Version classiqueVersion mobile

Obra etnográfica (I)

 | 
Adolfo Coelho

I. Literatura popular

Notas Mitológicas1

Texte intégral

  • 1 Originalmente publicado na revista Renascença, 1878, vol. I, pp. 47-48.
  • 2 Sobre Marcelo vide especialmente Jacob Grimm, über Marcellus Burdigalensis, Klein. Schriften, ii, 1 (...)

1Sabem os eruditos que Marcelus Burdigalensis (de Bordéus) ou Empiricus, médico de Teodoro, o Grande (falecido em 395), escreveu um Liber de medicamentis empiricis, phisicis ou rationalibus, impresso pela primeira vez em 15362, no qual se encontra um bom número de fórmulas supersticiosas para o curativo de doenças, semelhantes, e em parte quase idênticas, às fórmulas que com o mesmo fim se acham ainda hoje entre todos os povos da Europa. Como ele passou quase toda a vida em Roma e Bizâncio, é natural pensar com Grimm que pela maior parte essas fórmulas sejam de origem latina ou grega; uma parte é sem dúvida de origem céltica, apesar da interpretação que das que são inexplicáveis pelo latim ou pelo grego deu Grimm; tal interpretação não foi aceite pela ciência.

2L. F. Sauvé, na sua interessantíssima colecção de Proverbes et Dictons de la Basse-Bretagne, publicada na Revue celtique, traz uma fórmula (ibid., III, 203), de que oferece a seguinte tradução:

Le Bubon a neuf filies:
De neuf elles sont réduites à huit,
De huit à sept,
De sept à six,
De six à cinq,
De cinq à quatre,
De quatre à trois,
De trois à deux
De deux à une
D’une à rien

3Em Marcelo Burdigalense, cap. 15, achamos a seguinte receita : «glandulas mane carminabis, si dies minuetur, si nox ad vesperam et digito medicinali ac pollice continens eas dices»:

novem glandute sorores,
octo glandulæ sorores,
septem glandulae sorores,
quinque glandulæ sorores,
quattuor glandulae sorores,
tres glandulæ sorores,
dux glandulae sorores,
una glandula soror.
Novem fiunt glandulæ,
octo fiunt glandulae,
septem fiunt glandulae,
sex fiunt glandulae,
quinque fiunt glandulae,
quattuor fiunt glandulæ,
tres fiunt glandulae,
duae fiunt glandulae,
una fit glandula,
nulla fit glandula.

4A profunda coincidência que se nota entre a fórmula bretã, coligida recentemente da tradição popular e a fórmula dada pelo médico do iv século não prova sem dúvida a celticidade da mais antiga, pois, como indicámos já, essas fórmulas são comuns a muitos povos; mas o que prova à evidência é a grande antiguidade da fórmula bretã. De facto todas as fórmulas semelhantes remontam à mais alta antiguidade, ou, naqueles em que figuram os santos do cristianismo e Jesus, houve apenas uma simples substituição deles aos deuses do paganismo. Essas fórmulas e todas as práticas que as acompanham são restos das mais antigas camadas das formações religiosas. Mas não queremos tratar aqui agora essa questão geral.

5Na Romania, III, 269-273 (Paris, 1874), coligimos diversas versões da oração chamada de São Cipriano ou de São Custódio, a que o nosso povo atribui tantas virtudes e que é vulgar em toda a Europa.

6Eis uma versão inédita colhida na Foz do Douro, em 1875:

