Version classiqueVersion mobile

Contos tradicionais do povo português (II)

 | 
Teófilo Braga

Parte III. Lendas, patranhas e fábulas

Lendas, patranhas e fábulas

Texte intégral

A Lenda da terra

1No princípio do mundo, quando o homem cavava a terra, a terra abria bocas e gritava. O homem queixou-se ao Senhor, e o Senhor disse então à terra:

– Cala-te, que tudo criarás e tudo comerás.

2(Guarda, Mondim da Beira, etc.)

Lenda dos rios

3Há dois rios ao pé de Mirandela, chamados Tudela e Robaçal. No tempo em que os rios falavam, dizia o rio Tudela:

Arreda, arreda,
Rio Tudela;
Se não quiseres arredar
Aí vem o Robaçal
Que ele te fará arredar.

4Porque o rio Robaçal leva mais água do que o Tudela.

5(Torre de D. Chama)

Lenda do milho e do centeio

6Quando se acaba de gastar o milho, começa a colheita do centeio barroso, que se semeia em Fevereiro e só se malha em Julho. De uma vez o milho disse-lhe, chasqueando-o desta sua demora:

– Gandarela, gandarela,
Que andas seis meses na terra!

7Respondeu-lhe o centeio:

«Cala-te, meu reboludo,
Quanto te acabas sou eu que acudo.
(Airão)

Variante:

8Disse o Trigo para o Centeio:

Cala-te lá, Centeio, centeiaço;
Que tu não fazes as funções que eu faço.

9Retrucou o Centeio para o Trigo:

Cala-te lá, Trigo aspadanudo,
Que não acodes ao que eu acudo.

10Diz dali a Aveia:

Eu sou a Aveia,
Negra e feia;
Mas quem me tem em casa
Não se deita sem ceia.
(Vlila Nova de Gaia.–Leite de
Vasconcelos, Trad., p. 124)

Tejo, douro e guadiana

11Havia três rios irmãos, o Tejo, o Guadiana e o Douro, que combinaram deitar-se a dormir, dizendo que o primeiro que acordasse partisse para o mar. O Guadiana foi o primeiro que acordou; escolheu lindos sítios e partiu de seu vagar. O Tejo acordou depois, e como queria chegar primeiro ao mar, largou mais depressa, e já as suas margens não são tão belas como as daquele. O Douro foi o último que acordou, por isso rompeu por montes e vales, sem se importar com a escolha, e eis porque as suas margens são tristes e pedregosas.

12(Mondim da Beira, Famalicão, Porto)

Lenda da lua e da água

13Quando Deus foi fazer o Inferno, deixou Luz-Vela (Lusbel= Lucifer) na cadeira dele; quando veio não lhe quis Luz-Vela restituir a cadeira, alegando que o Senhor lha tinha dado.

14Dizia o Senhor:

– A cadeira é minha; emprestei-ta, não ta dei.

15Luz-Vela ateimava muito e pôs uma demanda com o Senhor. O Senhor apresentou a Lua, a Água e o Sol como testemunhas de que tinha emprestado e não dado a cadeira. A Lua e a Água juraram falso; o Sol jurou a verdade, dizendo ao Senhor:

– O que é dado, é dado; o que é vendido é vendido; o que é emprestado, é emprestado. Portanto, a cadeira é vossa.

16Deus então castigou a Lua (que era tão linda como o Sol) tirando-lhe os raios para os dar ao Sol; castigou a Água, obrigando-a a correr sempre, sem nunca estar queda.

17(Famalicão)

A Lenda das aduelas e dos arcos da pipa

18Diziam as aduelas da pipa:

–Muito fortes somos nós, que sustemos o vinho.

19Responderam os arcos:

–Mais fortes somos nós que em todas vós temos mão.

20Nisto começa a falar o vime, que liava os arcos de loureiro:

Mas se eu tiro a minha mão,
Vai-se o vinho pelo chão.
(Airão)

A Lenda das manchas da lua

21Uma vez andava um homem a trabalhar ao domingo apanhando silvas. A pareceu Deus e disse-lhe:

– Então, andas a trabalhar ao domingo?

– Senhor, aqui ninguém me vê neste canto.

– Pois deixa estar, que toda a gente te há-de ver.

22Depois Deus colocou na Lua o homem com o molho de silvas às costas. É ele que, andando lá, produz as manchas.

23(Freixo, Carrazeda de Ansiães, etc.–L. de Vasconcelos, Vanguarda n.° 34)

24NOTA–Stanislao Prato estudou largamente esta lenda no opúsculo L’Uomo nella Luna, como complemento ao ensaio crítico sobre Caino e le Spine secondo Dante e la tradizione popolare; nela cita versões de diversos países: Contes populaires de la Haute Bretagne, de Paul Sebilot, 2.a série n.° 64; na Melusine, de Gaidoz e Rolland, pp. 403-6, n.° 5; nos Norddeutsche Sagen, de Kuhn e Schwartz, n.° 55; nas Seize superstitions populaires de la Gascogne, de Bladé, n.° 4, p. 10. Na tradição popular açoriana é um pescador que andando de noite às lapas, é arrebatado para a Lua. A lenda deriva-se da crença gaulesa e cítica da transmigração das almas para a Lua. (Vid. Belloguet, Ethnogénie gauloise, t. III. p. 184.) A ideia de castigo afrontoso é uma reacção contra o antigo respeito da crença religiosa.

Outra

25A Lua era mais linda que o Sol. O Sol queria casar com ela, mas a Lua não lhe dava cavaco. Ele então despeitado atirou-lhe à face com cinza, e ela a ele com agulhas de costura.

26A Lua ficou sem brilho, e o Sol cheio de raios. Ainda nos eclipses é o Sol que batalha com a Lua.

27(Porto, Vimieiro, Leça de Balio, Famalicão, Carrazeda, Torre de D. Chama.–Ibidem)

28NOTA–Pedroso, nas Superstições Populares Portuguesas, coligiu esta lenda como supersticiosa, sob o n.° 578: «O Sol passou pela Lua atirou-lhe com uma mão cheia de terra; por isso ela ficou escura e com manchas.»

Lendas de fevereiro

29Uma vez o Fevereiro pediu a Março uma tigela de papas; disse o Março:

– Só se tu me emprestares três dias.

30Fevereiro caiu nessa, e daí em diante ficou com vinte e oito dias e o Março com trinta e um.

31Dizia a velha dos bezerrinhos:

– Vai-te, meu Fevereiro curto,
Que cá ficam os meus bezerrinhos Todos oito.

32Diz agora ele:

– Ora, cala-te tu,
Que aí vem meu irmão Março,
Que dos oito ficarão quatro.
Fevereiro, (Foz)
Enganou a mãe
Ao soalheiro.
( Adágio do P.e Delicado)

33NOTA–Na Revista de Etnologia e Glotologia, vêm paradigmas espanhóis, e é conhecida na França meridional, na Suíça, Inglaterra, Escócia, Itália; vid. pp. 103 a 108. Saco Arce traz na sua Gramática Galega este ditado: Febreiriño corto / Cós teus dias vinteoito, / Si durarás mais quatro / Non paraba can nin gato.

34Na tradição popular espanhola de Guadalcanal e Sevilha também se encontra esta lenda em que figura São Pedro, que mete o dinheiro em certo lugar do Perro de las especias. (Ap. Rodriguez Marin, Cantos populares españoles, t. iv. p. 382.)

Lenda de salomão

35O rei Salomão era tão esperto, que mesmo de cima de uma palheira sabia ver tudo o que há por esses céus além. Vai de uma vez a mãe tirou-lhe a palheira debaixo dos pés, quando ele estava a ver as estrelas, e ele parou a falar consigo:

– Temos caso! Ou o céu se arredou, ou a terra se afundou.

36(Açores)

Lenda do chorão

37O chorão protestou com Deus que havia de chegar ao céu. O Senhor disse-lhe, que nunca lá havia de chegar, porque quanto mais crescesse mais havia de virar para o chão.

38(Famalicão)

Lenda da lenha

39Quando se queimava a lenha, gritava; foi por isso que o Senhor lhe tirou a fala para não comover a gente.

Lenda da ovelha

40No princípio do mundo, a ovelha falava. Ela estava presa, mas queria que lhe abrissem a porta, porque tinha chegado Março e já havia que comer; e disse então:

No Março, onde quer eu passo;
No Abril, abre a porta e deixa-me ir; Em Maio, onde quer eu caio.

Lenda do cão

41O cão pediu ao lobo para o ensinar a uivar. E o lobo pediu-lhe que o ensinasse a farejar. O lobo ensinou-o a uivar mas quando quis que o ensinasse a farejar, o cão disse:

Se te eu ensinasse a farejar,
À cama me irias matar.
(Guarda)

Lenda da serpente, do sapo e do sardão

42No princípio falavam a serpente, o sardão, o sapo, etc. Deus perguntou-lhes, se queriam ter pernas e não falar. A serpente disse que não queria ter pernas, mas ferrar. O sardão disse que queria ter pernas e não ferrar mas ser avesso às mulheres. O sapo disse que não queria ter pernas, nem ferrar, mas ter o corpo feio e os olhos bonitos. Leça do Balio

43(Leça do Balio)

Lenda da Coruja

44Havia um pássaro sem penas, chamado o pito-nu. A coruja ficou por fiadora para que todas as outras aves emprestassem ao pito-nu penas para ele se vestir. Mas o pito-nu, assim que se agarrou vestido, fugiu. A coruja nunca aparece de dia com medo de que as outras aves a piquem, pelo facto de ela não poder restituir as penas do pito-nu. Cuarda)

Lenda do sapo

45O sapo sustenta-se de terra que come, mas come mui poucochinho de cada vez com medo que ela se acabe.

46(AirãoMinho)

Porque os cães se cheiram

47Os cães deram uma vez um banquete entre si; como faltasse a pimenta ofereceu-se um deles para ir de uma carreira à cidade buscá-la. Os outros cães esperaram que esperaram e o mensageiro não aparecia; por fim resolvem ir cada um à sua procura, e daqui resultou que quando algum cão se encontra com outro sempre se cheiram para saberem se é o que foi buscar a pimenta.

48(Braga e Ilha de S. Miguel)

Os tordos e as andorinhas

49«...faltam aqui os tordos, os quais por São Miguel vêm a Portugal, e então se vão de ela as andorinhas não se sabe para onde, pois se não vêem na África; parece que irão para algumas ilhas, ou terras, que estarão por descobrirem, e costumam dizer, que encontrando no caminho as andorinhas lhe dizem:

– Donde vindes, loucos.
Que fostes muitos e vindes poucos?

