bater ó sôr Santana.
d. Arguêro, arguêro,
Vai p’ró tê palhêro.

  • 89 Para o argueiro sair do olho.

126.
a. Soluço vai,
Soluçovem,
Coisinhas doces,
P’ra quem-no tem.89
b. Soluço vai,
Soluço vem,
Anjinhos acudam
A quem-no tem.

  • 90 Cf. nota 71 das Rim. Inf. nos Cant. de R. Marin.

127.
a.Chove e faz sol,
Bailam as manas (ou as moças)
Em Campo Maior.90
b.Sol e a chover,
Algum judeu
’Stá p’ra morrer.

128.
Sol e a chover,
Está o diabo,
A bater na mulher.

  • 91 Saudação à Lua. Cf. Leite de Vasconcelos, Trad. Pop. de Port., p. 21.

129.
Senhora Santa Luzia,
Chora de nôte, 91
Nan chora de dia.

130.
Está hoje nuvrina:
Ou sol que rechina,a.
Ou água qu’empandina.

  • 92 Saudação a quem chega e ao Sol. Cf. Leite de Vasconcelos, Trad. Pop. de Port., p. 10.

131.
a.Arco-da-velha,
Mê lindo charaban,
Gira que nan gira
O taran, cantaran. 92
b.O arco-da-velha à tarde
Não vem cá debalde (ou Nunca cá veio
debalde).

  • 93 Cf. Leite de Vasconcelos, Trad. Pop. de Port., pp. 229 e segs.
  • 94 Cf. n.° 112 dos Cant. de Marin, e Trad. Pop. de Port., de J. Leite de Vasconcelos, pp. 15-55.

132.
Vinde, vinde,
Ventinho da serra,
Que t’hei-de dar uma capela.93
133.
Dês te salve,
Minha bela matrona,
Qu’inda hoje te nan vi,
Ós pés de Nossa Senhora,
Servindo de chapim,
In, in, in.94

  • 95 Cf. Trad. Pop. de Port., de J. Leite de Vasconcelos, pp. 59-60.

134.
Deus te salve, madrinha,
Nan me faças mal,
Nem a mim, nem a côsa minha.95

  • 96 Saudação ao vento.

135.
Ó luar, ó luar,
Dêxa-t’apanhar,
Qu’eu sou pequenina,
Deixa-me criar.96

  • 97 Saudação à Lua.

136.
Deus te veja vir,
Co’a cabeça a dar, a dar,
E as pernas a bulir.97

  • 98 Cf. Leite de Vasconcelos, Trad. Pop. de Port., p. 22.

137.
a. Dês te guie,
Dês te torn’a guiar,
Dês te ponha
No mesmo lugar.98
b. Dês te guie
P’ró teu lugar.
c. Dês te guie,
E te torne a guiar,
E te ponha
Em bom lugar.

  • 99 Às estrelas cadentes. Cf. Leite de Vasconcelos. Trad. Pop. de Port., p. 31.

138.
a. Dês t’acrescente,
E as almas do céu,
P’ra sempre99.
b. Dês t’acrescente,
Em nome de Jesus, ámen.
c. Dês t’acrescente,
E os anjos no céu p’ra sempre.

  • 100 Na quinta-feira de Endoenças, dando as amêndoas.

139.
a.Malmequer,
Bem-me-quer,
Muito,
Pouco,
Nada.100
b.Malmequer,
Bem-me-quer
Um pouquito
E nada.

  • 101 Vide a nota da variante a.

140.
Florido florado,
Fica preso
Até o esfolado101

  • 102 Cf. R. Martin, Cant. pop. españ.; e Ad. Coelho, Rev. de Ethn., p. 49.
  • 103 Dizem os rapazes convidando os companheiros a partirem com eles.

141.
a.Verde é,
Verde chêra,a.
Fica preso,
Até quinta-fêra.102
b.Aqui tem este raminho
Florido, com flores,
Quinta-fêra d’Endoençasb.
Veremos os sês primores.103

  • 104 Batendo às portas no Entrudo.

142.
Valha-me a Senhora d’Agrela,
Que não há santa como ela.
143.
Se for em mal,
Fale inté rebentar.104

  • 105 Desfolhando um malmequer. Cf. Leite de Vasconcelos, Trad. Pop. de Port., p. 116.

144.
Cabecinha de pau,
Cabecinha de ferro,
Quem dá e tira
Vai p’ró inferno.105

145.
Quem foi ao mar
Perdê o lugar.

  • 106 Pela Quaresma, dando um ramo de alecrim ou de flores para obrigar a um presente de amêndoas em quin (...)

146.
Quem foi ó vento
Perdê o assento106

  • 107 Quando se têm as oreilhas quentes estão a dizer mal da gente, e acostuma-se a dizer aquilo (a rima)

147.
Quem fica, quem fica,
Ganhará uma caganita,
Quem vem, quem vem,
Ganhará um vintém.107

  • 108 Cf. Ad. Coelho, Rev. de Ethn., p. 48, e R. Marin, Cont., n.° 158.

148.
a. – Trás, trás,
– Quem é?
– Faz favor,
Dá-me a sua pele
P’ra um tambor?108
b. Trás, trás.
– Quem é?
– Limpe o c...
À chaminé.

  • 109 Batendo às portas no Entrudo.

149.
a. Trás, trás.
– Quem é?
Se está sentada,
Ponha-se d’em pé.109
b. Trás, trás.
– Quem é?
É um preto
Da Guiné.

150.
– Entrudo,
– Chup’á m…
Por um canudo,
– Chup’á tu,
Qu’és mais miúdo.

  • 110 Cf. nota ao n.° 151.

151.
– Ó padrinho, dê-me pão,
P’ra mim mais p’ró mê cão,
– O tê cão não ’stá em casa,
Está debaixo de um navio,
Dá-lhe o vento, dá-lhe o frio.110

  • 111 Quando as crianças pedem queijo às mães, respondem elas com essa rima.

152.– Minha mãe, pão,
– Mordê-t’o cão. 111

  • 112 Dizem os rapazes quando lhes pedem água.

153.
– Quêjo,
Nem-no como,b.
Nem-no vejo.112

154.
Se tens fome,
Vai à praça,
Esfola um homem.
Se tens sede,
Mija na mão e bebe.
Se tens frio,
Cobre-te co’a capa de teu tio.

  • 113 Dizem ser o sinal da cruz do escrivão.

155.
– Agu’ó melro,
Que sec’ó bico.113

  • 114 Dois namorados – ela vinha da fonte com a bilha à cabeça cheia de água, e ele com a grade de gradar (...)

156.
– Ó depois?
Morreram as vacas,
Ficaram os bois.114

  • 115 Quando os rapazes pedem pão às mães, respondem elas com essa rima.

157.
Deus desavenha,
Quem nos a nós mantenha.115

158.
Toma castanha,
Que te mand’ó tio,
Dez réis p’ra um assobio.

159.
Môco da moda,
Nan ouve senam o que lh’acomoda.

160.
Aqui t’escrevo aqui te mando,
Catorze galinhas catorze frangos,
Comerás e buberás,
E do resto que sobrar,
Me tornarás a mandar.
te mando
Aí t’escrevo
Se nan tiver’s azête
Alumia-te com cebo.

  • 116 Quando na conversação alguém pergunta: E depois?

161.
Dias de Maio,
Dias d’amargura,
Ainda bem nan é manhã,
Já é noite escura.116

162.
Ai, ai,
Vida, vida,
Quem nan come,
Nan mastiga.

163.
Ai, ai, vida, vida,
P’ra onde t’enclinas?
P’r’á torre da sé,
Que tem quatro quinas.

164.
Acabou-se
A papa doce.

165.
É dos livros,
Macacos velhos
Paparem figos,
E os novos
Paparem ovos.

