Version classiqueVersion mobile

Obra etnográfica (I)

 | 
Adolfo Coelho

Prefácio

João Leal

Texte intégral

I

  • 1 Para uma bibliografia da obra completa de Adolfo Coelho, cf. Gonçalves, Maria José, 1947, e Fernand (...)

1Promotor e interveniente nas célebres «Conferências do Casino», historiador da literatura, introdutor em Portugal dos estudos linguísticos e da pedagogia, Francisco Adolfo Coelho (1847-1919) foi também – a par de Teófilo Braga, Consiglieri Pedroso, Leite de Vasconcelos e Rocha Peixoto – uma das figuras decisivas na constituição e desenvolvimento inicial da antropologia em Portugal, no período que vai dos anos 70/80 do século XIX até ao início do século xx1.

2São conhecidos alguns dos traços gerais desse período que A. Jorge Dias designou como o «período dos mestres», ou ainda, «período filológico-etnográfico, positivista» da antropologia portuguesa (Dias, 1952: 1). Embora existam algumas expressões de interesse pelo estudo das sociedades e culturas «primitivas» – entre as quais se destacam os volumes publicados por Oliveira Martins no quadro da sua Biblioteca das Ciências Sociais (Martins, 1880; 1881; 1882; 1883) –, a antropologia constitui-se em Portugal como uma disciplina preferencialmente vocacionada para o estudo da tradição camponesa nacional.

3Tal como em muitos outros países europeus onde prevaleceu uma orientação idêntica, os objectos de estudo que primeiro se impuseram à atenção dos investigadores foram, por um lado, a literatura popular – abrangendo como subdivisões principais o romanceiro e os contos – e, por outro, as chamadas tradições populares – designação que se aplicava a um heterogéneo conjunto de representações e práticas, com relevo para as festas e cerimónias cíclicas, práticas mágicas, crenças relativas a seres sobrenaturais, «superstições», etc... Com a aproximação da viragem do século, entretanto, este leque de interesses iniciais conhece um processo de alargamento e um conjunto de novos terrenos – em que avultam as tecnologias tradicionais, a arte popular, aspectos da vida económica e social rural – emergem no horizonte da antropologia portuguesa.

  • 2 Paralelamente a esta actualização teórica, a antropologia portuguesa deste período–mais uma vez em (...)

4Embora privilegiando a recolha como direcção principal de trabalho, este interesse pela tradição camponesa nacional desde muito cedo que se articulou com projectos mais ambiciosos de classificação e interpretação do material recolhido. Contrariamente à tendência que se tornará dominante ao longo de quase toda a primeira metade do século XX – em que a antropologia portuguesa se caracteriza por um perfil essencialmente descritivo –, o trabalho dos antropólogos portugueses oitocentistas faz-se eco de um conjunto de preocupações teóricas inspiradas nas principais tradições de pesquisa que o século XIX punha à disposição dos estudiosos das culturas populares europeias2.

II

5É no interior deste quadro genérico que acabámos de evocar que a obra etnológica de Adolfo Coelho deve ser situada.

  • 3 Nas citações de textos de Adolfo Coelho reeditados no presente volume, acrescenta-se, além da refer (...)

6Perspectivando a Etnologia como uma disciplina preferencialmente vocacionada para o terreno português – «qual poderá [...] ser o estudo mais digno de um povo senão o estudo de si próprio» enfatizará ele num texto de1896 [1896a: 9(705)]3 –, Adolfo Coelho afirma-se de facto, em primeiro lugar, como um dos mais destacados «cultores» da literatura e das tradições populares.

7Cronologicamente, a área da literatura popular é aquela que primeiro concentra as atenções do autor. Os Contos Populares Portugueses (Coelho, 1879) – o seu título mais conhecido nesta área – é também a primeira recolha sistemática deste género de literatura popular publicada em Portugal. Posteriormente traduzida para inglês (Coelho, 1885d), esta obra antecede em três anos a recolha similar de Consiglieri Pedroso (Pedroso, 1882) – inicialmente editada em inglês e que só muito mais tarde será publicada em Portugal (Pedroso, 1910) – e em quatro anos a de Teófilo Braga (Braga, 1883). Paralelamente, a actividade de Adolfo Coelho relativamente à literatura popular desdobra-se numa multiplicidade de outras recolhas e estudos de menor dimensão. Entre as recolhas – e para além da publicação avulsa, posteriormente a 1879, de quatro outros contos populares (Coelho, 1885a; 1885b; 1885c; 1918) – ocupam lugar de destaque as realizadas nas áreas do adagiário – Ditados Tópicos de Portugal (Coelho, 1883a) –, do romanceiro – Romances Galliciennes (Coelho, 1873), Romances Sacros. Orações e Ensalmos Populares do Minho (Coelho, 1874), Romances Populares e Rimas Infantis Portuguesas (Coelho, 1879b) – e, sobretudo, das rimas e jogos infantis. Nesta última área, para além da recolha que acabou de ser referida e de umas Variedades publicadas em 1880 (Coelho, 1880e), Adolfo Coelho publicará duas recolhas mais completas em 1883 – Jogos e Rimas Infantis (Coelho, 1883d) e Os Jogos e as Rimas Infantis de Portugal (Coelho, 1883e) –, a primeira das quais no âmbito de uma colecção de pedagogia. Quanto aos estudos, a par daqueles que cobrem a área dos contos populares – casos de Belfegor (Coelho, 1875a), de Os Elementos Tradicionais da Literatura. Os Contos (Coelho, 1875b), do prefácio aos Contos Populares Portugueses (Coelho, 1879a), dos Estudos para a História dos Contos Tradicionais (Coelho, 1880b) e de As Lendas da Serra da Estrela (1881b) –, outros são consagrados a um diversificado leque de assuntos. Entre esses assuntos, avultam fórmulas mágicas e orações – abordadas em duas Notas Mitológicas publicadas na revista Renascença (Coelho, 1878c; 1881c) –, as lendas – A Oliveira de Guimarāes (Coelho, 1883f) – e a poesia tradicional – O Paralelismo na Poesia Popular Portuguesa (Coelho, 1912). As Notas e Paralelos Folclóricos (Coelho, 1887b), por fim, são consagradas a uma abordagem conjunta de itens pertencentes a vários destes domínios.

  • 4 A Revista de Etnologia e Glotologia foi fundada e dirigida por Adolfo Coelho e, não obstante a sua (...)

