Version classiqueVersion mobile

Obra etnográfica (I)

 | 
Adolfo Coelho

I. Literatura popular

Notas Mitológicas o Tangromangro e os Turanianos1

Texte intégral

  • 1 Originalmente publicado na revista Renascença, 1881, vol. i, pp. 165-167.

1Na Renascença, vol. i, p. 47, aproximamos uma fórmula para a cura dos bubões, publicada por Sauvé na Revue celtique, vol. III, p. 203, de outra que se acha em Marcelo Burdigalense, cap. 15 (J. Grimm, Klein. Schriften, vol. II, pp. 132-133); o redactor da Renascença, Joaquim de Araújo, disse-nos pouco depois que conhecia uma lengalenga do Minho que lhe parecia uma variante da velha fórmula e escreveu-a. Publicámos a fórmula minhota na Zeitschrift für romanischen Philologie de Gröber, vol. III, pp. 198-199; e notámos a semelhança com as fórmulas de Marcelo e Sauvé. Estas particularidades servem só para mostrar que Joaquim de Araújo foi o primeiro a notar a semelhança aludida. H. Gaidoz, o redactor da Revue celtique, escreveu-nos depois, dizendo-nos que achara outras variantes da fórmula. Como na versão portuguesa figura o tangromangro ficou ela sendo designada como fórmula do tangromangro e despertou já em torno de si uma pequena literatura. Consiglieri Pedroso publicou na Romania, Jan.-Abril, 1881, uma nova versão, e Teófilo Braga consagrou ao tangromangro um artigo recheado de erudição no jornal À Volta do Mundo, i, n.° 16, pp. 254-256, n.° 17, pp. 263-265 (Esboço de Mitologia Ibérica. O Tangromangro), que suscitou dois folhetins de J. Leite de Vasconcelos na Vanguarda, n.os 67 e 68 (ano II, Lisboa, 1881).

2A originalidade de Teófilo Braga em relação aos outros investigadores consiste em explicar o que seja tangromangro. Para ele a coisa era facílima; toda a gente sabe que o autor da História da Literatura Portuguesa e de tantas outras obras possui, além da mirífica disciplina mental e do impulso sugestivo, uma chave, uma gazua para abrir as portas de todos os problemas; é a sua famosa teoria turaniana, alimentada principalmente no humus fértil dos livros de Lenormant e Mezokovesd. Reduzida aos seus traços essenciais, eis em que consiste essa teoria: o povo turaniano foi o introdutor na península, e em geral na Europa, da civilização que se caracteriza principalmente pelo uso dos metais; na península, esse povo acha-se representado pelos bascos actuais; mas a sua influência considerável descobre-se a cada passo nas tradições populares da península. O que há de popular nas formas dos nossos velhos Cancioneiros, por exemplo, é de origem turaniana: basta para o provar pôr lado a lado uma pastorela do Cancioneiro da Vaticana, e um extracto do Chiking e dos textos acadianos, isto é, turanianos de Babilónia traduzidos por F. Lenormant. Assim este erudito francês diz-nos o seguinte:

3«Dans un recueil de proverbes rhythmés et de vielles chansons populaires accadiennes, nous avons ces deux couplets, qui devaient se chanter dans quelque fête rustique à laquelle on attribuait une heureuse influence sur le développement des récoltes:

4Le blé qui s’éleve droit, arrivera au terme de sa croissance prospère; le nombre (pour cela), nous le connaissons.

  • 2 La Magie chez les Chaldéens, Paris, 1874, 8.°

5Le blé de l’abondance, arrivera au terme de sa croissance prospère; le nombre (pour cela), nous le connaissons.»2

6Qual é a base do ritmo de que fala Lenormant? Os versos são rimados? Os acadianólogos ao que parece não no-lo dizem. Teófilo Braga sabe-o, porém, e os progressos da sua ciência na métrica acadiana notam-se da primeira tradução que deu daquele canto para a segunda.

7Primeira tradução:

  • 3 Parnaso Português Moderno, p. xxviii, Lisboa, 1877, 8.° Teófilo Braga traduz isto do livro de Lenor (...)

O trigo que se alevanta direito

O trigo da abundância

Chegará ao cabo do seu bom tamanho;

Chegará ao cabo do bom crescimento;

o segredo

o segredo

nós conhecêmo-lo.

nós conhecêmo-lo.3

8É este, observa Teófilo Braga, rigorosamente o tipo das Pastoreias provençais, italianas, galezianas, portuguesas e espanholas, dois versos assonantados com um estribilho sempre repetido. Vejamos um paradigma português :

Vayamos, irmana, vayamos dormir

Vayamos, irmana, vayamos folgar

nas ribas do lago, hu eu andar vi

nas ribas do lago, hu eu vi andar

a las aves meu amigo.

a las aves meu amigo.