166.
Meroda friota nas barobas de quem fez
a escriota.

167.
Ai, linda machadinha,
Quem te pôs a mão,
Sabendo qu’és minha?

  • 117 Quando dizem: Deixe ver.

168.
Três alcofas
Seis asas têm,
Se não lh’as tirar alguém.117

  • 118 Quando os padrinhos nos baptizados não lançam aos rapazes amêndoas ou dinheiro. Cf. n.° 172 dos Can (...)

169.
Dêxa-me benzer c’a mão canha,
Nan dig’ó diabo qu’é manha.118

  • 119 Idem, idem.

170.
O mê amor lh’oferece,
Este pêxe, com este escabeche.119

171.
Isso era quando andava Deus p’lo mundo;
Agora and’ó pai Raimundo.

  • 120 Oração que ensinaram a um rapaz que era parvo, dizendo-lhe que era o Padre-Nosso. E ele rezava-a to (...)

172.
O segredo d’abelha,
À soalheira.120

  • 121 Cf. Leite de Vasconcelos, Trad. Pop. de Port., p. 252.

173.
Toca nestes ossos,
anharás pão e tramoços.121

  • 122 Dizem, por graça, quando oferecem alguma coisa.

174.
Nan tem vista,
Nem cristã,
Nem São João Baptista.122

  • 123 Quando se diz em segredo qualquer coisa, exclamam, os que presenciam, a rima.

175.
Quem rompe no bico,123
Tem amor bonito,
No calcanhar,
Tem amor leal,
No meio
Tem amor feio.

  • 124 Dando um aperto de mão.

176.
Junho, inho, 124
M... p’ró padrinho.

  • 125 O calçado.

177.
Capa rota
Nam tem outra.125

  • 126 Cf. Trad. Pop. da Prov. do Douro, J. Vieira de Andrade, in Aurora do Cávado.

178.
Ruim,
De má pêlo,
E de má cabelo.126

  • 127 Dizem do rapaz que cortou o cabelo. Cf. Trad. Pop. de Port., de Leite de Vasconcelos, p. 254.

179.
Pelado, morriado,
Foi à feira veio cá...127

  • 128 Quando se vê alguém defeituoso. Cf. Leite de Vasconcelos, Trad. Pop. de Port., p. 255.

180.
Dês que t’assinalou
Alguma côsa t’achou.128

  • 129 Para a pipa (gaitinha), feita da cana da cevada, tocar bem.

181.
Coxos e coxas,
Vão à Sôra Santa’Ana,
Eu também lá vou,
C’a minha pata galhana.129

  • 130 Cf. n.° 151 dos Cant., de R. Marin.

182.
Pipa, toca bem,
Ganharás um vintém.
Pipa toca mal,
Ganharás um real.130

  • 131 Cf. J. Vieira de Andrade, Trad. Pop. do Douro, in Aurora do Cávado.

183.
Sapatêro,
Remendêro,
Come tripas,b.
De carneiro,
Bem lavadas,
Mal lavadas,
Come m...
Às colheradas.131

  • 132 Cf. J. Vieira de Andrade, Trad. Pop. da Prov. do Douro, in Aurora do Cávado
  • 133 Cf. Leite de Vasconcelos, Trad. Pop. de Port., p. 255.

184.
a.Mestre sapatêro,
Lá no largo da praça,
Com solas e viras,
E o caco da massa.132
b. Mestre sapatêro,
Lá no largo do Trem,
Com solas e viras,
Tacões a ventem (vintém).133

185.
Bem te conheço,
És de Braga,
Chamas-te Lourenço.

  • 134 Cf. J. Vieira de Andrade, Trad. Pop. da Prov. do Douro, in Aurora do Cávado.

186.
a. Antão,
Era pastor,
E agora já não,
Guardava ovelhas,
Uma cega,
Outra coxa,
Outra taronja,
Das orelhas.134
b. Antão,
Era pastor,
Agora já não,
Guardava ovelhas,
E agora casou-se.

  • 135 . Diz-se quando na conversação alguém pergunta: E então?

187.
– Cinco vezes oito?
– Quarenta.
– Um p...
Em cada venta.135

Rimas diversas

  • 136 Leite de Vasconcelos, Trad. Pop. de Port., pp. 271-272.

188.
São Pedro acuda cá,
Que já a velha moura,
Está na pá.136

189.
A minha vida bem contada,
Faz chorar uma calçada.

190.
Pronto,
Mê sargento,
P’ra pão,
E pagamento.

191.
Tens uma graça
que nem uma cabaça.
Tens uma gracinha

Que nem uma cabacinha.

192.
a.Esta vida
Nan cheg’a netos,
E se chigar
Hão-de ser espertos.
b.Esta vida
Nan cheg’a netos,
Nem a filhos com barbas.

193.
Sape gato, lambarêro,
Tir’á mão do sucarêro.

194.
Este burrico
Faz cont’a homem pobre,
Qu’é cego d’um olho,
Do outro nan vê nada,
D’uma pat’é coxo,
Da outr’alêjado.

195.
Ó vezinha,
Repr’end’o sê galo,
Qu’a minha galinha
Quer namorá-lo.
(ou É um zaravalho).

196.
– Sinhor’Ánica
Prenda o sê galo,
Qu’a minha galinha
Vai lá namorá-lo.b.
– Pois eu gosto
Muito disso,
Qu’a minha galinha
Tenh’ó sê derriço.

197.
Ó vezinha
Rep’rend’ó sê cão,
Que vêo à minh’horta
Ca... no fêjão.

198.
Eu tenho um cãozinho,
Você tem dois,
Vá beijar o cu aos bois,
Tam, trum, trum,
Bail’ó fandango.

199.
– Ó vezinha,
O que tem que se coma?
– Batatas guisadas,
Ó uso de Roma.

  • 137 Cf. Teófilo Braga, in Era Nova, p. 360.

200.
O preto que vai à missa,
E que não sabe rezar,
Ai que me dá a risa,
Ai qu’a risa me dá.137

201.
Preto d’Ingola,
Cachimbo na boca,
Chapéu à espanhola.

202.
– Que há p’rá ceia?
– Morrões de candêa.

203.
– Que me dá de comer?
– Línguas de perguntador assadas.

204.
a. Que há hoje p’ró jantar?
– Tripas de sino (ou Tripas com arroz)
Batidas com sal (ou Postas a assar).
b. Que há p’r’ó jantar?
– Tripas de sino,
Ovos de minhoca.

205.
– Que me dá d’almoçar?
– As pernas de quem entrar.

206.
– Anh?
– Albarda ’nessa sôra.

  • 138 Cf. Teófilo Braga, in Era Nova, p. 360.

207.
Senhora vezinha,
O sê gato deu,
Catro sapatadas,
No cu... ó meu.138

  • 139 Cf. J. Vieira de Andrade, Trad. Pop. da Prov. do Douro, in Aurora do Cávado.

208.
O centeio disse p’ró trigo:
– Ó mê pernas altas,
Eu nan t’acudo
Nas tuas faltas?
O trigo disse p’ró centeio:
– Ó mê barbudo,
Eu nas tuas faltas
Nan t’acudo?139a.

  • 140 Pelo Entrudo.

209.
Alcofinha
Dos tarecos,b.
Foi ó mar,
E afogou-se.
Com licença
Dos sinhores,
Aqui fede,
Alguém ca...140

210.
Quando mija um português,
Mijam dois e três.

211.
Está doente,
Do c... quente.

212.
Coitado,
De gordo,
’Stá pelado.

213.
Coitadinho,
De gordo,
Está peladinho.

  • 141 Cf. Leite de Vasconcelos, Trad. Pop. de Port., p. 128.

