Version classiqueVersion mobile

Obra etnográfica (I)

 | 
Adolfo Coelho

I. Literatura popular

Romances Populares e Rimas Infantis Portuguesas1

Texte intégral

  • 1 Originalmente publicado na revista Zeitschrift für Romanische Philologie, 1879, vol. iii, pp. 61 a (...)

1A maior parte das composições populares que aqui publico pertencem (como variantes, compreende-se) à província do Minho, a menos explorada de Portugal com relação à poesia popular. Todas foram colhidas por mim directamente da tradição viva, à excepção dos n.os iii b, xxiii, 2, que foram comunicadas por um amigo do Minho e de xxiii, i, que achou num ms. da Biblioteca Nacional de Lisboa, mas cujo carácter evidentemente popular me não fez hesitar em incluí-la nesta pequena colecção.

2Tendo à minha disposição um muito limitado número de colecções de cantos populares de outros países, abstenho-me de comparações que não podiam deixar de ser muito incompletas.

Romances

I. Donzela que vai à guerra

– Dai-me armas e cavalo,
Que eu serei filha varão.
– Tende-los olhos mui lindos
5 Filha; conhecer-vos-ão.
– Quando passar por a gente
Botarci-os para o chão.
– Tendes os ombros mui altos,
Filha; conhecer-vos-ão.
Filha; conhecer-vos-ão.

10 – Dai-me armas bem pesadas
Que eles descerão.
– Tende-las mãos muito lindas
– Metê-las-ei numas luvas,
15 Nunca delas sairão.
– Tende-lo pé pequenino,
Filha; conhecer-vos-ão.
– Meterei-os numas botas
Nunca delas sairão.
20
– Ó minha mãe, que eu morro.
Abafo do coração,
Que os olhos de D. Cales,
São de mulher, de homem não,
25 – Convida-o, meu filho, convida-o,
Para contigo passear,
Que se ela mulher for
Às flores se há-de atentar.
– Forte flor para uma dama,
30 Quem lha fora lá levar.
Forte cidrão é este
Para um homem cheirar.
– Ó minha mãe, eu morro,
Abafo do coração
35 Que os olhos de D. Cales
São de mulher, de homem não.
– Convida-o, meu filho, convida-o,
Para comigo feira,
Que se ela mulher for
40 Às fitas se há-de atentar.
– Forte fita para uma dama
Quem lha fosse lá levar;
Fortes alças e chapéus
Para um homem comprar.
45 – Ó minha mãe, que eu morro,
Abafo do coração,
Que os olhos de D. Cales
São de mulher, de homem não.
– Convida-o, meu filho, convida-o,
50 Para comigo nadar,
Que se ela for mulher,
Mil escusas te há-de dar.
– Adeus, que me vou embora,
Adeus, meu conde e senhor;
55 Há dois anos que o serve
Esta dona Leonor.
(Celorico de Basto.)
Cf. Braga, Rom., n.os 3, 4 e 5; Cantos, n.os 11 e 12 dos Romances.

II. O Conde da Alemanha

Com o Conde da Alemanha
Amores tem a Rainha;
Ao pai quer contar
A filha que o sabia
5 – «Escuta, minha filha,
Não o digas a teu pai,
Que o Conde d’Alemanha
De seda te há-de vestir.»
– «Não quero seda dele
10 Que os tenho de damasco;
Ainda tenho meu pai vivo
E já me quer dar padrasto.»
– «Ora venha, meu pai, venha,
Pelo corredor acima,
15 Que lhe tenho para contar
Uma nova maravilha.
Estando eu a coser
Na minha seda amarela,
Veio o Conde da Alemanha
20 Três fios me tirou dela.»
– «Ora deixa, minha filha,
Que ele é rapazinho novo,
Fá-lo-ia por brincar.»
25 – «Mal o haja os brincos dele,
Mais dele o seu brincar,
Que me pegou pela mão
À cama me quis levar.»
– «Ora deixa, minha filha,
30 Anda-me pôr o jantar,
Que amanhã às tantas horas,
Vê-lo ir a degolar.»
– «Saia fora, minha mãe,
À janela do quintal,
35 Verá o Conde da Alemanha
Que lá vai a degolar.»
– «Amaldiçoada filha,
Fora o leite que mamaste,
Pois um conde tão bonito
40 Tu a morte lhe causaste.»
– «Escute, escute, minha mãe,
Que a não ouçam na rua,
Pois a morte que ele leva
Que não vá causar a sua.»
(Celorico de Basto.)

3Cf. Teófilo Braga, Romanceiro Geral, n.os 29 e 30; Cantos Populares do Arquipélago Açoriano, n.° 10 dos Romances.

III. Infantina

  • 2 Erro grosseiro por cansado.
  • 3 Erro grosseiro por falcão.

Caçador que vai à caça
À caça vai vida minha;
Seu perro leva alcançado2,
Seu calvão3 perdido ia;
5 Viu estar uma senhora,
Viu estar uma donzela.
– «Que fazeis aqui, senhora?
Que fazeis aqui, donzela?»
– «Sete fadas me fadaram
10 No ventre duma mãe minha,
Por sete anos e um dia;
Ontem acabaram os anos,
Hoje se acaba o dia.»
– «Quereis vós, senhora donzela,
15 Voi na minha companhia?»
– «Copo donde eu bebesse
De repente estoiraria;
Prato donde eu comesse,
De repente quebraria;
20 Cavalo donde eu montasse,
De repente rebentaria.»
– «Cavalgai aqui, senhora,
Cavalgai aqui, donzela.»