9Segunda tradução:

  • 4 Cancioneiro Português da Vaticana, p. ci, Lisboa, 1878, 4.°

O trigo que direito cresce

O trigo que dá fartura

No fim dará boa messe;

Dará a boa cultura;

O segredo, nós sabêmo-lo!

O segredo, nós sabêmo-lo!4

10É evidente que a raça turaniana é essencialmente progressiva: em Lenormant contenta-se com cantos ritmados, na Antologia de Teófilo Braga, assonanta-os, no Cancioneiro da Vaticana, do mesmo autor, rima-os e fá-los inteiramente conformes aos tipos que reproduzem os poetas portugueses dos séculos xiii e xiv. Não é só nisso que se revelam os caracteres progressivos dos turanianos da Caldeia. Na p. ix do Cancioneiro da Vaticana diz Teófilo Braga que os hinos acadianos são de um gosto pastoril; mas dali até à p. ci os acadianos passam da vida pastoril à vida agrícola, pois o espécimen dado nessa página e acima reproduzido é um canto agrícola e não pastoril.

11Uma das coisas que mais nos aflige em relação a essa bela raça dos turanianos, a quem tanto devemos, é não sabermos bem quais as suas características físicas, glóticas e ainda outras, estando aliás tão bem informados em relação às suas formas poéticas, e outras peculiaridades da civilização que fundaram; o que se pode apurar de mais certo é que os turanianos eram uma raça camaleão, isto é, uma raça representando na espécie humana o mesmo papel, ou antes, os mesmos papéis que o camaleão representa entre os répteis. Efectivamente, os turanianos mudam de cor com grande facilidade, de página para página dos livros de Teófilo Braga.

  • 5 Para achar nas inscrições da península os nomes das divindades turanianas emprega-se o seguinte:
    R.
    e(...)

12Na p. x do Cancioneiro da Vaticana são de raça branca, constituem o chamado ramo alófilo, isto é, o conjunto de povos de raça branca, excluídos os indo-europeus e hamito-semitas. «Nas inscrições lapidares da Península encontram-se nomes de divindades5 que se acham também entre os povos do ramo alófilo do tronco branco, a que se tem dado o nome de turaniano, rejeitado por alguns filólogos.»

13Na. xxiv n. do Parnaso Português, os turanianos estão amarelos e vermelhos’. «Os mais severos filólogos rejeitam esta designação (de raça turaniana) quando aplicada para exprimir o grupo das línguas ouraloaltaicas; porém, como facto étnico, compreendendo sob o nome de turanianos os povos de cor amarela e vermelha, com analogias nas mesmas formas de civilização é uma descoberta indisputável, que derrama uma luz imensa sobre a história do Egipto, da Caldeia e da Ásia pré-védica, nas suas relações com a América.»

14Quando nós estamos todos satisfeitos por ver o turaniano-camaleão com as suas cores amarelas e cobreadas, eis que ele com a maior sem-cerimónia nos apresenta cambiantes, misturando-as com o branco. Este fenómeno notável realiza-se na p. xxix do Parnaso Português: «De facto o turaniano é uma raça mista da branca e amarela.»

15Compreende-se como não é fácil arrancar aos turanianos a verdade em relação às misturas, que eles operaram na África com outras raças.

16No Cancioneiro da Vaticana, p. x, diz-se que o ibero (basco) é o resultado da fusão do turaniano com grupos africanos da raça branca. «O gaulês (turaniano) invadiu a Europa Ocidental pela Ásia Menor ao longo da costa do Mediterrâneo, e o ibero (basco) isolou-se na península, vindo da Ásia através da África e do Egipto, como se deduz da sua dolichocefalia, que revela a fusão com grupos africanos da raça branca.» E na p. ci: «A proveniência do ramo ibérico ou cuskariano da península, atravessando a África, conhece-se não só pela língua como por uma certa dolichocefalia resultante da fusão com grupos africanos de raça branca.»

17Mas na p. xcix o ibero (basco) é o resultado da mistura do turaniano com o tipo negróide na África: «As migrações de tipo mongoloide ou brachicéfalo fazem-se pelo Norte da Europa, como se observa pelo elemento fínico e estoniano, pelo misto com as raças germânicas e pelo domínio do gaulês; e fazem-se também pelo Norte da África, onde receberam modificações fisiológicas do tipo negróide, como o elemento basco, e nas três grandes ilhas do Mediterrâneo.»

