Version classiqueVersion mobile

Obra etnográfica (I)

 | 
Adolfo Coelho

I. Literatura popular

Materiais para o Estudo da Origem e Transmissão dos Contos Populares1

Texte intégral

  • 1 Originalmente publicado na revista O Positivismo, 1878, vol. i, pp. 74-83.
  • 2 Nova edição muito aumentada em 1856; é a que conhecemos directamente.

1A primeira colecção de contos verdadeiramente populares, isto é, de contos do povo, tais como ele os conta, sem ornatos, nem ampliações, nem combinações literárias, foi publicada de 1812 a 1814 pelos dois irmãos J. e W. Grimm sob o título de Kinder-und Hausmärchen e tem tido até hoje numerosas edições. A importância dessas tradições foi posta fora de dúvida pelos colectores já no prefácio, já no volume de notas com que ilustraram a colecção em 18222, já em diversos trabalhos mitológicos posteriores. Do conjunto desses trabalhos resulta convicção sobre os seguintes pontos:

21.° Que os contos populares remontam em grande parte, pelo menos, não só à Idade Média, mas ainda à Antiguidade;

32.° Que uma grande parte desses contos têm íntimas relações com lendas de origem mítica ou mitos propriamente ditos; os Grimm dizem: «hier alte, verloren geglaubt, in dieser gestalt aber noch fortdauernde mythen auzuerkennen sind», mas essa asserção tem um carácter muito geral, que se deve restringir desde já;

43. ° Que os mesmos contos se acham espalhados por um grande número de povos, colocados às vezes a enormes distâncias geográficas;

54. ° Que o estofo destes contos se acha em numerosas obras literárias importantes de diversas épocas e nações.

6Assentes estes quatro pontos capitais, estava demonstrada a alta importância histórica e psicológica dos contos populares; mas os problemas que eles oferecem ficavam ainda muito obscuros, apesar das investigações dos dois mitólogos alemães. O exemplo, porém, estava dado; um grande número de investigadores e colectores surgiu de todos os lados e hoje é enorme a massa de materiais que se possuem para o estudo dos contos populares. Esses materiais consistem em: 1) colecções de contos coligidos da boca do povo em todos os países da Europa, e em muitos dos outros continentes; 2) estudos comparativos ou de bibliografia científica; 3) estudos sobre as origens míticas dos contos; 4) estudos sobre a transmissão dos contos. Falta ainda um trabalho de conjunto em que esses materiais se achem aproveitados na sua maior parte, pelo menos, sob todos os pontos de vista, e com um método rigoroso. As colecções de contos são numerosíssimas, algumas muito vastas como as de Grimm, Afanasief, Asbjörnsen e Moe, Campbell, Pitré, e escritas num grande número de línguas e dialectos; os documentos literários que é mister compulsar formam uma massa ainda maior; os estudos comparativos já feitos andam dispersos por notas de colecções, publicações periódicas, etc.; os estudos sobre a transmissão dos contos têm ainda um carácter muito especial e pretendem generalizar sobre casos especiais; os estudos sobre a sua origem mítica carecem pela maior parte de método verdadeiramente científico; um trabalho de conjunto é pois muito difícil por enquanto, para não dizer impossível. Primeiro que tudo é mister estudar do modo mais completo possível em todas as suas relações, em todas as suas modificações, cada conto isolado; buscar restituir por meio desse estudo comparativo a forma primitiva e a significação do conto, a sua história; depois as conclusões sairão sem dificuldade. Eis o que manda fazer o são e positivo método da ciência. Todo o trabalho em que este método não for seguido, seja qual for o talento e a erudição do autor pecará pela base. Neste caso está a Mitologia Zoológica de Angelo de Gubernatis, obra muito instrutiva, animada de um espírito superior, mas em que os elos extremos da cadeia tradicional são postos em contacto sem atender aos intermédios.

