Version classiqueVersion mobile

Obra etnográfica (I)

 | 
Adolfo Coelho

I. Literatura popular

Os Elementos Tradicionais da Literatura os Contos1

Texte intégral

  • 1 Originalmente publicado na Revista Ocidental, 1875, vol. ii, pp. 329-346 e 425-444.

I

Awarische Texte, heraus e gegeben von A. Schiefner. Memoires l’Académie Impériale des Sciences de St. Petersbourg, vii série. Tome XIX, n.° 6. 1873, 4.° – Russian Folk-Tales, by W. R. S. Ralston, London, 1873, 8.° – Serbian Folk-Lore, Popular Tales, selected and translated by Madam Csedomille Mijatovies, London, 1874, 8.° – Fiabe, Novelle e Racconti popolari siciliane raccolti ed illustrati da Giuseppe Pitré (Biblioteca delle Tradizioni popolari siciliane), Palermo, 1875, 4 vols. 8.° – Novelline popolari italiane publicate ed illustrati da Domenico Comparetti, vol. i (Canti e racconti del popolo italiano, vol. vi) Roma, Torino, Firenze, 1875, 8.°

1Um dia uma mulher do povo, natural de Ourilhe, pequena freguesia de Celorico de Basto, pessoa muito instruída no que os ingleses chamam com justa razão folklore, ciência popular, e para que nós só temos nomes de desprezo, como histórias da carochinha, lenda-lenda, patranhas, crendices, mas que forma a base moral, intelectual e estética de dois terços dos indivíduos que constituem a humanidade, essa mulher, cuja instrução se reduzia à que dá essa ciência, contou-me o seguinte conto aqui reproduzido nas próprias palavras da narradora:

2«Era uma vez um pai que tinha um filho que era muito valente e quis ir ver terras, pedindo para isso ao pai que lhe desse uma bengala de cem quintais de ferro. O pai mandou-lha fazer e deu-lha com o que lhe pertencia dos seus bens. Ele foi seguindo o seu caminho e chegando a um sítio topou com um homem a lavrar e disse-lhe:

3– Ó meu rico lavrador, não dizeis donde eu hei-de ir daqui para tal banda?

4– Ó rapaz, tira lá a chavelha.

5– E pegou no arado numa mão e com ele apontou-lhe, dizendo:

6– Olhe; para acolá é essa terra.

7Disse o da bengala:

8– Quer você vir comigo? Eu vou viajar, se quer vir comigo eu faço-lhe as despesas.

9O homem mandou chamar um filho a casa para lhe lavrar as terras e foi com o viandante.

10Caminharam e chegaram a um outro sítio e encontraram um homem agarrado a um penedo, fazendo gestos de quem o queria levantar. O da bengala disse-lhe:

11– Que estás tu aí a fazer?

12– Estou aqui a ver se pego neste penedo, porque está aí abaixo o caminho muito ruim para guiá-lo.

13O penedo tinha mais de cem carros de pedra.

14Disse-lhe o da bengala:

15– Queres tu vir comigo? Eu vou viajar; faço-te as despesas.

16E o homem do penedo foi com eles.

17Caminharam e chegaram a um outro sítio; encontraram um homem a cercar um pinhal com uma corda.

18– Tu que andas a fazer?

19– Ando a ver se levo um molho de lenha para fazer pão e cozinhar.

20– Queres tu vir comigo? Eu vou viajar; faço-te as despesas.

21Caminharam e chegaram a uma terra e pediram agasalho; disseram-lhes que só se fosse numa casa rica, mas que havia lá uma velha muito má. O da bengala mandou lá Abaixa-Montes (era assim que se chamava o homem do penedo):

22– Vai, pede a essa mulher se lá nos deixa ficar.

23O Abaixa-Montes foi, mas não voltou. Mandou lá o Arranca-Pinheiros. Foi também e não voltou. Mandou lá o Lavrador e este veio todo esgadanhado da velha e disse:

24– Os outros dois lá estão mortos e a velha queria-me esganar.

25– Pois bem; vou eu lá.

26Foi lá e disse à velha:

27– Ponha-me já esses dois homens a pé, senão acabo consigo, sua bêbeda.

28– Ó senhor, não me faça mal que eu ponho-lhos já a pé.

29Ela deu-lhes uma volta com a saia e pô-los a pé. Tinha um portão de ferro a casa e o da bengala disse-lhe:

30– Dê cá a chave daquele portão.

31Respondeu ela:

32– Não, a chave desse portão não a dou que estão aí três filhas do rei encantadas e eu não deixo lá ir ninguém.

33Ele atirou com a bengala à porta e quebrou-a. E disse:

34– Ó sua velha, venha já connosco dizer onde elas estão.

35A velha a tremer foi dizer onde estavam as filhas do rei, que era um poço muito fundo.

36Ele mandou que trouxesse um cesto e uma corda e mandou lá o Abaixa-Montes. Este chegou ao meio do poço, sentiu um frio muito grande, tocou uma campainha, a que ia dar uma corda por precaução; puxaram-no para cima e ele disse:

37– Há lá um frio muito grande; não posso ir mais abaixo.

38Mandou lá o Arranca-Pinheiros. Repetiu-se o mesmo. Mandou lá o Lavrador; este foi e veio dizer que estava lá uma figura muito feia com as princesas e que havia lá muita riqueza, mas que não podia com frio descer até onde elas estavam.

39Depois foi o da bengala dos cem quintais. Chegou até ao fundo do poço e a figura feia, que era o diabo, zangou-se com ele, e ele deu-lhe com a bengala e quebrou-lhe uma orelha e meteu-a no bolso. Cada uma das princesas deu-lhe um anel e ele tomou uma, meteu-a no cesto, tocou a campainha e os companheiros puxaram o cesto; assim foi passando as princesas para fora. Depois disso pegou numa pedra e botou-a no cesto; quando a pedra chegou ao meio do caminho, os companheiros que viram as belas princesas e as desejaram logo para si, julgando que era o da bengala que ia lá, deixaram cair o cesto e a corda.

40Depois disto o diabo dirigiu-se ao da bengala:

41– Quero a minha orelha.

42E ele disse-lhe:

43– Põe-me lá fora do suspiro.

44– Dá-me cá a minha orelha.

45Estiveram nisto algum tempo, até que o diabo tendo prometido pô-lo fora do suspiro ele lhe deu a orelha.

46Tendo-o o diabo posto fora do suspiro, perguntou à velha:

47– Que é dos meus companheiros?

48– Saíram logo e foram para casa do rei com as filhas.

49– Onde mora ele?

50– Mora em tal parte.

51O da bengala marchou para onde a velha lhe indicou, aonde chegou e viu os companheiros a pedirem as filhas ao rei, dizendo que as tinham desencantado. Ele entrou pela porta do palácio dentro com a bengala debaixo do braço e disse:

52– Real senhor! Esses homens, que aí estão, estão a enganá-lo; quem desencantou as filhas de sua real majestade fui eu e para mais prova disso aqui estão três anéis que as meninas me deram.

53Os companheiros dele calaram-se e o rei mandou-os embora, dizendo-lhes que lhes perdoava. Deu a filha mais velha ao da bengala e o reino e foram muito felizes.»

54É isto o que se chama uma história da carochinha, e por certo haverá quem não tenha para as linhas que aqui ocupo com elas nada mais que um sorriso de irónico desprezo. Que pode valer uma história de velha da aldeia, só própria para excitar o pasmo ou conciliar o sono dos pobres rústicos, reunidos à noite em torno da lareira? Não será dar uma prova de pouca seriedade consagrar a sua atenção a semelhantes bagatelas? Assim parece à primeira vista, e do mesmo modo que seria ridículo ver um adulto de boa organização andar de gatinhas como a criança, parece que o será ver homens cujo espírito é atraído pelas graves questões económicas, sociais, políticas, etc., dos nossos dias gastarem o seu tempo a colher histórias do gosto das crianças e gente inculta.

55Mas reflictamos um pouco e sem ir buscar inoportunamente argumentos que ora estão para nós muito longe.

56O conto do homem da bengala de cem quintais (era assim que Ana Alves, a narradora de Ourilhe, lhe chamava) sob um ponto de vista meramente literário não parece merecer desprezo; a forma é rude e deselegante sem dúvida, mas tem uma certa espontaneidade que agrada e o fundo é uma pequena epopeia, com uma acção completa e aonde mesmo não faltam os episódios; os académicos não terão que o acusar de falta de unidade e um Ariosto fazia dele um quadro não inferior ao do Orlando e um Tiek convertê-lo-ia num pendant digno de figurar ao lado do gestifelte Kater, o Gato com Botas, cujo herói é parente do nosso conto. Depois quem nos diz que semelhantes contos que hoje andam modestos e encolhidos pelas aldeias não gozassem de melhor posição social noutros tempos? A história deles começará e acabará com a da primeira pessoa a quem a ouvimos? Ana Alves não inventou o conto do Homem da Bengala de Ferro ; afiançou-me que mo contava tal qual lho contaram há longos anos e eu tive uma primeira prova da verdade do que ela me dizia quando uma rapariga da Foz do Douro, que não sabia da existência da narradora de Ourilhe, nem mesmo da existência de tal lugar, me contou com uma forma mais rude e complicada o mesmo conto, que passo a transcrever fielmente.

57«Era uma vez um homem e uma mulher e não tinham filho nem filha; a mulher já era velha e disse assim para o homem:

58– Homem, nós não temos um filho para herdar o que nós temos.

59E depois o homem disse assim:

60– Tu, mulher, que queres; é vontade de Deus, que se lhe há-de fazer.

61Deus deu-lhe um filho, mas ele crescia da noite para o dia e na primeira noite que nasceu comeu dois pães moletes de pataco; a pontos que a mulher não tinha leite para criar o menino; compra (com sua licença) uma jumentinha para ele mamar. Chamavam-lhe o Mama-na-Burra.

62Ela já não tinha mais que lhe dar que comer; o menino já tinha sete anos e disse ao pai que queria uma espada que tivesse vinte quintais de ferro; o pai foi encomendá-la ao ferreiro; a espada no fim de dois meses estava feita e o ferreiro disse que a fosse buscar e que levasse dois carros e duas juntas de bois e depois antão (sic) o pai mandou o filho buscar a espada; ele chegou ao ferreiro pediu a espada e diz o ferreiro assim:

63– Que é dos bois e do carro?

64– Não é preciso os carros, que eu pego nela.

65O ferreiro apostou como ele não pegava na espada; se ele pegasse na espada o ferreiro devia dar a ele seis contos de réis e se ele não pegasse dar-lhe-ia o Mama-na-Burra outro tanto.

66Ele foi pedir o dinheiro a um tio rico, que tinha, para depositar ao ferreiro ; pegou na espada e andou com ela e o ferreiro perdeu assim a aposta.

67Ele foi levar ao tio o dinheiro que lhe tinha pedido emprestado; o tio disse que o desse a sua mãe para os fins da vida dela. Ele chegou a casa do pai e deu-lhe quatro contos e ficou com dois e foi viajar terras e levava a espada.

68Chegou a dois caminhos e viu um lavrador a lavrar e perguntou-lhe que caminho havia de seguir e ele pegou no carro e nos bois e arado e tudo numa mão e foi ensinar-lhe o caminho.

69E diz o moço assim para o lavrador:

70– Vocemecê é tão valente! Pega em tudo numa mão e vem-me ensinar o caminho.

71– Sou valente, mas consta-me que há um chamado Mama-na-Burra que é ainda mais valente que eu.

72Mas o moço nunca lhe disse que era o Mama-na-Burra.

73Ele foi indo, indo e chegou a um pinhal e viu um homem a deitar pinheiros abaixo; o homem já tinha oito pinheiros no chão e andava a botar mais quatro para fazer o feixe e diz-lhe ele:

74– Você é tão valente que é preciso doze pinheiros para fazer o feixe para botar às costas.

75– Sou, mas consta-me que há um chamado Mama-na-Burra que ainda é mais forte que eu.

76E ele disse-lhe se ele queria ir com ele que lhe dava oito vinténs por dia.

77Foram indo ambos e encontraram um homem a arrasar montanhas; cada vez que botava a enchada à terra arrancava três carros. O Mama-na-Burra disse-lhe assim:

78– Vós sois tão valente que botais três carros de terra abaixo.

79– Sou, mas consta-me que há um chamado Mama-na-Burra que ainda é mais forte que eu.

80Depois ele disse-lhe o mesmo e foram andando todos três e depois foram indo e encontraram umas casas no meio do caminho e perguntaram a uma mulher se ali havia alguém que desse dormidas. A mulher respondeu-lhe que estava ali uma casa, mas que quem lá entrava não tornava a sair. O Mama-na-Burra foi e bateu à porta e depois falou-lhe uma mulher e disse-lhe que só se eles quisessem ir para a cozinha, e ele foi.

81A primeira noite ficou lá o Tomba-Pinheiros e quando era meia-noite veio o diabo pela chaminé abaixo e veio lidar com o homem a ver se o podia matar para o levar para o inferno. E depois Tomba-Pinheiros pôde mais que o demónio e este foi-se embora. Ao outro dia Tomba-Pinheiros estava muito triste, mas não disse aos outros o que lhe tinha acontecido.

82À segunda noite ficou lá o Arrasa-Montanhas e o diabo tornou a vir e o Arrasa-Montanhas pôde mais que ele e o diabo pegou, foi-se embora.

83A terceira noite ficou o Mama-na-Burra; veio o diabo pela chaminé abaixo e o Mama-na-Burra quando o viu disse:

84– És tu?

85E pegou na espada e traçou-o ao meio e o diabo meteu-se por uma rama abaixo e o Mama-na-Burra chegou pela manhã e disse para os outros:

86– Havemos de arrimar aquela rama.

87Arrimaram a rama e viram um poço fundo redondo; arranjaram umas cordas e um cesto e uma campainha; primeiro foi o Tomba-Pinheiros metido no cesto e os outros a segurar na corda: chegou ao meio do poço e viu muitos bichos e não pôde passar para baixo e tocou a campainha para os outros o içarem para cima.

88Chegou acima e foi o Arrasa-Montanhas e chegou ao meio do poço e viu muitos bichos e não pôde também passar. Por fim disse o outro:

89– Agora é que cá vai o Mama-na-Burra – dando-se só então a conhecer aos companheiros.

90Chegou ao meio do poço e com a espada conseguiu passar para baixo; chegou lá abaixo e viu uma sala muito bonita e viu lá três meninas encantadas e eram todas três irmãs filhas de um rei e elas perguntaram-lhe:

91– Menino, quem vos trouxe aqui?

92E ele disse:

93– Fui eu que quis vir.

94Disse uma:

95– Vai-te embora, senão vem o meu encanto e mata-te.

96Perguntou ele:

97– O que é o teu encanto?

98– É uma serpente.

99– Não tem dúvida.

