Version classiqueVersion mobile

Contos tradicionais do povo português (II)

 | 
Teófilo Braga

Literatura dos contos populares em Portugal

Texte intégral

I) Filomitia – Filosofia – Filologia

1Reconhecida a quase generalidade da origem oriental dos contos populares, pelas fontes donde provieram e pelas adaptações que receberam, melhor se poderão seguir as transformações desse elemento tradicional através dos meios sociais e épocas históricas por que passaram modificando-se, e deduzir das suas transformações como actuaram na revelação dos génios literários, elevando as línguas vulgares nacionais à expressão estética. Escreveu Gaston Paris sobre este complexo problema: «Penetrando sucessivamente em meios bem diferentes daqueles em que foram inventados, os contos orientais sofreram naturalmente certas transformações, que por vezes os melhoraram e na maior parte das vezes estragaram-os não sendo bastante importantes, porque a crítica aproximando-as com arte todas as variantes que haja coligido, chegue quase sempre a reduzir as formas ocidentais à sua origem asiática, e possa seguir os estádios destas narrativas emigrantes através dos séculos e das nações.» (La Poésie du Moyen-Age, pág. 752.) Até aqui chega o simples processo folclórico; há mais que avançar, para a morfologia literária apartando dos elementos lendários de criação anónima, elementos que variam indefinidamente, umas vezes abreviando-se em um laconismo claro e lógico, outras prolongando-se pelo interesse da narrativa por episódios sincreticamente agrupados. Por este conjunto cíclico, um mesmo conto reveste formas diversas pelos seus episódios, tomando-se fácil a sua transmigração e adaptação em diferentes meios e épocas sociais ou históricas.

2O foco oriental é uma expressão vaga, que importa definir pelos modernos recursos filológicos: há o orientalismo ariano, donde provieram os contos difundidos pelo proselitismo dos budistas, e medo-persa, cujos contos se propagaram pela acção expansiva dos Árabes na Europa Ocidental; há também o orientalismo semita, donde as tradições hebraicas também pelos Árabes espalhadas na cultura hispânica. E estes dois focos orientais, ainda se fortalecem com o efeito das expedições de Alexandre na Índia, pela irradiação das cortes bizantinas e regressos dos Cruzados, como também pela Igreja, na propaganda católica medieval. Assim a Europa achou-se com o conhecimento das concepções primitivas da Humanidade e que já foram as sínteses emotivas, que precederam as abstracções filosóficas; por isso lhes chamou Aristóteles Filomitia, um estado mental de credulidade, em que ficaram os povos que não chegaram pela dúvida e cepticismo às noções racionais de Filosofia. Disse Aristóteles, que o que mais nos encanta é aquilo em que acreditamos. Pelos trabalhos folclóricos se confirma; é essa credulidade que prevalece na criança e na gente rude e ingénua; e isso é que toma simpáticas todas as tradições, conservando-as e transmitindo-as; e é por essa credulidade, que os moralistas modificaram os contos vindos das civilizações politeicas dar encanto à crença cristã. Todos esses materiais etnológicos dispersos e truncados constituem o Saber Popular, que sinteticamente tem a designação de Folclorismo, mas denomina-se Filomitia, como definiu Aristóteles esse estado mental contraposto à Filosofia.

3Podem seguir-se estas concepções na vida moderna, porque esse estado filomítico persiste nas crianças, nas mulheres, nos velhos, em geral no vulgo, no automatismo dos costumes, na emoção das grandes catástrofes, e em um misticismo espontâneo. É um precioso campo de psicologia colectiva. Mas para as origens remotas só o Oriente, que ainda persiste no estado filomítico é que presta a mais vasta e segura documentação nos seus livros sagrados, ritos, epopeias, símbolos, apólogos, fábulas, contos, em que a noção racional se deduz da impressão sensorial. Como explicar toda essa riqueza contida em línguas e literaturas inacessível à cultura normal, em civilizações históricas extintas e em meios longínquos? Pela Erudição; não a erudição isolada, especial, de uma preocupação sem destino, que se torna impertinente e pedantesca, mas aquela que, pela designação de Filologia, Vico entreviu na marcha do estudo filosófico. Vico, na Ciência Nova, chegou à concepção simples, que o saber é a condição de espírito na sua perfeita intelectualidade; por este saber se obtêm os elementos subjectivos da realidade, interpretando as ficções primitivas como resíduos das concepções peculiares do passado humano. Veio pois esse saber a sistematizar-se em um corpo de doutrina já denominado Filologia. É certo que o estudo das obras de Bacon conduziu Vico a esta disciplina mental, que anteriormente se limitava à erudição humanista; ele procurou relacionar as especulações filosóficas com o saber enciclopédico (e nisto o continuou Comte) e a designação misteriosa de Ciência Nova, com que empreendia uma renovação do critério racional, no fundo era a aliança da Filosofia com a Filologia. Nisto assenta o influxo de Vico no espírito dos pensadores do século xvm e xix; a Erudição especializava-se e esterilizar-se-ia, se não fosse fecundada por uma concepção de conjunto – a Filologia. Para este saber geral contribuíram Indianistas, Zendicistas, Egiptólogos, Semitólogos, Sinólogos, Helenistas, Romanistas, etnólogos, constituindo a essência de tão vasto material a Filomitia.

4Pelo critério seguro da Filologia, as literaturas são estudadas nas suas origens tradicionais e populares; Max Müller observou enquanto à mitologia grega: «Heródoto propagou a ideia de Homero e Hesíodo é que criaram a mitologia da Grécia desfigurando a verdadeira natureza da Fábula como produto natural do pensamento popular, e a inevitável sobrevivência dos colóquios do vulgo. Só modernamente é que a teoria de Heródoto desapareceu diante de uma vista mais perfeita, e que a tradição popular, o folclore tem igual importância ao lado da fábula clássica.» (Mit., p. 77, 83.) Os mitógrafos gregos Paléfale e Herochito consideravam essas lendas populares como degradação e deturpação dos mitos helénicos, da forma como tinham sido sistematizados nos poemas homéricos e hesiódicos. A Filologia moderna restabelecendo esse fundo primário popular, mostra-nos como os géneros poéticos da literatura grega provieram também de gérmens populares no seu desenvolvimento e progresso artístico. «A literatura grega, como observa Boissier, viveu nos seus mais florescentes anos, de um certo número de narrativas transmitidas pela tradição desde os tempos mais remotos e acumuladas na memória do povo. Essas narrativas repetiram-se incessantemente, sendo o fundo ou tema desses poemas de todos os géneros, que causam a admiração do mundo. Os Gregos não sentiam então a necessidade de criar assuntos novos, os antigos lhes bastavam. O prazer consistia para eles em ver como estes assuntos antigos seriam tratados de uma maneira nova, e de que modo se chegava a comovê-los pelas aventuras que tantas vezes os tinham comovido.» E assim um tema se tornava obra de arte, pelo destaque da individualidade de génio e de estilo. A Filologia estabeleceu a evolução dos gérmens tradicionais, e a criação da literatura, reflectindo-se a obra dos génios na simpatia popular, que elabora na transmissão oral os episódios, que vêm ciclicamente dar relevo aos temas que mais encantaram. Isto observou Schuré: «Toda a grande arte começa por ser uma arte espontânea. Não nasce do povo nem de uma aristocracia, mas do concurso inteligente de ambos. Produz-se ordinariamente quando uma classe superior da sociedade, ou um homem de génio se apossa da arte popular espontânea para aperfeiçoá-la.» (Hist. du drame music., pág. 231.)

5A literatura dos contos populares é o quadro da transmissão oral das tradições recebendo a nitidez e beleza estética da forma escrita.

6Sob estes títulos gerais, agrupamos as ciências especiais:

1) FILOMITIA – Conhecimento pelas concepções subjectivas emocionais

Cosmogonias.
Teogonias.
Mitos siderais e solares.
Mitos telúricos e meteorológicos.
Mitos antropomórficos e antropopáticos.
Símbolos e emblemas.
Alegorias.
Fábulas e comparações.
Legendas.
Ritos, drama cultual, iconografia.

2) FILOSOFIA – Conhecimento pelas concepções gerais e abstractas formadas por noções racionais

7Filosofia primeira: Disciplina da racionalidade.

8Filosofia segunda: Generalização dos dados objectivos verificáveis constituindo ciências.

9Filosofia terceira: Síntese dos fenómenos morais relativos ao fim humano.

3) FILOLOGIA – Conhecimento enciclopédico relacionando todas as representações mentais dispersas por observações especiais, aproximando-as pelo critério comparativo.

10Paleontologia – Arqueologia – Etnologia – Antropologia – Geografia Histórica – Hierologia – Literatura – Glotologia – Instituições – História Universal.

11Assim como na linguagem existem duas correntes de elaboração, uma popular ou dialectal e outra escrita, ou regularizada por uma norma gramatical, acontecendo muitas vezes desconhecerem-se estas duas correntes, ou entrecruzarem-se por efeito de causas sociais e históricas, o mesmo fenómeno se observa com as tradições novelescas: um grande número de contos persiste exclusivamente na transmissão oral do povo, que os transforma desde a primitiva concepção mítica até à simples aventura faceta ou à referência vaga de qualquer adágio; existe simultaneamente um outro grupo de contos conservados por via da redacção literária e escritos com uma certa intencionalidade moral ou artística. Nem sempre estas duas correntes se comunicam, havendo contudo uma época em que os escritores deram forma literária aos temas tradicionais ou os imitaram, e em que os contos escritos por seu turno vieram a influir na imaginação popular pelo emprego da Parábola na prédica religiosa e do Exemplo na doutrinação concreta da moral. A universalidade dos contos populares na tradição oral não se pode explicar historicamente; este processo compete aos contos generalizados pela forma literária, cuja transmissão se estabelece quase de um modo cronológico e por documentos que subsistem. Huet, Sacy, Loiseleur des Longchamps, Benfey e Max-Müller, segundo os recursos da ciência da sua época, a Filologia, fixaram os caminhos diversos por onde os contos do Oriente fizeram a sua migração para a Europa. Provenientes de colecções literárias, de que a mais antiga conhecida é o Pantchatantra, eles acompanham os acidentes da história da civilização da Europa, implantando-se no Ocidente com as invasões dos Árabes, propagando-se como últimos lampejos do helenismo, com as Cruzadas, sendo o assunto de redacção dos novos dialectos românicos e dos pregadores católicos da Idade Média. A Igreja afastando os povos da Europa do contacto da civilização greco-romana, aproveitou-se deste fundo tradicional para actuar sobre a imaginação da gente rude, e assim as literaturas começaram o seu desenvolvimento sobre uma base e com um destino popular. A redacção literária dos contos e fábulas indianas foi provocada pela profunda revolução religiosa do Budismo, que batendo as abstracções metafísicas da casta sacerdotal bramânica e procurando os seus prosélitos entre as raças inferiores e amarelas, teve de propagar-se pela exposição pitoresca dos contos; onde quer que o Budismo se divulgou, aí encontram-se os contos como meio de propaganda. As colecções da China, como os Avadanas, e as do Tibete, resultaram dessa crise religiosa; no raríssimo livro das Cartas do Japão (fl. 99 v.), se lê: «Há aí mais duas Seitas, que chamam Iexu e Muraçaqui. Estes são dados a meditações, tem soma delas de cousas como fábulas e comparações.» Na luta do cristianismo contra o protestantismo, a polémica religiosa fez-se à custa de contos morais, de fácil compreensão, chamados Exemplos. Esta similaridade de crise religiosa coincidiu com o conhecimento dos contos indianos traduzidos para árabe na corte de Bagdad, e trazidos na invasão muçulmana da Europa Ocidental. Os trovadores nas suas canções, os troveiros nos seus fabliaux, os menestréis nos seus lais, secularizaram o conto com esse espírito de livre exame comunicado pela civilização dos Árabes.

12Pelos resultados da novelística geral e pelo estudo da literatura dos contos populares, chegou-se a esta conclusão formulada por Gaston Paris: «Por um fenómeno que, com surpresa a ciência constata cada vez melhor, parece que a imaginação moderna e ocidental, mesmo nos espíritos mais brilhantes, é incapaz de inventar um conto igual àqueles que, criados na sua maior parte na Ásia há já longos séculos, de lá se propagaram nos nossos países e constituem ainda hoje o fundo quase exclusivo do nosso património de ficção.» (Poésie du Moyen Age, p. 152). É a consequência lógica do estudo mental da Filomitia.

II) Contos dos séculos XII a XV, da corrente oriental e Idade Média

13No período mais activo da organização das sociedades modernas, no século XII, é que se constituiu a nacionalidade portuguesa; dirigida a sua cultura pelos latinistas eclesiásticos, os primeiros documentos literários em prosa foram contos traduzidos do árabe e com uma intenção moral exclusiva. Com as correntes cultas de outros elementos medievais, como os trovadores da Provença, os jograis franceses e menestréis bretões, alargaram-se as fontes literárias dos contos, estabelecendo-se essa unanimidade de sentimento da civilização ocidental. Indicaremos estes diferentes veículos.

14Desde o século XIII que se conheceu na Espanha a colecção árabe de KalilaeDimna,nãosópelatraduçãocastelhanadoinfanteD.Afonso (1289), como pelo Exemplario contra enganos y peligros del mundo. Sucederam-se as imitações literárias, e a fonte escrita aparece citada com frequência nos poetas do princípio do século XV, como se vê pelo Cancioneiro de Baena, (Ed. Pidal, t. I, 115):

Reyne de Byrra todo su feresa,
E las falsedades de Cadyna Dina...(1)
Que mudan discórdias, consejos peores
Que Dyna y Cadyna con su lealdad...(ib. 119.)

15O nome desta colecção é tirado das aventuras passadas entre os dois chacais Karataka e Damanaka, que no persa ante-islâmico se abrandou na forma Kalilak e Damnak vulgarizada pelos Árabes. Assim na Espanha o chacal identificou-se com a raposa, e as aventuras do Kalila e Dimna foram designadas pela palavra genérica de raposias:

Sea asno ó letrado por contradicion Segunt que del dixo la sabia raposa...

16O nosso cronista Femão Lopes, no princípio do século XV, emprega esta designação de raposias. É talvez por esta influência árabe que o ciclo do Roman du Renard, que se desenvolveu na Europa com um carácter heterodoxo e hostil à Igreja, não se propagou entre as nações católicas.

17O anexim português Quanto tens, tanto vales, pertence à história do Rei Lear, quando Cordélia lhe responde:

– Tant as, tant vaux et tant je t’aime.
Tant comme j’eue et tant valus
– Et tant aimé et privé fus.

18E nos adágios portugueses:

– Faze por ter, vir-te-ão ver.
– Tanto vale cada um na praça
Quanto vale o que tem na caixa. (F. Rol. 127.)

19Pode-se afirmar que estes anexins são outros tantos vestígios de contos obliterados, por isso que temos grande quantidade de anexins em que se dá este facto. Exemplificamos com um dos mais curiosos, e que se refere ao Roman du Renard, que literariamente foi conhecido em Portugal: a Gesta de Maldizer de D. Afonso Lopes Baião personifica um burguês que se finge fidalgo com o nome de D. Velpelho; na comédia Eufrosina, de Jorge Ferreira de Vasconcelos, escrita depois de1521, (p. 84, ed. ult;) encontra-se esta importante revelação de o espírito da sátira burguesa ter penetrado no nosso povo:

O Lobo e a Golpelha (Vulpecula) Fizeram uma conselha.

20Outro anexim popular: Da pele alheia grande correia, proveio de um episódio do Roman du Renard, como o conta Fleury de Bellingen: «O Leão achando-se aflito com uma grande febre mandou chamar a Raposa para saber se no seu conselho poderia ter remédio a sua doença; a Raposa fingindo de médico lhe disse: Que para a sua cura precisava cingir os rins com uma larga cintura tirada de fresco da pele de um Lobo. Seguindo esta receita o Leão doente mandou chamar um Lobo, a quem a Raposa cortou ao largo do corpo uma comprida e larga correia. O Lobo com as dores uivava desesperado: Ah, Senhora Raposa, da pele que não é vossa tirais correia larga.» O espírito do anexim derivou do antagonismo entre o Lobo (Ysengrin) e a Raposa (Trigodin-le-Renard) do velho poema. Ainda à frase francesa piquer le renard, beber em jejum, corresponde no mesmo sentido em português matar o bicho.

21A influência árabe na Península foi simultaneamente popular e literária; Alvaro de Cordova alude ao gosto dos contos «fabellis mille suis delecta-mur.» Das colecções árabes passaram para os nossos documentos literários do século XIV bastantes contos intercalados no livro ascético do Orto do Esposo, e na tradução da lenda mística de Barlaão e Josafat, tirada do Lalita Vistara, sendo Buda santificado no cristianismo. No Nobiliário do conde Dom Pedro, o conto de Gaia é também nos seus episódios semelhante às narrativas árabes, das quais persiste no gosto popular ainda a folha volante da Donzela Teodora.

22A divulgação da poesia provençal veio ajudar ao desenvolvimento da forma literária dos contos, com os Noellaires; temos um exemplo na tradição da Chuva de Maio, de que há reminiscências em um poeta do Cancioneiro de Resende, em Sá de Miranda e D. Francisco Manuel de Melo. Os jograis abandonavam por vezes os assuntos líricos, e contavam fábulas ou narrativas com um intuito satírico.

23Devido talvez a esta influência jogralesca e à propagação dos fabliaux franceses, é que os contos vieram a receber em Espanha, embora no século XVI, o nome de Francias. A influência bretã é também manifesta na forma dos lais, que além do seu destino musical tinham um acentuado carácter narrativo, que veio a desenvolver-se no ciclo da Távola Redonda. No Nobiliário do conde D. Pedro é aonde existem os principais vestígios dos contos bretões, como no conto da Dama Pé de Cabra. No mesmo Nobiliário se encontra rapidamente narrado o conto do Rei Lear, a tradição de Merlin, e da Islavalon (ilha do Avalon.)