50Porque os caçaram lá onde eles foram, por serem bons para comer; e que as andorinhas não são, e por isso as não matam; e os tordos respondem:

Donde vindes, utas,
Que fostes poucas e vindes muitas?

51Porque eram já filhos, que cá em Portugal criaram no Verão.»

52(Gaspar Frutuoso, Saudades da Terra, cap. 55,–Arqu. dos Açores, vol. XII, p. 156.)

Lenda das andorinhas e dos taralhões

53Dizem os taralhões:

– Donde vindes, andorinhas,
Que fostes poucas e muitas vindes?

54Replicam elas:

– Donde vindes, taralhões loucos, Que fostes muitos, e vindes poucos?

Conto da codorniz (vozes de animais)

55A codorniz passando um dia por certo sítio, viu o sapo à porta do seu covil, e como ele só tivesse visível a cabeça, a codorniz encantou-se dos olhos dele e pediu-lhe que saísse cá fora; o sapo obedeceu, mas a codorniz aterrou-se tanto com a figura dele que se retirou, bradando: Tem-te, lá! Tem-te lá! Daqui acredita-se que veio a forma do seu canto.

56(Paços de Ferreira)

Onomatopeias

57Canta o galo:

– Quem virá lá?

58Outro galo:

– Um cavalheiro.

59A galinha:

– Jantará cá?

60O frango:

– Triste de mim.

61O franganito:

– Tripas ao sol.
(Airão)

O cuco e a poupa

62A poupa foi uma vez chamar o cuco para a ajudar a fazer certo trabalho; disse o cuco:

Eu, se estiver suão,
Vou-te dar uma demão;
E se estiver nevoeiro
Quero ir para o meu cuqueiro.

Lenda dos animais

63Quando os animais falavam, a pulga disse:

Que a matassem,
Mas que a não estorcegassem.
(Oliveira de Azeméis–Leite de Vasconcelos, Tradições, p. 139)

64A galinha, referindo-se ao milho, disse:

Que muito se medisse, e nenhum se vendesse.
(Penafiel–Ibid., p. 154)

65O burro disse:

Que tanto nevasse,
Que até as ventas se lhe arreganhasse.
(Carregosa do Douro–Ib., 176)

66O boi disse:

Que tanto chovesse,
Que até os cornos lhe amolecesse.
(Penafiel– Ib., 177)

67A cabra disse:

Que tanto sol raiasse,
Que até as pedras rachasse.
(Ib., p. 180)

68Disse a ovelha:

Que tanto ventasse,
Que até a lã lhe voasse.
(Penafiel, Gaia–Ib., p. 182)

Voz do corvo

69Uma vez andavam uns pedreiros no monte a arrigar um penedo, o que muito lhes custava; passou um corvo por cima e disse.

– Scaba, scaba, scaba (exeava).

70Daqui lhe veio a sua feia voz.

71(Paços de Ferreira–Ib., p. 158)

Lenda do sapo e da toupeira

72O sapo em outro tempo tinha rabo, e a toupeira tinha olhos. Depois fizeram uma troca entre si; a toupeira ficou cega mas em paga com cauda, e o sapo desrabado ficou com uns olhos lindos.

73(Chaves–Ap. Leite de Vasconcelos)

74NOTA–Vem como forma de superstição nas Tradições Populares Portuguesas, de C. Pedroso, n.° 577.

A prova dos lobos

75Uma vez uns lobos tinham enterrado um carneiro para o comerem em certo dia; mas um deles foi às escondidas e comeu-o sozinho; os outros, quando viram que o carneiro tinha desaparecido, disseram que haviam de saltar todos por cima de um carro com estadulhos, que o criminoso ficaria espetado nos estadulhos. Saltaram, e o criminoso ficou efectivamente espetado nos paus.

76(Mondim da Beira–Leite de Vasconcelos, Tradições, p. 187)

O Goraz

77O goraz tem duas malhas, uma de cada lado da cabeça; é o sinal dos dedos de São Pedro, quando um dia que andava pescando apanhou este peixe.

78(Pedroso, Vária, n.° 446–Leite de Vasconcelos, Trad., 188)

O grito do cão

79Abel tinha um cão, que estimava muito; quando Caim matou Abel, e o cão foi pelo mundo fora a dizer:

– Caim, Caim!

80Daqui o grito do cão, quando lhe batem.

81(Mafra–L. Vasc. ib., 197)

As orelhas do burro

82Quando Deus criou os animais, deu o nome a todos; daí a dias veio verificar se eles se lembravam ainda dos seus nomes. Todos se lembravam, menos o burro; Deus então puxou-lhe muito as orelhas, e disse-lhe:

– Burro, burro! sempre hás-de ser burro!

83(Mafra)

A criação da mulher

84Quando Deus quis formar Eva, tirou uma costela de Adão, mas veio um cão (raposa, gato, etc.) e levou a costela. Deus correu atrás dele, e agarrando-lhe pela cauda fez dela a mulher, dizendo:

Tanto vale fazer Eva
De uma costela de Adão.
Como de um rabo de cão.
(Ap. Leite de Vasconcelos, Vanguarda, n.° 39)

A obra de S. Pedro

85Andava uma mulher a bulhar com o Diabo. Deus mandou São Pedro apartá-los. O santo foi, cortou a cabeça a ambos, e voltou. O Senhor perguntou-lhe:

– Ó Pedro, tu que fizeste?

– Não se queriam acomodar, e eu peguei e cortei-lhes as cabeças.

– Eu não te mandei fazer isso. Toma lá. São Pedro foi, mas ao colocar as cabeças nos troncos, enganou-se e colocou na mulher a cabeça do Diabo, e neste a da mulher.

86(Ibidem)

87NOTA–Gubernatis, na Mitologia Zoológica, t.i, p. 325, explica o sentido mítico das lendas da troca de cabeças.

O canto do galo

88Quando os Apóstolos estavam à mesa, afirmaram eles que Cristo não era Deus; e Cristo respondeu:

– Que tanto era Deus como o galo falar.

89Foi então que o galo disse: Coroado!

90E ainda hoje é a sua linguagem.

91(Penafiel)

Lenda da codorniz

92Quando a Virgem ia de Belém para Nazaré, a codorniz levantou o voo e fez bulha; a Senhora amaldiçoou-a para que não pudesse pousar em árvore nenhuma.

93(Cabo Verde)

Outra

94Indo Nossa Senhora a fugir para o Egipto com o seu filho, a codorniz levando o voo dianteiro, gritava: Cá vai! A Senhora vendo que ela a denunciava, condenou-a a andar rasteira, sem erguer voo nem sorrir para o Sol.

95(Açores)

Lenda da arvelinha

96Quando ia de fugida para o Egipto a Virgem com o Menino, a arvelinha ia atrás apagando as pegadas com o rabinho. Então Nossa Senhora abençoou-a, dando-lhe o poder de matar o milhafre metendo-se debaixo das asas.

97(Açores)

O balido da ovelha

98Quando a Virgem ia para o Egipto, andava a ovelha no monte a berrar: Belém! Belém! A Virgem não queria que ela berrasse para não se saber que ela ia ali, e a ovelha continuava sempre a dizer aquilo. A Virgem Maria amaldiçoou então a ovelha, ficando esta condenada a sempre berrar.

99(Famalicão)

Nossa senhora e a solha

Estando Nossa Senhora à beira do rio, viu uma solha e perguntou-lhe:

– Ó solha! a maré enche ou vaza?

A solha pôs a boca à banda, e repetiu com escárnio:

– Ó solha! a maré enche ou vaza?

100Nossa Senhora disse:

– Assim fiques sempre com a boca à banda.

101(Foz e Porto–Ap. Positivismo t. IV, p. 225.)

A romaria da abadia

102Deus mandou a Senhora para o deserto, e ela não queria ir. Deus disse-lhe então:

– Vai, Maria. Todas as romarias se hão-de renovar e acabar, e a tua há-de ficar.

103(Famalicão)

Lenda das giestas

104Quando Cristo veio ao mundo, foi procurado pelos Judeus para o matarem, e como estes o vissem entrar para uma casa, colocaram-lhe à porta um ramo de giesta, a fim de no dia seguinte o prenderem.

105Nesse dia, porém todas as casas da povoação apareceram marcadas e os Judeus não puderam dar com ele.

106(Vanguarda, n.° 20)

Lenda do manto de nossa senhora

107Estava Nossa Senhora em sua casa, quando lhe vieram dizer:

– Vinde ver o vosso amado Filho, que vem pela Rua da Amargura com a cruz às costas.

Nossa Senhora arranjou-se à pressa e disse para Santa Isabel:

– Prima, dá-me dali daquela arca o meu manto.

Santa Isabel foi e perguntou:

– Qual quereis, o manto roxo ou o manto encarnado?

Responde-lhe a Senhora:

– Ó bêbada! Eu estou cá agora para mantos encarnados!

108(Porto)

Lenda dos tremoços

109A Virgem passava por um campo de tremoços. Como eles rugiram, e a Virgem não querendo que eles fizessem barulho, disse-lhes:

– Amaldiçoados sejais vós! Quem vos comer nunca se satisfará.

110(FamalicãoVanguarda, n.° 50)

111NOTA–Na Itália e Espanha são frequentes estas lendas, último vestígio da elaboração dos Evangelhos populares a que a Igreja chama apócrifos. Pittré coligiu-as sob o título de Ciclo Legendário Evangélico. Na Andaluzia este género de contos tem um nome popular; chama-se-lhes Susedios e Suseios, considerando-os não como contos mas Sucedidos (acontecidos). Rodriguez Marin coligiu Cinco Contezuelos Populares Andaluzes, em que São Pedro é o herói, uma espécie de Sancho.

Lenda de nossa senhora

112A Virgem passava por um campo de trigo e perguntou aos lavradores:

– Que semeais?

– Semeamos pedras.

– Pedras vos nasçam! Daqui a três dias vinde quebrar os penedos.

113E continuou a andar. Logo ao outro dia o campo apareceu coberto de penedos.

114Chegou a outro campo, onde andava outra sementeira. Perguntou:

– Que semeais?

– Trigo.

– Trigo vos nasça. Daqui a três dias vinde segá-lo.

115Dali a três dias vieram os Judeus e perguntaram aos lavradores:

–Vistes aqui passar uma mulher com um menino, montada numa jumentinha?

– Vimos. Andávamos nós a semear este trigo.

– Ah! isso então já foi há muito. Podemos ir embora.

Assim escapou a Virgem.)