7O mitógrafo tem que seguir exactamente o método do linguista, que não compara formas francesas com formas sânscritas e muito menos pretende explicar os radicais do francês pelo sânscrito, mas segue passo e passo a história de cada palavra francesa nos documentos da língua, busca as formas paralelas das línguas irmãs, sobe ao latim e depois de ter determinado qual a forma latina que por leis fonéticas ou morfológicas explica perfeitamente a forma românica, deixa à glossologia latina indo-europeia o dever de explicar essa forma latina, de a filiar numa raiz indo-europeia.

8Nos materiais que começamos hoje a publicar o nosso fim é muito modesto: reunir em torno de um certo número de contos o maior número de notícias bibliográficas que possamos alcançar para deste modo prestarmos auxílio a estudos posteriores; trasladar ou condensar algumas versões de diversa proveniência; determinarmos os pontos de contacto principais que existem entre as diversas versões de um mesmo conto para chegar assim ao conhecimento de sua forma primitiva e examinar algumas das explicações que deles tenham sido propostas.

9No estado actual destes estudos uma divisão, uma classificação metódica dos materiais é impossível; por isso não adoptaremos nenhuma e começaremos pelo estudo de um conto conhecido já da antiguidade, o conto de

Midas

10Conhecemos da lenda de Midas, transformada em conto popular, as seguintes versões:

111. a Portuguesa, n.° 50 da nossa colecção de contos populares portugueses.

122.a Versão irlandesa, extraída de um antigo manuscrito irlandês, publicada e traduzida por Whitley Stokes na Revue celtique, ii, 197-199.

133. a Versão bretã comunicada em resumo por Édélestand da Méril, Études sur quelques pointes d’archéologie et d’histoire littéraire, p. 432 (Paris, 1862, 8.°), d’après Nore, Coutumes, mythes et traditions des provinces de France, p. 219.

144. a Versão mongólica em Bernard Jülg, Mongolische Märchen, Die neun Nachtrags-crzählungen des Siddhi-Kür and die Geschichte des Ardschi-Bordschi Chan (Innsbruck, 1868, 8.°) pp. 46-51, xxii. Erzählung.

155. a Uma versão irlandesa é comunicada em resumo por W. Grimm, Kinder-und Hausmärchem, iii, 310 (Göttingen, 1856), pela History of Ireland by Keating; não difere talvez da publicada por Stokes.

166. a Uma versão sérvia foi publicada por Wuk Stephanowitsch Karadschitsch, Volksmärchen der Serben (Berlim, 1854), p. 225; não conhecemos essa colecção, hoje bastante rara.

177.a Stokes indica uma versão irlandesa moderna, humorística, em Patrick Kennedy’s, Legendary Fictions of the Irish Celts.

18Segundo F. Liebrecht (Jahrbuch für rom. und. engl. Literatur, t. iii (zum Pantschatantra), p. 86; a versão irlandesa encontra-se ainda em Kletke, Mäechensaal (Nerlim, 1845), ii, 131, em resumo em v. d. Hagens, Minnesinger, iv, 566. Outras indicações sobre a difusão da lenda devem encontrar-se em Dunlop, History of Fiction, trad. al. de Liebrecht, p. 471. Not. 153, mas não pudemos ver ainda esta obra.

1. Príncipe com Orelhas de Burro

19«Era uma vez um rei que vivia muito triste por não ter filhos e mandou chamar três fadas para que fizessem com que a rainha lhe desse um filho. As fadas prometeram-lhe que os seus desejos seriam satisfeitos e que elas viriam assistir ao nascimento do príncipe. Ao fim de nove meses deu a rainha à luz um filho e as três fadas fadaram o menino. A primeira fada disse: ‘Eu te fado para que sejas o príncipe mais formoso do mundo.’ A segunda fada disse: ‘Eu te fado para que sejas muito virtuoso e entendido.’ A terceira fada disse: ‘E eu te fado para que te nasçam umas orelhas de burro.’ Foram-se as três fadas e logo apareceram ao príncipe as orelhas de burro. O rei mandou sem demora fazer um barrete que o príncipe devia sempre usar para lhe cobrir as orelhas. Crescia o príncipe em formosura e ninguém na corte sabia que ele tivesse as tais orelhas de burro. Chegou a idade em que ele tinha de fazer a barba; e então o rei mandou chamar o seu barbeiro e disse-lhe: ‘Farás a barba ao príncipe, mas se disseres a alguém que ele tem orelhas de burro, morrerás.’