100Veio o encanto e disse à princesa:

101– Tens cá carne humana.

102– Não tenho.

103O encanto entrou e o menino deu-lhe com a espada e matou a serpente. Ele desencantou a menina que lhe deu um lenço marcado em todas as pontas com o nome dela. Ele meteu-a dentro do cesto, tocou a campainha e os companheiros içaram-na. Ele foi à segunda que também o mandou embora. Perguntou-lhe o que era o encanto dela e ela disse-lhe que era uma bicha. Veio o encanto que perguntou se tinha carne humana e o Mama-na-Burra matou-o. Ela deu-lhe uma maçã dourada e ele fê-la também içar.

104Depois foi a derradeira (princesa) e perguntou-lhe o que era o encanto dela e ela disse-lhe que era o diabo maioral. Quando o menino viu o demónio, disse:

105– Oh ! a ti mesmo é que eu cá queria. – Pegou na espada e cortou-lhe uma orelha fora (ao diabo) e meteu-a no bolso e a menina passou-lhe a mão por cima do cabelo e dourou-lhe o cabelo e ele tocou a campainha para a guindarem.

106Ele ficou sozinho dentro da casa e meteu uma pedra dentro do cesto e tocou para içarem e eles quando viram que estava o cesto no meio do poço deixaram-no cair pensando que era o Mama-na-Burra. Eles fugiram com as três princesas e ele trincou a orelha do demónio dentro do poço e o demónio apareceu-lhe e disse-lhe:

107– Tu que queres?

108– Quero que me botes lá em cima.

109– Dá-me a orelha.

110– Dou; põe-me lá em cima que eu dou-ta.

111O demónio pegou nele e pô-lo lá em cima do poço e o Mama-na-Burra não lhe deu a orelha. Avistou os outros dois muito longe a fugir com as princesas para o palácio. Pegou ele e seguiu atrás deles; não podia ir pelo caminho que todos lhe cobiçavam o cabelo; foi a um matadouro onde se matavam bois; pediu uma bexiga de boi para meter na cabeça e foi indo, indo até a casa de um lavrador defronte do palácio do rei pediu que fazer e o lavrador deu-lhe que fazer.

112O lavrador não tinha mais que lhe dar a fazer, nem mais que lhe dar a comer. Num domingo tinha de haver uma corrida de cavalos à porta do palácio do rei por causa dos banhos de uma filha do rei; o demónio foi-lho dizer e ele disse-lhe que lhe aprontasse o melhor cavalo que houvesse e foi para a corrida sem ser convidado. Era o melhor cavaleiro que lá andava; perguntavam-lhe donde ele era e ele dizia que era um viajante que ia correr terras.

113Convidaram-no de lhe fazer um circo de espadas e peças; se ele não obedecesse e não dissesse donde era que o matariam; o demónio soube-o e foi avisá-lo e disse-lhe que ele que se livrasse das espadas que ele diabo o livrava do fogo.

114O Mama-na-Burra não obedeceu a nada; o cavalo, que era o próprio diabo, pinchava por cima das espadas; e quando iam a atirar o fogo este não pegou, porque o diabo tinha-lhe ido mijar. Assim o Mama-na-Burra escapou. Pescaram para onde ele entrou; foi o rei convidá-lo para jantar; o demónio disse-lhe que fosse e ele foi.

115Quando entrou pelo palácio dentro as princesas viram-no da janela; elas diziam sempre ao pai que não tinham sido aqueles homens que as tinham desencantado e depois começaram a dizer ao pai que aquele homem é que as tinha desencantado; disseram que lhe tinham dado prendas. O rei perguntou-lhe por elas e ele mostrou-as todas três e perguntou às princesas se eram aquelas e elas disseram que sim. O rei disse que escolhesse delas a que quisesse e ele não escolheu; trincou a orelha ao demónio e o demónio apareceu-lhe e disse-lhe:

116– Que queres?

117E pediu-lhe a orelha.

118– Dou-te a orelha, mas hás-de dizer-me qual delas é que tem melhor génio.

119E ele respondeu-lhe:

120– Leva-as todas três para dentro e cá de fora pede-lhe o dedo mendinho da mão direita pelo buraco da fechadura. – A que tivesse uma cova na cabeça do dedo era a que tinha melhor génio.

121Ele assim fez; a primeira que veio era a que tinha a covinha e tinha sido a que lhe dourara o cabelo.

122O rei perguntou-lhe o que queria que se fizesse aos outros dois.

123– A um mandai-o deitar de um poço abaixo; e ao outro andar em volta do jardim agarrado ao rabo (com licença) do cavalo e um homem a chicoteá-lo até ele morrer.

124Acabou.»

125Eis duas versões diversas e independentes de um mesmo conto, sem nenhuma diferença essencial, coligidas a distância uma da outra e às quais é talvez possível juntar outras versões das diversas províncias de Portugal, como nos tem sucedido para outros contos. Esse conto não deriva de nenhum dos livros populares gostados do nosso povo, dos livros da família do Marquês de Mântua, da Formosa Magalona, do Roberto do Diabo, etc. Por menos consideração que ele mereça, é certo que se apresenta como um produto de imaginação bem arquitectado e recheado de incidentes que estão de acordo com o maravilhoso popular; se esse conto tem um autor, no sentido que se liga no uso ordinário a essa palavra, não podemos deixar pelo menos de admirar a sua imaginação e o conhecimento que tinha do maravilhoso popular. Parece que deveríamos investigar para honra da literatura pátria quem foi esse espírito que naquele dote e naquela prenda excede tanto o autor de uma D. Branca, se ele foi português, ou reivindicar para outra nação o direito de prioridade se não foi português.

II

  • 2 Não confundir os ávaros caucásicos com os ávaros mongólicos. O domínio da língua avárica, hunderil (...)

126Na costa ocidental do mar Cáspio, numa parte considerável do Daguestão, habitam os Ávaros, um desses povos caucásicos, cujos costumes, línguas e tradições são ainda mal conhecidos dos sábios. A língua e com ela as tradições dos Ávaros só começaram a ser seriamente estudadas depois das investigações de um russo, o barão Uslar, seguido nesse estudo por um sábio muito versado nas línguas da Ásia Central, Anton Schiefner, da Academia das Ciências de Sampetersburgo. Entre as diversas publicações deste sábio consagradas à língua avárica ocupa um lugar interessante aquela cujo título se acha transcrito à frente deste nosso artigo. É uma colecção de textos aváricos, constando de 15 contos e fábulas e cinco cantos populares, coligidos no país e em parte já publicados. Possuía-se a tradução russa de quase todas essas peças mas a publicação de Schiefner reúne os textos originais inéditos ou publicados, junta-lhe uma tradução que permite aos que estudam literatura comparada fazer entrar no círculo das suas esse espécime da literatura tradicional dos povos caucásicos. Quem se dedica a semelhantes estudos não pode dispensar o consentimento da língua alemã – aliás arrisca-se a não fazer nada profícuo, mas não será censurado por ignorar o russo, apesar da importância crescente que esta língua vai tendo, e muito menos uma língua como o avárico2.

127Os Awarische Texte são precedidos de estudos comparativos por um sábio alemão muito versado no conhecimento dos contos populares, sem dúvida hoje o mais versado nessa especialidade, Reinhold Köhler, bibliotecário da Biblioteca de Weimar. Vejamos o n.° ii da colecção, que se intitula Orelhas-d’Urso (alemão Bärenohr, avárico C’il’in):

128«Era uma vez um rei; o rei tinha uma filha, beleza sem par. Cada dia do Senhor passeava esta filha com suas aias e donzelas que com ela se achavam no jardim do pai. Depois de terem gostado os frutos que mais lhe agradavam, de terem brincado e gracejado até mais não poderem, voltavam à tarde para casa.

129Um dia, quando estavam na alegria dos seus jogos, saltou, sem que se soubesse de onde, para o meio das donzelas um urso; atirou-se ao pescoço da filha do rei e fugiu; e as donzelas correram como os filhos do francolin, pipiando cada uma para seu lado.

130Depois de a ter raptado, entrou o urso com a filha do rei na cova de um rochedo em que mais ninguém podia entrar e ficou lá. Ela, tornada grávida desse urso, deu à luz um filho, que tinha forma humana, mas orelhas de urso. Quando tinha passado um dia, parecia ele que já tinha um mês, e, quando passou um mês, parecia ele ter já um ano; deste modo crescendo muito, tornou-se um homem agigantado, dotado com força sem limites.

131Um dia, que o urso tinha saído, disse ele à mãe: ‘Como nos achamos nesta cova? Donde vieste tu mesma para aqui? Como nasci eu?’ Então contou-lhe a mãe todo o sucedido. Depois de terem esta conversa veio o urso subindo com barulho para a cova. Orelhas-d’Urso arrancou um canto do rochedo, e lançou-o sobre ele; o penedo apanhou-o pela cabeça, precipitou-o numa gruta e como a barriga do urso se rasgasse, ele morreu. Então falou Orelhas-d’Urso para a mãe: ‘Agora vai para o teu pai; eu não vou; eu, que nasci do urso, de que lhe servirei? Necessariamente hei-de achar arrumação noutra parte.’ A filha foi para casa do pai, e Orelhas-d’Urso, abrindo caminho e dirigindo-se para um lado, foi também.

132Ele andou, andou, andou muito, andou pouco, andou de noite, andou de dia, chegou a uma grande cidade: ‘Quem me quer para o seu serviço? Quem me quer para o seu serviço?’, assim gritando correu Orelhas-d’Urso a cidade toda. Ouviu o rei dessa cidade dizer que um homem assim e assim com orelhas de urso tinha vindo à cidade. ‘Tragam-no; não servirá para alguma coisa o homem com orelhas de urso?’, disse o rei. Procuraram Orelhas-d’Urso. ‘Que homem és tu? Qual é o teu ofício? Qual é a tua ocupação?’, perguntou-lhe o rei. ‘Eu sou Orelhas-d’Urso’, disse ele, ‘ao meu ofício, o meu trabalho, a minha força, a minha maneira não ficará desconhecida do homem que me tomar ao seu serviço’. ‘Entra ao meu serviço; eu sustentar-te-ei’, disse o rei. ‘Isso basta, fico ao teu serviço’, disse Orelhas-d’Urso; ‘não acho melhor lugar que este e tu não achas nem alcanças melhor servo que eu’. Ficou então Orelhas-d’Urso ao serviço do rei.

  • 3 Espécie de arca (ogresse) dos Ávaros.

133Algum tempo depois preparava-se o rei para mandar um homem à lenha. ‘Porque mandas tu homens à lenha, tendo ao teu serviço um servo tal como eu?’, disse Orelhas-d’Urso ao rei. ‘Eu não preciso de uma pequena quantidade de lenha, preciso de muita; para que me serve a que tu só me trazes?’, disse o rei. ‘Dá-me o comer preparado para os cem homens’, disse Orelhas-d’Urso. ‘Dá-me as cordas e amarras dos cem homens; se eu não te trouxer a lenha que queres, o sabre é teu, o pescoço é meu.’ A comida preparada para cem homens comeu-a Orelhas-d’Urso e tomou também as cordas e amarras dos cem homens e foi e chegou à floresta. Atou a cada árvore uma corda, puxou e arrancou cem árvores com a raiz. Arrastando-se, arrastando-se, chegou à cidade; esburacou a parede a um, abateu a casa a outro. ‘Rei, alarga as portas, eu voltei da floresta’, gritou Orelhas-d’Urso. O rei saiu, quando olhou não pôde ver o mundo por causa da floresta que estava diante dele. O rei assustou-se, tremeu. ‘Isto não é nenhum orelhas de urso, isto é uma desgraça’, veio-lhe ao pensamento. O rei então pensou em dar cabo dele, em mandá-lo a um lugar de onde se não volta. Disse a Orelhas-d’Urso: ‘Do lado de lá do monte que nos fica fronteiro é a habitação da Cart3; esta Cart deve-me há muito uma medida de ervilhas, mas não me dá ; vai exigir-lha e trá-la.’

134Foi Orelhas-d’Urso e chegou lá. Encontrou a Cart batendo o trigo na eira. ‘Porque não pagas tu, encantada, o que deves ao rei?’, disse ele à Cart. ‘Dá-me já o que deves senão arrasto-te ao rei.’ ‘Espera aqui um pouco’, disse a Cart, ‘trar-te-ei de casa ervilhas novas e limpas.’ Dizendo isto a Cart dirigiu-se para casa, ele, porém, sentou-se na borda da eira. ‘Vem cá buscar as ervilhas’, gritou a Cart. Veio Orelhas-d’Urso. ‘Nesta arca estão ervilhas, tira-as de lá’, disse a Cart, apontou para uma arca como as das caseiras. Levantando a tampa, meteu Orelhas-d’Urso a mão na arca; não havia lá nada. Agarrando-lhe nos pés por detrás, a Cart estava com a intenção de o deitar lá dentro; voltando-se e agarrando-a deitou-a ele a ela lá dentro. ‘Põe-me lá fora! O que quiseres fá-lo-ei’, rogou a Cart. ‘Não te deixo sair, encantada; porque te meteste a lutar comigo?’, disse ele. Pondo a arca às costas, foi então Orelhas-d’Urso e chegou ao rei. ‘Alcançaste a dívida?’, perguntou-lhe o rei. ‘Ela não estava resolvida a pagar a dívida’, disse Orelhas-d’Urso, pondo a arca diante do rei, ‘mas por causa da dívida trouxe-a eu aqui; agora faz como te manda o coração.’ Ora vejam, o rei assustou-se, perdeu a cabeça, correu para aqui e para ali, não sabia mesmo para onde havia de saltar, ele pediu a Orelhas-d’Urso: ‘Em nome de Deus, que te criou, não desejo as ervilhas, não desejo a Cart, leva-a para o sítio de onde a trouxeste.’ Levando-a para a sua habitação, empurrando com os pés e dizendo: ‘Não me tornes a aparecer’, deixou Orelhas-d’Urso a Cart.

135Um vivo cuidado apoquentava agora o rei. ‘Que se há-de fazer agora? Uma vez virá o dia negro sobre a minha cabeça por causa desse homem’, disse o rei consigo mesmo. Pouco tempo depois, disse outra vez o rei a Orelhas-d’Urso: ‘No outro extremo da mata que vemos há um dragão; deve-me dar um boi; vai que te pague essa dívida.’ Foi Orelhas-d’Urso e chegou ao lugar onde habitava o Dragão. ‘Dá, encantado, o que deves ao nosso rei’, disse Orelhas-d’Urso; ‘até quando zombarás tu dos homens?’ Lançando fogo da face, atirou-se o Dragão sobre ele. Como a um gato, agarrou-o Orelhas-d’Urso pela raiz das orelhas e arrastou-o ao rei. Ainda mais se atemorizou o rei; a cor desmaiou no rosto, no corpo a alma; gritou a Orelhas-d’Urso: ‘Pela vontade de Deus, não preciso de nenhum boi, não preciso de nenhuma outra coisa; leva-o, leva-o para o lugar onde habita.’ ‘Que ele e tu vão para o inferno por tanto tempo quanto eu tenho que andar para lá e para cá donde moram Carts e Dragões’, disse Orelhas-d’Urso, e soltou o Dragão. Corre dali o Dragão para o sítio onde habitava, como uma folha levada pelo vento; pelo caminho engoliu um rebanho de cavalgaduras do rei como nós devoramos um bolinho de farinha. As costas do rei abriram (isto é, ele caiu em desespero) e os recursos a empregar iam acabar.