116NOTA–«Os pinhões também foram amaldiçoados por denunciarem a passagem da Senhora com barulho. Os fetos igualmente foram amaldiçoados pelo mesmo motivo; e esses então ficaram com as mãos na cabeça (as folhas voltadas para cima). Sob o n.°614 traz a lenda da origem do Gato–nascido da baba do leão.

A submersão das cidades

117Na ilha de S. Miguel existe uma lagoa das Sete Cidades. A tradição da submersão de cidades em lagos é frequente na Península Hispânica, explicando-se pela seguinte forma:

118Nossa Senhora foi à cidade de Valverde vestida de pobre pedir esmola; como a trataram com crueza, Valverde afundou-se na lagoa do Carregal.

119(Galiza)

120NOTA– Esta lenda repete-se na Galiza, substituindo à Virgem São Tiago, e localiza-se em outras lagoas, como a de Doninos e Riega; o historiador Manuel Morguia considera esta crença da submersão de Valverde como a tradição inconsciente e remota da passagem das cidades lacustres para as aldeias territoriais. A lenda da condenação é comum a outras cidades de origem lacustre, como a Ars afundada no lago de Paradru. Diz o Dr. Anselmo de Andrade, de quem tomámos estes factos: «Na tradição portuguesa encontra-se também mencionado este género de pecado e de expiação. Uma cidade transmontana, que negou hospitalidade a um santo, teria sofrido o castigo de ser sepultada nas águas exactamente como as ímpias cidades espanholas.» Ciência Pré-Histórica–As habitações lacustres, p. 17, nota.

121(Galiza)

Origem do nome de lisboa

122Diz La Martinière, no seu Dicionário Geográfico:

123«A tradição afirma que Ulisses, depois da destruição de Tróia, viera a estes distritos e que lançara os primeiros fundamentos de Lisboa, que se ficou chamando Ulissipone, ou Ulissipo ou mesmo Olissipo: mas pode ser que a parecença dos nomes ocasionasse esta opinião. Com efeito além de ser difícil provar que Ulisses saíra do Mediterrâneo, o verdadeiro nome da cidade não era nenhum daqueles, mas sim Olissipo, como se vê de uma inscrição achada em Lisboa.»–Ainda hoje esta tradição medieval é corrente entre os fadistas, há bastantes cantigas jocosas a Ulisses, como fundador de Lisboa.

Outra origem do nome de lisboa

124Um padre espanhol querendo refutar o Teatro Crítico, de Feijó, diz que o nome de Lisboa vem do grego olis e hyppon, tirado do que refere Plínio acerca das ligeiras éguas, que concebiam do vento. (Pan., t. IV, p. 18, col. 2.)

A moura saluquia e o nome da vila

125«Querem alguns, que Moura fosse fundada sobre as ruínas da antiga Araucitana: seja porém como for, o nome da vila indica origem posterior a Gregos, Romanos e Godos.–Conta-se que em tempo de el-rei Dom Afonso Henriques, sendo possuidora desta povoação e seu castelo uma dona árabe chamada Saluquia, filha de Buaçon, senhor de várias terras do Alentejo, tratara este de se casar com um mouro chamado Brafama, alcaide do castelo de Aroche, dez léguas distante de Moura; o qual vindo celebrar as núpcias foi acometido no trânsito por dois fidalgos, Álvaro e Pêro Rodrigues, ascendentes da nobre família dos Mouras, que o mataram num vale, a uma légua da vila, que em memória do caso se chamava Brafama, ainda no tempo do P.e Carvalho, isto é, no princípio do século passado. Diz mais a tradição, que os fidalgos com sua gente se disfarçaram em trajos mouriscos e caminharam, fingindo comitiva da boda para a fortaleza, onde a moura esperava o noivo a uma janela que deitava para o campo, mas assim que ao entrarem os hóspedes no castelo se descobriu o engano, precipitou-se de uma torre abaixo para não cair cativa. Daqui vem ter a vila por armas uma mulher ao pé de uma torre, em alusão à morte de Saluquia; e com este brasão de armas combina o letreiro de uma sepultura, que está na igreja do castelo, e que declara jazerem ali sepultados os cavaleiros, que tomaram esta terra aos Mouros.» (Panorama, t. IV, p. 4, 1840.)

Penhor sagrado

126Governando a Índia António Moniz Barreto, e querendo socorrer a fortaleza de Malaca cercada pelos Achéns, mandou pedir a Goa vinte mil pardaus emprestados, dando à cidade o seu filho Duarte Moniz, em penhor da quantia. A cidade aceitou o penhor, que era um menino de sete para oito anos.–Este mesmo facto se conta de Balduíno II, que empenhou seu filho aos Venezianos, por uma grande soma com que salvou o seu reino de Constantinopla.

A abóbada do mosteiro da batalha

127Da Sala do Capítulo, diz Frei Luís de Sousa: «Sendo quadrada, e tendo 340 palmos em âmbito, a 85 por cada lanço, é fechada de abóbada de cantaria, sem coluna, nem esteio, nem cousa que a sustente, nem mais repuxo da banda de fora, que a cbmpanhia do edifício que lhe fica dos lados. Assim está em forma, que a quem põe os olhos no alto, engana, e faz parecer pela grandeza da casa, que se sustenta sem côncavo. É fama que ao tempo que se fabricava caiu duas vezes ao tirar dos simples, com dano de oficiais; e el-rei, desejando que todavia ficasse a casa sem o desar das colunas ao meio, prometeu mercês ao arquitecto, as quais o fizeram espertar de sorte que, tornando-a a fechar, afirmou que teria melhor sucesso; porém ao tirar a madeira dos simples, dizem que não quis el-rei arriscar os oficiais, e mandou vir das prisões do Reino alguns homens, que estavam sentenciados a grandes penas, para que sobre eles caísse o terceiro dano quando sucedesse.»

128(Tal é o fundamento do romance a Abóbada de A. Herculano, no t. II das Lendas e Narrativas.)

Os carrilhões de mafra

129«Corre, por tradição, que tendo o Monarca fundador encomendado (para Liège) primeiro só um carrilhão com as dimensões e requisitos que desejava tivesse, lhe responderam com o preço, acrescentando que era obra mui rica e dispendiosa, como quem inculcava que os recursos da coroa portuguesa não suportavam tamanho dispêndio. Dom João v, que sentiu ofendido o seu amor próprio, e julgou menoscabada a sua grandeza, replicou que, visto a obra ser mais barata do que pensara, fizessem em vez de um daqueles, dois carrilhões.» (Panorama, t. IV, p. 61.)

Conto aplicado

130«Neste campo se acham muitas vezes umas pedrinhas como chícharos e grãos; contam os da terra, e se traz em prática, que Nossa Senhora indo para o Egipto, passando por este lugar andava um lavrador semeando chícharos, e que a Senhora lhe perguntara, que semeava? E ele lhe respondera, que semeava pedras; e a Senhora repetira:–pedras te nasçam. Ainda que parece fábula e conto de velhos, bem me lembra ter já visto em duas ou três partes pintada esta história, ainda que a contam de muitas maneiras; mas na verdade eu vi algumas vezes aos peregrinos colher aquelas pedrinhas com muita devoção, e sem ela as colhi de companhia com eles, vendo-lhas colher, e trouxe comigo ao Reino.» (Frei Pantaleão de Aveiro, Itiner., p. 292.)

A torre do ladrão

131«Lembra-me, que quando vão de Tomar para Coimbra, entre Ceras e a Venda do Pereiro, nos mostram uma Torre à mão direita, desviada do caminho, na qual dizem que morava um ladrão, que salteava os caminhantes: pouco vai em crer ou não ser verdade a história que sobre isso nos contam; mas todavia muitos têm ser verdadeira, vendo os indícios tão manifestos.» (Frei Pantaleão de Aveiro, Itiner., p. 90.)

Número fatídico

132Estava-se à missa na Amêndoa.

133Um vulto de homem (diabo? ) entrou na igreja tendo na mão uma cabaça. Deu um volta, subiu à capela-mor e pôs-se a beber. A garganta era transparente e via-se-lhe correr o líquido pela garganta abaixo. Desceu e quase todos foram atrás dele para o ver ou matar. No templo ficaram só onze pessoas. O vulto foi até um sítio (que é hoje um charco) onde se sumiu e com ele os que o seguiam. Nunca mais ali nasceu erva. Daí vem que, de então, na Amêndoa só podem viver onze moradores. Quando há mais passam para defronte, para Vila de Rei, ou morrem.

134(Comunicação do Dr. Marcelino de Mesquita.)

Maria extravandia (Loulé)

  • 1 Contos Tradicionais do Algarve, t. II. p. 116. A segunda parte do Conto é em prosa, continuando a c (...)

Eu na terra fui gerada,
Nas ondas do mar nascida;
De meu triste nascimento
Mincha mãe foi falecida.
Lá deitaram-a ao mar,
Em caixão de oiro metida,
Puseram-lhe coroa e ceptro
Já rainha falecida,
Deitaram-me cá na terra,
De um senador me confia;
Minha ama me criou
Com muito amor que me tinha,
Ao cabo de quinze anos
Minha ama falecida.
Eu lhe fiz o seu enterro
Como ela merecia;
Todos os dias do ano
À cova rezar-lhe-ia.
A mulher do senador
Por inveja que me tinha,
Prometeu a escravo seu
Dar-lhe carta de alforria,
Me deitasse ponte abaixo
P’lo caminho que seguia.
De fidalgos e marqueses,
De todos fui socorrida,
Só el-rei da Babilónia,
Que uma estátua ali tinha,
Levou-me para sua casa
Com estado de rainha,
Falou-me do seu amor,
E eu de amor não sabia,
Me meteu em uma torre,
Pela raiva que me tinha,
Numa torre me metera
Que nem sol nem lua via;
Dava-me o pão por onça
E a água por medida.
Já me leva o meu amor,
Que eu de mouros fui cativa,
Vendida em pública praça
Para ver quem mais daria;
Comprou-me estalajadeiro
Para lhe ganhar a vida,
P’ra lhe fazer de comer,
Com as mais que ali havia.
Eu fora tida em pouco,
Fazer comer não sabia,
Pedi-lhe bons instrumentos,
Que eu melhor lhe ganharia,
Pois eu tinha na tenção.
Dar-lhe um tanto cada dia.
Recordai imperador,
Aqui tendes vossa filha,
Pelo nome me puseram
De Maria Extravandia1.