8A actividade de Adolfo Coelho na área das tradições populares remonta por seu turno a 1878, ano em que é publicado um pequeno estudo sobre uma cerimónia transmontana associada à comemoração de Quarta-Feira de Cinzas (Coelho, 1878b). Mas é sobretudo no decurso dos anos 80 que serão publicados os seus ensaios e recolhas mais relevantes nesta área. Entre estes, o lugar de destaque vai sem dúvida para os Materiais para o Estudo das Festas, Crenças e Costumes Populares Portugueses publicados em 1880 na Revista de Etnologia e Glotologia (Coelho, 1880c)4. Desdobrando-se em duas grandes secções – uma consagrada ao estudo das festas e cerimónias cíclicas, e outra relativa a crenças em entidades míticas e pessoas dotadas de poder sobrenatural – , os Materiais... constituem – a par das Contribuições para Uma Mitologia Popular Portuguesa de Consiglieri Pedroso (cf. Pedroso, 1988) e das Tradições Populares de Portugal de Leite de Vasconcelos (Vasconcelos, 1882) – uma das mais importantes recolhas de tradições populares da antropologia portuguesa oitocentista. No seu seguimento, Adolfo Coelho publicará ainda Etnografia Portuguesa. Costumes e Crenças Populares (Coelho, 1881a) – consagrado à apresentação de um conjunto de fontes escritas susceptíveis de serem utilizadas no estudo das tradições populares – e Etnologia. As Superstições Portuguesas (Coelho, 1883c) – que reúne um conjunto de «superstições e usanças» várias (1883c: 514), organizadas de acordo com o esquema utilizado por Leite de Vasconcelos nas suas Tradições Populares de Portugal (Vasconcelos, 1882). Esta fase mais intensa do trabalho de Adolfo Coelho em torno das tradições populares culmina, em 1885, com a publicação, na revista italiana Archivio per lo Studio delle Tradizione Popolari – dirigida pelo folclorista italiano Giuseppe Pitré –, de um estudo sobre as Tradições Relativas às Sereias e Outros Mitos Similares (Coelho, 1885e). Posteriormente, dois outros textos, um de1895 – Tradições Populares Portuguesas. O Quebranto (Coelho, 1895) – e outro de1900 – De Algumas Tradições de Espanha e Portugal. A Propósito da Estantigua (Coelho, 1900) –, confirmam a continuidade desse interesse pelas tradições populares na obra de Adolfo Coelho.

9Embora tenha na literatura e nas tradições populares o seu núcleo mais sólido, a obra de Adolfo Coelho virá entretanto a orientar-se gradualmente para uma visão tematicamente mais «aberta» da antropologia, atenta à importância de um conjunto de outros terrenos de estudo.

10Essa abertura é testemunhada antes do mais por alguns dos programas etnológicos e antropológicos redigidos por Adolfo Coelho. O primeiro desses programas – intitulado Esboço de Um Programa de Estudos de Etnologia Peninsular (Coelho, 1880a) – , embora remonte a um período em que os interesses de Adolfo Coelho se situam preferencialmente na área da literatura e das tradições populares, deixa já entrever essa visão mais ampla da etnologia. A par dessas duas áreas, Adolfo Coelho enumera um conjunto de outros terrenos de investigação que deveriam concentrar as atenções dos estudiosos. Entre esses terrenos avultam as «indústrias de carácter popular» [id., ibid.: 3 (678)] – com relevo para «a navegação e pesca fluvial e costeira» (id., ibid.), as alfaias agrícolas, a arquitectura popular, a cerâmica e o vestuário, etc... –, a «arte popular» [id., ibid. (679)] e os «caracteres do espírito do peninsular», sob o ponto de vista das suas tendências religiosas, políticas, afectivas, práticas, etc... [id., ibid.: 4 (679)].

11É entretanto no decurso dos anos 90 que esta visão tematicamente alargada da antropologia portuguesa se afirma com maior clareza. Ela começa por transparecer na introdução – de cunho eminentemente programático – às Tradições Populares Portuguesas. A Caprificaçāo (Coelho, 1896b). Aí, depois de sublinhar que «o estudo das tradições populares é vasto e complexo», Adolfo Coelho precisa: «não se trata simplesmente de [...] coligir poesia, lendas, contos, provérbios, enigmas [...], as superstições, as crenças religiosas, de descrever e reproduzir graficamente as danças, os vestidos, as habitações, a música, a pintura, a escultura, a linguagem, os gestos, os símbolos gráficos: é necessário estudar também as indústrias do povo no que elas têm de tradicional, os conceitos não supersticiosos sobre a natureza, o homem, a sociedade, enfim o saber popular em todas as suas ramificações, justificando a expressão com que os Ingleses designam o folklore; ou, se se prefere, estudar a vida do povo sob todos os seus aspectos» [id., ibid.: 113 (559)]. Inspirado fundamentalmente em Wundt – autor que é uma das referências fundamentais no pensamento de Adolfo Coelho a partir dos anos 90 –, Adolfo Coelho propõe de seguida uma arrumação sistemática das principais áreas que deveriam ser contempladas por essa visão tematicamente ampliada da antropologia [id., ibid.: 113-119 (559-563)].

12Mas é sobretudo no programa da Exposiçāo Etnográfica Portuguesa (Coelho, 1896a) que esta concepção aberta da antropologia portuguesa é apresentada com maior nitidez e desenvolvimento. Produzido, como o próprio título sugere, no quadro de um dos primeiros projectos de museologia etnográfica em Portugal, a Exposiçāo Etnográfica Portuguesa pode ser de facto encarado como um aprofundamento do esforço de alargamento e sistematização do campo da antropologia portuguesa iniciado no programa de1880 e retomado no texto sobre a caprificação. Depois de constatar que «a nossa etnografia se acha ainda na infância» [id., ibid.: 1 (703)], Adolfo Coelho sugere que essa situação se ficaria em grande medida a dever a uma concepção excessivamente «estreita» da antropologia. «É no domínio da poesia popular, dos contos, das superstições, dos jogos, das festas e outros actos solenes do nosso povo que mais se tem feito», escreve Adolfo Coelho [id., ibid.: 8 (704)]. Mas, noutras áreas, o atraso seria considerável. Partindo desse pressuposto, o programa que Adolfo Coelho desenvolve constitui justamente uma tentativa de apresentação detalhada das principais áreas em que se deveria desdobrar «um estudo completo do povo português» [id., ibid.: 12 (706)]. Entre essas áreas destacam-se, por exemplo, as «formas de vida prática» – onde Adolfo Coelho inclui itens tão diversos como a alimentação, a habitação, o trabalho, etc... [id., ibid. (707)] –, as «formas sociais» – tendo como divisões principais a família, «os laços da sociedade» e o «sentimento da comunidade nacional e política» – e as «formas humanas» – englobando os «sentimentos de humanidade em geral», mas também a amizade, a hospitalidade, etc... [id., ibid.: 13 (707)]. Simultaneamente, Adolfo Coelho enfatiza a necessidade de uma visão de conjunto da cultura popular portuguesa: «é mister estudar de modo mais sério do que se tem feito até hoje o temperamento, o tipo moral e o carácter do nosso povo nas suas variantes; o conjunto dos sentimentos que nele se revelam; as ideias que o agitam relativamente ao mundo sobrenatural, à natureza, à sociedade; fazer um inquérito completo acerca do que ele sente, do que ele sabe, do que ele pensa e do modo por que ele sente, sabe e pensa e apreciar ainda sobre dados seguros o grau da sua energia volitiva, fazer enfim a sua psicologia étnica» (id., ibid.: 8).

  • 5 Esta monografia foi antecedida de dois estudos preparatórios; cf. Coelho, 1884 e 1887a.