25
– «De que vos rides, senhora?
De que vos rides, donzela?»
– «Rio-me de ti, cobarde,
E da tua cobardia;
30 Achaste-la nina no monte
E guardaste-lhe cortesia.»
– «Tornemos atrás, senhora,
Tornemos atrás, donzela;
Que a ’spora do meu cavalo
35 Lá no monte ficaria.»
– «Adiante, cavaleiro,
Qu’eu atrás não tornaria;
Se a espora era de prata,
Meu pai d’ouro lha daria
40 Qu’ele tem tanto dinheiro
Que às rasas o mediria.
Sou filha do rei de França,
Da rainha Constantina;
Minha mãe Dona Joana,
45 Minha avó Dona Maria.»
– «Ai pobre de mim coitado!
Triste de mim, que fazia!
Cuido que trago esposa
E trago uma mona minha!»
(Penafiel.)

Cf. Braga, Rom., n.os 10 e 11; Cantos, n.os 1, 2 e 3 dos Romances.

IV. Bela Infanta

– Pinheirinho, pinheirinho,
Pinheirinho tão gentil,
Quantas aves há no céu
Todas vêm falar a ti.
5 Nenhuma traz notícia
Dum amor que eu já perdi.

– Quanto dereis vós, Senhora,
10 A quem vo-lo trouxer aqui?
– Dera ouro, dera prata,
Que dele ficou em mim
– Quanto dereis vós, Senhora,
A quem aqui vo-lo trouxera?
15 – Dera ouro, dera prata
Dera tudo que tivera.
– Quanto davas mais, Senhora,

A quem vo-lo aqui trouxera?
– De três filhas que eu tenho
20 Lhe daria a mais gentil.
– As vossas filhas, Senhora,
Não me servem para mim.
– Uma tem cabelos d’ouro,
Outra dentes de marfim,
25 Outra trabalha na seda,
Cobre-a triste de mim.
– Quanto deras mais, Senhora,
A quem vo-lo aqui trouxera?
– Dera-lhe um cavalo branco
30 Para ele passear.
– O cavalo branco, Senhora,
Eu não o sei passear;
Só queria ter consigo
Um passatempo real.
35 – Cale-se lá, ó magano,
Que o não mande partir!
A uma triste viúva
O corpo lhe vem pedir!
– Lembra-se, você, Senhora,
40 Quando eu a recebi,
Lá no campo de Sant’Ana,
Testemunhas oito mil?
– Se tu és o meu marido
Não me estejas a mortificar;
45 A vossa filha mais velha
Tem-me feito mil (sic) zombar.
– A vossa filha mais velha
Eu a mandarei degolar.
(Celorico de Basto.)

Cf. Teófilo Braga, Rom., n.os 1 e 2; Cantos, n.° 41 dos Romances.

V. Conde Alberto

Indo a Dona Silvana
Pelo corredor acima,
Tocando numa viola,
Muito bem que ela tangia.
5 Acordou seu pai dormindo
Do estrondo que fazia.
– «Tu que tens, Dona Silvana,
Porque choras, minha filha.»
– «Eu não choro, senhor pai;
10 Se chorasse razão tinha.
Outras, mais novas do que eu,
São casadas e têm filhos;
E eu, por ser filha do rei,
Para o canto ficarei.»
15 – «Não tenho com quem tu cases,
Só se for com o Conde Alberto;
Ele é casado e tem filhos.»
– «Mande-o o meu pai chamar,
Da sua parte e da minha,
20 Que mate a mulher que tem,
Para casar com a sua filha.»
O rei o mandou chamar:
– «Aqui estou, real senhor;
Que quer Vossa Senhoria.
25 Que mates tu a Condessa,
Para casar com a minha filha.»
– «Eu a Condessa não a mato,
Que ela a morte não merecia.»
– «Mata, Conde; mata Conde,
30 Antes que te eu tire a vida:
Manda-me aqui a cabeça
Nesta formosa bacia.»
Foi o Conde para casa,
Todo cheio de agonia;
35 Mandou fechar suas portas,
Coisa que nunca fazia,
Mandou pôr a sua mesa,
Para fazer que comia.
Os suspiros eram tantos
40 Que no palácio se ouviam;
As lágrimas que chorava
Sua mesa encobriam.
A mulher lhe perguntou:
– «Tu que tens, Conde Alberto?
45 Tu que tens, marido meu?»
– «Manda el-rei que te mate,
Senão que me tira a vida,
Que lhe mandasse a cabeça
Nesta maldita bacia.»
50 – «Ora, deixa-me dar dois passos
Da sala para a cozinha,
Que me quero ir despedir
Desta formosa harmonia.
Manda-me cá a mais velha
55 Que a quero pentear;
Manda-me cá o mais novo,
Quero-lhe dar de mamar
Mama, mama, meu menino
Este leite de amargura,
60 Que amanhã por esta hora
Já eu estou na sepultura.»
Tocam os sinos na sé
Ai, Jesus, quem morreria.
Disse o menino no berço:
65 – «Morreu a Dona Silvana,
Pois ela a morte merecia,
Que apartar os bem casados
Era o que Deus não queria.»
(Celorico de Basto.)

Cf. Teófilo Braga, Rom., n.° 28.