Lenda da fonte dos amores

135Conta-se que D. Inês de Castro se correspondia com Dom Pedro, trazendo a corrente da água que alimentava a fonte do seu jardim, a mensagem dos seus ocultos amores. Dois séculos, antes, descreveu Goffried de Estrasburgo no belo poema do Tristão este estratagema do namorado da rainha Isolda: «O rei proibiu a Tristão a entrada no palácio. No meio do jardim corria uma fonte, à sombra de uma grande oliveira. A água da fonte corria passando diante dos aposentos de Isolda. Combinou-se que todas as vezes que Tristão visse o jardim solitário cortaria uma tabuinha em que gravasse um T ao lado de um I e a corrente levará a mensagem, que Brangiene terá o cuidado de apanhar. Assim fizeram, e a oliveira cobria com a sua sombra os colóquios dos amantes.» (Bossert, La Littérature allemande au Moyen Age p. 291).

Clavinas de ambrósio

136Esta locução popular, ainda usada, significa os meios de defesa impotentes. Provém do antigo conhecimento dos poemas da Távola Redonda, em que o sábio Merlin, (denominado Ambrósio, na Crónica de Geoffroy de Monmouth), defendia com as ameaças das suas Profecias os povos britônicos da barbaridade dos Saxões.–Outros vestígios se encontram, como Artes merlínicas, aludindo aos recursos do profeta, entre o povo Arte de berliques; e a imprecação: Valha-te São Barambum! resto da lenda do Monge bretão San Brendan conhecido dos nossos navegadores e cartógrafos.

137NOTA–Com esta locução aparece uma outra: Voltas de Andresa, também explicável pelos poemas medievais. Nos poemas de Tristão o intrigante que muito se esforça para malquistar o rei March com seu sobrinho o namorado de Isolda, é chamado Andret, que se toma típico, dando lugar à locução–Voltas de Andresa.

Lenda dos ferreiros

138Nas proximidades de Penela há dois montes bastante elevados e de forma mais ou menos cónica.

139Dois ferreiros, dizem que irmãos, foram estabelecer as forjas cada um em seu monte, mas possuindo ambos um só martelo, dele se serviam alternadamente. Os montes, na sua parte superior distam uns dois quilómetros um do outro; e quando o Melo, assim se chamava um dos ferreiros, precisava do martelo, chegava à porta da forja e gritava para o Jurumelo, assim se chamava o outro, para lho atirar. Os dois ferreiros eram gigantes; uma vez zangou-se o Jurumelo com o companheiro, e atirou-lhe o martelo com tanta violência, que desencavando-se este no ar, foi cair o ferro na encosta do monte Melo, e logo daí brotou uma fonte de água férrea, e o cabo, que era de madeira de zambujo, foi espetar-se na terra, reproduzindo-se um zambujo, que deu o nome à povoação do Zambujal, a quatro quilómetros dos referidos montes.

140(Ap. Positivismo, t. II, p. 452, Porto, 1880)

Variante:

141Havia um ferreiro no monte de Arcela e outro no de Guisande (Minho), mas tinham entre si apenas um malho com que trabalhavam. Quando um descansava atirava o malho ao outro, de monte a monte.

142(Cercanias de VermoimEpopeias Moçárabes, p. 102. Porto, 1871)

Lenda da ponte de domingos terne

143A ponte de Domingos Terne, sobre o Ave, uma légua para o norte da Senhora do Porto de Ave, foi segundo a tradição, feita pelo Diabo. Eis o caso:

144O Diabo queria ajuntar dois namorados, cada um dos quais morava em lugares diferentes e separados pelo rio. Todas as noites lançava este uma ponte para o rapaz ir ter com a sua conversada (namorada). Soube-se disto, e numa noite um padre pôs-se à espreita, e depois que o rapaz passou, exorcismou de repente a ponte, que o Diabo nunca mais pôde retirar.

145(Positivismo, t. IV, pág. 116. Lendas análogas se contam das pontes de Valtelhas, Misarela e outras)

Lenda da amendoeira

146A amendoeira é a árvore que enganou o Diabo. Como o Diabo a viu florescer em Janeiro, sentou-se debaixo dela, à espera que lhe amadurecessem os frutos, para depois ir guardar as outras árvores. Esteve até Setembro à espera do fruto, pois é neste mês que a amendoeira o dá. Como nesse mês não estivessem maduras ainda as amêndoas, cansado já de esperar foi espreitar as outras árvores. Estas porém já estavam apanhadas, e o Diabo todo desapontado voltou para debaixo da amendoeira, mas neste meio tempo tinham-lhe apanhado as amêndoas e o Diabo ficou logrado.

147(Idem, ibid., Lisboa)

A ponte da aliviada

148Quando o Diabo fez a ponte da Aliviada chamou São Gonçalo, que andava a fazer a de Amarante, e disse-lhe que a não benzesse; o Santo ergueu a bengala a modo de cruz, assim como quem ao falar aponta; o Diabo então fugiu para cima de um monte de onde começou a atirar pedras ao Santo, as quais ele desviava.

149(Leite de Vasconcelos, Tradições, p. 312)

A ponte da misarela

150Um salteador das terras de além-Douro perseguido pela justiça embrenhou-se pelas serras de Trás-os-Montes, mas chegou à beira de uma torrente caudal e não pôde passar. Para fugir ofereceu a alma ao Diabo, e logo ali apareceu uma ponte, que se desfez assim que ele passou. Na hora da morte o salteador confessou-se, e o padre disfarçou-se em salteador, chamou o Diabo, fez-lhe a mesma proposta, a ponte apareceu, e meteu-se por ela. Quando já estava no meio da ponte faz o sinal da cruz, bota-lhe água benta, e a ponte ficou firme até hoje. É de um só arco.

151(Ap. J. A. d’Almeida, Dic. Corográfico.)

Lenda de simancas

152A vila de Simancas, chamada de antes Gureba, cobrou este nome, porque sete donzelas que daqui haviam de ser levadas, se cortaram as mãos para de este modo escaparem; e como as amostrassem aos mouros que vinham arrecadar o tributo, dizendo:

– Que não podiam ir por estarem mancas,–eles responderam, que:

Assi mancas as queriam.

153Mas o povo compadecido de tanta virtude, arremeteu tumultuariamente contra os mouros e mortos de mão comum, foram as donzelas postas em liberdade, deixando por nome à vila a resposta que deram aos bárbaros: Si mancas as queremos, e por armas as mãos cortadas das donzelas.

154(Fr. Bernardo de Brito, Monarqu. Lusit., p. II, liv. 7, cap. 9)

Lenda de chacim e do mosteiro de balsemào

155Um habitante da Alfândega da Fé recusou-se a ceder sua noiva para a prelibação, onde resultou uma renhida peleja entre cristãos e mouros. Como os cristãos eram poucos, Nossa Senhora veio socorrê-los, trazendo uma âmbula de bálsamo na mão, com que ia dando vida aos mortos e sarando os vivos. Em reconhecimento da vitória alcançada por este modo, o povo fez uma ermida a Nossa Senhora do Bálsamo na Mão, e ainda hoje se celebra ali a festa do Cara-Mouro, resultando para a Aldeia o nome de Chacim da chacina, que ali se fez nos infiéis, e para a povoação de Alfândega o título da Fé.

156(J. A. de Almeida, Dicionário Abreviado de Corografia, t. I, p. 37)

157NOTA–Sobre a lenda do Tributo das Donzelas elaboraram-se muitas outras tradições de etimologia popular ou toponímia, tais como a de Peito Burdelo, Figueiredo das Donas, Valdon-cel, etc.

Origem do nome de bragança

158Bem querença, era este o nome que primeiro se deu à vila de Bragança, por ser o mesmo que antes tinha o terreno, quinta ou lugar em que el-rei Dom Sancho I a fez de novo construir.

159(Viterbo, Elucidário)

160NOTA– Viterbo extracta um codicilo de1183 onde vem Benequerência, como alatinização do nome local, e que explica a lenda.

Origem do nome de viseu

161Quase pegado a esta cidade para o lado do Nascente, está o Alto do Viso, onde se dividem as águas para os rios Paiva e Dão: deste alto os guerreiros cristãos avistaram uma povoação, e disse um deles:

– Que Viso eu?

162Daqui ficou o nome à terra.

Lenda de Britiande

163Era uma vez um rei que passou por aquele sítio (de Britiande) na ocasião em que um lavrador andava a varejar uma nogueira. O pobre homem ofereceu nozes a um dos da comitiva real, e como este aceitasse, o rei disse-lhe:

– Conde. Brite e ande. Daqui o nome da povoação.

164(Ap. Leite de Vasconcelos, Enciclopéd. Republicana, p. 195)

Lenda de crescido (a castro daire)

165Um rei, visitando um certo fidalgo, exclamou ao reparar no desenvolvimento físico de um filho do fidalgo:

– Ah! está crescido.

166(Id., ibid.)

Lenda de lamego

167Vem de jeito esta conhecida frase Noites de Lamego, que se interpreta assim: Um viajante hospedou-se uma noite em Lamego. O dono da casa deu-lhe um quarto muito escuro, onde havia um armário com queijos, e pela manhã esqueceu-se de ir abrir a porta. O viajante acordou, e cuidando que o armário era uma janela, abriu-o e como não visse luz e ele lhe cheirasse ao queijo que lá estava, disse:

– É muito cedo, não se vê nada, e só ainda agora as mulheres vão a vender o leite pela rua.

168E tornou-se a deitar, dormindo não sei se um dia se mais. Quando lhe abriram a porta, ficou tão admirado por as noites de Lamego serem tão compridas.

169(Id., Ibid.)

A torre dos namorados

170Conta-se na povoação do Alcaide, que no tempo dos Mouros, o rei era lavrador e tinha uma filha muito formosa que era requestada por dois mancebos. O rei não sabendo a qual havia de dar a filha, porque ambos a queriam, deu-lhes duas empresas arrojadas, para desempenharem, e então se decidir. Um tinha de levantar dentro de certo prazo uma torre muito alta, e o outro encanar um ribeiro para o lago do palácio.

171Ambos cumpriram tudo como o rei talhara, e julgavam-se já com direito à mão da princesa. Ela fugiu para uma floresta, e os namorados lá a encontraram, e não querendo nenhum ceder do seu amor, mataram-na. A torre ainda existe de pé.

172(Povoação do Alcaide–Fundão–Ap. Diário de Notícias, n.° 6339, 1883)

A sepultura dos dois irmãos em sintra

173Dois irmãos traziam amores com uma donzela que por aqueles sítios habitava, ignorando ambos os amores um do outro. Acontecendo por uma triste fatalidade encontrarem-se os dois irmãos em uma noite tenebrosa, debaixo do balcão do objecto que tão enfeitiçados os trazia, um deles persuadido que o outro lhe disputava os favores de sua dama, corre cego e inconsiderado sobre ele e o estende morto a seus pés, vítima de um frenético ciúme. Porém qual a sua desesperação quando pela voz moribunda daquele que julgava seu rival, reconhece ter sido o assassino de seu próprio irmão, que muito amava e que lhe expira nos braços! Cheio de desesperação volta contra o peito o ferro fratricida, e cai morto sobre o cadáver ensanguentado do irmão, preferindo uma morte pronta a uma vida inconsolável cheia de remorsos.

