Version classiqueVersion mobile

Obra etnográfica (I)

 | 
Adolfo Coelho

I. Literatura popular

Romances Sacros Orações e Ensalmos Populares do Minho1

Texte intégral

  • 1 Originalmente publicado na revista Romania, 1874, vol. iii, pp. 263-278.

1A província do Minho não é tão pobre de cantos populares, como se poderia supor pelo Cancioneiro e Romanceiro Geral Português; mas a gente do povo, mais desconfiada aqui que a da Beira e de outras províncias, mais dificilmente dita ao colector curioso que a interroga os cantos e tradições conservados na sua memória. De duas mulheres de Ourilhe (concelho de Celorico de Basto), Ana Alves Leite e uma sua sobrinha, consegui eu, depois de termos certa familiaridade, que me ditassem um bom número de cantos e todos os romances, orações e ensalmos (excepto os que levam indicação de outra fonte) que agora publico, além de versões de doze dos romances publicados por Teófilo Braga. No Minho, como nas outras províncias, assiste-se ao fenómeno triste, mas curioso, da dissolução de antigos romances em narrativas em prosa. Alguns dos episódios dos romances de Clara-Linda, do Conde d Alemanha, da Silvana (Conde Alberto) ouvi eu da boca de Ana em prosa ampliativa, enquanto o resto era em verso. Na minha colecção de contos populares portugueses, que em breve verão a luz pública, incluo um intitulado D. Alexandra e uma Loenda de Santo Aleixo, ambos do Minho, que representam muito evidentemente antigos romances.

I Romances sacros

1. O nascimento do Senhor

Valha-me nossa Senhora
Valha-me o seu redentor.
«Que pariu nossa Senhora?
– Bento filho sem dolor.
– O filho para que nasceste
Se havias de padecer!»
Os peitos que leite davam
Eram da virgem sagrada;
Os panos que alimpavam
Eram da fina Holanda.
Pois o sol esplandeceste,
Estrelas e lua cercaste,
Lá no dia da ascensão
Para o céu subirão;
Lá verão os santos padres
Que de boiro (?) sangue são.
Por aquele verde pendão,
Vai um cordeiro sagrado;
Sua lanceta que leva
Vai no seu santo costado.
Sangue que dele caía
No seu santo cálix ia:
Quem este sangue beber
Vitorioso se acharia.

Quem esta oração disser
Um ano e um dia
Poderá ter a certeza
Que nossa Senhora lhe aparecerá
Três dias antes de sua partida
E lhe dirá: filho ou filha confessa-te,
Que eu sou a virgem sagrada
Que te venho buscar;
Os pecados que tu tens
Eu tos venho alembrar.
Vou pedir a meu filho,
Que te haja de salvar;
Que ele lá te assente
No seu livro de rezar,
Onde tua alma não pese
Nem vá ter a mau lugar.

2. A subida do Calvário

Sua santa humanidade
Que correu toda a cidade
Com grande peso da cruz.
As pedras acalentavam
E os caminhos davam luz.
O filho de Deus morria
Morria por nos salvar.
Se o não podeis crer
Subi àquele outeiro;
Vereis as ruas regadas
Do seu sangue verdadeiro.
Ó mistério tão profundo
Que alumia a todo o mundo!
Já lá vai a Madalena
Enterra-me a mim com ela
Que ambas morremos de um mal.
«Ora escuta, Maria, escuta;
São José está no lado
E Jesus está na cruz
Ouvindo com tanta dor.
Ó meu Deus, ó meu Jesus,
Que as costas levais abertas
Do madeiro tão pesado
Que nem sete o levavam.
– Ajudai-me aqui, Simão.
– Eu ajudarei, Senhor,
De todo o meu coração;
Mas havei-la de levar
Quinta-feira d’endoenças
Para se todo o mundo salvar.»
Ámen.