VI. D. Carlos de Montealvar

a.
Estando Clara-linda
Com o Conde a conversar
O preto, criado do Rei,
Muito bem posto a espreitar
5 – «Deus te salve, Francisquinho,
Ou Deus te queira salvar,
Se o viste ou não viste,
Ao Rei o não vás contar.»
– «Se eu o vi ou não vi,
10 Ao rei o não vou dizer;
Diga-me, ó minha senhora,
Quanto me há-de prometer.»
– «Dar-te-ei ouro, dar-te-ei prata,
Quanta tu possas contar;
15 Dar-te-ei o meu cavalinho
Para nele passear.»
– «Nem quero ouro, nem prata,
Pela não saber contar;
Nem quero o seu cavalinho
20 Que eu não sei passear.
Só queria uma noite
A Senhora a meu mandar.»
– «Atrevido, confiado,
No que havia de falar,
25 Diante deste senhor,
Estando eu a conversar.»
– «Abaixe lá essa coroa,
Ou a não queira abeixar,
Infanta Clara-linda
30 Amores fica a tomar.»
– «Se mo dissesses oculto
Prémio te havia de dar;
Disseste-mo a público,
Vou-te já mandar matar.
35 Infanta Clara-linda,
Essa vai a degolar.»
Estava a filha d’oratório,
Passou o preto a enforcar.
– «Não vais por nenhum ladrão,
40 Nem por nenhum malfeitor;
Tu vais por publicar
As filhas ao teu senhor.
Quem me dera um paquete,
45 Depressa, não devagar,
Que me levasse uma carta
Ao Conde de Montealvar.»
– «Deita cá, ó mana minha,
Que eu ta hei-de levar.
50 Jornada que for de um dia,
Faço-a até ao jantar.»
– «Viva o Conde desta casa,
Tristes notícias lhe trago.»
– «Se são boas venho dentro,
55 Venha dentro ao jantar.»
– «Nem são boas que lhe eu dê,
Bem me pesa de lhas dar,
Infanta Clara-linda,
Lá fica para degolar.»
60 – «Toma moço, toma moço,
Vai, ferra-me este cavalo
Com ferradurinhas d’ouro;
Às avessas hão-de andar.
Alarga-lhe a contracilha,
65 E estreita-lhe o peitoral,
Se a menina for a enforcar,
Ao caminho hei-de ir esperar.»
O conde se vestiu de frade,
E se apresentou no arraial,
70 E disse: – «Para lá essa gente,
Essa justiça moiral,
Que uma menina tão linda
Não há-de ir por confessar.»
E o pai lhe disse:
75 «S’ela é tua Deus, ta dê,
Ou me a queres tirar.»
– «Eu sou um frade de missa,
Que venho para a confessar.»
– «Pegue-lhe pela mão direita,
80 Leve-a para o laranjal.»
– «O rabo da ramosquilha,
Meu pai mo há-de aventar.»
– «Venha cá, minha menina;
Faça confissão geral.
85 Diga-me, ó minha menina.
Quantas vezes tes pecado?»
– «Uma foi no São João,
Outra na Páscoa das flores,
Outra foi nos meus princípios
90 Quando tomei meus amores.»
– «Diga-me, ó minha menina,
Quem são os seus amores.»
– «Não tenho outros amores,
Senão o Conde de Alvar.
95 Desgraçada foi a hora,
Quando eu os fui tomar.»
– «Deite-me cá um beijinho
Dessa boca de flores.»
«Atrevido, confiado,
100 No que havia de falar;
Boca que D. Carlos beija
Não é para padre beijar.»
«Deite-me cá um beijinho,
Não tenha que arrecear,
105 Que eu sou o mesmo D. Cales,
Que venho para a levar.»
– «Mas o rabo da ramasquilha,

Meu pai mo está a aventar.»
– «Eu trago tesourinhas,
110 Que mui bem sabem cortar.»
Ele era estrujeitante; deitou uma pouca de terra ao ar, fez um nevoeiro e fugiu com ela.
(Celorico de Basto.)

Cf. Teófilo Braga, Rom., n.° 31; Cantos, n.os 24 e 25 dos Romances.

b.
Estando Dona Claralinda
Com Dom Carlos a brincar,
De beijinhos e abraços
Sem se poder apartar,
5 Passou um pajem d’el-rei;
Nunca houvera de passar.
Disse-lhe Dom Carlos: – «Ó pajem!
Viste o has visto (sic),
A el-rei não vás contar,
10 Pois te dou tanto dinheiro
Quanto tu possas contar,
E te dou campos e vilas
Quantas possas passear,
E te dou o meu cavalo,
15 Para nele campear.»
– «Não quero o seu dinheiro,
Poi-l i
onãosecontar;
Nem quero campos e vilas,
Poi-las não sei passear;
20 Nem quero o seu cavalo,
Poi-lo não sei campear.»
Chegando o pajem a casa
A el-rei o foi contar:
–«Vossacoroanãovale,
25Nemvossoceptroreal;
Está Dona Claralinda
Com Dom Carlos a brincar,
Debeijinhoseabraço
Sem se poder apartar.»
30 – «Se mo disseras oculto
Tença te havia de dar;
Comomodizesnopúblico, .
Logoteoqueimar
Minha filha Claralinda
35 Também vai a degolar.»
amaqueouviuaquil
À menina o foi contar.
Veio a casa ao seu quarto,
Logo se pôs a chorar.
40 Chegou el-rei ao jantar:
– «Tirem-me lá esta mesa,
Tirem-me este jantar.»
45 – «Haja aqui um portador,
Depressa, não devagar,
Que me leve esta carta
A Dom Carlos de Montealvar.»
– «Portador dela, senhora,
50 Eu vo-la quero levar;
Jornada de oito dias,
Para a hora de jantar.»
E foi a casa de Dom Carlos
Para o recado lhe dar.
55 Perguntou por Dom Carlos;
Ele veio-lhe falar;
Tinha o jantar na mesa,
Não acabou de jantar.
– «Tirem-me daqui esta mesa,
60 Tirem-me este manjar,
Que eu vou a um convento,
Quero-me vestir de frade.
Esforça-te meu cavalo;
Deus te queira esforçar,
65 Que antes de vinte e quatro horas
Tens cem léguas para andar.»
Quando Dona Claralinda
Inda ia a degolar:
– «Ó justiça, ó justiçinha,
70 Ó justiça de moiral
Essa menina que levas
Inda vai por confessar!»
– «Ou vós sois o seu amor
Ou no-a queredes furtar.»
75 – «Eu nem sou o seu amor,
Nem vo-la quero furtar;
Sou um frade franciscano,
Que a venho confessar.
Dai-me licença, justiça,
80 Que é para aquele quintal.»
– «Diga-me, ó minha menina,
Porque vai a degolar?»
– «É por dormir duas noites
Com Dom Carlos de Montealvar,
85 Uma Páscoa de Flores,
Outra noite de Natal.»
– «Menina, se me conhece,
Não me dê a descobrir;
Nas ancas deste cavalo
90 Botemo-nos a fugir.
Ó justiça, ó justiçinha,
Ó justiça de moiral,
Quem quiser Dona Claralinda
Que ma venha tirar;
95 Mas olhe lá como vem,