214.
Os compadres pedem cama,
Vão-se dêtar ó jardim,
Por baxo folhas de rosa,
Por cima flor d’alecrim.141

215.
Senhores compadres, senhores compadres,
Já lá vão ó talaião,
C’um burro morto às costas,
Cuidando qu’era lacão.

216.
a. As comadres pedem, pedem,
Eu nan tenho que lhe dar,
Dou-lhe um burro morto,
P’ró dia do seu jantar.
b. As comadres pedem cama,
Van-se dêtar ó monturo,
Por cima pés de tojo,
Por baxo pés de burro.

  • 142 Cf. Leite de Vasconcelos, Trad. Pop. de Port., p. 129.

217.
Quem p’lo rosmaninho passou,
I nan o chêrou,
Da morte de Cristo
Se nan lembrou.142

218.
Quem p’lo alecrim passou,
Um raminho nan colheu,
Do sê amor se nan lembrou.

219.
Édego (Et ego)
E a minha égua.

  • 143 Sermão de um aprendiz de clérigo.

220.
É de gis esgravatis (as perdizes a esgravatar),
E é desforce i volve i terra (um porco a fossar)
E é um xirimini (um chocalho),
Debaixo de um xiriminé (na cabeça de um borrego),
Em cima de um arvencó (de uma árvore)
Noitibó (uma ave),
E mais não disse,
À cabroatus i ladruátus.143

  • 144 Cf. o n.° 167 dos Cant. de R. Marin.

221.
Dó ré, mi,
Faça lá assim (fá, sol, lá, si)
Sam palavras em latim.144

222.
Ai li, ai li, ai ló,
Morreu a ratazana,
Ficou um rato só.

223.
– O que fazes?
– Pães grandes,
P’ra se gastarem depressa.

224.
– O que fazes,
Que vid’é a tua?
– Cantar e bailar,
Andar p’la rua.

225.
Domingo de Lázaro
Matê um pássaro
Domingo de Ramos
O depenê (ou depenámos),
Domingo de Festa (ou de Páscoa)
O almocê.

226.
Estou a pensar
No primêro filho que tiver,
Como se há-de chamar.

227.a.
Ó galucho,
Mete a faca no bucho.

228.
Arroz com couve,
Colher de baeta.

229.
Minha mãe mandou-me à vinha,
Arrancar uma cebolinha.

230.
Reza-lhe por alma,
Que morreu p’la calma.

231.
Nam faça cachaço (não faça caso),
Que tudo é bescoço (pescoço).

232.
Já morreu o fardeta,
Que bubia vinho,
Por uma trombeta.

233.
Vu c’a trouxa,
P’ra casa da coxa.

234.
Ora bem!
Há três dias que nan morre ninguém,
E já hoje s’enterraram sete.

235.
Ó taranta,
Dêx’ó pau,
E lev’á manta.

236.
Ai, Jesus!
Q’atentação!
Q’és mais café (Queres mais café),
Irmão?

237.
a. Ora veja,
Quem tal diria?
O fogo ó pé da estopa
Tudo ardia.
b.Ora veja,
Quem tal havia dizer?
O fogo ó pé da estopa
Tudo havia d’arder.

238.
Ai, ai,
Sol divino,
Tudo quanto ganhas,
E nan ganhas
É p’ra vinho.

239.
Amigo, amigo,
De longe te mandê um figo,
Nan te vi, comi-o.

240.
Minha casa, minha casinha;
Merd… par’à senhora Rainha.

241.
– É d’ouro,
Do que mij’ó touro.
– É de prata,
Da que mij’á gata.

242.
Nan sê que faça,
Se migas, se papas.

243.
– O que dizes ó tempo?
– Nan chove nem faz vento.

244.
’Stou mais calado
Qu’o toucinh’assado.

245.
Barum,a.
Mij’ázeite,
Cag’átum.

246.
Barum
Camisa lavada,
Remendo no c...

247.
– Maria Cachucha,
Com quem dormes tu?
– Durmo c’o gato,
Que m’arranha o c...

248.
Tenho ’ma galinha pintada
Que me põe três ovos ao dia,
Se ela me pusera quatro
Melhor conta me fazia.
Já me davam pelo bico
As rendas do sr. bispo.
Já me davam p’la cabeça
Uma menina abadessa.
Já me davam pela cristã
A renda do organista.
Já me davam pelas pernas
Umas meias amarelas.
Já me davam pelo papo
Uma onça de tabaco.
Já me davam p’lo pescoço
Um cavalo com seu moço.
Já me davam pelas unhas
Uma caixinha d’agulhas.
Já me davam pelas tripas
Duzentas varas de fitas.
Já me davam pelas asas
Uma morada de casas.
Já me davam pelos pés
Uma caixinha de anéis.
Já me davam pelas penas
Duas meninas morenas.
Já me davam pelo c...
Um beijinho, dá-lho tu.
Galinha que tanto vale
Vai-se vender ao convento,
Freiras fora, frades dentro,
Xinca-a brinca por alma do gato.
(Vila do Cano.)

249.
a. Mané Ceguinho,
Foi ós agriões,
No meio do caminho,
Caíram-lh’os calções.
b. Mané Ceguinho
Foi às alabaças,
No meio do caminho
Caíram-lhe as calças.
c.Mané Ceguinho
Foi às cebolas,
No meio do caminhoa.
Caíram-lhe as ceroulas.

  • 145 Ignoro a que corresponde esta rima, e se está incompleta.

250.
a.Trás, trás, detrás da porta,b.
Trás, trás, detrás da arv’re
Trás, trás, vira-t’ó norte
Trás, trás, já ’stou virado (já me virei),
O luxo das camponesas,
É uma fita encarnada.145
(É lindo que eu bem o sei.)
b.Trás, trás, virat’ó norte,
Trás, trás, já ’stou virado,
O luxo das camponesas,
É o lencinho encarnado,
É o lencinho encarnado,
É o lenço carmesim,
Trás, trás, virat’ó norte,
Meu amor vira-t’a mim.

251.
a. Tum, tum, vá lavar a bota,
Tum, tum, lav’á bem lavada,
Tum, tum, mete-a na panela,
Tum, tum, esfreg’a bem esfregada.
b. Quim, quim, vai lavar a couve,
Quim, quim, mete-a na panela,
Quim, quim, faz os caracóis,
Quim, quim, põe-te à janela.

252.
– Ó senhora vezinha
Dá-m’uma pinga d’água,
Numa vazilha,
Bem asseada,
Bem lavada,
Bem ’sfregada?
– Dou, sim senhora,
Aqui tem esta bilha,
Que vai p’rá vila
Com lête,
Que vem da vila,
Com azête,
À noite mija-se nela,
Pode buber sem escrúp’lo dela.

Contos de burla

  • 146 Cf. Marin, Cant. pop. esp. n.° 63 e nota 20. O conto de la buena pipa, de que se fala nesta nota, t (...)

253.
a. Era uma vez,
Um gato mátez,
Ássa-lh’a perna,b.
Bebe-lhe a vez,
Quer que lho conte outra vez, 146
Senhora Dona Inês?
b.Era uma vez
Um gato maltês
Alça-lh’a perna,
Bebe-lh’a vez,
Bebe-lh’a tu,
Qu’és mais cortês
Quer que lho cont’outra vez?

254.
a.Era uma vez
Um rê e um bispo,
Saco de palha,
Nan sê mais qu’isto.
b. Era uma vez
Um bispo e um rê,
Saco de palha,
Más qu’isto não sê.