3. A ressurreição

São José e mais Maria
São Joaquim e Sant’Ana,
O nosso mestre, Senhora,
Começou a quarentena.
Subindo a cruz ao alto
De golpe vos deixaram cair
Nem em lençóis vos embrulharam!
Fostes descido da cruz
Posto em braços de Maria.
«Que gritos vão no Calvário!
– Madalena, que seria?
E Jesus crucificado
São ais da virgem Maria.»
Madalena não dormia
E mal as suas amigas.
Ó que bela madrugada
Tiveram as três Marias!
Foram juntas ao sepulcro,
Mas já era sol nascido.
Viraram-se para o sepulcro
Todas cheias de terror;
Viraram-se para trás
Todas cheias de resplendor.
Veio um anjo e lhes disse:
Que eu vos darei boas novas
Desse homem que buscais.
Esse homem é Jesus,
É Jesus crucificado.
Vedes aí o sepulcro,
Mas já é ressuscitado.»

4. Romance da alma

Alma vai a Santiago,
Vai cumprir a romaria;
A companhia que levava
Era a virgem Maria.
O pecado ia atrás
A ver se a tentaria.
«Vai-te daí, ó demónio,
Deixa-me a alma que é minha,
Que me deram de alviçaras
Por um filho que eu tinha.»
Chegou mais adiante,
Caiu a um poço sem fundo
Donde sair não podia.
Todos os gritos que dava
Todos o Senhor ouvia.
Do palácio donde estava
«Se és coisa minha ajudar-te-ei,
Se és coisa má esconjurar-te-ei.
– Senhor, eu coisa ruim não sou:
Sou uma alma pecadora
Que desse sangue se gerou.
– Apega-te aos rosários que rezaste,
Aos jejuns que jejuaste.
– Eu jejuar não podia;
Apego-me aos rosários
Que rezava cada dia.»
Estava outra alma da banda
Que lhe disse: «Eu m’apejo
A sete quarentenas que jejuei;
Uma por si oferecerei;
Encostado à coluna
Uma vela t’acenderei.»

II Orações

5. Ave-maria

Ave-maria, ave sem falsa,
Ave que subiu tão alta,
E que fez o assento
Lá ao pé da bela cruz
Para dar ao mundo luz.
Ela para nos dar o gosto
Nos livrou de tanto perigo.
O gosto que eu queria,
Benedita Maria
Era ir morar ao céu,
Onde vós, Senhora, morais,
Que todos alumiais,
Lá no céu e cá na terra,
Até os que andam na guerra.
Bem se vos pode chamar
Madre de Deus, com razão:
De vosso ventre saiu
Um cordeiro inocente,
Deus vos salve, clara luz.
Soide comigo, Jesus.
Esta alma que m’a deste,
Não na deixeis morrer triste;
Vós na terra m’a criastes
E no céu m’a apresentastes.
Quem esta oração disser
Todos os dias da santa quarentena
Tirará quatro almas de culpa e pena.
A primeira será sua,
A segunda de seu pai,
A terceira de sua mãe,
A quarta do maior amigo
Ou amiga que tiver;
Quem a ouve não a aprende,
Quem a sabe não a diz,
No dia de juízo
Verás o que ela pretende.

6. Oração do peregrino1

  • 1 Cfr. Cancioneiro Popular, p. 172.

Oração do pelingrino (sic) :
Quando Deus era menino,
O Senhor é meu padrinho,
A Senhora é minha madrinha.
Para que me pôs a cruz na testa?
Para que o diabo me não
esqueça,
Sete livrinhos a ler,
Sete candeeiros a arder.
Nem ao pino do meio-dia.
Canta o galo, abre a luz;
Lá vem o anjo da cruz;
Minha alma vá com ele
Para sempre. Ámen, Jesus.

7. Padre-nosso

Ó padre nosso saboroso,
Ó triste desconsoloso,
Ó meu Deus, ó meu Senhor,
Não vos lembreis que eu errei,
Que eu confesso que pequei,
Bendito rei da verdade.
Chega-te ao confessor.
Olha bem cristão que és terno,
Olha bem que hás-de morrer;
Não caias na atentação,
Como a calma na geada,
Que te andam atentando
Os três inimigos de alma.