13Presente ao nível das intenções programáticas, esta concepção aberta da antropologia reencontra-se na produção concreta de Adolfo Coelho. De facto, esta, a par da literatura e das tradições populares, concederá também, em particular a partir dos anos 90, um lugar de certo relevo a outros terrenos de estudo. Entre esses terrenos, um dos mais conhecidos é sem dúvida o recoberto pela monografia que Adolfo Coelho consagrou aos ciganos (Coelho, 1892)5. Mas o caso dos ciganos – apesar de ser o mais conhecido – está longe de ser o único. Simultaneamente, Adolfo Coelho é o autor de alguns dos primeiros estudos antropológicos das tecnologias tradicionais – uma área que, como é sabido, virá a ter um papel determinante tanto na obra de Rocha Peixoto, como, sobretudo a partir dos anos 40 do século xx, no trabalho de A. Jorge Dias e da sua equipa. O primeiro desses estudos, a que já fizemos anteriormente referência, é o ensaio Tradições Populares Portuguesas. A Caprificaçāo (Coelho, 1896b). Nele, depois da introdução programática já mencionada, Adolfo Coelho desenvolve o estudo de um processo tradicional de secagem dos figos no Algarve. Quanto ao segundo estudo – intitulado Alfaia Agrícola Portuguesa (Coelho, 1901) –, foi redigido a propósito de uma exposição etnográfica realizada em 1898 na Tapada da Ajuda em Lisboa e é consagrado à apresentação e análise de um conjunto relativamente amplo de utensílios e tecnologias de carácter agrícola.

  • 6 Este título constitui o terceiro volume da «Biblioteca de Educação Nacional». Os outros dois volume (...)
  • 7 Este texto consiste na reedição de dois artigos originalmente publicados em 1910, no Boletim da Ass (...)

14Finalmente, é também à luz da concepção tematicamente aberta da antropologia na obra de Adolfo Coelho que podem ser entendidos os textos que o autor consagra ao estudo, a partir de um ponto de vista antropológico, de questões de natureza pedagógica. Entre esses textos avultam Os Elementos Tradicionais da Educaçāo. Estudo Pedagógico (Coelho, 1883b)6, A Pedagogia do Povo Português (Coelho, 1898) e Cultura e Analfabetismo (Coelho, 1916)7. Resultantes naturais do interesse simultâneo que Adolfo Coelho mantinha pelas áreas da antropologia e da pedagogia, estes textos devem também ser vistos como uma expressão das características interdisciplinares que Adolfo Coelho imprime à sua reflexão antropológica.

*

  • 8 Não é pois de estranhar que possa ser detectada uma certa influência de Adolfo Coelho no pensamento (...)

15Esta abertura temática que se exprime na obra antropológica de Adolfo Coelho confere-lhe um lugar de destaque na produção antropológica oitocentista. No quadro desta, Adolfo Coelho pode ser visto como o autor que faz a ponte entre uma concepção da antropologia identificada fundamentalmente com o estudo preferencial da literatura e das tradições populares – concepção dominante nos anos 70/80 e associada a uma primeira geração de antropólogos em que avultam, para além de Adolfo Coelho, Teófilo Braga e Consiglieri Pedroso – e uma prática antropológica que gradualmente se abre para terrenos de estudo mais amplos e diversificados – tendência que se afirmará sobretudo a partir dos anos 90, com uma segunda geração de antropólogos da qual o nome decisivo é, sem dúvida, o de Rocha Peixoto8.

III

16Simultaneamente à abertura temática que evidencia, a obra antropológica de Adolfo Coelho é também uma das obras onde melhor se exprime aquele que sugerimos ser outro dos traços centrais da produção antropológica portuguesa na segunda metade do século xix: a articulação de uma intensa actividade de recolha com uma constante preocupação de interpretação, com recurso aos modelos teóricos disponíveis, do material recolhido.

17Este traço é particularmente evidente nos textos que Adolfo Coelho consagrou ao estudo da literatura e das tradições populares. Nestas duas áreas, o século XIX oferecia aos investigadores um conjunto de modelos teóricos, que embora partilhando uma orientação predominantemente histórico-comparativa, divergiam entretanto em numerosos pontos.

  • 9 Para uma apresentação mais detalhada das concepções de Benfey, cf. Cocchiara, 1981: 296-303.

18Entre esses modelos, aquele que cronologicamente se manifesta primeiro na obra de Adolfo Coelho é o difusionismo de Theodor Benfey. Inspirando-se nos trabalhos pioneiros de Silvestre de Sacy e Loiseleur des Longchamps, este filólogo e orientalista alemão de meados do século XIX defendia que a origem da literatura popular europeia deveria ser procurada na índia histórica, em particular nos textos da literatura budista. Teria sido a partir desse centro criativo original que teriam irradiado, através de mecanismos de difusão que importava reconstituir, os motivos e narrativas mais recorrentes não apenas dos contos populares europeus, mas dos contos populares de um conjunto de outros povos não-europeus – árabes, persas, mongóis, chineses9. São justamente estes pressupostos que podemos encontrar nalguns dos textos que Adolfo Coelho consagrou aos contos populares portugueses. Assim, em Belfegor (Coelho, 1875a), depois de afirmar que «em literatura comparada, depois dos trabalhos de Silvestre de Sacy, Loiseleur des Longchamps, Theodor Benfey e outros investigadores simultâneos das literaturas orientais e ocidentais, [nos] sentimos inclinados a ir buscar à índia paralelos, se não originais de qualquer ficção literária europeia» [id., ibid.: 66 (56)], Adolfo Coelho sublinha que, «pelo que toca a Belfegor, a origem indiana é muito provável em vista dos factos reunidos pela maravilhosa erudição de Benfey» (id., ibid.). Nos Estudos para a História dos Contos Tradicionais (Coelho, 1880b), a propósito do Conto do Justo Juízo, Adolfo Coelho fundamenta também a sua análise nas concepções de Theodor Benfey que subscreve explicitamente, ao afirmar, por exemplo, que «Benfey crê, com razão, que ele [o conto do Justo Juízo] teve por ponto de partida a casuística búdica» [id., ibid.: 133 (149)], ou, mais à frente, ao vincar de novo que «depois que os trabalhos de Benfey demonstraram que um grande número de contos espalhados no oriente e no ocidente saíram das tradições búdicas, ou pelo menos foram fixados [...] nos livros búdicos, não se poderá hesitar um só momento em ver realmente o ponto de partida do nosso conto naqueles casus conscientae [presentes na literatura budista] [id., ibid.: 135 (150)].

  • 10 Embora a dominância do difusionismo como paradigma central na reflexão antropológica se dê sobretud (...)

19Particularmente clara nos estudos que acabámos de referir, a adesão de Adolfo Coelho ao quadro teórico proposto por Benfey deve ser aproximada da abertura que o autor evidencia, noutros textos, em relação a pressupostos de natureza difusionista mais ampla10. Esses pressupostos, embora deixem de lado a referência exclusiva à índia histórica de Benfey, acentuam de qualquer forma a importância da difusão como processo de transmissão da literatura e das tradições populares. A análise deveria esforçar-se por reconstituir quer os centros étnicos onde os seus principais motivos teriam sido originalmente elaborados quer os processos de transmissão através dos quais estes se teriam posteriormente difundido. A adesão de Adolfo Coelho a este tipo de aproximação transparece em primeiro lugar nalguns dos seus ensaios sobre literatura popular, designadamente em Os Elementos Tradicionais da Literatura. Os Contos (Coelho, 1875b) ou no prefácio aos Contos Populares Portugueses (Coelho, 1879a). Mas reencontra-se também nalguns dos seus ensaios sobre tradições populares. É o caso de Etnologia. As Superstições Portuguesas (Coelho, 1883c), onde Adolfo Coelho sugere que «para uma parte considerável» do material apresentado nesse texto «a transmissão, a migração é demonstrável» [id., ibid.: 579 (469)]. Em As Tradições Relativas às Sereias e Outros Mitos Similares (Coelho, 1885e), as preocupações com o apuramento das eventuais origens étnicas dessas tradições portuguesas são também claras, embora Adolfo Coelho, prudentemente, se limite a pôr em relevo alguns parentescos mais plausíveis. Embora cruzado – como teremos ocasião de ver – com outras influências, este tipo de preocupações é ainda reencontrável em textos como as Tradições Populares Portuguesas. O Quebranto (Coelho, 1895) ou De Algumas Tradições de Espanha e Portugal. A Propósito da Estantigua (Coelho, 1900).