  • 4 O termo é mais forte e traduzir-se-ia por hostilidade; mas eu afasto-me o mais possível nestas trad (...)

136Depois de ter passado um bom espaço de tempo, disse o rei, tendo bem pensado, pela terceira vez, a Orelhas-d’Urso: ‘Toma esta jumenta e leva-a ao monte; ela está magra; não voltes antes que ela esteja redonda como um ovo de galinha.’ Foi Orelhas-d’Urso com a jumenta para o monte. Atrás dele, levando do seu reino tropas de pé e de cavalo, foi também o rei. Formando um cerco, começou o exército do rei um combate contra Orelhas-d’Urso; as setas arremessadas pareciam uma nuvem de tempestade. ‘Eu pobre sou guarda da jumenta do rei; deixai-me antes que a coisa se converta em malquerença4, exclamou Orelhas-d’Urso; as setas picavam-no como pulgas. ‘Guarda agora as tuas orelhas; vai-se ver para onde tu te escapas’, gritou o rei, saindo do meio do exército. ‘Ah! és tu?’, disse Orelhas-d’Urso. Batendo na terra, rasgou a jumenta em quatro partes; atirou um pé, lançou por terra mil homens; atirou outro, fez com que faltassem dois mil; deste modo, sem deixar nenhum, destruiu o exército do rei que não teve outro remédio senão fugir por esse mundo.

137Depois de ter praticado esta façanha foi Orelhas-d’Urso ao direito do nariz; foi muito, foi pouco, olhou diante de si, vinha-lhe ao encontro um homem que trazia nos braços dois plátanos arrancados com a raiz. ‘Quem és tu, amigo, homem cheio de força?’, disse Orelhas-d’Urso. ‘Donde me virá a força? Forte é, como se diz, Orelhas-d’Urso, que levou a Cart ao rei.’ ‘Eu sou de quem tu falas’, disse ele. ‘Se eu te achei, sou teu amigo’, disse o Arrasta-Árvores. Eles foram então como amigos; foram muito, foram pouco, olharam para diante de si, estava um homem assentado no meio do caminho, fazendo andar um moinho em cima dos joelhos. ‘Que homem és tu tão forte?’, disse ele. ‘Eu não sou homem forte; forte é, como se diz, Orelhas-d’Urso, que levou o Dragão como um gato ao rei’, disse aquele. ‘Fui eu’, disse Orelhas-d’Urso. ‘Visto que te encontro, sou teu amigo’, disse o Moleiro. Foram então os três amigos, foram para ali, foram para aqui, até que finalmente acharam um lugar apropriado para fazerem alta; ficaram lá todos três e indo à caça arranjavam o seu sustento.

138Um dia, deixando o Arrasta-Árvores em casa, foram Orelhas-d’Urso e o Moleiro à caça. Quando ele tinha a caldeira cheia de carne, tratava o Arrasta-Árvores de preparar com ela a comida; escutou, era um ruído; a cavalo numa lebre coxa, vem um homem coxeando; tinha um palmo de altura, a sua barba três palmos de comprido. ‘Dá-me um bocado de carne’, disse ele. Ele deu-lho. ‘Dá-me mais um bocado’, disse ele. ‘A tua barriga rebenta, pois não comerás mais, segue o teu caminho’, disse o Arrasta-Árvores. De repente salta ele para o chão, arranca um cabelo da barba, ata com ele o Arrasta-Árvores, e sem deixar um resto, comeu a carne toda e do mesmo modo que tinha vindo assim foi coxeando o cavaleiro da lebre. Quando os camaradas voltaram da caça, soltaram o Arrasta-Árvores; ele contou-lhes o sucedido. No dia seguinte foi Orelhas-d’Urso à caça levando consigo o Arrasta-Árvores e deixando o Moleiro. Veio da mesma maneira o cavaleiro da lebre e fez a este o mesmo.

139Ao terceiro dia mandou Orelhas-d’Urso os companheiros à caça e ficou ele mesmo em casa. Estava ele na ideia de tirar a carne da caçarola, quando surgiu o cavaleiro da lebre coxeando. ‘Dá um bocado de carne’, disse ele. ‘Não dou; come a cabeça de teu pai’, disse Orelhas-d’Urso. De repente saltando da lebre, e arrancando da barba um cabelo, atirou-se o Barba-Longa a ele, mas agarrando-o num momento, rachando um plátano, apertou no meio da árvore Orelhas-d’Urso a barba do homem e deixou-o. Quando os companheiros vieram da caça, foi Orelhas-d’Urso com eles para lho mostrar; arrancando a árvore da raiz e arrastando tinha desaparecido o cavaleiro.

140Seguindo o sítio por onde a árvore tinha sido arrastada, foram eles, andando todo o dia, andando de noite, e ao segundo dia ao meio-dia chegaram a um bosque; no meio do bosque havia uma buraca que ia por ali dentro ; à borda estava deitado o plátano. Atando-lhe uma corda à cinta, deixaram o Arrasta-Árvores e o Moleiro descer lá Orelhas-d’Urso; ele ora quase estava morto de frio, ora trespassado com calor; a corda chegou ao fim e os seus pés firmaram-se no chão. Olhou, estavam lá montes de ouro puro e prata; assentada à luz que eles dão, cose uma rapariga, com face semelhante à lua; tendo sobre os seus joelhos a barba do cavaleiro da lebre, que dorme. ‘Ah! Quem és tu? Donde vieste aqui? Imediatamente sem mais considerar volta para trás, senão o meu homem em acordando não te deixará entre os vivos.’ ‘Deus dá a vida e a morte’, disse Orelhas-d’Urso e agarrou-lhe a barba (ao homem) pela raiz; gritando como um gato, voltou-se para ele o Barba-Longa; Orelhas-d’Urso sacudiu-o e a barba arrancada ficou-lhe na mão; cosendo-se com a parede ficou o homem mesmo chato como uma filhó. Então disse Orelhas-d’Urso para a rapariga: ‘Donde és tu, bela? Quem é teu pai. Quem a tua mãe?’ Disse a donzela: ‘Para que me demorarei eu a contar? Sou filha de um rei; este roubou-me da casa de meus pais e teve-me como sua mulher.’ Disse Orelhas-d’Urso: ‘Ele agora está morto, levar-te-ei e pôr-te-ei na casa do pai; somente, se o queres, diz que casarás comigo, pois gosto muito de ti.’ ‘Porque não casarei eu contigo, pois tu queres casar comigo, além de ti nenhum me agrada; não me livraste tu do seu poder?’, disse a rapariga.

141Então atou Orelhas-d’Urso à corda tudo o que se achava, tanto ouro como prata e outras preciosidades, só que estavam à mão; os companheiros puxaram para cima, só lá ficavam Orelhas-d’Urso e a princesa. ‘Sobe tu’, disse Orelhas-d’Urso à princesa. ‘Não, sobe tu primeiro, que tenho medo de que os teus camaradas te deixem aqui’, disse a rapariga. ‘Eles não me deixarão, não são gente disso, sobe tu’, disse ele. A princesa não queria consentir, mas Orelhas-d’Urso não a deixou. Subindo na corda, disse-lhe ela: ‘Quem sabe? Se contra o que se espera os teus companheiros aqui te deixarem, devo-te eu dizer uma coisa; queres saber o quê? Quando a noite estiver passada, ao tempo em que começa a raiar o dia, hão-de saltar na casa dois carneiros, um negro, outro branco; trata de saltar sobre o branco, este trar-te-á para o mundo cá de cima, se tu saltas em cima do preto, serás lançado no mundo lá de baixo.’ Dizendo isto chegou a princesa acima. ‘Ainda lá está alguma coisa?’, gritaram o Arrasta-Árvores e o Moleiro. ‘Não está cá mais nada, agora puxem-me para cima’, gritou Orelhas-d’Urso; eles não disseram mais nada; a corda não estava pendurada. Orelhas-d’Urso reconheceu a traição dos companheiros; ficou só, enquanto o fel se lhe pegava à garganta.

142Olha, a noite começou a aclarar, apareceu a luz do dia, correram para diante dele lutando um com o outro dois carneiros, um preto, um branco. Na ideia de saltar sobre o branco saltou Orelhas-d’Urso com a pressa sobre o negro, ele caiu para o mundo lá de baixo, e com barulho ficou no telhado de uma casa; olhou, era uma grande cidade. Descendo apressado, entrou na casa; estava lá uma velha, que assentada torcia linha. ‘Dá-me, tiazinha, uma pinga de água que estou quase a morrer de sede’, disse Orelhas-d’Urso. ‘Não vieste tu do mundo lá de cima para caçoar com os homens? Pois estes não tem água nenhuma, onde irei eu buscar-ta?’, disse a velha. ‘Vós não tendes água nenhuma?’, disse ele. ‘Porque não havia de haver água nenhuma? Há’, disse ela, ‘mas para que serve havê-la? À frente da fonte está sentado um dragão com dez cabeças. No fim de cada ano dá-lhe o lugar uma donzela; nesse dia deixa ele tirar água; então de novo até que se chegue ao fim do ano, tira-nos ele a água’. ‘Mostra-me duas bilhas; queria eu ir mesmo ver se ele não deixa tirar água.’ ‘Livra-te, livra-te disso!, meu filho, não vás’, suspirou a velha, ‘se tu lá vais, não voltas, o dragão mata-te. Ele deu cabo de homens mais fortes que tu.’ ‘Depois se verá se morro ou se não morrendo sou favorecido; deixa-me ver as bilhas’, disse Orelhas-d’Urso. Chorando deu-lhas a velha. Foi Orelhas-d’Urso e chegou à fonte, encheu ambas as bilhas e tendo acabado esse trabalho volta para trás. O dragão não lhe disse nada. Depois de despejar as bilhas em casa, voltou Orelhas-d’Urso; também desta vez o dragão lhe não disse nada. Na cidade espalhou-se a façanha de Orelhas-d’Urso e chegou aos ouvidos do rei. Chamando-o, disse-lhe o rei do outro mundo: ‘Se tu estiveres no caso de matar o dragão, que nos tira a água, hei-de dar-te o que tu quiseres; o que desejares, hei-de cumpri-lo; tu deves ser capaz de o matar, se o não fosses não terias ido para ele tão sem medo.’ ‘Agora ou eu ou ele será feliz; não esqueças também a tua palavra’, disse Orelhas-d’Urso ao rei. Ele fez duas orelhas de feltro, cobria com elas as próprias orelhas, e foi, levando as bilhas, para a fonte.

143‘Eh lá, rapaz’, disse o dragão, ‘quando tu vieste a primeira vez, deixei-te eu como hóspede, quando vieste a segunda, deixei-te eu como amigo, não tens tu vergonha de vir a terceira vez ou não tens amor pela tua vida?’ ‘A tua felicidade vai acabar, encantado; como não tens tu mesmo vergonha de tirar aos homens a água criada por Deus; como não tens tu nenhuma vergonha de devorar viva uma donzela arrancada à casa de seus pais? Guarda-te a ti mesmo; chegaste ao fim de teus dias.’ Erguendo-se lançou o dragão as garras a Orelhas-d’Urso e arrancou-lhe as orelhas de feltro; Orelhas-d’Urso brandiu o sabre de diamantes, alcançado na casa do cavaleiro da lebre, caíram todas as nove cabeças do dragão. Cortou das nove cabeças as dezoito orelhas, e dizendo: ‘ora vê!’, deu-as Orelhas-d’Urso ao rei. A cidade encheu-se de grande alegria; uns riam, outros choravam; muitos homens batiam uns nos outros com a alegria. Tanto homens como burros e vacas, e todas as criaturas vivas, correram para a água. Muitos homens acabaram os seus dias ou no apertão ou caídos à água ou por terem bebido muita água e lhe ter rebentado a barriga. Então falou o rei a Orelhas-d’Urso. ‘O benefício feito por ti a mim e ao meu reino nunca poderá exprimir-se, tão grande ele é; este ano cabia a vez a minha filha de ser devorada por o dragão; se tu queres, casa com ela e assenta-te no meu trono; se mais que isto eu te pudesse fazer, fá-lo-ia.’ Disse Orelhas-d’Urso: ‘Sou um homem do mundo lá de cima, se tu me fazes subir lá para cima, isto é o que mais quero, é agora o meu desejo. Não é que a tua terra me desagrade, nem que a tua filha me desagrade, sê por cá muito feliz; mas não terei eu saudades da terra onde nasci?’ Disse o rei: ‘Eu não tenho meio de te pôr no mundo lá de cima; à excepção da águia que se acha na floresta dos plátanos nenhuma criatura viva poderá lá pôr-te. Vou mandar lá um homem; quem sabe se ela quererá lá levar-te?’ Foi o homem mandado, a águia não esteve por isso. Foi então Orelhas-d’Urso em pessoa abaixar a sua cabeça diante da águia; chegou à floresta dos plátanos, achou o ninho da águia, mas não achou a águia. Serpenteando para os filhos da águia ia uma cobra negra como carvão, com três cabeças; fazendo-a em pedaços, como se fora uma chouriça, assentou-se Orelhas-d’Urso na árvore até que veio a águia.

144A águia veio um pouco depois, como se se aproximasse uma nuvem de tempestade, fazendo abanar montes e florestas e chegada pôs-se no seu ninho. Chilreando, contaram-lhe os filhos. ‘Olá, filho dos homens, disse a águia a Orelhas-d’Urso, tu mataste o inimigo meu e de meus filhos. Manda-me que te faça um serviço, por maior que ele seja, hei-de prestar-to.’ ‘O serviço que te peço é este: leva-me para o mundo lá de cima’, disse Orelhas-d’Urso. ‘Matando cinquenta búfalos, prepara a carne, disse a águia, enche de água as peles dos cinquenta búfalos; levar-te-ei onde quiseres.’ Tomando-os dos rebanhos do rei, matou Orelhas-d’Urso cinquenta búfalos e encheu cinquenta peles com água, numa asa da águia pôs a carne, na outra a água e ele sentou-se no meio. ‘Move-te agora, mãe’, disse Orelhas-d’Urso; a águia pôs as asas em movimento. Quando ela dizia ‘carne’ dava-lhe Orelhas-d’Urso carne, quando ela dizia ‘água’ dava-lhe ele água. Quando faltava apenas um palmo para subir, acabou a carne. A águia disse ‘Carne’. Cortando-a das suas nádegas, deu-lhe Orelhas-d’Urso carne de nádega. Chegaram ao mundo de cima. ‘Ó rapaz! Porque coxeias tu?’, disse a águia. ‘Isto não vale nada; dói-me um pé’, disse ele. ‘Não é assim, fala’, disse a águia. ‘Quando a carne acabou, eu cortei carne das nádegas do lado de cima da coxa, por isso é que estou estropiado’, disse Orelhas-d’Urso. A águia deitou fora a carne, cuspiu-lhe em cima e pô-la na ferida. As nádegas ficaram como eram antes.

