Version classiqueVersion mobile

Obra etnográfica (I)

 | 
Adolfo Coelho

I. Literatura popular

Belfegor1

Texte intégral

  • 1 Originalmente publicado na revista Cenáculo, 1875, vol. i, pp. 65-80.

1Não é preciso ter grande tintura literária para conhecer a novela intitulada Belfegor (ou Belfagor), se não na prosa enérgica de Maquiavel (1469 a 1527), pelo menos nos versos joviais de La Fontaine (1621-1695); o que porém é sabido menos é a história dessa novela, anterior e posteriormente ao novelista italiano e ao fabulista francês. Sem a nota que trazem a maior parte das edições de La Fontaine que indicam Maquiavel como fonte para o Belfegor francês, a generalidade dos leitores seria inclinada a atribuir a invenção dela ao primeiro, assim como decerto a ficará atribuindo ao segundo.

2Um ramo das ciências históricas, chegado hoje a um grande desenvolvimento, e senhor já de um método perfeitamente determinado, a literatura comparada, far-nos-ia, ao contrário do que se dá com os leitores ordinários, encarar a originalidade de Maquiavel, pelo que toca ao fundo da novela, como simplesmente problemática, ainda quando não tivéssemos provas à vista da não existência dessa originalidade.

3A literatura comparada assentou como princípio capital que «a originalidade de cada autor, no que toca às ficções novelísticas, consiste geralmente no modo porque aproveitou o estofo narrativo, fornecido por um escritor anterior ou pela tradição oral». Até o romance mais extravagantemente arquitectado, cheio das mais imaginosas combinações, não escapa à regra: o autor aproveita-se, embora mascarando-os, de elementos anteriores. Quem não fala, a propósito de literatura, nas molas usadas? Que escritor mais original que um Shakespeare? Pois nenhuma das suas peças contém elementos que não se descubram em monumentos anteriores. É sobretudo, o que parecerá à primeira vista singular, nos grandes monumentos das literaturas que se descobrem os elementos tradicionais, e os produtos literários são tanto mais insignificantes quanto se afastam mais da tradição.

4Mas nós não queremos fazer aqui um tratado, nem mesmo um capítulo, de princípios de literatura comparada; queremos apenas mostrar por um exemplo – a novela de Belfegor –, como o material literário se transmite e modifica, indicar como os produtos do espírito seguem leis que têm analogia com as que dominam os produtos da natureza.

  • 2 Pantschatantra, Funf Bücher indischer Fabeln, Marchen und Erzühlungev, Aus dem Sanskrit übersetrt m (...)

5Hoje, em literatura comparada, depois dos trabalhos de Silvestre de Sacy, Loiseleur des Longschamps, Theodor Benfey e outros investigadores simultâneos das literaturas orientais e ocidentais, sentimo-nos inclinados a ir buscar à índia paralelos, se não originais de qualquer ficção literária europeia. Pelo que toca a Belfegor, a origem indiana é muito provável em vista dos factos reunidos pela maravilhosa erudição de Benfey2.

6Recordemos em poucas palavras o fundo da novela de Maquiavel, Belfagor, aproveitada directamente por La Fontaine (Contes, liv. v, 7).

7«Plutão manda Belfagor, arquidiabo, ao mundo, com a obrigação de se casar, para verificar se são realmente as mulheres que fazem ir para o inferno um grande número de almas que disso se queixam. Belfagor não pode aturar a mulher soberba que o arruína; abandona-a, e perseguido pelos credores é acolhido por um lavrador, a quem por gratidão indica o meio de ganhar dinheiro, metendo-se o diabo no corpo, primeiro, de uma florentina rica, e depois da princesa de Nápoles, saindo só na presença do lavrador, que obtém boa recompensa. O diabo julga tê-lo pago suficientemente e avisa-o de que não se torne a encontrar com ele.

8Belfagor introduz-se no corpo da filha do rei de França; pela fama é chamado o lavrador como médico para curar essa princesa; com receio do diabo não quer ir, mas, obrigado a isso, diz a Belfagor que a mulher está a chegar, e ele, cheio de terror, apressa-se a ir para o inferno.»