255.
Era uma vez
Um rê muito gordo,
Pôs-s’à janela,
Borrou-se todo.

256.
Era uma vez
Um rê e um roque,
Deram um p... tão forte!

  • 147 Cf. J. Vieira de Andrade, Trad. Pop. da Província do Douro, in Aurora do Cávado.

257.
Era uma vez
Um porco montês,
Alça-lh’a perna,
Bebe-lh’a vez.147

258.
Era uma vez um rê,
Tinha três filhas,
Meteu-as numa canastra,
E isto basta.

259.
Era uma vez uma cabrinha,
Ia por um juncai abáxo
Picou-lhe um junco no c...
Deu um p…, mam’ó tu.

260.
Eu tive uma vaquinha,
Chamada Vitória,
Morrê a vaquinha,
Acabou-s’a história.

261.
Era uma vez
Uma velhinha,
Que mijava
Numa panelinha,
E dizia:
– Tome lá
Sôra vezinha,
Qu’é caldo
de galinha.

Facécias e romances

  • 148 «Era uma vez uma velhinha e encontrou um gato, e o gato disse-lhe: Agora como-te. Não me comas , di (...)
  • 149 «Era uma vez dois velhinhos, que estavam sentados num outeirinho ao sol. O mais velhinho deu um pei (...)

262.
– Cabacinha,
Viste p’raí ’ma velhinha?
– Nem velhinha, nem velhão,
Corre, corre, cabacinha,
Corre, corre, cabação,
Nem velhinha, nem velhão.148
263.

Esse pêdinho é cortês,
Nascê dia de São Mames,
Baptizou-o o Papa,
Pôs-lh’o nome de rapa,
Garganta tú ó apanha,
Livr’á minha e mama.149

264. O sapo e a cotovia

– Adonde vais, Dom Sancho?

– Vou à varge passear.

– Antão tamen eu vou.

26– Pôs se queres vir, vem.

  • 150 Cegonha.
  • 151 Pernas grandes.

27– Vê se vem lá a dona esfrontana150 das pernas rontêlhas,151, que t’agarra e que te leva.

28– Já lá tenho ido munta vez e inda lá não a vi.

29Ó depois foi Dom Sancho à varge passear com a cotovia. Vem lá a dona esfrontana das pernas rontêlhas, agarrou Dom Sancho e foi-s’embora. Agora responde-lh’ela:

30– Antão adonde vais, Dom Sancho?

31– Vou porque me levam, preso por esta delicada Centura.

32– Triste de mim, coitada,

33Que fico viúva e pejada.

34– Tenho munta honra nisso,

35Cavalêro, tocador e guitarro,

36E todos os enstrumentos reais,

37Quá!

  • 152 «Era uma vez uma mulher muito preguiçosa, e levou-lhe o marido para casa linho para fiar. De dia nã (...)

265.
a.Minha guardadora
Dos domingos e dias de festa,
Depois de morta,
Vais c’o c... pela giesta.
b.Anda minha guardadora
Dos domingos e dias de festa,
Q’agora se te vai vendo
O c... pela giesta152

  • 153 «Era uma vez uma mulher muito preguiçosa e era casada; vinha o marido para casa e não achava nada f (...)

266.
Maçarocas ou caniço,
Marido, já lá vão cinco.
Ora aqui têm, senhores,
O qu’a minha mulher fez,
O fiado dum ano
E o c... dum mês.153

  • 154 «Era um galego que veio da Beira p’rá ceifa e deixou a mulher entregue ó abade, sem filho nenhum, n (...)

267.
Março, Margaço e o mês de Março,
Abril, Manguil e o mês que há-de vir,
154
Maio, Mamaio e o mês de Maio.

  • 155 Cf. o n.° 179 dos Cant. pop. esp. de Marin.

268.
Diz o galo,
P’rá galinha:
– Quando casaremos
A nossa filhinha?
Casaremos,
Ou nan casaremos?
Agor’ó noivo
Dond’o arranjaremos?
Salt’ó gato,
Do sê mural:
E ’sto o
–uupront
P’ra m’ir casar.
– Agor’ó noivo
Já nós cá temos,
Agor’á madrinha
Dond’arranjaremos?
Salt’á cobra
Da sua casinha:
– Eu ’stou pronta
P’ra ser madrinha.
– Agor’á madrinha
Já nós cá temos,
Agor’ó padrinho
Dond’o arranjaremos?
Salt’ó rato
Do sê buraquinho:
– Eu ’stou pronto?
P’ra ser padrinho.
– Agor’ó padrinho
Já nós cá temos,
Agor’ó padre
Dond’o arranjaremos?
Salt’ó escravelho
Do sê escravelhar:
– Eu ’stou pronto
P’rós ir casar.
– Agor’ó padre
Já nós cá temos,
Agor’ó chibo
Dond’o arranjaremos?
Salt’ó lobo
Do sê lobal:
– Eu ’stou pronto
P’ró chibo dar.
– Agor’ó chibo
Já nós cá temos,
Agor’ó vinho
Dond’o arranjaremos?
Salt’ó mosquito
Do seu mosquital:
– Eu ’stou pronto
P’ró vinho dar.
– Agor’ó vinho
Já nós cá temos,
Agor’ó trigo
Dond’o arranjaremos?
Salt’ó pardal
Do seu ninho s’tar:
– Eu ’stou pronto
P’ró trigo dar.
Acabou-s’a boda
Com tal desatino,
Veio o noivo
Ingoli-o padrinho155

  • 156 Cf. R. Marin, Cant. pop. esp. n.° 202 e nota.

269.
Ó senhores,
Aqui ’stá o gato,
Que pap’ó rato,
Que roi o cebo,
Qu’unta a corda
Qu’amarr’á bota,
Qu’o vinho leva,a.
Qu’o vinho bota
À Ribêra Mota;
Más forte é o cão,
Que morde no gato,
Quepap’órato,
Que roi o cebo,
Etc., etc., etc.
À Ribêra mota;
Más forte é o pau,
Que bate no cão,
Que morde no gato,
Etc., etc., etc.,
À Ribêra Mota;
Más forte é o lume,b.
Que quêm’ó pau,
Que bate no cão,
Etc., etc., etc.
À Ribêra Mota;
Mais forte é a água,
Qu’apag’ó lume,
Que quêm’ó pau,
Etc., etc., etc.
À Ribêra Mota;
Más forte é o boi,
Que beb’a água,
Que apag’ó lume.
Etc. etc., etc.
À Ribêra Mota;
Más forte é a faca,
Que mat’ó boi,
Que beb’a água,
Etc., etc., etc.
À Ribêra Mota;
Más forte é o ferro,
Que faz a faca,
Que mat’ó boi,
Que beb’a água,
Qu’apag’ó lume,
Que queim’ó pau,
Que bate no cão,
Que morde no gato,
Que pap’ó rato,
Que roi o cebo,
Qu’amarr’á bota,
Qu’o vinho leva,
E qu’o vinho bota,
Á Ribêra Mota.156

270.
Chigou à janela,
Só p’ra ver quem vi,
Vinha uma saloia,
Pela rua acima,
C’um d’ovos
acesta,
E a galinh’ em cima,
O maroto do galo,
O esporão que tinha,
Só duma bicada,
Nascê uma franguinha,
Ó voltar da rua,
Ó virar da esquina,
Caiu a saloia,
Fugiu a franguinha.
As mulheres do monte
Quando vão à vila,
Levam cestos d’ovos,
Galinhas em cima,
Ao passar da ponte,
Caiu-lhe a cestinha,
Quebraram-se os ovos,
Fugiu a galinha.
Chegou ó outerinho,
Pira, pira, pira,
Quanto mais chamava
Mais ela fugia.