  • 5 Excepcionalmente damos esta versão por inteiro; no seguimento contentar-nos-emos em geral com simpl (...)

145Foi então Orelhas-d’Urso, chegou à sua habitação; escutou, ia lá dentro um barulho de ensurdecer a gente; olhou, como dois galos bulhavam o Arrasta-Árvores e o Moleiro, ‘a rapariga para mim, a rapariga para mim’, gritava cada um; ‘a não ser com Orelhas-d’Urso, não caso com nenhum’, dizia ela com lamentos. ‘A cada um o que lhe pertence’, disse Orelhas-d’Urso, batendo num de modo que caiu de cara baixo, e noutro de modo que caiu em cima da barriga. Dali foi Orelhas-d’Urso com a princesa para o reino do pai dela. Houve grande alegria; ele com ela casou, e posto ao lado do rei, vive ainda hoje em paz Orelhas-d’Urso. Aqui acaba o meu conto.»5

146Se deste conto, tão rico e tão bem organizado, tirarmos os episódios da primeira parte, as façanhas que o herói pratica ao serviço do rei e as aventuras no outro mundo, depois que os companheiros o abandonaram até à subida na águia, o conto ávaro apresenta uma versão muito pouco diferente das portuguesas, sobretudo da segunda onde a descida ao subterrâneo é precedida igualmente de uma luta sucessiva com os três companheiros e onde estes são três e não quatro como na primeira versão portuguesa; às vezes até a semelhança se estende a frases inteiras; e nesta parte note-se que a nossa tradução é literal e podemos provar sobejamente, se alguém disso o duvidar, a sinceridade da reprodução das versões portuguesas. Ora uma semelhante coincidência não pode ser casual; o nosso espírito repele instintivamente a ideia de uma dupla criação da versão ávara e da versão ou versões portuguesas. Como explicar a existência do mesmo conto no extremo ocidente e nos confins da Ásia e Europa, numa região onde talvez ainda não penetrou nenhum português? É força concordar que por menos valor que se reconheça nos contos que acabamos de transcrever (nós pela nossa parte confessamos que a audição das versões portuguesas e a leitura da versão ávara, independentemente de qualquer ideia científica, nos deu um grande prazer; mas isto é um facto puramente subjectivo, que portanto não se comunica como uma tese científica), há nessa coincidência um problema interessante a resolver. Um semelhante facto não pode ser isolado. Se uma mesma corrente passando pelo Daguestão e Portugal, sejam quais tenham sido as suas direcções e ramificações, lá e cá implantou esse conto, se um mesmo facto capital e primitivo nos explica essa coexistência, é de crer que nos pontos intermédios atravessados por essa corrente haja vestígios de sua passagem e que entre os Ávaros como entre os Portugueses, como entre outros povos haja outros pontos de contacto no folklore.

147O problema tem tanto mais interesse, desafia tanto mais a nossa curiosidade, faz-nos esperar tanto mais uma solução de importância histórica assaz elevada, se considerarmos o isolamento dos povos caucásicos, e que eles pertencem a uma comunhão humana diversa da chamada ário-europeia ou indo-germânica.

148Razões geográficas como políticas dirigem primeiro os nossos olhos para a Rússia. Nesse enorme país há minas riquíssimas de tradição popular, e como nalgumas de suas cidades a cultura das ciências rivaliza com a das nações mais adiantadas, muitos homens que sabem o valor da tradição têm-se dedicado com coragem a coleccioná-las. Desgraçadamente, salvo o que os sábios russos se resolvem a escrever em alemão ou em francês, os produtos da literatura e da ciência russa são quase desconhecidos no resto da Europa, fora de um pequeno círculo de sábios. Felizes prenúncios fazem-nos, porém, esperar que em breve este estado de coisas mude.

149Pelo que respeita às tradições populares, os trabalhos de um inglês, espírito distinto, e profundo conhecedor do russo, abriu-nos os horizontes nestes últimos anos. O excelente livro que ele dedicou às skazkas ou contos populares russos e em que ele traduziu por inteiro cinquenta e um desses contos e deu a análise de cerca de outros tantos oferece-nos a pp. 73-80 uma história, colhida pelo lamentado Afanasief, o mais inteligente colector de skazkas, no governo de Chernigof, a qual é evidentemente uma versão da nossa, fundida, porém, num molde diferente.

150«Um rei tinha três filhos, o mais novo dos quais era simplório. Um monstro chamado Norka vinha cada noite devorar alguns dos numerosos animais que o rei tinha no parque e este não sendo capaz de o destruir promete ao filho que matar o monstro metade do reino. Os dois filhos mais velhos em vez de irem esperar o monstro foram passar a noite na taberna. O mais novo, saudado com as zombarias dos outros, vai esperar o Norka, tem com ele uma longa luta, três vezes interrompida e em que ele três vezes foge até que ferido nove vezes pelo príncipe corre para uma grande pedra branca, fá-la mover e escapa-se para o outro mundo, dizendo: ‘Só me vencereis quando entrardes aqui.’ O príncipe pede ao pai uma corda de couro entrançado, assaz comprida, para chegar ao outro mundo. Depois, o príncipe com seus irmãos e criados e com tudo o que era necessário para um ano inteiro, vão para o sítio onde estava a pedra e só o príncipe mais novo pôde fazê-la desviar e só ele teve coragem de descer. Chegado lá abaixo, e depois de ter andado muito, encontrou um cavalo ricamente ajaezado, que lhe disse: ‘Deus te salve, príncipe Ivan! Há muito que espero por ti.’ Ele montou a cavalo e andou até que viu diante de si um palácio de cobre. Pôs o cavalo na cavalariça, entrou, achou jantar, cama e depois veio uma rapariga muito bela que, vendo-o, lhe promete ser sua esposa, e depois dele lhe ter contado o sucedido, lhe disse que o monstro era seu irmão e que estava então no palácio de prata da irmã do meio. Ivan foi ali, mas o monstro estava no palácio de ouro da irmã mais nova; esta por fim disse-lhe que o irmão estava a dormir no mar azul e deu-lhe uma espada de prata e um gole da água da força e disse-lhe que cortasse a cabeça do irmão com um só golpe, o que ele fez. Cada uma das donzelas, que eram todas encantadoras, mudaram os seus palácios em ovos e ensinaram a Ivan a mudá-los outra vez em palácios e entregaram-lhos. Ele atou-as à corda e fez sinal aos companheiros para que puxassem; puxaram e vendo as donzelas tão belas resolveram-se a levantar o irmão até ao meio do caminho e deixá-lo então cair. Mas Ivan prendeu uma pedra à corda, que depois de levantada a grande altura os irmãos fazem cair, fazendo-se ela em pedaços. Ivan chorou; andou, andou e havendo uma tempestade abrigou-se debaixo de uma árvore e viu lá uns passarinhos que estiveram a ponto de ser inundados, ele cobriu-os com o casaco. A mãe deles, que era ave tão grande que tirava a luz, veio e sabendo o benefício recebido de Ivan pelos filhos o traz para o mundo de cima; Ivan junta toda a espécie de caça e água que a ave leva às costas para seu sustento. Chegado ao mundo, Ivan vai servir para casa de certo alfaiate, onde sabe que os príncipes queriam casar com as donzelas, mas que elas recusavam, exigindo que sem lhes tomarem medida lhes fizessem vestidos de noivado exactamente como os que usavam no outro mundo, e que ninguém tinha aceitado tal empreitada. O príncipe, então, converte sucessivamente fora da cidade, sem ninguém o saber, os ovos em palácio, e tira de lá os vestidos das donzelas, transforma os palácios em ovos e no dia seguinte o mestre achou os vestidos resplandecentes de ouro e pedras preciosas e levou-os ao rei; quando voltou, o príncipe tinha já ido para casa de um sapateiro e assim andou por casa de todos os oficiais e todos lhes agradeceram muito, porque graças a ele foram enriquecidos pelo rei. Quando as donzelas estavam prontas para o noivado, a mais nova disse ao rei que a deixasse ir dar esmolas aos pobres, e quando ia dar a um deles, viu-lhe no dedo o anel que tinha dado a Ivan no outro mundo e também os anéis que as irmãs lhe tinham dado. Tomou-o pela mão e disse ao rei que aquele é que as tinha libertado. O rei castigou como melhor julgou os filhos mais velhos.»

151A única diferença considerável que nos oferece esta versão, comparada com as que anteriormente trasladamos consiste em que em vez dos companheiros dotados de força prodigiosa, temos aqui dois irmãos cobardes e vulgares do herói. O episódio da águia é-lhe comum com a versão avárica, mais completa nesta parte; o episódio do serviço do príncipe como oficial falta nas versões anteriores. Temos já razões para suspeitar que estas diferenças não resultam do capricho dos narradores; basta pensar um pouco nelas.

152Ralston cita outras variantes russas do mesmo conto, que se encontra também episodicamente no conto de Koschchei, o Imortal, pp. 100-108, mas essa não oferecera interesse particular.

153Vamos ver o nosso conto num povo, como os Russos, da grande raça eslava, entre os Sérvios.

  • 6 Srpake narodne pripovijetke. Viena, 1853.
  • 7 Bosniake narodne pripovijetke. Sissek, 1870. É só a primeira parte.
  • 8 Volksmärchen der Serben. Berlim, 1854.

154Existem duas colecções originais de contos populares sérvios: uma publicada pelo lexicógrafo Vuk Stefanovics Karadjitch6; outra pela Sociedade da Jovem Bósnia7; a filha de Vuk tinha publicado uma tradução da colecção do pai, precedida de um prefácio do célebre Jacob Grimm8, mas esta tradução tornou-se hoje inacessível e as originais são pomo vedado para a maior parte dos que se ocupam de literatura comparada. Não podemos, pois, senão aplaudir a tradução inglesa que a Sr.a Mijatovies publicou recentemente de vinte e seis contos escolhidos nas duas colecções. Os contos podiam, cremos, apesar de não podermos ler os originais nem termos ainda alcançado a tradução de Vilhelmine Wuk, ter sido melhor escolhidos; admite-se e aprova-se até completamente que os que publicam colecções originais nos dêem mais que uma versão do mesmo conto, sobretudo quando elas oferecem diferenças importantes e tragam a lume formas deturpadas de contos por amor do completo; mas quando se trata de uma selecção deve atender-se a certos princípios, que em verdade nem todos estão aptos para pôr em prática; escolher os tipos principais dos contos e os melhores, não sacrificar um conto diferente embora inferior, são a meu ver os mais importantes desses princípios e esses parece não foram seguidos pela Sr.a Mijatovies. Do nosso conto achamos nessa publicação duas versões, a primeira das quais tinha sido escrita para Vuk pelo príncipe da Sérvia, Miguel, que a ouvira contar a uma ama na infância.

155Primeira versão (pp. 32-36):

156«A filha de um rei é raptada por um dragão. Os três irmãos vão à busca dela e chegam à vista de um quiosque que estava entre o céu e a terra; supondo que a irmã estaria lá, resolveram matar o cavalo do mais novo, fazer da pele uma correia, atá-la a uma seta e atirar a seta de modo que ela entrasse fundo num lado do quiosque. Assim fizeram, e o irmão mais novo subiu pela correia, tendo os outros recusado fazê-lo. Lá em cima encontrou a irmã, em cujo regaço tinha a cabeça do dragão que estava dormindo. O príncipe matou-o, tendo-lhe a irmã indicado o sítio onde devia feri-lo. A irmã mostrou-lhe as maravilhas do quiosque e três donzelas que o príncipe fez descer com ela indicando aos irmãos as donzelas que lhes deviam pertencer e dizendo-lhes que reservava para si uma que ele encontrou fiando pérolas, postas por uma galinha de ouro com seus pintainhos. Mas os irmãos cortaram a corda para que ele não pudesse descer; disfarçaram um pastor que encontraram e levaram-no ao pai como se fosse o irmão. Sabendo no quiosque que os irmãos e o pastor iam casar com as princesas, o príncipe mais novo foi sucessivamente, no dia da boda de cada um, montado em cada um de três cavalos que no quiosque a irmã lhe mostrara; bate-se com os irmãos deitando-os do cavalo abaixo e mata o pastor. Apanhado pelos guardas do rei, fez reconhecer a verdade.»

157Esta versão é muito imperfeita, o que não admira atento o modo de sua transmissão. Coisa singular! Em geral, as pessoas instruídas dão dos contos populares que ouviram na infância versões muito mais imperfeitas do que as da gente do povo. Veremos as excepções deste princípio.

158A segunda versão serva vai mais próxima das portuguesas (Sir Peppercorn, p. 123).

159«Três irmãos tinham ido à mata próxima à lenha. A irmã que lhes ia levar a comida foi no caminho raptada por um gigante que a levou para a sua cova.