9Resumamos as investigações de Benfey. No livro intitulado Çukasaptati, ou As Setenta Narrações de Um Papagaio, Noite 45 e 46, conta-se que:

10«Era uma vez uma cidade, chamada Vatsamân; vivia ali um brâmane, que era sábio, mas pobre, Keçava de nome. A mulher dele, que havia o nome Karagarâ, era tão má para todos, que até um demónio, que habitava na casa em cima de uma árvore, fugiu com medo dela para a solidão. Mas também o brâmane não pôde suportar mais a maldade da mulher e partiu. No caminho viu-o aquele demónio e disse:

11‘Quero mostrar-te hoje amizade de hóspede.’ Quando o brâmane ouviu isto, encheu-se de medo. ‘Não te assustes’, disse o demónio, ‘pois habitei em tempo em cima da árvore na tua casa; depois fugi para aqui com medo de Karagarâ, e pois tu há muito tempo tens ligação comigo como meu hospedeiro, quero fazer-te algum bem. Vou daqui à cidade de Mrigavatî; há lá um rei, chamado Madana; entrarei no corpo de Mrigalotechnâ, filha desse rei, e não sairei de lá às palavras de nenhum exorcista, mas unicamente quando tu vieres, ao teu olhar’. O demónio, depois de ter dito isto, entrou no corpo da princesa. O brâmane foi para a cidade de Mrigavatî e, depois de ter ouvido o pregoeiro, foi ao palácio real; conquanto fizesse tudo quanto os feiticeiros costumam fazer, e para isso empregasse os seus esconjuras, o demónio não saía do corpo da princesa. Quando, porém, o brâmane viu que o demónio de nenhum outro modo sairia, gritou: ‘Em nome de Karagarâ sai!’ O demónio disse: ‘Olha, eu já venho!’ e saiu imediatamente. O rei deu ao brâmane metade do seu reino e a filha para esposa.»

12No mesmo conto repete-se a possessão noutra princesa e é curada da mesma forma.

13Do Çukasaptati sânscrito passou provavelmente a narração para a tradução persa desse livro, intitulada Tutinamêh (Livro do Papagaio), de que existe uma redacção feita por Nachebî (século xiii da nossa era), desgraçadamente só muito parcialmente conhecida; mas o conto acha-se nos derivados orientais da tradução persa, com algumas diferenças, que o aproxima das formas europeias.

14Nos Quarenta Vizires, um homem para se ver livre da mulher má quer-se deitar a um poço; à mulher que o acompanha diz ele que o faça descer ao poço, pois lá há dinheiro. Desce a mulher com receio de que ele guarde o dinheiro para si; o homem larga a corda e ela fica no poço. Movido do remorso, o marido vai dias depois deitar uma corda ao poço, e vem-lhe agarrado a ela um demónio que lhe agradece muito tê-lo livrado de uma má mulher que, havia dias, tinha ido para o poço e lhe tinha tornado a habitação insuportável. Para lhe mostrar o seu reconhecimento introduz-se no corpo de uma princesa; o homem vai e o demónio sai, recebendo aquele uma recompensa. Depois repete-se a possessão noutra princesa e o demónio não quer sair e o homem obriga-o a sair, dizendo que vai fugindo da má mulher que conseguiu sair do poço.

15No essencial, concorda com esta forma a que se encontra nos Mil e Um Dias, mas não se acha nela motivada a possessão a favor do marido. Encontra-se essa forma popularizada entre os Sérvios, assim como entre os Finlandeses, com modificações particulares a este povo.

  • 3 Depois de isto estar escrito, contou-nos um barqueiro, de Vila Nova de Gaia, uma interessante versã (...)

16Muito mais afastado é o conto em Grimm, Kinder-und-Hausmarchen, n.° 44, que pode ser considerado como independente; é o conto da Comadre Morte, de que sabemos haver uma forma popular no nosso país, que não pudemos colher ainda.3 Como chegou o conto oriental ao conhecimento de Maquiavel? Foi este novelista que de própria invenção introduziu na primeira parte do conto o casamento do diabo, motivando, assim, tão engenhosa e humoristicamente os outros incidentes? Nessas questões há a distinguir uma geral que respeita à transmissão dos contos orientais para a Europa, outra particular que respeita à história especial da nossa novela. À questão geral tencionamos consagrar um trabalho futuro, em que examinaremos os resultados colhidos até hoje nas nações estudiosas. Um facto averiguado é que, sobre todas, as narrações do Çukasaptati foram conhecidas muito cedo na Europa.

