Version classiqueVersion mobile

Obra etnográfica (I)

 | 
Adolfo Coelho

I. Literatura popular

Ditados Tópicos de Portugal1

Texte intégral

  • 1 Originalmente publicado no Anuário para o Estudo das Tradições Populares Portuguesas, 1883, vol. i, (...)

I

1Hoje, que o estudo dos costumes e tradições populares vai achando um certo interesse entre nós, como o tem achado, em maior ou menor grau, nos outros países, depois que a importância desse estudo foi demonstrada, convém chamar a atenção dos investigadores para alguns dos pontos desse vasto campo, a que se tem dado menos atenção. Até hoje entre nós tem-se explorado: 1) a poesia popular; 2) as superstições; 3) os jogos infantis; 4) os enigmas populares; 5) os contos populares; 6) os provérbios, o ramo há mais tempo explorado das tradições portuguesas; 7) as lendas (em pequeno grau, e, em geral, mal). Indicaremos mais os seguintes objectos à exploração:

2A – 1) Alcunhas dadas aos habitantes de diferentes povoações; 2) ditos tradicionais e anedotas a respeito dos lugares e seus habitantes; 3) notícias de rivalidades entre habitantes de lugares vizinhos, ou mesmo habitantes de dois bairros.

3B – Gestos do povo.

4Vamos dar alguns exemplos. a) Os habitantes de Tomar chamam batoteiros aos do lugar de Pedreiro, e mantas-rotas aos de Carregueiros; os de Olhão não gostam que lhes chamem Meios. – Devem coligir-se as alusões, como: amigo de Peniche; seu criado Matias de Alverca; Porto, nariz torto; Coimbra, coisa linda; é de Braga, chama-se Lourenço; é como os da MeaIhada, o que dizem à noite, pela manhã não é nada; música de Cernache; órgãos de Souselas. Os da Lourinhã, como é sabido, passam injustamente como tipo de lorpas (João Fernandes da Lourinhã); em Celorico de Basto, essa qualidade é atribuída aos de Ermelo, de quem se contam muitas anedotas tradicionais em que figuram povoações de reputação semelhante nos outros países. Conta-se que os de Penajóia (Douro), que vivem do fruto das suas cerejas, quando vão com os burros carregados, no tempo da cereja, se encontram alguém que lhe perguntam de onde são, respondem com altivez: «Sou de Penajóia; a espada vai na burra!» Mas no Inverno respondem em tom lastimoso: «Sou de Pena-gia!» Conta-se uma anedota semelhante dos habitantes de um lugar da freguesia do Sobral. Em Lisboa muitas pessoas conhecem o apodo:

Os cães de Carnide,
Cadelas de Lumiar,
Acudi às de Benfica
Que se querem afogar.

5O padre Carvalho, na Corografia, fala do costume dos vereadores de Barcelos irem varrer a câmara de Guimarães, a) Vá bugiar! – Regateiras de Coimbra. – Figas. – Surriada. – Onze letras. – Sinal de não com o dedo.

6A rivalidade entre lugares pode ter origem étnica (ódios, por exemplo, entre os da serra e os da planície; já nas antigas tradições gregas, etc., entre os antigos habitantes e as colónias). Em Coimbra os do Bairro Baixo são tripeiros, os do Bairro Alto são salatinas. Pela Quaresma, uns e outros faziam misereres (procissões com o Senhor dos Passos), e quando dois misereres dos dois bairros se encontravam, punham-se os andores no chão e começava a pancadaria. O costume passou dos adultos para os rapazes. É impossível não ver neste costume um resto do antigo ódio entre os da vila e os do arrabalde.

7Há muita coisa neste género, cujo estudo lhe recomendo.

Notes

1 Originalmente publicado no Anuário para o Estudo das Tradições Populares Portuguesas, 1883, vol. i, pp. 47-49.

© Etnográfica Press, 1993

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search