174(Sintra Pitoresca, p. 114)

175NOTA–Esta lenda também existe em Verona, contando-se a situação como passada entre Bartolomeu Scaligero e seu irmão, que se assassinaram em uma entrevista amorosa. (Philarète Chasles, Etudes sur Shakespeare, p. 159.) Diz o abade Castro: «Muitas tradições vogam acerca desta campa, que nós temos por falsas ou viciadas... referindo uns que é a sepultura dos dois irmãos, outros diversas lendas que mais se assemelham a contos de fadas ou de velhas com que embalam as crianças, do que realidades, que tenham por base algum sólido fundamento.» (Panorama, t. I, da 2.a série, p. 359.)

Quantos pães dá um alqueire?

176«Dizia certo arcebispo a um criado, que soubesse quantos pães de arrátel lhe dava a padeira por cada alqueire de trigo, que lhe mandavam amassar; e se não fossem tanto, que lhos não aceitassem, porque cada alqueire dava tanto.

177Respondeu-lhe o criado:

– Pois, senhor, eu não quero viver com quem sabe quantos pães faz um alqueire.

178E despediu-se logo.»

179(Marques Soares, Divertimento de Estudiosos, t. II, p. 37. Lisboa 1766.)

180NOTA–É uma simples locução figurada, para exprimir o conhecimento prático, e a experiência adquirida. Do seu sentido genérico converte-se em forma concreta, quase objectiva e suscita um conto.

181Na sua Égloga I, D. Francisco Manuel de Melo descrevendo as qualidades da boa mulher burguesa, escreve entre outras quintilhas: Unha com carne co’a roca, / Que na feira os fusos feire / Grande alma de maçaroca / E saiba, pois que lhe toca, / Quantos pães dá um alqueire?

Fábula da raposa e do mocho

182Uma raposa passou por um souto e sentiu piar um mocho; disse ela para

si:

– Ceia já eu tenho.

183E foi muito sorrateira trepando pelo castanheiro em que estava piando o mocho, e filou-o.

184O mocho conheceu a sorte que o esperava, e viu que não podia livrar-se da raposa sem ser por ardil. Disse então para ela:

– Ó raposa, não me comas assim como qualquer frango desses que furtas pelos galinheiros; tu também sabes andar à caça de altenaria, e é preciso que todos o saibam. Agora que me vais comer, grita bem alto: «Mocho comi!»

185A raposa levada por aquela vaidade, gritou:

– Mocho comi!

– A outro sim, que nenja a mim! replicou-lhe o mocho caindo-lhe de entre os dentes e voando pelo ar fora, livre do perigo.

186(A irão)

A águia e a coruja

187A coruja encontrou a águia, e disse-lhe:

– Ó águia, se vires uns passarinhos muito lindos em um ninho, com uns biquinhos muito bem feitos, olha lá não mos comas, que são os meus filhos.

188A águia prometeu-lhe que os não comia; foi voando e encontrou numa árvore um ninho de coruja, e comeu as corujinhas. Quando a coruja chegou e viu que lhe tinham comigo os filhos, foi ter com a águia, muito aflita:

– Ó águia, tu foste-me falsa, porque prometeste que não me comias os meus filhinhos, e mataste-mos todos!

189Diz a águia:

– Eu encontrei umas corujas pequenas num ninho, todas depenadas, sem bico, e com os olhos tapados, e comi-as; e como tu me disseste que os teus filhos eram muito lindos e tinham os biquinhos bem feitos entendi que não eram esses.

– Pois eram esses mesmos, disse a coruja.

– Pois então queixa-te de ti, que é que me enganaste com a tua cegueira. (Porto)

Ainda não se acaba o mundo

190Frase proverbial, quando se vêem muitas crianças juntas; liga-se à lenda do Malcho, preso em uma estreita casa, no fundo do mar, e girando em volta de uma coluna, até acabar o mundo. Aos navios que passam faz a pergunta:–Ainda não acaba o mundo?

191Apenas temos encontrado a frase, mas não a lenda vulgar na tradição da Catalunha e da Sicília.

A barata e os filhos

192A barata saiu debaixo de umas pedras com os filhos e disse-lhes, enquanto eles ainda pequenos estavam ao sol:

– Passeai, flores! Passeai, flores!

193Daqui vem o ditado: «Quem o feio ama, bonito lhe parece.»

194(Ilha de S. Miguel)

A raposa e o lobo

195A raposa e o lobo mataram dois carneiros e fugiram. Depois que se acharam seguros, deitaram-se a comer, mas só puderam comer um, e o outro ficou inteiro. Diz a raposa:

– Compadre, é melhor enterrarmos este carneiro e vimos cá amanhã comê-lo juntos.

196Vai o lobo e diz-lhe:

– Mas nem eu nem tu temos faro, como é que o havemos tomar a achar?

– Deixa-se-lhe o rabo de fora.

Assim se fez. No dia seguinte apresenta-se o lobo e diz:

– Comadre, vamos comer o carneiro?

– Hoje não posso; tenho de ir ser madrinha de um cachorrinho.

197O lobo fiou-se, mas a raposa foi ao lugar onde estava enterrado o carneiro e comeu um grande pedaço. No outro dia torna o lobo a perguntar-lhe:

– Que nome puseste ao teu afilhado?

– Comecei-te.

198Exclama o lobo:

– Que nome! Vamos comer o carneiro?

– Ai, compadre (disse-lhe a raposa), hoje também não pode ser; estou convidada para ir ser madrinha.

199O lobo fiou-se; a raposa tomou a ir comer sozinha. Ao outro dia vem o lobo:

– Que nome deste ao teu afilhado?

– Meei-te.

– Que nome! (replica o lobo). Vamos comer o carneiro? A raposa tornou a escusar-se com outro baptizado, e foi acabar de comer o carneiro. O lobo vem:

– Como se chama o teu afilhado?

– Acabei-te.

– Vamos comer o carneiro?

200Foram e chegaram ao sítio; assim que viram o rabo, disse a raposa:

– Puxa com força, compadre.

201O lobo puxou, e caiu de pernas para o ar; a raposa safou-se.

202(Airão)

203NOTA–Nos Contes populaires de la Grande Bretagne, trad. de Brueyre, p. 362 (vid. nota I, p. 364 e 365). A fábula dos Highlanders versa sobre uma panela de manteiga; é popular na Noruega, como se vê pela colecção de Absjörnsen, A Raposa e o Urso.

A raposa no galinheiro

204De uma vez uma raposa apanhou um buraquinho num galinheiro, entrou para dentro fazendo-se muito esguia, e depois que se viu lá, comeu galinhas à farta. Quando foi para sair estava com a barriga muito cheia, e por mais que fez não pôde passar pelo buraco. Viu-se perdida, porque já vinha amanhecendo. Por fim teve uma lembrança: Fingiu-se morta.

205De manhã veio o lavrador e viu-a:

– Cá está ela. E que estrago que me fez!

206Vai para lhe dar pancadas e matá-la, mas vê-a hirta, com a língua atravessada nos dentes e os olhos envidraçados:

– Poupaste-me o trabalho; morreste arrebentada. Foi bom.

207E pegando-lhe pelas pernas atira-a para o meio da horta para a enterrar. A raposa assim que se viu fora do galinheiro, pernas para que te quero! botou a fugir pelos campos fora e fez do rabo bandeira. O lavrador deu a cardada ao dianho, e jurou que nunca mais se fiaria em raposas.

208(Airão)

A raposa e o galo

209Uma raposa viu um galo pousado em cima de um palheiro, e não podendo agarrá-lo começou a falar-lhe cá de baixo:

– Ó galo, tu não sabes? Veio agora uma ordem para todos os animais serem amigos uns dos outros. Nós cá as raposas já não temos guerra com os cães, estamos amigos; e tu podes-te descer cá para baixo, que eu já te não faço mal.

210Estava nisto, quando vem uma matilha de cães, e farejando a raposa, botam-se atrás dela. A raposa ia sendo agarrada, mas fugiu o mais que podia. O galo de cima do palheiro gritava-lhe:

– Mostra-lhe a ordem! Mostra-lhe a ordem!

211A raposa, ainda de longe: lhe respondia:

– Não tenho vagar! Não tenho vagar.

212E fugia por entre uns tremoçais, que já estavam secos, que faziam uma grande bulha, e ela dizia:

– Ai, que rica festa! E logo hoje, que vou com tanta pressa.

213(A irão)

214NOTA–Nos Contos Populares da Grã-Bretanha, trad. de Brueyre, p. 369, vem também esta fábula. Acha-se em La Fontaine, Le Coq et le Renard.

O lobo e a ovelha

215Uma vez um lobo encontrou uma ovelha, que andava a pascer, e disse-lhe:

– Ó ovelha! eu como-te.

216Respondeu a ovelha:

– Pois sobe ali para cima, que eu entretanto vou pascendo, e depois entro-te lá mesmo pela boca dentro.

217O lobo subiu para o alto do monte e esperou. A ovelha assim que viu o lobo longe, fugiu. O lobo começou a correr atrás dela, e como a não pudesse agarrar, disse:

Eu, que sou lobinho-cão Nunca corri tanto em vão.

218Respondeu a ovelha:

Eu, que sou ovelhinha ruça,
Nunca corri tanto de escaramuça.
(Vila Cova, Leite de Vasconcelos, Trad., p. 183)

O rato da cidade e o rato da aldeia

  • 2 Para o cortesão.
  • 3 Outra cousa.
  • 4 Ao mesmo tempo.
  • 5 Esta fábula é imitação de Horácio, liv. ii, Sátir. 6. v. 79 e segs.