Que a vida lhe há-de custar!»
Vinte e cinco campainhas,
Todas a um peitoral!
– «Esforça-te, meu cavalo,
100 Deus te queira esforçar;
Antes de vinte e quatro horas,
Tens cem léguas para andar!»
(Penafiel.)

VII. O cego fingido

– Donde vens, ó Ana?
– Eu venho da missa.
– Retira-te, ó Ana,
Que lá vem justiça.

5 – Se lá vem justiça
Deixai-me ir embora
Que a minha portinha
Não se abre agora.

Qual é o vadio
10 Que a esta hora anda
Que eu estou em faxinhas
Para me ir à cama

– Se estás em faixinhas,
Eu assim te quero;
15 Se hás-de ser minha
Eu por ti espero.

– Acorde, minha mãe,
Do doce dormir;
Venha ver o cego
20 Tocar e pedir.

– Se toca e pede,
Dá-lhe pão e vinho,
Para que o cego
Siga o seu caminho.

25 – Nem quero o seu pão,
Nem quero o seu vinho;
Queria que a menina
Me ensine o caminho.

– Ora vai, filha, vai,
30 Leva roca e linho
E ensina o caminho
Ao triste ceguinho.

– Espere lá, ó cego,
Que eu estou-me vestindo
35 Minha saia roxa,
Meu gibão de linho.
Espiou-se-me a roca,
Acabou-se-me o linho;
Adiante, cego,
40 Lá vai o caminho.

Lá mais adiante
Está um verde pinho.

45 Ora venha menina
Mais um bocadinho,
E ensine o caminho
Ao triste ceguinho.

– Valha-me Deus
50 É a virgem Maria,
Que vejo tanta gente
De cavalaria

Nunca eu vi cego
Com tal fantasia:
55 Sua espada d’ouro
À cinta trazia

De condes e duques
Era pretendida;
Agora dum cego
60 Me vejo perdida.

Ascuite, menina,
Não teu há agonia
Que eu sou o mesmo conde
Que a pretendia.

65 Adeus minhas casas,
Adeus minhas terras,
Adeus minha mãe,
Que tão falsa me eras.

Estando à minha janela,
70 Dei volta para a Ferraria;
Passou um certo sujeito,
Olhou mais do que olharia.

Se ele tornar a olhar
Alguma lhe hei-de dizer
75 Que não vá dizer o mundo
Que isto é por bem querer.


– «Se isto é por bem querer,
Não importa que o diga;
Se eu olho para cima,
80 O seu amor me obriga.»


– «Não sei que o obrigue.
Nem que o possa obrigar,
Estando à minha janela,
Tão sisuda sem falar.»


85 – «Essa sua sisudez
Ainda é o que mais m’obriga,
Que é o melhor dos modos
Que tem uma rapariga.»


– «Ó meu pai e minha mãe,
90 Uma lhes quero dizer;
Falaram-me em casamento,
Sem vocemecês saber.»

– «Qual foi o cavalheiro,
Que a tal se atreveu;
95 Falar nesse casamento
Sem saber se quero eu!»

– «Vá-se meu pai informar
E venha bem informado,
Que, se ele é de seu gosto,
100 É muito do meu agrado.»

– «Não tenho que te dizer,
Nem tão-pouco que m’informar.
Era um maroto, um brejeiro,
Que te queria enganar.»

105 – «Vá-se lá, seu cavaleiro,
Case lá com quem quiser,
Que não é meu pai contente,
Que eu seja sua mulher.»

110
«Dá-me cá aquela faca,
Que me quero matar.»

– «Se ele morre por mim,
Por ele quero morrer;
115 Adeus, meu pai e minha mãe,
Que os não torno a ver.»
(Celorico de Basto.)

Cf. Teófilo Braga, Rom., n.° 55; Cantos, n.° 76.

VIII. As maravilhas do velho

a.
Maravilhas do meu velho
Tenho eu para contar,
Que me deu real e meio
Para vestir e calçar
5 E o resto, que me crescesse
Que lho tornasse a levar.
Levantei-me muito cedo
Para a panela escumar;
Fui achar o velho morto
10 Entre as pedras do lagar;
Fui chamar a vizinhança
Que mo ajudasse a enterrar.
Ó irmãos da Misericórdia,
Que meu marido levais,
15 Retirai das esquinas
Que não fuja pr’ós quintais,
Que ele era amigo de figos,
Não quero que coma mais.
Far-lhe-ei a cova bem funda,
20 Com sete braças de altura,
Que o velho era manhoso,
Que não rompa a sepultura.
(Coimbra.)

b.
Maravilhas do meu velho
Tenho eu para contar
Que me deu real e meio
Para vestir e calçar,
5 E o resto que me crescesse
Que lho desse a arrecadar
Levantei-me muito cedo
Para escumar a panela;
Encontrei o velho morto
10 Entre as pedras da janela.
Fui chamar a vizinhança
Que mo ajudasse a chorar.
Bem chorado ou mal chorado,
Lá vai o velho a enterrar.
15 Ó irmãos da Misericórdia,
Que meu marido levais,
Far-lhe-ei a cova bem funda
Que não fuja pr’ós quintais,
Que ele era amigo de figos
20 E de pêras carvalhais.
(Coimbra.)