17Antes de Maquiavel, já o episódio do casamento do diabo se achava introduzido no conto na Europa, como se vê por Abstemius, que deu dele uma forma muito pobre, citada por Benfey. Este sábio indica a existência do conto Lefebvre de Therouane em Matheolus (Paris, 1488) que não conseguiu ver, pelo que não admira que o mesmo nos suceda, e transcreve uma alusão a um conto do casamento do diabo na tradução francesa de Straparola (ed. 1726), onde se diz achar-se ele num velho manuscrito latino. Além da de La Fontaine, há muitas outras imitações do Belfagor de Maquiavel; tais são as de Doni, Straparola, Chappuis, Sansovino, etc. Como conto popular o acha Benfey entre os Magiares (Gaal, Märchen der Magyaren, n.° 4), numa forma semelhante à de Maquiavel; entre os Polacos (Gutzkow, Unterhaltungen am häuslichen Herd, 1857, n.° 42), entre os Boémios (Wenzsig, Westslawische Märchen. Leipzig, 1857, p. 167). Não tenho à mão nenhuma dessas três obras; mas o conto boémio, que é excelente, foi transcrito por inteiro no livro de Benfey. É de todas as formas conhecidas a que se afasta mais do tipo indiano; houve aqui uma assimilação completa; o tema fundamental permaneceu, mas no resto houve perfeita renovação. Eis os traços essenciais:

18«Uma mulher chegou solteira aos quarenta anos, porque pela sua maldade nenhum rapaz a queria para noiva. Um domingo que via os rapazes de aldeia dançarem, segundo o seu costume, considerando que nunca tinha experimentado o prazer da dança, exprime o desejo de que pudesse dançar ao menos com o diabo. Apresenta-se este como caçador, dança com a quarentona tarde e noite; ela pergunta-lhe onde ele mora e o diabo responde-lhe que se lhe lance ao pescoço, que lho dirá. Ela assim faz e ele na sua forma verdadeira leva-a para o inferno, aonde chegou cansadíssimo. Os companheiros queriam-no aliviar e separar dele a mulher, mas esta tinha-se-lhe agarrado por tal forma ao pescoço que não foi possível. Tenta o diabo todos os esforços para se livrar dela; volta à terra, promete-lhe montes de oiro, mas debalde: ela, que tem finalmente um par, embora o diabo, não o larga. O diabo encontra um pastor coberto com uma grande pele e pede-lhe, assumindo forma humana, que o alivie um pouco da sua carga, que lhe diz tem de levar ao próximo povoado. O pastor diz à mulher que se agarre a ele, o que ela faz imediatamente. Caminha o pastor, mas não podendo mais com a mulher e a pele, solta-se desta sem que aquela perceba, chega a um tanque e – zás – atira lá com a velha. Volta na suposição de que o forasteiro tenha chegado ao lugar e as cabras andassem sem guarda, mas encontra o diabo que lhe conta tudo e promete recompensá-lo.

19Um astrólogo prediz ao príncipe da terra, e aos que governavam em nome dele, que o diabo virá antes da lua cheia para levar os governadores, e na lua nova para levar o próprio príncipe. Combina o diabo com o pastor que, quando ele viesse para levar os governadores, o pastor apareceria e afugentaria o diabo, recebendo em paga muito dinheiro. Assim sucede. Mas vem a vez do príncipe, e o diabo proibira ao pastor ir lá afugentá-lo, sob pena de vida. Tanto insta o príncipe que o pastor diz resolver-se a sacrificar-se, com a condição de o príncipe se tornar justo e bom. Quando o diabo vem buscar o príncipe, o pastor grita-lhe que fuja ele depressa, porque vem lá a mulher, viva ainda, e procura-o.»

20Às versões populares, reunidas por Benfey, podemos nós acrescentar três, duas das quais eram conhecidas quando o sábio orientalista publicava o seu trabalho capital sobre o Pantchatantra. Essas versões são – uma, russa; outra, italiana; outra, espanhola.

21A versão russa foi publicada na grande colecção de contos populares russos, de Afanasief, e foi ultimamente traduzida em inglês por W. R. S. Ralston, no seu livro Russian Folk-Tales (London, Smith, Elder & C.°, 1873, 8.°, pp. 39-41).