Um Rato usado à cidade,
Tomou-o a noite por fora;
(Quem foge à necessidade? )
Lembrou-lhe a velha amizade
De outro Rato, que ali mora.
Faz um homem a conta errada
Muitas vezes, e acontece
Crescimento na jornada;
Diz, e entretanto na pousada,
Cidadão logo parece.
O pobre assi salteado
De um tamanho cortesão,
Em busca de algum bocado,
Vai e vem, sempre apressado,
Sem tocar c’os pés no chão.
Ordena a sua mezinha,
Pôs-lhe nela algum legume,
Mesura, quando ia e vinha,
Deu-lhe tudo quanto tinha,
Pede perdão por costume.
Diz, quem tal adivinhara,
Contra o cortesão2 severo,
Que tanto andara e buscara,
Té que alguma cousa achara,
A quem tanto devo e quero?
Cumpre porém nesta mesa,
Que haja mais fome, que gula:
Tem-lhe a fogueirinha acesa,
Faz rostro ledo à despesa,
Vê-a o outro, e dissimula.
E dizendo está consigo:
Que gente a d’entre penedos!
Quando há de Pedro e Rodrigo!
Que bem diz o exemplo antigo,
Que não são iguais os dedos.
Ora, depois de comer
Jazendo detrás do lar,
Começa o nobre a dizer:
Dous dias, que hás-de viver,
Aqui os queres passar?
Na aspereza do deserto,
Que não sei quem o suporte,
De urzes e de tojos coberto,
Sendo tudo tão incerto,
Sendo só tão certa a morte?
Vive, amigo, a teu sabor;
Mais é que cousa perdida
Quem por si escolhe o pior;
Vai-te comigo onde eu for,
Lá verás que cousa é vida.
E depois que ambas provares,
(Que eu de outrem não adivinho)
Quando te enganado achares,
Aqui tens os teus manjares,
I também tens o caminho.
Assi disse; eis o vilão
Em alvoroço e balança,
Ia, e vinha o coração,
Ora si, e ora não;
Venceu porém esperança.
E que pode i al3 fazer!
Vive com tanto suor,
E mal pode inda viver;
Mal pode o amo vencer,
Sempre a saída é maior.
E diz: Quem não se aventura,
Não ganha; quem há que o negue?
Escolheram hora segura,
Foram pela noite escura;
Que o rico, o pobre segue.
Entram por paços dourados,
Cheirosos inda da ceia;
Tristes dos casais colmados,
Do sol, do vento queimados,
Pobre e faminha da aldeia!
Vou-me por meu conto avante;
Mostra-lhe o cidadão tudo,
Que traz no bucho um Infante;
Quem quereis que não se espante?
Anda o vilãozinho mudo.
Que somente em provar
Das cousas, que mais lhe aprazem,
Já começam de enjeitar;
Fartos para arrebentar
Em lãs estrangeiras jazem.
Nisto o despenseiro chega,
Que estes bens não duram tanto;
Vê-os, mas a pressa o cega,
Um tiro, ou dous mal emprega,
Corre-os de canto em canto.
Os cães à volta4 se ergueram,
Ladram, que é alto serão.
As casas estremeceram;
Todos juntos lá correram.
Foi dita que os gatos não.
Sabia o da casa a manha,
Subiu o paço, e fugiu:
O Ratinho da montanha,
Aos pés em pressa tamanha
O coração lhe caiu.
Enfim passado o perigo
Da morte, que ante si vira,
O coitado só consigo
Polo seu repouso antigo,
Que mal deixara, suspira.
Minha segura pobreza,
Se chegarei a ver, quando
A vós torne, e esta riqueza,
Mal, que o mundo tonto preza,
Fuja, se puder, voando!
Ai baldias esperanças,
Meu entendimento fraco!
Deixemos tais abastanças,
Tais riquezas, tais mostranças,
Deus me torne ao meu buraco.5
(Francisco de Sá de Miranda,
Cart. III, est. 39, e segs.)

219NOTA–É o n.° cvii das Fábulas de Babrius: «Dois ratos, um habitando nos campos como verdadeiro labrego, e outro recolhido em uma despensa bem fornecida, combinaram de viverem juntos. O citadino foi prontamente cear ao campo o qual começava a verdejar e a florir. Depois de ter roído algumas raízes de trigo húmidas e empastadas de terra, diz:

– Que vida miserável que tu aqui levas, pior do que a da formiga, roendo alguns grãozitos que apodrecem na terra. Eu cá, tenho tudo em abundância, até mesmo supérfluo; comparando-–me contigo, eu vivo dentro do Como de Almateia. Se queres anda daí comigo; todos os teus dias a teu grado se tornarão dias de festa, e tu deixarás às toupeiras o cuidado de esgaravatar este torrão.

220Leva ele então o rústico consigo, tendo-o convencido de vir para a habitação e tecto dos homens. Foi-lhe mostrando onde estava a provisão de farinha, onde amontoados os legumes, as ceiras de figos, as talhas de mel e as bocetas de tâmaras. Enquanto o camponês ficava maravilhado da opulência que estava vendo, metendo-se por todos os lados, e arrastando um queijo que tirara de um açafate, vieram abrir a porta. Imediatamente atirou-se de um salto rápido e todo trémulo procurou o esconderijo de um pequeno buraco, soltando confusamente alguns guinchos e sem roçar pelo corpo do seu hospedeiro. Depois de alguns momentos de expectativa botou o focinho de fora, e quando levava à boca um figo de caixa, entra um outro homem a buscar qualquer cousa. Os dois amigos esconderam-se o melhor que puderam, e o rato dos campos disse para o seu amigo:

– Goza tuas riquezas, regala-te em jantares assim, atasca-te nas delícias dos teus esplêndidos bródios e de todas as satisfações de que gostas sempre em alarmes. Quanto a mim não deixarei a pequena moita de terra que me dá abrigo, e me faculta remoer tranquilamente os meus grãozinhos.» (Trad. de Beyer, p. 85, Ed. 1844.)

A raposa e o leão enfermo6

  • 6 Imitação de Horácio, liv, i, Epist. i, v. 73 e segs.
    A Raposa não quis entrar na cova do Leão, porqu (...)

Os desejos são sem termo, A esperança é saborosa:
Eu contentei-me deste ermo
Pola razão, que a Raposa
Deu ao Leão, que era enfermo: Meu Rei, meu senhor Leão,
Olho cá, e olho lá,
Vejo pegadas no chão,
Que todas para lá vão,
Nenhuma vem para cá.
(Idem, ib., e st. 45 e seg.)

221NOTA–É a 6.a Fábula de Loqman: «Um leão tendo envelhecido, chegou a não poder já ir à caça de outros animais. Resolveu empregar a manha para alcançar a subsistência. Fingiu-se doente, e retirou-se a uma caverna. Aconteceu pois que qualquer dos animais que o ia visitar era por ele despedaçado dentro da caverna e devorado. Veio visitá-lo a Raposa, e parando à porta do antro cumprimentou-o nestes termos:

– Como vais de saúde, ó Rei dos Animais?

222Respondeu-lhe o Leão:

– E porque não entras tu, ó Senhora do Castelo?

223Replicou a Raposa:

– Meu senhor, nessa intenção vinha eu, mas estou a ver pelas pegadas marcadas no solo, que muitos são os visitantes que entram, e no entanto não vejo que haja saído um só deles.» (Trad. árabe por Joseph Benoliel, Op. cit. p. 23).

224A Fábula cii de Bahrius O Leão Doente e os Animais, é este mesmo tema graciosamente tratado. (Trad. de Beyer, p. 79).

Aglau ou a bem-aventurança

Dos antigos Romãos foi perguntado
Apolo, qual dos homens desta vida
Julgava por mais bem-aventurado.
Respondeu à pergunta referida,
Que era Aglau; cousa mais não declarando,
O que a resposta fez mal entendida.
Eles que dele estavam esperando,
Que nomeasse algum mui conhecido
Dos grandes, que no mundo tinham mando:
Querendo conhecer quem preferido
Fora em ventura à régia dignidade,
Acharam, tendo já muito inquirido,
Ser um homem, que fora da cidade,
No campo cultivava uma horta pobre,
O qual era mais pobre de vontade.
(Diogo Bernardes, Lima, cart. ii, v. 85 e seg.)

O bacorote7, as ovelhas, o lobo e os porcos da aldeia

  • 7 Porco novo de mais de ano.
  • 8 De qualquer cousa.
  • 9 Sobre este Apólogo pode ler-se o que se acha escrito no tomo v das Memórias de Literatura Portugues (...)

Um Bacorote orgulhoso
Deu vista ao gado ovelhum,
De quexiquer8 espantoso;
Trombejava ele hum e hum,
Andava todo bravoso.
Vem um dia o Lobo, e apanha
Pela cabeça o doudete:
Abrandou-lhe aquela sanha;
Brada:–Ah dos meus! Em tamanha
Pressa ninguém arremete.
Vinham os Porcos da aldeia
Mais atrás, grunhir ouviram,
Um escuma, outro esbraveia;
Estes si, que lhe acudiram,
Perdeu o Lobo a sua ceia:
Ele solto viu que o gado
De lã branca estava olhando
De longe, inda amedontrado:
Antes, disse, ser mandado,
Que em tal perigo tal mando9.
(Sá de Miranda, Églog. viii, est. 57 e seg.)

O cervo e o cavalo

  • 10 Mal, dano.–Esta fábula é imitação de Horácio, liv. i, Epist. 10, v. 34 e seg.

Quando tudo era falante,
Pascia o Cervo um bom prado;
I veio um Cavalo andante,
Quis comer algum bocado,
pôs-se-lhe o Cervo diante.
Outra razão lhe não deu,
(Que eram pascigos gerais)
Salvo–posso e quero, é meu.
Este meu, e este teu
Tanto há já que nos fez tais.
Vendo tão pouca prestança
O Cavalo, dantes forro,
Com desejo de vingança,
Pedindo ao homem socorro
Por terra a seus pés se lança.
Não pôde à justa querela
Deixar de se pôr no meio;
Mas foi necessária a sela:
Pôs-lhe, e fez-se forte nela,
Toma a rédea, prova o freio.
Assim dão volta ao imigo:
O Cervo, quando tal viu,
Homem ao Cavalo amigo,
Deixou-lhe o campo, e fugiu,
Foi buscar outro pascigo.
O Cavalo vencedor
Corre o verde e corre o seco,
Fora, fora o contendor;
Ficou-lhe porém senhor,
Não foi tanto o outro enxeco.10
Quem há tal medo à pobreza,
Tal à fome e frialdade,
Que por ouro e por riqueza
Dá a só rica liberdade,
E mais outrem, que a si preza?
Se lhe vês herdades largas,
Não lhe hajas inveja à troca;
Embaraçam as roupas largas,
Faz sangue o freio na boca,
As esporas nas ilhargas.
(Id., Églog. viii, est. 73, e seg.)