IX. Santa Iria

Veio um cavaleiro e pediu pousada;
Meu pai era velho e disse que lha dava.
De três que nós éramos só em mim pegou;
Para o monte Espinhal, para lá me levou.
5Lá mesmo no monte lá me perguntou:
– Tu na tua terra como és chamada?
– Eu na minha terra, Iria fidalga,
Pela terra alheia, triste malfadada.
Puxou um alfange lá me degolou;
10Coberta de fetos no monte me deixou.
Daí a sete anos por lá passou.
– Pastores do gado, que gado guardais,
Que santa é essa que vós adorais?
– É santa Iria que traidor matou;
15Coberta de flores no monte a deixou.
– Iria, Iria, meu amor primeiro,
Dá-me saúde no meu braço direito,
Que eu te jejuarei sete anos a eito.
– Não darei nem nada, cruel carniceiro,
20Que, do meu pescoço fizeste talheiro.
(Celorico de Basto
.)

Cf. Teófilo Braga, Rom., n.os 45, 46 e 47; Cantos, n.° 71 dos Romances.

X. O lavrador e o pobrezinho

Vindo o lavrador da lavra,
Ai meu Jesus,
Encontrou um pobrezinho;
O pobrezinho lhe dixe,
5 Ai meu Jesus,
– «Levai-me nesse carrinho.»
Respondeu-lhe o lavrador,
Ai meu Jesus,
Que um que o levaria
10 Levou-o para sua casa
Ai meu Jesus,
Para a melhor sala que tinha;
Mandou-lhe fazer a ceia,
Ai meu Jesus,
15 Do melhor manjar que tinha.
E a mesa já era posta,
Ai meu Jesus,
O pobrezinho não comia;

As lágrimas eram tantas,
20 Ai meu Jesus,
Que até o prato cobriam.
Comei, comei, pobrezinho,
Ai meu Jesus,
Que é chegado o vosso dia.
25 Mandou-lhe fazer a cama,
Ai meu Jesus,
Da melhor roupa que tinha,
Por cima damasco róseo,
Ai meu Jesus,
30 Por baireo cambraia fina.
Lá pela noite adiante,
Ai meu Jesus,
O pobrezinho gemia,
Levantou-se o lavrador,
35 Ai meu Jesus!
A ver o que o pobre tinha.
Achou-o crucificado,
Ai meu Jesus!
Numa cruz de prata fina;
40 – «Se soubera, oh meu Deus!
Ai meu Jesus!
Que em minha casa vos tinha,
Mandava dourar a casa,
Ai meu Jesus!
45 Torná-la de prata fina.»
Atirei com o pensamento
Ai meu Jesus!
Lá acima ao altar-mor;
Caiu aos pés do senhor,
50 Ai meu Jesus!
Nunca fiz coisa melhor.
À porta das almas santas,
Ai meu Jesus!
Bate Cristo a toda a hora,
55 Vem uma alma à janela,
Ai meu Jesus!
– «Vós senhor que quereis agora?»
– «Quero que deixeis o mundo,
Ai meu Jesus!
60 E vos vindes para a glória.»
(Coimbra.)

Cf. Teófilo Braga, Rom. Pop., n.° 43; Cantos do Arq., n.° 75 dos Romances.

XI. A confissão da Virgem

– Ó senhor padre de missa
Confissão me há-de ouvir
Que eu anda ocupada
Em horas de me assistir.
5 O padre se assentou
A donzela ajoelhou.
O ventre que ela trazia
Toda a terra alumiou
– O primeiro que eu amei,
10 – Ó meu divino Senhor,
Por tanto que o amei
O trago a meu favor.
O segundo é chorar;
Sempre chorei de contino;
15 Em vinte e cinco de Março.
Padeceu o verbo divino.
O terceiro é guardar
As coisas que de Deus são;
Dias de Nossa Senhora
20 São dias d’ocupação
O quarto é honrar
A nosso pai mais que a nós;
Não sei se farei ofensa,
Chamar a Jesus por vós.
25 O quinto me atentaste
Ó diabo infernal,
Que padeceu o meu filho,
Sem pecado original.
Atimei a confissão,
30 Não tenho mais que dizer;
Peço-lhe por caridade
Se me pode absolver.
– Vai-te embora, pomba branca,
Ó relíquia divina,
35 Onde se encerra o bem todo
E mal o verbo divino.
Vai-te embora, pomba branca,
Entre os espinhos da salsa,
Por isso sejas louvada,
40 Avé Maria de graça.
(Foz do Dour
o.)

Cf. Teófilo Braga, Cantos, p. 170.