22Ei-la por inteiro:

23«Uma mulher má vivia na maior desarmonia com seu marido, e nunca dava atenção ao que ele dizia. Se o marido lhe dizia que se levantasse cedo, ela jazeria três dias estendida na cama; se ele esperava que ela fosse deitar-se a dormir, ela não pensava em dormir. Quando o marido lhe pedia que fizesse filhoses, dizia ela:

24– Você, seu ladrão, não merece uma filhó.

25Se ele dizia:

26– Não faças filhoses, mulher, se eu as não mereço – ela fazia um alguidar de filhoses e dizia:

27– Coma, seu ladrão, até que se acabem.

28– Agora, pois, mulher – dizia ele talvez –, estou muito apoquentado por tua causa, não vás trabalhar e maçar-te, não vás cortar erva.

29– Não, não, ladrão – replicaria ela –, irei, e você há-de ir atrás de mim.

30Um dia, depois de ter tido ralhos com ela, foi a um bosque buscar fruta e espalhar as suas penas; foi ter a um sítio onde havia uma groselheira, e junto dela viu um fojo sem fundo. Olhou para ali algum tempo, e considerou:

31– Para que viverei vida atormentada com uma mulher má? Não posso eu metê-la naquela caverna? Não posso dar-lhe uma boa lição?

32Assim, quando voltou para casa, disse:

33– Mulher, não vás ao bosque às amoras.

34– Sim, meu espantalho, hei-de lá ir.

35– Eu achei uma groselheira, não lhe apanhes os frutos.

36– Irei apanhá-los todos, e não te darei um só.

37Saiu o marido, e a mulher foi com ele.

38Chegou aonde estava a groselheira, e a mulher subiu acima dela, gritando com toda a força da sua voz:

39– Não venha cá, ladrão, se não mato-o.

40E assim se meteu no meio do maciço, e caiu no fojo sem fundo.

41O marido voltou alegre para casa, e esteve lá três dias; ao quarto, foi ver como as coisas tinham corrido. Levou consigo uma corda comprida, fê-la descer ao fojo, e, quando puxou, veio-lhe agarrado a ela um diabrete. Assustado ia lançar o diabrete no fojo, mas ele gritou muito alto, e encarecidamente lhe rogou:

42– Não me deites lá em baixo outra vez. Deixa-me ir para o mundo! Veio uma mulher má, e quase tem dado cabo de nós todos, arranhando-nos, mordendo-nos; estamos mais mortos que vivos. Se anuis, dar-te-ei boa recompensa.

43Assim, o lavrador deixou-o ir livre e à vontade pela santa Rússia. Então, disse o diabrete:

44– Agora pois, lavrador, vem comigo à cidade de Vologda. Eu atormentarei a gente, e tu irás curá-la.

45Muito bem; o diabrete foi aonde havia mulheres e filhas de negociantes, e, quando estavam possessas dele, adoeciam e andavam como loucas.

46O lavrador ia às casas onde havia doenças desse género e, logo que ele entrava, saía o inimigo; havia então muita alegria na casa, e cada um supunha que o homem era na verdade doutor, e davam-lhe dinheiro, e tratavam-no o melhor possível. Deste modo, o lavrador ganhou uma soma muito grande de dinheiro.

47Um dia, disse o demónio:

48– Tens riqueza bastante, lavrador; não estás contente? Eu agora vou entrar no corpo da filha do boiar. Livra-te de a curares; se tal fazes, comer-te-ei.

49Adoeceu a filha do boiar e estava tão louca, que se sentia inclinada a comer gente. Ordenou o boiar à sua gente que procurasse o lavrador, isto é, que procurasse o médico assim e assim.

50Veio o lavrador, entrou na casa, e disse ao boiar que ordenasse que todo o povo da cidade, e carruagens com seus cocheiros, estivessem no meio da rua. Além disso, deu ordem para que todos os cocheiros dessem estalos com os chicotes, e gritassem com toda a força da sua voz:

51– Lá vem a mulher má! Lá vem a mulher má!

52E então foi ele para o quarto interior. Mal entrou, o demónio atirou-se a ele, gritando:

53– Que pretendes tu, russo? Que tens aqui que fazer? Eu te comerei.

54– Que pretendes tu? – disse o lavrador. – Mas eu não vim aqui para te fazer sair, mas por compaixão para contigo, para te dizer que veio para aqui a mulher má.