  • 11 Esta dispersão teórica é reencontrável em Consiglieri Pedroso (cf. Leal, 1988) e também em Teófilo (...)

20A abertura de Adolfo Coelho tanto para as concepções de Benfey como para estes pressupostos de natureza difusionista mais geral não significa entretanto que não possam ser detectadas outras influências teóricas na sua obra. Caracterizando-se por uma certa dispersão teórica – comum a outros autores do mesmo período11 –, Adolfo Coelho não permaneceu de facto indiferente a outras alternativas que o século xix ofereceu aos estudiosos da literatura e das tradições populares.

  • 12 A mitologia comparada tem sido objecto de numerosos estudos. Entre os mais importantes veja-se Belm (...)

21Entre essas alternativas avulta a mitologia comparada. Constituindo uma das mais importantes correntes do pensamento antropológico oitocentista, a mitologia comparada desenvolveu-se a partir dos anos 50 do século xix em estreita associação com a gramática comparada e tinha como principal figura F. Max Müller. Para este autor era no interior do contexto indo-europeu – cuja unidade linguística havia sido demonstrada pela gramática comparada – que poderiam ser entendidos os principais motivos estruturadores da literatura e das tradições populares europeias. Estas não seriam senão o produto da degradação de um pensamento originário indo-europeu, anterior à dispersão dos seus diferentes ramos pela Europa e pela Ásia e cuja primitiva expressão se encontraria nos hinos védicos. Remontando a estes, seria possível identificar os principais motivos que, sob uma forma degenerada e confusa, estariam na base da literatura e das tradições populares europeias. Esses motivos, segundo Max Müller, teriam características predominantemente naturalistas: por detrás deles, encontrar-se-ia um conjunto de concepções de natureza mítica e religiosa acerca da natureza e dos fenómenos naturais, com particular destaque para o sol. Com o decurso do tempo, entretanto, essa ligação inicial entre os fenómenos naturais e o pensamento religioso e mítico dos indo-europeus ter-se-ia obscurecido. Daí o carácter aparentemente absurdo que apresentariam a literatura e as tradições populares europeias. Retraçando-lhes a história, devolvendo-as às suas origens, a mitologia comparada estaria entretanto em condições de lhes restituir esse sentido perdido, mediante uma pesquisa orientada para a identificação da matéria-prima naturalista que estaria na sua base12.

  • 13 Veja-se a este propósito a recensão que Adolfo Coelho consagrou à obra de Leite de Vasconcelos, ond (...)

22Presente nalguns dos seus textos sobre literatura popular – o caso mais expressivo são As Lendas da Serra da Estrela (Coelho, 1881b) –, é entretanto na área das tradições populares que a influência da mitologia comparada na obra de Adolfo Coelho é mais relevante. Embora nunca assuma a forma «excessiva» que tomou noutros autores do século XIX13, é ela que podemos detectar em textos como A Morte e o Inverno (Coelho, 1878b) ou os Materiais para o Estudo das Festas, Crenças e Costumes Populares Portugueses (Coelho, 1880c). Assim, em A Morte e o Inverno, é à luz das concepções naturalistas características da escola de Max Müller que Adolfo Coelho se propõe analisar uma cerimónia transmontana associada à Quarta-Feira de Cinzas, em que um personagem mascarado figurando a morte «entra em todas as casas que lhe agrada e percorre as ruas perseguindo os rapazes» [Coelho, 1878b: 10 (273)], que o apedrejam e invectivam. Para Adolfo Coelho, a chave do rito estaria «nos velhos cultos naturalísticos» em que têm raízes «quase todos os costumes populares» [id., ibid. (274)]. Nesses cultos – sublinha Adolfo Coelho – ocupavam um lugar de destaque «as cerimónias que simbolizavam o giro das estações, em que a imaginação mitopoética das nações indo-europeias via um drama, que reproduzia em ponto grande o drama quotidiano da luta do dia e da noite, da luz e das trevas; a divindade solar um momento vencida saía por fim triunfante da luta. O Inverno era um paralelo da noite, como o Verão [...] do dia. Como a noite era identificada à morte, assim o Inverno foi considerado a morte. Não é o Inverno a morte da natureza, da qual ela há-de ressuscitar sempre com nova alegria e beleza?» (id., ibid.). A partir deste quadro genérico, o sentido do rito transmontano poderia ser restituído: o personagem mascarado não seria senão uma representação do Inverno, e a cerimónia deveria ser lida como um ritual de expulsão do Inverno.

23Nos Materiais para o Estudo das Festas, Crenças e Costumes Populares Portugueses (Coelho, 1880c), a secção consagrada ao estudo das festas e das cerimónias cíclicas – intitulada «Calendário Popular» – assenta igualmente em claros pressupostos naturalistas. Estes começam por se exprimir na introdução genérica à secção, que retoma para o conjunto do calendário cerimonial anual as ideias gerais inicialmente desenvolvidas em A Morte e o Inverno. E reencontram-se, depois, na análise que Adolfo Coelho propõe de um certo número de festividades cíclicas. Assim, depois de defender que na origem do Natal se encontrariam os «numerosos cultos e festas relativos [...] ao renascimento das divindades solares» [id., ibid.: 14 (283)], Adolfo Coelho propõe-se analisar à luz da teoria solar um certo número de práticas mais precisas em que este se desdobraria. É o que se passa com a utilização cerimonial das bagas de azevinho: o facto de o azevinho «ostentar as suas bagas na época do solstício invernal, a cor vermelha e a forma globulosa dessas bagas, faziam pôr naturalmente a planta em relação com o sol» [id., ibid.: 17 (285)]. Mais à frente, a propósito do madeiro do Natal, é um horizonte interpretativo idêntico que podemos reencontrar: «o cepo parece ter significação semelhante à das fogueiras de S. João; estas divergem apenas em serem feitas em lugar descoberto, e a festa do cepo ser em geral doméstica. O cepo simbolizaria o fogo ou calor solar, que então renasce» [id., ibid.: 30 e 31 (293)]. Um sentido similar poderia ainda ser atribuído, segundo Adolfo Coelho, ao costume popular de acender velas no Natal e, ainda, ao próprio círio pascal, «um símbolo de origem pagã, representando também o sol» [id., ibid.: 31 (294)].

  • 14 Para uma apresentação geral da escola evolucionista o livro de referência fundamental é Stocking Jr (...)