24A tradição do Solar dos Marinhos deriva também dessas lendas heráldicas fundadas na crença das fadas terrestres, como a Melusina e a Dama Pé de Cabra, ou do mar como as Sereias, de que fala Gil Vicente:

Vai logo as ilhas perdidas,
No mar de penas ouvínhas,
Traze três fadas marinhas
Que sejam mui escolhidas. (Obras, t. III, p. 101.)

  • 1 Folclore Andaluz, p. 126; R. Marin, Contos populares españoles, t. ii, p. 196.

25No Cancioneiro da Vaticana encontra-se uma alegoria satírica da Verdade, em uma canção de Aires Nunes, que se avalia bem aproximando-a de um conto popular da Andaluzia. Eis o conto: A Verdade e a Justiça foram pelo mundo mostrar-se, e como eram muito formosas, arranjaram muito dinheiro. No caminho agregou-se-lhes a Avareza, e ela é que guardava o dinheiro. Quando resolveram voltar, a Avareza que não queria repartir o quinhão, ao passar por uma ponte baldeou a Verdade na água, e por isso ela nunca mais apareceu no mundo. A Justiça tratou logo de castigar o crime, mas a Avareza refugiou-se com a bolsa em uma igreja e nunca mais de lá saiu, e lá há-de ficar até que as paredes venham abaixo1. Vejamos agora a sirvente de Aires Nunes:

  • 2 Cancioneiro Português da Vaticana, Canç. n.° 455.

Porque no mundo mengou a Verdade. punhei um dia de a ir buscar,
e u per ela fu perguntar
disseram todos – Alhur a buscade;
cá de tal guisa se foi a perder.
que não pudemos em novas haver,
nem já não anda na irmaidade.
Nos moesteiros dos frades, regrados
a demandei, e disseram-m’assi:
Não busquedes vós a Verdade aqui,
ca muitos anos havemos passados
que não mor’em nosco, per boa-fé,
e d’al havemos maiores cuidados.
E em Cistel, u Verdade soía
sempre morar, disseram-me que não
morava i, havia grã sazão
nem frade d’i já não a conhecia;
nem o abade us’outrossi não estar,
sol não queria que fosse i pousar,
e anda já fora da abadia.
Em Santiago send’albergado
em ma pousada, chegaram romeus;
perguntei-os e disseram: Par deus,
muito levade-lo caminho errado;
ca se Verdade quiserdes achar
outro caminho convém a buscar
ca não sabem aqui dela mandado2.

  • 3 Livre des Legendes, p. 167.

26O conto mais antigo, que se acha escrito na língua portuguesa, está inserido no Nobiliário do conde D. Pedro, do século XIV; a alusão ao cavalo-fada Pardallo (O pardallus de Aristóteles) e ao coouro (o gouril, bretão) provam-nos uma origem erudita, que determinaremos abaixo, tornada tradicional nas lendas genealógicas. No conto, hoje conhecido pelo título da Dama Pé de Cabra, se lê: «E alguns há em Biscaia, que disseram e dizem hoje em dia, que esta sua mãe de Enheguês Guerra, que este é o coouro de Biscaia.» E também: «E mais dizem hoje em dia i, que jaz com algumas mulheres i nas aldeias ainda que não queiram, e vem a elas em figura de escudeiro, e todas aquelas com quem jaz tornam escoouradas.» Nas costas de Finisterra acredita-se na existência de uns diabos malignos, que dançam ao luar, chamados courils, que M. de Cambraye descreve na sua Voyage dans le Finisterre (1791); Leroux de Lincy traz também as formas de Gourils, Gories e Crious3. No velho francês carole significa a dança em redor; tanto no inglês carol, como no italiano carola e também no português, este vocábulo exprime um vestígio de um costume britânico. Na comédia Aulegrafia, de Jorge Ferreira de Vasconcelos, escrita antes de1554, vem esta locução popular: «soltam a carola à esperança.» (Act. IV, cen. 5.)

  • 4 Orto do Esposo, fl. 73, v.

27As tradições eruditas da primeira Renascença receberam também uma forma literária entre os latinistas eclesiásticos; da Biblioteca de Alcobaça subsiste ainda a tradução portuguesa da Visão de Tundal, sob cujo tema, a descida aos Infernos, Dante escreveu a Divina Comédia, tradição que os padres da Igreja tomaram do Êucrates do Filopseudes de Luciano. Desta corrente erudita deriva essa alusão do cavalo-fada Pardallo, citado no conto da Dama Pé de Cabra, que é evidentemente uma forma do Pardallus de Aristóteles. No Orto do Esposo descrevendo-se os costumes da pantera. Frei Hermenegildo de Paio Pele, introduz o conto do animal agradecido: «Aconteceu uma vez que um homem livrou da morte os filhos desta besta. E este homem caiu em uma cova e a esta o tirou fora dela e o pôs em salvo do deserto indo com ele mui leda e afagando-o, em guisa que parecia que lhe dava graças.4»

  • 5 Leal Conselheiro, p. 81.
  • 6 Ibidem, p. 7.
  • 7 Op. Ib„ p. 192.

28Deste ciclo erudito da primeira Renascença data o conhecimento das Gesta Romanorum em Portugal. Na Biblioteca do rei Dom Duarte guardavam-se as Cantigas de Santa Maria de Afonso X, o Conde de Lucanor, uma tradução portuguesa dos versos do Arcipreste de Hita, e da Confissão do Amante de Gower, em que receberam forma literária diversos contos da Idade Média Na corte de Dom Duarte prevaleceu o gosto dos contos com intuito moral, chamados estórias e exemplos; na sua obra o Leal Conselheiro, cita o conto da Manta e o Chocalho, que parece popular pela persistência do anexirn: «O Diabo tem uma manta e um chocalho.» Acham-se ali também o conto alegórico das Duas Barças e do Filho Pródigo: «E a festa que fez o padre ao filho degastador, que confessando o seu desfalecimento dizia não sou digno ser chamado teu filho...5 O rei Dom Duarte condenava a leitura dos livros de contos, que ele aponta como um vício entre a aristocracia portuguesa do século XV: «tais leituras aos que de semelhantes não têm bom conhecimento mais são para serem ensinados que para despender tempo ou se desenfadar com o livro d’estórias, em que o entendimento pouco trabalha por entender ou se membrar»6 Fernão Lopes, o nosso grande cronista, empregava a palavra estória no sentido de tradição, tal como ainda subsiste entre o povo. O rei Dom Duarte condenando o uso de ouvir contos, diz: «E da questa guisa erramos per este desassossego: se no tempo de orare ouvir ofícios, nos conselhos proveitosos, falamentos ou desembargos, levantamos estórias, recontando longos exemplos.»7 Gil Vicente conservou esta designação medieval:

Como diz o exemplo antigo, Que não são iguais os dedos.

29No mesmo Nobiliário se encontra rapidamente narrado o conto do Rei Lear (Leyr), o que prova que a corrente britónica se estendeu a Portugal, onde o Roman de Brut teve autoridade histórica. A influência francesa é manifesta em muitos romances populares, e mesmo neste Nobiliário existe outro conto de um fidalgo que mata a mulher adúltera e o frade que estava com ela, incendiando o seu castelo e tudo o que estava lá dentro; o mesmo se encontra nas Cem Novelas Novas. Os contos que receberam elaboração literária devem essa conservação não ao ter-se compreendido o seu valor nem a uma renovação artística individual, mas ao andarem ligados às lendas genealógicas das famílias nobres de Portugal; tal é o conto da Sereia ou Marinha, donde tira sua origem o Solar dos Marinhos, e o conto de Gaia, das tradições árabes, que vem no já citado Nobiliário, e se conserva ainda no onomástico local do Porto, em Gaia e Miragaia. Destes contos existem algumas imitações literárias de diferentes épocas da literatura portuguesa; o Rei Leyr é a base de um auto de António Prestes; Gaia foi metrificada em outava rima no século XVII por João Vaz, de Évora, e a Dama Pé de Cabra foi elaborada de novo por Alexandre Herculano nas suas Lendas e Narrativas; Garrett também metrificou o conto de Gaia em uma série de quadras em redondilha que intitulou Miragaia. São estes os únicos vestígios dos contos populares do século xiv.

30É também um documento da existência dos contos populares a designação com que entre nós foram conhecidos; as Fábulas jogralescas, os Rumores, os Noellaires provençais e Lais bretões, aparecem-nos referidos nos escritores dos séculos xiv e xv. No Regimento da Casa de D. Afonso III, estatui-se a presença de três jograis no palácio, e um deles, Martim Moxa, diz em uma canção:

Uns joglares
Sus nobles falares Soíam dizer...

31Afonso IX de Castela, ouvindo um fabliau de Ramon Vidal, disse-lhe: «Jogral, tuas fábulas são agradáveis e formosas.» É esta a mesma corrente indicada por Martim Moxa, que era como Vidal, da classe dos Segréis ou narradores. O conto alegórico provençal chamado Noellaire vem também citado por Martim Moxa:

Destes privados não sei noellar...

32A tradição popular das Fadas era aproveitada por estes metrificadores da classe jogralesca, de origem plebeia; diz Martim Moxa, na sua canção:

As nossas Fadas
Iradas
São chegadas
Por este fadar, etc.

33No século XV acentua-se mais na literatura portuguesa a existência do conto, e são mais evidentes as relações íntimas com a corrente francesa. Não se conheceu em Portugal, o Roman du Renard, mas Femão Lopes alude a esse ciclo de aventuras na palavra Raposias; e no Cancioneiro de Baena, desta mesma época, corresponde um igual vestígio da corrente literária:

Sea asno ó letrado por contradicion
Segunt que del dixo la sabia raposa.
(Ed. Pidal, t.i. p. 118).

34Na enciclopédia da Idade Média portuguesa, o Leal Conselheiro, de el-rei Dom Duarte, cita-se resumidamente o conto das Duas Barças, uma alegoria moral que parece ter inspirado Gil Vicente nos seus Autos das Barças por via da tradição popular. Neste período o conto apresenta um carácter moral e ascético, e é conhecido pelo nome de Exemplos, usados nas comparações religiosas dos pregadores. Entre os eruditos a tradição novelesca é conhecida pelo nome de Estória, como o emprega Femão Lopes, e ainda hoje o povo em muitos pontos de Portugal chama ao conto História. Pelo Leal Conselheiro sabe-se que mesmo na classe aristocrática era costume ouvir contos, tal como entre o povo, que ainda hoje faz seroadas à maneira das zambras mouriscas. Os dois termos Exemplo e Estória acham-se na prosa de Dom Duarte, aludindo a este costume.

35Do gosto dos contos da Idade Média escreve o mesmo rei invectivando-os: «E daquesta guisa erramos per este desassossego: se no tempo de orar e ouvir ofícios divinos, nos conselhos proveitosos, falamentos ou desembargo, levantamos estórias, recontando longos exemplos. (Leal Cons., p. 192.) Era o rei D. Duarte essencialmente moralista, sendo para ele os livros de estórias ou novelas mero passatempo: «para despender tempo e se desenfadar com o livro de estórias em que o entendimento pouco trabalha por entender ou se membrar.» (Ib., p. 7.) Os Exemplos e as Parábolas serviam-lhe o intuito moral; no Leal Conselheiro declara que o Exemplo das Duas Barças o mandara escrever pelo seu confessor Fr. Gil Lobo: «um conselho apropriado as duas barças que escreveu por minha invenção e mandado, por que em um falamento assim lho razoei, e disse-me que lhe parecia boa semelhança, porém lhe disse que a escrevesse, e lhe furtando seu trabalho, a invenção foi minha solamente e porém em conto das cousas por mim feitas, vo-la faço escrever.» (Ib., p. 345 e p. 447.)

36O século XV é o período em que na literatura portuguesa maior influência exerceu o ciclo das tradições épicas da Távola Redonda; esses longos poemas enchem as estantes da livraria de el-rei D. Duarte e de seu irmão D. Fernando, e alguns nomes dos seus heróis tornaram-se populares e ficaram no uso do onomástico civil. Tudo isto favorecia o desenvolvimento do conto e lhe dava uma cor cavalheiresca. Infelizmente pouco se conservou na forma escrita e nem mesmo resta sinal de conhecimento da colecção árabe de Calila e Dimna, que porventura seria também lida em Portugal:

E las falsedades de Cadyna Dyna
Sean mostradas, porque muy ayna
Gosen los nobles que aman limpieza.
(Ed. Pidal, i, 115.)

37Na Crónica da Conquista de Guiné, de Azurara, (ed. de Paris, p. 184) cita-se «Obras dos Romãos» indubitavelmente a Gesta Romanorum. No Catálogo dos Livros de uso, de el-rei D. Duarte, vêm citadas as colecções espanholas do Conde de Lucanor, as obras do Arcipreste de Hita e a Conquista de Ultramar. Cita-se também a colecção novelesca de João Gower, Confissão do Amante, que chegou a ser traduzida por um tal Roberto Paino. É deste século a folha manuscrita da Biblioteca do Porto, que traz a fábula do Mons parturiens em redondilhas, e da Biblioteca de Alcobaça são os textos da tradução da Visão de Tundal e de Baarlão e Josafat, do século XIV. No manuscrito do Orto do Esposo, acham-se para mais de vinte contos, alguns dos quais ainda se repetem na tradição oral.

38Nos versos de Afonso Valente, coligidos no Cancioneiro de Resende, alude-se à tradição popular: «As Fadas que me fadaram...» E em uns versos de Duarte da Gama, neste mesmo Cancioneiro, alude-se ao noellaire provençal da Chuva de Maio. Nas festas do casamento do príncipe D. Afonso, filho de D. João II, representou-se às portas de Avis uma alegoria fiabesca ou Momo, em que se prognosticava a aventura do consórcio:

Aqui as Fadas estavam,
Segundo lhes coube em sorte.
Que à princesa fadaram
Cada qual de sua sorte.
(Aires Teles, est. XXI).

39O nome de Exemplo especializou-se aos contos populares, que os pregadores intercalavam nos sermões da parenética medieval, explorando o gosto do vulgo, com esse instinto com que procederam os propagandistas budistas. O verna do mundo antigo, como notou Vico, usava essa linguagem pitoresca e franca, a vernácula, que exprimiu a prosa legal da burguesia. Foi nessa linguagem que a Igreja empregou os Exemplos, quando quis dominar a alma popular.

  • 8 8 Antiquités de Russie, p. 151.
  • 9 Ticknor, Hist. da Literatura Esp., t. iii, p. 25, not. 38.

40O costume de contos era tão persistente entre o povo como entre a aristocracia portuguesa. As nossas seroadas e o tipo dos patranheiros populares derivarão dos costumes mouriscos das zambras? As suas raízes são mais progundas, derivam da primitiva raça do Ocidente; na Grécia havia uma classe de mulheres chamadas paramítia, encarregadas de contarem contos por ofício; Guthrie, descrevendo os velhos costumes da Rússia, diz: «Observam-se também nas casas dos grandes, mulheres encarregadas de contar contos, Skaski... A sua ocupação consiste em entreter suas amas até que elas adormeçam, com contos semelhantes às Mil e Uma Noites árabes, antiquíssimo costume entre os Orientais.»8 Conhecida a íntima relação que existe entre os contos russos e os sicilianos, compreendemos a relação que deve haver entre os Skaski russos e os Chascos ou Chascarilhos com que ainda no século XVII se designavam em Espanha os contos facetos.9 Esse elemento mongólico que no século XIII propaga na Rússia e no Norte da Europa as ficções orientais, é o mesmo que no Ocidente sob a corrente ibérica produz esta similaridade de tradições e de costumes.

41Usavam-se os contos, na Idade Média, à mesa dos príncipes, sob o nome de Rumor. Na descrição das festas do casamento do príncipe D. Afonso vem:

Depois ledos tangedores À vinda da princesa
Fizeram fortes Rumores, Espanto da natureza.

42Camões empregou este termo na locução: «O rumor antigo conta.» O conto do Boi Cardil parece-nos ter sido objecto de um destes rumores, como se depreende dos versos latinos:

Ad mensam magni principis Est rumor unius bovis...

  • 10 Comprova-se a doutrina destes capítulos com as notas dos contos Bilha de Azeite (p. 99); O Pajem da (...)

43A influência oriental conhece-se melhor nas fábulas da Raposa, que na Idade Média da Europa formaram um ciclo poético recebendo um sentido agressivo; em Portugal não passaram do rudimento de Apólogos com a sua moralidade tais como se conservam na tradição oral popular. Nos anexins aparecem alusões aos ardis da Raposa: «Muito sabe a Raposa, mas mais sabe quem a apanha.» (Delicado, Adágios, p. 22.) O cronista Femão Lopes, alude a uma peripécia do Roman du Renard: «Come a Raposa quando está ao pé da árvore» (Cr. de D. João I, t.I, cap. 42.) Na língua portuguesa conserva-se o verbo arraposar, com o significado de fingir-se morto como a raposa: «E o caso foi senão, que o Demónio viu que apertavam pelo sacrifício, arraposou-se, para que havendo-o por morto (assim o faz a raposa).» (Fr. Roque de Soveral, Hist. do Alfarec. livro III, cap. 8). Jorge Ferreira de Vasconcelos também alude ao rifão: «O Lobo e a Golpelha (Vulpecula) fizeram uma conselha.» Como se vê, apenas alguns anexins fazem lembrar uma ou outra peripécia do grande poema das revoltas comunais e do sarcasmo da burguesia. Escreve Du Méril, nas Poesias Populares Latinas anteriores ao Século XII: «Nos poemas do Renard não podia haver outra superioridade real senão a argúcia e a força, donde resultavam tendências democráticas e anticlericais e que os impediriam de adquirir uma grande popularidade nos países aristocráticos ou profundamente católicos. Também os ingleses, os Espanhóis e os Italianos não tiveram poemas do Renard» (op. cit., p. 26.) Em Portugal prevaleceu o mesmo princípio, sendo aliás a palavra Raposia sinónimo de perfídia e de argúcia, como se emprega em um conto popular. Nas tradições conservadas no Talmude, há também uma fábula da Raposa convidando o peixe a trocar a água pela terra firme; alguns destes contos correm na tradição oral portuguesa, tal como o do homem entre duas idades, ou quarentão, tendo duas amantes, uma nova que lhe arranca os cabelos brancos, outra durázia, que o depila dos cabelos pretos (Talmude, Babakana, livro 6.°). E o conto do coxo, que se põe às costas do cego para o conduzir (ib., Talmude Sanhédrim). Infere-se, que a influência judaica reforçou o elemento oriental, na Península, que se atribuía unicamente aos Árabes.10

44O Livro de Esopo, texto português do fim do século XIV, publicado por Leite de Vasconcelos, com um largo e proficiente estudo filológico, mostra-nos como a literatura portuguesa compartilhava com o espírito europeu libertando-se da apatia mística pelo bom senso dos Fabulários medievais. É uma paráfrase libérrima de Romulus vulgaris encostando-se a compilação em prosa de uso escolar, com comentos e vulgarmente chamadas Isopet, alusivo ao original grego. No seu processo comparativo Leite de Vasconcelos expõe: «A conclusão a que chego é que o Livro de Esopo, conquanto efectivamente se relacione com o Fabulário Anonymus de Nevelet (Walter) não provém directamente deste, mesmo com alterações, mas provém de algum texto em prosa, latino ou românico, derivado do Fabulário gualteriano.» E acrescenta: «Houve uma dissolução latina, em prosa, dos versos do Anonymus de Nevelet, donde provêm directamente as nossas fábulas, – dissolução que o compilador português, ainda assim, modificou mais ou menos, pois enriqueceu de adágios nacionais e de reflexões moralísticas os epitímios – O compilador português, em lugar de utilizar um texto em prosa – não se poderá negar que teve presente ao acto da tradução outros Fabulários» (Revista Lusitana, vol. IX, p. 103).