55O demónio correu para a janela, arregalou os olhos, e ouviu todos gritarem com toda a força da voz:

56– A mulher má!

57– Lavrador – gritou o demónio –, onde me refugiarei eu?

58– Volta para o fojo. Ela não voltará mais para lá.

59O demónio voltou para o fojo e também para a mulher má.

60Em paga dos seus serviços, o boiar deu uma grande recompensa ao lavrador, dando-lhe a filha para mulher com metade dos seus haveres. Mas a mulher má está ainda no fojo – no Tártaro.»

61A versão espanhola foi publicada por Fernan Caballero nos seus Cuentos y poesias populares andaluces, de que tenho à mão a edição de Leipzig (Brokhaus, 1866, 8.°), onde se acha, desde pp. 89 a 97. Essa versão é muito amplificativa; contentar-me-ei com apresentar aqui o substractum. Intitula-se o conto La suegra del diablo.

62«A tia Holofernes, mulher de mau génio, mas trabalhadeira, tem uma filha que só pensa em casar, e só trata de namorar. Um dia, em que a velha tinha preparada a barreia para a roupa, e a filha a devia ajudar, esta vai ver o namorado. A velha, cansada de esperar, quer verter sozinha sobre a roupa a caldeira da barrela, que, entornando-se, lhe queima um pé; cheia de ira, a mãe amaldiçoa a filha, exclamando que permita Deus que esta se case com o demónio. Aparece um pretendente; ajusta-se o casamento, mas a velha, lembrada da maldição e desconfiada do genro, no dia da boda manda à filha que tape todas as aberturas do quarto excepto o buraco da fechadura, e o feche bem quando estiver lá com o noivo, e lhe bata com um ramo de oliveira benta. A rapariga assim faz, e o diabo foge pelo buraco da fechadura, e é apanhado e fechado numa redoma pela velha, que o vai pôr no alto de um monte. Um soldado encontra aí a redoma e solta o diabo, com a condição de ele lhe dar quatro duros por dia em sua vida, e leva-o agarrado pela cauda, a fim de o obrigar a cumprir a condição. O diabo chega à corte, e diz ao soldado que se vai meter no corpo da princesa, causando-lhe dores, que nenhum médico a saiba curar; o soldado iria como médico curar a princesa, e o diabo, saindo do corpo dela, faria operar a cura; em paga o rei daria ao suposto médico quatro duros por dia. Tudo assim se passou; mas o soldado, não se dando por satisfeito com a retribuição, agarrou de novo o diabo pela cauda quando ele saiu da princesa.

63O diabo vai meter-se no corpo da princesa de Nápoles; aparece o soldado para a curar; mas desta vez o diabo, que procura vingar-se, não quer deixar o corpo possesso. Ao fim de três dias, concedidos pelo rei para a cura, não se verificando a qual o soldado seria enforcado, faz este com que repiquem todos os sinos da cidade. Pergunta o diabo a que santo era aquele repique. O soldado responde que a sogra dele estava a chegar, e o diabo sai, com a rapidez do raio, do corpo da princesa.»

64A forma italiana (siciliana), lêmo-la na excelente colecção de Giuseppe Pitré, Fiabe Novelle, Racconti ed altre tradizioni popolari siciliane (Palermo, Luigi Pedore Lauriel, 1874, 4 vol.), n.° 54, com o título de Lu Diavulu Zuppidu (O Diabo Coxo).

65Traduzimo-la literalmente:

66«Era uma vez o Diabo Coxo, e estava na casa quente. Morriam homens, e iam todos ao inferno e ele perguntava-lhes: – Ora vós outros homens, porque vos vindes todos ao inferno? – Respondiam eles: – Por causa das mulheres.

  • 4 Cei accuminzò a fari la gula nnichi-nnichi piavillu.
  • 5 Idda ammussau.