271.
Uma velha,
Muito escamada,
Veio da rua,
A mijar à escada.
Quanto mais
A velha barria,
Mais as batatas
No c... lhe batia.
E a velha
Assentada no muro,
Tremia-lh’o c...,
Com’ó figo maduro.
E a velhinha a barrer,
E as batatas
No c... a bater.
E a velha tinha um gato,
Debáxo da cam’ó tinha,
E o gato miava,
E o cão ladrava,
E o burro zurrava,
E a velha dizia:
Más raivas te partam,
Más o bem que t’eu qu’ria.

  • 157 A parte que começa no verso 11 não pertence ao mesmo romance, sendo uma variante incompleta do n.° (...)

272.
a.Estando lo sinhor D. Gato,
Na sua cadêra sentau,
Com sua mêa de seda,
Seu sapatinho virau,
Recebeu uma notícia,
Que estava para casau,
C’uma gatinha morena,
Que não tinha dom nem rabo.
b.Estando o senhor D. Gato
Na sua cadeira sentau,
Calçando meia de seda,
E seu sapatinho virau,
Sua cassaca vestida,
Seu chapeuzinho embicau,
Cartas novas lhe vieram
Que havia de ser casau,
C’uma gatinha morena,
Que tinha o dote no rabo.
– O padrinho donde o veremos?
Saltou o ratinho do seu buraquinho:
– Que estava pronto para sê-lo padrinho.
– O padrinho já nós cá temos,
Agora a madrinha, donde a veremos?
Saltou a cobrinha da sua lapinha:
– Que estava pronta p’ra ser a madrinha.
– A madrinha já nós cá temos,
Agora a amassadeira, donde a veremos?
Saltou a porca do seu porcal:
– Que está pronta p’ra ir amassar.
– A amassadeira já nós cá temos,
Agora a cozinheira, donde a veremos?
Saiu a raposa do seu raposal:
– Que estava pronta p’ra ir cozinhar.
– A cozinheira já nós cá temos,
Agora a carne onde a veremos?
Respondeu o carneiro do seu carneiral:
– Que estava pronto p’rá carne dar.
– A carne já nós cá temos,
Agora a lenha donde a veremos?
Responderam os burros, todos a zurrar:
– Que estavam prontos p’rá ir buscar.
– A lenha já nós cá temos,
Agora o tocador donde o veremos?
Respondeu o lagarto do seu lagartal:
– Que estava pronto p’ra ir tocar.
– O tocador já nós cá temos,
Agora o bailador donde o veremos?
Respondeu o sapo do seu sapal:
– Que estava pronto p’ra ir bailhar.
– O bailhador já nós cá temos,
Agora o enxoval donde o veremos?
Saltam as aranhas do seu aranhal:
– Que estavam prontas p’ró enxoval dar.
Canta a rã, baila o sapo,
Toca a viola o ladrão do lagarto.
Salt’ó gato e mam’ó padrinho
Xinca la brinca por alma del rato157

Notes

1 Originalmente publicado no Boletim da Sociedade de Geografia de Lisboa , 1883, 4.a Série, n.° 12, pp. 567-595.

2 As notas que acompanham as rimas coligidas pelo Sr. Pires pertencem a este colector; serão completadas nas que hão-de constituir a vi parte desta publicação.

3 Cantam, embalando as crianças. Cf. Leite de Vasconcelos, Trad. Pop. de Port., pp. 207-208.

4 Cf. Trad. Pop. de Port., de J. L. de Vasconcelos, p. 298.

5 Fazem olhar a criancinha para cima e batem-lhe levemente na barba. Cf. Rodrigues Marin, Cant. pop. españ., n.° 42 e respectiva nota.

6 A criancinha deve bater com o índex da mão direita no côncavo da esquerda. Cf. os quatro primeiros versos do n.° 50 dos referidos Cantos.

7 Fazendo cavalgar a criancinha. Cf. Cant. de Marin, n.os 48 e 49.

8 Acariciando o rosto da criancinha. Cf. os mesmos Cant. n.os 44, 45 e 46 e respectiva nota.

9 Ensinando a criancinha a andar. Cf. os mesmos Cant., n.° 58, e Trad. Pop. de Port., de J. Leite de Vasconcelos, p. 239.

10 Cf. os quatro últimos versos do n.° 50 dos Cant. ref.

11 Cf. os mesmos Cant., n.° 60 e respectiva nota.

12 Nomes dos dedos. Cf. ibidem.

13 Baloiçando a criancinha sobre os joelhos. Cf. os n.os 52, 53 e 54 dos refridos Cant. Também cantam as crianças esta rima, fazendo uma serra com a linha de meia, prendendo-a nos dentes e mãos.

14 Diálogo dos dedos. Cf. o n.° 62 dos Cant. ref. e respectiva nota.

15 Dizem as crianças, dando as mãos, firmando os pés e baloiçando-se.

16 Cf. Teófilo Braga, Jog. Pop. e Inf., in Era Nova, p. 354.

17 As fórmulas 14 e 15 são eliminativas. As crianças sentam-se em roda, juntando as mãos estendidas, sobre as quais passam a mão de uma que diz a fórmula; ao dizer o último verso aquela em cuja mão ela toca, retira-a. Cf. Cant. de Marin, n.° 74 e nota.

18 Ampliação do jogo antecedente. Quando a directora diz: «Teu-biscoito», encolhem as mãos no seio. Tendo todas as mãos recolhidas, uma deita a cabeça no colo da directora, e esta bate-lhe nas costas e principia o diálogo. Quando diz: Deixe ver se está quente?, a outra levanta a cabeça e apresenta a mão que tira do seio. A directoraprova os dedos e diz a segunda rima: «Os dedos que não prestam são palmatoadas que dá.–»

19 Cf. Adolfo Coelho, Zeitschr. f. rom. Philog., p. 197; Teófilo Braga, Jog. Pop. e Inf, in Era Nova, p. 355; e R. Marin, Cant. Pop. españ., n.° 71.

20 As crianças põem-se de cócoras e começam o diálogo; quando dizem o final da rima mudam de lugar. Cf. Teófilo Braga, p. 350, in Era Nova.

21 A mão em que coincide orelhinha vai segurar a orelha da criança que fica ao lado, e depois de todas as mãos se levantarem e estarem segurando as orelhas umas das outras crianças, repetem estas a lengalenga bamboleando-se.

22 No Jogo dos Cantinhos. Cf. o n.° 238 dos Cant. de Marin.

23 Cf. n.° 163 dos Cant. referidos.

24 Cf. Teófilo Braga, in Era Nova, p. 349.

25 Fórmula eliminativa do Jogo das Escondidas. Cf. Teófilo Braga, obra citada, p. 354.

26 No Jogo da Cabra Cega. Cf. o n.° 229 dos referidos Cant. e respectiva nota, e J. Leite de Vasconcelos, Trad. Pop. de Port., p. 481.