20Andava o barbeiro com grandes desejos de contar o que vira, mas com receio de que o rei o mandasse matar calava consigo. Um dia foi-se confessar e disse ao padre: ‘Eu tenho um segredo que me mandaram guardar, mas eu, se não o digo a alguém morro, e se o digo, o rei manda-me matar; diga, padre, o que eu hei-de fazer.’ Respondeu-lhe o padre que fosse a um vale, que fizesse uma cova na terra e que dissesse o segredo tantas vezes até ficar aliviado desse peso, e que depois tapasse a cova com terra. O barbeiro assim fez; e, depois de ter tapado a cova, voltou para casa muito descansado.

21Passado algum tempo nasceu um canavial onde o barbeiro tinha feito a cova. Os pastores quando ali passavam com os seus rebanhos cortavam canas para fazer gaitas, mas quando tocavam nelas saíam umas vozes que diziam: ‘Príncipe com orelhas de burro.’ Começou a espalhar-se esta notícia por toda a cidade e o rei mandou vir à sua presença um dos pastores para que tocasse na gaita; e saíam sempre as mesmas vozes que diziam: ‘Príncipe com orelhas de burro.’ O próprio rei também tocou e sempre ouvia as vozes. Então o rei mandou chamar as fadas e pediu-lhes que tirassem as orelhas de burro ao príncipe. Então elas mandaram reunir a corte toda e ordenaram ao príncipe que tirasse o barrete, mas qual não foi o contentamento do rei, da rainha e do príncipe ao ver que já lá não estavam as tais orelhas de burro! Desde esse dia as gaitas que os pastores faziam das canas do tal canavial deixaram de dizer: ‘Príncipe com orelhas de burro.’

22Esta versão é de Coimbra. Ouvimo-la muita vez na infância e encontra-se noutras partes do país, com modificações em geral pouco importantes. É popular entre nós a frase príncipe com orelhas de burro, para significar um segredo que não se sabe guardar.

2. Labraid Lorc e as Suas Orelhas

23«Era uma vez um rei da Irlanda e chamava-se Labraid Lorc e este Labraid tinha na cabeça duas orelhas de cavalo. E todo o homem que ia barbear o rei era morto depois. Ora, numa ocasião em que o rei estava para fazer a barba, mandaram ao filho de uma viúva que o fosse barbear. A viúva soube disto e foi ter com o rei e pediu-lhe que não mandasse matar o filho. O rei disse:

24– Não o mando matar se ele não disser nada do que viu.

25A viúva respondeu:

26– Esteja certo que ele não há-de dizer nada.

27Então o filho da viúva fez a barba ao rei e foi para casa e apanhou uma doença e era tão grande a doença que lhe cresceram duas cabeças e ele esteve assim por muito tempo, ano e meio, e não se pôde levantar da cama todo aquele tempo e não havia erva que o curasse.

28Vai ao depois sucedeu que viesse um feiticeiro a casa da viúva e mal o feiticeiro o viu, soube que doença ele tinha e disse que o filho sabia um segredo e que se ele contasse o segredo ficava curado.

29– O que é que se há-de fazer? – disse a mãe.

30– Ele há-de ir a uma encruzilhada, há-de voltar-se à direita e a primeira árvore que ele vir do lado direito conte-lhe a história e ficará curado.