160Tendo esperado dois dias voltaram a casa e sabendo que a irmã tinha ido com a comida e não tornara, o irmão mais velho resolveu-se a ir procurá-la. Soube de uns pastores que a irmã tinha sido levada pelo gigante e chegado à boca da cova chamou por ela, que o convidou a entrar. Tendo vindo o gigante e tendo feito preparar um grande carneiro, disse ao cunhado que se ele comesse a metade primeiro o mataria a ele gigante, senão ele gigante o mataria; o rapaz assim foi morto. O mesmo sucedeu com o irmão segundo e com o terceiro. Vendo-se sem filhos, os pais rogaram a Deus que lhes desse um, ainda que não fosse maior que um grão de pimenta. Assim lhes nasceu um que foi chamado Grão de Pimenta. Chegado à idade suficiente, sabendo da sorte dos irmãos, mandou Grão de Pimenta fazer uma massa com ferro que ajuntou em casa e tendo-lha um ferreiro feito experimentou-a arremessando-a ao ar e aparando-a na cabeça. A massa fez-se em pedaços. O mesmo sucedeu com um segundo ferreiro até que um terceiro lhe fez uma massa que resistiu às provas, fazendo grandes ampolas na cabeça. Grão de Pimenta vai à mata; dá-se a conhecer à irmã; o gigante propõe a mesma aposta do carneiro, mas Grão de Pimenta consegue fingir que come uma parte e mata-o. Depois de ter estado algum tempo com seus pais, enriquecido com os haveres do gigante, vai Grão de Pimenta correr mundo. Encontra primeiro um homem que espreme uma alabarda e faz dela sair água e pergunta-lhe: ‘Pensas que há alguém no mundo mais forte do que tu?’ ‘Só há um homem vivo mais forte do que eu; é uma certa pessoa chamada Grão de Pimenta. Grão de Pimenta apara uma massa de ferro na cabeça sem se magoar.’ Tendo-se dado a conhecer, leva-o Grão de Pimenta na sua companhia. Encontram um homem que faz andar as rodas de nove moinhos com o dedo mínimo. Feita a pergunta como ao homem da alabarda, respondeu: ‘Há só dois homens mais fortes que eu, uma certa pessoa chamada Grão de Pimenta, e um certo homem da alabarda.’ Vão de companhia e chegam a uma cidade onde sabem que tinham sido roubadas as três filhas do rei, que prometia grande recompensa a quem as trouxesse. Pediram ao rei cem mil cargas de madeira e fizeram uma barreira com ela em roda da cidade. A primeira manhã ficou o homem de alabarda a fazer a comida. Viu um homem com uma testa da altura de uma vara e uma barba do comprimento de um palmo e ele fugiu; o Testa de Vara comeu o boi que estava ao lume. O mesmo sucede ao Move-Moinhos, mas ao terceiro dia Grão de Pimenta repele o Testa de Vara, e ele diz: ‘Tem cautela, não te metas comigo. Não há ninguém no mundo que possa vencer-me senão um certo sujeito chamado Grão de Pimenta.’ Grão de Pimenta atou-o a um alto pinheiro e o Testa de Vara arrancou a árvore e fugiu arrastando-a, deixando regos na terra como se tivessem ali passado três arados. Depois de jantarem, foram os três companheiros seguindo o rasto e descobriram uma cova muito escura. Cada um dos três companheiros desce por uma corda de mil milhas, fornecida pelo rei, mas só o Grão de Pimenta chega ao fundo. Encontra duas princesas que lhe disseram que a mais nova estava curando as feridas recebidas pelo Testa de Vara de um certo Grão de Pimenta. Dando-se a conhecer e aconselhado por elas a tomar o sabre maravilhoso do Testa de Vara, o qual tinha a virtude de matar um homem à distância de um dia de jornada, mata o roubador das princesas; faz então subir estas num grande cesto atado à corda; a última princesa deu-lhe uma caixa, dizendo que a abrisse quando precisasse alguma coisa. Os companheiros encantados de uma princesa não fizeram mais descer a corda. Agora, convencido da traição, anda Grão de Pimenta e chega à beira de um grande lago e encontra um acompanhamento como de noivado; sabe que era uma donzela que ia ser levada, como era forçoso todos os anos, a um dragão para a devorar. Grão de Pimenta mata o dragão e casa com a donzela, que era filha do rei, mas vêm-lhe as saudades do outro mundo ao fim de algum tempo. É levado por uma ave cujos filhos ele salva de um monstro aquático e à qual Grão de Pimenta leva uma carta do rei e que lhe diz: ‘Mata doze carneiros; enche as peles com água e traz-las aqui com a carne.’ Quando ela voltava o bico à direita, queria carne, quando o voltava à esquerda, água. Acabou a carne e a ave pediu mais; Grão de Pimenta cortou-a da sola do pé direito e deu-lha, mas ela conheceu-a pelo sabor e não a comeu, e depois, chegados a terra, vendo o Grão de Pimenta coxear, pergunta-lhe: ‘Porque coxeias?’ ‘Oh! isto não é nada. Não se incomode.’ Mas a ave disse-lhe que voltasse o pé direito e pregou-lhe a carne que tinha escondido debaixo da língua. Grão de Pimenta abre a caixa dada pela princesa; saem uma mosca e uma abelha que lhe pergunta o que quer: pede um cavalo e vestidos decentes; vai à cidade do pai das princesas e ouve um pregão: ‘Há alguém assaz atrevido para lidar com o forte Homem da Alabarda, genro do rei?’ Grão de Pimenta apresenta-se e mata o primeiro genro do rei; assim faz ao segundo. Passado algum tempo, depois de todos os terem procurado em vão, escreve à princesa mais nova e o rei deu-lha em casamento.»

  • 9 Grieehische und albanesische Märchen. Gesammelt, tibersetzt und erläutert von J. G. v. Hahn. Leipzi (...)

161Se da Sérvia passarmos à Grécia veremos ainda o moderno rival de Héracles excitar o interesse dos decaídos descendentes da grande raça helénica, nas paisagens melancólicas de Syra, de Tinos, e provavelmente de outros lugares ainda.9

162Na ilha de Syra conta-se:

163«Havia um rei que tinha três filhas e uma macieira no jardim que dava todos os anos três maçãs de ouro, que logo que estavam maduras desapareciam. Cada um dos três príncipes, logo que cresceram, vai guardar de noite a árvore, mas os dois mais velhos assustam-se quando vêem vir uma nuvem tempestuosa e de que sai uma mão que rouba as maçãs; o mais novo, a seu turno, atira uma frechada à nuvem que desaparece e fica a maçã. O príncipe vai à busca do ladrão; acompanham-no os irmãos e o rasto do sangue guia-os durante um mês. Chegam a um ponto onde cruzavam três caminhos e à entrada de cada caminho havia uma pedra; uma tinha escrito: ‘Quem vai por este caminho volta de lá’; a outra: ‘Quem vai por este caminho talvez volte, talvez não volte’; e a última: ‘Quem vai por este caminho não volta de lá.’ O mais novo disse que deviam seguir pelo caminho de onde não se voltava; seguiram e encontraram o rasto de sangue que os levou a um alto monte, que tinha no cume uma grande pedra mármore com um anel de ferro. Os dois mais velhos não a puderam mover; o mais novo levantou-se e quando lhe vinha a força a terra tremia. Havia lá um grande poço de que saía um vapor quente de queimar que era o alento do ferido. Descem os dois mais velhos, mas não podem ir até abaixo com o calor; desce o mais novo e num palácio soberbo vê uma belíssima princesa brincando com uma maçã de ouro; o príncipe viu que a maçã era da árvore do pai. Pergunta à princesa pelo dragão, de que ela diz que fuja; ela diz-lhe que o pergunte à segunda irmã, que era tão bela que o príncipe disse: ‘Brilha, sol, para que eu brilhe com teu brilho’; esta manda-o à terceira, que era adivinha; estava ela triste por não ter maçã para brincar; ao vê-la, o príncipe sente voltar-lhe a força. Ela diz-lhe que o dragão está num quarto e quando dorme tem os olhos abertos, quando os tem fechados, está acordado; à cabeça estava um frasco de água, aos pés outro, e ele devia trocá-los; muitas espadas penduradas deviam dizer que as tomasse, mas ele devia tomar a mais enferrujada que estava atrás da porta; então devia acordar com uma punhada o dragão, que o convidaria para beber e tomaria o frasco que estava à cabeça e o príncipe o que estava aos pés. Assim fez, e o dragão foi morto. As princesas são atadas à corda e levantadas pelos dois irmãos mais velhos; mas, a mais nova antes tinha dito ao príncipe mais novo que subisse ele primeiro, porque os irmãos o matariam, mas como ele não acreditou disse-lhe que fosse a certo armário e acharia uma amêndoa, uma noz, uma avelã e uma corda de crina; tudo lhe seria necessário, se os irmãos o não tirassem de lá, havia de ir a uma eira, onde brincavam um com outro dois cordeiros, um negro, outro branco, e ele devia agarrar o branco; se agarrasse o negro desceria outro tanto pelo outro mundo abaixo. Ele disse-lhe à despedida que o pai havia de querer casar com ela, mas que esperasse por ele um ano, três dias e três horas. Atraiçoado pelos irmãos e tendo agarrado o cordeiro negro caiu outro tanto pelo outro mundo abaixo. Chegou a uma cidade e vendo numa hospedaria amassar a farinha com cuspo e tendo perguntado a razão disso, soube que a única fonte da cidade era guardada por uma serpente que cada semana comia um homem e só então deixava tirar água. O príncipe pede que lhe dêem uma bilha e lhe mostrem o caminho. Foi só, pois a velha da hospedaria com receio pela vida dele não lhe queria indicar o caminho. Viu uma rapariga atada a um penedo, que lhe disse ser a filha do rei à qual caíra em sorte ser devorada pela serpente. Ele soltou-a, pediu-lhe que o catasse, pois estava cansado e enquanto dormia a filha do rei atou-lhe o seu anel aos cabelos do alto da cabeça. Veio a serpente, e de susto a donzela não pôde acordar o príncipe e só pôde chorar, mas uma lágrima caiu no rosto dele e acordou-o. O príncipe matou a serpente; depois de lhe cortar doze cabeças, encheu a bilha de água, tomou as doze línguas das doze cabeças e, tendo voltado, disse à velha que a matava se ela dissesse que ele tinha morto a serpente. Um guarda do rei, que era um moiro, foi ver se a princesa tinha sido devorada e tomou as doze cabeças da serpente e apresentou-se como matador. O rei queria dar-lhe a filha, mas esta afirmava que o seu libertador era o filho de um rei. Diz ao pai que se devia fazer uma grande festa a que iriam todos os homens principais e quem apanhasse uma maçã que havia de atirar da janela abaixo seria o seu marido. Vestido de pastor apresentou-se o príncipe; a princesa reconheceu-o e atirou-lhe a maçã, mas o rei ficou muito encolerizado por a filha querer casar com um pastor. O príncipe compadecido, apresentou-se e perguntou ao moiro pelas línguas da serpente; ele respondeu que ela com medo as engolira; o príncipe cortou a cabeça a um cordeiro, que mordeu na língua e disse ao moiro se a serpente teria mais medo que o cordeiro; então apresentou as línguas. Em recompensa só queria ele ser posto no mundo de cima. O rei diz-lhe que se ele em certa montanha matar a serpente inimiga das águias, estas levá-lo-ão ao mundo de cima. O príncipe matou com grande trabalho a serpente que estava para devorar as aguiazinhas, que depois adejaram para lhe dar ar fresco enquanto dormia. Os pais queriam matá-lo, mas os filhos contaram o sucedido; as águias prometeram então fazer o que o príncipe quisesse e mandaram-lhe encher de água quarenta odres e matar quarenta búfalos e fazer um jugo de prata para as ligar. O príncipe devia ligar-se ao jugo e quando elas gritassem kra!, dar-lhe carne, quando gritassem glu!, dar-lhe água. Subiram; quando a carne acabou e elas pediram mais, o príncipe cortou uma perna e deu-a. Tendo chegado ao mundo, as águias vendo que coxeava, e sabida a razão, o rei delas disse: ‘Quem comeu a carne deve vomitá-la’; e mandou buscar por uma águia água da vida e pegou outra vez a perna. Disfarçado de pastor, e tendo posto na cabeça uma pele de cordeiro à maneira dos tinhosos, vai o príncipe à cidade onde o pai era rei e vai como oficial para casa de um alfaiate, onde o seu prazer era sentar-se nas cinzas e cobrir-se com elas.

164Estava a terminar o tempo que a mais velha das princesas devia esperar o seu libertador e que ela tinha pedido ao pai que queria casar com ela para se resolver; o rei disse-lhe que se preparasse para a boda, ela respondeu que lhe mandasse fazer em três dias um vestido em que se visse a terra com as suas flores, e que nem fosse talhado à tesoura nem cosido à agulha, que se metesse dentro de uma noz e se tirasse outra vez para fora. O alfaiate, mestre do príncipe, foi mandado sob pena de morte fazer um semelhante vestido; fornece-lho o príncipe, partida a noz que no outro mundo lhe indicara a princesa, e vendo-o, esta soube que o príncipe tinha voltado. O rei faz umas cavalhadas; vem o príncipe num cavalo e vem vestido como o céu e as estrelas, que apareceram ao queimar um pêlo de cavalo, que a princesa mais nova lhe dera, e ele venceu na corrida. Ao outro dia o rei tendo pedido à princesa que desse a sua decisão ela disse-lhe que lhe fizesse preparar um vestido com o céu e as estrelas; o príncipe fornece-o ao alfaiate partindo a amêndoa; há novas cavalhadas e o príncipe vence na corrida, montado num cavalo e com um vestido em que havia o céu e as estrelas; depois partida a avelã, sai um vestido exigido pela princesa com o mar e os peixes e o príncipe vai-o levar ao rei e pede-lhe que o aceite como bicho de cozinha.

165À noite vieram os doze conselheiros ter com o rei, para lhe fazer passar o tempo. Naquele tempo gostava-se muito de ouvir contar histórias e como já ninguém sabia conto novo para contar, o rei lembrou-se do novo moço da cozinha, veio este e exigiu como condição que se fechassem todas as portas e lhe dessem a chave para não sair ninguém da sala e contou então tudo o que lhe tinha sucedido, quando chegou ao ponto em que os irmãos o atraiçoaram quiseram eles sair da sala e então ele tirou da cabeça a pele de cordeiro e o rei reconheceu-o. No dia seguinte foram exilados os dois príncipes mais velhos.»

166Se da Grécia passamos à Itália, encontramos nessa região numerosas versões do nosso conto.

167Na riquíssima colecção do Dr. Giuseppe Pitré, cujo título transcrevemos acima, o nosso conto acha-se representado pelos n.os 80 (La Jisterna) e 83 (Lu Malacunnutta).

168Na versão de Vallelunga (n.° 30):

169«Três filhos de um rei vão à caça; os mais velhos fazem descer o mais novo a uma cisterna, onde há uma velha que lhe indica o quarto de uma princesa que lhe daria o meio de lá saírem; essa princesa está ali com duas irmãs em poder de um mago; dá-lhe a primeira uma maçã, a segunda uma romã e a terceira uma coroa que faz o que se lhe manda e uma garrafa de água da força; vence o príncipe o mago; são tiradas da cisterna as princesas; os irmãos mais velhos deixam lá o mais novo que sai de lá pelo poder da maçã, vai à cidade do pai e fica como aprendiz em casa de um ourives. O rei manda ao ourives que fizesse em poucas horas uma coroa real para o filho mais velho, que ia casar; o príncipe livrou o ourives do apuro pela virtude da maçã que lhe faz aparecer uma coroa. O príncipe mais novo vai à boda com grande esplendor e corre à paulada o ourives. Por meio da romã, faz segunda coroa para o irmão do meio; vai à boda e dá nova tosa no ourives. A terceira irmã pedira a quem queria casar com ela que esperasse um ano, um mês e um dia. Quando estava para casar (o conto não diz com quem; mas a versão grega indica-nos que devia ser com o pai dos príncipes), nova coroa deve ser feita. Quando o casamento se estava fazendo apresenta-se o príncipe e é reconhecido das princesas por meio dos objectos que elas lhe tinham dado.»