III) Contos do século XVI: Renascença e Reforma – corrente novelesca italiana

45O século XVI, a grande época de esplendor da literatura portuguesa, coincide com um maior conhecimento da tradição popular e dos contos, bem como dos cantares heróicos ou romances. Basta conhecer o fenómeno extraordinário da situação de Portugal em frente da civilização da Europa desde o século XVI, para deduzir que pela reacção violenta contra a Reforma, pela elaboração científica do século XVII e pela renovação crítica do nosso tempo, deve ser compensada por uma rudeza ingénua, em que se reúnem as condições de vitalidade e interesse das antigas tradições da Idade Média. Mas essa indiferença produzida pelos terrores de um catolicismo sanguinário e por uma monarquia aliada com o Queimadeiro, atrofiaram este povo, a ponto de quase se obliterarem as suas tradições e ignorar as próprias origens. As tradições persistem na realidade, mas em um sincretismo resultante das variantes com que as remodelam. Na literatura portuguesa do século XVI os maiores escritores são aqueles que mais se inspiraram das tradições populares, tais como Gil Vicente, Sá de Miranda e Jorge Ferreira de Vasconcelos, como se verifica apontando os contos a que eles aludem. É no século XVI que achamos vulgarizadas as principais colecções de novelas do fim da Idade Média, e pode-se com certeza afiançar que a influência francesa dos dois séculos anteriores está aqui substituída pela literatura italiana. Pelos Índices Expurgatórios do Santo Ofício conhece-se o grau de vulgarização desses livros de novelas; no Índex de1564, fl. 168, expunge-se: «Boccaccio, Decades, seu Novella centum»; e a prova de que já esta colecção era anteriormente conhecida, é o achar-se citada no Espelho de Casados do Dr. João de Barros, que diz: «João Boccaccio fez muitas novelas contra as mulheres e delas diz mal no livro da Caída dos Príncipes» (fl. 125). No índex Expurgatório de1581, fl. 17, v., cita-se: « Cento Novelle scelte da piu nobili scriptori de la lengua volgari, com la junta de Cento altre Novell»: e neste mesmo Índex vem citado: «Facecie e motti e burle raccolte per M. Ludovico Domenico e Guiejardin.» (fl. 19). No mesmo índex (fl. 21, v.) cita-se o Pecorone di Messer Jovani Fiorentino. No Índex de1597, fl. 29, enumeram-se entre os livros, cuja leitura era proibida em Portugal: Gesta Romanorum e Cymbalum mundi, de Bonaventura Perier. Por esta lista sucinta se pode fazer uma ideia das leituras da classe ilustrada, que durante o século XVI costumava ir educar-se à Itália.

46Mais se acentua a influência da novelística italiana, com a tradução portuguesa da Fiameta de Boccaccio, referida peio bispo Cenaculo, nas Memórias do Ministério do Púlpito; e ainda nas Notte Piacevole de Straparola, donde veio para os nossos livros populares a História dos Três Corcovados de Setúbal. (Notte V, fol. 3).

47Nos costumes palacianos e universitários, o conto tornou uma grande importância, sobretudo desde que os pregadores os introduziram nos seus sermões a título de Exemplos. Na Vida do Infante D. Duarte, por mestre André de Resende, se fala deste uso: «Ora, senhor, deixemos a febre e falemos em cousa de passatempo. Comecei-lhe então a dizer patranhas, com que o tornei alegre.» O pobre infante, vítima de uma premente educação católica, fingiu-se doente para não dar lição ao jurisconsulto Madeira; André de Resende tirou-o da sua apreensão com contos mentirosos. Aqui a palavra patranha significa o conto imaginoso, e ainda hoje é o nome de desprezo com que se designam as narrativas populares. Nos seus versos, Sá de Miranda, referindo-se ao conto de um rei mouro, diz: «Não do rei mouro a patranha...» (Ed. 1804, p. 104.)

48Em António Prestes (Autos, pág. 426):

Podeis levar,
Comadre, que vos la conte Patranhas de rir e folgar.

49Pelo alvará de 23 de Setembro de1538, vê-se quanto se intermetia no ensino público o conto, substituindo por um pedantismo de moralista a disciplina científica; nesse alvará encontramos: «Eu el-rei, faço saber a vós reverendo bispo reitor dos estudos e Universidade de Coimbra, e aos reitores que ao diante polos tempos forem, que per quanto às vezes acontece a lentes nas lições que lêem, e nos autos públicos que se fazem, dizerem palavras de outros lentes ou letrados, que nos ditos autos estão presentes, recebem escândalo, e assim os ditos lentes nas lições que lêem se põem a contar Estórias fora da matéria da lição, em que gastam o tempo sem proveito, hei por bem que o lente que cada uma das ditas cousas fizer, por cada vez perca o ordenado da lição daquele dia...» O conto tornava-se um lugar-comum das conversas. Em uma carta a el-rei D. Manuel, um capitão da ilha de S. Miguel dizia-lhe: «estou aqui como o Peregrino de Jerusalém», aludindo à situação de algum conto sabido.

  • 11 P. Francisco da Fonseca, Évora Gloriosa, p. 627.

50Este uso doméstico acha-se descrito no viver da principal aristocracia do século XVI: «O mesmo usava D. Joana de Vilhena com as senhoras que a vinham visitar, dando a cada uma delas algum trabalho com que se entreter; e entretanto ou lhe lia algum capítulo dos documentos que o conde tinha composto, ou lhe contava algum Exemplo ou história santa com que adoçar o trabalho; o que fazia com tanta graça que assim D. Brites, duquesa de Coimbra e Aveiro, como todas as mais senhoras, frequentavam com gosto a escola de D. Joana.»11

51Nos escritores quinhentistas é que se encontravam mais referências aos contos populares:

E folgam de ouvir Novelas
Que durem noites e dias. (Gil Vicente, Obras III, 287).
É o segredo das Canas
das orelhas do rei Mida.
(Autos, p. 259.)

52Em Bernardim Ribeiro vem a referência:

53«Quando eu era da vossa idade e estava em casa de meu pai, nos longos serões das espaçosas noites de Inverno, entre as outras mulheres da casa, delas fiando e outras devando, muitas vezes para enganarmos o trabalho, ordenávamos que alguma de nós contasse histórias, que não deixassem parecer o serão longo; e uma mulher da casa, já velha, que vira muitas e ouvira muitas cousas, por mais anciã, dizia sempre, que a ela pertencia aquele ofício. E então contava histórias de cavaleiros andantes.» (Menina e Moça, p. I, cap. III). O poeta das Saudades também aponta uma fábula alegórica:

A Dita e a Formosura
Dizem patranhas antigas,
Que pelejaram um dia,
Sendo de antes muito amigas.

54Camões descreve nos Lusíadas, ao encetar a narrativa dos Doze de Inglaterra como os marinheiros contavam contos e casos mil para vencerem o sono dos quartos de vigília.

55A Reforma acabou com os Exemplos ou contos alegóricos nos sermões, que foram o veículo das Tradições da Idade Média. Calvino escreve em uma Epístola a Sadoleto, que uma parte dos sermões até então se passava, «em fábulas divertidas e especulações recreativas, para excitar e mover o coração do povo à jovialidade.» Os nossos escritores moralistas e místicos incorreram neste julgamento de Calvino; os seus livros são manancial de contos do Decâmeron popular português, transmitindo o espírito faceto em histórias tenebrosas e infernais para terrorizar os crédulos.

56O desprezo pelos contos populares foi-se tornando mais pesado à medida que prevaleceu a erudição na literatura, e este veio tradicional chegou a perder-se completamente; Soropita, o editor das Rimas de Camões, faladesses contos do fim do século xvi com um desdém notável: «Primeiramente, assim no topete da obra apareceram certos aventureiros pajens da lança da tolice, cujo ofício é contar Contos prolixos, de uns certos maganazes desencadernados, que primeiro que preguem uma lança do que querem contar, irão cem vezes a Roma; e os ditos meios assim lhes aguardam pelo fundo da alma, como se de suas mãos houvesse de sair as tábuas de Apeles. E se vem à mão, ou por a história não ser tão branda que se deixe facilmente conversar, ou pelos seus entendimentos serem de ferro, tal que não cortarão por um queijo fresco, ao cabo de os pobres historiadores torcerem o queixo trezentas vezes e meterem toda a munição que podem para se declararem, ficam eles tão virgens do negócio como se nunca ouviram nada» (Poesias e Pros., pág. 103).

57Este desprezo caracteriza em geral a literatura portuguesa, nos escritores eruditos que estiveram em contradição com a alma popular; fazem uma excepção a esta regra Jorge Ferreira de Vasconcelos, Sá de Miranda e Gil Vicente, os quais pela sua compreensão das tradições se tornaram organicamente nacionais. Antes de Pérrault colher da tradição oral o conto da Cendrillon, já ele era conhecido em Porugal, como vemos pela comédia Ulissipo, escrita por 1546; aí diz Jorge Ferreira: «Pois eu também não quero Gatas Borralheiras» (fl. 32; e fl. 14). É este o título com que a Cendrillon é conhecida entre o povo.

58O conto ainda hoje repetido entre o povo, as Três Cidras do Amor, acha-se citado por Soropita, no fim do século XVI: «Senão quando, falando com referência, apareceram por proa as Três Cidras do Amor» (Poes. e Pros., pág. 103). Na Gramática do cronista João de Barros, a propósito de uma figura de dicção, vem narrado o conto de um pai que deixa a herança a um amigo com a condição de dar ao filho o que ele quisesse (op. cit., p. 170); este conto estava já três séculos antes coligido no Novellino.

59Sá de Miranda introduz nas suas obras contos e fábulas, quase sempre de origem literária; uns vêm narrados por inteiro, como a Fábula do Rato do Campo e o Rato da Cidade, e o noellaire provençal da Chuva de Maio; do Cavalo Que Se Deixa Enfreiar para Vencer o Seu Inimigo; do Bácoro OveIheiro; e a fábula filosófica de Psique. Outras vêm simplesmente esboçadas ou aludidas em um verso; tais são:

A cabeça os membros manda, (pág. 39)

60aludindo à fábula entre os membros e a cabeça, atribuída a Mnenio Aggripa, a qual já se encontra nos Avadanas traduzidos do chinês por Stanislao Julien. Seguem-se outras fábulas aludidas no texto:

Ao Leão deram a coroa Entre a gente montesinha... (P. 39)
Com que lhes fazem das leis Fracas teias de aranhas. (P. 40)
Diógenes claro o dia. (PP. 59 e 72)

61Em outros versos alude à fábula da Cigarra e da Formiga:

Ajunto como as Formigas,
Porque ninguém me lançasse
Como à Cegarrega em rosto
No Dezembro que bailasse,
Pois cantara em Agosto. (P. 59) Mas quien corriendo acá vienne?
En la conseja es el lobo.
Sá de Miranda, p. 140 (Ed. Mirb.)
Un raposo dió mil saltos
Per alcanzar los parrales;
Nunca pudo, que eran altos;
Dijo de las uvas males,
Que eran verdes! mal bocado.
(Id., p. 126)

62Cita também a fábula de Apeles (p. 119) e o Parto da Montanha (p. 144). Estas fábulas literárias têm um ponto de contacto com o conto, na moralidade final, e confundem-se entre si com o título de Exemplos, designação frequentemente empregada por Sá de Miranda e Gil Vicente:

Como diz o Exemplo antigo: Que não são iguais os dedos.

63João de Barros, na Ropica Pnefma, alude à fábula esópica: «seguia a ignorância do cão da fábula...»; e também: como a gralha da fábula, vestindo-se das penas de tôdalas formosas aves; mas o pavão vendo que o precedia em fermosura, houve-lhe enveja, e fez com as aves que cada uma pedisse sua pena, para ficar em pior estado» (op. cit., pp. 112 e 314.)

64Ainda hoje entre o povo português é vulgar a locução: Como diz o outro, com que precede todos os seus aforismos. É em Gil Vicente que se encontra a maior riqueza para se recompor a área da tradição popular portuguesa; o conto da Bilha de Azeite, sobre que Max Müller fez uma monografia importante por onde demonstra a universalidade das tradições, acha-se em uma forma ingénua no auto de Mofina Mendes, que o ilustre filólogo desconheceu, e que pertence ao primeiro quartel do século XVI. Nesse conto escreve Gil Vicente:

Vou-me à feira de Trancoso... (t. I, p. 117)

65Trancoso, na Beira, era no século xvi um centro popular de contos, profecias e superstições; dali são naturais os dois escritores mais populares, Gonçalo Eanes Bandarra, cujas profecias se ligavam ao futuro da nacionalidade portuguesa, e Gonçalo Fernandes Trancoso, célebre pela sua colecção de Contos Proveitosos, de que adiante falaremos. Da Beira saíram os tipos populares dos Ratinhos, dos autos hieráticos do século XVI; escreve Gil Vicente:

Muitos ratinhos vão lá
De cá da Serra a ganhar,

e Serrão de Castro, na sua sátira:

Quando tão aproveitados Da Beira são os ratinhos.

e o conto popular de João Ratão é uma síntese deste tipo nacional de Marculfo.

Os Castelhanos na sua desdenhosa antítese designam assim Portugal inteiro:

Entre Duero y Mino Portugal ratinho.

66Gil Vicente cita nos seus autos cançonetas e músicas francesas e no auto da Floresta de Enganos, traz a cena do Doutor Justiça Maior, que já se acha no conto XVII, das Cem Novelas Novas; isto provém do resto da influência francesa, a que obedecemos no século XV. Gil Vicente abunda em alusões à crença popular das Fadas, tema fundamental dos contos.

67A tradição erudita das Sereiras, chamadas, pelo povo das ilhas dos Açores, Marinhas, acha-se com este mesmo nome em Gil Vicente. Nos Contos Populares do Arquipélago Açoriano (n.° 32, p. 271) um romance começa:

Escutai, se quereis ouvir
Um rico, doce cantar,
Devem de ser as Marinhas, Ou os peixinhos no mar.
Ele não são as Marinhas...

68E no romance n.° 28, da mesma colecção: (p. 259)

Que vozes do céu são estas
Que eu aqui ouço cantar?
Ou são os anjos no céu,
Ou as Sereias no mar.

69O nome de Fada é com que se designa o maravilhoso popular em Portugal; a forma genérica por excelência. Temos muitos anexins, em que as Fadas simbolizam a ideia moral, e que sobretudo, são restos mal lembrados de contos primitivos; tais são: «Cá e lá más Fadas há – A más Fadas más pragas.» Ou também:

– De galinhas e más Fadas
Cedo se enchem as casas.
– Quem más Fadas não acha, Das boas se enfada.
– Cerejas e Fadas
Cuidais tomar poucas
E vêm dobradas

70Por esses anexins, todos do século XVI, vemos que as Fadas se dividiam em boas e más, conforme o que fadavam; Gil Vicente, que é o escritor aonde a vida portuguesa se encontra mais intimamente retratada, alude a estes dois caracteres:

  • 12 Gil Vicente, apud. Gallardo, p. 983.

Más Fadas que vos fadaram. (C. iii, 19)
Boas Fadas vós hajais.
– Bom prazer veja eu de vós, (C. II, p. 45) E boas Fadas. (C. III, ib. 93.)
– Ando nas encruzilhadas
Às horas que as boas Fadas
Dormem sono repousado. (Ib.)
– Por sus tristes negras hadas...12

71A crença erudita das Sereias não podia deixar de ser adoptada em Portugal, por este povo essencialmente navegante; chamavam-lhe Fadas Marinhas:

Vai logo às Ilhas perdidas
No mar das penas ouvinhas,
Traze três Fadas marinhas
Que sejam mui escolhidas (ib. p. 101.)

72Nos romances populares também se repete esta crença; na Infanta de França (Rom. Ger., pp. 10 e 11) vem, como horóscopo da donzela:

Sete fadas me fadaram
No colo da madre minha,
Fadaram-me há sete anos
Por sete anos e um dia
Hoje se acabam os anos
Amanhã por noite o dia...

73É como no Roman de Partinopeux de Blois.

74Nas ilhas dos Açores é que as Fadas marinhas ou Sereias ocupam a imaginação; há ali as duas designações de Marinhas e de Sereias.