24Finalmente, é também possível detectar na produção de Adolfo Coelho na área da literatura e das tradições populares as marcas da influência evolucionista. Tendo-se afirmado a partir dos anos 60/70 do século XIX como o paradigma dominante do pensamento antropológico oitocentista, o evolucionismo diferenciava-se tanto das correntes difusionistas como da mitologia comparada pelo facto de a sua orientação preferencial incidir no estudo das sociedades e culturas «primitivas». Estas eram encaradas como exemplos vivos de um estádio de evolução, de características universais, que as sociedades europeias teriam outrora conhecido; seria justamente como «sobrevivências» desse estádio que a literatura e as tradições populares europeias poderiam ser entendidas. O quadro comparativo deixa de operar a partir de referências étnicas precisas – às preocupações do difusionismo e da mitologia comparada com a identificação da origem étnica da literatura e das tradições populares contraporá o evolucionismo a tese da «criação independente» – e o animismo substitui-se ao naturalismo como pano de fundo a partir do qual seria possível examinar o sentido da literatura e das tradições populares europeias. Teorizado inicialmente por Tylor, este quadro conceptual será posteriormente retomado e aprofundado, designadamente no referente às suas implicações para a análise das culturas populares europeias, por Andrew Lang e está na origem daquilo que Dorson designa pela escola dos savage folklorists (Dorson, 1968: 187)14.

  • 15 Para além dos aspectos que acabámos de referir, o texto de Adolfo Coelho sobre a estantigua possui (...)

25Embora não seja propriamente um savage folklorist, Adolfo Coelho não permanecerá porém indiferente aos desafios do evolucionismo. É nessa perspectiva que podem ser interpretadas as referências que se encontram na sua produção à tese da «criação independente». Mencionada ocasionalmente nos seus textos sobre literatura popular, essa tese é mais insistentemente retomada a propósito das tradições populares. É o que se passa em Etnografia Portuguesa. Costumes e Crenças Populares (Coelho, 1881a) e em Etnologia. As Superstições Portuguesas (Coelho, 1883c). Neste último texto, por exemplo, Adolfo Coelho, depois de referir que as tradições apresentadas mostram «a unidade que neste domínio prevalece entre os diversos povos do mundo», sugere que «uma parte dessas tradições pode ter nascido independentemente e com a mesma forma em diversos povos» [id., ibid.: 579 (469)]. Mas é sobretudo nos seus textos mais tardios, em particular nas Tradições Populares Portuguesas. O Quebranto (Coelho, 1895) e em De Algumas Tradições de Espanha e Portugal. A Propósito da Estantigua (Coelho, 1900), que o apelo do evolucionismo se mostra mais forte. Assim, nas Tradições Populares Portuguesas. O Quebranto, Adolfo Coelho não só se mostra partidário da invenção independente das tradições relativas ao quebranto [cf. em particular Coelho, 1895: 174 (504)], como sugere a teoria animista como pano de fundo a partir da qual elas poderiam ser analisadas. Depois de sublinhar que «a ideia de emanações partindo do olhar» deveria ter contribuído para a formação dessas crenças, Adolfo Coelho acrescenta: «pelo olhar crê-se penetrar na alma alheia e a alma é considerada, nos estados primitivos do espírito humano, como material ou quase material, como tendo cheiro, forma, podendo ser saboreada, comida. Pelos olhos, pois, poder-se-iam comunicar exalações maléficas da alma» (id., ibid.). Em De Algumas Tradições de Espanha e Portugal. A Propósito da Estantigua, por seu turno, Adolfo Coelho, ao mesmo tempo que combina o naturalismo com um conjunto de preocupações de natureza etnogenética, consagra entretanto a parte final do texto a uma argumentação – inspirada em Andrew Lang – das teses evolucionistas da criação independente. Depois de referir os costumes relativos à couvade ou à utilização do bullroarer, Adolfo Coelho escreve que, nesses e noutros casos, «o investigador fica em irresolúvel perplexidade» quanto à sua origem: «como no domínio da biologia, surgem no dos produtos sociais (línguas, mitos, costumes, etc...) homoplasias mais ou menos notáveis, sem que delas se possa concluir correlação genética» [Coelho, 1901: 53 (545)]15.

26Particularmente clara no troço da sua obra consagrado à literatura e às tradições populares, esta dispersão teórica reencontra-se ainda nos textos que Adolfo Coelho consagrou a outros domínios da etnologia portuguesa. O difusionismo é a preocupação dominante de Tradições Populares Portuguesas. A Caprificação (Coelho, 1896b): depois de apresentados os factos, Adolfo Coelho consagra a parte final do texto à averiguação das origens étnicas da caprificação, defendendo a seu respeito a «hipótese da origem helénica» [id., ibid.: 127 (570)]. Os Ciganos de Portugal (Coelho, 1892), pelo seu lado, deve ser entendido no quadro do interesse que este grupo étnico suscitou no século xix entre os estudiosos da gramática e da mitologia comparadas indo-europeias. Finalmente, o evolucionismo é a inspiração predominante da Alfaia Agrícola Portuguesa (Coelho, 1901) – onde aparece entretanto combinado com preocupações difusionistas – e reencontra-se ainda em dois dos textos que Adolfo Coelho consagrou à análise, a partir de um ponto de vista antropológico, de questões pedagógicas: A Pedagogia do Povo Português (Coelho, 1898) e Cultura e Analfabetismo (Coelho, 1916). Ploss, Waitz, Letourneau e, sobretudo, Wundt – este último, como notámos já, uma referência fundamental no pensamento de Adolfo Coelho a partir dos anos 90 – são frequentemente citados e é notória, particularmente em A Pedagogia do Povo Português, a presença de preocupações e linhas de análise inspiradas no projecto evolucionista. A abertura destes dois textos – e ainda do Esboço de Um Programa para o Estudo Antropológico, Patológico e Demográfico do Povo Português (Coelho, 1890) – para outras correntes das ciências sociais e humanas da viragem do século – entre elas, a sociologia francesa – deve também ser retida.

*

  • 16 Na sua comunicação às Conferências do Casino, por exemplo, Adolfo Coelho insurgia-se contra os cond (...)

27Num texto publicado em 1882, Adolfo Coelho referia como primeiro grande objectivo da sua actividade «elevar a ciência portuguesa à altura da das outras nações, pelo menos num domínio acessível às nossas forças individuais» (Coelho, 1882a: 1). É no quadro desta preocupação – recorrente noutros textos do autor16 – que é possível interpretar tanto a dispersão teórica como a própria amplitude temática que caracterizam a obra antropológica de Adolfo Coelho. Estas devem de facto ser vistas como o resultado de um esforço multifacetado e irrequieto para enraizar em Portugal uma tradição de estudos antropológicos permanentemente atenta aos novos desenvolvimentos que a disciplina conhece entre os anos 70 do século XIX e o início do século XX.

  • 17 Diferentemente daquilo que João Pina Cabral sugere quando escreve que, na antropologia portuguesa, (...)

28O facto desse esforço não ter tido continuidade noutros etnógrafos portugueses posteriores – conjugado com o desaparecimento prematuro de Rocha Peixoto – é certamente uma das razões que explica o refluxo teórico que caracterizará a antropologia portuguesa na primeira metade do século XX17.