18Em relação à poesia turaniana há também algumas hesitações; assim na p. xxx do Parnaso os areitos dos tupis (turanianos) são cantos fúnebres, o mesmo que os aurustas (areito, aurusta ; é quase a mesma palavra) do Bearn, etc.; mas na página seguinte os areitos «são romances narrativos, ou cantos épicos em que se celebram os grandes feitos dos antepassados».

19Em relação à língua dos turanianos, é que nos achamos gravemente embaraçados, não sendo possível concluir das obras de Teófilo Braga nada que se condense numa fórmula tão clara como a de raça-camaleão ou semelhante; disto resulta sem dúvida o estarmos privados de uma comparação tão completa das línguas dos diversos povos turanianos como a que temos da poesia, etc. Entretanto, podemos consolar-nos com o que nos dá sobre a matéria o Sr. Hyde Clarke, doutíssimo inglês, que prova à evidência as relações do bundo com o etrusco, e o turanianismo de quase todas as línguas do mundo, com grande vergonha dos pseudoglotólogos que, de raiva, perguntam porque razão o Sr. Clarke não está em Bedlam.

20Ainda assim não faltam nas obras do autor da História da Literatura Portuguesa comparações de termos de diversas línguas, a que atribui origem turaniana, e essas comparações são muito instrutivas, como vamos ver por uma amostra:

21«A identificação dos gauleses com os Cimerianos leva-nos a aproximar os diferentes nomes de Cymri, Kimri-Kimmerü do nome de Sumir, um ramo turaniano da Ásia anterior. (Cancioneiro da Vaticana, p. c.)» Zeuss, o autor da Gramática Céltica, supunha ter demonstrado que Cymri estava por Combroges, composto de com e broges, significandn compatriotas; Cambria seria uma forma latinizada tirada da forma medieval do nome dos kymri (kymbri, kum-bro, etc.). Tudo erros crassos. Teófilo Braga diz-nos que em Cambria há a mesma raiz br, de origem semítica, que em Ibéria, Berber, Britânia, Breguês, Calábria, etc.; o semitismo dessa raiz é demonstrado completamente por nomes como Heber, tronco dos judeus e dos árabes, e Abraham, nome que os semitólogos na sua ignorância da lei Hauslab da persistência das consoantes supunham composto de ab e raham.

22Com a aplicação destes princípios e destes métodos não era difícil a explicação de tangromangro.

  • 6 La Science du langage, trad. fr. por Dietn, p. 124, v.
  • 7 Contra Max Müller receitamos Max Müller. Vid. os princípios de etimologia expostos pelo célebre ori (...)

23Max Müller6 reuniu os seguintes dados: a) Teng-ri em mongol significa céu, Deus do céu, por último espírito ou demónio, à boa ou má parte; b) em livros chineses diz-se que os Hunos chamavam os seus chefes tangli-kutu, o que na sua língua significava filho do céu, a que corresponde o chinês tient-tze, nome dado ao imperador da China; c) Tien em chinês é céu, Deus do céu e Deus em geral. Daí conclui Max Müller, estribando-se na sua teoria turaniana, caída em completo descrédito, que o tien chinês é o mesmo que tang-li dos Hunos e o teng-ri dos Mongóis, como se bastasse uma semelhança ou mesmo uma identidade de raiz e de significação para concluir a comunidade de origem desses nomes da divindade e ainda muito menos a comunidade de origem das línguas em que se acham.7

  • 8 Fica para outra ocasião tratar do acadio-turaniano, considerado por muitos investigadores como uma (...)

24Ora aí está clara e precisa a origem do nosso tangromangro. «Como se sabe, a religião dos Persas sofreu uma transformação no magismo pelo contacto dos Medas com as tribos turanianas; assim Dranga e Angro são derivados de algumas das formas turanianas de Tangri ou Tengri, e a divindade malévola dos persas Anromainius, isto é, o espírito que mata, e a que na península hispânica se conserva na tradição inconsciente do Tanglomango ou Tangromangro. (Teófilo Braga, À Volta do Mundo, i, 255.) Lenormant julga ter descoberto o nome dessa divindade turaniana (?) nos textos chamados acadianos, isto é, dos turanianos (?) de Babilónia.8