170Pitré cita a p. 208 do vol. ii uma versão que se aproxima mais da grega e que devia ser preferida para o texto:

171«Il minore di tre figli d’un re, custodendo di notte il giardino del padre, troncõ d’un colpo di spada una gamba a un mago che veniva sempre a sfrondare gli alberi. La gamba rotolando si trattenne e sprofondò in un buco a due miglia dal giardino. Il giovane entró peló buco e si trov in un sotterraneo con tre principessine incantate dal mago, ciascuna in una stanza. Le fé risalire nel mondo di sopra, ricevendo, pegno d’amore e di fede, una pezzuola e una mela d’oro, dalla minor sorella. Sposate a prime due principesse dai due fratelli maggiori del giovane, la terza volle attendere l’amante rimasto sotto terra. Costui aiutato da una’quila, venne nel mondo di sopra, ove l’aquila gli vomitò la gamba che egli pel viaggio le diè a mangiare quando ella dimandava imperiosamente carne. Egli s’attacò la gamba; andò a trovare la sua bella, le porse la pezzuola, etc.»

  • 10 Otto Fiabe e Novelle siciliane, raccolte dalla bocca del popolo ed anuotate. Bologne, 1873 (Estrato (...)

172Desta versão se aproxima outra siciliana, publicada pelo mesmo infatigável colector10 que oferece apenas algumas diferenças insignificantes.

173Vê-se claramente que o conto das princesas libertadas de um poder demoníaco por um valente que é atraiçoado pelos seus companheiros se ramifica em dois tipos, um em que os companheiros são irmãos (às vezes simples companheiros, mas fracos) do atraiçoado, outro em que eles são homens de força prodigiosa que o herói principal reúne a si no caminho.

174Ao primeiro ramo pertencem as versões russa, grega e sicilianas de que demos extractos e a primeira das versões servas; ao segundo, as versões portuguesas, a avárica e a segunda sérvia.

  • 11 Sicilianische Mdrchen. Aus dem Volksmund gesammelt ven Laura Gonzenbach. Mit Aumerkungen Reinhold K (...)
  • 12 Volksmarchen aus Venetien. Gesammelt und herausgegeben von Georg Widter und Adam Wolf. Mit Nachewei (...)
  • 13 Ibidem, vol. viii, pp. 241-246.

175O primeiro ramo acha-se ainda representado na Itália pelas versões sicilianas da colecção de Laura Gonzenbach n.°s 58, 59, 61, 63 e 6411, a venesiana na colecção de Widzer e Wolf12, n.° 4, monferratense na colecção de Comparetti, cujo título transcrevemos à frente deste artigo, n.° 19, napolitana publicada por Köhler13. Pitré cita nas suas notas ao n.° 80 uma florentina numa colecção que não tenho à mão.

176A versão n.° 58 de Gonzenbach começa pelo rapto das princesas; três príncipes irmãos resolveram ir libertá-las; só o mais novo consegue descer ao fundo da cisterna onde elas estão, os mais velhos cansados de esperar vão embora e o mais novo sai de lá em cima de uma águia com as princesas; deste modo a traição dos irmãos não se acha motivada e o conto perde todo o interesse.

177O n.° 59 começa como o n.° 58. Os príncipes são ajudados por um soldado velho e coxo, que possuía uma espada encantada. Depois dos príncipes terem sido batidos por um gigante num castelo em que tinham ido habitar, o velho mata o gigante e depois é que se dirigem à cisterna onde estavam as princesas; falta aqui o laço natural entre a luta e o descobrimento do subterrâneo, que achamos nas versões avárica, russa e serva. O velho representa aqui o papel do irmão mais novo das outras versões; só sai do subterrâneo, onde o deixaram os príncipes, depois de terem tirado as princesas, quando descobre um apito que, tocado, diz: ‘manda’ e aquele manda que o transforme em belo rapaz e o ponha lá fora, etc. Na corte onde cada um deve contar um conto, conta o velho soldado tornado rapaz a sua própria história, como em Hahn n.° 70 o irmão mais novo.

178No n.° 61 três filhos de um rei vão sucessivamente habitar em casas construídas num vale onde tudo era de ouro; os dois mais velhos, ouvindo lá à meia-noite um ruído medonho, fogem e a casa cai; o mais novo não se assusta, aparece-lhe um homem selvagem que o não intimida e quando acorda no dia seguinte o príncipe vê a casa toda de ouro. Procuram-no os irmãos e dando um passeio descobrem um poço. Segue-se a morte do homem selvagem e o desencantamento das princesas que lá estavam, a traição dos irmãos, que as ameaçam de morte se falarem no irmão mais novo, a subida do príncipe na águia, a que ele dá as pernas a comer e que as vomita depois, a estada do príncipe em casa de um alfaiate e os apuros deste, de que é livrado pelo príncipe, que consegue tudo por meio de um cinto mágico que lhe dera a princesa mais nova; há torneios e o aprendiz do alfaiate é o escolhido pela princesa mais nova para noivo; ela reconhece-o por um anel que possuía, o qual brilhava quando ele se aproximava; mas o príncipe, ainda depois de casado, não se dá a conhecer à mulher. Vai à caça com os dois irmãos mais velhos e ele mata muitas aves, enquanto os outros não matam nenhuma; o mais novo dá-lhas com a condição de eles lhe deixarem fazer nas costas dois traços negros. Os irmãos mais velhos, que não vêem ninguém diante de si, senão o suposto aprendiz de alfaiate que têm na conta de estúpido, consentem e vão vangloriar-se da caçada que diziam ter feito. O príncipe mais novo faz transformar a sua casinha num grande palácio e dá-se a conhecer ao pai. Não se fala mais dos traços nas costas dos irmãos que deviam sem dúvida, na forma menos alterada desta versão, servir para confirmar o carácter mentiroso dos traidores.

179O n.° 62 é uma próxima variante do n.° 59. Dois generais vão à busca das três filhas do rei arrebatadas numa nuvem; um simples soldado liberta as princesas e é atraiçoado pelos generais.

180Nesses dois números não parece haver representantes do segundo ramo, mas sim uma alteração do primeiro tipo; a mesma observação convém ao n.° 63, em que o herói é chamado um seminarista pela tradutora que nos diz que a narradora lhe chamava abbatino, o herói é traído por um soldado que estava de guarda ao paço, maravilhosamente aparecido à beira do mar.

181A versão n.° 64 começa como a russa, grega, etc.:

182«Os dois irmãos mais velhos, filhos do rei, adormecem guardando a árvore; só o mais novo permanece de vigília; segundo o rasto de sangue do ladrão dos frutos ferido por ele descobre-se o poço. Depois das princesas terem sido tiradas pelos dois irmãos que ficaram de fora, o mais novo, que, desconfiado, prendera uma pedra à corda e a vira cair, acha um cavalo maravilhoso no mundo subterrâneo que lhe indica tudo o que precisa. Depois de terem casado os dois irmãos mais velhos com as duas princesas mais velhas, o rei pai cega; só o pode curar a água da fada Morgana, que em vão é procurada pelos dois irmãos. O irmão mais novo sabe-a no subterrâneo pelo cavalo, do qual a fada era irmã; é levado pelo cavalo que lhe indica o que deve fazer para alcançar a água.

183Havia uma grande porta cujos batentes estavam sempre abrindo e fechando; o príncipe havia de meter uma barra de ferro no meio e passar pela abertura assim feita; havia de encontrar umas enormes tesouras sempre a abrir e fechar que tudo cortavam que se lhe aproximava; um rolo de papel metido no meio deixá-lo-ia passar; havia de dar uma cabra a dois leões, metade para a direita, metade para a esquerda; num jardim havia um poço em que gotejava o suar de Morgana; havia de colher o líquido e três romãs de uma árvore. O príncipe, enquanto o frasco se enchia do suar, percorre o palácio da fada; encontra-a dormindo, tira-lhe os sete véus, através dos quais brilhava a sua beleza, dá-lhe um beijo e, atemorizado, foge. A fada acordada pelo beijo persegue-o com os leões; mas por conselho do cavalo ele atira uma romã que produz uma larga corrente de puro sangue; lança depois a segunda romã e levanta-se uma montanha de espinhos, a última romã transforma-se num monte de fogo. O príncipe encontra os irmãos e dá-lhes o frasco; o rei curado divide entre os dois irmãos mais velhos o reino. Passado algum tempo o príncipe mais novo vai para a corte com um grande séquito; é preso pelos irmãos e o séquito desaparece, pois em obra de magia; o cavalo maravilhoso acompanha o príncipe e pede-lhe que lhe rasgue o ventre e transforma-se então num belo mancebo; faz sair o príncipe da prisão, aparecer um grande exército; os irmãos mais velhos pedem perdão ao mais novo, etc.»

184Como se vê, há nesta versão o episódio da água que cura a cegueira do rei, inteiramente desconhecido das versões anteriores; mas por enquanto abster-nos-emos de observações comparativas.

185Na versão veneziana os príncipes irmãos querem saber quem lhes arranca três árvores plantadas de véspera no jardim; vêem levantar-se as árvores da terra e segui-las um caixão de defunto acompanhado de quatro homens com archotes. Só o irmão mais novo não foge e interroga um dos homens dos archotes, que lhe indica certo poço onde saberá a causa daquilo. O príncipe mais novo desce, faz tirar para fora o ouro de que estava cheio um caixão de defunto e três donzelas que estavam em poder de uma feiticeira. Deixado lá pelos irmãos, recebe da feiticeira a quem agrada um anel por cujo poder se transporta ao reino do pai; lá vai a um torneio cujo vencedor devia receber em prémio a mais nova das donzelas libertadas; vence nos três dias, desaparecendo nos dois primeiros e sendo preso no terceiro e quando se ajoelha aos pés do rei, este reconhece-o por certo sinal no pescoço. Os irmãos são perdoados da pena de morte, mas expulsos da regência.

186Na versão monferratense, muito pobre, «o mais novo de ‘tre ragazzi’, que de príncipes estão aqui reduzidos a simples filhos do povo, desce ao poço onde estava em poder de um mago uma princesa; os irmãos puxam-na pela corda e ele receando traição ata depois uma pedra a ela. Deixado no poço encontra uma velha que sob ameaça de morte lhe indica uma escada por onde sai. Junta-se aos irmãos a quem censura e que dizem que a corda se quebrou. Vão a passar um rio; vem o mago pelo ar com fúria; o irmão mais novo que era caçador atira-lhe e o mago cai em cima do barco e parte-o, um dos irmãos que era carpinteiro concerta o barco; a princesa depois caminhando vê que tem os sapatos rotos e o outro irmão, que era sapateiro, fez-lhe um par de sapatos. Depois cada um se julga pelo que fez com direito à princesa. O pai desta dá-lhes outras mulheres para terminar a questão».

187Saindo da Itália encontramos numerosos representantes do mesmo ramo do nosso conto. Reinhold Köhler nas suas notas à versão veneziana e às versões sicilianas colhidas por Gonzenbach, cita além da versão grega de Hahn as seguintes:

  1. a magiar em Gaal, Märchen der Magyaren, p. 77.

  2. a eslavónica Nic. Vogel, Volksmärchen, p. 77.

  3. a polaca em Woycicki, Polnische Volkssagen und Marchen, trad. alem, de Lewestam, p. 119.

  4. as alemãs em: Grimm (Gebrüder), Kinder und Haus Märchen, n.° 91; Wolf, Deutsche Mãrchen und Sagen, n.° 21; Sommer, Sagen, Märchen und Gebräuche aus Sachsen und Thüringen, Märchen n.° 6; Colshorn, Deutsche Mãrchen, n.° 48; Curtze, Volksiberlieferungen aus Waldeck, p. 138; Vernalecken, Kinder Märchen aus Oesterreich, n.° 54.

188Não tenho à mão dessas colecções senão a dos irmãos Grimms, a mais célebre de todas as colecções de contos populares; como não posso também examinar outras citadas pelo sábio bibliotecário de Weimar fico em dúvida se as versões do nosso conto que contêm pertencem ao primeiro se ao segundo rumo.

189As versões húngara e eslavónica, pelo que nos diz Kõhler, têm de comum com a grega (e com as outras que analisámos e ainda não estavam publicadas quando Kõhler escrevia) que o libertador das três princesas é o mais novo dos três irmãos e é deixado no poço depois delas terem sido tiradas por meio da corda; uma ave traz o libertador para fora, etc. O começo da versão magiar consiste em que do lugar onde se guardam os presuntos do rei desapareceram de noite peças inteiras; os dois irmãos mais velhos vigiam cada um pela sua vez duas noites seguidas e vêem vir um dragão; o mais novo segue, quando lhe vem a vez, o dragão e vê-o desaparecer numa cova. Na versão polaca os três irmãos são filhos de um lavrador; espiam um falcão que de noite vem bater na janela da igreja do lugar; os mais velhos adormecem na vigia e o mais novo fere o falcão e vê-o desaparecer num subterrâneo. No seguimento não é uma águia que traz o herói para fora do subterrâneo, mas sim um feiticeiro.

190A versão alemã da colecção Grimm n.° 91 é em dialecto paderbórnico.

  • 14 Anão mítico.

191«No jardim do rei havia uma macieira e quem colhesse dela uma maçã desapareceria cem braças abaixo do chão; as filhas do rei supondo isso falso e, curiosas, apanham maçãs e desaparecem. Três companheiros de caça vão, depois de outras pessoas, à busca das princesas; chegam a um grande palácio; em três dias sucessivos vem um homenzinho, pede pão e bate em cada um dos que tinha ficado no palácio; só o irmão mais novo lhe resiste e o homenzinho que era um Erdmänneken14 gritou que o deixe que lhe dirá onde estão as princesas.

192Segue-se a descida ao poço, indicado pelo homenzinho ao mais novo, depois dos outros terem debalde tentado descer, a saída das princesas que estava cada uma em seu quarto e guardada por dragão com muitas cabeças, a traição dos companheiros ao mais novo, que os experimenta pondo uma pedra no cesto. Ele vendo-se em baixo toca a sua gaita-de-foles e aparecem-lhe muitos homenzinhos que lhe perguntam o que deseja e eles trazem-no para a superfície da terra, onde o herói vai reclamar os seus direitos à corte do pai das princesas; os companheiros são enforcados.»

193Wilhelm Grimm cita, no tom. iii, p. 91 seg. dos Kinder-und-Hausmärchen (3.a ed.) uma outra versão dos arredores de Colónia. As outras versões alemãs pouco divergem, segundo o que Kõhler diz da que extractamos. Em Wolf e Curtze é uma águia que traz o herói do mundo subterrâneo.