67Ora o diabo, curioso, disse: – Quero ter uma curiosidade. – Vestiu-se de cavaleiro e veio a Palermo, e pôs-se a passear diante de uma janela, e viu uma pequena que lhe agradou. Passeia, passeia, agradou-lhe e mandou pedi-la em casamento com a condição de que a queria só com a camisa; e tudo o que ela queria além dessa (camisa), esta pequena lho havia de pedir enquanto era desposada: ‘Tome cautela, que depois de casada não me há-de pedir mais nada.’ Ela disse sim, e o cavaleiro fez o grande enxoval, com que ela se podia vestir toda a vida. Casaram, e depois levou-a ao teatro. Estando ela no teatro (as mulheres, isso é sabido!), pôs-se a mirar o vestido desta e o vestido daquela; viu um que lhe agradou assaz, e ela não o tinha; e começou a crescer-lhe a água na boca por tê-lo4. Mas o seu marido lhe havia dito que não lhe daria mais nenhum vestido...; e ela fez focinho5. Seu marido perguntou-lhe: – Rosinha, que tens, que estás aborrecida? – Nada. – Mas tu não me pareces a mesma. – Verdade: nada tenho. – Mas melhor é contares. – Ora quereis saber? Vi uma com um vestido como eu não tenho, e estou aborrecida, porque não posso tê-lo.

68O diabo, que a sente dizer assim, salta como bucha de morteiro: – Ah! então é verdade que os homens vão para o inferno por causa de vós outras mulheres.

69Deixa-a sem mais, e vai-se. E foi-se a um seu compadre e contou-lhe toda a passagem com sua mulher. Depois disse-lhe: – Sabeis o que pensei? Eu vou agora meter-me no corpo da filha do rei de Espanha; ela cai doente; lançam um pregão: quem curar a filha do rei, recebe-a por mulher, se é homem, ou então tem duas mil onças, se é mulher. Vós então vindes livrá-la; como eu sentir a vossa voz, vou-me e deixo-a livre, e vós tomai-la por mulher e tornais-vos rei.

  • 6 Avila lu setti mazzi dima ’ncasciatu.

70Como o Diabo Coxo se foi meter no corpo da filha do rei de Espanha, e ela já não falava, o rei lançou um pregão: – Quem curar minha filha, se é homem recebe-a por mulher, e, se é mulher, uma grande recompensa. – Vai e vai este compadre; a sentinela não o queria deixar entrar; mas ele, que tinha vasa certa6, disse: – É verdade que pode entrar quem quer, para curar a princesa? Pois quero entrar também eu. – Nesta disputa aparece o rei, como percebesse a causa: – Imediatamente, disse à sentinela que passeava lá, fazei-o subir. – E o compadre subiu. O rei, como o teve, face a face, disse-lhe: – Quanto tempo quereis para curar minha filha? – Três dias, Majestade. E sua Majestade tem que me fechar junto com sua filha; e, se sente barulho, não se deve afligir, que isto é sinal de que ela vai melhor.

  • 7 Mancu culibaddi.

71Como entrou no quarto da princesa, o compadre começou a dizer ao diabo: – Vá, compadre, sai de cá e deixai livre a princesa. – Quem? Eu? Eu cá estou bem; quê! Crêdes que eu me vá embora? – Compadre, falais verdade? Sai, senão fazeis-me perder a vida. – Mas quem fala nisso! Eu de cá não me vou nem a tiro.7 – O pobre compadre pôs-se a pedir-lhe como aos santos para sair, que já tinha medo de que passassem três dias. O último dia, no extremo apuro, o compadre vai aonde está o rei e diz-lhe: – Majestade, para ficar boa a sua filha, é preciso que salvem as suas fragatas. Sua Majestade faça-as salvar. – O rei deu ordem, e as fragatas puseram-se a salvar. Volta-se o diabo: – Compadre, que canhoneio é este? – Está chegando a vossa mulher, e dão uma salva! – A minha mulher, disse o diabo, a minha mulher! Safo-me, que nunca mais lhe quero sentir o cheiro. – Lançou uma língua de fogo e safou-se e deixou livre a princesa. O compadre fez entrar o rei e fez-lhe ver a filha curada de todo. O rei, mais contente que ele, deu-lha por mulher e fê-lo ficar no palácio. E deste facto vem que as mulheres nunca estão contentes e são elas a ruína dos homens.»