25«Nas inscrições cuneiformes de rochedo de Behistun», continua Teófilo Braga, «mandadas gravar por Dario, encontra-se esta mesma personificação do génio do mal na forma Dranga ‘a mentira’; esta forma explica-nos como a palavra Tanglomangro se liga ao nome mágico Angromainirus e ao mesmo tempo qual a origem e o valor talismânico do Trasgo, das superstições populares portuguesas de Trás-os-Montes, que personifica um vento destruidor (i. c.).» Para não restar dúvida a respeito dessa trapalhada etimológica, diz Teófilo Braga que o tangro se encontrou com as formas seguintes:

Em português

Trangolo-mango

» português

Tangromangro

» galego

Tangano-mangano

» castelhano

Tango-máo

» andaluz

Tango y mango

» italiano

Tanghero (Crusca)

» francês

Tangre (Froissart)

» lei sálica

Tangano

» tupi

Tangano

26Não conseguimos achar tangano nos glossários tupis que temos à mão; mas há tangromangro, tangoro-mangoro, no português do Brasil (À Volta do Mundo, i, 264). Fomos mais felizes na Lei sálica; lá está tanganare que Ducange-Henschel (s. v.), que nada percebe de divindades turanianas interpreta por interpellare, do mesmo modo que o tanganum da Lei ripuaria é ali dado com a significação ipsainterpellatio judiciaria. O velho Graff no seu Althochdeutsche Sprachschatz, v, 433, diz: Tanganare… contém por certo uma raiz germânica tang, e pode significar conjungere, convocare, concire, mallare. Cf. também ant. nors, tengjá jungere, anglos getenge, junctus, e ant. alt. alem, tangol, maleus, etc.

27O tangres do francês antigo é explicado no glossaire-fr. de Ducange-Henschel (vol. vii) inquiet. desireux ; cita-se ali «Kilian: Tangher, Alacer, gnavus». Diez liga fr. tangre ao med. alt. alem, zanger (z=t do ant. alt. alem.), da raiz tang de que fala Graff. Ainda pertence à série o italiano tanghero, que em qualquer dicionário se vê significar pessoa grosseira e rústica. O desenvolvimento das significações principais da raiz tang foi talvez como segue: agarrar, firmar, segurar firmemente, ligar, reunir; ser firme, teimoso, tenaz, rude, etc. O alemão mod. zange, tenazes, liga-se a esta raiz.

28Como se vê estamos por enquanto muito longe da divindade turaniana Tengri.

29Restam-nos as formas peninsulares.

30Tangano-mangano figura numa versão galega da fórmula do Tangromangro; por si só nada esclarece.

31Tango-máo não se acha no Dicionário da Academia Espanhola. Tango-máo figura nos nossos dicionários, mas evidentemente não há meio de o trazer à barra.

32Tango y mango figuram nuns versos que o povo canta a propósito de um monumento megalítico da Andaluzia, transcritos por Teófilo Braga de F. Tubino:

Jilaca, jilando
puso aqui este tango;
y Menga Mengal
lo volvió à quitar.

  • 9 Vid. Piñol, Dicionário Galego, s. v. Tagano.

33Teófilo Braga cita a locução galega «entrar ó tangano nel» entrar la ruina ó la muerte9, e as palavras de um escritor brasileiro: «Aqui no Brasil ainda dizem do que se furtar e levar a seu dono, que lhe deu o tângoro-mangoro.» Essas expressões são equivalentes à nossa de dar o tanglomangro ou tangromangro numa coisa ou em alguém, que significa perder-se, arruinar-se, corromper-se, adoecer, morrer.

34É em vão que se busca em qualquer parte da Península ou do resto da Europa um facto claro que nos permite ver em tangano, tangano-mangano, etc., o nome de uma entidade mítica como o Trasgo, que, seja dito de passagem, não é um mito de vento, como mostraremos em breve, e cuja etimologia foi dada por J. Grimm e Diez.

35Eis agora uma série de factos positivos:

36«Tángano – juego del tejo ó tello, en que se pone un hueso ó caña en el suelo y encima dinero, tirando cada jugador con una pella ó tejo redondo á dicha caña hasta conseguir derribarla, y gana el que pone el tejo mas cerca del dinero caido: ‘entrar ó tangano n’el’, entrar la ruina ó la muerte, etc.» Piñol, Dicionário Galego, s. v.

37«Tangueiro – el que agarra ó atrae las cosas hácia si, con gancho ó con la mano.» Ibid.

38«Tanguer – agarrar ó atraer algo con gancho ó con Ia mano, como la fruta de los árboles, etc., estimular al ganado.» Ibid.