XII. A paixão do Senhor

a.
A Virgem falou com Cristo,
Grande espanto lhe fez ter;
Falou o que ouviu dizer
Que andavam os fariseus
«Filho para te prender.
Esta Páscoa que vem
Não vás a Jerusalém.»
Ao partir: Vou, minha mãe,
Que a partida não se escusa.
10 Filho da minha alegria
Tu queres ir e me deixar
Eu não posso estar um dia;
Sem a vossa companhia:
Quem me nela vê estar.
15 Minhas carnes escarnecidas
Todas cheias de texturas.
– Pastorinhas de bom dia,
Viste por aqui passar
Sagrada virgem Maria?
20 – Ela vai por aí abaixo
Com um livro de ouro na mão,
Rezando quanto podia.
Esta casa é d’alegria,
Onde entra o bem Jesus;
25 Santa Ana, mãe de Maria,
Maria, mãe de Jesus,
Logo lhe botaram o nome –
Manuel da bela cruz.
Manuel vai-te curar
30 Que levas as chagas grandes.
Catarina te feriu,
Joana de pola a mão
Se Maria te não cura
Com a mãe da ressurreição.
(Foz do Douro.)

Cf. Teófilo Braga, Cantos, n.° 67 dos Romances.

b.
Ao monte vai Deus Padre
Ao Calvário pela luz,
Ao Jesus da bela cruz
Lá levaram e arrastaram.
5 – Caldeiros (sic), vem cá, Pilatos,
Que sentença lhe mandais dar?
Cento e tantos espinhos
Na sua santa cabeça
Lhe mandaste pregar;
10 Ó que lindo sobrescrito!
Santa Maria deixou dito
Que do sangue que derramasse
Fizesse pão e vinho
P’ra manter a cristandade.
15 Vai uma alma gritando
E clamando
– «Nunca o mundo fora mundo
Nem ardesse, nem esporte lecesse (sic)»
Nossa Senhora ouviu aquilo;
20 Pegou na mão a São Pedro
E disse: – Vem cá Pedro,

Vem cá meu amado filho.
Tu salva-me aquela alma
Que ela vai p’ra má caminho.
25 – Pois se sabe, deixai-la ir,
Que me lá bem tem merecido.
Lá botei ao mundo
Três bolinhas a bolar,
Que me guardane domingos,
30 Dias santos,
Três oitavas do Natal.»
Quem esta oração disser
Sete dias de quarentena
Alcançará quatro almas
35 O corpo e pena.
A primeira será sua
A segunda de seu pai
A terceira de sua mãe,
A quarta de quem
40 A melhor merecer. Ámen.
(Foz do Douro.)

Orações

XIII. Oração por quem se ausenta

À árvore de Nosso Senhor vás
[encostado,
À virgem Nossa Senhora apegado,
Com o leite de Nossa Senhoras vás
[borrifado,
Com as armas de São Jorge vás armado;
5 Eu te entrego à luz
E à sua santíssima cruz,
E ao rei da virgindade,
E à Santíssima Trindade,
E a São Romão,
10 Que está fora e dentro de Roma,
Que te livre do dia e da noite,
E d’águas correntes,
De fogos ardentes,
Línguas de más gentes,
15 De todos os males. Ámen.
(Foz do Douro.)

XIV. Ao deitar

a.
Filho da virgem Maria,
Jesus Cristo precioso,
Vós me guardeis esta noite
E amanhã por todo o dia.
5 Meu corpo não será preso,
Nem meu sangue derramado,
Nem minha alma perdida,
E Jesus, Avé Maria.
(Foz do Douro.)

b.
Com Deus me deito,
Com Deus me levanto,
Com a divina graça
Do espírito santo.
5 Nesta cama me quero deitar
Para dormir e descansar.
Se a morte vier
E por mim chamar
E eu não lhe puder falar,
10 Direi no meu coração
Três vezes: Jesus, Jesus, Jesus,
Para me salvar.
Lá toca a hora;
O anjo a toca,
15 A senhora a reza,
O Cristo a adora.
Bem-dita a alma
Que se deita nesta hora.
(S. João de Areias, Beira.)

c.
Nesta cama me deitei
Sete anjinhos nela achei,
Três aos pés, quatro à cabeceira,
Nossa Senhora na dianteira.
5 Cristo a adora.
Bem-dita seja a alma
Que se deita nesta hora.
A cruz se deite comigo,
A cruz da divindade;
10 A cruz se deite comigo
Da santíssima Trindade.
Desça Deus do céu à terra
E se meta entre mim
E Jesus crucificado
15 Fale e responda por mim.
Nem meu corpo seja preso,
Nem minha alma perdida,
Nem meu sangue derramado.
Padre Nosso e Avé Maria.
(S. João de Areias, Beira
.)

XV. Ao amanhecer

a.
Bem-dita seja a luz do dia,
Bem-dito seja quem a cria.
Assim como Nosso Senhor
Apartou a noite do dia
5 Apartará a minha alma
De má companhia,
Em louvor do santo ou santa
Hoje deste dia.
(S. João de Areias, Beira.)

b.
Bem-dita seja a luz do dia,
Bem-dito o filho da Virgem Maria,
Que apartou a noite do dia;
Aparta minha alma de má companhia.
(Foz do Douro.)

XVI. Oração ao anjo da guarda

Oh anjo da minha guarda!
Semelhança do Senhor,
Para mim foste criado,
Para seres meu guardador,
5 Peço-vos anjo bem-dito
Que não vos aparteis de mim,
Dai-me o corpo a boa morte
E a alma a bom fim.
Tenho isto encomendado
10 Desde a hora em que nasci.
(S. João de Areias, Beira.)

Rimas e Jogos Infantis

XVII. Parlengas

1.
Sermão de São Coelho,
Com o seu barrete vermelho,
Com uma espada de cortiça,
Para matar a carriça,
5 A carriça deu um berro,
Toda a gente se espantou,
Só uma velha ficou
Dentro d’um sapato.
Sape gato, sape gato.

2.
Uma velha tinha um gato,
Debaixo da cama o tinha;
Quanto mais o gato miava,
O pinto piava,
5 O porco grunhia
E a velha dizia:
Mil raivas vos persigam
Que não vos posso aturar
.