31Então o filho foi e fez assim e vomitou o que tinha na barriga (o segredo) e voltaram-lhe as cores, e a primeira árvore que ele vira era um chorão. Ora então escangalhou-se a harpa do famoso harpista Craiftene e ele foi buscar os arranjos para fazer uma harpa e cortou a madeira da própria árvore a que tinha sido dito o segredo; e o harpista fez a harpa e tocou e a harpa disse:

32– Duas orelhas de cavalo na cabeça de Labraid Lorc.

3.

33«Le roi Portzmarc’h avait des oreilles de cheval, et pour que ses barbiers ne le fissent pas connaitre au public, il ne manquait pas de les mettre à mort chaque fois qu’ils remplissaient leur office auprès de lui. Un intime ami du prince lui fit un jour la barbe et ne fut pas décapité; cependant il dut s’engager, par serment, à ne jamais dire à personne quelle était l’infirmité du souverain. Il prêta ce serment, mais ne pouvant resister au besoin de laisser échapper cette confidence de sa poitrine, il alia faire un trou et se soulagea. Des roseaux vinrent à pousser dans set endroit, et les anches de haut-bois que les bardes prirent à ces roseaux répétèrent toutes, dès qu’on souffla dedans: Portzmarc’h! le roi Portzmarc’h a des oreilles de cheval.»

4. O Rei com Orelhas de Burro

  • 3 Taiping, descanso, felicidade.

34«Em tempos que lá vão vivia na China negra, do lado oriental da índia, um rei chamado Daihang3, que só tinha um filho. Este, depois de ter subido ao trono real, nunca se mostrou aos seus vassalos. Cada dia fazia ele vir do seu povo um bonito rapaz e depois de ele o ter penteado mandava-o matar. Depois dele assim por muitos anos matar os rapazes, chegou a vez ao filho único de uma mulher velha. Quando, pois, chegou a vez de ir pentear o cabelo do rei a esse rapaz, ficou a mãe muito aflita com a ideia da morte do filho; vestiu ao filho um vestido novo, amassou farinha com o leite do seu seio, fez uma massa e da massa bolinhos, que lhe meteu no seio e disse-lhe: ‘Quando estiveres a pentear o rei vai comendo estes bolos; pode ser que ele não te mate.’

35O rapaz foi ter com o rei e quando foi para lhe pentear o cabelo, viu que as orelhas do rei eram como as orelhas dos burros. Era esta a razão por que o rei mandava matar os rapazes, porque pensava que estes viriam contar o caso ao povo. Quando ele estava a pentear o rei e ia comendo os bolos, disse-lhe o rei: ‘Que estás tu a comer?’ ‘Bolinhos de arroz’, respondeu o rapaz. ‘Dá cá também’, pediu o rei. Ele deu um bolinho ao rei. Logo que este o comeu disse: ‘Têm bom cheiro e bom sabor; que mistura é esta?’ O rapaz respondeu: ‘Minha mãe amassou-os com leite do seu próprio seio e deu-mos.’ Então pensou o rei: ‘Não me está bem matá-lo; em que parte do mundo seria isso possível, pois que nós bebemos ambos do leite da mesma mãe; não é contra a natureza matar os da própria geração?’ Ele disse ao rapaz: ‘Não te matarei; mas não dirás a ninguém que tenho orelhas de burro.’ ‘A ninguém, oh rei!, o direi eu’, respondeu o rapaz. ‘Nem à tua própria mãe o dirás; se o cantas a alguém, mato-te.’ Assim lhe falou o rei.

36Ninguém soube disso. O rapaz voltou para casa. Os rapazes que depois foram pentear o cabelo ao rei foram mortos como dantes. Todos admiravam a felicidade do filho da viúva; cada um lhe perguntava: ‘Como é que isso foi?’ Mas ele não dizia nada nem à sua mãe, nem às outras pessoas.