39«Tángano – un juego entre dos ó más personas, que se ejecuta poniendo un hueso ó canto en el suelo, y encima un ochavo ó cuarto cada uno de los que juegan, los cuales tiran un ladrillo ó tejo desde parte determinada á derrivarlos, y los gana el que los pone mas cerca del tejo que tira – el hueso ó piedra que se pone pera el juego de este nombre.» Dicionario Acad. española, 2.a ed.

40«Tanganillo – palo, piedra ó cosa semejante que se pone para sostener y apoyar alguna cosa.» Ibid.

41«Tanganillas (en.) mod. adv. Con poca seguridad ó firmeza, à peligro de caerse.»

42Que se conclui dessas formas e definições? Evidentemente que essas palavras são, quanto ao tema fundamental ou raiz de origem germânica, ligando-se ao tang, agarrar, etc., de que acima nos ocupamos; tango é uma pedra, etc., que serve para fixar, segurar sobre si o dinheiro no jogo do mesmo nome; dar no tango a alguém é fazê-lo perder, daí, por exageração, arruiná-lo, etc. Do mesmo modo o termo do jogo do voltarete ir à casca se modificou em dar à casca, significando perder, arruinar-se, morrer. Nos versos andaluzes aludidos tango, designando a pedra longa levantada, fixa, ou menir, parece ligar-se ao tangano galego. Resta agora tentar a explicação do elemento mangro, mango, mangano, etc.

  • 10 Mangla f. ant. Tizon, enfermidad del trigo, cebada y otros granos, que consiste en convertir-se su (...)

43Tangromangro tem o carácter das formas e fórmulas como choldraboldra, tartamudo, songa monga, trouxe-mouxe, velho relho, lusque-fusque, viravolta, seco e peco, em que duas palavras se aproximam por uma relação de significação reunida a uma relação de som (aliteração, rima). Sucede algumas vezes nessas ligações que uma das palavras se modifica pela influência (assimilatória ou dissimilatória) da outra. É possível que o elemento mangano, manglo, mangalo, mangro, etc., seja o mesmo que a palavra portuguesa mangra, ant. espanhol mangla10. No Dic. de Morais acham-se as definições: Mangrar, fig. perder-se, definhar-se. Comprar grado e mangrado ; loc. fig. comprar alto e malo, bom e mau sem escolha; à carga cerrada.

44Fica para outra ocasião falar da fórmula do tangromangro, que como Joaquim de Araújo viu, se liga com efeito à fórmula de Marcelo Burdigalense e em que as irmãs, meninas ou freiras, como quer Teófilo Braga, tem uma significação mítica já determinada pelos especialistas alemães.

45(Lisboa, 5 de Outubro de 1881.)

Notes

1 Originalmente publicado na revista Renascença, 1881, vol. i, pp. 165-167.

2 La Magie chez les Chaldéens, Paris, 1874, 8.°

3 Parnaso Português Moderno, p. xxviii, Lisboa, 1877, 8.° Teófilo Braga traduz isto do livro de Lenormant, Les prémières civilisations, que não temos à mão, onde o texto diverge talvez um pouco do que damos acima. Cf. o que dizemos infra sobre as traduções do assiriólogo francês.

4 Cancioneiro Português da Vaticana, p. ci, Lisboa, 1878, 4.°

5 Para achar nas inscrições da península os nomes das divindades turanianas emprega-se o seguinte:
R.
e
Tire aos nomes das divindades, ou supostas tais, as letras incómodas e junte as que faltarem; cite Hauslab ou qualquer outro glótogo liliputiano e mande para tomar em pequenas doses.

6 La Science du langage, trad. fr. por Dietn, p. 124, v.

7 Contra Max Müller receitamos Max Müller. Vid. os princípios de etimologia expostos pelo célebre orientalista nas Lectures on the Science of Language, ii, letc. vi.

8 Fica para outra ocasião tratar do acadio-turaniano, considerado por muitos investigadores como uma mistificação científica, que ficará na história da ciência ao lado das interpretações do etrusco pelo feniciocéltico, das legendas das moedas antigas hispânicas pelo basco, etc.

9 Vid. Piñol, Dicionário Galego, s. v. Tagano.

10 Mangla f. ant. Tizon, enfermidad del trigo, cebada y otros granos, que consiste en convertir-se su sustancia farinacea en un polvillo negro. Dic. Acad hesp. Para a etimologia. Vid. Diez, s. v.

© Etnográfica Press, 1993

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search