194Ao segundo ramo do nosso conto pertencem, além das versões portuguesas, avárica e serva, que o leitor já conhece, as seguintes citadas por Kõhler, nas notas a Widter-Wolf, Gonzenbach e Awarische Texte, das quais só podemos ler nas fontes respectivas a lituânica e a alemã de Grimm:

  1. as alemãs em Grimm, K. u. HM, n.° 166; Müllenhoff, Sagen Märchen, und Lieder der Herzogthümer Schleswig, Holstein und Lanenberg, n.° 16; Birlinguer, Volksthümliches aus Schwaben, i, 350; Colshorn, Deutsche Märchen, n.° 5; Haltrich, Deutsche Volksmärchen aus dem Sachsentande in Siöenbürgen, n.° 17.

  2. a boémia em Waldau, Bohmisches Märchenbuch, p. 346;

  3. a lituânica em A. Schleicher, Litanische Märchen (Weimar, 1857, 8.°).

  4. as tirolesas em Zingerle, Kinderund Hausmärchen aus Tirol, n.° 10 (2.a ed.); Schneller, Märchen und Sagen des Wälslhtirol, n.° 39;

  5. a dinamarquesa em Grundtvig, Gamle danske Minder, i, 33;

  6. a eslava em L. Haupt und Schmaller, Wolkslieder der Wenden, ii, 169;
    A estas indicações posso eu acrescentar a das versões:

  7. a siciliana em Pitré, n.° 83;

  8. a andaluza em Fernan Caballero, Cuentos y poesias populares andaluces, p. 51 (Leipzig, 1859, 8.°) traduzida em extracto por F. Wolf, Beitrâge Zurspanischen Volkspoesie aus den Werken Fernam Caballero, no boletim das sessões da Academia de Viena, xxxi, pp. 209-213.

195Na versão publicada pelos irmãos Grimms:

196«Hans e sua mãe são levados numa floresta por ladrões para uma gruta. Hans cresce ali, e quando chega aos doze anos mata o chefe da quadrilha e vai à busca do pai, levando um saco de preciosidades que pertenciam aos ladrões; em casa do pai o saco com o peso quebra o banco em que Hans o põe e a casa estala. Depois que construíram casa nova, o filho disse ao pai um dia que guardasse aquelas riquezas e lhe mandasse fazer uma bengala do peso de um quintal (zentnerschweren Spazierstab) e foi por esse mundo. Encontrou um que torcia um pinheiro como se fosse uma corda com que queria atar achas de lenha; Hans leva-o em sua companhia e chama-lhe Torce-Pinheiros (Tanndreher). Encontram um gigante que a punho arrancava grandes pedaços de um penedo; Hans leva-o também na sua companhia e chama-lhe Racha-Penedos (Felsenklipperer). Vão para um palácio abandonado e um dia que Hans e Racha-Penedos tinham ido para a caça e Torce-Pinheiros ficara em casa a fazer a comida vem um velhito todo enrugado e como aquele não lhe desse a carne que pedia bateu-lhe muito e deixou-o sem forças no chão; o mesmo sucede ao Racha-Penedos, que nada sabia do que sucedera ao companheiro, pois este se calara; ao terceiro dia Hans fica e dá carne duas vezes ao anão, mas este exige mais e ele recusa-lhe; Hans fá-lo fugir, persegue-o e vê-o entrar num buraco na floresta; vai depois lá com os companheiros, desce com a sua bengala dentro de um cesto. Acha lá uma princesa; mata o anão, em cujo poder ela estava, mete-a no cesto que é levantado pelos companheiros; mas não confiando nestes, pois ‘eles tinham sido falsos para ele, não lhe dizendo nada do anão’ mete depois no cesto uma pedra que é deixada cair. Por meio de um anel mágico que o anão tinha no dedo consegue Hans sair do subterrâneo e ele vendo um navio em que iam os companheiros, encolerizado precipita-se no mar; o peso da bengala arrasta-o ao fundo, mas o anel faz-lhe aparecer os espíritos que o levam ao navio, onde mata os companheiros traidores.»

  • 15 Depois de ter escrito este artigo noto que me escapou uma outra versão suíça publicada por Sutterme (...)

197Esta versão é da Suíça.15

198Vejamos agora a versão lituânica, publicada por Schleicher.

199«Martim, nascido de pais longo tempo privados de filhos, tem uma força tal que ninguém o pode vencer na luta; aos doze anos de idade pede ao pai uma bengala de ferro, a única coisa que exigia. Feita ela de duas barras de ferro e tão pesada que o homem mais forte mal a podia levantar, Martim arremessa-a ao ar como uma pena e ela caindo quebra-se ao meio; com outro tanto ferro faz-se nova bengala, que depois de Martim a arremessar ao ar penetra na terra tão fundo que um homem teve meio dia de trabalho para a tirar de lá. Martim encontra depois um ferreiro que tinha um grande martelo e leva-o na sua companhia; o segundo mostra a sua força batendo três pancadas numa árvore que vai para cair, mas o primeiro sustem-na com a bengala. Encontram um alfaiate que diz coser tão depressa, que num dia é capaz de vestir um homem da cabeça aos pés. Vão todos os três e estabelecem-se numa casa numa floresta em que tinha morrido toda a gente. Um dia que o alfaiate ficara em casa a fazer a comida e os outros tinham ido para a caça; vem um homenzinho de altura de um pé, com barba do comprimento de uma braça, roga ao alfaiate que o deixasse ir para a loja, pois estava muito cansado e fraco e depois dele o ter levantado, pois o homenzinho parecia não poder subir o degrau da porta, depois de o ter assentado num banco para ele se aquecer e lhe dar carne, o homenzinho deixa cair a carne e quando o alfaiate se abaixava para a apanhar, o hóspede salta-lhe à nuca e bate-lhe até o deixar quase morto. O mesmo sucede ao ferreiro, o alfaiate não tendo contado nada, mas quando veio a vez de Martim, este agarra-o pela barba e bate-lhe com a bengala, ainda que a custo consiga isso, e depois segura-o pela barba na racha que faz num tronco de árvore com um machado. Quando vêm os companheiros, vão os três ver o homenzinho, mas ele tinha fugido, deixando a barba pela raiz no tronco; o rasto de sangue que deixara guia os três companheiros a uma cova, no alto de um monte. Martim mata oito bois, agarrando-os pelas pontas e abanando-as com tal força, que as entranhas com a carne se separam da pele; a pele é cortada pelo ferreiro e cosida em tiras pelo alfaiate, formando uma corda, à qual é preciso juntar ainda as correias, feitas com as peles de outros bois para Martim descer ao fundo da cova, dentro de um cesto. Acha lá três princesas que lhe dizem haver ali três dragões, um com três, outro com seis, e o último com nove cabeças; Martim confia na sua força e na bengala, mas vendo que não pode mover a espada dos dragões perde a coragem; mas uma das princesas dá-lhe a beber os frascos dos dragões que continham a água da força e enche-os de água pura; desse modo vence ele os dragões. São tiradas as princesas e Martim é deixado cair a meia altura, mas ele cai como se fosse sobre penas; acha depois no subterrâneo o homenzinho da barba que lhe diz não ter força para o tirar para fora e mata-o. Depois vê um buraco, atira por ele acima a bengala, que, ao cair, bate no ninho de uns dragões e faz cair um dos filhos; o dragão vem buscar o filho e depois de ter repreendido Martim por lhe ter perturbado a paz e tendo sabido a causa disso, prepara-se para trazer Martim para cima; este faz grande provisão de carne, que acabou no caminho, de modo que o dragão quer lançar Martim para baixo; mas ele segura-se bem e o dragão resolve-se a levá-lo outra vez se levar carne em dobrada porção; acabada ainda esta, Martim dá ao dragão carne das próprias coxas; chegado à terra o dragão quase o atira às nuvens, mas ele cai sobre a terra como sobre penas e cura-se com o sangue de um dragão que trazia num frasco; vai ao castelo onde estavam os companheiros, que expulsa.»

200O n.° 83 de Pitré tem uma primeira parte um tanto semelhante à do conto avárico:

201«O Mal-Procedido (Malacunnuta) ou Peppi serve um amo que o manda guardar vacas a um sítio onde anda um dragão, mas que o avisa para ele se acautelar; vem o dragão e Peppi espreme um queijo e faz-lhe crer que espreme uma pedra e assusta-o; depois vai com ele, fazendo crer por vários ardis que é muito forte; vai andando com um rebanho de porcos que apanhara ao dragão e encontra um homem que sustinha um monte com os ombros; seguem ambos e encontram um que tinha feito parar um rio com as barbas, depois encontram outro que batia aço com o punho. Vão os quatro e fazem habitação de uma gruta; um preparava o comer enquanto os outros andavam por fora; vem uma velha pedir um bocado de carne e espanca cada um dos companheiros em dias sucessivos até chegar a vez de Peppi, mas este corta a cabeça à velha; a cabeça rola, rola até uma abertura que havia na terra, por onde desaparece. Peppi desce à cova, encontra lá muitas feiticeirinhas que gritam que ele lhes matou a mãe; vê um pombo com dois ovos, toma-os e cai-lhe um no chão e as filhas gritam que não toque nos ovos que a mãe morre; vê a mãe num leito; ele dá-lhe o ovo em troca da chave de uma porta fechada com sete cadeados e quebra o ovo, morrendo a velha e as filhas; são tiradas para fora as princesas, que estavam fechadas pela porta, por uma corda; depois sobe Peppi, mas a meia altura os companheiros deixam-no cair. Uma águia trá-lo e quando a provisão de carne que Peppi trazia para lhe dar acabou, ele dá-lhe os pés, as pernas, as mãos e os braços. A águia vomitou depois as partes do corpo e junta-lhas. Depois vai no encalço dos companheiros e mata-os e vai para o reino da princesa mais nova e mais bela.»

  • 16 Traduzimos o extracto do conto finlandês como o dá R. Köhler no Jahrbuch vii, 26.
  • 17 Popular Tales of The West Highlands, orally colleted with a translation, by J. F. Campbell, 4 vol., (...)

202Pertencem ainda a este vasto ciclo em todo ou em parte outros contos, tais são o conto finlandês em Bertram, Jenseits der Scheeren, oder: Der Geist Finnlands, p. 1 (Leipzig, 1854)16 e os contos gaélicos publicados por Campbell17.

203No conto finlandês:

204«Glifo, criado de cavalariça, apanhou pelas mãos, na racha de uma árvore que cortava, o espírito da floresta Pellerwoinen. Solta-o quando o espírito lhe promete dizer onde estão as três filhas do rei, que tinham desaparecido, e Pellerwoinen mostra-lhe uma cavidade profunda num penedo, fá-lo descer por uma corda e puxa para cima as três princesas que Glifo liberta em baixo; mas três homens chamados brancos tinham ido atrás de Glifo e quando Pellerwoinen o quer tirar para fora, eles cortam a corda ao meio, fazem fugir o espírito e apoderam-se das princesas. Glifo por meio da sua flauta chama Tellenwinen que vem num corvo e o tira dali para fora. Depois vai Glifo para casa de um ourives e quando as filhas do rei exigem coroas como as que tinham no subterrâneo, ele arranja-as com o auxílio de Pellerwoinen; depois faz-se reconhecer como o verdadeiro libertador das princesas e casa com a mais nova.»

205No conto gaélico n.° 16:

206«As filhas do rei de Lochlin são roubadas por três gigantes. Os filhos de uma viúva vão sucessivamente tentar construir um navio para ir à busca das princesas; só o último consegue isso, com o auxílio de uma Urnisg. Vão no navio os grandes do reino que estavam para casar com as princesas; encontram um homem bebendo um rio, um outro que queria comer todos os bois que havia num parque, um outro que ouvia crescer a terra e levam-nos. Com o auxílio desses companheiros o filho da viúva vence os gigantes no seu buraco, excepto o último para vencer o qual para livrar a terceira princesa era preciso servi-lo um ano e um dia; ele faz sair os companheiros e as princesas e os grandes da corte que estavam em cima foram dizer que tinham sido eles quem tinha cometido as grandas façanhas. Ao fim de um ano e um dia o gigante põe uma águia a caminho com o rapaz, mas tendo-se acabado a carne antes de chegar a cima, a águia volta para baixo e o rapaz tem que lá ficar mais um ano e um dia. Ao fim desse tempo sucede o mesmo, mas o rapaz dá à águia carne da própria coxa e sobe; a águia deu-lhe um assobio com que a chamaria quando precisasse dela. Por meio da águia arranja, estando como aprendiz de ourives, as coroas desejadas das princesas e faz reconhecer a verdade, casando com a princesa mais velha.»

207Terminaremos este já demasiado longo exame das versões do nosso conto perto do ponto onde o começámos, na Espanha.

208A versão andaluza, publicada por Fernan Caballero, conquanto muito alterada e modernizada tem um interesse particular para nós porque tem de comum com as versões portuguesas o traço da orelha do diabo, que não tem correspondentes exactos nas outras versões:

209«Um rapaz vai pelo mundo com as suas armas e um bom cavalo; encontra um homem que levava às costas uma grande carga e lhe diz ser Carguin Cargon, hijo del buen cargador ; seguem e encontram um que movia com o sopro cinco moinhos e diz chamar-se Soplin Soplon, hijo del buen soplador; seguem os três e encontram outro que diz estar ouvindo sair do mar um bando de mosquitos e chamar-se Oidin, Oidon, hijo del buen oidor ; uma tempestade obriga-os a recolherem-se num castelo em que encontraram uma serpente de sete cabeças, que o rapaz cortou, metendo-se a maior num fogo que se abriu no pátio. Ao fim de quatro anos desce lá Soplin e encontra a princesa de Nápoles que estava em poder de Lúcifer; vão sucessivamente os outros companheiros, dos quais só resiste ao diabo o rapaz que lhe corta uma orelha. O diabo para que ele lhe restitua a orelha, põe a princesa e os quatro companheiros na corte de Nápoles, etc.».

210Falta o núcleo essencial do conto que é a traição e o resto é assaz miserável.

211Este conto é quase completamente estranho à corrente erudita ou literária; só podemos citar sob este ponto de vista um romance vulgar publicado por Duran, Romanceiro general, n.os 1263-1264, de um pliego suelto de Alonso de Morales, intitulado Las princesas encantadas.