8. Salve-rainha2

  • 2 Cancioneiro Popular, publ. por Teófilo Braga, p. 171.

Salve rainha
Rosa divina,
Cravo d’amor,
Dai-me memória
E entendimento
Para receber
O santíssimo sacramento.

9. Oração a Cristo

Ó meu Senhor, Jesus Cristo,
Para onde caminhais?
– Caminho para Jerusalém.
Não sei o que lá me quer,
Nem o que me quererão.
Uma coroa de espinhos
Na minha cabeça porão,
O meu cabelo banhado em sangue
Por ele me arrastarão.
Quem esta oração disser
Três vezes na procissão,
Tirará duzentas almas
Do purgatório
E alcançará trezentos
Mil anos de perdão.

10. Oração à Virgem Maria

Ó Maria suavíssima,
Livrai-me de todo o mal,
Assim como foste livre
Do pecado original.
Ó Maria suavíssima,
Ó estrela resplandecente
Permiti que não me engane
Ó Maria suavíssima,
Virgem pura e mãe amável,
Fazei que todos sejamos
Do vosso filho agradável.
Ó Maria suavíssima,
Tende cuidado em mim.
Eu me lanço em vossos braços
Para nunca ter mau fim.

11. Exortação ao pecador

Converte-te, pecador,
Que se acaba a tua vida;
Se te agora não convertes
Nunca mais serás ouvido.
Que assim vives esquecido,
Não te deites a dormir
Nem uma hora descansado.
Dormindo acordarás
E aparecerás condenado.

12.

Chagas do Senhor,
Daquelas mais lastimosas;
Ó coração trespassado,
Ó sangue derramado
De nosso Senhor Jesus Cristo,
Valei-me agora
E na hora da minha morte.

13. Os sete sacramentos

Os sacramentos do baptismo
Confesso que sete são.
O primeiro é o baptismo,
Que é o sinal do cristão.

O segundo confirmação
Que só os bispos a dão;
Ficam as almas alegres
Com toda a liberação

Terceiro é comunhão,
É Jesus sacramentado;
Quem confessa a sua culpa
Tem perdão do seu pecado.

Quarto é penitência:
Quem amara Jesus Cristo
Não se há-de arrepender.

Quinto extrema-unção,
Serve para a hora da morte;
Quem a receber em graça
Não pode ter melhor sorte.

O sexto é a ordem
Que se dá aos sacerdotes
Para consagrar a hóstia
Com toda a liberação.

Sétimo matrimónio,
Que se dá aos bem casados;
Se eles se derem bem
De Deus serão ajudados.

14. Oração ao deitar

Graças a Deus
Que já me deitei;
Com sete anjos
Me encontrei;
Três aos pés
Quatro à cabeceira,
E nossa senhora
Na dianteira,
E ela me disse:
– «Dorme e repousa;
Não te temas
Persina-se e persino-m’eu.
Benta é a hora
Em que Cristo nasceu,
Bento o altar,
Benta a hora
Que me eu for deitar.
Tange a hora;
O Cristo a tange,
A Virgem a adora.
Ditosa a alma
Que se deita
Nesta hora.

15. Responso por pessoa ausente

Quando uma pessoa vai para fora de casa diz-se o seguinte:

Fulano (o nome da pessoa) foi para fora:
Anel de Santa Helena
Levou por glória;
O manto de nosso Senhor Jesus Cristo
Levou coberto.
Fulano, Deus te crie e Deus te salve

E te livre de teus inimigos,
Mortos e vivos.
Olhos tenham e não te vejam;
Bocas tenham e não te falem,
Mãos tenham e não te ofendam.
Pés tenham e não te alcancem.
Fulano, tu faça la ida que fez
O filho da virgem Maria
Da santa casa de Belém
Para a de Jerusalém.