75Nos Contos Populares do Arquipélago Açoriano (n.° 32, p. 271) começa um romance assim:

Escutai, se quereis ouvir:
Um rico doce cantar,
Devem de ser as Marinhas
Ou os peixinhos do mar.
Ele não são as Marinhas,
Nem os peixinhos do mar,
Deve de ser Dom Duardos
Que aqui nos vem visitar.

76E no romance n.° 28, (p. 259):

Que vozes do céu são estas
Que eu aqui ouço cantar
Ou são os anjos no céu,
Ou as Sereias no mar.

77Nas cantigas soltas da mesma colecção encontra-se esta bela quadra (p. 5):

A Sereia quando canta
Canta no pego do mar;
Tanto navio se perde,
Ó que tão doce cantar.

78No Auto das Fadas, representado por Gil Vicente diante de el-rei D. João III, perseguidor incansável das inofensivas superstições da rudeza popular, o poeta pede tolerância para a inocente credulidade. Ali evoca as Fadas Marinhas ou Sereias, que vêm fadar o rei, a rainha e os infantes e a aristocracia que estava assistindo à representação. É Gil Vicente o único escritor português que introduziu na literatura este riquíssimo elemento nacional; faltou-lhe a liberdade de um Shakespeare, para poder dar forma a uma criação como o Sonho de Uma Noite de S. João; o poeta era dotado de um sentimento lírico profundo para realizar uma ideia assim bela:

  • 13 Ainda hoje jogo popular.

Ora sus! má criatura,
I-me logo polas Fadas
Marinhas, bem assombradas
E tomai essa amargura.
Donde vindes?
– D’Almolina.
Que trazedes?
– Farinha.
Tomai lá, que não é minha13
E traga as Fadas asinha.
O Senhora Ladainha,
Ajudade-me ora vós;
Cabra preta vai por vinha,
Vai por vinha, mana minha,
Te rogamus, audi nos.
Quando fordes à Igreja
Não vos esqueça a soberba,
Tomad’ora meu conselho
O açoites do concelho
Que estrearam meus avós:
Te rogamus audi nos.
Ladainha da Pereira
Escrita em pele de rata,
Tinta de pingo de pata
Assada por mão demogueira.
Ó picota da Ribeira
Que estrearam meus avós,
Te rogamus audi nos.

«e vêm as Fadas marinhas cantando a cantiga seguinte:»

fadas
Qual de nós vem mais cansada
N’esta cansada jornada?
Qual de nós vem mais cansada?
feiticeira
Pitas, pitas, pitas, pitas,
Patelas, patelas, patelas,
Bem venhais, minhas donzelas,
Linguadas, frescas, fritas.
(diz às Fadas)
Como vos vai n’esse mar
Tão profundo e espaçoso?
(Respondem as Sereias cantando)
Nosso mar é fortunoso.
Nosso viver lacrimoso,
E o chegar rigoroso
Ao cabo desta jornada:
Qual de vós vem mais cansada
Nesta cansada jornada?
feiticeira
Não podedes vós falar.
Que respondedes cantando?
fadas
Nós partimos caminhando,
Com lágrimas suspirando,
Sem saber como nem quando,
Fará fim nossa jornada,
Qual de nós vem mais cansada
Nesta cansada jornada.
feiticeira
Minhas flores da ribeira
Descanso d’esta alma minha,
Rainhas da vida marinha,
Honrade ora esta romeira
Fadai de linda maneira
Este estrado de bons fados,
Que Deus lh’os dará dobrados
Praza a ele que assim virá.

79«Fadam as Fadas a El-Rei e à Rainha, cada uma por sua vez:»

1.afada
Os Fados que deram ser às Estrelas,
Quando a terra estava vazia
Façam caminhos a vossa alegria,
Por onde vos venha tão cara como elas.
E aqueles fados
Que para dar dita são determinados
Vos tragam as vossas das mais escolhidas,
E os instrumentos que alongam as vidas
Vos veja dobrados.
Os Fados que deram orvalhos às rosas.
Visitem as flores do vosso estrado,
E todo o cuidar de triste cuidado
Não hajam lugar nas Altezas vossas.
E aquelas Fadas
Que tem as ribeiras de verde pintadas,
Vos pintem as vidas d’alegre pintura,
E as altas sortes, que parte Ventura
Vos vejam guardadas.
2.afada
As coisas que fazem a terra parir
Lírios alvos e veias divinas,
Cerquem os quadros de vossas cortinas,
E sempre vitória vos faça dormir.
E a Fada primeira
Que fez a Fortuna geral dispenseira,
E fez nossos mares e céus por medida,
Vos faça gozar o gozo da vida
De nova maneira.
3.afada
As novas que temos nas ondas do mar
São, que na terra há pouca verdade;
E pois de verdades há má novidade,
Por novidades as haveis de tomar.
Ora é pera ver:
Tome Vossa Alteza qualquer que quiser,
Que todo é verdade as sortes que são,
Tomai d’esses sete Planetas que i vão
A que vos vier.

80«Aqui deram as Sortes primeiramente a El-Reià Rainhaao Príncipeà Infanta D. Isabelà Infanta D. Beatriz, etc.»

81Na tragicomédia da Rubena, representada em 1521, introduz Gil Vicente duas Fadas, que vêm dotar Cismena, do mesmo modo que no romance da Infantina:

feiticeira
Diabos, por meu amor
Filhos meus e meus senhores, Ide à deusa maior.
Dizei que por seu louvor
Me mande as Fadas maiores: As mais duas fermosas
Com melodia serena,
Que me fadem a Cismena
Sobre todas as ditosas.

82«Vêm as Fadas Ledera e Minea, cantando, e acabando de cantar, diz:»

ledera
Esta nasceu em tal hora
Que há-de correr grã tormenta Dolorosa
Depois será grã senhora
De toda fortuna isenta Mui ditosa.
Mas primeiro mui chorosa
Sem emparo aqui em Creta Se verá;
E a poder de fermosa
E de casta e de discreta Tornará.
minea
O primeiro perigo
Que a hão-de querer ferrar Para a vender
Por Moira, o ferro no pé
Aqui a havemos de fadar E benzer.
Que ela o possa entender
E se salve na barcagem D’Arrochela:
E lhe dará de comer
Uma bestial selvagem De dó dela. (Obr. t. II. pág.

83«As Fadas que fadaram esta Cismena, vendo chegado o tempo em que lhe havia de acontecer o que em seu nascimento lhe disseram, a vieram avisar disso, andando como gado naquele monte; e vem cantando, etc.»

84A Fada, que recebeu pela fatalidade da nossa etnologia, um carácter marítimo e se confundiu com a Sereia, sendo chamada Marinha, também pelas nossas relações com os Árabes, adquiriu uma nova feição: é a Moira encantada.

  • 14 Alfred Maury, Fées, pág. 11.
  • 15 Berger de Xivrey, Traditions tératologiques, pág. 265.

85A Moira é para o povo português a fada que guardava os tesouros encantados; a Moira é uma donzela árabe que vive sob encantamento desde que os Árabes enterraram as suas riquezas, esperançados em que tornariam a dominar a Península. A ideia da Moira nada tem de comum com a ideia das parcas gregas que se chamavam Moire, nem com as divindades gaulesas análogas Mairae; a Moira peninsular, apesar de virgem como a meir céltica, ou a moer escandinava,14 tem um carácer maravilhoso, fatídico, e sobretudo caracterizado pela guarda de tesouros. O sincretismo dá-se sempre nas ideias e não nas designações das cousas; antes de os Árabes serem repelidos da Península era conhecida a tradição oriental de umas certas formigas monstruosas que escavavam no chão e amontoavam em volta de si areias de ouro; chamadas pelos Gregos murmex, os Persas, segundo Wahl, as denominaram mur mess, formiga grande; é de crer que os Árabes, não só pela influência culta que recebiam da Pérsia, como pela comunicação directa que tinham com as obras de ciência grega, popularizassem esta tradição da zoologia maravilhosa,15 das mur mess. Destas formigas mur escreve Alberto Magno: «custodiunt montes aureos, et homines accedentes discepunt etc.» (De Animal, XXVI). Foi através dos Árabes que os livros gregos e os trabalhos científicos se vulgarizaram na Europa; o povo português desta incompleta lembrança de um fenómeno mal explicado formou uma tradição confundindo-o como facto de terem os Árabes enterrado muitos tesouros. Podemos crer que a lenda das Moiras encantadas se firma sobre uma tradição erudita da Idade Média. Ainda hoje quando o nosso povo quer fixar uma época histórica, exprime em frase genérica no tempo dos Moiros. Em Gil Vicente encontramos formulada a crença popular:

  • 16 Obras, t. II, pág. 489.

Eu tenho muitos tesouros
Que lhe poderão ser dados.
Mas ficaram enterrados
D’eles do tempo dos Mouros D’eles dos tempos passados.16

86Nas Cortes de Júpiter, Gil Vicente introduz uma Moira, que vem falar à infanta D. Beatriz quando partiu para Sabóia:

E a Moira há-de trazer
Três cousas que vou dizer.
Para do Estreito avante:
Um anel seu encantado
E um dedal de condão
E o precioso terçado
Que foi no campo achado
Depois de morto Roldão.
O Terçado para vencer:
O Dedal é tão fecundo,
Que tudo lhe fará prazer;
O Anel para saber
O que se faz pelo mundo. (II. 415.)

87O dote que a fada concedia chamava-se condão; nesta passagem de Gil Vicente, no verso: «O terçado para vencer» alude à crença das espadas encantadas dos heróis dos poemas da Idade Média. Esta tradição liga-se pela nossa história à espada do Condestável feita pelo alfageme de Santarém, como se lê na sua Crónica anónima. Por estas citações de Gil Vicente, vemos que no século XVI, antes do estabelecimento da Inquisição em Portugal as tradições feéricas estavam vigorosas. Antes de Pérrault coligir da tradição oral o conto da Cendrillon, já ele era conhecido em Portugal, como vemos por um documento de1546; na comédia Ulissipo, escreve Jorge Ferreira de Vasconcelos: «Pois eu também não quero gatas borralheiras.» (Fl. 32 e fl. 14.) Na tradição popular portuguesa é este o mesmo título dado a Cendrillon. Um dos contos mais belos, não coligidos por Pérrault, é o que se intitula as Três Cidras do Amor, no século XVI tão vulgar entre nós, que o licenciado Soropita alude a ele: «senão quando, falando com reverência, apareceram por proa as Três Cidras do Amor...» (Poesias e Prosas, p. 103.) Na poesia popular há uma alusão à peripécia fundamental deste conto:

Ó Cidra, considra ó cidra,
Ó Cidra, considra bem,
Depois da cidra partida,
Cidra, que remédio tem?

88Além destas duas preciosas referências, parece-nos que a locução popular Cantar a Moliana, que significa gritar com aflição em um momento de perigo, se prende à locução francesa do Cri de Melusine, tradição heráldica da casa de Lusignan; temos a conexão histórica para esta afirmação na genealogia dos Monizes, dos quais se lê nas Divisas de João Rodrigues de Sá:

  • 17 Canc. Ger., t. ii, pág. 367.

Âmbalas armas reais
de Chipre e Jerusalém
com armas mistura tem
de Moniz; mas estas tais
a um só deles convém:
um só a quem com razão
chama-se do Lusinhão,
seu pai lh’a fez alcançar
por se ajuntar e casar
com tão alta geração17.

89Além destas preciosas indicações, temos nos Livros de Linhagens excelentes subsídios para fixarmos o nosso domínio feérico; sabe-se que em volta das genealogias se agrupavam estas lendas maravilhosas, para darem à nobreza uma origem quase divina.

90Finalmente, na novela de cavalaria de Amadis de Gaula, há o tipo do mágico Archelau que é uma espécie de Barbe-Bleu de Pérrault; mas pertencente aos fins do século XIV; a fada Urganda a desconhecida é a boa fada que anda evitando os desastres na sua passagem. O Amadis de Gaula é português, e esta feição feérica vista pela aproximação da época em que foi escrito e em que contos britónicos entraram no Nobiliário, são um forte argumento da sua redacção portuguesa.

  • 18 Os contos de Trancoso tornaram-se tipos do género: «Finalmente para prova do que tem dito, conta do (...)

91Foi no século XVI que o conto recebeu a forma literária, dada por Gonçalo Fernandes Trancoso18. Antes de falarmos da sua colecção, importa definir as relações com os novelistas italianos e franceses da grande época da Renascença, que neste tempo foram lidos em Portugal. Pelos Índices Expurgatórios conhece-se essa corrente da leitura dos livros de novelas.

92As Notte piaccevoli de Straparola foram conhecidas em Portugal como se infere de algumas novelas de Trancoso, que traduziu o conto de Grisélidis do folheto italiano, sem data, La Novella di Gualtieri, traduzida da redacção portuguesa por Timoneda no seu Patrañuelo. É um tema que recebeu todas as formas literárias desde a Idade Média até hoje.

  • 19 Contos, p. 153, ed. 1642.
  • 20 Ibidem, p. 46.
  • 21 Ibid., p. 247

93A comprovação de um vasto campo de tradições populares no século XVI, explica-nos o aparecimento de Gonçalo Fernandes Trancoso, autor dos Contos e Histórias de Proveito e Exemplo, para o qual fomos o primeiro que chamou a atenção dos críticos europeus. A colecção de Trancoso, também conhecida com o título de Contos Proveitosos, compõe-se de vinte e nove contos, derivados em grande parte de fontes tradicionais, alguns de proveniência popular, como o provamos em notas adiante, outros de obras eruditas. Apesar de se acharem diluídos em divagações morais, que embaraçam as narrativas, e não obstante o estilo forçado, são importantes para alargarem a área dos estudos comparativos da novelística. Diremos algumas palavras da personalidade de Trancoso; era natural da província da Beira, tomando o apelido da localidade do seu nascimento; veio exercer para Lisboa a profissão de mestre de Humanidades, isto é, Latim e Retórica, em um tempo em que estas disciplinas não eram privilégio exclusivo dos Jesuítas. (1555.) Nos seus contos refere-se: «Ao glorioso S. Pedro, cujo freguês sou»; donde se deduz que vivia na freguesia de Alfama. A data em que começou a escrever os seus contos fixamo-la em 1544, segundo esta referência a uma armadilha de jogo: «e ele levava consigo duzentos e vinte reales de prata, que era isto o ano de1544, que havia quase tudo reales.19» No conto XIII, da primeira parte, que versa sobre o anexim do real bem ganhado, alude outra vez a esta moeda: «o qual com muito contentamento por ver que soube escolher, lhe deu um real em dois meios, como ora costumam.20» E também: «meteu real e meio na mão.21» Estas referências fixam irrevogavelmente a época em que Trancoso escrevia.

  • 22 Ibid., p. 208.

94Uma das circunstâncias que levaram Trancoso a prosseguir na continuação dos seus contos, foi o terror que espalhou a chamada Peste Grande de Lisboa, em 1569, circunstância que lembra a peste de Florença que determinou Boccaccio à composição do Decâmeron. No conto IX da segunda parte, declara Trancoso este motivo: «Assim o exemplo deste marquês, os que este ano de mil e quinhentos e sessenta e nove, a esta parte perdemos mulheres, filhos e fazenda, nos esforçaremos e não nos entristeçamos tanto, que caiamos em caso de desesperação sem comer e sem paciência, dando ocasião a nossa morte.22» Desta peste, que ainda hoje se conhece entre o povo como uma data histórica, a Peste Grande, subsiste uma reminiscência na chamada Procissão da Saúde, que se faz em Lisboa. Inspirado pelo fervor religioso, que sucedeu ao fim da peste, Trancoso publicou logo em 1570 um opúsculo das Festas Mudáveis, dedicado ao arcebispo de Lisboa. A redacção dos contos ficou suspensa, desde que cessou a peste: «e assim eu, ainda que tenho desejo de escrever este mês trinta histórias, as ditas para desenfadamento...» A perda de quase toda a sua família, mulher, filhos e a falta de lições, obrigaram-no durante tão tremenda crise a esses exercícios de desenfado, para se não deixar cair em desfalecimento.

95Na primeira edição dos Contos Proveitosos, de1575, de que conhecemos o exemplar único, agora examinado pelos bibliógrafos, vem uma Carta à Rainha D. Catarina, regente de Portugal e viúva de D. João III, onde se descreve o desastre da Peste Grande de1569; nessa Carta narra Trancoso, que lhe morreram em casa sua mulher, uma filha mais velha de vinte e quatro anos, um filho estudante e também um neto que era menino do coro. Sob o peso da sua desgraça é que foi escrevendo os Contos Proveitosos; pela Carta à Rainha infere-se que Trancoso casara pouco antes de1544; as suas relações com a Rainha, extremamente severa, dão-nos o sentido da alusão à morte do príncipe D. João, pai de D. Sebastião, e porventura autorizam a crer que Trancoso fora mestre de ler no Paço.

96A determinação de alguns paradigmas de Trancoso, e o confronto com contos populares ainda existentes prova-nos que ele se apropriou dos temas tradicionais mais correntes na literatura do seu tempo.

97A colecção de Trancoso compõe-se de vinte e nove contos derivados imediatamente da tradição popular na maior parte, outros de fontes eruditas, confundidos em difusos comentários católicos e dificilmente narrados; ainda assim os Contos Proveitosos são bastante importantes para o estudo comparativo.

98Em uma edição dos Contos Proveitosos de1585 impressa depois da morte de Trancoso, por seu filho Afonso Fernandes, vem um prólogo na segunda parte, que dá notícia, de que em 20 de Abril de1570 acabaraGonçalo Fernandes Trancoso a primeira parte, dedicando-a à rainha D. Catarina, que fez mercê do papel para a sua impressão, sendo-lhe passado o alvará do privilégio em data de 20 de Abril desse ano, e em 26 de Novembro de1571 ampliado à segunda e terceira parte «por ser tudo uma história». «Eu El-Rei faço saber aos que este alvará virem que, havendo respeito ao que na petição atrás escrita diz Gonçalo Fernandes Trancoso, morador nesta cidade de Lisboa, hei por bem e me praz que, no tempo de dez anos, imprimidor nem livreiro algum nem outra pessoa de qualquer qualidade que seja não possa imprimir nem vender em todos meus Reinos e senhorios nem trazer de fora deles o primeiro livro conhecido na dita petição, salvo aqueles livreiros e pessoas que pera isso tiverem seu poder e licença... etc. Lisboa, 20 de Abril de1570.» (Chancel. de D. Sebastião, Privilégios, Liv. viii fl. 255, v.)