212«Cataldo, rei da Síria, descendente dos árabes de Espanha, manda encerrar num castelo sob o encanto de um mago as três suas filhas e promete dá-las em prémio ao cavaleiro que entrar na torre e quebrar o encanto. Três irmãos nobres, mas pobres, intentam a empresa. Vendo a elevação do castelo os dois mais velhos que tinham pedido cavalos e armas luzidas desanimam; voltando encontram o outro irmão que ia só com um carro e comida para muitos dias, grandes pregos e uma corda; vão os três para junto do castelo; o mais novo sobe o castelo pregando sucessivamente os pregos na muralha; em cima saem-lhe ao encontro as três irmãs, que lhe dizem que é necessário arrancar três pêlos de três formosos cavalos, que havia no castelo, pois nisso está o seu encanto. Ele faz descer as princesas pela corda e a última dá-lhe uma gargantilha, que o devia livrar talvez de perigos. Descidas as princesas os irmãos arrancam a corda e vão para a corte. Ele busca os cavalos, monta o que pertencia à princesa que lhe dera a gargantilha e é levado por terras desconhecidas. Troca com um pastor o fato, e fez um gorro de pele de cordeiro para cobrir a cabeça; vai para a terra do pai das princesas, onde é tido por louco. A filha mais nova não Queria casar, instada pelo pai, diz que casará com aquele que lhe apresentar uma gargantilha como a que tinha na torre. O irmão mais novo, que servia de criado a um alquimista, a quem o rei manda fazer a jóia sob pena de morte, promete ao amo fazê-la e encerra-se num aposento e ao fim dos dias marcados apresenta a gargantilha que lhe dera a princesa. O alquimista conta a verdade; a princesa diz que quer casar com o criado e força é casá-los. O irmão mais novo não se dá a conhecer; o rei manda-o viver com a mulher para um tosco albergue a fim de não serem vistos. A dor de tal casamento faz cegar o rei; só a água de certa fonte o pode curar. Os dois genros mais velhos vão procurá-la; o mais novo no cavalo encantado foi buscá-la primeiro e encontrando os irmãos dá-lha em troca de duas pêras que o sogro lhes tinha dado. O rei tem outra doença que só pode ser curada com o leite tirado a uma leoa em certa floresta; o irmão mais novo alcança-o, por meio do segundo cavalo, e disfarçado de outro modo dá-o aos mais velhos, cortando-lhes em paga uma orelha com a faca. Declara-se guerra ao rei; os irmãos mais velhos são nomeados chefes das tropas; o mais novo no terceiro cavalo encantado vai ao campo do inimigo e tendo-o destroçado traz as bandeiras que lhes dá com a condição deles se deixarem marcar com um ferro no ombro esquerdo. O rei resolve mandar o genro mais novo para umas ilhas remotas, o rapaz pede que no dia da partida se juntem todos os grandes para um famoso convite e ele então revela a verdade, apresentando como provas as pêras, as orelhas cortadas que os irmãos encobriam, e o sinal do ferro e perdoa-lhes.»

213Observaremos ainda que os heróis como o Arranca-Pinheiros, Abaixa-Montes, etc., figuram num grande número de contos; os nomes oferecem muitas vezes um paralelismo notável; como por exemplo com os nomes dos contos portugueses os dos contos alemães. Felsenklipper ou Steinzerreiber (Esmaga-Pedras), Baum-dreper ou Holzkrummacher (Torce-Madeira), os russos Vertodub (Arranca-Árvores, de vertiet, fazer girar, e dub, Árvore, carvalho) e Vertogor (Abaixa-Montes, de vertiet e gora, monte), etc.

  • 18 Vid. Frédéric Mistral, Míreio, nota 7 ao canto v.

214O nosso conto parece achar-se também em França, conquanto nenhuma versão francesa dele fosse ainda publicada.18

III

  • 19 A nossa colecção de contos populares portugueses aproxima-se já de 200, não contando as variantes, (...)

215O conto que nos contaram duas mulheres do povo do Minho e Douro tem, pois, correspondentes mais ou menos próximos em quase todos, para não dizer em todos os povos da Europa até aos confins da Ásia e Europa na região caucásica, e talvez, se fôssemos mais longe, os encontrássemos ainda. Um semelhante fenómeno não se explica facilmente e se se observa que poucos contos populares há que não se encontrem por assim dizer por toda a parte, se se considera que o número desses contos é assaz considerável19, compreender-se-á que esse fenómeno pela sua vastidão e as causas à primeira vista misteriosas que o produzem deve excitar em alto grau a atenção daqueles que se interessam pelos factos do espírito. Povos profundamente distintos por caracteres antropológicos e étnicos, pela raça, pela língua, pela civilização, pela religião, separados por as maiores distâncias geográficas, alguns fechados quase à comunicação com os outros povos, contam às vezes com palavras e expressões idênticas os mesmos contos. O conto apresenta-se-nos assim como um ponto neutral, como um laço de comunhão entre os povos da terra. Não se imagine que exageramos, não se suponha que queremos dar ao assunto importância pelo simples facto de que tratamos dele, quando ao contrário nós tratamos o assunto porque lhe reconhecemos a sua grande importância. Busque-se o que vence as barreiras da raça, da língua, da religião, da nacionalidade, da política suspeitosa e encontrar-se-á o conto. Bastava só esse facto para justificar um estudo detido dos contos populares.

  • 20 Vid. os n.os 3, 4 e 5 do Romanceiro Geral, publicado por Teófilo Braga e os n.os 11 e 12 dos Cantos (...)

216Alguns exemplos mais convencerão da sua realidade. Conhece-se o carácter de incomunicabilidade do povo chinês; não será pois sem admiração que os leitores que conhecem o romance popular português de D. Barão, Donzela Que Vai à Guerra, ou D. Martinho de Avisado20 lerão o seguinte romance chinês:

217«Tsi-tsi, e depois outra vez tsi-tsi. Mulan tece diante da sua porta. Não se ouve o barulho da lançadeira; ouvem-se somente os suspiros da rapariga.

218– Menina, em que pensas tu? Menina em que reflectes tu? – A rapariga não pensa em nada; a rapariga não reflecte em nada.

219– Ontem eu vi o livro do recenseamento; o imperador forma um exército numeroso. O livro do recenseamento tem doze capítulos, em cada capítulo eu vi o nome de meu pai. Ó meu pai, vós não tendes filho crescido. Ó Mulan, tu não tens irmão mais velho! Eu quero ir ao mercado do ocidente comprar uma sela e um cavalo, eu quero desde agora ir servir por meu pai.

220No mercado do oriente, compra um cavalo veloz, no mercado do ocidente, compra uma sela e uma cilha, no mercado do meio-dia compra um chicote comprido.

221De manhã, diz adeus ao pai e à mãe, à tarde passa à noite à beira do rio Amarelo. Não ouve já o pai e a mãe que chamam a sua filha; ouve só o surdo murmúrio das águas do rio Amarelo. À tarde chega à nascente do rio Negro...

222– Eu percorri dez milhas combatendo; passei com a rapidez da ave as montanhas e desfiladeiros. O vento do norte trazia aos meus ouvidos os sons da campainha nocturna; a tua espalhava sobre o meu vestido a sua fria e triste claridade.

223O general morreu depois de cem combates. O bravo guerreiro volta depois de dez anos de ausência.

224Logo que o pai e a mãe souberam da volta de sua filha, saem da cidade e vão-lhe ao encontro. Logo que as irmãs mais novas souberam da volta de sua irmã, deixam o quarto, adornadas das mais ricas alfaias. Logo que o irmão moço sabe da volta de sua irmã, correu a afiar uma faca para matar um carneiro...

225– Minha mãe abre-me o pavilhão do oriente, e faz-me assentar numa cadeira voltada para o ocidente. Tira-me o meu vestido de guerra e veste-me com os meus antigos vestidos. As minhas irmãs, paradas à porta, arranjam o seu brilhante penteado e enlaçam nos cabelos flores de ouro.

  • 21 Stanilas Julien, Les Avadânas, contes et apologues indiens, inconnus jusqu’à ce jour suivis de fabl (...)

226Mulan sai do seu quarto e vai ver os seus companheiros de armas; os seus companheiros de armas ficam pasmados. Durante doze anos, ela marchou nas suas fileiras e eles não perceberam que Merlan fosse rapariga, etc.21»

  • 22 Um conto em prosa de que há várias versões, combinadas em geral com outros dados, tem o mesmo fundo (...)

227Sem dúvida, falta aqui o episódio principal dos romances portugueses, as experiências feitas para conhecer o sexo da donzela guerreira e o paralelo parecer-me-ia casual se fosse isolado22; mas os contos traduzidos por Stanilas Julien e outros, do chinês, mostram-nos muitos numerosos pontos de contacto.

  • 23 Reincke Fuchs in Afrika. Fabeln und Märchen der Hingebornen. Nach Originathandschriften der Greysch (...)

228Pitré dá-nos no n.° 135 (primeira parte) uma versão siciliana de um conto que Bleek achou na África entre os indígenas, entre os Damaras; e já Callaway o achara entre os Zulus e Bleek oferece-nos uma versão traduzida do malagácico.23 Esse conto acha-se também em Portugal e publicarei em breve uma versão dele na Romania; pertence a um ciclo assaz extenso de que há bastantes representantes europeus. Muitos dos nossos leitores hão-de recordar-se do gato que do rabo faz navalha. É desse conto que se trata.

229Como se transmitiram esses contos, se não devemos admitir contra toda a verosimilhança que eles nascem espontaneamente por toda a parte, apenas com ligeiras diferenças? Se eles se transmitiram de povo para povo, onde e quanto nasceram? Nasceram num só ponto e numa só época, nasceram em muitos povos e muitas épocas?

230Como se desenvolveram e modificaram? São devidas ao capricho de cada narrador as diferenças que entre eles notamos ou têm outra causa essas diferenças? Qual a sua forma primitiva, se tão longe podemos ir e qual o seu motivo, a sua razão de ser original?

231Que influência têm tido na civilização, qual a sua significação para o conhecimento do homem?

232Poderá o seu estudo constituir um ramo novo na ciência e qual o método dessa nova ciência?

  • 24 Os juízes competentes a cujas mãos chegar este trabalho perdoar-me-ão, sem dúvida, o que nele há de (...)

233Eis as principais questões que os contos despertam e que serão o objecto dos nossos próximos artigos sobre os elementos tradicionais da literatura.24

Notes

1 Originalmente publicado na Revista Ocidental, 1875, vol. ii, pp. 329-346 e 425-444.

2 Não confundir os ávaros caucásicos com os ávaros mongólicos. O domínio da língua avárica, hunderil matsch (lhe chamam os indígenas), é limitado ao poente pelo rio Aksai, ao norte pelos montes que se estendem do Aksai, ao nascente pelo rio Koisu e no sul pelo Samur superior e o monte Schadagh. O avárico compreende vários dialectos.

3 Espécie de arca (ogresse) dos Ávaros.

4 O termo é mais forte e traduzir-se-ia por hostilidade; mas eu afasto-me o mais possível nestas traduções das expressões desconhecidas do povo, não sendo tão escrupuloso nos extractos.

5 Excepcionalmente damos esta versão por inteiro; no seguimento contentar-nos-emos em geral com simples extractos dos contos de outros povos.

6 Srpake narodne pripovijetke. Viena, 1853.

7 Bosniake narodne pripovijetke. Sissek, 1870. É só a primeira parte.

8 Volksmärchen der Serben. Berlim, 1854.

9 Grieehische und albanesische Märchen. Gesammelt, tibersetzt und erläutert von J. G. v. Hahn. Leipzig, 1864, 2 vol., 8.°, n.° 70 e vol. ii, p. 294.

10 Otto Fiabe e Novelle siciliane, raccolte dalla bocca del popolo ed anuotate. Bologne, 1873 (Estrato dal Propugnatore, vol. vi).

11 Sicilianische Mdrchen. Aus dem Volksmund gesammelt ven Laura Gonzenbach. Mit Aumerkungen Reinhold Köhler’s nudei ner Einleitung herausgegeben von Otto Hartvig. Leipzig, 1870, 2 vols., 8.°

12 Volksmarchen aus Venetien. Gesammelt und herausgegeben von Georg Widter und Adam Wolf. Mit Nacheweisen und Vergleichungen verwandter Märchen von Reinhold, no Jahrbuch für romanische und englische Literatur, vol. vii.

13 Ibidem, vol. viii, pp. 241-246.

14 Anão mítico.

15 Depois de ter escrito este artigo noto que me escapou uma outra versão suíça publicada por Suttermeister, Kinder-und Hausmärchen aus der Schweiz, n.° 21 (2.a ed.).

16 Traduzimos o extracto do conto finlandês como o dá R. Köhler no Jahrbuch vii, 26.

17 Popular Tales of The West Highlands, orally colleted with a translation, by J. F. Campbell, 4 vol., 8.° Edinburgh, 1862-64, n.os 16 e 58.

18 Vid. Frédéric Mistral, Míreio, nota 7 ao canto v.

19 A nossa colecção de contos populares portugueses aproxima-se já de 200, não contando as variantes, e note-se que o círculo das nossas explorações tem sido muito restrito. A colecção Grimm compreende 200; a de Afanasief, 332; a de Pitré, 300 contos e lendas.

20 Vid. os n.os 3, 4 e 5 do Romanceiro Geral, publicado por Teófilo Braga e os n.os 11 e 12 dos Cantos do Arquipélago Açoriano, pelo mesmo.

21 Stanilas Julien, Les Avadânas, contes et apologues indiens, inconnus jusqu’à ce jour suivis de fables, de poésies et de nouvelles chinoises. 3 vols., 8.° peq. Paris, 1859. Vol. II, 161.

22 Um conto em prosa de que há várias versões, combinadas em geral com outros dados, tem o mesmo fundo que o romance português; acha-se em Gonzenbach, n.os 12 e 17, Basile, Pentameroe, iii, 6, Comparetti, Novelline, n.os 17 e 21, Hahn, Griechische und albanesische Märchen, n.“ 101, Grimm, Kinder und Hausmärchen, 67, Arthur und Albert Schott, Walachische Märchen, n.° 16, etc. Como romance versificado acha-se a história muito espalhada.

23 Reincke Fuchs in Afrika. Fabeln und Märchen der Hingebornen. Nach Originathandschriften der Greyschen Bibliothek in der Kap-Stadt und andem authenthischen Quellen. Von Dr. W. H. .1. Bleek. Weimar, 1870. Pp. xxv-xxvii, 70 e 169.

24 Os juízes competentes a cujas mãos chegar este trabalho perdoar-me-ão, sem dúvida, o que nele há de incompleto e de precoce, atendendo ao estado ou antes à ausência destes estudos em o meu país e ainda ao atraso em que, relativamente, eles se acham no estrangeiro. Os materiais para este trabalho andam muito dispersos e o autor luta contra a falta de recursos de toda a natureza. A Biblioteca Pública do Porto, paupérrima em tudo e indigna de uma cidade da importância desta, é-o sobretudo pelo que respeita a literaturas estrangeiras; não se encontra lá nem uma única colecção de contos populares e a novelística italiana acha-se lá representada por uma velha tradução espanhola de Boccacio. A Biblioteca não recebe um único jornal alemão. É de esperar que os administradores do município portuense lancem um olhar compadecido para os que querem estudar nesta terra. Poupem alguns pardieiros e dêem-nos mais alguns livros. Isto quanto aos meios de estudo. Quanto à ordem que seguimos, pouco pragmática em verdade, julgamo-la acomodada a uma revista. As indicações bibliográficas colocadas à frente do nosso artigo respeitam às publicações feitas de 1870 para cá; a restante literatura será indicada sucessivamente.

© Etnográfica Press, 1993

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search