16. Oração ao anjo da guarda

Anjo de minha guarda,
Semelhança do Senhor,
Que de Deus fostes criado
Peço-vos, anjo bendito,
Pela graça e poder
Que do laço do demónio
Me ajudeis a defender.

17. São Cristóvão

  • 3 Balhinho ou balinho, corrupção de maninho, estéril.

São Cristóvão se vestiu e calçou,
E na sua caj atinha pegou,
E ao caminho se botou
Jesus Cristo encontrou.
«Tu, Cristóvão, onde vais?
– Vou talhar estes trovões;
– Ora vai, Cristóvão, vai
Bota-os ao monte balhinho3,
Onde não haja pão nem vinho,
Nem ramo de figueira,
Nem bafo de menino,
Nem nada que faça mal.»
Ámen Jesus.

18. Santo António4

  • 4 Cfr. Cantos do Arquipélago Açoriano, publ. por Teófilo Braga, p. 148.

Santo António se vestiu e calçou
E suas santas mãos lavou,
E ao caminho se botou.
Jesus Cristo encontrou;
O Senhor lhe perguntou:
«Tu, António, onde vais?
– Tu ao céu não irás.
Tu na terra ficarás;
Quantas coisas se perder
Todas tu depararás;
Quantas missas se disser
Todas tu ajudarás.»

19.

  • 5 Josaphat.

Finarás, não morrerás;
Pelo campo de Judafás5
Passarás;
O inimigo d’alma encontrarás
E tu lhe dirás:
Comigo parte nem quinhão terás.
Eu em dia da Santa Cruz
Cem vezes disse Jesus,
E cem vezes me persinei
E cem vezes o chão beijei.»

20. Oração de S. Bartolomeu6

  • 6 Cfr. Cantos do Arquipélago Açoriano, publ. por Teófilo Braga, p. 157.

São Bertolameu (sic) me disse
Que me deitasse e dormisse;
Que não tivesse medo à onda,
Nem à bomba,
Nem a coisa de má sombra,
Nem à unha revoltada.
Se o diabo viesse
Para m’atentar
As areias do mar
Lhe mandaria contar.

III Ensalmos

2Reservando para um trabalho especial sobre o maravilhoso popular português o tratar in extenso dos usos populares relativos às doenças e sua cura, não posso todavia, publicando aqui algumas das fórmulas empregadas nessas curas, deixar de indicar as práticas que as acompanham.

  • 7 Vid. Grimm, Deutsche Mythologie, caps. xxxvi, xxxvii e xxxviii; idem über Marcellus Burdigalensis ( (...)

3Essas fórmulas comparam-se facilmente ao que conhecemos de semelhante de outros povos; o mesmo se dá com as práticas que as acompanham7; mas na maior parte dos casos as coincidências a indicar são de um carácter geral, ainda que não seja difícil encontrar algumas fórmulas portuguesas que são simples variantes de fórmulas de outros povos. Entre as que publicamos a oração de S. Custódio, por exemplo, está neste caso.

4Algumas das orações precedentes e particularmente os n.os 17 e 18 eram, segundo toda a evidência, antigos ensalmos que perderam o seu uso; essas duas orações pertencem às fórmulas de género narrativo (vid. Jacob Grimm, Deutsche Mythologie, 1195 s.), assim como outras que aqui publico.

  • 8 Os exemplos poder-se-iam apresentar em grande número.

5Devo fazer uma observação prévia sobre a palavra talhar, como ela se acha empregada nessas fórmulas. A antiga crença de que um grande número de doenças é produzido por vermes interiores, serpentes mesmo introduzidas na economia8, ou pela influência de animais (principalmente répteis) que tinham passado por cima dos doentes, etc., crença que vemos achar eco em muitos dos antigos médicos, deu lugar a olhar como remédio para as doenças a que se atribuía aquela causa uma prática que tivesse como resultado cortar, talhar a cabeça ao verme, ao réptil; daí a palavra passou entre o povo português a designar o curativo, por meio de fórmulas e práticas supersticiosas, de doenças a que não se atribuía aquela causa, como o ar mau, o quebranto, etc.