27 Cf. Cant. de Marin n.os 226 e 227 e nota; Teófilo Braga, in Era Nova, p. 351.

28 As crianças vão passando a chavinha de mão em mão e dizendo a rima. A que ri perde prenda.

29 Teófilo Braga, obra citada, p. 360, e R. Marin, Cant, n.° 75 e nota.

30 Cf. Teófilo Braga, in Era Nova, p. 253.

31 Cf. o n.° 81 dos Cant. de Marin.

32 No jogo do Esconde-Esconde. Reunido qualquer número de rapazes, o director do jogo diz a primeira parlenda apontando a cada palavra um deles. Aquele a quem toca o esconde-te, afasta-se, e assim sucessivamente até ficar um só. Este deita a cabeça entre as pernas do director, e o director tapa-lhe os olhos com as mãos e pergunta-lhe: Aonde está F… (qualquer dos rapazes). Se ele aponta o sítio onde está, não tem pena’, se não aponta, tem de ir buscá-lo a cavalo (ou às cavalitas) até ao lugar do jogo. Vindo aí, diz o que está a cavalo a segunda parlenda, pondo as mãos ou em cruz ou em tacho e enquanto o outro não adivinha anda a cavalo. Cf. o n.° 81 dos Cant. de Marin e nota 41. Cf. Teófilo Braga, Jog. Pop. e Inf., in Era Nova, pp. 347-348. Cf. os n.os 230, 231 e 232 dos Cant. de Marin e nota, in fine.

33 As crianças sentam-se em roda com as mãos aproximadas. Quando têm as mãos recolhidas dá a directora os beliscos a uma na testa e a outra no estômago, e diz a segunda parte da lengalenga. Se a criança responde maçã, faz-lhe cócegas na garganta; se responde bolo, cócegas nos sovacos. Cf. Teófilo Braga, in Era Nova, p. 349.

34 No Jogo do Grilo. «Os rapazes colocam-se em cordão. Fica um de fora e diz ao primeiro os primeiros versos. Este responde-lhe com os segundos. Ele vai por um dos lados, e o que está no fim do cordão foge pelo outro, e vem colocar-se adiante. Como não o apanhou no lugar, vem de novo perguntar. O que se escapou, que ficou sendo o primeiro no cordão, responde-lhe; e assim segue. Se o que deve fugir é apanhado, toma-lhe o lugar o que está de fora, indo perguntar em vez dele.»

35 Jogo de meninas, que têm todas um raminho na mão; a primeira diz a rima, e, em segredo, o nome de uma pessoa ao ouvido da que lhe fica ao lado, e assim vai correndo a roda. Repete-se isto três vezes. Depois pergunta à que primeiro deu o raminho: Qual das três que lhe dei quer para a descalçar? Responde ela, em voz alta, F... – E para a despir? F… – E para dormir? F…
E assim continua o jogo.

36 Os rapazes formam roda, dando as mãos. O director anda de fora com o barrete na mão e dizendo a parlenda. Quando diz: P’rá botica, faz que deixa cair o barrete; por fim deixa-a cair. O rapaz que o apanha corre sobre ele (que lhe foge, andando à roda) e estabelece o diálogo. Quando o director responde: P’ró teu focinho, mete-se na roda, o outro fica de fora e continua o jogo, que se denomina «Belo barrete».

37 No Jogo do Luar. O director apanha uma pedrinha e apresenta as mãos fechadas. O rapaz que acerta na mão em que está a pedrinha, fica com ela e vai p’ró luar, os outros ficam no escuro e provocam-no avançando para ele e cantando a rima. O que está no luar não pode atravessar a linha, os que estão na sombra podem. Mas se o do luar, na luta, apanha algum, esse fica em seu lugar, o elo vem p’rá sombra e continua o jogo.

38 Todos os rapazes em roda, e o presidente vai apontando cada um a cada palavra, e eles vão-se embora. O presidente e o último, a quem coube as bimbas, correm atrás de todos; o que agarra algum, vem a cavalo até ao sítio do jogo. Os que puderam escapar, chegam ao sitio do jogo e cospem.

39 Os dois rapazes mais altos do bando formam arco com os braços. Os outros vêm em cordão, dando as mãos, e o primeiro do cordão estabelece o diálogo. Passam pelo arco três vezes. A quarta vez dificultam-lhes a passagem, baixando os braços que formam o arco e batendo-lhes. Se se rompe o cordão, os que não passaram têm castigo.

40 Quatro rapazes, dois a cavalo nos outros dois e a certa distância. Um, dos que está a cavalo, diz os primeiros versos; o outro responde com os segundos, atirando-lhe com o chapéu. Aquele deve apanhá-lo no ar; se o deixa cair passa a ser montado pelo que monta, e continua o jogo atirando este com o chapéu.

41 No jogo do gamão.

42 No jogo de vasa.

43 No jogo de vasa.

44 Jogo do Chica la fava. Quatro rapazes, um com a cabeça arrumada à parede e curvado, e outro com a cabeça sobre as nádegas desse. Os outros dois dizem a parlenda e saltam para cima deles. Se os montaram bem, aí permanecem até que os debaixo digam: Á la mosca; se montaram mal (isto é, se tocaram com qualquer dos pés no chão, ao montar) servem de cavalo aos outros.

45 No Jogo do Apanha Galegos. Um apanha uma pedrinha e faz como no Jogo do Luar (n.° 48): o que acerta recebe a pedrinha e fica em praça a apanhar os outros, que lhe fogem dizendo a rima. Quando agarrar algum, fica no seu lugar.

46 No Jogo das Cavalheiritas.

47 Uma das crianças põe-se a cavalo na outra, e esta segura-a pelos braços, e, concluído o diálogo, lança-a fora.

48 No Jogo dos Mouros. Os rapazes estão em fileira, com as mãos dadas, ficando os dois mais velhos nas extremidades. O diálogo é estabelecido entre estes dois, e transmitidos os versos em segredo, de uma a outra extremidade. Por fim gritam ambos: Morram os mouros, e todos se deitam de costas, excepto eles, que vão levantá-los um por um; o que não se levanta muito direito tem castigo.

49 Os rapazes estão em volta de uma parede, fazendo semicírculo. O que faz de São Bartolomeu está encostado à parede, com os olhos tapados com a mão do director, com o braço direito estendido e a mão aberta. Um dos da roda dá-lhe uma palmada e faz-lhe depois o director a pergunta da parlenda. Se ele adivinha, passa o que lhe deu a servir de São Bartolomeu. Se não adivinha, carrega a cavalo com aquele que indicou, dizendo-lhe o director: «Leve para lá que é cevada», e depois fazendo-o voltar: «Traga para cá que é farelo.» Voltando, dá cavalo a outro que escolhe. Se não é o que lhe deu a palmada, continua o director: «Leve para lá que é trigo, traga para cá que é farelo.» Voltando, escolhe outro, e se não acerta: «Leve para lá que é lenha, traga para cá que é carvão». Quando acerta diz então o director: «Deixe ficar que é farinha». E recomeça o jogo. – Cf. Teófilo Braga, in Era Nova, p. 351.

50 No Jogo do Pé-Coxinho. Todos os rapazes põem os chapéus em correnteza, de distância em distância, e o primeiro há-de saltar ao pé-coxinho um por um, duas vezes, e depois anda à roda com o pé no ar até vir à ponta donde está o chapéu dele e agarrou-o. Se ele pisa um dos chapéus passa o chapéu dele para diante e é o último. Depois de se tirarem os chapéus todos, o último que fica, ao dono desse tapam-lhe os olhos, e vão-no esconder (o chapéu); depois dele escondido mandam-no à pergunta dele. Andando perto do chapéu, dizem os outros rapazes a primeira rima. Andando distante dizem a segunda.

51 Um dos rapazes coloca a cabeça entre as pernas do director, e este diz os versos. Quando diz o segundo, bate-lhe nas costas, assim como todos os rapazes que jogam. Quando diz o terceiro não se bate, e o que se engana tem pena (perde prenda). Quando diz o sexto dão-lhe todos beliscos. E quando diz o sétimo, o que está levando, lança-se aos outros rapazes, e aquele que apanha vai para o sacrifício, e continua o jogo.