XVIII. Apodos pelos nomes

1.
Ó José Carramé,
Bota os gatos à maré,
Enfiados numa linha,
Para tocar a campainha.
2.
Ó José Fragaté
Clemente te té;
Teu pai é de Angola
Tua mãe da Guiné,
5 Teu pai é carneiro;
Tua mãe é mé.
Acudi, sapateiros,
Ao largo da sé,
Com formas e buchas
10 E seu tira-pé,
Para fazer umas botas

Ao nosso José.
3.
Ó João Carramão,
Vai com a ceira
Ao camarão.
4.
Ó Luís, ó Luís,
Tira a caca do nariz,
Vai lavá-la ao chafariz.
5.
Ó Ana Magana,
Rabeca, Susana,
Pariste um menino
Debaixo da cama,
5 Que não come, nem
bebe
Nem vai à igreja.
6.
Ó Maria, fia, fia,
Sete maçarocas ao dia
7.
Ò Rita,
Caganita,
Quando mija
Vai de bica.
8.
Ó Augusto, Augusto,
Lava a cara com cuspo.

XIX.

  • 4 O auricular.
  • 5 O anelar.
  • 6 O mediano.
  • 7 O índex.
  • 8 O polegar.

1.
Nomes dos dedos
Dedo mendinho
4,
Seu vizinho
5,
Pai de todos
6,
Fura-bolos
7,
5 Mata-piolhos
8.
(Coimbra, Porto, etc.)

2.
Diálogo dos dedos
Dedo mendinho1 quer pão
O vizinho2 diz que não
O pai3 diz que dará
Este4 que furtará
5 E este5 diz: alto-lá.
(Coimbra, Porto
, etc.)

XX.

Ó luar, ó luar!
Dá-me cá o meu folar,
Para mim, mais p’ró meu
cão.
O meu cão não está aqui;
5 Está debaixo do navio;
Dá-lhe o vento, dá-lhe o frio,
Fá-lo andar num corropio.
Pio, pio, pio!

XXI. Jogos

1.
Pintolo minto
Que vend’á vaca
A trint’e cinco.
Forolo mouro
5 Que tu és touro,
Viva a faca
Da comaca
E o rio.
Dá-me a vez
10 Que t’acama
À tua vez.

2.
Timtim
Sarramacotim!
Debaixo da torre

Mora um homem
5 Que vende garrafas
E garrafões,
Chamado Tia-patia,
Tia Juanita,
Manda puxar
10 A orelhita.

3.
Que está à varanda?
Uma fita cor de ganga.
Que está à janela?
Uma fita amarela.
5 Que está no poço?
Uma casca de tremoço.
Que está na pia?
Uma casca de melancia.
Que está no telhado?
10 Um gato pingado.
Que está na chaminé?
Uma preta a mijar em pé.
Que está na rua?
Uma espada nua.
15 Que está atrás da porta?
Uma velha morta.
Que está no ninho?
Um passarinho.
Vamos ver se ele chia.

4.
Senhora Dona Maria Alonsa
Que mora aqui,
Com sete soldados
Por cima de si,
5 Manda pedir a V. S.a
Se faz favor de os mandar tirar,
Que de dia e de noite
Estão sempre a escarafunchar.

5.
Burraca, burraquinha
Varre-me esta casinha;
Se ma varreres bem
Dou-te um vintém;
5 Se ma varreres mal
Nem um real.
Salta a pulga
Na balança
Deu um salto
10 Foi a França

6.
Sola, sapato,
Rei, rainha,
Vai-te à praça
Buscar camarinhas.
5 Blico mar,
Blico mar,
Quantas ondas
Há no mar;
Há fateixa,
10 Há redonda,
Há belisca
Há esconda.
Qual de nós
Todas três
15 Será vinho
Borracha e pez?
Vai-te esconder
Atrás do muro
De Dona Inês;
20 Vai tu lá
Que é tua vez.

7.
Pimpim, sarramacotim,
La pega, la meda,
La torta llega;
Um bom rei por aqui passou,
5 Todas as aves convidou,
Menos uma aqui deixou;
Sape aqui, vai-te acostar.

8.
Burraca, burraquinha,
Mijinho de vaca;
Solorico, mendico,
Por Nosso Senhor, Jesus Cristo
5 Que te vás e que te venhas
Lá por trás dessas montanhas.
Maria fura-gatos.
Apanhou um grilo
Para a boca de seu filho.
10 Fava redonda,
A ti que te esconda.

41. As crianças sentam-se, com as mãos estendidas formando roda, sobre as pernas; uma delas beliscando sucessivamente as mãos das outras diz os versos; aquela sobre cuja mão se acha a da que fala ao dizer o último verso vai-se esconder e começa então o jogo das escondidas. 2. O começo como no jogo anterior; o jogo termina, porém, por um puxão de orelha dado na criança sobre cuja mão se acha a da que diz os versos. 3. As perguntas são feitas por um dos jogadores; os outros respondem; no fim movem-se todos imitando os pulos das aves. 4. Quem me ditou estes versos (uma vendedeira de peixe da Foz do Douro) disse-me que eram uma adivinha; mas a comparação com um jogo publicado por Milá y Fontanals no Jahrb. f. rom. u. engl. Lit, vii, 181, faz-me considerá-los como um jogo. 5, 6 e 7. Jogam-se quase do mesmo modo que 1; terminam todos pelo jogo das escondidas, escondendo-se primeiro o jogador a quem se diz o último verso; o jogo continua depois escondendo-se o que descobre o que se escondeu anteriormente.