21. Oração de S. Custódio

  • 9 Vid. Romania, I, 223.

6Esta oração, cujo tema é bem conhecido fora de Portugal9, é muito usual neste país; em lugar de um Custódio figura noutras versões (por exemplo, numa da Beira que recolhemos incompleta) um Cipriano e então chama-se-lhe Oração de S. Cipriano. Conta o povo que aquele diálogo se travou entre um S. Custódio ou S. Cipriano e o diabo que lhe queria ganhar a alma; se o santo errasse na série de palavras estava perdido. A versão que acaba de ser lida e nos foi fornecida por Ana Alves Leite é incompleta; falta-lhe a primeira palavra, e além disso a segunda palavra (aqui a primeira) é uma tabua de Moisés em vez das duas tábuas; nas versões completas a primeira palavra é Nosso Senhor Jesus Cristo. Numa versão da Beira, publicada no Almanaque de Lembranças para 1869, pp. 285-286, a oração não tem a forma de diálogo. Reproduzimo-la:

1. É nosso Senhor Jesus Cristo
2. São as duas tábuas de Moisés.
(Repete-se 1.)
3. São as três pessoas da Santíssima Trindade.
(Repete 1-2.)
4. São os quatro evangelistas.
(Repete-se 1.3.)
5. São as cinco chagas.
(Repete 1-4.)
6. São os seis círios bentos.
(Repete 1-5.)
7. São os sete sacramentos.
(Repete 1-6.)
8. São os oito coros de anjos.
(Repete 1-7.)
9. São os nove templos.
(Repete 1-8.)
10. São os dez mandamentos.
(Repete 1-9.)
11. São as onze mil virgens.
(Repete 1-10.)
12. São os doze Apóstolos.
(Repete 1-11.)
Estas palavras ditas e repetidas sejam em louvor de S. Custódio.
Sete raios leva o Sol!
Sete raios leva a Lua!
Arrebenta para aí nabo,
Que esta alma não é tua.

  • 10 Essa sentença, que lemos no ms., foi publicada no Instituto de Coimbra, vol. ix, 379 e segs., Roman (...)

7O colector desta versão da Beira diz: «A oração de S. Custódio, se assim é que se pode chamar, é uma lengalenga, que esta pobre gente costuma rezar à noite para evitar os malefícios e tentações do espírito das trevas.» Mas não é este o único fim da oração: atribui-se-lhe grande poder na cura das doenças e para usar dela com este fim o curandeiro assume o papel de diabo e o doente responde como Custório. Este uso, que ainda hoje se observa, podemo-lo ver em vigor no século xvii. O ms. n.° 560 da Biblioteca da Universidade de Coimbra contém a sentença proferida contra Ana Martins, benzedeira e feiticeira, pela Inquisição de Lisboa10, em que se acham muitos ensalmos de que essa pobre mulher, relaxada à justiça secular (isto é, condenada à fogueira) fazia uso nas suas curas; lê-se ali que Ana Martins confessara que usara «também da reza do Anjo Custódio, por ser muito eficaz para lançar fora todos os achaques e espíritos malignos, que ela lançava dos corpos obsessos, e dizia na forma seguinte:

  • 11 Deve-se muito provavelmente corrigir em arrebentam.