99«Eu El-Rei faço saber aos que este alvará virem que, havendo respeito ao que na petição atrás escrita diz Gonçalo Fernandes Trancoso, morador na cidade de Lisboa, hei por bem e me praz, que ele possa vender os três livros de que na dita petição faz menção, a preço de cinquenta réis cada um, e que o privilégio que lhe tenho concedido pera pessoa alguma não poder imprimir nem vender sem sua licença o primeiro dos ditos livros, se lhe cumpra e guarde no segundo e no terceiro, por ser em tudo uma estória... Almeirim, 26 de Novembro de1571» (Chancel. de D. Seb., Priv., Liv. viii, fl. 98, v.)

100«Eu El-Rei faço saber aos que este alvará virem, que havendo respeito ao que na petição atrás escrita diz Gonçalo Fernandes Trancoso, morador nesta cidade de Lisboa, hei por bem e me praz, que por tempo de dez anos mais além doutros dez que já lhe foram dados, imprimidor nem livreiro algum nem outra pessoa de qualquer qualidade que seja não possa imprimir nem vender em todos meus Reinos e senhorios nem trazer de fora deles a primeira, segunda e terceira partes do livro conteúdo na dita petição... Lisboa, 9 de Agosto de1581.» (Chancel. de D. Seb., Privil. Liv. XIII, fl. 249, S.)

101O filho do autor, Afonso Fernandes Trancoso, obteve privilégio de mais cinco anos sobre os já concedidos, em 10 de Janeiro de1585.

102Presumível é, que a primeira parte fosse publicada isoladamente, e com a segunda se reunissem na edição de1575. É nesta, extremamente rara, que vem o Prólogo autobiográfico, dirigido à rainha:

103«Ficando eu nesta cidade de Lisboa o ano de1569, muito alta e muito poderosa Rainha nossa Senhora, a tempo que por causa da peste (de que Deus nos guarde) quase todos os seus moradores a despovoavam: vi tantas cousas que provocam os ânimos à tristeza, que quem quisera escrevê-las, tinha matéria para fazer grande e mui lastimoso Livro; porque da contagiosa enfermidade havia cada dia feridos que sacramentar, grande multidão de mortos que enterrar, e a muitos órfãos chorar. E em todos grandes necessidades que prover, a que o Senhor socorreu com pessoas virtuosas, que por seu amor o faziam: a uns por uma parte sacramentavam, outros medicavam e davam pela cidade grandes e mui copiosas esmolas, outras enterravam, que ainda que havia muitas a que acudir, não tantas as que nestas obras virtuosas se exercitavam, que não ficou cousa sem se prover, ainda que nisso morreram muitas (por mercê de Deus) não faltavam outras e outras. Neste tempo de tanto trabalho me tocou o Senhor, alcançando-me tanta parte, que perdi no terrestre naufrágio uma filha de vinte e quatro anos que em amor e em obras me era mãe, um filho estudante, um neto moço do coro da Sé; e para minha lástima perdi a mulher, que por suas virtudes era de mim amada, que foi causa de grande tristeza minha, tanto que ainda que conhecia vir-me por meus pecados da mão do Senhor, a carne que é tão fraca, com a imaginação se ia cada dia metendo em tristes pensamentos, e tais, que me desinquietavam e provocavam a grande melancolia, tanto que temi que o imaginar nos trabalhos presentes me fosse prejudicial ao corpo e alma, se Deus me não tivesse de sua mão (como por experiência adiante se viu em outros). E com este temor por fugir daquelas tristezas, determinei prender a imaginação enferma. E com ajuda de Deus Nosso Senhor, pude tanto, que ao tempo que ela queria fazer chaminé de lamentações, a tirei delas, e me pus a escrever Contos de Aventuras, Histórias de Proveito e Exemplo de alguns ditos de pessoas prudentes e graves, da qual esta é a primeira parte. E tendo-a de todo acabado, por ser já tempo de saúde e eu me achar desalivado das imaginações que foram a causa de a escrever, quiseram contentar- – me com isso e guardar o livro. Mas vendo assim ficava o proveito da obra para mi só, e entendendo que nenhum bem é perfeito, se não comunicado, determinei imprimi-lo, por que todos gozassem destes contos, os quais dando gosto aos ouvintes, não carecem de lição. Mas porém considerando como sempre (por nossos pecados) há entre nós murmuradores, que não tendo mãos para escrever, têm línguas para danar e dentes para roer, receando por minhas faltas me espedaçassem a obra, pois sem elas espedaçam e aniquilam obras de doutos varões, perfeitos e bons, buscando-lhe valhacouto firme, em que o livro estivesse seguro destes combates, achei que não há terra outra senão Vossa Real Alteza, a quem peço, que usando da sua grandeza e costumada liberalidade, que há tempo de fazer mercês, ma faça de aceitar este tratado: porque debaixo do seu favor ande seguro, ainda que indigno de tão grande mercê. E não julgue a temerária minha ousadia, que nasce do desejo de comunicar com todos o prémio de meu trabalho, esperando em Deus que sairá dele fruto virtuoso. E logo acabarei de imprimir a segunda parte: Rogando a Nosso Senhor, prospere a vida e estado de Vossa Real Alteza por longos anos com muita felicidade. Amen.»

104Vê-se por este final, que o privilégio de 20 de Abril de1570 compreendendo só a primeira parte dos Contos, fora depois em 1571 reproduzido com a segunda parte, por ser tudo uma história.

105A dedicatória à rainha reproduzida na edição de1575 ainda acompanhou a edição dos Contos de1596. No ano da peste grande, Trancoso ficara por fiador por vinte cruzados de um Francisco Lainez tendo de ir servir em África um ano; por ataque da peste morreu o Lainez estando já embarcado, e Trancoso requereu para que lhe fosse perdoada a fiança; foi atendido por alvará de 17 de Outubro de1575. Os paradigmas dos Contos Proveitosos é que nos podem dar a conhecer a extensão das reminiscências de Trancoso e a importância do seu livro. O conto do segredo revelado à mulher, do qualse serve contra o marido em um momento de cólera, acha-se na Gesta Romanorum; (cap. 144 do Violier des hist. rom.); nas Novelas de Sacchetti, n.° XXI; nas Cento Novelle antiche, n.° 100; nas Cem Novelas Novas, n.° LIII; nas Notte piacevoli, de Straparola, 1.a da primeira noite; e no livro de Chevalier de la Tour, cap. 128.

106O conto das três donzelas, que desejavam servir o rei, acha-se também em Straparola (nott. IV, fav. III), e já foi submetido a um estudo comparativo por A. Coelho.

107O conto do rapaz que resgata a cativa cristã e compra a relíquia, acha-se também em Straparola (nott. XI, fav. 2).

108O conto, o que Deus faz é pelo melhor, acha-se em uma versão idêntica no Conde de Lucanor, de Don Juan Manuel, fl. 81, V.

109O conto de minha mãe, calçotes! é uma variante do conto da Bilha de Leite, de Gil Vicente, e tem as suas raízes tradicionais no Hitopadessa.

110O conto de D. Simão, que responde a todas as adivinhações que lhe propõe o rei, acha-se ainda hoje na tradição oral portuguesa, com o título de Padre João Sem Cuidados, e existe uma versão publicada no Almanaque de Lembranças para 1866, p. 323; nas Novelas de Sacchetti, nov. IV, se acha um paradigma literário, o que torna mais extensas as suas fontes tradicionais.

111O conto IV de Trancoso, acha-se na Gesta Romanorum (Violier, p. 392); na Disciplina clericalis de Pedro Alfonso, e no Decâmeron (jorn. viii, nov. 10).

112Trancoso também traz um extenso conto da Grisélidis digno de ser comparado nos seus principais episódios com a versão de Boccaccio, e com as demais fontes já acumuladas por Edelestand du Méril. Como a versão de Timoneda no Patrañuelo seria tomada de um folheto italiano, isto explica a sua analogia com a lição de Trancoso. Nos anexins portugueses encontra-se um que parece aludir à história de Grisélidis, e por certo derivado da versão oral portuguesa:

Pelo marido vassoura, Pelo marido senhora.

113Em um jornal literário do Porto, a Harpa, analisou Ad. Coelho segundo o sistema empregado por Domenico Comparetti, o Canto XV da parte primeira Histórias Proveitosas, de Trancoso, aproximando-o dos paradigmas já reunidos por Benfey, na introdução ao Pantchatantra, § 166, seguindo assim a corrente tradicional nas versões tibetana, russa, alemã, italiana e inglesa.

114Desta análise minuciosa conclui: «Vê-se que Trancoso não pode tirar o seu conto de nenhuma de essas formas conhecidas, nem das imediatamente anteriores, e como o conto não se acha em nenhuma das colecções antigas de contos e novelas que maior giro tiveram na Europa, torna-se muitíssimo provável, podemos dizer, quase indubitável, que ele bebesse na tradição oral portuguesa, para onde ele viria por algum dos muitos canais, que cá trouxeram grande número de contos orientais.» Era esta a nossa opinião, que Coelho começou por combater no seu estudo: «Nada mais difícil a nosso ver, do que provar que Trancoso bebeu na tradição popular, nenhum testemunho directo no-lo afirma...»

115O segundo conto analisado por Coelho foi o das três irmãs, e indica-lhe fontes árabes, florentinas, sicilianas, húngaras, alemãs, gregas, catalãs, e três versões populares do Minho, de Coimbra e de Castelo Branco; e conclui que Trancoso só poderia ter conhecido unicamente a forma literária de Straparola.

116A colecção dos Contos de Trancoso compõe-se de três partes, interrompida pela morte do autor; a primeira parte deve fixar-se por 1544, e talvez impressa separadamente, como se poderá inferir de uma edição desconhecida, citada por Brunet.

117A segunda parte, redigida em 1569, foi reimpressa ainda em vida de Trancoso com a primeira em 1575; a terceira parte, não continuada, apareceu depois da morte do autor, publicada por seu filho António Femandes em 1596. Por estas edições se conhecem as relações literárias de Trancoso com o poeta Luís Brochado, autor das popularíssimas Trovas do Moleiro. Além das numerosas edições deste livro, nos séculos XVII e XVIII, acham-se também muitas referências aos Contos nas comédias de cordel.

  • 23 Annalis Campidenenses.–Nic. Frischlini, Comedia; Hildegardis magna.–Cf. Vinc. Bellovac., Sp. Hist.v (...)

118O conto da Imperatriz Porcina foi romanceado por Baltasar Dias, poeta cego do tempo de Dom Sebastião, e o mais popular depois de Gil Vicente. Coube-lhe a sorte dos Demódocos; a cegueira deu-lhe o profundo carácter do sentimento popular. As origens históricas deste romance encontram-se nas Lendas Alemãs, de Jacob Grimm, (t. II, p. 120) sob o título de Hildegarda: «O imperador Carlos partira para a guerra, deixando em casa a bela Hildegarda sua mulher. Durante este tempo, Taland, cunhado de Carlos, esperou que ela acedesse a seus desejos. Mas a virtuosa princesa antes queria morrer, do que ser infiel ao esposo; dissimulou contudo, e prometeu ao infame de consentir, logo que construísse de propósito uma linda câmara nupcial. Imediatamente Taland mandou construir a todo o custo um magnífico quarto de mulher, fechado por três portas, depois pediu à rainha que o acompanhasse até ali. Hildegarda fingiu que o seguia, e obrigou-o a entrar primeiro. Quando transpôs os umbrais da terceira porta, ela a fechou de súbito e correu um pesado ferrolho. Taland permaneceu fechado na prisão até à volta de Carlos, depois da vitória sobre os Saxões. Então, comiserando-se dele, e cedendo a hipócritas súplicas, o pôs em liberdade pensando que fora assaz punido. Mas logo que Carlos o viu, perguntou porque estava assim tão magro e pálido. «Culpa de vossa esposa ímpia e impudica, respondeu Taland; quando ela descobriu a solicitude com que eu a vigiava, e se viu impossibilitada de cometer faltas, mandou construir uma nova torre e ali me teve preso.» O rei ficou vivamente comovido com aquela nova, e num momento de cólera ordenou à sua gente de afogarem Hildegarda. Ela fugiu, e foi ocultar-se em segredo em casa de uma de suas amigas; mas logo que o rei descobriu o refúgio, deu novamente ordem para a conduzirem a uma floresta, de lhe vazarem os olhos, e de a banirem em seguida do território. O que sucedeu? Quando a gente do rei a levava, encontraram no caminho um cavaleiro da casa de Freudemberg, que a condessa Adelgemd, sua irmã, enviara encarregado de uma mensagem para Hildegarda. Logo que viu que perigo corria a rainha, arrancou-a das mãos dos algozes, e lhes deu o cão que o havia seguido. Tiraram os olhos ao cão e os levaram ao rei como prova de haverem cumprido as suas ordens. Salva deste modo Hildegarda pelo socorro de Deus, veio a Roma em companhia de uma nobra dama, chamada Rosina, e exerceu ali com tanta felicidade e sucesso a medicina, que aprendera e praticara durante a vida, que em breve alcançou uma grande nomeada. No entretanto Deus puniu a impiedade de Taland tomando-o leproso e cego. Ninguém o podia curar; alfim ouviu dizer que em Roma uma mulher célebre pelos seus conhecimentos médicos, curava muito bem aquela doença. Quando Carlos veio a Roma, Taland o acompanhou, indagou a morada da mulher, disse-lhe o nome, e pediu para a sua doença os socorros da arte, sem saber que estava falando à rainha. Hildegarda ordenou que confessasse os seus pecados a um padre, fizesse penitência, e que depoisexperimentaria nele a virtude da sua arte. Taland seguiu o conselho, confessou-se, veio procurá-la e ela lhe restituiu a saúde. O papa e o rei ficaram tão maravilhados da cura, que desejaram ver a mulher que a praticara e a mandaram chamar. Ela obedeceu, mas com com a condição de no dia seguinte entrar para o Convento de São Pedro. Foi ao Paço e contou ao rei seu senhor como fora traída. Carlos reconheceu-a com alegria, e a tomou a tomar como mulher; mas condenou à morte seu cunhado. Contudo a rainha, a poder de rogos, obteve que lhe poupassem a vida, e assim ficou somente abandonado à miséria.»23

119De onde viria esta tradição ao conhecimento de Baltasar Dias? Seria talvez dos exemplos que se usavam então nos sermões? É certo, que como esta chegaram até nós muitas lendas da Idade Média, como o conto de Grisélidis que traz o Trancoso, vindas talvez por Espanha. O romance da Imperatriz Porcina ainda hoje anda no jyegão dos cegos e faz as delícias do nosso povo. Dá-se com ele o facto notável de ser na tradição oral mais breve e por isso mais lindo.

  • 24 Lê-se no volume i do Panorama: «publicou um grande número de Autos e outras obras, humildes pelo es (...)
  • 25 Dic. Bibl., vol. i, Baltasar Dias.
  • 26 Garrett, Romanceiro, t. iii, pág. 19. O Snr. Inocêncio dá-o como original de Baltasar Dias.

120A História da Imperatriz Porcina, tão querida, reimpressa, procurada e apregoada, tornou-a clássica em Portugal esse infeliz cego, natural da Madeira, o Gil Vicente do tempo de D. Sebastião, povo no seu estilo e cego como ele no mundo; foi por isso que o povo o compreendeu como irmão, e se consolava com as fantasias que ia criando na solidão em que se achava. Ainda hoje os artífices das vilas e arrabaldes das cidades encontram uma distracção predilecta no Auto de Santo Aleixo e no Auto de Santa Catarina de Baltasar Dias.24 Pertence-lhe também o Auto da Malícia das Mulheres25, e essa pérola perdida e modernamente desencantada pela vara mágica de Garrett, que a salvou no terceiro tomo do seu Romanceiro, o Marquês de Mântua, apeado do proverbial barbante em que tantos anos cavalgou, despindo-o do papel pardo em que o traziam os vendilhões de feira e os cegos andantes; salvou este venerando romance do ciclo de Carlos Magno, mau grado o desdém supercilioso de hieráticos académicos.26 O romance é de origem francesa; inclinamo-nos a crer que viesse de Espanha, deixando o carácter épico que lá tinha depois de dramatizado ao gosto popular por Baltasar Dias.

121O nosso Marquês de Mântua, que anda na literatura de cordel, tinha sido transcrito na colecção do Cavaleiro de Oliveira, com uma variante no princípio; Baltasar Dias o traduziu dos pliegos sueltos espanhóis. Nas notas de Dom Quixote, Pellecier atribui-o a Geronimo Trevino, mas Ochoa (Tesoro, p. 12, not. 3) apenas o julga como editor, que lhe deu correcção e modificou o original antigo, fundado no encontro das consoantes forçadas, não usadas pelos poetas do século XIV e XV. Nos romanceiros espanhóis anda dividido em três partes; na primeira encontra o marquês seu sobrinho Baldovinos ferido mortalmente, que lhe conta a traição de Carloto, e a vingança que jura; o segundo romance conta a embaixada a Carlos Magno para lhe pedir justiça contra seu filho, e a execução da sentença contra Carloto; o terceiro é o funeral de Baldovinos. Baltasar Dias transformou os três romances em um só, reduzindo igualmente as descrições épicas a rubricas dramáticas, servindo-se das falas para o diálogo. Por aqui se vê quase o processo artístico como o nosso poeta foi naturalizando e melhorando os romances espanhóis. Quando Garrett sacou do lixo da Feira da Ladra esta pérola, ainda não sabia quem era o autor.

  • 27 Ticknor, Histoire de la littérature espagn., pág. 223.
  • 28 Victor Le Clerc, Discours sur l’état des letlres en France au quatorzième siècle, pág. 53.