A formiga e a cigarra

O trigo, que juntou no seco Estio
Solícita a Formiga assoalhava,
Des que o bosque deixou de ser sombrio.
A Cigarra importuna, que passava
Acaso por ali morta de fome,
Que lhe emprestasse dele, lhe rogava.
A fim que da resposta aviso tome,
Perguntou-lhe a Formiga, em que gastara
O tempo, em que se colhe o que se come?
A Cigarra lhe disse, que cantara,
Bem fora de cuidar poder cair
Naquela grande falta, em que se achara.
Começou a Formiga então de rir,
Dizendo:–Amiga, pois no Verão cantas,
Podes bailar no Inverno, e não pedir.
(Diogo Bernardes, Lima, cart. XIV, V. 151 e seg.)

O cão sôfrego

Um cão, passando um dia por um rio
De cristalinas águas e correntes,
Devia por razão de ser no Estio;
Dum osso duro, que antre os duros dentes
Levava atravessado, a sombra viu
Naquelas frescas águas transparentes,
Ser outro mor cuidando, a boca abriu,
E por querer tomar a presa vã,
A certa na corrente lhe caiu.
(Diogo Bernardes, Lima, carta. V v. 31 e segs.)

A rã eo Boi

Mas que me dirás tu daquela Rã,
Que vendo o Boi no prado andar pascendo,
Chamou uma filha sua, ou sua irmã,
E disse-lhe:–Eu espero, se me estendo,
De ser tamanha, como este animal;
E começou de inchar, e foi crescendo?
Amiga, inchares muito, pouco val,
Respondeu a que veio; certa estou,
Que não lhe podeis nunca ser igual.
A douda da resposta não curou;
Antes inchou com tanta força tanto,
Que não cabendo em si, arrebentou.
As outras, em lugar de fazer pranto,
Riram da presunção desta sandia;
De rirem e zombarem não me espanto.
Além de ser costume, merecia
Tamanha vaidade, qual foi esta,
Fazerem dela gande zombaria.
(Bemardes, Lima, V. 160, e seg.)

A cega fátua

  • 11 Sagaz, astuta.
  • 12 Vid. Sénec. Epist. 50, verb. Harpasten, ou Vieira, Serm. i, col. 669 e seg.

Já lhe ouvi ao Cura, um dia
Contar lá na sua arenga
De certa mulher, que havia,
Que nesse tempo, em que via,
Como a Raposa, era senga.11
Eis senão que de repente
Mau ar a vista lhe veda;
Ficou cega em continente:
Porém foi tão levemente,
Que em vez de triste era leda.
Todos do trabalho seu
Se lhe mostravam pesantes;
Mas que resposta lhes deu?
O sol é que escureceu,
Que eu vejo melhor que dantes.12
Tal lhes sucede a uns doutores,
Que, no que querem querer,
Julgam por faltas menores
Mudar o sol seus primores,
Que eles o seu parecer.
(D. Francisco Manuel de Melo, Obras
Métricas, églog. II, est. 77 e seg.)

O ódio e o amor

Ouvi que o Ódio e o Amor
Jogaram a matar um dia,
A quem matava melhor:
Um se armou todo de dor,
Outro todo de alegria.
Ia o Ódio, o arco atesado,
Sempre envolto em fúria brava,
Fero, medonho, indignado:
Ia o Amor, mui repousado,
Salvando a quantos topava.
As gentes, que o Ódio viam
De tal jeito, anteparavam,
E as mais sem parar fugiam:
As setas se lhe perdiam,
Como do arco lhe voavam.
Mas indo delas fugindo
Os tristes homens com medo,
Eis o Amor, que era já indo,
Vai matando e vai ferindo,
Muito falso, e muito quedo,
Depois ao fazer da conta,
Com ser destro o Ódio e membrudo,
Não fez nada, ou tanto monta;
E o Amor só, sem perder ponta,
Tinha morto quase tudo.
Donde de certo se sabe,
Que por mais que o Amor estude,
Inda o Ódio é menos grave;
Somos tais, que em nós não cabe
Excesso, nem de virtude.
(D. Francisco Manuel de Melo, Obras
Métricas, cart. I, est. 19 e seg.)

A fortuna e o moço

  • 13 Sobre a.

Diz um conto, que jazia
Sôbola13 borda dum poço,
Cheio e fundo em demasia,
Onde com párvoa ousadia
Quis dormir a sesta um Moço.
Nisto, a Fortuna passou:
E vendo o que ali se azava,
Foi-se ao Moço, e o acordou;
Deu-lhe muito, ele gritou;
Ela dava, ele gritava.
Porque (diz) com tão mortais
Golpes me tratas assim?
Ela responde (e dá mais):
Porque errais; e do que errais,
Me pondes a culpa a mim.
Quer no mar e quer na terra,
Buscais o risco por cama,
Trocais a paz pela guerra;
Então, se o apetite erra,
A Fortuna é quem se infama.
(D. Francisco Manuel de Melo, Obras
Métricas, cart. II, est. 24 e seg.)

225NOTA–Acha-se nas Fábulas de Babrius, n.° XLVIII: O Obreiro e a Fortuna.

226«Uma noite, sobre a borda de um poço estava dormindo imprudentemente um operário. Ele acreditava que ouvia a Fortuna a rir para ele e dizer-lhe:–Meu amigo, vê lá se acordas! Queres tu, se tu caíres, que os homens me acusem, e que eles a meu respeito digam malévolas palavras? Todos me fazem responsável, desde que lhes acontece o menor acidente, ou a mais pequena queda.» (Trad. Beyer, p. 44.)

As lebres e as rãs

  • 14 Costumavam.

Diz que as Lebres, como gente,
Um dia conselho houveram,
Por não viver tristemente;
E afogar-se de repente
Todas juntas resolveram.
Duas Rãs, como soíam,14
Junto ao charco eram, pastando
Adonde as Lebres corriam,
E de medo do que ouviam
Vão-se no charco lançando.
Uma Lebre mais ladina,
Que isto viu, teve-se quedo,
E gritou pela campina:
Tende mão, gente mofina,
Que inda há Rãs, que vos tem medo.
(Idem, Cart. V, est, 35 e seg.)

Variante

227Diz que lá não sei onde se ajuntaram as Lebres a conselho, e que por todas foi apontado, que se fossem lançar em uma lagoa, e se afogassem, sem ficar mais geração de tão triste gente, perseguida de todo o mundo, que toma seu perigo por divertimento. Ora indo já correndo todas, fizeram tão grande matinada, que as ouviram as Rãs que estavam junto do charco; e como tivessem grande medo do ruído, foram-se lançando na água, ganhando-lhe a dianteira do precipício.

228Notou isso uma das lebres, que ia diante, e parou, fazendo deter as outras, a quem disse:

– Senhoras, tende mão, não nos lancemos a perder por miseráveis, pois vemos que ainda o são mais estas Rãs, que têm medo de nós, e a nosso respeito se precipitam.

229O que digo, que não há estado tão triste no mundo que não haja outro mais triste, com que aquele possa consolar-se.

230(D. Francisco Manuel de Melo, Apólog. Dialog., pág. 107 e seg.)

O lobo e a raposa

  • 15 Dom.

Quando tudo era falante,
Diz que a Raposa caiu
Num poço de água abundante:
Chegou um Lobo arrogante,
Que passava acaso, e a viu.
Duma polé pendurava,
Porque o poço era profundo,
Uma corda, a qual atava
Dous baldes: um no alto estava,
Noutro a Raposa no fundo.
Pois a bicha, que era arteira,
Chama o Lobo, e diz:–Senhor,
Já que eu não fui a primeira,
Socorrei vossa parceira,
Que eu sei que tendes valor.
Ora assim sem mais porfia
O Lobo, que é fanfarrão,
Já no balde se metia:
Ele cai, ela subia
Por uma mesma invenção.
Toparam-se ao perpassar;
E o Lobo, meio caindo,
Nem lhe ousava de falar;
Ela a rir, e a arrebentar
De se ver tão bem subindo.
Em fim ao medo venceu,
Fala o Lobo, e diz:–Comadre,
Isto vos mereça eu?
Ela a zombar do sandeu,
Nem lhe quis chamar Compadre.
Mas diz-lhe: Dum15 vagabundo,
Teus queixumes não me empecem;
Acaba já de ir-te ao fundo:
Isto são cousas do mundo,
Quando um sobe, os outros decem.
(Id. Cart. vi, est. 21 e seg.)

O filósofo e o fanfarrão

  • 16 Sementeiras, campos semeados.
  • 17 Estimativa, trilho, rumo.

C’um Filósofo chapado
Apostava um Fanfarrão,
A qual mais era, um cruzado;
O Fanfarrão era honrado,
O Filósofo vilão.
Cada qual das duas partes
Buscando a Justiça, apenas
(Que tu, Sorte, mal repartes)
Vão lá dar c’um Mestre em Artes,
Mestre das Artes de Atenas.
Chega o Fanfarrão, e alega
Por sextos progenitores,
Cuja fama ele hoje cega;
Cala, e o Filósofo chega,
E alega só seus suores.
Faz presente o estudo imenso,
O ânimo pronto à razão,
Seu juízo ao bem propenso;
Em fim que ali por extenso
Cada qual diz sim e não.
Eu já sei que o vosso intento,
Diz o Juiz sem receio,
É medir no entendimento
O próprio merecimento
C’o merecimento alheio.
Tu, que vens de altiva gente,
De cujo ser participas,
Não te nego a honra eminente:
Mas que importa, se vilmente
A não herdas, que a dissipas?
Porém tu, que entre os terrões
Das paternas semeadas16
Semeaste tais tenções,
Que todas tuas acções
Foram justas e regradas:
Se nunca errar procuraste,
Só do bem seguindo o esmo,17
Quando o creste, o imitaste,
Na virtude te geraste,
E foste pai de ti mesmo.
Quem logo o sangue turvou,
Não pode ser que mereça
Como aquele, que o apurou:
Neste a nobreza acabou,
Nest’outro agora começa.
(D. Francisco Manuel de Melo, Obras
Métricas, cart. VIII, est. 16 e seg.)

Júpiter e o sábio

  • 18 Queres.

Diz que um Sábio impertinente
A Júpiter se queixava,
Porque no tempo presente
Já c’os homens não falava,
Qual falava antigamente.
Mas o Deus, porque entendesse
A gente a simples fadiga,
E a presente conhecesse,
Respondeu: Que qués18 te diga,
Que o mundo te não dissesse?
Enquanto o mundo não viu
Casos de escarmentos vários,
Minha voz entanto ouviu:
Dei-lhe avisos necessários;
Chore, se os mal advertiu.
No que ontem foi, podes ver
O que há-de ser amanhã;
Muito esperar, pouco crer;
A nova esperança é vã,
Se não crer o que não quer.
Se queres de pensamentos
Lançar pelo vento as redes,
Que só te caçam tormentos,
Queixa-te do mal que medes
Ditas e arrependimentos.
(D. Francisco Manuel de Melo, Obras
Métricas, cart. IX, est. 25 e seg.)