Custódio queres ser solto?
Ele respondia:
Em graça de Deus quero.
Dize-me um que, é só Deus, ámen;
Dize-me doi, que são as tabuinhas de Moisés;
Dize-me três; os três são os três patriarcas de Jacob;
Dize-me quatro, que são os quatro Evangelistas Lucas, Marcos e Mateus (ainda que sejam quatro não se nomeiam mais de três):
Dize-me cinco, que são as cinco chagas de N. S. J. Cristo;
Dize-me seis, que são os seis círios bentos,
Que a virgem acendeu
Quando seu bento filho nasceu;
Dize-me sete, são os sete goivos que goivaram a Virgem Maria;
Dize-me oito, que são os oito corpos dos Santos ou os oito corpos cristãos que estão em Massarelos;
Dize-me nove, que são os nove anjos;
Dize-me dez, que são os dez mandamentos;
Dize-me onze, que são as onze mil virgens;
Dize-me doze, que são os doze Apóstolos;
Dize-me treze, que são
As treze varinhas do Sol,
Que arrebatam11 ao diabo,
Do pequeno até ao maior.
E que, repetindo três vezes esta oração, saiam os espíritos das pessoas, que os tinham, sem demora alguma, porque haviam de sair ou arrebentar; da qual oração ela usava sempre com bom sucesso, não só para este efeito, mas também para curar todo o achaque.

22. Para talhar as bichas (lombrigas) às crianças

  • 12 Onofre.
  • 13 O nome da criança.

Em nome de Deus, ámen,
Jesus, Maria, José,
E à virtude do santo Inofre12,
Que te livre…13 das bichas,
Que te comem o coração.
Pela misericórdia divina
Se convertam em água.
Ámen, Jesus, Maria, José.

8Fazem-se três cruzes na testa, boca e barriga da criança, repetindo a fórmula três vezes.

23. Para talhar o fogo louro

9Chama-se fogo louro no Minho a uma certa erupção cutânea localizada no pescoço; é crença que é um bicho e que se rodeia o pescoço todo, se se une a cabeça com a causa do bicho, o doente morre irremediavelmente. Para talhar o fogo louro, toma-se esparto de um archote queimado e palhas de alhos, também queimados, e cortam-se miudamente com uma tesoura dizendo:

Eu te corto a cabeça,
Eu te corto a cabeça,
Eu te corto o corpo,
Eu te corto o rabo,
Eu te corto todo.

10Depois deita-se isso sobre o pescoço do doente dizendo:

Eu o Tejo e o Douro
E o Minho passei;
Fogo louro
Talhei.

24. Para talhar a impigem

Impigem, rabigem,
Sai-te daqui,
Que eu já hoje comi,
E já bebi;
Já passei a ponte
Assim como eu falo verdade,
Assim tu medres aqui.
Impigem, rabigem,
Sai-te daqui,
Que a cinza do lar
Corre atrás de ti.

11Esta fórmula diz-se em jejum, deitando cinza do lar sobre a impigem.

12Nalgumas partes (em Viseu, por exemplo) deita-se saliva em cruz sobre a impigem e a fórmula reduz-se, como me comunica um amigo, ao seguinte:

Impigem, rabigem,
Sai-te daqui;
Assim como eu hoje
Comi e bebi,
Assim tu medres aqui.

25. Para as queimaduras e escaldaduras

Santa Iria
Três filhas tinha;
Uma urdia,
Outra tecia,
Ardente vivia.
Encontrou Nossa Senhora,
E ela lhe disse que talharia,
Que lhe cuspisse e talhasse
Três vezes ao dia.

13Um amigo fornece-me a seguinte variante usada em Guimarães, Porto e Viseu:

Santa Iria (ou Santo Elias) tinha três filhas;
Uma foi à fonte
Outra foi ao rio,
Outra em fogo ardia.
E lhe perguntou
Que remédio lhe faria;
Nossa Senhora lhe respondeu:
«Cuspe-lhe, cuspe-lhe»,
Que ela lhe sararia.

Cospe-se três vezes sobre a queimadura durante três dias.

Na Sentença da Inquisição, acima citada, encontra-se outra variante:

Santa Sofia três filhas tinha;
Uma mandou-a à fonte,
E a outra pela lenha ao monte,
E a outra por lume à vila.
A que foi por lume à vila
Que lhe faria
Santa Sofia?
Cuspa-lhe, sopre-lhe
Três vezes ao dia,
Que mais não lavraria.