122A Formosa Magalona, que pertence à influência do romance cavalheiresco francês sobre a Península,27 depois de havê-la vertido por seu turno a Espanha, chegou até nós. A Formosa Magalona, que andou entre nós tanto tempo montada no cordel do cego andante, e agora passou para a canastra do vendedor de fósforos, foi, segundo Victor Le Clerc, escrita primitivamente em provençal ou em latim, no século XIV, pelo cónego Bemard de Triviez. É um dos mais correctos de todos os contos populares, e dizem que aos catorze anos Petrarca lhe retocara o texto.28 O tradutor português alterou-lhe o título antigo – Histoire de Pierre de Provence et de la belle Maguelone. As traduções à letra não eram conhecidas na Idade Média. Apontamos aqui um excelente subsídio de estudo:

123Historia Dily Niebel e Viglion Cavalier, Pieder de Provenza e delia Biala Magelona, Prinzessa de Neapel (versão sursélvica). Na Zeitschrift für romanische Philologie, 1881. V Band. 4 hept. (pp. 480 a 497).

IV) Os contos no século XVII: Rodrigues Lobo e D. Francisco Manuel de Melo. A tendência moralista ampliando os contos

124No século XVII o conto recebia em Portugal duas poderosas influências; Francisco Rodrigues Lobo, na Corte na Aldeia, procurava submetê-lo às regras literárias, discriminando os seus géneros e estabelecendo o modo de narrá-lo; por outro lado Saraiva de Sousa, no Báculo Pastoral, o padre Manuel Bernardes na Floresta e Estímulo Prático limitam o conto no destino ascético, e Vieira na intenção moral.

125No diálogo X da Corte na Aldeia, traz Rodrigues Lobo a História dos Amores de Aléramo e Adelasia, da qual diz um dos seus interlocutores: «poderá servir – no modo como se devem contar outras semelhantes, com boa discrição das pessoas, relação dos acontecimentos, razão dos tempos e lugares, e uma prática por parte de alguma das figuras, que mova mais a compaixão e piedade, que isto faz dobrar depois a alegria do bom sucesso. – Esta diferença me parece que se deve fazer dos Contos para as Histórias, que elas pedem mais palavras que eles, e dão maior lugar ao ornamento e concerto de razões, levando-as de maneira que vão aperfeiçoando o desejo dos ouvintes, e os Contos não querem tanto de retórica, porque o principal em que consistem é na graça do que fala, e na que tem de seu a coisa que se conta.» Em aplicação destas regras apresenta a História dos Amores de Manfredo e Eurice, à imitação dos novelistas italianos, com divagações de estilo retórico, para confrontá-las com as narrativas populares «com mais bordões e muletas do que tem uma casa de romaria, porque me não escapam termos das velhas, nem remendos de descuidados, que lhe não misture.» Em seguida exemplifica o processo com uma história contada com o erro do costume dos ignorantes:

  • 29 Op. cit., pág. 146.

126«Dizem que era um rei; vem este rei casou por amores com a filha de um seu vassalo; era ela tão fermosa, que podia por sua beleza ser confiada, pois por essa alcançara o ser rainha; mas sem lhe valerem esses privilégios, deu em tão ciosa, que bem à mão, não dava o marido um passo que ela não acompanhasse com as suas suspeitas; assim que apertavam estas tanto com ela, que jamais vivia em paz, com seu gosto. Vem ela, e por vencer esta desconfiança, vai e manda secretamente chamar uma feiticeira, que naquela terra havia, de muita fama, em cujo engano achavam os namorados uma botica de remédios para seus males. Assim que dizia esta feiticeira por lhe vender mais cara sua diligência, feitas algumas fingidas, meteu em cabeça à boa rainha ciosa, que o marido amava com grande extremo a uma criada sua, que ela pintou logo a mais galante, airosa, galharda e bem-assombrada, que havia no Paço. Quando ela aquilo ouviu, ficou (guarde-nos Deus) como uma mulher transportada e sem sangue; por maneira que prometeu àquela feiticeira que lhe faria e aconteceria se a desafeiçoasse ao rei daqueles amores e empregasse nela todos os seus: a outra, que não queria mais que aquilo, vede vós como ficaria contente, vem e promete à rainha que lhe daria três águas conficionadas, de tal maneira que uma, tanto que el-rei a provasse, bebesse logo os ventos por ela, e lhe quisesse mais que o lume dos olhos com que a via; a outra, que em a rainha a bebendo, parecesse a seu marido o maior extremo da formosura, que havia no mundo; a terceira, que tanto que a dama a bebesse, a desfigurasse de maneira que a todos aborrecesse a sua vista. As palavras não eram ditas, a rainha lhe deu muitos haveres e fez grandes mercês e promessas, que muito fácil é de enganar a que deseja aquilo com que lhe mentem. Vai a feiticeira dali a poucos dias, e traz aquelas águas conficionadas, encarecendo muito a virtude e segredo delas; mas ou porque lhe errou a têmpera ou porque todas se resolvem nestas boas obras, a mudança que ela queria houvesse na vontade e nos pareceres, lhe houveram de fazer na vida, que a peçonha, que é sempre material dos seus unguentos, penetrou de maneira que os teve a todos três em passamento, e a bem livrar ficaram daí a poucos dias sem juízo. Inda bem a feiticeira não soube o dano que fizera, e que por não trazer a mão certa naqueles adubos podia vir a estado de a porem na da justiça, desapareceu. Eis senão quando, se ajuntam todos os médicos eminentes que havia no reino, e depois de muitos meses de cura (olhai vós quantas se fariam a tais pessoas) foram pouco e pouco cobrando os sentidos e entendimento; e com a força do mal lhes caiu a todos o cabelo da cabeça, sem lhes ficar um só. E não foi tão ruim o partido, como era ter cabeça sem ele quem antes o trazia sem ela. Tornando ao meu propósito, tanto que a rainha se viu desfigurada, conhecendo o desatino que fizera, dando todas as culpas ao amor, confessou seu erro, a criada sua inocência, e o rei sua desgraça; dali em diante, conformando-se como exemplo daquele sucesso, fizeram vida sem ciúmes, que deles e de casamentos por amores não escapam senão com as mãos nos cabelos, ou com eles pelados.»29

127Rodrigues Lobo continua definindo os diferentes géneros de contos: «A noite... se tocou nesta conversação o modo que havia de ter o discreto em contar uma história, fugindo muitos vícios e bordões que os néscios tem nelas introduzidos, e como em dependência desta matéria, se falou nos Contos galantes, que tem delas muito grande diferença: pois eles não consistem mais, que em dizer com breves e boas palavras uma cousa sucedida graciosamente. São estes contos de três maneiras. Uns fundados em descuidos e desatentos, outros em mera ignorância, outros em engano e subtileza. Os primeiros e segundos têm mais graça e provocam mais o riso, e constam de menos razões, porque somente se conta o caso, dizendo o cortesão com graça própria os erros alheios. Os terceiros sofrem mais palavras, porque deve o que conta referir o como se houve o discreto com o outro que o era menos, ou que na ocasião ficou mais enganado.» «Além destas três ordens de contos, de que tenho falado, há outros muito graciosos e galantes, que por serem de descuido de pessoas, em que havia em todas as cousas de haver o maior cuidado, nem são dignos de entrar em regra, nem de serem trazidos por exemplos; a geral é que o desatento, ou ignorância, donde menos se espera tem maior graça. Atrás dos contos graciosos se seguem outrosde subtileza, como são furtos, enganos de guerra, outros de medos; fantasmas, esforço, liberdade, desprezo, largueza e outras semelhantes, que obrigam mais a espanto que a alegria; e posto que se devem todos contar com o mesmo termo e linguagem, se devem neles usar palavras mais graves que risonhas.» «Os contos e ditos galantes devem ser na conversação como os passamanes e guarnições nos vestidos, que não pareça que cortaram a seda para eles, senão que cairam bem e betaram com a cor da seda ou do pano sobre que os puseram; porque há alguns que querem trazer o seu conto a remo quando lhe não dão vento os com que pratica, e ainda que com outras cousas lhe cortem o fio, torna a teia e o faz comer requentado; tirando-lhe o gosto e graça que podia ter se caíra a caso e propósito, que é quando se fala na matéria de que ele trata, ou quando se contou outro semelhante. Assim convém muita advertência e decoro para os dizer, outra maior se requer para os ouvir, porque há muitos tão sôfregos do conto ou dito que sabem, que em o ouvindo começar a outrem ou se lhe adiantam, ou o vão ajudando a versos como se fora salmo o que a mim me parece notável erro...» «também eu não sou de opinião, que se um homem souber muitos contos ou ditos de uma mesma matéria que se falou, que os traga todos ao terreiro como jogador que levou rifa de um metal, mas que deixe lugar aos outros, e que não queira ganhar o de todos, nem fazer a conversação só consigo.» Rodrigues Lobo conhecia a colecção espanhola de Timoneda, El Sobremesa y Alivio de Camihantes (1576), que tomava por tipo:

128«Antes me parecia a mim, que assim dos contos galantes, ditos engraçados e apodos risonhos, se ordenasse que em uma destas noites, tomando um propósito, cada um contasse a ele o seu conto, e dissesse o seu dito: e seria um modo extremado para se tirar outro novo Alivio de Camiñantes, com melhor traça que o primeiro.» (Corte na Aldeia, Diálogo XI.) Na tradição popular portuguesa temos encontrado contos que aparecem no Alivio de Camiñantes, tais como: A Mulher Afogada que o marido busca indo contra a corrente do rio (Vol. i, p. 256); Tudo Andaremos (I, p. 263); Não Lhe Dar com o Tom (n.° 37); as Orelhas do Abade (i, p. 266); Para Quem Canta o Cuco? (p. 262); e o Cego Que Recobra o Seu Tesouro (p. 239).

129Como Rodrigues Lobo, também D. Francisco Manuel de Melo soube inspirar-se nas tradições populares, que tanto nacionalizaram a época quinhentista. Nas suas Cartas alude por vezes D. Francisco Manuel de Melo aos contos ainda hoje correntes na tradição oral: «E ainda que virei a ser aquela

Dona atrevida,
Doce na morte
E agra na vida.»
(Op. cit., p. 67)

130Em outro conto (Cent. II, p. 74), alude às trovas de Maria Castanha, tipo já afamado pela novela picaresca da Lozana Andaluza: «Só vos peço, pois ides para terra de muitos castanheiros, que não caseis por lá com alguma Maria Castanha.» Também faz referência ao conto dos Frangãos e do Milhafre. (Ib. p. 215). Nos Apólogos Dialogais traz: «mas andas falando como quem bebe por púcaro pedrado, ou como a história do Salsinha, que não haver de dizer sim nem não, é um maldito costume.» (Ib. p. 260). Na Feira de Anexins cita o proverbial Conto da Carochinha: « – Esperai, contar-vos--ei uma história – A da Carochinha? – Não! procurai outra mais cara, que essa é muito barata? – Pois digo-lhe que ainda com a carocha, é essa história o feitiço das crianças.» (Op. cit., p. 8). O escritor seiscentista não escapou ao espírito da época, aproveitando os equívocos de caro e Carochinha, conto contrastando com a insígnia trágica da Carocha ou mitra de papel que levavam os condenados aos autos-de-fé. Na Égloga I (Sanfonha de Euterpe, p. 60) faz sentir a predilecção das mulheres fantasiosas:

Destas que lêem por patranhas,
Suspiram Motes de cor,
Entendem falas estranhas,
Quer de amor’s quer de Façanhas Livre-nos Nosso Senhor.

131Nas Obras Métricas tratou muitas fábulas, e é sempre com intenção artística, que D. Francisco Manuel usa os anexins vulgares. Nas Cartas (Cent. IV, n.° 81): «Já ouvi que não havia amigos em tempo de figos; mas não em tempo de figas. Digo-o, senhor meu, porque estão-no-las metendo nos olhos estes Brichotes...» O anexim: Cantar mal e porfiar, é derivado da fábula do corvo querendo cantar como a filomela, vulgarizado pelo Dialogus Creaturarum de Nicolau de Pérgamo. (Ap. Du Méril, Hist. de la fable, p. 152, not.).

132O pai de D. João IV, D. Teodósio II, duque de Bragança costumava distrair-se nas suas insónias ouvindo contos do seu guarda-roupa António Mouro, como se lê nas Provas da História Genealógica: «Contava muitas histórias ao Duque, sem prejuízo de pessoa com que aliviava muito ao Duque de suas menencorias, que nunca faltavam, e como o Duque dormia pouco, as mais das noites gastava nestas cousas.» (Prov., t. VI, n.° 165).

  • 30 Carta de 11 de Nov. de1566 (Corpo Diplomático, t. XIII, p. 372). Nesta data já havia sete dias que (...)

133Em carta de Francisco de Sousa Coutinho a D. João IV: «cheguei a tempo em que quando V. Maj. era servido de o reparar honrando-me com algum título lho não houvera de aceitar; sou já velho para mudar de nome e sou muito conhecido pelo meu. Sei bem que diria a Vossa Majestade, quem isto ouvisse, o que dizia a Raposa, de que eram verdes as uvas, mas pela mesma vida de V. Maj. juro que o digo do meu coração...»30

  • 31 Nos Sermões improvisados do P. António Vieira, ele intercalava anedotas e casos, com que tornava in (...)

134Nos Sermonários e obras ascéticas do século XVII, tão retórico nos países católicos, os contos tradicionais e populares receberam uma exclusiva intenção moral, continuando pelas necessidades da casuística a explorarem os Tesouros de Exemplos dos pregadores da Idade Média. O livro de Francisco Saraiva de Sousa, intitulado Báculo Pastoral é um apanhado de uns contos de matéria predicável31; aí se encontra o conto do filho do rei a quem incutiram a ideia de que as mulheres eram os demónios, (Novellino, n.° XVI); o do príncipe castigado pelo mestre na pessoa de seus doze amigos (Novellino, n.° XLVIII), a adaptação portuguesa da lenda do Pajem de Santa Isabel. Também o ascético padre Manuel Bernardes, no Estímulo Prático, apresenta o conto dos três cegos que entre si conversam, imitando o seu estilo popular; na Floresta, trás o apólogo das Cotovias (I, p. 70); o Cavaleiro de Rodes (I, 355); a Mulher Marinha, (I, p. 403); o Anel de Bênção, (II, 158); o Animal Agradecido (II, 158); os Três Beijos (II, 228), e outros muitos nos Sermões e Pão Partido em pequeninos. Também nas comédias de Simão Machado encontram-se metrificados pequenos contos da tradição clássica.

135O poemeto Gaia, de João Vaz, de Évora, é apreciável como elaboração literária de uma lenda árabe, que penetrou como relação histórica nos Livros de Linhagens. A lenda da Donzela da Torre, que segundo Menéndez y Pelayo, se referiria à fuga de D. Teresa, irmã de D. Afonso V de Leão, para casar com um rei mouro, foi tratada como episódio por D. Bernardo Ferreira de Lacerda no poema Espana Libertada, na parte I, canto IV, em 49 estâncias. A infanta é aí chamada D. Ximena. Lope de Vega dramatizou esta lenda heráldica dos Teles de Meneses nas duas comédias famosas Los Telles de Menezes e Valor y fortuna y lealdade de los Telles de Menezes, 1635. (Parte XXI). Menéndez y Pelayo acha nesta lenda a síntese da independência do povo trabalhador e honrado ante a fidalguia orgulhosa; confirma-o a cantiga portuguesa:

Alfaiates não são homens,
Sapateiros também não;
Homens são os Lavradores
Que enchem a casa de pão.

  • 32 Satisfação de Agravos e Confusão de Vingativos, por modo de Diálogo, entre um Ermita e um Soldado. (...)

136O conto na forma literária desenvolve-se prolixamente em volumosas novelas, em que o estilo consiste em cada período diluir-se em impertinentes acessórios. São tipos do género os Infortúnios Trágicos da Constante Florinda de Gaspar Pires Rebelo, 1665. Compete com este insulso moralista, o padre Mateus Ribeiro, com o Alívio de Tristes, Consolação de Queixosos, (1688) e a Roda da Fortuna e Vida de Alexandre e Jacinta (1695). Bem mereciam o epíteto de carros de palha, que Carlyle aplicava a um erudito inglês. Os Jesuístas levaram o género até à insânia32. Eram os pródromos do romance moderno, que se iniciara na literatura inglesa.

137Os livros populares portugueses de folha volante, que se vendiam pelas feiras, na arqueta do belfurinheiro, ou no barbante do cego, foram também condenados pelos meticulosos da censura inquisitorial: «Os vendedores de Autos e Cartilhas, não vendam, nem comprem para vender, outros livros sem primeiro os mostrarem ao Revedor: porque algumas pessoas escondidamente têm alguns livros, que eles compram e vendem, sem saber o que há nos tais livros, e se seguem disso inconvenientes: e há informação, que nas tais tendas, se acham livros suspectos e prejudiciais. E os solicitadores do Santo Ofício visitarão algumas vezes os ditos lugares e farão saber ao Revedor, os livros que ali se vendem. O mesmo se fará dos livros que se vendem nas feiras.» (Index de1581. Mais implacável foi o Índex de1621).

V) Do século xviii ao Romantismo – Os livros populares – O conto com intuito pedagógico condenado por Garrett

  • 33 Op. cit., p. 441.
  • 34 Ibid., p. 511.
  • 35 Obras, p. 342.
  • 36 Ibid., t. III p. 60. Por este texto se vê a verdade da nossa interpretação do texto de Jorge Ferrei (...)