O conselho dos ratos

231Os Ratos fizeram entre si uma grande, e a seu parecer, útil consulta (fábula é, mas doutrinal), querendo dar remédio à perseguição, que lhes faziam os Gatos; pois raramente lhes escapavam das unhas; e dando cada qual seu parecer, acordaram que se deitasse um grande chocalho no pescoço dos Gatos, e com isto os não tomariam descuidados, pois ao tom do chocalho se poriam em cobro, ou acautelariam. Contentes todos com a traça, que parecia boa, respondeu um mais autorizado e velho:–E qual há-de ser o primeiro da companhia, que se atreva a deitar esse chocalho?–Aqui calaram e pasmaram todos.

232(Fr. João de Ceita, Quadragen. I, pág. 244, col. I)

A tartaruga e a águia

  • 19 Nâo importa.
  • 20 Cavalo pequeno de má raça.
  • 21 Talvez, porventura.

233Viu a Tartaruga voar a Águia por esses ares com tanta soltura e liberdade, quanta tem a rainha das Aves (fábula é com sua doutrina), e quis ela também fazer o mesmo. Pediu com encarecimento à Águia a quisesse levar ao alto, e tirar daquele poço, onde andava.–És mui pesada, e impedida de membros e concha, lhe disse a Águia.–Não importa isso nada, respondeu a Tartaruga; que quem tão bem se meneia na água, que faz mais resistência, por ser mais grossa, melhor o fará no ar, que é mais delgado.–Que não tens asas, nem instrumentos para te ter?–Não releva19, replica ela, isto quero experimentar. Pera que te pões nesses perigos? lhe pergunta a Águia.–Porque quero ser conhecida, e não estar toda a minha vida em um poço, ou charco escondido; e se vós voais, também eu.–Alto, vamos ambas acima.–Pega a Águia da Tartaruga, e em a largando, que esperais fosse dela? Caiu, e fez-se em pedaços. E vem o Conto a dizer: Que se não há asas, ou posses, pera que é querer voar ou dar de comer a ventos? Quem vive e se meneia no seu poço, pera que quer ares? Quem na sua herdade ou quinta, pera que quer Corte, ou Cidade? Quem no seu quartau20, pera que em coches? Quem no pano honesto, pera que em galas, ou mangas perdidas, senão pera se perder?–Oh! que anda o outro assim, e é costume do tempo e da Cidade!–Quiçá21 terá asas o outro, com que possa sustentar esse fausto e esse vento; mas quem se não pode bulir mais que uma Tartaruga, porque se não contenta com a sua concha, ou com andar metido nelas?

234(Fr. João de Ceita, Quadragen. I, pág. 244, col. I)

O homem, o ídolo e o tesouro

235Lá me lembra a mim fazer menção a Esopo, em uma Fábula sua, de certo Homem, que tinha em sua casa um Ídolo, alfaia de seus antepassados, os quais fizeram dele seu mealheiro, ou depósito do seu dinheiro; porque além de o terem ali mais escondido, cuidaram o tinham mais guardado, encomendado ao seu Deus. O Homem, herdeiro da casa e do Ídolo, não sabendo do Tesouro deu em pobreza, (como dão muitos herdeiros de grandes casas); e achando não ter outro meio mais eficaz pera se livrar da lazeira, que encomendar-se ao Deus, pois o tinha de casa, começou de lhe fazer suas novenas e preces: e pera ter mais efeito, ia-se ao campo todos os dias, e colhendo das flores e boninas, o enramava, e com mil capelas o laureava, e punha nas mãos ramalhetes, despois perfumes, etc. Continuou sua devoção per muitos dias; mas como o Deus era de pau tais tinha as respostas. A lazeira cada vez era maior, a bolsa mais magra, a fome mais viva; e quanto mais o apertavam as necessidades, mais deprecativas e brados multiplicava, e o Deus não lhe acudia. Ele um dia enfadado de tanto buscar de bonina, e fazer de ramalhetes sem proveito, deu-lhe a cólera e enviando-se ao Ídolo, lhe pegou per uma perna e deu com ele no chão: e como era já antigo e carunchoso, quebrou em pedaços: começam de se espalhar os dobrões e as moedas de caras, ouro velho e fino. Ele, que não cabia de contente, olha pera o Ídolo, e diz-lhe:

– E assim vos quereis vós? Por bem zombastes de mim e por mal me acudistes; quisestes-vos por mal.–Vem a dizer isto, que há gente, que quanto mais a animais, e fazeis de bem, mais de pedra e mais de pau se faz: vindes a tratá-la como Deus, e não há fruta no mundo que não vá pera aquele Ídolo; as primícias, que são de Deus, ele as logra; não há cravo, nem bonina, que suas mãos e narizes não gozem; as cortesias e continências não têm número; mas pera vos fazer bem, é falar com um pau, ou com um Ídolo feito dele; tais como estes, espedaçá-los e maltratá-los, deitam alguma cousa.

236(Fr. João de Ceita, Quadragen. pág. 267, col. 2)

237NOTA–Encontra-se este tema nas Fábulas de Loqman: «O Homem e o Ídolo.–Um homem tinha em casa um ídolo a que prestava culto e a quem oferecia cada dia um sacrifício, até dar cabo de tudo o que possuía em despesas com o ídolo. Apareceu-lhe o ídolo e lhe disse:

– Não desbarates o que te pertence por mim, que depois me deitarás a mim as culpas. (Eis o conceito. Há tal que despende todos os seus bens no pecado, e que depois pretende que foi Deus que o empobreceu.» (Fáb. 16, trad. de Joseph Benoliel.)

238É tema de uma simplicidade primitiva; mas na Fábula de Babrius A Estátua de Mercúrio, há já o espírito crítico do génio grego:

239«Um homem tinha um Mercúrio de pau; era um artista. Todos os dias lhe oferecia libações e sacrifício, mas não melhorava de fortuna. Por fim, zangado contra o Deus, agarrando-o por uma perna, atirou-o ao chão e escacou-se-lhe a cabeça. Espalharam-se logo muitas moedas de ouro, que este tal foi apanhado e dizendo:

– Mercúrio, tu és um deus esquisito e ingrato para os teus adoradores. Enquanto me prosternei diante de ti não me concedeste nenhum dos teus favores, agora que me arrebatei até ao ultraje, é que te tornas liberal. É um culto inteiramente novo que eu desconhecia.» (Fábula cxvii. Trad. Beyer, 1844.)

As duas mães

240Vieram duas mulheres diante de Salomão com uma demanda notável. Traziam consigo dois meninos, um morto outro vivo: o vivo cada uma dizia que era seu filho, o morto cada uma dizia que o não era. Que faria o grande Rei nesta perplexidade?–Parta-se o menino vivo pelo meio, e leve cada uma a sua parte.–Ouvida a sentença, uma das mulheres consentiu, e disse, parta-se: a outra não consentiu, e disse, viva o menino, e leve-o emboraminha competidora. E qual destas duas seria mãe? A que disse, viva o menino. Assim o julgou Salomão, e assim era: porque a que disse, morra, mostrou que não amava; a que disse, viva, provou que amava, e da que amava o menino, desta era filho.

241(P. António Vieira, Sermões, t. iv, pág. 367, n. 389.)

O que faz mal a si mesmo por fazê-lo a outrem

242Houve um rei antigamente neste mundo, que sabendo de dous vassalos seus, que eram grandes inimigos entre si, mandou chamar o mais apaixonado, e disse-lhe:–Quero-vos fazer uma mercê, e há-de ser a que vós me pedirdes; com advertência que a hei-de fazer dobrada a Fulano, de quem sei, sois grande inimigo.–Beijou a mão ao rei pelo favor, e pediu logo por mercê, que lhe mandasse arrancar um olho; porque assim seria obrigado a arrancar dous ao outro, para que ficasse cego, ainda que ele ficasse torto. E bem cego estava, quando procurava dano alheio sem proveito próprio.

243(Arte de Furtar, pág. 468 e seg.)

Notes

1 Contos Tradicionais do Algarve, t. II. p. 116. A segunda parte do Conto é em prosa, continuando a cena do reconhecimento e o casamento com o príncipe. Vê-se que este tipo das novelas bizantinas também tomava a forma de romance cavalheiresco narrativo em monólogo de solau: Na Lusitânia nasci / Ora vivo forasteiro, / Por tirar do cativeiro / Quem me cativou a mi. // Eu sou quem na Barberia / Comprei a graça real; / Trouxe-a livre a Portugal / E perdi
minha alegria. // E resultou-me d’aqui / Tormento grave, excessivo, / Porque tirei de cativo / Quem me cativou a mi. // Deci a tanta baixeza, / Porque pus meu coração / Na suma da perfeição / Que tem o estado e alteza. // Perdi lembrança de mi: / Deixei de ser cavaleiro, / Por tirar do cativeiro / Quem me cativou a mi.
Vem no Conto II, da Parte segunda dos Contos e Histórias de Proveito e Exemplo, de Trancoso, intercaladas na narrativa e cantadas pelo mancebo na Corte de Inglaterra, dando-se assim a conhecer à princesa quem a resgatara do cativeiro de Fez.

2 Para o cortesão.

3 Outra cousa.

4 Ao mesmo tempo.

5 Esta fábula é imitação de Horácio, liv. ii, Sátir. 6. v. 79 e segs.

6 Imitação de Horácio, liv, i, Epist. i, v. 73 e segs.
A Raposa não quis entrar na cova do Leão, porque observou que as pegadas dos outros animais todas iam para dentro, e não tornavam para fora.
(Vieira, Serm., tom. x, pág. 248, col. i.)

7 Porco novo de mais de ano.

8 De qualquer cousa.

9 Sobre este Apólogo pode ler-se o que se acha escrito no tomo v das Memórias de Literatura Portuguesa, pág. 108 e seg.

10 Mal, dano.–Esta fábula é imitação de Horácio, liv. i, Epist. 10, v. 34 e seg.

11 Sagaz, astuta.

12 Vid. Sénec. Epist. 50, verb. Harpasten, ou Vieira, Serm. i, col. 669 e seg.

13 Sobre a.

14 Costumavam.

15 Dom.

16 Sementeiras, campos semeados.

17 Estimativa, trilho, rumo.

18 Queres.

19 Nâo importa.

20 Cavalo pequeno de má raça.

21 Talvez, porventura.

© Etnográfica Press, 1987

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search