– Simão amigo meu.
– Simão sim, amigo teu não.
– Das doze palavras
Ditas e retornadas
Dize-me a primeira.
– A primeira é a casa de Jerusalém,
D’onde Nosso Senhor Jesus Cristo
Morreu por nós ámen.
– Simão, etc.
Dize-me as duas.
– As duas são as duas tábuas de Moisés
Onde Nosso Senhor Jesus Cristo
Botou seus divinos pés.
– Simão, etc.
Dize-me as três.
– As três são as três pessoas
Da Santíssima Trindade.
– Simão, etc.
Dize-me as quatro.
– As quatro são os quatro evangelistas.
– Simão, etc.
– Simão, etc.
Dize-me as doze.
– As doze são os doze apóstolos,
Doze raios tem o Sol,
Dize-me as cinco.
– As cinco são as cinco chagas
De Nosso Senhor Jesus Cristo.
– Simão, etc.
Dize-me as seis.
– As seis são os seis círios bentos.
– Simão, etc.
Dize-me as sete.
– As sete são os sete sacramentos.
– Simão, etc.
Dize-me as oito.
– As oito são as oito bem-aventuranças.
– Simão, etc.
Dize-me as nove.
– As nove são os nove meses.
– Simão, etc.
Dize-me as dez.
– As dez são os dez mandamentos.
– Simão, etc.
Dize-me as onze.
– As onze são as onze mil virgens.
Doze raios tem a Lua;
Estoira, daí diabo,
A alma é minha não é tua.

  • 3 Ueber Volks-und Kinderdichtung, etc., von Dr. Sachse, no Jahresbericht über die höhere Knaben-Schul (...)

7Acho numa publicação que teve pouca circulação a seguinte versão alemã3:

Lieber Vater, sage mir:
Was ist Eins?
Eins ist Gott allein.
Lieber Vater, sage mir:
Was ist Zwei?
Zwei Tafeln Mosis,
Eins ist Gott allein.
Lieber Vater, sage mir:
Was ist drei?
Drei Patriarchen
Abraham und Isaac
Und der kleine Jacob
Mit dem ledern Schnappsack,
Wo er Käs und Brod stak
Und ein Pfeifchen Tabak.
Zwei Tafeln Mosis,
Eins ist Gott allein.
Lieber Vater, sage mir:
Was ist Vier?
Vier Evangelisten
Drei Patriarchen
Abraham und Isaac
Und der kleine Jacob,
etc.
Lieber Vater, sage mir:
Was ist sechs?
Sechs Krüge nuit rothen Wein
Schenkt der Herr zu Kana ein,
Kan’in Galilaea;
Fünf Bücher Mosis,
Vier Evangelisten,
etc.
Lieber Vater, sage mir:
Was ist Sieben?
Sieben Sacramente,
Sechs Krüge mit rothem Wein,
etc.
Lieber Vater, sage mir:
Was ist Acht?
Acht Chöre der Heiligen,
Sieben Sacramente,
etc.
Lieber Vater, sage mir:
Was ist Neun?
Neun Chöre der Engel,
Acht Chöre der Heiligen,
etc.
Lieber Vater, sage mir:
Was ist Zehn?
Zehn Gebote Gottes,
Neun Chöre der Engel, etc.

8Numa versão portuguesa que publiquei na Romania há as repetições como na versão alemã. Em Portugal achamos já a fórmula no século XVII, mas a sua introdução é provavelmente muito anterior. Tanto a versão alemã, como as portuguesas e outras mais ou menos semelhantes de outros países têm necessariamente uma fonte comum.

9Segundo a Romania, i, 223, na obra rabínica Sepher Haggadah encontra-se uma versão da mesma peça que compreende: um Deus, duas tábuas da lei, três patriarcas, quatro matriarcas (Sara, Rebeca, Raquel, Lia), cinco livros de Moisés, seis livros da Michna, sete dias da semana, oito dias que precedem a circuncisão, nove meses da gravidez, dez mandamentos de Deus, onze estrelas de José, doze tribos de Jacob e treze tribos de Deus. Mas nenhum dos antigos manuscritos do Sepher Haggadah contém o canto dos números; é mister, pois, considerá-lo como de origem não judaica. É de crer que seja a transformação de uma fórmula pagã.

10(Piedade, 1 de Março de 1878.)

Notes

1 Originalmente publicado na revista Renascença, 1878, vol. I, pp. 47-48.

2 Sobre Marcelo vide especialmente Jacob Grimm, über Marcellus Burdigalensis, Klein. Schriften, ii, 114-172.

3 Ueber Volks-und Kinderdichtung, etc., von Dr. Sachse, no Jahresbericht über die höhere Knaben-Schule Potsdamer-Strasse n.° 3, etc. Berlim, 1869, p. 48.

© Etnográfica Press, 1993

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search