IV

29Marcada por uma concepção tematicamente alargada da antropologia, aberta ao conjunto de influências teóricas que caracterizam o estudo oitocentista das culturas populares europeias, a obra antropológica de Adolfo Coelho é finalmente decisiva para restituir as ambições mais amplas – de natureza ideológica e cultural – que presidiram à génese e ao desenvolvimento inicial da antropologia portuguesa.

  • 18 Para uma perspectiva genérica desta equação entre o estudo antropológico da tradição camponesa naci (...)

30Entre essas ambições avultam aquelas que se prendem com a discussão da problemática da identidade nacional. Presente noutras tradições antropológicas nacionais da Europa oitocentista18, esta ligação entre a antropologia e a problemática da identidade nacional exprimiu-se fundamentalmente através do triunfo de uma concepção de contornos românticos da cultura popular. Esta era encarada não apenas como a expressão mais autêntica do «génio nacional» mas também como o terreno por excelência onde podia ser historicamente enraizada – através de uma aproximação de características etnogenéticas – a originalidade e a especificidade da nação. Essa concepção pode reencontrar-se nalguns antropólogos portugueses oitocentistas, com destaque para Teófilo Braga (cf. Ferré, 1982 e 1991, e Leal, 1987).

31A obra antropológica de Adolfo Coelho não é também indiferente a esta visão. Para além do pano de fundo romântico que podemos encontrar em alguns dos seus escritos sobre literatura e tradições populares, o Esboço de Um Programa de Estudos de Etnologia Peninsular (Coelho, 1880a) não deixa de conferir uma certa ênfase a questões de natureza etnogenética, por detrás das quais se perfila justamente essa preocupação de enraizar a identidade do país na longa duração da tradição popular. A adesão de Adolfo Coelho ao difusionismo e à mitologia comparada – escolas em que as questões etnogenéticas possuíam um relevo decisivo – deve ser olhada de acordo com uma perspectiva similar.

  • 19 Sobre o peso da problemática da decadência e da regeneração nacionais na geração de 70, cf. Pires, (...)

32Entretanto, aquilo que é decisivo na obra antropológica de Adolfo Coelho é o modo como nela se reflecte um outro tema central no modo como foi questionada a identidade nacional no último quartel do século xix português: o tema da decadência e da regeneração nacionais. Remontando à célebre comunicação de Antero de Quental sobre As Causas da Decadência dos Povos Peninsulares feita em 1871 no âmbito das Conferências do Casino, este tema viria a tornar-se, como se sabe, num dos grandes leitmotifs – numa obsessão mesmo – do pensamento da geração intelectual mais influente do século xix português: a geração de 7019.

33Também ele conferencista do Casino e membro destacado da geração de 70, Adolfo Coelho foi fortemente marcado por esta forma de pensar Portugal: «o problema determinante de toda a sua actividade científica foi o da decadência nacional e a busca dos factores de ressurgimento» (Fernandes, 1973b: 35). Com expressão particularmente forte no seu interesse pela pedagogia – encarada justamente como um meio de contrariar a decadência e alcançar o ressurgimento –, esta obsessão com a decadência e a regeneração nacionais não deixou também de se reflectir na obra antropológica de Adolfo Coelho.

34Assim, logo em 1880, no Esboço de Um Programa de Estudos de Etnologia Peninsular (Coelho, 1880a), Adolfo Coelho propõe entre as grandes questões a que deveria responder a etnologia portuguesa a de saber «qual a capacidade dos povos peninsulares sob o ponto de vista do progresso?» [id., ibid.: 2 (678)]. Idênticas preocupações expressam-se, em 1882, num artigo intitulado Algumas Palavras sobre a Nossa Vida Nacional (Coelho, 1882a). «Como etnólogo – escreve Adolfo Coelho – interessam-nos as questões gerais: quais são as condições de vida de um povo? Quais os sintomas por que se manifesta a decadência, a impossibilidade de se manter a independência de um povo? É evidente que, se existe uma ciência digna do nome de etnologia, uma ciência dos povos, essas questões são do seu domínio» (id., ibid.: 1). No caso português, à etnologia interessaria sobretudo responder à questão: «é Portugal um país condenado irremediavelmente à completa decadência, cuja conclusão seja a perda da nossa individualidade nacional?» (id., ibid.).

35Mas é sobretudo no Esboço de Um Programa para o Estudo Antropológico, Patológico e Demográfico do Povo Português (Coelho, 1890) que a contribuição da antropologia para o estudo da decadência nacional aparece mais explicitamente formulada. Logo na abertura do programa – escrito, como nota Rogério Fernandes, «no momento culminante do Ultimato» (Fernandes, 1973b: 480) –, Adolfo Coelho define do seguinte modo o objectivo da Secção de Ciências Étnicas da Sociedade de Geografia de Lisboa, em cujo âmbito ele foi elaborado: «ocupa-se a Secção de Ciências Étnicas de reunir os documentos necessários para um estudo do povo português nas suas condições actuais, comparadas tanto quanto possível com as passadas e com as dos outros povos da Europa, a fim de determinar até que ponto é real o grau de decadência de que nos acusam e nos acusamos muitas vezes, as causas dessa decadência e os remédios que devem ser-lhes opostos» [Coelho, 1890: 3 (681)]. Propondo uma cooperação estreita entre a etnologia e outras ciências humanas e sociais oitocentistas, com destaque para a antropologia física, a patologia social e a demografia, Adolfo Coelho formula para cada uma destas áreas um conjunto de reflexões e direcções de trabalho onde é evidente uma marcada preocupação com a identificação e explicação dos factores de degenerescência do povo português. Entre essas reflexões, avulta um desencantado «diagnóstico» de conjunto que, na secção consagrada à patologia social, Adolfo Coelho consagra à decadência nacional, encarada como uma espécie de depressão nervosa da nação [id., ibid.: 16 e 17 (692 e 693)].

36Embora de uma forma menos incisiva, esta preocupação de ligar a antropologia ao estudo da decadência e da regeneração nacionais reencontra-se por fim no programa da Exposição Etnográfica Portuguesa (Coelho, 1896a). Nele, depois de defender que «o estudo mais digno de um povo» é «o estudo de si próprio» [id., ibid.: 9 (705)], Adolfo Coelho acrescenta – num tom mais optimista do que aquele que havia empregue em 1890 – que «se nele há evidentemente aspectos profundamente desconsoladores, há-os porventura também fortificantes» (id., ibid.). «Viajantes que têm percorrido o nosso território puseram em relevo as boas qualidades nativas do nosso povo em contraste com a corrupção das classes dirigentes e basearam sobre essas qualidades a esperança da nossa futura regeneração» (id., ibid.). Mas para que esta tenha lugar, é necessário conhecer melhor o povo, de forma a «preparar o caminho para acudir às suas necessidades morais, intelectuais, técnicas e económicas» [id., ibid.: 10 (705)]. Seria justamente essa a missão – intimamente associada «à obra do renascimento nacional» [id., ibid.: 9 (705)] – da antropologia.

  • 20 Além do caso paradigmático de O Cruel e Triste Fado (Peixoto, 1897) – desencantado retrato da «pátr (...)