52 No Jogo do Ala Mula. Cf. os n.os 243, 244 e 245 dos Cant. de Marin e respectiva nota.

53 Quando os rapazes estão a brincar, e diz um (por ex.:): Dou-te um murro, responde o outro a rir: Almas santas, almas santas. Cf. Teófilo Braga, in Era Nova, p. 355.

54 No Jogo do Barquinho (ou do Navio). As meninas sentam-se, fazendo roda, e a directora atira com um lenço (ou qualquer objecto) para o colo da que lhe fica a um dos lados, e diz: – «Aí vai o barquinho / Carregado de? – A que recebeu o barquinho deve, sem a menor demora, responder com qualquer substantivo que comece pela letra A; depois procede pela mesma maneira que a directora, para com a menina que está ao seu lado. Correndo assim a roda, e chegando o barquinho ao colo da directora, o substantivo começa então pela letra B; e assim continua o jogo até à letra Z. Perde-se prenda logo que se não responde imediatamente ou se responde com substantivo que comece com letra diferente da que a directora indicou.

55 Põem-se dois rapazes, um de cada lado, dizendo a rima; jogam murros no ar para apanharem com algum o rapaz que teve por pena passar entre eles.

56 O que tem de ser castigado coloca-se no meio dos outros rapazes, e estes dão grandes gritos, aproximando-se-lhe dos ouvidos.

57 Repelões nas cabeças.

58 Ao passar o rapaz que é castigado, urinam-lhe em cima.

59 Cf. Trad. Pop. de Port. de J. Leite de Vasconcelos, p. 186, e Teófilo Braga, in Era Nova, p. 358.

60 Cf. o n.° 100 dos Cant. de Marin.

61 Incompleto. [Estes versos pertencem a uma dança, que será descrita nas notas finais; conquanto sejam particularmente de adultos, cabem aqui bem pelo género. F. A. C.]

62 Cf. nota 52 das Rim. Inf. dos Cont. de Marin.

63 Cf. R. Marin, Rim. e Jog. Inf., nota 52.

64 Cf. nota 52 das Rim. Inf. dos Cant. de Marin.

65 Cf. nota 52 das Rim. Inf. dos Cant. de Marin.

66 Imitação do toque do tambor. Cf. Teófilo Braga, in Era Nova, p. 361.

67 Cf. o n.° 121 dos Cant. de R. Marin.

68 Diálogo dos gatos nos telhados, «no tempo do aluio».

69 Diálogo dos gatos nos telhados.

70 Diz a galinha quando cacareja.

71 Responde o galo.

72 As rãs vêm ao cimo da água e estabelecem aquele diálogo.

73 Cf. Teófilo Braga, in Era Nova, p. 351, e R. Marin, Cont. n.° 119.

74 Diz-se à mantis religiosa. Cf. J. Leite de Vasconcelos, Trad. Pop. de Port., p. 135.

75 Cf. Trad. Pop. de Port. de J. Leite de Vasconcelos, p. 189.

76 Dizem os rapazes: «em encontrando algum escaravelho numa posta (bosta) de boi, e eles os escaravelhos, avôam.»

77 Diz-se à coccinella septempunctata. Cf. o n.° 106 dos Cant. de Marin, e Trad. Pop. de Port. de L. de Vasconcelos, p. 136.

78 Cf. notas 101 e 102 das Rim. Inf. nos Cant. de Marin.

79 Cf. notas referidas.

80 Dizem quando alguém passeia pelas casas.

81 Cf. notas referidas.

82 Cf. notas referidas.

83 Cf. notas referidas.

84 Cf. J. Leite de Vasconcelos, Anuário das Trad. Pop. (de 1882), p. 67.

85 Cf. J. Leite de Vasconcelos, Trad. Pop. de Port., p. 206.

86 Cf. J. Leite de Vasconcelos, Trad. Pop. de Port., p. 205.

87 Para se livrarem do soluço.

88 Cf. J. Leite de Vasconcelos, Anuário para o Est. das Trad. Pop. (1882), p. 67.

89 Para o argueiro sair do olho.

90 Cf. nota 71 das Rim. Inf. nos Cant. de R. Marin.

91 Saudação à Lua. Cf. Leite de Vasconcelos, Trad. Pop. de Port., p. 21.

92 Saudação a quem chega e ao Sol. Cf. Leite de Vasconcelos, Trad. Pop. de Port., p. 10.

93 Cf. Leite de Vasconcelos, Trad. Pop. de Port., pp. 229 e segs.

94 Cf. n.° 112 dos Cant. de Marin, e Trad. Pop. de Port., de J. Leite de Vasconcelos, pp. 15-55.

95 Cf. Trad. Pop. de Port., de J. Leite de Vasconcelos, pp. 59-60.

96 Saudação ao vento.

97 Saudação à Lua.

98 Cf. Leite de Vasconcelos, Trad. Pop. de Port., p. 22.

99 Às estrelas cadentes. Cf. Leite de Vasconcelos. Trad. Pop. de Port., p. 31.

100 Na quinta-feira de Endoenças, dando as amêndoas.

101 Vide a nota da variante a.

102 Cf. R. Martin, Cant. pop. españ.; e Ad. Coelho, Rev. de Ethn., p. 49.

103 Dizem os rapazes convidando os companheiros a partirem com eles.

104 Batendo às portas no Entrudo.

105 Desfolhando um malmequer. Cf. Leite de Vasconcelos, Trad. Pop. de Port., p. 116.

106 Pela Quaresma, dando um ramo de alecrim ou de flores para obrigar a um presente de amêndoas em quinta-feira de Endoenças. Cf. Ad. Coelho, Rev. de Ethn., n.° 51 do Calend. Pop.

107 Quando se têm as oreilhas quentes estão a dizer mal da gente, e acostuma-se a dizer aquilo (a rima).

108 Cf. Ad. Coelho, Rev. de Ethn., p. 48, e R. Marin, Cont., n.° 158.

109 Batendo às portas no Entrudo.

110 Cf. nota ao n.° 151.

111 Quando as crianças pedem queijo às mães, respondem elas com essa rima.

112 Dizem os rapazes quando lhes pedem água.

113 Dizem ser o sinal da cruz do escrivão.

114 Dois namorados – ela vinha da fonte com a bilha à cabeça cheia de água, e ele com a grade de gradar trigo ao ombro. Pegaram a conversar pela manhã. Ele ia para o trabalho e ela tinha ido buscar água para casa. Tal foi a conversa que anoiteceu e ele diz a rima.

115 Quando os rapazes pedem pão às mães, respondem elas com essa rima.

116 Quando na conversação alguém pergunta: E depois?

117 Quando dizem: Deixe ver.

118 Quando os padrinhos nos baptizados não lançam aos rapazes amêndoas ou dinheiro. Cf. n.° 172 dos Cant. de Marin.

119 Idem, idem.

120 Oração que ensinaram a um rapaz que era parvo, dizendo-lhe que era o Padre-Nosso. E ele rezava-a todos os dias e salvou-se.