26. Para talhar a erisipela

  • 14 Cfr. para esta designação da erisipela o alemão rose.

a
Pedro Paulo foi a Roma,
Pedro Paulo foi e veio,
E o Senhor lhe perguntou:
«Pedro Paulo que vai lá?
– Muito mal e erisipela.
– Pedro Paulo torna lá;
Dá-lhe com sal do mar,
Água da fonte,
E erva do monte,
Que a Senhora permitirá
Que este mal abrandará.
b
Que faria a rosa vermelha14
Que aqui come, arde, dói e proe?
– Dá-lhe com sal do mar,
E erva do monte;
Dá-lhe com tudo defronte;
Que este mal abrandará.
Assim venha este mal
A bem e a amor,
Assim como vieram as chagas
De nosso Senhor.
Deus te torne a teu estado,
Como foste nado e criado.
c
Indo eu pela Serra da Guia
Encontrei com o filho da Virgem Maria
E ele me perguntou o que tinha,
E disse-lhe que tinha um bicho
Que me comia e ardia,
E ele me disse que talharia
Com três folhinhas d’ar da Guia
E três pinguinhas d’água fria.
Deixa fulano (o nome da pessoa),
Que é pobre, não tem que te dar;
Vai para as ondas e areias do mar.

  • 15 A palavra ardegaria falta em todos os dicionários portugueses; mas vê-se claramente que é um antigo (...)

14Qualquer destas três formas diz-se aplicando gotas de água, um pouco de sal e certas ervas. Na fórmula c o ar da Guia seria para mim um enigma indecifrável, visto que Ana Alves Leite, que a ditou, não sabia o que era e me declarou que dizia assim porque assim lho tinham ensinado, seria para mim um enigma se não tivesse encontrado uma fórmula muito semelhante na Sentença de Ana Martins em que se trata da folha da ardegaria (nome de planta)15. Eis essa fórmula e as palavras que a precedem e indicam o seu uso: «E que também curava as pessoas que tinham cambras ou bichos nos corpos, e o fazia tomando três folhas de silva, uma por cada vez, e, benzendo a pessoa enferma, dizia as palavras seguintes:

  • 16 Ansansere designa uma doença de carácter misterioso, uma doença causada por um malefício. Falta tam (...)

Indo eu pela Serra d’Albergaria
Encontrei com a Virgem Maria
E lhe perguntei o que faria
A esta pessoa, que d’nsansere
16 me morria;
Que lhe picava,
Lembrava,
Mordia,

E pruía
E todo o mal lhe fazia:
Que lhe farei, Virgem Maria?
– Borrifa-a três vezes ao dia
Com a folha de ardegaria
E com aguazinha fria,
Que mais não lavraria,
Comeria
Nem mal faria,
Com o nome de Jesus e Virgem Maria;
E então molhava a folha da silva com água da fonte e borrifava a parte lesa.

27. Para talhar a farfola

15No Minho e Douro chama-se farfola ou farfalho às aftas que nascem às crianças de leite: para a talhar pousa-se a criança atacada por cima da pia dos porcos e diz-se:

Farfola, vai-te daqui,
Que porcos e porcas
Comem aqui.

28. Para a inflamação dos seios da mulher

O Senhor pediu pousada;
Bom homem lhe deu pousada,
E má mulher lhe fez a cama,
Numa grade sobre lama.
Sara peito, sara mama.

16Ana Alves Leite contou-me: «Quando Deus andava pelo mundo foi dormir a uma casa; o dono dela era muito bom e a mulher muito ruim. A mulher fez-lhe a cama sobre uma grade e por baixo estava lama, e depois de noite começou a doer muito um peito à mulher que tinha leite; ela estava muito mal e o homem perguntou se ele (o Senhor), como andava por muita terra, se lhe saberia dar um remédio à mulher; e o Senhor disse-lhe: ‘Olha, faz-lhe três cruzes e diz:

O Senhor pediu pousada, etc.