37Mas enquanto ele guardava em segredo que as orelhas do rei eram maiores que as das outras pessoas, como pensava sempre nisso, caiu gravemente doente; nem medicinas, nem ofertas (às divindades) e tudo o mais serviu de nada. Quando estava quase a morrer, chamaram um médico, e quando ele veio, tomou-lhe o pulso. O médico disse: ‘A tua única doença é uma paixão; uma medicina não te curará; quando confiares a um homem o que tens no coração hás-de ficar bom.’ Todos os que ali estavam disseram-lhe: ‘Ainda que tenhas um pequeno segredo no coração, di-lo; como hás-de declarar mais tarde o que não dizes quando estás a morrer?’ O rapaz protestou que não tinha nenhum segredo; mas quando depois a mãe se dirigiu a ele e esteve a tirar dele, o rapaz disse: ‘Eu tenho um segredo, mas se eu o digo o rei manda-me castigar.’ ‘Pois se assim é’, disse a mãe, ‘vai a um sítio onde não haja ninguém e di-lo numa cova da terra ou a uma racha de um penedo ou de uma árvore e ficarás curado.’ O filho foi e encontrou o buraco de uma arda. Gritou lá: ‘O nosso rei tem orelhas de burro’, e depois de repetir isto muitas vezes, ficou curado de então em diante. Mas como a arda que estava no seu buraco ouviu aquelas palavras e as repetiu ao longe, assim elas levadas pelo vento foram até aos ouvidos do rei. Por isso o rei que pensou que só o rapaz podia ter dito aquelas palavras, mandou-lhe um recado e logo que ele chegou à sua presença, disse-lhe: ‘Ordenei-te que não o dissesses a ninguém; mas como a tua sorte está talhada, confessa se traíste aquele segredo.’ A esta pergunta respondeu o rapaz: ‘Em casa não disse a ninguém uma só palavra disso.’ ‘Por certo o disseste a alguém’, disse o rei; ‘pois aquelas palavras tuas me vieram aos ouvidos; se as não tivesses dito como as teria eu ouvido?’ Então respondeu o rapaz: ‘Voltado a casa, atacou-me uma grave doença; mas não revelei nada, nem respondi às perguntas de todos os meus parentes. Quando estava a morrer chamaram um médico que me apalpou o pulso’; e então contou tudo o que dissera o médico; ‘só disse o segredo no buraco da arda: não o contei a ninguém. Se o vento não trouxe aquelas infelizes palavras quem as poderia levar?’ Então disse o rei consigo: ‘Assim é; eu ouvi as palavras trazidas pelo vento; porque o matarei?’; e voltando-se para o rapaz continuou: ‘Saberás tu algum meio de disfarçar estas minhas orelhas?’ O rapaz respondeu: ‘Se tu, oh poderoso rei!, queres seguir o meu conselho, eu sei de um meio.’ ‘Diz-me, rapaz, o teu meio, respondeu o rei; quero ouvi-lo.’ E o rapaz começou: ‘Poderoso rei!, manda fazer um barrete para a tua cabeça com duas pontas cada uma de seu lado de modo que te encubram as orelhas; a todos os que te virem parecerá bem apresentarem-se na tua presença da mesma maneira.’ O rei seguiu o conselho. Todos consideraram com admiração e aprovação o barrete. Como ninguém sabia que as orelhas do rei eram como as orelhas dos burros, pegou a moda do barrete, e com o nome de barrete de orelhas foi geralmente conhecido. As pessoas de respeito da corte de Daihang-Chan usaram dos tais barretes. O rapaz foi nomeado ministro da fazenda e nunca mais o rei matou rapazes. Todo o povo aumentou muito e cresceu em felicidade e prosperidade.»

38Este conto trará imediatamente à memória dos que leram Ovídio a parte da lenda de Midas nas Metamorfoses, xiv. 146-193.