121 Cf. Leite de Vasconcelos, Trad. Pop. de Port., p. 252.

122 Dizem, por graça, quando oferecem alguma coisa.

123 Quando se diz em segredo qualquer coisa, exclamam, os que presenciam, a rima.

124 Dando um aperto de mão.

125 O calçado.

126 Cf. Trad. Pop. da Prov. do Douro, J. Vieira de Andrade, in Aurora do Cávado.

127 Dizem do rapaz que cortou o cabelo. Cf. Trad. Pop. de Port., de Leite de Vasconcelos, p. 254.

128 Quando se vê alguém defeituoso. Cf. Leite de Vasconcelos, Trad. Pop. de Port., p. 255.

129 Para a pipa (gaitinha), feita da cana da cevada, tocar bem.

130 Cf. n.° 151 dos Cant., de R. Marin.

131 Cf. J. Vieira de Andrade, Trad. Pop. do Douro, in Aurora do Cávado.

132 Cf. J. Vieira de Andrade, Trad. Pop. da Prov. do Douro, in Aurora do Cávado

133 Cf. Leite de Vasconcelos, Trad. Pop. de Port., p. 255.

134 Cf. J. Vieira de Andrade, Trad. Pop. da Prov. do Douro, in Aurora do Cávado.

135 . Diz-se quando na conversação alguém pergunta: E então?

136 Leite de Vasconcelos, Trad. Pop. de Port., pp. 271-272.

137 Cf. Teófilo Braga, in Era Nova, p. 360.

138 Cf. Teófilo Braga, in Era Nova, p. 360.

139 Cf. J. Vieira de Andrade, Trad. Pop. da Prov. do Douro, in Aurora do Cávado.

140 Pelo Entrudo.

141 Cf. Leite de Vasconcelos, Trad. Pop. de Port., p. 128.

142 Cf. Leite de Vasconcelos, Trad. Pop. de Port., p. 129.

143 Sermão de um aprendiz de clérigo.

144 Cf. o n.° 167 dos Cant. de R. Marin.

145 Ignoro a que corresponde esta rima, e se está incompleta.

146 Cf. Marin, Cant. pop. esp. n.° 63 e nota 20. O conto de la buena pipa, de que se fala nesta nota, tem o seu correspondente em português. Chama-se no Alentejo o Conto de João das Favas, que nunca se acaba, Cf. Leite de Vasconcelos, Trad. Pop. de Port., p. 171.

147 Cf. J. Vieira de Andrade, Trad. Pop. da Província do Douro, in Aurora do Cávado.

148 «Era uma vez uma velhinha e encontrou um gato, e o gato disse-lhe: Agora como-te. Não me comas , disse a velhinha, logo venho mais gordinha. Foi mais para diante e encontrou um medo, e o medo disse-lhe: Agora como-te. – Não me comas, logo venho mais gordinha. Foi mais para diante e encontrou um diabo: Agora como-te. – Não me comas, logo venho mais gordinha. Chegou lá a casa e disse: Estão p’raí uns diabos que me querem comer. – Meta-se nesta cabacinha, que eu a deito à arrolar. A cabacinha rolou. Ia rolando e encontrou o diabo, e o diabo disse-lhe: Cabacinha, / Viste p’raí uma velhinha. E a cabacinha disse-lhes: Nem velhinha, nem velhão, / Corre, corre, cabacinha, / Corre, corre, cabação, / Nem velhinha, nem velhão. Foi mais para diante e encontrou o medo, e o medo disse-lhe: Cabacinha, etc. E a cabacinha disse-lhe: Nem velhinha, etc. Foi mais para diante e encontrou o gato, e o gato disse-lhe: Cabacinha, etc. E a cabacinha disse-lhe: Nem velhinha, etc... A cabacinha rolou. Depois estava ali uma pedra e a cabacinha quebrou-se, e foram todos a mamá-la.» (Relatado por uma criança de dez anos).

149 «Era uma vez dois velhinhos, que estavam sentados num outeirinho ao sol. O mais velhinho deu um peidinho, depois disse o outro (a rima).»

150 Cegonha.

151 Pernas grandes.

152 «Era uma vez uma mulher muito preguiçosa, e levou-lhe o marido para casa linho para fiar. De dia não fazia nada e à noite, quando o marido chegava, punha-se com a roca a fazer que fiava, e dizia para o marido: ‘Maçarocas ou caniço, / Marido, já lá vão cinco.’ Ao fim dum ano perguntou o marido se tinha o linho fiado. Tinha apenas uma maçaroca. E depois ele mandou-lhe que deitasse para dentro de uma tarefa o que ela obrasse durante um mês. No fim do mês põe a tarefa a um canto e a maçaroca espetada num foeiro, e a mulher assentada dentro do carro, e foi pelas ruas todas da cidade, apregoando: ‘Ora aqui têm, senhores, / O que a minha mulher fez, / O fiado dum ano / E o ca... dum mês.»

153 «Era uma vez uma mulher muito preguiçosa e era casada; vinha o marido para casa e não achava nada feito, nem comida, nem roupa lavada. Dizia-lhe o marido: ‘Então, mulher, não fizeste nada?’ ‘Não, que hoje é domingo de Nosso Senhor, não se trabalha.’ Vinha a segunda-feira e dizia-lhe o marido: ‘Então, mulher, também hoje não fizeste nada?’ ‘Não, que hoje é segunda-feira das almas.’ Na terça respondia: ‘Não, que hoje é dia da Senhora Sant’Ana, não se trabalha.’ Vinha a quarta, o mesmo. ‘Não, que hoje é dia da Senhora do Carmo, não se trabalha.’ Vinha a quinta. ‘Quinta-feira do Santíssimo Sacramento? Deus me livre de trabalhar!’ Vinha a sexta. ‘Sexta-feira da paixão, quando Nosso Senhor morreu? Não trabalho!’ Vinha o sábado. ‘Sábado de Nossa Senhora, também não se trabalha.’ O marido foi sofrendo a cruz, e depois, quando ela morreu, mandou-a meter num carro, enrolou-a a uma pouca de giesta e foi pelas ruas todas da cidade, dizendo isto: ‘Minha guardadora / Dos domingos e dias de festa, / Depois de morta / Vais com o c... pela giesta.»

154 «Era um galego que veio da Beira p’rá ceifa e deixou a mulher entregue ó abade, sem filho nenhum, nem ocupada. Esteve cá três meses, e depois foi de cá e achou a mulher embaraçada, em vésperas de dar à luz; disse-lhe: – Ó mulher deixei-te liberta e acho-te agora com a barriga grande! O filho não é meu, mulher! – Pois é, meu marido, pois de quem há-de ser senão teu? Olha, tive Março, margaço e o mês de Março; Abril, manguil e o mês que há-de vir; o Maio, mamaio e o mês de Maio. São os nove meses, marido; ora mais conta tu lá bem. – Não, mulher, ainda não estou satisfeito, havemos de ir ao nosso abade a ver o que ele diz. Foram dali ao abade, e disse-lhe ele: – Saberá senhor abade que deixei a minha mulher forra, e agora acho-a desta boa maneira, e então saberá o senhor abade que não quero o filho, o filho não é meu, não o quero. – Ora pois bem, é a conta certa que diz a mulher. São os nove meses. É Março, margaço e o mês de Março; Abril, manguil e o mês que há-de vir; e Maio, mamaio e o mês de Maio. Mas vamos ao ponto. Vossemecê vai a uma feira e merca uma vaca, aquela vaca depois de estar nas suas mãos vem prenhada e tem um bezerro, ora parindo a sua vaca e tendo um bezerro, diga-me lá de quem é o bezerro, sim, diga-me lá de quem é o bezerro? – O bezerro é meu, senhor abade. – Então o filho que tem sua mulher também é seu. – É verdade, mulher, tens razão. O bezerro é meu, logo o filho também é meu. Tem razão, senhor abade, perdoe.»

155 Cf. o n.° 179 dos Cant. pop. esp. de Marin.

156 Cf. R. Marin, Cant. pop. esp. n.° 202 e nota.

157 A parte que começa no verso 11 não pertence ao mesmo romance, sendo uma variante incompleta do n.° 268.

© Etnográfica Press, 1993

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search