Diz-lhe isto três vezes e faz-lhe três cruzes, que ela sara.’ Desde então aquelas palavras ficaram servindo para a cura das dores do peito com as três cruzes.» Eis uma fórmula que se baseia sobre uma lenda, a não ser que a lenda venha explicar a fórmula.

29. Para talhar o ar mau

17O povo do Minho e Douro crê muito que certas doenças, principalmente das crianças, são produzidas por ar mau, isto é, ar em que havia algum malefício ou tinha estado algum espírito maléfico. Para livrar a criança do ar mau há muitas práticas e fórmulas. Conhecemos três.

a

18Faz-se um bolo de pão e dá-se à criança que tem o ar mau e o que a criança não comer deita-se a um cão e numa noite de luar a criança deve dizer:

Lua, luar
Dá-me a minha cor,
Dou-te o teu ar.

b

19Leva-se simplesmente a criança à rua numa noite de luar e a mãe dela

diz:

Lua, luar,
Toma o teu andar;
Deixa o meu filho
Que o quero criar.

c

20Vai-se à fonte por um caminho e vem-se por outro com a criança nos braços; ao afastar-se da fonte diz-se:

Eu o céu vejo,
Eu estrelas vejo,
Eu ar vejo;
O mal que esta criança tem
Pela minha mão o despejo.

21E deita-se para trás das costas uma mão cheia de água, sem olhar para trás. A fórmula a foi-me comunicada por um amigo do Minho; b e c por Ana Alves Leite.

30. Para talhar a azia

A pessoa que tem azia sobe acima de uma pedra e diz-se-lhe:
Corto-te a azia,

E corto-te a trela;
Salta burrinha
Abaixo da pedra.
(Porto, Dezembro de 1873.)

Notes

1 Cfr. Cancioneiro Popular, p. 172.

2 Cancioneiro Popular, publ. por Teófilo Braga, p. 171.

3 Balhinho ou balinho, corrupção de maninho, estéril.

4 Cfr. Cantos do Arquipélago Açoriano, publ. por Teófilo Braga, p. 148.

5 Josaphat.

6 Cfr. Cantos do Arquipélago Açoriano, publ. por Teófilo Braga, p. 157.

7 Vid. Grimm, Deutsche Mythologie, caps. xxxvi, xxxvii e xxxviii; idem über Marcellus Burdigalensis (Kleinere Schriften, ii, 114-151); Rud. Roth, Literatut und Geschichte des Veda (1846), pp. 12, 37-45; idem, Indische Sprüche, A. Kuhn und W. Schwartz, Norddeutsche Sage, etc., pp. 431-444; Kuhn, Sagen, etc., aus Westfalen, ii, 191-215, etc., etc.

8 Os exemplos poder-se-iam apresentar em grande número.

9 Vid. Romania, I, 223.

10 Essa sentença, que lemos no ms., foi publicada no Instituto de Coimbra, vol. ix, 379 e segs., Romania, iii.

11 Deve-se muito provavelmente corrigir em arrebentam.

12 Onofre.

13 O nome da criança.

14 Cfr. para esta designação da erisipela o alemão rose.

15 A palavra ardegaria falta em todos os dicionários portugueses; mas vê-se claramente que é um antigo nome de planta que parece hoje perdido. Como no século xvii a benzedeira empregava os ramos da silva, e não a ardegaria, na sua cura, é muito de crer que ela não sabia já o que designava a palavra. Ardegaria deriva talvez de ardego. No Brasil, uma planta é designada com o nome de ardentia, acepção ignorada dos dicionários.

16 Ansansere designa uma doença de carácter misterioso, uma doença causada por um malefício. Falta também nos dicionários portugueses esta palavra que muitas vezes se tem ouvido na boca do povo. A palavra parece derivar de um modo irregular de aso, asar ; cfr. azara por aso, coligido por Moraes, Dic. Port.

Notes de fin

1 Originalmente publicado na revista Romania, 1874, vol. iii, pp. 263-278.

© Etnográfica Press, 1993

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search