37Constituindo uma presença recorrente nos programas etnológicos e antropológicos de Adolfo Coelho, esta preocupação com o estudo da decadência e da regeneração nacionais – diferentemente do que viria a acontecer na obra de Rocha Peixoto20 – acabou por ter reflexos limitados na sua produção propriamente antropológica. Entretanto, é ela que fornece o pano de fundo a partir do qual se torna possível examinar o sentido dos textos que Adolfo Coelho consagrou ao estudo, a partir de um ponto de vista antropológico, das questões pedagógicas. Esses textos, além de reflectirem o também carácter tematicamente ampliado e tendencialmente interdisciplinar da concepção da antropologia de Adolfo Coelho, devem ser também encarados como o lugar onde a pedagogia – concebida como o instrumento principal da regeneração nacional – solicita à antropologia materiais e argumentos susceptíveis de ajudarem a pensar essa «profunda reforma da mentalidade portuguesa [...] que encaminhasse o país para o ressurgimento» (Fernandes, 1973b: 13).

38Esta perspectiva comum assume, consoante os textos, contornos distintos. Nos Elementos Tradicionais da Educação (Coelho, 1883b) ela exprime-se na defesa da importância pedagógica que os elementos tradicionais – em particular os contos populares e os jogos tradicionais – deveriam ter num ensino básico renovado. A literatura e as tradições populares são vistas como apresentando um interesse prático e não exclusivamente abstracto, como de resto Adolfo Coelho se encarrega de sugerir ao escrever, a propósito dos contos populares, que os seus «estudos não são determinados pelo acaso, mas por considerações de ordem superior» (id., ibid.: 56). Tendo como principal objectivo o estudo antropológico da pedagogia popular – «educação do povo para o povo […] educação na família popular» (Coelho, 1898: 58) –, A Pedagogia do Povo Português retoma uma visão algo similar à de1883. Embora a confiança «romântica» na cultura popular que transparecia nos Elementos Tradicionais da Educação surja aqui mais matizada, um dos aspectos sublinhados por Adolfo Coelho tem mais uma vez a ver com o valor da pedagogia tradicional e com o modo como certos elementos desta deveriam estar presentes numa concepção «renovada» do ensino em Portugal. Chamando a atenção para «a existência no povo de uma pedagogia digna de atenção» (id., ibid.: 78), Adolfo Coelho enfatiza o modo como «a educação popular é muito mais adequada aos seus fins do que a das classes chamadas cultas aos verdadeiros fins que estas devem ter em vista» (id., ibid.: 219). Em Cultura e Analfabetismo (Coelho, 1916), por fim, Adolfo Coelho procede a uma crítica da alfabetização como estratégia única da instrução popular em Portugal. O argumento, em linhas muito gerais, compreende duas partes distintas. Na primeira, centrada no caso português, trata-se de demonstrar que, apesar do analfabetismo, existe uma cultura do povo, cujas características positivas Adolfo Coelho põe mais uma vez em relevo. Na segunda, utilizando como exemplo a Alemanha, Adolfo Coelho tenta mostrar que a alfabetização, por si só, não é garante do «progresso» cultural do povo.

*

39Tendo como pano de fundo a preocupação com a decadência e a regeneração nacionais, os textos que acabámos de evocar permitem-nos surpreender, em Adolfo Coelho, uma antropologia «comprometida» com as grandes questões do seu tempo. Esta faceta de Adolfo Coelho foi posta em evidência por Rogério Fernandes: «longe de se tratar de um saber desinteressado, o que Adolfo Coelho persegue através dele é uma finalidade social. Embora se desenvolvesse no plano do que chamaríamos ciências humanas, aparentemente desgarradas do concreto e mais próximas do especulativo e abstracto, a sua actividade de homem de ciência visava um objectivo prático» (Fernandes, 1973b:192).

40Justamente devido a essa sua componente «prática», a obra antropológica de Adolfo Coelho permite surpreender de forma mais clara qualquer coisa que não lhe é entretanto exclusiva: o modo como o olhar e o saber oitocentistas sobre as culturas populares europeias se encontram condicionados por projectos de natureza cultural e ideológica exteriores à sua racionalidade intrínseca. Boa para ser pensada, a cultura popular é sobretudo boa para pensar.

V

41Fornecendo um quadro particularmente adequado para a compreensão de alguns aspectos relacionados com a formação e o desenvolvimento da antropologia em Portugal na segunda metade do século XIX, a obra de Adolfo Coelho não é um mero testemunho do passado.

42Por um lado, a informação etnográfica que nela se encontra guarda intacto todo o seu fascínio e interesse. A este respeito, deve ser sublinhado em particular a importância das recolhas realizadas pelo autor na área das tradições populares – em especial dos Materiais para o Estudo das Festas, Crenças e Costumes Populares Portugueses – , que se constituem ainda hoje em peças indispensáveis para a tarefa de, em quadros teórica e metodologicamente renovados, interrogar alguns dos motivos fundamentais das culturas tradicionais portuguesas. Mas, mais para além desse valor informativo, a obra de Adolfo Coelho desafia-nos ainda de outra maneira. Expressão de uma vontade de saber e de um inconformismo intelectual raros, ela é susceptível de constituir uma referência inspiradora para todos aqueles que asseguram hoje a continuidade do esforço de conhecimento de que Adolfo Coelho foi um dos iniciadores. Como qualquer disciplina, a antropologia precisa também de «figuras tutelares». Adolfo Coelho é, para o caso da antropologia portuguesa, uma dessas figuras.

Janeiro de1993.

Notes

1 Para uma bibliografia da obra completa de Adolfo Coelho, cf. Gonçalves, Maria José, 1947, e Fernandes, 1973a. No decurso deste prefácio, a utilização preferencial das expressões «antropologia», «obra antropológica» e outras de sentido similar deve ser entendida como uma forma abrangente–apoiada na terminologia geralmente aceite hoje em dia–de designação de um terreno de estudos que, entretanto, tanto na obra de Adolfo Coelho, como na de outros autores seus contemporâneos, era objecto de denominações diversas: etnologia, etnografia, folclore, demótica, etc...

2 Paralelamente a esta actualização teórica, a antropologia portuguesa deste período–mais uma vez em contraste com o isolamento que caracterizará quase toda a primeira metade do século xx–evidencia também uma razoável inserção internacional, expressa, por exemplo, na tradução de algumas obras de autores portugueses, em artigos publicados em revistas estrangeiras da especialidade–com destaque para a Romania e para o Archivio per lo Studio delle Tradizione Popolari – e, ainda, nas relações de correspondência mantidas com antropólogos e folcloristas de outros países europeus.

3 Nas citações de textos de Adolfo Coelho reeditados no presente volume, acrescenta-se, além da referência ao original, que surge em primeiro lugar e entre parênteses rectos, a referência à página da presente reedição, em segundo lugar e entre parênteses curvos.

4 A Revista de Etnologia e Glotologia foi fundada e dirigida por Adolfo Coelho e, não obstante a sua curta duração–foram apenas publicados 4 fascículos –, foi a primeira revista etnológica publicada em Portugal.

5 Esta monografia foi antecedida de dois estudos preparatórios; cf. Coelho, 1884 e 1887a.

6 Este título constitui o terceiro volume da «Biblioteca de Educação Nacional». Os outros dois volumes–também da autoria de Adolfo Coelho–são constituídos por uma recolha de contos populares (Coelho, 1882b) e outra de jogos e rimas infantis (Coelho, 1883d) destinadas a uma utilização pedagógica.