72Numa nota lembra o erudito colector siciliano a disputa que houve sobre se Maquiavel ou se Brevio era o autor da novela Belfagor, pois Brevio a publicou em 1545 nas suas Rime e Prose, enquanto só em 1549 é que foi impressa a novela sobre o original de Maquiavel, fornecido por seu filho Guido. Maquiavel tinha morrido, 18 anos antes da publicação de Brevio. Isto seria boa razão para duvidar da anterioridade de Brevio, mas em verdade a questão dessa anterioridade só podia existir numa época em que se imaginava que Maquiavel ou Brevio inventassem o fundo das suas novelas. A verdade foi indicada aproximadamente pelo anónimo citado por Pitré, que dizia em 1779:

73«Egli è possibile che il Brevio vedese il manoscrito del Machiavelli, e sperandosi forse che non si tosto serebbe pubblicate, volesse trarre una lode per sè... Ancora egli è possibile (poichè in fine le ragioni che hanno suggerito questa novella sano vecchie quanto le nozze de’ due primi parenti), che si il Brevio como il Machiavelli togliessero a raccontare una fola che correva per le bocche del volgo.»

74Pitré aponta, a propósito do diabo que vem ao mundo casar-se, o conto El diavolo nas Fiabe popolari veneziane de D. G. Bernoni; mas o conto veneziano nada tem que ver com o Belfegor, sendo uma simples versão do Barba Azul.

75Do que precede, facilmente se vê que as diferentes versões do conto que examinamos se dividem em dois ramos: um, no qual o diabo foge de uma mulher má, mas não sua; outra em que o diabo foge da própria mulher.

76Ao primeiro ramo pertencem todas as versões asiáticas conhecidas, e as versões russa, sérvia, eslavónica e finlandesa; ao segundo pertencem as versões italiana (Maquiavel – forma literária, Pitré – forma popular) e magiar, que é possível derive da italiana. Isto leva a crer que o episódio do casamento foi introduzido na Europa, onde um conto do casamento do diabo com uma mulher, para ele insuportável, era talvez já popular (ver as indicações acima); com a introdução do episódio do casamento, desaparece naturalmente o episódio do poço, que nos Quarenta Vizires, na versão russa, sérvia, eslavónica e finlandesa, motiva excelentemente os outros episódios.

77Esse episódio do poço falta no Çukasaptati, onde o medo e a gratidão do demónio se acham mal motivados, o que, com a circunstância de que o demónio nenhuma vez sai (contra o que prometera) do corpo possesso, à aproximação do companheiro, nos leva a crer que essa forma que conhecemos do Çukasaptati é deturpada, não representando a redacção primitiva.

78Nos Mil e Um Dias, acha-se o episódio do poço, mas muito deturpado. O homem atira a mulher má ao mar, que fica impuro, e é abandonado como tal pelos espíritos, um dos quais encontra o homem e, depois de querer matá-lo, se abranda e vai com ele.

79A versão boémia representa o meio termo entre os dois ramos. Aqui, a mulher não é esposa, mas apresenta-se como namorada do diabo; o episódio do poço aparece também, ainda que modificado, como não podia deixar de ser pelo começo.

80Na versão espanhola, o diabo também não foge da própria mulher; mas tudo leva a crer (especialmente a cura da princesa de Nápoles), que essa versão deriva da italiana, tendo sido modificado pela reacção de outros elementos populares, tais como a realização da praga da tia Holofernes (comparai o desejo expresso pela mulher no conto boémio), e o episódio da redoma, popular na península, e aproveitado, como é sabido, no Diable Boiteux.

81Nenhuma razão nos leva a duvidar da origem indiana do conto, cujos dados em verdade se casam tão bem com as concepções europeias como com as concepções asiáticas; mas os contos, que do Ocidente possam ter passado ao Oriente, seguiram esse caminho ou numa época em que nos recusamos a admitir a existência da novela de Belfegor no Ocidente, ou numa época posterior à redacção do Çukasaptati.

82(Porto, 1874.)

Notes

1 Originalmente publicado na revista Cenáculo, 1875, vol. i, pp. 65-80.

2 Pantschatantra, Funf Bücher indischer Fabeln, Marchen und Erzühlungev, Aus dem Sanskrit übersetrt mit Einteitung und Anmerkungen. Leipzig, 1852. 2 vols. 8. V. Eint. § 212.

3 Depois de isto estar escrito, contou-nos um barqueiro, de Vila Nova de Gaia, uma interessante versão da Comadre Morte.

4 Cei accuminzò a fari la gula nnichi-nnichi piavillu.

5 Idda ammussau.

6 Avila lu setti mazzi dima ’ncasciatu.

7 Mancu culibaddi.

© Etnográfica Press, 1993

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search