Ille, perosus opes, silvas et rura colebat,
Panaque montanis habitantem semper in autris.
Pingue sed ingenium mansit: nocituraque, ut ante,
Rursus erant domino stolodae praecordia mentis,
Nam, freta propiciens, late riget arduus alto
Tmolus in adscensu: clivoque extentus utroque,
Sordibus hinc, illine parvis finitur Hypaepis.
Pan ibi dum teneris jactat sua carmina Nymphis,
Et leve cerata modulatur arundine carmen,
Aurus Apollineos prae se contemnere cantus,
Judice sub Tmolo certamen venit ad impar.
Monte suo senior judex consedit; et aures
Liberat arboribus. Quercu corna cærula tantum
Cingitur; et pendent circum cava têmpora glandes.
Isque Deum pecoris spectans, «In judice, dixit,
Nulla mora est.» Calamis agrestibus insonat ille:
Barbaricoque Midan (aderat num forte canenti)
Carmine delenit. Post hunc sacer ora retorsit
Tmolus ad os Phæbi: vultum sua silva secuta est.
Ille caput flavum lauro Parnaside vinctus
Verrit humum, Tyrio saturata murice palla:
Instructamque fidem gemmis et dentibus Indis
Artificis status ipse fuit. Tum stamina docto
Pollice sollicitat: quorum dulcedine captus
Pana jubet Tmolus citharæ submittere cannas.
Judicium sanctique placet sententia montis
Omnibus. Arguitur tamen, atque injusta vocatur
Unius sermone Midæ. Nec Delius aures
Humanam stolidas patitur retinere figuram;
Sed trahit in spatium, villisque albentibus implet;
Instabilisque imo facit, et dat posse moveri.
Caetera sunt hominis: partem damnatur ir unam:

Induiturque aures lente gradientis aselli.
Ille quidem celat, turpique onerata pudore.
Têmpora purpureis tentat velare tiaris.
Sed, solitus longos ferro resecare capillos,
Viderat hoc famulus. Qui, cum nee prodere visum,
Dedecus auderet, cupiens efferre sub auras,
Nec posset reticere tamen, secedit; humumque
Effodit, et, domini quales adspexerit aures,
Voce refert parva; terrasque immurmurat haustæ.
Indicumque suæ vocis tellure regesta
Obruit, et scrobibus tacitus discedit opertis.
Creber arundinibus tremulis ibi surgere lucus
Cœpit; et, ut primum pleno maturuit anno,
Prodidit agricolam. Leni nam motus an Austro
Obruta verba refert; dominique coarguit aures.

39Comparando entre si estas diversas versões achamos os seguines pontos comuns:

  1. Um príncipe ou rei tem orelhas de burro (ou cavalo), o que oculta cuidadosamente;

  2. O barbeiro do príncipe que lhas vê não pode guardar o segredo, mas com medo só o diz a uma cova, na terra (ou buraco de uma árvore);

  3. Um objecto natural que ali está ou nasce revela o segredo, reproduzindo as palavras.

40Não é difícil de ver que a versão de Ovídio é não só a mais antiga quanto à época da redacção, mas a mais primitiva quanto ao conteúdo. Nas versões modernas falta o motivo por que o príncipe tem orelhas de burro; a versão portuguesa no começo apresenta uma alteração secundária fácil de reconhecer. Quando nos contos populares os pais que não têm filhos os desejam e pedem às entidades sobrenaturais sem que os seus desejos sejam satisfeitos, acabam por pedir um filho ainda que seja muito pequeno, tenha tal ou tal forma de animal, tal ou tal defeito; numa versão (moderna) mais bem conservada o conto começaria pelo desejo dos pais de terem um filho ainda que fosse com orelhas de burro. As outras diferenças das versões em nada alteram o núcleo essencial do conto. Note-se a coincidência do barbeiro ser um filho de uma viúva nas versões irlandesa e mongólica; ao episódio do médico nesta corresponde de mais o do feiticeiro naquela. Na versão portuguesa encontramos as canas da versão clássica.

Notes

1 Originalmente publicado na revista O Positivismo, 1878, vol. i, pp. 74-83.

2 Nova edição muito aumentada em 1856; é a que conhecemos directamente.

3 Taiping, descanso, felicidade.

© Etnográfica Press, 1993

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search