138Apesar da profunda decadência da Literatura portuguesa no século XVIII pela ininteligência dos escritores quanto ao elemento tradicional, os contos de Trancoso, mau grado o desdém com que os Jesuítas o citam na polémica com Verney, continuaram a ser lidos com sofreguidão, e alguns poetas como Filinto e Nicolau Tolentino, aludem ao grande interesse que ainda tinham os contos populares. Na comédia de cordel Incisão da Peraltice acham-se citados os contos de Trancoso, e mesmo no Folheto de Ambas Lisboas, n.° 25: «O dote dela consta de memórias, sem serem dos dedos, mas sim de Contos de Trancoso...» E Filinto Elísio, nas notas da tradução das Fábulas de La Fontaine, repete: «Conta de in illo tempore: Como os Contos de Trancoso, do tempo de nossos avoengos.»33 Este poeta ultraclássico, pela sua origem plebeia conservava certas reminiscências tradicionais; assim alude a vários contos: «João Ratão e a Princesa Doninha... Sem contar outras personagens, que não é muito que me esqueçam (por mais doutrinais que sejam) contos que ouvi contar há mais de setenta e dois anos!»34 «Contem-me Pele de Asno... conto em França tão conhecido como entre nós o das Três Cidras do Amor.»35 Filinto, nas notas dispersas pelas suas obras, à maneira de uns Tischreden, ou cavacos à mesa, faz alusões importantes à novelística e literatura popular: «Com o título da Gata Borralheira contava minha mãe a história da Cendrillon. E nunca minha mãe soube francês.»36 A mãe de Filinto tinha sido uma tricana de Aveiro; pelas passagens supracitadas, vê-se que Trancoso era ainda bastante lido pelos nossos avoengos, como o confirmam as edições das Histórias Proveitosas de1710, 1722, 1734 e 1764. O gosto popular foi desvairado por novas leituras, mas a predilecção do conto oral conservou-se mesmo nas classes aristocráticas em Portugal; diz Nicolau Tolentino, aludindo aos contos de fadas que contava à marquesa de Alegrete, na sua infância:

  • 37 Obras de Nicolau Tolentino, p. 93. Ed. Castro Irmão.

Quando eu a teu pés contava,
Mentiroso historiador,
Ora a do Caixão de Vidro,
Ora a das Cidras do Amor.
Quando os mesmos tenros anos
A tua filha contar,
Todos os dias virei
Meu ofício exercitar37.

139Em outras passagens dos seus versos alude a esta predilecção familiar:

Contando histórias de Fadas
Em horas que o pai não vem,
E co’as pernas encruzadas
Sentado ao pé do meu bem
Lhe dobo as alvas meadas.
(Ib., p. 262.)
São divertimento inútil,
São as histórias de fadas.
(Ib., p. 122.)

140O conto não foi desprezado pela literatura ascética do século XVIII, que se apropriou de elementos de erudição; o padre Manuel Consciência, na Academia Universal de Vária Erudição, traz o conto dos ladrões que foram ao Tesouro de Rampsínito, narrado por Heródoto. Encontrámo-lo na tradição oral açoriana, em que um rei manda escutar pelas portas para descobrir onde se chora e assim descobrir-se a família do morto. Ouviu-se chorar em uma casa, bateram à porta, e nisto um dos filhos, que estava desmanchando um porco, deu com um machado num pé, e assim se encobriu o motivo verdadeiro por que se chorava. Na Hora de Recreio do padre João Baptista de Castro vêm alguns contos tradicionais, que já aparecem em colecções anteriores, como o da Quarta de Leite (p. 29), a Velha Que Dá o Que Tem à Filha (p. 81), O Cego e o Moço Comendo Uvas (p. 125), o Estudante Que Furta a Roupa do Transeunte (p. 130), e o conto decamerónico do Marido Que Confessa a Mulher (p. 16). O conto do estudante que se substitui ao burro que vai à feira, e do qual se originou o adágio Quem não te conhecer que te compre, já contado por Bluteau, acha-se outra vez narrado na Hora de Recreio (vol. ii, p. 13).

141Os contos tornaram-se raros e foram deixando de ser lidos, ao passo que entre o povo se vulgarizaram as folhas volantes traduzidas do espanhol desde o governo dos Filipes, tais como a Donzela Teodora, a Formosa Magalona, o Roberto do Diabo, a História de Carlos Magno, os Sete Infantes de Lara, que formam a base da literatura popular portuguesa; outros escritores, como Baltasar Dias, descobriram também o segredo de se apoderar da imaginação do povo, e é deste poeta cego a elaboração literária da grande lenda de Crescência, conhecida e ainda vigente em Portugal sob o título de História da Imperatriz Porcina. As aventuras de Bertoldo, Bertoldinho e Cacasseno foram traduzidas do italiano; resumiu-se do francês a História de João de Calais, (renovação do conto do Morto Agradecido); e o velho conto oriental dos três irmãos corcovados assimilado sob o título de História dos Três Corcovados de Setúbal.

  • 38 Por exemplo: as Parábolas de Sindabar. Vid. Ensaio sobre as Fábulas Indianas, de Loiseleur des Long (...)
  • 39 Fabliaux, t.III.–Vid. Charles Nizard, Hist. des livres populaires, t.i, pág. 267.

142A História dos Três Corcovados de Setúbal é uma imitação do conto popular francês Histoire des trois bossus de Besançon, já variante da que vem nos Contos Tártaros de Gueullette, e derivada das Notte piaccevoli de Straparola. (Nott. V, fol. 3.) A introdução das fábulas orientais na Europa, de que há vestígios sensíveis nas Gesta Romanorum, na Disciplina clericalis e no Conde de Lucanor, caracteriza-se neste conto dos Três Corcovados, pelo episódio dos afogados, frequente nas criações imaginativas do Oriente38. Talvez que a sua primeira forma seja a dos Trois Bossus de Durand, trovista do século XIII, inserta na colecção dos Fabliaux de Barbazan39.

143É possível que o conto andasse no Decâmeron popular não escrito dos nossos serões, introduzido pelo uso dos Exemplos da Idade Média; sua vulgarização entre nós é proveniente da especulação, e pode dizer-se que as variantes são devidas à ignorância dos tradutores, e à actualidade que procuram dar-lhe acomodando-o a novos lugares.

144A vulgarização crescente destes opúsculos explica-nos porque é que os Contos de Trancoso deixaram de ser lidos pelo povo; a classe média foi também desviada do seu gosto pela difusão de deploráveis traduções dos mais deslavados romances franceses. A lenda de Roberto do Diabo, tradução abreviada da Vie du terrible Robert le Diable, le quel après fut nommé l’Homme Dieu, vulgarizou-se no – mercenário pregão do cego andante, – aceitando-o o povo com o interesse pelo prestígio diabólico e da conversão piedosa. Acha-se proibida no Índice Expurgatório de1581.

145Quem não conhece esse aventuroso João de Calais, que faz as delícias dos sapateiros remendões, e que tem um favor público por todas as aldeias, que ninguém lhe disputa, e à sombra do qual se vai arreando de ano para ano com edições sucessivas? É um romance moderníssimo, do século XVIII, escrito por Madame Gomez (Madeleine-Angélique Poisson). Quando se fará uma edição dos raros folhetos da nossa Literatura de cordel, com a dos Volksbücher de Görres?

146Filinto Elísio, apesar de todo o seu classicismo horaciano, pela sua origem plebeia nunca esqueceu a poesia das tradições com que fora embalado. Na Carta Defeitos da Filosofia (Obr., I, 148) descreve com simpatia as seroadas portuguesas ante o espírito crítico do começo do século XIX:

Enquanto nossos pais, nossos avós.
Encostados na fé do padre cura,
Criam Fadas, Duendes, criam bruxas.
Que felizes que foram! Que sossego
Lhe adormentava então o entendimento!...
Junto do lar ardente, em cujo cerco,
Baixas as testas, corpos bem cerrados,
Toda a família nos serões do Inverno
Embelezada nestas ventoinhas
Inquilinas do mundo imaginário,
Não sente o como ronca, esbravejando
O vento pelo trémulo arvoredo,
Nem como a telha-vã remexe e grita
Por saltante pedrisco fustigada.
Apenas, quando vai o Conto em meio.
Arreda do leitor um tanto os olhos
Para dar um meneio à frigideira
Ou virar o bom lombo que repinga.
Um Cavaleiro que a viseira cala,
Embraça o seu broquel de amante mote,
E vai correr o mundo confiado
Na aguda lança e na cortante espada;
Que acomete arriscadas aventuras
Por livrar encantadas formosuras
De mimosas Princesas; de esquecidas
Masmorras retirar ao claro dia.
Um Montesinhos, guapo Cavaleiro,
(Saudades da mísera Belerma)
Que para o conquistar, em campo afronta
Gigantes, Malandrins, Dragos, Duendes,
E de toda a refrega sai com brio.
Descrever (como digo) esas proezas
Era o talento de uma sábia pluma
Estimada na Corte e na cidade;
Farta leitura de Vilões e nobres...
De Carlos Magno o folheado livro,
C’os Doze Pares, de esforçado pulso...
Em duros corações que temos golpes
Não deram sempre as lágrimas pudicas,
Os saxífragos rogos da formosa
Lastimada Floripes’1 Qual fé nunca
A dama bem-nascida, bem-criada.
Que lendo na Novela os altos feitos,
Galhardias de justas e torneios,
As belas delicadas e vencidas
Não bebesse vanglória e bons desejos
De correr semelhantes aventuras,
A desconto de um susto, em negro bosque
De um assalto de amor em leito ou cerco?
Que cousa há i nas matas espinhosas
Dessa magra e subtil Filosofia
Que emparelhar se atreva c’um bom Conto
De Fadas, c’o condão de uma varinha?
Numa volta de mão c’um leve toque
Dessa bendita Vara milagrosa
Vos faziam sair lá das entranhas
Da terra obediente altos Palácios
De alabastro com seus capitéis de ouro
Engastados de fina pedraria
Sumptuosos jardins, fontes, passeios
Que recheiam, que servem, que aformosam
Mil pajens cortesãos, mil ninfas belas.
De uma casca de noz cair a rodo
As perlas em chuveiro, as esmeraldas,
São prodígios que pasmam, que divertem...
Nem conto os ânimos, músicas e amores
Surdindo da caverna mais escura
Que as Princesas amantes, pensativas
Na solidão maviosa deleitavam.
Oh ricas Fadas, rico encantamento,
Enleio dos sentidos agradável,
Com que saudade crua, e com que
Vos choro, de entre nós afugentadas
Por esses maus Filósofos esquivos
De todo o bom saber, toda a delícia
De entretida lição, de útil estudo!

147Quando Filinto escrevia esta carta a José Bonifácio de Andrada, que em missão científica viajava pela Alemanha, os exímios filólogos Jacob e Guilherme Grimm encetavam o estudo científico da Novelística, criando uma nova compreensão do passado.

148Na sátira Esfuziote, consolando o seu amigo Sebastião Barroco de uma decepção de amor, exclamava:

– Sempre os valentes,
Bem o sabes, valeram mais co’as fêmeas,
Que os sábios cidadãos, que os virtuosos,
Esta paixão privou com elas sempre;
Esta fez, que as Princesas das Novelas
Prezassem mais que tudo o ser amadas
Dos andantes basbaques Cavaleiros,
Só por que eram brigões, e prometiam
Lançar-lhes, por fineza, aos pés rendidas
Mil testas de Gigantes encantados;
E porque nos torneios e nas justas
Para a sua Senhora ter a palma
De mais formosa, entre as Senhoras todas,
Faziam confessá-lo assim aos outros,
Ou a botes de lança em lide honrada
Lhes faziam morder raivando a terra.
Assim durou té’gora incontestada
Esta razão de avaliar amantes...
(Obra, t. v. p. 240.)

149No período do Romantismo, em que as literaturas modernas se aproximaram das suas fontes tradicionais, também Garrett e Herculano sentiram a necessidade de imprimir uma feição nacional à literatura portuguesa; Herculano romantizou o conto da Dama Pé de Cabra nas suas Lendas e Narrativas, e Garrett metrificou a lenda de Miragaia, a Gaia do Nobiliário. Seguiu-lhes Castilho o exemplo na lenda de Fuas Roupinho.

150Na lenda de Gaia há um episódio que se encontra nas lendas germânicas. Lê-se no Livro Velho das Linhagens: «fretou (Abencadão) seis naves e meteu-se em elas, e veio aportar a Sanhoane da Furada; e pois que a nave entrou pela foz cobriu-a de panos em tal guisa que cuidassem que eram ramos, ca entonce Douro era coberto de uma parte e da outra de árvores.» Em uma lenda franca, extraída por Jacob Grimm de Aimonius, acha-se este mesmo estratagema de guerra. «Quando Childebert entrou com um poderoso exército nos estados de Gontran e Fredegond, a rainha exortou os Francos a defenderem-se com arrojo... Fredegond imaginou um estratagema. À meia-noite, no meio das trevas, o exército guiado por Landerick, tutor do jovem Clotário, pôs-se em marcha e foi para uma floresta; Landerick pegou de um machado e cortou para si um ramo de árvore, depois pendurou umas campainhas no pescoço do cavalo que montava. Deu ordem a todos os seus cavaleiros para que fizessem o mesmo; cada um deles tornou um ramo de árvore na mão, prendeu campainhas ao pescoço do seu cavalo, e todos, logo que o dia começou a alvorecer, puseram-se a andar para o campo inimigo!... Uma das vedetas do exército contrário os descobriu através da luz duvidosa do crepúsculo; gritou logo para o companheiro: Que floresta é esta, que aqui vejo? Em sítio onde ainda ontem à noite não havia o menor graveto? – Tu ainda estás emborrachado e de nada te lembras (disse o outro soldado) é gente nossa, que acharam na floresta vizinha forragens para os seus cavalos. Não ouves o som das campainhas penduradas ao pescoço dos corcéis que pastam? ... Enquanto as vedetas isto diziam, os Francos deixaram cair os ramos e a floresta ficou despojada de folhas, mas eriçada de lanças refulgentes que se levantaram como troncos. A confusão entrou no exército do inimigo; o terror apoderou-se deles; deixaram o sonho para entrarem numa batalha sangrenta e os que não puderam fugir foram ceifados pelo ferro; os comandantes só deveram a salvação à celeridade dos seus cavalos.» (Jacob Grimm, Lendas Alemãs, t. II, 107, trad. L. Héretier (de l’Ain) 1838.)

151A lenda de D. Fuas Roupinho salvo pela intercessão da Virgem da Nazaré, do abismo em que o seu cavalo o precipitava, aparece na tradição alemã atribuída a Hermann de Treffurt, que os cronistas Becherer, Toppius e Melissante, pintam como um teutão devasso, brutal, um senhor feudal despótico. No seu extracto, escreve Jacob Grimm: «Isto não obstava que fosse sempre à missa e de rezar com devoção, o ofício da Santa Virgem. De uma vez partira a cavalo para uma aventura de amor, depois de ter convenientemente segundo o seu costume, rezado mui religiosamente o ofício da Virgem; mas como cavalgava de noite sozinho nas trevas sobre o Hollestein, enganou-se no caminho e chegou ao píncaro mais elevado da montanha; ali o cavalo estacou de repente; mas o cavaleiro julgando que seria medo de alguma alimária, esporou-lhe o flanco; o cavalo arrojou-se com o cavaleiro do alto do rochedo e morreu da queda; a sela desfez-se; a espada do cavaleiro fez-se em estilhaços; mas na sua queda o cavaleiro invocara a Virgem-Mãe, e pareceu-lhe que era segurado por uma mulher que o colocou em terra levemente e sem mal.» (Lendas Alemãs, t. II, p. 412.) Castilho tratou esta lenda deliciosamente nas Escavações Poéticas.

152No seu tratado Da Educação, escrito em 1830 por Garrett em cartas dirigidas à marquesa de Ponta Delgada, que instruía a princesa D. Maria da Glória (D. Maria II) mostra-se contrário a que se contem ou leiam fábulas e contos às crianças: «Em muitas partes é costume, especialmente em França, o ser um livro de fábulas ou apólogos o primeiro que se dá às crianças; Maitre Corbeau é a primeira personagem histórica com quem fazem conhecimento os meninos franceses. – Mas ainda que o apresentador seja tão elegante e donairoso como o engraçado João La Fontaine, ainda assim Maitre Corbeau sur un arbre perché não é sujeito, que se escolha para a primeira amizade de uma criança.» Il n’appartient qu’aux hommes de s’instruire dans les fables, diz Rousseau com muita razão. Confirma diariamente a experiência o que ele assevera, que nunca se vê tirarem as crianças uma ilação moral do seu apólogo; gostam porque é conto e faz rir, e acham nos versos de Fedro ou La Fontaine repetidos pelo Lobo e pelo Cordeiro, a mesma graça que no «Tó, Carocho! quem passa? el-rei, que vai à caça,» do seu papagaio. Nunca pude descobrir o porquê razoável deste costume, e vejo-ihe mil inconvenientes. Será que aprendam melhor os meninos a moral pregada com as visagens do macaco desembargador ou nos diálogos da formiga e da cigarra e semelhantes églogas de alimárias? Não o creio; não acho que a ficção instrua melhor que a verdade.

  • 40 «Quanto à aptidão estética do fetichismo, ela é evidentíssima, para exigir agora um exame especial. (...)

153«Inventaram-se para as pessoas grandes, para os grandes que não queriam ouvir, que se ofendiam com a verdade nua e crua, e só toleravam com alguma indulgência quando assim condimentada e disfarçada em parábolas. – E por este modo e como os escravos romanos ou bobos senhoriais é que nós havemos de presentar às portas da vida a receber o nosso pupilo para o guiar no caminho da experiência com subterfúgios de fábulas e contos da Carochinha? – Demais, fábula quer dizer fingimento; e fingimento é mentira; e mentira nem zombando se deve ensinar às crianças; é mau divertimen to; não se lhes deve deixar folgar com ele... No tempo que os bichos falavam: começam os apólogos da tradição oral, que se contam aos meninos; bem sabemos que ainda que creiam nisso, não podem crer muito tempo; mas para que é essa ideia falsa, por pouco que dure? Sempre é mau, – é péssimo; faz-lhes perder o horror à falsidade, ensina-lhes a contar contos e não a olhar a verdade como uma cousa santa, com a qual não é lícito, não é possível brincar, que nem se deve nem se pode saber dissimular ou alterar no mínimo ponto.» (Carta IV.) Neste juízo estava sendo influenciado pelo negativismo crítico do fim do século XVIII, de que se queixava Filinto na saudosa evocação das seroadas portuguesas; e os Grimm já tinham fundado a escola que estudava as ficções poéticas tradicionais como revelações do estado da consciência humana primitiva isentas de toda a mentira, e constituindo um dos mais ricos elementos da Demopsicologia. O que absolve Garrett é o abuso que se fez compondo fábulas e imaginando contos de mero artifício pedagógico, como os de M.me de Beaumont, e congéneres; desnaturando o sentimento da tradição, que tanto se manifesta nas épocas de decadência. A simpatia natural das crianças pelas fábulas corresponde ao atavismo do estado psicológico de um fetichismo espontâneo primitivo que orientou a imaginação humana tão lucidamente estudado por Comte40.