XXII. Enigmas

1. O galo
À meia noite se levanta o francês
Sabe d’horas – não sabe de mês;
Tem esporas não é cavaleiro;
Tem serra – não é carpinteiro;
5 Tem picão – não é pedreiro;
Cava no chão – não acha dinheiro.
(Foz do Douro.)

2. A romã
Vermelhinhos, vermelhetes,
Ó que lindos ramalhetes!
Não se cozem, nem se assam,
Nem se comem com colher.
5 Não adivinhas este ano,
Nem no ano que vier,
Senão se t’o eu disser.
(Foz do Douro.)

3. O castanheiro.
Altos picotos,
C’os seus maranhotos;
Tanto riso lhe deu
Que lhe caiu
5 O que o Senhor lhe deu.
(Foz do Douro.)

4. A panela ao lume
Estando o negro negrate
No seu carrapitate
Veio o vermelhate,
No cu lhe bate.
(Foz do Douro.)

5. O ovo
É uma que não tem pé nem cu nem biqui
Mas deixa-te estar muquequi,
Que hás-de ter pé, eu e biqui.
(Foz do Douro.)

6. O boi
Dois pés na cama,
E dois na lama,
E dois parafusos,
E um que lhe abana.
(Foz do Douro.)

7. O sino
Alto está,
Alto mora,
Todos o vêem,adora.
Ninguémo
(Coimbra.)

8. As ceroulas
Branca por fora,
Branca por dentro,
Alço a perna,
Meto-lha dentro.
(Coimbra.)

9. O botão
Qual é coisa, qual é ela,
Que apenas entra na casa,
Logo se põe à janela?
(Coimbra.)
10. O ovo
Casinha branca
Sem porta nem tranca.
(Coimbra.)

11.O alho
Enterrado estou na terra
Até aos ombros metido.
É uma coisa que se toca
Do direito ao invés.
5 Se tem dentes, não são d’osso,
Se tem cabeça, não tem pés.
(Celorico de Basto)

XXIII. Varia

1. Diálogo dos cereais

5Quando todas as coisas falavam disse o trigo ao centeio:

– Que fazes tu lá
Longo, longaretas
Das pernas vanas
Que cedo espigas
5 E tarda granas?
Responde a cevada:
10 Cá estou eu,
Que alumio a candeia,
Disse o milho:
Inda que sou pequenino,
15 E não encho o fole,
– Que dizes tu,
Trigo granudo,
Que quando faltas
Eu te ajudo?

Que quem me tem em casa
Não se deita sem ceia.

Quem me tem em casa
Não morre com fome.
(B. Nac. Lisb. Ms. E 5-29, foi. 70.)

2. O tangromangro

Nasceram dez meninas
Metidas dentro dum fole;
Deu-lhe o tangromangro nelas,
Não ficaram senão nove.

5 Essas nove que ficaram
Foram ver passar o broito(?);
Deu-lhe o tangromangro nelas,
Não ficaram senão oito.

Essas oito que ficaram
10 Foram ver passar o valete;
Deu-lhe o tangromangro nelas,
Não ficaram senão sete.

Essas sete que ficaram
Foram ver passar os reis;
15 Deu-lhe o tangromangro nelas,
Não ficaram senão seis.

Essas seis que ficaram
Foram ver passar o brinco;
Deu-lhe o tangromangro nelas,
20 Não ficaram senão cinco.

Essas cinco que ficaram
Foram ver passar o rato;
Deu-lhe o tangromangro nelas,
Não ficaram senão quatro.

25 Essas quatro que ficaram
Foram ver passar a rês;
Deu-lhe o tangromangro nelas,
Não ficaram senão três.

Essas três que ficaram
30 Foram ver passar os bois;
Deu-lhe o tangromangro nelas,
Não ficaram senão dois.

Esses dois que ficaram
Foram ver a procissão;
35 Deu-lhe o tangromangro nelas,
Não ficaram senão um.

Esse um que ficou
Foi ver amassar o pão;
Deu-lhe o tangromangro nelas (sic),
40 Acabou-se a geração.
(Penafiel.)

6Ditaram-me isto como uma lengalenga sem significação, nem aplicação. Creio que temos aqui uma fórmula para a cura dos bubões a que se devem comparar as seguintes:

novem glandulae sorores,
octo glandulæ sorores,
septem glandulae sorores,
tres glandulæ sorores,
duae glandulæ sorores,
una glandula soror;
10 novem fiunt glandulæ,
octo fiunt glandulae,
septem fiunt glandulae,
sex fiunt glandulae,
sex glandulæ sorores,
5 quinque glandulæ sorores,
quattuor glandulae sorores,
quinque fiunt glandulae,
15 quattuor fiunt glandulæ,
tres fiunt glandulae,
duae fiunt glandulae,
una fit glandula,
nulla fit glandula.

7(Marcelli Burdigalensis de medicamentis empiricis, cap. 15.) (J. Grimm, Klien. Schriften, ii, 132-3.)

Le Bubon a neuf filies:
De neuf elles sont réduites à huit,
De huit à sept,
De sept à six,
De six à cinq,
De cinq à quatre,
De quatre à trois,
De trois à deux,
De deux à une,
D’une à rien.
Le Bubon n’a plus de filles.

8(L. F. Sauvé, Proverbes et Dictons de la Basse-Bretagne. Rev. celtique, iii, 203.)

Notes

1 Originalmente publicado na revista Zeitschrift für Romanische Philologie, 1879, vol. iii, pp. 61 a 72 e 193 a 199.

2 Erro grosseiro por cansado.

3 Erro grosseiro por falcão.

4 O auricular.

5 O anelar.

6 O mediano.

7 O índex.

8 O polegar.

© Etnográfica Press, 1993

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search