7 Este texto consiste na reedição de dois artigos originalmente publicados em 1910, no Boletim da Assistência Nacional aos TUberculosos (Coelho, 1910a e 1910b).

8 Não é pois de estranhar que possa ser detectada uma certa influência de Adolfo Coelho no pensamento de Rocha Peixoto. Esta é aliás reconhecida explicitamente por este em duas cartas a Tomás Pires. Numa delas, «explicando ao estudioso alentejano como deveria realizar os inquéritos etnográficos, Rocha Peixoto aponta-lhe e envia-lhe o Programa publicado em 1896 por Adolfo Coelho» (Gonçalves, Flávio, 1967: XXI). Noutra, refere-se ao mesmo programa como «um questionário e quase excelente» (id., ibid.).

9 Para uma apresentação mais detalhada das concepções de Benfey, cf. Cocchiara, 1981: 296-303.

10 Embora a dominância do difusionismo como paradigma central na reflexão antropológica se dê sobretudo no período compreendido entre o final do século xix e os anos 20 do século xx, o facto não exclui a existência anterior de correntes que faziam seus alguns desses pressupostos. É o peso dessas correntes que é justamente possível surpreender na obra de Adolfo Coelho.

11 Esta dispersão teórica é reencontrável em Consiglieri Pedroso (cf. Leal, 1988) e também em Teófilo Braga (cf. Branco, 1985, e Leal, 1987).

12 A mitologia comparada tem sido objecto de numerosos estudos. Entre os mais importantes veja-se Belmont, 1986: 93-120; Cocchiara, 1981: 277-295; Carroll, 1985; Dorson, 1968: 160-186; e Schrempp, 1983.

13 Veja-se a este propósito a recensão que Adolfo Coelho consagrou à obra de Leite de Vasconcelos, onde o autor torna clara a sua distância em relação àquilo que designa como os «exageros da mitologia comparada» [Coelho, 1912: 46 (668)]. A esse propósito, Adolfo Coelho refere a curiosa «paródia», feita em 1870, à teoria solar de Max Múller, em que «um jornal de Oxford provou à evidência, pelo método Max-Mueleriano, que o sábio indianista era um puro mito solar» (id., ibid.). O texto a que Adolfo Coelho faz referência–uma pequena «obra-prima» do humor britânico aplicado ao domínio das ciências antropológicas–é da autoria de R. Littledale e intitula-se The Oxford Solar Myth. Encontra-se reproduzido em Carroll, 1985: 282-290.

14 Para uma apresentação geral da escola evolucionista o livro de referência fundamental é Stocking Jr., 1987. Sobre o impacto do evolucionismo no estudo da literatura e das tradições populares europeias, veja-se Belmont, 1986: 121-141; Cocchiara, 1981: 375-446; e Dorson, 1968: 187-201.

15 Para além dos aspectos que acabámos de referir, o texto de Adolfo Coelho sobre a estantigua possui ainda o interesse de revelar uma certa sensibilidade relativamente a alguns desenvolvimentos do pensamento antropológico na viragem do século. Entre outros autores desse período, um dos que Adolfo Coelho refere, a propósito da distinção magia/religião, é Mareei Mauss [Coelho, 1900: 67 (554)]. Esta abertura para a sociologia francesa transparece também nas referências que Adolfo Coelho faz a Le Bon e a Gabriel Tarde, respectivamente em A Pedagogia do Povo Português (Coelho, 1898: 68) e em O Paralelismo na Poesia Popular Portuguesa [Coelho, 1912: 48-49251-252)].

16 Na sua comunicação às Conferências do Casino, por exemplo, Adolfo Coelho insurgia-se contra os condicionamentos que a Igreja católica fazia pesar sobre o ensino científico em Portugal: «as investigações etnográficas e linguísticas são heresias: o Genesis fornece tudo quanto é necessário sobre a origem das raças e das línguas» (cit. in Fernandes, 1873b: 78). Numa carta escrita em 1872 a Teófilo Braga, Adolfo Coelho refere, a propósito do carácter arcaico da universidade portuguesa, «não haver entre os sábios oficiais um só orientalista, um só homem que soubesse pelo menos sânscrito» (id., ibid.: 155).

17 Diferentemente daquilo que João Pina Cabral sugere quando escreve que, na antropologia portuguesa, «desde 1871 – data das famosas Conferências do Casino–até ao final dos anos 20 – o início da implantação do regime ditatorial – [se] assistiu a um período de intensa criatividade científica» (Pina Cabral, 1991: 23), a partir do início do século XX são já visíveis os sinais desse refluxo teórico. Consiglieri Pedroso e Teófilo Braga tinham abandonado desde os anos 80 as suas investigações antropológicas e Leite de Vasconcelos, a partir dos anos 90 e até aos anos 20 do século XX – embora continue a trabalhar na área da etnografia–consagrar-se-á fundamentalmente à dialectologia e sobretudo à arqueologia, para só regressar de forma mais consistente à antropologia com a Etnografia Portuguesa. Com o declínio da produção antropológica de Adolfo Coelho a partir dos primeiros anos do século xx e, posteriormente, com a morte de Rocha Peixoto em 1909, a antropologia portuguesa mergulha, a partir dos anos 10, num limbo teórico–coincidente, no plano político, não com o triunfo do Estado Novo, mas, como sugere António Medeiros, com a implantação da República (Medeiros, 1992: VI) –de que só emergirá, no final dos anos 40, com o trabalho de A. Jorge Dias e da sua equipa.

18 Para uma perspectiva genérica desta equação entre o estudo antropológico da tradição camponesa nacional e a problemática da identidade nacional, cf. Stocking Jr., 1982, em que o autor distingue entre «anthropologies of empire-building» – prevalecentes nomeadamente na Grã-Bretanha e na França–e «anthropologies of nation-building» – dominantes na grande maioria dos restantes países europeus. Os «estudos de caso» desta equação–centrados sobre tradições antropológicas nacionais precisas–são numerosos. Entre os mais exaustivos, cf., por exemplo, Wilson, 1976, e Herzfeld, 1986.

19 Sobre o peso da problemática da decadência e da regeneração nacionais na geração de 70, cf. Pires, 1992.

20 Além do caso paradigmático de O Cruel e Triste Fado (Peixoto, 1897) – desencantado retrato da «pátria que passa» (id., ibid.: 302) –, esta faceta da obra de Rocha Peixoto é particularmente clara em Etnografia Portuguesa. Indústrias Populares. As Olarias do Prado (Peixoto, 1967a) e A Casa Portuguesa» (Peixoto, 1967b). Nesses textos, à imagem idealizada do povo característica do romantismo, contrapõe Rocha Peixoto uma visão negativizada da cultura popular, encarada como expressão da decadência em que o país no seu conjunto se encontraria. É esta dificuldade em se libertar por completo de uma imagem romântica da cultura popular que pode explicar a descontinuidade existente em Adolfo Coelho entre as suas declarações programáticas relativamente ao estudo antropológico da decadência nacional e a sua produção etnológica concreta.

© Etnográfica Press, 1993

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search