  • 41 Ramalho Ortigão, nas suas Farpas, traz o conto do Manto do Rei, porventura conhecido pela colecção (...)
  • 42 O Dr. João Teixeira Soares, iniciando na ilha de S. Jorge esta investigação, escrevia-nos acerca do (...)

154Mais tarde Mendes Leal fez uma espécie de mágica fiabesca das Três Cidras do Amor, com toda a ininteligência do ultra-romântico. Era preciso fazer a transição da emoção artística para a crítica consciente; esta fase do Romantismo europeu só veio a operar-se muito tarde em Portugal, quando a história literária recebeu um espírito filosófico, e o corpo das tradições poéticas foi explorado com intuito científico. No último quartel do século XIX o conto popular continuou a receber forma literária;41 prevaleceu, porém, a direcção científica, havendo já numerosas colecções em que se vão arquivando as tradições portuguesas, sintoma auspicioso de uma revivescência da nacionalidade42.

155Depois de terem iniciado a coleccionação dos contos populares da Alemanha em 1812 e 1813, os celebrados filólogos Jacob e Guilherme Grimm, determinando em 1822 as formas do seu estudo em quanto às origens míticas e universalidade desses temas novelescos e transmissão entre épocas e nações diversas pelo influxo das obras literárias, esboçaram o processo crítico da novelística, criando sobre este elemento tradicional uma nova ciência, a Demopsicologia. A ficção deixou de ser considerada como um capricho da fantasia, mas a concepção implícita na expressão subjectiva, que nos pode revelar estados primitivos da inteligência. Deste automatismo tradicional através dos séculos, e sob os inevitáveis sincretismos, tal como acontece com a linguagem, nunca a ficção deixa na sua espontaneidade transparecer uma mentira propositada. Tal foi a descoberta fundamental de Jacob Grimm, afirmando a verdade da poesia do povo; pode essa tradição ser deturpada, e mesmo enganar-se, errar, mas subsiste impertérrita a verdade do que a transmite. Que diferença entre um mito e uma concepção científica! E contudo o mito é verdadeiro, como documento revelador de um estado mental de subjectividade e credulidade. Esta alta compreensão valorizou esses produtos da imaginação, que se abandonavam às reminiscências da velhice e à fascinação das crianças, com o título de Contos da Carochinha e Contos de Velhas; formaram-se por todas as nações sociedades de folclore, para coligirem esses materiais da sabedoria popular, a que chamaríamos Demótica, para completar a área das investigações. Jacob Grimm apontou também a necessidade do exame das obras literárias das diversas nações nas épocas várias da sua cultura. No pequeno quadro que aqui intitulamos Literatura dos Contos Populares em Portugal, procuramos satisfazer a indicação sugestiva de Grimm. Quando o diplomata conde de Lavradio foi à Alemanha induzido pela duquesa do Kent para tratar do casamento de D. Maria II com o jovem Fernando de Coburgo, filho segundo do duque reinante, escreveu no seu Diário-Memorial.

156«Novembro de1835. À noite reuniram-se em casa do duque (Saxe-Coburgo) diversos homens sábios do país, entre outros Mr. Jacob, que goza de grande reputação na Alemanha; pareceu-me homem de conhecimentos muito variados, bom saber e muita jovialidade, não obstante a sua avançada idade.» Era o grande filólogo revelador do génio germânico; contava então cinquenta anos, e é curiosa esta nova do seu saber aliado à muita jovialidade. (Memor., fl. 209.)

157Ao contrário do que pensara Garrett, a generalização dos estudos do folclore actuou na transformação da pedagogia infantil, entre os educadores ingleses, alemães, belgas, suíços e escandinavos, servindo-se de todos os meios naturais e morais para acordar o interesse e a inteligência da criança; formaram os formosos livros de contos, as colecções de cantares, principalmente de baladas narrativas, os brinquedos instrutivos, os álbuns de estampas coloridas com intuito moral e artístico, e músicas alegres de valsas como as de Rudorff, e até dar às visualidades da lanterna mágica a forma fascinadora do conto de fadas em ópera, como fez com tanta felicidade o sábio compositor Humperding. E nesta arena de esforços também Portugal está bem representado por delicados espíritos femininos como Caiel(D. Alice Pestana) e D. Ana de Castro Osório, dignas da maior benemerência.

158As vias que se podem determinar para a introdução em Portugal dos contos mais gerais da tradição universal são literárias e orais. As literárias, são provençais, bretãs e francesas até ao século XV; eruditas e as provenientes da corrente dos novelistas italianos no século XVI. A via popular ou oral é mais difícil de determinar, mas uma das principais foi a comunicação com a sociedade árabe, influência que fez que em Espanha se traduzisse o Calila e Dimna; as Cruzadas e as relações com as cortes bizantinas; a corrente literária vulgarizava-se entre o povo, por via dos pregadores. Muitos contos conservam vestígios míticos inconscientes. A persistência da tradição entre o povo tem também o seu porquê histórico; os pagi, na organização social da Idade Média, eram as povoações rurais, com a vida industrial própria, com a sua crença e igreja local, alheios a todo o movimento intelectual dos grandes centros.

159Foi nos pagi, que os restos do politeísmo romano, do culto odínico germânico, do druidismo céltico, e dos cultos mágicos trazidos pelos Romanos e Árabes dos Egípcios e Caldeus, se encontraram com o cristianismo ainda em estado sentimental. Mais tarde a Igreja, ao realizar a sua unidade, condenou essas tradições populares, chamando-lhes paganismo. Nos contos de fadas o carácter pagão é tanto mais evidente quanto maior é o sincretismo; toda esta complexidade de origens recebe interesse histórico, segundo as épocas que atravessa; nesses contos alude-se às grandes fomes; à antropofagia dos ogres, à brutalidade feudal na situação de Grisélidis, ou ao símbolo jurídico dos esponsais pelo sapatinho, como na Cendrillon. O ponto de vista mítico é o mais importante e o verdadeiramente científico, hoje que Benfey e Max Müller demonstraram a universalidade das tradições. O conto é um resto dos mitos de um politeísmo decaído; Gubernatis determinou nesta decadência duas formas, uma nacional, que produz as formas da epopeia, e outra doméstica ou familiar, que se perpetua no conto. Pode-se dizer que estão achadas as leis da imaginação humana, e que a pretendida originalidade subjectiva se dissolveu do mesmo modo que perante a ciência se dissolveu o dogma de uma criação do nada. A cadeia tradicional está reconstituída desde a sua fonte indiana até à Europa, e pode-se dizer, que até onde os mitos védicos penetraram, já na forma épica e purânica, já nas especulações búdicas propagadas entre as raças amarelas, já no naturalismo das migrações indo-europeias, em toda a parte se foram transformando em contos populares.

160Sendo o conto uma fase de decadência dos mitos áricos, confundidos com restos fetíchicos nos Bestiários e Lapidários, existe um outro subsolo da imaginação humana, mais obliterado, mais inconsciente, é o das superstições, restos provenientes de religiões ainda mais antigas que o politeísmo árico: tais são os cultos mágicos turano-cuchitas, conservados pelos Gregos, e trazidos pelos Romanos e Árabes para a Europa da tradição do Egipto e da Caldeia. Não é menos importante esta forma da vida da tradição, que se vai tornando pela leitura dos hieroglíficos e dos cuneiformes, objecto de uma ciência. A Superstição e o Conto são duas decadências de dois grandes e vastos sistemas religiosos.

161Antero de Quental teve a intuição daquele estado da Filomitia, descrevendo-o admiravelmente em uma das suas cartas: «será isto só poesia? A poesia é também verdadeira: é a evidência da alma. Se o pensamento indaga, o coração adivinha. – É lá que a mesma lei da existência vive oculta, e dali solta os seus oráculos sempre certos. Das ruínas das sociedades antigas quanto resta, quanto aceita o futuro, como parcela de oiro, depurado de tantas fezes seculares? ... Serão os sistemas, as abstracções, as certezas? Não; as ilusões apenas – a poesia. A poesia! O sonho da humanidade no berço infantil da sua primeira inocência! A fada que lhe embalou os sonhos de criança! A sibila reveladora das palavras misteriosas, cujas glosas foram as primeiras crenças, as primeiras religiões, as primeiras sociedades! Do regaço dela nos caiu sobre as mães o mundo antigo, ardente, belo, luminoso, pelo contacto daquele seio divino. Sobre esse candente alicerce firmámos as frias construções do nosso mundo moderno. O chão sobre que assenta a certeza de hoje, formou-se pelas aluviões sucessivas da intuição antiga. O que é ciência foi já poesia; o sábio foi já cantor; o legislador, poeta; e a evidência uma adivinhação, um admirável palpite, cujas profundas conclusões são ainda o espanto, e porventura o desespero das mais rigorosas filosofias. E, se nadamos hoje em plena luz da razão, foi entretanto a poesia, foi essa doce mão, que nos guiou por entre o pálido crepúsculo dos velhos sonhos. Velhos? não: sonhos eternos! – Sonharemos sempre! Que o sonho consola, dá fé e virtude. Luminoso e belo deixará de ser também verdadeiro só por não ser verdadeiramente lógico? Há muitas lógicas. O sentimento tem a sua; diversa, só, mas nem por isso menos segura. É assim que a inteligência de hoje tem confirmado todas as intuições da antiga poesia. A religião, o direito, a liberdade, o amor, tudo isso nos legou o velho mundo poético; não o descobrimos nós. Aquilatámos novamente o valor desse oiro, dessas pedras finas, pelos novos processos; e o valor não se acha minguado; cresceu talvez. A nobre confiança que a Antiguidade depositara no sentimento, não a iludiu, não lhe mentiu. O que o coração segredou ao homem no doce crepúsculo das eras instintivas, pode hoje dizer-se, repetir-se bem alto, a grande luz desse céu de clareza e de razão, é a verdade.» (Cartas, p. 29.)

  • 43 Aos estudos do folclore português chamou Antero de Quental, erudição em delírio; e a filosofia posi (...)

162Depois desta página tão translúcida em que Antero de Quental nos dá expressão sintética ao que Aristóteles chamou Filomitia, faz o contraste deprimente e esterilizante da Filosofia «a monotonia do espírito chamada lógica – por onde mede o ritmo impassível de suas palavras fatídicas» (p. 28) e «a Ciência, que está fora da Natureza, é ela que se engana» (p. 32.)43 O mundo moderno só alcançou o conhecimento desse estado da consciência primitiva da humanidade, quando foram reunidas as complexas ciências na Filologia; e a Filosofia reconheceu nesses mitos, lendas e contos os gérmens imortais, a que a Arte dá as formas plásticas, somáticas das criações literárias.

Notes

1 Folclore Andaluz, p. 126; R. Marin, Contos populares españoles, t. ii, p. 196.

2 Cancioneiro Português da Vaticana, Canç. n.° 455.

3 Livre des Legendes, p. 167.

4 Orto do Esposo, fl. 73, v.

5 Leal Conselheiro, p. 81.

6 Ibidem, p. 7.

7 Op. Ib„ p. 192.

8 8 Antiquités de Russie, p. 151.

9 Ticknor, Hist. da Literatura Esp., t. iii, p. 25, not. 38.

10 Comprova-se a doutrina destes capítulos com as notas dos contos Bilha de Azeite (p. 99); O Pajem da Rainha (150); O Anjo e o Eremita (p. 163); e Gaia (p. 174).

11 P. Francisco da Fonseca, Évora Gloriosa, p. 627.

12 Gil Vicente, apud. Gallardo, p. 983.

13 Ainda hoje jogo popular.

14 Alfred Maury, Fées, pág. 11.

15 Berger de Xivrey, Traditions tératologiques, pág. 265.

16 Obras, t. II, pág. 489.

17 Canc. Ger., t. ii, pág. 367.

18 Os contos de Trancoso tornaram-se tipos do género: «Finalmente para prova do que tem dito, conta dois casos, que me parecem de Trancoso.» Frei Arsénio da Piedade. Reflex. Apologéticas, p. 34.

19 Contos, p. 153, ed. 1642.

20 Ibidem, p. 46.

21 Ibid., p. 247

22 Ibid., p. 208.

23 Annalis Campidenenses.–Nic. Frischlini, Comedia; Hildegardis magna.–Cf. Vinc. Bellovac., Sp. Hist.vii, c. 90–02, e o velho poema alemão Crescentia. Grandes semelhanças da Imperatriz Porcina com a Patraña 21, de Timoneda.

24 Lê-se no volume i do Panorama: «publicou um grande número de Autos e outras obras, humildes pelo estilo, mas com toques tão nacionais e tão gostosos para o povo, que ainda hoje são lidos por este com avidez.»–Pág. 14.

25 Dic. Bibl., vol. i, Baltasar Dias.

26 Garrett, Romanceiro, t. iii, pág. 19. O Snr. Inocêncio dá-o como original de Baltasar Dias.

27 Ticknor, Histoire de la littérature espagn., pág. 223.

28 Victor Le Clerc, Discours sur l’état des letlres en France au quatorzième siècle, pág. 53.

29 Op. cit., pág. 146.

30 Carta de 11 de Nov. de1566 (Corpo Diplomático, t. XIII, p. 372). Nesta data já havia sete dias que era o rei falecido.

31 Nos Sermões improvisados do P. António Vieira, ele intercalava anedotas e casos, com que tornava interessante a prédica. E escrevia D. Francisco Manuel de Melo, aludindo a um grande interesse: «Como quem manda lançar tapete de madrugada em São Roque para ouvir o P. Vieira.» ( Carta de 25 de Janeiro de1650.)

32 Satisfação de Agravos e Confusão de Vingativos, por modo de Diálogo, entre um Ermita e um Soldado. Dividido em dois tratados com Exemplos e Histórias Notáveis em confirmação. Autor o P. M. João da Fonseca, da Companhia de Jesus, Évora, com as licenças necessárias na Oficina da Universidade e Ano de1700. (Licenças de1605).

33 Op. cit., p. 441.

34 Ibid., p. 511.

35 Obras, p. 342.

36 Ibid., t. III p. 60. Por este texto se vê a verdade da nossa interpretação do texto de Jorge Ferreira.

37 Obras de Nicolau Tolentino, p. 93. Ed. Castro Irmão.

38 Por exemplo: as Parábolas de Sindabar. Vid. Ensaio sobre as Fábulas Indianas, de Loiseleur des Longchamps, p. 655;–Histoire littéraire de la France, t. xxiii, pág. 165.

39 Fabliaux, t.III.–Vid. Charles Nizard, Hist. des livres populaires, t.i, pág. 267.

40 «Quanto à aptidão estética do fetichismo, ela é evidentíssima, para exigir agora um exame especial. Porque, o sistema que nos assemelha directamente todos os seres, até aos mais inertes, convém eminentemente à nossa expansão poética musical e mesmo plástica.» (Política Positiva t. III, p. 101.)

41 Ramalho Ortigão, nas suas Farpas, traz o conto do Manto do Rei, porventura conhecido pela colecção de Andersen, mas já desde o século xiv vulgarizado na Península pelo Conde de Lucanor, de D. João Manuel. Em um outro número das Farpas, traz o conto do lazarento que não quer que lhe enxotem as moscas; este conto é de Esopo (col. do Planudes) e Josefo cita-o nas Antiguidades Judaicas (Livro xviii, cap. 8) em nome de Trajano.

42 O Dr. João Teixeira Soares, iniciando na ilha de S. Jorge esta investigação, escrevia-nos acerca do folclore açoriano: «Aconteceu o outro dia passar aqui uma noite a Maria Inácia. Chamei-a e à minha criada para junto desta mesa de trabalho para as interrogar sobre contos populares a que o povo chama casos. Desculparam-se da falta da memória juvenil, para entrarem francamente neste campo, contudo disseram bastante para me deixarem estupefacto. Que peripécias! que maravilha! que poesia! Afirmaram-me unanimente que seria impossível ao investigador mais diligente formar uma colecção completa de todos os casos sabidos do povo:–Todos escritos, enchiam esta casa! disse a Maria Inácia.»

43 Aos estudos do folclore português chamou Antero de Quental, erudição em delírio; e a filosofia positiva, considerou-a uma banalidade francesa: «O positivismo, como quase todas as cousas banais, e particularmente as banalidades francesas, parece claro, não pede esforço algum da inteligência para ser compreendido.» (Cartas, p. 102) Junqueiro seguiu-o, considerando a filosofia positiva própria para discutir depois de um bom jantar burguês.
Diante destes peremptórios juízos, devem causar pena, Bain e Stuart Mill que estudando juntos a filosofia positiva concluíram que era um sistema perfeito, aplicando-a à renovação da lógica moderna; Littré e Spencer, um devendo-lhe a disciplina mental da sua erudição e crítica histórica, este outro o valor da ideia de evolução para construir o sistema da filosofia sintética; Maudslay confessa quanto a orientação actuou na sua Patologia do Espírito, e Carey segue Comte na organização da sua Economia Social; grandes fisiologistas como Charles Robin, Claude Bernard e o matemático Pierre Laffite, autor das lições de Filosofia Primeira, reconheceram em Comte o coordenador do pensamento moderno, como fora Descartes para o século XVII.

© Etnográfica Press, 1987

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Volume papier

amazon.fr
Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search